Detetive e cientista: 1 A abdução como expertise do Jornalismo Investigativo Seane Melo 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Detetive e cientista: 1 A abdução como expertise do Jornalismo Investigativo Seane Melo 2"

Transcrição

1 Resumo Detetive e cientista: 1 A abdução como expertise do Jornalismo Investigativo Seane Melo 2 O presente artigo busca analisar como o conceito peirciano da abdução vem sendo apropriado no discurso do jornalismo investigativo de maneira direta e indireta. Com esse estudo, relacionamos as contribuições da semiótica de C. S. Peirce, que dizem respeito, sobretudo, às três formas de raciocínio abdução, dedução e indução, com o método de trabalho jornalístico descrito em livros e artigos sobre jornalismo investigativo. Dessa forma, demonstramos até que ponto o imaginário do jornalista investigativo flerta com a figura do detetive policial, por um lado, e com a do cientista, por outro, de acordo com os diferentes contextos de prática profissional. Palavras-chave: Jornalismo investigativo; abdução; expertise; imaginário. Introdução Que características um jornalista precisa possuir para mergulhar no jornalismo investigativo? Que conhecimentos? Que métodos? Estas foram algumas das questões elaboradas implícita ou explicitamente ao longo das variadas tentativas de definição do jornalismo investigativo no seu campo de atuação, e, em respostas às quais, alguns imaginários foram produzidos ou acionados para caracterizar a profissão. Nesse trabalho, buscamos nos aproximar de algumas dessas respostas e analisar suas implicações à luz da semiótica de C. S. Peirce, especialmente, como base no conceito de abdução. Antes de nos determos em nossa análise entre o método jornalísticoinvestigativo e os métodos detetivesco e científico, cabe uma breve elucidação da concepção peirciana de abdução. Como enfatizado por vários estudiosos (SEBEOK, ECO, entre outros), o conceito de abdução é utilizado por Peirce na elaboração da 1 Trabalho apresentado no GT Representação Social e Mediações socioculturais, do VI Congresso de Estudantes de Pós-Graduação em Comunicação, na categoria pós-graduação. UERJ, Rio de Janeiro, outubro de Mestranda em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo. Graduada em Comunicação Social/ Jornalismo pela Universidade Federal do Maranhão. Pesquisa elites culturais e políticas; jornalismo investigativo; intersecção entre jornalismo, literatura e política. 1

2 tricotomia que descreve a construção de conhecimento científico, porém, devido a sua abrangente definição, já foi instrumentalizada para elucidar a produção de diversos tipos de conhecimento, que variam da resolução de um crime a um simples diagnóstico médico. Na escada do raciocínio científico, a abdução ocuparia o primeiro degrau. Após a observação de um caso particular, o indivíduo seria levado a produzir uma suposição, hipótese ou conjectura que o explicasse. Em seguida, deveria tentar comprovar sua hipótese, extraindo suas consequências lógicas (dedução) e tentar experimentá-la (indução). Por isso, segundo o autor, ela seria o único argumento que inicia uma nova idéia (PEIRCE apud SEBEOK, 1991, p. 23). Segundo as palavras do próprio Peirce, A presunção, ou mais precisamente, a abdução, provê o raciocinador com a teoria problemática a qual a indução verifica. Vendo-se confrontado com um fenômeno distinto daquele que seria esperado de acordo com as circunstâncias, o raciocinador examina suas particularidades e percebe algum traço marcante ou relações entre elas, o que, de imediato, reconhece como sendo característico de alguma concepção que já se encontra estocada em sua mente e, assim, sugere-se uma teoria que poderia explicar (isto é, tornar necessário) aquilo que é surpreendente nesse fenômeno (2:776). (PEIRCE apud HARROWITZ, 1991, p. 201, grifos do autor). Apesar de a definição parecer simples, a confusão entre os três tipos de raciocínio persiste. Para esclarecer, Peirce (2: apud HARROWITZ, 1991) desenvolveu o seguinte esquema: Dedução Regra Caso Resultado Todos os feijões deste saco são brancos. Estes feijões provêm deste saco. Estes feijões são brancos. Indução Caso Resultado Regra Estes feijões provêm deste saco. Estes feijões são brancos. Todos os feijões deste saco são brancos. 2

3 Abdução Regra Resultado Caso Todos os feijões deste saco são brancos. Estes feijões são brancos. Estes feijões provêm deste saco. No esquema acima, Peirce dá o nome de Regra ao que ele também chama de lei da natureza ou, simplesmente, experiência. Resultado, no caso da abdução, assume o significado de fato observado. É interessante perceber que, ao mencionar a experiência como um prérequisito para a abdução, Peirce abre margens para diferentes interpretações (não conflitantes) desta categoria de raciocínio. Observa-se assim que, apesar de estar situada em uma cadeia de raciocínios lógicos, a abdução não abre mão de seu caráter instintivo, que faz a ponte entre a percepção ou experiência individual e os aspectos do mundo (leis naturais), ocupando um espaço subliminar no pensamento. Os diferentes elementos de uma hipótese estão em nossa mente antes que conscientemente cogitemos dela, mas, é a idéia de reunir aquilo que nunca antes sonhamos reunir que faz brilhar a sugestão nova diante de nossa contemplação (5.181). (SEBEOK, 1991, p. 22). A pesquisa científica e o método detetivesco A definição ampla de abdução em Peirce gerou várias reflexões em autores que a enxergavam ora mais próxima do instinto e das sensações (já altamente codificados), ora mais próxima do acaso e da criatividade. A partir dessa observação, Bonfantini e Proni (1991) propuseram uma análise comparativa do método de Sherlock Holmes e do método científico defendido por Peirce. Segundo os autores, é possível enxergar uma perfeita correspondência estrutural entre a lógica de investigação segundo Sherlock e a lógica do processo de conhecimento em geral e da ciência em particular segundo Peirce. Isto implicaria em 3

4 dizer que os três estágios de inferência constituiriam uma constante comum para a construção de qualquer conhecimento, tanto para o enfrentamento dos problemas práticos do dia a dia, quanto para investigações com um procedimento especializado, ou para a pesquisa científica propriamente dita (1991, p.136). Porém, esta correspondência estrutural não implica necessariamente uma identidade de método. Para os autores, a diferença básica entre os objetivos da investigação criminal e científica já poderia apontar que estaríamos trabalhando com tipos diferentes de abdução. Ele [Sherlock] vê e registra mais coisas e não despreza os detalhes aparentemente mais insignificantes (e este é um ponto sobre o qual ele insiste bastante quando explica seu método a Watson) na cena do crime. Ele analisa e compara o que está implícito nos vários resultados da observação. Ele combina e vincula consequentemente e tendo sempre em mente os diversos aspectos do problema as várias séries de hipóteses que formula gradativamente (BONFANTINI E PRONI, 1991, p. 137). Nesse trecho, os autores deixam claro que, no caso do detetive, as investigações consistem mais em observações precisas de fatos ocorridos espontaneamente do que em reconstituições experimentais de fatos artificialmente preparados, selecionados ou purificados. Eles concluem, a partir da análise da história de Um Estudo em Escarlate, que todas as abduções de Sherlock Holmes apresentam duas características: simplicidade e eficiência. Para os autores, isso implica que elas carecem de maior originalidade, acaso e risco criativo. A montagem de quebra-cabeça, como o trabalho do detetive, requer uma observação acurada e um conhecimento enciclopédico de modo a dispor à mão o conjunto finito e pré-determinado de imediatas e adequadas possíveis soluções hipotéticas. Então, necessita-se de treino em cálculo lógico, frieza e paciência para comparar e selecionar hipóteses, até que se encontre a linha de interpretação que fornece a única solução que se adequa a todas as pistas. (BONFANTINI E PRONI, 1991, p. 140, grifos do autor) Originalidade e criatividade são as chaves para a proposta classificatória dos dois autores e também para a proposta de Eco (1991), no mesmo livro. Das distinções entre a investigação criminal e a pesquisa científica, portanto, poderíamos extrais três tipos de abdução. A abdução de tipo um (BONFANTINI et al.) ou abdução 4

5 hipercodificada (ECO) seria aquela em que a lei empregada para apresentar uma resposta a um caso particular seria dada de modo obrigatório e automático ou semiautomático. Em seu artigo, Eco exemplifica que a habilidade de Zadig, personagem da história de Voltaire, de reconhecer a pegada dos animais corresponderia a esse tipo de abdução por ter relação com um conhecimento que já está codificado (o conhecimento da anatomia desses animais). A abdução de tipo dois ou abdução hipocodificada seria aquela em que a lei empregada para apresentar uma resposta poderia ser encontrada por seleção em uma série de leis disponíveis. É o que fazem, normalmente, os médicos ao diagnosticar uma doença. A abdução de tipo três ou abdução criativa seria aquela em que a lei utilizada para resolver o caso precisa ser inventada. Este tipo de abdução consiste no trabalho desenvolvido por cientistas que alteram paradigmas. As diferenciações traçadas pelos pesquisadores servem como arsenal metodológico para estabelecer distinções entre o trabalho de detetives e cientistas. Ainda que todos trabalhem com investigações e em buscas de respostas que expliquem um fenômeno ou caso particular, fica demonstrado como a abdução pode acontecer em diferentes níveis de codificação e criatividade. Com as descrições apresentadas acima sobre o método de Sherlock Holmes e com essas pontuações em mente, podemos analisar o discurso de alguns jornalistas investigativos que buscam definir o método de trabalho desta especialidade jornalística e as características próprias aos seus agentes. Elementar, meu caro leitor Por ser uma especialidade de difícil conceituação, o jornalismo investigativo ainda pode ser visto como fruto de disputas discursivas que tentam legitimar uma definição. Enquanto alguns jornalistas, incluindo alguns daqueles que são normalmente intitulados como jornalistas investigativos é o caso do atual diretor da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) Fernando Rodrigues 5

6 (SEQUEIRA, 2005, p. 65) defendem que o jornalismo investigativo é um pleonasmo, outros pesquisadores, como Cleofe Sequeira, procuram conceituar a especialidade. Ao buscar definir o jornalismo investigativo como uma categoria jornalística, Sequeira pretende também delimitar suas características e formas de atuação. Segundo a autora, a conceituação desta categoria deveria ser encontrada na práxis jornalística, que expõe as diferenças entre a prática do jornalismo diário de atualidades e a do jornalismo de cunho investigativo. Apropriando-se dos estudos de Lage, Sequeira apresenta uma primeira fase do trabalho jornalístico investigativo da seguinte forma: Lage define, ainda que rapidamente, as fases em que se processa uma reportagem investigativa, da concepção à publicação. A concepção, na sua visão, pode decorrer de várias experiências: pequenos fatos inexplicáveis ou curiosos, pistas dadas por informantes ou fontes regulares, leituras, notícias novas ou a observação direta da realidade. (SEQUEIRA, 2005, p. 25). Podemos observar no trecho acima que as características que antecedem e que, ao mesmo tempo, compõem a abdução de Peirce já estão aí descritas. Assim, o trabalho do repórter investigativo se iniciaria com um fato curioso, cuja identificação, por si só, já exigiria uma certa sensibilidade do repórter. Em entrevista a Sequeira, o jornalista Percival de Souza aproxima o trabalho jornalístico do trabalho de um detetive e ressalta a reportagem deve trabalhar com uma metodologia especial, cuja guia deve ser a sensibilidade. Nesse caso, o profissional, como um detetive, lança mão de estratégias, às vezes nada ortodoxas, para conseguir as informações necessárias. Ele precisa batalhar pela informação, descobrir quem pode desvendar algum fato que está sendo escondido da sociedade e, para isso, usar uma metodologia especial (2005, p.63). Percival de Souza não é o único que defende que o repórter investigativo faz uso de metodologias especiais e para isso necessita de sensibilidade. Citados por Sequeira, o jornalista colombiano Geraldo Reys e a teórica Montserrat Quesada possuem posicionamentos semelhantes. O primeiro define o repórter investigativo como um especialista na montagem de um quebra-cabeça, cujas peças estão dispersas 6

7 e alguém precisa mantê-las escondidas. Na visão de Reys, o repórter na sua função investigativa busca informações utilizando o que chama de olfato inquisitivo, partindo de suposições, que geralmente são levantadas antes do início da fase de apuração (SEQUEIRA, 2005, p. 67). Já Quesada enfatiza a importância de uma intuição, que não se baseia em metodologia precisa ou lógica, mas sem a qual não se avança no processo de investigação. Como podemos observar, a sensibilidade, o olfato inquisitivo e a intuição elencados nesses discursos podem ser vistos apenas como nomes alternativos para o conceito de abdução de Peirce, ainda que aqui estejamos nos referindo principalmente ao tipo de abdução mais relacionada aos sentidos e fortemente codificada (abdução de tipo um). Essa associação já havia sido estabelecida pela pesquisadora Sandra Regina Moura. Analisando o jornalismo, a partir da semiótica peirceana, Moura (2002 apud SEQUEIRA, 2005) defende que é desse tipo de raciocínio que o repórter investigativo se vale na busca por novos ângulos para dar conta de sua investigação. Um relato de Percival de Souza (apud SEQUEIRA, 2005) e do emblemático caso Watergate (FORTES, 2012) exemplificam com o repórter investigativo utiliza sua sensibilidade ou realiza abduções no trabalho jornalístico. Percival revela como conseguiu uma fazer uma entrevista exclusiva com Saccomani, presidente da Sociedade Esportiva Palmeiras acusado de golpe financeiro. As fontes oficiais dos jornalistas de esportes garantiam que o suspeito havia fugido para o Paraguai, mas a intuição de Percival o fazia acreditar que ele ainda estaria no Brasil. Assim, descobriu que um advogado o defenderia no Tribunal de Justiça e decidiu acompanhar a sessão para em seguida seguir o advogado, que, segundo sua suposição, deveria encontrar com o acusado imediatamente. Percival seguiu o advogado até o prédio do Hotel Jaraguá onde encontrou Saccomani, provando sua teoria, e conseguiu que esse desse uma entrevista. O caso Watergate é citado por Fortes (2005, p. 35), quando se refere ao primeiro passo para um jornalismo investigativo. Segundo o autor, os jornalistas do The Washington Post, Bob Woodward e Carl Bernstein, conseguiram dar o furo de 7

8 reportagem sobre a instalação de escuta ilegal na sede do partido democrático por gente relacionada ao presidente republicano Richard Nixon porque deram importância a uma notícia que contava o flagrante dado em invasores no prédio Watergate. O caso havia sido arquivado por falta de prova, mas os jornalistas foram ao local investigar e encontraram alguns detalhes que tinham passado despercebido por outros jornalista, como a caderneta de um dos invasores que continha o nome do assessor da Casa Branca. Então, o olho do repórter investigativo tem que suplantar a pura curiosidade, assumir um quê de detetive mesmo, conclui Fortes (2005, p. 35). Mas não só de intuição e sensibilidade vive o investigador. Ainda na análise de Um Estudo em Escarlate, Bonfantini e Proni avaliam as hipóteses de Sherlock Holmes e concluem que elas incidem em quatro classes: a) apoiam-se em setores comprovados e institucionalizados nas ciências experimentais (botânica, geologia, química, medicina, etc.); b) apoiam-se em áreas especiais de conhecimento e técnicas de classificação e identificação (no conto, o exemplo é a capacidade de Sherlock de identificar a marca do charuto pelas cinzas); c) apoiam-se em conhecimentos vastos oriundos dos hábitos da vida cotidiana (por exemplo, reconhecer a bitola da roda como de um veículo de aluguel) e d) apoiam-se no senso comum ou em conhecimentos ordinários. Da mesma forma que as hipóteses de Sherlock se apoiam em uma enciclopédia de conhecimentos possuídos pelo personagem de Conan Doyle, também faz parte do discurso sobre o jornalismo investigativo a necessidade de domínio de alguns conhecimentos pelo repórter investigativo. Ao elencar o passo a passo do jornalismo investigativo, Fortes coloca ao lado de qualidades como paciência e concentração, insistência e perseverança e atenção especial, o conhecimento policial básico e arquivos bem organizados. Quanto ao primeiro, segundo o autor, é recomendação de Tognolli, atual diretor da Abraji, o estudo de Ministério Público, denúncias, criminologia, perícia criminal e criminalística (2005, p. 39). Quanto ao segundo, apesar de não fazer referência direta a um conhecimento, arquivos bem 8

9 organizados atualmente pressupõe todo um conhecimento de técnicas de organização e indexação, que incluem até mesmo o domínio e uso de softwares especializados 3. O que se intui com os números: do faro à expertise tecnológica Até agora temos demonstrado as diferentes apropriações do conceito de abdução em Peirce por autores como Eco e Bonfantini para exemplificar como há deslizamentos entre os tipos de conhecimentos que podem ser produzidos e a forma como estes podem ser construídos. Quando pensamos que o propósito mesmo da investigação do cientista, do jornalista e do detetive são distintas, se torna mais fácil entender essas diferenças. Ginzburg (1991) ao analisar o método do arte-historiador Morelli, de Freud e Sherlock Holmes, traça um breve e surpreendente panorama histórico que elucida um transporte do modelo conjectural para a construção do conhecimento. O que dissemos até aqui seria suficiente para explicar porque um texto adivinhatório mesopotâmico poderia incluir como diagnosticar de um antigo ferimento na cabeça a partir de um estrabismo bilateral (Bottéro 1974:192); ou, mais generalizadamente, como lá teria emergido historicamente um conjunto de disciplinas, todas elas dependentes da decifração de variados tipos de signos, de sintomas à escrita (GINZBURG, 1991, p. 102). De acordo com o estudo de Ginzburg, os conhecimentos divinatórios, como a tentativa de ler mensagens dos deuses em folhas de chá e estrelas, não estão tão distantes dos conhecimentos médicos, por exemplo. Ambos utilizam o modelo conjectural o modelo dos caçadores, dos leitores de sinais e indícios ainda que em sentidos contrários: a adivinhação procura uma resposta para o futuro, e a medicina predominantemente para o passado (a causa). O trabalho do autor nos interessa por mostrar como disciplinas tão distintas se baseiam no mesmo modelo de produção de conhecimento. Sem desconsiderar as mudanças que o pensamento médico sofreu, nos interessa perceber como o 3 A questão da organização de informações ganhou um capítulo no livro Story-Based Inquiry (2011) do jornalista investigativo Mark Lee Hunter. No site do livro (http://www.storybasedinquiry.com/), são indicados alguns softwares gratuitos para processamento de dados. 9

10 conhecimento construído a partir de um modelo baseado no individual, no detalhe e no que há de extraordinário, pode ter variações nos seus graus de cientificidade de acordo com o contexto histórico. O mesmo movimento, acreditamos, pode ser encontrado no discurso do jornalismo investigativo. O relato de Percival de Souza acima citado está fortemente vinculado ao jornalismo praticado nos anos 1970 no Brasil, segundo Sequeira. Enquanto Fortes (2005) defende que só na era Collor o jornalismo brasileiro vivenciou o mesmo clima de exaltação profissional que os Estados Unidos experimentaram com Watergate, Sequeira defende a prática do jornalismo investigativo já na década de [...] em meados dos anos 1970, quando a censura imposta pela ditadura militar já havia deixado as redações depois de uma longa e tenebrosa temporada de arbítrio, era possível encontrar nos jornais reportagens denunciando os atos do governo. Duas dessas, na época, deixaram bem claro que o jornalismo investigativo estava sendo praticado no Brasil (SEQUEIRA, 2005, p. 19) 4. Nesta época, na qual os manuais de redação ainda estavam sendo implantados e incorporados na prática profissional, a figura do jornalista permanecia difusa e as qualidades necessárias ao bom jornalista/repórter investigativo ainda estavam em disputa. Isso explica o fato de uma qualidade pouco específica como sensibilidade ser apontada como o motor do jornalismo por um dos profissionais do período (Percival de Souza). Sensibilidade e intuição enquanto características necessárias ao repórter investigativo nos leva a pensar no imaginário do jornalista-detetive com seu método particular e individual: cada jornalista teria sua técnica de entrevista, coleta e apuração de informações. Tal qual Sherlock Holmes, o método recebe menos destaque, aqui, que a figura que personifica a investigação. O que é ainda reforçado 4 As duas reportagens às quais a autora faz menção são: Assim vivem os nossos superfuncionários, publicada em 1976 em O Estado de S. Paulo, e Descendo aos porões, publicada em 1979 na revista Veja. 10

11 pela escassez, nos tratados de jornalismo investigativo, de menções a equipes de jornalistas trabalhando na mesma pauta durante o período 5. Desde estes relatos do jornalismo investigativo nos anos 1970, as práticas profissionais sofreram algumas modificações. Antonio Carlos Fon, autor da premiada reportagem Descendo aos porões, é a principal voz, na obra de Sequeira, diagnosticadora do aniquilamento do jornalismo investigativo, que estaria sendo desencadeado, pelo menos em São Paulo, a partir da instalação do Projeto Folha. Assim como a reformulação do trabalho jornalístico impresso (que representa, sobretudo, economia de espaço e aumento da velocidade de captação de informações e produção de notícias), outros fatores de alteração da prática profissional são apontados no discurso sobre o jornalismo investigativo. Em Jornalismo investigativo e pesquisa científica, publicado em 2011, autores brasileiros e argentinos tratam de diversos assuntos relacionadas à especialidade jornalística. Nos artigos, temas como a ética profissional reaparecem, porém, aplicados em um contexto mais atual: o das restrições jurídicas 6 (processos, aplicações de multas e penas) ao exercício profissional. A exigência de rapidez e a pressão jurídica mais latente, aliadas a mudanças técnicas (novos e mais rápidos mecanismos de busca pela internet), compõem elementos importantes no cenário profissional jornalístico. No jornalismo investigativo, essas mudanças implicam alguns deslizamentos e novas ênfases nos discursos sobre os atributos dos jornalistas. É assim que Angelina Nunes vai defender que o que se busca hoje é um repórter que questione as fontes oficiais, que analise os dados e estatísticas que recebe 5 Sequeira (2005) relata que uma equipe comandada por Ricardo Kotscho foi responsável pelas três reportagens de Assim vivem os nossos superfuncionários, publicadas em O Estado de S. Paulo, em Segundo o relatório da Article 19 (ONG britânica) existe atualmente um processo para cada jornalista trabalhando para os cinco maiores grupos de comunicação no Brasil. Muitos desses casos são relacionados a investigações de corrupção e outras questões de interesse público, envolvendo funcionários públicos. [...] Segundo o levantamento, até abril de 2007, os cinco maiores grupos do setor de comunicação do Brasil empregavam jornalistas e respondiam a processos por dano moral. Além disso, enquanto o salário-base da categoria em São Paulo é de R$ 2.205,00 sem aumento real nos quatro últimos anos, o valor médio das penas pecuniárias aplicadas pelo Judiciário quadruplicou no mesmo período, passando de R$ 20 mil, em 2003 para R$ 80 mil, em 2007 (TOGNOLLI, 2011, p. 69). 11

12 e veja além dos números (2011, p. 26). A inserção desta nova habilidade (lidar com números) indica um novo caminho de formação do repórter, cujos atributos devem ir além da curiosidade, paciência e faro. A ênfase na especialização passa a ocupar um lugar de destaque no discurso jornalístico, como podemos observar na fala de Nunes: A execução de uma série especial de matérias requer tempo, dinheiro e especialização. Dito de outra forma: requer planejamento, organização, distribuição de tarefas e uma equipe. É nesse ponto que, em algumas redações, o caldo entorna. Aquela imagem idealizada do jornalista solitário, que fica enfurnado num local cheio de papéis, trabalhando sozinho mudou nos últimos tempos (NUNES, 2011, p. 29, grifos nossos). No jornalismo investigativo, a especialização está comumente associada às técnicas de RAC (Reportagem com Auxílio de Computador), utilizadas para pesquisa, organização e cruzamento de dados. É nesse cenário em que os números e as estatísticas passam a receber destaque na prática profissional. Angelina defende que a base de uma boa reportagem é a apuração. Aqui, dois discursos atuais recorrentes na prática do jornalismo investigativo se unem: de um lado, a preocupação em enfatizar o cuidadoso e extenso trabalho do repórter investigativo [...] coletar os dados, cotejar informações, ler documentos, buscar arquivos, cruzar banco de dados, entrevistar fontes e personagens (NUNES, 2011, p. 25), de outro, a preocupação com as sanções judiciais. O que eu quero dizer é que não se mede um bom jornalista pelo número de processos que ele responde ou pelo os que ele não responde. O que faz um bom jornalista é seu trabalho diário, é sua qualificação, como ele se comporta diante de uma pauta, como se organiza e planeja para fazer um trabalho. Como ele faz as fontes, como checa os dados de sua matéria, o uso que faz do material que recebe etc (NUNES, 2011, p. 29, grifos nossos). Em um capítulo dedicado à RAC, o jornalista e ex-diretor da Abraji José Roberto de Toledo conta como se podem fazer reportagens investigativas com as novas técnicas. O autor exemplifica explicando o processo de construção de uma série de reportagens para O Estado de S. Paulo, em maio de O gancho de O polígono da violência foi a morte dos líderes extrativistas José Cláudio da Silva e Maria do Espírito Santo, em um município vizinho a Marabá (PA), região conhecida por ser uma das mais violentas do país. Primeiramente, os repórteres buscaram na 12

13 internet vários índices de violência em municípios de todo o país. O resultado mostrou que o sudeste do Pará, onde aconteceram os assassinatos, possuía as maiores taxas médias de homicídios. Em seguida, os jornalistas procuraram cruzar esses dados com outros: Sobrepondo o mapa da violência ao da devastação da Amazônia, nós pudemos observar uma sobreposição de informações uma coincidência entre assassinatos e derrubadas de grandes áreas de floresta. Um repórter de O Estado de S. Paulo foi enviado ao sudeste do Pará, na fronteira com o Tocantins, para verificar a situação, e encontrou uma realidade que confirmou o que a gente intuía com os números (TOLEDO, 2011, p. 22, grifos do autor). É interessante notar que a intuição reaparece neste trecho, mas agora ela vem respaldada em um trabalho cuidadoso com os números. Outro aspecto interessante é o próprio título da coletânea de artigos organizada por Christofoletti e Karam (2011), Jornalismo investigativo e pesquisa científica. As comparações entre as duas formas de pesquisa não fica apenas no título. O artigo de Martín Becerra, Practica periodística y práctica científica, é exemplar. Nele, o autor aborda alguns pontos de comparação entre a investigação jornalística e acadêmica e dá destaque aos processos epistemológicos comuns às duas modalidades: as ferramentas, as fontes e os processos de trabalho que possibilitam a um investigador afirmar algo. Vemos, assim, que, apesar de a busca da verdade ser um dos objetivos do jornalismo investigativo em qualquer época, no discurso atual ele procura se aproximar cada vez mais de uma disciplina entendida como um conjunto de métodos, um corpus de proposições consideradas verdadeiras, um jogo de regras e de definições, de técnicas e de instrumentos (FOUCAULT, 1996, p. 30) ou, simplesmente, como aquilo que é requerido para a construção de novos enunciados para alcançar esse fim. Considerações finais Em um primeiro momento deste artigo, apresentamos a concepção de abdução de Peirce a partir de autores que faziam a associação desta categoria de raciocínio 13

14 com as descobertas do personagem de ficção Sherlock Holmes. A partir da concepção ampla de abdução enquanto raciocínio que produz uma hipótese ou conjectura para explicar um caso particular, não é difícil perceber como esta faz parte do discurso jornalístico. Os trabalhos de diferentes autores nos mostram mesmo que a abdução não é exclusividade do trabalho do detetive ou do cientista, nem mesmo está restrita aos humanos, já que a abdução é fortemente ligada aos instintos. O que quisemos mostrar foi como o discurso do jornalismo investigativo incorpora, direta e indiretamente, a abdução como uma das qualidades necessárias ao repórter investigativo. Com a modificação das práticas profissionais, o discurso sobre a abdução, como instinto, intuição, faro ou sensibilidade, é um pouco apagado e cede lugar a enumeração de técnicas e processos de investigação, que pressupõe um jornalista especializado e treinado, não apenas naturalmente dotado daquelas qualidades acima citadas. Apesar de observamos esse deslizamento, o conceito de Peirce, que inicialmente é dirigido exatamente para a construção do pensamento científico, permanece como componente do método investigativo do jornalismo. Se aplicarmos as classificações de Bonfantini et al e Eco, poderíamos localizar a abdução jornalística como descrita no trabalho atual dos repórteres investigativos principalmente entre as abduções de tipo um e dois. Ou seja, elas estariam mais voltadas em encontrar hipóteses seguras, simplificadas, que já se baseiam em uma ou mais lei existentes. Já o discurso dos repórteres investigativos na década de 1970, pressupunha maior uso da abdução de tipo três, aquela que permite maior criatividade, pois a lei explicativa ainda precisaria ser elaborada. Este tipo de abdução é o mesmo identificado por Eco no romance policial. Aquele que deixa Watson perplexo, assim como os leitores do jornal, que se perguntam: Como o jornalista descobriu isso?. Referências bibliográficas BECERRA, Martín. Practica periodística y práctica científica. In CHRISTOFOLETTI, Rogério e KARAM, Francisco José (org). Jornalismo investigativo e pesquisa científica. Florianópolis: Insular,

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

Como Elaborar Um Projeto de Pesquisa

Como Elaborar Um Projeto de Pesquisa Como Elaborar Um Projeto de Pesquisa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Prof. Edwar Saliba Júnior Fevereiro de 2015 1 O que é pesquisa? Pode-se definir pesquisa como:

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO SUMÁRIO INTRODUÇÃO 15 Para que serve este Livro 17 Como usar este livro 1. PARA ENTENDER A PROFISSÃO 23 O que é preciso para ter sucesso na profissão 23 TALENTO - Como saber se você tem 24 CONHECIMENTO-Como

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2 Comol era r t i gos c i ent íc os Conteúdo Como ler artigos científicos... 2 Dicas de como ler o artigo... 4 Guia de como ler um artigo:... 5 Atividade 1... 7 Etapa 1... 7 Etapa 2... 8 Etapa 3... 8 Etapa

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA PROPOSTAS

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: a escolha do tema. Delimitação, justificativa e reflexões a cerca do tema.

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores 4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores Como descrevemos no capitulo II, a Paralisia Cerebral é uma lesão neurológica que ocorre num período em que o cérebro ainda não completou

Leia mais

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com Manual do Professor Manual do professor Este manual deve ser usado em conjunto com o vídeo do autor disponível no site da editora: www.campus.com.br Maiores

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

CONSTRUÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE HIPÓTESES DEDUÇÃO

CONSTRUÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE HIPÓTESES DEDUÇÃO CONSTRUÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE HIPÓTESES Começo este texto fazendo um questionamento: hipótese é uma pergunta ou uma resposta? A chance de qualquer pessoa acertar sem pensar é de 50%. Contudo, quando começamos

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

Metodologia e Redação Científica

Metodologia e Redação Científica Metodologia e Redação Científica INTRODUÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA 1.1. Bases e conceitos APRESENTAÇÃO AULAS GRADUAÇÃO PRATICANDO MATERIAL AUXILIAR Objetivo da Aula Introduzir os conceitos gerais da metodologia

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

Autor: Marcelo Maia http://infoempreendedorismo.com

Autor: Marcelo Maia http://infoempreendedorismo.com Nesse ebook você irá aprender como gerar uma renda mesmo que do zero rapidamente na internet, se você já tem um produto irá aprender como aumentar suas vendas agora mesmo de forma garantida. Crie um sistema

Leia mais

PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL

PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O Prêmio OAB-GO de Jornalismo é um concurso jornalístico instituído pela Seção de Goiás da Ordem dos Advogados do Brasil para premiar matérias

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO. Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul

Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO. Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul PARZIANELLO, Geder Universidade Federal do Pampa RESUMO Projeto

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

artigos sérios sobre tradução

artigos sérios sobre tradução 1 Introdução A principal motivação para este trabalho foi a redescoberta da seção Versão Brasileira, publicada mensalmente na revista Língua Portuguesa, após ter entrado em contato, durante o meu mestrado,

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa Escolher o tipo de pesquisa a ser utilizado é um passo fundamental para se chegar a conclusões claras e responder os objetivos do trabalho. Como existem vários tipos

Leia mais

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA Flávia Santos Silva * José Mozart de Góis * Isa Ursole Brito** Luiz José da Silva*** Sergio Luiz Malta de Azevedo**** INTRODUÇÃO Constituindo-se

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO O QUE PODEMOS APRENDER com a experiência de vida de pessoas resilientes é que, para enfrentar situações difíceis, é

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

Aula 2: Projeto de pesquisa

Aula 2: Projeto de pesquisa 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 2: Projeto de pesquisa 1 O projeto de pesquisa O projeto de pesquisa é a base da organização do seu trabalho de pesquisa. Ao elaborar o projeto você organiza suas

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1. Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE

Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1. Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1 Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE RESUMO O presente trabalho apresenta a experiência de produção laboratorial

Leia mais

Como elaborar um relatório de pesquisa

Como elaborar um relatório de pesquisa Como elaborar um relatório de pesquisa Profa. Dra. Maria José B. Finatto - UFRGS - Instituto de Letras www.ufrgs.br/textecc Seminários Temáticos PROPESQ - 2012 Preâmbulo - sério! O Programa Institucional

Leia mais

http://www.ieabrasil.com.br

http://www.ieabrasil.com.br http://www.ieabrasil.com.br Desenvolvimento da capacidade de antecipação pela identificação e captação de indícios antecipativos em contexto de Inteligência Estratégica Antecipativa Raquel Janissek-Muniz

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

Trabalho 3 Scratch na Escola

Trabalho 3 Scratch na Escola Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra Departamento de Matemática Trabalho 3 Scratch na Escola Meios Computacionais de Ensino Professor: Jaime Carvalho e Silva (jaimecs@mat.uc.pt)

Leia mais

Pedagogia. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento

Pedagogia. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento Pedagogia Prof. Dr. Roger Quadros A influência das pesquisas na formação do professor Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento Objetivos: Discutir alguns cuidados básicos para a escolha do tema

Leia mais

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO Considera-se como fundador da psicologia moderna Wilhelm Wundt, por ter criado, em 1879, o primeiro laboratório de psicologia na universidade de Leipzig, Alemanha. A psicologia

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

atual 8.500. meta: 6.300, cortar: 25%

atual 8.500. meta: 6.300, cortar: 25% atual 8.500. meta: 6.300, cortar: 25% Este artigo foi encomendado, originalmente, para tratar de assessoria de imprensa para Prefeituras Municipais revelando uma dificuldade, muito comum entre os jornalistas,

Leia mais

3.2 MATERIAL DIDÁTICO

3.2 MATERIAL DIDÁTICO A comparação do presencial e do virtual: um estudo de diferentes metodologias e suas implicações na EAD André Garcia Corrêa andregcorrea@gmail.com Universidade Federal de São Carlos Resumo. O presente

Leia mais

BULLYING Documentário para rádio 1

BULLYING Documentário para rádio 1 BULLYING Documentário para rádio 1 Tommy Elton MAQUINÉ 2 Thalles ATAIDE 3 José CARDOSO 4 Maria Conceição RETROZ 5 Neliã ALFAIA 6 Edineide Ferreira Batista 7 Jonária França 8 Faculdade Boas Novas, Manaus,

Leia mais

Etapas da Introdução do Projeto de Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Introdução do Projeto de Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Introdução do Projeto de Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ A Pesquisa: Conceitos e Definições O que é pesquisa? Pesquisar, significa, de forma

Leia mais

EdUECE- Livro 2 02178

EdUECE- Livro 2 02178 1 CRIAÇÕES E REINVENÇÕES NA PRODUÇÃO COTIDIANA DO PROJETO REINVENTANDO O ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE CARTOGRÁFICA DA REALIDADE CRIADA PELOS SUJEITOS DA ESCOLA Cíntia Castro Monteiro Heloisa Raimunda Herneck

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

BRINCADEIRA É COISA SÉRIA

BRINCADEIRA É COISA SÉRIA BRINCADEIRA É COISA SÉRIA Márcia Maria Almeida Figueiredo Mestre em Educação e professora do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Agora eu era o rei Era o bedel e era também juiz E pela minha

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE Gerson Luiz Martins PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE A contribuição da Reportagem, Assessorias e Agências para a formação do jornal diário. Equipe

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR 6LPXODomR GH6LVWHPDV )HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR #5,6. Simulador voltado para análise de risco financeiro 3RQWRV IRUWHV Fácil de usar. Funciona integrado a ferramentas já bastante conhecidas,

Leia mais