Detetive e cientista: 1 A abdução como expertise do Jornalismo Investigativo Seane Melo 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Detetive e cientista: 1 A abdução como expertise do Jornalismo Investigativo Seane Melo 2"

Transcrição

1 Resumo Detetive e cientista: 1 A abdução como expertise do Jornalismo Investigativo Seane Melo 2 O presente artigo busca analisar como o conceito peirciano da abdução vem sendo apropriado no discurso do jornalismo investigativo de maneira direta e indireta. Com esse estudo, relacionamos as contribuições da semiótica de C. S. Peirce, que dizem respeito, sobretudo, às três formas de raciocínio abdução, dedução e indução, com o método de trabalho jornalístico descrito em livros e artigos sobre jornalismo investigativo. Dessa forma, demonstramos até que ponto o imaginário do jornalista investigativo flerta com a figura do detetive policial, por um lado, e com a do cientista, por outro, de acordo com os diferentes contextos de prática profissional. Palavras-chave: Jornalismo investigativo; abdução; expertise; imaginário. Introdução Que características um jornalista precisa possuir para mergulhar no jornalismo investigativo? Que conhecimentos? Que métodos? Estas foram algumas das questões elaboradas implícita ou explicitamente ao longo das variadas tentativas de definição do jornalismo investigativo no seu campo de atuação, e, em respostas às quais, alguns imaginários foram produzidos ou acionados para caracterizar a profissão. Nesse trabalho, buscamos nos aproximar de algumas dessas respostas e analisar suas implicações à luz da semiótica de C. S. Peirce, especialmente, como base no conceito de abdução. Antes de nos determos em nossa análise entre o método jornalísticoinvestigativo e os métodos detetivesco e científico, cabe uma breve elucidação da concepção peirciana de abdução. Como enfatizado por vários estudiosos (SEBEOK, ECO, entre outros), o conceito de abdução é utilizado por Peirce na elaboração da 1 Trabalho apresentado no GT Representação Social e Mediações socioculturais, do VI Congresso de Estudantes de Pós-Graduação em Comunicação, na categoria pós-graduação. UERJ, Rio de Janeiro, outubro de Mestranda em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo. Graduada em Comunicação Social/ Jornalismo pela Universidade Federal do Maranhão. Pesquisa elites culturais e políticas; jornalismo investigativo; intersecção entre jornalismo, literatura e política. 1

2 tricotomia que descreve a construção de conhecimento científico, porém, devido a sua abrangente definição, já foi instrumentalizada para elucidar a produção de diversos tipos de conhecimento, que variam da resolução de um crime a um simples diagnóstico médico. Na escada do raciocínio científico, a abdução ocuparia o primeiro degrau. Após a observação de um caso particular, o indivíduo seria levado a produzir uma suposição, hipótese ou conjectura que o explicasse. Em seguida, deveria tentar comprovar sua hipótese, extraindo suas consequências lógicas (dedução) e tentar experimentá-la (indução). Por isso, segundo o autor, ela seria o único argumento que inicia uma nova idéia (PEIRCE apud SEBEOK, 1991, p. 23). Segundo as palavras do próprio Peirce, A presunção, ou mais precisamente, a abdução, provê o raciocinador com a teoria problemática a qual a indução verifica. Vendo-se confrontado com um fenômeno distinto daquele que seria esperado de acordo com as circunstâncias, o raciocinador examina suas particularidades e percebe algum traço marcante ou relações entre elas, o que, de imediato, reconhece como sendo característico de alguma concepção que já se encontra estocada em sua mente e, assim, sugere-se uma teoria que poderia explicar (isto é, tornar necessário) aquilo que é surpreendente nesse fenômeno (2:776). (PEIRCE apud HARROWITZ, 1991, p. 201, grifos do autor). Apesar de a definição parecer simples, a confusão entre os três tipos de raciocínio persiste. Para esclarecer, Peirce (2: apud HARROWITZ, 1991) desenvolveu o seguinte esquema: Dedução Regra Caso Resultado Todos os feijões deste saco são brancos. Estes feijões provêm deste saco. Estes feijões são brancos. Indução Caso Resultado Regra Estes feijões provêm deste saco. Estes feijões são brancos. Todos os feijões deste saco são brancos. 2

3 Abdução Regra Resultado Caso Todos os feijões deste saco são brancos. Estes feijões são brancos. Estes feijões provêm deste saco. No esquema acima, Peirce dá o nome de Regra ao que ele também chama de lei da natureza ou, simplesmente, experiência. Resultado, no caso da abdução, assume o significado de fato observado. É interessante perceber que, ao mencionar a experiência como um prérequisito para a abdução, Peirce abre margens para diferentes interpretações (não conflitantes) desta categoria de raciocínio. Observa-se assim que, apesar de estar situada em uma cadeia de raciocínios lógicos, a abdução não abre mão de seu caráter instintivo, que faz a ponte entre a percepção ou experiência individual e os aspectos do mundo (leis naturais), ocupando um espaço subliminar no pensamento. Os diferentes elementos de uma hipótese estão em nossa mente antes que conscientemente cogitemos dela, mas, é a idéia de reunir aquilo que nunca antes sonhamos reunir que faz brilhar a sugestão nova diante de nossa contemplação (5.181). (SEBEOK, 1991, p. 22). A pesquisa científica e o método detetivesco A definição ampla de abdução em Peirce gerou várias reflexões em autores que a enxergavam ora mais próxima do instinto e das sensações (já altamente codificados), ora mais próxima do acaso e da criatividade. A partir dessa observação, Bonfantini e Proni (1991) propuseram uma análise comparativa do método de Sherlock Holmes e do método científico defendido por Peirce. Segundo os autores, é possível enxergar uma perfeita correspondência estrutural entre a lógica de investigação segundo Sherlock e a lógica do processo de conhecimento em geral e da ciência em particular segundo Peirce. Isto implicaria em 3

4 dizer que os três estágios de inferência constituiriam uma constante comum para a construção de qualquer conhecimento, tanto para o enfrentamento dos problemas práticos do dia a dia, quanto para investigações com um procedimento especializado, ou para a pesquisa científica propriamente dita (1991, p.136). Porém, esta correspondência estrutural não implica necessariamente uma identidade de método. Para os autores, a diferença básica entre os objetivos da investigação criminal e científica já poderia apontar que estaríamos trabalhando com tipos diferentes de abdução. Ele [Sherlock] vê e registra mais coisas e não despreza os detalhes aparentemente mais insignificantes (e este é um ponto sobre o qual ele insiste bastante quando explica seu método a Watson) na cena do crime. Ele analisa e compara o que está implícito nos vários resultados da observação. Ele combina e vincula consequentemente e tendo sempre em mente os diversos aspectos do problema as várias séries de hipóteses que formula gradativamente (BONFANTINI E PRONI, 1991, p. 137). Nesse trecho, os autores deixam claro que, no caso do detetive, as investigações consistem mais em observações precisas de fatos ocorridos espontaneamente do que em reconstituições experimentais de fatos artificialmente preparados, selecionados ou purificados. Eles concluem, a partir da análise da história de Um Estudo em Escarlate, que todas as abduções de Sherlock Holmes apresentam duas características: simplicidade e eficiência. Para os autores, isso implica que elas carecem de maior originalidade, acaso e risco criativo. A montagem de quebra-cabeça, como o trabalho do detetive, requer uma observação acurada e um conhecimento enciclopédico de modo a dispor à mão o conjunto finito e pré-determinado de imediatas e adequadas possíveis soluções hipotéticas. Então, necessita-se de treino em cálculo lógico, frieza e paciência para comparar e selecionar hipóteses, até que se encontre a linha de interpretação que fornece a única solução que se adequa a todas as pistas. (BONFANTINI E PRONI, 1991, p. 140, grifos do autor) Originalidade e criatividade são as chaves para a proposta classificatória dos dois autores e também para a proposta de Eco (1991), no mesmo livro. Das distinções entre a investigação criminal e a pesquisa científica, portanto, poderíamos extrais três tipos de abdução. A abdução de tipo um (BONFANTINI et al.) ou abdução 4

5 hipercodificada (ECO) seria aquela em que a lei empregada para apresentar uma resposta a um caso particular seria dada de modo obrigatório e automático ou semiautomático. Em seu artigo, Eco exemplifica que a habilidade de Zadig, personagem da história de Voltaire, de reconhecer a pegada dos animais corresponderia a esse tipo de abdução por ter relação com um conhecimento que já está codificado (o conhecimento da anatomia desses animais). A abdução de tipo dois ou abdução hipocodificada seria aquela em que a lei empregada para apresentar uma resposta poderia ser encontrada por seleção em uma série de leis disponíveis. É o que fazem, normalmente, os médicos ao diagnosticar uma doença. A abdução de tipo três ou abdução criativa seria aquela em que a lei utilizada para resolver o caso precisa ser inventada. Este tipo de abdução consiste no trabalho desenvolvido por cientistas que alteram paradigmas. As diferenciações traçadas pelos pesquisadores servem como arsenal metodológico para estabelecer distinções entre o trabalho de detetives e cientistas. Ainda que todos trabalhem com investigações e em buscas de respostas que expliquem um fenômeno ou caso particular, fica demonstrado como a abdução pode acontecer em diferentes níveis de codificação e criatividade. Com as descrições apresentadas acima sobre o método de Sherlock Holmes e com essas pontuações em mente, podemos analisar o discurso de alguns jornalistas investigativos que buscam definir o método de trabalho desta especialidade jornalística e as características próprias aos seus agentes. Elementar, meu caro leitor Por ser uma especialidade de difícil conceituação, o jornalismo investigativo ainda pode ser visto como fruto de disputas discursivas que tentam legitimar uma definição. Enquanto alguns jornalistas, incluindo alguns daqueles que são normalmente intitulados como jornalistas investigativos é o caso do atual diretor da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) Fernando Rodrigues 5

6 (SEQUEIRA, 2005, p. 65) defendem que o jornalismo investigativo é um pleonasmo, outros pesquisadores, como Cleofe Sequeira, procuram conceituar a especialidade. Ao buscar definir o jornalismo investigativo como uma categoria jornalística, Sequeira pretende também delimitar suas características e formas de atuação. Segundo a autora, a conceituação desta categoria deveria ser encontrada na práxis jornalística, que expõe as diferenças entre a prática do jornalismo diário de atualidades e a do jornalismo de cunho investigativo. Apropriando-se dos estudos de Lage, Sequeira apresenta uma primeira fase do trabalho jornalístico investigativo da seguinte forma: Lage define, ainda que rapidamente, as fases em que se processa uma reportagem investigativa, da concepção à publicação. A concepção, na sua visão, pode decorrer de várias experiências: pequenos fatos inexplicáveis ou curiosos, pistas dadas por informantes ou fontes regulares, leituras, notícias novas ou a observação direta da realidade. (SEQUEIRA, 2005, p. 25). Podemos observar no trecho acima que as características que antecedem e que, ao mesmo tempo, compõem a abdução de Peirce já estão aí descritas. Assim, o trabalho do repórter investigativo se iniciaria com um fato curioso, cuja identificação, por si só, já exigiria uma certa sensibilidade do repórter. Em entrevista a Sequeira, o jornalista Percival de Souza aproxima o trabalho jornalístico do trabalho de um detetive e ressalta a reportagem deve trabalhar com uma metodologia especial, cuja guia deve ser a sensibilidade. Nesse caso, o profissional, como um detetive, lança mão de estratégias, às vezes nada ortodoxas, para conseguir as informações necessárias. Ele precisa batalhar pela informação, descobrir quem pode desvendar algum fato que está sendo escondido da sociedade e, para isso, usar uma metodologia especial (2005, p.63). Percival de Souza não é o único que defende que o repórter investigativo faz uso de metodologias especiais e para isso necessita de sensibilidade. Citados por Sequeira, o jornalista colombiano Geraldo Reys e a teórica Montserrat Quesada possuem posicionamentos semelhantes. O primeiro define o repórter investigativo como um especialista na montagem de um quebra-cabeça, cujas peças estão dispersas 6

7 e alguém precisa mantê-las escondidas. Na visão de Reys, o repórter na sua função investigativa busca informações utilizando o que chama de olfato inquisitivo, partindo de suposições, que geralmente são levantadas antes do início da fase de apuração (SEQUEIRA, 2005, p. 67). Já Quesada enfatiza a importância de uma intuição, que não se baseia em metodologia precisa ou lógica, mas sem a qual não se avança no processo de investigação. Como podemos observar, a sensibilidade, o olfato inquisitivo e a intuição elencados nesses discursos podem ser vistos apenas como nomes alternativos para o conceito de abdução de Peirce, ainda que aqui estejamos nos referindo principalmente ao tipo de abdução mais relacionada aos sentidos e fortemente codificada (abdução de tipo um). Essa associação já havia sido estabelecida pela pesquisadora Sandra Regina Moura. Analisando o jornalismo, a partir da semiótica peirceana, Moura (2002 apud SEQUEIRA, 2005) defende que é desse tipo de raciocínio que o repórter investigativo se vale na busca por novos ângulos para dar conta de sua investigação. Um relato de Percival de Souza (apud SEQUEIRA, 2005) e do emblemático caso Watergate (FORTES, 2012) exemplificam com o repórter investigativo utiliza sua sensibilidade ou realiza abduções no trabalho jornalístico. Percival revela como conseguiu uma fazer uma entrevista exclusiva com Saccomani, presidente da Sociedade Esportiva Palmeiras acusado de golpe financeiro. As fontes oficiais dos jornalistas de esportes garantiam que o suspeito havia fugido para o Paraguai, mas a intuição de Percival o fazia acreditar que ele ainda estaria no Brasil. Assim, descobriu que um advogado o defenderia no Tribunal de Justiça e decidiu acompanhar a sessão para em seguida seguir o advogado, que, segundo sua suposição, deveria encontrar com o acusado imediatamente. Percival seguiu o advogado até o prédio do Hotel Jaraguá onde encontrou Saccomani, provando sua teoria, e conseguiu que esse desse uma entrevista. O caso Watergate é citado por Fortes (2005, p. 35), quando se refere ao primeiro passo para um jornalismo investigativo. Segundo o autor, os jornalistas do The Washington Post, Bob Woodward e Carl Bernstein, conseguiram dar o furo de 7

8 reportagem sobre a instalação de escuta ilegal na sede do partido democrático por gente relacionada ao presidente republicano Richard Nixon porque deram importância a uma notícia que contava o flagrante dado em invasores no prédio Watergate. O caso havia sido arquivado por falta de prova, mas os jornalistas foram ao local investigar e encontraram alguns detalhes que tinham passado despercebido por outros jornalista, como a caderneta de um dos invasores que continha o nome do assessor da Casa Branca. Então, o olho do repórter investigativo tem que suplantar a pura curiosidade, assumir um quê de detetive mesmo, conclui Fortes (2005, p. 35). Mas não só de intuição e sensibilidade vive o investigador. Ainda na análise de Um Estudo em Escarlate, Bonfantini e Proni avaliam as hipóteses de Sherlock Holmes e concluem que elas incidem em quatro classes: a) apoiam-se em setores comprovados e institucionalizados nas ciências experimentais (botânica, geologia, química, medicina, etc.); b) apoiam-se em áreas especiais de conhecimento e técnicas de classificação e identificação (no conto, o exemplo é a capacidade de Sherlock de identificar a marca do charuto pelas cinzas); c) apoiam-se em conhecimentos vastos oriundos dos hábitos da vida cotidiana (por exemplo, reconhecer a bitola da roda como de um veículo de aluguel) e d) apoiam-se no senso comum ou em conhecimentos ordinários. Da mesma forma que as hipóteses de Sherlock se apoiam em uma enciclopédia de conhecimentos possuídos pelo personagem de Conan Doyle, também faz parte do discurso sobre o jornalismo investigativo a necessidade de domínio de alguns conhecimentos pelo repórter investigativo. Ao elencar o passo a passo do jornalismo investigativo, Fortes coloca ao lado de qualidades como paciência e concentração, insistência e perseverança e atenção especial, o conhecimento policial básico e arquivos bem organizados. Quanto ao primeiro, segundo o autor, é recomendação de Tognolli, atual diretor da Abraji, o estudo de Ministério Público, denúncias, criminologia, perícia criminal e criminalística (2005, p. 39). Quanto ao segundo, apesar de não fazer referência direta a um conhecimento, arquivos bem 8

9 organizados atualmente pressupõe todo um conhecimento de técnicas de organização e indexação, que incluem até mesmo o domínio e uso de softwares especializados 3. O que se intui com os números: do faro à expertise tecnológica Até agora temos demonstrado as diferentes apropriações do conceito de abdução em Peirce por autores como Eco e Bonfantini para exemplificar como há deslizamentos entre os tipos de conhecimentos que podem ser produzidos e a forma como estes podem ser construídos. Quando pensamos que o propósito mesmo da investigação do cientista, do jornalista e do detetive são distintas, se torna mais fácil entender essas diferenças. Ginzburg (1991) ao analisar o método do arte-historiador Morelli, de Freud e Sherlock Holmes, traça um breve e surpreendente panorama histórico que elucida um transporte do modelo conjectural para a construção do conhecimento. O que dissemos até aqui seria suficiente para explicar porque um texto adivinhatório mesopotâmico poderia incluir como diagnosticar de um antigo ferimento na cabeça a partir de um estrabismo bilateral (Bottéro 1974:192); ou, mais generalizadamente, como lá teria emergido historicamente um conjunto de disciplinas, todas elas dependentes da decifração de variados tipos de signos, de sintomas à escrita (GINZBURG, 1991, p. 102). De acordo com o estudo de Ginzburg, os conhecimentos divinatórios, como a tentativa de ler mensagens dos deuses em folhas de chá e estrelas, não estão tão distantes dos conhecimentos médicos, por exemplo. Ambos utilizam o modelo conjectural o modelo dos caçadores, dos leitores de sinais e indícios ainda que em sentidos contrários: a adivinhação procura uma resposta para o futuro, e a medicina predominantemente para o passado (a causa). O trabalho do autor nos interessa por mostrar como disciplinas tão distintas se baseiam no mesmo modelo de produção de conhecimento. Sem desconsiderar as mudanças que o pensamento médico sofreu, nos interessa perceber como o 3 A questão da organização de informações ganhou um capítulo no livro Story-Based Inquiry (2011) do jornalista investigativo Mark Lee Hunter. No site do livro (http://www.storybasedinquiry.com/), são indicados alguns softwares gratuitos para processamento de dados. 9

10 conhecimento construído a partir de um modelo baseado no individual, no detalhe e no que há de extraordinário, pode ter variações nos seus graus de cientificidade de acordo com o contexto histórico. O mesmo movimento, acreditamos, pode ser encontrado no discurso do jornalismo investigativo. O relato de Percival de Souza acima citado está fortemente vinculado ao jornalismo praticado nos anos 1970 no Brasil, segundo Sequeira. Enquanto Fortes (2005) defende que só na era Collor o jornalismo brasileiro vivenciou o mesmo clima de exaltação profissional que os Estados Unidos experimentaram com Watergate, Sequeira defende a prática do jornalismo investigativo já na década de [...] em meados dos anos 1970, quando a censura imposta pela ditadura militar já havia deixado as redações depois de uma longa e tenebrosa temporada de arbítrio, era possível encontrar nos jornais reportagens denunciando os atos do governo. Duas dessas, na época, deixaram bem claro que o jornalismo investigativo estava sendo praticado no Brasil (SEQUEIRA, 2005, p. 19) 4. Nesta época, na qual os manuais de redação ainda estavam sendo implantados e incorporados na prática profissional, a figura do jornalista permanecia difusa e as qualidades necessárias ao bom jornalista/repórter investigativo ainda estavam em disputa. Isso explica o fato de uma qualidade pouco específica como sensibilidade ser apontada como o motor do jornalismo por um dos profissionais do período (Percival de Souza). Sensibilidade e intuição enquanto características necessárias ao repórter investigativo nos leva a pensar no imaginário do jornalista-detetive com seu método particular e individual: cada jornalista teria sua técnica de entrevista, coleta e apuração de informações. Tal qual Sherlock Holmes, o método recebe menos destaque, aqui, que a figura que personifica a investigação. O que é ainda reforçado 4 As duas reportagens às quais a autora faz menção são: Assim vivem os nossos superfuncionários, publicada em 1976 em O Estado de S. Paulo, e Descendo aos porões, publicada em 1979 na revista Veja. 10

11 pela escassez, nos tratados de jornalismo investigativo, de menções a equipes de jornalistas trabalhando na mesma pauta durante o período 5. Desde estes relatos do jornalismo investigativo nos anos 1970, as práticas profissionais sofreram algumas modificações. Antonio Carlos Fon, autor da premiada reportagem Descendo aos porões, é a principal voz, na obra de Sequeira, diagnosticadora do aniquilamento do jornalismo investigativo, que estaria sendo desencadeado, pelo menos em São Paulo, a partir da instalação do Projeto Folha. Assim como a reformulação do trabalho jornalístico impresso (que representa, sobretudo, economia de espaço e aumento da velocidade de captação de informações e produção de notícias), outros fatores de alteração da prática profissional são apontados no discurso sobre o jornalismo investigativo. Em Jornalismo investigativo e pesquisa científica, publicado em 2011, autores brasileiros e argentinos tratam de diversos assuntos relacionadas à especialidade jornalística. Nos artigos, temas como a ética profissional reaparecem, porém, aplicados em um contexto mais atual: o das restrições jurídicas 6 (processos, aplicações de multas e penas) ao exercício profissional. A exigência de rapidez e a pressão jurídica mais latente, aliadas a mudanças técnicas (novos e mais rápidos mecanismos de busca pela internet), compõem elementos importantes no cenário profissional jornalístico. No jornalismo investigativo, essas mudanças implicam alguns deslizamentos e novas ênfases nos discursos sobre os atributos dos jornalistas. É assim que Angelina Nunes vai defender que o que se busca hoje é um repórter que questione as fontes oficiais, que analise os dados e estatísticas que recebe 5 Sequeira (2005) relata que uma equipe comandada por Ricardo Kotscho foi responsável pelas três reportagens de Assim vivem os nossos superfuncionários, publicadas em O Estado de S. Paulo, em Segundo o relatório da Article 19 (ONG britânica) existe atualmente um processo para cada jornalista trabalhando para os cinco maiores grupos de comunicação no Brasil. Muitos desses casos são relacionados a investigações de corrupção e outras questões de interesse público, envolvendo funcionários públicos. [...] Segundo o levantamento, até abril de 2007, os cinco maiores grupos do setor de comunicação do Brasil empregavam jornalistas e respondiam a processos por dano moral. Além disso, enquanto o salário-base da categoria em São Paulo é de R$ 2.205,00 sem aumento real nos quatro últimos anos, o valor médio das penas pecuniárias aplicadas pelo Judiciário quadruplicou no mesmo período, passando de R$ 20 mil, em 2003 para R$ 80 mil, em 2007 (TOGNOLLI, 2011, p. 69). 11

12 e veja além dos números (2011, p. 26). A inserção desta nova habilidade (lidar com números) indica um novo caminho de formação do repórter, cujos atributos devem ir além da curiosidade, paciência e faro. A ênfase na especialização passa a ocupar um lugar de destaque no discurso jornalístico, como podemos observar na fala de Nunes: A execução de uma série especial de matérias requer tempo, dinheiro e especialização. Dito de outra forma: requer planejamento, organização, distribuição de tarefas e uma equipe. É nesse ponto que, em algumas redações, o caldo entorna. Aquela imagem idealizada do jornalista solitário, que fica enfurnado num local cheio de papéis, trabalhando sozinho mudou nos últimos tempos (NUNES, 2011, p. 29, grifos nossos). No jornalismo investigativo, a especialização está comumente associada às técnicas de RAC (Reportagem com Auxílio de Computador), utilizadas para pesquisa, organização e cruzamento de dados. É nesse cenário em que os números e as estatísticas passam a receber destaque na prática profissional. Angelina defende que a base de uma boa reportagem é a apuração. Aqui, dois discursos atuais recorrentes na prática do jornalismo investigativo se unem: de um lado, a preocupação em enfatizar o cuidadoso e extenso trabalho do repórter investigativo [...] coletar os dados, cotejar informações, ler documentos, buscar arquivos, cruzar banco de dados, entrevistar fontes e personagens (NUNES, 2011, p. 25), de outro, a preocupação com as sanções judiciais. O que eu quero dizer é que não se mede um bom jornalista pelo número de processos que ele responde ou pelo os que ele não responde. O que faz um bom jornalista é seu trabalho diário, é sua qualificação, como ele se comporta diante de uma pauta, como se organiza e planeja para fazer um trabalho. Como ele faz as fontes, como checa os dados de sua matéria, o uso que faz do material que recebe etc (NUNES, 2011, p. 29, grifos nossos). Em um capítulo dedicado à RAC, o jornalista e ex-diretor da Abraji José Roberto de Toledo conta como se podem fazer reportagens investigativas com as novas técnicas. O autor exemplifica explicando o processo de construção de uma série de reportagens para O Estado de S. Paulo, em maio de O gancho de O polígono da violência foi a morte dos líderes extrativistas José Cláudio da Silva e Maria do Espírito Santo, em um município vizinho a Marabá (PA), região conhecida por ser uma das mais violentas do país. Primeiramente, os repórteres buscaram na 12

13 internet vários índices de violência em municípios de todo o país. O resultado mostrou que o sudeste do Pará, onde aconteceram os assassinatos, possuía as maiores taxas médias de homicídios. Em seguida, os jornalistas procuraram cruzar esses dados com outros: Sobrepondo o mapa da violência ao da devastação da Amazônia, nós pudemos observar uma sobreposição de informações uma coincidência entre assassinatos e derrubadas de grandes áreas de floresta. Um repórter de O Estado de S. Paulo foi enviado ao sudeste do Pará, na fronteira com o Tocantins, para verificar a situação, e encontrou uma realidade que confirmou o que a gente intuía com os números (TOLEDO, 2011, p. 22, grifos do autor). É interessante notar que a intuição reaparece neste trecho, mas agora ela vem respaldada em um trabalho cuidadoso com os números. Outro aspecto interessante é o próprio título da coletânea de artigos organizada por Christofoletti e Karam (2011), Jornalismo investigativo e pesquisa científica. As comparações entre as duas formas de pesquisa não fica apenas no título. O artigo de Martín Becerra, Practica periodística y práctica científica, é exemplar. Nele, o autor aborda alguns pontos de comparação entre a investigação jornalística e acadêmica e dá destaque aos processos epistemológicos comuns às duas modalidades: as ferramentas, as fontes e os processos de trabalho que possibilitam a um investigador afirmar algo. Vemos, assim, que, apesar de a busca da verdade ser um dos objetivos do jornalismo investigativo em qualquer época, no discurso atual ele procura se aproximar cada vez mais de uma disciplina entendida como um conjunto de métodos, um corpus de proposições consideradas verdadeiras, um jogo de regras e de definições, de técnicas e de instrumentos (FOUCAULT, 1996, p. 30) ou, simplesmente, como aquilo que é requerido para a construção de novos enunciados para alcançar esse fim. Considerações finais Em um primeiro momento deste artigo, apresentamos a concepção de abdução de Peirce a partir de autores que faziam a associação desta categoria de raciocínio 13

14 com as descobertas do personagem de ficção Sherlock Holmes. A partir da concepção ampla de abdução enquanto raciocínio que produz uma hipótese ou conjectura para explicar um caso particular, não é difícil perceber como esta faz parte do discurso jornalístico. Os trabalhos de diferentes autores nos mostram mesmo que a abdução não é exclusividade do trabalho do detetive ou do cientista, nem mesmo está restrita aos humanos, já que a abdução é fortemente ligada aos instintos. O que quisemos mostrar foi como o discurso do jornalismo investigativo incorpora, direta e indiretamente, a abdução como uma das qualidades necessárias ao repórter investigativo. Com a modificação das práticas profissionais, o discurso sobre a abdução, como instinto, intuição, faro ou sensibilidade, é um pouco apagado e cede lugar a enumeração de técnicas e processos de investigação, que pressupõe um jornalista especializado e treinado, não apenas naturalmente dotado daquelas qualidades acima citadas. Apesar de observamos esse deslizamento, o conceito de Peirce, que inicialmente é dirigido exatamente para a construção do pensamento científico, permanece como componente do método investigativo do jornalismo. Se aplicarmos as classificações de Bonfantini et al e Eco, poderíamos localizar a abdução jornalística como descrita no trabalho atual dos repórteres investigativos principalmente entre as abduções de tipo um e dois. Ou seja, elas estariam mais voltadas em encontrar hipóteses seguras, simplificadas, que já se baseiam em uma ou mais lei existentes. Já o discurso dos repórteres investigativos na década de 1970, pressupunha maior uso da abdução de tipo três, aquela que permite maior criatividade, pois a lei explicativa ainda precisaria ser elaborada. Este tipo de abdução é o mesmo identificado por Eco no romance policial. Aquele que deixa Watson perplexo, assim como os leitores do jornal, que se perguntam: Como o jornalista descobriu isso?. Referências bibliográficas BECERRA, Martín. Practica periodística y práctica científica. In CHRISTOFOLETTI, Rogério e KARAM, Francisco José (org). Jornalismo investigativo e pesquisa científica. Florianópolis: Insular,

Pedagogia. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento

Pedagogia. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento Pedagogia Prof. Dr. Roger Quadros A influência das pesquisas na formação do professor Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento Objetivos: Discutir alguns cuidados básicos para a escolha do tema

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

2005 As Espécies de Raciocínio: Dedução, Indução e Abdução

2005 As Espécies de Raciocínio: Dedução, Indução e Abdução Universidade de Marília Unimar Faculdade de Comunicação, Educação e Turismo Mestrado Disciplina: Teoria Semiótica: texto e imagem Profª Drª Linda Bulik Alunas: Soraia Tomich Marcos, Izabel Cristina Dias

Leia mais

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO SUMÁRIO INTRODUÇÃO 15 Para que serve este Livro 17 Como usar este livro 1. PARA ENTENDER A PROFISSÃO 23 O que é preciso para ter sucesso na profissão 23 TALENTO - Como saber se você tem 24 CONHECIMENTO-Como

Leia mais

CIÊNCIA => METODOLOGIA => METODOS (processos e técnicas) => Conhecer, agir e intervir na realidade.

CIÊNCIA => METODOLOGIA => METODOS (processos e técnicas) => Conhecer, agir e intervir na realidade. O QUE É Metodologia Científica, como disciplina: METODOLOGIA CIENTÍFICA Confere os caminhos necessários para o auto-aprendizado através da qual o aluno é sujeito do processo, deve aprender a pesquisar

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

Breve Histórico do Raciocínio Lógico

Breve Histórico do Raciocínio Lógico Breve Histórico do Raciocínio Lógico Enquanto muitas culturas tenham usado complicados sistemas de raciocínio, somente na China, Índia e Grécia os métodos de raciocínio tiveram um desenvolvimento sustentável.

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Após a entrega do exercício D (folha síntese do projeto de pesquisa, vamos rever o projeto de pesquisa e a introdução da tese. Após a aula, além do exercício D

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

O Jornalista como divulgador das informações científicas: o caso do Programa Vida & Saúde

O Jornalista como divulgador das informações científicas: o caso do Programa Vida & Saúde O Jornalista como divulgador das informações científicas: o caso do Programa Vida & Saúde Resumo Priscila Mathias Rosa ¹ Paula Regina Puhl² Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS O artigo trata de que

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Pós Graduação em Jornalismo Investigativo

Pós Graduação em Jornalismo Investigativo Pós Graduação em Jornalismo Investigativo Público - alvo O curso foi desenvolvido para profissionais interessados em aprofundar seus conhecimentos em técnicas de reportagem e investigação jornalística,

Leia mais

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo ANA EUGÊNIA NUNES DE ANDRADE Jornalista, professora do Curso de Comunicação Social habilitação em Jornalismo, da Universidade do Vale do Sapucaí (Univás)

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

Quem fala quando o assunto é criança e adolescente: uma análise do uso das fontes de informação pelos jornalistas 1

Quem fala quando o assunto é criança e adolescente: uma análise do uso das fontes de informação pelos jornalistas 1 Quem fala quando o assunto é criança e adolescente: uma análise do uso das fontes de informação pelos jornalistas 1 Vinicius Andrade de Carvalho Rocha 2 Wellington Nogueira Amarante 3 Universidade Federal

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

ENSINO DE RELAÇÕES PÚBLICAS: UMA PROPOSTA DE ESTRUTURA CURRICULAR. Dra. Cláudia Peixoto de Moura (FAMECOS/PUCRS)

ENSINO DE RELAÇÕES PÚBLICAS: UMA PROPOSTA DE ESTRUTURA CURRICULAR. Dra. Cláudia Peixoto de Moura (FAMECOS/PUCRS) ENSINO DE RELAÇÕES PÚBLICAS: UMA PROPOSTA DE ESTRUTURA CURRICULAR Dra. Cláudia Peixoto de Moura (FAMECOS/PUCRS) Este trabalho versa sobre a aplicação das diretrizes curriculares na Comunicação Social,

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS CURSO DE JORNALISMO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS 1 1 ÁREAS TEMÁTICAS Respeitada a disponibilidade de carga horária dos professores orientadores e a escolha dos alunos,

Leia mais

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP) Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Sus Determinantes y Politicas

Leia mais

ÍNDICES SOCIAIS DE VALOR: MASS MEDIA, LINGUAGEM E ENVELHECIMENTO

ÍNDICES SOCIAIS DE VALOR: MASS MEDIA, LINGUAGEM E ENVELHECIMENTO ÍNDICES SOCIAIS DE VALOR: MASS MEDIA, LINGUAGEM E ENVELHECIMENTO Denise Regina Stacheski - UTP denise.stacheski@utp.br Giselle Aparecida Athayde Massi - UTP giselle.massi@utp.br Introdução: O resumo estendido

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos referentes

Leia mais

Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1. Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE

Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1. Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1 Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE RESUMO O presente trabalho apresenta a experiência de produção laboratorial

Leia mais

COMUNICAÇÃO COORDENADA UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO E A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO EIXO RIO/SÃO PAULO: O CASO CÂNCER

COMUNICAÇÃO COORDENADA UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO E A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO EIXO RIO/SÃO PAULO: O CASO CÂNCER II ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SOCIEDADE BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SBPJor FACULDADE DE COMUNICAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA 26 E 27 DE NOVEMBRO DE 2004 SALVADOR

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2 Comol era r t i gos c i ent íc os Conteúdo Como ler artigos científicos... 2 Dicas de como ler o artigo... 4 Guia de como ler um artigo:... 5 Atividade 1... 7 Etapa 1... 7 Etapa 2... 8 Etapa 3... 8 Etapa

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Metodologia Científica Projeto de Pesquisa Orientações Gerais Projeto de pesquisa Questões a responder o que fazer? formulação do problema,

Leia mais

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE Silvia Ramos A pesquisa mídia e violência O Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira

Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira Teoria das Organizações Palavras chave: Planejamento, organização, empresas 1 Teoria das organizações Aula Tema 3 e 4 Gestão

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

Deputados estaduais mais votados se ausentam em sessões plenárias e elaboram leis sem interesse público

Deputados estaduais mais votados se ausentam em sessões plenárias e elaboram leis sem interesse público Deputados estaduais mais votados se ausentam em sessões plenárias e elaboram leis sem interesse público Viviane MENOSSO Ana Paula MIRA, Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO A reportagem mostra quem

Leia mais

Fábio Martins Bueno (Mestrando UEL/Londrina CAPES)

Fábio Martins Bueno (Mestrando UEL/Londrina CAPES) II Colóquio da Pós-Graduação em Letras UNESP Campus de Assis ISSN: 2178-3683 www.assis.unesp.br/coloquioletras coloquiletras@yahoo.com.br SHERLOCK HOLMES E DUPIN: PERSONAGENS QUE INSPIRAM O MÉTODO INVESTIGATIVO

Leia mais

Filosofia para crianças? Que história é essa?

Filosofia para crianças? Que história é essa? Filosofia para crianças? Que história é essa? P Isabel Cristina Santana Diretora do CBFC ara muitos provoca espanto a minha resposta quando me perguntam: qual é o seu trabalho? e eu respondo trabalho com

Leia mais

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Resumo Andréia Silva da Mata 1 Márcia Regina F. de Brito 2 O presente estudo teve como objetivo principal analisar o desempenho dos estudantes dos

Leia mais

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Autores: Maria Zaclis Veiga e Élson Faxina Docentes do Centro Universitário Positivo UnicenP Resumo: A Rede Teia de Jornalismo

Leia mais

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Maikon dos Santos Silva 1 Mirian Pacheco Silva 2 RESUMO: Muitos alunos da Educação de Jovens e Adultos não relacionam

Leia mais

Linha de Pesquisa: Possibilidades de Definição e Tipos de Utilização do Conceito

Linha de Pesquisa: Possibilidades de Definição e Tipos de Utilização do Conceito Linha de Pesquisa: Possibilidades de Definição e Tipos de Utilização do Conceito Paulo Rogério Meira Menandro A iniciativa da Revista de Administração Contemporânea (RAC) de acolher uma discussão sobre

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras realizar a pesquisa

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras realizar a pesquisa Núcleo de Pós Graduação Pitágoras realizar a pesquisa Como fazer pesquisa? interpretar resultados Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Java Disciplina: Orientação de Conclusão de Curso

Leia mais

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL Profa. Rosemara Soares de Souza Caires Unidade II SERVIÇO SOCIAL INTERDISCIPLINAR Aproximações entre o Serviço Social e a Interdisciplinaridade A interdisciplinaridade se manifesta na profissão por meio

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO O QUE PODEMOS APRENDER com a experiência de vida de pessoas resilientes é que, para enfrentar situações difíceis, é

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO BECK, Eliane Maria Cabral (UNIOESTE)² PALAVRAS-CHAVE: interpretação, interlocutor, contexto. Resumo: Pretende-se, com este trabalho, analisar a transmissão de informação expressa

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE Gerson Luiz Martins PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE A contribuição da Reportagem, Assessorias e Agências para a formação do jornal diário. Equipe

Leia mais

TÉCNICAS DE ENTREVISTA

TÉCNICAS DE ENTREVISTA TÉCNICAS DE ENTREVISTA Preparação para a entrevista Antes de sair para campo, prepare-se: 1) Conheça seu gravador. Verifique se há trava para iniciar a gravação. Em caso negativo, leve as pilhas separadamente

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Wallace Matheus Torres Peres / UERJ w.matheustorres@bol.com.br Renan Caldas Galhardo Azevedo / UERJ renan.azevedo08@outlook.com INTRODUÇÃO O

Leia mais

Argumentação: noções básicas

Argumentação: noções básicas Capítulo 1 Argumentação: noções básicas Antes de discutir a argumentação jurídica, vale a pena expor algumas noções básicas de teoria da argumentação. O capítulo é breve, mas os conceitos que ele introduz

Leia mais

Perícia Contábil e os Métodos: Experimental e do Raciocínio Contábil

Perícia Contábil e os Métodos: Experimental e do Raciocínio Contábil Perícia Contábil e os Métodos: Experimental e do Raciocínio Contábil Prof. Me. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresenta-se uma concisa análise sobre a necessidade da aplicação de método científico,

Leia mais

Jornalismo, ética e liberdade FRANCISCO JOSÉ CASTILHOS KARAM

Jornalismo, ética e liberdade FRANCISCO JOSÉ CASTILHOS KARAM Jornalismo, ética e liberdade FRANCISCO JOSÉ CASTILHOS KARAM JORNALISMO, ÉTICA E LIBERDADE Copyright 1997, 2014 by Francisco José Castilhos Karam Direitos desta edição reservados por Summus Editorial Editora

Leia mais

AVALIADORES & AVALIADOS (CONSENSOS?)

AVALIADORES & AVALIADOS (CONSENSOS?) AVALIADORES & AVALIADOS (CONSENSOS?) Jailson Rogério GOMES* Universidade Estadual de Goiás O presente trabalho objetiva revelar e desvelar representações, problemas, dilemas e desafios enfrentados pelos

Leia mais

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Sumário 07 11 12 12 13 13 13 14 15 15 17 18 19 20 21 21 23 Guia rápido

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014.

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. Aprova o Guia para o Relacionamento com a Imprensa do Ministério Público Federal. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo

Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo Da grande reportagem ao escândalo político: os percursos do jornalismo investigativo no Brasil 1 From in-depth reporting to political scandal: the courses of investigative journalism in Brazil Seane Alves

Leia mais

Aula 7: Métodos de raciocínio

Aula 7: Métodos de raciocínio Aula 7: Métodos de raciocínio São modelos conscientes de organização do pensamento Desde pequenos, ouvimos que a principal característica que diferencia os seres humanos dos animais é o fato de aqueles

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva

Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva Existem inúmeras teorias da comunicação. Perguntas preliminares: o que é língua? O que é fala? O que é linguagem? Língua Sons e ruídos combinados

Leia mais

Uma vida dedicada. do ensino médico?

Uma vida dedicada. do ensino médico? E ntrevista Gilson Soares Feitosa O entrevistado desta edição é o cardiologista e professr Gilson Feitosa, que é coordenador da Residência em Cardiologia e diretor de Ensino e Pesquisa do Hospital do Hospital

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Serena Veloso GOMES² Thamara Rocha Ribeiro FAGURY³ Kalyne Menezes SOUZA4 Silvana Coleta Santos PEREIRA5 Universidade Federal

Leia mais

12 Guia prático de história oral

12 Guia prático de história oral parte i Fundamentos 12 Guia prático de história oral 1. TEMA Ao longo dos últimos anos, muitas abordagens se somam à chamada história oral, termo, contudo pouco explicado e confundido com gravações de

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

Investigação experimental

Investigação experimental Investigação experimental Aproximação positivista Experiências laboratoriais: identificação de relações exactas entre as variáveis escolhidas num ambiente controlado (laboratório) através do uso de técnicas

Leia mais

ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1

ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1 ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1 Alberto Albuquerque Gomes 2 O estudo de caso tem sido escolhido, de forma recorrente, como alternativa para pesquisas sobre o fenômeno educativo. Porém, nem sempre

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

artigos sérios sobre tradução

artigos sérios sobre tradução 1 Introdução A principal motivação para este trabalho foi a redescoberta da seção Versão Brasileira, publicada mensalmente na revista Língua Portuguesa, após ter entrado em contato, durante o meu mestrado,

Leia mais

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda TOMITA, Iris Y. mestre Unicentro - PR RESUMO A expansão dos cursos de Publicidade e Propaganda nos anos 1990 reflete um contexto histórico

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

1 (AMARELA) 9 (AZUL) 7 (ROSA) 4 (VERDE) 8 (AMARELA) 1 (AZUL) 3 (ROSA) 5 (VERDE) 13 (AMARELA) 18 (AZUL) 16 (ROSA) 16 (VERDE)

1 (AMARELA) 9 (AZUL) 7 (ROSA) 4 (VERDE) 8 (AMARELA) 1 (AZUL) 3 (ROSA) 5 (VERDE) 13 (AMARELA) 18 (AZUL) 16 (ROSA) 16 (VERDE) 1 (AMARELA) 9 (AZUL) 7 (ROSA) 4 (VERDE) A argumentação do recurso não merece acolhida. A noção de pressuposto não foi corretamente compreendida pelo candidato. Além disso, não se pode dizer que qualquer

Leia mais

A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br

A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br 2014 A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br 1 A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Pergunta: A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Por Eduardo Varela Consultor da Factor9.com.br Março

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Métodos de Investigação em Sistemas de Informação

Métodos de Investigação em Sistemas de Informação Métodos de Investigação em Sistemas de Informação Henrique O Neill Programa Doutoral em CTI ISCTE, 26 Novembro 2009 Henrique O'Neill 1/18 INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA O que é? Henrique O'Neill 2/18 1 Investigar

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE 1 PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE Resumo O presente trabalho procura vincular a Educação formal aos princípios da Educação Ambiental

Leia mais

CONSTRUÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE HIPÓTESES DEDUÇÃO

CONSTRUÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE HIPÓTESES DEDUÇÃO CONSTRUÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE HIPÓTESES Começo este texto fazendo um questionamento: hipótese é uma pergunta ou uma resposta? A chance de qualquer pessoa acertar sem pensar é de 50%. Contudo, quando começamos

Leia mais

O texto a seguir é referência para as questões 01 e 02.

O texto a seguir é referência para as questões 01 e 02. Comentário Geral Foi uma boa prova! A UFPR manteve o bom nível das questões e manteve também sua qualidade. Apresentou-se uma prova que foi além do conhecimento básico dos textos aludidos. Exigiu-se boa

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA

A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA Amarildo Luiz Trevisan Eliana Regina Fritzen Pedroso - UFSM Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico

Leia mais

A importância da mídia nas ações de prevenção e combate ao crime de lavagem de dinheiro

A importância da mídia nas ações de prevenção e combate ao crime de lavagem de dinheiro A importância da mídia nas ações de prevenção e combate ao crime de lavagem de dinheiro Frequentemente, os profissionais do mercado financeiro que atuam na prevenção e no combate ao crime de lavagem de

Leia mais

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática O USO DE VÍDEOS COMERCIAIS COMO ELEMENTO MOTIVADOR PARA O ENSINO/APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Fabiana F. Serres UFRGS fabiana.serres@ufrgs.br Luiz

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

Agência Experimental de Jornalismo da Faculdade Estácio de Sá de Juiz de Fora 1. Clarissa Ramos dos Santos, Fabiola Mattos, Letícia Rocha de Araújo 2

Agência Experimental de Jornalismo da Faculdade Estácio de Sá de Juiz de Fora 1. Clarissa Ramos dos Santos, Fabiola Mattos, Letícia Rocha de Araújo 2 Agência Experimental de Jornalismo da Faculdade Estácio de Sá de Juiz de Fora 1 Clarissa Ramos dos Santos, Fabiola Mattos, Letícia Rocha de Araújo 2 Faculdade Estácio de Sá de Juiz de Fora, Minas Gerais.

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

desafia, não te transforma Semestre 2015.2

desafia, não te transforma Semestre 2015.2 O que não te 1 desafia, não te transforma Semestre 2015.2 1 Nossos encontros www.admvital.com 2 2 Nossos encontros www.admvital.com 3 AULÃO 3 4 Materiais da aula www.admvital.com/aulas 4 5 Critérios AV

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza

Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza 1 www.oxisdaquestao.com.br Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza Texto de CARLOS CHAPARRO Entramos em 2012 sem Daniel Piza. Perdemo-lo aos 41 anos de idade, a 30 de dezembro de 2011. Mas

Leia mais