BNDES. Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BNDES. Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE 2004. www.bndes.gov.br 1"

Transcrição

1 BNDES Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE

2 INVESTIR EM INFRA-ESTRUTURA, PARA QUE? Para melhorar a atual infra-estrutura nacional, que em certos casos pode ser considerada caótica Para expandir e aperfeiçoar o sistema logístico nacional, imperativo para: Eliminação de gargalos de estrangulamento Aumento da atividade empresarial e de sua competitividade, nas diversas regiões do país Aumento da capacidade exportadora nacional, principalmente de matérias primas - papel reservado pelos países ricos para os demais países Geração de emprego e renda de maneira mais desconcentrada na vasta amplidão do país 2

3 EXISTE DISPONIBILIDADE DE RECURSOS PARA FINANCIAR A INFRA-ESTRUTURA NACIONAL 3

4 SISTEMA BNDES DESEMBOLSOS EM INFRA-ESTRUTURA - 1 R$ milhões CRESCIMENTO % / /03 previsão previsão INFRA-ESTRUTURA ,8% 66,7% TOTAL DESEMBOLSO ,0% 34,8% Participação (%) INFRA-ESTRUTURA/TOTAL 34,0% 28,5% 35,3% Participação % Desembolso BNDES/ PIB corrente INFRA-ESTRUTURA/ PIB 1,0% 0,7% TOTAL / PIB 2,8% 2,3%

5 SISTEMA BNDES DESEMBOLSOS EM INFRA-ESTRUTURA Previsão 2004 Acréscimo R$ milhões % R$ milhões % 2004/03 % TOTAL INFRA -ESTRUTURA ,5 100,0% ,0 100,0% 67% Energia 5.045,8 50,4% 8.022,2 48,1% 59% Transportes 3.476,6 34,7% 4.908,0 29,4% 41% Construção 806,8 8,1% 1.163,0 7,0% 44% Telecomunicações 250,9 2,5% 1.048,5 6,3% 318% Outros 425,4 4,3% 1.538,3 9,2% 262% % INFRA-ESTRUTURA NO TOTAL BNDES 29% 35% 5

6 SISTEMA BNDES DESEMBOLSOS EM INFRA-ESTRUTURA - 3 PRIMEIRO TRIMESTRE JAN/MAR 2004 Crescimento R$ milhões em % % 04/03 INFRA-ESTRUTURA % 31% Energia Elétrica % -3% Outros Transportes % 13% Construção % 277% Telecomunicações 105 6% 774% Transporte Aquaviário 56 3% 101% Outros 47 3% -7% TOTAL DESEMBOLSO % % INFRA / TOTAL 22,1%

7 EXISTEM PROJETOS DEFINIDOS PARA O SETOR DE INFRA-ESTRUTURA. A PARTICIPAÇÂO CONJUNTA DOS SETORES PÚBLICO E PRIVADO É NECESSÁRIA PARA SE ATINGIR AS METAS ALMEJADAS 7

8 PROGRAMA PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS - PPA DIRETRIZES E METAS DE INFRA-ESTRUTURA NACIONAL - 1 PETRÓLEO E GÁS: Atendimento da auto-suficiência do país até 2006, e crescimento, a partir de 2007, da exportação líquida do setor. Aumento da produção de petróleo dos atuais 1,6 milhões para 2,2 milhões de barris/dia em 2007 Expansão da capacidade de refino de petróleo dos atuais 1,62 para 1,85 milhões de barris/dia em 2007 Expansão da rede de dutos em 2480 km até 2007 Disponibilização de 34,5 milhões de m3/dia de gás natural ELETRICIDADE: Redução do risco de deficit de atendimento ; universalização dos serviços Aumento da capacidade de geração de eletricidade de 84,6 GW (2003) para 141,1 GW (2007) Aumento da linhas de transmissão da rede básica de 79,4 mil km (2003) para 91,8 mil km (2007) Atendimento adicional de 1,7 milhões de consumidores rurais até 2007 ( 85% das unidades rurais não atendidas por eletricidade em 2003) 8

9 PROGRAMA PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS - PPA DIRETRIZES E METAS DE INFRA-ESTRUTURA NACIONAL - 2 TRANSPORTES E LOGÍSTICA: Obtenção de melhores condições físicas e operacionais ; término dos projetos em andamento ; implantação de novos projetos para eliminar pontos críticos de estrangulamento Manutenção de 43 mil km de rodovias (2007) Reparos de 23 mil km de rodovias (2007) Construção de 5,5 km de rodovias (até 2007) Construção de 2,4 mil km de ferrovias (até 2007) Melhoria de condições de navegabilidade em 10 mil km de hidrovias (até 2007) Expansão da capacidade portuária em 200 milhões de toneladas anuais até 2007 RECURSOS HÍDRICOS Aumento significativo do suprimento de água em regiões semi-áridas Revitalização e integração de bacias, envolvendo um fluxo de 75 m3/s, beneficiando 1,6 milhões de habitantes até 2007 Suprimento de água potável para 200 localidades na região do Semi-Árido, beneficiando 3,7 milhões de habitantes Aumento da rede de captação e distribuição de água : 2,0 mil km até 2007 (PROÁGUA) Expansão em 83% da atual área de agricultura irrigada para desenvolvimento regional, até

10 INVESTIMENTOS - PPA FINANCIAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA NACIONAL Por setor e origem de recursos R$ Bilhões Parcerias Orçamento TOTAL Estatais Financ. Financ. Fiscal Público Privado Eletricidade, Petróleo e Gás 129,2 40,5 33,9 3,6 207,2 Transportes e Logística 6,0 21,4 2,4 11,2 41,0 Saneamento e Infra-estrutura Urbana n/d 18,5 n/d 4,1 22,6 Habitação n/d 18,8 n/d 2,8 21,6 Infra-estrutura hídrica - Integração n/d n/d n/d 5,9 5,9 TOTAL 135,2 99,2 36,3 27,7 298,3 10

11 BNDES PLANO DE AÇÃO RECUPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INFRA-ESTRUTURA NACIONAL Implementação dos Projetos do Programa Plurianual do Governo Federal PPA, envolvendo: Atendimento à demanda de crédito para o setor de infra-estrutura nacional, através de apoio a : 1. Base energética nacional : - 8 projetos de hidreletricidade UHE s ( : MW); -18 linhas de transmissão da rede básica ( LT s : 3500 km, dos quais 43% já licitados); - 60 Pequenas Centrais Hidroelétricas ( PCH s : MW ) ; - financiamento / capitalização de empresas distribuidoras de eletricidade - projetos de unidades termo-elétricas - projetos de energia de fonte eólica e de biomassa 2.Desenvolvimento e universalização dos serviços de telecomunicações 11

12 BNDES PLANO DE AÇÃO Expansão do setor de petróleo e gás: -Apoio à Petrobras na construção de três novas Plataformas, com estabelecimento de Índices Mínimos de Nacionalização de Bens. - Projetos de expansão da capacidade de refino de petróleo - Construção de 18 novas embarcações de apoio à exploração de petróleo -Jumborização de 21 embarcações existentes - Investimentos de 9 distribuidoras estaduais de gás natural - Implantação de 4 novos gasodutos de transporte e 2 de produção. 4. Infra-estrutura logística nacional : - Início de construção de novos petroleiros - Expansão e modernização das empresas do setor ferroviário do país, inclusive com reestruturação financeira/operacional. 5.Universalização 4. dos Sistemas de Água e Esgoto - Apoio aos projetos PPP do Governo Federal para o setor - Aplicação de recursos em conjunto com a Caixa Econômica Federal CEF 6.Desenvolvimento e preservação do meio ambiente, promovendo continuidade aos projetos de despoluição do Rio Guandu, da Bacia do Rio Paraíba do Sul, da Baía de Guanabara e da Bacia do Rio Piracicaba. 7. Desenvolvimento urbano: -Apoio aos projetos PPP do Governo Federal para o setor -Projetos integrados de tratamento de resíduos sólidos -Projetos de implantação, modernização e expansão de sistemas de transporte de grande capacidade nas regiões metropolitanos e grandes aglomerados urbanos 12

13 BNDES CARTEIRA OPERACIONAL DE PROJETOS (*) Dezembro 2003 Qtde Valores em R$ milhões % Financiamento Investimento VF/IT TOTAL - AIE % Energia Elétrica % Petróleo e Gás % Logística % Telecomunicações % Renda Variável % (*) Operações com carta-consulta, enquadradas, em análise, aprovadas e contratadas em fase de desembolso Não estão incluídas as operações do Programa Emergencial de Energia Elétrica. 13

14 O BNDES E O FINANCIAMENTO À INTEGRAÇÃO SULAMERICANA EM PROJETOS DE INTERESSE BILATERAL E/OU REGIONAL 14

15 INTEGRAÇÃO ECONÔMICA DA AMÉRICA DO SUL LINHAS DE AÇÃO DO BNDES Análise e apoio a projetos voltados para integração econômica da América do Sul e dos países do MERCOSUL, em participação conjunta com outros financiadores da região (CAF, BID, FONPLATA,...) Desenvolvimento e estruturação de projetos de integração física sulamericana, em especial os oriundos do seminário BNDES/CAF (agosto/2003) inclusive com formas inovadoras de apoio financeiro e de cooperação entre as instituições Oferta de mecanismos de crédito facilitadores de trocas comerciais através da revitalização de instrumentos de garantia tradicionais como o CCR e de outros instrumentos de garantia, focados na integração das cadeias produtivas em âmbito regional, combinando principalmente o estímulo à substituição competitiva das importações de origem extra-zona e o apoio à formação de alianças empresariais estratégicas. Apoio à dinamização do comércio entre os países da região 15

16 EXISTEM, PORÉM, DIFICULDADES PARA SE CHEGAR A RESULTADOS RÁPIDOS, NA CONCRETIZAÇÃO DESSES PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA. AS DIFICULDADES ESTÃO SENDO CONTORNADAS 16

17 PROVIDÊNCIAS EM ANDAMENTO, NECESSÁRIAS PARA ATRAÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA INFRA-ESTRUTURA E DO SEU FINANCIAMENTO Aperfeiçoamento do marco regulatório das concessões de serviços públicos Aperfeiçoamento da Lei das Falências Aperfeiçoamento do sistema de garantias no Financiamento de Projetos Lei das Parcerias Público-Privadas Lei das Agências Reguladoras de Serviços Públicos 17

18 PROVIDÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA VIABILIZAÇÃO DO AUMENTO DO INVESTIMENTO PÚBLICO NA INFRA-ESTRUTURA E DO SEU FINANCIAMENTO Distinção, no controle de metas do déficit público, entre investimentos (com o cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal) e as despesas públicas correntes nos seus diversos níveis Revisão das metas exageradamente restritivas de déficit público Melhoria gradual do limite de endividamento das instituições financeiras para empréstimos destinados a investimentos em infra-estrutura do setor público 18

19 CONCLUINDO: A ATENUAÇÃO DO QUADRO DE DESIGUALDADE E MISÉRIA NA SOCIEDADE BRASILEIRA ESTÁ DIRETAMENTE CONECTADA AOS INVESTIMENTOS NA INFRA-ESTRUTURA NACIONAL, POR SEUS EFEITOS MULTIPLICADORES NA GERAÇÃO DE RENDA E DE NOVOS EMPREGOS 19

ATENÇÃO. www.bndes.gov.br 1

ATENÇÃO. www.bndes.gov.br 1 ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP.

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 INTRODUÇÃO Há três iniciativas simultâneas

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO A RMRJ NO CONTEXTO NACIONAL: ATUALMENTE EXISTEM 41 REGIÕES METROPOLITANAS NO BRASIL, SENDO QUE 21 POSSUEM MAIS DE 1 MILHÃO DE HABITANTES,

Leia mais

Os grandes balizamentos estabelecidos para condução dos negócios estão descritos a seguir:

Os grandes balizamentos estabelecidos para condução dos negócios estão descritos a seguir: O Plano Estratégico 2015-2030 Em setembro de 2012, a Medida Provisória 579/12, convertida na Lei 12.783, de 11/01/2013, estabeleceu a forma de prorrogação dos contratos de concessão de geração, transmissão

Leia mais

6 O Modal Ferroviário na Matriz de Transportes e o Transporte Ferroviário de Combustíveis

6 O Modal Ferroviário na Matriz de Transportes e o Transporte Ferroviário de Combustíveis 6 O Modal Ferroviário na Matriz de Transportes e o Transporte Ferroviário de Combustíveis O setor ferroviário participou com 20,86% na matriz de transporte de carga geral do Brasil no ano de 2000, considerando

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO Estratégias de Desenvolvimento em Minas Gerais Raphael Guimarães Andrade Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais Belo Horizonte, 09 de outubro

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Integração física e econômica da região

APRESENTAÇÃO. Integração física e econômica da região APRESENTAÇÃO O seminário Logística para o Desenvolvimento do Nordeste, realizado no âmbito do CONSEPLAN/NE, no dia 14 de maio de 2012, na cidade de Salvador/BA, teve por objetivo identificar projetos e

Leia mais

2 O Mercado de Gás Natural

2 O Mercado de Gás Natural 2 O Mercado de Gás Natural 2.1 Reservas e Oferta de Gás Natural Em 2004, as reservas provadas de gás natural ficaram em torno de 326,1 bilhões m³, um aumento de 32,9% em relação a 2003, e serão expandidas,

Leia mais

Redução da Pobreza no Brasil e Financiamento de Infra-Estrutura

Redução da Pobreza no Brasil e Financiamento de Infra-Estrutura Apresentação na Conferência Building Opportunity for the Majority, IADB Redução da Pobreza no Brasil e Financiamento de Infra-Estrutura Políticas do Governo e o Papel do BNDES Demian Fiocca Presidente

Leia mais

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Guido Mantega Presidente do BNDES Setembro 2005 A economia brasileira reúne condições excepcionais para impulsionar um novo Ciclo de Desenvolvimento Quais são as

Leia mais

BNDES e o Financiamento para Indústrias Ferroviárias no Brasil

BNDES e o Financiamento para Indústrias Ferroviárias no Brasil BNDES e o Financiamento para Indústrias Ferroviárias no Brasil Demian Fiocca Presidente do BNDES Apresentação para a Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários Brasília, 7 de junho de 2006 www.bndes.gov.br

Leia mais

Programa de Gestão Metropolitana de Resíduos. Seminário A implantação das políticas de resíduos sólidos ABES 06. jun 2013

Programa de Gestão Metropolitana de Resíduos. Seminário A implantação das políticas de resíduos sólidos ABES 06. jun 2013 Programa de Gestão Metropolitana de Resíduos Seminário A implantação das políticas de resíduos sólidos ABES 06. jun 2013 AS REGIÕES METROPOLITANAS Proximidade e ocorrência de conurbação Compartilhamento

Leia mais

III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira 2013. www.aptel.com.br

III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira 2013. www.aptel.com.br III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira 2013 Criação do fundo setorial CT ENERG (1999) Lei 9.991/2000 determina às concessionárias realizar investimentos mínimos em P&D Lei da Inovação

Leia mais

Desenvolvimento da Infra-Estrutura de Transportes: Perspectivas e Desafios

Desenvolvimento da Infra-Estrutura de Transportes: Perspectivas e Desafios Desenvolvimento da Infra-Estrutura de Transportes: Perspectivas e Desafios José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente da CNI Presidente do Conselho de Infra-Estrutura da CNI Brasília, 28 de novembro de

Leia mais

Financiamento ao Agronegócio

Financiamento ao Agronegócio Financiamento ao Agronegócio O papel do cooperativismo no crédito e na produção agrícola Sicredi SICREDI EM NÚMEROS Mais de 3 milhões de associados 18,5 mil colaboradores Presente em 11 Estados Mais de

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Processo de seleção para Analistas Temáticos A SPI está reestruturando sua atuação, buscando reforçar

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS DAC N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS DAC N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO 2 ÍNDICE I PERFIL DA EMPRESA...3 II CONTEXTO...4 III SERVIÇOS...4 IV -

Leia mais

Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial PORTO 12/11/2014

Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial PORTO 12/11/2014 Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial PORTO 12/11/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES Medellin Cali Barranquila

Leia mais

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015 Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 11 de novembro de 2014 1 Parâmetros macroeconômicos para 2015 PIB real 3,0% PIB Nominal R$ 5.765,5 bilhões Salário

Leia mais

Ministério de Minas e Energia

Ministério de Minas e Energia PLANO NACIONAL DE ENERGIA HORIZONTE 2030 Altino Março Ventura de 2007 Filho Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético SPE/MME LAS / ANS SYMPOSIUM 2008 SETOR ENERGÉTICO PROCESSO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

Experiência de Pernambuco na atração de investimentos

Experiência de Pernambuco na atração de investimentos Experiência de Pernambuco na atração de investimentos O que é Pernambuco? Um dos estados que mais cresce e gera empregos no País Em 2012, o PIB estadual teve crescimento de 2,3% e o nacional 0,9%. Entre

Leia mais

Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas. Ministério do Planejamento

Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas. Ministério do Planejamento Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas PPA 2012-2015 Agenda 1. O PPA 2012-2015 2. Princípios 3. Dimensões do Plano 4. Principais Mudanças 5. Estrutura e Conceitos 6. Elaboração do PPA 1. O PPA

Leia mais

Infra-estrutura de Transporte de Gás Natural no Brasil e Interconexão nos Países do Cone Sul

Infra-estrutura de Transporte de Gás Natural no Brasil e Interconexão nos Países do Cone Sul Mesa Redonda sobre Energia e o Mercado de Carbono no Cone Sul Infra-estrutura de Transporte de Gás Natural no Brasil e Interconexão nos Países do Cone Sul José Cesário Cecchi Tathiany Rodrigues Moreira

Leia mais

Perspectivas de la industria

Perspectivas de la industria Perspectivas de la industria i Brasil a mediano y largo plazo Fabio Trigueirinho Secretário Geral ABIOVE - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Rosario Argentina 14 de Setembro de 2011

Leia mais

AGENDA DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA

AGENDA DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Gerência de Gestão Ambiental Urbana e Territorial AGENDA DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA Cidades Sustentáveis são pautadas em três

Leia mais

BANCO DO NORDESTE OVINOCAPRINOCULTURA -PRONAF

BANCO DO NORDESTE OVINOCAPRINOCULTURA -PRONAF BANCO DO NORDESTE OVINOCAPRINOCULTURA -PRONAF Fortaleza(CE)., 07 de maio de 2014 Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO OPORTUNIDADES E DESAFIOS LOGÍSTICOS ABRIL DE 2009 BRASIL - Em mil toneladas - EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO FLORESTAL 1997 2006 variações Celulose l e Papel 3.834 8.232 114,70% Madeira

Leia mais

Financiamento do BNDES à Eficiência Energética

Financiamento do BNDES à Eficiência Energética Financiamento do BNDES à Eficiência Energética Congresso Brasileiro de Eficiência Energética (COBEE) São Paulo, 25 e 26 de Agosto de 2015 José Guilherme Cardoso Chefe de Departamento Área de Meio Ambiente

Leia mais

Gestão Estratégica. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira. Análise Estratégica de uma Organização

Gestão Estratégica. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira. Análise Estratégica de uma Organização Administração e Organização - Análise Estratégica: Brasil marcopereira@usp.br Análise Estratégica de uma Organização Realidade Brasil: Crescimento Médio Anual da Produtividade (Fonte: IPEA) Realidade:

Leia mais

Não Renovável. Renovável. Ondas. Ondas. Solar. Solar. Petróleo. Petróleo. Gás Natural Biomassa. Gás Natural. Biomassa. Nuclear. Hídrica.

Não Renovável. Renovável. Ondas. Ondas. Solar. Solar. Petróleo. Petróleo. Gás Natural Biomassa. Gás Natural. Biomassa. Nuclear. Hídrica. Fontes de Energia Ondas Solar Ondas Solar Biomassa Renovável Hídrica Geotérmica Eólica Petróleo Gás Natural Biomassa Nuclear Hídrica Geotérmica Eólica Carvão Petróleo Gás Natural Não Renovável Nuclear

Leia mais

Financiamento ao Setor de Gás e Petróleo Políticas Operacionais Março/2004

Financiamento ao Setor de Gás e Petróleo Políticas Operacionais Março/2004 Financiamento ao Setor de Gás e Petróleo Políticas Operacionais Março/2004 Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural PROMINP 1º Fórum Regional Rio Grande do Norte 05 de Março

Leia mais

Carlos Alexandre Nascimento LSE Enterprise

Carlos Alexandre Nascimento LSE Enterprise Carlos Alexandre Nascimento LSE Enterprise PROJETO PPPS EM INFRAESTRUTURA SOCIAL NO NORDESTE DO BRASIL SEMINÁRIO PPPS, BANDA LARGA E INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS APLICADAS AOS SERVIÇOS PÚBLICOS: EXPERIÊNCIAS

Leia mais

OLIVEIRA TRUST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

OLIVEIRA TRUST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. MAIO Rio de Janeiro, 27 de maio de 2013. À OLIVEIRA TRUST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (na qualidade de administradora do TRX Realty Logística Renda I Fundo de Investimento Imobiliário

Leia mais

Banco do Brasil e o Agronegócio. Fevereiro 2012

Banco do Brasil e o Agronegócio. Fevereiro 2012 Banco do Brasil e o Agronegócio Fevereiro 2012 Banco do Brasil e o Agronegócio 61,6% do Crédito Rural/Agroindustrial no País (SNCR 30.09.2011); 77% dos valores aplicados no Pronaf (SNCR); 1,4 milhões de

Leia mais

Os Projetos Estratégicos das Forças Armadas: contribuição ao desenvolvimento nacional.

Os Projetos Estratégicos das Forças Armadas: contribuição ao desenvolvimento nacional. DEPARTAMENTO DA INDÚSTRIA DE DEFESA COMDEFESA FIESP Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Os Projetos Estratégicos das Forças Armadas: contribuição ao desenvolvimento nacional. Sergio Vaquelli

Leia mais

... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia!

... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia! Fontes Renováveis e a Expansão da Oferta de Energia Elétrica Set/2015... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia! Blackout New York 14, August 2003 COGEN Associação da Indústria

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO ESTADO DE SÃO PAULO 1

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO ESTADO DE SÃO PAULO 1 OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO ESTADO DE SÃO PAULO 1 Estratégicos Expresso Bandeirantes - São Paulo Patrocinador: Secretaria de Transportes Metropolitanos - STM Valor: US$ 1.5 Bilhões Localização: Ligação

Leia mais

Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS

Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS Sustentabilidade Contexto Aumento no número de pessoas Maior quantidade de recursos explorados Produção e consumo: compras

Leia mais

O direito humano à água

O direito humano à água Seminário: Democratização da política de serviços de saneamento básico por meio de inovações sociotécnicas. Lições para enfrentar os desafios O direito humano à água Francisco Lopes Secretário Executivo

Leia mais

Urbanização Brasileira. Professora: Jordana Costa

Urbanização Brasileira. Professora: Jordana Costa Urbanização Brasileira Professora: Jordana Costa As cidades e a urbanização brasileira. Até os anos 1950 População predominantemente rural. Entre as décadas de 1950 e 1980, milhões de pessoas migraram

Leia mais

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria C, T & I e a Defesa Nacional: A visão da indústria C,T&I e a Defesa: a visão da indústria A indústria e a Defesa Nacional Os desafios de C,T&I no País e a visão da CNI para a Política de Inovação Os desafios

Leia mais

PLANEJAMENTO INTEGRADO E PARTICIPATIVO OFICINAS PÚBLICAS. Ciclo B SUSTENTABILIDADE FASE DE PROPOSIÇÕES. Loca e Data aqui

PLANEJAMENTO INTEGRADO E PARTICIPATIVO OFICINAS PÚBLICAS. Ciclo B SUSTENTABILIDADE FASE DE PROPOSIÇÕES. Loca e Data aqui Região Metropolitana de Belo Horizonte. Maio de 2010 PLANEJAMENTO INTEGRADO E PARTICIPATIVO OFICINAS PÚBLICAS Ciclo B SUSTENTABILIDADE FASE DE PROPOSIÇÕES Uma RMBH melhor hoje e no futuro Qual é a metrópole

Leia mais

UMA DÉCADA DE TRANSFORMAÇÃO NA INFRA ESTRUTURA

UMA DÉCADA DE TRANSFORMAÇÃO NA INFRA ESTRUTURA UMA DÉCADA DE TRANSFORMAÇÃO NA INFRA ESTRUTURA Rodovias O Brasil tem 165 mil quilômetros de estradas pavimentadas, mas tem também 1,6 milhão de quilômetros ainda sem asfalto. Nos últimos dez anos, ano

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Malha Rodoviária do Estado de São Paulo Data Base: outubro/2010 Rodovias Concedidas no Estado de São Paulo Extensão de Rodovias Estaduais Concedidas 4.988 km + 1162 km de acessos e dispositivos Associação

Leia mais

3. CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO E O PROCESSO DE PLANEJAMENTO

3. CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO E O PROCESSO DE PLANEJAMENTO 34 3. CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO E O PROCESSO DE PLANEJAMENTO 3.1 CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO A cadeia de suprimentos do petróleo envolve todas as atividades logísticas relacionadas a um bom

Leia mais

O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY. IV Fórum da Reforma do Estado - São Paulo Set. 2005

O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY. IV Fórum da Reforma do Estado - São Paulo Set. 2005 O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY A Importância de Serviço Civil Estruturado Bens e Serviços Públicos Governança Reforma da Política Econômica Gasto Público Sustentabilidade Fiscal Fonte:

Leia mais

Infraestrutura e Parceria para o Desenvolvimento Formação em Alianças Público-Privadas

Infraestrutura e Parceria para o Desenvolvimento Formação em Alianças Público-Privadas Infraestrutura e Parceria para o Desenvolvimento Formação em Alianças Público-Privadas CONCESSÕES NO SETOR DE INFRAESTRUTURA: PROPOSTAS PARA ATRAÇÃO DE CAPITAL ESTRANGEIRO A PARTIR DE EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS

Leia mais

Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia

Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia Quando analisamos de perto os investimentos do BNDES nos itens de infraestrutura, logística e energia, fica evidente que há uma

Leia mais

Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro

Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro Manaus, 14 de junho de 2006 Eduardo Martins Antecedentes e Pressupostos O aumento da demanda por energia influenciará a consolidação dos países emergentes

Leia mais

Estruturação de Projetos no BNDES. Henrique Amarante da Costa Pinto Superintendente da Área de Estruturação de Projetos (AEP) Abril/2012

Estruturação de Projetos no BNDES. Henrique Amarante da Costa Pinto Superintendente da Área de Estruturação de Projetos (AEP) Abril/2012 Estruturação de Projetos no BNDES Henrique Amarante da Costa Pinto Superintendente da Área de Estruturação de Projetos (AEP) Abril/2012 Atuação do BNDES Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 24

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 24 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota Metodológica nº 24 Tabelas Comparativas (versão para informação e comentários)

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO: Maio/2016. Produtividade e Infraestrutura PESQUISA DE PRODUTIVIDADE

RELATÓRIO TÉCNICO: Maio/2016. Produtividade e Infraestrutura PESQUISA DE PRODUTIVIDADE RELATÓRIO TÉCNICO: Maio/2016 Produtividade e Infraestrutura PESQUISA DE PRODUTIVIDADE SOBRE A EQUIPE TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL (FDC) COORDENAÇÃO TÉCNICA DA PESQUISA DE PRODUTIVIDADE: Hugo Ferreira

Leia mais

PRODUÇÃO DE BIODIESEL. Montes Claros MG

PRODUÇÃO DE BIODIESEL. Montes Claros MG PRODUÇÃO DE BIODIESEL Montes Claros MG 1 Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) 1- Objetivos e Diretrizes O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) é um programa interministerial

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA MINHA CASA MINHA VIDA

PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA MINHA CASA MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA MINHA CASA MINHA VIDA APEOP, 22/04/2009 OBJETIVO DO PROGRAMA Subsidiar a aquisição de IMÓVEL NOVO para os segmentos populacionais de menor renda Política Social Aumentar

Leia mais

Oportunidade. para quem mais precisa

Oportunidade. para quem mais precisa Oportunidade para quem mais precisa 1.1 Estratégia de atuação 1 O que é o Programa Vida Melhor? Até 2015, um conjunto de ações será trabalhado com 120 mil famílias na área urbana e 280 mil famílias no

Leia mais

Aumentos de produtividade para garantir o ciclo de desenvolvimento. virtuoso em curso no Brasil

Aumentos de produtividade para garantir o ciclo de desenvolvimento. virtuoso em curso no Brasil Aumentos de produtividade para garantir o ciclo de desenvolvimento virtuoso em curso no Brasil Cézar Manoel de Medeiros 1 Estas notas introdutórias pretendem chamar a atenção para a importância estratégica

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

I - Objetivos do INOVA MINERAL

I - Objetivos do INOVA MINERAL CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO FINEP/BNDES DE DESENVOLVIMENTO, SUSTENTABILIDADE E INOVAÇÃO DO SETOR DE MINERAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO MINERAL INOVA MINERAL I - Objetivos do INOVA MINERAL O Inova Mineral é

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL

PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL 2010 Produto Interno Bruto - PIB Corresponde ao valor a preços de mercado, de todos os bens e serviços finais produzidos em um território, num determinado período

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL: UMA VISÃO GERAL. Agosto/2007

GESTÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL: UMA VISÃO GERAL. Agosto/2007 GESTÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL: UMA VISÃO GERAL Agosto/2007 Quantidade de Resíduos Sólidos Urbanos Gerada e Coletada em 2005 (ton/dia) Macroregião RSU gerado (ton/dia) Ìndice de Coleta (%) RSU coletado (ton/dia)

Leia mais

Cooperação e Parceria com Governos Estaduais e/ou Municipais para contratação do PMCMV

Cooperação e Parceria com Governos Estaduais e/ou Municipais para contratação do PMCMV Cooperação e Parceria com Governos Estaduais e/ou Municipais para contratação do PMCMV Objetivo Geral Assinatura de Cooperação e Parceria com Governos Estaduais e/ou Municipais para contratação no Programa

Leia mais

ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014

ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014 ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014 CENÁRIO INTERNACIONAL VARIAÇÃO ANUAL DO PIB REAL E DO VOLUME DE COMÉRCIO DE MERCADORIAS POR REGIÃO - 2011-2013 (%) (%) (%) CRESCIMENTO DO VOLUME DE IMPORTAÇÃO

Leia mais

Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008

Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008 Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008 São Paulo, 30 de abril de 2008. Confab Industrial S.A. (BOVESPA:CNFB4), uma empresa Tenaris, anunciou hoje os resultados correspondentes ao primeiro

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Palestra Introdutória

Energia Solar Fotovoltaica: Palestra Introdutória Energia Solar Fotovoltaica: Palestra Introdutória Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo Talk Show - Brazil Solar Power Rio de Janeiro (RJ) 28/10/2015 Focos Principais Representar e promover o setor

Leia mais

Globalização e Internacionalização. Prof. Doutora Maria José Sousa

Globalização e Internacionalização. Prof. Doutora Maria José Sousa Globalização e Internacionalização 1 Prof. Doutora Maria José Sousa Globalização A globalização é um processo de interação e integração entre as pessoas, empresas e governos de diferentes nações. Processo

Leia mais

O setor florestal no mundo

O setor florestal no mundo O setor florestal no mundo Segmentos: Energia térmica Produtos sólidos de madeira Celulose de mercado Papel O setor florestal no mundo Comércio internacional de produtos florestais: US$ 290 bilhões / ano

Leia mais

Plataforma Logística de Santos Dimensão Sistêmica Visão da ADTP COMUS. ADTP Carlos Schad

Plataforma Logística de Santos Dimensão Sistêmica Visão da ADTP COMUS. ADTP Carlos Schad Plataforma Logística de Santos Dimensão Sistêmica Visão da ADTP COMUS ADTP Carlos Schad INFRA-ESTRUTURA NÃO É CONCRETO POSTE TRILHO ASFALTO FIO INFRA-ESTRUTURA É O MAIOR MERCADO DO MUNDO US$ 26 A US$ 32

Leia mais

Pesquisa, Inovação e Capacitação em Energia a experiência da FGV. Paulo César Cunha FGV Energia

Pesquisa, Inovação e Capacitação em Energia a experiência da FGV. Paulo César Cunha FGV Energia Pesquisa, Inovação e Capacitação em Energia a experiência da FGV Paulo César Cunha FGV Energia Há 70 anos a FGV nasceu com o objetivo de preparar pessoal qualificado para a administração pública e privada

Leia mais

Tema: Alternativas de Financiamento para o Saneamento. A Experiência da Sabesp. Dalmo Nogueira Filho Presidente da SABESP

Tema: Alternativas de Financiamento para o Saneamento. A Experiência da Sabesp. Dalmo Nogueira Filho Presidente da SABESP Tema: Alternativas de Financiamento para o Saneamento A Experiência da Sabesp Dalmo Nogueira Filho Presidente da SABESP A SABESP Maior empresa de saneamento da América Latina, estando entre as maiores

Leia mais

LISTA 5A. 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro

LISTA 5A. 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 1 LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Produto potencial, produto efetivo e produtividade 2) Determinantes da produção e da produtividade de um país 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança,

Leia mais

Aula 16 assíncrona Conteúdo:

Aula 16 assíncrona Conteúdo: Aula 16 assíncrona Conteúdo: Fontes alternativas de energia: eólica e nuclear. Fontes alternativas de energia: Solar e biogás Habilidade: Valorizar os progressos da química e suas aplicações como agentes

Leia mais

Audiência Pública. Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia (CINDRA) Novembro de 2015

Audiência Pública. Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia (CINDRA) Novembro de 2015 Audiência Pública Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia (CINDRA) Novembro de 2015 OBJETIVO No Brasil as empresas do Grupo AMX estão prontas para atender as necessidades

Leia mais

339039 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica Total do Localizador Físico Servidor capacitado (Unidade)

339039 Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica Total do Localizador Físico Servidor capacitado (Unidade) Orçamento 1 Poder Legislativo Esfera/Programa/Acão/Localizador/NatDesp Função Subfunção/Fonte 1 01101 ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAZONAS 3168 CAPACITAÇÃO DO SERVIDOR PÚBLICO 2002 Capacitação

Leia mais

PMA / SENAI / REPAR - ARAUCÁRIA O SUCESSO DE UMA PARCERIA PÚBLICO PRIVADA

PMA / SENAI / REPAR - ARAUCÁRIA O SUCESSO DE UMA PARCERIA PÚBLICO PRIVADA PMA / SENAI / REPAR - ARAUCÁRIA O SUCESSO DE UMA PARCERIA PÚBLICO PRIVADA PMA/SMTE ARAUCÁRIA/PR ARAUCÁRIA/PR Localização- Região Metropolitana de Curitiba População - 111.952 hab (IBGE/2007) Economia -

Leia mais

A Marinha Mercante do Brasil

A Marinha Mercante do Brasil A Marinha Mercante do Brasil Setembro/ 2016 Sobre o Syndarma Fundado em 5 de outubro de 1934, é a representação oficial da navegação marítima comercial do Brasil. Abriga duas associações: ABAC Associação

Leia mais

Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II. Sistemas de força e energia. Aula 02

Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II. Sistemas de força e energia. Aula 02 Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II Sistemas de força e energia Aula 02 Consumo pro região Usina Hidrelétrica Usina Nuclear Estrutura do setor elétrico Distribuição - A conexão e atendimento

Leia mais

Seminário Universalização do saneamento: Desafios e metas para o setor

Seminário Universalização do saneamento: Desafios e metas para o setor Seminário Universalização do saneamento: Desafios e metas para o setor A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento ASSEMAE É uma organização nãogovernamental, sem fins lucrativos, fundada

Leia mais

Marcelo Mesquita Secretário Executivo

Marcelo Mesquita Secretário Executivo P&D e Eficiência Energética Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética Marcelo Mesquita Secretário Executivo Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética Consumo Nacional e o PIB Quando

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SANEAMENTO AMBIENTAL

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SANEAMENTO AMBIENTAL EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SANEAMENTO AMBIENTAL Rio de Janeiro - Março 2013 Sumário 1 - Panorama Brasileiro 2 - Panorama do Setor de Saneamento 3 - Procel Sanear 4 - Procel Sanear Objetivos 5 - Procel Sanear

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 43- Janeiro/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em outubro de 2014, alta de 5,4% em relação ao

Leia mais

ENASE 2007 TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO

ENASE 2007 TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO ENASE 2007 A EXPANSÃO DA OFERTA E A SEGURANÇA DO ABASTECIMENTO TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO SETEMBRO DE 2007 SEGMENTO DA TRANSMISSÃO Dois mundos: Expansão / novas instalações

Leia mais

Desenvolvimento Tecnológico em Biocombustíveis

Desenvolvimento Tecnológico em Biocombustíveis Desenvolvimento Tecnológico em Biocombustíveis Juliana Vaz Bevilaqua Coordenadora de Gestão Tecnológica Petrobras Biocombustível S/A Abril 2009 A Petrobras Em suas mais de100 plataformas de produção, e

Leia mais

Jaboatão dos Guararapes no contexto regional. Tania Bacelar Professora da UFPE Sócia da Ceplan- Consultoria econômica e planejamento

Jaboatão dos Guararapes no contexto regional. Tania Bacelar Professora da UFPE Sócia da Ceplan- Consultoria econômica e planejamento Jaboatão dos Guararapes no contexto regional Tania Bacelar Professora da UFPE Sócia da Ceplan- Consultoria econômica e planejamento Jaboatão dos Guararapes, setembro de 2012 ROTEIRO Um olhar no contexto

Leia mais

Terminais Portuários nos Portos Organizados

Terminais Portuários nos Portos Organizados Terminais Portuários nos Portos Organizados Rio de Janeiro, RJ 17 de setembro de 2008 Richard Klien 1985: CODESP inaugura o TECON Santos Fonte: Santos Brasil 1997: Santos-Brasil vence leilão do TECON Santos

Leia mais

Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas

Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas São Paulo, 26 de Junho de 2015 1 Emissões de GEE do Setor Energia, (2013) 2 Milhões de toneladas de CO2e 250 200 150 100 50 Transportes Industrial Geração de

Leia mais

Combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás natural*) Hidroelétricas Energia nuclear Solar Eólica Biomassa

Combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás natural*) Hidroelétricas Energia nuclear Solar Eólica Biomassa Combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás natural*) Hidroelétricas Energia nuclear Solar Eólica Biomassa São substâncias de origem compostos de carbono mineral, formados pelos São originados

Leia mais

Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/2017. Alimentos Saudáveis para o campo e a cidade

Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/2017. Alimentos Saudáveis para o campo e a cidade Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/2017 Alimentos Saudáveis para o campo e a cidade Crédito Pronaf R$ 30 bilhões para financiamento da produção de Alimentos Saudáveis Juros mais baixos, redução de

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO Secretaria dos Transportes Metropolitanos Coordenadoria de Planejamento e Gestão CPG Rio de Janeiro - nov/14 Estrutura da Apresentação:

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E SUAS TENDENCIAS

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E SUAS TENDENCIAS O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E SUAS TENDENCIAS inistério da Agricultura, ecuária e Abastecimento. GUSTAVO COSTA DE ALMEIDA ENG. AGRÔNOMO MS C Fotos: Thiago Ventura TENDÊNCIAS MUNDIAIS bilhões 12 8 4

Leia mais

2 A Indústria do Petróleo no Brasil

2 A Indústria do Petróleo no Brasil 2 A Indústria do Petróleo no Brasil Neste capítulo serão apresentados os principais aspectos da indústria de petróleo brasileira na atualidade, assim como também suas principais nomenclaturas, atividades

Leia mais

PRODUÇÃO E DEMANDA DE TRANSPORTE NA HIDROVIA ARAGUAIA - TOCANTINS

PRODUÇÃO E DEMANDA DE TRANSPORTE NA HIDROVIA ARAGUAIA - TOCANTINS Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PRODUÇÃO E DEMANDA DE TRANSPORTE NA HIDROVIA ARAGUAIA - TOCANTINS Brasília (DF), 30 de novembro de 2006. Tendência Crescente de Produção e Volume de

Leia mais

Autoprodução e a Matriz Elétrica Brasileira. Mário Menel Presidente

Autoprodução e a Matriz Elétrica Brasileira. Mário Menel Presidente Autoprodução e a Matriz Elétrica Brasileira Mário Menel Presidente ASSOCIADOS Grandes Autoprodutores Alcoa Alumínio S.A. Belgo Grupo Arcelor Braskem S.A. Camargo Corrêa Energia S.A. Companhia Vale do Rio

Leia mais

REFORMA TRIBUTÁRIA Desoneração da Folha de Pagamentos: Novos Setores

REFORMA TRIBUTÁRIA Desoneração da Folha de Pagamentos: Novos Setores REFORMA TRIBUTÁRIA Desoneração da Folha de Pagamentos: Novos Setores Guido Mantega Ministro da Fazenda Brasília, 04 de abril de 2013 1 Redução de tributos sobre a folha de pagamentos Estamos anunciando

Leia mais

Energy Storage e a Nova Matriz Elétrica Março de 2016

Energy Storage e a Nova Matriz Elétrica Março de 2016 Energy Storage e a Nova Matriz Elétrica Março de 2016 0 Cenário Mundial - demanda elétrica e energias renováveis intermitentes Crescimento da Demanda de 3% a.a. nas últimas 4 décadas Crescimento de 2%

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE BOIAS - PNBOIA PLANO NACIONAL DE TRABALHO (2013-2017)

PROGRAMA NACIONAL DE BOIAS - PNBOIA PLANO NACIONAL DE TRABALHO (2013-2017) MARINHA DO BRASIL CENTRO DE HIDROGRAFIA DA MARINHA PROGRAMA NACIONAL DE BOIAS - PNBOIA PLANO NACIONAL DE TRABALHO (2013-2017) 1- INTRODUÇÃO O presente Plano Nacional de Trabalho (PNT) tem por finalidade

Leia mais

Volney Zanardi Junior Presidente do Ibama

Volney Zanardi Junior Presidente do Ibama Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Seminário sobre Licenciamento Ambiental do Conama Volney Zanardi Junior Presidente do Ibama Brasília,

Leia mais

Usina Térmica Agreste Alagoano

Usina Térmica Agreste Alagoano Usina Térmica Agreste Alagoano Descrição Implantação e operação de usina termelétrica a gás natural de médio porte (entre 100MW e 200MW) em local que atenda à expansão do mercado de energia elétrica e

Leia mais

ORÇAMENTO PÚBLICO. PPA Plano Plurianual. Planejar é o contrário de improvisar.

ORÇAMENTO PÚBLICO. PPA Plano Plurianual. Planejar é o contrário de improvisar. ORÇAMENTO PÚBLICO O QUE É PLANEJAR Planejar é o contrário de improvisar. PPA Plano Plurianual SE PLANEJA PARA: Estabelecer prioridades. Otimizar recursos. Se programar no tempo e no espaço. Se definir

Leia mais

Atividades da ELETROBRAS ELETROSUL na Área de Aproveitamento Energético do Biogás

Atividades da ELETROBRAS ELETROSUL na Área de Aproveitamento Energético do Biogás Atividades da ELETROBRAS ELETROSUL na Área de Aproveitamento Energético do Biogás Data: 05/2010 Missão: Atuar nos mercados de energia de forma integrada, rentável e sustentável Visão: Em 2020, ser o maior

Leia mais

Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia

Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia Quando analisamos de perto os investimentos do BNDES nos itens de infraestrutura, logística e energia, fica evidente que há uma

Leia mais