Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM"

Transcrição

1

2 Malha Rodoviária do Estado de São Paulo Data Base: outubro/2010

3 Rodovias Concedidas no Estado de São Paulo Extensão de Rodovias Estaduais Concedidas km km de acessos e dispositivos Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias

4 Divisões Regionais do DER/SP Sede: Gabinete da Superintendência Diretoria de Administração Diretoria de Engenharia Diretoria de Obras Diretoria de Planejamento Diretoria Financeira Coordenadoria de Operações

5 Foco de Atuação

6 Unidade Básica de Atendimento

7 Unidade Básica de Atendimento

8 Unidade Básica de Atendimento Atendimentos UBA s Total A acidentes Veículos com defeito Interferências na Pista

9 Câmeras On Line

10 Centro de Operações e Informações - COI Atendimento Procura Via

11 Serviços Via Internet Multas Rodovias on line Previsão do tempo Portarias Retenção e Repasse (ISSQN) Leilões de Veículos Apreendidos Solicitação de AET Pagamentos à Fornecedores Polícia Rodoviária WEB Rotas

12 Conservação Rodoviária Ano Investimento Extensão Ano Investimento Extensão Ano Investimento Extensão 1995 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ * R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ * Redução no investimento = concessões , , , , , , , , ,00 0,00 Investimentos em Conservação Sinalização em R$ 76,67 milhões

13 Acidentes Acidentes/ veículos DER Sem Vítimas Com Vítimas Total de Acidentes Vítimas Feridas Vítimas Fatais Total de Vítimas Extensão (km) Frota VDM Evolução Redução de 49 % no total de acidentes Redução de 53% no total de vítimas fatais Redução de 4 % no total de acidentes Redução de 14% no total de vítimas fatais Estatísticas Comparativas de Acidentes e Vítimas a cada Veículos - Rodovias sob jurisdição do DER

14 Resultados Alcançados DER Total de Acidentes Vítimas Fatais Acidentes a cada Veículos Vítimas Fatais a cada Veículos

15 Pesquisa Rodoviária CNT SEST/SENAT Estado Geral da Rodovia MELHORES PIORES

16 Pesquisa Rodoviária CNT SEST/SENAT 2010

17 Obras com Contratos em Andamento 2011 Rodovias Nº Obras Nº Rodovias Extensão (km) Valor para 2011 (R$) SP's Vicinais * municípios atendidos + de 16 milhões de habitantes * Incluído financiamento BIRD

18 Investimentos Realizados (Janeiro Julho) INVESTIMENTO - TESP VALORES MEDIDOS (R$ milhões) Janeiro 59,50 Fevereiro 71,70 Março 86,50 Abril 126,60 Maio 103,80 Junho 85,10 Julho 79,06 Subtotal ¹ 612,26 CRÉDITO SUPLEMENTAR ² 50,90 INVESTIMENTO - FINANCIAMENTO BIRD* ³ 219,10 BNDES(Maio)** ³ 30,00 Total de Entradas ( ¹ + ² + ³) R$ 912,26 milhões *BIRD - Programa Vicinais Pro IV - Orçamento e financiamento adequados ao programa ** BNDES- Investimentos em SP s

19 Previsão de Desembolsos Agosto a Dezembro Status Nº Obras Nº Rodovias Extensão (km) Valor para 2011 (R$) SP's - Obras em andamento Obras em licitação/projeto concluído Obras de erosões/chuvas Obra pontual Projetos a contratar Subtotal (SP's) Vicinais - Obras em andamento TOTAL

20 Estradas Vicinais

21 Pró Vicinais Valores Nominais 1ª Etapa 2ª Etapa 3ª Etapa 4ª Etapa 199 municípios 244 municípios 261 municípios 319 municípios 152 obras 201 obras 254 obras 546 obras R$ 457 milhões R$ 650 milhões R$ 1,15 bilhões R$ 1,3 bilhões km km km km habitantes habitantes habitantes habitantes Conclusão: 2008 Conclusão: abril/2010 Obras em conclusão Parte contratada Recursos TESP Recursos BID + TESP Recursos BIRD + TESP Recursos BIRD + TESP Valores Reais R$ 410 milhões R$ 691 milhões R$ 1,21 bilhões R$ 850 milhões km km km km

22 Pró - Vicinais

23 Perspectivas 2012 / 2015

24 Estratégias Institucional Missão Melhoria dos Serviços Rodoviários Valorização dos Recursos Humanos Melhorias Organizacionais Recuperação de Rodovias Estaduais Redução de Acidentes Assistência aos Municípios nas Estradas Vicinais

25 Programa de Recuperação das Rodovias Estaduais Recuperar pavimento, pavimentar acostamentos, implantação de terceiras faixas, recuperação e construção de obras de arte, implantação de novos acessos e dispositivos e eliminação de pontos críticos de ocorrências de acidentes; Duplicação de trechos com maior VDM (volume médio diário); Pavimentação de trechos de rodovias em terra.

26 Programa de Recuperação das Rodovias Estaduais Critérios de Priorização VDM; Situação do pavimento e última intervenção; Incidência de acidentes; Desenvolvimento Regional. Objetivo Melhoria da trafegabilidade; Aumento da segurança nas rodovias Paulistas.

27 Programa de Duplicação, Implantação e Recuperação de Rodovias Estaduais ANO INVESTIMENTO EXTENSÃO 2012 R$ 2,04 bilhões km 2013 R$ 2,63 bilhões km 2014 R$ 2,64 bilhões km 2015 R$ 1,79 bilhões km TOTAL R$ 9,10 bilhões km

28 Atividade AUTORIZOS Resumo Geral Nº Obras Extensão km Valor em R$ 1 Obras em andamento , ,19 NOVAS OBRAS 2 Obras em Licitação/Contratação , ,36 3 Obras com Projeto Concluído , ,11 4 Obras com Projeto Concluído (aprovações ambientais em andamento) 5 78, ,61 5 Projetos em Elaboração , ,18 6 Projetos em Licitação/Contratação , ,01 7 Projetos a contratar , ,00 8 Obras Financiamento BIRD (projetos executivos concluídos) , ,65 SUBTOTAL , ,91 TOTAL , ,10

29 Programa de Vicinais ANO INVESTIMENTO EXTENSÃO 2012 R$ 471,22 milhões km 2013 R$ 467,80 milhões 980 km 2014 R$ 467,80 milhões 980 km 2015 R$ 33,85 milhões 101 km TOTAL R$ milhões km

30 Previsão de Investimentos ITEM Projeto / Meio Ambiente Projetos / Engenharia Consultiva Qualidade + Prazos + Conformidade INVESTIMENTO / ANO (R$ milhões) TOTAL 100,45 123,91 124,31 72,95 421,62 Supervisão 75,34 92,93 93,23 54,72 316,22 Gerenciamento 50,22 61,96 62,16 36,48 210,82 Total 226,01 278,80 279,70 164,15 948,66

31 Resumo Projetos Atividades Nº Projetos Extensão (km) Valor Estimado do Projeto (R$) Projeto a contratar , ,78 Projeto a contratar , ,18 Projeto a contratar , ,00 TOTAL , ,96

32 Operação Rodoviária Investimento anual na conservação, sinalização e controle de velocidade em toda a malha rodoviária pavimentada e leito natural: Eixos; Acessos; Dispositivos Recurso R$ R$ R$ R$ TOTAL R$

33 Plano Plurianual PROGRAMA Duplicação, Implantação e Recuperação de Rodovias Estaduais (SP's) Recuperação e Pavimentação de Rodovias Vicinais Terminais Rodoviários Patrulha Rodoviária Modernização/Monitoração de Rodovias Estaduais Subtotal + Operação Rodoviária = INVESTIMENTO R$ milhões R$ milhões R$ 57 milhões R$ 235 milhões R$ 13 milhões R$ milhões R$ milhões R$ 12,988 bilhões

34 Novo Financiamento BIRD 2012 Resumo Ano Nº SP's Nº Obras Extensão (km) Valor 2012 R$ 399 milhões 2013 R$ 791 milhões , R$ 59,50 milhões Total R$ milhões BIRD = R$ 875 milhões = US$ 500 milhões TESP = R$ 374 milhões = US$ 214 milhões US$ 714 milhões Incluído no PPA Lei Estadual nº , de 6 de julho de (DOE de 07/07/2011)

35 Secretaria de Logística e Transportes Principais Obras 2011/2015

36 DER e Parceiros Fiscalização (DER) Supervisoras Gerenciadoras Cronograma + Qualidade das Obras

37 DER e Parceiros Objetivos Qualidade Prazo Competitividade

38 DER e Parceiros Ações do Comitê de Tecnologia Pesquisa para Melhorias de: Materiais Equipamentos Processos Capacitação Técnica de Funcionários e Terceirizados Curso de Operadores de Máquinas e Equipamentos Rodoviários Parceria com SINICESP

39 DER e Parceiros Desafios Aprimoramento da Qualidade Redução de Custos Atualização Tecnológica Conservação Ambiental

40 DER Transporte rodoviário EFICIENTE, ECONÔMICO e principalmente com SEGURANÇA.

41 DER-SP Avenida do Estado, 777 3º andar Fones: / Clodoaldo Pelissioni Superintendente

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Estrutura da Secretaria de Logística e Transportes Malha Rodoviária do Estado de São Paulo Data Base: outubro/2011 Pesquisa Rodoviária Principais Corredores CNT SEST/SENAT 2012 Pesquisa Rodoviária Principais

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Matriz de Transporte Brasil Estado de São Paulo Modal Participação Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Estrutura da Secretaria de Logística e Transportes Malha Rodoviária do Estado de São Paulo Data Base: outubro/2012 Pesquisa Rodoviária Principais Corredores CNT SEST/SENAT 2012 Pesquisa Rodoviária Principais

Leia mais

- Rodovias Brasileiras: Gargalos, Investimentos, Concessões e Preocupações com o Futuro

- Rodovias Brasileiras: Gargalos, Investimentos, Concessões e Preocupações com o Futuro Infraestrutura Econômica no Brasil - Rodovias Brasileiras: Gargalos, Investimentos, Concessões e Preocupações com o Futuro Ricardo Pereira Soares ricardo.soares@ipea.gov.br Carlos Campos Neto carlos.campos@ipea.gov.br

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM. ARSESP - Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM. ARSESP - Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo Matriz de Transporte Modal Brasil Participação Estado de São Paulo Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

SISTEMA ANCHIETA-IMIGRANTES ( SAI ) Sistema Rodoviário e Mobilidade Regional

SISTEMA ANCHIETA-IMIGRANTES ( SAI ) Sistema Rodoviário e Mobilidade Regional SISTEMA ANCHIETA-IMIGRANTES ( SAI ) Sistema Rodoviário e Mobilidade Regional dezembro/2013 Plano Integrado de Operação Investimentos atuais e suas finalidades Necessidades Futuras Plano Integrado de Operação

Leia mais

Seminário: Controle Externo em Ação: Presente e Futuro da Fiscalização de TI

Seminário: Controle Externo em Ação: Presente e Futuro da Fiscalização de TI Seminário: Controle Externo em Ação: Presente e Futuro da Fiscalização de TI Cristiano Rocha Heckert Brasília, 02 de junho de 2015 Histórico Governo Eletrônico Decreto de 18 de Outubro de 2000 Decreto

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO ESTADO DE SÃO PAULO 1

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO ESTADO DE SÃO PAULO 1 OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO ESTADO DE SÃO PAULO 1 Estratégicos Expresso Bandeirantes - São Paulo Patrocinador: Secretaria de Transportes Metropolitanos - STM Valor: US$ 1.5 Bilhões Localização: Ligação

Leia mais

MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 20140001 /CEL 04/DER/CE PROCESSO Nº 5639134/2014 IG Nº 831633000 SERVIÇOS DE CONSULTORIA - PESSOA JURÍDICA

MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 20140001 /CEL 04/DER/CE PROCESSO Nº 5639134/2014 IG Nº 831633000 SERVIÇOS DE CONSULTORIA - PESSOA JURÍDICA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DEPARTAMENTO ESTADUAL DE RODOVIAS (DER/CE) ACORDO DE EMPRÉSTIMO N 0 : 2964/OC-BR PROEJTO: BR-L1326 - PROGRAMA VIÁRIO DE INTEGRAÇÃO E LOGÍSTICA - CEARÁ IV MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

ANUÁRIO CNT DO TRANSPORTE. Estatísticas consolidadas

ANUÁRIO CNT DO TRANSPORTE. Estatísticas consolidadas ANUÁRIO CNT DO TRANSPORTE Estatísticas consolidadas 2016 ANUÁRIO CNT DO TRANSPORTE Estatísticas consolidadas 2016 Anuário CNT do transporte estatísticas consolidadas 2016. 2ª tiragem. Brasília: CNT, 2016.

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-116/RS E BR-392/RS 457,30 KM PELOTAS RS ECOSUL POLO RODOVIÁRIO DE PELOTAS

RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-116/RS E BR-392/RS 457,30 KM PELOTAS RS ECOSUL POLO RODOVIÁRIO DE PELOTAS RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: ECOSUL BR-116/RS E BR-392/RS POLO RODOVIÁRIO DE PELOTAS 457,30 KM PELOTAS RS ABRIL DE 2016 ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO PÁGINA 1. Introdução... 2 1.1.

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO Secretaria dos Transportes Metropolitanos Coordenadoria de Planejamento e Gestão CPG Rio de Janeiro - nov/14 Estrutura da Apresentação:

Leia mais

ATENÇÃO. www.bndes.gov.br 1

ATENÇÃO. www.bndes.gov.br 1 ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

LEI DA BALANÇA TECNOLOGIAS DE PESAGEM

LEI DA BALANÇA TECNOLOGIAS DE PESAGEM LEI DA BALANÇA TECNOLOGIAS DE PESAGEM TOLEDO DO BRASIL EXCESSO DE PESO LEGISLAÇÃO LEI DA BALANÇA FORÇA PESO CÁLCULO DE MULTAS TIPOS DE BALANÇAS REQUISITOS PARA PESAGEM SOLUÇÕES TOLEDO BIBLIOGRAFIA TOLEDO

Leia mais

Risco de Liquidez e Gerenciamento de Capital

Risco de Liquidez e Gerenciamento de Capital Risco de Liquidez e Gerenciamento de Capital Gerenciamento de Capital Política de Gerenciamento do Risco de Capital Plano de Capital: 2012-2015 Monitoramento mensal do nível de crise de capital As projeções

Leia mais

L E I Nº 7.474, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a seguinte Lei:

L E I Nº 7.474, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a seguinte Lei: L E I Nº 7.474, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010 Altera a Lei nº 7.283, de 1º de julho de 2009, que dispõe sobre a organização do Departamento de Trânsito do Estado do Pará DETRAN, e dá outras providências. A

Leia mais

Associação Brasileira de Consultores de Engenharia. Constituição Jurídica: Sociedade Empresária por Cotas de Responsabilidade Limitada

Associação Brasileira de Consultores de Engenharia. Constituição Jurídica: Sociedade Empresária por Cotas de Responsabilidade Limitada ABCE Associação Brasileira de Consultores de Engenharia Filiada à Federación Panamericana de Consultores FEPAC Membro do Conselho Consultivo da Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP 1. Empresa Razão

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Extensão Esterina Placco Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO A RMRJ NO CONTEXTO NACIONAL: ATUALMENTE EXISTEM 41 REGIÕES METROPOLITANAS NO BRASIL, SENDO QUE 21 POSSUEM MAIS DE 1 MILHÃO DE HABITANTES,

Leia mais

Departamento de Polícia Rodoviária Federal 4ª Superintendência Regional Minas Gerais PLANO DE TRABALHO

Departamento de Polícia Rodoviária Federal 4ª Superintendência Regional Minas Gerais PLANO DE TRABALHO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Departamento de Polícia Rodoviária Federal 4ª Superintendência Regional Minas Gerais PLANO DE TRABALHO Referente ao Convênio n.º 003 /2004 4ª SRPRF PM/R. NEVES

Leia mais

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro Bernardo Figueiredo Presidente da Empresa de Planejamento e Logística Logística e Desenvolvimento Econômico Imperativos

Leia mais

Para o Rio Grande ir mais longe

Para o Rio Grande ir mais longe Para o Rio Grande ir mais longe PRAÇAS E RODOVIAS Praça Rodovia Descrição Extensão Coxilha ERS-135 Passo Fundo Erechim 78,06 Campo Bom ERS-239 Estância Velha Riozinho 73,66 Portão ERS-122 São Vendelino

Leia mais

Melhorias alcançadas (Ações): -Terminal de Integração; -Estações de Transferência; - Reestruturação de Corredores; (Avenida Bernardo Vieira e Hermes

Melhorias alcançadas (Ações): -Terminal de Integração; -Estações de Transferência; - Reestruturação de Corredores; (Avenida Bernardo Vieira e Hermes Consolidação da Rede Cooperativa de Pesquisa Cidades Interativas: Mobilidade Urbana, Acessibilidade e Governo Eletrônico. Melhorias alcançadas (Ações): -Terminal de Integração; -Estações de Transferência;

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO Estratégias de Desenvolvimento em Minas Gerais Raphael Guimarães Andrade Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais Belo Horizonte, 09 de outubro

Leia mais

Acidentes de Trânsito com Vítimas Fatais no RS. Fonte de dados: Sistema de Consultas Integradas - SSP

Acidentes de Trânsito com Vítimas Fatais no RS. Fonte de dados: Sistema de Consultas Integradas - SSP Acidentes de Trânsito com Vítimas Fatais no RS Fonte de dados: Sistema de Consultas Integradas - SSP INTRODUÇÃO Projetos Dados e Informações Metodologia Aplicação Padronização Informações Coleta Confiabilidade

Leia mais

CUSTOS SOCIAIS E ECONÔMICOS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO EM MARINGÁ

CUSTOS SOCIAIS E ECONÔMICOS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO EM MARINGÁ 1.0 Introdução CUSTOS SOCIAIS E ECONÔMICOS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO EM MARINGÁ Prof. Dr. Joilson Dias Assistente Científica: Cássia Kely Favoretto Costa Departamento de Economia Universidade Estadual

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E URBANISMO

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E URBANISMO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E URBANISMO LEGISLAÇÃO Lei Complementar nº 931, de 2012. Lei Complementar nº 937, de 2012. Lei Complementar nº 950, de 2013. CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL Lei

Leia mais

Área de atuação do BNB

Área de atuação do BNB Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semiárido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território do NE) Semiárido BNB Área de atuação: 1.775,4 mil Km 2 Municípios atendidos: 1.989 (11 Estados) Quantidade

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica s Pagamento Pré-vendas Pós-vendas Modelo de gestão X Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e X X legais Planejamento

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO PDTU SETRANS DEZEMBRO / 2015

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO PDTU SETRANS DEZEMBRO / 2015 PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO PDTU SETRANS DEZEMBRO / 2015 CONTRATO Nº 002/ASJUR/11 Contratante: Companhia Estadual de Engenharia de Transportes e Logística

Leia mais

Concessão da Rodovia BR-101/ES/BA Trecho Divisa ES/RJ - Entroncamento com a BA-698 (acesso a Mucuri)

Concessão da Rodovia BR-101/ES/BA Trecho Divisa ES/RJ - Entroncamento com a BA-698 (acesso a Mucuri) Concessão da Rodovia BR-101/ES/BA Trecho Divisa ES/RJ - Entroncamento com a BA-698 (acesso a Mucuri) Concessionária ECO101 3ª Etapa de Concessões Rodoviárias - Fase II AGENDA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM. DR.13 Rio Claro Apresentação de

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM. DR.13 Rio Claro Apresentação de Estrutura da Secretaria de Logística e Transportes Malha Rodoviária do Estado de São Paulo Data Base: outubro/2012 Pesquisa Rodoviária Principais Corredores CNT SEST/SENAT 2012 Pesquisa Rodoviária Principais

Leia mais

Prefeitura Municipal de Marabá Paulista

Prefeitura Municipal de Marabá Paulista LEI N.º 1.274/2013 De 31 de Dezembro de 2012. DISPÕE SOBRE: Estima a Receita e Fixa a despesa do município de Marabá Paulista, para o exercício financeiro de 2013, e da outras providências. HAMILTON CAYRES

Leia mais

DECRETO N 3115, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

DECRETO N 3115, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DECRETO N 3115, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERA A NOMENCLATURA DE CARGOS E ESTRUTURAS DE SECRETARIAS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 15, DE 04 DE JULHO DE 2011 E SUAS ALTERAÇOES DADA PELA LEI COMPLEMENTAR N.º

Leia mais

Esta é a 14ª edição. Na primeira, em 1995, foram analisados 15.710 km; Em 2009, os pesquisadores percorreram 89.552 km.;

Esta é a 14ª edição. Na primeira, em 1995, foram analisados 15.710 km; Em 2009, os pesquisadores percorreram 89.552 km.; 1 Principais Dados OBJETIVOS Avaliar as rodovias brasileiras pavimentadas, identificando as condições em relação ao pavimento, à sinalização e à geometria viária; Identificar as deficiências, registrar

Leia mais

3ª Etapa do Programa de Concessão de Rodovias Federais Fase III

3ª Etapa do Programa de Concessão de Rodovias Federais Fase III 3ª Etapa do Programa de Concessão de Rodovias Federais Fase III BR-153/TO/GO : do entroncamento com a BR-060 (Anápolis) até o entroncamento com a TO-070 (Aliança do Tocantins) Audiência Pública nº 149/2013

Leia mais

EDITAL Nº 05 /2012/REITORIA/IFTO, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012.

EDITAL Nº 05 /2012/REITORIA/IFTO, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012. EDITAL Nº 05 /2012//IFTO, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012. SELEÇÃO DE TUTORES DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - BOLSISTAS DO PROGRAMA DA REDE E-TEC BRASIL CAMPUS PARAÍSO DO TOCANTINS RETIFICAÇÃO Nº 01 O REITOR DO INSTITUTO

Leia mais

OFICINA 3 IGM Indicadores de Governança Municipal Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS

OFICINA 3 IGM Indicadores de Governança Municipal Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS Objetivo: OFICINA 3 IGM Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS Contribuir com a SEP, analisando o processo de planejamento nos municípios, por

Leia mais

Financiamento para descentralização produtiva com inclusão social

Financiamento para descentralização produtiva com inclusão social Associação Brasileira de Instituições Financeiras de Desenvolvimento Financiamento para descentralização produtiva com inclusão social Maurício Elias Chacur Presidente da ABDE 40ª Reunião Ordinária da

Leia mais

CGDESP COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO E PROJETOS BALANÇO ANUAL DPP - 2015.

CGDESP COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO E PROJETOS BALANÇO ANUAL DPP - 2015. CGDESP COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO E PROJETOS BALANÇO ANUAL DPP - 2015. Organograma Vigente ORGANOGRAMA DO REGIMENTO INTERNO VIGENTE Diretoria de Planejamento e Pesquisa Diretor: Adailton Cardoso

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE GARANTIA DE CRÉDITO DA SERRA GAÚCHA. Fórum Permanente Brasília DF Out/2011

ASSOCIAÇÃO DE GARANTIA DE CRÉDITO DA SERRA GAÚCHA. Fórum Permanente Brasília DF Out/2011 ASSOCIAÇÃO DE GARANTIA DE CRÉDITO DA SERRA GAÚCHA Fórum Permanente Brasília DF Out/2011 INSTITUCIONAL Por que criar uma SGC? DIFICULDADES DAS MPES Crédito e Fomento...60 % Acesso a Mercados...21% Consultoria

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SANEAMENTO AMBIENTAL

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SANEAMENTO AMBIENTAL EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SANEAMENTO AMBIENTAL Rio de Janeiro - Março 2013 Sumário 1 - Panorama Brasileiro 2 - Panorama do Setor de Saneamento 3 - Procel Sanear 4 - Procel Sanear Objetivos 5 - Procel Sanear

Leia mais

6 O Modal Ferroviário na Matriz de Transportes e o Transporte Ferroviário de Combustíveis

6 O Modal Ferroviário na Matriz de Transportes e o Transporte Ferroviário de Combustíveis 6 O Modal Ferroviário na Matriz de Transportes e o Transporte Ferroviário de Combustíveis O setor ferroviário participou com 20,86% na matriz de transporte de carga geral do Brasil no ano de 2000, considerando

Leia mais

EDITAL DE CONCORRÊNCIA nº.

EDITAL DE CONCORRÊNCIA nº. EDITAL DE CONCORRÊNCIA nº. CONCESSÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO URBANO NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU ANEO VI - MATRIZ DE RISCOS DO CONTRATO DE CONCESSÃO DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DO MUNÍCIPIO

Leia mais

O PROJETO ESTRUTURAL E A COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO Engº Ary Fonseca Júnior. Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento

O PROJETO ESTRUTURAL E A COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO Engº Ary Fonseca Júnior. Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento O PROJETO ESTRUTURAL E A COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO Engº Ary Fonseca Júnior A Comunidade de todos nós A ABCP vem pautando seu trabalho de desenvolvimento de mercado com uma visão de sistemas à base de cimento,

Leia mais

Audiência Pública. Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia (CINDRA) Novembro de 2015

Audiência Pública. Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia (CINDRA) Novembro de 2015 Audiência Pública Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia (CINDRA) Novembro de 2015 OBJETIVO No Brasil as empresas do Grupo AMX estão prontas para atender as necessidades

Leia mais

Importância do Setor de P&G para Micro e Pequenas Empresas. Paulínia Petróleo e Gás 2013 21 e 22 de Agosto 2013

Importância do Setor de P&G para Micro e Pequenas Empresas. Paulínia Petróleo e Gás 2013 21 e 22 de Agosto 2013 Importância do Setor de P&G para Micro e Pequenas Empresas Paulínia Petróleo e Gás 2013 21 e 22 de Agosto 2013 INSTITUCIONAL VISÃO Ter excelência no desenvolvimento dos pequenos negócios, contribuindo

Leia mais

Certificadora em empreendimentos de Parceria Público-Privada Experiência no setor. CMCP - Comissão de Monitoramento das Concessões e Permissões

Certificadora em empreendimentos de Parceria Público-Privada Experiência no setor. CMCP - Comissão de Monitoramento das Concessões e Permissões Certificadora em empreendimentos de Parceria Público-Privada Experiência no setor CMCP - Comissão de Monitoramento das Concessões e Permissões EMPREENDIMENTO EM TRANSPORTES PÚBLICOS Estrutura INFRAESTRUTURA

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES POLÍTICO-SOCIAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES POLÍTICO-SOCIAIS DECRETO Nº 1.227, DE 15 DE ABRIL DE 2016. Dispõe sobre a estrutura organizacional e a denominação, simbologia e quantitativo dos cargos de provimento em comissão e funções gratificadas da Secretaria Municipal

Leia mais

MAIS DE 200 MIL PARTICIPANTES EM DOIS PLANOS DE BENEFÍCIOS

MAIS DE 200 MIL PARTICIPANTES EM DOIS PLANOS DE BENEFÍCIOS QUANTIDADE DE PARTICIPANTES MAIS DE 200 MIL PARTICIPANTES EM DOIS PLANOS DE BENEFÍCIOS Plano 1 (Ativos Totais: R$ 162,5 bilhões) PREVI Futuro (Ativos Totais: R$ 5,7 bilhões) 120.000 90.000 20.244 570 303

Leia mais

PROJETOS FEHIDRO FUNDO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETOS FEHIDRO FUNDO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETOS FEHIDRO FUNDO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO SIGRH COLEGIADOS INSTÂNCIAS DELIBERATIVAS -CRH - COFEHIDRO - CBHs INSTÂNCIAS TÉCNICAS CORHI Câmaras Técnicas FEHIDRO INSTÂNCIA

Leia mais

Gestão de Projetos de Infraestrutura: Concessões Rodoviárias

Gestão de Projetos de Infraestrutura: Concessões Rodoviárias Seminário Agenda Estratégica para o Brasil - IPEA Gestão de Projetos de Infraestrutura: Concessões Rodoviárias Diretor Marcelo Bruto Apresentação Histórico Evolução Panorama Atual Desafios Histórico 1ª

Leia mais

Financiamento ao Agronegócio

Financiamento ao Agronegócio Financiamento ao Agronegócio O papel do cooperativismo no crédito e na produção agrícola Sicredi SICREDI EM NÚMEROS Mais de 3 milhões de associados 18,5 mil colaboradores Presente em 11 Estados Mais de

Leia mais

Resíduos da Construção Civil e o Estado de São Paulo

Resíduos da Construção Civil e o Estado de São Paulo Resíduos da Construção Civil e o Estado de São Paulo JOÃO LUIZ POTENZA Diretor do Centro de Projetos Coordenadoria de Planejamento Ambiental Secretaria do Meio Ambiente Resultados SMA Convênio SMA e SindusConSP

Leia mais

O direito humano à água

O direito humano à água Seminário: Democratização da política de serviços de saneamento básico por meio de inovações sociotécnicas. Lições para enfrentar os desafios O direito humano à água Francisco Lopes Secretário Executivo

Leia mais

RESOLUÇÃO CSJT Nº 92/2012 ANEXO II IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO

RESOLUÇÃO CSJT Nº 92/2012 ANEXO II IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1868/2015 - Quinta-feira, 03 de Dezembro de 2015 Conselho Superior da Justiça do Trabalho 1 RESOLUÇÃO CSJT N.º 92/2012 ANEXO II IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO NOME DO PROJETO: IMPLANTAÇÃO DO MODELO DE GESTÃO

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA

FUNDO MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA FMLU FUNDO MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Gestão: Finalidade: Cadastro Organizacional/PMS FUNDO MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA - FMLU FUNDO MUNICIPAL SECRETARIA MUNICIPAL DE ORDEM

Leia mais

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Programa Paulista de Concessões Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Foz do Iguaçu, 13 de Maio de 2016 Sobre a ARTESP Criada pela Lei Complementar nº 914,

Leia mais

Aprimoramento SINAPI. 88º ENIC Foz do Iguaçu 12/05/2016

Aprimoramento SINAPI. 88º ENIC Foz do Iguaçu 12/05/2016 Aprimoramento SINAPI 88º ENIC Foz do Iguaçu 12/05/2016 Legislação Decreto 7.983/2013: Regras e critérios a serem seguidos pela administração pública federal para a elaboração do orçamento de referência

Leia mais

Introdução TRANSOESTE. Ilustração 3D

Introdução TRANSOESTE. Ilustração 3D Cidade Integrada Introdução A cidade do Rio de Janeiro passa por uma mudança de paradigma na mobilidade, com um grande ciclo de investimentos em transporte de alta capacidade. O processo envolve obras

Leia mais

LEI N.º 4.553 de 6 de outubro de 2015.

LEI N.º 4.553 de 6 de outubro de 2015. LEI N.º 4.553 de 6 de outubro de 2015. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Autoriza a abertura de crédito adicional suplementar no Orçamento vigente no valor de R$ 6.227.000,00. Faço saber, em cumprimento

Leia mais

BNDES e o Financiamento para Indústrias Ferroviárias no Brasil

BNDES e o Financiamento para Indústrias Ferroviárias no Brasil BNDES e o Financiamento para Indústrias Ferroviárias no Brasil Demian Fiocca Presidente do BNDES Apresentação para a Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários Brasília, 7 de junho de 2006 www.bndes.gov.br

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Estratégico Mobilidade Urbana SMDU DEURB

Revisão do Plano Diretor Estratégico Mobilidade Urbana SMDU DEURB Revisão do Plano Diretor Estratégico Mobilidade Urbana SMDU DEURB 2013 Características da Mobilidade em São Paulo 25,2 milhões de viagens diárias motorizadas na RMSP; 18,0 milhões de viagens diárias motorizadas

Leia mais

CURSO INTERNACIONAL SOBRE DESASTRES, SAÚDE E DESENVOLVIMENTO EXPOSIÇÃO: EMERGÊNCIAS QUÍMICAS ANDERSON PIOLI

CURSO INTERNACIONAL SOBRE DESASTRES, SAÚDE E DESENVOLVIMENTO EXPOSIÇÃO: EMERGÊNCIAS QUÍMICAS ANDERSON PIOLI CURSO INTERNACIONAL SOBRE DESASTRES, SAÚDE E DESENVOLVIMENTO EXPOSIÇÃO: EMERGÊNCIAS QUÍMICAS ANDERSON PIOLI CETESB A CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental é a agência do Governo do Estado

Leia mais

Razão Social: GEOMECÂNICA S/A TECNOLOGIA DE SOLOS, ROCHAS E MATERIAIS

Razão Social: GEOMECÂNICA S/A TECNOLOGIA DE SOLOS, ROCHAS E MATERIAIS ABCE $VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH&RQVXOWRUHVGH(QJHQKDULD Filiada à Federación Panamericana de Consultores FEPAC Membro do Conselho Consultivo da Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP 1. Empresa %DQFRGH'DGRVGD&RQVXOWRULD%UDVLOHLUD),1(3$%&(

Leia mais

Segurança do Trabalho Relatório de Desempenho 2013

Segurança do Trabalho Relatório de Desempenho 2013 Segurança do Trabalho Relatório de Desempenho 2013 1. Acidente do Trabalho No ano de 2013, foi registrado o total de 02 (dois) ocorrências de acidentes do trabalho com afastamento, sendo uma ocorrência

Leia mais

Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016: Planejamento, Gestão e Legado. 20 de maio de 2015

Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016: Planejamento, Gestão e Legado. 20 de maio de 2015 Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016: Planejamento, Gestão e Legado 20 de maio de 2015 INTRODUÇÃO 1ª Olimpíada da América do Sul 2 de outubro de 2009 LEGADO OPORTUNIDADES RESULTADOS JOGOS OLÍMPICOS

Leia mais

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO ^ Jatobá Anexo I, Módulo I, Inciso II, IN n. 09/05 do TCE/MA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO O responsável pelo controle interno do Município de Jatobá, em atendimento à Instrução Normativa n. 009/2005 e

Leia mais

O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY. IV Fórum da Reforma do Estado - São Paulo Set. 2005

O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY. IV Fórum da Reforma do Estado - São Paulo Set. 2005 O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY A Importância de Serviço Civil Estruturado Bens e Serviços Públicos Governança Reforma da Política Econômica Gasto Público Sustentabilidade Fiscal Fonte:

Leia mais

Está na hora do povo apostar em um candidato a prefeito do próprio povo. Edinaldo e Newtinho Matsumoto vão continuar os avanços em Petrolina e

Está na hora do povo apostar em um candidato a prefeito do próprio povo. Edinaldo e Newtinho Matsumoto vão continuar os avanços em Petrolina e Está na hora do povo apostar em um candidato a prefeito do próprio povo. Edinaldo e Newtinho Matsumoto vão continuar os avanços em Petrolina e implantar novos programas para a cidade crescer ainda mais.

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO Classificação Nível de Criticidade para Equipamentos S Q W Itens para avaliação Segurança cliente interno cliente externo meio-ambiente Qualidade Condição de trabalho Status Equipamento A B D P M Perdas

Leia mais

Estado de Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MIGUEL DO OESTE

Estado de Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MIGUEL DO OESTE LEI Nº 832 Anula e/ou reduz dotações do orçamento vigente para suplementação da Reserva de Contingência e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE SÃO MIGUEL DO OESTE: FAÇO saber a todos os habitantes

Leia mais

BNDES. Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE 2004. www.bndes.gov.br 1

BNDES. Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE 2004. www.bndes.gov.br 1 BNDES Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE 2004 www.bndes.gov.br 1 INVESTIR EM INFRA-ESTRUTURA, PARA QUE? Para melhorar a atual infra-estrutura nacional,

Leia mais

João Fortini Albano 24

João Fortini Albano 24 João Fortini Albano 24 4 - FUNÇÕES, CLASSIFICAÇÃ FUNCINAL, CLASSE E NRAS ARA RDVIAS Função de uma via: é o tipo de serviço que a via proporciona aos usuários. É o desempenho da via para a finalidade do

Leia mais

PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO SABÁUDIA CONTINUA

PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO SABÁUDIA CONTINUA PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO SABÁUDIA CONTINUA 14 EIXOS PARA A CONTINUIDADE DA TRANSFORMAÇÃO DE SABÁUDIA 1º EIXO RELIGIÃO Apoio a todas as denominações religiosas Incentivo ao crescimento e estrutural.

Leia mais

OF /STC/008/2013 Porto Alegre, 16 de janeiro de 2013.

OF /STC/008/2013 Porto Alegre, 16 de janeiro de 2013. OF /STC/008/2013 Porto Alegre, 16 de janeiro de 2013. Assunto: Restrição do Trânsito de Combinações de Veículos de Carga CVC e demais veículos portadores de AET nos períodos de feriados nacionais Senhor

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade e Orçamento Público Carga Horária:50 aulas Semestre Letivo / Turno: 3º semestre Professor: Período: Ementa da disciplina:

Leia mais

Educação Profissional para Energias Renováveis (Fotovoltaica): Propostas para garantir a Qualidade dos Profissionais

Educação Profissional para Energias Renováveis (Fotovoltaica): Propostas para garantir a Qualidade dos Profissionais Educação Profissional para Energias Renováveis (Fotovoltaica): Propostas para garantir a Qualidade dos Profissionais 22 de setembro de 2015 SISTEMA INDÚSTRIA Nacional Confederação Nacional da Indústria

Leia mais

O Papel da ANAPRE para a Melhoria da Qualidade e Desenvolvimento do Mercado de Pisos e Revestimentos. Engº Wagner Gasparetto Vice-Presidente

O Papel da ANAPRE para a Melhoria da Qualidade e Desenvolvimento do Mercado de Pisos e Revestimentos. Engº Wagner Gasparetto Vice-Presidente O Papel da ANAPRE para a Melhoria da Qualidade e Desenvolvimento do Mercado de Pisos e Revestimentos Engº Wagner Gasparetto Vice-Presidente MISSÃO PRIMORDIAL DESAFIOS Visão Sistêmica (Piso & Revestimento)

Leia mais

Instituto Cuidando do Futuro

Instituto Cuidando do Futuro Instituto Cuidando do Futuro Programa Socialmente Responsável Thiago Albuquerque Quem somos OBJETIVO Realizar projetos sócioambientais com foco no setor de transportes e logística. PRINCIPAL MANTENEDOR

Leia mais

SECRETARIA ESTRUTURA CÓDIGO DE VENCIMENTO

SECRETARIA ESTRUTURA CÓDIGO DE VENCIMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DE OURO PRETO ESTRUTURA BÁSICA E ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRUTURA E CARGOS A N E X O I SECRETARIA ESTRUTURA CÓDIGO DE Casa Civil Assessoria Especial Jurídica

Leia mais

CONTRATO BID Nº 865/OC

CONTRATO BID Nº 865/OC BID I APRESENTAÇÃO O Programa BID I foi a primeira etapa do Programa Rodoviário do Estado do Espírito Santo financiado parcialmente com recursos do BID Banco Interamericano de Desenvolvimento através dos

Leia mais

O que pensamos. Colaboradores. Atividades. Política de Segurança. Clientes. Apólice de Seguro. Armazéns. Segurança. Frota.

O que pensamos. Colaboradores. Atividades. Política de Segurança. Clientes. Apólice de Seguro. Armazéns. Segurança. Frota. O que pensamos Colaboradores Atividades Política de Segurança Clientes Apólice de Seguro Armazéns Segurança Frota Unidades Confiança no trabalho em equipe como ponto de partida, valorizando sempre o ser

Leia mais

Objetivos de cada frente de trabalho. Modelo de gestão pública por resultados. Monitoramento e avaliação de resultados

Objetivos de cada frente de trabalho. Modelo de gestão pública por resultados. Monitoramento e avaliação de resultados 1) Gestão e Planejamento Objetivos de cada frente de trabalho Modelo de gestão pública por resultados Monitoramento e avaliação de resultados Sistemática de avaliação de desempenho individual do servidor

Leia mais

Banco do Brasil e o Agronegócio. Fevereiro 2012

Banco do Brasil e o Agronegócio. Fevereiro 2012 Banco do Brasil e o Agronegócio Fevereiro 2012 Banco do Brasil e o Agronegócio 61,6% do Crédito Rural/Agroindustrial no País (SNCR 30.09.2011); 77% dos valores aplicados no Pronaf (SNCR); 1,4 milhões de

Leia mais

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO Ao Excelentíssimo Senhor Telmo José Kirst Prefeito Municipal de Santa Cruz do Sul Santa Cruz do Sul/RS Assunto: Informações Ref. CP 269 Jun/2015. Senhor Prefeito: Ao cumprimentá-lo encaminho informações

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: II Legislação ambiental Primeira Fase: Oficinas Oficina 01 Sobre a Política e sobre o Planejamento: Conceitos da Gestão Ambiental Legislação ambiental Política Ambiental definição e desdobramentos

Leia mais

CRISTAIS PAULISTA 2010 R$ 1.975.100,00

CRISTAIS PAULISTA 2010 R$ 1.975.100,00 CRISTAIS PAULISTA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 2010 R$ 1.975.100,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 65.800 litros de leite, de Jan/2007 a Dez/2008 Custo: R$ 80 mil, beneficiando 188

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) foi criado pelo Decreto-Lei nº 9.295/46, com alterações,

Leia mais

ESPORTE, CULTURA E LAZER

ESPORTE, CULTURA E LAZER SAÚDE Contratação de equipe médica para atendimento especializado, com demanda suficiente para atender toda a população; Atendimento médico diário no distrito de Claudinápolis; Firmar Convênios laboratoriais,

Leia mais

Centro de Excelência em Engenharia, Suprimento e Construção. Pedro Barusco Filho Gerente Executivo da ENGENHARIA

Centro de Excelência em Engenharia, Suprimento e Construção. Pedro Barusco Filho Gerente Executivo da ENGENHARIA Centro de Excelência em Engenharia, Suprimento e Construção Pedro Barusco Filho Gerente Executivo da ENGENHARIA São Paulo, 22 de novembro de 2006 Origem do Centro de Excelência O Projeto foi proposto pela

Leia mais

Área/Setor Auditado. Relatório AT 003/2015. Nota AT 01/2015 Nota AT 02/2015 ARH AC AF AP ACE AMC. Relatório AT 003/2016

Área/Setor Auditado. Relatório AT 003/2015. Nota AT 01/2015 Nota AT 02/2015 ARH AC AF AP ACE AMC. Relatório AT 003/2016 RELATORIO ANUAL DE VIDADES DA AUDITORIA INTERNA (RAINT) - EXERCÍCIO 2015 Nº PAINT 2015 DEAUD Descrição 1 PAN03 Gestão de Fundos Estatutários e de Terceiros: FAT - Depósitos Especiais 2 PSC02 Contabilidade:

Leia mais

PESSOAL ODC TOTAL ODC INVEST. TOTAL INVEST. TOTAL ODC INVEST. INVERSÃO TOTAL PESSOAL TOTAL PESSOAL TOTAL PESSOAL ODC INVEST.

PESSOAL ODC TOTAL ODC INVEST. TOTAL INVEST. TOTAL ODC INVEST. INVERSÃO TOTAL PESSOAL TOTAL PESSOAL TOTAL PESSOAL ODC INVEST. 1335 - EFICIÊNCIA OPERACIONAL 146.058.491 11.175.065 157.233.556 300.000 0 300.000 0 0 8.537.890 319.500 0 8.857.390 0 0 0 0 146.058.491 20.012.955 319.500 0 166.390.946 1969 - Implementação do Processo

Leia mais

IV Encontro Pedagógico do IFAM

IV Encontro Pedagógico do IFAM IV Encontro Pedagógico do IFAM Mesa temática III: Órgãos Reguladores e Processos de Auditoria na EPT Palestrante: Samara Santos dos Santos Responsável pela Auditoria Interna do IFAM Manaus, 01 de junho

Leia mais

Extensão Rural Audiência Pública. José Silva Soares - Presidente ASBRAER

Extensão Rural Audiência Pública. José Silva Soares - Presidente ASBRAER Extensão Rural Audiência Pública José Silva Soares - Presidente ASBRAER Brasilia, Outubro de 2007 HISTÓRICO ACAR Minas Gerais 1948 ABCAR Sistema Nacional de Extensão Rural EMBRATER SIBRATER 1955 1960 1975

Leia mais

ANTP COMISSÃO DE TRÂNSITO GT SEGURANÇA O REGISTRO DEACIDENTES NOBRASIL:

ANTP COMISSÃO DE TRÂNSITO GT SEGURANÇA O REGISTRO DEACIDENTES NOBRASIL: ANTP COMISSÃO DE TRÂNSITO GT SEGURANÇA O REGISTRO DEACIDENTES NOBRASIL: A QUESTÃO DA FALTA DE PADRONIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Engo. José Antonio Oka jaoka@uol.com.br 26/04/13 Gestão da Segurança Viária Nesta

Leia mais

CRONOGRAMA 2015. 2014 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez. Reestruturação dos locais para o armazenamento interno dos resíduos

CRONOGRAMA 2015. 2014 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez. Reestruturação dos locais para o armazenamento interno dos resíduos Ação Principal Ações Específicas CRONOGRAMA 2015 2014 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Reestruturação dos locais para o armazenamento interno dos resíduos Definir local para sala de utilidades

Leia mais

Modelo de Atuação da GCC Focado na Linha 4

Modelo de Atuação da GCC Focado na Linha 4 Modelo de Atuação da GCC Focado na Linha 4 Objetivo do Novo Modelo Elaboração de um Caderno defiscalização, buscando : Melhoria de Processos Padronização de Procedimentos Registro das Atuações Fatores

Leia mais

DECRETO Nº 1.348, de 07 de Maio de 2014.

DECRETO Nº 1.348, de 07 de Maio de 2014. DECRETO Nº 1.348, de 07 de Maio de 2014. Regulamenta o artigo 5º da Lei Municipal nº. 945/2013 que cria o Departamento Municipal de Trânsito e Transportes DEMUTRAN da Secretaria Municipal de Transporte

Leia mais

Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham) POA.

Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham) POA. Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham) POA http://www.amcham.com.br/ Missão do Comitê de Sustentabilidade Promover o diálogo e a mobilização sobre sustentabilidade por meio de diferentes

Leia mais