Anais. IV Simpósio Gêneros Híbridos da Modernidade A NARRATIVA POLICIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anais. IV Simpósio Gêneros Híbridos da Modernidade A NARRATIVA POLICIAL"

Transcrição

1 Anais IV Simpósio Gêneros Híbridos da Modernidade Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Faculdade de Ciências e Letras de Assis 08 a 10 de maio de 2012 Organização dos Anais Dra. Cátia Inês Negrão Berlini de Andrade Dra. Maira Angélica Pandolfi Dra. Norma Domingos

2 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Vice-Reitor no exercício da Reitoria - Prof. Dr. Julio Cezar Durigan FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS DE ASSIS Diretor - Dr. Ivan Esperança Rocha Vice-Diretora - Dra. Ana Maria Rodrigues de Carvalho Chefe do Departamento de Letras Modernas - Dr. José Luís Félix Vice-Chefe do Departamento de Letras Modernas - Dra. Cátia Inês Negrão Berlini de Andrade Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Letras - Dra. Cleide Antonia Rapucci Vice-Cordenador do Programa de Pós-Graduação em Letras - Dr. Álvaro Santos Simões Junior Grupo de Pesquisa - Narrativas Estrangeiras Modernas: Gêneros Híbridos da Modernidade (CNPq) Líder - Dra. Maria Lídia Lichtscheidl Maretti Vice-líder - Dr. Antonio R. Esteves Comissão organizadora do evento Dra. Ana Maria Carlos Dr. Antonio R. Esteves Dra. Brigitte Monique Hervot Dra. Carla Cavalcanti e Silva Dra. Cátia Inês Negrão Berlini de Andrade Dra. Cleide Antonia Rapucci Dr. Francisco Cláudio Alves Marques Dra. Maira Angélica Pandolfi Dra. Maria de Fátima A. de O. Marcari Dra. Maria Lídia Lichtscheidl Maretti Dra. Norma Domingos Dr. Sérgio Augusto Zanoto Kátia Rodrigues M. Miranda César Palma dos Santos Luana Aparecida de Almeida Tchiago Inague Rodrigues Comissão científica do evento Dra. Ana Maria Carlos Dr. Antonio R. Esteves Dra. Brigitte Monique Hervot Dra. Carla Cavalcanti e Silva Dra. Cleide Antonia Rapucci Dr. Francisco Cláudio Alves Marques Dra. Gabriela Kvacek Betella Dra. Luciana Moura Colucci de Camargo Dr. Márcio A. S. Maciel Dra. Maira Angélica Pandolfi Dra. Maria Lídia Lichtscheidl Maretti Dra. Norma Domingos Dr. Sérgio Augusto Zanoto Dr. Wellington Ricardo Fioruci Secretária do evento - Dra. Norma Domingos Equipe de Apoio - Maria Catarina Ferreira de Jesus Machado e Juliana Porto Arte - Luana Domingos Cesetti Gomyde Revisão dos Abstracts - Dra. Cleide Antonia Rapucci e Guilherme Mariano Martins da Silva Evento realizado na Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Câmpus de Assis, de 08 a 10 de maio de 2012, com apoio de: FUNDUNESP, Departamento de Letras Modernas, Programa de Pós-Graduação em Letras e SAEPE. 2

3 Sumário Apresentação 5 Textos completos 7 ALVES, Maria Cláudia Rodrigues 8 ANDRADE, Anderson de Souza; BINATO, Cláudia Valéria Penavel 21 ASK, Célia Cristina de Azevedo 29 BETELLA, Gabriela Kvacek 40 BOTOSO, Altamir 49 CALLIPO, Daniela Mantarro 59 CARLOS, Ana Maria 67 COPATI, Guilherme; LAGUARDIA, Adelaine 77 DANTAS, Gregório 88 DOMINGOS, Norma 97 FERREIRA, Eliane Aparecida Galvão Ribeiro; VALENTE, Thiago Alves 105 FERREIRA, Sandra 118 FIORUCI, Wellington R. 130 FRANCO, Gabriele; PANDOLFI, Maira Angélica 143 GROSSI, Solange 151 HERVOT, Brigitte Monique 161 KOBAYASHI, Teresa Cristina 172 LANDUCCI, Camila Aparecida 181 LOPES, Jorge Augusto da Silva 188 MARCARI, Maria de Fátima Alves de Oliveira 198 MILREU, Isis 206 MORAES, Carla D.; FIORUCI, Wellington R. 219 NAGAE, Neide Hissae 229 3

4 NEVES, Angela das 239 PAGLIONE, Marcela Barchi 248 PANDOLFI, Maira 257 PARRINE, Raquel 266 PIVA, Paula Cristina 274 PORTO, Teresa Augusta Marques 283 REMIGIO, Cristiane Aguiar 291 RIBEIRO, Fernanda Aparecida; MIRANDA, Katia Rodrigues Mello 299 ROCHA, Denise 307 ROCHA, Renato Oliveira 322 RODRIGUES, Tchiago Inague 334 SANTOS, César Palma 343 SANTOS, Héder Junior dos 352 SANTOS, Juliana Oliveira Macedo dos 366 SANTOS, Luana Ester Alves de Souza 374 SCHRAMM JR., Roberto Mário 382 SENA, José Eduardo Botelho de 392 SOUZA, Laís Brancalhão; FERREIRA, Eliane Aparecida Galvão Ribeiro 402 ZOCARATO, Clayton Alexandre 409 4

5 APRESENTAÇÃO O IV Simpósio Gêneros Híbridos da Modernidade: a narrativa policial foi realizado entre os dias 08 e 10 de maio de 2012, na Faculdade de Ciências e Letras, câmpus de Assis. O evento, em sua quarta edição, é organizado pelo Grupo de Pesquisa Narrativas Estrangeiras Modernas: Gêneros Híbridos da Modernidade, vinculado ao Departamento de Letras Modernas, registrado junto ao CNPq, cujo líder e vice-líder são, respectivamente, Profa. Dra. Maria Lídia Lichtscheild Maretti (UNESP-Assis) e Prof. Dr. Antônio Roberto Esteves (UNESP-Assis). O Grupo de Pesquisa reúne docentes de Universidades Brasileiras como a UNESP, USP, UNIFAL, UNIOESTE, UFPR, UFMS e UEMS. Desde sua criação em 2002, o Grupo tem promovido diversas atividades, organizando encontros próprios ou participando da organização de Simpósios em eventos de maior porte. Da mesma forma, tem publicado os resultados de suas pesquisas em diversos meios, seja em livros organizados pelo Grupo, seja em revistas especializadas. Dentro de seu objetivo geral de estudar a questão dos gêneros na narrativa literária e suas interfaces, visando um redimensionamento da categoria após a incorporação de gêneros mistos, ocorrida na literatura do século XX, o Grupo desenvolve projetos bianuais que se dedicam às várias modalidades de narrativas híbridas. Desse modo, já foram estudados e apresentados em eventos científicos os resultados de pesquisas acerca da relação entre literatura e história, sobre narrativas do eu, narrativas de viagem e literatura no cinema. O IV Simpósio, por sua vez, focou-se na apresentação de trabalhos sobre a narrativa policial. Durante os dias do evento foram ministradas duas conferências, a de abertura, proferida pela Dra. Vera Lúcia Follain de Figueiredo, da PUC-RJ, Declínio da estética da provocação: a retomada do gênero policial e a de encerramento, Paratextos iconográficos de romances policiais, apresentada pela Dra. Maria Cláudia Rodrigues Alves, do IBILCE/UNESP, São José do Rio Preto. As mesas-redondas Narrativa policial: percursos, Narrativa policial: (re)leituras e Policial e fantástico: releituras de Poe, traçaram um panorama sobre o gênero policial desde os clássicos do gênero até as releituras da atualidade. No decorrer do evento foram apresentadas cerca de oitenta comunicações. Boa parte dessas apresentações percorreu os principais caminhos da narrativa policial a partir da análise de obras ou de personagens clássicos do gênero como Edgar Allan Poe, Conan Doyle, Leonardo Sciascia, Georges Simenon, Sherlock Holmes, Dupin, Maigret, entre outros. Outros 5

6 trabalhos, porém, se focaram nas releituras e trouxeram para o centro da análise obras que também se tornaram grandes clássicos da literatura como, por exemplo, O nome da rosa, de Umberto Eco. Foram abordadas e analisadas, ainda, narrativas policiais que têm como característica a presença de um tipo especial de personagem histórico, seja como protagonista ou personagem secundário, que de uma maneira ou de outra faz parte da trama. Assim, nessa nova tendência nos deparamos com a ficcionalização de escritores como Jorge Luis Borges, Ernest Hemingway, Pablo Neruda, Guy de Maupassant, entre outros. Além das conferências, mesas-redondas e sessões de comunicações o evento contou também com atividades culturais como a Performance teatral Os crimes da rua Morgue pela Cia Em Cena Ser, com adaptação e interpretação de Cristiana Gimenes e a exibição do filme, seguida por debate coordenado pelo Dr. Antonio R. Esteves, O segredo dos seus olhos (2009), de Juan José Campanella. Desse modo, acreditamos que o IV Simpósio Gêneros Híbridos da Modernidade: a narrativa policial proporcionou um amplo diálogo entre todos os pesquisadores e representou uma contribuição para os estudos dos gêneros híbridos. Estes Anais apresentam os textos completos que foram enviados para a publicação. Todos efetivamente apresentados no evento nas sessões de comunicações e um deles em uma das conferências. A comissão organizadora dos Anais não procedeu a nenhuma revisão dos arquivos enviados, exceto a dos abstracts, sendo o conteúdo de cada texto de inteira responsabilidade de seus respectivos autores. 6

7 TEXTOS COMPLETOS 7

8 Paratextos iconográficos de romances policiais ALVES, Maria Cláudia Rodrigues (UNESP/São José do Rio Preto) RESUMO: É costume dizer que nunca devemos julgar um livro por sua capa. No entanto, se todo livro conta uma história, toda capa de livro também conta. A capa pode dizer-nos muito sobre um livro ou, ao contrário, criar grande suspense para o leitor/consumidor. A pesquisa referente às capas de livros, peritexto editorial, assim denominado por Genette em Palimpsestes (1982), e posteriormente em Seuils (1987), insere-se nos estudos de Literatura Comparada, na teoria da Imagologia, que busca estudar as relações culturais entre os povos e também da Sociologia da Literatura. Foi a partir do exame do paratexto iconográfico, mais especificamente das capas da obra de Rubem Fonseca traduzida para o francês, que começou nosso interesse por esse tipo de material. O presente texto é parte de um estudo mais abrangente sobre as capas de romances policiais. Trata-se de um recorte que busca observar a evolução das capas de alguns dos romances antológicos do gênero para, em seguida, focalizar capas de romances brasileiros traduzidos para outras línguas/culturas, sobretudo de autores brasileiros traduzidos na França. Nesse percurso, notaremos aspectos a respeito da evolução das artes gráficas, das opções editoriais que podem evidenciar um projeto editorial ou não. Também nos permitiremos emitir algumas hipóteses a respeito da recepção da literatura brasileira traduzida no exterior e sua difusão e recepção, a partir das capas estrangeiras. PALAVRAS-CHAVE: literatura comparada; romance policial; paratextos; peritexto editorial; capas. RÉSUMÉ: Selon l expression consacrée: il ne faut pas juger de l arbre par l écorce, c est-à dire, on ne doit jamais juger un livre par sa couverture. Cependant, si tous les livres racontent une histoire, toutes les couvertures le font aussi. La couverture peut nous dire beaucoup sur le livre ou, contrairement, créer un grand suspense auprès du lecteur/consommateur. La recherche concernant les couvertures, le péritexte éditorial, comme l appelait Genette en Palimpsestes (1982), et ultérieurement en Seuils (1987), s inscrit dans les études de Littérature Comparée, dans la théorie de l Imagologie, qui cherche à étudier les rapports culturels entre les peuples et également dans la Sociologie de la Littérature. C est à partir de l examen du paratexte iconographique, en spécial des couvertures de l œuvre de Rubem Fonseca, traduite pour le français, qui est né notre intérêt par ce genre de matériel. Ce texte-ci fait partie d une étude plus étendue sur les couvertures de romans policiers. Il s agit d une coupure qui cherche à observer l évolution des couvertures de quelques romans anthologiques de ce genre pour, ensuite, focaliser les couvertures de romans brésiliens traduits en d autres langues/cultures, surtout des auteurs brésiliens traduits en France. Dans ce parcours, nous remarquerons des aspects concernant l évolution des arts graphiques, des options éditoriales qui peuvent démontrer un projet éditorial ou non. Nous nous permettrons aussi d émettre quelques hypothèses concernant la réception de la littérature brésilienne traduite à l étranger et sa diffusion et réception, à partir des couvertures y produites. MOTS-CLÉS: littérature comparée; roman policier; paratextes; péritexte éditorial; couvertures. 8

9 Convém iniciarmos este panorama explicando que nosso interesse pelo estudo de paratextos data de nossas pesquisas já na graduação com vistas à dissertação de Mestrado, na qual exploramos a presença de Victor Hugo em Álvares de Azevedo, por meio das epígrafes hugoanas na obra azevediana (ALVES, 1999). Em seguida, nossa tese de Doutorado abordou a recepção de Rubem Fonseca na França. Nesse estudo, analisamos diversos paratextos (prefácios, epígrafes, correspondência trocada entre autor e tradutor, capas, contracapas e orelhas etc). Nesta apresentação, buscaremos realizar um recorte desse material, evidenciando os aspectos paratextuais iconográficos (ilustrações de capas). Para tanto, teceremos algumas considerações a respeito da noção de paratexto, lançaremos mão de alguns exemplos de capas próprias ao gênero policial a partir de capas antológicas de romances policiais, para finalmente citarmos alguns autores brasileiros traduzidos na França e, mais especialmente, grande parte da obra de Rubem Fonseca traduzida. Partimos, pois, do conceito de paratexto, evidenciado por Gérard Genette, para quem: A obra literária consiste exaustiva ou essencialmente, em um texto, ou seja (definição extremamente minimalista) em uma sequência mais ou menos longa de enunciados verbais mais ou menos providos de significado. Mas esse texto raramente se apresenta em seu estado «nu», sem o reforço e o acompanhamento de um certo número de produções, verbais ou não, como um nome de autor, um título, um prefácio, ilustrações, os quais nunca sabemos se devemos considerar que pertencem ao texto, mas que, em todo caso, estão ao seu redor e o prolongam, justamente para APRESENTÁ-LO 1, no sentido habitual desse verbo, mas também, em seu mais forte sentido: para TORNÁ-LO PRESENTE, para garantir sua presença no mundo, sua «recepção» e seu consumo, sob a forma, ao menos hoje, de um livro. Consideramos pois o paratexto como sendo tudo aquilo que faz de um texto um livro e se propõe como tal a seus leitores e, mais genéricamente, ao público. (GENETTE, 1987, p.7-8) Podemos pensar que a atual capa de nossos livros evoluíram das iluminuras medievais, ornamentos das letras iniciais de parágrafos/capítulos. Sendo assim, as ilustrações, iluminuras ou posteriormente pranchas ilustrativas, são talvez uma das primeiras formas paratextuais de narrativas que surgiram antes do aparato paratextual editorial que conhecemos hoje e que, pela história da editoração, é historicamente bem recente. Dessa forma, ao nos debruçarmos sobre as ilustrações presentes em capas de romances policiais, delimitamos bastante nosso campo de observação e, aparentemente, 1 TRADUÇÃO E GRIFO NOSSOS 9

10 atentamos somente para o aspecto gráfico das obras, para o que se dá a ver. No entanto, como disse recentemente o escritor angolano José Eduardo Agualusa, em programa de televisão da TV Senado, em princípio quando compramos um vinho pela garrafa, compramos o conteúdo e não o continente, com o livro é a mesma coisa, importa-nos igualmente a relação entre a capa e o texto, o conteúdo do livro, pois a capa deve ser a promessa de seu conteúdo. Interessa-nos aqui observar e mostrar de que forma alguns romances policiais foram/são apresentados ao público leitor, revelando uma certa tradição das capas do gênero, bastante clássica, que visa atingir, seduzir, esse público, desde sempre, de maneira simples, com características comuns e, por vezes, com alguma originalidade, no exterior e no Brasil. Interessa-nos igualmente verificar se as capas de romances brasileiros traduzidos no exterior aqui citados revelam um projeto editorial mais domesticador ou exoticizante, em que nível eles respeitam o pacto da promessa da narrativa. Vale, pois, iniciarmos nossa apresentação traçando aqui um breve panorama das capas mais conhecidas do gênero. Selecionamos inicialmente, a título de exemplo e evolução gráfica, o antológico romance de Conan Doyle The hound of the Baskervilles. A capa de1902, do pintor e ilustrador Alfred Garth Jones, traz o vulto de um cão que será, inúmeras vezes, retomado e reutilizado ao longo do século XX e XXI. O leitor reconhece de imediato a referência que evolui com as capas. A realização de capas clássicas ou plenas de clichês do gênero policial pode apresentar, entretanto, na atualidade, releituras que buscam inovar e sugerir ludicamente a relação entre o conteúdo e sua apresentação, como as duas capas dos romances de James Ellroy que jogam com elementos da narração e o próprio objeto livro, o que nos parece bastante lúdico e inovador: 10

11 L O design gráfico no Brasil tem inevitavelmente raízes norte-americanas e européias, mas muito rapidamente buscou originalidade estilística e sofisticação conceitual. As capas de livros, inicialmente realizadas por membros de uma equipe editorial, foram pouco a pouco sendo material de criação de capistas profissionais, hoje ainda denominados capistas ou designers gráficos. E o que importávamos ou copiávamos no início do século XX foi rapidamente substituído por um ofício que valoriza o profissional nacional. No caso das capas de romances policiais traduzidos no Brasil observamos a tendência gráfica expressionista do início do século XX, muito popular e cujo estilo ainda hoje é explorado em edições mais populares, cujo maior representante foi o gaúcho Edgar Koetz. Uma outra tendência gráfica são as capas com figuras femininas com grande apelo sexual. A partir dos anos 60/70, composições abstratas começam a serem consideradas. Mais recentemente, o gênero vem sendo revisitado por algumas editoras, merecendo capas mais sofisticadas, e evidenciando e valorizando o autor, por exemplo. E por falar em Dashiell Hammett (última imagem acima), e em sua obra O Falcão maltês, um dos maiores clássicos do gênero, sugerimos aqui observarmos o percurso de sua capa. A capa original, de 1930 do romance de Dashiell Hammett apresenta a estatueta, objeto da cobiça do romance, com uma mão cheia de jóias. 11

12 A figura do falcão vai ser constantemente utilizada na capa das diversas edições pelo mundo, com as mais diversas variações, como poderemos observar mais adiante. Abre-se uma exceção às cores amarela/dourada e negra, quando a obra é inserida em alguma coleção que já tem na capa características próprias, como é o caso da famosa coleção inglesa Penguin Crime, na qual grafismos negros, por vezes com algum detalhe em branco, saltam sobre o fundo verde. 12

13 Porém, em geral, as capas do romance evocarão, com freqüência, a estátua do falcão, eventualmente um grafismo relacionado a crime (um corpo atingido por um golpe, uma arma...). Não podemos deixar de citar igualmente capas nas quais a presença feminina evocam, com maior ou menor intensidade e sutileza, o apelo sexual: 13

14 Pelo mundo, seja qual for a época e o tipo de representação figurando na capa do Falcão maltês, é inevitável, entretanto que haja dois momentos bem distintos: antes e depois do antológico filme estrelado por Humphrey Bogart. A partir desse momento, inclui-se a opção extremamente utilizada de grafismos com o perfil do ator ou mesmo fotos do filme. No Brasil, não foi diferente e uma rápida consulta às capas nos mostra que a preferência em geral recai sobre a utilização da referência ao filme. O jogo de luz e sombras, em fotos ou em grafismo, a utilização do preto e branco são igualmente marcas do gênero, assim como uma constante utilização de cores fortes. No entanto, retomamos nosso comentário a respeito das coleções. Muitas vezes, uma capa original mais singela e direta, perde, na edição traduzida em prol de um projeto editorial já estabelecido. Observemos o que ocorre com as obras de Luiz Alfredo Garcia-Roza e Tony Bellotto na edição francesa. Elementos da capa que dialogam com o textual, na capa em 14

15 português, desaparecem na coleção francesa. No entanto, a opção da coleção francesa não deixa de ser bastante interessante. A imagem feminina no círculo nos sugere, misteriosamente, a chegada de uma mulher vista por um olho mágico de uma porta, por exemplo. Quando não passam por um filtro que os uniformiza, em geral, a opção das edições estrangeiras recai na opção de exotização. No caso de nossos autores que têm como pano de fundo o cenário do Rio de Janeiro, é inevitável que certas capas originais mais intimistas passem a ter paisagens cariocas consagradas em suas edições estrangeiras, como no caso abaixo: Fato semelhante ocorrerá com a obra de Rubem Fonseca, o que merecerá nosso comentário mais adiante. Vale ainda salientar que esse procedimento, por vezes é muito bem explorado como no caso de uma das capas da edição francesa de Inferno de Patrícia Mello, na qual um Cristo Redentor vermelho é colocado sobre fundo negro. Essa capa nos parece bastante bem sucedida: 15

16 Ainda sobre o jogo de luzes e sombras e alguns clichês presentes em capas do gênero policial, destacamos os elementos das duas capas abaixo, distantes no tempo, mas tão próximas: atentemos para as duas figuras e a importância do olhar em ambas as capas, para o jogo de sombras evidente na primeira capa e as sugestões na segunda (em vermelho, no chão, o contorno de um corpo, na parede, um vulto que persegue o homem à janela), as inevitáveis cores vermelha e o preto: À guisa de conclusão, revisitaremos algumas capas de Rubem Fonseca que ilustram o percurso de suas edições francesas e desvendam alguns projetos editoriais. Abaixo, a edição brochure de A grande arte, em francês e sua edição de bolso. A primeira traz a paisagem do Rio de Janeiro e a segunda, um grafismo Amore de Elvira Bach. O cenário dos romances de Fonseca é, em geral, o Rio de Janeiro. No primeiro exemplo, vemos que a paisagem carioca foi utilizada na edição que consagrou o romance e, em seguida, optou-se por uma capa mais composta, mais chamativa, com a cor vermelha em destaque e que sugere, por todos seus elementos, uma intriga plena de clichês do romance policial: amor, sexo, mulheres, corpos etc. É preciso destacar que, apesar dos sinais de exotismo, em geral no que diz respeito à obra fonsequiana (e de Garcia-Roza igualmente) parece inevitável que se explore elementos da narrativa ligados ao potencial do exotismo brasileiro e, sobretudo, carioca. A capa de Buffo 16

17 & Spallanzani traz o Pão de Açúcar ao fundo, mas não deixa de ter no emblema do carro em primeiro plano, o sapo, de onde provém o veneno da trama. A opção da imagem do destaque de carnaval na capa da edição francesa de Vastas emoções e pensamentos imperfeitos pode parecer exagerada, mas parte da trama gira em torno do Carnaval. São elementos internos à narrativa, explorados de forma inteligente pela editora nas respectivas capas, que cumprem seu papel tanto paratextual, quanto comercial. Observemos as capas de Agosto para a edição francesa em brochure e a edição de bolso francesa. A parte a enorme gafe editorial relativa ao título de Un été brésilien (Um verão brasileiro) para o romance Agosto, verificaremos o incrível mal entendido das capas. Pode-se vislumbrar na primeira a intenção do artista em representar elementos do submundo (o malandro e a prostituta) em uma atmosfera tropical (charuto, palmeiras, chapéu panamá). A cor vermelha também é sugestiva: tanto do clima tropical, como de uma intriga criminal. Embora se reconheça aqui a qualidade do trabalho de Philippe Sohiez, a capa não é completamente reveladora do conteúdo do romance uma ficção histórica, mas trata-se de uma ilustração bastante sugestiva, contendo os clichês de uma capa de romance policial. Ao se pesquisar sobre o fotógrafo e artista plástico Philippe Sohiez, verifica-se a preocupação na elaboração dessa capa. Segundo informações fornecidas pelo ilustrador da capa da edição brochure de Un été brésilien, o fotógrafo e artista plástico Philippe Sohiez, em geral há dois procedimentos para a escolha de uma capa de livro, por parte dos editores e maquetistas, que 17

18 contenha foto ou ilustração: uma encomenda ou a utilização de material já existente nos bancos de imagens ou agências de fotos como a Getty, a Corbis e a Photonica. Philippe Sohiez nos esclareceu como se realizou a encomenda para o grafismo e como foi sua concepção, em depoimento de : Para falar bem rapidamente de nosso papel de ilustrador. Ele se limita, em geral, à leitura do comentário da 4ª. capa, para ter uma idéia. Nos dias de hoje, as criações tornam-se cada vez mais raras. Os editores e os projetistas buscam suas ilustrações em bancos de imagens e escolhem a que convém melhor ao romance... Para voltar à capa de Un été brésilien, estávamos ainda a época em que se realizavam capas sob encomenda e como se trata de um tempo já ultrapassado, tudo era feito globalmente, sem meios informáticos, pouco difundidos na época. Portanto, em geral, trata-se de uma fotomontagem, com fotografias tiradas de meu arquivo. - um fundo de palmeiras - uma personagem tipo mafioso da América do Sul - uma jovem, tipo prostituta A fotomontagem é realizada recortando-se e colando-se as imagens. O conjunto é fotocopiado, primeiro em preto e branco. Em seguida eu utilizei uma copiadora CANON em cores para banhos de diferentes cores. Para a edição de bolso, imaginamos que a mesma informação deve ter sido passada à equipe de edição, sem, no entanto, mencionar que se tratava da ditadura getulista (o que também é um erro histórico, já que o romance não se insere exatamente nesse período). Porém, vemos que a imagem utilizada na edição de bolso representa claramente uma cena comum à ditadura da década de 70 no Brasil. Esse tipo de mal entendido é bastante comum. A função do paratexto como vestíbulo da narrativa, como elemento de diálogo entre imagem inicial e conteúdo textual fica comprometida e perde sua força, desacreditando a publicação. Acreditamos que este breve panorama possa ter sido esclarecedor de algumas opções editoriais quanto às capas de romances policiais e mais especificamente sobre alguns romances brasileiros traduzidos para o francês. Buscamos apenas ressaltar alguns elementos mais utilizados pelo mercado editorial internacional quanto ao gênero policial, características que são mantidas, experiências inovadoras e outras mais clássicas, algumas releituras desses elementos, que fazem das capas de romances policiais importantes indícios da recepção do gênero e de nossa literatura traduzida no exterior. 2 Depoimento obtido via internet em

19 REFERÊNCIAS: ALVES, M.C.R. Rubem Fonseca na França. Tese (Doutorado em Letras) Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, BELLOTTO, T. Bellini e o demônio. São Paulo: Companhia das Letras, Bellini et le demon. Arles: Éditions Actes Sud, FONSECA, R. Du grand art. Paris: Grasset, Bufo & Spallanzani. Paris: Grasset, Vastes émotions et pensées imparfaites. Paris: Grasset, Un été brésilien. Paris: Grasset, Du grand art. Paris: Librairie Générale Française/Grasset, (Collection Le Livre de Poche, n 13694). Un été brésilien. Paris: Librairie Générale Française/Grasset, (Collection Le Livre de Poche, n 13969) GARCIA-ROZA, L.A. O silêncio da chuva. São Paulo: Companhia das Letras, Uma janela em Copacabana. São Paulo: Cia. das Letras, Le silence de la pluie. Arles: Éd. Actes Sud, 2004/ Une fenêtre à Copacabana. Arles: Éd. Actes Sud, GENETTE, G. Seuils. Paris: Seuil, P.7-8 MELO, P. Inferno. São Paulo: Cia. das Letras, Enfer. Arles: Éd. Actes Sud, 2001/2004. IMAGENS Disponível em: <http://www.google.com.br.>. Acesso em: 23 jan Disponível em: <http://fr.images.search.yahoo.com/search/images.>. Acesso em 23 jan Disponível em: <http://en.wikipedia.org/wiki/the_hound_of_the_baskervilles.>. Acesso em: 23 jan Disponível em: <http://stargazerpuj.wordpress.com/2010/07/.>. Acesso em: 25 jan Disponível em: <http://www.tumblr.com/tagged/the-hound-of-the->. Disponível em: <baskervilles?before= > Acesso em: 25 jan Disponível em: <http://fr.images.search.yahoo.com/search/images;_ylt=a0pdodmm_cdqtf8a_4llaqx.?p=c ouvertures+james+ellroy&fr=sfp&ei=utf-8&n=30&x=wrt.>. Acesso em: 27 jan

20 Disponível em: <www.soberma.com.>. Acesso em: 27 jan

21 O clássico e a interface policial em Poe: origens e intertextualidade ANDRADE, Anderson de Souza (UNESP/Assis) BINATO, Cláudia Valéria Penavel (UNESP/Assis) RESUMO: Há intertextualidade entre o conto de Edgar Allan Poe, O Gato Preto (1843), cujo protagonista, após assassinar sua esposa, encerrou-lhe o corpo em uma parede do porão, e algumas histórias clássicas da mitologia como a de Níobe, filha de Tântalo, circundada viva por uma camada de pedra, a de Perséfone, que desceu ao Hades em vida, e a do filho de Drias, que foi confinado por Dioniso em uma prisão de pedra, além do trágico fim sofocleano de Antígona, que, por ter desobedecido às ordens da autoridade, foi, igualmente, enclausurada ainda vivente em uma caverna, como também o cegamento de Édipo. A morte e a maneira pela qual foram inseridos em paredes os corpos dessas personagens mostram as referências comuns entre essas histórias e a narrativa policial, que geralmente envolve crimes, detetives, mistérios, investigações e punições. Vale ressaltar que não há lugar para a impunidade em obras policiais. Assim, é possível encontrar em outros gêneros características próprias da literatura policial, em que o leitor é motivado, pela trama do suspense, não só a desvendar assassinatos, mas também a desejar o castigo de criminosos. Pretende-se, nestas considerações, indicar alguns pontos de convergência entre o gênero híbrido da modernidade - a narrativa policial -, mediante análise, mormente pelo viés psicanalítico, do conto de Poe, e os clássicos da Antiguidade. PALAVRAS-CHAVE: Literatura Fantástica; Tragédia; Intertextualidade. ABSTRACT: There is intertextuality between the short story by Edgar Allan Poe, The Black Cat (1843), whose protagonist, after murdering his wife buried her body in a basement wall, and some classic stories from mythology like that of Niobe, daughter of Tantalum, surrounded alive by a layer of stones, of Persephone, who descended into Hades in life, and the son of Drias, who was confined by Dionysus in a prison of stone, and the tragic end in Sophocles Antigone, who, disobeying the orders of authority, was also enclosed still living in a cave. The death and the way in which the bodies of these characters are placed in walls show the common references between these stories and police narrative, which often involves crimes, detectives, mysteries, investigations and punishments. It is noteworthy that there is no place for impunity in police novel. It is possible to find in other genres characteristics of detective fiction, in which the reader is motivated by the plot of suspense, not only to unravel murders, but also want the punishment of criminals. It is intended, with this presentation, indicate some points of convergence between the hybrid genre of modernity - the police narrative - through analysis of Poe's story, and the classics of antiquity. KEYWORDS: Fantastic Literature; Tragedy; Intertextuality. Entre a literatura clássica e a moderna, apesar da distância temporal que as separa, pode existir intertextualidade. Ao falar dos mitos clássicos, seria mais prudente fazer 21

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

FACULDADE DE PITÁGORAS RESENHA - ANTÍGONA

FACULDADE DE PITÁGORAS RESENHA - ANTÍGONA FACULDADE DE PITÁGORAS RESENHA - ANTÍGONA TEIXEIRA DE FREITAS 2011 FACULDADE DE PITÁGORAS Naguimar Moura M. Martins Núbia S. de Brito RESENHA - ANTÍGONA TEIXEIRA DE FREITAS 2011 Naguimar Moura M. Martins

Leia mais

Alguns planos de aula elaborados pelos bolsistas Angelita, Sheynna e Willian.

Alguns planos de aula elaborados pelos bolsistas Angelita, Sheynna e Willian. Alguns planos de aula elaborados pelos bolsistas Angelita, Sheynna e Willian. Leitura do conto O gato preto, de Edgar Allan Poe (duas aulas) 1- Leitura compartilhada do conto, dividido em duas partes.

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

Natureza e Artificialidade nas mulheres das poesias de Victor Hugo e Charles Baudelaire

Natureza e Artificialidade nas mulheres das poesias de Victor Hugo e Charles Baudelaire Natureza e Artificialidade nas mulheres das poesias de Victor Hugo e Charles Baudelaire Grace Alves da Paixão 1 Orientadora: Gloria Carneiro do Amaral Resumo: O objetivo deste resumo é o de expor algumas

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Sou a nona filha entre dez irmãos. Nasci numa cultura com padrões rígidos de comportamento e com pouco afeto. Quando eu estava com um ano e quatro meses, contraí poliomielite que me deixou com sequelas

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES Vanilde Gonçalves dos Santos LEITE; Rogério SANTANA F L - UFG vanildegsl@hotmail.com Palavras-chave: Regionalismo Evolução

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

A jornada do herói. A Jornada do Herói

A jornada do herói. A Jornada do Herói A Jornada do Herói Artigo de Albert Paul Dahoui Joseph Campbell lançou um livro chamado O herói de mil faces. A primeira publicação foi em 1949, sendo o resultado de um longo e minucioso trabalho que Campbell

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio No segundo semestre de 1970, as revistas que publicavam fotonovelas no Brasil ocupavam o segundo lugar em tiragem e circulação, perdendo apenas para as revistas

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ]

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ] Nádia da Cruz Senna Artista plástica, pesquisadora e professora adjunta da Universidade Federal de Pelotas, atuando junto as disciplinas de Desenho, Design e História em Quadrinhos. alecrins@uol.com.br

Leia mais

RESUMO ABSTRACT RÉSUMÉ

RESUMO ABSTRACT RÉSUMÉ ALMEIDA, Patrícia Neves. O Como e suas formas de manifestação na prática do jogo teatral. Sorocaba: Universidade de Sorocaba; Professora Assistente. Arte-Educadora. RESUMO O presente trabalho apresenta

Leia mais

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS Alan Rafael Valente (G-CCHE-UENP/CJ) Douglas Felipe Bianconi (G-CCHE-UENP/CJ) Gabriel Arcanjo Brianese (G-CCHE-UENP/CJ) Samantha Cristina Macedo Périco (G-CCHE-UENP/CJ)

Leia mais

As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade

As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade Sugestões de atividades As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade 9 CIÊNCIAS 1 Ciências Naturais 1. Por que a Física é considerada uma ciência básica? 2. O que a Biologia estuda? 3. O que

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo SONHOS: uma questão de contingências Renata Cristina Rodrigues Alves 1 Resumo: O comportamento de sonhar, para a Análise do Comportamento, está associado a eventos privados cujo acesso se dá através do

Leia mais

artigos sérios sobre tradução

artigos sérios sobre tradução 1 Introdução A principal motivação para este trabalho foi a redescoberta da seção Versão Brasileira, publicada mensalmente na revista Língua Portuguesa, após ter entrado em contato, durante o meu mestrado,

Leia mais

VEROSSIMILHANÇA: BREVE ROMANCE DE SONHO DE ARTHUR SCHNITZLER E AURA DE CARLOS FUENTES

VEROSSIMILHANÇA: BREVE ROMANCE DE SONHO DE ARTHUR SCHNITZLER E AURA DE CARLOS FUENTES VEROSSIMILHANÇA: BREVE ROMANCE DE SONHO DE ARTHUR SCHNITZLER E AURA DE CARLOS FUENTES Gabriela Silva 1 A questão da verossimilhança tem sido discutida desde Aristóteles, que a definiu na Poética, como

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

O IMPACTO DA MÍDIA TELEVISIVA NA CULTURA DO CONSUMO E NA FORMAÇÃO INTELECTUAL DO SER HUMANO

O IMPACTO DA MÍDIA TELEVISIVA NA CULTURA DO CONSUMO E NA FORMAÇÃO INTELECTUAL DO SER HUMANO O IMPACTO DA MÍDIA TELEVISIVA NA CULTURA DO CONSUMO E NA FORMAÇÃO INTELECTUAL DO SER HUMANO JUSTINO, Yagda Aparecida de Campos Acadêmica do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU Garça/SP

Leia mais

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA CAVALHEIRO, Kaline (UNIOESTE G/Pibic - CNPq) DIAS, Acir (UNIOESTE Orientador) RESUMO: O presente trabalho tem como objeto o estudo da cultura, mitos e imagens presentes

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

Perdão. Fase 7 - Pintura

Perdão. Fase 7 - Pintura SERM7.QXD 3/15/2006 11:18 PM Page 1 Fase 7 - Pintura Sexta 19/05 Perdão Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem

Leia mais

LITERATURA PORTUGUESA II AULA 04: A PROSA REALISTA TÓPICO 02: A PROSA DE EÇA DE QUEIRÓS Fonte [1] Eça de Queirós em 1882. José Maria de Eça de Queirós (Póvoa de Varzim, 1845 Neuilly-sur- Seine, 1900) estudou

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação. Dinheiro: o centro do mundo

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação. Dinheiro: o centro do mundo Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação Dinheiro: o centro do mundo Trabalho realizado para disciplina Produção Textual Docente: Ivan

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

Desde os anos oitenta nos acostumamos a um nome que logo se transformaria. Otavio Henrique Meloni 1

Desde os anos oitenta nos acostumamos a um nome que logo se transformaria. Otavio Henrique Meloni 1 297 UM COLAR DE EXPERIÊNCIAS: O OLHAR COTIDIANO DE MIA COUTO EM O FIO DAS MISSANGAS Otavio Henrique Meloni 1 RESUMO O escritor moçambicano Mia Couto apresenta em O fio das missangas sua vertente mais perspicaz:

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS 1 Introdução O presente estudo se insere no contexto do sistema penitenciário feminino e, empiricamente, tem como tema as

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de aulas de História Autora: Professora Vanessa Maria Rodrigues Viacava

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA CRÔNICAS E CONTROVÉRSIAS Neste número, a seção Crônicas e Controvérsias apresenta dois textos: o primeiro, de Sírio Possenti, acerca da resenha do livro de Alice Krieg- -Planque A noção de fórmula em análise

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

Martin Heidegger, La Question de la Technique, in Essais et Conférences, Paris, Éd. Gallimard, 1968. 2

Martin Heidegger, La Question de la Technique, in Essais et Conférences, Paris, Éd. Gallimard, 1968. 2 1 PREFÁCIO O objectivo destas páginas é o de apresentar, de maneira acessível e resumida, as principais técnicas da comunicação e da informação, que constituem, em conjunto, um dos domínios que mais directamente

Leia mais

Enquadramento Histórico

Enquadramento Histórico Enquadramento Histórico Aquilo que os cristãos conhecem de Paulo resume-se a dois ou três momentos da sua vida: a conversão na estrada de Damasco, o discurso no areópago de Atenas, o martírio na cidade

Leia mais

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS Kaio Santos Diniz Graduado em Geografia pela Universidade Estadual da Paraiba, professor da disciplina

Leia mais

A amizade abana o rabo

A amizade abana o rabo RESENHA Leitor iniciante Leitor em processo Leitor fluente ILUSTRAÇÕES: Marina relata, nessa história, seu encontro com cães especiais, que fazem parte de sua vida: Meiga, Maribel e Milord. A história

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

A MONSTRUOSIDADE E SUAS FACES EM NOTRE-DAME DE PARIS. A obra Notre-Dame de Paris de Victor Hugo tornou-se uma fonte de matéria-prima

A MONSTRUOSIDADE E SUAS FACES EM NOTRE-DAME DE PARIS. A obra Notre-Dame de Paris de Victor Hugo tornou-se uma fonte de matéria-prima 1 A MONSTRUOSIDADE E SUAS FACES EM NOTRE-DAME DE PARIS Maria Conceição Lima Santos (UFS/DLE) I. INTRODUÇÃO A obra Notre-Dame de Paris de Victor Hugo tornou-se uma fonte de matéria-prima que vem contribuindo

Leia mais

Panorama Critico #03 - Out/Nov 2009

Panorama Critico #03 - Out/Nov 2009 Lia no infinitivo Vitor Butkus A análise de um objeto artístico pode se valer de procedimentos drásticos, mesmo cruéis. Um bom começo, para amenizar a situação, é a descrição da obra. Por aí, se elabora

Leia mais

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS 1 TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS Profa. Teresa Cristina Melo da Silveira (Teca) E.M. Professor Oswaldo Vieira Gonçalves SME/PMU 1 Comunicação Relato de Experiência Triangulação de Imagens foi o nome escolhido

Leia mais

2- Ao apresentar a narrativa sobre o acidente ocorrido numa BR, colisão frontal, o personagem Deus reforça o argumento de que:

2- Ao apresentar a narrativa sobre o acidente ocorrido numa BR, colisão frontal, o personagem Deus reforça o argumento de que: Nome: Diurno Curso: Matrícula: Período: Prova Rosa Sala: Livro: O julgamento de Lúcifer 1- Como democracia, se estamos numa ditadura? Essa fala de Leandro expressa: a)a violência gratuita praticada contra

Leia mais

VARIAÇÕES CULTURAIS DO CONCEITO DE FELICIDADE

VARIAÇÕES CULTURAIS DO CONCEITO DE FELICIDADE VARIAÇÕES CULTURAIS DO CONCEITO DE FELICIDADE Andreza Santos Cruz Maynard* Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP andreza@getempo.org O francês Georges Minois dedicou parte de sua

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

Historia das relações de gênero

Historia das relações de gênero STEARNS, P. N. Historia das relações de gênero. Trad. De Mirna Pinsky. Sao Paulo: Contexto, 2007. 250p. Suellen Thomaz de Aquino Martins Santana 1 Historia das relações de gênero aborda as interações entre

Leia mais

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema Luciana Ferreira Pinto 1 1.Introdução Desde o início da Escola dos Anais, na França, os objetos de estudo da História vêm se modificando, exigindo

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

2014 Agosto Ed. 15 1

2014 Agosto Ed. 15 1 2014 Agosto Ed. 15 1 2 2014 Agosto Ed. 15 Editorial Caros assinantes, Como sinalizamos na edição de julho, esta edição fala sobre Felicidade. Começar a construir uma edição abordando um tema tão profundo

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. RESENHA AGOSTINHO, Márcio Roberto Mestre em Ciências da Religião MACKENZIE SÃO PAULO/SP BRASIL Coordenador do Curso de Psicologia - FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: casteloagostinho@yahoo.com.br 1. Indentidade

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

IGUALDADE NA DIFERENÇA Projeto interdisciplinar sobre inclusão social

IGUALDADE NA DIFERENÇA Projeto interdisciplinar sobre inclusão social IGUALDADE NA DIFERENÇA Projeto interdisciplinar sobre inclusão social A diversidade através dos tempos Obra: O corcunda de Notre-Dame Autor: Victor Hugo Adaptador: Jiro Takahashi Ilustrador: Jayme Leão

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

AFETIVIDADE NA ESCOLA: ALTERNATIVAS TEÓRICAS E PRÁTICAS *

AFETIVIDADE NA ESCOLA: ALTERNATIVAS TEÓRICAS E PRÁTICAS * AFETIVIDADE NA ESCOLA: ALTERNATIVAS TEÓRICAS E PRÁTICAS * MÁRIO SÉRGIO VASCONCELOS ** ão é recente a discussão sobre o papel da afetividade na constituição da subjetividade humana. Inserida na história

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas.

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas. ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática I Era uma vez um gato xadrez... Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto.

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais