C O N T R A T O D E AUTONOMIA DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARCELINO MESQUITA DO CARTAXO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C O N T R A T O D E AUTONOMIA DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARCELINO MESQUITA DO CARTAXO"

Transcrição

1 C O N T R A T O D E DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARCELINO MESQUITA DO CARTAXO AUTONOMIA 1

2 INTRODUÇÃO 1 A autnmia é a faculdade recnhecida a agrupament de esclas u à escla nã agrupada pela lei e pela administraçã educativa de tmar decisões ns dmínis da rganizaçã pedagógica, da rganizaçã curricular, da gestã ds recurss humans, da açã scial esclar e da gestã estratégica, patrimnial, administrativa e financeira, n quadr das funções, cmpetências e recurss que lhe estã atribuíds. N.º 1 d Artig 8.º d decret-lei n.º 137/2012 "A autnmia é um requisit para a eficácia." Jack Lang "Ninguém pr ti pderá saber. Ninguém pr ti pderá crescer. Ninguém pr ti pderá prcurar. Ninguém pr ti fará que a ti te incumbe fazer. Quem te representa nega a tua existência. Jrge Bucay 2

3 Preâmbul O Agrupament de Esclas Marcelin Mesquita d Cartax nasce da agregaçã da Escla Secundária d Cartax a Agrupament Marcelin Mesquita. Esta agregaçã crre em 3 de julh de 2012, cm a tmada de psse ds elements da CAP d Agrupament de Esclas Marcelin Mesquita d Cartax, cm a seguinte cnstituiçã. Presidente Jrge Manuel da Luz Tavares Vice-Presidente Antóni Jsé Pint Vgal Jsé Antóni d Carm Dias Vgal Rita Cássia Esteves Susa Rdrigues Vgal Virgínia Maria Frazã Isidr Teófil Desencadead que fi prcess eleitral para Diretr d Agrupament, fi Dr. Jrge Manuel da Luz Tavares eleit pel Cnselh Geral Transitóri pr unanimidade de vts a 5 de junh de 2013, tend a tmada de psse crrid a 17 de julh de Seguidamente, Diretr deu psse as demais membrs d seu gabinete, a saber. Subdiretr Antóni Jsé Pint Adjunta Virgínia Maria Frazã Isidr Teófil Adjunt - Jsé Antóni d Carm Dias Adjunt Jsé Manuel Rdrigues Fntes Celh É Agrupament cnstituíd pr 9 unidades, a saber. Escla Básica ds 2º e 3º Cicls Marcelin Mesquita, Cartax Escla Básica d 1.º Cicl n.º 1 Jsé Tagarr, Cartax Escla Básica d 1.º Cicl n.º 2 d Cartax Escla Básica d 1.º Cicl n.º 3 d Cartax Escla Básica d 1.º Cicl n.º 1 de Vila Chã de Ourique Escla Básica d 1.º Cicl n.º 2 de Vila Chã de Ourique Escla Básica d 1.º Cicl cm Jardim de Infância de Valada Jardim de Infância de Vila Chã de Ourique Escla Secundária d Cartax Esta é a realidade n iníci d an letiv de 2013/2014, cnstituind significativa alteraçã a an letiv anterir dada a inauguraçã de um nv espaç esclar. Referim-ns a uma nva escla básica para s 2.º e 3.º cicls que substituiu a antiga EB 2,3 Jsé Tagarr. Nas instalações desta passu a funcinar 1.º cicl cm s aluns da antiga EB d 1.º cicl n.º 1 d Cartax. Lcalizaçã: O Agrupament situa-se n Cncelh d Cartax, Distrit de Santarém, e ainda na NUTS II d Alentej e na NUTS III da Lezíria d Tej cm uma área d 130 km2, send que s estabeleciments de ensin que cmpõem se situam na cidade d Cartax, na freguesia de Vila Chã de Ourique e na freguesia de Valada. Ppulaçã esclar: A ppulaçã esclar pr nível de ensin em 2013/2014 é a seguinte: 3

4 Pré-esclar 53 1.º cicl º cicl º cicl 549 Secundári 388 Prfissinal 150 CEF 69 PIEF 18 TOTAL Crp dcente: O crp dcente em 2013/2014 tem a seguinte distribuiçã pr nível de ensin: Pré-esclar 4 1.º cicl º cicl º cicl + Secundári 111 Educaçã Especial 13 Técnics (curss prfissinais) 8 TOTAL dcentes + 8 técnics Nã Dcentes Administrativs 18 Assistentes Operacinais 61 Apresentada que fi esta realidade, defrntam-ns cm utra já para iníci d an esclar 2013/2014. Vai este agrupament ter de gerir uma situaçã de mudança muit prfunda, já atrás referida e que implica a mudança de dis edifícis a nva EB d 1.º Cicl Jsé Tagarr e a nva EB 2,3 Marcelin Mesquita. Sem querer ser exaustiv n elencar ds prblemas, elegems apenas dis: Send ambs s espaçs muit superires em área e númer de salas, nã se verifica a hipótese de aumentar númer de assistentes peracinais, send que, cm é óbvi, maires áreas implicam mair dispersã de recurss humans, que diminui a qualidade da vigilância. Send ampl nv espaç, também nã dispms de qualquer equipa de limpeza, nem se vislumbra qualquer cntrat cm empresa d ram. 4

5 Resultads da Avaliaçã Interna através d relatóri CAF aplicad a Agrupament Marcelin Mesquita. CONCLUSÕES: A equipa de autavaliaçã tem uma visã cncreta e precisa d md de funcinament da escla e ds seus resultads, cm a identificaçã de evidências cncretas e bjetivas, cnseguind analisar e registar as práticas de gestã d agrupament nas diferentes áreas; A equipa identificu prtunidades de melhria em tds s critéris da CAF; Destaca-se elevad nível de satisfaçã relativamente a funcinament d Agrupament. 5

6 Resultads das Avaliações Externas (Relatóris da IGE) Agrupament Marcelin Mesquita ESCOLA Resultads Prestaçã de Serviç educativ Organizaçã e Gestã esclar Liderança Capacidade de Autrregulaçã melhria d Agrupament Agrupament Marcelin Mesquita Muit Bm Bm Bm Muit Bm Bm Realizada em nvembr de 2009 PONTOS FORTES: A evluçã psitiva das Taxas de transiçã/cnclusã d 3º cicl; A prevençã da indisciplina que cnduz a um clima e prpíci à aprendizagem; A valrizaçã d sucess cm incentiv à melhria das aprendizagens ds aluns; O desenvlviment de alguns prjets, nmeadamente das atividades experimentais, em tdas as turmas d 4º an de esclaridade; A cmpnente de animaçã scieducativa na educaçã pré-esclar, que para além das atividades habituais, prprcina Educaçã Física e Educaçã Musical; As medidas de diferenciaçã e apis destinads as aluns cm dificuldades educativas especiais; A crreta gestã ds recurss humans assente na respnsabilidade e cnheciment das características pessais e prfissinais; A abertura a iniciativas cnducentes à participaçã ds pais e encarregads de educaçã e da cmunidade educativa; A mtivaçã e empenh das lideranças, ds dcentes e ds nã dcentes; Bm clima relacinal n Agrupament e cm as diversas entidades externas cm quem estabelece parcerias; A partilha de uma visã de sucess e expetativas cmuns acerca d que deve ser esperad na aprendizagem e cmprtament das crianças e aluns. 6

7 PONTOS FRACOS (ÁREAS DE MELHORIA) As taxas de transiçã/cnclusã d 2º cicl, nmeadamente d 5º an de esclaridade, nã apresentam uma evluçã favrável; A falta de cntinuidade das medidas específicas de api n 1º cicl; A inexistência de articulaçã entre s dcentes da educaçã especial e s ds apis educativs; A inadequada determinaçã de metas e indicadres de medida na educaçã pré-esclar; A frágil assunçã d Plan Anual de Atividades cm um planeament aglutinadr de tdas as iniciativas desenvlvidas; A puca equidade e justiça ns critéris de cnstituiçã das duas turmas de 7º an; A insuficiente divulgaçã ds resultads d trabalh de autavaliaçã. Escla Secundária d Cartax ESCOLA Resultads Prestaçã Serviç educativ de Organizaçã e Gestã esclar Liderança Capacidade de Autrregulaçã melhria d Agrupament Escla Secundária Suficiente Suficiente Suficiente Suficiente Insuficiente PONTOS FORTES Realizada em nvembr de 2009 Os bns resultads btids pels aluns d Ensin Secundári ns exames nacinais na disciplina de Prtuguês. A diversificaçã da ferta educativa, para estimular sucess educativ e garantir a tds s aluns acess a uma frmaçã integral. 7

8 A utilizaçã generalizada, pr parte da cmunidade educativa, da platafrma Mdle para a celeridade da circulaçã da infrmaçã. A liderança d órgã de direçã da escla, empenhad em envlver tds s elements da cmunidade educativa para elevar a qualidade ds serviçs educativs e afirmar a escla a nível lcal e reginal. A implementaçã d prjet Turma Mais cm implicações na adesã e envlviment ds aluns n prcess de ensin aprendizagem. PONTOS FRACOS ÁREAS DE MELHORIA Os fracs resultads académics ds aluns d 3.º cicl d Ensin Básic e insucess na disciplina Matemática d 3.º Cicl d Ensin Básic e n Ensin Secundári. A reduzida participaçã/envlviment ds aluns na vida na escla, nmeadamente na elabraçã ds dcuments estruturantes. A indisciplina em cntext de sala de aula, que cndicina desenvlviment das aprendizagens. A inexistência de análise e reflexã e falta de articulaçã entre s dis cicls de esclaridade, cm uma cndicinante d sucess ds aluns. A ausência de mecanisms de acmpanhament sistemátic da prática letiva ds dcentes. O frac investiment na utilizaçã de estratégias de diferenciaçã pedagógica a nível das práticas letivas. A nã valrizaçã das práticas ativas e experimentais na aprendizagem das ciências, cmprmetend desenvlviment de uma atitude psitiva face a métd científic ds aluns. A fragilidade ds dcuments rientadres da escla a nível da sua subsidiariedade e cerência. A inexistência de um mecanism eficaz de cntrl de entradas e saídas ds aluns, que põe em causa a segurança ds mesms. A sbrepsiçã ds hráris das atividades letivas cm s das atividades de enriqueciment curricular, cmprmetend a participaçã ds aluns nessas atividades. A fraca participaçã ds pais na vida da escla, nã send significativas as iniciativas de dinamizaçã de ações cm vista a respetiv envlviment e clabraçã. A frágil assunçã das lideranças intermédias enquant órgãs de reflexã e tmada de decisã, inviabilizand um trabalh cncertad cm vista à cnsecuçã de bjetivs e metas a atingir. A inexistência de um prcess de autavaliaçã e de práticas de avaliaçã sistemáticas e abrangentes cm efeits n planeament, na gestã das atividades e nas práticas prfissinais. 8

9 Resultads Finais das Disciplinas cm Avaliaçã Externa (Classificaçã Final da Disciplina): Taxas de Sucess em 2012/2013 4º An Agrupament de Esclas Marcelin Mesquita d Cartax Nacinal Língua Prtuguesa (Exame Nacinal) 75,77% 53,0% Matemática (Exame Nacinal) 67,70% 68,0% Final d An 93,6% 96,4% 6º An Agrupament de Esclas Marcelin Mesquita d Cartax Nacinal Língua Prtuguesa 80,3% 87,0% Matemática 77,4% 75,0% 9º ANO Agrupament de Esclas Marcelin Mesquita d Cartax Nacinal Língua Prtuguesa 86,8% 87,0% Matemática 65,5% 65,0% 9

10 11º e 12º Ans Agrupament de Esclas Marcelin Mesquita d Cartax Nacinal Bilgia e Gelgia 81,2% 84% Desenh A 100% 99% Gem. Descritiva A 58,3% 87% Ecnmia A 100% 95% Filsfia 100% 91% Física e Química A 69,2% 76% Francês Específic 100% 94% Gegrafia A 96,3% 91% História A 96% 89% História Cultura Artes 94,4% 88% Matemática A 84,8% 80% MACS 100% 84% Prtuguês 97,6% 90% 10

11 Taxas de Transiçã em 2012/2013 Agrupament de Esclas Marcelin Mesquita d Cartax A. M. MESQUITA SECUNDÁRIA ANO % ANO % 1º 99,28 7º 82,88 2º 82,85 8º 78,08 3º 92,96 9º 80,92 4º 93,64 10º 73,21 5º 80,48 11º 81,68 6º 84,50 12º 66,67 7º 63,59 8º 93,73 9º 80,84 N âmbit d desenvlviment d regime jurídic de autnmia da escla, cnsagrada pel Decret-Lei n.º 43/89, de 3 de fevereir, e a abrig d Decret-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, cm a nva redaçã que lhe fi dada pel Decret-Lei n.º 137/2012, de 2 de julh, e pela Prtaria n.º 265/2012, de 30 de agst, e demais legislaçã aplicável, Ministéri da Educaçã e Ciência (MEC), através da Direçã-Geral ds Estabeleciments Esclares (DGEstE) e Agrupament de Esclas Marcelin Mesquita d Cartax celebram e acrdam entre si presente cntrat de autnmia, que se rege pela regulaçã suprarreferida e ainda pelas cláusulas seguintes: Os bjetivs gerais d cntrat sã: Cláusula 1.ª Objetivs Gerais 1) Criar cndições que prpiciem a excelência da educaçã e instruçã n Agrupament. 2) Prver Agrupament cm as seguintes cmpetências, em cerência cm seu prjet educativ e enquadrad na gestã pssível ds recurss dispnibilizads. 11

12 i. Organizaçã estratégica ii. Organizaçã pedagógica iii. Organizaçã e gestã curricular iv. Organizaçã administrativa v. Gestã financeira vi. Gestã patrimnial vii. Gestã rganizacinal viii. Gestã curricular ix. Gestã de recurss humans 3) Criar cndições cnducentes a aument sustentad d sucess esclar. 4) Desenvlver estratégias de articulaçã entre s váris cicls de ensin. 5) Prver agrupament cm fertas educativas diversificadas que se enquadrem nas necessidades d mercad de empreg sem esquecer as pções individuais de cada alun. 6) Exercer plenamente as funções decrrentes da sua inserçã n centr de frmaçã a que pertence e que integra, de frma a criar cndições de frmaçã a dcentes e nã dcentes. 7) Cntinuar a dtar atual Agrupament de Esclas Marcelin Mesquita d Cartax das dinâmicas, ds climas de trabalh, ds ambientes rganizacinais, ds elements mtivacinais, bem cm ds elements estratégics e tátics e ainda da ba cmunicaçã rganizacinal, entre utrs elements, que permitiram a extint Agrupament Marcelin Mesquita alcançar na avaliaçã externa realizada pela entã IGE, em 2009, três Bns e dis Muit Bns. Os Objetivs Operacinais sã: Cláusula 2.ª Objetivs Operacinais 1. Aprximar a zer a taxa de abandn esclar; 2. Aumentar anualmente em 2 p.p. (pnts percentuais) as taxas ds resultads ns exames nacinais btidas pels aluns interns. 3. Aumentar a aprximaçã entre as taxas ds resultads interns nas frequências e as taxas btidas pels aluns interns d agrupament em exames nacinais. 4. Desenvlver esfrçs n sentid de assegurar que s resultads médis btids pels aluns d agrupament ns exames nacinais nã sejam inferires n seu td à média nacinal. 5. Aumentar anualmente a taxa de transições/aprvações em 3 p.p. (pnts percentuais), tant n ensin regular cm prfissinal u CEF. 6. Criar cndições designadamente através da ferta diversificada de curss d ensin secundári - que permitam a permanência n agrupament de tds s aluns para que estes cumpram integralmente s 12 ans de esclaridade brigatória. 7. Desenvlver currícul d agrupament de frma a cnjugar a prcura e a ferta de empreg. 8. Criar cndições de rganizaçã cmunicacinal entre s váris níveis de ensin, de frma a permitir a articulaçã e sequencialidade curricular. 9. Prceder às adaptações da estrutura administrativa, n seu sentid lat, que uma análise diagnóstica cntínua venha a eventualmente cnsiderar pertinentes. 10. Desenvlver e aperfeiçar s mecanisms existentes de regulaçã e cntrl de tdas as realidades setriais e subsetriais d agrupament, cm especial relev para s resultads esclares. 11. Munir tds s discentes cm cmpetências que lhes permitam, a finalizarem a esclaridade brigatória, ptar pel prsseguiment de estuds u pela integraçã n mercad de trabalh. 12

13 12. Prcurar uma integraçã das vertentes instruçã e educaçã, de frma a desenvlver ns aluns cmpetências sciais, de valres mrais e étics e até de cmum etiqueta e ba educaçã que lhes permitam uma sciabilidade na vida extraesclar de sucess. 13. Integrar a vida cmunitária através de diverss prtcls, designadamente cm a Universidade Sénir d Cartax. 14. Prmver uma integraçã tranquila da nva realidade. 15. Aumentar a ferta educativa a nível da Educaçã Especial. Cláusula 3.ª Plan de Açã Estratégica 1. O plan de açã estratégica cncretizar-se-á utilizand s recurss dispníveis n Agrupament, bem cm aqueles que decrram da celebraçã d Cntrat de Autnmia e n respeit pela legislaçã aplicável, (designadamente a cntrataçã n âmbit deste Cntrat de Autnmia - de um psicólg hrári parcial - e de um terapeuta da fala hrári parcial - cm descrit n quadr Área de Intervençã: Abandn Esclar/Inclusã. 1.1 Assim, e tend em vista a cncretizaçã ds bjetivs prevists ns n. s 1 e 2, desenvlve-se seguinte plan estratégic: Estratégias ESTRATÉGIAS TRANSVERSAIS A TODOS OS PROJETOS E AEC: Recurss Humans LIDERANÇA: Crdenadr de Prjets e Atividades de Enriqueciment Curricular cm representaçã n Cnselh Pedagógic. Regiment de Funcinament da Crdenaçã de Prjets e AEC. Crdenadr para cada Prjet/AEC. Prjets e Atividades de Enriqueciment Curricular (AEC) FUNCIONAMENTO: Existência de um Regiment de Funcinament que cntempla: bjet, âmbit de aplicaçã, princípis rientadres, cmpsiçã, cmpetências, crédit hrári e md de funcinament das reuniões, e um Plan Anual de Atividades específic de cada Prjet/AEC cntempland: prgramas/ações, bjetivs, metas, calendarizaçã e cust/financiament. Articulaçã das diferentes atividades cm currícul esclar, n sentid da prmçã de uma metdlgia de ensin invadra e baseada na resluçã de prblemas em estreita ligaçã cm mund real. Articulaçã, clabraçã e cperaçã entre s diferentes prjets /AEC. Articulaçã ds Prjets cm Entidades Externas, Nacinais e Internacinais, através de parcerias e prtcls. Envlviment da Cmunidade Lcal. Crdenadra COMUNICAÇÃO Cnselh Pedagógic Reuniões periódicas (frmais, nã frmais e infrmais). institucinal. DIVULGAÇÃO: Divulgaçã nline ds Prjets e AEC: Página Mdle, Wix, Redes Sciais, 13

14 Gabinete de Cmunicaçã e revistas/jrnais da regiã. MONITORIZAÇÃO: Realizaçã de frma sistemática e periódica pela Crdenadra ds Prjets e AEC. Sugestã de prpstas de melhria. AVALIAÇÃO: Elabraçã de relatóris, pr cada crdenadr de prjets/aec. Elabraçã de relatóris pel Crdenadr ds Prjets e AEC. Sugestã de prpstas de melhria. PLANOS PROGRAMAS Plan Nacinal de Leitura - PNL Plan Tecnlógic da Educaçã - PTE Prgrama Ec-Esclas PES - Prmçã da Educaçã e Saúde ESTRATÉGIAS Mbilizaçã de diverss saberes na abrdagem de temáticas transversais: Ciência, Cmunicaçã, Arte, Cultura, Mund, Pvs, Glbalizaçã e Saúde. Cruzament de iniciativas ligadas à escrita, à leitura e à fala, em Língua Prtuguesa, cm utrs prjets em desenvlviment n agrupament. Refrç de cmpetências das Tecnlgias de Infrmaçã e Cmunicaçã (TIC) de Aluns, Dcentes, Assistentes Operacinais e Encarregads de Educaçã. Dispnibilizaçã de serviçs e recurss nline: - Elabraçã de Recurss Educativs Digitais. - Frmaçã de Utilizadres. - Api técnic. Criaçã e desenvlviment de hábits de Educaçã Ambiental e Educaçã para desenvlviment Sustentável. Disseminar uma metdlgia de abrdagem das questões ambientais inspiradas na agenda 21. Articulaçã das atividades cm a cmunidade esclar e cm municípi. Prmçã da saúde em mei esclar. Articulaçã das atividades d Clube da Saúde cm a Unidade de Cuidads na Cmunidade d Cartax. Articulaçã das atividades d Clube da Saúde cm Curs Prfissinal Técnics de Saúde. RECURSOS HUMANOS (Prf. Crdenadr/Equipa) Crdenadr 3 Dcentes Crdenadr 10 Dcentes Crdenadr 2 Dcentes Crdenadr 2 Dcentes Prgrama Saúde Oral Biblitecas Esclares SOBE Articulaçã da temática da Saúde Oral cm a Educaçã para a Saúde, em articulaçã cm as biblitecas esclares. Dinamizaçã de ações de prmçã da leitura e da saúde. Crdenadr 2 Dcentes 14

15 Prjet ELOS EPIS Empresáris pela Inclusã Scial Cntribuir para uma educaçã de qualidade, inserind s aluns num ambiente de aprendizagem eurpeu e internacinal, preparand-s para agir num mund glbalizad, n sentid de exercer, plenamente, uma cidadania ativa. Cmbater insucess e abandn esclares através da prevençã e da remediaçã de factres de risc ds aluns e famílias, da prmçã de factres de prteçã e através da induçã de fatres externs de sucess nas rganizações esclares. É um prjet de incentiv à utilizaçã ds resultads da avaliaçã externa ds aluns para a melhria das suas aprendizagens, através de: Crdenadra 1 dcente Crdenadra 1 Dcente PROJETOS Prjet para a Melhria d Desempenh ds aluns - PROMED EmpCriança (Nersant) Cnceçã de estratégias de ensin que melhrem as aprendizagens ds aluns, nas várias áreas disciplinares. Resluçã sistemática, na sala de aula, de questões de exames/testes intermédis. Api individualizad, as aluns, em cntext de sala de aula e, quand necessári, fra d hrári letiv. Realizaçã de atividades de refrç, nas vésperas das aplicações ds Testes Intermédis (TI) e Exames. Sensibilizaçã, quer de aluns, quer de encarregads de educaçã, para um refrç d estud autónm. Sensibilizaçã das crianças para empreendedrism e atividade empresarial, cm intuit de estimular a capacidade de criaçã, bservaçã e atuaçã d alun, preparand- para seu futur. Valrizar as diferentes áreas d saber, pr mei de experiências práticas, envlvend que se passa à sua vlta: família, empresas, instituições e lcalidades. Crdenadra 1 Dcente Crdenadra Dcentes das turmas implicadas Crdenadra Empreender Jvem (Nersant) Criaçã e desenvlviment de ideias de negócis, sb a frma de empresas, cm interligaçã cm ambiente empresarial da lcalidade. Dcentes das turmas implicadas 15

16 EmpreEscla (Nersant) Prjet Vluntariad Esclar Criaçã e desenvlviment de ideias de negócis, sb a frma de empresas, cm interligaçã cm ambiente empresarial da lcalidade. Desenvlver cmpetências empreendedras ns aluns d ensin secundári. Prmçã d vluntariad aplicad a crianças e idss. Incentivar campanhas de slidariedade e mentria. Inclusã d vluntariad a crianças cm Necessidade Educativas Especiais (NEE) d agrupament. Resluçã de prblemas ecnómics de algumas famílias ds aluns. Prmçã de valres humancristãs. Articulaçã das atividades cm instituições/assciações d cncelh. Articulaçã das atividades n âmbit da eclgia e ambiente/ec-esclas. Yung VlunTeam Prmçã d vluntariad jvem nas Esclas Secundárias. Crdenadra Dcentes das turmas implicadas Crdenadres (2) Prjet D mar a ri a cultura e desenvlviment das Cmunidades Avieiras Prmçã d Prjet de Candidatura da Cultura Avieira a Patrimóni Nacinal, prmvid pel Institut Plitécnic de Santarém e utras entidades públicas, privadas e assciativas. Divulgaçã e implementaçã da Cultura Avieira nas suas diversas dimensões e áreas de intervençã: Educaçã cnsciencializaçã e cnheciment da cmunidade educativa relativamente à preservaçã da Cultura Avieira ; Cmunicaçã Divulgaçã junt da Cmunidade Educativa; - Crdenadr - 2 Dcentes Heróis da Fruta Gabinete de Cmunicaçã Frmaçã Açã frmativa dirigida à Cmunidade Educativa. Sensibilizaçã de crianças e adults para hábits de alimentaçã saudáveis e prevençã da besidade infantil, através d incentiv d cnsum de fruta. Articulaçã da cmunicaçã entre Agrupament e a Cmunidade Educativa. Divulgaçã das atividades realizadas através d Facebk, Tweeter, blgue e imprensa lcal e reginal. - Crdenadra - Crdenadra - 1 Dcente 16

17 CLUBES Clube Eurpeu de Artes e Letras Clube Dali d Arc Big Benglish Club Clube de Cerâmica Clube FILOSOFICAMENTE Clube de Música Clube de Teatr Prmçã, cm api das entidades cmpetentes, de ações de dinamizaçã tendentes a uma melhr infrmaçã sbre a Eurpa, as instituições eurpeias, a sua estrutura e funcinament. Prmçã valres de cidadania, participaçã ativa e cnsciente na cmunidade esclar, fundamentais para a frmaçã integral ds aluns e da cultura em geral. Criaçã de uma dinâmica de atividades, de md a que s aluns utilizem as línguas (francesa, espanhla e inglesa) de frma cntextualizada, em que as diferentes cmpetências linguísticas sejam desenvlvidas através d cntact cm recurss diversificads. Dispnibilizaçã de um api individualizad as discentes. Prmçã e desenvlviment da reflexã filsófica, nas suas múltiplas vertentes, em cmplementaridade cm a prática dcente, cm currícul esclar, a avaliaçã externa e cncurss nacinais. Prmçã e desenvlviment da reflexã filsófica, nas suas múltiplas vertentes, em cmplementaridade cm a prática dcente, cm currícul esclar, a avaliaçã externa e cncurss nacinais. Explraçã das pssibilidades expressivas d crp e da vz. Articulaçã das atividades cm O Centr Cultural d Cartax e as Biblitecas Esclares. - Crdenadra - 3 Dcentes - Crdenadra - 1 dcente - Crdenadra - Crdenadra - 1 prfessra - Crdenadra - Crdenadr - Crdenadr Outrs prjets/atividades OBJETIVO: CRIAR UMA CULTURA IDENTITÁRIA DE ESCOLA/AGRUPAMENTO ESTRATÉGIAS Recurss humans Calendarizaçã Prjet Science4yu Prmver s valres de cidadania Discentes Prjet Faça-se Justiça Cncurs Nacinal de Leitura Jrnal La Scientia Jrnal d Agrupament que ptenciem uma ba qualidade nas relações humanas; Desenvlver na cmunidade educativa s sentiments de pertença e partilha em relaçã à escla; Dcentes Nã dcentes Autarquia Encarregads de educaçã Cncurs Eureka Desenvlver a participaçã Órgãs de cmunicaçã A lng d an 17

18 Olimpíadas da Bilgia júnir Olimpíadas da Bilgia sénir Olimpíadas da Física Olimpíadas da Matemática demcrática na vida da escla; Recnhecer a imprtância scial d cumpriment de regras cm cndiçã integradra e estruturante; Criar um bm clima scial, PSP GNR lcal e reginal Cmunidade em geral esclar e de acrd cm a natureza d event. Jg Supertmatik académic e rganizacinal, Campenat Nacinal de Jgs Matemátics Prjet Imagens cntra a crrupçã prmvend a melhria da qualidade e de identificaçã de mdels de referência. Desenvlver uma cultura de Cncurs Md Ambiente- Bijuteria e s Ris Cncurs água Livres (da EPAL) - água ptável para um futur viável respeit individual e cletiv; Recnhecer a imprtância da segurança n intercâmbi de relações; Educaçã Parental Prmver a educaçã para a saúde. Assembleia de Delegads de Turma Aulas de Experimentaçã n 1º cicl Clube Mecanisms e Engenhcas 18

19 Área de Intervençã: Apis educativs OBJETIVO: PROMOVER O SUCESSO EDUCATIVO, DENTRO E FORA DA SALA DE AULA, ATRAVÉS DE UMA ESCOLA DE QUALIDADE. PROJETOS/ATIVIDADES ESTRATÉGIAS RECURSOS HUMANOS CALENDARIZAÇÃO Aulas de recuperaçã Aulas de api Aulas Prmed Prjet para a Melhria d Desempenh ds Aluns(aulas de preparaçã para exames nacinais) Tutrias Assessrias Oferta cmplementar de escla a Prtuguês e Matemática ns 6. s e 9. s ans Elabraçã de hráris cmpatíveis cm estas atividades Avaliaçã das mesmas pr períd Relatóri final de an Dcentes Td an esclar. Área de Intervençã: Abandn Esclar/Inclusã OBJETIVO: COMBATER O ABANDONO E PROMOVER A INCLUSÃO ESCOLAR PROJETOS/ATIVIDADES ESTRATÉGIAS RECURSOS HUMANOS CALENDARIZAÇÃO Unidade de ensin estruturad para aluns cm perturbações d espetr d autism n 1.º cicl. Recurs educativ devidamente apetrechad cm sala, materiais e mbiliári específic Dcentes, auxiliares e técnics Td an esclar Criaçã de uma Unidade de Ensin Estruturad para Aluns cm Perturbações d Espetr d Autism ns 2.º e 3.º cicls, mediante autrizaçã ds serviçs cmpetentes d MEC. Recurs educativ devidamente apetrechad cm sala, materiais e mbiliári específic Dcentes, auxiliares e técnics 2014/

20 Unidade de api especializad para aluns cm multideficiência e surdcegueira cngénita 2.º e 3.º cicls. Recurs educativ devidamente apetrechad cm sala, materiais e mbiliári específic. Intervençã d SPO (Serviç de Orientaçã e Psiclgia) Dcentes, auxiliares e técnics. Psicólga Td an esclar Criaçã de uma unidade de api especializad para aluns cm multideficiência e surd-cegueira cngénita 1.º cicl, mediante autrizaçã ds serviçs cmpetentes d MEC. Curs vcacinal (para cnclusã d 2.º cicl) em respeit pela rede de ferta educativa/frmativa definida cm MEC Recurs educativ devidamente apetrechad cm sala, materiais e mbiliári específic. Intervençã d SPO (Serviç de Orientaçã e Psiclgia) Prmçã da sua participaçã nas atividades esclares. Prmçã das regras de trabalh de equipa. Aument d seu espírit de iniciativa, a sua autnmia, a sua capacidade rganizativa e seu sentid de respnsabilidade, mtivand-s a adquirir cnheciments e a desenvlver capacidades e práticas que facilitem futuramente a sua integraçã n mund d trabalh. Sensibilizá-ls para a realidade empresarial envlvente através da prática simulada das atividades vcacinais, envlvend-s num prcess de mútua aprximaçã, pssibilitand deste md estreitament entre univers empresarial e esclar - estimuland também a mesm temp a respnsabilidade scial das empresas. Recurs educativ devidamente apetrechad cm sala e materiais específics. Intervençã d SPO (Serviç de Orientaçã e Psiclgia) Dcentes, auxiliares e técnics. Psicólga Dcentes, auxiliares Psicólga 2014/2015 Td an esclar Turma PIEF - em respeit pela rede de ferta educativa/frmativa definida cm MEC CEF Curss de Educaçã e Frmaçã Recurs educativ devidamente apetrechad cm sala e materiais específics. Intervençã d SPO (Serviç de Orientaçã e Psiclgia) Oferta de curss que vã de encntr às realidades d mercad de empreg, n respeit pela rede Dcentes, auxiliares técnics e APPACDM. Psicólga Dcentes, auxiliares Td an esclar Td an esclar 20

21 Curss Prfissinais de ferta educativa/frmativa definida cm MEC Intervençã d SPO (Serviç de Orientaçã e Psiclgia) Oferta de curss que vã de encntr às realidades d mercad de empreg, sem prejuíz d respeit pela rede de ferta educativa/frmativa definida cm MEC. Psicólga Dcentes, auxiliares Psicólga Td an esclar Trabalh em rede cm CPCJ e Núcle Lcal de Inserçã/Rendiment Scial de Inserçã. Trabalh em rede cm Açã Scial da Câmara Municipal d Cartax Intervençã d SPO (Serviç de Orientaçã e Psiclgia Reuniões de preparaçã de intervenções e levantament de cass. Dcentes, auxiliares e técnics Psicólga Dcentes técnics e psicólga Td an esclar Td an esclar Trabalh em rede cm a APPACDM Reuniões de preparaçã de intervenções e levantament de cass. Dcentes técnics e psicólga Td an esclar Avaliações, encaminhaments e acmpanhament/api psiclógic a tds s aluns inserids ns prjets/atividades supra que sejam identificads cm algum tip de necessidade neste âmbit. Cntrataçã de um psicólg 75% d hrári recurs adicinal a atribuir pel MEC Td an esclar Avaliações, encaminhaments e api terapêutic n âmbit da Terapia da Fala a tds s aluns inserids ns prjets/atividades supra que sejam identificads cm este tip de necessidade específica. Trabalh de despiste de situações de fragilidade e de api a aluns Cntrataçã de um Terapeuta da Fala 25% d hrári - recurs adicinal a atribuir pel MEC Área de Intervençã: Frmaçã Cntínua de Dcentes e Nã Dcentes OBJETIVO: APETRECHAR DE FORMA SISTEMÁTICA DOCENTES E NÃO DOCENTES COM COMPETÊNCIAS ATUALIZADAS. 21

22 PROJETOS/ATIVIDADES ESTRATÉGIAS RECURSOS HUMANOS CALENDARIZAÇÃO Participaçã nas reuniões d CFLO Centr de Frmaçã da Assciaçã de Esclas Lezíria Oeste Diagnóstic de necessidades de frmaçã. Prmver ações de frmaçã (tendencialmente n âmbit d CFLO) destinadas a dcentes e nã dcentes Dcentes e nã dcentes Frmadres interns e externs A definir em reuniões d CFLO, de preferência em períd nã letiv u pst -labral. Cláusula 4.ª Cmpetências recnhecidas à escla Cm presente cntrat, Ministéri da Educaçã e Ciência recnhece à escla as seguintes cmpetências para desenvlviment da sua autnmia: 1. Na Organizaçã e Gestã ds Currículs, e n respeit pel quadr legal em vigr: Educaçã Pré-Esclar 1. Áreas de atividade de Expressã Físic-Mtra e de Expressões Artísticas: a. Impulsinar as mesmas, através das sinergias criadas pels recurss humans d Agrupament, para implementaçã das ações/estratégias previstas n plan de açã. 2. Língua Inglesa a. Aprendizagem da Língua Inglesa, n últim an antes da entrada n 1º cicl, cm recurs às sinergias atrás referidas. 1.º Cicl 1. Prprcinar a aprendizagem da Língua Inglesa, Infrmática, Expressã Plástica, Musical e Físic-Mtra a partir d 1.º an de esclaridade, integradas n currícul, recrrend as dcentes d Agrupament; 2. Área de Estud d Mei a. Prmver as atividades experimentais/expressivas, a partir d 1.º an, recrrend as dcentes d Agrupament; 2.º e 3.º Cicls 22

23 1. Prmver, n respeit pel quadr legal em vigr, a aprendizagem de uma segunda língua estrangeira n 5.º an de esclaridade, enquant cmpnente essencial à integraçã n espaç eurpeu. 2. Prmver, n respeit pel quadr da matriz curricular nacinal, na área das Expressões e Tecnlgia, uma gestã d plan curricular de agrupament de md a ir a encntr das especificidades das cmpetências artísticas e tecnlógicas ds aluns; 3. Refrçar as atividades experimentais, na área das Ciências Físicas e Naturais, através de estratégias invadras e d desdbrament em turns (cm s recurss d AE), permitind práticas labratriais eficientes. 4. Prmver desdbrament de turns nas áreas das Ciências Físicas e Naturais (cm s recurss d AE), de frma a facilitar práticas labratriais assentes em estratégias adaptadas. Ensin Secundári 1. Num quadr de cperaçã cm as esclas secundárias da regiã, cm a autarquia e cm Ministéri da Educaçã e Ciência, desenvlver a seleçã da ferta frmativa ds curss de nível secundári, de acrd cm as rientações da Rede Esclar d MEC. 2. Diversificar, individualizand tant quant pssível, as mdalidades de api pedagógic, de frma a prmver sucess esclar e a qualidade das aprendizagens, mediante s recurss dispníveis n Agrupament. 3. N respeit pel quadr legal em vigr, recrrer à gestã de matrizes curriculares, de frma a permitir que a carga hrária semanal seja ultrapassada. 2. Na Organizaçã e Gestã Esclar 1. Definir s seus critéris própris de aferiçã ds cnheciments ds aluns, dentr d respeit pela lei geral; 2. Cnstruir instruments própris da avaliaçã interna, aplicá-ls e testá-ls, divulgand s resultads, n respeit pel quadr legal em vigr. 3. Definir as estratégias necessárias cnducentes à superaçã de dificuldades ds aluns detetadas pela aplicaçã ds critéris referids n númer anterir. 4. Estabelecer, n Regulament Intern, nrmas e mecanisms que permitam um refrç da figura d prfessr tutr. 5. Utilizar, n respeit pel definid em lei, s crédits hráris cncedids em medidas de cmbate a insucess esclar recrrend as seguintes prcediments: 5.1 Reclha e tratament n iníci de cada an esclar - das infrmações ds Diretres de Turma u Prfessres Titulares de Turma relativamente a aluns cm um quadr de previsível insucess esclar. 5.2 Dand priridade às disciplinas de Prtuguês e Matemática, entregar à equipa de hráris esta infrmaçã de frma a facilitar a elabraçã de hráris cm aulas de api, aulas de recuperaçã, assessrias pedagógicas e tutrias. 5.3 Mnitrizar s resultads destas medidas de cmbate a insucess esclar. 5.4 Prceder cm n pnt 5.1 em cada mment de avaliaçã reuniões intercalares e reuniões de avaliaçã de final de períd - de frma a refrmular a permanência ds aluns apiads u a deteçã de utrs. 6. Gerir api scieducativ, sempre na ótica d interesse ds aluns e mediante s recurss humans dispníveis n agrupament. 7. Cnstituir turmas, n respeit pel quadr legal em vigr, atendend a critéris de cmpsiçã e funcinament definids em Cnselh Pedagógic, atendend designadamente a harmnizaçã cm hráris de transprte para utras freguesias u a hmgeneidade de ritms de aprendizagem. 8. Criar, n respeit pel quadr legal em vigr, instruments de gestã ds recurss humans, através da criaçã de blsas de dcentes e nã dcentes cm dispnibilidade hrária, de frma a agilizar substituições, em cass de ausência. 23

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Critéris de Avaliaçã Direçã Reginal de Educaçã d Nrte Agrupament de Esclas AMADEO DE SOUZA-CARDOSO Telões - Amarante EDUCAÇÃO MUSICAL 2ºCICLO An Letiv 2014/2015 Dmíni Cgnitiv

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Març 2015 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT MORADA Estrada de Benfica, nº 372 - Lisba Tel./Fax. 217780073 Email funda_champagnat@maristascmpstela.rg Índice I. Intrduçã.1

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO 2014/2017

PROJETO EDUCATIVO 2014/2017 PROJETO EDUCATIVO 204/207 ÍNDICE INTRODUÇÃO -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- PERFIL DA ESCOLA ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE PROJETO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS MINISTRADOS NO IPP JULHO 2010 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Object... 3 Âmbit bjectiv... 3 Âmbit subjectiv...

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Colégio Integrado EXATO

Colégio Integrado EXATO Clégi Integrad EXATO Rua: Ri de Janeir, 47 Jardim Bela Vista Mgi Guaçu SP CEP 13840-210 Telefne (19) Prpsta Plític-pedagógica d Clégi Integrad EXATO S/S Ltda. O Clégi Integrad EXATO cntextualiza sua açã

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes: DOC. CA/N/15/08 PROGRAMA OPERACIONAL ALENTEJO EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO E EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL INSTRUMENTO: MOBILIDADE TERRITORIAL O presente dcument suprta a apreciaçã d

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2009 easymed Rua Jrge Barradas, nº 34 Lj 4/5 Tel: +351 21 301 01 00 1400-319 LISBOA Fax: +351 21 301 11 16 PORTUGAL http://www.easymed.pt A Easymed A

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

Situação Atual da EFTP no Afeganistão

Situação Atual da EFTP no Afeganistão Data: 8 de mai de 2015 Situaçã Atual da EFTP n Afeganistã Dr. Enayatullah Mayel Diretr Executiv d Prgrama Prgrama Nacinal de Desenvlviment de Cmpetências Ministéri d Trabalh, Assunts Sciais, Mártires e

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Programa de Intervenção para o Agrupamento de Escolas de Lamaçães

Programa de Intervenção para o Agrupamento de Escolas de Lamaçães Prgrama de Intervençã para Agrupament de Esclas de Lamaçães (à apreciaçã d Cnselh Geral Transitóri d Agrupament de Esclas de Lamaçães n âmbit d prcess cncursal a carg de Directr) Jã Luís Dantas Leite A

Leia mais

Projeto Educativo TRIÉNIO 2013-2016. Escola Secundária de Emídio Navarro VISEU ESENVISEU@ESENVISEU.NET 232480190

Projeto Educativo TRIÉNIO 2013-2016. Escola Secundária de Emídio Navarro VISEU ESENVISEU@ESENVISEU.NET 232480190 Prjet Educativ TRIÉNIO 2013-2016 Escla Secundária de Emídi Navarr VISEU ESENVISEU@ESENVISEU.NET 232480190 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 PARTE 1 CARACTERIZAÇÃO E DIAGNÓSTICO 5 1.1 CONTEXTO GEOGRÁFICO E SOCIODEMOGRÁFICO

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

Ministério da Educação. Gabinete de Avaliação Educacional PLANO DE ACTIVIDADES. Janeiro 2011

Ministério da Educação. Gabinete de Avaliação Educacional PLANO DE ACTIVIDADES. Janeiro 2011 Ministéri da Educaçã Gabinete de Avaliaçã Educacinal PLANO DE ACTIVIDADES 2011 Janeir 2011 ÍNDICE Pág. 1. NOTA INTRODUTÓRIA 3 2. OBJECTIVOS 4 3. PROJECTOS E ACTIVIDADES 6 3.1. Elabraçã de instruments de

Leia mais

Orientações para as Candidaturas

Orientações para as Candidaturas Orientações para as Candidaturas Tiplgia de Intervençã 6.2 (Eix 6) Qualificaçã das Pessas cm Deficiências e Incapacidades. O presente dcument cntém rientações técnicas para efeits de candidatura as apis

Leia mais

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990.

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. O IASAe a Escla Municipal de SantAndré realizaram uma série de ações vltadas para a disseminaçã e efetivaçã ds Direits das Crianças e Adlescentes estabelecids pel

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2011 Autrizações: ACT nº 697 07 1 01 11 DGS nº 065/2011 easymed Av. Clumban Brdal Pinheir, nº61c, 1º - Esc. 13 Tel: +351 21 301 01 00 1070-061 LISBOA

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

Plano de Recuperação - Inglês

Plano de Recuperação - Inglês Escla: 9º 2005/2006 Prf. I- APOIO PEDAGÓGICO ACRESCIDO Plan de Recuperaçã - Inglês Existência de dis níveis diferenciads: Nível I aluns cm graves deficiências de base. N.º Nme Nível II aluns cm algumas

Leia mais

ÍNDICE...1. 1.Preâmbulo...2

ÍNDICE...1. 1.Preâmbulo...2 Agrupament de Esclas de Águas Santas Prjet Educativ 2012-2015 ÍNDICE...1 1.Preâmbul...2 2. Diagnóstic Estratégic 2.1 Caraterizaçã d mei/cntext Físic e Scial...3 2.2 Caraterizaçã d Agrupament. 4 2.2.1 Recurss

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

projeto educativo 2015/2018

projeto educativo 2015/2018 prjet educativ 2015/2018 1 ÍNDICE VISÃO E MISSÃO... 4 VISÃO... 4 MISSÃO... 4 VALORES... 4 O AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EÇA DE QUEIRÓS... 5 ESCOLA SECUNDÁRIA EÇA DE QUEIRÓS... 5 ESCOLA BÁSICA VASCO DA GAMA...

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO 2010/2013

PROJECTO EDUCATIVO 2010/2013 PROJECTO EDUCATIVO 2010/2013 Pera espertar engenhs curiss Camões, Os Lusíadas, CantVII, Estância 82 E-mail escseccames@netcab.pt ESCamões - Prject Educativ 2010/2013 pág. 1 de 22 ÍNDICE INTRODUÇÃO -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO EA.TAS.6.1.13 HELPCARE CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO Prpsta Curs de Tripulante de Ambulância de Scrr Fundamentaçã O scrr e transprte de vítimas de dença súbita e/u trauma é executad pr váris

Leia mais

CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO

CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO Intrduçã Os prjects sciais nascem d desej de transfrmar uma determinada realidade. O prject deve sempre cnter um cnjunt de acções planeadas e articuladas,

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Prgrama de Desenvlviment Rural d Cntinente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Açã 7.2 PRODUÇÃO INTEGRADA Enquadrament Regulamentar Artig 28.º Agrambiente e clima d Regulament (UE)

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2013

PLANO DE ACTIVIDADES 2013 PLANO DE ACTIVIDADES 2013 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Desafi Estratégic 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3.

Leia mais

Da Declaração à Ação dos Vários Interessados Diretos Primeira reunião do fórum

Da Declaração à Ação dos Vários Interessados Diretos Primeira reunião do fórum Da Declaraçã à Açã ds Váris Interessads Direts Primeira reuniã d fórum Centr de Cnvenções Brasil 21 Brasília, DF, 8 e 9 de mai de 2012 AGENDA ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ESCRITÓRIO REGIONAL DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP A Cperaçã para a Saúde n Espaç da CPLP Ainda antes da I Reuniã de Ministrs da Saúde da CPLP, realizada em Abril de 2008, em Cab Verde, fram adptads s seguintes instruments que, n quadr da saúde, pretenderam

Leia mais

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I As decisões sbre a implementaçã de ações de cnvivência cm a seca exigem cnheciment básic sbre a lcalizaçã, caracterizaçã e dispnibilidade das fntes de água superficiais e subterrâneas.

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana de Parnaíba Cmpnente Curricular: Cntabilidade Cmercial Eix Tecnlógic: Gestã e Negócis Módul: II C.

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

COLÉGIO MILITAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

COLÉGIO MILITAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COLÉGIO MILITAR INGLÊS 1º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015 2016 Grup Disciplinar de Inglês/Alemã 08.09.2015 Preâmbul 1. Pretende-se que a avaliaçã em Língua Estrangeira valrize td percurs esclar d alun,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º an Subdmíni Cmunicaçã e clabraçã CC8 Cnheciment e utilizaçã adequada e segura de diferentes tips de ferramentas de cmunicaçã,

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

Plano de Formação 2012

Plano de Formação 2012 1 INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, IP DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALGARVE Plan de Frmaçã 2012 Centr de Empreg e Frmaçã Prfissinal de Prtimã 2 APRENDIZAGEM nível IV SAÍDA PROFISSIONAL INICIO FINAL

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

Projeto Curricular de Grupo: Pré-escolar de Picão Agrupamento de Escolas de Castro Daire. Brincar e Crescer Brincar e Aprender.

Projeto Curricular de Grupo: Pré-escolar de Picão Agrupamento de Escolas de Castro Daire. Brincar e Crescer Brincar e Aprender. Prjet Curricular de Grup: Pré-esclar de Picã Agrupament de Esclas de Castr Daire Brincar e Crescer Brincar e Aprender Isabel Mreira ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA -------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

TERAPIA MANUAL DESPORTIVA

TERAPIA MANUAL DESPORTIVA TERAPIA MANUAL DESPORTIVA 14, 15 e 16 de Nvembr de 2014 - LISBOA Resum A Terapia Manual é indiscutivelmente uma área incntrnável na intervençã d fisiterapeuta. N entant, este é um cnceit lat, cm diversas

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Enquadrament 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3. Frmaçā

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais