Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas"

Transcrição

1 Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas São Paulo, 26 de Junho de

2 Emissões de GEE do Setor Energia, (2013) 2 Milhões de toneladas de CO2e Transportes Industrial Geração de Eletricidade Produção de Combustíveis Residencial Agropecuário Comercial Público 1% 4% 5% 4% 5% 17% 11% 15% % 4% % 47% 17% 20%

3 Emissões de CO2e: Transportes (2013) Energia Primária Energia Secundária Modal Categoria Função 3 PETRÓLEO 204,2 Mt (96,3%) GÁS NATURAL 4,0 Mt (1,9% %) ÓLEO COMBUSTÍVEL 3,1 Mt (1,5%) ÓLEO DIESEL 120,0 Mt (56,7%) GASOLINA AUTOMOTIVA 70,1 Mt (33,1%) QUEROSENE DE AVIAÇÃO 10,8 Mt (5,1%) GASOLINA C (CH 4 e N 2 O) 3,2 Mt (1,5%) HIDROVIÁRIO(*) 4,1 Mt (2,0%) FERROVIÁRIO 3,1 Mt (1,5%) RODOVIÁRIO 193,7 Mt (91,4%) AÉREO 10,9 Mt (5,2%) EMBARCAÇÕES LOCOMOTIVAS CAMINHÕES 86,0 Mt (40,6%) ÔNIBUS 22,7 Mt (10,7%) COM. LEVES 17,9Mt (8,5%) AUTOMÓVEIS 60,8 Mt (28,7%) MOTOCICLETAS 6,1 Mt (2,9%) AERONAVES 10,8 Mt (5,1%) QUEROSENE DE AVIAÇÃO CARGA 96,7 Mt (45,6%) PASSAGEIROS 115,2 Mt (54,4%) Total: 211,9 MtCO 2 e ** Fonte de dados: Balanço Energético Nacional (MME) e Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas por Veículos Automotores Rodoviários (MMA) (*) Uma parcela do uso de combustíveis em embarcações decorre do transporte de passageiros. Devido a ausência de informações fundamentadas e a sua pouca importância no conjunto das emissões, optou-se por alocar as emissões deste modal no transporte de cargas (**) Incluídas as emissões do consumo de álcool hidratado no transporte rodoviário que correspondem a 0,6 Mt (0,3%) e as emissões do consumo de gasolina de aviação no transporte aéreo que correspondem a 0,2 Mt (0,1%). 3

4 TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS (2030) 85 MtCO 2 e Foco nos Veículos (g/km) Foco na Mobilidade Urbana Padrões obrigatórios de eficiência energégca para veículos leves e ônibus Efegva implantação e aperfeiçoamento do Programa Inovar- Auto (Lei /2012) e do PBEV (MDIC, INMETRO, MME, CGIEE). Ampliação da pargcipação do etanol nos veículos leves flex (60% em 2030) Subsgtuição integral do óleo diesel por fontes renováveis na frota de ônibus das RMs Novas fontes de financiamento e modelos de remuneração da operação do TP Uglização de B20 no restante da frota de ônibus urbanos e interurbanos - Expansão da oferta de transporte público de média e alta capacidade (BRTs, VLTs, metrôs e trens) e de TNM nas Regiões Metropolitanas. Estabelecimento, por parte dos governos estaduais e do governo federal, de fontes permanentes e previsíveis de financiamento de projetos de mobilidade urbana - Incorporação da bicicleta no sistema de mobilidade urbana Implantação de ciclovias, bicicletários e outras infraestruturas de apoio, integradas à rede de transporte colegvo. - Uglização de instrumentos regulatórios e econômicos para desesgmular o uso do transporte individual motorizado nas RMs Gestão de estacionamentos, restrição de acessos, 4 taxa de congesgonamento, etc.

5 Impactos agravados pelo padrão de mobilidade urbana centrado no transporte motorizado individual (i) Espraiamento das cidades e consequente aumento das distâncias, tempos de viagens e custos; (ii)dificuldade de acessibilidade das parcelas da população de mais baixa renda; (iii)demanda crescente por mais espaço viário; (iv)aumento das vígmas do trânsito; (v)ocupação desigual dos espaços de circulação com o aumento de congesgonamento, que, impõe um custo econômico à sociedade. (vi)deterioração da qualidade do ar (vii) Emissões de GEE 5

6 TRANSPORTE DE CARGAS (2030) 139 MtCO 2 e Foco nos Veículos Padrões obrigatórios de eficiência energégca para caminhões Foco na Transferência Modal (não considerado nas es1ma1vas) Ampliação do escopo do Programa Inovar- Auto (Lei /2012) e do PBEV (MDIC, INMETRO, MME, CGIEE). Ampliação da mistura de biodiesel no diesel de petróleo para 20% (B20) - Expansão de infraestrutura de ferrovias e hidrovias, bem como implantação de plataformas logísgcas de integração Revisão e efegva implantação do PNLT com vistas a promover, sempre que tecnicamente possível, a transferência de cargas do modal rodoviário para o ferroviário e hidroviário. 6

7 SUB- SETORES TRANSPORTES GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INDÚSTRIA OUTROS TOTAL EMISSÕES (MtCO2e)

Fórum Global de Mobilidade Elétrica

Fórum Global de Mobilidade Elétrica PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES (PET) Fórum Global de Mobilidade Elétrica PLANEJANDO O USO DE TRAÇÃO ELÉTRICA PARA O TRANSPORTE URBANO. EXPERIÊNCIA DA COPPE NO BRASIL. MÁRCIO D AGOSTO dagosto@pet.coppe.ufrj.br

Leia mais

A MATRIZ DE TRANSPORTE E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

A MATRIZ DE TRANSPORTE E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SALA 5 PAINEL 1 A MATRIZ DE TRANSPORTE E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Economia da Energia e do Meio Ambiente 21 de maio de 2012 São Paulo, SP A Matriz de Transporte

Leia mais

Desafios para a Descarbonização dos Transportes no Brasil e o Acordo de Paris

Desafios para a Descarbonização dos Transportes no Brasil e o Acordo de Paris Desafios para a Descarbonização dos Transportes no Brasil e o Acordo de Paris Brasília, 6 de Dezembro de 2017 Projeção da Emissões de CO 2 Transportes Current Policies Scenário (IEA, 2017) 12000 10000

Leia mais

documento de análise EVOLUÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO BRASIL (1990-2013) SETOR DE ENERGIA E PROCESSOS INDUSTRIAIS

documento de análise EVOLUÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO BRASIL (1990-2013) SETOR DE ENERGIA E PROCESSOS INDUSTRIAIS documento de análise EVOLUÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO BRASIL (199-213) SETOR DE ENERGIA E PROCESSOS INDUSTRIAIS coordenação técnica iema instituto de Energia e meio ambiente EQuipE técnica

Leia mais

Análise da evolução das emissões de GEE no Brasil (1990-2012) Setor de energia

Análise da evolução das emissões de GEE no Brasil (1990-2012) Setor de energia Documento de Análise Análise da evolução das emissões de GEE no Brasil (19902012) Setor de energia Equipe Técnica André Luis Ferreira David Shiling Tsai Kamyla Borges da Cunha Marcelo dos Santos Cremer

Leia mais

A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc

A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc VII Encontro de Logística e Transporte São Paulo, 21 de maio 2012 Transporte Sustentável Deve atender as necessidades de mobilidade da

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Estratégico Mobilidade Urbana SMDU DEURB

Revisão do Plano Diretor Estratégico Mobilidade Urbana SMDU DEURB Revisão do Plano Diretor Estratégico Mobilidade Urbana SMDU DEURB 2013 Características da Mobilidade em São Paulo 25,2 milhões de viagens diárias motorizadas na RMSP; 18,0 milhões de viagens diárias motorizadas

Leia mais

MOBILIDADE URBANA E SUSTENTABILIDADE A Contribuição das Alternativas Tecnológicas para Ônibus

MOBILIDADE URBANA E SUSTENTABILIDADE A Contribuição das Alternativas Tecnológicas para Ônibus PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES (PET) MOBILIDADE URBANA E SUSTENTABILIDADE A Contribuição das Alternativas Tecnológicas para Ônibus Márcio de Almeida D Agosto PET/COPPE/UFRJ SUMÁRIO 1.Quem somos?

Leia mais

PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL

PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL O FENÔMENO DOS CARROS FLEX E OS NOVOS USOS DO ETANOL 2 MERCADO AUTOMOTIVO BRASILEIRO Vendas de automóveis e comerciais leves por tipo de

Leia mais

Visão Global do Programa Veículo Elétrico

Visão Global do Programa Veículo Elétrico Visão Global do Programa Veículo Elétrico 26 de junho de 2013 Diretoria Geral Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável Histórico do Programa VE Itaipu/KWO Acordo de cooperação tecnológico ITAIPU -KWO

Leia mais

ÔNIBUS A ETANOL UMA SOLUÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO

ÔNIBUS A ETANOL UMA SOLUÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO ÔNIBUS A ETANOL UMA SOLUÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO 1997: A HISTÓRIA DO ÔNIBUS A ETANOL NO BRASIL COMEÇOU EM SÃO PAULO. O ÔNIBUS A ETANOL É UM PRODUTO DE TERCEIRA GERAÇÃO AMPLAMENTE TESTADO. O COMBUSTÍVEL

Leia mais

E o que estamos fazendo sobre os pneus?

E o que estamos fazendo sobre os pneus? PROGRAMAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA I PNEUS Vamos aos pneus! E o que estamos fazendo sobre os pneus? - O CONPET, programa criado pelo Governo Federal em 1991 e executado pela Petrobras, promove a eficiência

Leia mais

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO SETOR DE ENERGIA

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO SETOR DE ENERGIA VI SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CLIMATOLOGIA Painel 2: Recursos Energéticos e Discussões Climáticas Globais EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO SETOR DE ENERGIA David Tsai 14 de outubro de 2015 INSTITUTO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO HORÁRIO TEMAS CONTEXTUALIZAÇÃO

PROGRAMAÇÃO HORÁRIO TEMAS CONTEXTUALIZAÇÃO PROGRAMAÇÃO HORÁRIO TEMAS CONTEXTUALIZAÇÃO 14:00 às 15:30 ETANOL NA MATRIZ ENERGÉTICA -Gargalos de infraestruturae de logística do abastecimento de etanol no mercado interno e para exportação. -Sazonalidade

Leia mais

Mobilidade Urbana, Emissões de GEE e Qualidade do Ar no Brasil

Mobilidade Urbana, Emissões de GEE e Qualidade do Ar no Brasil Mobilidade Urbana, Emissões de GEE e Qualidade do Ar no Brasil São Paulo, 3 de setembro de 2014 CONTEÚDO 1. O papel do transporte individual de passageiros no consumo de energia e nas emissões de GEE (CO

Leia mais

Introdução TRANSOESTE. Ilustração 3D

Introdução TRANSOESTE. Ilustração 3D Cidade Integrada Introdução A cidade do Rio de Janeiro passa por uma mudança de paradigma na mobilidade, com um grande ciclo de investimentos em transporte de alta capacidade. O processo envolve obras

Leia mais

PERFIL INSTITUCIONAL

PERFIL INSTITUCIONAL PERFIL INSTITUCIONAL EMPRESA A Socicam é uma empresa genuinamente brasileira que presta serviços de gestão integrada no apoio ao transporte de passageiros e atendimento ao cidadão. Especializada na administração,

Leia mais

Plano de Transportes Sustentáveis

Plano de Transportes Sustentáveis POLÍTICA ESTADUAL DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS GRUPO DE TRABALHO DE TRANSPORTES SUSTENTÁVEIS Plano de Transportes Sustentáveis Relatório: Inventário de Emissões, Diretrizes e Orientação para o Programa de Ações.

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012 O Planejamento Energético deve considerar: Segurança Energética Sustentabilidade Ambiental

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Integração física e econômica da região

APRESENTAÇÃO. Integração física e econômica da região APRESENTAÇÃO O seminário Logística para o Desenvolvimento do Nordeste, realizado no âmbito do CONSEPLAN/NE, no dia 14 de maio de 2012, na cidade de Salvador/BA, teve por objetivo identificar projetos e

Leia mais

12ª Semana de Tecnologia Metroferroviária Trabalho Técnico. Modernização dos Sistemas de Transporte sobre Trilhos de Passageiros de Natal,

12ª Semana de Tecnologia Metroferroviária Trabalho Técnico. Modernização dos Sistemas de Transporte sobre Trilhos de Passageiros de Natal, 12ª Semana de Tecnologia Metroferroviária Trabalho Técnico TEMA Modernização dos Sistemas de Transporte sobre Trilhos de Passageiros de Natal, João Pessoa e Maceió. RESUMO O trabalho analisa as influências

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Roberto de Aguiar Peixoto

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Roberto de Aguiar Peixoto Departamento de Meio Ambiente DMA Divisão de Mudança do Clima Programa DMA Discussões Internas sobre Mudança do Clima Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Roberto de Aguiar Peixoto SUMARIO

Leia mais

1ª PESQUISA OD NA BAIXADA. Estudo sobre a mobilidade da população:

1ª PESQUISA OD NA BAIXADA. Estudo sobre a mobilidade da população: 1 1ª PESQUISA OD NA BAIXADA Estudo sobre a mobilidade da população: 2 PESQUISA OD VIAGEM MODO MOTIVO Informações adicionais: Tempo de viagem Características socioeconômicas Localização dos pólos de produção

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO Secretaria dos Transportes Metropolitanos Coordenadoria de Planejamento e Gestão CPG Rio de Janeiro - nov/14 Estrutura da Apresentação:

Leia mais

8º Encontro de Logística e Transportes

8º Encontro de Logística e Transportes 8º Encontro de Logística e Transportes Renato Ferreira Barco DIRETOR PRESIDENTE EVOLUÇÃO ÁREA DE INFUÊNCIA DA MOVIMENTAÇÃO PORTO DE SANTOS (Mt) PARTICIPAÇÃO DO PORTO DE SANTOS (em bilhões de R$) Santos

Leia mais

Fórum Brasil-Alemanha de Mobilidade Elétrica Igor Reis de Albuquerque

Fórum Brasil-Alemanha de Mobilidade Elétrica Igor Reis de Albuquerque Fórum Brasil-Alemanha de Mobilidade Elétrica Igor Reis de Albuquerque ICLEI Governos Locais pela Sustentabilidade O ICLEI é a principal rede mundial de cidades e governos locais dedicados ao desenvolvimento

Leia mais

EMISSÕES VEICULARES NO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE

EMISSÕES VEICULARES NO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE 2011 EMISSÕES VEICULARES NO ESTADO DE SÃO PAULO SÉRIE RELATÓRIOS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO EMISSÕES VEICULARES NO ESTADO

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável SEMAD, apresenta o Primeiro Inventário de Emissões

Leia mais

Olho no VLT VLT CARIOCA MUDANÇA DE HÁBITO. O VLT Carioca traz para o centro do Rio um novo cenário de mobilidade urbana.

Olho no VLT VLT CARIOCA MUDANÇA DE HÁBITO. O VLT Carioca traz para o centro do Rio um novo cenário de mobilidade urbana. DO VLT VLT CARIOCA MUDANÇA DE HÁBITO O VLT Carioca traz para o centro do Rio um novo cenário de mobilidade urbana. Pedestres e motoristas vão conviver 24 horas por dia com o VLT. Os trens são silenciosos

Leia mais

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado Representante da União da Indústria de Cana-de-Açúcar O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE Estrutura produtiva: 430 unidades produtoras

Leia mais

A importância do Etanol na Descarbonização do Setor Transportes. André Luís Ferreira Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA)

A importância do Etanol na Descarbonização do Setor Transportes. André Luís Ferreira Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA) A importância do Etanol na Descarbonização do Setor Transportes André Luís Ferreira Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA) Campinas, 20 de Setembro de 2016 Roteiro da Apresentação 1. Caracterização

Leia mais

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia e Processos Industriais Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Equipe Técnica André Luís Ferreira David Shiling Tsai Marcelo dos Santos Cremer Karoline Costal

Leia mais

QUANDO VIRÁ O PRÓXIMO CICLO DE INVESTIMENTOS EM NOVAS USINAS DE ETANOL? Marcos S. Jank. Presidente da União da Indústria da Cana-de-açúcar

QUANDO VIRÁ O PRÓXIMO CICLO DE INVESTIMENTOS EM NOVAS USINAS DE ETANOL? Marcos S. Jank. Presidente da União da Indústria da Cana-de-açúcar QUANDO VIRÁ O PRÓXIMO CICLO DE INVESTIMENTOS EM NOVAS USINAS DE ETANOL? Marcos S. Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-açúcar Rio de Janeiro, 12 de dezembro de 2011 O que aconteceu com a oferta

Leia mais

31/5/2011. Itens de Custo EUA Brasil Motorista 30% 16% Veículo 20% 19% Combustível 19% 26% Pneus 3% 11% Manutenção 8% 14% Overhead 20% 14%

31/5/2011. Itens de Custo EUA Brasil Motorista 30% 16% Veículo 20% 19% Combustível 19% 26% Pneus 3% 11% Manutenção 8% 14% Overhead 20% 14% Desafio da distribuição física Tomada de decisões sobre distribuição e transporte Como prestar um serviço de alto nível (entregas no prazo, quantidade e qualidade desejadas) e ao mesmo tempo reduzir custos?

Leia mais

31/5/2011. Como prestar um serviço de alto nível (entregas no prazo, quantidade e qualidade desejadas) e ao mesmo tempo reduzir custos?

31/5/2011. Como prestar um serviço de alto nível (entregas no prazo, quantidade e qualidade desejadas) e ao mesmo tempo reduzir custos? Tomada de decisões sobre distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Ms. Marco A. Arbex Desafio da distribuição física Como prestar um serviço de alto nível (entregas no prazo, quantidade e

Leia mais

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE Estrutura produtiva: 430 unidades produtoras Produtores de cana-de-açúcar: 70.000 Empregos diretos: 1,2 milhão PIB

Leia mais

PROGRAMA MOBILIDADE URBANA DE BAIXO CARBONO EM GRANDES CIDADES

PROGRAMA MOBILIDADE URBANA DE BAIXO CARBONO EM GRANDES CIDADES PROGRAMA MOBILIDADE URBANA DE BAIXO CARBONO EM GRANDES CIDADES OBJETIVO DO PROGRAMA Desenvolvimento de conhecimento e ferramentas que promovam a inclusão da redução de GEEs nos projetos de transporte urbano

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO Requerimento de 2015

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO Requerimento de 2015 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO Requerimento de 2015 (do Sr. VALADARES FILHO) Requeiro que sejam convidados os senhores, Tarciano de Souza Araújo Diretor Presidente da Associação Brasileira da indústria,

Leia mais

Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica.

Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica. Imagine um futuro para a sua empresa, em que as deslocações são feitas de forma inovadora, económica, sem emissões e totalmente adequada às suas necessidades. Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica.

Leia mais

5. A Atividade de Distribuição no Brasil

5. A Atividade de Distribuição no Brasil 5. A Atividade de Distribuição no Brasil Neste capítulo será analisado e comentado o perfil da demanda dos principais combustíveis derivados de petróleo, a Cadeia Logística instalada no país e os principais

Leia mais

Sistemas de Transportes. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Sistemas de Transportes. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Sistemas de Transportes Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT O Sistema de transporte O transporte representa o elemento mais importante do custo logístico na maior parte das firmas. O frete costuma absorver

Leia mais

Uma Visão do Balanço Energético da Bahia

Uma Visão do Balanço Energético da Bahia SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA Uma Visão do Balanço Energético da Bahia Aplicação como Instrumento de Planejamento Balanço Energético da Bahia 2011 Resultados Balanço Energético Instrumento de Planejamento

Leia mais

Estacionamento e Politicas de Redução de Congestionamento na América Latina

Estacionamento e Politicas de Redução de Congestionamento na América Latina Estacionamento e Politicas de Redução de Congestionamento na América Latina 3 de Setembro de 2014 Vera Lucia Vicentini Transporte Regional Sustentável Divisão de Transporte Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

6 O Modal Ferroviário na Matriz de Transportes e o Transporte Ferroviário de Combustíveis

6 O Modal Ferroviário na Matriz de Transportes e o Transporte Ferroviário de Combustíveis 6 O Modal Ferroviário na Matriz de Transportes e o Transporte Ferroviário de Combustíveis O setor ferroviário participou com 20,86% na matriz de transporte de carga geral do Brasil no ano de 2000, considerando

Leia mais

Inauguração do VLT é transferida para 5 de junho

Inauguração do VLT é transferida para 5 de junho Inauguração do VLT é transferida para 5 de junho De olho na segurança da população, a Prefeitura do Rio por meio da Secretaria Municipal de Transportes e da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região

Leia mais

Mse. Newton Narciso Pereira Prof. Dr. Hernani Luiz Brinati

Mse. Newton Narciso Pereira Prof. Dr. Hernani Luiz Brinati ANÁLISE COMPARATIVA DO IMPACTO ECONÔMICO E AMBIENTAL ENTRE MODAIS DE TRANSPORTE Mse. Newton Narciso Pereira Prof. Dr. Hernani Luiz Brinati ROTEIRO Definição do problema; Objetivos; Considerações gerais

Leia mais

Impactos ambientais da mobilidade urbana: o que discutem as revistas científicas brasileiras?*

Impactos ambientais da mobilidade urbana: o que discutem as revistas científicas brasileiras?* Conceitos ambientais AN P Impactos ambientais da mobilidade urbana: o que discutem as revistas científicas brasileiras?* Wesley Medeiros E-mail: wesley.arquitetura@gmail.com Fabio Duarte de Araujo Silva

Leia mais

Mobilidade Urbana Sustentável no Brasil! É possível?

Mobilidade Urbana Sustentável no Brasil! É possível? Mobilidade Urbana Sustentável no Brasil! É possível? Nazareno Affonso, arquiteto e urbanista, coordenador nacional do Movimento Nacional pelo Direito ao Transporte Público de Qualidade para Todos (MDT).

Leia mais

Alternativas tecnológicas para ônibus no Rio de Janeiro.

Alternativas tecnológicas para ônibus no Rio de Janeiro. Alternativas tecnológicas para ônibus no Rio de Janeiro. Guilherme Wilson da Conceição 1 ; Gustavo Henrique de Campos Peterlini 1 ; Morgana Batista Alves Rangel 1 ; Viviane Japiassú Viana; Giselle Smocking

Leia mais

Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS O aumento populacional, o modo de produção atual dependente primariamente de combustível fóssil e o estilo de consumo moderno se baseiam

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara 19/06/2012 Roberta Marchesi Gerente Executiva Apoio: ANPTrilhos Objetivo Promover

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO TRANSPORTE DE CARGA Uma Proposta de Estrutura Política Adequada a Realidade Brasileira

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO TRANSPORTE DE CARGA Uma Proposta de Estrutura Política Adequada a Realidade Brasileira LABORATÓRIO DE TRANSPORTE DE CARGA PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTE/COPPE/UFRJ EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO TRANSPORTE DE CARGA Uma Proposta de Estrutura Política Adequada a Realidade Brasileira Márcio

Leia mais

Coletiva de Imprensa 09 de abril de 2014, São Paulo - SP

Coletiva de Imprensa 09 de abril de 2014, São Paulo - SP Coletiva de Imprensa 09 de abril de 2014, São Paulo - SP Frota de Motocicletas Crescimento da Frota 32% 45.444.387 34.536.667 47% 14.695.247 21.597.415 44% 2009 2013 10.129.728 14.558.927 DUAS RODAS Fonte:

Leia mais

Mitigação dos gases do efeito estufa pelo agronegocio no Brasil. Carlos Clemente Cerri

Mitigação dos gases do efeito estufa pelo agronegocio no Brasil. Carlos Clemente Cerri Mitigação dos gases do efeito estufa pelo agronegocio no Brasil Carlos Clemente Cerri PLANO DE APRESENTAÇÃO Aquecimento global Opções de mitigação Redução do desmatamento Pecuária Reflorestamento Agricultura

Leia mais

Solução em Gestão Municipal

Solução em Gestão Municipal - Versão do sistema - Frotas Exe: 2011.11.00 ou posteriores Ter em mãos: - Orçamento, a fim de consultar Órgão e Unidade orçamentárias. Informações do Orçamento - Órgão - Unidade Nota explicativa: Essa

Leia mais

Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas

Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas Professora Suzana Kahn Professora da COPPE-UFRJ; Vice Presidente do Grupo de Trabalho III do IPCC; Coordenadora Executiva

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 PORTO SEGURO S/A Nome fantasia: PORTO SEGURO S/A - CNPJ: 02.149.205/0001-69 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico:

Leia mais

Financiamento do BNDES à Eficiência Energética

Financiamento do BNDES à Eficiência Energética Financiamento do BNDES à Eficiência Energética Congresso Brasileiro de Eficiência Energética (COBEE) São Paulo, 25 e 26 de Agosto de 2015 José Guilherme Cardoso Chefe de Departamento Área de Meio Ambiente

Leia mais

ANUÁRIO CNT DO TRANSPORTE. Estatísticas consolidadas

ANUÁRIO CNT DO TRANSPORTE. Estatísticas consolidadas ANUÁRIO CNT DO TRANSPORTE Estatísticas consolidadas 2016 ANUÁRIO CNT DO TRANSPORTE Estatísticas consolidadas 2016 Anuário CNT do transporte estatísticas consolidadas 2016. 2ª tiragem. Brasília: CNT, 2016.

Leia mais

Fontes alternativas de energia

Fontes alternativas de energia Fontes alternativas de energia Leia com atenção o texto a seguir: As reservas de energia como o petróleo e o gás natural vão acabar. Só resta saber quando. As previsões variam: uns falam em 40 anos; há

Leia mais

Mobilidade e Transportes Mesa redonda Sistemas nacionais de indicadores

Mobilidade e Transportes Mesa redonda Sistemas nacionais de indicadores Mobilidade e Transportes Mesa redonda Sistemas nacionais de indicadores Margarida Roxo mroxo@imt-ip.pt Lisboa Workshop Medir a Cidade agenda O IMT e o seu papel na mobilidade urbana A Estratégia Cidades

Leia mais

Pegada de Carbono da Cadeia de Valor do Alumínio

Pegada de Carbono da Cadeia de Valor do Alumínio Pegada de Carbono da Cadeia de Valor do Alumínio Ayrton Filleti Associação Brasileira do Alumínio ABAL Ciclo de Debates Abralatas, São Paulo, 07/10/2010 Indústria do Alumínio no Mundo - 2008 BAUXITA Produção

Leia mais

Ministério de Minas e Energia

Ministério de Minas e Energia PLANO NACIONAL DE ENERGIA HORIZONTE 2030 Altino Março Ventura de 2007 Filho Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético SPE/MME LAS / ANS SYMPOSIUM 2008 SETOR ENERGÉTICO PROCESSO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

Título. Impacto da crise econômica no setor da revenda brasileira

Título. Impacto da crise econômica no setor da revenda brasileira Título Impacto da crise econômica no setor da revenda brasileira Ricardo Lisbôa Vianna Engenheiro de Petróleo e Gás Diretor Tesoureiro da Fecombustíveis Presidente do Sindicato dos Revendedores no estado

Leia mais

ENERGIA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CAPÍTULO 4.2 ENERGIA NÃO RENOVÁVEIS - Gás Natural. Gás Natural

ENERGIA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CAPÍTULO 4.2 ENERGIA NÃO RENOVÁVEIS - Gás Natural. Gás Natural ENERGIA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CAPÍTULO 4.2 ENERGIA NÃO RENOVÁVEIS - Gás Natural Gás Natural 1 FORMAS DE ENERGIA PRODUÇÃO USO E SUSTENTABILIDADE Não renováveis Hidrocarbonetos Carvão Mineral Nuclear

Leia mais

A PESQUISA ORIGEM E DESTINO NA LINHA DE CONTORNO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO, E O PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO.

A PESQUISA ORIGEM E DESTINO NA LINHA DE CONTORNO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO, E O PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO. A PESQUISA ORIGEM E DESTINO NA LINHA DE CONTORNO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO, E O PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO. Apresentação A pesquisa Origem e Destino O/D, é tradicionalmente

Leia mais

PALM DIESEL O PROCESSO AGROPALMA

PALM DIESEL O PROCESSO AGROPALMA International Workshop on Bioenergy Policies, Technologies and Financing 9th LAMNET Project Workshop PALM DIESEL O PROCESSO AGROPALMA Engº. César A. Modesto de Abreu Prof. Donato Aranda AGROPALMA ESCOLA

Leia mais

Usina Térmica Agreste Alagoano

Usina Térmica Agreste Alagoano Usina Térmica Agreste Alagoano Descrição Implantação e operação de usina termelétrica a gás natural de médio porte (entre 100MW e 200MW) em local que atenda à expansão do mercado de energia elétrica e

Leia mais

Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Gerência de Qualidade do Ar

Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Gerência de Qualidade do Ar Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Gerência de Qualidade do Ar EVOLUÇÃO DA REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS DE POLUENTES NO BRASIL

Leia mais

Reflexões sobre Planeamento Urbano e Mobilidade Monteiro Figueira (Prof. Eng.)

Reflexões sobre Planeamento Urbano e Mobilidade Monteiro Figueira (Prof. Eng.) Reflexões sobre Planeamento Urbano e Mobilidade Monteiro Figueira (Prof. Eng.) Dentre as actividades urbanas como habitação, trabalho, estudo, lazer, compras, a mobilidade inclui-se como uma actividade

Leia mais

Uma nova oportunidade de negócio.

Uma nova oportunidade de negócio. Uma nova oportunidade de negócio. A EMPRESA Fuel Age tem seu escritório estrategicamente localizado na região central do Brasil (Goiânia) e tem base de distribuição espalhadas por diversos estados das

Leia mais

Seminário Construções Sustentáveis

Seminário Construções Sustentáveis Seminário Construções Sustentáveis Agenda: Contratações Públicas Sustentáveis: O que, Como e Porque? Ferramentas de Gestão para Iniciativas Sustentáveis no Governo Federal: IN 1/2010, Decreto nº 7.746/2010,

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO A RMRJ NO CONTEXTO NACIONAL: ATUALMENTE EXISTEM 41 REGIÕES METROPOLITANAS NO BRASIL, SENDO QUE 21 POSSUEM MAIS DE 1 MILHÃO DE HABITANTES,

Leia mais

Voo verde. Estudo incentiva a produção de bioquerosene para a aviação civil

Voo verde. Estudo incentiva a produção de bioquerosene para a aviação civil tecnologia Energia y Voo verde Estudo incentiva a produção de bioquerosene para a aviação civil Marcos de Oliveira A conta já está feita. A aviação comercial deverá reduzir em 50% as emissões de dióxido

Leia mais

FIESP - DEZEMBRO 2013 Capacidade instalada do setor naval paraense e laboratório de engenharia naval como diferencial competitivo.

FIESP - DEZEMBRO 2013 Capacidade instalada do setor naval paraense e laboratório de engenharia naval como diferencial competitivo. FIESP - DEZEMBRO 2013 Capacidade instalada do setor naval paraense e laboratório de engenharia naval como diferencial competitivo. Eng. Naval Fabio Vasconcellos Principais corredores hidroviários - Região

Leia mais

A Câmara Municipal de Santa Bárbara d Oeste decreta:

A Câmara Municipal de Santa Bárbara d Oeste decreta: PROJETO DE LEI N 18/09 Dispõe sobre a instituição do Programa de Inspeção Ambiental Veicular no Município de Santa Bárbara d Oeste e dá outras providências. A Câmara Municipal de Santa Bárbara d Oeste

Leia mais

Campus UFSCar de Sorocaba Experiências em Sustentabilidade

Campus UFSCar de Sorocaba Experiências em Sustentabilidade Colóquio Sustentabilidade, Educação Ambiental e Eficiência Energética: um desafio para as instituições de ensino e para a sociedade. CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Secretaria Especial do

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO PDTU SETRANS DEZEMBRO / 2015

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO PDTU SETRANS DEZEMBRO / 2015 PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO PDTU SETRANS DEZEMBRO / 2015 CONTRATO Nº 002/ASJUR/11 Contratante: Companhia Estadual de Engenharia de Transportes e Logística

Leia mais

Produção e Comercialização de Veículos de Passeio Movidos a Óleo Diesel no Brasil PL1013-2011 AUDIÊNCIA PÚBLICA

Produção e Comercialização de Veículos de Passeio Movidos a Óleo Diesel no Brasil PL1013-2011 AUDIÊNCIA PÚBLICA Produção e Comercialização de Veículos de Passeio Movidos a Óleo Diesel no Brasil PL1013-2011 AUDIÊNCIA PÚBLICA Brasília, 02 de março de 2016 Capacitação e Informação Representatividade e Defesa da Indústria

Leia mais

ATENÇÃO! FAVOR VERIFICAR A SITUAÇÃO DA EMPRESA//INSTITUIÇÃO, PARA ENVIO DA DOCUMENTAÇÃO CORRETA. OBRIGAÇÕES CONFORME IN SRF 480/2004

ATENÇÃO! FAVOR VERIFICAR A SITUAÇÃO DA EMPRESA//INSTITUIÇÃO, PARA ENVIO DA DOCUMENTAÇÃO CORRETA. OBRIGAÇÕES CONFORME IN SRF 480/2004 ATENÇÃO! FAVOR VERIFICAR A SITUAÇÃO DA EMPRESA//INSTITUIÇÃO, PARA ENVIO DA DOCUMENTAÇÃO CORRETA. OBRIGAÇÕES CONFORME IN SRF 480/2004 As instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos,

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO Estratégias de Desenvolvimento em Minas Gerais Raphael Guimarães Andrade Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais Belo Horizonte, 09 de outubro

Leia mais

Estrutura do Ministério

Estrutura do Ministério Biocombustíveis: Geopolítica e Sustentabilidade MMA UnB USP Ministério do Meio Ambiente MMA Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental SMCQ Estrutura do Ministério Departamento de Licenciamento

Leia mais

BNDES. Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE 2004. www.bndes.gov.br 1

BNDES. Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE 2004. www.bndes.gov.br 1 BNDES Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE 2004 www.bndes.gov.br 1 INVESTIR EM INFRA-ESTRUTURA, PARA QUE? Para melhorar a atual infra-estrutura nacional,

Leia mais

PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DA COALIZAÇÃO DE GOVERNADORES PRÓ-ETANOL BRASILEIRO

PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DA COALIZAÇÃO DE GOVERNADORES PRÓ-ETANOL BRASILEIRO PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DA COALIZAÇÃO DE GOVERNADORES PRÓ-ETANOL BRASILEIRO Daniel Godoy Júnior Assessor Especial do Governo do Estado do Paraná Agosto/2003 SETOR SUCROALCOOLEIRO NACIONAL PRODUÇÃO DA SAFRA

Leia mais

O papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social

O papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social O papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social Mais importante que uma ciclovia para a bicicleta é um caminho para o ciclista, pois esse é o caminho da cidadania. O cenário Esse ensaio

Leia mais

Art. 1º - Esta Lei institui o Plano de Mobilidade Urbana de Rio do Sul e estabelece as diretrizes para o acompanhamento e o monitoramento de sua

Art. 1º - Esta Lei institui o Plano de Mobilidade Urbana de Rio do Sul e estabelece as diretrizes para o acompanhamento e o monitoramento de sua LEI COMPLEMENTAR XXX/15, de... de março de 2015 Institui o Plano de Mobilidade Urbana de Rio do Sul e estabelece as diretrizes para o acompanhamento e o monitoramento de sua implementação, avaliação e

Leia mais

Biodiesel: O Combustível Ecológico

Biodiesel: O Combustível Ecológico Biodiesel: O Combustível Ecológico Vanessa Freitas dos Santos* Resumo O biodiesel é um combustível renovável, considerado combustível ecológico, pois o CO 2 liberado na sua queima é absorvido no crescimento

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa SESI Serviço Social da Indústria, Departamento Nacional 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Fontes de Energia Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 5min 58seg Habilidades: H.47, H.49 e H.50 (Ensino

Leia mais

D MAIS DISTRIBUIDORA ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS

D MAIS DISTRIBUIDORA ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS ÓLEO DIESEL INTERIOR OUTRAS DENOMINAÇÕES: Óleo Diesel S2000 O. Diesel rod. interior hidr CÓDIGO DO PRODUTO: 65F ÚLTIMA REVISÃO: 03/06/2008 CARACTERÍSTICA Aparência Combustão Composição

Leia mais

Programa de Gestão Metropolitana de Resíduos. Seminário A implantação das políticas de resíduos sólidos ABES 06. jun 2013

Programa de Gestão Metropolitana de Resíduos. Seminário A implantação das políticas de resíduos sólidos ABES 06. jun 2013 Programa de Gestão Metropolitana de Resíduos Seminário A implantação das políticas de resíduos sólidos ABES 06. jun 2013 AS REGIÕES METROPOLITANAS Proximidade e ocorrência de conurbação Compartilhamento

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME Unidade de Destilação Atmosférica na Refinaria Landulfo Alves - RLAM São Francisco do Conde BA PETROBRAS - Petróleo Brasileiro

Leia mais

Apresentação Geral dos Dados do SEEG 4.0

Apresentação Geral dos Dados do SEEG 4.0 Apresentação Geral dos Dados do SEEG 4.0 Tasso Azevedo + Heron Martins (Mudança de Uso da Terra e Florestas) Marina Piatto (Agropecuária) David Tsai (Energia e Processos Industriais) Igor Albuquerque (Resíduos)

Leia mais

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP.

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 INTRODUÇÃO Há três iniciativas simultâneas

Leia mais

Inovação na Geração de Energia Elétrica a partir do Bagaço de Cana

Inovação na Geração de Energia Elétrica a partir do Bagaço de Cana Universidade do Brasil - UFRJ - Instituto de Economia Grupo de Estudos do Setor Elétrico GESEL Grupo Sistemas Agroindustriais, Inovação e Competitividade 1 o Workshop do InfoSucro Inovação na Geração de

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 PREFEITURA DE GOIÂNIA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 9096, DE 27 DE OUTUBRO DE 2011. Institui o Código Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2012

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2012 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 Cooperativa dos Transportadores do Vale Nome fantasia: COOTRAVALE - CNPJ: 00.680.933/0001-77 Tipo da empresa: Matriz

Leia mais

Acidentes de Trânsito com Vítimas Fatais no RS. Fonte de dados: Sistema de Consultas Integradas - SSP

Acidentes de Trânsito com Vítimas Fatais no RS. Fonte de dados: Sistema de Consultas Integradas - SSP Acidentes de Trânsito com Vítimas Fatais no RS Fonte de dados: Sistema de Consultas Integradas - SSP INTRODUÇÃO Projetos Dados e Informações Metodologia Aplicação Padronização Informações Coleta Confiabilidade

Leia mais

PRODUÇÃO E DEMANDA DE TRANSPORTE NA HIDROVIA ARAGUAIA - TOCANTINS

PRODUÇÃO E DEMANDA DE TRANSPORTE NA HIDROVIA ARAGUAIA - TOCANTINS Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PRODUÇÃO E DEMANDA DE TRANSPORTE NA HIDROVIA ARAGUAIA - TOCANTINS Brasília (DF), 30 de novembro de 2006. Tendência Crescente de Produção e Volume de

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL SIGMA

CENTRO EDUCACIONAL SIGMA CENTRO EDUCACIONAL SIGMA 4ºAno 1.4 GEOGRAFIA 3º período 1º de outubro de 2015 Cuide da organização da sua avaliação. Escreva de forma legível. Fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo

Leia mais