MANUAL DE RELACIONAMENTO COM PRESTADORES DE SERVIÇOS DO SISTEMA UNIMED RS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE RELACIONAMENTO COM PRESTADORES DE SERVIÇOS DO SISTEMA UNIMED RS"

Transcrição

1 1 MANUAL DE RELACIONAMENTO COM PRESTADORES DE SERVIÇOS DO SISTEMA UNIMED RS PRONTUÁRIO DO PACIENTE É o conjunto de documentos padronizados e ordenados, destinados aos registros dos cuidados profissionais prestados ao paciente pelos Serviços de Saúde Pública ou Privado. O médico tem o dever de elaborar o prontuário para cada paciente a que assiste, conforme previsto no art. 69 do Código de Ética Médica. APRESENTAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO O prontuário deverá estar completo com todas as folhas devidamente preenchidas, legível, com nome e carimbo médico e demais da equipe multiprofissional. Boletim de atendimento e prontuário deverá conter: Horário de atendimento; Motivo da consulta; Diagnóstico; Anamnese; Prescrição médica; Evolução médica e de enfermagem; Solicitação e laudos de exames; Registros de enfermagem; Cuidados realizados pela equipe multiprofissional; Medicamentos e procedimentos checados. Procedimento com anestesia deverá conter: Procedimento proposto Relatório de Anestesia; Data do procedimento; Início e término do procedimento; Técnica anestésica; Medicamentos administrados e preparados; Soroterapia; Hemoterapia; Gasoterapia; Materiais utilizados; Horário de início e término dos equipamentos utilizados. Descrição cirúrgica deverá conter: Procedimento realizado; Data do procedimento; Descrição Cirúrgica; Início e término do procedimento; Descrição procedimento realizado; Materiais de OPME utilizados conforme normatização; Medicamentos utilizados; Equipamentos utilizados; Nota de sala.

2 2 Evolução clínica deverá conter: Registro médico e de enfermagem diários da evolução clínica do paciente com letra legível e corretamente preenchido e identificado. CONTAS MÉDICAS E HOSPITALARES TIPOS DE CONTAS Consultório Consultas Procedimentos Exames Serviços Credenciados Hospitais; Laboratórios; Oncologia; Traumatologia; Fisioterapia; Imagem. Contas Hospitalares São todas as contas de hospitais credenciados, referentes à internação e/ou procedimentos realizados, tais como: Emergência e Urgência; Atendimento eletivo para pacientes internados e ambulatoriais; Pronto Atendimento; Ambulatorial; Internação Clínica; Internação Cirúrgica; Internação Obstétrica; Internação Psiquiátrica. DIÁRIA HOSPITALAR É a permanência do paciente na instituição hospitalar por 24h. PAGAMENTO A primeira diária inicia-se no momento da internação. A diária da alta não será paga, exceto em caso de óbito. Internações antes das 6 horas e alta após as 14 horas (alta com justificativa e prescrição médica) paga-se 50% da diária. O dia e o horário da alta deverá estar prescrito, assinado e carimbado pelo médico. Nos casos de alta, a pedido, e transferências paga-se ½ diária, observando o horário de fechamento da conta, com tolerância de até 3 horas, mediante prescrição e justificativa médica. Os cuidados instituídos deverão ser prescritos e checados pela enfermagem. Pagar somente diárias autorizadas/prorrogadas, conforme critérios. O acompanhante será pago conforme cobertura contratual e o visto de ciente do acompanhante. As solicitações de prorrogações de permanência hospitalar deverão ser feitas observando-se a minuta contratual. As alterações de procedimentos deverão ser solicitadas dentro do período de internação. Acompanhamento de especialidades deverão ser solicitadas previamente.

3 3 Procedimentos que necessitam de autorização prévia: Fisioterapia fora da internação; Quimioterapia/Radioterapia e seus respectivos medicamentos; Hemodiálise; Escleroterapia; Exames de biologia molecular PCR; Procedimentos da especialidade Cirurgia Plástica ; Internação hospitalar eletiva; Inclusão de novos procedimentos cirúrgicos; Alterações de códigos de procedimentos cirúrgicos mediante encaminhamento de justificativa detalhada pelo médico assistente; Uso de próteses, órteses, materiais especiais e de síntese mesmo aqueles que fazem parte do ato cirúrgico; Medicamentos de alto custo conforme anexo contratual; Hemodinâmica; Radiologia intervencionista; Procedimentos não inclusos na ANS e no Rol de Procedimentos Médicos UNIMED/RS. TAXAS Aplicação de Injetáveis Endovenosa (EV), Intramuscular (IM) e subcutâneo (SC) A cobrança de taxa para administração de medicamentos via oral não é pertinente. A cobrança quando paciente estiver internado, em sala de observação e /ou procedimento ambulatorial não é pertinente. TIPOS DE ACOMODAÇÃO COBRANÇA conforme anexo contratual. DIÁRIA COMPOSTA DE QUARTO COMPOSIÇÃO conforme anexo contratual. COBRANÇA por dia. UNIDADE DE TERAPIA SEMI INTENSIVA ADULTA/ PEDIÁTRICA/NEONATAL Acomodação com instalações e equipamentos próprios, para mais de um paciente, requerendo tratamento intermediário, técnico de enfermagem, enfermeiro responsável, sem presença médica permanente. COBRANÇA por dia, conforme prescrição médica. UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTA/PEDIATRICA/NEONATAL Acomodação com instalações e equipamentos próprios, para mais de um paciente, requerendo tratamento intensivo, equipe de enfermagem responsável e presença médica permanente. Nas transferências de pacientes para UTI apenas as diárias desta acomodação serão pagas. Caso os familiares permaneçam ocupando outras instalações, será de responsabilidade dos mesmos o pagamento destas. Constar horário de internação e alta do paciente, prescrita pelo médico. COBRANÇA - por dia com prescrição médica.

4 4 DIÀRIA DE ACOMPANHANTE Refere-se ao pernoite com café da manhã. As diárias de acompanhante poderão ser pagas mediante pré-autorização da UNIMED e comprovação da permanência diária do acompanhante junto à conta hospitalar. TAXAS DE SALAS SALA DE CIRURGIA Sala de procedimentos que exijam ambientes cirúrgicos estéreis independentes do tipo de anestesia. PAGAMENTO - primeira hora indivisível; meia hora subseqüente/minuto. Obs: Pagamento para uso de vídeoscópico, conforme negociação local. SALA DE HEMODINÂMICA E RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA Ambiente destinado ao atendimento de pacientes para a realização de exames invasivos como cateterismo cardíaco e outros. PAGAMENTO - primeira hora indivisível; meia hora subseqüente/minuto. SALA DE PRÉ-PARTO Sala de trabalho de parto e/ ou monitorização cardio fetal. PAGAMENTO - por uso. SALA OBSTÉTRICA Para cesárea ou parto normal (via baixa). COMPOSIÇÃO conforme anexo contratual. PAGAMENTO - primeira hora indivisível; meia hora subseqüente/minuto.

5 5 SALA DE RECUPERAÇÃO PÓS-ANESTÉSICA Sala especial para pacientes pós-cirúrgicos ou de pequenos procedimentos que necessitam recuperar-se da anestesia, exceto anestesia local e sedação. PAGAMENTO conforme anexo contratual. Obs: Permanência de até 8 horas, apenas com prescrição médica, onde deverá constar o horário da alta. Acima de 8 horas somente com justificativa médica ou conforme negociação local. SALA DE RECUPERAÇÃO DE PEQUENOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS, EXAMES COM SEDAÇÃO E ANESTESIA LOCAL Sala especial para pacientes de pequenos procedimentos que necessitam recuperar-se da anestesia local ou sedação. Obs.: Independente de existir um local específico ou não. PAGAMENTO por uso. SALA DE PEQUENOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS Sala cirúrgica para pequenos procedimentos que não necessitam de ambiente asséptico. PAGAMENTO por uso conforme registro. Obs.: Independente de sua localização e/ou existência dentro ou fora do centro cirúrgico. SALA DE OBSERVAÇÃO Ambiente destinado ao atendimento de pacientes em regime ambulatorial e administração de medicamentos com necessidade de observação até 12 horas. PAGAMENTO por hora, até 12 horas. Obs: A taxa da sala de observação, pronto socorro e pronto atendimento, serão pagas quando devidamente caracterizadas. Deverão constar prescrição e justificativa médica que caracterize sua utilização. Deverá constar horário de admissão e alta do paciente. A alta deverá estar prescrita, assinada e carimbada pelo médico. A taxa não será aplicada quando: Houver somente a consulta médica; Para os procedimentos de enfermagem ambulatoriais (Ex: troca de sondas, curativos, aplicação de medicamentos entre outros).

6 6 SALA DE GESSO gesso. Ambiente destinado ao atendimento de pacientes em regime ambulatorial para colocação ou retirada de COMPOSIÇÃO - Conforme anexo contratual. PAGAMENTO por uso conforme registro. Obs: Será paga somente quando houver colocação de aparelhos gessados. A taxa para imobilização não gessada não poderá ser cobrada. Não será paga para retirada de aparelhos gessados, exceto quando colocado em outra instituição, com justificativa médica. SALA DE ENDOSCOPIA Ambiente destinado ao atendimento de pacientes para realização de exames endoscópicos. PAGAMENTO por uso. SALA DE QUIMIOTERAPIA Ambiente destinado ao atendimento de pacientes em regime ambulatorial para tratamento quimioterápico. PAGAMENTO conforme anexo contratual. EQUIPAMENTOS Conforme as definições da ANVISA/MS. Equipamentos de terapia: são equipamentos, aparelhos ou instrumentos de uso médico destinados ao tratamento das doenças, incluindo a substituição ou a modificação da anatomia ou do processo fisiológico do organismo humano. Equipamentos de apoio médico-hospitalar: são os equipamentos, aparelhos ou instrumentos de uso médico ou laboratorial destinados a fornecer suporte a procedimentos diagnósticos, terapêuticos ou cirúrgicos. PAGAMENTO conforme anexo contratual.

7 7 GASOTERAPIA É a administração de um ou mais tipo de gases medicinais, conforme o descrito abaixo: Gás Medicinal Oxigênio Pagamento Por hora e minuto. Com horário de início e término checado pelo profissional de enfermagem. Em procedimentos cirúrgicos e diagnósticos, deverá constar o horário de instalação e retirada conforme Relatório Anestésico. Ar Comprimido Por hora e minuto. Em ventilação mecânica, com horário de início e término checado pelo profissional de enfermagem. Protóxido de Azoto Por hora e minuto, condicionado ao registro de uso em Relatório de Anestesia pelo médico anestesista. Desconta-se 15 minutos antes do início do oxigênio e 15 minutos antes do término do ato anestésico. Óxido Nítrico Conforme autorização e utilização do gás, sujeito a Auditoria Técnica. Nebulização Pago por sessão. Condicionado a prescrição médica e checagem dos horários de realização do procedimento. Quando administrado com oxigênio, paga-se 15 minutos por sessão, somente com prescrição médica. TAXAS DE SERVIÇOS PAGAMENTO conforme anexo contratual. NORMATIZAÇÃO PARA PAGAMENTO Materiais Equipos Equipo de macro/microgotas para administração de medicação: 01 unidade a cada 24 horas respeitando a padronização de diluição e/ou incompatibilidade das drogas. Equipo para Nutrição Parenteral: 01 unidade por frasco.

8 8 Equipo para Nutrição Enteral: 01 unidade a cada horário prescrito ou conforme orientação do fabricante. Equipo para Hidratação Gastroenteral: 01 unidade a cada 24 horas. Equipo para Diálise Peritoneal: 01 unidade a cada 24 horas. Equipo para Lipídeos: 01 unidade por frasco Equipo para Bomba de Infusão: 01 unidade a cada 48 horas mediante prescrição médica e/ou do enfermeiro. Equipo Bureta, Polifix ou Microfix: 01 unidade a cada 48 horas, mediante prescrição do enfermeiro. Equipo de Transfusão de Sangue: está incluído na Taxa de Materiais Descartáveis de hemotransfusão (tabela AMB). Obs.:Será pago 01 unidade do Filtro para Remoção de Leucócitos a cada hemotransfusão mediante prescrição médica. Os equipos, quando cobrados acima da normatização, deverão ser justificados pela enfermagem. Equipos para Quimioterapia Equipo macro/microgotas: 01 unidade para cada protocolo de Pré-Quimioterapia e o mesmo equipo caso haja necessidade de utilização de outras medicações após o término da quimioterapia; Equipo Fotosensível: 01 unidade para cada frasco de Quimioterapia administrada, seguindo a recomendação específica para cada droga; Equipo de Bomba de Infusão: 01 unidade para cada frasco de Quimioterapia administrada, seguindo a recomendação específica de cada droga, para infusões acima de 02 horas, com prescrição médica; Infusores: mediante autorização (cotação UNIMED CENTRAL) Catéteres Scalp(buterfly): conforme registro e checagem em prontuário e as trocas mediante justificativa de enfermagem. Dispositivos Intravasculares Catéter Intravenoso Periférico(Jelco, Abocath, Insyte) : conforme registro e checagem em prontuário.trocas mediante justificativa de enfermagem; Catéter Intravenoso Central (Intracath, Venocath): conforme registro no prontuário pelo médico e checagem da enfermagem. Catéter Arterial/Swan Ganz : conforme registro no prontuário pelo médico e checagem da enfermagem.

9 Catéter PICC (Neonatologia): conforme registro no prontuário pelo médico e checagem da enfermagem. Catéter Umbilical: conforme registro no prontuário pelo médico e checagem de enfermagem. Catéter Nasal: 01 unidade a cada 24 horas com checagem da enfermagem. Catéter tipo Óculos: 01 unidade a cada 72 horas com checagem da enfermagem. Obs.: Os materiais de punção e hidratação venosa, e catéteres nasais, quando cobrados acima da normatização, deverão ser justificados pela enfermagem. 9 Dânulas, Discofix, Torneirinha 01 unidade a cada 48 horas e/ou conforme equipo específico (DP, SNE, NPT, QT,...) Obs.: Quando cobrados acima da normatização, deverão ser justificados pela enfermagem. Perfusores 01 unidade a cada 48 horas e/ou conforme equipo específico. Obs.: Quando cobrados acima da normatização, deverão ser justificados pela enfermagem. Transdutores Descartáveis Por uso. Plug Adaptador Macho/In Stopper 01 unidade a cada 48 horas somente para acessos heparinizados. Frascos para Nutrição Enteral 01 unidade a cada administração de dieta. Frascos para Hidratação Gastro-enteral 01 unidade a cada 24 horas.

10 10 Sondas Sonda Nasogástrica: conforme prescrição médica e checagem de enfermagem. Sonda Naso-enteral: conforme prescrição médica e checagem de enfermagem. Sonda vesical: conforme prescrição médica e checagem de enfermagem. No transoperatório paga-se somente o material (sonda vesical/alívio e/ou bolsa coletora sistema fechado/aberto). Coletor de urina (sistema fechado): 01 unidade a cada troca da sonda vesical, conforme checagem de enfermagem. Obs.: Quando cobrados acima da normatização, deverão ser justificados. Para recolocação de sondas será pago somente o material necessário ao procedimento. Luvas estéreis Somente para procedimentos invasivos e/ou em procedimentos assépticos. Para procedimentos cirúrgicos: 01 luva para o cirurgião; 01 luva para o auxiliar; 01 luva para o anestesista, independente do tempo cirúrgico, quando não for anestesia geral. 01 luva para o pediatra (em caso de parto e cesárea). A cada 03 horas de cirurgia, paga-se 01 luva a mais para quem está em campo. Para o anestesista, independente do tempo cirúrgico será pago 01 par de luvas. Quando houver necessidade além do previsto, deverá acompanhar justificativa pelo enfermeiro no prontuário. Campo operatório Conforme anexo contratual. Filtro Bacteriológico 01 unidade a cada 24 horas, mediante prescrição médica e checagem de enfermagem. Em centro cirúrgico, mediante registro médico.

11 11 Sistema Fechado de Aspiração 01 unidade a cada 48 horas conforme protocolo e checagem de enfermagem. Cânula de Traqueostomia Conforme prescrição médica. Agulha Huber/Cytocan 01 unidade a cada 07 dias mediante registro de enfermagem. Órteses, Próteses, Sínteses e Materiais Especiais Conforme anexo contratual. Medicamentos Os medicamentos em gotas/ líquidos orais, serão pagos por ml mediante prescrição médica assinada, carimbada e checada pela enfermagem. Os anestésicos em frasco-ampola serão pagos por ml conforme registro médico em Relatório Anestésico. Os medicamentos administrados no trans-operatório deverão estar descritos em folha de sala com assinatura do enfermeiro e/ou médico. Medicamentos anestésicos deverão estar descritos pelo médico anestesista em Relatório Anestésico; Os medicamentos apresentados em frasco ampola serão pagos conforme prescrição médica. Levar em consideração a estabilidade do medicamento conforme indicação do fabricante. Medicamentos em ampolas serão pagos integralmente; Soros para hidratação e diluição de medicamentos deverão estar em prescrição médica e checados pela enfermagem. A cobrança deverá obedecer critérios da padronização de medicamentos/diluições da instituição; Prescrições rasuradas não serão pagas; Antissépticos Os antissépticos para assepsia da equipe cirúrgica, instrumentadora e paciente estão inclusos na Taxa de Sala Cirúrgica.

12 CURATIVOS Procedimento que tem como finalidade, proteger, absorver secreções, prevenir auto contaminação, promover conforto, facilitar a cicatrização e inibir ou matar micro organismos em uma solução de continuidade requer cuidados especiais realizados pelo enfermeiro ou pelo médico assistente. 12 COMPOSIÇÃO conforme anexo contratual. Serão pagos conforme prescrição médica e/ou do enfermeiro mediante checagem de enfermagem. Cobra-se por sessão e por lesão com o material incluso na taxa (cloreto de sódio, gazes, compressas, cotonetes, iodofor, micropore e procedimento de enfermagem) e exclui (anestésicos, antibióticos, pomadas e materiais curativos hidrocolóides, sondas, seringas de 50ml, bolsas, ataduras, malha tubular, algodão laminado, apósito e lâminas de bisturi) que serão pagos a parte. Curativos de escaras serão classificados de acordo com a profundidade, exsudato e extensão da área. Curativos industrializados serão pagos conforme protocolo da instituição e prescrição médica e/ou do enfermeiro. As trocas excedentes deverão acompanhar justificativa de enfermagem. Curativos realizados em sala cirúrgica estão incluídos na Taxa de Sala. A troca de apósitos externos sem troca de curativo será pago somente o apósito. Para procedimentos ambulatoriais será pago o primeiro curativo, e os demais mediante autorização prévia. CLASSIFICAÇÃO DE CURATIVOS Curativo Pequeno Catéteres centrais e arteriais Cesáreas; Flebotomia; Histerectomia; Incisões pequenas e outros da mesma classificação se exsudato; Traqueostomia; Oftálmicos; Outros. Curativo Médio ] Cirurgias infectadas (Cesáreas); Incisões com drenos; Lesões cutâneas de média extensão; Feridas operatórias fechadas; Fístulas anais e outras da mesma classificação; Outros.

13 13 Curativo Grande Incisões contaminadas ou com deiscência de sutura; Grandes cirurgias (reconstrução mamária, enxertos, outras reconstruções, fasceítes); Toracotomia com drenagem; Queimados com especificação da área da queimadura e outros da mesma classificação; Outros. Curativo Especial Grandes incisões contaminadas; Grandes queimaduras com especificação de área e grau; Infecções de esterno; Cavidades abertas, com lavagem, grandes fístulas e outros da mesma similaridade; Outros.

1.3 ESTÃO INCLUSOS NO PREÇO DA DIÁRIA (APARTAMENTOS, ENFERMARIAS E DAY HOSPITAL):

1.3 ESTÃO INCLUSOS NO PREÇO DA DIÁRIA (APARTAMENTOS, ENFERMARIAS E DAY HOSPITAL): TABELA HOSPITALAR DO FIOSAÚDE BAHIA 1. DIÁRIAS: Compreende o período de ocupação do aposento das 10h às 10h do dia seguinte, com tolerância de 02 horas sendo a mesma indivisível para efeito de cobrança.

Leia mais

Tabela Própria para Convênios e Credenciamentos. Instruções de TAXAS E DIÁRIAS Anexo III

Tabela Própria para Convênios e Credenciamentos. Instruções de TAXAS E DIÁRIAS Anexo III TRE-SAÚDE Tabela Própria para Convênios e Credenciamentos Instruções de TAXAS E DIÁRIAS Anexo III TRE-SAÚDE Tabela Própria para Convênios e Credenciamentos I. DO ATENDIMENTO 1. O atendimento é o ato de

Leia mais

SISTEMÁTICAS DE REMUNERAÇÃO DOS HOSPITAIS QUE ATUAM NA SAÚDE SUPLEMENTAR: CONTA ABERTA APRIMORADA / TABELA COMPACTA

SISTEMÁTICAS DE REMUNERAÇÃO DOS HOSPITAIS QUE ATUAM NA SAÚDE SUPLEMENTAR: CONTA ABERTA APRIMORADA / TABELA COMPACTA SISTEMÁTICAS DE REMUNERAÇÃO DOS HOSPITAIS QUE ATUAM NA SAÚDE SUPLEMENTAR: CONTA ABERTA APRIMORADA / TABELA COMPACTA GRUPO DE TRABALHO SOBRE REMUNERAÇÃO DOS HOSPITAIS RODADA DE SÃO PAULO Outubro de 2012

Leia mais

Código Descrição Código Descrição

Código Descrição Código Descrição VI - TABELA DE DOMÍNIO TABELAS Código Descrição Código Descrição 01 02 03 04 Lista de Procedimentos Médicos AMB 90 Lista de Procedimentos Médicos AMB 92 Lista de Procedimentos Médicos AMB 96 Lista de Procedimentos

Leia mais

FATURA ELETRÔNICA DO PRESTADOR Layout do Arquivo Texto Versão 1.1.1

FATURA ELETRÔNICA DO PRESTADOR Layout do Arquivo Texto Versão 1.1.1 Orientações gerais: 1. Este layout é destinado a todos os prestadores de serviços de saúde do Ipasgo. Os prestadores pessoas físicas e pessoas jurídicas nas categorias laboratório e clínicas que apresentam

Leia mais

GRUPO A Resíduos INFECTANTES

GRUPO A Resíduos INFECTANTES GRUPO A Resíduos INFECTANTES Resíduos com a possível presença de agentes biológicos que, por suas características, podem apresentar risco de infecção. 1. Material de assistência ao paciente: gaze, algodão,

Leia mais

AULA- 2 EMERGÊNCIA/MATERIAIS E EQUIPAMENTOS E CARRINHO DE EMERGÊNCIA

AULA- 2 EMERGÊNCIA/MATERIAIS E EQUIPAMENTOS E CARRINHO DE EMERGÊNCIA AULA- 2 EMERGÊNCIA/MATERIAIS E EQUIPAMENTOS E CARRINHO DE EMERGÊNCIA Profª Tatiani UNISALESIANO 1-Espaço Físico em uma Unidade de Emergência Recepção e sala de espera; Sala de emergência, nesta área são

Leia mais

As profissões regulamentadas por lei de que trata o parágrafo único, do art. 3º do Regulamento do PROASA são as seguintes:

As profissões regulamentadas por lei de que trata o parágrafo único, do art. 3º do Regulamento do PROASA são as seguintes: Cartilha O PROASA consiste em disponibilizar aos beneficiários dos planos médico-hospitalares, serviços de Nutricionista e Terapia Ocupacional para atendimento em consultório, bem como, profissionais da

Leia mais

Assistência Médica. Dicas de reembolso

Assistência Médica. Dicas de reembolso Assistência Médica Dicas de reembolso Consulta médica Recibo original Nome do paciente ou do responsável pelo pagamento (em casos de atendimento de dependentes); Data da consulta; Valor pago (numérico

Leia mais

CUIDAR DE VOCÊ. ESSE É O PLANO

CUIDAR DE VOCÊ. ESSE É O PLANO Página 1 de 18 Manual do Reembolso Unimed Cerrado CUIDAR DE VOCÊ. ESSE É O PLANO 2016 1 Página 2 de 18 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 DIRETRIZES DO REEMBOLSO... 4 PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE O REEMBOLSO... 5 REEMBOLSO

Leia mais

LABORATÓRIO DE PRÁTICAS EM ENFERMAGEM SUGESTÕES DE MATERIAIS PARA AULAS PRÁTICAS

LABORATÓRIO DE PRÁTICAS EM ENFERMAGEM SUGESTÕES DE MATERIAIS PARA AULAS PRÁTICAS LABORATÓRIO DE PRÁTICAS EM ENFERMAGEM SUGESTÕES DE MATERIAIS PARA AULAS PRÁTICAS Conteúdo Higiene e Conforto Bacia inox Biombo Camisola Compressa Cuba rim Fronha Hamper Jarra de inox Lençol de baixo Lençol

Leia mais

AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS Tabelas de preços 30 a 99 vidas. Tabela de preços 30 a 99 vidas plano com coparticipação

AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS Tabelas de preços 30 a 99 vidas. Tabela de preços 30 a 99 vidas plano com coparticipação AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS Tabelas de preços 30 a 99 vidas Julho 2016 Amil 400 Amil 400 Amil 500 Amil 700 Faixa Etária Enfermaria Apartamento Apartamento Apartamento 00 a 18 anos 202,75 230,51 254,40 314,64

Leia mais

MANUAL DE RELACIONAMENTO REDE CREDENCIADA

MANUAL DE RELACIONAMENTO REDE CREDENCIADA MANUAL DE RELACIONAMENTO REDE CREDENCIADA MATERIAIS Órteses e próteses Serão considerados como OPME os materiais classificados como tal na tabela TISS. Para todas as OPMEs será necessária a autorização

Leia mais

Médico Enfermeiro. Manter a integridade microbiológica e equilíbrio físico químico dos medicamentos.

Médico Enfermeiro. Manter a integridade microbiológica e equilíbrio físico químico dos medicamentos. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Preparo de Soluções Parenterais Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP Médico Enfermeiro POP N 37 Área de Aplicação: Terapia Intravenosa

Leia mais

ACESSOS VASCULARES PREVENÇÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE ENFª FRANCIELE TONIOLO ENFª LUIZA CASABURI

ACESSOS VASCULARES PREVENÇÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE ENFª FRANCIELE TONIOLO ENFª LUIZA CASABURI ACESSOS VASCULARES PREVENÇÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE ENFª FRANCIELE TONIOLO ENFª LUIZA CASABURI A inserção de CVP é atualmente uma prática indispensável

Leia mais

Lançamento de Novo Produto. Unimed Hospitalar

Lançamento de Novo Produto. Unimed Hospitalar Lançamento de Novo Produto Unimed Hospitalar Motivações e Oportunidades Nova linha de produtos Possibilidade de realização de consulta particular pelo médico cooperado da Unimed Campinas Abertura para

Leia mais

Auditoria Concorrente. Encontro de Auditoria Unimed Central-RS Porto Alegre 07 de agosto de 2015

Auditoria Concorrente. Encontro de Auditoria Unimed Central-RS Porto Alegre 07 de agosto de 2015 Auditoria Concorrente Encontro de Auditoria Unimed Central-RS Porto Alegre 07 de agosto de 2015 UNIMED PORTO ALEGRE 40,7% 46 de participação do mercado de planos de saúde no RS (ANS dezembro/2014) Municípios

Leia mais

RESOLUÇÃO-RE N - 515, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2006

RESOLUÇÃO-RE N - 515, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2006 RESOLUÇÃO-RE N - 515, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2006 O Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuições que lhe confere inciso XI, do art. 13, do Regulamento aprovado pelo

Leia mais

Cuidados Pré, Trans e Pós-Operatório. Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Medicina veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados

Cuidados Pré, Trans e Pós-Operatório. Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Medicina veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados Cuidados Pré, Trans e Pós-Operatório Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Medicina veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados RISCO CIRÚRGICO = INFECÇÃO 1. ÁREAS CIRÚRGICAS 2. PRINCÍPIOS DE

Leia mais

Plano de Saúde Amil Empresarial ou PME

Plano de Saúde Amil Empresarial ou PME AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS Tabelas 02 a 29 vidas Amil Saúde 400, 500, 700 para 02 a 29 vidas AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS QUEM PODE SER DEPENDENTE = DEPENDENTES LEGAIS ATÉ O TERCEIRO GRAU DE PARENTESCO LIMITADOS

Leia mais

TABELA DE GLOSAS TISS

TABELA DE GLOSAS TISS Descrição da ELEGIBILIDADE 1001 Número da carteira inválido. ELEGIBILIDADE 1007 Atendimento dentro da carência do Beneficiário. ELEGIBILIDADE 1009 Beneficiário com pagamento em aberto. GUIA 1010 Assinatura

Leia mais

Cálculo insulina. Semiologia II- Prof Giselle

Cálculo insulina. Semiologia II- Prof Giselle Cálculo insulina Semiologia II- Prof Giselle Cálculo de insulina Atualmente só existem insulinas na concentração de 100 UI/ ml e todas as seringas comercializadas no Brasil são destinadas ao uso da insulina

Leia mais

Resolução CNRM Nº 14/2004, de 16 de novembro de 2004

Resolução CNRM Nº 14/2004, de 16 de novembro de 2004 Resolução CNRM Nº 14/2004, de 16 de novembro de 2004 Dispõe sobre conteúdos do Programa de Residência Médica de Cirurgia Geral. O Presidente da Comissão Nacional de Residência Médica no uso das atribuições

Leia mais

ENFERMAGEM (PREF. MUNICIPAL DE CASCAVEL-PR / TÉCNICO EM ENFERMAGEM / CONSULPLAN / 2016)

ENFERMAGEM (PREF. MUNICIPAL DE CASCAVEL-PR / TÉCNICO EM ENFERMAGEM / CONSULPLAN / 2016) ENFERMAGEM 21. A desidratação pode ocorrer em crianças sem aleitamento materno, desnutridas, imunodeprimidas, sendo sua incidência maior nas populações de baixo nível socioeconômico. A depressão da fontanela

Leia mais

TABELA DE TAXAS E DIÁRIAS UNIMED E INTERCÂMBIO. 80.02.901-9 Taxa de Sala "T1" 123,90 128,80 133,70 138,60 123,90 128,80 133,70 138,60 168,30

TABELA DE TAXAS E DIÁRIAS UNIMED E INTERCÂMBIO. 80.02.901-9 Taxa de Sala T1 123,90 128,80 133,70 138,60 123,90 128,80 133,70 138,60 168,30 CÓDIGO DESCRIÇÃO TABELA DE TAXAS E DIÁRIAS UNIMED E INTERCÂMBIO SINDSAÚDE E SINTERO MEDIAL I II III IV I II III IV Vlr. Único 80.02.901-9 Taxa de Sala "T1" 123,90 128,80 133,70 138,60 123,90 128,80 133,70

Leia mais

Glosas. Código Descrição Grupo

Glosas. Código Descrição Grupo 1001 Número da carteira inválido Elegibilidade 1002 Número do Cartão Nacional de Saúde inválido Elegibilidade 1003 A admissão do Beneficiário no prestador ocorreu antes da inclusão do Beneficiário na Operadora

Leia mais

Diária de Enfermaria Hospital-Dia c/ acompanhante (até 3 leitos 70%) R$ 206,75 R$ 165,40 R$ 127,23 R$ 99,97 R$ 77,40

Diária de Enfermaria Hospital-Dia c/ acompanhante (até 3 leitos 70%) R$ 206,75 R$ 165,40 R$ 127,23 R$ 99,97 R$ 77,40 PLANO SC SAÚDE ANEXO 11.3 - DIÁRIAS, TAXAS E GASES Vigência: 21/05/2016 TABELA DE DIÁRIAS E TAXAS HOSPITALARES - SC SAÚDE Código Descrição do Serviço Nível 5 Nível 4 Nível 3 Nível 2 Nível 1 80013015 Diária

Leia mais

TABELA DE TAXAS, DIÁRIAS E SERVIÇOS

TABELA DE TAXAS, DIÁRIAS E SERVIÇOS TABELA DE TAXAS, DIÁRIAS E SERVIÇOS CÓDIGO DESCRIÇÃO UNIDADE QTD US DIÁRIA HOSPITALAR - TIPOS DE ACOMODAÇÕES 60000651 DIÁRIA DE APARTAMENTO STANDARD DIA 416 60000660 DIÁRIA DE APARTAMENTO STANDARD DA MATERNIDADE

Leia mais

ITENS APRESENT. PEDIDO ESPECIFICAÇÃO MARCA V.UNITÁRIO V. TOTAL

ITENS APRESENT. PEDIDO ESPECIFICAÇÃO MARCA V.UNITÁRIO V. TOTAL 1 UNIDADE 2250 ABAIXADOR DE LINGUA PC/ 100 UN 2 UNIDADE 36 AGUA OXIGENADA 3 UNIDADE 4500 AGULHA HIPODERMICA ESTERIL 13X45 4 UNIDADE 4000 AGULHA HIPODERMICA ESTERIL 20X5,5 5 UNIDADE 4500 AGULHA HIPODERMICA

Leia mais

Promover o acesso da via endovenosa para administração de medicamentos e soluções parenterais.

Promover o acesso da via endovenosa para administração de medicamentos e soluções parenterais. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Punção Venosa Periférica em Recémnascidos Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP 1. Definição POP N 14 Área de Aplicação: Neonatologia

Leia mais

Tratamento de feridas. O paciente com ferida... 07/03/2012. Profª. Ana Cássia. Sujeito que se emociona, sente, deseja e tem necessidades.

Tratamento de feridas. O paciente com ferida... 07/03/2012. Profª. Ana Cássia. Sujeito que se emociona, sente, deseja e tem necessidades. Tratamento de feridas Profª. Ana Cássia O paciente com ferida... Sujeito que se emociona, sente, deseja e tem necessidades. Expressões muito comuns no cotidiano da enfermagem São capazes de criar outras

Leia mais

CAIXA BENEFICENTE DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO. Portaria 1000.000006-SUP, de 1º-8-2015

CAIXA BENEFICENTE DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO. Portaria 1000.000006-SUP, de 1º-8-2015 CAIXA BENEFICENTE DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO Portaria 1000.000006-SUP, de 1º-8-2015 O Superintendente da Caixa Beneficente da Polícia Militar, considerando: - a imperiosidade de ampliação dos serviços

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR Atualizado em Agosto/2014 PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR 1- FATORES PREDISPONENTES Individuais Relacionados à cateterização vascular - Idade - Gravidade da doença de base -

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO DA AUDITORIA RETROSPECTIVA

INSTRUÇÃO DE TRABALHO DA AUDITORIA RETROSPECTIVA Página 1 de 31 1. OBJETIVO Esta instrução de trabalho tem por objetivo estabelecer as diretrizes para a padronização do trabalho da auditoria retrospectiva de contas aplicada junto à rede prestadora. 2.

Leia mais

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia Universidade Federal da Bahia Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia Departamento de Anatomia, Patologias e Clinicas Veterinária MEVA33-Técnica Cirúrgica Veterinária Centro Cirúrgico e Equipe Cirúrgica

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS É toda substância que, introduzida no organismo, vai atender a uma finalidade terapêutica. FINALIDADES: PREVENTIVA. Ex.: vacinas; PALIATIVA. Ex.: analgésico;

Leia mais

DADOS DO BENEFICIÁRIO

DADOS DO BENEFICIÁRIO GUIA DE SP/SADT Número do campo Nome do campo Observação 1 Registro ANS Nas guias em papel impressas pela Petrobras ou Petrobras Distribuidora e nas guias disponibilizadas no site da Petrobras, é dado

Leia mais

PROTOCOLO OPERACIONAL PADRÃO

PROTOCOLO OPERACIONAL PADRÃO Data de 1. Definição Prevenção de Infecção da Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica Tornar de conhecimento da assistência um conjunto de orientações para a prevenção de pneumonia relacionada à assistência.

Leia mais

Manual de orientação ao paciente para internação.

Manual de orientação ao paciente para internação. Manual de orientação ao paciente para internação. Mais comodidade para você! Ao agendar sua internação, tenha mais conforto adquirindo o nosso kit higiene. Para mais informações, consulte os valores na

Leia mais

TAXAS DE SALAS CENTRO CIRURGICO / CENTRO OBSTETRICO NIPOMED

TAXAS DE SALAS CENTRO CIRURGICO / CENTRO OBSTETRICO NIPOMED DIARIAS APARTAMENTO SIMPLES DIA R$ 280,00 APARTAMENTO LUXO DIA R$ 320,00 APARTAMENTO SUITE DIA R$ 400,00 APARTAMENTO COM ALOJAMENTO CONJUNTO DIA R$ 320,00 QUARTO COLETIVO DIA R$ 160,00 QUARTO COLETIVO

Leia mais

ADITIVO CONTRATUAL EXTENSÃO PARA COBERTURAS AMBULATORIAIS CONTRATO N CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATANTES:

ADITIVO CONTRATUAL EXTENSÃO PARA COBERTURAS AMBULATORIAIS CONTRATO N CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATANTES: ADITIVO CONTRATUAL EXTENSÃO PARA COBERTURAS AMBULATORIAIS CONTRATO N CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATANTES: QUALIFICAÇÃO DA CONTRATADA: PROMED ASSISTÊNCIA MÉDICA LTDA., doravante denominada CONTRATADA,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA Parecer Coren/SC Nº 007/CT/2015 Assunto: realização da retirada ou o tracionamento dos drenos portovack e penrose. I Do fato A Gerência do Serviço de Enfermagem de uma instituição hospitalar solicita parecer

Leia mais

Manual TISS Troca de Informações em Saúde Suplementar

Manual TISS Troca de Informações em Saúde Suplementar Manual TISS Troca de Informações em Saúde Suplementar Instruções para preenchimento Grupo 5 - Clínicas e Laboratórios Unimed Sorocaba Cooperativa de Trabalho Médico Av. Pres. Juscelino Kubitscheck de Oliveira,

Leia mais

PLANO DE SAÚDE MANUAL DO CREDENCIADO

PLANO DE SAÚDE MANUAL DO CREDENCIADO Vitallis PLANO DE SAÚDE MANUAL DO CREDENCIADO Apresentação É com grande satisfação que iniciamos parceria. A Vitallis Saúde é classificada na modalidade Medicina de Grupo, tem cobertura nacional e é uma

Leia mais

Introdução de contentores reutilizáveis

Introdução de contentores reutilizáveis SERVIÇO DE SAÚDE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, E.P.E. Introdução de contentores reutilizáveis Grupos III e IV Grupo de Coordenação do PPCIRA do SESARAM, EPE Área Hoteleira 1/13 GRUPOS DE RESÍDUOS DESPACHO

Leia mais

RESUMO DAS ATIVIDADES DE JANEIRO A JUNHO/2013.

RESUMO DAS ATIVIDADES DE JANEIRO A JUNHO/2013. RESUMO DAS ATIVIDADES DE JANEIRO A JUNHO/2013. Hospital de pequeno porte, Filantrópico, sem fins lucrativos, conveniado com o SUS Sistema Único de Saúde, conforme metas de quantidade e qualidade. METAS

Leia mais

Internacao Psiquiatrica (Transtorno Psiquiatrico) ENFERMARIA Internação Psiquiatríca Dependência Química - ENFERMARIA

Internacao Psiquiatrica (Transtorno Psiquiatrico) ENFERMARIA Internação Psiquiatríca Dependência Química - ENFERMARIA Unimed Goiânia Cooperativa de Trabalho Médico Terminologia de Diárias, Taxas e Gases Medicinais - Tabela Categoria (D) Clínica PARA Tabela CÓDIGO DESCRIÇÃO CÓDIGO DESCRIÇÃO 20/02/14 20/05/14 20/08/14 20/11/14

Leia mais

ANEXO I - PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS DA DIÁRIA PADRÃO

ANEXO I - PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS DA DIÁRIA PADRÃO ANEXO I - PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS DA DIÁRIA PADRÃO DESCRIÇÂO INCLUI TIPO QTDE (MÊS) PREÇO UNITÁRIO ITENS INCLUÍDOS NA DIÁRIA PADRÃO EQUIPE PROFISSIONAL Visita de enfermeiro

Leia mais

Projeto Riscobiologico.org. Relatório PSBio - Sistema de Vigilância de Acidentes de Trabalho com material biológico em serviços de saúde brasileiros.

Projeto Riscobiologico.org. Relatório PSBio - Sistema de Vigilância de Acidentes de Trabalho com material biológico em serviços de saúde brasileiros. Projeto Riscobiologico.org Relatório PSBio - Sistema de Vigilância de Acidentes de Trabalho com material biológico em serviços de saúde brasileiros. 1ª fase 2002 a 2004 2ª fase 2005 a 2011 PROJETO RISCOBIOLOGICO.ORG

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos de coleta de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação dos

Leia mais

P R O C E D I M E N T O O P E R A C I O N A L P A D R Ã O

P R O C E D I M E N T O O P E R A C I O N A L P A D R Ã O Encaminhamos pela presente, Norma e Procedimento que implanta e define a sistemática de Admissão de Paciente na Sala de Pós-Operatório Imediato de Cirurgia Cardíaca na Unidade de tratamento Intensivo cardiológica

Leia mais

Guia de Orientações Cliente Unimed Fora da Região Unimed Porto Alegre Intercâmbio

Guia de Orientações Cliente Unimed Fora da Região Unimed Porto Alegre Intercâmbio Fora da Região Unimed Porto Alegre Intercâmbio ONDE VOCÊ ESTIVER, A UNIMED PORTO ALEGRE ESTÁ COM VOCÊ. Confira algumas orientações que preparamos para você e sua família ficarem tranquilos com a proteção

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 06/CT/2016/RT Assunto: Curativo por Pressão Subatmosférica (VAC) Palavras-chave: Curativo por Pressão Subatmosférica, Curativo por pressão negativa, Estomaterapeuta. I Solicitação

Leia mais

Procedimentos Médicos Gerenciados Tabela de Preços Ortopedia. Particular

Procedimentos Médicos Gerenciados Tabela de Preços Ortopedia. Particular Procedimentos Médicos Gerenciados Tabela de Preços Ortopedia Particular PROCEDIMENTOS GERENCIADOS CIRURGIA ORTOPEDICA Cirurgia Diária Anestesia Day Clinic Enfermaria Apartamento Simples Tempo CC até Artroscopia

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:

Leia mais

O Planserv preparou essa cartilha para que você, beneficiário(a), conheça melhor a sua assistência à saúde.

O Planserv preparou essa cartilha para que você, beneficiário(a), conheça melhor a sua assistência à saúde. Olá! O Planserv preparou essa cartilha para que você, beneficiário(a), conheça melhor a sua assistência à saúde. Aqui estão contidas as informações básicas para que você possa usufruir de tudo que o Planserv

Leia mais

Anexo III Documentos, informações e regras necessárias para análise de autorização de serviços/itens relacionados ao atendimento Ambulatorial.

Anexo III Documentos, informações e regras necessárias para análise de autorização de serviços/itens relacionados ao atendimento Ambulatorial. São Paulo, 2016. Caro Prestador, Para melhor atendê-los e reforçar o compromisso da Seguros Unimed com seus clientes, expomos nesse comunicado algumas regras importantes relativas aos processos de autorizações,

Leia mais

Recursos Próprios 2013

Recursos Próprios 2013 Recursos Próprios 2013 " Serviços Próprios de Atendimento Pré-Hospitalar (SOS) e Assistência Domiciliar ( Home- Care): reconhecendo a importância destas modalidades assistenciais para o cliente e para

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBTENÇÃO DE GUIAS E ENVELOPES PARA ATENDIMENTO 3. UTILIZAÇÃO E PREENCHIMENTO DOS ENVELOPES 3.1. ATENDIMENTOS AMBULATORIAIS 3.2.

1. INTRODUÇÃO 2. OBTENÇÃO DE GUIAS E ENVELOPES PARA ATENDIMENTO 3. UTILIZAÇÃO E PREENCHIMENTO DOS ENVELOPES 3.1. ATENDIMENTOS AMBULATORIAIS 3.2. 1. INTRODUÇÃO 2. OBTENÇÃO DE GUIAS E ENVELOPES PARA ATENDIMENTO 3. UTILIZAÇÃO E PREENCHIMENTO DOS ENVELOPES 3.1. ATENDIMENTOS AMBULATORIAIS 3.2. INTERNAÇÃO 4. UTILIZAÇÃO E PREENCHIMENTO DAS GUIAS 4.1.

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO PRIMÁRIA DE CORRENTE SANGUÍNEA - IPCS

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO PRIMÁRIA DE CORRENTE SANGUÍNEA - IPCS 1 de 6 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO As infecções primarias de corrente sanguínea (IPCS) estão entre as mais comumente relacionadas

Leia mais

EDITAL Nº 23/2014 CREDENCIAMENTO DE PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA FORT SAÚDE (IPM SAÚDE)

EDITAL Nº 23/2014 CREDENCIAMENTO DE PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA FORT SAÚDE (IPM SAÚDE) EDITAL Nº 23/2014 CREDENCIAMENTO DE PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AOS USUÁRIOS DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA FORT SAÚDE (IPM

Leia mais

Patrícia Santiago Carvalho Supervisora Bloco Operatório Patrícia do Carmo Lourenço Enfermeira da Central de Material e Esterilização

Patrícia Santiago Carvalho Supervisora Bloco Operatório Patrícia do Carmo Lourenço Enfermeira da Central de Material e Esterilização Patrícia Santiago Carvalho Supervisora Bloco Operatório Patrícia do Carmo Lourenço Enfermeira da Central de Material e Esterilização Unimed São José dos Campos - SP INTRODUÇÃO A origem da Campanha Cirurgias

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.317, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2000

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.317, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2000 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.317, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2000 O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a Lei nº 9.434, de 04 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre

Leia mais

TÉCNICAS DE CURATIVOS

TÉCNICAS DE CURATIVOS TÉCNICAS DE CURATIVOS Tipos de Curativos: O Tipo de curativo a ser realizado varia de acordo com: a Natureza Localização Tamanho da ferida. Tipos de Curativos: Em alguns casos é necessária uma compressão,

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Fortaleza, 09 de setembro de 2013 Revisada em 04 de novembro de 2013

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Fortaleza, 09 de setembro de 2013 Revisada em 04 de novembro de 2013 Norma: 01/2013 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Fortaleza, 09 de setembro de 2013 Revisada em 04 de novembro de 2013 Para: Diretor Presidente, Diretor de Processos Médicos, Diretor Administrativo-financeiro,

Leia mais

Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005

Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005 Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005 Dispõe sobre conteúdos do Programa de Residência Médica de Cirurgia Geral e Cirurgia Geral Programa Avançado. O Presidente da Comissão Nacional de Residência

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CREDENCIADO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CREDENCIADO MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CREDENCIADO Vigência: JULHO/2015. Versão 6 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 3 2. PLANOS DE SAÚDE 3 2.1. TIPOS DE PLANOS 3 2.2. SERVIÇOS ABRANGIDOS 3 2.3. CARTÃO DE IDENTIFICAÇÃO 4 3. ORIENTAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. MATERNIDADE-ESCOLA DA UFRJ Divisão de Enfermagem

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. MATERNIDADE-ESCOLA DA UFRJ Divisão de Enfermagem PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Reposição e Organização de Materiais no Alojamento Conjunto Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP POP N 03 Área de Aplicação: Materno-Infantil

Leia mais

Manual do Credenciado.

Manual do Credenciado. Caro credenciado, Seja bem-vindo! Nós, da São Francisco Saúde, estamos muito satisfeitos por tê-lo como parceiro. Pensando em auxiliá-lo nas tarefas diárias, criamos o Manual do Credenciado. Este manual

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Objetivos

PLANO DE ENSINO. Objetivos PLANO DE ENSINO Disciplina: Assistência de Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em cuidados a pacientes críticos. Carga-horária: 100 h/a Período Letivo: 2º semestre 2013 Professora: Márcia

Leia mais

42. Aspiração de Tubo Endotraqueal: Sistema Aberto Aspiração de Tubo Endotraqueal: Sistema Fechado 254

42. Aspiração de Tubo Endotraqueal: Sistema Aberto Aspiração de Tubo Endotraqueal: Sistema Fechado 254 A 1. Administração de Enema de Limpeza de Pequeno Volume 21 2. Administração de Enema de Retenção 25 3. Administração de Enema para Limpeza de Grande Volume 30 4. Administração de Infusão Intravenosa com

Leia mais

WILLIAM ROGÉRIO ARETZ BRUM RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR III DESENVOLVIDO NA UNIDADE DE TRATAMENTO INTENSIVO DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

WILLIAM ROGÉRIO ARETZ BRUM RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR III DESENVOLVIDO NA UNIDADE DE TRATAMENTO INTENSIVO DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE WILLIAM ROGÉRIO ARETZ BRUM RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR III DESENVOLVIDO NA UNIDADE DE TRATAMENTO INTENSIVO DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Trabalho apresentado ao curso de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Saúde Suplementar. Padrão TISS Troca de Informações em Saúde Suplementar

Ministério da Saúde Agência Nacional de Saúde Suplementar. Padrão TISS Troca de Informações em Saúde Suplementar Ministério da Saúde Agência Nacional de Saúde Suplementar Troca de Informações em Saúde Suplementar INSTRUÇÕES GERAIS Este manual tem como finalidade instruir todos os prestadores de serviço no preenchimento

Leia mais

Preencher com a data limite de validade da senha concedida pela Petrobras para a internação. 7 Data de emissão da guia

Preencher com a data limite de validade da senha concedida pela Petrobras para a internação. 7 Data de emissão da guia GUIA DE RESUMO DE INTERNAÇÃO Número do Nome do campo Observação campo 1 Registro ANS Nas guias em papel impressas pela Petrobras ou Petrobras Distribuidora e nas guias disponibilizadas no site da Petrobras,

Leia mais

Hospital Geral de Itapecerica da Serra - Seconci-SP OSS

Hospital Geral de Itapecerica da Serra - Seconci-SP OSS 1 - PRONTO SOCORRO 1.1 - Atendimento de Urgência e/ou Emergência Segundo Especialidade Especialidade Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov ez % Clínica Pediátrica 2131 2132 3541 4612 3604 3159 2596

Leia mais

Um complexo hospitalar de referência. Procedimentos Gerenciados Tabela de Preço Particular

Um complexo hospitalar de referência. Procedimentos Gerenciados Tabela de Preço Particular Um complexo hospitalar de referência s Gerenciados Tabela de Preço Particular Índice INFORMAÇÕES... 05 VALIDADE... 05 01. Honorários Médicos... 05 02.... 05 O Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos é

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO NA ENFERMAGEM Ampliando Conhecimentos

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO NA ENFERMAGEM Ampliando Conhecimentos PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO NA ENFERMAGEM Ampliando Conhecimentos Autores Ananda Hoffmann Sandra da Silva Kinalski Silvia Furian El Ammar Ijuí, Rio Grande do Sul Objetivos Qualificar Técnicos

Leia mais

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO 1. TRIAGEM SOROLÓGICA - É recomendada a realização de teste anti-hiv com aconselhamento e com consentimento para todas as gestantes na primeira consulta pré-natal; - Enfatiza-se

Leia mais

CONTRAINDICAÇÕES: Medicações que não possuem formulação para via endovenosa. Impossibilidade de obtenção de uma via para acesso venoso.

CONTRAINDICAÇÕES: Medicações que não possuem formulação para via endovenosa. Impossibilidade de obtenção de uma via para acesso venoso. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Administração de Medicamentos por Via Endovenosa Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP 1. Definição POP N 38 Área de Aplicação: Terapia

Leia mais

Diretor técnico: ELENILSON PEREIRA DOS SANTOS (CRM: 17.547)

Diretor técnico: ELENILSON PEREIRA DOS SANTOS (CRM: 17.547) Relatório de Fiscalização Diretor técnico: ELENILSON PEREIRA DOS SANTOS (CRM: 17.547) Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima citado verificar suas condições de funcionamento. Tal

Leia mais

Procedimentos Médicos Gerenciados Tabela de Preços Cirurgia Plastica. Particular

Procedimentos Médicos Gerenciados Tabela de Preços Cirurgia Plastica. Particular Procedimentos Médicos Gerenciados Tabela de Preços Cirurgia Plastica Particular PROCEDIMENTOS GERENCIADOS Cirurgia Diária CIRURGIA PLASTICA Day Clinic Local + Sedação Apartamento Simples Peridural Apartamento

Leia mais

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS FACULDADE UNIGRAN CAPITAL TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA PRINCÍPIOS E TÉCNICAS DA ENFERMAGEM CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS ACESSO VENOSO PERIFÉRICO Definido como acesso ao sistema venoso sistêmico por punção

Leia mais

RHPUS. Referencial de Honorários Psicológicos Unafisco Saúde

RHPUS. Referencial de Honorários Psicológicos Unafisco Saúde RHPUS Referencial de Honorários Psicológicos Unafisco Saúde 2011 RHPUS Referencial de Honorários Psicológicos Unafisco Saúde 2011 APRESENTAÇÃO O UNAFISCO SAÚDE é o Plano de Assistência à Saúde do SINDIFISCO

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES ELABORADO POR: SIMONE MANTUAN MARCIANO ENFERMEIRA DOCENTE Página 1 Conteúdo CÁLCULO DE DILUIÇÃO SIMPLES ( VIA ORAL E ENDOVENOSA... 3 CÁLCULO COM PENICILINA CRISTALINA... 4 EXERCÍCIOS UTILIZANDO PORCENTAGEM...

Leia mais

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO 1. ATIVIDADES MÍNIMAS A REALIZAR 1.1. ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Produção. 1.1.1. Realizar, no mínimo, 90% da meta estabelecida no Plano de Metas de 1.1.2. O indicador de aferição

Leia mais

Rol Descrição do Rol de Procedimentos Médicos Unimed Qtdade

Rol Descrição do Rol de Procedimentos Médicos Unimed Qtdade Rol Descrição do Rol de Procedimentos Médicos Unimed Qtdade 0002 Consulta em consultório (no horário normal ou preestabelecido) 00039 Consulta em pronto socorro 00209 Visita hospitalar (paciente internado)

Leia mais

Procedimentos Médicos Gerenciados Tabela de Preços Cirurgia Urológica. Particular

Procedimentos Médicos Gerenciados Tabela de Preços Cirurgia Urológica. Particular Procedimentos Médicos Gerenciados Tabela de Preços Cirurgia Urológica Particular PROCEDIMENTOS GERENCIADOS CIRURGIA UROLÓGICA Cirurgia Diária Anestesia Day Clinic Enfermaria Apartamento Simples Tempo CC

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA TISS (TROCA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR)

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA TISS (TROCA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR) MANUAL DE PREENCHIMENTO DA TISS (TROCA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR) 1 A Troca de Informação de Saúde Suplementar (TISS), padrão estabelecido pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), tem

Leia mais

Guia de Utilização para Beneficiários do Plano de Assistência e Saúde PAS, com cobertura adicional da CAMED

Guia de Utilização para Beneficiários do Plano de Assistência e Saúde PAS, com cobertura adicional da CAMED Guia de Utilização para Beneficiários do Plano de Assistência e Saúde PAS, com cobertura adicional da CAMED 1 Guia de Utilização para Beneficiários do Plano de Assistência e Saúde PAS, com cobertura adicional

Leia mais

Catálogo T cnico d Produtos

Catálogo T cnico d Produtos Catálogo T cnico d Produtos e e 2016 www.medika.com.br Em outubro de 1991 cria-se a HTS Saúde, com o propósito de oferecer produtos inovadores para o acesso vascular, exclusivamente para a nefrologia.

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº: 18/2014 Data de emissão: Março/2014 Setor Tipo TAREFA Executante Resultados esperados Recursos necessários Periodicidade PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Revisão: 01 Data revisão: Centros de Saúde Assistencial

Leia mais

Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar)

Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar) Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar) 0 Última Atualização: 08/05/07 9:30h SUMÁRIO I Introdução Página 2 II - Formulários/ Legendas Página 5 II.1 Guias Página 5 2.1.1

Leia mais

Proposta. Assistência Médica / Hospitalar Santa Casa Saúde SJC. 17 de Agosto de Revisão: 1/3Setor: Cadastro Data: 27/11/2014.

Proposta. Assistência Médica / Hospitalar Santa Casa Saúde SJC. 17 de Agosto de Revisão: 1/3Setor: Cadastro Data: 27/11/2014. Proposta Assistência Médica / Hospitalar Santa Casa Saúde SJC Revisão: 1/3Setor: Cadastro Data: 27/11/2014 17 de Agosto de 2016 Entidade: Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Sebastião CNPJ:

Leia mais

CÓDIGO DESCRIÇÃO VALOR - R$ DIARIAS APARTAMENTO SIMPLES 200, APARTAMENTO COM ALOJAMENTO CONJUNTO 250,

CÓDIGO DESCRIÇÃO VALOR - R$ DIARIAS APARTAMENTO SIMPLES 200, APARTAMENTO COM ALOJAMENTO CONJUNTO 250, CÓDIGO DESCRIÇÃO VALOR - R$ DIARIAS 80.01.003-2 APARTAMENTO SIMPLES 200,00 80.01.431-0 APARTAMENTO COM ALOJAMENTO CONJUNTO 250,00 80.01.002-1 QUARTO COLETIVO 135,00 000.01.117-0 BERÇARIO NORMAL 108,00

Leia mais

Procedimentos Médicos Gerenciados Tabela de Preços Cirurgia Plástica. Particular

Procedimentos Médicos Gerenciados Tabela de Preços Cirurgia Plástica. Particular Procedimentos Médicos Gerenciados Tabela de Preços Cirurgia Plástica Particular PROCEDIMENTOS GERENCIADOS CIRURGIA PLÁSTICA Cirurgia Diária Day Clinic Local + Sedação Peridural Geral Tempo CC Blefaroplastia

Leia mais

Cuidados com Portacath

Cuidados com Portacath Procedimento médico tipo pequena cirurgia para a implantação. Este cateter(portacath) é instalado após anestesia local, o procedimento leva de 30minutos a 1 hora. A incisão para colocação é fechada por

Leia mais

SOBRE A COOPERATIVA UNIMED LIMEIRA

SOBRE A COOPERATIVA UNIMED LIMEIRA APRESENTAÇÃO COMERCIAL O NEGÓCIO SISTEMA UNIMED SOBRE A COOPERATIVA UNIMED LIMEIRA Qualidade comprovada Top of Mind (Plano mais lembrado pela sociedade), Certificação ONA Nível 3 (Acreditação de Excelência

Leia mais