Tratamento de feridas. O paciente com ferida... 07/03/2012. Profª. Ana Cássia. Sujeito que se emociona, sente, deseja e tem necessidades.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tratamento de feridas. O paciente com ferida... 07/03/2012. Profª. Ana Cássia. Sujeito que se emociona, sente, deseja e tem necessidades."

Transcrição

1 Tratamento de feridas Profª. Ana Cássia O paciente com ferida... Sujeito que se emociona, sente, deseja e tem necessidades. Expressões muito comuns no cotidiano da enfermagem São capazes de criar outras feridas... As feridas da alma Causadas por outro tipo de iatrogenia: A iatrogenia da palavra 1

2 Tratar da ferida: Relacionado com procedimentos manuais, cuidados e tratamentos para feridas Mas não se pode desconsiderar as emoções, os medos, os constrangimentos, o preconceito e as consequências da perda da auto-imagem. Anatomia da pele Maiorórgãodocorpo->15%dopeso Revestimento, proteção, termorregulação, percepção, secreção. Composta de duas camadas: Epiderme: camada celular superficial Derme: camada de tecido conectivo profunda Anatomia da Pele 2

3 Mecanismo de lesão celular Alterações moleculares ou estruturais Reversível ou irreversível => morte celular. Isquemia -> Hipóxia Agentes físicos Agentes químicos e drogas Agentes infecciosos Reações imunológicas Distúrbios genéticos Desequilíbrios nutricionais Mecanismo de lesão celular Estímulo hipóxico Respiração aeróbica Dificulta a produção de ATP Mecanismos anaeróbicos Glicólise (glicogênio) Acúmulo de ácido lá(co e ph Tumefação celular (Edema) Alterações estruturais e funcionais reversíveis Alterações estruturais e funcionais irreversíveis Necrose Principal manifestação de lesões celulares irreversíveis morte celular. Necrose de coagulação tecido enegrecido e ressecado. 3

4 Necrose Necrose de liquefação branca-amarelada, mole e desvitalizado- esfacelo. Necrose Necrose gordurosa morte celular do tecido adiposo. Necrose Necrose caseosa aspecto mole, friável e coloração branco-acinzentada- lembra queijo. 4

5 Necrose Necrose gangrenosa lesão isquêmica que compromete algum membro. Úmida aspecto liquefativo predomina (infecção) Seca padrão coagulativo predomina Cicatrização Feridas de espessura parcial Epiderme e camada superficial da derme Feridas de espessura total Epiderme, derme e tecido subcutâneo, podendo se estender ao tecido muscular e ósseo. Cicatrização espessura parcial Crosta (sangue, restos celulares e partículas de tecidos) Células epiteliais migram para área lesionada, proliferam-se e incorporam-se à camada epitelial. A crosta se desprende após conclusão da cicatrização Queratinização- reepitelização 5

6 Cicatrização espessura total Fase inflamatória = defensiva, inicial ou exsudativa Controle do sangramento, limpeza (microorganismos, material inorgânico e tecidos desvitalizados) Fase fibroblástica = proliferativa ou reconstrutiva Migração de células endoteliais, da periferia ao centro da lesão = tecido de granulação (róseo e granular). Angiogênese ou neovascularização. Remodelamento = maturação; reorganização das fibras de colágeno; correção de quelóide e cicatriz hipertrófica. Lesão madura: esbranquiçada. 1ª intenção Cicatrização Perda mínima de tecido; bordas da ferida são aproximadas e suturadas. 2ª intenção Maior perda tecidual Não é possível aproximar as bordas + tempo para cicatrizar Fatores que interferem na cicatrização Fatores sistêmicos Idade, Condição, Vascularização, Medicamentos, Doença base, Tabagismo Fatores locais Infecção, agentes tópicos, tecido necrótico, suprimento sanguíneo, tipo de cobertura. 6

7 Úlcera por Pressão Lesão na pele ou tecido adjacente, usualmente sobre uma proeminência óssea, como resultado de pressão em combinação com força de cisalhamento e força de fricção. Úlcera por Pressão Fatores relacionados: Intensidade da pressão Pressão de colapso (fechamento capilar): 12 a 32 mmhg Duração da pressão Tolerância tecidual Cisalhamento Fricção Umidade Déficit nutricional Idade avançada PA Estado psicológico Tabagismo T corporal Incontinências Doenças crônicas Medicações 7

8 Avaliação da ferida Anamnese, exame físico, avaliação das condições sociais Avaliação e classificação adequada da lesão Escalas adequadas para avaliação Graudelesão Profundidade da ferida Aspecto do exsudato Dimensão da ferida Grau de lesão Estágio 1 hiperemia em pele íntegra Estágio 2 epiderme/derme rompidas Estágio 3 lesão em tecido subcutâneo, até a fáscia muscular, necrose presente ou não Estágio 4 lesão podendo atingir músculos e osso.podeterounãonecroseeinfecção. 8

9 Tratamento Finalidade: Remover corpos estranhos, reaproximar bordas separadas, proteger a ferida contra contaminação, infecção e traumas, promover hemostasia, preencher espaço morto, favorecer a aplicação de medicação tópica, realizar desbridamento, controlar sintomas (dor, secreção, edema, odor), propiciar conforto psicológico... CICATRIZAÇÃO Tratamento Limpeza/desbridamento e a cobertura Retirar curativo umidificando bem Limpar daárea menos contaminadapara aáreamais contaminada(evitar vai-e-vem). Lavaraferidacom SF0,9% Secarapeleaoredor Escolher o curativo mais adequado. Fixar o curativo com atadura ou esparadrapo Registrar Limpeza Na técnica limpa de limpeza de feridas, utiliza-se a água corrente, e a umidade é retirada com uso de gaze não estéril. As luvas são para proteção do indivíduo executor da técnica. Está recomendada para o uso em domicílio, onde a microbiótica representa menor patogenicidade. A técnica estéril é recomendada para o uso no ambiente hospitalar, uma vez que a existência de micro-organismos patogênicos e a possibilidade de infecção cruzada são maiores. 9

10 Classificação do curativo Semi-oclusivo (curativo absorvente) Oclusivo (não permite a passagem de ar ou fluidos) Compressivo (redução de fluxo sanguíneo) Sutura com fita adesiva (cortes superficiais aproximação das bordas com fita adesiva) Curativos abertos (escoriações, queimaduras superficiais) Seco (fechado com gaze ou compressa seca) Úmido (gaze ou compressa úmida com pomada ou soluções) Drenagens (grande quantidade de exsudato) Processo de Enfermagem Histórico Avaliação física e psicossocial Levantamento histórico pessoal e familiar Observação das manifestações da doença Observação das noções e condições de autocuidado Percepção de saúde Fatores ambientais Limitações e necessidades afetadas Processo de Enfermagem Exame físico Dirigido e organizado ficha de avaliação Diagnóstico Considerar histórico Objetivos do tratamento Plano de cuidados Documentar o plano de cuidados Envolver a equipe e família no processo Encaminhar o paciente -> grupos de suporte Registro 10

11 INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM Avaliar a ferida quanto a: -Extensão da ferida - Classificação. ( lojas ao redor). - Formato e tamanho. -Odor. - Profundidade. -Dor. - Localização. - Tempo de existência. -Exsudato. - Aparência da ferida. -Cor da lesão. INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM Avaliar a progressão/regressão ou qualquer mudança na ferida. Definir os produtos necessários/apropriados para cada fase da ferida. Identificar as necessidades educacionais do paciente/cuidadorquanto aos cuidados com a ferida em domicílio. Encaminhar o paciente a outros profissionais (Psicologia, Serviço Social etc.) de maneira apropriada. 11

Departamento de Clínica Cirúrgica

Departamento de Clínica Cirúrgica Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Saúde Departamento de Clínica Cirúrgica Disciplina de Técnica Operatória e Cirurgia Experimental TIPOS DE SUTURAS Edevard J de Araujo - eja2536@gmail.com

Leia mais

AULA-8 CURATIVOS E COBERTURAS

AULA-8 CURATIVOS E COBERTURAS AULA-8 CURATIVOS E COBERTURAS Profª Tatiani UNISALESIANO CURATIVOS CONSIDERAÇÕES GERAIS Curativo é a proteção da lesão ou ferida, contra a ação de agentes externos físicos, mecânicos ou biológicos. É um

Leia mais

IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE. O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de:

IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE. O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de: 3BOLETIM TÉCNICO TEGADERM TM PAD Curativo transparente com compressa absorvente IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE DESCRIÇÃO DO PRODUTO O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de: DORSO - Filme

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

Tratamento de Feridas

Tratamento de Feridas Tratamento de Feridas O Tratamento de feridas se refere a proteção de lesões contra a ação de agentes externos físicos, mecânicos ou biológicos CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS Classificação quanto às causas:

Leia mais

Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol.

Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol. Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol. Cicatrização Após uma lesão, o processo de cicatrização é iniciado. O tecido lesionado passa por 4 fases de reparo da ferida: hemostasia, inflamação, proliferação

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Centros de Saúde Assistencial

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Centros de Saúde Assistencial Nº: 45/2014 Data de emissão: Julho/2014 Setor Tipo TAREFA Executante Resultados esperados Recursos necessários PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Centros de Saúde Assistencial Curativo de ferida crônica Revisão:

Leia mais

TÉCNICAS DE CURATIVOS

TÉCNICAS DE CURATIVOS TÉCNICAS DE CURATIVOS Tipos de Curativos: O Tipo de curativo a ser realizado varia de acordo com: a Natureza Localização Tamanho da ferida. Tipos de Curativos: Em alguns casos é necessária uma compressão,

Leia mais

Epiderme: Encontra-se na camada papilar da derme e pode adquirir espessuras diferentes em determinadas partes do corpo humano.

Epiderme: Encontra-se na camada papilar da derme e pode adquirir espessuras diferentes em determinadas partes do corpo humano. Sistema Tegumentar Epiderme: Encontra-se na camada papilar da derme e pode adquirir espessuras diferentes em determinadas partes do corpo humano. Esse sistema do corpo humano, também conhecido como pele,

Leia mais

CLAFESI Treinamentos Empresariais Atendimento Pré-hospitalar

CLAFESI Treinamentos Empresariais Atendimento Pré-hospitalar CLAFESI Treinamentos Empresariais Atendimento Pré-hospitalar Lição 15 Queimaduras e Emergências Ambientais OBJETIVOS Ao final da lição os participantes serão capazes de: 1. Classificar as queimaduras de

Leia mais

Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ)

Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ) Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem (UERJ) A principal meta da intervenção perioperatória é a prevenção de infecções na incisão. As ações tomadas pela equipe no perioperatório podem representar

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Titulo: RETIRADA DE PONTOS DE SUTURA 2. Definição: Consiste na remoção de pontos de sutura, que são utilizados para fixar um dispositivo ou aproximar as bordas de uma lesão, com o intuito de facilitar

Leia mais

ACESSOS VASCULARES PREVENÇÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE ENFª FRANCIELE TONIOLO ENFª LUIZA CASABURI

ACESSOS VASCULARES PREVENÇÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE ENFª FRANCIELE TONIOLO ENFª LUIZA CASABURI ACESSOS VASCULARES PREVENÇÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE ENFª FRANCIELE TONIOLO ENFª LUIZA CASABURI A inserção de CVP é atualmente uma prática indispensável

Leia mais

Estudo de Caso de Deiscência Cirúrgica em uso de Actisorb Plus e Nugel Amorfo

Estudo de Caso de Deiscência Cirúrgica em uso de Actisorb Plus e Nugel Amorfo Hospital de Base São José do Rio Preto Estudo de Caso de Deiscência Cirúrgica em uso de Actisorb Plus e Nugel Amorfo Empório Médico Enfª Elisângela C.Bardiviesso Identificação Pessoal Paciente: O.A.S.

Leia mais

Tegaderm Foam Curativo de Espuma de Alta Performance

Tegaderm Foam Curativo de Espuma de Alta Performance BOLETIM TÉCNICO Tegaderm Foam Curativo de Espuma de Alta Performance Descrição do Produto 3M Tegaderm Foam - Curativo de Espuma de Alta Performance é um curativo de espuma de poliuretano, não adesiva,

Leia mais

O texto acima é o início de um enunciado de questão em uma avaliação, que apresentava quatro propostas a serem solucionadas pelo aluno.

O texto acima é o início de um enunciado de questão em uma avaliação, que apresentava quatro propostas a serem solucionadas pelo aluno. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Biologia Questão 1 A pele é o maior órgão do corpo. Representa aproximadamente 16% do peso corporal e desempenha inúmeras funções, entre elas protetora, sensorial,

Leia mais

Transplante capilar Introdução

Transplante capilar Introdução Transplante Capilar Perda de cabelo e calvície são, muitas vezes, uma parte inesperada e indesejada da vida. Felizmente, com os recentes avanços na tecnologia, a perda de cabelo pode ser diminuída ou interrompida

Leia mais

Trauma. Primeiros Socorros. Trauma. Trauma. Trauma. Trauma. Conceito. Objetivos: Classificação Mecanismos. Mecanismos. Energia

Trauma. Primeiros Socorros. Trauma. Trauma. Trauma. Trauma. Conceito. Objetivos: Classificação Mecanismos. Mecanismos. Energia Primeiros Socorros Objetivos: Conceito Acontecimentos não previstos e indesejáveis que, de forma mais ou menos violenta, atingem indivíduos neles envolvidos, produzindo-lhes alguma forma de lesão ou dano.

Leia mais

Curativos, ataduras e torniquetes. Profa. Dra. Cláudia Forjaz

Curativos, ataduras e torniquetes. Profa. Dra. Cláudia Forjaz Curativos, ataduras e torniquetes Profa. Dra. Cláudia Forjaz cforjaz@usp.br Condutas Prévias Verificar segurança do local SEGURO Acalmar a vítima Perguntar à vítima o que ocorre ESTA COM FERIDA Se apresentar

Leia mais

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M DEFINIÇÃO É a inflamação de uma veia, na qual as células endoteliais da parede venosa ficam bem irritadas.

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Proporcionar o ambiente ideal para a reparação tecidual. Página: 1/5 2. APLICAÇÃO: Aos pacientes com feridas abertas (com exposição de tecidos, ex. lesões por pressão, deiscências

Leia mais

KOLLAGENASE (colagenase) Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Pomada dermatológica 0,6 U/g MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

KOLLAGENASE (colagenase) Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Pomada dermatológica 0,6 U/g MODELO DE BULA PARA O PACIENTE KOLLAGENASE (colagenase) Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Pomada dermatológica 0,6 U/g MODELO DE BULA PARA O PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Kollagenase colagenase APRESENTAÇÕES Pomada Dermatológica

Leia mais

Cuidados Pré, Trans e Pós-Operatório. Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Medicina veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados

Cuidados Pré, Trans e Pós-Operatório. Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Medicina veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados Cuidados Pré, Trans e Pós-Operatório Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Medicina veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados RISCO CIRÚRGICO = INFECÇÃO 1. ÁREAS CIRÚRGICAS 2. PRINCÍPIOS DE

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 13 CONTUSÃO TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 13.01 CONTUSÃO A contusão é uma lesão sem o rompimento da pele, tratando-se de uma forte compressão

Leia mais

Capítulo 2 Aspectos Histológicos

Capítulo 2 Aspectos Histológicos 5 Capítulo 2 Aspectos Histológicos Alguns conceitos básicos sobre histologia humana, a caracterização dos tecidos, a regeneração e reparação dos mesmos em lesões e a cicatrização de feridas são aspectos

Leia mais

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado.

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado. Intervenções de Enfermagem da Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC) para o diagnóstico de Volume de líquidos deficiente em pacientes vitimas de trauma Quadro 1- Reestruturação dos níveis de

Leia mais

Peeling Químico - Profundo

Peeling Químico - Profundo Peeling Químico - Profundo Os peelings químicos são um dos procedimentos cosméticos não invasivos mais populares realizados para rejuvenescer a aparência da pele. Com o tempo, fatores como danos causados

Leia mais

Divisão de Cuidados Críticos e Crônicos. Boletim Técnico. Fita de Silicone de Remoção Suave

Divisão de Cuidados Críticos e Crônicos. Boletim Técnico. Fita de Silicone de Remoção Suave Divisão de Cuidados Críticos e Crônicos Boletim Técnico Fita de Silicone de Remoção Suave A ciência da adesivos médicos de silicone é muito diferente daquela de adesivos médicos de acrilato. Estas diferenças

Leia mais

Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim

Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim Importado por: Bace Comércio Internacional Ltda Av. Tamboré n.º 1400 Sala 1 Q Alphaville - Barueri São Paulo/SP CEP- 06460-000 CNPJ 47.411.780/0001-26 Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO LIQUIBAND

INSTRUÇÕES DE USO LIQUIBAND INSTRUÇÕES DE USO LIQUIBAND Descrição: LIQUIBAND é um adesivo cutâneo tópico de cianoacrilato, apresentado num compartimento de polipropileno, de uma utilização, estéril, com extremidade de aplicação de

Leia mais

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000612991 Data da revisão: 14.08.2015. Sika Superfix. : Adesivo

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000612991 Data da revisão: 14.08.2015. Sika Superfix. : Adesivo SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 000000612991 Tipo de produto : líquido Uso recomendado do produto químico e restrições de uso Uso da substância / preparação

Leia mais

UNIDADE 3 SUBUNIDADE 1 AULA 4

UNIDADE 3 SUBUNIDADE 1 AULA 4 UNIDADE 3 SUBUNIDADE 1 AULA 4 Úlcera por Pressão (UPP) Definição A UPP é, de acordo com a definição mais recente da Europian Pressure Ulcer Advisory Panel e National Pressure Ulcer Advisory Panel (EPUAP;

Leia mais

A temperatura, calor ou frio, e os contatos com gases, eletricidade, radiação e produtos químicos, podem causar lesões diferenciadas nocorpo humano.

A temperatura, calor ou frio, e os contatos com gases, eletricidade, radiação e produtos químicos, podem causar lesões diferenciadas nocorpo humano. UNIDADE: 08 PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA - PCR TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 8. DISTÚRBIOS CAUSADOS PELA TEMPERATURA: 8.0 INTRODUÇÃO A temperatura,

Leia mais

Processo Inflamatório e Lesão Celular. Professor: Vinicius Coca

Processo Inflamatório e Lesão Celular. Professor: Vinicius Coca Processo Inflamatório e Lesão Celular Professor: Vinicius Coca www.facebook.com/profviniciuscoca www.viniciuscoca.com O que é inflamação? INFLAMAÇÃO - Inflamare (latim) ação de acender, chama FLOGOSE phlogos

Leia mais

REAÇÕES CUTÂNEAS X DOENÇAS INFECCIOSAS E/OU INFECTO CONTAGIOSAS COMO DESTINGUIR?

REAÇÕES CUTÂNEAS X DOENÇAS INFECCIOSAS E/OU INFECTO CONTAGIOSAS COMO DESTINGUIR? REAÇÕES CUTÂNEAS X DOENÇAS INFECCIOSAS E/OU INFECTO CONTAGIOSAS COMO DESTINGUIR? CUIDADOS COM O PACIENTE, SEUS ACESSÓRIOS E PROFISSIONAIS ENVOLVIDOS NO TRATAMENTO ALEXANDRE DE S. BARROS Enfermeiro - Radioterapia

Leia mais

PROFUNDIDADE DA QUEIMADURA 3º GRAU (ESPESSURA TOTAL): QUEIMADURA

PROFUNDIDADE DA QUEIMADURA 3º GRAU (ESPESSURA TOTAL): QUEIMADURA Emergências Pré-hospitalares Edis Rodrigues QUEIMADURA QUEIMADURAS SÃO LESÕES DECORRENTES DE AGENTES, TAIS COMO: ENERGIA TÉRMICA; QUÍMICA; ELÉTRICA. CLASSIFICAÇÃO QUANTO A PROFUNDIDADE: 1º GRAU; 2º GRAU;

Leia mais

Ferida e Processo de Cicatrização

Ferida e Processo de Cicatrização MATERIAL COMPLEMENTAR: Ferida e Processo de Cicatrização Ferida é o comprometimento da integridade da pele. A perda da continuidade da pele pode ser causada por trauma físico, químico, mecânico, vasculares,

Leia mais

Lifting da Testa - Coronal

Lifting da Testa - Coronal Lifting da Testa - Coronal A face e suas expressões, muitas vezes, transmitem impressões iniciais, enviando mensagens sobre as emoções, saúde, vitalidade e idade. Com o passar do tempo, a face e suas características

Leia mais

Peeling Químico - Médio

Peeling Químico - Médio Peeling Químico - Médio Os peelings químicos são um dos procedimentos cosméticos não invasivos mais populares realizados para rejuvenescer a aparência da pele. Com o tempo, fatores como danos causados

Leia mais

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto.

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto. HEMORRAGIAS O controle de uma hemorragia deve ser feito imediatamente, pois uma hemorragia abundante e não controlada pode causar morte em 3 a 5 minutos. A hemorragia externa é a perda de sangue pelo rompimento

Leia mais

Caixa (Trás) Caixa (Frente) Hydrosorb Comfort Hartmann Curativo Transparente Hidrogel, com bordas adesivas elásticas, para tratamento úmido de feridas

Caixa (Trás) Caixa (Frente) Hydrosorb Comfort Hartmann Curativo Transparente Hidrogel, com bordas adesivas elásticas, para tratamento úmido de feridas Caixa (Frente) Hydrosorb Comfort Hartmann Curativo Transparente Hidrogel, com bordas adesivas elásticas, para tratamento úmido de feridas Conteúdo: xxx unidades de xxx cm X xxx cm Estéril Importado por:

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel CATETERISMO CARDÍACO CATETERISMO CARDÍACO Método diagnóstico invasivo É avaliada a presença ou não de estreitamentos nas artérias coronárias secundário às "placas de gordura" além do funcionamento das

Leia mais

Reparação. Regeneração Tecidual 30/06/2010. Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico

Reparação. Regeneração Tecidual 30/06/2010. Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA Reparação Prof. Raimundo Tostes Reparação Regeneração: reposição de um grupo de células destruídas

Leia mais

Peeling Químico - Superficial

Peeling Químico - Superficial Peeling Químico - Superficial Os peelings químicos são um dos procedimentos cosméticos não invasivos mais populares realizados para rejuvenescer a aparência da pele. Com o tempo, fatores como danos causados

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Aquisição de materiais de consumo para o atendimento de primeiros socorros aos discentes e servidores do campus, conforme especificações deste termo de referência

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE SITIO CIRÚRGICO - ISC

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE SITIO CIRÚRGICO - ISC PREVENÇÃO INFECÇÃO M Pr04 Data de Emissão: 1 de 10 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO Considera-se infecção de sitio cirúrgico (ISC)

Leia mais

INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM NA FERIDA OPERATÓRIA

INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM NA FERIDA OPERATÓRIA Associação Beneficente Pró-Matre INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM NA FERIDA OPERATÓRIA Vitória 2013 Enfª Katiusi R. Christ Associação Beneficente Pró-Matre Instituição Filantrópica; Realiza em média 400 a 450

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Úlceras por pressão Instrutora: Enf a Adriana

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECCÇÃO ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL / CVC. Data Versão/Revisões Descrição Autor

PREVENÇÃO DE INFECCÇÃO ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL / CVC. Data Versão/Revisões Descrição Autor 1 de 9 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial FP, MTS, SRPT 1 Objetivo: Prevenir infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central ()

Leia mais

Ministrador: Prof. Almir Feitosa

Ministrador: Prof. Almir Feitosa Ministrador: Prof. Almir Feitosa Transcrição e ilustrações realizadas pela Dra ROSANA DE SOUZA e cedidas como colaboração ao acervo do P.O.A. ODONTOLOGIA HOSPITALAR TEMAS DA AULA: Técnica cirúrgica DIÉRESE

Leia mais

Lifting da Face - Terço Inferior

Lifting da Face - Terço Inferior Lifting da Face - Terço Inferior A identidade humana é determinada primeiramente pelo rosto sua estrutura, aparência e expressões. As alterações determinadas pela idade que afetam a aparência do rosto

Leia mais

Processo Seletivo Técnico de Enfermagem INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!)

Processo Seletivo Técnico de Enfermagem INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) Processo Seletivo Técnico de Enfermagem Nome: Nota: 1. A prova é individual sem consulta. INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) 2. O candidato deverá preencher o gabarito com caneta azul

Leia mais

Cortifar Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Creme dermatológico 0,64 mg/g de dipropionato de betametasona

Cortifar Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Creme dermatológico 0,64 mg/g de dipropionato de betametasona Cortifar Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Creme dermatológico 0,64 mg/g de dipropionato de betametasona I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Cortifar dipropionato de betametasona MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE

Leia mais

Estudo de Caso - HB Saúde

Estudo de Caso - HB Saúde Estudo de Caso - HB Saúde Enfª Elisângela Empório Médico Nutricionista Maristela Empório Médico Dra. Vera Sukumine Médica HB Saúde S. J. Rio Preto Enfº Aderson HB Saúde São José do Rio Preto Identificação

Leia mais

Módulo 7 Cobertura em Feridas

Módulo 7 Cobertura em Feridas Módulo 7 Cobertura em Feridas Enfermeira Cintia Mourão Pereira Núcleo de Telessaúde Técnico-Científico do Rio Grande do Sul Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 06/CT/2016/RT Assunto: Curativo por Pressão Subatmosférica (VAC) Palavras-chave: Curativo por Pressão Subatmosférica, Curativo por pressão negativa, Estomaterapeuta. I Solicitação

Leia mais

Microdermoabrasão

Microdermoabrasão Microdermoabrasão A microdermoabrasão é um dos procedimentos cosméticos mais populares e não invasivos realizados atualmente. Com o tempo, fatores como envelhecimento, fatores genéticos, danos causados

Leia mais

Úlceras Vasculogênitas

Úlceras Vasculogênitas UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Úlceras Vasculogênitas 1º Semestre de 2013

Leia mais

É o tratamento dispensado a uma região com a solução de continuidade(lesão), a fim de prevenir uma contaminação.

É o tratamento dispensado a uma região com a solução de continuidade(lesão), a fim de prevenir uma contaminação. Mariana Lima É o tratamento dispensado a uma região com a solução de continuidade(lesão), a fim de prevenir uma contaminação. Prevenir ou tratar a infecção Facilitar a cicatrização Facilitar a drenagem

Leia mais

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES QUESTÃO 01 O parâmetro que não faz parte do exame primário da vítima. a) é a respiração. b) é o pulso. c) é a tensão arterial. d) são as vias aéreas.

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza PRIMEIROS SOCORROS Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza Primeiros socorros Noções básicas b de sinais vitais Perfil do socorrista Vias aéreas a obstrução Ressuscitação cardiopulmonar RCP Ferimentos,

Leia mais

FITOSCAR. Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville

FITOSCAR. Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville FITOSCAR Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville Nomenclatura Botânica Oficial: Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville Família: Fabaceae Parte da Planta Utilizada: Casca Nomenclatura Popular:

Leia mais

MODELO DE DIZERES DE BULA. IMOXY imiquimode

MODELO DE DIZERES DE BULA. IMOXY imiquimode MODELO DE DIZERES DE BULA IMOXY imiquimode FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Creme dermatológico embalagem contendo 6 ou 12 sachês com 250 mg. USO ADULTO USO TÓPICO COMPOSIÇÃO Cada g do creme dermatológico

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Dispositivos de Assistência Respiratória Professor: Pai Chi Nan 1 Anatomia do sist. respiratório 1 Fisiologia do sist. respiratório 3 Defesa do sist. respiratório

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº: 45/2014 Data de emissão: Julho/2014 Setor Tipo TAREFA Executante Resultados esperados Recursos necessários PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Revisão: 01 Data revisão: Centros de Saúde Assistencial Curativo

Leia mais

Curativo Aluminizado X Gaze de Algodão e Curativo Telfa* para a Limpeza de Feridas Cirúrgicas

Curativo Aluminizado X Gaze de Algodão e Curativo Telfa* para a Limpeza de Feridas Cirúrgicas Curativo Aluminizado X Gaze de Algodão e Curativo Telfa* para a Limpeza de Feridas Cirúrgicas Sheryl Garton, B. S, Anthony J. Comerota, M. D, Kenneth R. Cundy Ph. D. TempleUniversity, Philadelphia As características

Leia mais

SACRAL - CONCAVE. Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim

SACRAL - CONCAVE. Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim SACRAL - CONCAVE Importado por: Bace Comércio Internacional Ltda Av. Tamboré n.º 1400 Sala 1 Q Alphaville - Barueri São Paulo/SP CEP- 06460-000 CNPJ 47.411.780/0001-26 Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS ESTOMIZADOS (ileostomia e colostomia)

MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS ESTOMIZADOS (ileostomia e colostomia) 1. Apresentação Este manual tem por objetivo ajudar você e seus familiares a conhecer melhor os cuidados sobre estomias. MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS ESTOMIZADOS (ileostomia e colostomia) Fonte:www.galeria.colorir.com

Leia mais

SISTEMA DE ESPONJA ABDOMINAL V.A.C. Tratamento Avançado do Abdômen Aberto.

SISTEMA DE ESPONJA ABDOMINAL V.A.C. Tratamento Avançado do Abdômen Aberto. SISTEMA DE ESPONJA ABDOMINAL V.A.C. Tratamento Avançado do Abdômen Aberto. SISTEMA DE Curativo Abdominal V.A.C. Um Curativo Avançado para Tratamento do Abdômen Aberto Existe uma variedade de pacientes

Leia mais

Rejuvenescimento da Pele com Laser

Rejuvenescimento da Pele com Laser Rejuvenescimento da Pele com Laser O resurfacing a laser, também conhecido como peeling a laser, é uma técnica de rejuvenescimento facial eficaz, que pode produzir resultados duradouros. Com o tempo, fatores

Leia mais

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é:

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é: Regras Básicas de Primeiros Socorros Análise Primária Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle Frente ao acidente, não se desespere. Não movimente o paciente, salvo quando for absolutamente necessário. Use barreiras:

Leia mais

21/03/2012. A variação molecular atua: fatores de crescimento hormônios adesão celular movimentação alterações funcionais

21/03/2012. A variação molecular atua: fatores de crescimento hormônios adesão celular movimentação alterações funcionais Tecido Conjuntivo Tecido responsável pela resposta inflamatória e por todo o processo de reparo que ocorre após a agressão. Contém vasos sangüíneos, linfáticos e líquido intersticial chamado de sistema

Leia mais

TOPCOID (polissulfato de mucopolissacarídeo)

TOPCOID (polissulfato de mucopolissacarídeo) TOPCOID (polissulfato de mucopolissacarídeo) União Química Farmacêutica Nacional S.A 5 mg/g TOPCOID polissulfato de mucopolissacarídeo IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO 5 mg/g:

Leia mais

CURATIVO DE FERIDA INFESTADA POR MIÍASE RETIRADA DE MIÍASE

CURATIVO DE FERIDA INFESTADA POR MIÍASE RETIRADA DE MIÍASE Revisão: 03/07/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na execução de limpeza com utilização de produtos e coberturas específicas na lesão de pele do paciente portador de ferida infestada por Zoodermatose, o qual

Leia mais

Suturas. Carlos Mesquita. Hospitais da Universidade de Coimbra

Suturas. Carlos Mesquita. Hospitais da Universidade de Coimbra Carlos Mesquita Hospitais da Universidade de Coimbra - classificação INTERROMPIDAS / PONTOS SEPARADOS os nós são dados e os fios cortados após uma ou duas passagens através dos tecidos cada nó é uma entidade

Leia mais

Assistência de Enfermagem rio

Assistência de Enfermagem rio Assistência de Enfermagem Pós-operatóriorio Pós-operatório rio O período pós-operatp operatóriorio tem início logo após o término t da operação e vai até a alta do paciente, podendo ainda se estender a

Leia mais

PROTOCOLO OPERACIONAL PADRÃO

PROTOCOLO OPERACIONAL PADRÃO 1.Definição - Coleta de sangue para realização de hemocultura. 2. Objetivos Padronizar coleta de sangue para hemocultura para melhor aproveitamento do exame, com atenção a fatores tais como: indicação

Leia mais

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007)

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Hospital Municipal Miguel Couto 1 Objetivos: Oferecer informações técnicas e científicas atualizadas para as equipes médicas

Leia mais

Folheto de Instruções de Uso. 3M Tegaderm CHG

Folheto de Instruções de Uso. 3M Tegaderm CHG Curativo IV de Gluconato de Clorexidina Folheto de Instruções de Uso Descrição: O 3M Curativo Tegaderm CHG, curativo IV de Gluconato de Clorexidina, é usado para cobrir e proteger o local de inserção dos

Leia mais

Ferimentos, Hemorragias e Choques

Ferimentos, Hemorragias e Choques Ferimentos, Hemorragias e Choques Ferimentos AGRESSÃO À INTEGRIDADE DO TECIDO PODE SER ABERTO OU FECHADO ABERTO: OCORRE LESÃO ABERTA NA PELE OU MUSOCA, PERMITINDO A COMUNICAÇÃO ENTRE O MEIO INTERNO E EXTERNO.

Leia mais

FERIDAS E CICATRIZAÇÃO

FERIDAS E CICATRIZAÇÃO FERIDAS E CICATRIZAÇÃO Feridas e Cicatrização Anatomo-Fisiologia da Pele; Processo de Cicatrização: Fases; Factores facilitadores e dificultadores. 2 PELE ANATOMIA E FISIOLOGIA 3 Pele Maior órgão do corpo

Leia mais

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia;

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE OBJETIVOS: Ao final desta lição os participantes serão capazes de: 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; 2. Citar e demonstrar 3 diferentes técnicas

Leia mais

REDUÇÃO EFETIVA DO EDEMA. FÁCIL DE APLICAR.

REDUÇÃO EFETIVA DO EDEMA. FÁCIL DE APLICAR. REDUÇÃO EFETIVA DO EDEMA. FÁCIL DE APLICAR. JOBST COMPRI 2 NOVO SISTEMA DE COMPRESSÃO DE 2 CAMADAS THERAPIES. HAND IN HAND. A COMPRESSÃO CORRETA É FUNDAMENTAL PARA O SUCESSO DO TRATAMENTO Redução de edemas

Leia mais

UNIDADE 3 SUBUNIDADE 2 AULA 10

UNIDADE 3 SUBUNIDADE 2 AULA 10 UNIDADE 3 SUBUNIDADE 2 AULA 10 Terapia Tópica: Limpeza e Desbridamento Quais PASSOS devo seguir??? Cada degrau da escada é um passo ou etapa da terapia tópica. A avaliação é essencial para a assistência

Leia mais

COMO EU FAÇO?! TORACOCENTESE

COMO EU FAÇO?! TORACOCENTESE COMO EU FAÇO?! TORACOCENTESE Introdução A toracocentese é o método m de escolha para a obtenção de amostras de líquido l pleural. Embora seja considerado um procedimento pouco invasivo, é fundamental que

Leia mais

Insuficiência Renal Crônica Claudia Witzel

Insuficiência Renal Crônica Claudia Witzel Insuficiência Renal Crônica Claudia Witzel A insuficiência renal crônica (IRC) é o resultado das lesões renais irreversíveis e progressivas provocadas por doenças que tornam o rim incapaz de realizar as

Leia mais

Reparo Tecidual: Regeneração e Cicatrização. Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes

Reparo Tecidual: Regeneração e Cicatrização. Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Reparo Tecidual: Regeneração e Cicatrização Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Reparo Tecidual Ferida (lesão) 3 processos envolvidos no reparo: 1.Hemostasia

Leia mais

sulfato de neomicina bacitracina zíncica Pomada 5mg/g + 250UI/g

sulfato de neomicina bacitracina zíncica Pomada 5mg/g + 250UI/g sulfato de neomicina bacitracina zíncica Pomada 5mg/g + 250UI/g MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE sulfato de neomicina bacitracina zíncica Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES

Leia mais

Processos Patológicos Gerais

Processos Patológicos Gerais Processos Patológicos Gerais Lesão Celular Irreversível = Morte Celular Necrose e Apoptose, Calcificação Patológica Enfermagem/ 2o sem Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Necrose Necrose:

Leia mais