ÔNIBUS A ETANOL UMA SOLUÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÔNIBUS A ETANOL UMA SOLUÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 ÔNIBUS A ETANOL UMA SOLUÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO 1997: A HISTÓRIA DO ÔNIBUS A ETANOL NO BRASIL COMEÇOU EM SÃO PAULO. O ÔNIBUS A ETANOL É UM PRODUTO DE TERCEIRA GERAÇÃO AMPLAMENTE TESTADO. O COMBUSTÍVEL UTILIZADO É UMA FORMULAÇÃO DE 95% DE ETANOL HIDRATADO E 5% DE UM ADITIVO ESPECIAL. NÃO É O MESMO PRODUTO VENDIDO NOS POSTOS E NÃO SERVE PARA AUTOMÓVEIS A ÁLCOOL OU FLEX. O ÔNIBUS A ETANOL É PERFEITO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO: - Mais valor para a cadeia produtiva no principal centro mundial de produção de etanol sustentável; - Atende a legislação ambiental estadual e municipal para mitigação do aquecimento global; - Grande redução na emissão de poluentes e benefícios para a saúde da população; - Solução prática disponível imediatamente; ESTRATÉGIA PARA A ADOÇÃO DO ÔNIBUS A ETANOL NO ESTADO: - Incentivo nas regiões metropolitanas (São Paulo, Campinas e Baixada Santista); - Outras grandes cidades do estado e mercado secundário em cidades menores; APOIO DO GOVERNO DO ESTADO: - Adoção do ônibus a etanol em frotas que operam linhas intermunicipais; - Desoneração fiscal para viabilizar competitividade com o óleo diesel; - Desoneração fiscal e aumento do limite de vida útil operacional do ônibus a etanol para facilitar amortização do maior investimento no veículo;

2 ÔNIBUS A ETANOL: UMA SOLUÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO 1. A HISTÓRIA DO ÔNIBUS A ETANOL NO BRASIL COMEÇOU EM SÃO PAULO Em 1997, durante o Governo Mario Covas, a Scania trouxe dois ônibus a etanol para demonstração no Brasil. Os testes iniciais foram realizados em São Paulo, no corredor ABD, da EMTU, e depois replicados com sucesso em outras cidades. A constatação da possibilidade de uso de um combustível limpo e renovável no transporte coletivo contribuiu para estabelecer uma nova consciência ambiental nesse setor. 2. O ÔNIBUS A ETANOL É UM PRODUTO DE TERCEIRA GERAÇÃO AMPLAMENTE TESTADO O ônibus a etanol apresenta as mesmas características funcionais que um ônibus convencional. A principal diferença é que o motor diesel que equipa o veículo recebeu inovações tecnológicas do fabricante que o tornam apto a utilizar exclusivamente etanol aditivado em vez de óleo diesel, contribuindo assim para uma redução significativa da emissão de poluentes e de gases de efeito estufa. Ônibus a etanol operam na Suécia desde 1985, quando foram realizados os primeiros testes em escala comercial. Desde então os motores foram otimizados, estando presentemente em sua terceira geração, que atende às mais rigorosas exigências de controle de emissão em vigor no mundo. A cidade de Estocolmo, conhecida internacionalmente por sua atenção com o meio ambiente, opera atualmente uma frota de 600 ônibus a etanol (30% do total da frota da cidade). Até 2025 esse número deverá aumentar gradualmente pois o óleo diesel deixará de ser utilizado no transporte público por razões ambientais. Este tipo de ônibus passou também por testes de demonstração em outros países (Itália, Espanha, China, Inglaterra, Noruega e Brasil). De 2007 a 2010 a EMTU acompanhou a operação bem sucedida de um ônibus a etanol na região metropolitana de São Paulo (linha Jabaquara - São Mateus), que acumulou aproximadamente 120 mil km. Outro ônibus a etanol, que opera na cidade de São Paulo desde o final de 2009, já acumulou mais de 60 mil km. A partir de maio de 2011 a cidade de São Paulo contará com os primeiros 50 ônibus a etanol do país, já na sua versão mais avançada. 3. O COMBUSTÍVEL UTILIZADO NÃO É O MESMO QUE O VENDIDO NOS POSTOS O etanol hidratado, que é vendido nos postos de combustível, compõe 95% do combustível utilizado nos ônibus a etanol. Um aditivo, que facilita a queima do etanol no motor diesel e lubrifica componentes essenciais, é misturado ao etanol e compõe os 5% restantes do combustível. A mistura do etanol com o aditivo é feita pela distribuidora do combustível previamente ao seu fornecimento para a empresa operadora de ônibus. Como o aditivo diminui a octanagem do etanol, o seu uso é impróprio para motores a álcool ou motores Flex. O aditivo, atualmente importado da Suécia, será brevemente produzido no Estado de São Paulo. 4. O ÔNIBUS A ETANOL, BOM PARA ESTOCOLMO, É PERFEITO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO Diversas razões recomendam e justificam o incentivo ao uso em grande escala de ônibus a etanol no Estado de São Paulo, a saber: a) Centro mundial do etanol sustentável: o Estado é líder mundial na produção sustentável de etanol e a produção dos ônibus, do etanol e do aditivo no Estado de São Paulo contribui para o desenvolvimento da cadeia produtiva, gera benefícios sociais e cria um novo conceito de transporte que pode ser exportado para outros estados e países. 1

3 b) Apoio ao esforços para mitigação do aquecimento global - Lei Estadual /2009: O ônibus a etanol possibilita, considerando o ciclo de vida do combustível, uma redução de até 80% na emissão de dióxido de carbono (CO 2 ) em relação ao seu equivalente a óleo diesel. Como o consumo de óleo diesel pelo setor de transporte representa 15% da emissão global de CO 2 no Estado, o ônibus a etanol representa um importante instrumento para o cumprimento da Lei Estadual /2009, que institui a Política Estadual de Mudanças Climáticas. Esta lei tem como meta principal a redução de 20% da emissão global de CO 2, relativa a 2005, em 2020 (Art.32, 1º). Também define a necessidade de ações para aumentar a participação das fontes renováveis de energia na matriz energética, dentro e fora do Estado (Art.5º, IV). c) Atenção com a saúde da população: O ônibus a etanol atende plenamente aos rigorosos limites de emissão de poluentes atmosféricos EURO 5 e EEV (veículo ambientalmente otimizado) da União Européia, possibilitando uma redução significativa da emissão em relação aos similares movidos a diesel, que atendem ao limite EURO 3, mais tolerante (limites EURO 5 somente entrarão em vigor no país em 2012 e não está prevista a adoção dos limites EEV). É notável a redução na emissão que o ônibus a etanol possibilita em relação ao convencional a diesel: mais de 99% para óxidos de enxofre e monóxido de carbono; mais de 90% para partículas inaláveis e hidrocarbonetos e aproximadamente 65% para óxidos de nitrogênio. Um estudo da Faculdade de Medicina da USP estima que, se toda a frota de ônibus da região metropolitana de São Paulo substituísse o óleo diesel por etanol, haveria importantes ganhos sociais: Redução de internações hospitalares Redução da mortalidade precoce Redução de custos sociais associados à doenças e mortalidade casos/ano 745 casos/ano US$ 146,5 milhões/ano d) Apoio ao município - Lei Municipal /2009: O ônibus a etanol contribui para o cumprimento da Lei Municipal /2009, que institui a Política de Mudanças do Clima no Município de São Paulo, e estabelece a promoção do uso de energias renováveis e substituição gradual dos combustíveis fósseis por outros com menor emissão de gases de efeito estufa (Art. 3º, III). A lei define uma meta progressiva de substituição do combustível fóssil (pelo menos 10% ao ano a partir de 2009) para que a operação de toda a frota de ônibus da cidade seja feita com combustível renovável em 2018 (Art. 50). e) É a solução prática disponível imediatamente: Outras opções para o transporte coletivo sustentável (ônibus elétrico, ônibus híbrido, ônibus a hidrogênio, uso de biogás, de biodiesel, de diesel de cana etc.) apresentam desvantagens econômicas, ambientais ou de disponibilidade comercial em comparação com o ônibus a etanol. 5. ESTRATÉGIA PARA A ADOÇÃO DO ÔNIBUS A ETANOL NO ESTADO Inicialmente criar condições para a adoção dos ônibus a etanol nas regiões metropolitanas de São Paulo, Campinas e Baixada Santista, preferencialmente em corredores de ônibus. Esta medida facilita a distribuição do combustível, concentra os benefícios ambientais e dá visibilidade política. Posteriormente, promover a adoção dos ônibus a etanol em outros 2

4 centros urbanos importantes (Ribeirão Preto, Sorocaba, Piracicaba etc.) e a criação de um mercado secundário em cidades menores. 6. APOIO DO GOVERNO DO ESTADO Assim como em outros meios de transporte público, como o Metrô e os trens da CPTM, também no caso do ônibus a etanol ainda não é possível viabilizar plenamente o seu uso de forma auto-suficiente sem o apoio decisivo do poder do Estado. Para contornar essa dificuldade é necessário considerar o apoio do Estado de três formas: a necessidade de medidas administrativas para a inserção dos ônibus a etanol em linhas intermunicipais sob concessão do Estado, a criação de condições favoráveis para que a paridade entre o custo do etanol aditivado e do óleo diesel seja possível, e a possibilidade de amortização de um maior investimento no ônibus a etanol. A primeira questão é de cunho administrativo e requer que o Estado, como poder concedente da operação de linhas intermunicipais, estabeleça medidas regulatórias que garantam a inserção dos ônibus a etanol no sistema de transporte estadual. Com relação à questão do combustível são apresentados a seguir elementos que podem ilustrar essa questão: A projeção de formação do preço médio do etanol aditivado para 2011, apresentada abaixo, indica R$ 1.542,61/m3, ou seja, aproximadamente, R$ 1,54/litro. Para comparação temos o valor referencial definido pela EMTU para o óleo diesel, de 1.910,00 R$/m3 (janeiro de 2011). Item de formação de preço Etanol aditivado (R$/m3) Custo do etanol 95% da mistura (considerando o 902,50 preço do etanol a R$ 950,00/m3) PIS/COFINS 120,00 ICMS 185,11 Custo do aditivo com impostos 5% da mistura 255,00 (considerando o preço do aditivo a R$ 5.100,00/m3) Frete, armazenagem e remuneração do distribuidor 80,00 Total 1.542,61 Entretanto, o menor conteúdo energético do etanol aditivado em relação ao óleo diesel faz com que o consumo do produto, por quilometro, seja aproximadamente 1,65 vezes maior que o obtido com o óleo diesel. Como exemplo, temos o caso de um ônibus a diesel que apresenta uma autonomia de 1,7 km/litro em uso urbano (0,588 litro/km), o que corresponde, no caso do ônibus a etanol, a uma autonomia de 1,03 km/litro (0.970 litros/km). Assim, tomando por base os preços dos combustíveis mencionados anteriormente, para cada quilômetro rodado temos um custo aproximado de R$ 1,12 com óleo diesel e de R$ 1,50 com etanol aditivado, o que gera um custo adicional com o etanol aditivado de R$ 0,38/km. Considerando uma quilometragem média anual de 65 mil quilômetros para os ônibus, esse custo adicional é de R$ ,00 por ano. Verifica-se, portanto, a necessidade de redução de custos do etanol aditivado para que não haja ônus para o operador de ônibus ou o usuário do transporte público. Uma contribuição 3

5 importante para essa redução seria a desoneração fiscal do etanol aditivado, uma vez que se trata de um combustível de interesse social, utilizado no transporte público. Aliás, essa é a política fiscal adotada na Suécia para o etanol: por ser um combustível limpo, renovável e de uso social, é isento de tributos, enquanto que o óleo diesel, por ser considerado um combustível poluente, é pesadamente tributado (R$ 1,40/litro). A isenção de tributos reduz o preço do quilômetro rodado como observado a seguir: Etanol aditivado sem isenção fiscal (referência) Etanol aditivado com isenção de ICMS Etanol aditivado com isenção de ICMS, PIS e COFINS Nível de competitividade com óleo diesel R$ 1,50/km R$ 1,32/km R$ 1,20/km R$ 1,12/km Embora o PIS e o COFINS sejam tributos federais, o apoio do Estado para um pleito de isenção ao governo federal é importante. Aliadas a essas reduções existe a possibilidade de, com a nacionalização da produção do aditivo, haver uma redução de 25% no seu preço, bem como, existir um desconto no preço do etanol para contratos de longo prazo. Associadas, essas medidas podem garantir a paridade do etanol aditivado com o óleo diesel. Vale ressaltar que é fácil controlar os volumes de combustível usados pelos operadores de ônibus, pois se trata de frotas cativas com sistemas centralizados de abastecimento. Além disso, o etanol aditivado não apresenta risco de desvio para outros usos pois é impróprio para automóveis com motor a álcool e Flex. Quanto à questão do investimento no ônibus a etanol, a incorporação de inovações tecnológicas e itens de segurança inexistentes nos veículos convencionais aumenta o seu preço, dependendo da configuração do veículo, de 10% a 15% em relação ao veículo a diesel convencional. Uma forma de compensar a utilização de um produto mais moderno seria a isenção do IPVA e a ampliação do limite de idade operacional do veículo, para facilitar a amortização do investimento. Essa ampliação, por exemplo, de 10 para 12 anos, poderá ser concedida apenas se o veículo estiver em condições adequadas de operação e de segurança, devidamente aferidas por uma vistoria técnica. Como contrapartida aos incentivos solicitados, o ônibus a etanol resulta em substanciais benefícios sociais ao bem estar e saúde da população. Esses benefícios correspondem a custos evitados de morbidade e mortalidade pela substituição do diesel pelo etanol aditivado e são estimados em aproximadamente R$ ,00 por ano para cada ônibus a etanol. Outro benefício que deve ser considerado é o impacto resultante da diminuição da emissão de gás carbônico (CO 2 ) pelos ônibus a etanol, estimado em cerca de R$ 4.600,00 por veículo, o que totaliza um benefício social anual da ordem de R$ ,00 para cada ônibus a etanol em operação. Com base no que foi discutido o apoio do Estado se mostra essencial para: I. Adoção do ônibus a etanol em frotas intermunicipais: ação de governo nos contratos de concessão para viabilizar a adoção dos ônibus a etanol pelas empresas operadoras de linhas intermunicipais. 4

6 II. III. Competitividade com o óleo diesel: isenção fiscal de ICMS pelo Estado, exclusivamente para o etanol e para o aditivo a serem usados na formulação do combustível, e apoio do Estado para o pleito de isenção fiscal de PIS e COFINS junto ao governo federal. Amortização do maior investimento no ônibus a etanol: isenção de IPVA e aumento do limite de idade operacional para os ônibus a etanol. 5

Ar de combustão. Água condensada. Balanço da energia. Câmara de mistura. Convecção. Combustível. Curva de aquecimento

Ar de combustão. Água condensada. Balanço da energia. Câmara de mistura. Convecção. Combustível. Curva de aquecimento Ar de combustão O ar de combustão contém 21% de oxigênio, que é necessário para qualquer combustão. Além disso, 78% de nitrogênio está incorporado no ar. São requeridos aproximadamente 10 metros cúbicos

Leia mais

A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc

A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc VII Encontro de Logística e Transporte São Paulo, 21 de maio 2012 Transporte Sustentável Deve atender as necessidades de mobilidade da

Leia mais

PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL

PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL O FENÔMENO DOS CARROS FLEX E OS NOVOS USOS DO ETANOL 2 MERCADO AUTOMOTIVO BRASILEIRO Vendas de automóveis e comerciais leves por tipo de

Leia mais

PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DA COALIZAÇÃO DE GOVERNADORES PRÓ-ETANOL BRASILEIRO

PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DA COALIZAÇÃO DE GOVERNADORES PRÓ-ETANOL BRASILEIRO PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DA COALIZAÇÃO DE GOVERNADORES PRÓ-ETANOL BRASILEIRO Daniel Godoy Júnior Assessor Especial do Governo do Estado do Paraná Agosto/2003 SETOR SUCROALCOOLEIRO NACIONAL PRODUÇÃO DA SAFRA

Leia mais

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE Estrutura produtiva: 430 unidades produtoras Produtores de cana-de-açúcar: 70.000 Empregos diretos: 1,2 milhão PIB

Leia mais

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado Representante da União da Indústria de Cana-de-Açúcar O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE Estrutura produtiva: 430 unidades produtoras

Leia mais

Apresentação do relatório da Bolsa de iniciação de investigação. Leonor Trovão, Novembro 2010 Orientador: Prof. Humberto Jorge

Apresentação do relatório da Bolsa de iniciação de investigação. Leonor Trovão, Novembro 2010 Orientador: Prof. Humberto Jorge Apresentação do relatório da Bolsa de iniciação de investigação Leonor Trovão, Novembro Orientador: Prof. Humberto Jorge Problemas ambientais com os transportes Introdução de veículos eléctricos Utilização

Leia mais

Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica.

Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica. Imagine um futuro para a sua empresa, em que as deslocações são feitas de forma inovadora, económica, sem emissões e totalmente adequada às suas necessidades. Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica.

Leia mais

Etanol e o Efeito Anti-Estufa Alfred Szwarc

Etanol e o Efeito Anti-Estufa Alfred Szwarc Etanol e o Efeito Anti-Estufa Alfred Szwarc SUSTENTAR 2013 - Fórum Mudanças Climáticas: Novos Rumos Belo Horizonte, 30 de agosto de 2013 Contribuição das Emissões Veiculares para o Aquecimento Global Efeito

Leia mais

Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS O aumento populacional, o modo de produção atual dependente primariamente de combustível fóssil e o estilo de consumo moderno se baseiam

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012 O Planejamento Energético deve considerar: Segurança Energética Sustentabilidade Ambiental

Leia mais

Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas

Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas São Paulo, 26 de Junho de 2015 1 Emissões de GEE do Setor Energia, (2013) 2 Milhões de toneladas de CO2e 250 200 150 100 50 Transportes Industrial Geração de

Leia mais

QUANDO VIRÁ O PRÓXIMO CICLO DE INVESTIMENTOS EM NOVAS USINAS DE ETANOL? Marcos S. Jank. Presidente da União da Indústria da Cana-de-açúcar

QUANDO VIRÁ O PRÓXIMO CICLO DE INVESTIMENTOS EM NOVAS USINAS DE ETANOL? Marcos S. Jank. Presidente da União da Indústria da Cana-de-açúcar QUANDO VIRÁ O PRÓXIMO CICLO DE INVESTIMENTOS EM NOVAS USINAS DE ETANOL? Marcos S. Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-açúcar Rio de Janeiro, 12 de dezembro de 2011 O que aconteceu com a oferta

Leia mais

PRIO: Introdução de Biodiesel em Portugal. AGENEAL - Convento dos Capuchos, Caparica, Almada 16 de Novembro de 2007

PRIO: Introdução de Biodiesel em Portugal. AGENEAL - Convento dos Capuchos, Caparica, Almada 16 de Novembro de 2007 PRIO: Introdução de Biodiesel em Portugal AGENEAL - Convento dos Capuchos, Caparica, Almada 16 de Novembro de 2007 AGENDA 1 PRIO 2 Biodiesel 3 Vantagens do Biodiesel 4 Introdução de Biodiesel em Frotas

Leia mais

DECRETO Nº 32975 DE 21 DE OUTUBRO DE 2010

DECRETO Nº 32975 DE 21 DE OUTUBRO DE 2010 DECRETO Nº 32975 DE 21 DE OUTUBRO DE 2010 Regulamenta a Lei nº 4.372, de 13 de junho de 2006, que concedeu incentivos fiscais à construção e à operação de terminais portuários relacionadas à implementação

Leia mais

Parecer. À Câmara Técnica de Controle e Qualidade Ambiental, 13 de abril de 2011

Parecer. À Câmara Técnica de Controle e Qualidade Ambiental, 13 de abril de 2011 À Câmara Técnica de Controle e Qualidade Ambiental, 13 de abril de 2011 Assunto: Proposta de Resolução do CONAMA para regulamentar nova fase, mais restrita, do Programa de Controle da Poluição do Ar por

Leia mais

A Câmara Municipal de Santa Bárbara d Oeste decreta:

A Câmara Municipal de Santa Bárbara d Oeste decreta: PROJETO DE LEI N 18/09 Dispõe sobre a instituição do Programa de Inspeção Ambiental Veicular no Município de Santa Bárbara d Oeste e dá outras providências. A Câmara Municipal de Santa Bárbara d Oeste

Leia mais

Baixo carbono por natureza

Baixo carbono por natureza Baixo carbono por natureza Baixo carbono por natureza As florestas fazem parte da solução global para a mitigação dos efeitos das alterações climáticas na medida em que são um dos sistemas mais eficazes

Leia mais

Visão Global do Programa Veículo Elétrico

Visão Global do Programa Veículo Elétrico Visão Global do Programa Veículo Elétrico 26 de junho de 2013 Diretoria Geral Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável Histórico do Programa VE Itaipu/KWO Acordo de cooperação tecnológico ITAIPU -KWO

Leia mais

Município de Chapecó tem aumento de 0,75% no preço da gasolina em janeiro de 2016

Município de Chapecó tem aumento de 0,75% no preço da gasolina em janeiro de 2016 Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 5, Nº 1 Janeiro/2016 Município de Chapecó tem aumento de 0,75% no preço da gasolina em janeiro de

Leia mais

Efeito Estufa. Tópicos: Para reflexão:

Efeito Estufa. Tópicos: Para reflexão: Efeito Estufa Tópicos: O que é efeito estufa? Por que a preocupação com o efeito estufa? Quais são os principais gases de efeito estufa? Para reflexão: Por que existe uma preocupação tão grande com relação

Leia mais

Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas

Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas Professora Suzana Kahn Professora da COPPE-UFRJ; Vice Presidente do Grupo de Trabalho III do IPCC; Coordenadora Executiva

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Palestra Introdutória

Energia Solar Fotovoltaica: Palestra Introdutória Energia Solar Fotovoltaica: Palestra Introdutória Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo Talk Show - Brazil Solar Power Rio de Janeiro (RJ) 28/10/2015 Focos Principais Representar e promover o setor

Leia mais

3,8 bilhões em vendas. > 20.000 empregados. 1,4 milhão de toneladas produzidas

3,8 bilhões em vendas. > 20.000 empregados. 1,4 milhão de toneladas produzidas Em resumo 2016 Líder mundial em seus mercados, a Vallourec fornece soluções tubulares que são referência para os setores de energia e para as aplicações mais exigentes. Seus tubos, conexões e serviços

Leia mais

MOBILIDADE URBANA E SUSTENTABILIDADE A Contribuição das Alternativas Tecnológicas para Ônibus

MOBILIDADE URBANA E SUSTENTABILIDADE A Contribuição das Alternativas Tecnológicas para Ônibus PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES (PET) MOBILIDADE URBANA E SUSTENTABILIDADE A Contribuição das Alternativas Tecnológicas para Ônibus Márcio de Almeida D Agosto PET/COPPE/UFRJ SUMÁRIO 1.Quem somos?

Leia mais

Fontes alternativas de energia

Fontes alternativas de energia Fontes alternativas de energia Leia com atenção o texto a seguir: As reservas de energia como o petróleo e o gás natural vão acabar. Só resta saber quando. As previsões variam: uns falam em 40 anos; há

Leia mais

Combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás natural*) Hidroelétricas Energia nuclear Solar Eólica Biomassa

Combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás natural*) Hidroelétricas Energia nuclear Solar Eólica Biomassa Combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás natural*) Hidroelétricas Energia nuclear Solar Eólica Biomassa São substâncias de origem compostos de carbono mineral, formados pelos São originados

Leia mais

Não Renovável. Renovável. Ondas. Ondas. Solar. Solar. Petróleo. Petróleo. Gás Natural Biomassa. Gás Natural. Biomassa. Nuclear. Hídrica.

Não Renovável. Renovável. Ondas. Ondas. Solar. Solar. Petróleo. Petróleo. Gás Natural Biomassa. Gás Natural. Biomassa. Nuclear. Hídrica. Fontes de Energia Ondas Solar Ondas Solar Biomassa Renovável Hídrica Geotérmica Eólica Petróleo Gás Natural Biomassa Nuclear Hídrica Geotérmica Eólica Carvão Petróleo Gás Natural Não Renovável Nuclear

Leia mais

NET ZERO ENERGY BUILDING Adeilton Hilário Júnior

NET ZERO ENERGY BUILDING Adeilton Hilário Júnior NET ZERO ENERGY BUILDING Adeilton Hilário Júnior 1 - PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL MUNDIAL O aquecimento global é um dos mais graves problemas com que se depara o Planeta Terra. Aumento da concentração de gases

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Nelson Colaferro Junior Presidente do Conselho de Administração Seminário Agronegócios e Energias Renováveis Valor Econômico Goiânia (GO) 31/03/2016

Leia mais

PROGRAMAÇÃO HORÁRIO TEMAS CONTEXTUALIZAÇÃO

PROGRAMAÇÃO HORÁRIO TEMAS CONTEXTUALIZAÇÃO PROGRAMAÇÃO HORÁRIO TEMAS CONTEXTUALIZAÇÃO 14:00 às 15:30 ETANOL NA MATRIZ ENERGÉTICA -Gargalos de infraestruturae de logística do abastecimento de etanol no mercado interno e para exportação. -Sazonalidade

Leia mais

Aula 16 assíncrona Conteúdo:

Aula 16 assíncrona Conteúdo: Aula 16 assíncrona Conteúdo: Fontes alternativas de energia: eólica e nuclear. Fontes alternativas de energia: Solar e biogás Habilidade: Valorizar os progressos da química e suas aplicações como agentes

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Fontes de Energia Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 5min 58seg Habilidades: H.47, H.49 e H.50 (Ensino

Leia mais

Considerações sobre a Lei da Partilha. Adriano Pires Junho de 2015

Considerações sobre a Lei da Partilha. Adriano Pires Junho de 2015 Considerações sobre a Lei da Partilha Adriano Pires Junho de 2015 Mudanças propostas Extinguir a obrigatoriedade da Petrobras de ter um mínimo de 30% dos campos do pré-sal que vierem a ser leiloados no

Leia mais

2 O Mercado de Gás Natural

2 O Mercado de Gás Natural 2 O Mercado de Gás Natural 2.1 Reservas e Oferta de Gás Natural Em 2004, as reservas provadas de gás natural ficaram em torno de 326,1 bilhões m³, um aumento de 32,9% em relação a 2003, e serão expandidas,

Leia mais

Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II. Sistemas de força e energia. Aula 02

Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II. Sistemas de força e energia. Aula 02 Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II Sistemas de força e energia Aula 02 Consumo pro região Usina Hidrelétrica Usina Nuclear Estrutura do setor elétrico Distribuição - A conexão e atendimento

Leia mais

ARITI Gerador de Hidrogênio Veicular Melhora o desempenho de motores e reduz o consumo de combustível

ARITI Gerador de Hidrogênio Veicular Melhora o desempenho de motores e reduz o consumo de combustível ARITI Gerador de Hidrogênio Veicular Melhora o desempenho de motores e reduz o consumo de combustível Sumário ARITI... 2 APLICAÇÕES... 2 COMO FUNCIONA?... 3 SIMULAÇÃO... 4 Custo Combustível... 4 Economia

Leia mais

E o que estamos fazendo sobre os pneus?

E o que estamos fazendo sobre os pneus? PROGRAMAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA I PNEUS Vamos aos pneus! E o que estamos fazendo sobre os pneus? - O CONPET, programa criado pelo Governo Federal em 1991 e executado pela Petrobras, promove a eficiência

Leia mais

Estrutura do Ministério

Estrutura do Ministério Biocombustíveis: Geopolítica e Sustentabilidade MMA UnB USP Ministério do Meio Ambiente MMA Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental SMCQ Estrutura do Ministério Departamento de Licenciamento

Leia mais

Reforma do PIS/Cofins Questões para discussão

Reforma do PIS/Cofins Questões para discussão Reforma do PIS/Cofins Questões para discussão Apresentação para o Observatório da Reforma Tributária Centro de Cidadania Fiscal - CCiF A proposta do Governo em 2014 A proposta do Governo em 2014 Aspectos

Leia mais

3. CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO E O PROCESSO DE PLANEJAMENTO

3. CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO E O PROCESSO DE PLANEJAMENTO 34 3. CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO E O PROCESSO DE PLANEJAMENTO 3.1 CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO A cadeia de suprimentos do petróleo envolve todas as atividades logísticas relacionadas a um bom

Leia mais

(A) o petróleo é um recurso energético renovável a curto prazo, em razão de sua constante formação geológica.

(A) o petróleo é um recurso energético renovável a curto prazo, em razão de sua constante formação geológica. Aluno: Série: Turma: Data: Questão 1 Para compreender o processo de exploração e o consumo dos recursos petrolíferos, é fundamental conhecer a gênese e o processo de formação do petróleo descritos no texto

Leia mais

Título. Impacto da crise econômica no setor da revenda brasileira

Título. Impacto da crise econômica no setor da revenda brasileira Título Impacto da crise econômica no setor da revenda brasileira Ricardo Lisbôa Vianna Engenheiro de Petróleo e Gás Diretor Tesoureiro da Fecombustíveis Presidente do Sindicato dos Revendedores no estado

Leia mais

1. Abrangência do programa de incentivo a geração distribuída para sistemas de geração e cogeração qualificada movidos a gás natural.

1. Abrangência do programa de incentivo a geração distribuída para sistemas de geração e cogeração qualificada movidos a gás natural. POSICIONAMENTO DA CIA. DE GÁS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SULGÁS - RELATIVO A CONSULTA PÚBLICA Nº15/2010, DE 10/09/2010 Nota Técnica nº 0043/2010 SRD ANEEL Posicionamento Enviado para a ANEEL Agência

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES 1. O que significa PROCONVE fases P7 e L6? PROCONVE é o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores. As fases P7 (para veículos pesados, acima de 3,5

Leia mais

3) A imagem a seguir representa nitidamente, entre outros, dois problemas atuais:

3) A imagem a seguir representa nitidamente, entre outros, dois problemas atuais: 1) A seguinte frase faz uma crítica aos grandes centros urbanos. Os grandes centros urbanos são, em sua maioria, um formigueiro onde trabalhamos incessantemente para promover o regresso da humanidade.

Leia mais

Acre. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Acre (1991, 2000 e 2010)

Acre. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Acre (1991, 2000 e 2010) Acre Em, no estado do Acre (AC) moravam 734 mil pessoas, e uma parcela ainda pequena dessa população, 4,3% (32 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 22 municípios, dos quais sete

Leia mais

Crítica ao Plano Decenal de Expansão da Energia 2008-2017

Crítica ao Plano Decenal de Expansão da Energia 2008-2017 Crítica ao Plano Decenal de Expansão da Energia 2008-2017 Introdução No dia 23 de dezembro de 2008, o Ministério de Minas e Energia abriu para consulta pública a nova versão do Plano Decenal de Expansão

Leia mais

O código florestal e a intensificação sustentável

O código florestal e a intensificação sustentável O código florestal e a intensificação sustentável da produção de alimentos Como intensificar a produção de alimentos massivamente com redução da expansão de área e impactos ao meio ambiente? O dilema ambiental

Leia mais

Produção e Comercialização de Veículos de Passeio Movidos a Óleo Diesel no Brasil PL1013-2011 AUDIÊNCIA PÚBLICA

Produção e Comercialização de Veículos de Passeio Movidos a Óleo Diesel no Brasil PL1013-2011 AUDIÊNCIA PÚBLICA Produção e Comercialização de Veículos de Passeio Movidos a Óleo Diesel no Brasil PL1013-2011 AUDIÊNCIA PÚBLICA Brasília, 02 de março de 2016 Capacitação e Informação Representatividade e Defesa da Indústria

Leia mais

Exercícios Gases e Termodinâmica

Exercícios Gases e Termodinâmica Exercícios Gases e Termodinâmica 1-O gás carbônico produzido na reação de um comprimido efervescente com água foi seco e recolhido àpressão de 1 atm e temperatura de 300K, ocupando um volume de 4 L. Se

Leia mais

Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Gerência de Qualidade do Ar

Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Gerência de Qualidade do Ar Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Gerência de Qualidade do Ar EVOLUÇÃO DA REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS DE POLUENTES NO BRASIL

Leia mais

Avançada tecnologia da nova linha de caminhões Mercedes-Benz é destaque na Agrishow

Avançada tecnologia da nova linha de caminhões Mercedes-Benz é destaque na Agrishow Caminhões Avançada tecnologia da nova linha de caminhões Mercedes-Benz é destaque na Agrishow Informação à Imprensa Data: 26 de abril de 2012 Mercedes-Benz expõe no tradicional evento internacional do

Leia mais

Biodiesel: O Combustível Ecológico

Biodiesel: O Combustível Ecológico Biodiesel: O Combustível Ecológico Vanessa Freitas dos Santos* Resumo O biodiesel é um combustível renovável, considerado combustível ecológico, pois o CO 2 liberado na sua queima é absorvido no crescimento

Leia mais

Assunto: Posicionamento do Ministério da Saúde acerca da integralidade da saúde dos homens no contexto do Novembro Azul.

Assunto: Posicionamento do Ministério da Saúde acerca da integralidade da saúde dos homens no contexto do Novembro Azul. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO Á SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS COORDENAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DOS HOMENS COORDENAÇÃO DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO

Leia mais

Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização. 04/07/2010 Caderno de prova Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização. Instruções 1. Verifique se você

Leia mais

Atenção no tanque, tranquilidade na estrada.

Atenção no tanque, tranquilidade na estrada. Atenção no tanque, tranquilidade na estrada. Como evitar a contaminação do combustível e o desgaste prematuro de peças. Diesel contaminado é sinônimo de gastos adicionais Quem trabalha na estrada sabe:

Leia mais

As Condições de Financiamento estabelecidas nesta Circular representarão a Condição Operacional Vigente código PO2016.

As Condições de Financiamento estabelecidas nesta Circular representarão a Condição Operacional Vigente código PO2016. Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 44/2015-BNDES Rio de Janeiro, 29 de dezembro de 2015. Ref.: Produtos BNDES Finame, BNDES Finame Agrícola e BNDES Finame Leasing (Circulares

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO TRANSPORTE DE CARGA Uma Proposta de Estrutura Política Adequada a Realidade Brasileira

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO TRANSPORTE DE CARGA Uma Proposta de Estrutura Política Adequada a Realidade Brasileira LABORATÓRIO DE TRANSPORTE DE CARGA PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTE/COPPE/UFRJ EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO TRANSPORTE DE CARGA Uma Proposta de Estrutura Política Adequada a Realidade Brasileira Márcio

Leia mais

as em algumas políticas e procedimentos de planejamento

as em algumas políticas e procedimentos de planejamento Geração de energia elétrica no Brasil necessidade de mudanças as em algumas políticas e procedimentos de planejamento Sergio Valdir Bajay Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético NIPE Universidade

Leia mais

Pegada de Carbono da Cadeia de Valor do Alumínio

Pegada de Carbono da Cadeia de Valor do Alumínio Pegada de Carbono da Cadeia de Valor do Alumínio Ayrton Filleti Associação Brasileira do Alumínio ABAL Ciclo de Debates Abralatas, São Paulo, 07/10/2010 Indústria do Alumínio no Mundo - 2008 BAUXITA Produção

Leia mais

Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro

Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro Manaus, 14 de junho de 2006 Eduardo Martins Antecedentes e Pressupostos O aumento da demanda por energia influenciará a consolidação dos países emergentes

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 I - Escolha a resposta correcta (ou mais correcta) para cada uma das seguintes questões:

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa:  Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: Estudo Sobre energia solar e suas aplicações á inclusão social da população de baixa renda e ao programa Luz Para Todos. Palavras-chave: Energia solar, Aquecedor solar, Painel fotovoltaico

Leia mais

Ministério de Minas e Energia

Ministério de Minas e Energia PLANO NACIONAL DE ENERGIA HORIZONTE 2030 Altino Março Ventura de 2007 Filho Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético SPE/MME LAS / ANS SYMPOSIUM 2008 SETOR ENERGÉTICO PROCESSO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

Cana para produzir energia entrosamento do setor é chave para competitividade

Cana para produzir energia entrosamento do setor é chave para competitividade Socicana Cana para produzir energia entrosamento do setor é chave para competitividade Especialista analisa mercados e alerta para escalada dos preços da energia. A Socicana realizou no dia 2 de junho,

Leia mais

O Brasil cresceu porque a pobreza diminuiu. Já pensou quando acabarmos, de vez, com a miséria?

O Brasil cresceu porque a pobreza diminuiu. Já pensou quando acabarmos, de vez, com a miséria? O Brasil cresceu porque a pobreza diminuiu. Já pensou quando acabarmos, de vez, com a miséria? Ministério do esenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

Justificativa para o Projeto de Lei

Justificativa para o Projeto de Lei Justificativa para o Projeto de Lei A proposta de uma lei que dispõe sobre a instalação de sistema de aquecimento de água por energia solar em edificações no município de São Paulo baseia-se nos seguintes

Leia mais

INDICADORES CORK SERVICES JUNHO 2014

INDICADORES CORK SERVICES JUNHO 2014 Página1 1. APRESENTAÇÃO INDICADORES CORK SERVICES JUNHO 2014 Os indicadores Cork Services contemplam os principais números de referência para a gestão de frotas, incluindo índices de inflação e variação

Leia mais

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação 33 A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. Quase 5 milhões de crianças e adolescentes, com idade entre 7 e 14 anos (18,8% da população da região) vivem no Semi-árido. No Brasil,

Leia mais

Fórum Global de Mobilidade Elétrica

Fórum Global de Mobilidade Elétrica PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES (PET) Fórum Global de Mobilidade Elétrica PLANEJANDO O USO DE TRAÇÃO ELÉTRICA PARA O TRANSPORTE URBANO. EXPERIÊNCIA DA COPPE NO BRASIL. MÁRCIO D AGOSTO dagosto@pet.coppe.ufrj.br

Leia mais

12ª Rio Wireless Um Brasil Sem Fios Rio de Janeiro, 21 de maio de 2012

12ª Rio Wireless Um Brasil Sem Fios Rio de Janeiro, 21 de maio de 2012 12ª Rio Wireless Um Brasil Sem Fios Rio de Janeiro, 21 de maio de 2012 Por 100 habitantes Ministério das Comunicações Mercado Mundial de Serviços Móveis 100 90 80 70 60 50 Linhas de telefones celulares

Leia mais

Pernambuco. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Pernambuco (1991, 2000 e 2010)

Pernambuco. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Pernambuco (1991, 2000 e 2010) Pernambuco Em, no estado de Pernambuco (PE), moravam 8,8 milhões de pessoas, onde parcela relevante (7,4%; 648,7 mil habitantes) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 185 municípios,

Leia mais

Maranhão. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Maranhão (1991, 2000 e 2010)

Maranhão. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Maranhão (1991, 2000 e 2010) Maranhão Em, no estado do Maranhão (MA), moravam 6,6 milhões de pessoas, onde parcela considerável (6,%, 396, mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 217 municípios, dos quais um

Leia mais

CONTRATO DE COMPETITIVIDADE

CONTRATO DE COMPETITIVIDADE CONTRATO DE COMPETITIVIDADE ENTRE O GOVERNO DO ESTADO E O SETOR COMERCIAL ATACADISTA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Nº 15 Agosto/2008 O Governo do Estado do Espírito Santo, doravante identificado sob a nominação

Leia mais

Betão de baixo carbono

Betão de baixo carbono Betão de baixo carbono 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Betão de baixo carbono O betão é o material de construção

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO Secretaria dos Transportes Metropolitanos Coordenadoria de Planejamento e Gestão CPG Rio de Janeiro - nov/14 Estrutura da Apresentação:

Leia mais

PERDEU O OBJETO, UMA VEZ QUE A PORTARIA Nº 162/05/SUFRAMA FOI REVOGADA PELA PORTARIA Nº 275/09/SUFRAMA.

PERDEU O OBJETO, UMA VEZ QUE A PORTARIA Nº 162/05/SUFRAMA FOI REVOGADA PELA PORTARIA Nº 275/09/SUFRAMA. Interessado : CONSULTA - POSTO FISCAL DE VILHENA Assunto : Consulta base de cálculo PIS/COFINS Área de Livre Comércio de Guajará Mirim. PERDEU O OBJETO, UMA VEZ QUE A PORTARIA Nº 162/05/SUFRAMA FOI REVOGADA

Leia mais

RESULTADO DO LEVANTAMENTO DE DADOS DE MONITORAMENTO DA EMISSÃO ATMOSFÉRICA EM PROCESSOS DE QUEIMA DE DERIVADOS DE MADEIRA

RESULTADO DO LEVANTAMENTO DE DADOS DE MONITORAMENTO DA EMISSÃO ATMOSFÉRICA EM PROCESSOS DE QUEIMA DE DERIVADOS DE MADEIRA CONAMA - Grupo de Trabalho Fontes Fixas Existentes Subgrupo Derivados de Madeira abril-2009 RESULTADO DO LEVANTAMENTO DE DADOS DE MONITORAMENTO DA EMISSÃO ATMOSFÉRICA EM PROCESSOS DE QUEIMA DE DERIVADOS

Leia mais

As diretivas europeias da estratégia 2020 e os edifícios de necessidades quase-nulas (nzeb)

As diretivas europeias da estratégia 2020 e os edifícios de necessidades quase-nulas (nzeb) As diretivas europeias da estratégia 2020 e os edifícios de necessidades quase-nulas (nzeb) IV Congresso ATEPH Energia e Ambiente no Edifícios Hospitalar 4/5 junho 2015 RUI FRAGOSO DIRETOR DO DEPARTAMENTO

Leia mais

III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira 2013. www.aptel.com.br

III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira 2013. www.aptel.com.br III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira 2013 Criação do fundo setorial CT ENERG (1999) Lei 9.991/2000 determina às concessionárias realizar investimentos mínimos em P&D Lei da Inovação

Leia mais

A APLICAÇÃO DA ANÁLISE DO CICLO DE VIDA NA GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS

A APLICAÇÃO DA ANÁLISE DO CICLO DE VIDA NA GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS A APLICAÇÃO DA ANÁLISE DO CICLO DE VIDA NA GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS 1. Introdução A gestão dos resíduos sólidos é um tema polêmico, complexo e freqüentemente em debate. No passado, a gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I. Máquinas Térmicas I

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I. Máquinas Térmicas I Eu tenho três filhos e nenhum dinheiro... Porque eu não posso ter nenhum filho e três dinheiros? - Homer J. Simpson UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

Leia mais

Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Ene rgia Elétrica

Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Ene rgia Elétrica CURSO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA CONTÉUDO PROGRAMÁTICO Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Ene rgia Elétrica 1 Modelo atual do setor elétrico brasileiro a partir de 2004 2 Marcos Regulatórios

Leia mais

OS DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO NA PERSPECTIVA DOS MUNICÍPIOS E DOS PEQUENOS NEGÓCIOS

OS DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO NA PERSPECTIVA DOS MUNICÍPIOS E DOS PEQUENOS NEGÓCIOS OS DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO NA PERSPECTIVA DOS MUNICÍPIOS E DOS PEQUENOS NEGÓCIOS QUEM SÃO OS PEQUENOS NEGÓCIOS? OS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL, ESTADOS E MUNICÍPIOS Empregos e Salários Pequenos Negócios

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável SEMAD, apresenta o Primeiro Inventário de Emissões

Leia mais

maior lucro menores custos

maior lucro menores custos maior lucro menores custos aumente os lucros da sua empresa através da eficiência energética O setor industrial é responsável por 43% do consumo anual de energia em nosso país. Dentro deste setor, onde

Leia mais

2ºs anos Material de apoio Geografia

2ºs anos Material de apoio Geografia 2ºs anos Material de apoio Geografia Renováveis Não renováveis HIDRELÉTRICAS As usinas hidrelétricas (ou hidroelétricas) são sistemas que transformam a energia contida na correnteza dos rios, em

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E SUAS TENDENCIAS

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E SUAS TENDENCIAS O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E SUAS TENDENCIAS inistério da Agricultura, ecuária e Abastecimento. GUSTAVO COSTA DE ALMEIDA ENG. AGRÔNOMO MS C Fotos: Thiago Ventura TENDÊNCIAS MUNDIAIS bilhões 12 8 4

Leia mais

7. Organização e administração do serviço de limpeza urbana

7. Organização e administração do serviço de limpeza urbana 7. Organização e administração do serviço de limpeza urbana Organização O sistema de limpeza urbana deve estar organizado de acordo com as peculiaridades da cidade ou região, apoiando-se em dados estatísticos,

Leia mais

OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010

OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010 OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010 NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, MAIO

Leia mais

Programa de Desenvolvimento da

Programa de Desenvolvimento da Programa de Desenvolvimento da Empresa Catarinense Carlos Chiodini Secretário de Estado O que é o? O Programa de Desenvolvimento da Empresa Catarinense -, tem como finalidade conceder incentivo à implantação

Leia mais

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO CERRADO

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO CERRADO Bioma Cerrado: Normas de Conservação e Uso Sustentável EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO CERRADO Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento Coordenação-Geral de Mudanças Globais

Leia mais

Consumo Sustentável. Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza. Novembro 2010

Consumo Sustentável. Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza. Novembro 2010 Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Novembro 2010 Vivemos em um país onde a eliminação da pobreza, a diminuição da desigualdade social e a preservação do nosso ambiente devem

Leia mais

Alternativas tecnológicas para ônibus no Rio de Janeiro.

Alternativas tecnológicas para ônibus no Rio de Janeiro. Alternativas tecnológicas para ônibus no Rio de Janeiro. Guilherme Wilson da Conceição 1 ; Gustavo Henrique de Campos Peterlini 1 ; Morgana Batista Alves Rangel 1 ; Viviane Japiassú Viana; Giselle Smocking

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇAO E TECNOLOGIA 2012. PROJETO: Utilização de Gás LP em Churrasqueiras. CATEGORIA: Aplicações do Gás LP

PRÊMIO GLP DE INOVAÇAO E TECNOLOGIA 2012. PROJETO: Utilização de Gás LP em Churrasqueiras. CATEGORIA: Aplicações do Gás LP PRÊMIO GLP DE INOVAÇAO E TECNOLOGIA 2012 PROJETO: Utilização de Gás LP em Churrasqueiras CATEGORIA: Aplicações do Gás LP AUTOR(ES): Comitê de Inovação da Fogás 1. Breve Histórico 2. Problemas e oportunidades

Leia mais

Geografia População (Parte 2)

Geografia População (Parte 2) 1. Estrutura Etária: Geografia População (Parte 2) A Transição Demográfica corresponde à mudança no perfil de idade dos habitantes, engloba proporções de crianças, jovens/adultos, idosos, homens e mulheres.

Leia mais

Previdência Social Brasília, junho de 2015

Previdência Social Brasília, junho de 2015 Previdência Social Brasília, junho de 2015 1 Década de 1980: A expectativa de vida ao nascer era de 62,5 anos; Transição demográfica no Brasil A maior concentração populacional estava na faixa até 19 anos

Leia mais

Biodiesel: Vantagens e desvantagens numa comparação com o diesel convencional

Biodiesel: Vantagens e desvantagens numa comparação com o diesel convencional Bio: Vantagens e desvantagens numa comparação com o convencional Hugo Machado Carvalho* Aldinei Barreto Ribeiro** Resumo Em meio ao alerta global que estamos vivendo é importante a procura por alternativas

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO Estratégias de Desenvolvimento em Minas Gerais Raphael Guimarães Andrade Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais Belo Horizonte, 09 de outubro

Leia mais