ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E DOS PRINCIPAIS MECANISMOS DE LESÕES NAS ATLETAS DO FUTSAL FEMININO DA UNESC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E DOS PRINCIPAIS MECANISMOS DE LESÕES NAS ATLETAS DO FUTSAL FEMININO DA UNESC"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE FISIOTERAPIA GUILHERME SEYBOTH ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E DOS PRINCIPAIS MECANISMOS DE LESÕES NAS ATLETAS DO FUTSAL FEMININO DA UNESC CRICIÚMA, JUNHO DE 2009

2 2 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE FISIOTERAPIA GUILHERME SEYBOTH ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E DOS PRINCIPAIS MECANISMOS DE LESÕES NAS ATLETAS DO FUTSAL FEMININO DA UNESC Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado para obtenção do grau de Bacharel no curso de Fisioterapia da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC. Orientador: Prof. Esp. Adriano Borges Polizelli. CRICIÚMA, JUNHO DE 2009

3 3 GUILHERME SEYBOTH ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E DOS PRINCIPAIS MECANISMOS DE LESÕES NAS ATLETAS DO FUTSAL FEMININO DA UNESC Trabalho de Conclusão de Curso, aprovado pela Banca Examinadora para obtenção do Grau de Bacharel no Curso de Fisioterapia da Universidade do Extremo Sul de Santa Catarina, UNESC, com Linha de Pesquisa em Fisioterapia Ortopédica. Criciúma, junho de BANCA EXAMINADORA Orientador Técnico: Prof. Esp. Adriano Borges Polizelli Profª. Luciana da Cunha França Prof. Dr. Gaspar Rogério da Silva Chiappa

4 4 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar agradeço a Deus Supremo, grande arquiteto da vida, pela permissão de realizar este trabalho e que ele possa servir como referência na prevenção e tratamento das lesões dos desportistas de futsal do Brasil e do mundo. Aos meus pais que acreditaram em mim e me deram a oportunidade de realizar este sonho e que estiveram ao meu lado em todos os momentos da minha vida, nos melhores e nos piores, me ensinando, motivando, passando confiança, amor e carinho. A minha namorada, pelo apoio, pelo carinho e por entender a importância das horas investidas neste estudo. A todos os que estiveram comigo nesta etapa e que contribuíram de uma forma ou outra, ajudando no meu amadurecimento pessoal e profissional. Ao professor orientador técnico Adriano Borges Polizelli, pela paciência, incentivo e tempo disponibilizado para me ajudar no desenvolvimento deste trabalho. A técnica da equipe de futsal feminino da UNESC, pela sua colaboração e a todas as atletas que responderam ao instrumento de pesquisa. Muito Obrigado!

5 5 RESUMO Atualmente, o futsal é o esporte que possui o maior número de praticantes no Brasil. No mundo, são mais de 70 países que o praticam em quatro continentes, destacando-se Rússia, Ucrânia, Paraguai, Espanha, Portugal. A participação feminina nos esportes começou da forma tímida, posteriormente a um longo período de exclusão das atividades esportivas. A maior incidência de lesões esportivas está na prática do futsal, tanto pela sobrecarga aplicada sem a devida preparação quanto pela vontade de superação do atleta. A fisioterapia no esporte vem despontando a cada dia mais, pois as equipes buscam maior desempenho dos atletas dentro de quadra. Este estudo teve como objetivo geral encontrar a prevalência e os principais mecanismos de lesões nas atletas do futsal feminino sub-17 da UNESC durante toda a sua vida esportiva. O estudo foi aplicado em 12 atletas do futsal feminino, através de um questionário, desenvolvido pelo pesquisador e validade por profissionais da área, com questões abordando os temas de idade de início da prática esportiva, alongamentos, utilização do calçado adequado, posição em quadra, tempo de afastamento da prática esportiva, prevenção de lesões, mecanismos de lesão e lesões. Após analisar e interpretar os dados pode-se notar que prevaleceram as lesões por impacto indireto nos membros inferiores, uma de tornozelo, dois no joelho e quatro de coxa, sendo que a lesão que mais apareceu foi a entorse de joelho, seguida pela entorse de tornozelo, luxação e distensão muscular. Este estudo vem contribuir com a Fisioterapia Desportiva, ajudando a comprovar a importância do trabalho de propriocepção e prevenção nos atletas do futsal feminino da Unesc. Palavras Chaves: Lesão, Mecanismos de Lesão, Fisioterapia Desportiva.

6 6 ABSTRACT Nowadays futsal is the sport that possesses the largest number of athletes in Brazil. Worldwide, there are more than 70 countries that practice it in four different continents, standing out Russia, Ukraine, Paraguay, Spain, and Portugal. The participation of womens in sports comes after a long period of exclusion of the sports activities. The largest incidence of sports lesions is in the practice of futsal, due to the physical overload which is applied without the appropriate preparation as well as the athlete s desire of overcoming limits. Sports physiotherapy is improving day by day, for the reason that the teams are seeking for the best performance of their athletes when they are in action. The general objective of this study is to find the prevalence and the main mechanisms of lesions in the women s futsal under-17 team of UNESC, during all their sporting life. The study was applied in 12 athletes of the women s futsal team, by means of a questionnaire, developed by the researcher and validity for professionals in the area, with closed questions addressing the issues of age at the beginning of sports practice, stretching, use of appropriate footwear, a position in court, time of withdrawal from sport practice, injury prevention, mechanisms of injury and lesions. After analyzing and interpreting the data, it could be noticed that the lesions prevailed for indirect impact on the inferior members, one of knee, two of ankle, and four of thigh and the most frequent lesion was knee sprain, followed by the ankle sprain, muscle strain and dislocation. This study comes to contribute with the Sports Physiotherapy, helping to attest the importance of a proprioception and prevention sense among the athletes of the UNESC women s futsal team. Key words: Lesion, Mechanisms of Lesions, Sports Physiotherapy.

7 7 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ACM Associação Cristã de Moços. CBD - Confederação Brasileira de Desportos. CBFS - Confederação Brasileira de Futsal. CETE Centro de Traumato Ortopedia do Esporte. CND - Conselho Nacional de Desportos. FIFA - Fédération Internationale de Football Association. FIFUSA Federação Internacional de Futebol de Salão. TCLE - Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

8 8 LISTA DE ANEXO ANEXO A Aceite do Projeto Pelo Comitê de Ética em Pesquisa

9 9 LISTA DE APÊNDICES APÊNDICE A Termo de Consentimento Livre e Esclarecido TCLE APÊNDICE B Avaliação do Instrumento de Pesquisa

10 10 LISTA DE FIGURAS Figura-1: Os Túbulos Transversos; Sarcolema; reticulo sarcoplasmático; Miofibrilas; Sarcoplasma...19 Figura-2: Representação de uma miofibrila Figura-3 Divisão completa da fibra muscular Figura-4: A fotomiografia demonstra as fibras musculares de contração lenta (CL) e as de contração rápida (CR)...22 Figura-5 Tempo de prática do futsal...41 Figura-6 Idade atual das atletas...42 Figura-7 Idade de início da prática do futsal...43 Figura-8 Realização do alongamento...44 Figura-9 Tempo de afastamento dos jogos devido a lesão...45 Figura-10 Localização anatômica das lesões...46 Figura-11 Mecanismos de lesão...47 Figura-12 Tipos de lesões...49 Figura-13 Estudo do Índice da Massa Corporal...50

11 11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Anatomia e Fisiologia Muscular Fisioterapia Desportiva Biomecânica do Esporte Prática Precoce do Esporte e Alterações Posturais Lesões Mecanismos de lesão no futsal Prevenção de lesões no atleta Qualidades Físicas Básicas de uma Atleta Agilidade Força Flexibilidade Coordenação Velocidade Resistência MATERIAIS E MÉTODOS Tipo da pesquisa Local e caracterização da amostra Instrumentos para coleta dos dados Procedimentos para coleta de dados Procedimentos para análises de dados ANÁLISE E DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES ANEXO... 67

12 12 1 INTRODUÇÃO Segundo Tenroller (2004) o futsal é considerado por muitas pessoas genuinamente brasileiro uma vez que sua difusão se deu de forma muito rápida no Brasil principalmente pela ACM de São Paulo para qual alguns brasileiros que participavam da ACM do Uruguai, retornavam para trazerem as primeiras regras organizadas por Carlos Ceriani. A primeira regra publicada foi editada em 1956, criadas por Luiz Gonzaga de Oliveira Fernandes em São Paulo. Juan Carlos Ceriani e Habib Maphuz, professores da ACM; são considerados os pais do futebol de salão (FEDERAÇÃO GAÚCHA DE FUTSAL, 2006). Voser (2003) destaca que em março de 1958, a Confederação Brasileira de Desportos (CBD) oficializou a prática do futebol de salão no país, criando o Conselho Técnico de Futebol de Salão. E a partir da década de 80, começaram os primeiros campeonatos Pan-americanos e mundiais, onde o Brasil foi o vencedor. No ano de 1989 a FIFUSA promoveu um Congresso que contou com a participação de 19 países: 12 não aprovaram a fusão entre FIFUSA/FIFA. O Brasil votou pela fusão (SANTANA, 2004). Em 1990 a FIFA homologa a supervisão do futsal mediante extinção da Fifusa e cria sua comissão de futsal, segundo Futsal Brasil (2006), ainda há relatos de que no ano de 2003 por intermédio de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, o Futsal é incluído nos jogos Pan-Americanos de 2007 no Rio de Janeiro. A Federação Paulista de Futsal lança um projeto em prol do Futsal: "Eu Quero Futsal Olímpico". A aprovação do futsal nas olimpíadas se dá pela evolução do mesmo na categoria feminina, segue um pouco da história do futsal feminino: No dia oito de janeiro de 1983 o conselho Nacional de Desportos (CND), liberou a prática do futsal para mulheres. A partir desta data os campeonatos começaram a surgir em vários estados, no entanto nenhum sendo oficial nem reconhecido pela Confederação Brasileira de Futsal (CBFS). Antes disso alguns estados já faziam seus campeonatos locais e metropolitanos (FUTSAL BRASIL, 2006).

13 13 A recente popularização do futsal feminino trouxe consigo dúvidas a respeito da Educação Física infantil brasileira enquanto prática educacional. É característica marcante a diferenciação das experiências e competências de movimento de meninos e meninas (SOUTO, 2006). Com o aumento das competições do futsal feminino e seu reconhecimento em 2005, o jogo da final da Taça Brasil Principal, foi televisionado para o Brasil todo através da REDE TV, a criação das Taças Brasil, Sub-15, Sub-17, Sub-20 e também o Campeonato Brasileiro de Seleções destas categorias destacaram o futsal feminino no Brasil e obrigaram as equipes a montarem estruturas sólidas para que as suas equipes tivessem um suporte de trabalho sério e digno com as competições que iriam enfrentar (TORRES, 2006). Quem garante, que se não houvesse toda uma história de exclusão da mulher no esporte, hoje em dia não seria o futebol um esporte leve que seria praticado melhor por mulheres já que elas não são tão violentas quanto os homens (SOUTO, 2000). De acordo com Whiting (2001), lesão é o dano causado por traumatismo físico sofrido pelos tecidos do corpo. Muitas lesões possuem uma causa mecânica. As forças e os fatores relacionados com as forças podem resultar em lesão e influenciar a gravidade das lesões. Segundo Cohen (2003) a procura cada vez mais precoce por diferentes modalidades esportivas e o alto nível de competitividade dos esportes, que antigamente eram tidos como recreacionais, tem como resultado um número cada vez maior de lesões do aparelho locomotor. Um estudo realizado pelo Centro de Traumato-Ortopedia do Esporte (CETE), do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade Federal de São Paulo mostrou que entre 97 atletas avaliados, foram observadas 56 lesões pregressas, dentre elas 25 entorses, 15 fraturas, 7 estiramentos musculares, 5 contusões, 2 luxações, 1 tendinite e 1 ruptura de tendão, sendo que 40 delas ocorreram na prática do futebol e 16 em outras atividades, certificando o grande número de lesões que ocorrem nos jogos (COHEN, 2002). Baseado no texto acima elaborou-se a seguinte questão problema: Qual a prevalência e os principais mecanismos de lesões nas atletas do futsal feminino da UNESC?

14 14 A partir da questão problema elaboraram-se as seguintes questões a investigar e suas hipóteses: a) Quais os tipos e locais de maior incidência de lesões no futsal? Segundo Cohen (2003), quanto à localização das lesões, a maior incidência se dá nos membros inferiores, seguidas pela cabeça e coluna vertebral e por fim nos membros superiores. Segundo Eitner (1989), as contusões no joelho são as lesões mais freqüentes em atletas do futebol, enquanto a entorse de tornozelo fica em segundo lugar. Porém Gould III (1993) considera a entorse de tornozelo como a lesão mais comum no esporte e Rodrigues (1994) relata que as lesões em membros inferiores chegam a 90% do total das lesões musculares em atletas do futebol. As entorses são as lesões que mais ocorrem nas atletas de futsal, seguidas por contusões, lesões musculares, luxações e fraturas. O ligamento cruzado anterior do joelho é conhecido como o ligamento do atleta e apresenta-se como uma lesão bastante freqüente, acarretando uma diminuição importante no rendimento, principalmente nos movimentos repentinos (COHEN, 2003). Acredita-se que como resultado será encontrada uma prevalência de lesões em membros inferiores, principalmente em tornozelo e joelho. b) Quais os mecanismos de lesão e a posição de quadra em que ocorre mais lesão muscular? Os mecanismos de lesão são classificados como trauma direto, comum nos esportes de contato, trauma indireto ou por estresse muscular, onde o músculo é submetido a uma carga superior a sua capacidade de resistência (COHEN, 2003). Segundo Gould III (1993) os meio-campistas são os atletas mais exigidos em termos físicos do que os atletas de outras posições, sendo que, correm maiores distâncias em velocidade submáxima e fazem movimentos rotacionais, assim estão mais expostas as lesões traumato-ortopédicas. A inversão do pé com flexão plantar e supinação produz 85% das entorses. A diferença angular entre os dois maléolos laterais proporciona maior exposição do compartimento lateral, e ainda, as estruturas ligamentares da região medial do pé e tornozelo possuem um maior reforço (EITNER, 1989). Segundo um estudo realizado pelo Centro de Traumato-Ortopedia do Esporte (CETE), do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade

15 15 Federal de São Paulo, a maioria das lesões acorrem com as meio-campistas, vindo em seguida as atacantes, zagueiras, goleiras, e laterais (COHEN 2003). Acredita-se que o mecanismo de lesão mais freqüente será por trauma direto, já que o futsal é um esporte de muito contato e velocidade, e assim sendo as jogadoras mais acometidas serão as meio campistas. c) Qual a importância da fisioterapia desportiva? Segundo Cohen (2003) o atual momento do futsal necessita da participação efetiva da equipe multidisciplinar, bem como dirigentes esportivos e de preparadores dos eventos desportivos, com o objetivo de diminuir a incidência de lesões nos atletas e apresentar um melhor espetáculo para os admiradores. Nesse contexto a fisioterapia desportiva se destaca, fazendo a prevenção e o tratamento acelerado dos jogadores, evitando assim o afastamento destes por lesão. Pressupõe-se que as atletas que tenham um acompanhamento fisioterapêutico, tanto na prevenção como no tratamento, apresentarão um resultado melhor, com menos lesões e menor tempo de afastamento. Este estudo tem como objetivo geral analisar a prevalência e os principais mecanismos de lesão nas atletas do futsal da UNESC. Como objetivos específicos, avaliar o tempo de afastamento das atletas por causa de lesões; analisar qual posição é mais suscetível a lesão muscular durante os jogos de futsal; analisar quais os principais mecanismos de lesão; analisar quais os locais mais freqüentemente acometidos por lesão; analisar quais lesões são mais comuns neste esporte; orientar as atletas, em relação à prevenção das principais lesões decorrentes no futsal. O atual momento do futsal necessita da participação efetiva e integração de uma equipe multidisciplinar (fisioterapeuta, médico, preparador físico, técnico), bem como dirigentes esportivos e de preparadores dos eventos esportivos, com o objetivo de diminuir a incidência de lesões dos atletas e apresentar um melhor espetáculo para os amantes do esporte. A prevenção e o estudo das lesões ortopédicas no futsal estão diretamente ligados aos seguintes fatores: idade, lesões anteriores, instabilidades articulares, treinamento físico, não podendo esquecer a sobrecarga de exercícios, o número excessivo de jogos, equipamentos inadequados (calçados, roupas), avaliando esses fatores pode-se fazer um programa adequado de prevenção de lesões. Com a prevenção adequada evita-se o afastamento de atletas por motivo

16 16 de lesões, gastos com reabilitação, e se consegue diminuir a incidência destas lesões. Ao dedicar-se em prol da performance, o atleta muitas vezes eleva ou recebe um aumento em suas cargas de trabalho, favorecendo assim, o aparecimento de lesões que por vezes o afastam da condição de treinar e jogar, impossibilitando desta forma o desenvolvimento e ou aprimoramento de seu condicionamento, seja em uma temporada ou durante toda sua vida esportiva. Este afastamento pode ocorrer devido a algumas razões, talvez as principais delas sejam as lesões. São muito variados os mecanismos responsáveis por uma lesão. Estes estabelecem uma relação de causa e efeito. A categorização dos mecanismos se baseia em conceitos mecânicos, respostas teciduais ou uma combinação dos dois. A busca pelo sucesso impõe aos atletas a necessária e inevitável condição de serem submetidos a esforços físicos e psíquicos muito próximos dos seus limites fisiológicos, expondo-os conseqüentemente, a um nível de treinamento potencialmente patológico, resultando em um alto número de lesões esportivas. Desta forma a Fisioterapia tem representado grande importância nas recuperações destas lesões propiciando aos atletas uma reabilitação eficaz e um retorno precoce as atividades. É evidente a importância do estudo das lesões no esporte para o fisioterapeuta visando o desenvolvimento de medidas preventivas e de otimização do tratamento precoce e, conseqüentemente melhora na qualidade de vida e desempenho do atleta. Nos últimos anos a Fisioterapia Desportiva tem se mostrado indispensável na reabilitação dos atletas, com o objetivo de fazer a prevenção, bem como, devolver o atleta o mais rápido possível e reabilitado aos esportes. O presente estudo está dividido em 5 blocos temáticos, sendo o capítulo I a introdução, capítulo II o referencial teórico, composto por anatomia e fisiologia muscular, biomecânica do esporte, prática precoce do esporte, lesões,mecanismos de lesão, prevenção de lesões, qualidades físicas básicas de uma atleta, capítulo III os materiais e métodos, capítulo IV a análise e discussão dos dados, capítulo V as conclusões seguidos dos referenciais, apêndices e anexo.

17 17 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O futebol é o jogo mais popular do mundo, com milhões de entusiastas. A copa do mundo de futebol é o evento com maior audiência global, tanto na televisão quanto nos jornais e revistas com o tema. Os Estados Unidos é o país com o maior crescimento do esporte entre as mulheres (DRINKWATER, 2004). Atualmente, o futsal é o esporte que possui o maior número de praticantes no Brasil. No mundo, são mais de 70 países que o praticam em quatro continentes, destacando-se Rússia, Ucrânia, Paraguai, Espanha, Portugal. Os campeonatos mundiais mostram que os países estão muito bem organizados, estruturados e, principalmente, evoluídos na parte técnica e tática, contando ainda com atletas com excelente condição física e psicológica que já possuíam em anos anteriores (VOSER, 2002). A recente popularização do futsal feminino trouxe consigo dúvidas a respeito da Educação Física infantil brasileira enquanto prática educacional. É característica marcante a diferenciação das experiências e competências de movimento de meninos e meninas (SOUTO, 2006). Segundo Kunz (2003), posteriormente a um longo período de exclusão das atividades esportivas, de uma forma tímida começa a participação feminina, com a participação de esposas-espectadoras em algumas modalidades, como o remo, boxe, isso se deu no início do século XIX. Após o surgimento do movimento de libertação que ocorreu na Alemanha em 1810 e o crescimento da ginástica Sueca, foram tomadas providências para que pudesse ocorrer a participação feminina. Foi assim que aconteceu um aumento das atividades desportivas femininas, tanto nesses países quanto no mundo, registrando momentos onde ocorreu um grande desenvolvimento e momentos onde houve uma recessão (KLAFS e LYON, 1981). Segundo Klafs e Lyon (1981), no ano de 1900 em Paris as mulheres puderem participar, mas tiveram algumas restrições. Apenas onze mulheres participaram dos jogos, em somente duas modalidades, o tênis e a natação. Foram diversos fatores que atrasaram o destaque e a importância feminina nos esportes, um fator que contribuiu com esta lentidão foi o preconceito da sociedade.

18 18 As mulheres foram sobressaindo gradualmente nos esportes, tanto individuais quanto coletivos. Atualmente as mulheres têm uma participação muito grande nos esportes como jogadora, treinadora, árbitra (KNIJNIK & SIMÕES apud SANTOS, 2003). 2.1 Anatomia e Fisiologia Muscular Todos os músculos esqueléticos são constituídos por inúmeras fibras, com diferenças de diâmetro. Cada uma dessas é formada por subunidades sucessivamente menores. Cada uma dessas fibras é inervada por apenas uma terminação nervosa, localizada no centro da mesma. A fibra muscular possui uma membrana celular chamada de Sarcolema, e esta consiste em uma verdadeira membrana celular, conhecida como membrana plasmática, que possui um revestimento externo, contendo numerosas fibrilas de colágeno. Esse revestimento superficial do sarcolema se funde com uma fibra tendinosa na extremidade da fibra muscular, e por sua vez, as fibras tendinosas se unem em feixes para formar os tendões musculares que irão se fixar ao osso (GUYTON E HALL, 2002). As miofibrilas são compostas por cerca de 1500 filamentos de miosina e cerca de 3000 filamentos de actina. Cada fibra muscular pode ser formada por centenas ou milhares de miofibrilas, em um corte transversal podem ser vistas como pequenos círculos (GUYTON, 1976). Sendo assim, cada miofibrila é formada por dois tipos de filamentos, a actina e a miosina, que são grandes moléculas protéicas polimerizadas e responsáveis pela contração muscular. Para ocorrer a contração propriamente dita é de grande importância observar as pontes cruzadas, que são projeções provenientes dos filamentos de miosina. Tais pontes cruzadas conectadas aos filamentos de actina é que são responsáveis pela contração do músculo (GUYTON, 2002).

19 19 Figura -1: Os Túbulos Transversos; Sarcolema; reticulo sarcoplasmático; Miofibrilas; Sarcoplasma. Fonte: Wilmore, Figura-2: Representação de uma miofibrila. Fonte: Imagem retirada do site <www.giovannichetta.it/img/sarcomero.jpg>.

20 20 Todos os músculos do corpo estão continuamente sendo remodelados para que possam exercer com mais eficiência a sua função. Seu comprimento, seu diâmetro e sua força e até mesmo os tipos de força são alterados. Tal processo pode ocorrer num espaço de tempo bastante curto, ocorrendo em poucas semanas. As proteínas contráteis do corpo podem ser completamente renovadas em duas semanas (GUYTON, 2002). O tecido muscular esquelético é dividido em dois tipos básicos, com características e funções diferentes. A fibra muscular do tipo I, a de contração lenta não consegue desenvolver muita força rapidamente, porém ela consegue ficar contraída por períodos mais longos de tempo sem fadigar, ou seja, é o tipo de fibra mais resistente, ideal para eventos aeróbicos, como: corrida de fundo, natação ou ciclismo. Já as fibras musculares do tipo II, conhecidas como fibras rápidas não possuem muita resistência, adaptando-se para contrações rápidas, fortes e de curta duração. Estes tipos de fibras podem produzir uma grande quantidade de força, mas elas fadigam rapidamente. Em geral elas aumentam seu tamanho de forma mais rápida. Pela sua alta capacidade de força, são recrutadas nos exercícios de força muscular explosiva, como: arremesso de peso, lançamento de dardo, lançamento de disco (BAECHLE E GROVE, 2000).

21 21 Figura-3: Divisão completa da fibra muscular. Fonte: Imagem retirada do site <www.ck.com.br/materias/2001_07_arquivos/0701.htm>. Entre as fibras de contração rápida ainda existem dois subtipos, as do subtipo IIA que são as oxidativas-glicolíticas e as do subtipo IIB que são as glicolíticas. Nos casos de carga de baixa intensidade as fibras que mais trabalham são as do subtipo I, a medida que a intensidade aumenta, mobilizam-se as fibras do subtipo IIA e posteriormente as IIB. Em caso de carga muito intensa, a fibra que vai prevalecer será a do subtipo IIB, que é mais adaptada a glicólise anaeróbica. Sendo assim, a proporção de fibras pode variar de indivíduo para indivíduo, determinado as capacidades funcionais musculares. Quanto maior a porcentagem de fibras rápidas, melhor a adaptação do músculo para exercícios de alta potência, e quanto maior o número de fibras lentas, maior o rendimento do músculo para esforços longos (VERKHOSHANSKI, 1995).

22 22 Figura-4: A fotomiografia demonstra as fibras musculares de contração lenta (CL) e as de contração rápida (CR). Fonte: Wilmore, Fisioterapia Desportiva A Fisioterapia Desportiva é uma vertente da Medicina Esportiva. Existem diversos métodos e práticas que podem ser utilizados com o objetivo de recuperar, sanar e prevenir as lesões causadas pela prática esportiva (NEGRÃO, 2002). Na área desportiva existe a necessidade de aumentar o tempo de atuação dos atletas, assim como, existe também um grande aumento no número de indicação de atividade física como forma de terapia e o aumento no número de pessoas que querem aproveitar os seus benefícios (FONTANA, 1999). A Fisioterapia Desportiva necessita de efeitos muito rápidos e eficientes, por isso é considerada tão diferente das outras, já que o atleta necessita realizar todas as suas funções músculo esqueléticas o mais rápido possível e com a maior potência e amplitude (RODRIGUES, 1994).

23 Biomecânica do Esporte Durante o início da década de 1970, a comunidade internacional adotou o termo biomecânica para descrever a ciência dedicada ao estudo dos sistemas biológicos desde uma perspectiva mecânica. Os biomecânicos utilizam os instrumentos da mecânica, que é o ramo da física que envolve a análise das ações das forças, para estudar os aspectos anatômicos e funcionais dos organismos vivos (HALL, 1993). Segundo Zatsiorsky (2004) a avaliação do movimento a partir de uma perspectiva descritiva pertence à área da mecânica conhecida como cinemática, e ele envolve a análise de cinco variáveis descritivas principais, como o tempo, a posição ou local, o deslocamento (descrevendo o movimento que ocorreu), a velocidade e a aceleração. Ainda, segundo o autor citado anteriormente, a descrição do movimento fornece uma ferramenta útil para os treinadores e para os atletas ao analisar as necessidades de movimento dos seus respectivos esportes. A descrição por si só, entretanto, tem limitações e uma análise geral do padrão de movimento ou da habilidade também requer conhecimento das forças que produzem o movimento. A análise das características relacionadas a força pertence a área da mecânica chamada de cinética. O movimento é um fenômeno que serve de base para a atividade desportiva, determinando seu conteúdo. Por meio do movimento, poderá ser atingido o objetivo desportivo para a qual é orientado o complexo dos meios de treino no decorrer da preparação de muitos anos. O aperfeiçoamento funcional do movimento desportivo durante o treinamento de muitos anos é assegurado à custa do crescimento do potencial locomotor do desportista e de sua habilidade de aproveitar o potencial para a realização da tarefa concreta (VERKHOSHANSKI, 1995, p.17). No aspecto biomecânico, independente da modalidade esportiva, o movimento desportivo é o resultado da sincronia do homem com os objetos do ambiente. Sendo assim, para realizar o exercício desportivo e criar a velocidade ideal do corpo, o atleta deverá exercer uma força. O treinamento consiste em como organizar os movimentos necessários para aproveitar ao máximo as forças a serem criadas na realização do ato desportivo (VERKHOSHANSKI, 1995).

24 Prática Precoce do Esporte e Alterações Posturais Diversos jovens brasileiros que têm o sonho de se tornarem jogadores profissionais de futebol procuram as seleções de equipes para fazer parte dos times de base. Os que conseguem se classificar recebem treinamentos de alta intensidade, e na maioria das vezes ainda não possuem condições físicas para suportar tais cargas de treino. Existem diversos estudos que mostram os prejuízos à saúde ao iniciar a prática do futebol precocemente (POWERS, 2005). Em um estudo realizado em 2005 pela Universidade Federal de Minas Gerais, concluiu-se que os atletas das categorias de base estão mais suscetíveis a sofrerem lesões de entorses de tornozelo quando comparados a jogadores profissionais. Este fato se dá pelo despreparo proprioceptivo e muscular dos atletas durante a atividade que, devido às amplitudes de movimento exigidas, ás mudanças de direções bruscas e os traumas diretos, tornam a prática esportiva altamente lesiva. Neste mesmo estudo foi relatado que os atletas profissionais estão mais propensos a lesões do tipo contusões e distensões musculares, o que sugere estar ligado a um déficit na flexibilidade e ao contato direto durante os jogos e não um despreparo proprioceptivo (FISIOTERAPIA ESPORTIVA, 2005). Um estudo realizado por Ribeiro (2003) que relacionou a incidência de lesões e as alterações posturais na prática do futsal encontrou uma maior incidência de lesões em jogadores com retificação ou aumento da lordose lombar. A maior incidência de lesões nesses jogadores foi no joelho e tornozelo, com fraturas, luxações e entorses. Nas seleções de jogadores jovens para o futebol, o foco não deve ser o desempenho em campo. Os grandes times estão utilizando avaliações multidisciplinares, com a participação de psicólogos, nutricionistas, dentistas, fisioterapeutas, médicos e educadores físicos. Os dados são utilizados para dar direcionamento a um tratamento de prevenção de possíveis lesões, como, fortalecimento, propriocepção, e dieta; necessários a cada atleta. Ou ainda, a escolha da chuteira que favoreça as habilidades de cada jogador e evite possíveis lesões (EKSTRAND, 1983).

INCIDÊNCIAS DE LESÕES EM JOGADORES DE FUTEBOL E FUTSAL EM CAMPO GRANDE-MS

INCIDÊNCIAS DE LESÕES EM JOGADORES DE FUTEBOL E FUTSAL EM CAMPO GRANDE-MS INCIDÊNCIAS DE LESÕES EM JOGADORES DE FUTEBOL E FUTSAL EM CAMPO GRANDE-MS INTRODUÇÃO PAULO CÉSAR MONTEIRO RAMON GUSTAVO DE MORAES OVANDO Dom Bosco Catholic University - UCDB, Campo Grande - MS - Brazil

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

Educação Física: Futsal

Educação Física: Futsal FUTSAL Apresentação do Plano de Trabalho História e evolução do futebol de salão Regras Oficiais Métodos de Ensino Progressivo Repetitivo/Parcial Situacional/Global Fundamentos Técnicos Controle Proteção

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

DISCREPÂNCIA DE MEMBROS INFERIORES E LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS EM CRIANÇAS PRATICANTES DE ATIVIDADES ESPORTIVAS

DISCREPÂNCIA DE MEMBROS INFERIORES E LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS EM CRIANÇAS PRATICANTES DE ATIVIDADES ESPORTIVAS DISCREPÂNCIA DE MEMBROS INFERIORES E LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS EM CRIANÇAS PRATICANTES DE ATIVIDADES ESPORTIVAS Karine Franciele Toldo 1 ; Priscila Daniele de Oliveira 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

PERFIL DAS ATLETAS DE FUTSAL FEMININO DA UNESC COM CARACTERISTICAS DERMATOGLIFICAS, SOMATOTIPICAS E QUALIDADES FISICAS

PERFIL DAS ATLETAS DE FUTSAL FEMININO DA UNESC COM CARACTERISTICAS DERMATOGLIFICAS, SOMATOTIPICAS E QUALIDADES FISICAS MARIA APARECIDA ALVES PERFIL DAS ATLETAS DE FUTSAL FEMININO DA UNESC COM CARACTERISTICAS DERMATOGLIFICAS, SOMATOTIPICAS E QUALIDADES FISICAS CRICIÚMA, 2004 1 MARIA APARECIDA ALVES PERFIL DAS ATLETAS DE

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 CURRICULUM VITAE Chefe do Departamento e Preparação Física do Minas Tênis Clube desde 1978 Preparador

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 13) Acerca do conceito de corporeidade descrito na Proposta Curricular de Santa Catarina, assinale a alternativa correta. A Corporeidade é presença no esporte, via corpo, que age e que, ao expressar-se,

Leia mais

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva Bibliografia Adaptações do aparelho locomotor ao exercício físico e à inactividade Cap. 5 (pp. 107-138). Efeitos da actividade física nos tecidos não contrácteis. Cap. 8 (pp. 124-183). Adaptações neuromusculares

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS Beatriz de Vilas Boas de Oliveira 1, Keyleytonn Sthil Ribeiro 2 1 Faculdade de Pindamonhangaba, Curso de Fisioterapia, biavilasboas@yahoo.com.br

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

ANALYSIS OF MUSCULAR INJURIES INDICES IN SOCCER ATHLETES OF INTERNATIONAL SPORT CLUB IN SANTA MARIA/NOVO HORIZONTE - RS 1

ANALYSIS OF MUSCULAR INJURIES INDICES IN SOCCER ATHLETES OF INTERNATIONAL SPORT CLUB IN SANTA MARIA/NOVO HORIZONTE - RS 1 Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 6, n. 1, 2005. 81 ANÁLISE DOS ÍNDICES DE LESÕES MUSCULARES EM ATLETAS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE INTERNACIONAL DE SANTA MARIA / NOVO 1

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

Entorse do. 4 AtualizaDOR

Entorse do. 4 AtualizaDOR Entorse do Tornozelo Tão comum na prática esportiva, a entorse pode apresentar opções terapêuticas simples. Veja como são feitos o diagnóstico e o tratamento desse tipo de lesão 4 AtualizaDOR Ana Paula

Leia mais

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza Prof. Ms.Sandro de Souza Existem 3 tipos de Tecido Muscular Liso Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas:

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior Ligamento Cruzado Posterior Introdução O Ligamento Cruzado Posterior (LCP) é classificado como estabilizador estático do joelho e sua função principal é restringir o deslocamento posterior da tíbia em

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Acta Ortopédica Brasileira ISSN 1413-7852 versão impressa

Acta Ortopédica Brasileira ISSN 1413-7852 versão impressa Acta Ortopédica Brasileira ISSN 1413-7852 versão impressa ARTIGO ORIGINAL Ocorrência de entorse e lesões do joelho em jogadores de futebol da cidade de Manaus, Amazonas Eduardo Telles de Menezes Stewien

Leia mais

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos ITS / CTA Escola Técnica Volume Simonsen I Capítulo I Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos 1 ITS / CTA Sumário SUMÁRIO Volume I Capítulo I Unidade I Capítulo I - Beneficios da Educação Física Capítulo

Leia mais

ANÁLISE DO INDICE DE LESÕES EM ATLETAS PROFISSIONAIS DE FUTSAL FEMININO. Ramos LCS, Rodrigues AP, Freitas PLS, Horn BL, Napoleone FMGG, Licurci MGB.

ANÁLISE DO INDICE DE LESÕES EM ATLETAS PROFISSIONAIS DE FUTSAL FEMININO. Ramos LCS, Rodrigues AP, Freitas PLS, Horn BL, Napoleone FMGG, Licurci MGB. ANÁLISE DO INDICE DE LESÕES EM ATLETAS PROFISSIONAIS DE FUTSAL FEMININO Ramos LCS, Rodrigues AP, Freitas PLS, Horn BL, Napoleone FMGG, Licurci MGB. Universidade do Vale do Paraíba. Faculdade Ciências da

Leia mais

PREVALÊNCIA DA LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR (LCA) EM ATLETAS DE FUTEBOL DAS CATEGORIAS DE BASE DO GOIÁS ESPORTE CLUBE

PREVALÊNCIA DA LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR (LCA) EM ATLETAS DE FUTEBOL DAS CATEGORIAS DE BASE DO GOIÁS ESPORTE CLUBE Artigo apresentado no IV Seminário de Pesquisas e TCC da FUG no semestre 2012-2 PREVALÊNCIA DA LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR (LCA) EM ATLETAS DE FUTEBOL DAS CATEGORIAS DE BASE DO GOIÁS ESPORTE CLUBE

Leia mais

TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE

TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE O treinamento da flexibilidade pode ser realizado de duas formas: alongamento e flexionamento. ALONGAMENTOS No caso do alongamento, o objetivo é se mobilizar a articulação

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo O treino invisível para aumento do rendimento desportivo Carlos Sales, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Luís Pinho, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Ricardo Vidal, Fisioterapeuta

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F RPG 1. DEFINIÇÃO A Reeducação Postural Global é um método fisioterápico de correção e tratamento da dor, que trabalha sobre as cadeias de tensão muscular utilizando posturas de alongamento excêntrico ativo

Leia mais

LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS NO FUTEBOL JUVENIL

LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS NO FUTEBOL JUVENIL LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS NO FUTEBOL JUVENIL Janair Honorato Alves (jhalves1@bol.com.br) UNIFAN Mosiah Araújo Silva (mosiaharaujo@hotmail.com) CAMBURY PALAVRAS-CHAVE: Lesões musculoesqueléticas; Futebol

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com Estrutura do Curso Bases Morfofisiológicas - 25 hs Princípios fisiológicos aplicados à musculação e ao cardiofitness Aspectos biomecânicos

Leia mais

Metodologia do Treinamento Físico

Metodologia do Treinamento Físico Metodologia do Treinamento Físico FLEXIBILIDADE DEFINIÇÃO: É definida como a capacidade física expressa pela maior amplitude possível do movimento voluntário de uma articulação, ou combinações de articulações

Leia mais

ALTERAÇÕES POSTURAIS E LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS EM CRIANÇAS PRATICANTES DE ATIVIDADES ESPORTIVAS

ALTERAÇÕES POSTURAIS E LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS EM CRIANÇAS PRATICANTES DE ATIVIDADES ESPORTIVAS ALTERAÇÕES POSTURAIS E LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS EM CRIANÇAS PRATICANTES DE ATIVIDADES ESPORTIVAS Karine Franciele Toldo 1 ; Priscila Daniele de Oliveira 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO:

Leia mais

VIII Curso de Educação Médica Continuada Clínica Médica 2008. Módulo Medicina Física e Reabilitação

VIII Curso de Educação Médica Continuada Clínica Médica 2008. Módulo Medicina Física e Reabilitação VIII Curso de Educação Médica Continuada Clínica Médica 2008 Módulo Medicina Física e Reabilitação Fluminense Football Club Reabilitação das Lesões Musculares no Futebol Dr. Adilson Camargo 2008 Futebol

Leia mais

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 O que iremos discutir.. Definições sobre o atleta e suas lesões Análise

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

PERFIL DAS LESÕES QUE OCORRERAM NO TIME DE FUTSAL FEMININO DA UNESC - SC

PERFIL DAS LESÕES QUE OCORRERAM NO TIME DE FUTSAL FEMININO DA UNESC - SC UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO-ORTOPÉDICA E DESPORTIVA MARINA DOS SANTOS LUCCHESI PERFIL DAS LESÕES QUE OCORRERAM NO TIME DE FUTSAL FEMININO DA UNESC

Leia mais

Especialização precoce o vilão do futebol?

Especialização precoce o vilão do futebol? Especialização precoce o vilão do futebol? A aplicação do treinamento intensivo para jovens atletas pode acarretar em malefícios para a criança como, por exemplo, uma formação escolar deficiente João Baldoino

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

FATORES RELACIONADOS AO ENCURTAMENTO DOS ISQUIOTIBIAIS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

FATORES RELACIONADOS AO ENCURTAMENTO DOS ISQUIOTIBIAIS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO FATORES RELACIONADOS AO ENCURTAMENTO DOS ISQUIOTIBIAIS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO PETTER, Gustavo; DALLA NORA, Daniel; SANTOS, Tarciso Silva dos; BRAZ, Melissa Medeiros; LEMOS, Jadir Camargo Trabalho de

Leia mais

VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO 2 CONCEITO

VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO 2 CONCEITO VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO A velocidade é um dos componentes mais importantes do desempenho esportivo. No entanto, ela não deve ser vista como uma capacidade isolada. A

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos Leonardo Rotondo Pinto FREQUÊNCIA CARDÍACA DO ÁRBITRO DE FUTEBOL DURANTE JOGOS DE EQUIPES AMADORAS Juiz de Fora 2010 Leonardo

Leia mais

INCIDÊNCIA DE LESÕES RELACIONADAS À EQUIPE DE BASQUETEBOL MASCULINA

INCIDÊNCIA DE LESÕES RELACIONADAS À EQUIPE DE BASQUETEBOL MASCULINA INCIDÊNCIA DE LESÕES RELACIONADAS À EQUIPE DE BASQUETEBOL MASCULINA Heloísa Vaz 1 Elisângela Cardoso 1 Tânia Escobar Gonzales 1 Márcia Amália Tanaka 1 Juliana Bassalobre Carvalho BORGES 2 José Roberto

Leia mais

Fisioterapia Esportiva: Prevenção e Reabilitação de Lesões Esportivas em Atletas do América Futebol Clube

Fisioterapia Esportiva: Prevenção e Reabilitação de Lesões Esportivas em Atletas do América Futebol Clube Fisioterapia Esportiva: Prevenção e Reabilitação de Lesões Esportivas em Atletas do América Futebol Clube SIEXBRASIL: 17813 Área Temática Principal: Saúde Linha Programática: Esporte, Lazer e Saúde. Equipe

Leia mais

FUTSAL HISTÓRICO ORIGEM DO FUTSAL BRASIL URUGUAI 1940 ACM 1930 ACM

FUTSAL HISTÓRICO ORIGEM DO FUTSAL BRASIL URUGUAI 1940 ACM 1930 ACM A exemplo de vários outros esportes, - basquetebol, Handebol tentar entender a origem do futebol de salão, é um caminho muito difícil, devido aos escassos documentos que nos possam esclarecer a origem

Leia mais

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece?

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Não está exatamente claro como nosso corpo

Leia mais

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Liga Desportiva de Taekwon-do do Estado de Minas Gerais - LDTEMG Mestre Ronaldo Avelino Xavier Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Belo Horizonte, 06 de Fevereiro de 2013. Mestre

Leia mais

INCIDÊNCIAS DE LESÕES DESPORTIVAS NOS ALUNOS SOLDADOS DO CFSD A E B DE 2010 E A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA DURANTE O CURSO.

INCIDÊNCIAS DE LESÕES DESPORTIVAS NOS ALUNOS SOLDADOS DO CFSD A E B DE 2010 E A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA DURANTE O CURSO. 1 INCIDÊNCIAS DE LESÕES DESPORTIVAS NOS ALUNOS SOLDADOS DO CFSD A E B DE 2010 E A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA DURANTE O CURSO. Luiz Felipe Hunhevicz de Freitas 1 RESUMO A atividade de Bombeiro Militar

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

LESÕES MUSCULARES. Ft. Esp. Marina Medeiros

LESÕES MUSCULARES. Ft. Esp. Marina Medeiros LESÕES MUSCULARES Ft. Esp. Marina Medeiros EPIDEMIOLOGIA Os músculos são os únicos geradores de força capazes de produzir movimento articular. São 434 músculos, representando 40% do peso corporal; dentre

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino A História Durante anos entendia-se a preparação física numa base de quantidade e depois qualidade. Conseguimos perceber isso através da análise da pirâmide

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA SERIADO ANUAL - MATUTINO/NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS

Leia mais

O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas

O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas 1 O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas Resumo: O professor de Educação Física tem uma grande importância na prevenção de lesões em atletas, se o mesmo respeitar os

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Fernando Fonseca Danielewicz. Lesões ocasionadas em freesurfers do litoral Paranaense

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Fernando Fonseca Danielewicz. Lesões ocasionadas em freesurfers do litoral Paranaense UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Fernando Fonseca Danielewicz Lesões ocasionadas em freesurfers do litoral Paranaense CURITIBA 2010 Lesões ocasionadas em freesurfers do litoral Paranaense CURITIBA 2010 Termo

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA

19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA 19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA Autor(es) GABRIELA MARGATO Orientador(es) GUANIS DE BARROS VILELA JÚNIOR Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE GINÁSTICA RÍTMICA DO PARANÁ

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE GINÁSTICA RÍTMICA DO PARANÁ ESTUDOS E REFLEXÕES V 5 - Nº 9 PÁGS. 43 A 50 V Encontro de Pesquisa em Educação Física 1ª Parte RECEBIDO EM: 00-00-0000 ACEITO EM: 00-00-0000 ARTIGO ORIGINAL MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO 7º ANO METAS ATIVIDADES DESPORTIVAS O aluno cumpre o nível INTRODUÇÃO de cinco matérias diferentes distribuídas da seguinte

Leia mais

Curso de Treinadores de Voleibol Nível I. Traumatologia no Voleibol A postura do treinador face à LESÃO/DOR

Curso de Treinadores de Voleibol Nível I. Traumatologia no Voleibol A postura do treinador face à LESÃO/DOR Traumatologia no Voleibol A postura do treinador face à LESÃO/DOR Alfredo Silva Fisioterapeuta Osteopata Lesão: é qualquer tipo de ocorrência, de origem traumática ou de sobre uso, da qual resulta incapacidade

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias

Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias Rodrigo Gerhardt Desde que você resolveu deixar de engatinhar

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO NÍVEL I

EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO NÍVEL I EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO 31157-04 Anatomia Humana NÍVEL I Estudo sobre a estruturação do organismo humano com ênfase nas características morfológicas dos sistemas anatômicos respiratório, cardiovascular,

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

Incidência de Disfunção Sacroilíaca

Incidência de Disfunção Sacroilíaca Incidência de Disfunção Sacroilíaca ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 Introdução A pelve e em especial as articulações sacroilíacas sempre foram consideradas como tendo valor clínico

Leia mais

Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha MÚSCULOS

Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha MÚSCULOS MÚSCULOS SISTEMAS Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha SISTEMA MUSCULAR Tecido conjuntivo. Tecido muscular. Funcionamento dos músculos. Formas dos músculos. Tipos de contrações musculares. Tipos de fibras musculares.

Leia mais

INCIDÊNCIA DE LESÕES EM ATLETAS PRATICANTES DE FUTSAL

INCIDÊNCIA DE LESÕES EM ATLETAS PRATICANTES DE FUTSAL Iniciação Científica CESUMAR Jan./Jun. 2007, v. 09, n.01, p. 45-51 NAVARRO, F. M; RAGASSON, C. A. P. 45 INCIDÊNCIA DE LESÕES EM ATLETAS PRATICANTES DE FUTSAL Daniele Mayumi Kurata* Joaquim Martins Junior**

Leia mais

Força e hipertrofia muscular. Msd. Júlia Veronese Marcon

Força e hipertrofia muscular. Msd. Júlia Veronese Marcon Força e hipertrofia muscular Msd. Júlia Veronese Marcon Função do músculo esquelético Contratilidade; Produz movimento humano (ex: locomoção, postura); Produz contra-inclinação muscular aumentando a resistência

Leia mais

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na FUTSAL O futebol de salão conhecido apenas como futsal é uma prática adaptada do futebol. Em uma quadra esportiva são formados times de cinco jogadores e assim como no futebol, o principal objetivo é colocar

Leia mais

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Dr.Roberto Amin Khouri Ortopedia e Traumatologia Ler/Dort Distúrbio osteoarticular relacionado com o trabalho. Conjunto heterogênio de quadros clínicos que acometem:

Leia mais

VOCÊ CONHECE SUA PISADA?

VOCÊ CONHECE SUA PISADA? ANO 2 www.instituodetratamentodador.com.br VOCÊ CONHECE SUA PISADA? Direção: Dr José Goés Instituto da Dor Criação e Diagramação: Rubenio Lima 85 8540.9836 Impressão: NewGraf Tiragem: 40.000 ANO 2 Edição

Leia mais

TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR

TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Universidade Gama Filho REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira Dias Salvador Ba 2005 Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira

Leia mais

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda BANDAGEM FUNCIONAL Prof. Thiago Y. Fukuda INTRODUÇÃO (BANDAGEM) Refere-se à aplicação de algum tipo de fita protetora que adere à pele de determinada articulação. A bandagem quando aplicada corretamente,

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 Resumo O futebol é o esporte mais popular do planeta, praticado por milhões de participantes.

Leia mais

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR RESUMO Daiane Grando 1 2 O propósito

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES As variáveis neuromusculares são aquelas em que a performance física depende dos componentes neurais e musculares. Dessa forma, os resultados expressarão

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL 10. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE ERGONOMIA

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS O tecido muscular é formado por células alongadas ricas em filamentos (miofibrilas), denominadas fibras musculares. Essas células tem origem mesodérmica e são muito especializadas

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Tenis Backhand Epicondilite. Dr. Rogerio Teixeira da Silva Comitê de Traumatologia Desportiva - SBOT

Tenis Backhand Epicondilite. Dr. Rogerio Teixeira da Silva Comitê de Traumatologia Desportiva - SBOT Tenis Backhand Epicondilite Dr. Rogerio Teixeira da Silva Comitê de Traumatologia Desportiva - SBOT Introdução Tênis - número crescente de praticantes Mundo - 3o. esporte mais praticado Lesões X Técnica

Leia mais

Luxação da Articulação Acrômio Clavicular

Luxação da Articulação Acrômio Clavicular Luxação da Articulação Acrômio Clavicular INTRODUÇÃO As Luxações do ombro são bem conhecidas especialmente durante a prática de alguns esportes. A maior incidencia de luxção do ombro são na verdade luxação

Leia mais

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade DIVISÃO DESPORTO - CME A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade 1.1. Conceito de Saúde Segundo a Organização Mundial

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

Conteúdo do curso de massagem desportiva

Conteúdo do curso de massagem desportiva Conteúdo do curso de massagem desportiva Massagem desportiva Vamos fazer uma massagem desportiva na pratica. A massagem desportiva pode denotar dois tipos diferentes de tratamento. Pode ser utilizada como

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais