PROCESSO N Incêndio no porão do navio, atribuído (mas não comprovado) combustão espontânea da carga (juta). Acidente fortuito. Arquivamento.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO N 2.161. Incêndio no porão do navio, atribuído (mas não comprovado) combustão espontânea da carga (juta). Acidente fortuito. Arquivamento."

Transcrição

1 ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 115 PROCESSO N ACÓRDÃO Incêndio no porão do navio, atribuído (mas não comprovado) combustão espontânea da carga (juta). Acidente fortuito. Arquivamento. Vistos, relatados e discutidos os autos. O vapor Barão do Rio Branco, de propriedade do Lóide Brasileiro Patrimônio Nacional, sob o comando do capitão-de-longo- -curso Beresford Calvert, atracado ao cais do armazém n. 8, do pôrto de Recife, achava-se em operação de descarga desde o dia 28 de julho, quando, às 11 horas do dia 30 do mesmo mês, manifestou-se incêndio no porão n. 2. carregado em sua quase totalidade com fardos de juta embarcados em portos do Amazonas e com destino ao Rio de Janeiro e Santos. O navio, procedente de Manaus, anortou a Macau e deu entrada em Recife no dia 28 de julho de 1951, iniciando no mesmo dia a descarga, inclusive do porão n. 2. que fôra aberto pela última vez no pôrto de Breves, a 26 de junho, tudo correndo sem novidade até à manhã do dia 30 de julho, quando foi fechado o porão, após a reestiva da carga de pranchas de madeira destinada ao Rio de Janeiro e que foram retiradas da parte de ré do porão n. 2, por engano. Até o momento de fechar a escotilha do porão, às 9.30 horas do dia 30, nenhum indício foi notado da existência de fogo no citado porão. Pouco tempo mais tarde, isto é. uma hora e vinte minutos depois de fechado o porão, o estivador José Francoljno da Silva, que manobrava um dos guinchos, chamou a atenção do encarregado da

2 116 TRIBUNAL MARÍTIMO estiva, para a fumaça que se desprendia do porão n. 2, por baixo da escada da coberta e também pelos cantos da escotilha e do ventilador. O encarregado da estiva, contramestre José Clementino da Silva, imediatamente deu alarma, comunicando o fato às autoridades de bordo, as quais tomaram as providências necessárias para o combate ao incêndio, inclusive a chamada do Corpo de Bombeiros da cidade e outros elementos de terra. Aberta a escotilha do porão com o auxílio de tripulantes e estivadores, verificou-se que era muito denso o volume de fumaça ali existente, pelo que o comandante ordenou que se adotassem medidas de combate ao fogo. Ante os limitados recursos de bordo em tal emergência e agravamento da situação, deliberou o comandante solicitar o concurso da Companhia de Bombeiros da cidade, para combate mais eficiente ao incêndio e o alagamento do porão. Foi também solicitado o concurso das Docas, com a presença de um rebocador ao costado e para possibilidade de aliviar a carga do convés e dos porões para terra e alvarengas, no sentido <le assegurar a estabilidade do navio. Após dominado parcialmente o fogo, constatou-se a existência de dois focos em pavimentos diferentes, no mesmo porão. Segundo o relatório do inquérito, não foi possível determinar em aual dos dois focos se originou o incêndio, sendo excluída a possibilidade da propagação de um ponto a outro, pela ausência de vestígios de comunicação. Não foi possível à perícia positivar a causa originária do incêndio. tudo levando a crer tratar-se de combustão espontânea fibra de juta, de que era constituído grande parte do carregamento do navio, de vez que não foi encontrado o menor indício de ação propositada. A hipótese de ter sido o incêndio provocado na primeira coberta ípor uma ponta de cigarro ou outro agente) irradiando o calor que provocou o incêndio na segunda coberta, era pouco aceitável, pela inadmissibilidade de o calor atravessar supostas camadas de fardos, arrumados à cunha, irradiando-se de cima para baixo, até cncontrar o ar comburente da janela do conduto de ventilação dessa coberta. A atuação inversa, isto é, da irradiação do calor de baixo para cima ou da segunda coberta, é mais aceitável, dada a natural expan são dos gases em busca de uma abertura mais ampla e em cima. como é a escotilha do porão, ao passo que a janela do conduto de ventilação, além de estar situada em baixo, oferecia menor capacidade de ar comburente. Após a retirada da carga, foi verificado que os fardos de juta que estavam estivados em baixo, eram os mais queimados, e maiores estragos e indícios de fogo mais violento foram constatados na segunda coberta. No têrmo de exame pericial consta que o navio estava estanque, sendo encontradas as seguintes avarias: Uma chapa empenada, a BB, no teto da l.a coberta para o convés superior; dois vaus empenados na coberta n. 2; a antepara do porão n. 1 para o n. 2, na altura da 2 a coberta, com ligeira ondulação, e diversas chapas da I a coberta tostadas tudo motivado pelo fogo.

3 ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 117 Examinado minuciosamente o porão n. 2, onde se declarou o incêndio, constatou-se que dois lugares foram atingidos pelas labaredas com maior violência. O estado em que ficou a carga estivada nos referidos lugares e o efeito do calor mais forte suportado pelas chapas, tanto do piso, como do teto e costado que limitam aqueles dois pontos, indicam claramente que o fogo nêles atuou com maior intensidade, não padecendo dúvida a existência de dois focos principais. Robustece essa convicção o testemunho dos presentes, de que ao descobrirem a escotilha do porão, labaredas e fumaça procedentes do ponto na primeira coberta, deram-lhes a impressão do incêndio ter sido naquela coberta. No entanto, maiores estragos e indícios de fogo mais violento, foram encontrados na segunda coberta, depois que o porão foi aliviado da carga. A localização dos dois focos exclui a admissão do fogo ter-se propagado de um ponto a outro, isso porque, enquanto um foi localizado na 2 a coberta, a meia nau, à vante, o outro estava na 1* coberta, a BB, e à ré. A carga existente no espaço entre os lugares citados, bem como as chapas e anteparas que os situam, não apresentavam sinais de terem sido atingidos por fogo que se deslocasse de um ponto para se propagar a outro. Os dois pontos estavam inteiramente isolados pelos quartéis e pela própria carga de juta que abarrotava as duas cobertas. Fogo simultâneo cm dois lugares é uma hipótese que pode ser ventilada. Aceitá-la, entretanto, é indicar a I a coberta como ponto inicial do incêndio. A maior parte da carga do navio era juta. Começou o recebimento em Manaus a e continuou nos portos intermediários entre Manaus e Breves, a mesma espécie de carga. Fechou-se o porão em Breves, no dia para só abrir-se em , no pôrto de Recife. Êste fato anula qualquer conjectura do fogo não ter sido declarado no DÔrto de Recife. Neste pôrto a estiva trabalhou apenas na remoção de madeiras em espaço reduzido da l.a coberta, mas que confirma exatamente o lugar onde se imagina ter tido origem um dos focos. O porão foi fechado às 9 horas e 30 minutos do dia 30. e uma hora e vinte minutos depois foi pressentida a fumaça que dêle safa. Não será exagero admitir que uma ponta de cigarro tenha provocado o incêndio na Ia coberta. O calor irradiado precipitou a inflamação da parte da juta mais predisposta à combustão espontânea e poderia ter sido aquela que ocupava a 2 a coberta para constituir o 2. foco. Esta hipótese é a que mais se aproxima do que realmente ocorreu, porque foi exatamente a juta que cercava o conduto de ventilação anteriormente mencionado e na altura da janela que êste conduto tem, que a juta ficou totalmente queimada, indicando assim ser o segundo foco. Pela janela do conduto penetrou o ar necessário à combustão da juta já aquecida pela irradiação do calor do fogo na l.a coberta, completando dêsse modo o processo para a inflamação espontânea da juta na 2 a cobertura, uma vez que não foi encontrado nenhum indício de ação propositada. Nos autos, a fls. 46 (informação prestada pela seçao de Química do Instituto Tecnológico do Estado de Pernambuco) que esclarece: que a fibra de juta. quando comprimida em fardos ^cintados, pode inflamar-se espontâneamente no atrito com a madeira, com a fita

4 118 TRIBUNAL MARÍTIMO de aço ou de fardo com fardo. A inflamação pode ser ainda provocada por aumento de temperatura, proveniente da fermentação da fibra quando armazenada em ambiente úmido e onde não haja renovação de ar. Esclarece ainda que a fibra de juta possui higroscopicidade elevada, aumentando assim o perigo da fermentação acima citada. No inquérito consta das declarações do comandante, 1. e 2. pilotos que o incêndio só poderia ter ocorrido em conseqüência de combustão espontânea dos fardos de juta estivados no porão n. 2, visto que na remoção da carga estivada no aludido porão foi constatado que os fardos de juta que estavam em baixo eram os mais queimados. Que o porão foi aberto no dia 23 de julho, sendo fechado no dia 30, às 9 horas e 30 minutos, sem que fôsse notado qualquer indício de fogo na carga. A testemunha Francisco de Souza Vieira, fiel do porão n. 2, em seu depoimento declarou que, por ocasião da abertura do porão, não foi notado qualquer indício de fogo na carga e que ao ser fechado o porão na sua presença, não foi notada qualquer anormalidade. Declarou não ter visto durante o trabalho de descarga, qualquer estivador ou outra pessoa fumar nas proximidades do porão, ou mesmo no trabalho e que na qualidade de fiel do porão estêve presente durante todo o tempo em que o aludido porão estêve aberto. Nos depoimentos das testemunhas pertencentes ao grupo da estiva a bordo, consta que um terno de onze estivadores trabalhara a bordo no dia 30 de julho desde as 8 horas da mnnhã e cêrca das 10 horas, depois de acomodar no porão n. 2 pranchas de madeira destinadas ao Rio de Janeiro e retiradas do porão por engano, foi fechado o porão, indo o temo de estivadores trabalhar no porão n. 1. Entre 10 e 11 horas o estivador que trabalhava de guincheiro, chamou a atenção do contramestre da estiva para a fumara que rafa pelos cantos da escotilha e por um ventilador do porão. Dado o alarma, foram tomadas as providências necessárias para a extinção do incêndio. Os estivadores declararam em seus depoimentos que estavam presentes quando foi aberto o porão para as operações de carga, não sendo notado qualquer cheiro ou outro sinal que denunciasse a existência do fogo no interior do porão e que quando o porão foi aberto não havia o menor indício de incêndio. Durante o trabalho no porão foi mantida a vigilância para que ninguém fumasse ou usasse fósforos ou qualquer artefato que pudesse comunicar fogo à carga. No relatório do inquérito o encarregado conclui que não foi possível determinar com precisão a causa do incêndio, sendo mesmo atribuído à combustão espontânea, o oue está conforme a ausência completa de quaisquer indícios de ação propositada e as propriedades ouímicas da juta constantes da informação d*» fls 44 Que dêsse acidente resultaram os prejuízos constantes do têrmo de fls. 41 e 42. Que o fato se deu em virtude de causa desconhecida. Com vista à Procuradoria, esta pelo dr. 2. procurador foi de narecer que o inou^rito convencia da fortuidade do acir'pnte. sem qualquer responsabilidade, quer do armador do navio Barão do Rio Branco, quer de sua tripulação, como acentuou o encarregado do inouérito em suas conclusões de fls. 55. oue só se nodia atribuir à combustão espontânea, a causa do incêndio verificado no porão

5 ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 119 n. 2, do citado navio. Assim, a Procuradoria opinou pelo arauivamento do processo. y arqui- Isto pôsto: 1) Duas são as hipóteses formuladas no presente processo, relativas ao incêndio ocorrido no porão n. 2 do navio Barão dó Rio Branco'*, quando em operação de descarga no cais do armazém n. 8, das docas do pôrto de Recife. Dado o alarma da existência do fogo a bordo e aberta a escotilha do porão n. 2, foram constatados dois focos onde as labaredas atuavam com maior intensidade. A perícia constatou não ter havido a propagação do fogo de um foco para outro, de vez que, enquanto um ponto está situado na primeira coberta, a BB, à ré, o outro está localizado na segunda coberta, de meia nau para vante, e a carga de fardos de juta estivada entre êsses dois focos, não foi atingida pelas chamas, o que demonstra que o fogo não se deslocou de um foco para se propagar ao outro ponto. 2) A hipótese formulada pela perícia admite que uma ponta de cigarro tenha provocado o incêndio no ponto da primeira coberta e o calor irradiado tenha precipitado a inflamação da juta, mais disposta à combustão espontânea e que poderia ter sido aquela que ocupava o ponto da segunda coberta, para constituir o segundo foco. A perícia ainda admite que essa hipótese é a que mais se aproxima da realidade, porque foi exatamente a juta que cercava o conduto de ventilação e na altura da janela dêsse conduto (a que ficou totalmente queimada), indicando assim que por êsse conduto penetrou o ar necessário à combustão da juta já aquecida pela irradiação do fogo na primeira coberta, completando, dêsse modo, o processo para a inflamação espontânea da juta da segunda coberta. 3) A segunda hipótese formulada pelo encarregado do inquérito contesta o fato de ter sido o fogo iniciado na primeira coberta, em conseqüência de uma ponta de cigarro ou outro agente. Alega o encarregado do inquérito a inadmissibilidade da irradiação do calor da primeira coberta atravessar de cima para baixo superpostas camadas de fardos arrumadas à cunha,^ até encontrar o ar comburente na janela de conduto de ventilação da segunda coberta. Pareceu ao encarregado do inquérito que a irradiação do calor da sesrunda para a primeira coberta seria mais aceitável, dada a natural expansão dos gases em busca de uma abertura mais ampla, comparando-se a janela do conduto de ventilação da segunda coberta com as aberturas da escotilha do porão situadas na primeira coberta. 4) A hipótese formulada pelo encarregado do inquérito parece a que melhor define a origem do incêndio. Se o fogo fôsse originário de uma ponta de cigarro atirada ao acaso sôbre um fardo de juta estivada na primeira camada da primeira coberta, as labaredas teriam varrido a parte superficial dos outros fardos de juta da mesma camada, porque a existencia de ar comburente na parte superior do porão era em maior volume e a sua renovação mais ampla em virtude da existencia das aberturas da escotilha nas proximidades.

6 120 TRIBUNA L MARIT IM O Nesse caso, não se teria formado apenas um foco e sim a propagação do fogo em área mais extensa na primeira coberta. 5) Para haver a propagação do calor de cima para baixo, através das diversas camadas de fardos de juta, até atingir a zona de ventilação na 2.a coberta, onde o ar comburente poderia provocar a combustão da juta nesse ponto, seria necessário que o fogo na parte superior tivesse grande intensidade, o que não se verificou. Segundo o apurado, os fardos de juta mais queimados e os pontos mais atacados pelas chamas, foram aquêles situados na 2.a coberta. 6) Parece positivado que o fogo se tenha originado na 2.a coberta, provocado por ponta de cigarro ou outro agente externo que, penetrando pelo cachimbo do ventilador (provido ou desprovido de tela) e descendo pelo conduto, foi situar-se sôbre algum fardo de juta, dando origem à inflamação da fibra, o que foi facilitado pelo ar comburente que desce pelo referido conduto de ventilação. Se não houve o agente externo, então é de admitir que a erifrem do fogo foi devida à combustão espontânea. culo foro tenha originado na 2 a coberta, onde a fermentação da fibra de juta se processaria com maior probabilidade, em virtude das condições ambientes. O que não se pode duvidar é que o fogo se tenha originado na segunda coberta. 7) Havendo a existência de dois focos, um na l.a coberta e o outro na 2 a. sem vestígios da propagação de fôgo de um para outro, forçoso é admitir que num dêsses focos a origem de fogo foi devida à combustão espontânea da fibra de juta. Se o foco da l.a coberta foi originado por combustão espontânea, apesar de ser esta zona mais ventilada e assim de menor probabilidade de reação química, fermentação e hidroscopicidade da fibra de juta. o focro ria 2 a coberta também poderia ter sido originado pela combustão espontânea, por isso que os fardos de juta localizados no fundo do porão (2a coberta), estavam em local cujas condições ambientes oram mais prooícias ao desenvolvimento de fenômeno físico do calor e a conseqüente chama, daí originando-se o fogo no aludido foco da 2.a coberta. Nesse caso, ficaria afastada a hipótese de ter sido a origem de fogo provocada por porta de cigarro ou outro agente externo uma vêz que nos depoimentos das testemunhas nada consta referente ao início do incêndio provocado por ação propositada ou agente externo. De tudo o mais que consta nos autos, decidiu o Tribunal Marítimo. pelo voto dos juizes presentes: a) quanto à natureza e extensão do acidente: incêndio no porão dois do navio Barão do Rio Branca nas circunstâncias descritas: prejuízos não avaliados: b) quanto à causa determinante: embora não positivada a causa do incêndio, julgar, em face da existência de dois focos situados em coberta»! diferentes e sem vestígios da propagação do fogo de uma para outra, que o incêndio se tenha originado pela combustão espontânea da fibra da juta, de que era constituída a maior parte do carregamento do porão: c) julgar o acidente resultante de caso fortuito e mandar arquivar o processo. P.C.R. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 1952 Gustavo Goulart, almirante-de-esquadra. presidente Adolpho Martins de Noronha Torrezão, relator ' Agnelo de Azevedo Mesquita Carlos Lafayette Bezerra de Mi randa Francisco José da Rocha Gerson Rocha da Cruz. Fui presente: Ulysses Gomes de Oliveira, 2. procurador.

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO R/E CAPITÃO JOSÉ ALECRIM VIII. Incêndio na praça de máquinas de rebocador / empurrador, provocando avarias no motor e nas suas partes elétricas e

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO N/M LORETA D. Queda de carga na água devido a não colocação de redes de proteção ao costado, com poluição ao meio ambiente marinho, sem vítima. Negligência.

Leia mais

PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO

PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO N/T FO G Á S XV I - Explosão durante faina de transbordo de gás provocando ferimentos em dois tripulantes ccm a morte de um deles; uso indevido de equi* 408 TRIBUNAL MARÍTIMO

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO B/M VOVÔ ORLANDO CIDADE. Queda de tripulante na água, estando a embarcação atracada, da prancha de embarque/desembarque, colocada conforme os usos e costumes,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO REM JEAN FILHO XXXIV e Balsa CONAVE XVII. Colisão de comboio com muro de marina. Possíveis influência de fortes ventos. Arquivamento. Vistos os presentes

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO Comboio integrado R/M ARENA III / Balsas NAVEZON 53, NAVEZON 25 e NBI X Canoa motorizada sem nome. Abalroação resultando em naufrágio da canoa, com posterior

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO N/M "RUBENS". Colisão com terminal de granéis sólidos. Falha do motor propulsor, devido a avaria do diafragma da válvula termo eletromagnética do motor propulsor.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO Aerobarco FLECHA DE IPANEMA e Chata DIALCAR II. Abalroação entre aerobarco e comboio formado por rebocador e chata, provocando avarias na proa do aerobarco,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO Comboio Integrado pelas Chatas TQ-61 / TQ-38 com o empurrador TQ-25 e o batelão areeiro ER-II. Abalroação provocando avarias e o naufrágio parcial do batelão,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO Plataforma P-31. Incêndio no motor gerador da praça de máquinas a bordo de plataforma, tendo como causa determinante o rompimento de uma conexão da rede

Leia mais

PROCESSO N 15.540/93 ACÓRDÃO. IVM "NORSUL PINDARé". Encalhe. Danos materiais. Sem vítimas. Causa não apurada acima de qualquer dúvida. Arquivamento.

PROCESSO N 15.540/93 ACÓRDÃO. IVM NORSUL PINDARé. Encalhe. Danos materiais. Sem vítimas. Causa não apurada acima de qualquer dúvida. Arquivamento. 848 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 15.540/93 ACÓRDÃO IVM "NORSUL PINDARé". Encalhe. Danos materiais. Sem vítimas. Causa não apurada acima de qualquer dúvida. Arquivamento. Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 03/06/04, cerca

Leia mais

PROCESSO N. 1.377 ACÓRDÃO

PROCESSO N. 1.377 ACÓRDÃO 122 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N. 1.377 ACÓRDÃO Abalroamento. Rabeando por efeito da maré, navio abolroa chata em operação de descarga. Provado que o acidente ocorreu devido ao mau fundeio do navio, condena-se

Leia mais

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO DEFINIÇÃO DO FOGO O FOGO É UMA REAÇÃO QUIMICA QUE LIBERA LUZ E CALOR. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO 193 QUAL É O NUMERO DO CORPO DE BOMBEIROS?

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO Lancha "FARUSCA". Explosão seguida de incêndio. Causa não apurada. Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos Autos que, no dia 13 outubro de

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO Veleiro NIGHT JAR. Encalhe em banco de areia, resultando em naufrágio com perda total da embarcação, sem vítimas. Tráfego da embarcação em região de bancos,

Leia mais

PROCESSO Nº 10.913 ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No inquérito, foram ouvidas 11 (onze) testem unhas.

PROCESSO Nº 10.913 ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No inquérito, foram ouvidas 11 (onze) testem unhas. 18 TRIBUNAL MARfTlMO PROCESSO Nº 10.913 ACÓRDÃO N/M SANTOS DUMONT x N/M HAPPY MED. Abalroação. Desobediência às regras do RIPE AM. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. Trata o

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO Rebocador RIO BRANCO. Acidente da Navegação. Naufrágio de rebocador no terminal da PETROBRAS da ilha D água, Rio de Janeiro, RJ, sem danos pessoais

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO Catamarã JUMBO CAT II. Colisão de catamarã com pedras, seguida de encalhe, provocando avarias na embarcação, sem ocorrência de vítimas. Avaria sofrida no

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO Lancha de passageiros COMDUSA XII. Queda de passageira a bordo, provocando-lhe ferimentos graves, com fraturas múltiplas no ombro. Desequilíbrio sofrido

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO B/P DOM ISAAC V. Abordagem de barco pesqueiro em plena viagem por pessoas desconhecidas que roubaram toda a carga. Delito cuja materialidade foi comprovada,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO B/M JOSILANDE. Água aberta seguida de naufrágio com perda total da embarcação e sua carga. Não houve acidentes pessoais e/ou danos ao meio ambiente marinho.

Leia mais

ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 297 PROCESSO N 3.877

ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 297 PROCESSO N 3.877 ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 297 PROCESSO N 3.877 ACÓRDÃO N aufrágio. Arrastamento do rebocador pela draga na ocasião do emborcamento. Imperfeita execução das manobras de suspender a lança para recolocar

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO N/T MARTA. Acidente de Trabalho com trabalhador durante a montagem de andaime no tanque do navio que se encontrava docado no estaleiro. Não configurada a

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO N/M BETELGEUSE. Não configurada a ocorrência de acidente e/ou fato da navegação elencados na Lei nº 2.180/54. Infração ao artigo 378 do RTM. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO Comboio R/E SM e Balsa NB II. Colisão de comboio contra casas de palafitas, provocando danos materiais, sem ocorrência de vítimas. Falta de condições físicas

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO B/P BRUCUTU. Naufrágio com perda total e vítimas fatais. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. Trata-se de analisar o naufrágio

Leia mais

Incêndio em Navios INCÊNDIO 1ª ANALÍTICO. Seção POP

Incêndio em Navios INCÊNDIO 1ª ANALÍTICO. Seção POP 1/5 1. FINALIDADE A presente norma de procedimento operacional tem por finalidade padronizar a conduta das guarnições das Unidades do CBMERJ que operam com embarcações de combate a incêndio, dando subsídios

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO Jangada "CARINA". Emborcamento quando navegava a 05 milhas da praia de Ponta Negra, Natal, RN. Sem vítimas. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO R/E ASSO VENTI. Ferimento em tripulante durante faina de reinstalação de rede de resfriamento do diesel-gerador, provocando-lhe a amputação traumática parcial

Leia mais

Proteção e combate a incêndio

Proteção e combate a incêndio Proteção e combate a incêndio Conceito de fogo Fogo é um processo químico de transformação. Podemos também defini-lo como o resultado de uma reação química que desprende luz e calor devido à combustão

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO Jet-sky VADIO x veleiro BONS VENTOS I. Abalroação envolvendo veleiro e jet-sky não identificado. Causa indeterminada devido a falta de elementos de prova

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO N/M TEAL ARROW. Acidente com estivador a bordo. Trabalhador que se colocou no caminho de ponte rolante denotando imprudência. Ferimentos no representado

Leia mais

Prevenção e Combate a Incêndios

Prevenção e Combate a Incêndios Prevenção e Combate a Incêndios Fogo É uma forma de combustão Combustão É uma forma de oxidação Incêndio É um acidente provocado pelo fogo Analogias Geométricas do Fogo Triângulo do Fogo Tetraedro do Fogo

Leia mais

Subdivisões do Casco e das Estruturas

Subdivisões do Casco e das Estruturas Subdivisões do Casco e das Estruturas ALOJAMENTO (Quarters, Living Space) Compartimento de um navio de guerra destinado a alojar várias pessoas, normalmente mais de quatro. BAILÉU (Orlop Deck) Pavimento

Leia mais

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO N/M SOTIRIA. Quedas de carga n água, sacaria de açúcar, com sua perda, durante operação de carregamento, junto ao armazém nº 11 do porto de Santos,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO Embarcação sem nome. Colisão com banhista na praia Mar de Minas, represa de Três Marias, no município de Três Marias, MG, com vítima. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO B/P TOCANTINS. Trumatismo sofrido por pescador que caiu no convés principal. Sendo a causa determinante provável descuido da própria vítima. Arquivamento.

Leia mais

REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE

REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE Assunto página 1. Normas Aplicáveis 2 2. Tipo de Carga 2 3. Embarcações Excluídas 2 4. Estabilidade 2

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO B/P ITAPEVA. Avaria por ato de sabotagem. Ação dolosa de autoria indeterminada. Arquivamento, exculpando-se os representados. Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

Princípios de combate ao fogo

Princípios de combate ao fogo Princípios de combate ao fogo Mauricio Vidal de Carvalho Entende-se por fogo o efeito da reação química de um material combustível com desprendimento de luz e calor em forma de chama. Grande parte das

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO B/M LUANA. Naufrágio de embarcação provocando vítimas fatais e desaparecimento de passageiros. Causa, manobra brusca de embarcação ocasionando o deslocamento

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos

Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos São Paulo, Brasil (Revisado em 24 de julho de 2007) Este relatório é de uso exclusivo do cliente. Nenhuma parte pode ser reproduzida, mencionada ou circulada

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo EXTINTORES Fogo É uma reação química em cadeia que desprende luz e calor devido à combustão de materiais diversos. Elementos que compõe o fogo Calor Combustível Comburente

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

Prof.Dr. Wyser José Yamakami

Prof.Dr. Wyser José Yamakami Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho - Campus Ilha Solteira-SP SP Prof.Dr. Wyser José Yamakami Introdução a Engenharia de Segurança: Capítulo 8 Prevenção de Incêndios 8.1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O FPSO PETROBRAS 43. Acidente de trabalho com cinco vítimas não fatais, danos materiais, sem registro de poluição ao meio ambiente. Falha no sistema

Leia mais

PROCESSO N* 13.583 ACÓRDÃO

PROCESSO N* 13.583 ACÓRDÃO 12 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N* 13.583 ACÓRDÃO L/M ETC-H. Água aberta, naufrágio, perda total; sem vitimas; ação do mar tendo em vista a utilização da embarcação em área para qual não estava classificada,

Leia mais

ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 485 PROCESSO N 15.296/93 ACÓRDÃO

ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 485 PROCESSO N 15.296/93 ACÓRDÃO ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 485 PROCESSO N 15.296/93 ACÓRDÃO N/M "CLIPPER SANTOS. Processo de fratura da solda no ponto de fixação de barra de ferro componente da guia do cabo de laborar do guindaste n 02,

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

Número de inscrição: 443-004663-8; e Proprietário/armador: Alcione Catarina Bacheschi Sponton. Documentação de praxe anexada.

Número de inscrição: 443-004663-8; e Proprietário/armador: Alcione Catarina Bacheschi Sponton. Documentação de praxe anexada. TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.383/05 ACÓRDÃO B/P GLORIA I. Naufrágio de barco de pesca que fica sem governo. Quebra da haste do leme manual. Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos autos

Leia mais

S A D I José Rui Ferreira

S A D I José Rui Ferreira Concepção de Instalações Eléctricas S A D I José Rui Ferreira Setembro 2000 SADI - Sistema Automático de Detecção de Incêndios Índice - Introdução - Equipamento - Concepção da instalação - Instalação eléctrica

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO Embarcação LEAL SANTOS 7. Avaria no motor principal deixando à deriva. Necessidade de assistência de reboque. Danos materiais sem ocorrência de acidentes

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Rua do Imperador D. Pedro II, 473, Edf. Promotor de Justiça Roberto Lyra Santo Antônio, Recife, PE CEP: 50010-240, Tel (81) 3303 1259 (81) 3303 1279

Rua do Imperador D. Pedro II, 473, Edf. Promotor de Justiça Roberto Lyra Santo Antônio, Recife, PE CEP: 50010-240, Tel (81) 3303 1259 (81) 3303 1279 PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA Aguinaldo Fenelon de Barros SUBPROCURADORA-GERAL EM ASSUNTOS INSTITUCIONAIS Maria Helena Nunes Lyra SUBPROCURADORA-GERAL EM ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS Lais Coelho Teixeira Cavalcanti

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO L/M "O VIGILANTE III". Emborcamento quando em faina de demanda do canal de Marapendi, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, com danos materiais e vítima com

Leia mais

NORMAS ESPECIFICAS ÍNDICE

NORMAS ESPECIFICAS ÍNDICE MARB REGULAMENTO INTERNO DO MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE BRAGA, S.A. NORMAS ESPECÍFICAS ÍNDICE NE 01: DIAS E HORÁRIOS (ART.9º DO REGULAMENTO GERAL)... 3 NE 02: ACESSO DE VEÍCULOS AO MERCADO (ART.11º

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO L/M CAVITOS. Impropriedade da embarcação para o serviço em que era utilizada e empregada para prática de ato ilícito previsto em lei como crime (descaminho).

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO B/P CANADÁ. Naufrágio, quando adentrava na barra do rio Mampituba, município de Torres, SC, com danos materiais, sem vítimas. Condenação. Vistos, relatados

Leia mais

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA NBR5410 As instalações elétricas devem ser concebidas e construídas

Leia mais

PROCESSOS N 1.287 e 1.457

PROCESSOS N 1.287 e 1.457 140 T R I B U N A L MARÍTIMO PROCESSOS N 1.287 e 1.457 ACÓRDÃO A prova artificial não autoriza, por si só. a condenação, desde que os indícios não se esclareçam non se completem, isto é, desde que subsista

Leia mais

ANUARIO DE JURISPRUDÊNCIA 427 PROCESSO N 9.908

ANUARIO DE JURISPRUDÊNCIA 427 PROCESSO N 9.908 ANUARIO DE JURISPRUDÊNCIA 427 PROCESSO N 9.908 ACÓRDÃO Navio BRAZILIAN MARINA, de bandeira liberiana. volisão com pedras. Inexistência de influência das dimensões do navio com relação às do cana]. Não

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.603/97 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.603/97 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.603/97 ACÓRDÃO N/M CONDOR. Ferimento de tripulante por imprudência do mesmo. Condenar o 1º representado, exculpando os demais. Vistos, relatados e discutidos os presentes

Leia mais

NÃO HÁ DUAS SEM TRÊS: CARTÃO, MANUAL E DIRETRIZES PARA OS SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA.

NÃO HÁ DUAS SEM TRÊS: CARTÃO, MANUAL E DIRETRIZES PARA OS SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA. NÃO HÁ DUAS SEM TRÊS: CARTÃO, MANUAL E DIRETRIZES PARA OS SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA. Diretrizes com uma visão geral. Cartão e manual para os serviços de emergência com instruções detalhadas e vinculativas

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8)

NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8) NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8) 19.1 Depósito, manuseio e armazenagem de explosivos. 19.1.1 Explosivos são substâncias capazes de rapidamente se transformarem em gases, produzindo calor intenso e pressões

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor.

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. COMBATE A INCÊNDIO 116 1 Combate a incêndio Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. Os três elementos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO N/M "ASTERI". Morte de trabalhador em operação de raspagem no casco de navio mercante quando em faina de mergulho no porto de Sepetiba, RJ. Condenação.

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES E INCÊNDIOS DOMÉSTICOS ADULTOS Acidentes Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que podem tornar todas as divisões

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº. 22.056/06 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº. 22.056/06 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº. 22.056/06 ACÓRDÃO N/M KAMARI. Colisão de navio estrangeiro com o píer III, do Terminal da Ponta da Madeira, São Luiz, MA, durante estadia atracado, com danos materiais

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO E NOS PORTOS. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009

ÁREAS DE ATUAÇÃO E NOS PORTOS. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009 ACINTES ÁREAS ATUAÇÃO João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2009 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.697/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.697/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.697/00 ACÓRDÃO N/M ALIANÇA IPANEMA. Colisão com píer em construção, pertencente à Delegacia da Capitania dos Portos, em Itajaí, resultando em avarias de grande monta na

Leia mais

PROCESSO N 14.797/92

PROCESSO N 14.797/92 362 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 14.797/92 ACÓRDÃO Veleiro "ANGELUS". Encalhe. Erro de navegação do condutor do veleiro. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 10 de dezembro

Leia mais

Armazém Planear a construção

Armazém Planear a construção Planear a construção Surgem muitas vezes problemas associados às infra-estruturas dos armazéns, como por exemplo, a falta de espaço para as existências, para a movimentação nos corredores e áreas externas,

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR Vidas alheias, riquezas a salvar

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR Vidas alheias, riquezas a salvar CORPO DE BOMBEIROS MILITAR Vidas alheias, riquezas a salvar COMBATE A INCÊNDIOS E EXTINTORES Apresentação: 1º Sgt Evandro de Mello do Amaral FATORES DE ÊXITO NA PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS Estar em dia com

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO N/M FLAMENGO. Ferimentos corto-contuso na região occipto-frontal e fratura de dentes sofridos por estivador durante faina de embarque de contêineres. Não

Leia mais

Produtos perigosos. IDENTIFIQUE O PRODUTO - Consulte os painéis de segurança, rótulos de risco, nota fiscal e as páginas amarelas do manual.

Produtos perigosos. IDENTIFIQUE O PRODUTO - Consulte os painéis de segurança, rótulos de risco, nota fiscal e as páginas amarelas do manual. Produtos perigosos Mauricio Vidal de Carvalho Todos que atuam em medicina pré-hospitalar, resgate e salvamento sabem que a avaliação da cena é a primeira e fundamental regra do atendimento. Todo atendimento

Leia mais

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.6.2016 COM(2016) 371 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa a um sistema de inspeções para a segurança da exploração de ferries

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

Apresentam como características principais:

Apresentam como características principais: 1. A Origem dos Seguros Compreensivos Para se prevenir das possíveis perdas que poderia sofrer em seu patrimônio, face à diversidade de riscos existentes, o segurado era obrigado a contratar diversos seguros,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Número de Ordem Pauta Não informado Registro: 2011.0000029051 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0010102-10.2007.8.26.0302, da Comarca de Jaú, em que é apelante ROMILDO SEGUNDO

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO L/M MAKARI. Colisão de lancha contra seu próprio condutor e posteriormente contra trapiche, vindo a encalhar na margem do canal, colocando em risco a incolumidade

Leia mais

A C Ó R D Ã O SEDC/2008 GMFEO/MEV

A C Ó R D Ã O SEDC/2008 GMFEO/MEV A C Ó R D Ã O SEDC/2008 GMFEO/MEV RECURSO ORDINÁRIO. DISSÍDIO COLETIVO DE NATUREZA ECONÔMICA. ULTRAFÉRTIL S.A. ILEGITIMIDADE PASSIVA AD CAUSAM. O sindicato-suscitante, na qualidade de representante de

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Página : 1 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : AR Reconstituido K/AR Comprimido/

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

RESOLUÇÃO 046 10 de agosto de 2009

RESOLUÇÃO 046 10 de agosto de 2009 RESOLUÇÃO 046 10 de agosto de 2009 REGULA A MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E TRÂNSITO DE MERCADORIAS CLASSIFICADAS PELO CÓDIGO MARÍTIMO INTERNACIONAL DE MERCADORIAS PERIGOSAS (IMDG CODE), DA ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA

Leia mais

RECURSO DE REVISTA - DEMISSÃO POR JUSTA CAUSA - ART. 482, - B-, DA CLT - MAU COMPORTAMENTO - CARACTERIZAÇÃO.

RECURSO DE REVISTA - DEMISSÃO POR JUSTA CAUSA - ART. 482, - B-, DA CLT - MAU COMPORTAMENTO - CARACTERIZAÇÃO. A C Ó R D Ã O (7ª Turma) GMIGM/fs/fn RECURSO DE REVISTA - DEMISSÃO POR JUSTA CAUSA - ART. 482, - B-, DA CLT - MAU COMPORTAMENTO - CARACTERIZAÇÃO. 1. Conforme estabelece o art. 482, -b-, da CLT constitui

Leia mais

NR 30 - Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho Aquaviário

NR 30 - Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho Aquaviário NR 30 - Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho Aquaviário 30.1 Objetivo 30.1.1 Esta norma regulamentadora tem como objetivo a proteção e a regulamentação das condições de segurança e saúde

Leia mais

CÓDIGO DE PRÁTICA PARA CARREGAMENTO E DESCARREGAMENTO SEGUROS DE GRANELEIROS

CÓDIGO DE PRÁTICA PARA CARREGAMENTO E DESCARREGAMENTO SEGUROS DE GRANELEIROS CÓDIGO DE PRÁTICA PARA CARREGAMENTO E DESCARREGAMENTO SEGUROS DE GRANELEIROS O texto, no anexo da Resolução A.862(20) é uma consolidação do Código BLU, que inclui a sua única emenda, adotada pela Resolução

Leia mais

Sistemas têxteis automáticos para proteção à incêndio

Sistemas têxteis automáticos para proteção à incêndio Sistemas têxteis automáticos para proteção à incêndio www.stoebich.com.br, dirk.mueller@stoebich.com.br 1 Conteúdo 1. Introdução: sistemas têxteis 2. Características de sistemas têxteis 3. Cortinas contra

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.348/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.348/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.348/03 ACÓRDÃO N/M BOIURA. Acidente ocorrido com estivador Alcides de Jesus Barbosa a bordo do navio quando em faina de carregamento, no cais comercial do porto de Vitória,

Leia mais

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 2 Registro: 2015.0000086160 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0011047-84.2013.8.26.0011, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ORDALIA REGINA DA SILVA BUSO, são

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO WILDO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO WILDO ORIGEM : 37ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO - PE RELATÓRIO O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator): Tratam-se de apelações criminais interpostas por ROMERO SANTOS VERAS e ROMERO SALES GOMES em face de sentença

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO Moto-aquática não identificada X flutuante tipo BANANA BOAT, rebocado pela moto-aquática SPX-I. Abalroação resultando em lesões corporais de natureza grave

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.345/2001 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.345/2001 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.345/2001 ACÓRDÃO B/M INDEPENDÊNCIA. Naufrágio. alagamento, imprudência do representado. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 11/08/00,

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais