Pré-eclâmpsia. Resumo. Introdução. Preeclampsia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pré-eclâmpsia. Resumo. Introdução. Preeclampsia"

Transcrição

1 ATUALIZAÇÃO Pré-eclâmpsia Preeclampsia Alex Sandro Rolland de Souza Carlos Noronha Neto Isabela Cristina Coutinho Carolina Prado Diniz Marcelo Marques de Souza Lima Centro de Atenção à Mulher Setor de Medicina Fetal do Instituto Materno Infantil Prof. Fernando Figueira SEMEFE IMIP Resumo As síndromes hipertensivas representam uma das alterações que ocorrem com maior freqüência na gravidez. Sua incidência varia de 2 a 8% das gestações, encontrando-se entre as principais causas de morte materna e com elevada taxa de morbimortalidade perinatal no mundo, oscilando entre 5 e 20%. Devido a graves complicações que a pré-eclâmpsia/eclâmpsia pode acarretar, o assunto será abordado visando melhorar a assistência materno-fetal. A correta classificação e o diagnóstico das síndromes hipertensivas são de grande importância para o acompanhamento destas gestantes. O sulfato de magnésio é a principal droga utilizada nas pacientes com pré-eclâmpsia com o intuito de prevenir futuras convulsões. PALAVRAS-CHAVE: Ultra-sonografia Doppler. Eclâmpsia. Pré-eclâmpsia/Fisiopatologia. Gravidez de alto risco. Introdução As síndromes hipertensivas representam em todo o mundo uma das alterações que ocorrem com maior freqüência na gravidez. Sua incidência ocorre entre 2 e 8% das gestações, nos países desenvolvidos, podendo, no Brasil, chegar a 10% ou mais. Encontram-se entre as principais causas de morte materna no Brasil e a terceira causa no mundo, cursando ainda com elevada taxa de morbimortalidade perinatal, oscilando entre 5 e 20% (Cecatti et al.,1998; Costa et al., 2002; Vega et al., 2003). Estes altos índices de mortalidade materna são, devido a uma gama de complicações, como coagulação intravascular disseminada/síndrome HELLP (10 20%), edema pulmonar e aspiração (2 5%), insuficiência renal aguda (1 5%), descolamento prematuro de placenta (1 4%), eclâmpsia (< 1%), hemorragia ou insuficiência hepática (< 1%), tromboembolismo, hemorragia cerebral, entre outras (National High Blood Pressure Education Program NHBPEP, 2000; Sibai et al., 2005). Dentre as principais complicações neonatais, temos: parto prematuro (15 67%); restrição de crescimento intra-útero (10 25%); e morte perinatal (1 2%) (Sibai et al., 2005). Em São Paulo, Brasil, no ano de 1999, foi observado que as síndromes hipertensivas encontravam-se como a primeira causa de morte materna, seguido por hemorragia e infecções (Vega et al., 2003). Da mesma forma, no Recife, observou-se que a hipertensão foi responsável por 23,8% das mortes maternas no período de (Cecatti et al., 1998) e por 19,4% no período de (Costa et al., 2002). Nos países desenvolvidos a eclâmpsia ocorre mais raramente, enquanto nos países em desenvolvimento as estimativas são maiores. No Brasil, encontramos uma incidência em torno de um para partos (Oliveira & Domingues, 2004). Sendo ainda maior em centros de referência, como no IMIP, em torno de 1 para 135.

2 Em lugares onde a mortalidade materna é alta, muitas destas mortes estão associadas à eclâmpsia, enquanto nos lugares onde a mortalidade é mais baixa existe uma maior proporção de mortes por pré-eclâmpsia. Esta causa básica de mortalidade vem diminuindo em muitos países desenvolvidos, mas nos países em desenvolvimento, apesar dos esforços, essas taxas ainda permanecem elevadas (Cecatti et al., 1998; Costa et al., 2002; Vega et al., 2003). Diagnóstico e Classificação O De acordo com o NHBPEP (2000), as síndromes hipertensivas da gravidez podem ser classificadas em (Sibai et al., 2005): Hipertensão crônica definida como o aumento dos níveis pressóricos no período pré-concepcional ou diagnosticado antes da 20ª semana de gestação. Inclui ainda os casos de hipertensão diagnosticada após a 20ª semana de gravidez e que não retorna aos níveis normais após a 12ª semana pós-parto. A hipertensão é definida como pressão sistólica 140 mmhg ou diastólica 90 mmhg, aferidas em pelo menos duas ocasiões diferentes com intervalo de pelo menos 4 a 6 h; pré-eclâmpsia definida como hipertensão associada à proteinúria. Sendo a proteinúria definida como excreção de 300 mg ou mais de proteínas nas 24 h e caso não possa ser realizada, a proteinúria é definida como concentração de 300 mg/l ou mais de proteínas ( 1 + de dipstick) em duas amostras diferentes de urina com intervalo de pelo menos 4 a 6 h. O diagnóstico é realizado usualmente após a 20ª semana de gestação, embora casos precoces possam surgir na mola hidatiforme ou hidropsia fetal. Ou ainda, na ausência de proteinúria, quando há associação com sintomas visuais e cerebrais persistentes (cefaléia e turvação visual), dor no quadrante superior direito do abdome ou exames laboratoriais alterados (plaquetopenia e enzimas hepáticas); pré-eclâmpsia grave pressão sistólica 160 mmhg e/ou diastólica 110 mmhg associada a proteinúria; hipertensão associada a proteinúria grave (acima de 2,0 g nas 24 h); hipertensão associada a comprometimento de múltiplos órgãos (edema pulmonar e oligúria - < 500 ml/dia); e hipertensão associada a sintomas persistentes (visuais, cerebrais e dor epigástrica ou no quadrante superior direito persistentes) ou exames laboratoriais alterados (plaquetopenia - < por μl e enzimas hepáticas) (Quadro 1); Quadro 1 - Critérios de diagnóstico de pré-eclâmpsia grave. Pressão arterial sistólica 160 mmhg Pressão arterial diastólica 110 mmhg Proteinúria 2 g em 24h Creatinina sérica > 1,2 mg% Oligúria < 500 ml em 24 h Sintomas persistentes visuais e/ou cerebrais Edema pulmonar ou cianose Dor epigástrica ou no quadrante superior direito do abdome Alteração de enzimas hepáticas Plaquetopenia < por μl pré-eclâmpsia leve hipertensão associada à proteinúria, que não preenche os critérios acima de pré-eclâmpsia grave; pré-eclâmpsia superposta presença de hipertensão crônica associada ao aumento súbito dos níveis pressóricos e/ou da proteinúria ou evidência de alguma disfunção orgânica, através de sintomas ou exames laboratoriais; eclâmpsia pré-eclâmpsia associada a convulsões que não podem ser atribuídas a outras causas; hipertensão gestacional hipertensão que não cursa com proteinúria, após a 20ª semana de gravidez, em mulheres previamente normotensas. O diagnóstico não é definitivo, sendo realizado freqüentemente, após a 12ª semana pós-parto. Desta forma, pode-se incluir tanto os casos de hipertensão crônica (quando a pressão se mantém elevada depois da 12ª semana pós-parto) como hipertensão transitória (quando não se desenvolve pré-eclâmpsia e os níveis tencionais voltam ao normal no pós-parto) e pré-eclâmpsia em desenvolvimento (quando posteriormente surge proteinúria e/ou sintomas na gestação ou no pós-parto). Observe a ausência das antigas recomendações em utilizar como critérios diagnósticos à presença de edema, que geralmente ocorre em grande parte das gestações normais e o aumento de 30 mmhg na pressão sistólica ou 15 mmhg na pressão diastólica. Fatores de Risco A pré-eclâmpsia ocorre mais freqüentemente em mulheres nulíparas. Entretanto, nestas pacientes, a doença geralmente é leve, surge próximo ao termo ou no período intraparto (75%) e apresenta um risco pequeno quanto ao prognóstico desfa-

3 vorável da gestação. Ao contrário, a freqüência e a gravidade da doença são maiores nas gestações múltiplas, na hipertensão crônica, na gestação anterior com pré-eclâmpsia, na diabetes mellitus e nas trombofilias preexistentes (Sibai et al., 2005). Vários fatores de risco (Quadro 2) para a pré-eclâmpsia têm sido identificados, como: risco aumentado nas mulheres que tiveram pouca exposição ao esperma do mesmo parceiro antes da concepção; diminuição do risco nas mulheres com passado de pré-eclâmpsia que mudaram de parceiros; em homens que geraram filhos em uma gestante com pré-eclâmpsia existe um aumento do risco de gerar outro filho em mulher diferente também com pré-eclâmpsia; a primipaternidade; os avanços da tecnologia da reprodução assistida, que afetam a interação do sistema imune materno produzindo um aumento do risco; o aumento do índice de massa corpórea, que se apresenta relacionada com a resistência à insulina também são de risco; tem sido observado um aumento na taxa de trombofilias nas pacientes com pré-eclâmpsia; e baseado no conceito de que a pré-eclâmpsia é o extremo final de uma resposta inflamatória, então, fatores que aumentam a resposta inflamatória podem estar envolvidos no aumento do risco de pré-eclâmpsia como infecções (infecção do trato urinário, doença periodontal, chlamydia e citomegalovírus) e doenças reumatológicas (Sibai et al., 2005). Quadro 2 - Fatores de risco para pré-eclâmpsia (adaptado de Sibai et al., 2005). Fatores de risco relacionados ao casal Pouca exposição ao esperma Primipaternidade Gestações após inseminação artificial, doação de oócitos, doação de embriões Efeito protetor de mudança de parceiros nos casos de pré-eclâmpsia em gestação anterior Fatores de risco relacionados à gestação e à mãe Extremos da idade materna Pré-eclâmpsia em gestação anterior Hipertensão crônica ou doença renal Doença reumatológica Baixo peso ao nascer da mãe Obesidade e resistência à insulina Diabetes mellitus pregestacional Infecções maternas Trombofilias preexistentes Suscetibilidade de genes maternos História familiar de pré-eclâmpsia Tabagismo (risco baixo) Degeneração hidrópica da placenta Fisiopatologia A despeito do conhecimento acumulado, a pré-eclâmpsia/eclâmpsia continua sendo uma síndrome que leva a graves repercussões materno-fetais, e pouco se conhece a respeito da sua etiologia (Romero, 2003; Sibai et al., 2005; Roberts & Gammill, 2005). A elevação da pressão arterial, principal sinal clínico da pré-eclâmpsia/eclâmpsia, pode ser considerada como uma conseqüência da doença e não a causa, já que parece ter como função, compensar a diminuição do fluxo sangüíneo materno-fetal (Romero, 2003). Várias teorias são propostas na tentativa de desvendar o evento, dentre elas, a de que a pré-eclâmpsia esteja associada a alterações imunológicas, como o marco inicial do processo fisiopatológico. Alguns estudos sugerem que na pré-eclâmpsia existam alguns aspectos imunogenéticos de grande importância para sua fisiopatologia. Aventa-se uma possível implicação do gene da síntese do óxido nítrico e do sistema HLA na gênese da pré-eclâmpsia. Desta forma, a resposta imunológica materna anormal ao trofoblasto determinará a má-adaptação placentária, desencadeando lesões endoteliais. Além disso, outro importante ponto é que esses fatores e o endotélio possam ser influenciados pelas grandes modificações ocasionadas pela gestação, como a ativação da cascata inflamatória normal na gravidez (Romero, 2003; Sibai et al., 2005). Atualmente, sabe-se que a má adaptação placentária é um pré-requisito na etiologia da pré-eclâmpsia, aceitando-se a clássica teoria de que o evento básico constitui uma falha da remodelação e infiltração das células trofoblásticas nas artérias espiraladas, levando a hipoperfusão placentária quando a necessidade de O2 pelo feto é alta (Aardema et al., 2004; Roberts & Gammill, 2005). A subseqüente isquemia da circulação útero-placentária ocasiona a liberação de muitas substâncias vasoativas na circulação materna, causando dano endotelial e conseqüente alteração de sua função. Essa injúria ao endotélio leva a uma variedade de mudanças na interface sangue-tecido, incluindo agregação plaquetária, ativação do sistema de coagulação, aumento da permeabilidade da parede do vaso e aumento da reatividade e do tono do músculo liso vascular (Romero, 2003; Aardema et al., 2004; Sibai et al., 2005; Roberts & Gammill, 2005). A clássica teoria da má adaptação placentária explica em parte a causa da pré-eclâmpsia, mas não a sua totalidade. Pois, uma vez que a isquemia placentária é crônica, ocorre restrição

4 de crescimento fetal, principalmente nos casos precoces, e pode não ocorrer com a doença tardia (Aardema et al., 2004). Outro exemplo é observado nos estudos utilizando a análise dopplervelocimétrica das artérias uterinas, no segundo trimestre de gestação. Estes estudos se baseiam na alta resistência das artérias uterinas encontradas no início da gravidez, e que se mantém elevada nas gestações com pré-eclâmpsia. Contudo, os resultados são freqüentemente desapontadores, devido a um grande número de falso-negativos (Parretti et al., 2003; Aardema et al., 2004), indicando que a resistência vascular útero-placentária, no segundo trimestre, é normal em muitas mulheres que desenvolverão pré-eclâmpsia (Aardema et al., 2004). Acredita-se, portanto, existir uma heterogeneidade de fatores envolvidos na gênese da pré-eclâmpsia. Dessa forma, foi observada diferença estatisticamente significante, através da dopplervelocimetria, nos valores do índice de pulsatilidade nas artérias uterinas, com 22 semanas de gestação, entre gestantes hipertensas com prognóstico favorável, e gestantes hipertensas com prognóstico desfavorável. Sendo assim, nas gestantes não complicadas parece não haver aumento da resistência útero-placentária. Ao contrário, nas gestantes com complicações, que apresentam índices de resistência mais elevados, sugere-se um processo de má-adaptação placentária (Aardema et al., 2004). Como conseqüência final dessas alterações fisiopatológicas, ocorre vasoespasmo generalizado, levando a alterações funcionais e morfológicas em vários órgãos, resultando na complexa manifestação clínica chamada de pré-eclâmpsia (Aardema et al., 2004). Desta forma, a pré-eclâmpsia/eclâmpsia não é apenas uma hipertensão induzida pela gestação, mas provavelmente secundária a interações imunogenéticas e a uma má perfusão placentária, assim como alterações da função endotelial materna. Quanto aos possíveis mecanismos de surgimento de convulsões nas pacientes com pré-eclâmpsia, foi observado que o aumento da pressão arterial média em gestantes saudáveis ocasiona uma diminuição da resistência cerebral materna quando comparado a gestantes com préeclâmpsia e gestantes saudáveis. Tal fato pode ser explicado pelo mecanismo de auto-regulação, no qual esta diminuição pode estar relacionada à abertura dos vasos ocluídos, ocasionando shunts na circulação cerebral. Este efeito vasodilatador da auto-regulação mantém o fluxo sangüíneo cerebral, até certo ponto. Com base neste dado, foi observada uma falha deste mecanismo, na artéria cerebral média de pacientes com pré-eclâmpsia, ultimando-se com um dano vascular, levando à isquemia cerebral e à possível convulsão (Belfort et al., 1999). Uma nova proposta para o mecanismo da eclâmpsia tem sido sugerida como um barotrauma cerebral. Com a hipertensão persistente e a perfusão cerebral excessiva nas artérias, o diâmetro das artérias cerebral anterior, média e posterior é danificado por um processo de barotrauma. Isto resulta em falha de regulação a este nível e o desenvolvimento de uma nova pressão de perfusão cerebral e encefalopatia hipertensiva. Os vasos sangüíneos distais são então expostos a pressões excessivas e edema cerebral vasogênico (ocasionalmente citotóxico). Se este vasoespasmo for desenfreado, isquemia cerebral com hemorragia pode ocorrer. Esta hipótese permite explicar tanto a presença de isquemia como de encefalopatia no mesmo paciente (Belfort et al., 2002). Rastreamento Na gestação normal ocorre a migração e invasão do citotrofoblasto extravilositário em direção às arteríolas espiraladas, com degeneração do endotélio vascular e perda da camada músculo-elástica, tornando-as mais distensíveis e levando a progressiva dilatação destes vasos (Sibai et al., 2005). Isto se inicia através da primeira onda de invasão trofoblástica, que ocorre entre a 6ª e 8ª semana com término entre a 12ª e 14ª semana de gestação, limitando-se ao seguimento decidual das arteríolas espiraladas. Ainda há a segunda onda de invasão trofoblástica, a qual atinge a porção mais profunda das arteríolas, a miometrial, durante a 16ª e a 20ª semana de gravidez. Desta forma, ocorre o aumento do fluxo sangüíneo necessário para o crescimento da placenta e do feto. Esta fisiologia do fluxo das artérias uterinas se reflete na dopplervelocimetria, na qual o índice de resistência diminui com evoluir da gestação (Parretti et al., 2003). No início da gestação normal o estudo Doppler apresenta-se com alta resistência e presença da incisura protodiastólica. Com o evoluir da gravidez, observa-se aumento da velocidade do fluxo diastólico devido à segunda onda de migração trofoblástica, que se caracteriza pela alteração do fluxo para baixa resistência e desaparecimento da incisura protodiastólica a partir da 26ª semana de gestação. A onda dopplervelocimétrica da artéria uterina caracterizada com o índice de resistência alto e a persistência da incisura protodiastólica uni- ou bilateral no segundo trimestre de gestação está associada com mais de seis vezes ao aumento da taxa de pré-

5 eclâmpsia (Sibai et al., 2005). Contudo, a sensibilidade do método em predizer a pré-eclâmpsia varia de 20 a 60% e o valor preditivo positivo de 6 a 40% (Sibai et al., 2005). Alguns estudos vêm diminuindo o limite da idade gestacional, com idades cada vez mais precoces, obtendo resultados encorajadores para predizer complicações na gravidez (Aardema et al., 2004). A presença da incisura protodiastólica parece ser mais útil do que as alterações dos índices Doppler na artéria uterina para identificar complicações gestacionais. O índice de resistência é maior em mulheres que desenvolverão pré-eclâmpsia, contudo estas diferenças são pequenas, sendo considerado insatisfatório como um teste de rastreamento eficiente (Parretti et al., 2003). Aardema et al., 2004, sugerem que os baixos valores preditivos para os índices Doppler da artéria uterina para método de rastreamento da pré-eclâmpsia possam ser devidos às diferenças na resistência útero-placentária entre gestantes hipertensas com prognóstico bom, e gestantes hipertensas com prognóstico ruim, já que a maioria dos estudos não faz esta diferenciação (Parretti et al., 2003; Aardema et al., 2004). Outros estudos vêm surgindo utilizando a dopplervelocimetria da artéria uterina como rastreamento de pré-eclâmpsia no primeiro trimestre da gestação. Prefumo et al., 2004, através de estudo anatomopatológico, sugeriram uma correlação estatisticamente significante entre a proporção de vasos deciduais com invasão trofoblástica, e baixos índices de resistência das artérias uterinas, sugerindo que a investigação Doppler das artérias uterinas também se associa com a invasão do trofoblasto em idades gestacionais precoces. Chien et al., 2005, revisando 27 estudos, concluíram que a dopplervelocimetria da artéria uterina tem limitado valor como teste de rastreamento para pré-eclâmpsia. De forma semelhante, Bricker & Neilson, 2005, revisando cinco estudos que incluíram mulheres, concluíram que a ultra-sonografia Doppler de rotina em pacientes de baixo risco não traz benefícios para a mãe e o feto. Sendo assim, apesar dos resultados promissores dos primeiros estudos, atualmente não se recomenda a utilização da dopplervelocimetria de rotina como teste de rastreamento universal para pré-eclâmpsia. Entretanto, nas pacientes de alto risco, esta metodologia pode ser benéfica, principalmente se um tratamento preventivo efetivo esteja disponível (Sibai et al., 2005). Vários marcadores bioquímicos, baseados na fisiopatologia da doença, têm sido relatados na literatura para predizer o desenvolvimento da pré-eclâmpsia. Entretanto, até o momento, os estudos são inconsistentes e muitos marcadores são poucos específicos, não sendo recomendados para o uso de rotina na prática clínica (Sibai et al., 2005). Prevenção Vários estudos buscam um método eficiente que reduza a incidência e a gravidade da préeclâmpsia. Entretanto, essa metodologia ainda não foi encontrada. Sugerem-se como algumas medidas que possam trazer algum benefício, porém sem evidência para a sua recomendação, a dieta com restrição de proteína ou sal, exercícios, suplementação com zinco, magnésio, vitaminas antioxidantes (C e E) e com óleo de peixe ou outras fonte de ácidos graxos, heparina e heparina de baixo peso molecular e drogas anti-hipertensivas em mulheres com hipertensão crônica (Quadro 3) (Sibai et al., 2005; Beazley et al., 2005; Makrides & Crowther, 2005). Particularmente, a suplementação de cálcio foi associada à redução da hipertensão e da pré-eclâmpsia em pacientes de alto risco e que apresentavam uma dieta pobre em cálcio. Contudo, em pacientes com dieta normal de cálcio não foram encontradas diferenças significativas. Quanto ao efeito da suplementação dietética do cálcio sobre a morte fetal e neonatal também não foram encontradas diferenças significantes. Desta forma, os dados sugerem uma recomendação para a suplementação de cálcio em pacientes de alto-risco e que se encontrem em comunidade que ingira baixa quantidade dessa substância (Sibai et al., 2005; Atallah et al., 2006). Baseado na fisiopatologia da pré-eclâmpsia, com anormalidades da coagulação e alteração da relação tromboxane A2 e prostaciclina, muitos estudos randomizados investigam a atuação de baixas doses de aspirina ( mg/l) na sua prevenção. Desta forma, uma revisão sistemática, envolvendo 51 trials, sugere que a utilização de drogas antiplaquetárias, principalmente a aspirina, reduz em 19% o risco de desenvolver pré-eclâmpsia, 16% nas mortes fetais ou neonatais, uma pequena redução de 7% no risco de nascimento antes de 37 semanas completas e 8% de redução na incidência de recém-nascidos pequenos para a idade gestacional (Sibai et al., 2005; Duley et al., 2006). Uma metanálise sugeriu que baixas doses de aspirina melhoram o prognóstico da gestação em mulheres com persistente aumento do índice de resistência da artéria uterina com 18 e 24 semanas de gravidez. Entretanto, outros estudos foram contrários a esta afirmação. Desta forma, o uso de aspirina em baixas doses deverá ser utilizado, de forma individualizada e em pacientes de risco para desenvolver pré-eclâmpsia (Sibai et al., 2005).

6 Quadro 3 - Métodos de prevenção da pré-eclâmpsia (adaptado de Sibai et al., 2005). Dieta e exercícios (I) Restrição de proteína ou sal (II) Resultado Não reduz Recomendação Evidência insuficiente Suplementação com zinco e magnésio (I) Não reduz Não recomendado Suplementação com óleo de peixe ou outras fonte de ácidos graxos (I) Suplementação com cálcio (I) Aspirina em baixas doses (I) Heparina e heparina de baixo peso molecular (III-3) Sem efeito nas populações de alto e baixo risco Reduz a pré-eclâmpsia nas populações de alto risco com dieta pobre em cálcio; Sem efeito no prognóstico perinatal Reduz 19% (Pré-eclâmpsia) Reduz 16% (Morte fetal ou neonatal) Reduz em mulheres com doença renal e trombofilias Evidência insuficiente Para mulheres de alto risco em comunidades com dieta pobre em cálcio Nas populações de alto risco Faltam estudos randomizados; não recomendado Vitaminas antioxidantes (C e E) (II) Reduziu em um trial Evidência insuficiente Drogas anti-hipertensivas em mulheres com hipertensão crônica (I) Reduz o risco de desenvolver hipertensão grave pela metade, mas não o risco de pré-eclâmpsia Como prevenção não há evidência para a sua recomendação I IV: Níveis de Evidência. Conduta A cura da doença requer a interrupção da gestação, podendo não ser a melhor opção nos casos de fetos muito prematuros (Santos et al., 2004). Desta forma, uma vez estabelecido o diagnóstico, deve-se tomar a decisão de realização do parto ou conduta expectante, em função da idade gestacional, da vitalidade fetal e da gravidade da doença. Sendo, o principal objetivo da conduta na pré-eclâmpsia a segurança da mãe (Sibai et al., 2005). Para tanto, deve-se considerar tanto as manifestações clínicas (cefaléia, alterações visuais, alterações do status mental, dor epigástrica e no quadrante superior direito do abdome, náusea ou vômitos, oligúria e insuficiência respiratória) como os exames laboratoriais (hemograma com plaquetas, transaminases, creatinina, proteinúria de 24 h, uréia, ácido úrico, desidrogenase láctica, bilirrubinas, esfregaço periférico e testes da coagulação) e a avaliação da vitalidade fetal (ultra-sonografia, dopplervelocimetria, cardiotocografia e perfil biofísico fetal). A corticoterapia representa uma importante medida terapêutica nas gestantes com idade gestacional abaixo de 34 semanas, na diminuição dos riscos ocasionados pela prematuridade (Crowley, 2005). Nas pacientes com pré-eclâmpsia grave, entre 26 e 34 semanas de gestação, foi observado através de um ensaio clínico randomizado e duplamente mascarado que a betametasona reduz significativamente a síndrome respiratória do recém-nascido (RR 0,53; IC 95% 0,35-0,82), hemorragia intraventricular (RR 0,35; IC 95% 0,15-0,86), infecção neonatal (RR 0,39; IC 95% 0,39-0,97) e morte neonatal (RR 0,5; IC 95% 0,28-0,89), sem evidenciar aumento de complicações maternas (Amorim et al., 1999). Baseado na revisão de Sibai et al., 2005, foi proposta uma conduta para essas pacientes (Figura 1). Em geral diante do diagnóstico de préeclâmpsia deve-se determinar a correta idade gestacional, sendo indicado à interrupção da gestação com 38 semanas ou mais para toda paciente com pré-eclâmpsia, independente da gravidade, e nas pacientes com 34 semanas ou mais a interrupção estará indicada nos casos de pré-eclâmpsia grave. Figura 1 - Conduta na pré-eclâmpsia (adaptado de Sibai et al., 2005.

7 Nos casos de pré-eclâmpsia leve o acompanhamento materno e fetal deverá ser rigoroso e indica-se a interrupção da gestação na piora das condições materna e fetal, no inicio do trabalho de parto, na rotura prematura das membranas ou quando atingir a idade de 38 semanas de gestação. Nas pacientes com pré-eclâmpsia grave abaixo de 23 semanas, devido ao risco materno, a interrupção da gestação deverá ser considerada; entre 23 e 32 semanas a conduta conservadora deverá ser realizada com a corticoterapia, drogas anti-hipertensivas e avaliação diária das condições materna e fetal; entre 33 e 34 semanas, deverá ser realizada a corticoterapia e a programação da interrupção da gestação (Figura1) (Santos et al., 2004; Sibai et al., 2005). O tratamento com anti-hipertensivos diminui a incidência de hipertensão grave, prevenindo complicações cerebrovasculares e cardiovasculares, as quais são causas mais comuns de morbimortalidade materna nos países em desenvolvimento. Entretanto, este tratamento não altera o curso natural da doença (Magee et al., 1999; Sibai et al., 2005). Outra importante medida terapêutica é a utilização do sulfato de magnésio, que demonstrou ser a droga ideal tanto para a profilaxia como para o tratamento das convulsões eclâmpticas. Diversos ensaios clínicos multicêntricos e revisões sistemáticas comparando o sulfato de magnésio ao diazepam, fenitoína ou coquetel de lítio indicam a efetividade e segurança da droga, em reduzir tanto o risco de convulsões como de morte materna (Duley & Henderson-Smart, 2006; Duley & Gülmezoglu, 2006; Duley et al., 2005). O Magpie Trial (MAGnesium Sulphate for Prevention of Eclampsia) foi um grande estudo multicêntrico internacional evolvendo 175 hospitais nos quatro continentes, em 33 países, incluindo o Brasil, comparando o sulfato de magnésio versus placebo. Observou-se que a utilização do sulfato de magnésio nas pacientes com pré-eclâmpsia grave reduz o risco de convulsões (RR 0,42; IC 95% 0,23-0,76), da mesma forma que nas pacientes com pré-eclâmpsia não grave (RR 0,42; IC 95% 0,26-0,67) (Duley et al., 2005; Sibai et al., 2005). Quanto ao real benefício da utilização do sulfato de magnésio para as pacientes com pré-eclâmpsia leve, ainda é controverso na literatura. Em uma revisão englobando dois estudos com essas características não foi encontrada diferença significativa, na análise dos estudos isoladamente, assim como agrupados (RR 0,90; IC 95% 0,52-1,54) (Sibai, 2004). Os possíveis efeitos colaterais da administração parenteral do sulfato de magnésio são: hipotensão, náusea, vômitos, sensação de calor, rubor, fraqueza muscular, vertigem e irritação no local da aplicação. Além disso, podem ocorrer depressão respiratória e hemorragia pós-parto (Sibai, 2004). Ainda não existe um consenso da literatura sobre o tempo, duração, dose e via de administração do sulfato de magnésio. A rotina do Instituto Materno Infantil Prof. Fernando Figueira (IMIP) é utilizar o esquema de Zuspan (Quadro 4) em todas as pacientes com pré-eclâmpsia leve, grave e iminência de eclâmpsia. Administra-se uma dose de ataque de 6 g (em 40 min) e 1 g/h (manutenção), iniciando-se no momento do diagnóstico até 24 h pós-parto. Nas pacientes com eclâmpsia utiliza-se a mesma dose de ataque e a manutenção de 2 g/h, sendo a droga mantida até 24 h depois da última crise convulsiva (Santos et al., 2004). Quadro 4 - Esquema terapêutico de Zuspan. ATAQUE: Sulfato de magnésio (MgSO 4 ) 6 g Intravenoso em 30 min. MgSO 4 10% - 6 ampolas Diluir em 40 ml de solução glicosada 120 ml/h em bomba de infusão. MANUTENÇÃO: Sulfato de magnésio (MgSO 4 ) 6 g Intravenoso 1 g/h. MgSO 4 10% - 6 ampolas Diluir em 440 ml de solução glicosada 84 ml/h em bomba de infusão. Devido aos vários efeitos ocasionados pelo sulfato de magnésio, além de poder levar à depressão respiratória, a monitorização durante sua utilização deve ser realizada de forma rigorosa, através, basicamente, de parâmetros clínicos para prevenir a toxicidade. Devem ser pesquisados os reflexos tendinosos, a freqüência respiratória e a diurese. A infusão da droga deve ser interrompida caso estejam abolidos os reflexos, constate-se diurese menor que 25 ml/h ou freqüência respiratória menor que 14 incursões por minuto (Santos et al., 2004). Prognóstico A pré-eclâmpsia é um grave problema obstétrico com alta taxa de morbimortalidade materna e perinatal, principalmente nos países em desenvolvimento. O prognóstico é dependente de alguns fatores, como: idade gestacional do início da doença; gravidade da doença; qualidade da assistência; e a associação com outras doenças pré-existentes (Sibai et al., 2005). Desta forma, o prognóstico é geralmente favorável quando ocorre o desenvolvimento de uma pré-eclâmpsia leve na 36ª semana de idade gestacional. Ao contrário, a morbimortalidade está aumentada quando a

8 doença se desenvolve antes de 33 semanas de gestação ou encontra-se associada a doenças preexistente (Sibai et al., 2005). Considerações Finais As síndromes hipertensivas representam uma entidade fisiopatológica de grande interesse na comunidade científica devido à sua freqüência e a graves repercussões materno-fetais. Antes conhecida como Doença Hipertensiva Específica da Gestação (DHEG), hoje como pré-eclâmpsia/ eclâmpsia, há necessidade de divulgar a classificação mais recente para que haja uniformização dos termos e o correto diagnóstico. A utilização do sulfato de magnésio para a profilaxia de convulsões em gestante com pré-eclâmpsia grave/eclâmpsia já está bem documentada na literatura, sendo amplamente utilizada nos diversos centros médicos do mundo. Contudo, doses, protocolos, via de administração e tempo de utilização ainda não apresentam uma uniformização. Na pré-eclâmpsia leve, alguns estudos também reforçam a utilização do sulfato de magnésio para profilaxia das convulsões. Entretanto, ainda não é utilizada de rotina em todos os centros médicos do mundo, sendo objeto de estudos futuros. No IMIP baseado no estudo do Magpie também administramos o sulfato de magnésio para a pré-eclâmpsia leve, já que consideramos que estas pacientes são de risco elevado para desenvolver convulsões, se beneficiando da utilização desta terapêutica. Abstract The hypertensive disorders of pregnancy represent a frequent pathology. Its incidence varies from 2 to 8% of the gestations. They are the main causes of maternal mortality with high rate of perinatal morbidity and mortality in the world (5 to 20%). Magnesium sulfate is the most used medication for profilaxy of maternal seizures. Pre-eclampsia/eclampsia may origin serious perinatal complications; therefore this research will be developed for improving maternal and fetal care. The correct classification and diagnosis of the hypertensive disorders have relevant importance for management. KEYWORDS: Ultrasonography Doppler. Eclampsia. Preeclampsia/Physiopathology. High-risk pregnancy. Leituras Suplementares 1. Aardema MW, Saro MCS, Lander M et al. Second trimester Doppler ultrasound screening of the uterine arteries differentiates between subsequent normal and poor outcomes of hypertensive pregnancy: two different pathophysiological entities? Clin Sci (Lond) 2004; 106: Atallah AN, Hofmeyr GJ, Duley L. Calcium supplementation during pregnancy for preventing hypertensive disorders and related problems (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 1, Oxford: Update Software. 3. Amorim MMR, Santos LC, Faúndes A. Corticosteroid therapy for prevention of respiratory distress syndrome in severe pre-eclampsia. Am J Obstet Gynecol 1999; 180: Beazley D, Ahokas R, Livingston J et al. Vitamin C and E supplementation in women at high risk for pre-eclampsia: a double-blind, placebo-controlled trial. Am J Obstet Gynecol 2005; 192: Belfort MA, Saade GR, Grunewald C, Dildy GA. Effects of blood pressure on orbital and middle cerebral artery resistances in healthy pregnant women and women with preeclampsia. Am J Obstet Gynecol 1999; 180: Belfort MA, Varner MW, Dizon-Townson DS et al. Cerebral perfusion pressure, and not cerebral blood flow, may be the critical determinant of intracranial injury in preeclampsia: a new hypothesis. Am J Obstet Gynecol 2002; 187: Bricker L, Neilson JP. Routine Doppler ultrasound in pregnancy (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 2, Oxford: Update Software. 8. Cecatti JG, Albuquerque RM, Hardy E, Faúndes A. Mortalidade materna em Recife: causas de óbitos maternos. Rev Bras Ginecol Obstet 1998; 20: Chien PF, Arnott N, Gordon A et al. How useful is uterine artery Doppler flow velocimetry in the prediction of preeclampsia, intrauterine growth retardation and perinatal death? An Overview. Br J Obstet Gynaecol 2000; 107: Costa AAR, Ribas MSSS, Amorim MMR, Santos LC. Mortalidade materna na cidade do Recife. Rev Bras Ginecol Obstet 2002; 24: Crowley P. Prophylactic corticosteroids for preterm birth (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 2, Oxford: Update Software. 12.Duley L, Henderson-Smart D. Magnesium sulphate versus diazepam for eclampsia (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 1, Oxford: Update Software. 13.Duley L, Gülmezoglu AM. Magnesium sulphate

9 versus lytic cocktail for eclampsia (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 1, Oxford: Update Software. 14.Duley L, Gülmezoglu AM, Henderson-Smart DJ. Magnesium sulphate and other anticonvulsants for women with pre-eclampsia (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 2, Oxford: Update Software. 15.Duley L, Henderson-Smart DJ, Knight M, King JF. Antiplatelet agents for preventing pre-eclampsia and its complications (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 1, Oxford: Update Software. 16.Magee LA, Ornstein MP, von Dadelszen P. Management of hypertension in pregnancy. BMJ 1999; 318: Makrides M, Crowther CA. Magnesium supplementation in pregnancy (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 2, Oxford: Update Software. 18.Oliveira SMJV, Domingues CA. Prevalência da eclâmpsia em parturientes. Rev Ginecol Obstet 2004; 15: Parretti E, Mealli F, Magrini A et al. Cross-sectional and longitudinal evaluation of uterine artery Doppler velocimetry for the prediction of pre-eclampsia in normotensive women with specific risk factors. Ultrasound Obstet Gynecol 2003; 22: Prefumo F, Sebire NJ, Thilaganathan B. Decreased endovascular trophoblast invasion in first trimester pregnancies with high-resistance uterine artery Doppler indices. Hum Reprod 2004; 19: Report of the National High Blood Pressure Education Program. Working group report on high blood pressure in pregnancy. Am J Obstet Gynecol 2000; 183(Suppl): Roberts JM, Gammill HS. Preeclampsia: recent insights. Hypertension 2005; 46: Romero PJ. Disfunción endotelial en la preeclampsia. An Fac Med (Perú) 2003; 64: Santos LC, Amorim MM, Katz L, Albuquerque CJ. Pré-eclâmpsia e eclâmpsia. In: - Terapia Intensiva em Obstetrícia - Instituto Materno Infantil de Pernambuco (IMIP). Rio de Janeiro: MEDSI; p Sibai BM. Magnesium sulfate prophylaxis in preeclampsia: lessons learned from recent trials. Am J Obstet Gynecol 2004; 190: Sibai BM, Dekker G, Kupferminc M. Preeclampsia. Lancet 2005; 365: Vega CEP, Marcus PAF, Pazero LC et al. Estudo da mortalidade materna no município de São Paulo durante o ano de Rev Ginecol Obstet 2003; 14: PUBLIQUE EM FEMINA envie seu artigo! Desde 1959

DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia

DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia FACULDADE DE MEDICINA FACIMED CACOAL - RO DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia Prof. Dr. José Meirelles Filho 7º semestre de Medicina Programa de Educação Médica Continuada CRM-MT FACULDADE DE CACOAL MEDICINA

Leia mais

Prevenção da pré-eclâmpsia

Prevenção da pré-eclâmpsia Prevenção da pré-eclâmpsia Melania Amorim IMIP UFCG melamorim@uol.com.br Homenagem ao meu Pai, Joaquim Amorim Neto, Decano da Faculdade de Medicina da UFCG Professor de inúmeras gerações Eterno estudioso

Leia mais

Carlito Moreira Filho. Declaração de conflito de interesse

Carlito Moreira Filho. Declaração de conflito de interesse Carlito Moreira Filho Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Resumo As síndromes hipertensivas representam uma das alterações que ocorrem com

Resumo As síndromes hipertensivas representam uma das alterações que ocorrem com Revisão sistematizada Prevenção da pré-eclâmpsia baseada em evidências Evidence-based prevention of pre-eclampsia Melania Maria Ramos Amorim 1 Alex Sandro Rolland Souza 2 Palavras-chave Hipertensão Gravidez

Leia mais

Assistência de enfermagem na doença hipertensiva específica da gravidez

Assistência de enfermagem na doença hipertensiva específica da gravidez Revista Uningá, Nº 01, p. 39-46, jan./jun.2004 Assistência de enfermagem na doença hipertensiva específica da gravidez MARI ELEN FERREIRA 1 HELLEN CARLA RICKLI CAMPANA 2 RESUMO A DHEG (Doença Hipertensiva

Leia mais

Pré-eclâmpsia - Eclâmpsia. Tratamento. Prof. Joaquim Amorim Neto

Pré-eclâmpsia - Eclâmpsia. Tratamento. Prof. Joaquim Amorim Neto Pré-eclâmpsia - Eclâmpsia Tratamento Prof. Joaquim Amorim Neto Hipertensão e Gravidez Classificação Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) Crônica Pré-eclâmpsia/ Eclâmpsia Pré-eclâmpsia superposta Hipertensão

Leia mais

INDICAÇÃO, DOSE E ADMINISTRAÇÃO DE ANTI-HIPERTENSIVOS E ANTICONVULSIVANTES EM

INDICAÇÃO, DOSE E ADMINISTRAÇÃO DE ANTI-HIPERTENSIVOS E ANTICONVULSIVANTES EM INDICAÇÃO, DOSE E ADMINISTRAÇÃO DE ANTI-HIPERTENSIVOS E ANTICONVULSIVANTES EM SITUAÇÕES DE PRÉ-PARTO PARTO E PARTO Olímpio Barbosa de Moraes Filho Departamento de Tocoginecologia UPE - 2009 INCIDÊNCIA

Leia mais

Sulfato de Magnésio nas Síndromes Hipertensivas da Gestação: Efeitos Hemodinâmicos Maternos e Fetais

Sulfato de Magnésio nas Síndromes Hipertensivas da Gestação: Efeitos Hemodinâmicos Maternos e Fetais Sulfato de Magnésio nas Síndromes Hipertensivas da Gestação: Efeitos Hemodinâmicos Maternos e Fetais Magnesium Sulfate in Hypertensive Disorders of Pregnancy: Maternal and Fetal Hemodynamic Effects ATUALIZAÇÃO

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 58 Agosto 2014

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 58 Agosto 2014 NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 58 Agosto 2014 Importância do estudo do doppler da artéria oftálmica na diferenciação de gestantes com préeclâmpsia grave em detrimento, das portadoras de pré-eclâmpsia

Leia mais

Tratamento da pré-eclâmpsia baseado em evidências

Tratamento da pré-eclâmpsia baseado em evidências Ca r lo s No r o n h a Ne to 1 Alex Sa n d r o Rolland d e So u z a 2 Me l a n i a Ma r i a Ra m o s Am o r im 3 Tratamento da pré-eclâmpsia baseado em evidências Pre-eclampsia treatment according to scientific

Leia mais

A ocorrência de um critério clínico com um critério biológico define a síndrome.

A ocorrência de um critério clínico com um critério biológico define a síndrome. Síndrome antifosfolípides e suas conseqüência na gravidez Dr. Marcos G. Asato Sinônimos Síndrome antifosfolípide, APS, lúpus eritematoso, lúpus, anticoagulante lúpico, lúpus eritematoso sistêmico. Definição

Leia mais

Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva. Específica da Gravidez e Hellp Síndrome. Versão eletrônica atualizada em Junho 2010

Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva. Específica da Gravidez e Hellp Síndrome. Versão eletrônica atualizada em Junho 2010 Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva Específica da Gravidez e Hellp Síndrome Versão eletrônica atualizada em Junho 2010 1 - DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GRAVIDEZ Hipertensão que aparece após a

Leia mais

Resumo. Abstract. Tratamento anti-hipertensivo na gravidez baseado em evidências. Evidence-based anti-hypertensive treatment in pregnancy

Resumo. Abstract. Tratamento anti-hipertensivo na gravidez baseado em evidências. Evidence-based anti-hypertensive treatment in pregnancy Tratamento anti-hipertensivo na gravidez baseado em evidências Evidence-based anti-hypertensive treatment in pregnancy REVISÃO SISTEMÁTICA Resumo As síndromes hipertensivas representam uma das alterações

Leia mais

Toxemia CONCEITUAÇÃO

Toxemia CONCEITUAÇÃO Toxemia Gravídica 2 Toxemia CONCEITUAÇÃO Toxemia gravídica DESORDENS HIPERTENSIVAS NA GRAVIDEZ 30% - HIPERTENSÃO CRÔNICA 70% - TOXEMIA GRAVÍDICA DEFINIÇÕES Toxemia HIPERTENSÃO GESTACIONAL elevação da

Leia mais

PRé-ECLÂMPSIA. » > 300 mg/l/24h ou ita teste (+) em pelo menos duas aferições ou 2 (+) ou mais em qualquer amostra isolada.

PRé-ECLÂMPSIA. » > 300 mg/l/24h ou ita teste (+) em pelo menos duas aferições ou 2 (+) ou mais em qualquer amostra isolada. Unidade 6 - Obstetrícia Pré-Eclâmpsia CAPÍTULO 24 PRé-ECLÂMPSIA 1. CRITéRIOS DIAGNóSTICO HIpERTENSãO» PAS 140mmHg» PAD 90mmHg» O aumento de 30 mmhg ou mais na PAS e de 15 mmhg ou mais na PAD não é mais

Leia mais

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 É preciso dosar e repor vitamina D no pré-natal? A dosagem de vitamina D pelos métodos mais amplamente disponíveis é confiável?

Leia mais

Impetrato: Município de Andradas e Estado de Minas Gerais. TEMA: Enoxaparina 40mg (Clexane ) para tratamento de trombofilia, em vigência de gestação.

Impetrato: Município de Andradas e Estado de Minas Gerais. TEMA: Enoxaparina 40mg (Clexane ) para tratamento de trombofilia, em vigência de gestação. NTRR 75/2014 Solicitante: Juiz de Direito: Dr. Eduardo Soares de Araújo Data: 25/04/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0019840-90.2014.8.13.0026 Impetrato: Município

Leia mais

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

EFEITOS DA DOSE DE ATAQUE DO SULFATO DE MAGNÉSIO SOBRE OS PARÂMETROS DOPPLERVELOCIMÉTRICOS NA PRÉ-ECLÂMPSIA GRAVE

EFEITOS DA DOSE DE ATAQUE DO SULFATO DE MAGNÉSIO SOBRE OS PARÂMETROS DOPPLERVELOCIMÉTRICOS NA PRÉ-ECLÂMPSIA GRAVE ALEX SANDRO ROLLAND DE SOUZA EFEITOS DA DOSE DE ATAQUE DO SULFATO DE MAGNÉSIO SOBRE OS PARÂMETROS DOPPLERVELOCIMÉTRICOS NA PRÉ-ECLÂMPSIA GRAVE RECIFE 2006 2 ALEX SANDRO ROLLAND DE SOUZA EFEITOS DA DOSE

Leia mais

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO Diabete é uma síndrome caracterizada por elevação crônica da glicemia de jejum e/ou das pós-prandiais, devido a defeito absoluto ou relativo da produção de insulina, ou

Leia mais

Diabetes na gravidez. 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional. 1 Introdução CAPÍTULO 20

Diabetes na gravidez. 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional. 1 Introdução CAPÍTULO 20 CAPÍTULO 20 Diabetes na gravidez 1 Introdução 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional 3 Atenção geral durante a gravidez 4 Controle do diabetes 5 Atenção obstétrica 6 Atenção no trabalho de parto

Leia mais

PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves. Serviço do Prof. Marcelo Zugaib

PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves. Serviço do Prof. Marcelo Zugaib PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves Serviço do Prof. Marcelo Zugaib PRÉ-ECLÂMPSIA Conceito Desenvolvimento de hipertensão após a 20ª semana de gestação,

Leia mais

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Descrição do Procedimento Operacional Padrão Quando Na admissão da paciente após detecção da patologia obstétrica. Objetivo

Leia mais

Mario Julio Franco. Declaração de conflito de interesse

Mario Julio Franco. Declaração de conflito de interesse Mario Julio Franco Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

PROTOCOLO DE CONDUTA DO DIABETES E GESTAÇÃO

PROTOCOLO DE CONDUTA DO DIABETES E GESTAÇÃO PROTOCOLO DE CONDUTA DO DIABETES E GESTAÇÃO Rosy Ane de Jesus Barros SISTEMATIZAÇÃO PARA O RASTREAMENTO DO DIABETES GESTACIONAL - para todas as gestantes, na primeira consulta de pré-natal: glicemia plasmática

Leia mais

Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos

Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos 005 Prematuridade Última revisão: 26/11/2013 Estabelecido em: 22/07/2010 Responsáveis / Unidade Frederico José A. Péret Médico MOV Validadores Comissão de Protocolos

Leia mais

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS HEPÁTICAS ESPECIFICAS DA GESTAÇÃO

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS HEPÁTICAS ESPECIFICAS DA GESTAÇÃO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS HEPÁTICAS ESPECIFICAS DA GESTAÇÃO III WORKSHOP INTERNACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM HEPATOLOGIA CURITIBA, 04 A 05 DE ABRIL DE 2008 LEILA M M BELTRÃO PEREIRA Prof. Titular

Leia mais

SÍNDROME DO ANTICORPO ANTIFOSFOLÍPIDE E GRAVIDEZ

SÍNDROME DO ANTICORPO ANTIFOSFOLÍPIDE E GRAVIDEZ SÍNDROME DO ANTICORPO ANTIFOSFOLÍPIDE E GRAVIDEZ Marta Maria Xavier Veloso Francisco Edson Lucena Feitosa Definição: Presença de anticorpos antifosfolípides, como o anticoagulante lúpico (LA) e/ou anticardiolipina

Leia mais

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL José de Arimatéa Barreto DEFINIÇÃO Para evitar correlação com função mental anormal, atualmente, o termo preferido é restrição de crescimento fetal (RCF), em substituição

Leia mais

Trabalho de parto pré-termo

Trabalho de parto pré-termo CAPÍTULO 24 Trabalho de parto pré-termo 1 Introdução 2 Prevenção do trabalho de parto pré-termo 2.1 Intervenções sociais 2.2 Medidas físicas 2.2.1 Monitorização domiciliar da atividade uterina 2.2.2 Repouso

Leia mais

Síndrome HELLP: uma breve revisão

Síndrome HELLP: uma breve revisão Artigo de revisão Síndrome HELLP: uma breve revisão HELLP syndrome: a brief review Bernardo Cardoso Pinto Coelho¹, Bruno Oliveira de Figueiredo Brito¹, Cecília Alcantara Braga¹, Eduardo Carvalho Garcia¹;

Leia mais

A minha paciente está grávida: Como eu conduzo?

A minha paciente está grávida: Como eu conduzo? A minha paciente está grávida: Como eu conduzo? O que você precisa saber sobre gravidez e hemoglobinopatia. Regina Amélia Lopes Pessoa de Aguiar Professora Associada Departamento Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015

PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015 NOME: PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015 1. Gestante primigesta de 40 semanas é levada ao pronto- socorro referindo perda de grande quantidade de líquido há 25h. Após o exame, com o diagnóstico de amniorrexe

Leia mais

DOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ. MSc. Roberpaulo Anacleto

DOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ. MSc. Roberpaulo Anacleto DOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ MSc. Roberpaulo Anacleto Doença hipertensiva na gravidez A hipertensão arterial sistêmica (HAS) incide em cerca de 10% das gestações, sendo umas das principais causas de

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

TOCÓLISE E CORTICOTERAPIA: USO RACIONAL ROSSANA PULCINELI VIEIRA FRANCISCO Clínica Obstétrica do Hospital das Clínicas da FMUSP TRABALHO DE PARTO PREMATURO 1. Contrações uterinas regulares (a cada 5 min.)

Leia mais

ALESSANDRA VOGEL CANDEIAS JOÃO FELIPE MOTA SÍNDROMES HIPERTENSIVAS GESTACIONAIS: É POSSÍVEL PREVENIR NUTRICIONALMENTE?

ALESSANDRA VOGEL CANDEIAS JOÃO FELIPE MOTA SÍNDROMES HIPERTENSIVAS GESTACIONAIS: É POSSÍVEL PREVENIR NUTRICIONALMENTE? 1 ALESSANDRA VOGEL CANDEIAS JOÃO FELIPE MOTA SÍNDROMES HIPERTENSIVAS GESTACIONAIS: É POSSÍVEL PREVENIR NUTRICIONALMENTE? Hypertensive syndromes in pregnancy: it is possible to prevent nutritionally? NUTRIÇÃO

Leia mais

e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. )

e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. ) Simpósio Diagnóstico de Risco no Pré-natal e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. ) Rosilene da Silveira Betat Hospital Materno Infantil Presidente Vargas Medicina Fetal Gestaçã

Leia mais

Avaliação do crescimento, tamanho e bem-estar fetal

Avaliação do crescimento, tamanho e bem-estar fetal Avaliação do crescimento, tamanho e bem-estar fetal CAPÍTULO 12 1 Introdução 2 Tamanho e crescimento 3 Exame abdominal 4 Contagem dos movimentos fetais 5 Testes biofísicos 5.1 Medidas por ultra-sonografia

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Características clínico-laboratoriais da pré-eclâmpsia em gestantes atendidas pelo sistema Único de saúde em Balneário Camboriú-SC Larissa Pucci Vieira LARISSA PUCCI VIEIRA

Leia mais

Diretrizes assistenciais

Diretrizes assistenciais MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND Diretrizes assistenciais PRÉ-ECLAMPSIA MEAC-UFC 1 PRÉ-ECLAMPSIA Francisco Edson de Lucena Feitosa Zuleika Studart Sampaio CRITÉRIOS DIAGNÓSTICO 1. HIPERTENSÃO PAs

Leia mais

Conceito Incidência. 5% população idade reprodutiva 15-17% perdas gravídicas 37% - LES 24% - FIV Wu et al., 2006

Conceito Incidência. 5% população idade reprodutiva 15-17% perdas gravídicas 37% - LES 24% - FIV Wu et al., 2006 Síndrome de anticorpo antifosfolípide (SAAF) Conceito Incidência 5% população idade reprodutiva 15-17% perdas gravídicas 37% - LES 24% - FIV Wu et al., 2006 SÍNDROME DE ANTICORPO ANTIFOSFOLÍPIDE (SAAF)

Leia mais

Bruno de Oliveira Fonseca Liga de Diabetes UNIUBE 11/06/2012

Bruno de Oliveira Fonseca Liga de Diabetes UNIUBE 11/06/2012 Bruno de Oliveira Fonseca Liga de Diabetes UNIUBE 11/06/2012 Síndrome caracterizada pela gestação associada à hiperglicemia, devido a um defeito absoluto ou relativo na secreção de insulina ou um defeito

Leia mais

Assistência Pré-Natal 2ª Parte

Assistência Pré-Natal 2ª Parte Assistência Pré-Natal 2ª Parte ESTREPTOCOCO GRUPO B STREPTOCOCCUS AGALACTIAE BACTERIA FREQUENTEMENTE ENCONTRADA COMO COLONIZANTE DO TRATO GENITO-URINÁRIO FEMININO IMPORTÂNCIA : PRINCIPAL AGENTE DE SEPSIS

Leia mais

HIPERTENSÃO GESTACIONAL: USO DE MEDICAMENTOS E FATORES DE RISCO. Palavras-chave: Hipertensão. Gestação. Medicamentos. Fatores de risco.

HIPERTENSÃO GESTACIONAL: USO DE MEDICAMENTOS E FATORES DE RISCO. Palavras-chave: Hipertensão. Gestação. Medicamentos. Fatores de risco. HIPERTENSÃO GESTACIONAL: USO DE MEDICAMENTOS E FATORES DE RISCO Osvaldo Silva de Oliveira* RESUMO Tema: Revisão sistemática de literatura sobre a relação do uso de medicamentos e fatores de risco relativos

Leia mais

do Acidente Vascular Cerebral

do Acidente Vascular Cerebral Tratamento Hipertensão da na Fase Gravidez Aguda do Acidente Vascular Cerebral Federação Academia Brasileira das de Sociedades Neurologia de Ginecologia e Obstetrícia Elaboração Final: 24 de Julho de 2001

Leia mais

Raniê Ralph. Síndromes hipertensivas da gestação Primeira causa de morte obstétrica no país (DM é mais freqüente).

Raniê Ralph. Síndromes hipertensivas da gestação Primeira causa de morte obstétrica no país (DM é mais freqüente). Síndromes hipertensivas da gestação Primeira causa de morte obstétrica no país (DM é mais freqüente). São síndromes hipertensivas da gestação: 1) Hipertensão arterial crônica 2) Doença hipertensiva específica

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS)

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório 1a) Diabetes Mellitus Tipo 1, Tipo

Leia mais

SAF. Síndrome do Anticorpo Antifosfolipídeo

SAF. Síndrome do Anticorpo Antifosfolipídeo SAF Síndrome do Anticorpo Antifosfolipídeo CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: Comissão de Vasculopatias ILUSTRAÇÃO DA CAPA: Gilvan Nunes EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL- IJUI UNIJUI CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HEMATOLOGIA LABORATORIAL TAMIRA BRAIDA

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL- IJUI UNIJUI CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HEMATOLOGIA LABORATORIAL TAMIRA BRAIDA UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL- IJUI UNIJUI CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HEMATOLOGIA LABORATORIAL TAMIRA BRAIDA SÍNDROME HELLP E AS ALTERAÇÕES NA COAGULAÇÃO Ijui-RS Abr./2013

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Resumo A pré-eclâmpsia é um grave problema de saúde pública. É a principal

Resumo A pré-eclâmpsia é um grave problema de saúde pública. É a principal revisão sistematizada Doppler das artérias uterinas de primeiro trimestre na predição de pré-eclâmpsia First trimester uterine artery Doppler in the prediction of pre-eclampsia Júlio Augusto Gurgel Alves

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Diagnóstico e conduta na Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional; Diabetes; Gravidez Profissionais de Saúde Divisão de Saúde

Leia mais

Prevenção Diagnóstico Tratamento

Prevenção Diagnóstico Tratamento Prevenção Diagnóstico Tratamento Pré Nupcial Idade Alimentação Drogas Doença de base Vacinas Ácido fólico São fatores de Risco: Características individuais e condições sócio- econômicas Idade Ocupação

Leia mais

DIABETES E GESTAÇÃO RESIDÊNCIA MÉDICA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. R 2: Ana Helena Bittencourt Alamy

DIABETES E GESTAÇÃO RESIDÊNCIA MÉDICA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. R 2: Ana Helena Bittencourt Alamy DIABETES E GESTAÇÃO RESIDÊNCIA MÉDICA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA R 2: Ana Helena Bittencourt Alamy Diabetes e Gestação O diabetes mellitus é uma doença metabólica crônica caracterizada por hiperglicemia.

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA / MÉDICO OBSTETRA

PROVA ESPECÍFICA / MÉDICO OBSTETRA PROVA ESPECÍFICA / MÉDICO OBSTETRA QUESTÃO 16 Em relação à cesariana, é CORRETO afirmar que A) não existem atualmente indicações para a cesariana clássica. B) a histerotomia segmentar é a mais utilizada

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ORIENTAÇÕES DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DA PRÉ- ECLÂMPSIA THE IMPORTANCE OF NURSING GUIDELINES FOR THE PREVENTION OF PRE-ECLAMPSIA

A IMPORTÂNCIA DAS ORIENTAÇÕES DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DA PRÉ- ECLÂMPSIA THE IMPORTANCE OF NURSING GUIDELINES FOR THE PREVENTION OF PRE-ECLAMPSIA Curso de Enfermagem Artigo de revisão A IMPORTÂNCIA DAS ORIENTAÇÕES DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DA PRÉ- ECLÂMPSIA THE IMPORTANCE OF NURSING GUIDELINES FOR THE PREVENTION OF PRE-ECLAMPSIA Célia Regina Rocha

Leia mais

Manejo da hipertensão na gestação: o pouco que se sabe

Manejo da hipertensão na gestação: o pouco que se sabe 11 ISSN 1810-0791 Vol. 1, Nº11 Brasília, Outubro de 2004 Manejo da hipertensão na gestação: o pouco que se sabe Lenita Wannmacher* Resumo Alterações de pressão arterial ocorrem em 5 a 10% das gravidezes

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL Agenda aberta à qualquer hora, para atendimento pré-natal por médico ou enfermeiro treinado, ou para atividades em grupo, ampliando-se as possibilidades de recepção e ingresso da

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE ENFERMAGEM NA EDUCAÇÃO EM SAÚDE Á GESTANTES COM DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECIFICA DA GESTAÇÃO - DHEG

ORIENTAÇÃO DE ENFERMAGEM NA EDUCAÇÃO EM SAÚDE Á GESTANTES COM DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECIFICA DA GESTAÇÃO - DHEG ORIENTAÇÃO DE ENFERMAGEM NA EDUCAÇÃO EM SAÚDE Á GESTANTES COM DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECIFICA DA GESTAÇÃO - DHEG Daniela Cristina Zanotti Aline Zambom Helen Cristina Ferrato da Cruz Orientadora: Ludmila

Leia mais

Modificação da dieta na gravidez

Modificação da dieta na gravidez Modificação da dieta na gravidez CAPÍTULO 6 1 Introdução 2 Nutrição nos períodos pré- e periconcepcional 3 Dieta e crescimento fetal 4 Dieta e pré-eclâmpsia 5 Dietas especiais para evitar antígenos 6 Suplementos

Leia mais

USB IPANEMA & USB ICARAI 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO. 20.1. Classificação

USB IPANEMA & USB ICARAI 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO. 20.1. Classificação USB - CLÍNICA DE ULTRA-SONO- 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO Por definição, feto com crescimento intra-uterino restrito (CIUR) é aquele que ao nascimento apresenta peso inferior ao 10º percentil

Leia mais

Ganho de Peso na Gestação

Ganho de Peso na Gestação Ganho de Peso na Gestação Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site da ABESO Diante da epidemia

Leia mais

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Manual de Gestação de Alto Risco

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Manual de Gestação de Alto Risco Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia Manual de Gestação de Alto Risco 2011 FEBRASGO Manual de Orientação Gestação de Alto Risco Manual de Orientação Gestação de Alto Risco

Leia mais

AVALIAÇÃO MATERNO-FETAL EM GESTAÇÕES APÓS CIRURGIA BARIÁTRICA NO HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE - BRASILIA - DF.

AVALIAÇÃO MATERNO-FETAL EM GESTAÇÕES APÓS CIRURGIA BARIÁTRICA NO HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE - BRASILIA - DF. AVALIAÇÃO MATERNO-FETAL EM GESTAÇÕES APÓS CIRURGIA BARIÁTRICA NO HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE - BRASILIA - DF. Márcia Maria Holanda Rodrigues Marcelo Costa Cronemberger Marques Obesidade Obesidade mórbida:

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

Diluição e Esquema de Uso das Principais Medicações de Uso Obstétrico. Versão eletrônica atualizada em Julho 2011

Diluição e Esquema de Uso das Principais Medicações de Uso Obstétrico. Versão eletrônica atualizada em Julho 2011 Diluição e Esquema de Uso das Principais Medicações de Uso Obstétrico Versão eletrônica atualizada em Julho 2011 Ocitocina Diluir 1 ampola de ocitocina 05 unidades em 500 ml de soro glicosado 5% ou soro

Leia mais

Assistência à gestante com Hipertensão Arterial

Assistência à gestante com Hipertensão Arterial Assistência à gestante com Hipertensão Arterial Sílvia Conceição Reimberg Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Heloísa Antonia Tocci Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientadora. RESUMO

Leia mais

DIABETES MELLITUS OBSTETRÍCIA

DIABETES MELLITUS OBSTETRÍCIA DIABETES MELLITUS Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É definido como a intolerância a carboidratos, de gravidade variável, com início ou primeiro

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome:

HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome: HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome: Data: / / Assinatura do Candidato 1. Segundo as DIRETRIZES PARA O RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO -MINISTÉRIO DA SÁUDE INCA O método

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL E NEFROPATIAS NA GESTAÇÃO DIRETRIZES E ROTINAS ASSISTENCIAIS

HIPERTENSÃO ARTERIAL E NEFROPATIAS NA GESTAÇÃO DIRETRIZES E ROTINAS ASSISTENCIAIS Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Obstetrícia Disciplina de Patologia Obstétrica e Tocurgia Setor de Hipertensão Arterial e Nefropatias HIPERTENSÃO ARTERIAL

Leia mais

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL ASSISTÊNCIA PROTOCOLO DE PACTUAÇÃO TÉCNICA Rotinas e padronizações são importantes desde que possam fornecer as informações necessárias para cada nível de decisão, facilitando a tomada de decisões. Da

Leia mais

Raniê Ralph. DHEG = Doença hipertensiva específica (provocada pela) da gravidez ou Gestose hipertensiva

Raniê Ralph. DHEG = Doença hipertensiva específica (provocada pela) da gravidez ou Gestose hipertensiva Hipertensão na gravidez A) Hipertensão primária (essencial) ou prévia Prévia = mencionado no enunciado. Ocorre por alteração da complacência vascular. Existem medicamentos para isso e a conduta é conservadora

Leia mais

Hipertensão e gravidez

Hipertensão e gravidez 256 Hipertensão e gravidez Istênio F. Pascoal Resumo As doenças hipertensivas da gravidez, que complicam 5% a 8% de todas as gestações, contribuem significativamente tanto para a morbimortalidade materna

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública. Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública. Prova Discursiva INSTRUÇÕES Medicina Fetal Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado das 2 (duas) questões da prova discursiva.

Leia mais

HIPERTENSÃO GESTACIONAL: conduta do profissional enfermeiro. RESUMO

HIPERTENSÃO GESTACIONAL: conduta do profissional enfermeiro. RESUMO HIPERTENSÃO GESTACIONAL: conduta do profissional enfermeiro. Késia Vínia Gonçalves Silva¹ Miquele Marine Ramos de Oliveira Guimarães² Carlos Nunes Louzada³ Valéria de Oliveira Ambrósio 4 RESUMO A gestação

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA RECOMENDAÇÃO 001/2012. As mortes maternas e perinatais podem ser evitadas com adoção de medidas

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA RECOMENDAÇÃO 001/2012. As mortes maternas e perinatais podem ser evitadas com adoção de medidas EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA RECOMENDAÇÃO 001/2012 As mortes maternas e perinatais podem ser evitadas com adoção de medidas no âmbito da prevenção e da atenção. Infelizmente, ambas essas situações não configuram

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

elainelemes@baraodemaua.br

elainelemes@baraodemaua.br Associação entre uso de drogas ilícitas na gestação e repercussões no recémnascido da coorte de nascimento de Ribeirão Preto-SP, 200: nascimento pré-termo e perímetro craniano Daniela Ricci Morandim, Laís

Leia mais

Parto pré-termo. 2 Estimativa do peso ou da idade gestacional como base para opções de assistência. 1 Introdução CAPÍTULO 37

Parto pré-termo. 2 Estimativa do peso ou da idade gestacional como base para opções de assistência. 1 Introdução CAPÍTULO 37 CAPÍTULO 37 Parto pré-termo 1 Introdução 2 Estimativa do peso ou da idade gestacional como base para opções de assistência 3 Tipos de parto pré-termo 3.1 Morte pré-parto e malformações letais 3.2 Gravidez

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

FATORES ANGIOGÊNICOS NA PRE-ECLAMPSIA

FATORES ANGIOGÊNICOS NA PRE-ECLAMPSIA Editorial FATORES ANGIOGÊNICOS NA PRE-ECLAMPSIA DR. SERGIO D. BELZARENA MEMBRO DO CONSELHO FISCAL DA LASRA BRASIL Que são fatores angiogênicos? Qualquer tecido em crescimento ou reparação necessita fatores

Leia mais

Cartilha. Gravidez Mais Segura

Cartilha. Gravidez Mais Segura Cartilha Gravidez Mais Segura Cuidados, alertas e um universo de segurança durante o período gestacional. Pré-natal: o primeiro passo O pré-natal é uma das formas mais seguras de garantir uma gestação

Leia mais

Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins

Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins Coagulopatia em Obstetrícia Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins Mecanismos desencadeadores de coagulação intravascular na gravidez Pré-eclâmpsia Hipovolemia Septicemia DPP Embolia do líquido

Leia mais

CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO (CIUR)

CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO (CIUR) Hospital Sofia Feldman Guia de Práticas Clínicas 1 CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO (CIUR) 1 a Edição: novembro/2008 Data prevista para a próxima revisão: novembro/2010 DEFINIÇÃO Define-se restrição

Leia mais

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL Deinição (OMS) - morte do produto da concepção ocorrida antes da expulsão ou de sua extração completa do organismo materno, independentemente da duração da gestação. 1. CLASSIfICAçãO»

Leia mais

CAPÍTULO 11 GESTAÇÃO ECTÓPICA. José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 11 GESTAÇÃO ECTÓPICA. José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO CAPÍTULO 11 GESTAÇÃO ECTÓPICA José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO Gestação Ectópica (GE) é definida como implantação do ovo fecundado fora da cavidade uterina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Graduada em Nutrição pela UFPE Especializanda em Saúde Coletiva e Sociedade do IBPEX/FACINTER walmafra@oi.com.br

Graduada em Nutrição pela UFPE Especializanda em Saúde Coletiva e Sociedade do IBPEX/FACINTER walmafra@oi.com.br MORTALIDADE MATERNA POR PRÉ-ECLAMPSIA/ECLAMPSIA: RECIFE, 1998 A 2006. Waléria Solange Mafra Santana Leite 1 ; Maria de Fátima Fernandes Alves 2 ; Sormani Soares de Souza 3 Introdução: A classificação Internacional

Leia mais

Gestações Múltiplas. André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas. Secretaria Estadual da Saúde RS. 17 de julho de 2009

Gestações Múltiplas. André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas. Secretaria Estadual da Saúde RS. 17 de julho de 2009 Gestações Múltiplas André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas Secretaria Estadual da Saúde RS 17 de julho de 2009 Gestações Múltiplas Definição Gestação com presença de dois ou

Leia mais