Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015"

Transcrição

1 Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 11 de novembro de

2 Parâmetros macroeconômicos para 2015 PIB real 3,0% PIB Nominal R$ 5.765,5 bilhões Salário Mínimo R$ 788,06 (+8,8%) Inflação IPCA 5,0% 2

3 ORÇAMENTO EM GRANDES NÚMEROS PLOA 2015 R$ bilhões % do PIB Receita 1.465,8 25,5 Transferências Constitucionais 230,6 4,0 Receita Líquida 1.235,3 21,5 Despesas 1.149,3 20,0 Despesas Discricionárias 294,9 5,1 Resultado Primário 86,0 1,5 3

4 RESULTADO PRIMÁRIO DO SETOR PÚBLICO CONSOLIDADO PLOA 2015 R$ bilhões % PIB Governo Central 114,7 2,0 Empresas Estatais Federais 0,0 0,0 Governos Regionais, inclusive suas Estatais 28,7 0,5 Setor Público Consolidado 143,3 2,5 Abatimento do Gov. Central previsto na PLOA ,7 0,5 Resultado Primário 114,7 2,0 4

5 140,4 185,3 163,4 199,6 182,0 224,9 212,0 254,9 245,9 281,4 275,8 316,6 307,1 357,0 346,8 387,4 392,6 436,3 DESPESAS FEDERAIS SOB CONTROLE Previdência Em R$ bilhões e % do PIB (déficit) 500,0 450,0 400,0 350,0 300,0 250,0 200,0 1,7 Déficit Previdenciário % PIB 1,3 1,2 1,1 0,9 0,9 Benefícios Receitas 1,0 0,8 0,8 1,8 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 150,0 0,6 100,0 0,4 50,0 0,2 0, * 2015** 0,0 * Projeção baseada no Relatório de Avaliação das Receitas e Despesas do 4º bimestre de 2014 ** PLOA 2015 Fonte: Ministério da Fazenda 5

6 DESPESAS FEDERAIS SOB CONTROLE Pessoal Despesas com pessoal e encargos sociais, em % do PIB 4,5 4,4 4,3 4,5 4,4 4,4 4,7 4,5 4,4 4,3 4,2 4,2 4, * 2015** * Projeção baseada no Relatório de Avaliação das Receitas e Despesas do 4º bimestre de 2014 ** PLOA 2015 Fonte: Ministério da Fazenda 6

7 DESPESAS FEDERAIS SOB CONTROLE Juros Em % do PIB ,5 6,6 7,4 6,8 6,1 5,5 5,3 5,2 5,7 4,9 5,1 5,0 4, * 2015* * Projeções do Ministério da Fazenda Fonte: Ministério da Fazenda 7

8 DÍVIDA DO SETOR PÚBLICO Dívida líquida do setor público, em % do PIB Dívida Bruta Dívida Líquida 56,4 58,0 57,4 60,9 53,4 54,2 58,8 56,7 57,7 56,4 54,8 50,6 48,4 47,3 45,5 38,5 42,1 39,1 36,4 35,3 33,6 33,6 32, * 2015* * Projeções do Ministério da Fazenda Fonte: Banco Central do Brasil e Ministério da Fazenda 8

9 ORÇAMENTO TOTAL R$ 2,86 TRILHÕES Despesa primária e financeira Despesas Primárias 48,2% Despesas Financeiras 51,8% 9

10 ORÇAMENTO TOTAL R$ 2,86 TRILHÕES Despesa primária e financeira Obrigações 89,7% Despesas discricionárias 10,3% 10

11 ORÇAMENTO TOTAL R$ 2,86 TRILHÕES Despesa primária e financeira Pessoal e Encargos Sociais 8,3% Transferências a Estados e Municípios 8,0% Juros 7,9% Demais Financeiras 4,4% Demais Despesas Obrigatórias 3,0% Reserva de Contingência Primária 0,3% Desp Discricionárias - Todos Poderes 10,3% Amortização da Dívida 39,5% Benefícios Previdenciários e Assistenciais 18,4% 11

12 DESPESAS DISCRICIONÁRIAS R$ 294,9 bilhões Brasil sem Miséria 11,8% Demais 11,7% Defesa 5,0% Educação 14% Ciência, Tecnologia e Inovação 2,6% PAC Demais 20% Saúde 31,9% Saúde 32,4% Educação 16,5% PAC 23% 12

13 PRIORIDADES DE GOVERNO Investimentos e políticas sociais Despesa Total Item PLOA 2014 PLOA 2015 R$ bilhões Variação Valor % Saúde 100,3 109,2 8,9 8,9 Educação 92,4 101,3 8,9 9,6 PAC + MCMV 63,3 65,0 1,7 2,7 Desenvolvimento Social e Combate à Fome 31,7 33,1 1,4 4,4 13

14 SAÚDE E EDUCAÇÃO CONTINUAM A RECEBER RECURSOS SUPERIORES AOS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO SAÚDE R$ bilhões Aplicação Constitucional 99,4 Adicional 9,8 Total 109,2 EDUCAÇÃO R$ bilhões Aplicação Constitucional 51,4 Adicional 49,9 Total 101,3 14

15 PRIORIDADES DE GOVERNO INVESTIMENTOS R$ 183,3 bilhões Fiscal e da Seguridade e Estatais R$ bilhões 138,0 165,1 187,3 186,6 183,3 55,5 82,5 67,1 98,0 110,8 105,6 105,7 76,5 81,0 77, PLOA 2014 PLOA 2015 Fiscal e da Seguridade * Estatais Total Fiscal e Seguridade R$ 77,6 bilhões, sendo R$ 64,9 bilhões do PAC Estatais R$ 105,7 bilhões 15

16 PRIORIDADES DE GOVERNO PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC Orçamentos Fiscal e Seguridade R$ 64,9 bilhões Crescimento de R$ 1,7 bilhão em relação ao PLOA 2014 R$ milhões Eixos PLOA 2015 MINHA CASA, MINHA VIDA - PMCMV e Urb. de Assent. Precários TRANSPORTES - Rodovias, Ferrovias, Aeroportos, Portos e Hidrovias COMUNIDADE CIDADÃ - Creches, Combertura de Quadras, UBS, UPA, CIE, Olimpíadas e Cidades Históricas CIDADE MELHOR - Prev. em Áreas de Risco, Saneamento, Mobilidade, Drenagem, Infra de Telecom, Satélite Geoestac. e Cabo Submarino DEFESA - Submarino Nuclear, Caça FX-2, Cargueiro Militar e Sistema de Monitoramento de Fronteiras ÁGUA E LUZ PARA TODOS - Recursos Hídricos e Água em Áreas Urbanas ENERGIA - Estudos Energia Elétrica, Petróleo e Gás e Mineração 197 GESTÃO ADMINISTRATIVA E CUSTEIO 311 Total

17 PRIORIDADES DE GOVERNO ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS ESTATAIS FEDERAIS R$ 105,7 bilhões Empresas PLOA 2014 PLOA 2015 Setor Produtivo Estatal 99,6 99,5 - Gr. PETROBRAS 84,5 83,4 - Gr. ELETROBRAS 9,6 10,7 - Demais Empresas 5,5 5,4 Setor Financeiro 6,0 6,2 - Banco do Brasil 3,1 3,0 - Caixa Economica Federal 2,5 2,9 - Demais Instituições 0,3 0,3 TOTAL 105,6 105,7 Crescimento dos investimentos no Pré-Sal e Proximidade da conclusão de grandes projetos 17

18 DESPESAS DISCRICIONÁRIAS DO PODER EXECUTIVO Despesas com políticas finalísticas foram mantidas ou ampliadas políticas sociais e investimentos Alguns ministérios tiveram redução em função de: Conclusão dos investimentos para a Copa Controle das Despesas de Custeio Administrativo Restos a pagar acumulados altos 18

19 DESPESAS DISCRICIONÁRIAS DO PODER EXECUTIVO Órgão PLOA PLOA R$ milhões Variação Advocacia Geral da União 300,6 365,7 65,1 Agricultura 2.183, ,4 251,0 Cidades , , ,2 Ciência, Tecnologia e Inovação 6.869, ,4 365,0 Comunicações 768, ,6 594,8 Controladoria-Geral da União 94,8 101,9 7,2 Cultura 1.179, ,8-47,6 Defesa , ,7 508,6 Des. Agrário 3.145, ,5 340,3 Des. Ind. Com. Exterior 1.315, ,1-11,7 Des. Social e Combate à Fome , , ,1 Custeio Administrativo 19

20 DESPESAS DISCRICIONÁRIAS DO PODER EXECUTIVO R$ milhões Órgão PLOA PLOA Variação Educação , , ,6 Encargos Fin. da União 1.638, ,2-17,0 Esportes 1.547, ,2 999,9 Fazenda 4.768, ,6 530,7 Integração Nacional 7.235, , ,8 Justiça 4.382, ,6-161,1 Meio Ambiente 1.025, ,6 2,0 Minas e Energia 790,2 912,5 122,3 Op. Oficiais de Crédito 127,2 205,2 78,0 Planejamento 1.240,5 995,4-245,1 Pesca e Aquicultura 247,3 217,5-29,8 Presidência da República 992,4 968,0-24,4 Previdência Social 2.283, ,5-28,8 Relações Exteriores 1.071, ,2 121,7 RAP COPA Conclusão de Investimentos Adiamento da Contagem Custeio Administrativo 20

21 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Aumento de recursos R$ milhões Item PLOA 2014 PLOA 2015 Variação Justiça 4.382, ,6-161,1 Grandes Eventos 428,4 93,0-335,4 Demais 3.954, ,6 174,3 Redução em Grandes Eventos decorre da finalização de despesas com segurança na Copa do Mundo Crescimento de R$ 174,3 milhões implantação de Centros Integrados de Segurança Pública nos Estados, a exemplo dos que foram instalados nas 12 sedes da Copa Voltar 21

22 DESPESAS DISCRICIONÁRIAS DO PODER EXECUTIVO R$ milhões Órgão PLOA PLOA Variação Saúde , , ,0 Sec Assuntos Estratégicos 67,9 62,0-6,0 Sec Aviação Civil 2.962, ,4 485,0 Sec Direitos Humanos 196,7 176,8-19,9 Sec Micro e Pequena Empresa 56,5 61,8 5,2 Sec Pol Promoção Igualdade Racial 31,3 31,9 0,6 Sec Políticas para as Mulheres 130,8 171,1 40,3 Secretaria de Portos 1.178,0 999,9-178,1 Trabalho 1.008, ,8 14,2 Transferências Superv. MF 172,3 126,3-46,0 Transportes , , ,5 Turismo 610,9 449,9-161,0 Vice-Presidência da República 5,1 6,2 1,0 Total , , ,9 Custeio Administrativo Concessões e RAP COPA Conclusão de Investimentos 22

23 Alteração na LDO

24 ALTERAÇÃO NA LDO 2014 Objetivo compatibilizar meta fiscal estabelecida com ciclo econômico atual, de redução das expectativas de crescimento econômico em todo mundo Variação da Expectativa de Crescimento do PIB em ,6-0,6-0,5 Fonte: JPMorgan -1,4-1,3 Diferença entre 31/10/2014 e 08/03/2013 Índia Emergentes Área do Euro China Mundo 24

25 ALTERAÇÃO NA LDO 2014 A previsão de crescimento da economia brasileira foi reduzida ao longo deste ano em relação à utilizada no início de 2013 para a elaboração da LDO 2014 A redução do ritmo de crescimento afetou as receitas necessárias aos investimentos e políticas públicas previstas Executivo está comprometido a realizar o máximo superávit primário e ao mesmo tempo garantir a execução de investimentos prioritários e a manutenção dos incentivos à economia nacional, por meio de desonerações de tributos 25

26 ALTERAÇÃO NA LDO 2014 A mudança proposta preserva o conceito de abatimento do superávit primário, restrito exclusivamente aos recursos executados pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e pelas desonerações realizadas com impacto em 2014 A proposta altera o caput do art. 3o para a seguinte redação: "Art. 3o A meta de superávit a que se refere o art. 2o poderá ser reduzida no montante das desonerações de tributos e dos gastos relativos ao Programa de Aceleração do Crescimento PAC, cujas programações serão identificadas no Projeto e na Lei Orçamentária de 2014 com identificador de Resultado Primário previsto na alínea "c" do inciso II do 4o do art. 7o desta Lei." (NR) 26

27 EM 2013, BRASIL TEVE UM DOS MELHORES PRIMÁRIOS ENTRE OS PAÍSES DO G20 Em % do PIB 8,3 1,3 1,8 1,9 2,0-7,4-4,5-3,6-2,8-2,7-2,6-2,1-1,3-1,3-0,9-0,8-0,7-0,4-0,2 Fonte: FMI Elaboração: Ministério do Planejamento 27

28 EM 2014, QUASE TODOS OS PAÍSES DO G20 TERÃO DÉFICIT PRIMÁRIO. BRASIL TEM FISCAL MAIS SÓLIDO Em % do PIB 4,8 0,4 1,5 1,9-3,5-3,4-2,6-2,6-2,3-2,1-1,6-1,5-1,2-1,1-0,5-0,4-0,4-6,3 Fonte: FMI Elaboração: Ministério do Planejamento 28

29 DÍVIDA LÍQUIDA DO BRASIL EM 2013 É MENOR QUE A MÉDIA DOS DEMAIS PAÍSES DO G20 Em % do PIB do ,0 110,8 84,7 82,5 80,4 56,1 40,4 39,2 37,6 33,6 33,3 27,4 13,4-57,0 Fonte: FMI Elaboração: Ministério do Planejamento 29

30 46,4 45,2 41,0 39,4 36,3 33,9 28,6 26,1 13,9 2,7 DÍVIDA BRUTA DO BRASIL EM 2013 ERA MENOR QUE A MÉDIA DOS DEMAIS PAÍSES DO G20 Em % do PIB 243,2 132,5 104,2 91,8 90,6 88,8 78,4 61,5 56,7 Fonte: FMI e BCB Elaboração: Ministério do Planejamento 30

31 Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 11 de novembro de

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO ^ Jatobá Anexo I, Módulo I, Inciso II, IN n. 09/05 do TCE/MA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO O responsável pelo controle interno do Município de Jatobá, em atendimento à Instrução Normativa n. 009/2005 e

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA INTEGRADA EXERCÍCIO 2015

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA INTEGRADA EXERCÍCIO 2015 01 Legislativa 12.481.878,92 455.614.427,68 468.096.306,60 01 031 Ação Legislativa 0,00 186.049.391,21 186.049.391,21 01 031 3282 ATUAÇÃO LEGISLATIVA 0,00 186.049.391,21 186.049.391,21 01 032 Controle

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS MG. PROCURADORIA GERAL

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS MG. PROCURADORIA GERAL LEI Nº 4.027, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2.008 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2.009 O povo do Município de Montes Claros, por seus representantes

Leia mais

MAIS DE 200 MIL PARTICIPANTES EM DOIS PLANOS DE BENEFÍCIOS

MAIS DE 200 MIL PARTICIPANTES EM DOIS PLANOS DE BENEFÍCIOS QUANTIDADE DE PARTICIPANTES MAIS DE 200 MIL PARTICIPANTES EM DOIS PLANOS DE BENEFÍCIOS Plano 1 (Ativos Totais: R$ 162,5 bilhões) PREVI Futuro (Ativos Totais: R$ 5,7 bilhões) 120.000 90.000 20.244 570 303

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento DEPECON/FIESP 29/01/07

Programa de Aceleração do Crescimento DEPECON/FIESP 29/01/07 Programa de Aceleração do Crescimento DEPECON/FIESP 29/01/07 1 2 As Medidas do PAC se dividem em 5 categorias 1) Investimento em Infra-Estrutura 2) Estímulo ao Crédito e ao Financiamento 3) Desoneração

Leia mais

O Plano Plurianual do governo Lula (2004-2007)

O Plano Plurianual do governo Lula (2004-2007) O Plano Plurianual do governo Lula (2004-2007) Maria Lucia Fattorelli Carneiro - 2003 O PPA Plano Plurianual - foi instituído pela Constituição de 1988, com o objetivo de funcionar como o instrumento de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Marabá Paulista

Prefeitura Municipal de Marabá Paulista LEI N.º 1.274/2013 De 31 de Dezembro de 2012. DISPÕE SOBRE: Estima a Receita e Fixa a despesa do município de Marabá Paulista, para o exercício financeiro de 2013, e da outras providências. HAMILTON CAYRES

Leia mais

PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados. PROGRAMA: 0551 - Atuação Legislativa do Senado Federal

PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados. PROGRAMA: 0551 - Atuação Legislativa do Senado Federal PROGRAMA: 21 - Aprimoramento do Ministério Público Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social 82.71 268.863 Despesas Correntes 81.19 261.885 Despesas de Capital 1.511 6.977 Orçamento de Investimentos das

Leia mais

Programação Orçamentária 2012

Programação Orçamentária 2012 Programação Orçamentária 2012 Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Fevereiro de 2012 1 2 3 Bens 4 Serviços 5 6 Desenvolvimento Sustentável Ampliação dos investimentos Fortalecimento

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) Encontram-se neste anexo o conjunto de metas fiscais que deverão nortear

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE LEI DE ORÇAMENTÁRIAS ANUAL - PLOA

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE LEI DE ORÇAMENTÁRIAS ANUAL - PLOA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE LEI DE ORÇAMENTÁRIAS ANUAL - PLOA MARCONDES DA SILVA BOMFIM ANALISTA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO Slide 1 Ementa Oficina nº 8 - Elaboração do PLOA Carga Horária: 08 Conteúdo: 1.

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO TCU PARA A GOVERNANÇA E 0 DESENVOLVIMENTO

A CONTRIBUIÇÃO DO TCU PARA A GOVERNANÇA E 0 DESENVOLVIMENTO A CONTRIBUIÇÃO DO TCU PARA A GOVERNANÇA E 0 DESENVOLVIMENTO 86º Enic Encontro Nacional das Indústrias de Construção Ministro João Augusto Ribeiro Nardes Presidente do TCU 22 de Maio de 2014 SUMÁRIO O ESTADO

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo COMISSÃO DE FINANÇAS, ECONOMIA, ORÇAMENTO, FISCALIZAÇÃO, CONTROLE E TOMADA DE CONTAS RELATÓRIO

Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo COMISSÃO DE FINANÇAS, ECONOMIA, ORÇAMENTO, FISCALIZAÇÃO, CONTROLE E TOMADA DE CONTAS RELATÓRIO RELATÓRIO Através das Mensagens nº 255/15 encaminhada pelo Ex- Governador do Estado do Espírito Santo Paulo César Hartung Gomes. Encaminhada a esta Assembleia Legislativa o Projeto de Lei nº 400/15, que

Leia mais

Prestação de Contas 1º Quadrimestre 2015 Estado do Espírito Santo

Prestação de Contas 1º Quadrimestre 2015 Estado do Espírito Santo Prestação de Contas 1º Quadrimestre 2015 Estado do Espírito Santo Assembleia Legislativa Vitória-ES, 18 de maio de 2015. Secretaria de Estado da Fazenda SUMÁRIO. 1. Expondo a lógica das contas estaduais

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Aula Magna FGV/SP Ministro Guido Mantega São Paulo, 28 de março de 2014 1 Trajetória da Economia Mundial Crescimento do PIB mundial, em % a.a. 12,0 10,0 Mercados emergentes

Leia mais

RREO - ANEXO X (Lei 9.394/1996, art.72) R$ 1,00 PREVISÃO INICIAL. ATUALIZADA(a)

RREO - ANEXO X (Lei 9.394/1996, art.72) R$ 1,00 PREVISÃO INICIAL. ATUALIZADA(a) Tabela 19B - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Município de Tabira - Pernambuco RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO

Leia mais

Demonstrativo da Despesa por Órgãos e Funções - Anexo IX

Demonstrativo da Despesa por Órgãos e Funções - Anexo IX Legislativa Judiciária Essencial à Justiça Administração Segurança Pública 55.200.000 02 - Secretaria 9.411.000 Municipal de Governo 03 - Gabinete 1.100.000 do Vice-Prefeito 04 - Procuradoria 17.280.000Geral

Leia mais

II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional

II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional De acordo com o material estudado, responda as seguintes questões a seguir. 1. Identifique nas frases

Leia mais

Título I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS

Título I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS ESTADO DA ARAÍBA Lei n o 11.867, de 21 de janeiro de 2010. ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESESA DO MUNICÍIO DE JOÃO ESSOA ARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2010. O REFEITO DO MUNICÍIO DE JOÃO ESSOA, ESTADO DA

Leia mais

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Setembro de 20 1 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO Estratégias de Desenvolvimento em Minas Gerais Raphael Guimarães Andrade Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais Belo Horizonte, 09 de outubro

Leia mais

Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira

Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira Paulo Tafner São Paulo Março de 216. Previdência Social Os fatos Previdência Social Brasileira - 214 (% do PIB) Previdência Social Brasileira

Leia mais

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS Subsecretaria de Contabilidade Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS Resultado Primário e Resultado Nominal Programa

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DECRETOS DE 1º DE JANEIRO DE 2015

ATOS DO PODER EXECUTIVO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DECRETOS DE 1º DE JANEIRO DE 2015 ATOS DO PODER EXECUTIVO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO JORGE HAGE SOBRINHO do cargo de Ministro de Estado Chefe da Controladoria-Geral da União. VALDIR MOYSÉS SIMÃO, para exercer o cargo de Ministro de Estado

Leia mais

Página: 1 de 8 23/01/2015 14:47

Página: 1 de 8 23/01/2015 14:47 Página: 1 de 8 1-RECEITAS DE IMPOSTOS RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da Constituição) PREVISÃO PREVISÃO 4.563.250,00 4.563.250,00 1.072.219,54 5.951.109,36 130,41 1.1-Receita Resultante

Leia mais

Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios

Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios Grupo Técnico de Padronização de Relatórios GTREL BRASÍLIA Abril, 2014 Acórdão TCU nº 1.776/2012 Acórdão TCU nº

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Modernização Institucional Projeto de Lei OSCIPs

Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Modernização Institucional Projeto de Lei OSCIPs Governo do Estado do Rio Grande do Sul Modernização Institucional Projeto de Lei OSCIPs Base e referência legal Ementa Constitucional 19/98 Lei nº 9.637/98 Lei n.º 9.790/99 Lei n 846/98 Lei nº 14.870/2003

Leia mais

LEI Nº, DE DE 2003. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº, DE DE 2003. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI LEI Nº, DE DE 2003 Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2004/2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º

Leia mais

ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15

ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15 1 ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15 LEI Nº 10.347 Estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2015. PROJETO DE LEI 400/15 Estima

Leia mais

Análise Macroeconômica Brasileira

Análise Macroeconômica Brasileira Análise Macroeconômica Brasileira OUT/2013 Shotoku Yamamoto Fundamentos no Tripé: 1 - Superávit Primário; 2 - Meta de Inflação; 3 - Câmbio Flutuante 1 Superávit Primário Conceito: Diferença positiva entre

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS NÍVEIS DA REFORMA PRINCÍPIOS GERAIS. Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos

PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS NÍVEIS DA REFORMA PRINCÍPIOS GERAIS. Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos PRINCÍPIOS GERAIS Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos Funções Operacionais 30-03-2006 1 30-03-2006 2 PRINCÍPIOS GERAIS Apoio à Governação (em todos os Ministérios) Serviços de planeamento,

Leia mais

Afinal o que é a DRU?

Afinal o que é a DRU? Afinal o que é a DRU? Em 2015, um debate importante está sendo promovido sobre o Financiamento da Seguridade Social, no que tange a prorrogação da Desvinculação das Receitas da União (DRU). Mas afinal

Leia mais

3º QUADRIMESTRE 2011 28/02/2012

3º QUADRIMESTRE 2011 28/02/2012 3º QUADRIMESTRE 2011 28/02/2012 Metas assumidas para 2011 Alcançar o equilíbrio das contas. Atender às recomendações dos órgãos de controle. 29/2/2012 2 Cenário em 2010 2010 Resultado Primário Resultado

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Processo de seleção para Analistas Temáticos A SPI está reestruturando sua atuação, buscando reforçar

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA 2016

PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA 2016 PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA 2016 Cenário macroeconômico 2015 2016 PIB (crescimento real % a.a.) -3,7-2,9 IPCA (acumulado- var %) 10,60 7,10 PIB Nominal (R$ bi) 5.882 6.194 Salário Mínimo (R$) 788,00

Leia mais

SUPERÁVIT PRIMÁRIO E GASTOS EM EDUCAÇÃO

SUPERÁVIT PRIMÁRIO E GASTOS EM EDUCAÇÃO SUPERÁVIT PRIMÁRIO E GASTOS EM EDUCAÇÃO José Lúcio Alves Silveira 1 Resumo: O trabalho demonstra a possibilidade do setor público reduzir os atuais superávits primários, o que liberaria mais recursos para

Leia mais

Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/2017. Alimentos Saudáveis para o campo e a cidade

Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/2017. Alimentos Saudáveis para o campo e a cidade Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/2017 Alimentos Saudáveis para o campo e a cidade Crédito Pronaf R$ 30 bilhões para financiamento da produção de Alimentos Saudáveis Juros mais baixos, redução de

Leia mais

Secretaria De Estado Da Fazenda

Secretaria De Estado Da Fazenda Secretaria De Estado Da Fazenda COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO - CAFE - Coordenação da Administração Financeira do Estado ORÇAMENTO PÚBLICO Definições de Orçamento Um ato contendo a

Leia mais

Anexo I - Receita dos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social por Categoria Econômica e Origem ESPECIFICAÇÃO

Anexo I - Receita dos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social por Categoria Econômica e Origem ESPECIFICAÇÃO Anexo I Receita dos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social por Categoria Econômica e Origem Valores em R$ 1,00 1. RECEITAS CORRENTES ESPECIFICAÇÃO Impostos, Taxas e Contribuições de Melhoria Contribuições

Leia mais

Seguridade Social na Conjuntura Atual

Seguridade Social na Conjuntura Atual Universidade de Brasília (UnB) Instituto de Ciências Humanas (IH) Departamento de Serviço Social (SER) Programa de pós-graduação em Política Social Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Seguridade Social

Leia mais

ORÇAMENTO PARA 2008 : RECEITAS PRIMÁRIAS REESTIMADAS APÓS A EXTINÇÃO DA CPMF E A ADOÇÃO DE MEDIDAS TRIBUTÁRIAS COMPENSATÓRIAS.

ORÇAMENTO PARA 2008 : RECEITAS PRIMÁRIAS REESTIMADAS APÓS A EXTINÇÃO DA CPMF E A ADOÇÃO DE MEDIDAS TRIBUTÁRIAS COMPENSATÓRIAS. ORÇAMENTO PARA 2008 : RECEITAS PRIMÁRIAS REESTIMADAS APÓS A EXTINÇÃO DA CPMF E A ADOÇÃO DE MEDIDAS TRIBUTÁRIAS COMPENSATÓRIAS. Como é de amplo conhecimento, ao final de 2007 e inicío de 2008 aconteceram

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO. GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais,

ESTADO DE SÃO PAULO. GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 59.385, DE 26 DE JULHO DE 2013 Institui a Câmara Intersecretarial de Segurança Alimentar e Nutricional - CAISAN/SP e dá providências correlatas. GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA PARÂMETROS DE FIXAÇÃO DE PREÇOS EM OBRAS PÚBLICAS

CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA PARÂMETROS DE FIXAÇÃO DE PREÇOS EM OBRAS PÚBLICAS CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA PARÂMETROS DE FIXAÇÃO DE PREÇOS EM OBRAS PÚBLICAS Audiência Pública - CMA/SENADO 13.04.2010 - BRASILIA-DF LDO 2010 (LEI Nº 12.017, DE 12 DE AGOSTO

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS PRIMÁRIAS

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS PRIMÁRIAS RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS PRIMÁRIAS 3º Bimestre de 2015 Brasília DF Julho/2015 O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS PRIMÁRIAS é uma publicação em cumprimento ao disposto

Leia mais

ORÇAMENTO PÚBLICO. PPA Plano Plurianual. Planejar é o contrário de improvisar.

ORÇAMENTO PÚBLICO. PPA Plano Plurianual. Planejar é o contrário de improvisar. ORÇAMENTO PÚBLICO O QUE É PLANEJAR Planejar é o contrário de improvisar. PPA Plano Plurianual SE PLANEJA PARA: Estabelecer prioridades. Otimizar recursos. Se programar no tempo e no espaço. Se definir

Leia mais

SANEAMENTO RURAL: ATUAÇÃO DA FUNASA E O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

SANEAMENTO RURAL: ATUAÇÃO DA FUNASA E O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL SANEAMENTO RURAL: ATUAÇÃO DA FUNASA E O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL José Antonio da Motta Ribeiro Coordenação Geral de Engenharia Sanitária Salvador, 18 de Setembro de 2015 Fundação Nacional

Leia mais

Siglas deste documento:

Siglas deste documento: O CAUC possui 13 itens a serem observados para a efetivação de uma transferência voluntária. Veja adiante a legislação relativa a cada um desses itens. Siglas deste documento: CADIN Cadastro Informativo

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social

PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social LUCIANO MARTINEZ martinezluciano@uol.com.br Fanpage: facebook.com/professorlucianomartinez

Leia mais

LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007.

LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007. LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007. Estima as Receitas e Fixa as Despesas do Município de Gaúcha do Norte, Estado de Mato Grosso, para o Exercício Financeiro de 2008 e dá outras providências. EDSON

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Lei de Responsabilidade Fiscal: implementação e resultados Dra. Selene Peres Peres Nunes Assessora Econômica do Ministério do Planejamento, Orçamento e GestãoG 10 de setembro de 2002 O QUE É A LEI DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

A N E X O I I L R F - C Â M A R A M U N I C I PA L D E F O Z D O I G U A Ç U

A N E X O I I L R F - C Â M A R A M U N I C I PA L D E F O Z D O I G U A Ç U DEMONSTRAÇÃO DE DESPESA SEGUNDO CATEGORIAS ECONÔMICAS A N E X O I I L R F - C Â M A R A M U N I C I PA L D E F O Z D O I G U A Ç U B A S E D E D A D O S Sítio : www.cmfi.pr.gov.br (Câmara Municipal de

Leia mais

TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1)

TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1) TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1) 40- O relatório de gestão fiscal, previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LC nº 101/2000) conterá,

Leia mais

OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO

OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO introdução.qxd 9/9/04 14:40 Page 1 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Relatório Nacional de Acompanhamento Setembro de 2004 Supervisão Grupo Técnico para Acompanhamento dos Objetivos do Desenvolvimento

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL - PPA

ELABORAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL - PPA CURSOS SETORIAIS PARA GESTORES PÚBLICOS P MUNICIPAIS ELABORAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL - PPA Profa. Nirleide Saraiva Coelho PPA 2010/2013 O Plano Plurianual de um Município é o instrumento de planejamento

Leia mais

Estou oferecendo um curso completo de AFO em Exercícios no Ponto. Serão quase 500 questões, todas atualizadas, a maioria de 2014/2015/2016.

Estou oferecendo um curso completo de AFO em Exercícios no Ponto. Serão quase 500 questões, todas atualizadas, a maioria de 2014/2015/2016. Questões de concursos públicos 2016 Processo de Elaboração e Execução Orçamentária e Financeira Prezado(a) estudante, concursando(a)! Desejo-lhe inspiração para a conquista de seus sonhos e o pleno alcance

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO N.º 003/2012, 11 DE DEZEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO N.º 003/2012, 11 DE DEZEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO N.º 003/2012, 11 DE DEZEMBRO DE 2012. Versão: 01 Aprovação em: 11 de dezembro de 2012 Ato de aprovação: Resolução n. 82/2012. Unidade Responsável: Secretaria Geral Administrativa

Leia mais

Financiamento da Educação: necessidades e possibilidades

Financiamento da Educação: necessidades e possibilidades Financiamento da Educação: necessidades e possibilidades Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do IPEA Brasília, 14 de dezembro de 2011 Sub-setorial Transversal Educação

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade e Orçamento Público Carga Horária:50 aulas Semestre Letivo / Turno: 3º semestre Professor: Período: Ementa da disciplina:

Leia mais

Seminário sobre Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul - SisGAAz

Seminário sobre Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul - SisGAAz Seminário sobre Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul - SisGAAz Diretor da DGePEM Diretoria de Gestão de Programas Estratégicos da Marinha, Vice-Almirante Antonio Carlos Frade Carneiro Por Luiz Padilha

Leia mais

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61 Anexo 01 Demonstrativo da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas RECEITA DESPESA RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES RECEITA PATRIMONIAL 2.017.196,11 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA 0,00 RECEITA

Leia mais

Fator Previdenciário

Fator Previdenciário Fator Previdenciário Marco Antônio Guarita Diretor de Relações Institucionais da CNI Brasília, 26 de março de 29 Principais Pontos Equilíbrio da Previdência: mandato constitucional, exigência para o crescimento

Leia mais

Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável

Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável São Paulo, FGV-SP, 10º Fórum de Economia, 30/09/2013 Luiz Fernando de Paula Professor Titular da FCE/UERJ e ex- Presidente da AKB Email:

Leia mais

MANUAL DE DEMONSTRATIVOS FISCAIS REVISÃO 2012 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES. PORTARIA Nº 637, DE 18/10/2012, DOU de 22/10/2012

MANUAL DE DEMONSTRATIVOS FISCAIS REVISÃO 2012 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES. PORTARIA Nº 637, DE 18/10/2012, DOU de 22/10/2012 MANUAL DE DEMONSTRATIVOS FISCAIS REVISÃO 2012 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES PORTARIA Nº 637, DE 18/10/2012, DOU 22/10/2012 Aprova a 5ª edição do Manual Demonstrativos Fiscais, que entra em vigor na data sua publicação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.601, DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. Dispõe sobre a gestão do Plano Plurianual 2008-2011 e de seus programas. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Campus UFSCar de Sorocaba Experiências em Sustentabilidade

Campus UFSCar de Sorocaba Experiências em Sustentabilidade Colóquio Sustentabilidade, Educação Ambiental e Eficiência Energética: um desafio para as instituições de ensino e para a sociedade. CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Secretaria Especial do

Leia mais

Secretaria da Habitação e Saneamento

Secretaria da Habitação e Saneamento Secretaria da Habitação e Saneamento APRESENTAÇÃO O programa BANCO DE TERRAS surgiu na necessidade de ampliarmos o programa MCMV no estado do Rio Grande do Sul para famílias com renda de até 3 salários

Leia mais

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011 O Informativo Mensal de Conjuntura faz parte das publicações e análises efetuadas pela equipe técnica do Boletim Economia & Tecnologia publicado trimestralmente. O Informativo apresenta uma análise rápida

Leia mais

DECRETO Nº 4.613, DE 11 DE MARÇO DE

DECRETO Nº 4.613, DE 11 DE MARÇO DE DECRETO Nº 4.613, DE 11 DE MARÇO DE 2003 (Publicado no Diário Oficial de 12 de março de 2003) com nova redação dada pelo DECRETO Nº 5.263, de 05 de novembro de 2004 (Publicado no Diário Oficial de 06 de

Leia mais

O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY. IV Fórum da Reforma do Estado - São Paulo Set. 2005

O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY. IV Fórum da Reforma do Estado - São Paulo Set. 2005 O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY A Importância de Serviço Civil Estruturado Bens e Serviços Públicos Governança Reforma da Política Econômica Gasto Público Sustentabilidade Fiscal Fonte:

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os desafios econômicos em 2015 1 Indicadores macroeconômicos ruins A Presidente Dilma Rouseff

Leia mais

Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas. Ministério do Planejamento

Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas. Ministério do Planejamento Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas PPA 2012-2015 Agenda 1. O PPA 2012-2015 2. Princípios 3. Dimensões do Plano 4. Principais Mudanças 5. Estrutura e Conceitos 6. Elaboração do PPA 1. O PPA

Leia mais

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO 1 2 3 4 5 Sugestões, questões de prova e auxilio em seus estudos:fabiomoreira2011@gmail.com SUCESSO PROFISSIONAL!!! 6 54. Analise o seguinte Balanço,

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves IFSC Instituto Federal de Santa Catarina Direito ESTADO NATURAL ESTADO DE DIREITO O Homem necessita se relacionar com

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2012 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) foi criado pelo Decreto-Lei nº 9.295/46, com alterações,

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Controladoria Prof. Dr. Fábio Frezatti aula 07 Etapa Financeira Aula 7 Ao final desta aula você: - Inserirá o conceito de gastos, custos, despesas e investimentos na análise do orçamento. - Explicitará

Leia mais

Cobertura de Seguridade Social

Cobertura de Seguridade Social Cobertura de Seguridade Social A cobertura de seguridade social no Brasil: uma análise da componente previdenciária Paulo Tafner e Fabio Giambiagi Buenos Aires, maio/2010 Estrutura do Sistema previdenciário

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n.º /06 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira que expresso em termos de valores, para um período de tempo definido,

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas

Governo do Estado do Amazonas LEI Nº 3.202, de 20 de dezembro de 2007 ESTIMA a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2.008. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAZONAS D E C R E T A: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 20 e 23 de junho de 2016 Analistas consultados: 24 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa FEBRABAN

Leia mais

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua abril de 20 1 Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil 1. Metas de Inflação no Brasil 2 Metas de Inflação no Brasil

Leia mais

Oportunidade. para quem mais precisa

Oportunidade. para quem mais precisa Oportunidade para quem mais precisa 1.1 Estratégia de atuação 1 O que é o Programa Vida Melhor? Até 2015, um conjunto de ações será trabalhado com 120 mil famílias na área urbana e 280 mil famílias no

Leia mais

Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados. Audiência Pública com o Ministro de Estado da Defesa, Jaques Wagner

Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados. Audiência Pública com o Ministro de Estado da Defesa, Jaques Wagner Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados Audiência Pública com o Ministro de Estado da Defesa, Jaques Wagner Brasília, 20 de maio de 2015 O que é a Defesa? O Ministério

Leia mais

A Política do Superávit Primário

A Política do Superávit Primário A Política do Superávit Primário Edson Ronaldo Nascimento 1 Recentemente o Governo Federal divulgou informações a respeito das metas de resultado primário referentes ao penúltimo bimestre de 2006, comparando

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Maio/2014 GOVERNADOR DO ESTADO João Raimundo Colombo SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA Antonio Marcos

Leia mais

PREFEITURA DE JUIZ DE FORA

PREFEITURA DE JUIZ DE FORA Demonstrativo de Despesas por e 01000 - SECRETARIA DE GOVERNO 01110 - SECRETARIA DE GOVERNO Página: 1 Administração 8.411.772,32 Segurança Pública 1.213.074,60 Trabalho 57.000,00 Direitos da Cidadania

Leia mais

Marcelo Mesquita Secretário Executivo

Marcelo Mesquita Secretário Executivo P&D e Eficiência Energética Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética Marcelo Mesquita Secretário Executivo Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética Consumo Nacional e o PIB Quando

Leia mais

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, certas aflições por que passa a população brasileira são totalmente desnecessárias e

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, certas aflições por que passa a população brasileira são totalmente desnecessárias e Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, certas aflições por que passa a população brasileira são totalmente desnecessárias e contraproducentes. Esse é o caso da política de preços internacionais

Leia mais

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA Gestão Orçamentária Alexandre Lemos Coelho Neto Brasília, 20 de setembro de 2005. Gestão Orçamentária Programa 2 dia Classificações Orçamentárias da Despesa: - Institucional; - Funcional (e Estrutura Programática);

Leia mais

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Orçamento de Caixa Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Fortaleza 2011 Fluxo de bens e serviços x Fluxo de caixa Orçamento de Caixa: Projeção de entradas e saídas de caixa; Necessidades de financiamentos;e

Leia mais

Previdência Social Brasília, junho de 2015

Previdência Social Brasília, junho de 2015 Previdência Social Brasília, junho de 2015 1 Década de 1980: A expectativa de vida ao nascer era de 62,5 anos; Transição demográfica no Brasil A maior concentração populacional estava na faixa até 19 anos

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial 31 de dezembro de 2015 31 de dezembro de 2014 Passivo

Leia mais

PODER EXECUTIVO LEONARDO NUNES RÊGO Prefeito Municipal LUIZ FABRÍCIO DO RÊGO TORQUATO Vice-Prefeito

PODER EXECUTIVO LEONARDO NUNES RÊGO Prefeito Municipal LUIZ FABRÍCIO DO RÊGO TORQUATO Vice-Prefeito DIÁRIO OFICIAL DO MUNICÍPIO Instituído pela Lei Municipal n 901, de 02 de julh o de 2002. ADMINISTRAÇÃO DO EXMO. SR. PREFEITO LEONARDO NUNES RÊGO ANO X N 613 PAU DOS FERROS/RN, Quinta-feira, 2 7 de Janeiro

Leia mais

As despesas primárias fora de controle

As despesas primárias fora de controle POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA As despesas primárias fora de controle Jedson César de Oliveira * José Luis Oreiro ** Entre as questões mais preocupantes atualmente no que tange a condução da política

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Dezembro/2014 GOVERNADOR DO ESTADO João Raimundo Colombo SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA Antonio Marcos

Leia mais

O mercado de trabalho para os engenheiros. Engenheiro Civil Valter Fanini

O mercado de trabalho para os engenheiros. Engenheiro Civil Valter Fanini para os engenheiros Engenheiro Civil Valter Fanini Formação do salário dos engenheiros O contexto macro-econômico O mercado de trabalho As informações do mercado (RAIS) As normas legais O contexto macro-econômico

Leia mais

A aritmética do ajuste fiscal e o crescimento econômico no Brasil

A aritmética do ajuste fiscal e o crescimento econômico no Brasil A aritmética do ajuste fiscal e o crescimento econômico no Brasil Fernando Motta Correia * RESUMO - A relação de causalidade entre programas de ajuste fiscal e crescimento econômico, na maioria das vezes

Leia mais