Luciane de Jesus Tenório PERFIL FARMACOTERAPÊUTICO DOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELO SUS EM MONTE VERDE - MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Luciane de Jesus Tenório PERFIL FARMACOTERAPÊUTICO DOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELO SUS EM MONTE VERDE - MG"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 714. Alfenas/MG. CEP Fone: (35) Fax: (35) Luciane de Jesus Tenório PERFIL FARMACOTERAPÊUTICO DOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELO SUS EM MONTE VERDE - MG Alfenas/MG 2009

2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 714. Alfenas/MG. CEP Fone: (35) Fax: (35) Luciane de Jesus Tenório PERFIL FARMACOTERAPÊUTICO DOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELO SUS EM MONTE VERDE - MG Monografia apresentada ao curso de Especialização em Atenção Farmacêutica da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG), como parte dos requisitos para obtenção do título de Especialista. Orientadora: Profa. Luciene Alves Moreira Marques Alfenas/MG 2009

3 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 714. Alfenas/MG. CEP Fone: (35) Fax: (35) Luciane de Jesus Tenório PERFIL FARMACOTERAPÊUTICO DOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELO SUS EM MONTE VERDE MG Aprovada em: A banca examinadora abaixo-assinada aprova a Monografia apresentada ao curso de Especialização em Atenção Farmacêutica da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG), como parte dos requisitos para obtenção do título de Especialista. Orientadora: Profa. Luciene Alves Moreira Marques Prof. Amilton Marques Prof. Geraldo Alves da Silva

4 . Dedico este trabalho a meus pais que com muito carinho não mediram esforços para me incentivar e me motivar nesta empreitada.

5 AGRADECIMENTOS A Deus que providenciou para que meus objetivos fossem realizados; Ao meu namorado Adilson pelo carinho, motivação e apoio; As minhas amigas Diana e Tatiana pela amizade e apoio.

6 RESUMO Diabetes Mellitus (DM) é um estado de hiperglicemia crônico, produzido por numerosos fatores ambientais e genéticos que geralmente atuam juntos, caracterizado pela falta parcial ou total de insulina, originando alterações no metabolismo dos carboidratos, proteínas e gorduras (SBD, 2006). DM vem sendo reconhecido mundialmente como um importante problema de saúde pública, sendo que têm sido considerados significativos os índices de morbidade e mortalidade em relação à doença (SBD,2006). O presente estudo tem como finalidade analisar o perfil farmacoterapêutico dos portadores de Diabetes Mellitus de Monte Verde MG. Foram entrevistados 34 diabéticos, sendo 23,53% do sexo masculino e 76,47% do sexo feminino. Para a coleta de dados foi utilizado um instrumento contendo perguntas sobre: medicamentos utilizados e se todos estão disponíveis em rede pública, utilização da insulina, hábitos de vida, informações e orientações recebidas, entre outros dados relevantes Os resultados obtidos foram que 52,95% dos entrevistados utilizam somente medicamentos administrados por via oral e 47,05% utilizam além dos medicamentos hipoglicemiantes administrados por via oral também utilizam a insulina administrada por via subcutânea. Dos parâmetros biológicos analisados 82,4% dos entrevistados não estavam com a pressão arterial e a glicemia de jejum controlada. Somente 20% de todo o grupo adquirem todos os medicamentos em rede publica e apenas 38,3% deles realizam consultas médicas em rede pública. 1,76% dos diabéticos entrevistados são fumantes, mas 64,7% deles não praticam atividade física assim como não controlam a alimentação. Os resultados permitiram concluir que além de preocupantes estes dados nos revelam à necessidade de adoção de medidas que previnam os agravos à saúde da população, geram reflexos sobre os custos inerentes às ações desenvolvidas no próprio Sistema Único de Saúde. A presença do farmacêutico nos ambulatórios, PSF e NASF é fundamental para se ter uma farmacoterapia mais efetiva e segura e consequentemente reduzir as complicações decorrentes do diabetes. Palavras-chave: Diabetes Mellitus, Farmacoterapia, Hábitos de vida.

7 Sumário 1.0 Introdução Justificativa Objetivo Materiais e Métodos Resultados Discussão Conclusão Referências Bibliográficas Anexos... 20

8 1.0 Introdução Diabetes Mellitus (DM) é um estado de hiperglicemia crônico, produzido por numerosos fatores ambientais e genéticos que geralmente atuam juntos, caracterizado pela falta parcial ou total de insulina, originando alterações no metabolismo dos carboidratos, proteínas e gorduras (SBD, 2006). Os tipos de Diabetes mais freqüente são o Diabetes Tipo 1, anteriormente conhecido como Diabetes juvenil, que corresponde cerca de 10% do total de casos, e o Diabetes Tipo 2, anteriormente conhecido como diabetes do adulto, que compreende cerca de 90% dos casos. Outros tipos de diabetes encontrado com maior freqüência e cuja etiologia não esta esclarecida é o diabete gestacional, que em geral, é um pré-clinico de diabetes, detectado no rastreamento pré-natal. Outros tipos específicos de diabetes menos freqüentes podem resultar de defeitos genéticos da função das células beta, defeitos genéticos da ação da insulina, doenças do pâncreas exócrino, endocrinopatias, efeitos colateral de medicamentos, infecções e outras síndromes genéticas associadas ao diabetes (BRASIL, 2006). O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se assim como grande desafio para os sistemas de saúde. O envelhecimento da população, a urbanização crescente e a doação de estilos de vida pouco saudáveis o sedentarismo, dieta inadequada e obesidade são os grandes responsáveis pelo aumento da incidência e prevalência do diabetes em todo mundo (BRASIL, 2006). Estima-se que no Brasil, existem mais de cinco milhões de pessoas diabéticas, das quais cerca de 50% desconhecem o diagnostico. Sua prevalência entre as pessoas com idade entre anos que moram na região urbana é de 7,6% (SBD, 2008). Clinicamente, os sintomas decorrentes da hiperglicemia incluem um ou mais sintomas como poliúria, polidipsia, perda de peso, polifadiga, visão embaçada, prurido, aumento da susceptibilidade a infecções, entre outros. Conseqüências agudas podem acompanhar o diabetes como cetoacidose metabólica ou síndrome hiperosmolar não cetolica (PINCINATO, 2003). O diabetes é marcado pelo aparecimento de complicações tardias, como retinopatia com potencial perda da visão, nefropatia, que pode evoluir a uma

9 falência renal, neuropatia periferia com riscos de úlceras nos pés, podendo levar a amputações dos membros; nefropatia autonômica, causando sintomas gastrointestinais, geniturinários, cardiovasculares e disfunções sexuais (PICINATO, 2003). Os mecanismos do aparecimento dessas complicações ainda não estão completamente esclarecidos, mas a duração do diabetes assim como seu controle interagem com outros fatores de risco, como hipertensão arterial, fumo e dislipidemia. O controle intensivo desses fatores através de medidas farmacológicas e não farmacológicas pode reduzir todas as complicações em pelo menos metade (BRASIL, 2006). Por tratar-se de uma doença evolutiva, os pacientes desta síndrome, requerem mudanças positivas no estilo de vida (hábitos alimentares e de atividade física) associado com tratamento farmacológico, muitos deles com insulina, pois as células betas do pâncreas tendem a progredir para um estado de falência parcial ou total ao longo dos anos (BRASIL, 2006). O tratamento insulinoterápico visa mimetizar, tanto quanto possível, o perfil fisiológico da secreção pancreática de insulina. Dessa forma, múltiplas doses diárias desse hormônio no tecido subcutâneo são necessárias no sentido de proporcionar o controle glicêmico, o qual tem sido demonstrado como condição essencial na prevenção das complicações agudas e crônicas desta síndrome (STACCIARINI, 2008). Mas para que o controle glicêmico seja efetivo com o tratamento insulinoterapico, é necessário que o usuário aprenda vários aspectos sobre como utilizar a insulina exógena, pois a ação deste medicamento esta diretamente relacionada a fatores envolvidos desde sua aquisição até a aplicação envolvendo procedimentos básicos para aplicação: delimitação da região de aplicação, rodízio nos locais de aplicação, conservação da insulina, entre outros (STACCIANRINI, 2008). As patologias-alvo, nas quais a prática da Atenção Farmacêutica deve ser aplicada são as doenças crônicas como hipertensão, diabetes e asma, visto que são enfermidades com indicadores potenciais de resultados clínicos específicos (por exemplo: níveis de pressão arterial, glicemia e débito expiratório máximo instantâneo) (STORPIRTIS, 2008).

10 A Atenção Farmacêutica consiste em uma prática profissional orientada para o paciente, na qual o farmacêutico intervém, em colaboração com outros profissionais da saúde e com o próprio paciente, com o propósito de avaliar, monitorar, iniciar e ajustar a terapia farmacológica. Isso é feito para promover a saúde e prevenir doenças. Por conseguinte, é um conceito fortemente centrado na gestão global da terapêutica farmacológica do paciente e na avaliação do seu grau de satisfação, visando à melhora de sua qualidade de vida (STORPIRTIS, 2008). A maioria das falhas na farmacoterapia pode ser atribuída a uma utilização inadequada dos medicamentos por parte dos usuários. A solução para esse importante problema seria a implementação de programas de Atenção Farmacêutica nas farmácias em níveis hospitalar, ambulatorial e comercial, com o objetivo final de prevenir a morbi-mortalidade devido ao uso de medicamentos, pela prática dirigida a assegurar uma farmacoterapia necessária, segura e efetiva a todos os pacientes (MARQUES, et al., 2009). As falhas na farmacoterapia devem a dois motivos independentes: por um lado, pode alcançar resultados não desejados ou efeito adversos/indesejados, os quais se conhece como um problema de segurança; e, por outro lado, pode não alcançar os resultados terapêuticos desejados, os quais se conhecem por problema de efetividade. Entre os problemas de efetividade, o principal a ser destacado é a não adesão ao tratamento. São vários os fatores que podem influenciar negativamente na adesão levando o farmacêutico a desenvolver uma relação de confiança com o paciente para definir estratégias eficientes que possam solucionar tal problema (MARQUES, et al., 2009).

11 2.0 Justificativa O Diabetes Mellitus é um importante problema de saúde publica, uma vez que é bastante freqüente na população mundial e esta associada a complicações que comprometem a produtividade, qualidade de vida e sobrevida dos pacientes, alem de envolver altos custos no seu tratamento e no tratamento de suas complicações. Uma epidemia mundial de diabetes (DM) e obesidade estão em andamento. Em 1995, havia 135 milhões de pessoas com DM no mundo e as projeções são de que em 2025, esse número alcance 300 milhões. Cerca de 2/3 desses diabéticos vivem em países em desenvolvimento, onde a epidemia tem maior intensidade. A grande parte, cerca de 90%, são diabético tipo 2 e no nosso país, o único estudo de prevalência realizado no final dos anos 80, demonstrou uma prevalência de diabetes na população de anos de 7,6%. É importante ressaltar que quase 50% desses indivíduos diagnosticados não sabiam de sua condição. Possivelmente, após 25 anos, com o envelhecimento da população, o aumento da prevalência de obesidade e sedentarismo, esse número possa estar subestimando o número real de diabéticos no Brasil e um novo estudo de prevalência se faz necessário. Existem projeções de que nas próximas duas décadas, o crescimento do número de indivíduos com diabetes em países em desenvolvimento como Brasil, Índia e China vai ser suas vezes maior do que nos EUA (SBD, 2006). Diante dessa realidade, a prática da Atenção Farmacêutica surge com o propósito de otimizar os resultados da farmacoterapia de forma individual, permitindo as farmacêutico, por meio de um trabalho de cooperação com médicos, enfermeiros e portadores de enfermidades, melhorar os resultados da farmacoterapia ao prevenir, detectar e resolver os problemas relacionados aos medicamentos (PRM) antes que estes dêem lugar à morbimortalidade.

12 3.0 Objetivo O presente estudo tem como objetivo de avaliar o tratamento utilizado pelos portadores de Diabetes Mellitus para seu controle glicêmico e, a partir daí, avaliar o grau de conhecimento sobre sua doença, medicamentos utilizados e se todos estão disponíveis em rede pública, informações e orientações recebidas, qualidade de vida averiguando hábitos alimentares e atividade física assim como o fumo e obesidade, esquemas de monitorização e utilização da insulina, suas limitações e possibilidade de otimização desses esquemas.

13 4.0 Materiais e Métodos A pesquisa foi realizada na Estância Climática de Monte Verde, situada no município de Camanducaia MG, de janeiro a dezembro de 2009 (um ano). Monte Verde possui cerca de cinco mil habitantes. Em Monte Verde há uma Unidade Básica de Saúde municipal que dispensa medicamentos à população, inclusive a insulina. Os medicamentos são dispensados pela farmacêutica responsável, frente ao receituário médico, porém a insulina é dispensada pela equipe de enfermagem. Monte Verde possui também o PSF (programa de saúde da família) composto por um médico, uma enfermeira e os agentes comunitários de saúde. Ocorre atendimento medico na unidade e visitas domiciliares por duas vezes na semana. Optou-se em coletar os dados com pessoas portadoras de Diabetes Mellitus em uma drogaria privada onde muitas pessoas procuram a farmacêutica responsável do estabelecimento para orientar-se e informar-se sobre medicamentos que utilizam inclusive para a aplicação da insulina. Foram investigados todos pacientes-clientes, entre homens e mulheres, adultos com idade entre anos que sejam portadores de Diabetes Mellitus. Esta pesquisa foi desenvolvida através de entrevista com o próprio paciente, sendo inclusos na pesquisa aqueles que aceitaram participar do processo e assinaram o Termo de Consentimento Pós-Informado em anexo (Anexo 1). Durante a entrevista com o paciente foi possível investigar a história farmacoterapêutica, a postura do paciente em relação à sua doença, hábitos de vida, se utiliza insulinoterapia e quais as condições de conservação, transporte, aplicação, entre outras, conforme o questionário em anexo (Anexo 2). Todos os pacientes tiveram o IMC calculado. O Índice de Massa Corporal (Peso/Altura 2 kg/m 2 ) tem como finalidade avaliar a massa corporal em relação à altura e como pontos de corte adotou-se IMC<18,5kg/m 2 =desnutrição; IMC 30kg/m 2 obesidade (OMS, 1997).

14 Tabela 1: Classificação do IMC de acordo com a OMS, IMC (kg/m 2 ) Classificação < 18,5 Desnutrição 18,5-24,9 Eutrofia 25,0-29,9 Sobrepeso 30,0-34,9 Obesidade I 35,0-39,9 Obesidade II A glicemia foi determinada em jejum, utilizando-se um glicosímetro Accu Check Performa (Roche ). A pressão arterial foi aferida esfigmomanômetro aneróide e estetoscópio, com o paciente na posição sentada e o braço elevado na altura do coração (MACHUCA & PARRAS, 2003). Este trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em pesquisa com seres humanos da UNIFAL-MG.

15 5.0 Resultados Foram entrevistados 34 diabéticos sendo que 26 (76,47%) eram do sexo feminino (figura 1). A média de idade de todo o grupo foi de 59,53 anos. 23,53% Homens Mulheres 76,47% Figura 1: Classificação dos pacientes por gênero. Dentre os entrevistados avaliaram-se fatores de risco que interagem diretamente com o controle glicêmico como: tabagismo, obesidade, hipertensão arterial e glicemia. Quanto ao tabagismo percebeu-se uma minoria de fumantes: apenas 1,76% (n=4). Após calcular o IMC (índice de massa corpórea) dos participantes observou-se: 47,05% com IMC entre 18-24,9; 38,24% com IMC entre 25-29,9 e 14,71% com IMC superior a 30 conforme a figura 2: , ,9 Superior a 30 IMC (indice de massa corpórea) 18-24, ,9 Superior a 30 Figura 2: IMC (índice de massa corpórea) dos pacientes em estudo.

16 Realizou-se a aferição da pressão arterial e verificação da glicemia de jejum de todos do grupo e percebeu-se que, segundo padrão de referência para a pressão arterial é de 130x80 e de glicemia é de 120mg/dL; 17,6% dos entrevistados estavam com os parâmetros controlados e a maioria 82,4% estavam com os parâmetros alterados, conforme figura 3 e tabela 2: 17,6% Controlado Alterados 82,4% Figura 3: Parâmetros biológicos (Glicemia de jejum e pressão arterial) dos pacientes em estudo.

17 Tabela 2: Valores de pressão arterial e glicemia de jejum dos pacientes estudados. Diabéticos Pressão Arterial Glicemia de jejum (mg/dl) (mmhg) x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x x Dos diabéticos estudados, 52,95% fazem uso somente de medicamentos administrados por via oral para a manutenção do controle glicêmico e 47,05% também utilizam a insulina administrada por via subcutânea. Percebeu-se a utilização concomitante de fármacos anti-

18 hipertensivos, antidepressivos, ansiolíticos, medicamentos para tireóide, Antiplaquetários, entre outros conforme Figura 4. Número de pessoas Hipoglicemiantes orais Anti-hipertensivos Hipoglicemiante Injetável Ansiolíticos Antiplaquetários Medicamentos para Tireóide Antilipêmicos Antidepressivos Fármacos Número de Pessoas Figura 4: Medicamentos utilizados pelos pacientes em estudo. Entre os diabéticos que fazem uso da insulina 100% deles conseguem o fornecimento da insulina na farmácia do SUS (Sistema Único de Saúde). A maioria deles 62,5% (n=16) utiliza duas doses de insulina NPH ao dia, ou seja, uma dose pela manhã e outra antes do jantar enquanto que 37,5% deles (n=6) utilizam apenas uma dose ao dia. A conservação da mesma em todos os casos foi na porta da geladeira e em caso de viagem transportam em caixa de isopor com gelo, com exceção de duas pessoas que possuem a caneta aplicadora de insulina. Percebeu-se a reutilização das seringas descartáveis por 100% dos pacientes. A maioria das aplicações era realizada pelo próprio paciente, outros se deslocavam até o posto de saúde e alguns até a drogaria. O local preferencial para a aplicação da insulina foi o braço, sendo o abdômen o segundo lugar, seguido do glúteo e coxa. As queixas mais ouvidas foram dor, hematomas, agulhas rombudas e aparecimento de nódulos. Questionados sobre o fornecimento dos medicamentos orais utilizados 38,23% (n=13) dos entrevistados compram todos os medicamentos alegando a falta dos mesmos no SUS; 41,17% (n=14) disseram que compram alguns e

19 recebem outros medicamentos do SUS e apenas 20% (n=8) recebem todos os medicamentos da farmácia do SUS conforme figura 5 abaixo: 38,3% 20% 61,76% Particulares Particulares + SUS SUS Figura 5: Forma de aquisição de medicamentos pelos pacientes em estudo. Em relação às consultas médicas percebeu-se que a grande maioria dos entrevistados 61,76% (n=21) realiza consultas médicas particulares enquanto que 38,3% (n=13) realizam somente pelo Sistema Único de Saúde. A principal reclamação foi à demora e a maneira de como eram atendidos. As respostas foram repetidas quando se investigou sobre a execução de exames laboratoriais, pois 88,23% (n=30) deles realizam tais exames em um laboratório particular. Quanto à auto-monitorização da glicemia, a média foi de até três vezes na semana. Este baixo número foi justificado pelos pacientes devido ao difícil acesso, mau atendimento no SUS, tempo de espera, alto custo das tiras reagentes e pelo fato de considerarem que se automonitoram corretamente. Em relação ao estilo de vida adotado por eles verificou-se que 5,29% (n=12) mantêm uma alimentação equilibrada e praticam atividade física diariamente enquanto que 64,71% (n=22) não controlam a dieta e não praticam atividade física.

20 6.0 Discussão Diante dos resultados obtidos pode-se perceber a prevalência relevante com relação ao gênero, pois 76,47% dos entrevistados eram do sexo feminino e apenas 23,53% eram do sexo masculino (conforme tabela 2). Tal fato pode ser explicado pelo preconceito dos homens em procurarem atendimento médico e pela sobrevida do sexo feminino ser maior do que a do sexo masculino (PINCINATO, 2003) Após avaliação dos fatores de risco, fatores estes que interferem diretamente com o controle do diabetes, como: tabagismo, obesidade, hipertensão arterial e glicemia, verificou-se que houve um fator positivo em relação ao tabagismo, pois apenas 1,76% dos entrevistados eram fumantes e, o fumo aumenta o risco de morbimortalidade prematura para complicações micro e macrovasculares (BRASIL, 2006). Com relação à obesidade, após cálculo de IMC (índice de massa corpórea) observou-se que cerca de 50% dos diabéticos estavam com sobrepeso e obesidade grau I, conforme tabela 1. Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (2006), a obesidade e o ganho de peso estão entre os principais fatores de risco para o Diabetes Mellitus tipo 2, estimando-se que cada quilograma de aumento de peso esteja associado a uma elevação relativa de 9% na prevalência de Diabetes Mellitus. Mais de 80% dos diabéticos tipo 2 apresentam obesidade ou excesso de peso, o que agrava a situação metabólica, predispondo a outras enfermidades como dislipidemias e hipertensão arterial (SBD, 2006). O controle adequado do peso corporal deve estar sempre entre as prioridades no tratamento do paciente diabético (tipo 2), já tendo sido demonstrado que pode melhorar o controle glicêmico, a sensibilidade insulínica, o perfil lipídico, os níveis pressóricos e reduzir a mortalidade. Neste estudo 52,9% dos entrevistados apresentaram a pressão arterial alterada (conforme tabela 5). De acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes, 2006: as evidências indicam que níveis pressóricos mais baixos que os usuais precisam ser atingidos para que se obtenha máxima proteção contra o desenvolvimento da doença cardiovascular e da progressão da nefropatia

21 diabética. Sugerem que os níveis da pressão arterial diastólica (PAD) deve estar abaixo de 80mmHg e a sistólica (PAS) abaixo de 130 mmhg. Isto está associado à maior proteção cardiovascular em pacientes diabéticos e deve ser o objetivo a ser atingido nesses pacientes. O Diabetes Mellitus por ser uma doença evolutiva requer mudanças nos hábitos de vida como: alimentação equilibrada e atividade física e constatou-se que 64,71% dos entrevistados adotam um estilo de vida nada favorável e dizem não terem recebido nenhum tipo de orientação quanto ao tratamento não-medicamentoso, somente o que devem ou não comer. A dieta deve ser personalizada e adaptada às condições sócioeconômicas do paciente. As proteínas devem corresponder de 10 a 20% da dieta. O excesso pode levar à nefropatia diabética. As gorduras devem corresponder a no máximo 30%, sendo menos de 10% de gorduras saturadas, 10% de poliinsaturadas e complementar com as gorduras monoiinsaturadas. O paciente diabético deve ingerir 25 a 30g de fibras solúveis e insolúveis ao dia. Os carboidratos devem representar de 50 a 60% do total calórico diário, de preferência carboidratos complexos e com alto conteúdo de fibras solúveis. O paciente deve ser orientado sobre como contar carboidratos de forma a poder fazer substituições que mantenham a normoglicemia. Também, ele deve receber uma tabela que oriente quanto às substituições (MARQUES et al., 2009). A ingesta de sal deve ser limitado a 6g/dia. Devem ser evitados os alimentos processados, como embutidos, conservas, enlatados, defumados e salgados de pacotes do tipo snacks (SBD, 2007). Neste estudo percebeu-se a dificuldade dos pacientes em realizar a automonitorização glicêmica pelo difícil acesso aos equipamentos e tiras reagentes fornecidos pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e por questões financeiras da maioria dos entrevistados. A automonitorização no paciente diabético é um fator de extrema importância, pois ela nos mostra o grau de controle nas glicemias pré e pósprandiais e, ao mesmo tempo, funciona como um fator educativo para o paciente, pois qualquer transgressão alimentar ou omissão de uma refeição se refletirá em hiper ou hipoglicemia (BRASIL, 2006). A automonitorização glicêmica (AMG) é parte integrante do conjunto de intervenções e componente

22 essencial de uma efetiva estratégia terapêutica para o controle adequado do diabetes. Este procedimento permite ao paciente avaliar sua resposta individual à terapia, possibilitando também avaliar se as metas glicêmicas recomendadas estão sendo efetivamente atingidas. Os resultados da AMG podem ser úteis na prevenção da hipoglicemia, na detecção de hipo e hiperglicemias nãosintomáticas e no ajuste da conduta terapêutica medicamentosa e nãomedicamentosa, tanto para portadores de diabetes mellitus tipo 1 (DM1) como para os portadores de diabetes mellitus tipo 2 (DM2), variando apenas a freqüência recomendada, a qual deve ser definida pelas necessidades individuais e pelas metas de cada paciente (SBD, 2008). De acordo com a Figura abaixo, observa-se que os pacientes diabéticos deste estudo não se enquadram nas diretrizes para automonitorização, recomendadas pela SBD, Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes, 2006; do ponto de vista prático o ideal é que o paciente apresente: Glicemia de jejum entre 90 e 120 mg/dl; Glicemia pré-prandial de até 140 mg/dl; Glicemia pós-prandial de até 180 mg/dl. Dentre os entrevistados, verificou-se a glicemia de jejum utilizando o glicosímetro Accu-check performa (Roche) e observou-se que cerca de 90% estavam com a glicemia de jejum alterada conforme tabela 4 e 5.

23 O tratamento insulinoterápico foi verificado em 50% dos pacientes diabéticos entrevistados. O esquema utilizado pela maioria deles foi a convencional com uma ou duas doses de insulina ao dia. Este é o regime insulínico mais comumente utilizado entre os pacientes diabéticos (SBD, 2006). A insulina é um hormônio que deve ser conservado de maneira adequada para que sejam garantidas as suas propriedades farmacológicas. Para a conservação da mesma recomenda-se: As insulinas devem ser armazenadas em geladeiras, na porta ou na parte inferior; A insulina que está em uso poderá ser mantida em temperatura ambiente (15º-30º C) por até um mês. Nesse caso, deixar o frasco no lugar mais fresco da casa, como por exemplo, perto do filtro de água; Em caso de viagens colocarem os frascos de insulina em bolsa térmica ou caixa de isopor. Não é necessário colocar gelo. Caso não tenha bolsa térmica ou isopor, leve o frasco em bolsa comum, junto a você, onde não receba a luz do sol, diretamente. Quanto à conservação da insulina os diabéticos entrevistados mostraram-se positivos, informados e disciplinados em relação a isso. A reutilização de seringas nesses pacientes foi de até seis vezes. Teoricamente, as agulhas deveriam ser descartadas sempre após uma aplicação. Entretanto, na prática, isso não acontece. Sendo assim, a literatura considera como reutilização segura do conjunto seringa/agulha por até oito aplicações, sempre pela mesma pessoa, desde que respeitadas as orientações sobre armazenamento em geladeira ou em lugar adequado, com a devida proteção da agulha por sua capa protetora plástica. A higiene das mãos e dos locais de aplicação é fundamental para proporcionar a segurança necessária quanto à reutilização com conjunto seringa/agulha (MARQUES, et al., 2009). Quanto ao Atendimento do SUS (Sistema único de Saúde) constatou-se após análise dos resultados que a distribuição de medicamentos, incluindo insulina e seringa, assim como as consultas e exames médicos, parecem não satisfazer a maioria de todos os entrevistados. Acredita-se que implementar um programa de educação em diabetes que possa priorizar a capacitação dos profissionais, a fim de qualificar o atendimento a esta clientela, possa minimizar o impacto da doença na família

24 e, minimizar não só o sofrimento do paciente diabético mas também as complicações decorrentes desta enfermidade. È imprescindível o envolvimento dos profissionais e familiares no cuidado de pessoas diabéticas. Uma estratégia que deve ser utilizada é o incentivo a participação de grupos diabéticos, envolvendo os familiares, o que poderá contribuir para a adesão aos cuidados, visando a prevenção de complicações agudas e crônicas.

25 7.0 Conclusão Pode-se observar diante dos resultados obtidos que esses dados, além de preocupantes, no que se refere à necessidade de adoção de medidas que previnam os agravos à saúde da população, geram reflexos sobre os custos inerentes às ações desenvolvidas no próprio Sistema Único de Saúde. A necessidade de um profissional farmacêutico que atue não apenas no aspecto gerencial, e sim no contato direto com os usuários, seja na dispensação, no acompanhamento da utilização dos medicamentos, na orientação ao uso ou nas ações coletivas, contribuiria efetivamente para a otimização de recursos fornecidos pelo SUS. Desta forma a necessidade de um profissional especialista em medicamento no trabalho direto com a comunidade alia-se a programas ministeriais, como o Programa Saúde da Família (PSF), e cria-se a oportunidade da efetiva inserção do farmacêutico no Sistema Único de Saúde. A presença do farmacêutico nos ambulatórios, PSF e NASF é fundamental para se ter uma farmacoterapia mais efetiva e segura e consequentemente reduzir as complicações decorrentes do diabetes.

26 8.0 Referências Bibliográficas PINCINATO, Eder C., Atualização no diagnóstico, classificação para o diabetes mellitus (DA). Revista Brasileira de Ciência da Saúde, São Paulo, v.1, n 1, p.p jan/jun.2003 STACCIARINI, Thaís Santos Guerra; Haas, Vanderlei José and Pace, Ana Emília Fatores Associados à auto-aplicação nos usuários com Diabetes Mellitus acompanhados pela estratégica saúde da família.cad. Saúde Pública, jun/2008, vol.24, nº6,p ISSN X. Disponível em acesso em 12/10/2008. DALL Antônia, Cristina and Zanetti, Maria Lúcia Auto-Aplicação de insulina em crianças portadoras de Diabetes Mellitus tipo 1. Ver. Latino-Americana de Enfermagem, jul 2000, vol.8, nº3, p ISSN Disponível em acesso em 12/10/2008. CASTRO, Ampario del Rocio Vintimilla and Grossi, Sonia Aurora Alves Reutilização de Seringas Descartáveis no Domicílio de crianças e adolescentes com Diabetes Mellitus. Rev. Esc. Enferm. Usp. Jun 2007, vol.41,nº2,p ISSN Disponível em Acesso em 12/10/2008 SBD. SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Dados sobre Diabetes Mellitus no Brasil Disponível em: php. Acesso em 23/09/2008. Brasil.Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção À Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diabetes Mellitus/Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica Brasília: Ministério da Saúde, p.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS 8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS Autor(es) MIRIÃ DE CASTRO COSTA Orientador(es) PATRÍCIA CARREIRA

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE DOENÇA RENAL CRÔNICA Nome da Liga: LIGA DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL Tutores: ELIZABETH DE FRANCESCO DAHER SÔNIA MARIA HOLANDA

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB Esmeraldina Ana Sousa e Silva-Faculdade de Enfermagem Nova Esperança

Leia mais

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez).

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez). 1 DIABETES NA GRAVIDEZ 1 a edição: setembro/2008 Próxima revisão prevista para setembro/2010 O diabetes mellitus é doença metabólica crônica, caracterizada por hiperglicemia. É responsável por índices

Leia mais

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ.

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ. Referências bibliográficas: 1. Sociedade Brasileira de Diabetes. Algoritmo para o tratamento do diabetes tipo 2 atualização 2011. Posicionamento Oficial SBD no. 3. São Paulo: SBD; 2011. 2. Sociedade Brasileira

Leia mais

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite Insulinização http://www.imepen.com/niepen Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite CONTROLE GLICÊMICO NO BRASIL: Mendes AB, et al. Acta

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

S a, 22 de dezembro de 2014. J. AO EXPEO ERNO EM 2 114 GER. UDtOGONÇALVEff í PRESIDENTE

S a, 22 de dezembro de 2014. J. AO EXPEO ERNO EM 2 114 GER. UDtOGONÇALVEff í PRESIDENTE :.:4:. GP-RI-2007/14 Senhor Presidente, J. AO EXPEO ERNO EM 2 114 GER S a, 22 de dezembro de 2014. UDtOGONÇALVEff í PRESIDENTE Em ate 'ã ao requerimento n 2070/2014, de autoria do Vereador FERNANDO L S

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA Instrutora: Enf. Dra.Thaís S Guerra Stacciarini DIABETES MELLITUS: conjunto de síndromes

Leia mais

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Batizada pelos médicos de diabetes mellitus, a doença ocorre quando há um aumento do açúcar no sangue. Dependendo dos motivos desse disparo, pode ser de dois tipos.

Leia mais

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 Sinônimos: Diabetes, hiperglicemia Nomes populares: Açúcar no sangue, aumento de açúcar. O que é? Doença

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O QUE É DIABETES? Trata-se de uma doença crônica que ocorre quando o pâncreas não produz insulina ou quando o corpo não consegue utilizar

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre MELLITUS Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre O Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crônicas não transmissíveis (DCNT), de alta prevalência cujos fatores de risco e complicações representam hoje

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

Como viver bem com diabetes

Como viver bem com diabetes Como viver bem com diabetes Sumário 3 5 7 8 10 12 14 15 16 17 19 O que é diabetes? Como saber se tenho diabetes? Por que controlar bem o diabetes? Alimentação Por que fazer exercícios físicos? Tratamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Conceito Importância - Prevalência Classificação Diagnóstico Tratamento Não farmacológico Farmacológico Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, 2011 www.diabetes.org.br

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão.

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTOCUIDADO

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus tipo 2. Qualidade de vida. Questionário Diabetes Quality of Life Measure (DQOL).

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus tipo 2. Qualidade de vida. Questionário Diabetes Quality of Life Measure (DQOL). 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EDUCAÇÃO

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 TABUS ALIMENTARES DESCRITOS POR PACIENTES DIABÉTICOS DE LAVRAS MG DALILA PEREIRA DE MENDONÇA 1 ; JULIANA DE BRITO MIAMOTO 2 ; ROSEANE MARIA EVANGELISTA OLIVEIRA 3 ; ANDREA RESENDE COSTA DE OLIVEIRA 4 ;

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA 1 A PARTICIPAÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS Michele Muller 1 Gabriele Bester Hermes 2 Liziane Maahs Flores 3 1 Apresentadora, Acadêmica do Curso

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br ANS - Nº 34.388-9 0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br Março 2007 Programa de Atenção ao Diabetes O que é diabetes? AUnimed-BH preocupa-se com a saúde e o bem-estar dos seus clientes, por isso investe em

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS)

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório 1a) Diabetes Mellitus Tipo 1, Tipo

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES Entendendo o Diabetes Mellitus Dra. Jeane Sales Macedo Dra. Iraci Oliveira Objetivos Capacitar profissionais

Leia mais

TEMA: Sistema Integrado Inteligente de Infusão Contínua de Insulina ACCU-CHEK COMBO

TEMA: Sistema Integrado Inteligente de Infusão Contínua de Insulina ACCU-CHEK COMBO Nota Técnica Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível TJMG Numeração Única: 1.0145.11.015633-1/001 Data: 06/12/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Sistema

Leia mais

DIABETES MELLITUS (DM) Professora Melissa Kayser

DIABETES MELLITUS (DM) Professora Melissa Kayser DIABETES MELLITUS (DM) Professora Melissa Kayser DM: Conceitos Doença causada pela falta, absoluta ou relativa, de insulina no organismo. Insulina: é um hormônio, responsável pelo controle do açúcar no

Leia mais

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com Enfermagem em Clínica Médica Diabetes Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com É um grupo de doenças metabólicas, com etiologias diversas, caracterizado por hiperglicemia que resulta de

Leia mais

O QUE É O DIABETES. Linha do tempo - estimativa da OMS para o Diabetes. 15 anos

O QUE É O DIABETES. Linha do tempo - estimativa da OMS para o Diabetes. 15 anos O QUE É O DIABETES Uma condição crônica que ocorre quando o pâncreas não produz insulina suficiente ou quando o corpo não consegue utilizar eficazmente a insulina produzida. A hiperglicemia e outros distúrbios

Leia mais

Tendências do Diabete Melito

Tendências do Diabete Melito Tendências do Diabete Melito Francine Leite Carina Martins Marcos Novais José Cechin Superintendente Executivo Apresentação Este texto apresenta a evolução das taxas de mortalidade e morbidade por Diabete

Leia mais

Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013)

Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013) Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013) Rutten GEHM De Grauw WJC Nijpels G Houweling ST Van de Laar FA Bilo HJ Holleman F Burgers JS Wiersma Tj Janssen PGH

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

Educação em Diabetes da Faculdade Municipal "Professor Franco Montoro"

Educação em Diabetes da Faculdade Municipal Professor Franco Montoro Educação em Diabetes da Faculdade Municipal "Professor Franco Montoro" Mogi Guaçu/SP Educação em Diabetes da Faculdade Municipal Professor Franco Montoro RESUMO A educação em diabetes é parte imprescindível

Leia mais

Atribuições Clínicas do Farmacêutico

Atribuições Clínicas do Farmacêutico Atribuições Clínicas do Farmacêutico Evolução dos gastos com medicamentos do Ministério da Saúde 650% crescimento R$ Atualizado: 10/02/2014 Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS Hospitalizações

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

Identificar o conhecimento dos portadores de. administração da insulina no domicílio.

Identificar o conhecimento dos portadores de. administração da insulina no domicílio. INSULINA NO DOMICÍLIO: AVALIAÇÃO DO USO DOS INSULINO-DEPENDENTES DE UMA UBSF DE CAMPINA GRANDE-PB. ELISÂNGELA BRAGA DE AZEVEDO* FLÁVIA ALVES AGUIAR SIQUEIRA ELAINE BRAGA FAUSTINO INTRODUÇÃO Escolha do

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso.

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 ESTADO NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA CLÍNICA ESCOLA DE

Leia mais

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM Paula Bogalho S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Hosp. Curry Cabral, Lisboa, 20.2.2010 Diabetes Crescimento nos países em desenvolvimento Diabetes

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006.

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006. GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006. Aprova os critérios e normas para a Assistência Farmacêutica aos portadores de Diabetes.

Leia mais

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 MARINA SOUSA PINHEIRO MOTA ALUÍSIO DE MOURA FERREIRA MARIA DE FÁTIMA RAMOS DE QUEIROZ MARIA DO SOCORRO RAMOS DE QUEIROZ DANIELE IDALINO

Leia mais

SUMÁRIO DIABETES...4 O QUE É PRÉ-DIABETES...5 TIPO DE DIABETES...6 PREVENÇÃO...8 DIAGNÓSTICO...8 DETECÇÃO DO DIABETES...9 TRATAMENTO...

SUMÁRIO DIABETES...4 O QUE É PRÉ-DIABETES...5 TIPO DE DIABETES...6 PREVENÇÃO...8 DIAGNÓSTICO...8 DETECÇÃO DO DIABETES...9 TRATAMENTO... 2 SUMÁRIO DIABETES...4 O QUE É PRÉ-DIABETES...5 TIPO DE DIABETES...6 PREVENÇÃO...8 DIAGNÓSTICO...8 DETECÇÃO DO DIABETES...9 TRATAMENTO...10 PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA...17 PLANO ALIMENTAR...18 CUIDANDO

Leia mais

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO Roberta Kelle de Araújo Melo (FACENE) - robertakamelo@hotmail.com Morganna Guedes Batista (FACENE) - morganna_guedes@hotmail.com Rayra Maxiana

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A Estratificação de Risco na SMS de Curitiba HAS Diabete melito + Laboratório de Inovações na Atenção às

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ANÁLISE DO RISCO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA EM GRUPO DE TERCEIRA IDADE DUTRA, Janaína Ultado 1 ; SILVA, Luana Aparecida Alves da 2 ; EBERHARDT, Thaís Dresch 3 ; CAVALHEIRI, Jolana Cristina 3 ; SOUZA,

Leia mais

DIABETES E SINAIS VITAIS

DIABETES E SINAIS VITAIS AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 DIABETES E SINAIS VITAIS Marcia Nery Equipe Médica de Diabetes Hospital das Clínicas da FMUSP Definição Diabetes mellitus: Doença

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

TABAGISMO, SEDENTARISMO E SOBREPESO COMO FATORES ASSOCIADOS À DIABETES MELLITUS TIPO II NOS ANOS DE 2010 E 2011 NO ESTADO DE MINAS GERAIS.

TABAGISMO, SEDENTARISMO E SOBREPESO COMO FATORES ASSOCIADOS À DIABETES MELLITUS TIPO II NOS ANOS DE 2010 E 2011 NO ESTADO DE MINAS GERAIS. TABAGISMO, SEDENTARISMO E SOBREPESO COMO FATORES ASSOCIADOS À DIABETES MELLITUS TIPO II NOS ANOS DE 2010 E 2011 NO ESTADO DE MINAS GERAIS. SMOKING, SEDENTARY LIFESTYLE AND OVERWEIGHT AS FACTORS ASSOCIATED

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II

AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II 1. Objetivos das aulas práticas 1.1 Gerais Ser capaz de, através do cadastramento, detectar problemas, pensar nas causas destes problemas e propor soluções

Leia mais

"ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA"

ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA "ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA" SHOSSLER ¹, T.S.; FREITAS ¹, G.; LOPES ², E.; FRASNELLI ¹,

Leia mais

Que tipos de Diabetes existem?

Que tipos de Diabetes existem? Que tipos de Diabetes existem? -Diabetes Tipo 1 -também conhecida como Diabetes Insulinodependente -Diabetes Tipo 2 - Diabetes Gestacional -Outros tipos de Diabetes Organismo Saudável As células utilizam

Leia mais

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA Costa 1, A. A. S., Soares 2, C. S., Pires 3, P. R. S., Moreira 4, A. G. E. ; Filipini 5, S. M. 1,2,3,4,5 Univap/Enfermagem,

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*.

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. SILVA, Kelvia Donato¹; SILVA, Lorrayne Emanuela Duarte¹;

Leia mais