PAVILHÃO BRASILEIRO NA FEIRA DE NOVA YORK, ICONOGRAFIA REMANESCENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAVILHÃO BRASILEIRO NA FEIRA DE NOVA YORK, ICONOGRAFIA REMANESCENTE"

Transcrição

1 Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP Tel.: (21) PAVILHÃO BRASILEIRO NA FEIRA DE NOVA YORK, ICONOGRAFIA REMANESCENTE Oigres Leici Cordeiro de Macedo Universidade Estadual de Maringá Resumo: Analisa a iconografia pertinente ao Pavilhão do Brasil na Feira Mundial de Nova York de de autoria de Lucio Costa e Oscar Niemeyer e relata o processo de investigação desse material. Através de revisão bibliográfica sobre o edifício identifica as sobreposições, acertos e desvios destes atuais registros. Apresenta materiais de importantes fontes de documentos pouco exploradas ou ainda não publicadas: como a Casa de Lucio Costa, que mantém em seu acervo desenhos do concurso para escolha do projeto com as propostas individuais de Niemeyer e Costa e a proposta final executada; a Fundação Biblioteca Nacional com o catálogo oficial da exposição, e desenhos do projeto elétrico do edifício; e o sítio eletrônico The Open-Video Project que armazena filmes promocionais produzidos por emissários americanos em território brasileiro, durante a segunda Guerra Mundial e filmes amadores da Coleção Wathen e Medicus com imagens a cores da Feira e da representação brasileira. Examina como a divulgação do Pavilhão, seja nas revistas seja em exposições como Brazil Builds no MOMA, serviu como uma das peças de promoção cultural e de estreitamento de relações diplomáticas da Política de Boa Vizinhança realizada durante os governos Roosevelt e Vargas. 1 Introdução O estudo de arquiteturas efêmeras como é o caso de pavilhões de feiras universais esbarra sempre na impossibilidade do contato direto com a obra. Ficamos sempre restritos à iconografia remanescente: documentos, plantas, relatos e fotografias. Algumas vezes tem-se a sorte de vermos o objeto em questão reconstruído - como foi o caso do pavilhão alemão para a feira de Barcelona (1929) de Mies van der Rohe refeito em Outras vezes enfrentamos a ironia da dupla demolição - como o palácio Monroe, construído para a feira de Saint Louis, em 1904, remontado no Rio de Janeiro em 1906 e demolido pela segunda e definitiva vez em A importância desses edifícios reside muitas vezes

2 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 2 no seu caráter experimental, dada sua transitoriedade. No clima competitivo e singular das feiras os arquitetos costumam tomar mais ricos, para o bem ou para o mal, suscitando controvérsia. Em outro sentido a importância destes edifícios reside nas lembranças que suscita. Como cada uma dessas experiências arquitetônicas ecoou nas gerações subseqüentes? Nessa acepção o pavilhão do Brasil na Feira Mundial de Nova York de ganha força e reverbera ao longo de toda a história da arquitetura moderna brasileira. 2 O projeto para o Pavilhão Independente da corrente historiográfica adotada e da controversa das primazias, não existe dúvida sobre a importância do edifício do Ministério da Educação e Saúde como marco inaugural da arquitetura moderna brasileira. No entanto ao longo de sua morosa construção, iniciada em 1937 e inaugurada em 1945, surge paralela e antecipadamente ao Ministério o Pavilhão do Brasil para a Feira Mundial de Nova York. O Ministério do Trabalho, patrocinador da participação brasileira, realiza um concurso para a escolha do melhor projeto em 1938, vencido por Lucio Costa. Mas para surpresa de muitos, Costa renuncia à idéia original, e como salienta BRUAND (p.105), numa atitude generosa propõe um projeto conjunto com o segundo classificado Oscar Niemeyer. Mas diferentemente do que Bruand coloca, não parece que Costa procura apaguar-se diante da criatividade do jovem talento de Niemeyer. Em uma análise dos desenhos de Costa1 percebe-se, como já havia notado SEGAWA (p.93), o uso dos elementos vazados, da rampa de acesso e dos pilotis. O que fica cada vez mais claro, através da documentação encontrada, é o equilíbrio entre as duas idéias na versão definitiva do edifício. Ao que tudo indica os prazos eram curtos e tudo aconteceu de forma acelerada. A comissão formada pelo Ministério do Trabalho para realizar o pavilhão foi criada em setembro de 1938, em finais de outubro já é possível encontrar plantas do projeto elétrico mensurado em polegadas. O deslocamento de Costa e Niemeyer para um escritório próximo à Feira deve ter contribuído para essa agilidade. Grande parte da diferença encontrada nas plantas divulgadas pela bibliografia pertinente deriva da incapacidade em precisar qual dos diversos estudos foi efetivamente construído. Observando os filmes amadores das coleções MEDICUS (1939) e WATHEN (1939), a configuração do viveiro para pássaros presente no mesmo vídeo, e as fotos de época; é possível afirmar que entre os desenhos disponíveis, o que apresenta maior fidelidade com a obra realizada é aquele que consta do catálogo 1 Alguns dos desenhos de Lucio Costa podem ser acessados através do endereço eletrônico: ou

3 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 3 brasileiro da exposição. O exemplar que tivemos acesso (WORD S FAIR ) está armazenado na seção de iconografia da Fundação Biblioteca Nacional. Figura 1 Planta do pav. térreo do Pavilhão Brasileiro, 1 cozinha e bar do café, 2 diferentes amostras de café, 3 fotografias de processos de beneficiamento do café em sacas, 4 informações, 5 mapas compartivos dos E.U.A. e do Brasil, 6 Açúcar e Álcool, 7 Mandioca, 8 Guaraná, 9 Mate, 10 Fibras, 11 Arroz, 12 Castanhas do Pará, 13 Cacau, 14 Fumo, 15 Algodão, 16 Cera de Carnaúba, 17 Óleos vegetais, 18 Faqueiros e Cristais, 19 Bar, 20 Restaurante, 21 Dependências de Serviço, 22 Peixes Tropicais, Nenúfares e Vitórias Regias, 23 Aves Tropicais, 24 Diorama do Rio de Janeiro (WORLD S FAIR, 1939) A eles se juntou o arquiteto americano Paul Lester Wiener, que além dos interiores e dos estandes de exposição chegou a desenhar uma fonte própria para o pavilhão: a Brazil Bodoni. A letra foi usada em todo o local para indicações de ambientes e informações aos visitantes. Figura 2 Bodoni Brazil, encarte do tipo e interior do salão de dança criados por Paul Lester Wiener para o pavilhão brasileiro de (WORLD S FAIR, 1939, acervo: Fundação Biblioteca Nacional) Os jardins têm muitas vezes sua autoria creditada erroneamente ao paisagista Roberto Burle Marx, situação encontrada no livro de FRAMPTON (p.310), de PUENTE (2001) ou de UNDERWOOD (p.64). Segundo o catálogo brasileiro da exposição ((WORLD S FAIR, 1939) O projeto paisagístico ficou a cargo do americano Thomas D. Price. Percepção até perdoável se observada a página de créditos da execução do pavilhão. Sob a efígie de Getúlio Vargas no alto da página figuram diversos nomes, entre eles o do Maestro Burle Marx, responsável pela regência da banda que animava as noites do salão de dança e restaurante do pavilhão, leitura menos atenta do catálogo pode ter levado a essa confusão por parte da literatura estrangeira.

4 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 4 3 Os Esclarecimentos de Costa e os Filmes Amadores No Texto Esclarecedor de Lucio COSTA (1995, p.190-3) o mesmo cita a dificuldade em se fazer um pavilhão que rivalize com países mais ricos e experimentados e implantá-lo em uma terra industrial e culturalmente desenvolvida como os Estados Unidos, e como o projeto final foi influenciado em seu partido tanto pelo terreno (sinuoso em uma extremidade) como pela massa pesada, mais alta e muito maior do pavilhão Francês. Nos filmes da coleção MEDICUS (1939) são mudos em sua essência, mas vez ou outra falam através de pequenas legendas, como foi o caso do pavilhão brasileiro Brazils contribution quase que em sintonia com as pretensões de Costa. A procura do cinegrafista pelo mundo de amanhã fica clara na busca dos aspectos mais industrializados dos pavilhões. Quando o mesmo passa pelo pavilhão da URSS o comentário que faz através de legenda refere-se a um automóvel, salientando que o veículo é o único produto manufaturado do pavilhão. Sinais do que SEGAWA interpretou como encontro de nações, no delicado panorama político internacional, que acabou desembocando na Segunda Guerra. Outro cuidado está em mostrar os vários pavilhões da indústria americana, que eram em sua maioria maiores e mais atrativos para o público em geral que os modestos pavilhões das nações. Comparando as representações de países como a Itália e seu pavilhão de classicismo fascista, ou do pequeno edifício moderno da Venezuela, (segundo legenda do cinegrafista, o melhor dentre as nações) ou da pitoresca representação japonesa, todos ficam a dever para os grandes estandes das indústrias americanas. Os pavilhões da White-Westing House, da Ford, da General Motors, entre outros parecem muito mais modernos. Daí talvez a justificativa de Costa: Não pretendemos subordinar o espírito moderno exclusivamente às conveniências de ordem técnica e funcional nem tão pouco fazer cenografia pseudo-moderna, dessa tão em voga, aí nos E.U.A. (COSTA, p.190-3). 4 As fontes de pesquisa Os filmes citados aqui foram todos extraídos do sítio eletrônico The Open-Video Project. O sítio tem por objetivo compartilhar uma extensa coleção de vídeos para pesquisa. Foi desenvolvido pelo Interaction Design Laboratory vinculado a School of Information and Library Science da Universidade North Carolina Chapel Hill. O projeto inicio-se em 1998 e desde então tem se tornado um extenso depositário de coleções de vídeos. Destacam-se filmes do princípio do século XX, filmes institucionais e educativos, anúncios publicitários entre outros. Podemos destacar que os filmes que levantaram maior interesse para a pesquisa, pela forte consonância com o Brasil, foram os realizados durante o período da política de Boa Vizinhança.

5 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 5 Foram produzidos pelos americanos durante o período da Segunda Guerra Mundial e retratavam o Brasil e outros países da América Latina. No entanto o número de filmes com referência à feira Mundial de Nova York era extenso, e levantava uma curiosidade ainda maior. O uso de arquivos disponibilizados através da Internet foi essencial para a investigação deste trabalho. A pratica de fundações e instituições, exemplificadas neste caso pela Casa de Lucio Costa e pela Open-video Project, em digitalizar e organizar acervos antes restritos a visitação presencial permitiu a ampliação da investigação do trabalho, acompanhado de fontes primárias e fontes tradicionais, levantou maiores questões. 5 Os Filmes amadores Encontramos entre os diversos filmes feitos durante a feira a coleção Medicus é a mais completa e de melhor qualidade. Talvez a maior singularidade dessa coleção seja o fato de que o autor usou um filme Kodachrome produzindo em 1939 imagens em cores vivas da feira. O filme, dividido em diversos rolos, por sua vez dividido em diversas partes é um extenso registro da exposição. Seu caráter amador não guarda nenhum compromisso com a História ou com a Boa Causa da Arquitetura, registra aspectos os mais diversos. Uma apresentação de marionetes, de nado sincronizado, o pavilhão da salsicha e do bacon e assim por diante. Somente a partir da segunda parte do rolo 4 encontramos cenas dos pavilhões das nações e, grata surpresa, alguns segundos do pavilhão brasileiro. Figura 3 Extração de cenas do filme (MEDICUS, ) Figura 4 Vistas do jardim e do terraço (MEDICUS, )

6 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 6 6 A visão do cinegrafista Não encontramos, ainda, em seus rolos de filmes imagens de um dos mais aclamados pavilhões modernos na feira, o Pavilhão da Finlândia de Alvar Aalto e Aino Aalto. Talvez pelo fato da referida representação não ocupar edifício próprio, e por si só mais atrativo. Identificamos que o estande Finlandês ocupa o mesmo espaço dividido por diversos países. Nos filmes percebe-se a passagem do cinegrafista pela frente dos pórticos de entrada das diferentes nações, marcados por um mapa do pais retratado, dessa maneira é possível identificar por exemplo: Austrália, Argentina e o Peru. Interessante notar que a curva, elemento formal presente no pavilhão da Finlândia e do Brasil, remete a situações diferentes, e nunca se justifica por ela mesma, mas à um princípio de identidade nacional. A curva para a identidade da Finlândia representa aurora bureau, já para o Brasil a referência é curva feminina, como cita Costa pela primeira vez: Oscar teve a idéia de aproveitar a curva do terreno bela como uma curva de mulher e o resultado foi uma arquitetura elegante e graciosa, com um espírito um pouco jônico, ao contrário da maior parte da arquitetura moderna, que se aproxima mais do dórico.(costa, 1995) 7 As aves do Pavilhão O pavilhão procurava de alguma maneira recriar aspectos da nossa fauna e flora, o orquidário, cobras, os espelhos d água com as ninfeáces (Nympheaceae Vitória régia) da Amazônia. Os peixes apresentados parecem ser exógenos de nossa fauna, no vídeo percebe-se que foram implantadas carpas japonesas (Carassius auratus Linnaeus), talvez se adaptassem melhor às condições da exposição, ganhando melhor visibilidade e resistência às variações de clima em relação a algum peixe nativo. Quanto às aves um filme da Coleção Wathen2 mostra o viveiro com bastante precisão. Em consulta ao renomado ornitólogo Giovanni Nachtigall Maurício foi possível identificar no filme ao menos sete aves da nossa fauna, sendo a maioria delas presente em todo o território brasileiro e algumas exclusivas da região amazônica. São elas o Guará (Eudocimus ruber) a Guarça Moura (Ardea cocoi), a Garça-brancagrande (Ardea alba), a garça-branca-pequena (Egretta thula) o pato corredor (Neochen jubata) o Colhereiro (Platalea ajaja) e o Curicaca (Theristicus c. caudatus). Giovanni N. Maurício salientou também que todas as aves identificadas se alimentam de peixes, tais escolhas talvez facilitassem o transporte através de navio, com comida abundante ao longo da morosa viagem. Ainda assim os guarás, conhecidos for sua forte coloração vermelha, adquirem uma tonalidade rosa, fruto do tempo em 2 esta segunda coleção, apesar de também ser produzida a cores, possui características ainda mais amadoras de registro familiar que a coleção Medicus.

7 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 7 cativeiro em Nova York. A escolha das aves e sua preparação para a exposição ficou a cargo de Carlos Estevão, diretor do Museu Goeldi de Belém. Curiosamente após o fim da exposição, as aves foram requisitadas pelo jardim zoológico do Central Park e Staten Island, permanecendo em Nova York. 8 Considerações Finais Os anos 40 formam um ponto de virada nas relações políticas e culturais entre o Brasil e os EUA. O Pavilhão se configura como um ato arquitetônico e político para Getúlio Vargas propagandear o Brasil como país desenvolvido (DECKKER, 2001 p.54). No campo político as ações se estenderam em 1941, com a construção de bases militares americanas em Natal. Em 1945 Brasil e EUA assinaram na conferência de São Francisco a ata de criação das Nações Unidas. No campo da arquitetura esses acordos resultaram na nomeação de Oscar Niemeyer como membro do grupo de arquitetos que entre 1946 e 47 projetaram a sede das nações unidas em Nova York. Equipe capitaneada pelo americano Wallace K. Harrison. Ainda no princípio de 1940 um grupo de americanos viajou para o Brasil com a missão de introduzir junto ao público americano a diversidade cultural brasileira. Até 1944 essas incursões foram coordenadas por Nelson Rockfeller (mais tarde governador do estado de Nova York e vice-presidente dos E.U.A.) que à época presidia a OIAA (Office of Inter-American Affairs). A OIAA tinha como propósito influenciar os governos latino-americanos de posição neutra no conflito da II Guerra Mundial. Esse relacionamento tinha como objetivo final a incorporação desses países junto às forças dos Aliados (EMBASSY of Brazil, 2005). Entre as ações da OIAA destaca-se o grande intercâmbio cultural realizado no período. Reconhecidos artistas, escritores, cantores, fotógrafos e cineastas foram recrutados em missões para a América Latina. Muitos deles se dirigiram ao Brasil, entre eles Walt Disney, Orson Welles e o fotógrafo Geneieve Naylor. Sob os auspícios da OIAA, o mundo descobriu a arquitetura moderna brasileira. Em 1943 o Museu de Arte Moderna de Nova York (MOMA) organizou a exposição Brazil Builds, Architecture New and Old O fotógrafo americano arquiteto G. E. Kidder Smith foi o Brasil em 1942 e fotografou a arquitetura moderna, incluindo o trabalho inicial de vários arquitetos. O Brazil Builds configurou-se como a primeira exposição itinerante do MOMA, percorrendo vários países divulgando a arquitetura brasileira. A construção de uma imagem do Brasil por americanos sempre foi acompanhada de um fundo geopolítico, a arquitetura brasileira, independente de seus méritos, também foi protagonista dessa construção. Hugo Segawa (1999) corrobora essa associação entre a geopolítica e intercâmbio cultura,

8 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 8 ao comentar a exposição Brazil Builds: Architecture New and Old , produzida pelo MOMA ele diz: Não se pode desvincular esse extraordinário esforço dos norte-americanos dos interesses geopolíticos de então. Goodwin, no prefácio do catálogo, tratava o Brasil como nosso futuro aliado. O Brazil Builds era uma das peças da política de boa vizinhaça que o presidente Franklin Roosevelt ( ) desenvolvia na América Latina para angariar alianças estratégicas no conflito mundial que corroia a Europa. A idéia de que o pavilhão representa a materialização da arquitetura moderna brasileira não se faz somente pela percepção do reiterado uso dos mesmos elementos formais materializados ali pela primeira vez, e reproduzidos ao longo da produção arquitetônica das décadas seguintes. Talvez a arquitetura seja a parte mais visível ou melhor sucedida de um processo. No pavilhão se conjugam tanto a necessidade, expressa no programa, de representar um país e o mundo do amanhã colocada pelos organizadores americanos da exposição. Como por outro lado mostra um país que procura através do estado novo construir uma idéia de nação e de identidade. O estudo do pavilhão não somente sob a ótica da arquitetura mas da história social encontraria nesse conjunto um duplo espelho de vontades. Reconhecimento da fauna e flora nacionais, da música através de seleções de canções nacionais que deveriam soar de forma ininterrupta ao longo dos meses da exposição organizadas por Heitor Villa- Lobos e Francisco Mignome. O ufanismo confesso de ser o único ou maior produtor de óleo de babaçu, erva-mate, castanha-do-pará, etc. A necessidade de encontrar o reconhecimento por parte da crítica estrangeira nas intermináveis citações de periódicos de Lucio Costa3. O contorno do mapa dos Estados Unidos inserido no contorno do mapa brasileiro. O busto de Getulio Vargas abrindo o grande salão da boa vizinhança. Todos esses elementos que deságuam nas grandes manifestações nacionalista da qual Brasília é cumeada, estavam já enunciadas em todas as cores no pavilhão. A catalogação e preservação da iconografia remanescente do Pavilhão do Brasil, seja através de bibliografia, seja através dos filmes, é essencial para o entendimento das interpretações subseqüentes. 9 Bibliografia: ARCHITECTURAL Review, ago 1939, p.180. ARQUITETURA E URBANISMO (IAB), 2, mar./abr. 1938, pp BRUAND, Yves. Arquitetura contemporânea no Brasil. São Paulo: Perspectiva, CASA de LUCIO COSTA, disponível em < > acessada em 21 de abril de Harper s Bazaar, julho de 1939, The Tatler, julho de 1939, Daily News, 5 de julho de 1939, Home & Food, Town & Country, julho de 1939, a lista de elogios nominais contabilizadas por Lucio Costa é minuciosa e quase interminável

9 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 9 CAVALCANTI, Lauro (org.). Quando o Brasil era Moderno, Guia de Arquitetura Rio de Janeiro: Aeroplano, 2001, pp COMAS, Carlos Eduardo. Arquitetura Moderna, estilo Corbu, Pavilão Brasileiro. AU 26. São Paulo, COMAS, Carlos Eduardo. Protótipo, Monumento, um Ministério, o Ministério. Projeto 102. São Paulo, COSTA, Lucio. Lucio Costa: registro de uma vivência. São Paulo: Empresa das Artes, DECKKER, Zilah Quezado. Brazil Built, The Architecture of the modern movement in Brazil. Londres: Spon, DOCOMOMO Journal. France-Brazil Round Trip. Paris: Autographe, março de 2006, n. 34. EMBASSY OF BRAZIL. Brazil and the U.S, : World War II and the Forging of New Political and Cultural. in: visitado em 16/03/2005. FRAMPTON, Kenneth. História crítica da arquitetura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1997, pp GOODWIN, Phillip L. Brazil builds: architecture old and new: Nova York, Museu de Arte Moderna MOMA, MATTIE, Erik. Worl d s Fair. Nova York: Princeton Architectural Press, MEDICUS COLLECTION. New York World's Fair, Disponível em < > acessado em abril de MINDLIN, Henrique E. Arquitetura Moderna no Brasil. Rio de Janeiro: Aeroplano, 1999, pp OLMOS, Fábio. Guará: ambiente, flora e fauna dos manguezais de Santos-Cubatão. São Paulo: Empresa das Artes, PUENTE, Moises. 100 Pavilões de Exposição. Barcelona: Gustavo Gilli, SICK, Helmut. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, UNDERWOOD, David Kendrick. Oscar Niemeyer e o modernismo das formas livres. São Paulo: Cosac & Naify, 2002, pp WATHEN COLLECTION. New York World's Fair, (Amateur film). Disponível em < > acessado em abril de WORLD S FAIR Nova Iorque. Pavilhão do Brasil: Feira Mundial de Nova York de Nova York: H. K. Publising, 1939.

Anais PAVILHÃO DO BRASIL NA EIRA MUNDIAL DE 1939-40, PASSEIO VIRTUAL POR NOVAS IMAGENS

Anais PAVILHÃO DO BRASIL NA EIRA MUNDIAL DE 1939-40, PASSEIO VIRTUAL POR NOVAS IMAGENS PAVILHÃO DO BRASIL NA EIRA MUNDIAL DE 1939-40, PASSEIO VIRTUAL POR NOVAS IMAGENS Oigres Leici Cordeiro de Macedo 1 Eduardo Verri Lopes 2 - oigresmacedo@mandic.com.br - e.verri@gmail.com Resumo: Este trabalho

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO PAVILHÕES Os edifícios para grandes exposições têm marcado a história da Arquitetura desde 1851, com a construção do Palácio de Cristal, concebido por Joseph Paxton para a primeira Exposição Universal,

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

guia multicultural da mata atlântica para crianças o dia em que o curupira jantou com o saci... PAPELERACULTURAL

guia multicultural da mata atlântica para crianças o dia em que o curupira jantou com o saci... PAPELERACULTURAL guia multicultural da mata atlântica para crianças o dia em que o curupira jantou com o saci... PAPELERACULTURAL Apresentação Guia multicultural da Mata Atlântica e de sua diversidade para as crianças.

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

EDITAL PARA A MOSTRA DE FOTOGRAFIA HISTÓRIA E MEMÓRIA EM SAÚDE DOS TERRITÓRIOS DE VIDA

EDITAL PARA A MOSTRA DE FOTOGRAFIA HISTÓRIA E MEMÓRIA EM SAÚDE DOS TERRITÓRIOS DE VIDA EDITAL PARA A MOSTRA DE FOTOGRAFIA HISTÓRIA E MEMÓRIA EM SAÚDE DOS TERRITÓRIOS DE VIDA A Rede Unida Norte vem por meio deste, tornar público o presente Edital da Mostra de Fotografia História e Memória

Leia mais

ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS

ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria

Leia mais

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Museu Casa de Rui Barbosa: estabelecendo relações com os turistas nacionais e internacionais Coordenador

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha.

Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha. Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha. Por Talles Lucena, educador do MuBE. O prédio do Museu Brasileiro da Escultura é um projeto do

Leia mais

Memorial do Imigrante

Memorial do Imigrante Memorial do Imigrante www.memorialdoimigrante.sp.gov.br Juca Martins/Olhar Imagem Localizado no edifício da antiga Hospedaria dos Imigrantes, construída entre 1886 e 1888 para receber os imigrantes recém-chegados

Leia mais

Biblioteca Escolar. Quem é quem? Nome: N.º: Ano/Turma: N.º Grupo:

Biblioteca Escolar. Quem é quem? Nome: N.º: Ano/Turma: N.º Grupo: Quem é quem? Um investigador deve ter um conhecimento sólido não apenas das obras, mas também dos artistas. Lê as frases e identifica o pintor a quem se referem. 1. Foi ordenado cavaleiro da Ordem de Santiago.

Leia mais

Consulte sempre o site www.museudaimigracao.org.br e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos.

Consulte sempre o site www.museudaimigracao.org.br e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos. O Boletim do Museu da Imigração chega à sua décima oitava edição. Junto com a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o processo de restauro das edificações e reformulação

Leia mais

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA O(S) USO(S) DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EM SALA DE AULA BRUNA EVELIN LOPES SANTOS CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA

Leia mais

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens Jean Baptiste Debret nasceu em Paris, na França, em 18 de abril de 1768. Formado pela Academia de Belas Artes de Paris, Debret foi um dos membros da Missão

Leia mais

Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais

Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais Andreia Fernandes da Silva (IBGE/DI/COBAD) Celso José Monteiro Filho (IBGE/DGC/CREN) Hesley da Silva Py (IBGE/DI/COBAD) Resumo Tendo em vista a grande

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Bases Fundamentais Convenção para a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais Consolida princípios

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO UNIDADE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CÓD. CURSO CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO CÓD. DISC. DISCIPLINA 34033408 ARTE BRASILEIRA II CRÉDITOS ETAPA 3 Período CH ANO 2009

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

Levantamento Histórico

Levantamento Histórico Praça Roosevelt Levantamento Histórico Até o final do século XIX, o local onde se encontra a Praça Roosevelt era a chácara de Dona Veridiana Prado. Este local teve diversos usos durante este período, desde

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO FOTOGRÁFICO AROUCA GEOPARK: PAISAGENS E CULTURA

REGULAMENTO DO CONCURSO FOTOGRÁFICO AROUCA GEOPARK: PAISAGENS E CULTURA Olhares Contemporâneos Associação de Fotografia REGULAMENTO DO CONCURSO FOTOGRÁFICO AROUCA GEOPARK: PAISAGENS E CULTURA CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO E OBJETIVOS Art.º. 1º. O concurso fotográfico AROUCA GEOPARK:

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA O Desafio Criativos da Escola é um concurso promovido pelo Instituto Alana com sede na Rua Fradique Coutinho, 50, 11 o. andar, Bairro Pinheiros São Paulo/SP, CEP

Leia mais

TORRE DE TV: PROPORCIONANDO BEM ESTAR

TORRE DE TV: PROPORCIONANDO BEM ESTAR TORRE DE TV: PROPORCIONANDO BEM ESTAR Authors: Eliete Araujo¹, Ivana Santos¹, Fabiana Rajão¹, Laura Guerreiro¹ Affiliation: 1 - UniCEUB Keywords: Torre. Requalificar. Inteligente. I. INTRODUÇÃO Este trabalho

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI PREFEITURA MUNICIPAL DE LONTRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI DESPERTANDO AÇÕES SUSTENTÁVEIS LONTRAS 2013 1.TEMA A preservação

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

O MUNDO DAS FORMIGAS LAMANA, Isabel C. A. C. MESSIAS, Leidi Renata SPRESSOLA, Nilmara H.

O MUNDO DAS FORMIGAS LAMANA, Isabel C. A. C. MESSIAS, Leidi Renata SPRESSOLA, Nilmara H. O MUNDO DAS FORMIGAS LAMANA, Isabel C. A. C. MESSIAS, Leidi Renata SPRESSOLA, Nilmara H. Resumo O tema das formigas foi escolhido de maneira espontânea devido ao grande número das mesmas em nossa escola,

Leia mais

Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011

Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011 Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011 Elaborado pela: Unidade de Inteligência Comercial - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55 61 3426.0202 Fax: +55 61 3426.0263 www.apexbrasil.com.br

Leia mais

PIC. Componentes da PIC 1. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo

PIC. Componentes da PIC 1. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo PIC VERSÃO PARA O PROFESSOR VERSÃO PARA O PROFESSOR 9. o ano Ensino Fundamental Produção Integrada ao Conteúdo Componentes da PIC 1. o bimestre Arte Ciências Geografia A nota de PIC é a média entre a nota

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Horários: 10h30 12h30 / 15h00 20h00 (com marcação prévia)

Horários: 10h30 12h30 / 15h00 20h00 (com marcação prévia) MUSEU DO CARRO ELÉTRICO Inaugurado em 1992, o Museu do Carro Elétrico nasceu da dedicação e voluntarismo de um pequeno grupo de entusiastas e apaixonados por este meio de transporte coletivo, impulsionados

Leia mais

ARTEBR SITE A HISTÓRIA VAI COMEÇAR

ARTEBR SITE A HISTÓRIA VAI COMEÇAR ARTEBR SITE A HISTÓRIA VAI COMEÇAR A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte

Leia mais

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas O Programa Educativo da Bienal é responsável pela relação direta da Bienal com o público. Sob curadoria de Stela Barbieri, o programa tem

Leia mais

Introdução. Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no. seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos,

Introdução. Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no. seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos, Guia de Backup Introdução Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos, apresentações, entre outras. Imagine que quando

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

A arquitetura dos memoriais

A arquitetura dos memoriais PARTE 01: Conteúdo para a prova A arquitetura dos memoriais Você já ouviu falar em memorial ou já visitou um espaço arquitetônico destinado à memória de alguma personalidade, de um povo ou de algum fato

Leia mais

OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015

OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015 OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015 AGOSTO 2015 1 APRESENTAÇÃO O Museu da Energia de Itu, pertencente à Fundação Energia e Saneamento, integra a Rede Museu da Energia composta por mais dois núcleos

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º As atividades culturais e artísticas desenvolvidas pela POIESIS reger-se-ão pelas normas deste Regimento Interno e pelas demais disposições

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

PANORAMA DO MERCADO Asiático

PANORAMA DO MERCADO Asiático Boletim PANORAMA DO MERCADO Asiático Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama dos

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

Regulamente das Atividades Complementares

Regulamente das Atividades Complementares Associação Objetivo de Ensino Superior Goiânia - GO Regulamente das Atividades Complementares ARQUITETURA E URBANISMO 1º / 2º Semestre em 2015 2 ENTREGA limite 2019 do 10º semestre Nome: Número: Turma:

Leia mais

A ARQUITETURA. Professor H. Oliveira

A ARQUITETURA. Professor H. Oliveira A ARQUITETURA Professor H. Oliveira Quando os primeiros colonizadores portugueses fortificaram o litoral brasileiro e as ordens religiosas construíram os conventos e as igrejas, a arquitetura figurou como

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

em evidência Arte e design INTERNACIONAL nova york. EUA

em evidência Arte e design INTERNACIONAL nova york. EUA INTERNACIONAL nova york. EUA Arte e design em evidência Decoração minimalista, peças contemporâneas, pitadas do estilo retrô e móveis e acessórios assinados compõem o décor Projeto: Carol Egan Texto: Érika

Leia mais

MAM: sua história, seu patrimônio

MAM: sua história, seu patrimônio Elizabeth Catoia Varela Curadora da Pesquisa e Documentação MAM RJ Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes da UFRJ MAM: sua história, seu patrimônio Em abril de

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO:

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: CONTEÚDO: Gênero: Retrato /Fotografia Técnica: Pintura óleo sobre tela Elementos formais: cor e luz Os recursos formais de representação: figuração

Leia mais

Manual de conduta nas mídias sociais. colégio magnum cidade nova

Manual de conduta nas mídias sociais. colégio magnum cidade nova Manual de conduta nas mídias sociais colégio magnum cidade nova Manual de conduta nas mídias sociais Práticas de comportamento dos educadores do Colégio Magnum nas mídias sociais A Magnum 2 Introdução

Leia mais

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira*

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira* ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. A partir das coisas Alda Mirian Augusto de Oliveira* Pensar a arquitetura reúne seis conferências de Peter Zumthor, proferidas

Leia mais

Comunidades de prática

Comunidades de prática Comunidades de prática Objetivos (Henrique Bizzarria para o site Ebah) Comunidades de praticas! O que são?! Para que servem?! Porquê falar delas? Comunidades de prática! O termo "comunidade de prática"

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso 6D Estúdio promessa de ir além das 3 dimensões Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso ao design em movimento, em vídeo ou internet. Eles unem diferentes conhecimentos técnicos

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações História da arte Evolução das expressões artísticas, a constituição

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA MINIFÓRUM CULTURA 10 Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA Orientação aprovada: Que a elaboração do Plano Municipal de Cultura considere

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT04.P A DEFINIÇÃO DA VOLUMETRIA NO PROJETO ARQUITETÔNICO Ana Carolina Marinho Ribeiro (2), Aluísia Márcia Fonseca de Lima (3) Centro de Tecnologia/ Departamento de Arquitetura/ MONITORIA Resumo O

Leia mais

Aula 2: Projeto de pesquisa

Aula 2: Projeto de pesquisa 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 2: Projeto de pesquisa 1 O projeto de pesquisa O projeto de pesquisa é a base da organização do seu trabalho de pesquisa. Ao elaborar o projeto você organiza suas

Leia mais

Bazar das Nações é uma exposição itinerante que tem como objetivo pesquisar, documentar, exibir e divulgar os tradicionais Mercados Centrais,

Bazar das Nações é uma exposição itinerante que tem como objetivo pesquisar, documentar, exibir e divulgar os tradicionais Mercados Centrais, Bazar das Nações é uma exposição itinerante que tem como objetivo pesquisar, documentar, exibir e divulgar os tradicionais Mercados Centrais, oriundos do Brasil Colônia próximos aos portos e alfândegas,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

Avanços na transparência

Avanços na transparência Avanços na transparência A Capes está avançando não apenas na questão dos indicadores, como vimos nas semanas anteriores, mas também na transparência do sistema. Este assunto será explicado aqui, com ênfase

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí A produção literária referente à arquitetura e urbanismo sempre foi caracterizada pela publicação de poucos títulos, baixa diversidade

Leia mais

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS CENTRO CULTURAL VILA FLOR A programação do Centro Cultural Vila Flor deverá assentar em critérios de qualidade, diversidade, contemporaneidade

Leia mais

EXPEDIÇÕES FOTOGRÁFICAS: UM NOVO OLHAR SOBRE O BAIRRO

EXPEDIÇÕES FOTOGRÁFICAS: UM NOVO OLHAR SOBRE O BAIRRO EXPEDIÇÕES FOTOGRÁFICAS: UM NOVO OLHAR SOBRE O BAIRRO Com passos apressados, paisagens se transformam em borrão. Estamos atrasados, com pressa, em cima da hora, ou ainda mesmo com tempo, mas o hábito e

Leia mais

Caderno Temático de Educação Patrimonial nº 02

Caderno Temático de Educação Patrimonial nº 02 Caderno Temático de Educação Patrimonial nº 02 Chamada artigos A série Caderno Temático de Educação Patrimonial é uma publicação da Casa do Patrimônio de João Pessoa, uma parceria entre a Superintendência

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil FORMATO: Documentário: 1X 52 HD FULL 16:9 GENERO: Documentário em técnica mista: SINOPSE: Morro da Favella é um documentário

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL Projeto BRA 06/024 - PREMEF 1 I. INTRODUÇÃO A missão do Tesouro Nacional é

Leia mais

REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS

REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS FRENTE MARÍTIMA ALGUMAS DAS CIDADES MAIS FASCINANTES DO MUNDO, COMO GÊNOVA, LISBOA, LONDRES, BARCELONA,

Leia mais

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI Claudio Gottschalg Duque Professor Departamento de Ciência da Informação Universidade de Brasília (UnB) Brasil Mauricio Rocha Lyra Aluno

Leia mais

Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação

Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação Encontro Internacional de Arquivos Universidade de Évora 3-4 de Outubro

Leia mais

EDITAL CHAMADA ABERTA. 1. Introdução

EDITAL CHAMADA ABERTA. 1. Introdução EDITAL CHAMADA ABERTA 1. Introdução A X Bienal de Arquitetura de São Paulo será realizada de 28 de setembro a 24 de novembro de 2013, com a curadoria de Guilherme Wisnik, Ana Luiza Nobre e Ligia Nobre.

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA Andrew Stanley Raposo 1, Tayse Raquel dos Santos 2, Katemari Rosa 3 Unidade

Leia mais

O mundo perdido, de Arthur Conan Doyle Companhia Editora Nacional

O mundo perdido, de Arthur Conan Doyle Companhia Editora Nacional Sugestão de plano de aula Disciplina: História O mundo perdido, de Arthur Conan Doyle Companhia Editora Nacional Plano de aula: Riqueza da Vegetação Brasileira Objetivos Reconhecer os principais tipos

Leia mais

Software. GUIA DO PROFESSOR Conquista do meio terrestre e adaptações

Software. GUIA DO PROFESSOR Conquista do meio terrestre e adaptações Conquista do meio terrestre e adaptações Conteúdos: Tempo: Objetivos: Conquista do meio terrestre e adaptações 1 hora-aula de 50 minutos Mostrar como os processos evolutivos podem transformar os seres

Leia mais

Figura 56. Tema Folclore. Figura 58 Personagens ou Imagens do Folclore Brasileiro: Cuca

Figura 56. Tema Folclore. Figura 58 Personagens ou Imagens do Folclore Brasileiro: Cuca O tema do folclore pintado pelos alunos passou por uma seleção de imagens escolhidas por eles mesmos, desenhadas anteriormente em classe para depois tais desenhos serem apresentados para a votação. As

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA REGIÃO DA ÁREA DE PROTEÇÃO DA BALEIA FRANCA (Eubalaena australis) VISANDO A PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE COMO UM TODO.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA REGIÃO DA ÁREA DE PROTEÇÃO DA BALEIA FRANCA (Eubalaena australis) VISANDO A PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE COMO UM TODO. EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA REGIÃO DA ÁREA DE PROTEÇÃO DA BALEIA FRANCA (Eubalaena australis) VISANDO A PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE COMO UM TODO. Godinho, G.M.S.¹; Pontalti, M.¹ 1-Instituto Baleia Franca (IBF)

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES

ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e educação,

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG)

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG) DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Marisa Damas Vieira Comunicadora/ Produtora Cultural Rosani Moreira Leitão Antropóloga/ Coordenadora de Antropologia Museu Antropológico da Universidade

Leia mais

OTAVIO AUGUSTO BRIOSCHI SOARES MEDICINA VETERINÁRIA MILITAR. Biossegurança e defesa

OTAVIO AUGUSTO BRIOSCHI SOARES MEDICINA VETERINÁRIA MILITAR. Biossegurança e defesa OTAVIO AUGUSTO BRIOSCHI SOARES MEDICINA VETERINÁRIA MILITAR Biossegurança e defesa OTAVIO AUGUSTO BRIOSCHI SOARES MEDICINA VETERINÁRIA MILITAR Biossegurança e defesa Primeira edição São Paulo 2013 S675m

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção Fascículo 6 Arranjo físico e fluxo O arranjo físico (em inglês layout) de uma operação produtiva preocupa-se com o posicionamento dos recursos de transformação. Isto é, definir onde colocar: Instalações

Leia mais

PROJETO: DE ONDE VEM? PARA ONDE VAI? Sustentabilidade e Consumismo EMEI GUIA LOPES DRE FO

PROJETO: DE ONDE VEM? PARA ONDE VAI? Sustentabilidade e Consumismo EMEI GUIA LOPES DRE FO PROJETO: DE ONDE VEM? PARA ONDE VAI? Sustentabilidade e Consumismo EMEI GUIA LOPES DRE FO Como tudo começou A EMEI Guia Lopes possui uma área verde privilegiada e a criação de uma horta era uma vontade

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Resenha. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p.

Resenha. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p. Resenha Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p.) Thiago de Andrade Marinho 1 Ergodesign e Arquitetura de Informação:

Leia mais

The Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) is welcoming international students to our Brazilian. Studies Short-Term Program.

The Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) is welcoming international students to our Brazilian. Studies Short-Term Program. Enjoy the opportunity to study and live Brazil. The Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) is welcoming international students to our Brazilian Studies Short-Term Program. This Program

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais