Apresentação do relatório da Bolsa de iniciação de investigação. Leonor Trovão, Novembro 2010 Orientador: Prof. Humberto Jorge

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação do relatório da Bolsa de iniciação de investigação. Leonor Trovão, Novembro 2010 Orientador: Prof. Humberto Jorge"

Transcrição

1 Apresentação do relatório da Bolsa de iniciação de investigação Leonor Trovão, Novembro Orientador: Prof. Humberto Jorge

2 Problemas ambientais com os transportes Introdução de veículos eléctricos Utilização dos veículos eléctricos Soluções Comerciais de VEs Conceito VG (vehicle to grid) VE Aspectos a ter em conta Tipos de carregamentos Estudo simulado do impacto na rede eléctrica Carregamento não controlado Carregamento com incentivo tarifário Nivelamento de carga Conclusões

3 O sector dos transportes tem uma necessidade crescente de combustível. Em tiveram um consumo de 6,% do consumo mundial de petróleo contra 4,4% em 97. O consumo intensivo de combustível tem aumentado, o que conduziu a escassez do petróleo e como consequência o seu elevado preço por barril. (U$ em Julho 8) Gases de efeito estufa: Poluição urbana em média e grandes cidades Surge problemas de saúde, principalmente respiratórios

4 Maioritariamente produção a partir de combustíveis fósseis Produção de origem renováveis tem vindo a crescer 4

5 Tabela : apresenta algumas das políticas e metas de alguns países Vários países estabeleceram metas para obter resultados na introdução de veículos eléctricos Portugal : 7 VE comercializados Países Metas Áustria : VE desenvolvidos Austrália : primeiro veiculo na estrada. 8: desenvolvimento em massa. : até6% de carros em stock Canada 8: VE desenvolvidos China : produção anual de VE Dinamarca : VE França : VE Alemanha : VE desenvolvidos Irlanda : % VE em quota de mercado Israel : 4 VE, : de 4 para VE Japão : % em quota de mercado da próxima geração de veículos Nova Zelândia : % em quota de mercado, 4: 6% em quota mercado Espanha 4: VE desenvolvidos Suécia : 6 VE desenvolvidos Reino Unido EUA Nenhuma meta estabelecida, mas desenvolve a política de apoia aos VE : PHVE em stock

6 Vantagens: Redução do ruído; Diminuição do consumo; Eficiência a qualquer velocidade; Possibilidade do aproveitamento da travagem regenerativa. Desvantagens: Autonomia limitada Limite da densidade de energia das baterias; Vida útil reduzida da bateria (- ciclos de carga/recarga) 6

7 Surge num patamar intermédio o veiculo híbrido: Os veículos eléctricos híbridos são hoje em dia classificados em 4 categorias: Híbrido série Híbrido paralelo Híbrido série paralelo Híbrido Plug in 7

8 Exemplo de veículos comerciais disponíveis NISSAN LEAF 8 cv de potência; MINI SMART E ELÉCTRICO Velocidade máxima de 4 Chegar Equipado km/h. ao com mercado um motor ainda em ; eléctrico de 4 cv de potência; Equipado também com baterias Um Proporciona de iões motor de de lítio; uma 4 aceleração CV; Aceleração dos aos 6 dos km/h a km/h em 6, Autonomia de 6km; em segundos; 8.s. Lugares mais bagagem; Autonomia está de prevista km; para Comercializado em Portugal a 4km; Baterias de iões de lítio partir de ; Uma fornecidas carga pela completa Teslas de Motors. cerca O Nissan Leaf virá com um de Consumo horas equivalente e meia. a,78 sistema de mobilidade online. litros/ km. para ligar o ar condicionado Venda quando ao o público carro estiver está prevista para desligado. 8

9 Funcionalidade básica do conceito VG: Ligação bidireccional 9

10 Sistema completo para implementação VG Necessidade de controlo através de um operador independente

11 Sinalização Plano de acessos e iluminação nas áreas públicas de carregamento Necessidades das pessoas com deficiências Certificação dos equipamentos de carregamento Certificação da instalação Propriedade dos postos de carregamento, manutenção e operação, medição e subscrição de serviços Sistema de medição inteligente para carregamentos domésticos para controlar o tempo de carregamento, relacionando o custo e o tempo

12 A nível internacional espera-se a existência de níveis de carregamentos Nível Tipo Tensão / Corrente Carga Tempo de carga Potência Nível Domestico V /6A % 6 a 8 horas kw Nível Oportunidade 4V / A % minutos kw Nível Emergência 4V / A km minutos kw Nível Ampliação 4V / 6A 8% minutos 44kW

13 Zona residencial com habitações Trajecto diário de km Aplicou-se tipos de carregamentos: Carregamento não controlado Carregamento com incentivo tarifário Nivelamento de carga / h k W Consumos domesticos cons hab verão cons hab inverno Aplicação de uma distribuição normal para simular diferentes horários de inicio de carga e para diferentes necessidades energéticas. : : : : : : : : : : Horas

14 4

15 Com incentivo tarifário h-8h inverno k W Consumo com VE 7% Consumo com VE % Consumo com VE % Consumo sem VE : : : : : : : : : : Com incentivo tarifário h-8h verão Horas 4 k W Consumo com VE 7% Consumo com VE % Consumo com VE % Consumo sem VE : : : : : : : : : : Horas

16 6

17 O VG pode ser um auxilio para a rede, mas será necessário o controlo a nível de informação. Carregamentos não controlados podem causar problemas a rede, aumentar e prolongar a ponta máxima do diagrama de carga. Carregamentos controlados por incentivo tarifário podem criar uma nova ponta se não houver controlo no inicio do período. O nivelamento de carga será o carregamento perfeito, visto que uniformiza o diagrama de carga e não aumenta a ponta máxima. Contudo este tipo de carregamento só terá sucesso implementando tecnologia adequada. VE é uma carga com armazenamento o que lhe confere um carácter de carga flexível que associado a um carregamento inteligente poderá vir a ter baixos impactos negativos na rede. 7

18 Obrigada pela atenção! 8

ENERGIA SOLAR E AQUECIMENTO EM EDIFÍCIOS

ENERGIA SOLAR E AQUECIMENTO EM EDIFÍCIOS ENERGIA SOLAR E AQUECIMENTO EM EDIFÍCIOS Maio de 2006 enquadramento legal / regulamentar publicada recentemente nova legislação há muito aguardada enquadramento legal / regulamentar... SCE Dec. Lei nº

Leia mais

Visão Global do Programa Veículo Elétrico

Visão Global do Programa Veículo Elétrico Visão Global do Programa Veículo Elétrico 26 de junho de 2013 Diretoria Geral Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável Histórico do Programa VE Itaipu/KWO Acordo de cooperação tecnológico ITAIPU -KWO

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia. 15.11.2007 PE396.799v01-00

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia. 15.11.2007 PE396.799v01-00 PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 15.11.2007 PE396.799v01-00 ALTERAÇÕES 1-18 Projecto de relatório Claude Turmes Fundo Mundial para a Eficiência Energética

Leia mais

PREPARATIVOS PARA A NOVA LEGISLAÇÃO SOBRE EFICIÊNCIA E ROTULAGEM ENERGÉTICAS

PREPARATIVOS PARA A NOVA LEGISLAÇÃO SOBRE EFICIÊNCIA E ROTULAGEM ENERGÉTICAS PREPARATIVOS PARA A NOVA LEGISLAÇÃO SOBRE EFICIÊNCIA E ROTULAGEM ENERGÉTICAS ATLANTIC E A NOVA NORMATIVA ENERGÉTICA Há mais de 40 anos que a Atlantic investiga e desenvolve, diariamente, soluções para

Leia mais

E o que estamos fazendo sobre os pneus?

E o que estamos fazendo sobre os pneus? PROGRAMAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA I PNEUS Vamos aos pneus! E o que estamos fazendo sobre os pneus? - O CONPET, programa criado pelo Governo Federal em 1991 e executado pela Petrobras, promove a eficiência

Leia mais

Sistemas híbridos de geração de energia usando fontes renováveis: a experiência da Ilha de Lençóis Cururupu Ma.

Sistemas híbridos de geração de energia usando fontes renováveis: a experiência da Ilha de Lençóis Cururupu Ma. UFMA Universidade Federal do Maranhão - UFMA Instituto de Energia Elétrica - IEE Núcleo de Energias Alternativas - NEA Sistemas híbridos de geração de energia usando fontes renováveis: a experiência da

Leia mais

PRIO: Introdução de Biodiesel em Portugal. AGENEAL - Convento dos Capuchos, Caparica, Almada 16 de Novembro de 2007

PRIO: Introdução de Biodiesel em Portugal. AGENEAL - Convento dos Capuchos, Caparica, Almada 16 de Novembro de 2007 PRIO: Introdução de Biodiesel em Portugal AGENEAL - Convento dos Capuchos, Caparica, Almada 16 de Novembro de 2007 AGENDA 1 PRIO 2 Biodiesel 3 Vantagens do Biodiesel 4 Introdução de Biodiesel em Frotas

Leia mais

Eficiência Energética e Geração de Energia. Proposta de Colaboradores

Eficiência Energética e Geração de Energia. Proposta de Colaboradores Eficiência Energética e Geração de Energia Proposta de Colaboradores SUMÁRIO EXECUTIVO Oferta de Serviços Fundamentação da proposta Descontos MUNDO SUSTENTÁVEL CONCEITO Apresentar aos clientes Lar doce

Leia mais

Tarifário de venda de. Gestão de Energia

Tarifário de venda de. Gestão de Energia Tarifário de venda de energia Gestão de Energia Tarifário de venda de EE Legenda: Uc tensão composta (tensão entre duas fases de alimentação) Alta Tensão (AT) 45 kv < U c 110 kv Muito Alta Tensão (MAT)

Leia mais

Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica.

Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica. Imagine um futuro para a sua empresa, em que as deslocações são feitas de forma inovadora, económica, sem emissões e totalmente adequada às suas necessidades. Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica.

Leia mais

URE Sistemas de Ar Comprimido. URE - Sistemas de Ar Comprimido. 1

URE Sistemas de Ar Comprimido. URE - Sistemas de Ar Comprimido. 1 URE Sistemas de Ar Comprimido URE - Sistemas de Ar Comprimido. 1 Aplicação do ar comprimido (I) O ar comprimido é utilizado atualmente em larga escala nos mais diversos processos porque apresenta inúmeras

Leia mais

NET ZERO ENERGY BUILDING Adeilton Hilário Júnior

NET ZERO ENERGY BUILDING Adeilton Hilário Júnior NET ZERO ENERGY BUILDING Adeilton Hilário Júnior 1 - PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL MUNDIAL O aquecimento global é um dos mais graves problemas com que se depara o Planeta Terra. Aumento da concentração de gases

Leia mais

Desconto de 10% nos produtos e serviços abaixo indicados, sobre o preço em vigor em cada momento.

Desconto de 10% nos produtos e serviços abaixo indicados, sobre o preço em vigor em cada momento. Desconto de 10% nos produtos e serviços abaixo indicados, sobre o preço em vigor em cada momento. Os preços apresentados já incluem 10% de desconto para as instituições; Aos preços indicados acresce IVA

Leia mais

Plano de Ação para a Energia Sustentável. Go Local Por Uma Cidade Sustentável Sesimbra, 9 de maio de 2014

Plano de Ação para a Energia Sustentável. Go Local Por Uma Cidade Sustentável Sesimbra, 9 de maio de 2014 Plano de Ação para a Energia Sustentável Go Local Por Uma Cidade Sustentável Sesimbra, 9 de maio de 2014 Plano de Ação para a Energia Sustentável de Palmela (PAESP) Alterações climáticas? Pacto de Autarcas

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA

ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS Maria Graciette Cardoso Pitra Engª Química CHEFE DO DPTº Da BIOMASSA MINEA/DNER INTRODUÇÃO Angola, país actualmente com grande crescimento económico,

Leia mais

Curso de Capacitação de Gestores Municipais para Inventário de GEE e Ações de Mudanças Climáticas

Curso de Capacitação de Gestores Municipais para Inventário de GEE e Ações de Mudanças Climáticas Curso de Capacitação de Gestores Municipais para Inventário de GEE e Ações de Mudanças Climáticas Plano de Ação Municipal em Mudanças Climáticas e Monitoramento dos Resultados Florence Karine Laloë Gerente

Leia mais

GUIA PARA A REABILITAÇÃO CLIMATIZAÇÃO. PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus

GUIA PARA A REABILITAÇÃO CLIMATIZAÇÃO. PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus GUIA PARA A REABILITAÇÃO CLIMATIZAÇÃO PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria Oliveira & Irmão, S.A. Índice 0. Preâmbulo 5 1. Anomalias no Funcionamento do Sistema

Leia mais

Romeu Reguengo Novembro 2012. Estruturas Pré-fabricadas em Betão

Romeu Reguengo Novembro 2012. Estruturas Pré-fabricadas em Betão Estruturas Pré-fabricadas em Betão Introdução A pré-fabricação de edifícios surge na Europa, após a II Guerra Mundial, como forma de resposta rápida à falta de habitação nos países mais destruídos. O desenvolvimento

Leia mais

Betão de baixo carbono

Betão de baixo carbono Betão de baixo carbono 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Betão de baixo carbono O betão é o material de construção

Leia mais

Dimensionamento de um sistema fotovoltaico. Fontes alternativas de energia - dimensionamento de um sistema fotovoltaico 1

Dimensionamento de um sistema fotovoltaico. Fontes alternativas de energia - dimensionamento de um sistema fotovoltaico 1 Dimensionamento de um sistema fotovoltaico Fontes alternativas de energia - dimensionamento de um sistema fotovoltaico 1 Sistemas fotovoltaicos Geralmente são utilizado em zonas afastadas da rede de distribuição

Leia mais

3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS. 3.1 Sistema Direto

3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS. 3.1 Sistema Direto 3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS 3.1 Sistema Direto No sistema direto, as peças de utilização do edifício estão ligadas diretamente aos elementos que constituem o abastecimento, ou seja, a instalação é a própria

Leia mais

EMPRESA DE ORIGEM ITALIANA ESPECIALISTA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DE FORMA LIMPA E SUSTENTÁVEL!

EMPRESA DE ORIGEM ITALIANA ESPECIALISTA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DE FORMA LIMPA E SUSTENTÁVEL! EMPRESA DE ORIGEM ITALIANA ESPECIALISTA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DE FORMA LIMPA E SUSTENTÁVEL! Nosso objetivo: Diminuir ao máximo o seu CUSTO com Energia Elétrica. REPRESENTANTE COMERCIAL Empresa

Leia mais

Sobre Sisteme de Iluminação de Emergência

Sobre Sisteme de Iluminação de Emergência SOBRE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Informativo - Normas Quarta 11 Novembro Sobre Sisteme de Iluminação de Emergência Conjunto de Blocos Autônomos. São aparelhos de iluminação de emergência constituído de um

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS DAC N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS DAC N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO 2 ÍNDICE I PERFIL DA EMPRESA...3 II CONTEXTO...4 III SERVIÇOS...4 IV -

Leia mais

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente República de Angola Ministério do Ambiente Seminário Energias Limpas em Angola: Ministério da Energia e das Águas O Impacto das Energias Limpas no Ambiente Direcção Nacional de Tecnologias Ambientais 7

Leia mais

r o d e s e m p r e. r o d e c o m a v o l v o.

r o d e s e m p r e. r o d e c o m a v o l v o. r o d e s e m p r e. r o d e c o m a v o l v o. EDIÇÃO 2004 REVISADA 14 O DIFERENCIAL É O QUE FAZ A DIFERENÇA! olá! nesta edição, vamos conhecer um pouco mais sobre o diferencial do seu volvo! manutenção

Leia mais

14/01/2010 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CAP. 3 ESTUDOS DE CASOS CAP.3 ESTUDO DE CASOS CAP.3 ESTUDO DE CASOS. Mário C.G. Ramos

14/01/2010 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CAP. 3 ESTUDOS DE CASOS CAP.3 ESTUDO DE CASOS CAP.3 ESTUDO DE CASOS. Mário C.G. Ramos CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CAP. 3 ESTUDOS DE CASOS Mário C.G. Ramos 1 CAP.3 ESTUDO DE CASOS Caso nº 1: Seleção de um motor elétrico adequado à potência mecânica exigida por um equipamento. A curva

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE PREÇOS. Diferenças de preços na Europa em produtos das cadeias de lojas H&M, Zara, C&A e Body Shop.

ESTUDO COMPARATIVO DE PREÇOS. Diferenças de preços na Europa em produtos das cadeias de lojas H&M, Zara, C&A e Body Shop. ESTUDO COMPARATIVO DE PREÇOS Diferenças de preços na Europa em produtos das cadeias de lojas H&M, Zara, C&A e Body Shop Maio 2009 Realizado pela Rede de Centros Europeus do Consumidor (ECC-Net) Introdução

Leia mais

Educação Matemática. Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2

Educação Matemática. Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2 Educação Matemática Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2 UNIDADE II: TENDÊNCIAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Para construção de uma nova 2 O Índice Global de Habilidades Cognitivas e Realizações

Leia mais

Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas

Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas Professora Suzana Kahn Professora da COPPE-UFRJ; Vice Presidente do Grupo de Trabalho III do IPCC; Coordenadora Executiva

Leia mais

Financiamento do BNDES à Eficiência Energética

Financiamento do BNDES à Eficiência Energética Financiamento do BNDES à Eficiência Energética Congresso Brasileiro de Eficiência Energética (COBEE) São Paulo, 25 e 26 de Agosto de 2015 José Guilherme Cardoso Chefe de Departamento Área de Meio Ambiente

Leia mais

Requisitos legais. Para obter mais informações, consulte o documento Homologação de tipo.

Requisitos legais. Para obter mais informações, consulte o documento Homologação de tipo. Informação geral sobre leis e regulamentos Informação geral sobre leis e regulamentos Todos os países possuem requisitos legais para veículos conduzidos em vias públicas. Na União Europeia, eles são regidos

Leia mais

Sistemas de Cogeração Aplicação em Edifícios. (2007-2008) L. Roriz

Sistemas de Cogeração Aplicação em Edifícios. (2007-2008) L. Roriz Sistemas de Cogeração Aplicação em Edifícios (2007-2008) L. Roriz Necessidades energéticas As necessidades energéticas variam com o tipo de edifício, e dentro dos edifícios de serviços podem apresentar

Leia mais

Sistemas Inteligentes de Transportes

Sistemas Inteligentes de Transportes Sistemas Inteligentes de Transportes IST/ Licenciaturas em Engª Civil & Território - Mestrado em Transportes - Gestão de Tráfego Rodoviário 1 Principais tipos de contributos operacionais (I) Observação

Leia mais

Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal. Carlos Almeida Diretor Geral da DGEG

Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal. Carlos Almeida Diretor Geral da DGEG Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal Carlos Almeida Diretor Geral da DGEG Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal Estoril, 3 dezembro 2015 O consumo de energia em

Leia mais

Distribuição Eng. Norton Brandão 20 de Maio 2005

Distribuição Eng. Norton Brandão 20 de Maio 2005 Distribuição Eng. Norton Brandão Audição pública para discussão da proposta da ERSE sobre a revisão dos regulamentos do sector eléctrico 20 de Maio 2005 Questões a abordar - Comentários à proposta da revisão

Leia mais

PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL

PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL O FENÔMENO DOS CARROS FLEX E OS NOVOS USOS DO ETANOL 2 MERCADO AUTOMOTIVO BRASILEIRO Vendas de automóveis e comerciais leves por tipo de

Leia mais

Esta importância reflete-se no elevado peso do Ar Comprimido nos custos energéticos das empresas.

Esta importância reflete-se no elevado peso do Ar Comprimido nos custos energéticos das empresas. O ar comprimido apresenta uma elevada importância na indústria, sendo utilizado num conjunto alargado de setores industriais com diversos tipos de aplicações. Esta importância reflete-se no elevado peso

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE LÂMPADAS FLUORESCENTES E LED APLICADO NO IFC CAMPUS LUZERNA

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE LÂMPADAS FLUORESCENTES E LED APLICADO NO IFC CAMPUS LUZERNA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE LÂMPADAS FLUORESCENTES E LED APLICADO NO IFC CAMPUS LUZERNA Autores: Marina PADILHA, Felipe JUNG, Ernande RODRIGUES Identificação autores: Estudante de Graduação de Engenharia

Leia mais

Energia Solar em Portugal. Perspectivas e situação actual

Energia Solar em Portugal. Perspectivas e situação actual ALSOLAR, Energia Solar em Portugal Perspectivas e situação actual Condições geral Maior radiação solar de Europa Indústria de Energia Solar com tradição Enorma dependência de importação de energia Um país

Leia mais

maior lucro menores custos

maior lucro menores custos maior lucro menores custos aumente os lucros da sua empresa através da eficiência energética O setor industrial é responsável por 43% do consumo anual de energia em nosso país. Dentro deste setor, onde

Leia mais

Mesa Redonda sobre Energia Eólica

Mesa Redonda sobre Energia Eólica Mesa Redonda sobre Energia Eólica Informação de Enquadramento 10 de Fevereiro de 2010 Tópicos para apresentação Produção e consumo de electricidade em Portugal Produção em regime especial Produção eólica

Leia mais

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Pedro Nogueira Ramos GEMF e Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011 Taxa de Analfabetismo (nos

Leia mais

Aula 16 assíncrona Conteúdo:

Aula 16 assíncrona Conteúdo: Aula 16 assíncrona Conteúdo: Fontes alternativas de energia: eólica e nuclear. Fontes alternativas de energia: Solar e biogás Habilidade: Valorizar os progressos da química e suas aplicações como agentes

Leia mais

Fontes Renováveis Não-Convencionais Parte I

Fontes Renováveis Não-Convencionais Parte I Fontes Renováveis Não-Convencionais Parte I Prof. Antonio Simões Costa Labspot - EEL A. Simões Costa (Labspot - EEL) Fontes Renováveis 1 / 24 Desenvolvimento Histórico da Energia Eólica (1) Primeira turbina

Leia mais

As diretivas europeias da estratégia 2020 e os edifícios de necessidades quase-nulas (nzeb)

As diretivas europeias da estratégia 2020 e os edifícios de necessidades quase-nulas (nzeb) As diretivas europeias da estratégia 2020 e os edifícios de necessidades quase-nulas (nzeb) IV Congresso ATEPH Energia e Ambiente no Edifícios Hospitalar 4/5 junho 2015 RUI FRAGOSO DIRETOR DO DEPARTAMENTO

Leia mais

Comunicado Imprensa ERSE Disponibiliza Simulador de Potência a Contratar www.erse.pt

Comunicado Imprensa ERSE Disponibiliza Simulador de Potência a Contratar www.erse.pt Comunicado Imprensa Disponibiliza Simulador de Potência a Contratar www.erse.pt No âmbito das comemorações do Dia Mundial da Energia (29 de Maio), a vai disponibilizar na sua página da Internet, um novo

Leia mais

O que é energia solar?

O que é energia solar? ENERGIA SOLAR Renováveis O sol, o vento, a água e a biomassa são as fontes mais promissoras de energia hoje. O mundo não precisa investir em mais usinas a carvão e deve investir em alternativas para os

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇAO E TECNOLOGIA 2012. PROJETO: Utilização de Gás LP em Churrasqueiras. CATEGORIA: Aplicações do Gás LP

PRÊMIO GLP DE INOVAÇAO E TECNOLOGIA 2012. PROJETO: Utilização de Gás LP em Churrasqueiras. CATEGORIA: Aplicações do Gás LP PRÊMIO GLP DE INOVAÇAO E TECNOLOGIA 2012 PROJETO: Utilização de Gás LP em Churrasqueiras CATEGORIA: Aplicações do Gás LP AUTOR(ES): Comitê de Inovação da Fogás 1. Breve Histórico 2. Problemas e oportunidades

Leia mais

EFICIENERGY EDIFÍCIOS EFICIENTES

EFICIENERGY EDIFÍCIOS EFICIENTES EFICIENERGY EDIFÍCIOS EFICIENTES PLATAFORMA DE GESTÃO ENERGÉTICA Multimedição inteligente. Gerenciamento de energia integrado via web. Orientações de eficiência energética. Onde, quanto, quando e como

Leia mais

Considerações sobre a Lei da Partilha. Adriano Pires Junho de 2015

Considerações sobre a Lei da Partilha. Adriano Pires Junho de 2015 Considerações sobre a Lei da Partilha Adriano Pires Junho de 2015 Mudanças propostas Extinguir a obrigatoriedade da Petrobras de ter um mínimo de 30% dos campos do pré-sal que vierem a ser leiloados no

Leia mais

Gestão de energia: 2008/2009

Gestão de energia: 2008/2009 Gestão de energia: 2008/2009 Aula # T06 Preços da energia - electricidade Prof. Miguel Águas miguel.aguas@ist.utl.pt Objectivos da aula RESUMO TEMAS NÃO AGENDADOS MATÉRIA DA AULA: Preços da energia eléctrica

Leia mais

ECONOMIA TEXANA. Se o Texas fosse uma nação, seria a 13 a maior economia mundial. Produto Interno Bruto (PIB) 2013

ECONOMIA TEXANA. Se o Texas fosse uma nação, seria a 13 a maior economia mundial. Produto Interno Bruto (PIB) 2013 PORQUE O TEXAS? PORQUE O TEXAS? WHY TEXAS? ECONOMIA TEXANA Rank Nação Milhões de US$ 1 Estados Unidos* 16,244,600 2 China 8,227,103 3 Japão 5,959,718 4 Alemanha 3,428,131 5 França 2,612,878 6 Reino Unido

Leia mais

12ª Rio Wireless Um Brasil Sem Fios Rio de Janeiro, 21 de maio de 2012

12ª Rio Wireless Um Brasil Sem Fios Rio de Janeiro, 21 de maio de 2012 12ª Rio Wireless Um Brasil Sem Fios Rio de Janeiro, 21 de maio de 2012 Por 100 habitantes Ministério das Comunicações Mercado Mundial de Serviços Móveis 100 90 80 70 60 50 Linhas de telefones celulares

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL TELECOMUNICAÇÕES S.A.

CONTRIBUIÇÃO REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL TELECOMUNICAÇÕES S.A. CONTRIBUIÇÃO REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL TELECOMUNICAÇÕES S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA O10/2009 Recebimento de contribuições

Leia mais

A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc

A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc VII Encontro de Logística e Transporte São Paulo, 21 de maio 2012 Transporte Sustentável Deve atender as necessidades de mobilidade da

Leia mais

Estudo sobre o Aumento do teor de etanol na gasolina para 27,5% Abril / 2015

Estudo sobre o Aumento do teor de etanol na gasolina para 27,5% Abril / 2015 Estudo sobre o Aumento do teor de etanol na gasolina para 27,5% Abril / 2015 1. Sumário Executivo Em atenção ao governo brasileiro, que solicitou um parecer dos fabricantes de veículos quanto a eventuais

Leia mais

PARQUE FOTOVOLTAICO DE SERPA

PARQUE FOTOVOLTAICO DE SERPA PARQUE FOTOVOLTAICO DE SERPA 9 de Novembro de 2007 1. LOCALIZAÇÃO 1. LOCALIZAÇÃO A zona de implantação de 64 ha do Parque está localizada no Distrito de Beja, Concelho de Serpa, Freguesia de Brinches.

Leia mais

Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma dos Açores.

Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma dos Açores. Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma dos Açores www.arena.com.pt arena@arena.com.pt População:241.000 habitantes Área:2.322 km 2 PIB: 1,7% de Portugal PIB per capita: 8.100 (70% de

Leia mais

Programa Competências Transversais

Programa Competências Transversais Programa Competências Transversais o Consumo Consciente de Energia o Desenho Arquitetônico o Educação Ambiental o Empreendedorismo o Fundamentos de Logística o Finanças Pessoais o Legislação Trabalhista

Leia mais

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Setembro de 20 1 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas

Leia mais

LEI DA BALANÇA TECNOLOGIAS DE PESAGEM

LEI DA BALANÇA TECNOLOGIAS DE PESAGEM LEI DA BALANÇA TECNOLOGIAS DE PESAGEM TOLEDO DO BRASIL EXCESSO DE PESO LEGISLAÇÃO LEI DA BALANÇA FORÇA PESO CÁLCULO DE MULTAS TIPOS DE BALANÇAS REQUISITOS PARA PESAGEM SOLUÇÕES TOLEDO BIBLIOGRAFIA TOLEDO

Leia mais

Eficiência energética Guia prático para avaliação em sistemas motrizes

Eficiência energética Guia prático para avaliação em sistemas motrizes Eficiência energética Guia prático para avaliação em sistemas motrizes Soluções de eficiência energética para indústria A ABB identifica maneiras de economizar energia e implementa programas de desenvolvimento

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO - PROVA PRÁTICA DO CONCURSO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CRISTIANO OTONI-MG, EDITAL 001/2015

EDITAL DE CONVOCAÇÃO - PROVA PRÁTICA DO CONCURSO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CRISTIANO OTONI-MG, EDITAL 001/2015 ESTADO DE MINAS GERAIS EDITAL DE CONVOCAÇÃO - PROVA PRÁTICA DO CONCURSO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CRISTIANO OTONI-MG, EDITAL 001/2015 DATA: 14/05/2016* (SÁBADO) HORÁRIO: 15HS LOCAL: TELECENTRO MUNICIPAL

Leia mais

72 db. A etiqueta de pneus da UE A B C D E F G

72 db. A etiqueta de pneus da UE A B C D E F G A etiqueta de pneus da UE Para fornecer informações normalizadas sobre eficiência do combustível, aderência em piso molhado e ruído externo em rolamento, a União Europeia irá introduzir uma etiqueta obrigatória

Leia mais

Projetos PPEC Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (2014-2015)

Projetos PPEC Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (2014-2015) Projetos PPEC Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (2014-2015) Projetos em que a ENA está envolvida Projeto GESTÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM PME s CONHECER & AGIR ECOBOMBEIROS MASTERWATT

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS INTERLIGADOS À REDE ELÉTRICA EM DIFERENTES CENÁRIOS DE GERAÇÃO

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS INTERLIGADOS À REDE ELÉTRICA EM DIFERENTES CENÁRIOS DE GERAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EMERSON SHINJI IKUTA JÚNIOR FERNANDO TAKEO GOYA ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA DE

Leia mais

CIESP Campinas SP. Processo de Transição (Up Grade) da Certificação para as Novas Versões da ISO 9.001 e ISO 14.001. José Roberto Veloso

CIESP Campinas SP. Processo de Transição (Up Grade) da Certificação para as Novas Versões da ISO 9.001 e ISO 14.001. José Roberto Veloso Processo de Transição (Up Grade) da Certificação para as Novas Versões da ISO 9.001 e ISO 14.001 CIESP Campinas SP José Roberto Veloso Bureau Veritas O Grupo Quem somos Grupo Bureau Veritas: Empresa de

Leia mais

Ano lectivo de 2009/2010 Geografia 7ºano. A União Europeia

Ano lectivo de 2009/2010 Geografia 7ºano. A União Europeia Ano lectivo de 2009/2010 Geografia 7ºano A União Europeia A origem da UE Com o final da Segunda Guerra Mundial ( 1939-1945) e a emergência das duas grandes potências mundiais: E.U.A e União Soviética,

Leia mais

A Fileira de Madeira em Portugal 2006. Caracterização estatística do Sector Madeira e Mobiliário

A Fileira de Madeira em Portugal 2006. Caracterização estatística do Sector Madeira e Mobiliário A Fileira de Madeira em Portugal 2006 Caracterização estatística do Sector Madeira e Mobiliário A economia portuguesa 2002 2003 2004 2005 2006 estimativa 2007 previsão Produto Interno Bruto 0,8-1,2 1,2

Leia mais

ARITI Gerador de Hidrogênio Veicular Melhora o desempenho de motores e reduz o consumo de combustível

ARITI Gerador de Hidrogênio Veicular Melhora o desempenho de motores e reduz o consumo de combustível ARITI Gerador de Hidrogênio Veicular Melhora o desempenho de motores e reduz o consumo de combustível Sumário ARITI... 2 APLICAÇÕES... 2 COMO FUNCIONA?... 3 SIMULAÇÃO... 4 Custo Combustível... 4 Economia

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO (RESUMIDO)

MANUAL DE OPERAÇÃO (RESUMIDO) GRUPOS GERADORES AUTOMÁTICOS COM CONTROLADOR DSE6010/6020 Controlador DSE Botão de mudança de página / menu Display de estado Indicador de alarme Visualizar info Tecla de STOP / Reset Tecla de Start Motor

Leia mais

scolha para renovações DAIKIN ALTHERMA ALTA TEMPERATURA AQUECIMENTO E ÁGUA QUENTE SANITÁRIA

scolha para renovações DAIKIN ALTHERMA ALTA TEMPERATURA AQUECIMENTO E ÁGUA QUENTE SANITÁRIA A 9 scolha para renovações DAIKIN ALTHERMA ALTA TEMPERATURA AQUECIMENTO E ÁGUA QUENTE SANITÁRIA 4 A solução perfeita para renovações O sistema de alta temperatura Daikin Altherma proporciona aquecimento

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS Reguladores de fluxo luminoso Especificação funcional Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho de novembro de 2011 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

Ar de combustão. Água condensada. Balanço da energia. Câmara de mistura. Convecção. Combustível. Curva de aquecimento

Ar de combustão. Água condensada. Balanço da energia. Câmara de mistura. Convecção. Combustível. Curva de aquecimento Ar de combustão O ar de combustão contém 21% de oxigênio, que é necessário para qualquer combustão. Além disso, 78% de nitrogênio está incorporado no ar. São requeridos aproximadamente 10 metros cúbicos

Leia mais

Aspetos principais Julho 2016

Aspetos principais Julho 2016 Tarifa Social na Eletricidade Aspetos principais Julho 2016 1. Em que consiste a tarifa social no fornecimento de eletricidade? A tarifa social resulta da aplicação de um desconto na tarifa de acesso às

Leia mais

Monitorização de Energia

Monitorização de Energia Implementação de um Sistema de A definição de uma estratégia otimizada para a implementação de um sistema de gestão de energia é um dos grandes desafios para a obtenção da eficiência energética, determinante

Leia mais

1ª Conversa: Salário Mínimo. José Varejão

1ª Conversa: Salário Mínimo. José Varejão 1ª Conversa: Salário Mínimo 12 Maio, Lisboa José Varejão UPorto Objetivo e Debate Há duas (atitudes do espírito). Ambas têm as suas vantagens, mas o que me faz antipatizar ( ) com a de Settembrini, é que

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL APRESENTAÇÃO Agradecemos pela preferência na escolha de produtos International Refrigeração. Este documento foi elaborado cuidadosamente para orientar

Leia mais

Rodas Forjadas de Alumínio Alcoa

Rodas Forjadas de Alumínio Alcoa Rodas Forjadas de Alumínio Alcoa Reduza peso e aumente seus lucros Inovação está no nosso DNA PRINCIPAIS BENEFÍCIOS Aumento da capacidade de carga em até 1 tonelada Redução do desgaste dos pneus, em média,

Leia mais

PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DAS ESCOLAS COM ENSINO SECUND EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO

PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DAS ESCOLAS COM ENSINO SECUND EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DAS ESCOLAS COM ENSINO SECUND EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO ENQUADRAMENTO DO PROGRAMA CARACTERIZAÇÃO DOS EDIFÍCIOS ESCOLARES COM ENSINO SECUNDÁRIO Fase 1

Leia mais

SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO

SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO AESBE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS ESTADUAIS DE SANEAMENTO SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO Importância e dimensões do problema Rio de Janeiro Março / 2013 Airton S. Gomes

Leia mais

SITUAÇÃO MUNDIAL DA VITIVINICULTURA

SITUAÇÃO MUNDIAL DA VITIVINICULTURA nº 6 SITUAÇÃO MUNDIAL DA VITIVINICULTURA Índice I. SUPERFÍCIES VITÍCOLAS 3 II. PRODUÇÃO MUNDIAL DE UVAS 4 III PRODUÇÃO DE VINHO 5 IV CONSUMO MUNDIAL DE VINHO 5 V COMÉRCIO MUNDIAL DE VINHO 6 1 Situação

Leia mais

Produza a sua Energia!

Produza a sua Energia! Produza a sua Energia! AUTOCONSUMO FOTOVOLTAICO Produza Energia em sua casa. A solução ideal para reduzir os seus custos com a energia. O QUE É O AUTOCONSUMO FOTOVOLTAICO? Compreende-se Autoconsumo Fotovoltaico

Leia mais

Esquemas de ligação à Terra em baixa tensão

Esquemas de ligação à Terra em baixa tensão Esquemas de ligação à Terra em baixa tensão A escolha correcta dos elementos de protecção de uma instalação eléctrica, minimiza ou elimina por completo o risco de incêndio, explosão ou choques eléctricos

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa:  Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: Estudo Sobre energia solar e suas aplicações á inclusão social da população de baixa renda e ao programa Luz Para Todos. Palavras-chave: Energia solar, Aquecedor solar, Painel fotovoltaico

Leia mais

Perspectivas de Investimento a realizar pela EDP Distribuição 2012 2016

Perspectivas de Investimento a realizar pela EDP Distribuição 2012 2016 Perspectivas de Investimento a realizar pela EDP Distribuição 2012 2016 João Torres Presidente do Conselho de Administração 29 de Fevereiro de 2012 Agenda 1. A EDP Distribuição 2. Balanço e impacto do

Leia mais

ESTRUTURA TARIFÁRIA DA CAGECE

ESTRUTURA TARIFÁRIA DA CAGECE ESTRUTURA TARIFÁRIA DA CAGECE O modelo tarifário da Cagece leva em consideração os custos dos serviços de água e esgoto e uma parcela destinada a investimentos. Estes custos são representados pelas despesas

Leia mais

Gestão da água pluvial

Gestão da água pluvial 2º Seminário de Uso Racional de Água e Habitação de Interesse Social no Estado de São Paulo Gestão da água pluvial Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Ciclo hidrológico urbano

Leia mais

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP.

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 INTRODUÇÃO Há três iniciativas simultâneas

Leia mais

Enquadramento Energético do Sector Residencial Português

Enquadramento Energético do Sector Residencial Português M. Almeida, L. Bragança, P. Silva, S. Silva, R. Mateus, J. Barbosa, C. Araújo (Eds.) 2012 Os Autores e os Editores. Todos os direitos reservados. Enquadramento Energético do Sector Residencial Português

Leia mais

Pegada de Carbono da Cadeia de Valor do Alumínio

Pegada de Carbono da Cadeia de Valor do Alumínio Pegada de Carbono da Cadeia de Valor do Alumínio Ayrton Filleti Associação Brasileira do Alumínio ABAL Ciclo de Debates Abralatas, São Paulo, 07/10/2010 Indústria do Alumínio no Mundo - 2008 BAUXITA Produção

Leia mais

ESTIEM. Apresentação 31 PAÍSES 60.000 ESTUDANTES +150 EVENTOS/ANO ESTIEM IS AN EXCITING NETWORK OF OPEN-MINDED STUDENTS

ESTIEM. Apresentação 31 PAÍSES 60.000 ESTUDANTES +150 EVENTOS/ANO ESTIEM IS AN EXCITING NETWORK OF OPEN-MINDED STUDENTS Descrição do Evento Apresentação ESTIEM European Students of Industrial Engineering and Management O que é a ESTIEM? A ESTIEM reúne estudantes europeus de Engenharia Industrial e Gestão de 79 universidades

Leia mais

4.1 Esquema de ligação para Baixa Tensão

4.1 Esquema de ligação para Baixa Tensão 15 4 Esquemas elétricos 4.1 Esquema de ligação para Baixa Tensão Os projetos elétricos em baixa tensão devem ser utilizados, conforme esquemas de ligação, onde as ligações são desenvolvidas através de

Leia mais

Barloworld Equipamentos Angola Limitada. IPAD Angola 13 16 Setembro 2011

Barloworld Equipamentos Angola Limitada. IPAD Angola 13 16 Setembro 2011 Barloworld Equipamentos Angola Limitada IPAD Angola 13 16 Setembro 2011 1 Barloworld Equipamentos Angola Limitada Experiencia pratica em Angola. Cultura Capacidade do Capital Humano Custo de fazer negócio

Leia mais

MEGAURBES :: MEGACIDADES

MEGAURBES :: MEGACIDADES MEGAURBES :: MEGACIDADES UM MUNDO DE 7 MIL MILHÕES Existe 31 de Outubro, as projecções apontam para que a população mundial alcance o valor record de 7 mil milhões mil milhões mais do que há 13 anos atrás.

Leia mais

Líder Mundial na Indústria de Cabos

Líder Mundial na Indústria de Cabos Líder Mundial na Indústria de Cabos Com a energia como base de seu desenvolvimento, a Nexans é a líder mundial na indústria de cabos, graças à sua relevante atuação nas áreas de infraestrutura, indústria,

Leia mais

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos SECÇÃO 3 Apoio à eficiência energética, à gestão inteligente da energia e à utilização das energias renováveis nas infraestruturas públicas da Administração Central Objetivos Específicos: Os apoios têm

Leia mais

Linha de produtos ENERCON

Linha de produtos ENERCON Sub MW E-, E-, E- MW E-, E- E, E- E, E-, E-, E- E, E-, E- EP Multi-MW E- Para cada local, o aerogerador adequado Linha de produtos ENERCON Liderança graças à inovação Aerogeradores ENERCON Liderança graças

Leia mais