CONCURSO PÚBLICO DOCENTE ÁREA: EDIFICAÇÕES EDITAL N o 06/2011-IFAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCURSO PÚBLICO DOCENTE ÁREA: EDIFICAÇÕES EDITAL N o 06/2011-IFAL"

Transcrição

1 PROVA OBJETIVA 1 Em relação aos tipos de fundações, podemos classificá-las como diretas e indiretas, sendo as fundações diretas subdivididas em rasas e profundas e as fundações indiretas subdivididas em pré-moldadas e moldadas in loco Diante dessa classificação, podemos afirmar que as fundações, tipo: Tubulões, Radier, Franki, são, respectivamente a Fundação Indireta Moldada in Loco, Fundação Direta Rasa, Fundação Indireta Pré-Moldada b Fundação Indireta Pré-Moldada, Fundação Direta Profunda, Fundação Direta Rasa c Fundação Direta Profunda, Fundação Direta Rasa, Fundação Indireta Moldada in Loco d Fundação Direta Rasa, Fundação Indireta Pré-Moldada, Fundação Direta Profunda e Fundação Indireta Moldada in Loco, Fundação Indireta Pré-Moldada, Fundação Indireta Pré-Moldada 2 A durabilidade de uma estrutura de concreto armado está diretamente relacionada com os mecanismos de envelhecimento e deterioração ao qual ele possa estar submetido Considerando os mecanismos de envelhecimento e deterioração, citados na NBR , são mecanismos preponderantes de deterioração do concreto, exceto: a lixiviação: por ação de águas puras, carbônicas agressivas ou ácidas b expansão: por ação de águas ou solos que contenham sulfatos c expansão: por reação entre os álcalis do cimento e certos agregados reativos d reações deletérias superficiais de certos agregados, decorrentes de transformações de produtos ferruginosos presentes na sua constituição mineralógica e despassivação: por carbonatação, ou seja, ação do gás carbônico da atmosfera 3 Sabe-se, que em obras de concreto armado, um dos principais fatores que influenciam na durabilidade da estrutura é o cobrimento, devendo ser tratado com todos os cuidados necessários A NBR , define o cobrimento mínimo (c min ), como sendo a soma do cobrimento nominal (c nom ), acrescido da tolerância de execução ( c), sendo o valor de ( c) maior ou igual a 10mm Nessas condições, ao executar uma viga de concreto armado, na classe de agressividade III, qual deverá ser o cobrimento nominal? a 15mm b 25mm c 30mm d 40mm e 50mm Para responder às questões (4) e (5), tome como referência a tabela abaixo, que ilustra os pesos de alguns materiais Material Peso (kgf) Peso Específico (kgf/m³) Granito Madeira Cedro Ardósia Mármore Madeira Cobreúva Concreto Armado Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

2 4 Um Arquiteto deseja colocar, sobre sua laje de concreto armado, um piso de granito As dimensões da laje são de 5,00m de largura por 4,5m de comprimento, com uma espessura de 10cm A espessura do piso de granito é de 2 cm Qual o peso total de laje revestida? a ,00 kgf b 6840,00 kgf c 684,00 N d 68,4 kgf e 68400,00 kgf 5 Você foi contratado para identificar qual material foi utilizado como revestimento de uma laje de concreto armado com as características: Peso Total, incluindo o revestimento de 71500,00N, e dimensões: 4,00m x 3,00m x 15 cm (Considere gravidade g=10m/s²) Nessas condições, o revestimento foi a mármore b granito c madeira cedro d ardósia e madeira cobreúva 6 Suponha que o pé-direito de uma edificação é de 3,20m Deseja-se construir uma escada que atenda às recomendações normativas para o tamanho dos degraus (H) e altura dos espelhos (E), tomando como referência a equação de Blondel Nessas condições, os valores recomendados para o número de degraus, tamanho dos degraus e altura dos espelhos são: a 19 degraus; 26,24cm; 16,85cm b 18 degraus; 28,46cm; 17,77cm c 17 degraus; 28,32cm; 18,82cm d 16 degraus; 27,94cm; 20,00cm e 15 degraus; 24,21cm; 21,33cm 7 As escalas gráficas são muito utilizadas em plantas para possíveis ampliações e reduções, utilizadas também em leituras e interpretações de cartas, sendo representadas por um segmento de reta, dividido de modo a mostrar graficamente a relação entre as dimensões de um objeto no desenho e no terreno A figura abaixo, ilustra uma escala gráfica com suas respectivas dimensões relativas De posse dessas informações, pode-se afirmar que a escala correspondente à escala gráfica é a 1/200 b 1/2000 c 1/400 d 1/4000 e 1/800 2 Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

3 8 O fragmento de projeto abaixo representa uma planta que faz parte do conjunto que compõe o projeto estrutural de uma edificação qualquer Nessas condições, é correto afirmar: a Essa é uma planta de baldrame, onde a nomenclatura P1, P2,, P9, indica os números dos pilares, seguido de sua carga inicial no 1º pavimento b Os valores 15t é um valor de referência para Sapata P1, indicando uma planta de fundação c Todas as sapatas possuem indicativos (25/60), sendo essa nomenclatura, respectivamente, das quantidades de ferros φ 25,0, volume de concreto cm³ d O fragmento de planta indica a planta de locação de pilares Os valores 28t, 17t etc; indicam, por efeito estrutural, que as fundações serão obrigatoriamente profundas devido às altas cargas de compressão nos pilares e Essa é uma planta de locação e cargas de pilares Indica a distância entre pilares, por eixo, na direção vertical e horizontal 9 Observe a figura abaixo, e identifique que planta condiz com essa figura 3 Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

4 a Planta de Fôrma do Pavimento Tipo b Planta de Locação de Pilares c Planta de Locação de Sapatas e Cargas de Pilares d Planta de Fôrma de Fundação e Planta Baixa das Sapatas e Pilares As proposições para as questões 10 e 11 referem-se à figura abaixo, que possui diversos elementos gráficos estruturais básicos 10 Analise as proposições abaixo e identifique a proposição correta I A planta acima possui 4 lajes, sendo uma nervurada (L1), 6 vigas e 9 pilares II A altura de cada laje é de 10mm e os pilares possuem geometria de 19cm x 35cm retangular III As vigas V4, V5, e V6 possuem mesma geometria e comprimentos a I - Falsa, II - Falsa, III - Verdadeira b I - Falsa, II - Verdadeira, III - Falsa c I - Verdadeira, II - Falsa, III - Verdadeira d I - Verdadeira, II - Verdadeira, III - Verdadeira e I - Falsa, II - Falsa, III - Falsa 11 Analise as proposições abaixo e identifique a proposição correta I A Viga V1 possui comprimento de 540cm, a Viga V2 possui comprimento de 511,5cm II A Laje L1 possui o mesmo nível da Laje L2 III As Vigas V5 e V6 possuem dois tramos de 410cm a I - Falsa, II - Falsa, III- Verdadeira b I - Verdadeira, II - Falsa, III Verdadeira c I - Falsa, II - Verdadeira, III Verdadeira d I - Verdadeira, II- Falsa, III Falsa e I - Falsa, II - Verdadeira, III - Falsa 4 Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

5 12 A figura abaixo representa o fragmento de um projeto estrutural que indica graficamente alguns elementos importantes de projeto Assim, analise as proposições abaixo e identifique a proposição correta I A laje L7 e L8 são lajes de concreto armado II A Viga V11 é uma viga invertida III A Viga V12 é uma viga de transição, pois possui parte invertida e parte normal a I - Falsa, II - Verdadeira, III Verdadeira b I - Verdadeira, II - Verdadeira, III Falsa c I - Verdadeira, II - Falsa, III Verdadeira d I - Falsa, II- Falsa, III Verdadeira e I - Verdadeira, II- Verdadeira, III Verdadeira 13 A seção transversal de uma viga é mostrada no desenho abaixo Pode-se concluir que os elementos mostrados na figura são: a h - Altura da Viga, b - Base da Viga, c - Comprimento base, φ l - Resistência do Aço Longitudinal, φ t - Resistência do Aço Transversal, d - Altura base b h - Altura da Viga, b - Base da Viga, c - Comprimento inicial, φ l - Diâmetro da Bitola do Aço Longitudinal, φ t - Diâmetro da Bitola do Aço Transversal, d - Altura de Projeto c h - Altura da Viga, b - Base da Viga, c - Cobrimento, φ l - Resistência do Aço Longitudinal, φ t - Resistência do Aço Transversal, d - Altura de Projeto d h - Altura da Viga, b - Base da Viga, c - Cobrimento, φ l - Diâmetro da Bitola do Aço Longitudinal, φ t - Diâmetro da Bitola do Aço Transversal, d - Altura Útil e h - Altura da Viga, b - Base da Viga, c - Comprimento inicial, φ l - fyk do Aço Longitudinal, φ t - fyk do Aço Transversal, d - Altura Útil 5 Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

6 14 Analise as proposições abaixo e identifique a proposição correta I Tubulação que se origina no reservatório e da qual derivam as colunas de distribuição, quando o tipo de abastecimento é indireto No caso de tipo de abastecimento direto, pode ser considerado como a tubulação diretamente ligada ao ramal predial ou diretamente ligada à fonte de abastecimento particular II Qualquer ligação física através de peça, dispositivo ou outro arranjo que conecte duas tubulações das quais uma conduz água potável e a outra água de qualidade desconhecida ou não potável III Refluxo de água usada, proveniente de um reservatório, aparelho sanitário ou de qualquer outro recipiente, para o interior de uma tubulação, devido a sua pressão ser inferior à atmosférica As definições acima expostas condizem respectivamente com: a I - Barrilete, II - Conexão Cruzada, III Retrossifonagem b I - Barrilete, II - Sub-ramal, III - Refluxo de água c I - Sub-Ramal, II - Tubulação de Água Fria, III Retrossifonagem d I - Sub-Ramal, II - Refluxo de água, III - Conexão cruzada e I - Conexão cruzada, II - Sub-Ramal, III - Refluxo de água 15 Quando uma válvula, torneira ou outro componente é fechado muito rapidamente, o fechamento é algumas vezes acompanhado por um claro ruído originado do fenômeno de transiente de pressão, denominado a oscilação de Torneira de Bóia b golpe de Aríete c ruído de Transição Térmica d ruído de Cavitação e Turbulência e ruído de Bomba 16 Analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa correta I Não é recomendável armazenar cimento em pilhas maiores que 10 sacos II O melhor critério para saída de materiais do almoxarifado é o FIFO ou PEPS III Não há recomendações específicas para o armazenamento de vergalhões de aço IV A altura máxima recomendável para armazenamento de blocos cerâmicos é de 1,00m a Todas estão corretas b Apenas I está correta c Apenas III e IV estão incorretas d Apenas IV está incorreta e Apenas I e III estão corretas 17 Assinale a alternativa que lista fatores que influenciam a definição do layout de um canteiro de obras a Sequência executiva; selo de qualidade ISO 9001; métodos construtivos b Estratégia de financiamento; métodos construtivos; tamanho da equipe c Sequência executiva; estratégia de financiamento; características do terreno d Características do terreno; sequência executiva; métodos construtivos e Selo de qualidade ISO 9001; sequência executiva; características do terreno 6 Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

7 18 Analise as afirmações a seguir e assinale a alternativa correta I As instalações sanitárias devem ficar, no máximo, a 150m dos locais de trabalho II A localização do guincho em, uma obra de incorporação imobiliária, não depende de restrições comerciais III O uso da gravidade no transporte dos materiais e resíduos dentro do canteiro deve ser evitado IV Para posicionar o stand de vendas em um canteiro, deve-se levar em conta a localização dos elementos do canteiro relacionados à produção (central de argamassa, central de formas, central de armação etc) a Apenas I e IV estão corretas b Todas estão corretas c Apenas III e IV estão incorretas d Apenas III está incorreta e Apenas IV está incorreta 19 Em relação ao SiAC/PBQP-H, analise as afirmações e assinale a alternativa correta I A construtora deve controlar 25 serviços e, no mínimo, 20 materiais II Os requisitos aplicáveis em obra só passam a ser exigidos a partir do nível C III Todos os processos do Sistema de Gestão da Qualidade da empresa devem receber auditoria interna pelo menos uma vez por ano IV Deve haver inspeções no recebimento dos materiais, na conclusão dos serviços e antes da entrega da obra a Todas estão incorretas b Apenas III e IV estão corretas c Apenas I e III estão corretas d Apenas I está incorreta e Todas estão corretas 20 Assinale a alternativa que contém itens que, segundo o SiAC/PBQP-H, fazem parte do Plano de Qualidade da Obra a Estrutura organizacional da obra; projeto de canteiro; PCMAT b Objetivos da qualidade específicos da obra; especificidades relacionadas à manutenção de equipamentos; programa de treinamento da obra c Destino de resíduos sólidos e líquidos; projeto de canteiro; cronograma físico da obra d Relação de materiais e serviços controlados; listagem das empresas terceirizadas; programa de treinamento da obra e Identificação dos processos críticos da obra; objetivos da qualidade específicos da obra; PCMAT 21 Analise o texto a seguir e marque a alternativa correta Devido ao crescimento no ritmo das construções na região, uma reportagem em uma revista especializada aponta para uma escassez de blocos cerâmicos para os próximos 3 meses Sabendo dessa situação, o diretor de uma construtora resolve antecipar a compra de tijolos, formando um estoque que garante a continuidade das obras da empresa Sob o ponto de vista da ISO 9001, como pode ser classificada a atitude tomada pelo diretor da empresa? a Ação preventiva, pois previne a falta de material com a formação do estoque b Ação corretiva, pois corrige a possível falta de material com a formação do estoque c Disposição da não-conformidade por meio de eliminação, já que será formado um estoque d Disposição da não-conformidade por meio de concessão, já que o diretor possui autoridade para tal e Disposição da não-conformidade por meio de uso alternativo, já que o diretor encontrou uma solução temporária 7 Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

8 22 A respeito de BDI, analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa correta I Despesas financeiras só são acrescentadas ao BDI se houver necessidade de tomar empréstimos II A equipe administrativa da obra deve ser incluída no BDI, independentemente se já faz parte do orçamento III Parte dos encargos sociais da equipe operacional deve ser incluída no BDI IV Impostos, lucro e custo dos EPI s podem ser incluídos no BDI a Todas estão corretas b Apenas I e IV estão corretas c Apenas IV está incorreta d Apenas IV está correta e Todas estão incorretas 23 Assinale a alternativa que contém itens que podem ser considerados como encargos sociais na construção civil a FGTS; repouso semanal remunerado; horas de vigilância b INSS; uniformes; 13º salário c Feriados; aviso prévio; INCRA d Férias; licença paternidade; faltas não justificadas e INSS; FGTS; SESC 24 Em relação a composições unitárias, analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa correta I Os índices utilizados nas composições devem ser preferencialmente coletados em obra II No consumo de materiais, deve ser acrescentado o percentual de perda III O índice de BDI deve incidir sobre todos os itens da composição IV O índice de encargos sociais deve incidir sobre todos os itens da composição a Todas estão corretas b Apenas IV está incorreta c Apenas III está incorreta d Apenas II e III estão corretas e Todas estão incorretas 25 A partir dos dados abaixo, utilize PERT/CPM e assinale a alternativa correta Atividades Predecessoras Duração A 3 d B A 5 d C B 1 d D B;H 5 d E D 5 d F E 7 d G H 8 d H C 3 d I F;G;M 3 d J C 7 d K A 3 d L J 7 d M K;L 2 d 8 Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

9 a O caminho crítico é formado pelas atividades A, B, C, D, E, F, H, I, M b A menor folga de uma atividade não crítica é 5 dias c G é a atividade com maior folga total d O Início Cedo da atividade J é igual ao seu Início Tarde e A duração total do projeto é de 32 dias 26 Assinale a alternativa correta: a A curva S é um gráfico que demonstra a distribuição diária não acumulada do consumo de um recurso b A curva S recebeu esse nome por representar o cronograma da obra (Schedule em inglês) c A curva S recebeu esse nome por apresentar a forma aproximada de um S d A curva S não tem correlação com o histograma do recurso que representa e A curva S recebeu esse nome por representar a soma (Sum em inglês) acumulada do consumo de um recurso 27 Assinale a alternativa correta a O gráfico de Gantt também é conhecido como cronograma físico-financeiro b O gráfico de Gantt independe da sequência de execução da obra c O gráfico de Gantt não serve para apresentar o planejamento de curto prazo de uma obra d O gráfico de Gantt também é conhecido como gráfico de colunas e O gráfico de Gantt pode ser usado para apresentar as atividades do caminho crítico 28 Um circuito é composto por 4 resistências em paralelo com os valores de 4Ω, 8Ω, 5Ω, 10Ω Qual a resistência equivalente? a 1,481Ω b 0,037Ω c 0,675Ω d 27Ω e 3Ω 29 Na entrada de uma instalação, a tensão medida é 220V No último ponto do circuito, a medida é 205V Qual a queda percentual? a 15% b 6,82% c 7,32% d 7,50% e 22,5% 30 Se os condutores fase, de cobre, têm seção de 25mm², qual seria a seção do condutor neutro não protegido contra sobrecorrente? a 50mm² b 30mm² c 12,5mm² d 25mm² e 2,5mm² 9 Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

10 31 A lei nº 11892, de 29 de dezembro de 2008, além de instituir a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria também os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia Sobre os Institutos Federais, analise as afirmativas abaixo I Os Institutos Federais são instituições de educação superior, básica e profissional, multicurriculares e unicampi, especializadas na oferta de educação profissional e tecnológica nas diferentes modalidades de ensino II Uma das finalidades dos Institutos Federais é ministrar cursos de formação inicial e continuada de trabalhadores, objetivando a capacitação, o aperfeiçoamento, a especialização e a atualização de profissionais, em todos os níveis de escolaridade, nas áreas da educação profissional e tecnológica III Cabe aos Institutos Federais ministrar a educação profissional técnica de nível médio, prioritariamente na forma de cursos integrados, para os concluintes do ensino fundamental e para o público da educação de jovens e adultos IV Os Institutos Federais deverão ofertar cursos de licenciatura, bem como programas especiais de formação pedagógica, com vistas à melhoria da educação básica, sobretudo nas áreas de ciências e matemática, e para a educação profissional V No desenvolvimento da sua ação acadêmica, o Instituto Federal deverá garantir o mínimo de 50% (cinquenta por cento) de suas vagas para atender ao nível técnico e o mínimo de 50% (cinquenta por cento) de suas vagas para atender aos cursos de licenciatura, bem como programas especiais de formação pedagógica A alternativa em que todas afirmativas estão CORRETAS é a I, II e V b II, III e IV c I, II e III d II, III e V e III, IV e V 32 A atual Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), lei nº 9394/1996, disciplina a educação escolar, que se desenvolve, predominantemente, por meio do ensino, em instituições próprias Em relação a essa legislação, analise os itens a seguir () Os docentes incumbir-se-ão de ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, além de participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional () O sistema federal de ensino compreende: as instituições de ensino mantidas pela União, as instituições de educação superior criadas e mantidas pela iniciativa privada e os órgãos federais de educação () A educação básica, nos níveis fundamental e médio, será organizada de acordo com as seguintes regras comuns: a carga horária mínima anual será de setecentas e vinte horas, distribuídas por um mínimo de cento e oitenta dias de efetivo trabalho escolar, excluído o tempo reservado aos exames finais, quando houver () O currículo da educação superior deve ter uma base nacional comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e instituição escolar, por uma parte diversificada, exigida pelas características regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e da clientela () A educação de jovens e adultos (EJA) é uma modalidade educacional que visa a atender àqueles que não tiveram acesso ou continuidade de estudos A essa modalidade é assegurado o acesso, no nível fundamental, para os maiores de 15 anos e, no nível médio, para os maiores de 18 anos Indique a alternativa correta a V,V,V,F,F b F,V,V,V,F c V,V,F,F,V d F,V,V,F,V e V,F,F,V,F 10 Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

11 33 Diversas tendências pedagógicas orientaram e orientam a formação de professores e, por extensão, o trabalho docente Identifique as tendências pedagógicas e suas características, relacionando a segunda coluna de acordo com a primeira TENDÊNCIA CARACTERÍSTICA 1 Liberal Tradicional () A relação professor e aluno é objetiva em que o professor transmite informações e o aluno vai fixá-las 2 Liberal Renovadora () Parte de uma relação direta da experiência do aluno confrontada com o Progressiva saber sistematizado 3 Liberal Tecnicista () Os conteúdos são estabelecidos a partir das experiências vividas pelos alunos frente às situações problemas 4 Progressista Crítico- () A aprendizagem é receptiva e mecânica, sem se considerar as Social dos Conteúdos características próprias de cada idade Assinale a sequência de associação CORRETA, de cima para baixo a 3, 1, 4 e 2 b 1, 4, 2 e 3 c 4, 3, 1 e 2 d 3, 2, 4 e 1 e 2, 4, 1 e 3 34 Sobre a relação entre trabalho e educação, NÃO é correto afirmar que a a relação trabalho e educação é condição do homem Tal afirmação pauta-se na ideia do trabalho enquanto intrínseco na constituição do homem como ser coletivo que organiza a produção dos bens necessários para sua sobrevivência, e a educação, portanto, é elemento fundamental para a reprodução da força de trabalho enquanto capacidade técnica de exercer o trabalho b a educação é um importante elemento de reprodução das condições de produção, qualificação para o trabalho e reprodução das relações de produção, processo persuasivo de legitimação das relações de produção dominantes numa determinada formação social c o trabalho é o processo de produção da base material da sociedade pela transformação da natureza Sendo assim, a capacidade de dominação sobre a natureza não diferencia homens de animais d a necessidade do capital de uma nova qualificação dos trabalhadores não se refere apenas aos empregados para que esses possam operar os novos instrumentos de trabalho, mas a exigência de qualificar os trabalhadores desempregados para que estes cumpram o papel de exército de reserva da força de trabalho e nas sociedades divididas em classes sociais o Estado é mediador na relação trabalho e educação, organizando, ou não, a formação dos trabalhadores com o objetivo de reproduzir as condições de produção, mas sempre organiza a educação como reprodutora das relações de produção buscando justificar, como legitimas, as relações de dominação e exploração das classes dominantes 11 Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

12 35 As TICs na educação não se restringem apenas a promover o acesso à tecnologia e automatizar práticas tradicionais Podem integrar os processos educacionais e, assim, valorar as atividades realizadas tanto por alunos quanto por professores As alternativas abaixo são referentes ao que se faz necessário para que a integração tecnológica ocorra, com EXCEÇÃO de: a Implantar mudanças em políticas, concepções, valores, crenças, processos e procedimentos que são centenários e que certamente exigirão um grande esforço por parte dos educadores e da sociedade como um todo b Alterar a estrutura dos espaços e do tempo da escola, como as salas multiatividades e a flexibilização das tradicionais aulas de 50 minutos c Reestruturar o tempo do professor para que ele possa organizar-se a fim de estudar, planejar e dialogar com os alunos para além do tempo e do espaço da sala de aula, o que implica políticas públicas de valorização desse profissional d Repensar o currículo, entender o que significa aprender e como a escola pode ser geradora (e não só consumidora) de conhecimento, espaço de diálogo, solidariedade, articulação entre o conhecimento local e o global e de intolerância com a diferença e Investir na formação dos professores para que possam atuar como agentes de aprendizagem 36 As discussões acerca de uma educação inclusiva, em nossa sociedade, remontam aos anos 40, do século passado, com a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) e vem se intensificando nas últimas décadas São fruto de um processo de luta rumo à consolidação de uma sociedade inclusiva na qual toma assento a ressignificação dos valores e o respeito à pessoa humana em todas as suas dimensões Analise as seguintes proposições I Corroborando com a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948), a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, referendada no Brasil pelo Decreto 6949/2009, está alicerçada nos princípios de não discriminação, respeito à diferença, à dignidade e ao direito de preservar sua identidade, bem como a plena participação e inclusão na sociedade II No sentido de atender ao princípio da educação inclusiva, tem se percebido nas últimas décadas na sociedade brasileira, um movimento no sentido de reconfiguração das ações escolares, sejam elas curriculares, metodológicas, de formação de professores, entre outras, buscando atender ao que preconiza a CF de 1988, quando da compreensão da educação como direito de todos, bem como da LDB 9394/96, quando afirma que os sistemas de ensino assegurarão o necessário à organização do atendimento a esta modalidade preferencialmente na rede regular de ensino III A Declaração de Salamanca (1994), resultante da Conferência Mundial sobre Necessidades Educacionais Especiais, se constitui hoje principal referência no desenvolvimento de políticas educacionais em âmbito nacional e internacional e está pautada pelo princípio da não-segregação das pessoas com deficiência IV Pode-se afirmar que, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN), embora priorizando o atendimento integrado às classes comuns, perpetua o processo de segregação quando prevê a manutenção das classes, escolas ou serviços especializados V A concretização de uma sociedade e de uma escola inclusiva, perpassa pela afirmação do direito e respeito a pessoa humana, materializando-se não somente em políticas e práticas educacionais, mas em ações humanas que numa relação de interdependência vão alicerçando no meio social tal concepção É CORRETO afirmar que a todas as alternativas são verdadeiras b apenas a alternativa I é verdadeira c as alternativas I, II, III e V são verdadeiras d as alternativas III e IV são falsas e as alternativas III, IV e V são falsas 12 Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

13 37 Considerando-se a organização e a gestão do trabalho escolar como processo resultante das lutas sociais em busca da consolidação de um modelo de escola pautado nos princípios democráticos, é possível afirmar que I o movimento de redefinição das práticas administrativas, no interior das escolas, é um processo inerente ao próprio movimento de redefinição da sociedade que, partindo de um modelo de escola tradicional, se redefine em busca de práticas que superem as relações de trabalho horizontalizadas e rigidamente prescritas II a concepção de gestão vai além da ideia de administração escolar já que prima pela valorização da ação do gestor como o fio condutor dos processos administrativos e pedagógicos na escola É esse gestor, como líder, tem a condição de definir os rumos da organização escolar III o princípio da gestão democrática tem tomado fôlego na educação brasileira a partir da Constituição Federal de 1988 e da LDB 9394/96, quando institucionalizam tal princípio como próprio das instituições públicas No entanto, tais discussões acerca da escola pública e democrática remontam aos anos de 1930 com o Movimento dos Pioneiros da Educação Nova IV o modelo de gestão educacional, tendo em vista a construção da escola necessária à contemporaneidade, deve ter como inspiração a perspectiva de que os objetivos institucionais são determinados a partir de um processo estabelecido pelos líderes, orientados por uma hierarquia necessária e pautados na racionalidade na tomada de decisões, bem como na definição das responsabilidades de cada um no grupo V o Projeto Político Pedagógico surge como expressão maior dos interesses dos sujeitos que fazem parte da escola São eles que, em uma ação conjunta, partilhada e democrática buscam a leitura da escola como um todo, definem suas necessidades e deixam a cargo do diretor o processo de decisão final, visto ser ele o represente maior desse colegiado Nesse sentido, podemos afirmar que não estão CORRETAS as afirmativas a II, III e V b I, II e III c II e IV d III, IV e V e II, IV e V 38 A Didática, enquanto reflexão sobre o processo de ensino-aprendizagem, consiste em um processo multidimensional pautado nas dimensões técnica, humana e política Em cada momento da história de nossa educação, a didática tomou formatos diferenciados a depender da tendência pedagógica em voga em cada cenário A partir das várias concepções acerca da atuação do professor e das contribuições da didática à formação do professor, identifique a questão verdadeira com a letra V e a questão falsa com a letra F e, em seguida, marque a sequência CORRETA () A supervalorização de uma didática instrumental em detrimento de uma didática fundamental foi a responsável pela perpetuação do modelo de educação tradicional na história da educação brasileira () Na perspectiva da didática fundamental a formação dos educadores, sempre foi concebida como desvinculada da situação político-social e cultural do país, visualizando o professor como um especialista de conteúdo, um facilitador da aprendizagem, um organizador das condições de ensino-aprendizagem ou um técnico da educação () A didática, no seio das tendências de cunho progressista, tem o papel de buscar uma formação de professores voltada para a construção de um sujeito reflexivo e crítico, capaz de contestar o modelo social e contribuir para formação de alunos conscientes e transformadores de sua própria realidade () As tendências liberais foram as responsáveis pela formação de professores com ênfase na técnica, pautada na racionalidade e na eficiência do processo de ensino-aprendizagem, desvinculada de qualquer contestação do modelo social () A dimensão humana presente no fazer docente, na contemporaneidade, constitui-se basilar no processo de formação do professor No entanto, tem sido contestada no modelo social vigente, visto que acaba inviabilizando as ações em sala de aula por conta da horizontalização das relações entre professor e aluno 13 Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

14 Com base nas afirmações acima, podemos afirmar que a sequência correta é a V,V,V,V,F b V,F,V,V,V c F,F,V,V,F d V,F,V,V,F e V,F,F,V,F 39 Segundo a LDB 9394/96, em se tratando da Educação Profissional, pode-se afirmar que: I Na Seção IV-A, acrescida à LDB pela Lei nº de 2008, está posto que a educação profissional técnica de nível médio deverá observar os objetivos e definições das diretrizes nacionais, as normas dos respectivos sistemas bem como as exigências de cada instituição de ensino II Em se tratando da educação de jovens e adultos, segundo a LDB 9394/96, em seu Artigo 37, 3º, deverá articular-se, preferencialmente, com a educação profissional III Segundo a LDB 9394/96, o artigo 36-A preconiza que o Ensino Médio, atendida a formação geral do educando, poderá prepará-lo para o exercício de profissões técnicas Já no Artigo 39, a LDB 9394/96 trata que a educação profissional e tecnológica, no cumprimento dos objetivos da educação nacional, integra-se aos diferentes níveis e modalidades de educação e às dimensões do trabalho, da ciência e da tecnologia IV A educação profissional vem se reconfigurando, ano após ano, no cenário nacional, e hoje se apresenta como um modelo de educação que busca a integração curricular ancorada nas questões de formação geral e nas questões específicas da formação Essas duas grandes áreas vivem na perspectiva do currículo integrado, um momento ímpar nos Institutos Federais, isto porque já não paira, sobre os docentes, uma resistência seja velada ou explicitada entre essas duas áreas V A LDB 9394/96 aponta no artigo 36-C, que a educação profissional técnica de nível médio será desenvolvida de forma integrada e concomitante, sendo que a educação profissional e tecnológica (Art 39, 2º, incisos I, II e III) abrangerá os cursos de formação inicial e continuada ou qualificação profissional, de educação profissional, técnica de nível médio e de educação profissional tecnológica de graduação e pós-graduação Assim sendo, podemos afirmar que a todas as afirmativas estão verdadeiras b todas as afirmativas estão falsas c a única alternativa falsa é a V d as alternativas I,II,III e V são verdadeiras e as alternativas III e IV são falsas 14 Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

15 40 Em se tratando das questões concernentes à prática docente, podemos afirmar que I o planejamento, na ação educativa, constitui-se um momento de reflexão sobre a prática docente, sendo elemento norteador do fazer do professor e materializa-se nos planos de ensino II na perspectiva contemporânea, rediscute-se o papel da avaliação no espaço escolar, ultrapassando a dimensão meramente quantitativa rumo à dimensão qualitativa, levando em consideração o processo e não apenas o produto Nesse sentido, tem caráter terminal e não necessita ser retomada, pois, por si só, garante o sucesso do processo ensino-aprendizagem III o currículo, com base nas teorias pós-críticas, tem a finalidade de instrumentalizar os estudantes a partir de práticas pautadas na técnica e na racionalidade, desvinculando-se das questões alheias à escola Sua ação consiste em dar ao sujeito as competências necessárias a sua inserção no mundo do trabalho IV a avaliação, como processo contínuo, constitui-se instrumento que retroalimenta o processo de planejamento, possibilitando ao professor as condições necessárias para observação tanto do andamento de suas ações quanto das aprendizagens efetivadas V o modelo e concepção de planejamento, a partir da perspectiva tradicional, acarretou grandes problemas ao processo de ensino-aprendizagem dada a ausência de uma crítica mais rigorosa sobre esse modelo que, transposto do mundo industrial, foi inserido nas escolas, tornando-as espaços fechados e produtoras de planos técnicos e rigidamente determinados Assim sendo, é possível afirmar que estão CORRETAS as questões a II, III e IV b I, II e III c III, IV e V d I, IV e V e I, III e V 15 Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

16 PROVA SUBJETIVA 1 Analise o fragmento de uma planta de fôrma do pavimento tipo de uma edificação Nesse fragmento encontrase uma viga V1, um dois pilares P1 e PL1 e uma laje que possuí altura de 10cm Ao lado encontra-se uma legenda dos pilares para essa configuração de projeto a A viga V1 tem um pilar nascendo nela Nessas condições, essa viga recebe um nome especial Qual o nome dessa viga? b Efetuou-se um corte AA no fragmento de planta Pede-se elaborar o esboço do corte estrutural Obs Serão considerados, o traço, a proporção do desenho, a qualidade, nomenclaturas 2 Descreva como deve ser feito o processo de orçamento e planejamento de uma obra 16 Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

17 RASCUNHO PARA A PROVA SUBJETIVA NÃO TEM VALIDADE TRANSCREVA SEU RASCUNHO PARA AS FOLHAS DE RESPOSTAS RASCUNHO Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

18 RASCUNHO PARA A PROVA SUBJETIVA NÃO TEM VALIDADE TRANSCREVA SEU RASCUNHO PARA AS FOLHAS DE RESPOSTAS RASCUNHO Área: Edificações INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

CONCURSO PÚBLICO DOCENTE ÁREA: TOPOGRAFIA EDITAL N o 06/2011-IFAL

CONCURSO PÚBLICO DOCENTE ÁREA: TOPOGRAFIA EDITAL N o 06/2011-IFAL PROVA OBJETIVA 1 O valor do ângulo resultante da operação 264º 06 58 + 134º 56 13 88, 44º é igual a a 320º 38 47 b 310º 35 47 c 310º 36 44 d 310º 36 47 e 309º 35 18 2 Sendo Az 0, quantos pontos, no mínimo,

Leia mais

DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO

DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Departamento de Estruturas e Construção Civil Disciplina: ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO Marcos Neves Comissão Central PDI do IFSC PNE EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL O art.

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: AJUDANTE DE OBRAS - PRONATEC 160 horas ÁREA: CONSTRUÇÃO MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT GURUPI Plano de Curso Simplificado FP.EP.04.08

Leia mais

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar:

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: 18 PROVA DE ENGENHARIA CIVIL QUESTÃO 41 Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: a) o diagrama do esforço cortante (DEC) é composto

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, que institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Estrutura e Funcionamento da Educação Básica Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Pauta da aula: (02-30) Educação Especial; Princípios da educação nacional; Análise dos dados referentes à Educação no Brasil;

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE. UMA ANÁLISE DO MATERIAL DE FORMAÇÃO DOCENTE

PROGRAMA NACIONAL EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE. UMA ANÁLISE DO MATERIAL DE FORMAÇÃO DOCENTE PROGRAMA NACIONAL EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE. UMA ANÁLISE DO MATERIAL DE FORMAÇÃO DOCENTE MARTIN, Mariana UEL 1 INTRODUÇÃO Este trabalho objetiva analisar o material Educar na Diversidade:

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec

Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Anna Catharina da Costa Dantas dpept.setec@mec.gov.br Brasília/DF, 02 de julho de 2013. PNE 2011-2020:

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 O que são?: São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) Fixa as Diretrizes Nacionais para os Planos de Carreira e Remuneração dos Funcionários

Leia mais

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação.

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. ESCADAS Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. Componentes da escada: Degraus: São os múltiplos níveis

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a A FORMAÇÃO CONTINUADA E O CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O TEMA DA INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS LIMA, Lana Ferreira de UFG GT-15: Educação Especial Introdução

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL GLOSSÁRIO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RIO DE JANEIRO NOVEMBRO/2009 AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ações educativas destinadas ao desenvolvimento de competências necessárias

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Graduação e Educação Profissional - DIRGRAD Departamento de Educação Campus XXXXXXX ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

Plano Nacional de Educação

Plano Nacional de Educação A c o n s t r u ç ã o d e m o c r á t i c a d a p o l í t i c a e d u c a c i o n a l Plano Nacional de Educação Sistema Nacional de Educação A c o n s t r u ç ã o d e m o c r á t i c a d a p o l í t i

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes SUPRSTRUTUR s estruturas dos edifícios, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade é suportar e distribuir as cargas, permanentes e acidentais, atuantes

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

Construção Civil I Execução de Fundações Diretas

Construção Civil I Execução de Fundações Diretas Construção Civil I Execução de Fundações Diretas Introdução Elementos Estruturais - ESQUEMA Introdução Escolha do tipo de fundação Custo da etapa de fundações varia entre 3% e 7% do custo total do empreendimento;

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 013/CT/2013 Assunto: Solicitação de Parecer Técnico acerca de critérios para abertura e funcionamento de Curso de Instrumentação Cirúrgica. I - Do Fato Solicitado Parecer Técnico ao

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. CARGA HORÁRIA: 80 h/a TURNO: Manhã TURMA: EDI 01/T6 DIRETOR(A) GERAL DO Marcelo Eder Lamb

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. CARGA HORÁRIA: 80 h/a TURNO: Manhã TURMA: EDI 01/T6 DIRETOR(A) GERAL DO Marcelo Eder Lamb EIXO TECNOLÓGICO: CURSO: Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial ( ) PROEJA (

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica.

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. ENSINO FUNDAMENTAL De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. Art. 32 "o Ensino Fundamental, com duração mínima de oito

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

Curso de especialização em Educação Profissional Integrada à Educação Básica na modalidade de Educação de Jovens e Adultos

Curso de especialização em Educação Profissional Integrada à Educação Básica na modalidade de Educação de Jovens e Adultos Curso de especialização em Educação Profissional Integrada à Educação Básica na modalidade de Educação de Jovens e Adultos GRADE CURRICULAR Eixo I: Concepções, princípios e práticas da Educação Profissional

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo Disciplina: EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO professor: Manuel Vitor critério de avaliação: (P1 + P2)/2 + 0,2xSemin. Programa: - leitura, interpretação

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR INFORMAÇÕES GERAIS: Denominação: Curso Técnico em Infraestrutura Escolar Eixo Tecnológico: Apoio Educacional Titulação Conferida:

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N.º 7.569, DE 2.006 (Do Poder Executivo)

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N.º 7.569, DE 2.006 (Do Poder Executivo) COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N.º 7.569, DE 2.006 (Do Poder Executivo) AUTOR: PODER EXECUTIVO RELATOR: DEPUTADO CARLOS ABICALIL Modifica as competências e a estrutura organizacional da

Leia mais

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO AS PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA UM CURRÍCULO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Professor Doutor Carlos Henrique Carvalho Faculdade

Leia mais