III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira 2013. www.aptel.com.br"

Transcrição

1 III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira 2013

2 Criação do fundo setorial CT ENERG (1999) Lei 9.991/2000 determina às concessionárias realizar investimentos mínimos em P&D Lei da Inovação /2004 Lei do Bem /2005 BASE LEGAL E REGULAÇÃO Manual de P&D da ANEEL

3 DESAFIOS TECNOLÓGICOS DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO EM 2003 Eficiência em geração, transmissão, distribuição e consumo de energia elétrica Armazenamento de energia Meio Ambiente e sustentabilidade Sistemas de gestão energética inteligente Fontes alternativas de energia principalmente renováveis Fonte: CGEE

4 CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Geração baseada na hidroeletricidade Investimentos compulsórios em P&D Tarifas reguladas investimento em P&D equivale a tributo incidente Maturidade tecnológica do setor inovações de caráter incremental (exceto quando se trata de fontes alternativas) A diversificação da matriz estimulará avanços nas demais fontes de energia abundantes no país, como eólica, biomassa e solar exigindo também investimentos em transmissão e armazenamento Fonte: CGEE

5 CT- ENERG O CT-ENERG é destinado a financiar programas e projetos que venham a contribuir para a geração de inovações capazes de enfrentar os desafios de longo prazo no setor. A ênfase está na articulação entre os gastos diretos das empresas em P&D e a definição de um programa abrangente que venha a cumprir as seguintes metas: Diminuição da intensidade elétrica, desacelerando a expansão de sistemas elétricos e seus efeitos negativos. Aumento das alternativas para serviços de eletricidade, com menores custos e maior qualidade. Desenvolvimento, aumento e consolidação da competitividade industrial nacional, visando à exportação de tecnologias e produtos de energia. Desenvolvimento de intercâmbio internacional de P&D na área energética. Formação de recursos humanos capazes de fomentar a área energética. Entre 2001 quando foi lançado o 1o edital e 2008, foram atendidos 643 projetos, totalizando mais de R$ 234,5 milhões. Entre os temas que mais se destacaram na priorização de recursos estão as áreas de combustão e gaseificação e de geração isolada de energia. Fonte: IPEA

6 CT- ENERG

7 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE P&D DA ANEEL 2000 A 2009 Recursos da ordem de R$ 1,42 bilhão 2,4 mil projetos de P&D 180 concessionárias envolvidas 623 entidades envolvidas (288 empresas e 335 instituições de ciência e tecnologia ICTs) Das 288 empresas apenas 27 são classificadas como relacionadas com o setor de energia elétrica (fornecedores) Excessiva concentração de recursos em um número reduzido de instituições - maior presença de universidades e centro de pesquisa do que empresas Fonte: IPEA

8 COMPARAÇÃO DOS INVESTIMENTOS EM P&D/FATURAMENTO

9 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE P&D DA ANEEL 2000 A 2009 Fonte: IPEA

10 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE P&D DA ANEEL 2000 A 2009

11 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE P&D DA ANEEL 2000 A 2009

12 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE P&D DA ANEEL 2000 A 2009 Fonte: IPEA

13 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE P&D DA ANEEL 2000 A 2009

14 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE P&D DA ANEEL 2000 A 2009 O marco regulatório que visa induzir a atividade de P&D por parte da empresas esbarra na característica da cadeia de produção do setor elétrico, caracterizado pela lógica de inovação dominada pelos fornecedores em que estes são, na grande maioria, de origem de capital externo que concentram seus esforços de P&D próximos a suas matrizes Ausência de um forte player nacional faz que as empresas do setor trabalhem de forma desconectada da cadeia produtiva local Fonte: IPEA

15 TENDENCIAS TECNOLÓGICA NO SETOR MUNDIAL

16 TENDENCIAS TECNOLÓGICA NO SETOR MUNDIAL

17 TENDENCIAS TECNOLÓGICA NO SETOR MUNDIAL

18 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE P&D DA ANEEL 2000 A 2009 RECOMENDAÇÕES (ESTUDO IPEA 2010) Indução de maiores ações de pesquisa organizadas em redes de cooperação Criação de um observatório de inovação tecnológica para sistematizar e divulgar as informações sobre pesquisas em desenvolvimento e articular parcerias entre empresas, inclusive fornecedores, o desenvolvimento de projetos de P&D

19 REFERENCIAL TEÓRICO PARA INOVAÇÃO E P&D Manual Frascati (OCDE ) Manual de Oslo (OCDE ) Manual do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica (ANEEL 2008) Definição de Inovação (ANEEL): Introdução na empresa ou no mercado de produto, processo, métodos ou sistemas não existentes anteriormente, ou com alguma característica nova e diferente daquela até então em vigor, com fortes repercussões socioeconômicas

20 REFERENCIAL TEÓRICO PARA INOVAÇÃO E P&D Atividades de P&D (Manual ANEEL) Pesquisa básica Pesquisa aplicada Desenvolvimento experimental Cabeça de série Lote pioneiro Inserção no mercado

21 REFERENCIAL TEÓRICO PARA INOVAÇÃO E P&D Evolução do processo inovador (Rothwell) Technology push descoberta científca Market pull melhorias incrementais para os clientes Coupling model corte de custos e otimização do processo de produção a partir de interações da oferta e da demanda Integrated model participação de fornecedores e engajamento simultâneo de vários setores da empresa Strategic networking colaboração entre competidores, fornecedores e distribuidores aplicada em uma dimensão de mercado global.

22 MODELO SISTÊMICO

23 ARGUMENTO DA HÉLICE TRÍPLICE ( Etzkowitz / Leydesdorff)

24

25

26

27

28

29 REDES ELÉTRICAS INTELIGENTES

30

31

32 OPEN INOVATION MODEL - O CASO DAS TELECOMUNICAÇÕES Impactos da migração tecnológica no setor de telecomunicações Abertura do mercado a novos competidores Horizontalização da arquitetura de serviços pequenas empresas atuarem em nichos atrativos Deslocamento no valor da distribuição para camadas de maior valor agregado (serviços)

33 OPEN INOVATION MODEL

34

35

36

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria C, T & I e a Defesa Nacional: A visão da indústria C,T&I e a Defesa: a visão da indústria A indústria e a Defesa Nacional Os desafios de C,T&I no País e a visão da CNI para a Política de Inovação Os desafios

Leia mais

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP.

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 INTRODUÇÃO Há três iniciativas simultâneas

Leia mais

XXI Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas e XIX Workshop ANPROTEC. Conhecimento em ação

XXI Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas e XIX Workshop ANPROTEC. Conhecimento em ação TERRITÓRIO E INOVAÇÃO: POR UMA POLÍTICA DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS DE DESIGN NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO XXI Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas e XIX Workshop ANPROTEC OUTUBRO

Leia mais

Ministério de Minas e Energia

Ministério de Minas e Energia PLANO NACIONAL DE ENERGIA HORIZONTE 2030 Altino Março Ventura de 2007 Filho Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético SPE/MME LAS / ANS SYMPOSIUM 2008 SETOR ENERGÉTICO PROCESSO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

Os grandes balizamentos estabelecidos para condução dos negócios estão descritos a seguir:

Os grandes balizamentos estabelecidos para condução dos negócios estão descritos a seguir: O Plano Estratégico 2015-2030 Em setembro de 2012, a Medida Provisória 579/12, convertida na Lei 12.783, de 11/01/2013, estabeleceu a forma de prorrogação dos contratos de concessão de geração, transmissão

Leia mais

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD - 09 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD

Leia mais

Evolução do mercado brasileiro de energia elétrica Agenda CCEE 2016

Evolução do mercado brasileiro de energia elétrica Agenda CCEE 2016 Evolução do mercado brasileiro de energia elétrica Agenda CCEE 2016 29/09/2015 3º Encontro Nacional de Consumidores Livres Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração Agenda A CCEE Comercialização

Leia mais

Educação Profissional para Energias Renováveis (Fotovoltaica): Propostas para garantir a Qualidade dos Profissionais

Educação Profissional para Energias Renováveis (Fotovoltaica): Propostas para garantir a Qualidade dos Profissionais Educação Profissional para Energias Renováveis (Fotovoltaica): Propostas para garantir a Qualidade dos Profissionais 22 de setembro de 2015 SISTEMA INDÚSTRIA Nacional Confederação Nacional da Indústria

Leia mais

Questões de governo em espionagem, informações e segurança cibernética

Questões de governo em espionagem, informações e segurança cibernética Questões de governo em espionagem, informações e segurança cibernética Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Rafael H. Moreira Secretário-Adjunto de Política de Informática Brasília, outubro de

Leia mais

CTIC - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias. Digitais para Informação e Comunicação CHAMADA DE PROJETOS. Computação em Nuvem

CTIC - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias. Digitais para Informação e Comunicação CHAMADA DE PROJETOS. Computação em Nuvem CTIC - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias Digitais para Informação e Comunicação CHAMADA DE PROJETOS Computação em Nuvem O Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias Digitais

Leia mais

3,8 bilhões em vendas. > 20.000 empregados. 1,4 milhão de toneladas produzidas

3,8 bilhões em vendas. > 20.000 empregados. 1,4 milhão de toneladas produzidas Em resumo 2016 Líder mundial em seus mercados, a Vallourec fornece soluções tubulares que são referência para os setores de energia e para as aplicações mais exigentes. Seus tubos, conexões e serviços

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO Estratégias de Desenvolvimento em Minas Gerais Raphael Guimarães Andrade Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais Belo Horizonte, 09 de outubro

Leia mais

Inovação na Geração de Energia Elétrica a partir do Bagaço de Cana

Inovação na Geração de Energia Elétrica a partir do Bagaço de Cana Universidade do Brasil - UFRJ - Instituto de Economia Grupo de Estudos do Setor Elétrico GESEL Grupo Sistemas Agroindustriais, Inovação e Competitividade 1 o Workshop do InfoSucro Inovação na Geração de

Leia mais

Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas

Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas Professora Suzana Kahn Professora da COPPE-UFRJ; Vice Presidente do Grupo de Trabalho III do IPCC; Coordenadora Executiva

Leia mais

4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação

4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Aureliano da Costa Representante Sudeste João Weyl Representante Norte Janesmar Cavalcante Representante Nordeste João Carlos de Souza Maia Representante

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia

Fontes Alternativas de Energia UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Química DQM Curso de Engenharia de Produção e Sistemas Fontes Alternativas de Energia DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas

Leia mais

1. Abrangência do programa de incentivo a geração distribuída para sistemas de geração e cogeração qualificada movidos a gás natural.

1. Abrangência do programa de incentivo a geração distribuída para sistemas de geração e cogeração qualificada movidos a gás natural. POSICIONAMENTO DA CIA. DE GÁS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SULGÁS - RELATIVO A CONSULTA PÚBLICA Nº15/2010, DE 10/09/2010 Nota Técnica nº 0043/2010 SRD ANEEL Posicionamento Enviado para a ANEEL Agência

Leia mais

Energy Storage e a Nova Matriz Elétrica Março de 2016

Energy Storage e a Nova Matriz Elétrica Março de 2016 Energy Storage e a Nova Matriz Elétrica Março de 2016 0 Cenário Mundial - demanda elétrica e energias renováveis intermitentes Crescimento da Demanda de 3% a.a. nas últimas 4 décadas Crescimento de 2%

Leia mais

Anexo A Estrutura de intervenção

Anexo A Estrutura de intervenção Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

POLÍTICA CATARINENSE DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO - PCCT&I - Apresentação à Reunião do CONCITI

POLÍTICA CATARINENSE DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO - PCCT&I - Apresentação à Reunião do CONCITI POLÍTICA CATARINENSE DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO - PCCT&I - Apresentação à Reunião do CONCITI Florianópolis, 11 de setembro de 2009 Antônio Diomário de Queiroz Presidente da FAPESC POLÍTICA CATARINENSE

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS INTERLIGADOS À REDE ELÉTRICA EM DIFERENTES CENÁRIOS DE GERAÇÃO

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS INTERLIGADOS À REDE ELÉTRICA EM DIFERENTES CENÁRIOS DE GERAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EMERSON SHINJI IKUTA JÚNIOR FERNANDO TAKEO GOYA ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA DE

Leia mais

Soluções tecnológicas para o setor elétrico

Soluções tecnológicas para o setor elétrico Soluções tecnológicas para o setor elétrico O IPT dispõe de uma grande variedade de competências tecnológicas e infraestrutura moderna para apoiar os projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação das

Leia mais

BRIEFING BRASIL. Parceiro:

BRIEFING BRASIL. Parceiro: BRIEFING BRASIL Parceiro: 1 ÍNDICE 1 Índice... 1 2 Introdução... 2 3 Apresentação... 3 3.1 Tema : Segurança nas redes elétricas : A Vida sempre em primeiro lugar... 3 4 Desenvolvimento dos trabalhos/projetos...

Leia mais

Marcelo Mesquita Secretário Executivo

Marcelo Mesquita Secretário Executivo P&D e Eficiência Energética Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética Marcelo Mesquita Secretário Executivo Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética Consumo Nacional e o PIB Quando

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Integração física e econômica da região

APRESENTAÇÃO. Integração física e econômica da região APRESENTAÇÃO O seminário Logística para o Desenvolvimento do Nordeste, realizado no âmbito do CONSEPLAN/NE, no dia 14 de maio de 2012, na cidade de Salvador/BA, teve por objetivo identificar projetos e

Leia mais

Oficina de Informática e Telemática

Oficina de Informática e Telemática UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ (UESC) Criada pela Lei 6.344, de 05.12.1991, e reorganizada pela Lei 6.898, de 18.08.1995 e pela Lei 7.176, de 10.09.1997 Oficina de Informática e Telemática Prof. Dr.

Leia mais

O QUE É E O QUE OFERECE?

O QUE É E O QUE OFERECE? O QUE É E O QUE OFERECE? O que é? Um programa gratuito de aceleração em larga escala para negócios inovadores de qualquer setor e lugar do Brasil, realizado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria

Leia mais

Bolsas de Estudos da Fundación Iberdrola. Convocatória para estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente na Espanha 2014

Bolsas de Estudos da Fundación Iberdrola. Convocatória para estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente na Espanha 2014 Bolsas de Estudos da Fundación Iberdrola Convocatória para estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente na Espanha 2014 Índice 1 A Iberdrola 2 Iberdrola no Brasil 3 A Fundación Iberdrola 4 O Programa

Leia mais

Universidade de São Paulo USP/RP. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto FEA-RP

Universidade de São Paulo USP/RP. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto FEA-RP Universidade de São Paulo USP/RP Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto FEA-RP Programa de Pós Graduação em Administração de Organizações Didática Curso de Inovação Docentes:Elisa

Leia mais

Principais Conceitos A competitividade das regiões deve fundar-se nas respetivas características e ativos existentes no seu território, concentrando r

Principais Conceitos A competitividade das regiões deve fundar-se nas respetivas características e ativos existentes no seu território, concentrando r Estratégia Regional de Especialização Inteligente Ateliê de AMBIENTE & RECURSOS NATURAIS Évora, 19 de Março de 2014 Principais Conceitos A competitividade das regiões deve fundar-se nas respetivas características

Leia mais

A BICS E O EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO

A BICS E O EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO A BICS E O EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO A BICS COMO AGENTE NA PROMOÇÃO DO EMPREENDEDORISMO E DA INOVAÇÃO EMPRESARIAL, É UM ATOR FUNDAMENTAL NA DEFINIÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS NACIONAIS, REGIONAIS

Leia mais

FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO

FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO iniciativa CENTROS DE EXCELÊNCIA :: iniciativa :: gestão :: financiamento ÍNDICE NOTAS EXPLICATIVAS PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PRÉ-PROJECTO 3 I - INFORMAÇÃO GERAL 5 1.

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS ESTRATÉGIAS DE TI

INTRODUÇÃO ÀS ESTRATÉGIAS DE TI 11/05/011 INTRODUÇÃO ÀS ESTRATÉGIAS DE TI Prof. Carlos Faria (adaptação) 011 O CONCEITO DE TI A Tecnologia da Informação abrange todos os aspectos envolvidos no gerenciamento das informações de uma organização.

Leia mais

Importância do Setor de P&G para Micro e Pequenas Empresas. Paulínia Petróleo e Gás 2013 21 e 22 de Agosto 2013

Importância do Setor de P&G para Micro e Pequenas Empresas. Paulínia Petróleo e Gás 2013 21 e 22 de Agosto 2013 Importância do Setor de P&G para Micro e Pequenas Empresas Paulínia Petróleo e Gás 2013 21 e 22 de Agosto 2013 INSTITUCIONAL VISÃO Ter excelência no desenvolvimento dos pequenos negócios, contribuindo

Leia mais

É o conjunto de atividades de um processo que se desenvolve desde o nascimento de uma ideia até sua comercialização, passando por: estudo do mercado,

É o conjunto de atividades de um processo que se desenvolve desde o nascimento de uma ideia até sua comercialização, passando por: estudo do mercado, Alicia Ruiz Olalde É o conjunto de atividades de um processo que se desenvolve desde o nascimento de uma ideia até sua comercialização, passando por: estudo do mercado, geração de ideias pesquisa básica

Leia mais

Middle East Electricity. Workshop on Hydrolysis Route for Cellulosic Ethanol from Sugarcane EVENTOS 30/1/2009

Middle East Electricity. Workshop on Hydrolysis Route for Cellulosic Ethanol from Sugarcane EVENTOS 30/1/2009 Page 1 of 5 NIPEenergia De: NIPEenergia [nipeenergia@nipeunicamp.org.br] Enviado em: sexta-feira, 30 de janeiro de 2009 14:54 Para: nipeenergia@nipeunicamp.org.br Assunto: NIPEenergia - Número 534 Prioridade:

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS DAC N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS DAC N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO 2 ÍNDICE I PERFIL DA EMPRESA...3 II CONTEXTO...4 III SERVIÇOS...4 IV -

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO: Maio/2016. Produtividade e Infraestrutura PESQUISA DE PRODUTIVIDADE

RELATÓRIO TÉCNICO: Maio/2016. Produtividade e Infraestrutura PESQUISA DE PRODUTIVIDADE RELATÓRIO TÉCNICO: Maio/2016 Produtividade e Infraestrutura PESQUISA DE PRODUTIVIDADE SOBRE A EQUIPE TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL (FDC) COORDENAÇÃO TÉCNICA DA PESQUISA DE PRODUTIVIDADE: Hugo Ferreira

Leia mais

Senhoras e Senhores. Assinatura de Contratos de Concessões de Usinas Hidrelétricas Leilão 12/2015. Brasília, 5 de janeiro de 2016

Senhoras e Senhores. Assinatura de Contratos de Concessões de Usinas Hidrelétricas Leilão 12/2015. Brasília, 5 de janeiro de 2016 Assinatura de Contratos de Concessões de Usinas Hidrelétricas Leilão 12/2015 Brasília, 5 de janeiro de 2016 Luiz Eduardo Barata Ministro Interino de Minas e Energia Lote E Jupiá e Ilha Solteira Senhoras

Leia mais

Cadeia Produtiva do Light Steel Framing. Silvia Scalzo

Cadeia Produtiva do Light Steel Framing. Silvia Scalzo Cadeia Produtiva do Light Steel Framing Silvia Scalzo Definição de cadeia produtiva Composta pelas construtoras, incorporadoras; por segmentos da indústria de transformação, que produzem materiais de construção;

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social Centro de Imprensa. Índice Futuridade

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social Centro de Imprensa. Índice Futuridade Índice Futuridade Plano Futuridade O FUTURIDADE: Plano Estadual para a Pessoa Idosa é uma iniciativa da Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social - Seads que objetiva fortalecer a rede

Leia mais

Visão Global do Programa Veículo Elétrico

Visão Global do Programa Veículo Elétrico Visão Global do Programa Veículo Elétrico 26 de junho de 2013 Diretoria Geral Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável Histórico do Programa VE Itaipu/KWO Acordo de cooperação tecnológico ITAIPU -KWO

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Nelson Colaferro Junior Presidente do Conselho de Administração Seminário Agronegócios e Energias Renováveis Valor Econômico Goiânia (GO) 31/03/2016

Leia mais

Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica.

Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica. Imagine um futuro para a sua empresa, em que as deslocações são feitas de forma inovadora, económica, sem emissões e totalmente adequada às suas necessidades. Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica.

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: ENGENHARIA DE PETRÓLEO SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia de Petróleo da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnica nas áreas

Leia mais

O ENGENHEIRO, a UNIVERSIDADE e o SISTEMA CONFEA-CREA. Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

O ENGENHEIRO, a UNIVERSIDADE e o SISTEMA CONFEA-CREA. Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo FEC O ENGENHEIRO, a UNIVERSIDADE e o SISTEMA CONFEA-CREA Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Prof. Paulo Barbosa Diretor da FEC-UNICAMP 2012 FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NO BRASIL: ASPECTOS

Leia mais

Aumentos de produtividade para garantir o ciclo de desenvolvimento. virtuoso em curso no Brasil

Aumentos de produtividade para garantir o ciclo de desenvolvimento. virtuoso em curso no Brasil Aumentos de produtividade para garantir o ciclo de desenvolvimento virtuoso em curso no Brasil Cézar Manoel de Medeiros 1 Estas notas introdutórias pretendem chamar a atenção para a importância estratégica

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Análise de Mercado Professor: Roberto César ANÁLISE DE MERCADO Além de ser o ponto de partida de qualquer projeto, é um dos aspectos mais importantes para a confecção deste.

Leia mais

Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro

Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro Manaus, 14 de junho de 2006 Eduardo Martins Antecedentes e Pressupostos O aumento da demanda por energia influenciará a consolidação dos países emergentes

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL EDITAL DO PROCESSO SELETIVO Nº 38.16

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL EDITAL DO PROCESSO SELETIVO Nº 38.16 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO Nº 38.16 A FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL (FPTI-BR) torna público que serão recebidas as inscrições para o Processo Seletivo nº 38.16 sob contratação em regime CLT

Leia mais

Financiamento do BNDES à Eficiência Energética

Financiamento do BNDES à Eficiência Energética Financiamento do BNDES à Eficiência Energética Congresso Brasileiro de Eficiência Energética (COBEE) São Paulo, 25 e 26 de Agosto de 2015 José Guilherme Cardoso Chefe de Departamento Área de Meio Ambiente

Leia mais

ANEXO A - Estrutura de intervenção

ANEXO A - Estrutura de intervenção ANEXO A - Estrutura de intervenção As ações de formação-ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016-2018

Leia mais

PLANEJAMENTO INTEGRADO E PARTICIPATIVO OFICINAS PÚBLICAS. Ciclo B SUSTENTABILIDADE FASE DE PROPOSIÇÕES. Loca e Data aqui

PLANEJAMENTO INTEGRADO E PARTICIPATIVO OFICINAS PÚBLICAS. Ciclo B SUSTENTABILIDADE FASE DE PROPOSIÇÕES. Loca e Data aqui Região Metropolitana de Belo Horizonte. Maio de 2010 PLANEJAMENTO INTEGRADO E PARTICIPATIVO OFICINAS PÚBLICAS Ciclo B SUSTENTABILIDADE FASE DE PROPOSIÇÕES Uma RMBH melhor hoje e no futuro Qual é a metrópole

Leia mais

BNDES. Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE 2004. www.bndes.gov.br 1

BNDES. Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE 2004. www.bndes.gov.br 1 BNDES Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE 2004 www.bndes.gov.br 1 INVESTIR EM INFRA-ESTRUTURA, PARA QUE? Para melhorar a atual infra-estrutura nacional,

Leia mais

Linha do Tempo. Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica

Linha do Tempo. Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica Linha do Tempo Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica 1909 O presidente Nilo Peçanha assina o Decreto Nº 7.566/1909, criando inicialmente 19 Escolas de Aprendizes Artífices subordinadas ao

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E T

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E T SETEC EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA XXXV ENDP Porto Alegre, 02 de setembro de 2015. Histórico Organização da Educação Brasileira EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Formação Inicial e Continuada

Leia mais

Inovação e produtividade Por uma renovada agenda de políticas públicas 1

Inovação e produtividade Por uma renovada agenda de políticas públicas 1 Inovação e produtividade Por uma renovada agenda de políticas públicas 1 Introdução A produtividade brasileira não cresce ou cresce muito pouco desde o final dos anos 70. Essa é uma constatação tão verdadeira

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. INSTRUMENTO: ( x ) Chamada Pública ( x) Encomenda ( x ) Convite

TERMO DE REFERÊNCIA. INSTRUMENTO: ( x ) Chamada Pública ( x) Encomenda ( x ) Convite TERMO DE REFERÊNCIA AÇÃO: ( X ) Transversal ( ) Vertical - CT INSTRUMENTO: ( x ) Chamada Pública ( x) Encomenda ( x ) Convite Objeto EXPANSÃO E CONSOLIDAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE C,T&I Linha de Ação Infraestrutura

Leia mais

... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia!

... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia! Fontes Renováveis e a Expansão da Oferta de Energia Elétrica Set/2015... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia! Blackout New York 14, August 2003 COGEN Associação da Indústria

Leia mais

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do 5. PROCEDIMENTOS 5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do Manual Brasileiro de Acreditação das

Leia mais

VIII Seminário Rio- Metrologia 2010. Sibratec- Sistema Brasileiro de Tecnologia: Instrumento de Incentivo à Inovação

VIII Seminário Rio- Metrologia 2010. Sibratec- Sistema Brasileiro de Tecnologia: Instrumento de Incentivo à Inovação VIII Seminário Rio- Metrologia 2010 Sibratec- Sistema Brasileiro de Tecnologia: Instrumento de Incentivo à Inovação Fonte: www.dw-word.de INOVAÇÃO É A PALAVRA-CHAVE Classe S da Mercedes-Benz: 944 componentes

Leia mais

Globalização e Internacionalização. Prof. Doutora Maria José Sousa

Globalização e Internacionalização. Prof. Doutora Maria José Sousa Globalização e Internacionalização 1 Prof. Doutora Maria José Sousa Globalização A globalização é um processo de interação e integração entre as pessoas, empresas e governos de diferentes nações. Processo

Leia mais

Volney Zanardi Junior Presidente do Ibama

Volney Zanardi Junior Presidente do Ibama Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Seminário sobre Licenciamento Ambiental do Conama Volney Zanardi Junior Presidente do Ibama Brasília,

Leia mais

Planejando a TI de 2014: agora é a hora! 20 de Agosto de 2012

Planejando a TI de 2014: agora é a hora! 20 de Agosto de 2012 Planejando a TI de 2014: agora é a hora! 20 de Agosto de 2012 Agenda Sobre a Solvix Introdução Qual deve ser o foco da TI? Como descobrir o que fazer em 2014? O Orçamento de TI Planejamento de TI 2014

Leia mais

BNDES: Apoio à Inovação. Helena Tenorio Veiga de Almeida Chefe do Dept. Programas e Políticas

BNDES: Apoio à Inovação. Helena Tenorio Veiga de Almeida Chefe do Dept. Programas e Políticas BNDES: Apoio à Inovação Helena Tenorio Veiga de Almeida Chefe do Dept. Programas e Políticas 1 Inovação: prioridade estratégica Atualmente não háh dúvidas que a inovação é vital para o crescimento de empresas

Leia mais

2.1 Educação. Por que Educação? Comparação Internacional. Visão 2022

2.1 Educação. Por que Educação? Comparação Internacional. Visão 2022 Por que Educação? Um dos principais determinantes da competitividade da indústria é a produtividade do trabalho. Equipes educadas e engenheiros bem formados utilizam melhor os equipamentos, criam soluções

Leia mais

Repasse dos Ganhos de Produtividade. Experiência da ANEEL

Repasse dos Ganhos de Produtividade. Experiência da ANEEL Repasse dos Ganhos de Produtividade Experiência da ANEEL DAVI ANTUNES LIMA SUPERINTENDENTE DE REGULAÇÃO ECONÔMICA DA ANEEL 21 de março de 2013 Brasília DF Tópicos Breve Histórico e Legislação Regulação

Leia mais

ENASE 2007 TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO

ENASE 2007 TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO ENASE 2007 A EXPANSÃO DA OFERTA E A SEGURANÇA DO ABASTECIMENTO TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO SETEMBRO DE 2007 SEGMENTO DA TRANSMISSÃO Dois mundos: Expansão / novas instalações

Leia mais

I - Objetivos do INOVA MINERAL

I - Objetivos do INOVA MINERAL CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO FINEP/BNDES DE DESENVOLVIMENTO, SUSTENTABILIDADE E INOVAÇÃO DO SETOR DE MINERAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO MINERAL INOVA MINERAL I - Objetivos do INOVA MINERAL O Inova Mineral é

Leia mais

GESTÃO POR PROCESSOS. Formação de Facilitadores para Melhoria de Processos

GESTÃO POR PROCESSOS. Formação de Facilitadores para Melhoria de Processos GESTÃO POR PROCESSOS Formação de Facilitadores para Melhoria de Processos GESTÃO POR PROCESSOS GRUPO GEPRO: Adauto - AUDINT Eneida - HC Gláucia - PRDU Jane - PRDU Maria Bernadete - HC Maria do Rosário

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Angola e as novas tecnologias de informação

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Angola e as novas tecnologias de informação UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Angola e as novas tecnologias de informação Victor Nataniel Narciso Brasília 2004 Artigo publicado, em 04 de novembro de 2004, no Observatório da

Leia mais

Gestão eficiente de Energia na indústria de energia elétrica estudo de caso da Nestlé Brasil Ltda

Gestão eficiente de Energia na indústria de energia elétrica estudo de caso da Nestlé Brasil Ltda SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GCE 063 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba Paraná GRUPO XIV GRUPO DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GCE Gestão eficiente

Leia mais

PROGRAMA DA CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO & GÁS INSERÇÃO DE PEQUENAS EMPRESAS NA CADEIA PRODUTIVA DE ÓLEO E GÁS

PROGRAMA DA CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO & GÁS INSERÇÃO DE PEQUENAS EMPRESAS NA CADEIA PRODUTIVA DE ÓLEO E GÁS INSERÇÃO DE PEQUENAS EMPRESAS NA CADEIA PRODUTIVA DE ÓLEO E GÁS CENÁRIO POR QUE TRABALHAR NA CADEIA DO PETRÓLEO? Em função do potencial do mercado (Oportunidade) A Cadeia Produtiva do Petróleo e Gás movimentará

Leia mais

Gestão Estratégica. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira. Análise Estratégica de uma Organização

Gestão Estratégica. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira. Análise Estratégica de uma Organização Administração e Organização - Análise Estratégica: Brasil marcopereira@usp.br Análise Estratégica de uma Organização Realidade Brasil: Crescimento Médio Anual da Produtividade (Fonte: IPEA) Realidade:

Leia mais

Profissionalização da Gestão na Educação. Mozart Neves Ramos Diretor de articulação e Inovação do Instituto Ayrton Senna

Profissionalização da Gestão na Educação. Mozart Neves Ramos Diretor de articulação e Inovação do Instituto Ayrton Senna Profissionalização da Gestão na Educação Mozart Neves Ramos Diretor de articulação e Inovação do Instituto Ayrton Senna PDE (2007) IDEB: 5 Ano do Ensino Fundamental IDEB: 3 ano do Ensino Médio PAR: Plano

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (PCSF)

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (PCSF) PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (PCSF) Criado pelo Decreto nº 7642 de 13 de dezembro de 2011 Dezembro de 2013 Elaborado por: (Vice-Diretoria da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública - Coordenação

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Apoio à Gestão Participativa

Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Apoio à Gestão Participativa Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Apoio à Gestão Participativa PROMOVER A SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO NEGRA,PRIORIZANDO A REDUÇÃO DAS DESIGUALDADES ÉTNICO-RACIAIS,

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO A RMRJ NO CONTEXTO NACIONAL: ATUALMENTE EXISTEM 41 REGIÕES METROPOLITANAS NO BRASIL, SENDO QUE 21 POSSUEM MAIS DE 1 MILHÃO DE HABITANTES,

Leia mais

Seminário Preparatório HABITAÇÃO

Seminário Preparatório HABITAÇÃO Seminário Preparatório Inclusão Social Como usar CT&I para promover a inclusão Social? HABITAÇÃO Engenheiro Teodomiro Diniz Camargos C â m a r a d a I n d ú s t r i a d a C o n s t r u ç ã o - F I E M

Leia mais

A Análise SWOT (FOFA)

A Análise SWOT (FOFA) A Análise SWOT (FOFA) Diagnóstico estratégico que permite estabelecer relação entre os pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças no ambiente organizacional SWOT e FOFA Strenght Weakness Forças Oportunidades

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE COOPERAÇÃO EM ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO NA CPLP JUNHO DE 2015

PLANO ESTRATÉGICO DE COOPERAÇÃO EM ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO NA CPLP JUNHO DE 2015 PLANO ESTRATÉGICO DE COOPERAÇÃO EM ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO NA CPLP JUNHO DE 2015 1 Índice 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 3 2. OBJETIVOS E PRINCÍPIOS ORIENTADORES... 5 2.1 Objetivos Globais... 5 2.2 Objetivos

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Palestra Introdutória

Energia Solar Fotovoltaica: Palestra Introdutória Energia Solar Fotovoltaica: Palestra Introdutória Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo Talk Show - Brazil Solar Power Rio de Janeiro (RJ) 28/10/2015 Focos Principais Representar e promover o setor

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: QUESTÕES EMERGENTES NA ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: QUESTÕES EMERGENTES NA ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: QUESTÕES EMERGENTES NA ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS Oscar de Moraes Cordeiro Netto 1 ; Carlos Eduardo Morelli Tucci; Dalci Maria dos Santos & Marcio de Miranda Santos INTRODUÇÃO

Leia mais

CONHECIMENTO EXTERNO: UMA PONTE PARA A INOVAÇÃO

CONHECIMENTO EXTERNO: UMA PONTE PARA A INOVAÇÃO CONHECIMENTO EXTERNO: UMA PONTE PARA A INOVAÇÃO Izione Rabelo da Silva Agente Local de Inovação atuante nas cidades de Pirenópolis e Cocalzinho de Goiás da Regional do Entorno do Distrito Federal, formada

Leia mais

RESUMO SINTÉTICO DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS DE AVALIAÇÃO DO SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL NOS 10 ANOS DO PNPB

RESUMO SINTÉTICO DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS DE AVALIAÇÃO DO SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL NOS 10 ANOS DO PNPB MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO Secretaria da Agricultura Familiar Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor Coordenação Geral de Biocombustíveis RESUMO SINTÉTICO DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS

Leia mais

Visualização da Submissão

Visualização da Submissão Embrapa 1 de 5 16/02/2012 10:07 Formato de Impressão da Submissão Identificação Descrição e Estrutura Caracterização Equipe Detalhamento Anexos Questionários Plano de Ação Atividades Orçamento Orçamento

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Fernando Aparecido Alves ELEKTRO - Eletricidade e ServIços S.A fernando.alves@elektro.com.br

Leia mais

PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento

PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento Jorge Abrahão de Castro Diretor de Temas Sociais da SPI/MPOG Brasília-DF, 26 de agosto de 2015 1 Inovações para o PPA 2016-2019 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

QUANDO A VIDA. DOS BRASILEIROS MUDA, O BRASIL MUDA TAMBÉM. Saiba como participar dessa mudança. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

QUANDO A VIDA. DOS BRASILEIROS MUDA, O BRASIL MUDA TAMBÉM. Saiba como participar dessa mudança. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME QUANDO A VIDA DOS BRASILEIROS MUDA, O BRASIL MUDA TAMBÉM. Saiba como participar dessa mudança. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Esta é Dona Alenita Ferreira da Silva, beneficiária

Leia mais

RELATÓRIO DE VIAGEM. Destino: Santiago, Chile. Rosaria Ono

RELATÓRIO DE VIAGEM. Destino: Santiago, Chile. Rosaria Ono RELATÓRIO DE VIAGEM Destino: Santiago, Chile Rosaria Ono Professora Doutora Departamento de Tecnologia da Arquitetura Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo Julho/2010 Relatório

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA CP 019/2014. Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP

CONSULTA PÚBLICA CP 019/2014. Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP CONSULTA PÚBLICA CP 019/2014 Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP Assunto: Situação atual da segurança do trabalho e da população relativa às distribuidoras de energia elétrica e discussão de aprimoramento

Leia mais

Perspectivas da C&T&I frente a Lei de Inovação Tecnológica

Perspectivas da C&T&I frente a Lei de Inovação Tecnológica Perspectivas da C&T&I frente a Lei de Inovação Tecnológica I Seminário Alagoano de Ciência, Tecnologia e Inovação Maceió Outubro de 2007 Marileusa D. Chiarello - CNI Antes da Lei de Inovação Interação

Leia mais

Ações previstas para 2011. Voltar

Ações previstas para 2011. Voltar Ações previstas para 2011 O NIC de Petróleo e Gás Criado em 2006, o Núcleo de Inteligência Competitiva de Petróleo e Gás - NIC P&G - surgiu em um ambiente de cooperação para a produção e disseminação do

Leia mais

Os Efeitos da Prorrogação da Concessão de Serviços Públicos de Transmissão de Energia Elétrica. Lei nº 12.783/2013

Os Efeitos da Prorrogação da Concessão de Serviços Públicos de Transmissão de Energia Elétrica. Lei nº 12.783/2013 Os Efeitos da Prorrogação da Concessão de Serviços Públicos de Transmissão de Energia Elétrica Lei nº 12.783/2013 SNPTEE Foz do Iguaçu, 21 de outubro de 2015 1 Índice 1. Impacto da prorrogação 2. Consequências

Leia mais

International Energy Initiative Venture Inova FV

International Energy Initiative Venture Inova FV International Energy Initiative Venture Inova FV Sessão Plenária Dificuldades, Estratégias e Sugestões para Desenvolvimento do Mercado Fotovoltaico no Brasil Rima Industrial S.A. Março 2011 - Fundada em

Leia mais

Florestas plantadas (cultivadas)

Florestas plantadas (cultivadas) Florestas plantadas (cultivadas) Curso de Engenharia Industrial Madeireira AT073 Introdução a Engenharia Industrial Madeireira Dr. Umberto Klock Professor - Departamento de Engenharia e Tecnologia Florestal

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 CADERNO DE PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 PROGRAMA DE REDUÇÃO DO VOLUME E DESTINAÇÃO DA COLETA SELETIVA DOS MATERIAIS DESCARTADOS Programa Nº 05/2016

Leia mais

PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO DA DISTRIBUIÇÃO: CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS E REGULATÓRIAS

PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO DA DISTRIBUIÇÃO: CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS E REGULATÓRIAS Energia e Meio Ambiente 28 a 30 de maio de 2008 Salvador - BA PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO DA DISTRIBUIÇÃO: CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS E REGULATÓRIAS Prof. Afonso Henriques Moreira Santos 1 Prof. Jamil Haddad

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL Dr Alexandre de Araújo Pereira Atenção primária no Brasil e no Mundo 1978 - Conferência de Alma Ata (priorização da atenção primária como eixo de organização

Leia mais

Parceiros do Programa

Parceiros do Programa Programa de Fortalecimento da Atividade Empresarial MARCO LÓGICO DO PROGRAMA Parceiros do Programa Problema do Programa Inserção na Estratégia Estadual adensamento das cadeias desconcentração espacial

Leia mais