Estimulação elétrica neuromuscular no tratamento da diástase abdominal: uma revisão de literatura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estimulação elétrica neuromuscular no tratamento da diástase abdominal: uma revisão de literatura"

Transcrição

1 Estimulação elétrica neuromuscular no tratamento da diástase abdominal: uma revisão de literatura Neuromuscular electrical stimulation in the treatment of abdominal diastasis: a literature review. Juliana Rockenbach 1 Eliane Roseli Winkelmann 2 1 Fisioterapeuta, Especialista em Fisioterapia Dermato-Funcional pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUÍ. 2 Doutora em Ciências da Saúde: Cardiologia e Ciências Cardiovasculares, Docente, pesquisadora e chefe do Departamento de Ciências da Vida DCVida da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUI. Autor responsável e endereço para correspondência: Eliane Roseli Winkemann Rua do Comércio Bairro Universitário, Departamento de Ciências da Vida DCVida da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUI -Ijuí RS Juliana Rockenbach Avenida São José, 1118, Bairro Centro, Boa Vista do Buricá- RS. Resumo A diástase do músculo reto abdominal (DMRA) pode ser definida como a separação dos ventres musculares que ocorre durante a gestação ou no período expulsivo do trabalho de parto, e deve ser tratada em período de puerpério. A corrente alternada de média frequência (corrente russa) é utilizada para aumentar a força muscular e pode ser usada para tratamento de DMRA. Este estudo tem como objetivo buscar na literatura evidências disponíveis sobre o uso da estimulação elétrica neuromuscular, por meia da Corrente Russa no tratamento da diástase

2 abdominal. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura. As bases de dados online selecionados foram Pubmed, Periódicos Capes, Google acadêmico e TripDatabase e os descritores de assunto utilizados foram: estimulação elétrica, terapia de estimulação elétrica, diástase, músculos abdominais, a revisão foi realizada no mês de março de Foram incluídos na revisão 3 artigos sendo selecionados somente estudos clínicos que tinham relação com a definição e o tratamento da diástase abdominal, bem como a estimulação elétrica neuromuscular. Concluímos que existem poucas evidências disponíveis sobre o uso da estimulação elétrica neuromuscular, através da corrente russa no tratamento da diástase abdominal que possam comprovar sua eficácia. Palavras-chave: Diástase Abdominal, Eletroestimulação Neuromuscular, Corrente Russa, Músculo Reto Abdominal, Fisioterapia Dermato Funcional Abstract The diastasis of the rectus abdominis (DMRA) can be defined as the separation of muscle belly that occurs during pregnancy or in the fifth period of labor, and should be treated in puerperium period. The medium-frequency alternating current (Russian chain) is used to increase muscle strength and can be used for treating DMRA. This study aims to search the literature available evidence on the use of neuromuscular electrical stimulation, for half of Russian chain on treating abdominal Diastasis. It is an integrative review of the literature. Selected online databases Pubmed, journals were Capes, Google Scholar and TripDatabase and the subject descriptors used were: electrical stimulation therapy, electrical stimulation, diastase, abdominal muscles, the review was carried out in March Were included in the review 3 articles being selected only clinical studies that had relation with the definition and treatment of abdominal Diastasis, as well as neuromuscular electrical stimulation. We conclude that there is little evidence available about the use of neuromuscular electrical stimulation through the Russian chain on treating abdominal Diastasis can prove its effectiveness.

3 Keywords: Recti Abdominis, Neuromuscular Electrostimulation, Russian chain, rectus abdominis, Dermato-functional physical therapy Introdução O puerpério é o período após o parto, neste momento as modificações locais e sistêmicas provocadas pela gestação e pelo parto retornam a situação do estado pré-gravídico. O puerpério tem duração de 6 a 8 semanas após o parto e é dividido em imediato (1º ao 10º dia), tardio (11º a 45ºdia) e remoto (além do 45ºdia). (BOTH, NETO, & MOREIRA, 2008) (RETT, BRAGA, BERNARDES, & ANDRADE, 2009) Este é um período de grandes modificações físicas e psíquicas, assim é necessário que a puérpera seja assistida por uma equipe multidisciplinar, para proporcionar-lhe segurança e conforto, além de boa recuperação no puerpério imediato. A fisioterapia nesta etapa tem diferentes objetivos, um deles é a estimulação da musculatura abdominal e pélvica, para melhorar sua tonicidade. (MESQUITA, MACHADO, & ANDRADE, 1999) Durante a gestação alterações hormonais provocadas pela relaxina, progesterona e estrogênio, associadas ao crescimento uterino podem provocar o estiramento da musculatura abdominal, atingindo principalmente os músculos reto abdominais. Alterações na postura da gestante, como a anteversão pélvica acompanhada ou não de hiperlordose lombar provocam mudanças do ângulo de inserção dos músculos abdominais e pélvicos, influenciando a biomecânica postural e gerando um déficit na função de sustentação dos órgãos pélvicos-abdominais. Assim com a progressão da gravidez e alongamento dos músculos abdominais, para acomodar o feto, há um prejuízo no vetor de forças desses músculos, ocorrendo uma diminuição na capacidade de contração muscular. (RETT, BRAGA, BERNARDES, & ANDRADE, 2009) Essas alterações são indispensáveis para o pleno desenvolvimento da gravidez e normalmente retornam as condições pré-gravídicas durante o período do puerpério. Durante a gestação o estiramento da musculatura abdominal é indispensável para permitir o crescimento uterino, facilitando o aparecimento de diástase dos músculos retoabdominais (DMRA). A DMRA é definida como a separação ou afastamento dos feixes desses músculos ao longo da linha alba.

4 (BOTH, NETO, & MOREIRA, 2008) (RETT, BRAGA, BERNARDES, & ANDRADE, 2009) Esta DMRA não provoca desconforto nem dor, entretanto, com a distensão excessiva, pode haver interferência na capacidade da musculatura abdominal na estabilização do tronco, gerando maior predisposição ao desenvolvimento de dor lombar. Apresenta incidência menor em mulheres com bom tônus abdominal antes da gravidez. A incidência, duração e complicação a curto e longo prazo da diástase abdominal na gravidez não tem sido bem investigadas. Sua ocorrência é mais comum na gestação e no pós-parto imediato. Alguns fatores podem ser predisponentes para a diástase: obesidade, gestações múltiplas, multiparidade, polihidrâmnio (excesso de líquido amniótico), macrossomia fetal e flacidez da musculatura abdominal pré-gravídica, por levar a maior distensão abdominal durante a gravidez. (BOTH, NETO, & MOREIRA, 2008) (RETT, BRAGA, BERNARDES, & ANDRADE, 2009) (MESQUITA, MACHADO, & ANDRADE, 1999) A atuação da fisioterapia no pós-parto imediato visa melhorar a tonicidade dos músculos abdominais e pélvicos, conscientizar as puérperas sobre a importância da continuidade dos exercícios iniciados neste período e sobre o retorno para o atendimento no pós-parto tardio. (MESQUITA, MACHADO, & ANDRADE, 1999). O tratamento precoce da DMRA visa contribuir para uma recuperação mais rápida e eficaz dessas alterações mecânicas que incomodam a mulher, fisicamente e emocionalmente, sendo que a paciente fica mais segura nos seus relacionamentos interpessoais tendo sua aparência pós-parto recuperada. Ainda visa o restabelecimento do tônus e força muscular do abdômen para o desempenho funcional, de manutenção de postura e movimentação do corpo. (BORGES & VALENTIN, 2002) O tratamento pode ser iniciado em puerpério imediato, com atividades em decúbito dorsal, com quadris e joelhos flexionados, fazendo a contração isométrica da musculatura abdominal que se encontra flácida e muito fraca. Ainda em puerpério tardio a diástase do reto abdominal pode estar presente. O trabalho de contração isométrica do transverso abdominal e os exercícios de mobilização pélvica com contração do reto abdominal devem continuar e devem ser realizados em todas as posições (BELEZA & DE CARVALHO, 2010). Uma forma de trabalhar a musculatura abdominal e pélvica, e que pode ser empregada em pós-parto imedito é a ginástica

5 hipopressiva, esta é uma técnica que através do estímulo da musculatura acessória respiratória relaxa o diafragma, diminui a pressão abdominal e reflexamente tonifica a musculatura abdominal e a musculatura do assoalho pélvico. Nesta técnica são executadas determinadas posturas estáticas em um ritmo muito lento, estas devem ser mantidas de dez a 30 segundos uma parte deste tempo é realizada em apnéia. Outra forma de tratamento que pode ser empregada é a eletroestimulação com corrente de média frequência (corrente russa) que é um técnica de estimulação muscular através de uma corrente, no qual o desconforto pelo qual a puérpera está sendo submetida é sensivelmente diminuído, devido a menor impedância oferecida pela passagem da corrente e a estimulação elétrica é bem mais eficaz, uma vez que recruta um maior número de fibras musculares. (BORGES & VALENTIN, 2002). O atendimento fisioterápico no puerpério imediato contribui positivamente para a redução da DMRA mais precocemente. (MESQUITA, MACHADO, & ANDRADE, 1999). Frente a importância do tratamento fisioterapêutico na diástase e a eletroestimulação neuromuscular como importante alternativa de tratamento realizou-se o presente estudo com o objetivo de buscar na literatura as evidências sobre o uso da estimulação elétrica neuromuscular, através da corrente russa no tratamento da diástase abdominal para o desenvolvimento desta prática com fundamentação científica. Método A fim de atingir o objetivo proposto optou-se em realizar uma revisão integrativa da literatura. Este método de pesquisa permite buscar, reunir e sintetizar as pesquisas já concluídas sobre o tema de interesse. Uma revisão integrativa realizada de forma adequada exige os mesmos padrões de rigor, clareza e replicação utilizados nos estudos primários. (BEYA & NICOLL, 1998) Para a realização da revisão integrativa adotamos os seguintes passos: seleção da questão temática, estabelecimentos de critérios de inclusão e exclusão dos artigos (seleção da amostra), definição dos dados a serem extraídos dos artigos selecionados, análise dos dados, interpretação dos resultados e por último a apresentação da revisão. Estes passos foram empregados de acordo com os

6 estudiosos que utilizam este método de pesquisa. (BROOME, 2000) (WHITTEMORE & KNAFF, 2005) A questão norteadora da revisão integrativa foi: qual é o conhecimento científico produzido sobre uso da estimulação elétrica neuromuscular, através da corrente russa no tratamento da diástase abdominal. Foi realizada revisão de literatura nas bases de dados online Pubmed, Periódicos Capes, Google acadêmico e TripDatabase. Com base em leituras prévias e no objetivo do presente estudo estabeleceu os seguintes descritores de assunto: estimulação elétrica, terapia de estimulação elétrica, diástase, músculos abdominais. Os critérios de inclusão para a seleção dos artigos foram: artigos publicados em inglês, português e espanhol, com resumos disponíveis na base de dados, foram selecionados somente estudos clínicos que tinham relação com a definição e o tratamento da diástase abdominal, bem como a estimulação elétrica neuromuscular. Foram excluídos os artigos de revisão sistemática e também os que não estavam de acordo com o tema proposto. A estrutura de busca foi efetuada com os quatros descritores juntos em cada base de dados. Assim, ao empregar os descritores estimulação elétrica, terapia de estimulação elétrica, diástase, músculos abdominais obteve-se 34 resultados no Pubmed, nenhum no periódico Capes, 29 resultados nogoogle acadêmico em português, 345 resultados no google acadêmico em inglês, 11 resultados no google acadêmico em espanhol e nenhum resultado no TripDatabase. Dos 422 artigos encontrados, foram selecionados apenas 3, sendo que os demais não contemplavam os critérios de inclusão ou não foi possível acessar o texto completo. Dos 3 artigos selecionados, 2 eram indexados na base de dados Google acadêmico (um em português e um em inglês) e um na base de dados Pubmed. Os artigos receberam numeração conforme foram sendo localizados e para a extração dos dados utilizou-se um instrumento validado por Ursi (URSI, 2005). Esse instrumento contempla os seguintes itens: identificação, instituição sede do estudo,

7 tipo de revista científica, características metodológicas do estudo e avaliação do rigor metodológico. A análise dos dados ocorreu de forma descritiva e construiu-se tabelas para apresentar a síntese dos artigos incluídos na revisão. Para a avaliação do nível de evidência do estudo utilizou-se como referencial a classificação de Melnyk e Fineout- Overholt (MELNYK & FINEOUT-OVERHOLT, 2005) e para o delineamento da pesquisa os conceitos descritos por Polit, Beck e Hungler (POLIT, BECK, & HUNGLER, 2004). Resultados O tema diástase abdominal e eletroestimulação neuromuscular foi predominantemente publicado em revistas médicas relacionadas a área de fisioterapia (3 artigos). Dos 3 artigos, cada um foi publicado em um ano diferente, 2002, 2009, e 2011.Em relação aos países que publicaram os artigos, a América do Sul foi o continente com maior número de publicações. Dos três artigos incluídos na revisão, 1 artigo tem delineamento de pesquisa experimental, 2 não experimentais (estudos transversais). Estes dois estudos transversais relacionam se a diástase porém, não ao uso da corrente russa na diástase abdominal. De acordo com a classificação de Melnyk e FineoutOveholt (MELNYK & FINEOUT-OVERHOLT, 2005) os estudos com evidências provenientes de um único estudo descritivo ou qualitativo é nível de evidência seis que é o caso do estudo citado nesta revisão. Na tabela 1 temos demostrado a síntese dos artigos analisados.

8 Quadro 1 Síntese dos artigos sobre estimulação elétrica neuromuscular no tratamento da diástase abdominal 2012 Estudo Objetivo Metodologia Resultado Conclusão Borges e Valentin 2002 Tratamento da flacidez e diástase do retoabdominal no puerpério de parto normal com o uso de eletroestimula ção muscular com corrente de média freqüência Estudo caso de Nível de evidência: 6 Proporcionarum a diminuição do tempo de recuperação da musculatura abdominal e diástase, e a manutenção da qualidade e quantidade do tecido muscular no estado puerperal, assim comorecuperar a sensação de tensão muscular, utilizando para isso a eletroestimulaçã o neuromuscular com corrente de média frequência. O tratamento com eletroestimulação foi realizado com três puérperas. Utilizou-se o aparelho de eletroestimulação de média frequência (Endophasys-R_, (KLD BiosistemasLtda), que possui um pulso senoidal, e foram utilizados os seguintes parâmetros de modulação: Freqüência portadora de Hz, freqüência modulada de 100 Hz, fase (ciclo) de 50%, tempo de contração de 6 seg. e tempo de repouso de 6 seg., por um tempo total de estimulação de 20 min, numa intensidade (ma) confortável e suficiente para proporcionar contração visível. Isto aconteceu três vezes por semana, durante seis semanas. A paciente A tinha uma diástase de 2 cm no início do tratamento e ao final uma diástase de apenas 1cm, sua perimetria também diminuiu, na cicatriz umbilical de 80 cm para 75 cm. A paciente B teve uma redução da diástase de 3 cm para 1cm e uma redução de perimetria em cicatriz umbilical de 76,5cm para 71cm. Já a paciente C obteve uma redução de diástase de 3,9cm, no início do tratamento, para 2 cm ao final do tratamento e a perimetria na cicatriz umbilical diminuiu de 98 para 90cm. A observação das fotos antes e depois mostra o impacto da impressão visual dos resultados numericamente descritos. A análise dos dados da perimetria permitiu concluir que a despeito da diversidade inerente as pacientes, o tratamento reduziu medidas pelo encurtamento do reto abdominal em sua dimensão longitudinal. Por outro lado, o acompanhamento dos resultados obtidos através da utilização do paquímetro levou à conclusão de que existiu também redução transversal da diástase entre os dois segmentos musculares testados. Além disto, a avaliação subjetiva e o acompanhamento regular das pacientes mostrou melhora do tônus e do trofismo muscular. O estudo apresentado mostrou resultados favoráveis que justificam seu uso na terapêutica puerperal. Oliveira, B.D.R.; et al Abdominal muscleeletric alactivityduri ng labor expulsivesta ge: a crosssectionalstud y Estudo Transversal Correlacionar os parâmetros maternos e fetais que podem influenciar os esforços voluntários durante a fase do segundo estágio do parto por meio da eletromiografia de superfície. Foram incluídas 24 mulheres no segundo estágio do trabalho de parto. Os dados de diástase do músculo reto abdominal foram obtidos quando a gestante estava em primeira fase de trabalho de parto, utilizando-se de um paquímetro digital, a medida foi executada em três níveis. O sinal electromiográfico para a atividade de músculo abdominal foi obtido no começo da segunda etapa, quando a grávida teve a Encontrou-se uma correlação negativa entre a diástase umbilical e os parâmetros eletromiográficos do músculo retoabdominal (p=0,04; r=-0,407). Não se encontrou correlação significativa entre a eletromiografia dos músculos retoabdominal e oblíquo externo e os demais parâmetros maternos e fetais, O presente estudo sugere que a diástase umbilical pode ser um parâmetro influente na geração de esforços voluntários durante o período expulsivo do parto, porém não deve ser considerada de forma isolada para o sucesso do andamento do trabalho de parto.

9 Rett, M.T. et al Prevalência de diástase dos músculos retoabdomin ais no puerpério imediato: comparação entre primíparas e multíparas Estudo Transversal Verificar a prevalência da diástase dos músculos retoabdominais (DMRA) em primíparas e multíparas no pós-parto vaginal imediato;compa rar a DMRA supraumbilical e infraumbilical e correlacioná-las com a idade materna, o índice de massa corporal (IMC), a idade gestacional (IG) e o tempo de trabalho de parto (TTP). dilatação cervical de 10 cm. Mais tarde, os sinais da eletromiografia foram capturados do momento que o paciente começou os esforços expulsivos espontâneos na segunda fase de trabalho. As medidas da altura do fundo do útero (UFH), da idade gestational (GA) e do índice de massa de corpo (BMI) foram tomadas dos informes médicos. Foi realizada a gasometria arterial, com sangue arterial da veia do cordão umbilical. Índice de APGAR, circunferência cefálica e peso recémnascido foram coletados dos informes médicos. Foram registradas informações pessoais, antecedentes obstétricos e a DMRA supra e infraumbilical. Os pontos de medida foram 4,5 cm acima e abaixo da cicatriz umbilical, sendo graduada pelo número de dedos entre as bordas mediais dessa musculatura. Para cada dedo, foi estimado 1,5 cm. A DMRA foi considerada presente e relevante quando houvesse um afastamento >2 cm na região supra e/ou infraumbilical. bem como entre o tempo do período expulsivo e o uso da ocitocina. Foram analisadas 467 fichas de dados, sendo a prevalência da DMRA supraumbilical>2 cm de 68% e infraumbilical de 32%. A prevalência supraumbilical entre as primíparas e multíparas foi idêntica (68%) e infraumbilical maior nas multíparas (19,8% e 29,2%). As médias da DMRA foram 2,8 (±1,2) cm supraumbilical e 1,5 (±1,1) cm infraumbilical, apresentando diferença significativa (p=0,0001) e fraca correlação (r=0,461). A média da DMRA infraumbilical foi significativamente maior nas multíparas (p<0,018). Não houve correlação com a idade materna, IMC, IG e TTP. A prevalência e a média da DMRA foram maiores na região supraumbilical tanto nas multíparas quanto nas primíparas. Na região infraumbilical, a média DMRA foi significativamente maior nas multíparas. A DMRA infraumbilical apresentou fraca correlação com a supraumbilical.

10 Discussão A diástase é percebida no segundo trimestre de gestação, apresentando diminuição em puerpério tardio. A involução do útero após o parto geralmente termina em cerca de 14 dias, mas os músculos abdominais podem levar seis semanas para retornar ao estágio pré-gestacional e até seis meses até recuperar sua força. Alguns autores relatam a permanência da diástase até um ano após o parto. A DMRA pode ser uma condição transitória ou permanecer ao longo da vida da mulher. (MESQUITA, MACHADO, & ANDRADE, 1999) (RETT, BRAGA, BERNARDES, & ANDRADE, 2009)(BORGES & VALENTIN, 2002) Na literatura, existem diversas maneiras de definir e avaliar a DMRA e, portanto, sua prevalência é variável. Não há consenso em relação aos valores considerados relevantes, aceitáveis ou prejudiciais. Alguns autores a consideram como qualquer afastamento entre os reto abdominais, outros a consideram como um afastamento superior a 1cm, 2 dedos ou 3 cm. Há ainda autores que consideram uma DMRA de dois ou menos dedos (mais ou menos 3 cm) como normal nas regiões supra, infra e umbilical. Com este grau de diástase há retorno espontâneo as condições pré-gravídicas sem complicações. (MESQUITA, MACHADO, & ANDRADE, 1999) Para realizar a avaliação da DMRA é realizada a palpação, dois dedos acima do umbigo, a paciente em decúbito dorsal com joelhos fletidos, pede-se que ela faça uma flexão anterior de tronco levando as mãos aos joelhos, o fisioterapeuta poderá sentir tanto a largura como a extensão de qualquer separação dos retos. Nessa avaliação são considerados a quantidade de dedos que podem ser inseridos na fenda entre os ventres musculares, sendo considerado normal uma diástase de dois dedos, o que seriam mais ou menos três centímetros e que tem recuperação espontânea. (BORGES & VALENTIN, 2002) (BELEZA & DE CARVALHO, 2010). Atualmente usa-se um instrumento de medição precisa com diâmetro e espessura conhecido como paquímetro, o mesmo confere maior fidedignidade na medida da separação dos retos se comparado a medição com os dedos. (BOTH, NETO, & MOREIRA, 2008) Em período de puerpério toda a cinta abdominal estará enfraquecida com muito pouco controle mecânico aparente, devido a isso (além de uma maior

11 elasticidade presente nos ligamentos) a região posterior do tronco ficará muito mais vulnerável a lesões. Por isso a importância dos exercícios abdominais controlados e orientados por um profissional capacitado. Durante o período de puerpério não deve ser realizado exercícios abdominais concêntricos, enquanto a diástase não estiver normalizada, devem ser realizados apenas exercícios isométricos. Qualquer separação superior a dois dedos constitui uma restrição para qualquer tipo de flexão anterior de tronco ou exercício de abaixamento de perna. (BOTH, NETO, & MOREIRA, 2008) A realização de atividade física durante a gestação é muito saudável, ajuda a evitar o excesso de peso, que é completamente desnecessário e muitas vezes arriscado durante este período, os exercícios ainda melhoram a postura, a oxigenação do feto, faz com que o parto seja mais facilitado e uma melhor recuperação em pós-parto. Tudo isso se aplica a prevenção e tratamento da diástase, se a gestante tiver uma melhor condição física, melhor tônus muscular, a diástase pode ser revertida facilmente e até espontaneamente no período de recuperação pós-parto. (BOTH, NETO, & MOREIRA, 2008). A atuação da fisioterapia no pós-parto imediato visa melhorar a tonicidade dos músculos abdominais e pélvicos, conscientizar as puérperas sobre a importância da continuidade dos exercícios iniciados neste período e sobre o retorno para o atendimento no pós-parto tardio. Um estudo recente mostrou a efetividade de um programa de exercícios para resolução mais breve da DMRA no pós-parto tardio e remoto, a partir da comparação entre um grupo que realizava atividades físicas controladas durante a gestação e pós-parto (grupo de tratamento) e outro grupo, controle. No grupo controle foi observada uma grande incidência de DMRA superior a 3 cm, havendo uma demora da resolução espontânea desta condição, com influência na biomecânica postural e déficit na função de sustentação dos órgãos pélvicos e abdominais. A análise eletromiográfica da musculatura abdominal demonstrou que os exercícios abdominais estimulam a ação voluntária destes músculos. Assim, o estímulo nesta região tende a melhorar a tonicidade da musculatura que se encontra flácida ou hipotônica (MESQUITA, MACHADO, & ANDRADE, 1999)

12 Outra forma de tratamento é a estimulação elétrica e esta pode substituir o exercício ativo voluntário quando existirem restrições a ele. Ela é um meio de recrutar de forma potencialmente preferencial as unidades motoras mais rápidas, mais do que se poderia usualmente ativar por meio de uma contração voluntária. Na década de 1970 trabalhos foram publicados sobre o uso de uma corrente interrompida de média frequência (2500Hz), utilizada para prover ganho de força muscular, esta forma de corrente foi denominada de corrente russa. Hoje na prática clínica dermato-funcional é comum o uso da corrente russa, pelo seu reconhecido potencial no trabalho da musculatura hipotônica e flácida (BORGES, EVANGELISTA, & MARCHI, 2010) Kots, professor de medicina desportiva da academia do estado de Moscou, foi o primeiro a utilizar uma corrente alternada de média frequência para o fortalecimento muscular. Estimulou-se tanto o músculo isolado como o grupo muscular (diretamente sobre o músculo e indiretamente sobre o nervo). (BORGES & VALENTIN, 2002). Desta forma, a corrente russa pode ser definida como uma corrente alternada de média frequência (entre Hz e Hz), que pode ser modulada por burts ( rajadas ) e é utilizada com fins excitomotores. As correntes alternadas de média frequência(corrente russa) são utilizadas por serem relativamente agradáveis, dificilmente lesarem a pele e causarem uma tensão máxima no músculo quando usadas com intensidades suficientes. (BORGES, EVANGELISTA, & MARCHI, 2010) Muitas pesquisas foram realizadas buscando conhecer o efeito de correntes elétricas nas fibras musculares, estes se concentram em duas hipóteses: aumentar a força muscular e a mudança no tecido muscular. Uma das razões para a eletroestimulação ser mais eficaz do que apenas o exercício reside na diferença nos padrões de recrutamento e acionamento da eletroestimulação e do exercício voluntário, em uma contração voluntária o recrutamento de unidades motoras no músculo esquelético obedece a um determinado padrão quando o influxo do SNC determina o início da contração do músculo. No início da reabilitação as fibras de contração rápida (tipo IIb) são recrutadas raramente, já que no início da reabilitação o treino muscular usa baixo peso, para proteger as articulações. Se realizado este tratamento com o uso de eletroestimulação as fibras musculares fásicas podem ser

13 estimuladas eletricamente e as articulações podem ser estabilizadas. (BORGES, EVANGELISTA, & MARCHI, 2010) Para uma melhor ativação muscular e auxiliar a eletroestimulação deve-se dar ao músculo alguma resistência, como a gravidade ou uma resistência externa (uso de pesos), ou mesmo fazendo uma contração isométrica associada, a fim de que haja um fortalecimento muscular efetivo. Com a eletroestimulação consegue-se ativar 30 a 40% mais unidades motoras que nos exercícios ativos voluntários, pois com a eletroestimulação ocorre uma modulação do nervo motor alfa e não uma despolarização do neurônio, como no movimento ativo. (BORGES, EVANGELISTA, & MARCHI, 2010) Na corrente russa podemos modular diferentes parâmetros, entre eles o tempo em que a corrente passa para os tecidos, assim como o tempo em que ela cessa sua passagem, tempo ON é o tempo em que há contração muscular, e o tempo OFF quando a contração é cessada. Estudos com fortalecimento de reto abdominal obtiveram hipertrofia muscular usando tempo ON de 9 segundos e Tempo OFF de 27 segundos. Outro estudo de estimulação de reto abdominal utilizou 6 segundos de contração para 6 segundos de repouso, e outro onde foi utilizado 9 segundos de tempo ON para 9 segundos de tempo OFF, em ambos não houve sinal de fadiga muscular ou desconforto relatado pelas pacientes. (BORGES, EVANGELISTA, & MARCHI, 2010) A rampa de subida e de descida é outra modulação encontrada nos aparelhos de corrente russa, a rampa determina um aumento ou uma descida gradativa da duração do pulso e da amplitude do pulso, e varia normalmente entre 1 a 5 segundos, permitindo um aumento ou diminuição gradual da contração muscular. A rampa tem como função dar uma aspecto mais fisiológico à contração eletroestimulada. Quanto maior a intensidade modulada, mais nervos motores são estimulados. Orienta-se o uso do máximo de intensidade de corrente tolerado pelo paciente (BORGES, EVANGELISTA, & MARCHI, 2010). Ainda devemos modular a frequência, encontramos dois tipos delas na corrente russa, a portadora e a modulada. A portadora é a frequência do aparelho, epode encontrar-se entre 2.500Hz e 5.000Hz. Já a frequência modulada normalmente varia entre 0Hz a 100Hz, uma frequência de 7Hz pode provocar

14 contração tetânica nos músculos esqueléticos, frequências entre 30-80Hz são ideais para estimulação neuromuscular. Mas para diferentes tipos de fibras são utilizadas diferentes frequências, assim para trabalhar um músculo que tenha função postural é necessário utilizar frequência entre 20-30Hz. Para trabalhar com músculos que tenham função mais dinâmica é necessário usar uma frequência mais alta, entre Hz. (BORGES, EVANGELISTA, & MARCHI, 2010). Frequências entre 5-10Hz promovem vibração muscular, sendo útil para aumentar a circulação. Uma frequência superior a 20Hz produz uma contração tetânica, sendo necessário programar uma fase de contração e uma de repouso, paranão causar fadiga muscular, essa modulação pode ser de um tempo igual, o de contração e o de repouso. (MEDEIROS, CHALEGRE, & DE CARVALHO, 2007) Existem vários relatos na literatura, que incluem resultados satisfatórios do uso da eletroestimulaçãopara melhora da qualidade da função muscular. Os objetivos da técnica incluem: manter a qualidade equantidade do tecido muscular, recuperar a sensação de tensão muscular, aumentar ou manter forçamuscular e estimular o fluxo de sangue no músculo. O aumento da força muscular com eletroestimulaçãopode ser alcançada em pouco tempo e este fortalecimento se dá artificialmente.a estimulação elétrica constitui um método eficaz no fortalecimentomuscular tanto em pacientes saudáveis como em pacientes no pósoperatório. Produz melhores resultados doque um trabalho constituído apenas por exercícios. Combinada com a contração muscular ativa, o uso daeletroestimulação provê resultados muito superiores aos exercícios isolados (BORGES & VALENTIN, 2002). Para este artigo foi encontrado apenas um artigo (BORGES & VALENTIN, 2002) que usou a eletroestimulação no tratamento da diástase abdominal, um estudo de caso com três puérperas, que foram avaliadas antes e após o parto, o tratamento teve frequência de três vezes por semana durante seis semanas e os resultados foram uma diminuição das medidas de perimetria abdominal, uma diminuição da diástase e melhora do trofismo e tônus muscular. Concluindo que com o uso da eletroestimulação há uma diminuição da diástase em tempo menor do que o fisiológico. Conclusão

15 A fisioterapia dermato funcional no pós-parto tem como objetivo a reparação dos possíveis danos causados pela gestação e parto, e a recuperação das capacidades funcionais prévias, o mais rápido possível. (ROMERO-MORANTEA & JIMÉNEZ-REGUERAB, 2010). Com o uso da eletroestimulação esta recuperação pode ser mais eficaz e mais rápida que a recuperação fisiológica, com melhora na flacidez, redução de medidas, e redução da DMRA. (BORGES & VALENTIN, 2002). Assim a eletroestimulação se torna uma opção para o tratamento da diástase abdominal, principalmente em puerpério imediato, quando a mulher está impedida de realizar atividades extenuantes e até de flexão de tronco e pode apenas trabalhar esta musculatura de forma isométrica. Porém, existem poucas evidências disponíveis sobre o uso da estimulação elétrica neuromuscular, através da corrente de média frequência, corrente russa, no tratamento da diástase abdominal que possam comprovar sua eficácia. Este tratamento, assim como outras terapêuticas utilizadas na fisioterapia mostram que na prática clínica possui resultados favoráveis, porém há falta de estudos mostrando a evidência científica. Portanto, há necessidade de se proporcionar a realização estudos clínicos bem delineados (estudo randomizado, com grupo controle, amostra significativa, critérios de inclusão e exclusão bem definidos) utilizando este tratamento na diástase abdominal para a obtenção de evidência científica na recomendação terapêutica. Bibliografia BELEZA, A. C., & DE CARVALHO, G. P. (2010). Atuação Fisioterapêutica no Puerpério. Revista Hispeci e Lema On Line. Disponível em: [http://www.unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/hispecielemaonline/sumario/12/ pdf] Acesso em: 25/03/2012 BEYA, S. C., & NICOLL, L. H. (1998). Writing na integrativereview. AORN J; vol. 67 n. 4, p BORGES, F. D., & VALENTIN, E. C. (2002). Tratamento da Flacidez e Diástase do Reto-Abdominal no Puerpério de Parto Normal com o uso de Eletroestimulação Muscular com Corrente de Média Frequência- Estudo de Caso. Revista Brasileira de Fisioterapia Dermato-Funcional - Vol. 1 n 1.

16 BORGES, F. D., EVANGELISTA, A., & MARCHI, A. (2010). Corrente Russa. In: F. D. BORGES, Dermato- Funcional: Modalidades Terapêuticas nas Disfunções Estéticas (pp ). São Paulo: Editora Phorte. BOTH, A. C., NETO, M. M., & MOREIRA, R. D. (2008). Estudo Comaparativo da Diástase do Reto Abdominal em Puérperas Praticantes de Atividade Física e Sedentárias. Trabalho de Conclusão de Curso, Fisioterapia, Universidade da Amazônia. Belém. BROOME, M. E. (2000). Integrative literatura reviews for the development of concepts. Concepts development in nursing: funadations, techniques and applications. WB Saunders Company; Philadelphia (USA), MEDEIROS, A. H., CHALEGRE, S. T., & DE CARVALHO, C. C. (2007). Eletroestimulação muscular: alternativa de tratamento coadjuvante para pacientes com doença arterial obstrutiva periférica. Jornal Vascular Brasileiro; vol. 6 n.2, p MELNYK, B. M., & FINEOUT-OVERHOLT. (2005). Making the case for evidencebased practice. In: B. M. Melnyk, & Fineout-Overholt, Evidence-based practice in nursing & healthcare. A guide to best practice. (pp. 3-24). Philadelphia: Lippincot Williams & Wilkins. MESQUITA, L. A., MACHADO, A. V., & ANDRADE, A. V. (1999). Fisioterapia para Redução da Diástase dos Músculos Retos Abdominais no Pós-Parto. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, vol. 21 n. 5, p OLIVEIRA, B. D., DE ANDRADE, A. D., LEMOS, A., BRITO, V. C., PEDROSA, M. L., & SILVA, T. N. (2011). Abdominal muscle electrical activity during labor expulsive stage: a cross-sectional study. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 15, n. 6, Nov./Dec., p PALMA, PAULO (2009). Aplicações clínicas das técnicas fisioterapêuticas nas disfunções miccionais e do assoalho pélvico. 1ª edição. Campinas, SP: Personal Link Comunicações.

17 POLIT, D. F., BECK, C. T., & HUNGLER, B. F. (2004). Fundamentos de pesquisa e enfermgem, métodos, avaliação e utilização. 5 edição. Porto Alegre: Armed. RETT, M. T., BRAGA, M. D., BERNARDES, N. O., & ANDRADE, S. C. (2009). Prevalência de diástase dos músculos retoabdominais no puerpério imediato: comparação entre primíparas e multíparas. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 13, n. 4, jul./ago., p ROMERO-MORANTEA, M., & JIMÉNEZ-REGUERAB, B. (2010). Actuación del fisioterapeuta durante la gestación, parto y posparto. Fisioterapia; vol. 32 n.3, p URSI, E. (2005). Prevenção de Lesões de Pele no Perioperatório: revisão integrativa de literatura. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem Ribeirão Preto USP, p WHITTEMORE, R., & KNAFF, K. (2005). The integrativereview: updatemethodology. J AdvNurs; vol. 52 n.5, p

O uso da estimulação russa no combate a flacidez e diástase dos retos abdominais no puerpério

O uso da estimulação russa no combate a flacidez e diástase dos retos abdominais no puerpério 1 O uso da estimulação russa no combate a flacidez e diástase dos retos abdominais no puerpério Shayenne de amorim teles¹ E-mail: shayenne.fisioterapeuta@hotmail.com Dayana Priscila Maia Mejia² Pós Graduação

Leia mais

ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NEUROMUSCULAR NO TRATAMENTO DA DIÁSTASE ABDOMINAL

ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NEUROMUSCULAR NO TRATAMENTO DA DIÁSTASE ABDOMINAL & ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NEUROMUSCULAR NO TRATAMENTO DA DIÁSTASE ABDOMINAL A r t i g o Juliana Rockenbach 1 Fernanda Mohr 2 Eliane Roseli Winkelmann 3 Resumo A corrente alternada de média frequência (Corrente

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

Eletroestimulação. ELETROESTIMULAÇÃO (Histórico) O que é??? FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR E CONDUÇÃO NERVOSA

Eletroestimulação. ELETROESTIMULAÇÃO (Histórico) O que é??? FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR E CONDUÇÃO NERVOSA Eletroestimulação Profa. Andreza Caramori de Moraes Profa. Narion Coelho Prof. Paulo Angelo Martins O que é??? A eletroestimulação é um mecanismo que simula a passagem do impulso nervoso, levando o músculo

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES Prof.ª Msc. Clarissa Rios Simoni Mestre em Atividade Física e Saúde UFSC Especialista em Personal Trainer UFPR Licenciatura Plena em Educação Física UFSC Doutoranda

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS

TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

TÍTULO: A GINÁSTICA LABORAL RELACIONADA À QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE DE TRABALHO

TÍTULO: A GINÁSTICA LABORAL RELACIONADA À QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE DE TRABALHO TÍTULO: A GINÁSTICA LABORAL RELACIONADA À QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE DE TRABALHO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS PADRE

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

O USO DA ELETROESTIMULAÇÃO NEUROMUSCULAR DE MÉDIA FREQÜÊNCIA NA REDUÇÃO DA PERIMETRIA ABDOMINAL NA MULHER ESTUDO DE CASO

O USO DA ELETROESTIMULAÇÃO NEUROMUSCULAR DE MÉDIA FREQÜÊNCIA NA REDUÇÃO DA PERIMETRIA ABDOMINAL NA MULHER ESTUDO DE CASO O USO DA ELETROESTIMULAÇÃO NEUROMUSCULAR DE MÉDIA FREQÜÊNCIA NA REDUÇÃO DA PERIMETRIA ABDOMINAL NA MULHER ESTUDO DE CASO Giselle Freitas Barbalho 1,2, Orlando Souza de Menezes 2 ; Thiago Gonçalves Alves

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior Ligamento Cruzado Posterior Introdução O Ligamento Cruzado Posterior (LCP) é classificado como estabilizador estático do joelho e sua função principal é restringir o deslocamento posterior da tíbia em

Leia mais

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO O método pilates é um trabalho que se baseia em exercícios de força e mobilidade utilizando para tal técnicas e exercícios específicos. Este método permite

Leia mais

OS MÉTODOS PILATES E RPG NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA NA GRAVIDEZ: UMA REVISÃO DE LITERATURA

OS MÉTODOS PILATES E RPG NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA NA GRAVIDEZ: UMA REVISÃO DE LITERATURA 22 OS MÉTODOS PILATES E RPG NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA NA GRAVIDEZ: UMA REVISÃO DE LITERATURA Clarice Amarante Scipiao 1 Joelma Gomes da Silva 2 RESUMO O período gestacional, é marcado por profundas modificações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Tratamento da Flacidez e Diástase do Reto-Abdominal no Puerpério

Tratamento da Flacidez e Diástase do Reto-Abdominal no Puerpério TRATAMENTO DA FLACIDEZ E DIÁSTASE DO RETO-ABDOMINAL NO PUERPÉRIO DE PARTO NORMAL COM O USO DE ELETROESTIMULAÇÃO MUSCULAR COM CORRENTE DE MÉDIA FREQÜÊNCIA ESTUDO DE CASO* FÁBIO DOS SANTOS BORGES 1 e ERICKA

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas.

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL

TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Musculação: Definições Básicas Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Termos frequentes na descrição de

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: Fisioterapia Uroginecológica e Obstetrica SÉRIE: 4º. Ano PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Alterações da Estrutura Corporal

Alterações da Estrutura Corporal Alterações da Estrutura Corporal Exercícios e Postura milenadutra@bol.com.br Os Exercícios Realmente Mudam a Postura? Vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora Desvio

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

INCIDÊNCIA DA DIÁSTASE DO MÚSCULO RETO ABDOMINAL NO PUERPÉRIO IMEDIATO

INCIDÊNCIA DA DIÁSTASE DO MÚSCULO RETO ABDOMINAL NO PUERPÉRIO IMEDIATO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 164 INCIDÊNCIA DA DIÁSTASE DO MÚSCULO RETO ABDOMINAL NO PUERPÉRIO IMEDIATO Gabriela Samartino Zavanelli 1 ; Beatriz

Leia mais

Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias.

Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias. Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias. O QUE É O PARTO? Parto é o processo de movimentação do feto, da placenta e das membranas para fora do útero e através do canal de parto. TRABALHO DE PARTO É o processo

Leia mais

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO POSTURA INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO *Antigamente : quadrúpede. *Atualmente: bípede *Principal marco da evolução das posturas em 350.000 anos. *Vantagens: cobrir grandes distâncias com o olhar, alargando seu

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE ERGONOMIA

Leia mais

TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA

TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA RINALDI, C. L.W.; SPESSATO, L. C. Resumo: O objetivo do presente estudo foi avaliar o benefício da eletrolipoforese no tratamento

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto OFICINA PRÁTICA Aprenda a ministrar aulas de ginástica laboral GINÁSTICA LABORAL - Objetivos e benefícios do programa - Formas de aplicação atualmente - Periodização

Leia mais

Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada

Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada Isabel Seixo, Dina Nunes, Alexandra Castro Serviço de Medicina Física e de Reabilitação Hospital Dona Estefânia Novembro 2011 Queimadura Agressão

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA TREINAMENTO DE RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Como regra geral, um músculo aumenta de força quando treinado próximo da sua atual capacidade de gerar força. Existem métodos de exercícios que são

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Quadril Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação do Quadril: É uma articulação

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

TRATAMENTO PARA AS DORES. DA GESTAÇão e MUSCULOESQUELÉTICAS

TRATAMENTO PARA AS DORES. DA GESTAÇão e MUSCULOESQUELÉTICAS TRATAMENTO PARA AS DORES MUSCULOESQUELÉTICAS DA GESTAÇão e do PUERPério BIOMECÂNICA GESTACIONAL TRATAMENTO PARA AS DORES MUSCULOESQUELÉTICAS DA GESTAÇÃO E DO PUERPÉRIO Estima-se que 45% das gestantes e

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL José de Arimatéa Barreto DEFINIÇÃO Para evitar correlação com função mental anormal, atualmente, o termo preferido é restrição de crescimento fetal (RCF), em substituição

Leia mais

HIDROTERAPIA PARA GESTANTES

HIDROTERAPIA PARA GESTANTES HIDROTERAPIA PARA GESTANTES Profa. Ms. DANIELA VINCCI LOPES ANATOMIA DO ABDOME E DA PELVE ÚTERO 3 camadas de músculos. NÃO GESTANTE GESTANTE FORMA ESFÉRICA CILÍNDRICA VOLUME 500 ml 5000 ml MASSA 70 g 1100

Leia mais

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon Veste criada em Michigan/USA, por pesquisadores russos. Função: contrapor os efeitos negativos vividos pelos astronautas (atrofia muscular,

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais Código: Fisio 218 Pré-requisito: --------

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento

Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento Em 1996, a Organização Mundial da Saúde (OMS) desenvolveu uma classificação das práticas comuns na condução do parto normal, orientando para o que deve

Leia mais

PILATES E BIOMECÂNICA. Thaís Lima

PILATES E BIOMECÂNICA. Thaís Lima PILATES E BIOMECÂNICA Thaís Lima RÍTMO LOMBOPÉLVICO Estabilidade lombopélvica pode ser definida como a habilidade de atingir e manter o alinhamento ótimo dos segmentos da coluna (lombar e torácica), da

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

LESÕES MUSCULARES. Ft. Esp. Marina Medeiros

LESÕES MUSCULARES. Ft. Esp. Marina Medeiros LESÕES MUSCULARES Ft. Esp. Marina Medeiros EPIDEMIOLOGIA Os músculos são os únicos geradores de força capazes de produzir movimento articular. São 434 músculos, representando 40% do peso corporal; dentre

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CAMPUS MAFRA/RIONEGRINHO/PAPANDUVA

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CAMPUS MAFRA/RIONEGRINHO/PAPANDUVA UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CAMPUS MAFRA/RIONEGRINHO/PAPANDUVA Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente Prof. Wellington Santos PROJETO: Saúde: Obesidade e Estética Pleiteante: Núcleo de Ciências da

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

O que dizem as Evidências? O que diz a Organização Mundial de Saúde?

O que dizem as Evidências? O que diz a Organização Mundial de Saúde? O que dizem as Evidências? As evidências científicas têm vindo a demonstrar que no início e durante o trabalho de parto [TP] as mulheres que adotam posições verticais (em pé) têm menos dores 1, menos necessidade

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

PREVALÊNCIA DE INCONTINÊNCIA URINÁRIA EM MULHERES NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1

PREVALÊNCIA DE INCONTINÊNCIA URINÁRIA EM MULHERES NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 PREVALÊNCIA DE INCONTINÊNCIA URINÁRIA EM MULHERES NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 Thaís Lorenzen De Mélo 2, Marília Martins 3, Evelise Moraes Berlezi 4, Daniela Zeni Dreher 5. 1 Trabalho vinculado a pesquisa

Leia mais

Quantas vezes o olho humano pisca, por minuto?

Quantas vezes o olho humano pisca, por minuto? Quantas vezes o olho humano pisca, por minuto? Em uma conversa, os interlocutores piscam uma média de 22 vezes por minuto. Quando alguém lê, a frequência desta piscadela se produz 12 a 15 vezes por minuto.

Leia mais

Conteúdo do curso de massagem desportiva

Conteúdo do curso de massagem desportiva Conteúdo do curso de massagem desportiva Massagem desportiva Vamos fazer uma massagem desportiva na pratica. A massagem desportiva pode denotar dois tipos diferentes de tratamento. Pode ser utilizada como

Leia mais

AGENDA. Considerações sobre a Dor do Parto Técnicas para alívio da dor

AGENDA. Considerações sobre a Dor do Parto Técnicas para alívio da dor MÉTODOS NÃO FARMACOLÓGICOS PARA ALÍVIO DA DOR NO TRABALHO DE PARTO Thayssa Rocha Humanização do Parto e Nascimento ENAM 2008 20/05/2008 AGENDA Considerações sobre a Dor do Parto Técnicas para alívio da

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

Mais saúde, menos stress

Mais saúde, menos stress iate especial Mais saúde, menos stress conheça Os BenefÍcIOs DA prática esportiva e AprOveIte para escolher A MODALIDADe IDeAL por JOãO rodrigues Um dos maiores diferenciais da Academia do Iate Clube de

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA

PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA Vera Lúcia Israel (PUCPR/Fisioterapia, UFSCar/PPG-EES/SP) *Maria Benedita Lima Pardo (UFSCar/SP) RESUMO O objetivo desta pesquisa foi

Leia mais

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS INTRODUÇÃO Um grande grupo muscular, que se situa na parte posterior da coxa é chamado de isquiotibiais (IQT), o grupo dos IQT é formado pelos músculos bíceps femoral, semitendíneo

Leia mais

Alterações. Músculo- esqueléticas

Alterações. Músculo- esqueléticas Alterações Músculo- esqueléticas Sistema Neurológico Alteração no tempo de reação e equilíbrio. A instabilidade articular. Alteração da visão Sensibilidade da córnea. c Aumento ou diminuição dos sentidos

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO GUIZELINI, L.H.; PEREIRA, N.T.C. RESUMO A mastectomia pode

Leia mais

A prática de exercício físico durante o período de gestação

A prática de exercício físico durante o período de gestação A prática de exercício físico durante o período de gestação Cristiane Chistófalo* Ariane Jacon Martins* Sérgio Tumelero** tumelero.prof@toledo.br * Faculdades Integradas Toledo de Araçatuba Curso de Educação

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

O USO DA ELETROESTIMULAÇÃO MUSCULAR COM CORRENTE DE MÉDIA FREQUÊNCIA ASSOCIADA AO EXERCÍCIO RESISTIDO NO MÚSCULO GLÚTEO MÁXIMO: ESTUDO DE CASO

O USO DA ELETROESTIMULAÇÃO MUSCULAR COM CORRENTE DE MÉDIA FREQUÊNCIA ASSOCIADA AO EXERCÍCIO RESISTIDO NO MÚSCULO GLÚTEO MÁXIMO: ESTUDO DE CASO O USO DA ELETROESTIMULAÇÃO MUSCULAR COM CORRENTE DE MÉDIA FREQUÊNCIA ASSOCIADA AO EXERCÍCIO RESISTIDO NO MÚSCULO GLÚTEO MÁXIMO: ESTUDO DE CASO Edilane Gonçalves MONÇÃO¹*, Wálace Érick de Medeiros MOURA²,

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO, Nº 258 DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO, Nº 258 DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO, Nº 258 DE 2011 Regulamenta a profissão de quiropraxista, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta lei regula a atividade do profissional de quiropraxia,

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

Implementação do treinamento funcional nas diferentes modalidades. André Cunha

Implementação do treinamento funcional nas diferentes modalidades. André Cunha Implementação do treinamento funcional nas diferentes modalidades André Cunha DNA de alta Performance Por que você faz o que você faz? O que você espera entregar com o seu trabalho? Defina-se como profissional

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA FACULDADE DE ENGENHARIA INDUSTRAL MECÂNICA MACA ESPECIAL PARA MASSAGEM EM GESTANTES Discentes: Bruno Zuccolo Machado Fábio dos Santos Medeiros Rafael Lopes Aurélio Thiago Pinto

Leia mais

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos CAROLINE GONSALEZ FLAVIO PILOTO CIRILLO JULIANA THIEMI IMANO KAMILLA FERNANDES LINS SP 2009 DEFORMIDADES

Leia mais

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual Equilíbrio Transferências de Carga Biofeedback Visual PHYSIOSENSING O PhysioSensing é um dispositivo médico certificado composto por uma plataforma de força e por uma cadeira de força. Permite avaliar

Leia mais

'DLPSODQWDomRGD*$6HGR3ULPHLUR3URJUDPDGH5HFLFODJHP$QXDO

'DLPSODQWDomRGD*$6HGR3ULPHLUR3URJUDPDGH5HFLFODJHP$QXDO 'DLPSODQWDomRGD*$6HGR3ULPHLUR3URJUDPDGH5HFLFODJHP$QXDO A implantação da Gratificação de Atividade de Segurança GAS para os servidores ocupantes do cargo de Técnico Judiciário Área Administrativa Especialidade

Leia mais

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL)

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Projeto: Unidade de Correção Postural AMIL Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Autores: LACOMBE,Patricia, FURLAN, Valter, SONSIN, Katia. Instituição: Instituto

Leia mais

ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL NA REIN- SERÇÃO SOCIAL DO PORTADOR DE TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL NA REIN- SERÇÃO SOCIAL DO PORTADOR DE TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR 17 ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL NA REIN- SERÇÃO SOCIAL DO PORTADOR DE TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Ramão Américo Godoy Tatiane Barbosa Serrou da Silva Ana Maria de Oliveira Alves Resumo Este documento

Leia mais