PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves. Serviço do Prof. Marcelo Zugaib

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves. Serviço do Prof. Marcelo Zugaib"

Transcrição

1 PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves Serviço do Prof. Marcelo Zugaib

2 PRÉ-ECLÂMPSIA Conceito Desenvolvimento de hipertensão após a 20ª semana de gestação, acompanhada de edema e/ou proteinúria

3 PRÉ-ECLÂMPSIA Fatores de risco Nuliparidade História familiar de DHEG DHEG em gestação pregressa Hipertensão arterial crônica Nefropatia Obesidade Diabetes mellitus Trombofilias Gestação múltipla Moléstia trofoblástica gestacional Aloimunização Rh Zugaib, 2008

4 SÍNDROMES HIPERTENSIVAS NA GRAVIDEZ Classificação A- Doença Hipertensiva Específica da Gravidez (DHEG) Pré-eclâmpsia leve Pré-eclâmpsia grave Eclâmpsia B- Hipertensão Arterial Crônica (HAC) Não complicada Complicada Hipertensão arterial com DHEG superajuntada Insuficiência renal Insuficiência cardíaca Zugaib & Kahhale, 1985

5 PRÉ-ECLÂMPSIA Conduta inicial no diagnóstico Avaliação clínica e obstétrica Solicitação de exames Orientação nutricional

6 PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE Tratamento ambulatorial Repouso Sedação Dieta Hipotensores

7 Repouso físico PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE Tratamento ambulatorial Decúbito lateral preferencial do fluxo plasmático renal fluxo uteroplacentário Reduzir atividades domésticas e profissionais

8 PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE Tratamento ambulatorial Sedação Benzodiazepínicos 5 a 10 mg VO por dia (1 ou 2 tomadas)

9 PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE Tratamento ambulatorial Dieta hipossódica Ingesta de 2 a 3 g de sal por dia a reatividade vascular X Evitar Uso do saleiro na mesa Consumo de alimentos industrializados

10 PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE Tratamento ambulatorial Repouso em DLE Orientações sobre sinais e sintomas de gravidade Retorno semanal a partir do diagnóstico Proteinúria qualitativa semanal Avaliação semanal da vitalidade fetal

11 PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE Orientações sobre a gravidade Cefaléia Epigastralgia Transtornos visuais Dor no hipocôndrio direito Diminuição nítida do volume urinário Edema de instalação rápida

12 PRÉ-ECLÂMPSIA GRAVE Critérios Pressão arterial > 160 / 110 mmhg Proteinúria > 5g / 24h Oligúria Cefaléia, dor epigástrica e transtornos visuais Cianose e edema pulmonar Comissão de Terminologia do Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas Hughes, 1972

13 PRÉ-ECLÂMPSIA Exames laboratoriais Hemograma completo Uréia Creatinina Acido úrico Proteinúria de 24h

14 PRÉ-ECLÂMPSIA Critérios de internação Suspeita de pré-eclâmpsia grave Não aderência do tratamento Condições psicossociais inadequadas Alteração da vitalidade fetal Restrição do crescimento fetal

15 PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE Avaliação do bem estar fetal Seguimento ambulatorial Ultrassonografia obstétrica - USG Crescimento fetal Volume de LA Pacientes internadas USG (15d) PBF (24-72h) Doppler (1-7d) Doppler das artérias umbilicais DHEG (no diagnóstico) Se anormal: perfil hemodinâmico fetal Perfil biofísico fetal - PBF (semanal após 28ª sem)

16 PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE Terapêutica medicamentosa 1 a opção Pindolol ou Metildopa adição Metildopa ou Pindolol adição Amlodipina

17 PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE Terapêutica medicamentosa Metildopa Mecanismo de ação: estimulação dos receptores inibitórios alfadrenérgicos centrais Posologia inicial: 250 mg duas ou três vezes ao dia Dose diária máxima: 2 g Efeitos colaterais desprezíveis Atividade hipotensora limitada Disponível na rede pública

18 PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE Terapêutica medicamentosa Pindolol Mecanismo de ação: bloqueio β1 e β2 (com atividade simpatomimética intrínseca) Posologia inicial: 5 mg duas vezes ao dia Dose diária máxima: 30 mg Efeitos colaterais desprezíveis Atividade hipotensora efetiva

19 PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE Terapêutica medicamentosa Amlodipina Mecanismo de ação: antagonista de canais de cálcio de ação lenta Posologia inicial: 5 mg ao dia Dose diária máxima: 20 mg Efeitos colaterais desprezíveis Atividade hipotensora efetiva Disponível na rede pública

20 CONDUTA OBSTÉTRICA Pré-eclâmpsia / Eclâmpsia Objetivo FORMAS LEVES FORMAS GRAVES Pré-eclâmpsia leve HAC não complicada Pré-eclâmpsia grave Pré-eclâmpsia superajuntada HAC complicada Síndrome HELLP Eclâmpsia Parto com 40s Parto com 37s Parto com 34s Parto na viabilidade Zugaib M & Bittar RE, Protocolos Assistenciais da Clínica Obstétrica da FMUSP. 4ª Ed. 2011

21 CONDUTA OBSTÉTRICA Impossibilidade de controle da doença materna Resolução da gestação Viabilidade e vitalidade fetal comprometida

22 CONDUTA OBSTÉTRICA Impossibilidade de controle da doença materna Níveis pressóricos Emergência hipertensiva em uso de 3 drogas em dose máxima Descontrole pressórico: PAd >100mmHg em mais de 50% das medidas do dia Piora da função renal Níveis dialíticos Síndrome HELLP Manutenção ou piora laboratorial

23 CONDUTA OBSTÉTRICA Indicações fetais para resolução da gestação Resolução imediata: Diástole reversa Ducto venoso (IPV 1,5) Perfil biofísico fetal 6 (confirmado após 6h) Desacelerações tardias de repetição Oligoidramnia grave (ILA < 3 cm) Resolução mediata (após corticoterapia): Ducto venoso (IPV > 1,0 e < 1,5) Oligoidramnia (ILA de 3 a 5 cm)

24 PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Diagnóstico precoce: clínico e laboratorial Conduta: Vigilância materna e fetal dieta, repouso, sedação e hipotensores Orientação permanente sobre os sinais de gravidade Parto com 40 semanas Eliane Alves

25 Obrigada!

Diretrizes assistenciais

Diretrizes assistenciais MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND Diretrizes assistenciais PRÉ-ECLAMPSIA MEAC-UFC 1 PRÉ-ECLAMPSIA Francisco Edson de Lucena Feitosa Zuleika Studart Sampaio CRITÉRIOS DIAGNÓSTICO 1. HIPERTENSÃO PAs

Leia mais

DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia

DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia FACULDADE DE MEDICINA FACIMED CACOAL - RO DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia Prof. Dr. José Meirelles Filho 7º semestre de Medicina Programa de Educação Médica Continuada CRM-MT FACULDADE DE CACOAL MEDICINA

Leia mais

Raniê Ralph. Síndromes hipertensivas da gestação Primeira causa de morte obstétrica no país (DM é mais freqüente).

Raniê Ralph. Síndromes hipertensivas da gestação Primeira causa de morte obstétrica no país (DM é mais freqüente). Síndromes hipertensivas da gestação Primeira causa de morte obstétrica no país (DM é mais freqüente). São síndromes hipertensivas da gestação: 1) Hipertensão arterial crônica 2) Doença hipertensiva específica

Leia mais

Assistência à gestante com Hipertensão Arterial

Assistência à gestante com Hipertensão Arterial Assistência à gestante com Hipertensão Arterial Sílvia Conceição Reimberg Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Heloísa Antonia Tocci Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientadora. RESUMO

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins

Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins Coagulopatia em Obstetrícia Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins Mecanismos desencadeadores de coagulação intravascular na gravidez Pré-eclâmpsia Hipovolemia Septicemia DPP Embolia do líquido

Leia mais

PERCEPÇÃO DA GESTANTE PRÉ-ECLÂMPTICA QUANTO A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DURANTE O PERÍODO DE HOSPITALIZAÇÃO. Resumo

PERCEPÇÃO DA GESTANTE PRÉ-ECLÂMPTICA QUANTO A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DURANTE O PERÍODO DE HOSPITALIZAÇÃO. Resumo DOI: http://dx.doi.org/10.14295/idonline.v7i19.223 Interface Saúde PERCEPÇÃO DA GESTANTE PRÉ-ECLÂMPTICA QUANTO A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DURANTE O PERÍODO DE HOSPITALIZAÇÃO Mariana Batista Freires (1)

Leia mais

Doença arterial periférica Resumo de diretriz NHG M13 (segunda revisão, fevereiro 2014)

Doença arterial periférica Resumo de diretriz NHG M13 (segunda revisão, fevereiro 2014) Doença arterial periférica Resumo de diretriz NHG M13 (segunda revisão, fevereiro 2014) Bartelink MEL, Elsman BHP, Oostindjer A, Stoffers HEJH, Wiersma Tj, Geraets JJXR. traduzido do original em holandês

Leia mais

Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo:

Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo: Texto Explicativo: A ficha da sala de curativo deve ser preenchida enquanto se faz a anamnese e o exame físico do paciente na sala de curativos. Se possível, deverão estar presentes e preenchendo-a em

Leia mais

www.forumenfermagem.org

www.forumenfermagem.org Todos os conteúdos apresentados são propriedade dos referidos autores Retirado de: Comunidade On-line de Enfermagem www.forumenfermagem.org Hipertensão Arterial Considera-se se HTA quando a tensão arterial

Leia mais

Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva. Específica da Gravidez e Hellp Síndrome. Versão eletrônica atualizada em Junho 2010

Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva. Específica da Gravidez e Hellp Síndrome. Versão eletrônica atualizada em Junho 2010 Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva Específica da Gravidez e Hellp Síndrome Versão eletrônica atualizada em Junho 2010 1 - DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GRAVIDEZ Hipertensão que aparece após a

Leia mais

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões Enfª Resp. Téc. Ana Cristina de Almeida CIP-Centro de Infusões Pacaembú Agente Biológicos Os biológicos

Leia mais

INDICAÇÃO, DOSE E ADMINISTRAÇÃO DE ANTI-HIPERTENSIVOS E ANTICONVULSIVANTES EM

INDICAÇÃO, DOSE E ADMINISTRAÇÃO DE ANTI-HIPERTENSIVOS E ANTICONVULSIVANTES EM INDICAÇÃO, DOSE E ADMINISTRAÇÃO DE ANTI-HIPERTENSIVOS E ANTICONVULSIVANTES EM SITUAÇÕES DE PRÉ-PARTO PARTO E PARTO Olímpio Barbosa de Moraes Filho Departamento de Tocoginecologia UPE - 2009 INCIDÊNCIA

Leia mais

Diário Oficial Estado de São Paulo

Diário Oficial Estado de São Paulo Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 206 DOE de 31/10/07 p.25 SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO

Leia mais

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016 Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda DENGUE O Brasil têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos 10 anos com aumento

Leia mais

Tratamento Sistêmico Clássico. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP

Tratamento Sistêmico Clássico. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP Tratamento Sistêmico Clássico MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL MARCELO DAS CLÍNICAS ARNONE FMUSP AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP Tratamento Sistêmico Clássico Acitretina

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA Nome: Dia: 20 de dezembro de 2012. 01 - A conduta inicial em embolia

Leia mais

Modelo de Texto de Bula. betametasona (como 17-valerato)... 1mg (0,1% p/p) veículo: (carbopol, álcool isopropílico e água purificada q.s.p)...

Modelo de Texto de Bula. betametasona (como 17-valerato)... 1mg (0,1% p/p) veículo: (carbopol, álcool isopropílico e água purificada q.s.p)... Betnovate valerato de betametasona Capilar FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: BETNOVATE Capilar é uma solução transparente, levemente viscosa, contendo 17-valerato de betametasona a 0,1% p/p. O veículo

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

predisposição a diabetes, pois Ablok Plus pode mascarar os sinais e sintomas da hipoglicemia ou causar um aumento na concentração da glicose

predisposição a diabetes, pois Ablok Plus pode mascarar os sinais e sintomas da hipoglicemia ou causar um aumento na concentração da glicose ABLOK PLUS Ablok Plus Atenolol Clortalidona Indicações - ABLOK PLUS No tratamento da hipertensão arterial. A combinação de baixas doses eficazes de um betabloqueador e umdiurético nos comprimidos de 50

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ORIENTAÇÕES DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DA PRÉ- ECLÂMPSIA THE IMPORTANCE OF NURSING GUIDELINES FOR THE PREVENTION OF PRE-ECLAMPSIA

A IMPORTÂNCIA DAS ORIENTAÇÕES DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DA PRÉ- ECLÂMPSIA THE IMPORTANCE OF NURSING GUIDELINES FOR THE PREVENTION OF PRE-ECLAMPSIA Curso de Enfermagem Artigo de revisão A IMPORTÂNCIA DAS ORIENTAÇÕES DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DA PRÉ- ECLÂMPSIA THE IMPORTANCE OF NURSING GUIDELINES FOR THE PREVENTION OF PRE-ECLAMPSIA Célia Regina Rocha

Leia mais

O USO DE MEDICAÇÃO ANTI-HIPERTENSIVA NA GESTAÇÃO

O USO DE MEDICAÇÃO ANTI-HIPERTENSIVA NA GESTAÇÃO O USO DE MEDICAÇÃO ANTI-HIPERTENSIVA NA GESTAÇÃO LUSTOSA, L. S 1 ; MOREIRA, A. S 2 ; ABRANTES, M 3 ; FALCÃO, K. P. M 4 1 Bacharelando em Fisioterapia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB,

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Concurso Público (Aplicação: 04/09/2011) Cargo: Médico/Área: Ginecologia e Obstetrícia - E-101 LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: Verifique,

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim. Ceará, 2009

Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim. Ceará, 2009 Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim Ceará, 2009 Influenza Vírus - RNA Vírus A, B e C Família Orthomyxoviridae Fonte: Los Alamos National Laboratory Fonte: CDC Vírus Influenza Antígenos

Leia mais

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra.

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra. CONSULTA EM ANGIOLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Varizes em membros inferiores 2. Úlceras de pernas 3. Insuficiência circulatória arterial/venosa com dor e

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA / MÉDICO OBSTETRA

PROVA ESPECÍFICA / MÉDICO OBSTETRA PROVA ESPECÍFICA / MÉDICO OBSTETRA QUESTÃO 16 Em relação à cesariana, é CORRETO afirmar que A) não existem atualmente indicações para a cesariana clássica. B) a histerotomia segmentar é a mais utilizada

Leia mais

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012)

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem

Leia mais

Fármacos. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

Fármacos. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Fármacos ANTI-HIPERTENSIVOS EPIDEMIOLOGIA DA HAS Atinge - 20 a 30% dos adultos 68,4% tem conhecimento Apenas 27,4% são controladas satisfatoriamente Aumento da incidência de complicações com aumento dos

Leia mais

Page 1 EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ASMA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE

Page 1 EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ASMA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE COMUNICAÇÃO ABERTA DESENVOLVIMENTO DE PLANO DE TRATAMENTO CONJUNTO ESTIMULAR O ESFORÇO DO PACIENTE E DA FAMÍLIA NO SENTIDO DA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DOS SINTOMAS EDUCAÇÃO DA EQUIPE

Leia mais

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes TER DIABETES NÃO É O FIM... É o início de uma vida mais saudável, com alimentação

Leia mais

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo Emergência HNSC SINAIS DE ALERTA PARA O AVC Perda súbita de força ou sensibilidade de um lado do corpo face, braços ou pernas Dificuldade súbita de falar

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

Vazy Cloridrato de sibutramina monoidratado

Vazy Cloridrato de sibutramina monoidratado Vazy Cloridrato de sibutramina monoidratado EMS Sigma Pharma Ltda cápsula 10mg e 15mg 1 Vazy cloridrato de sibutramina monoidratado IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Vazy (Cloridrato de sibutramina monoidratado)

Leia mais

HIPERTENSÃO GESTACIONAL: conduta do profissional enfermeiro. RESUMO

HIPERTENSÃO GESTACIONAL: conduta do profissional enfermeiro. RESUMO HIPERTENSÃO GESTACIONAL: conduta do profissional enfermeiro. Késia Vínia Gonçalves Silva¹ Miquele Marine Ramos de Oliveira Guimarães² Carlos Nunes Louzada³ Valéria de Oliveira Ambrósio 4 RESUMO A gestação

Leia mais

Palavras chave: Síndrome HELLP. Protocolo de emergência. Emergência hipertensiva. Enfermagem.

Palavras chave: Síndrome HELLP. Protocolo de emergência. Emergência hipertensiva. Enfermagem. EMERGÊNCIA HIPERTENSIVA: SÍNDROME HELLP Cibelly Alves Neves* RESUMO As Síndromes hipertensivas são complicações frequentes na gestação e estão presentes em até 30% dos atendimentos de emergência e urgência

Leia mais

Rebaten LA. cloridrato de propranolol EMS SIGMA PHARMA LTDA. Cápsula. 80mg e 160mg

Rebaten LA. cloridrato de propranolol EMS SIGMA PHARMA LTDA. Cápsula. 80mg e 160mg Rebaten LA cloridrato de propranolol EMS SIGMA PHARMA LTDA. Cápsula 80mg e 160mg 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Rebaten LA cloridrato de propranolol Rebaten LA cloridrato de propranolol APRESENTAÇÕES Caixa

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE ENFERMAGEM NA EDUCAÇÃO EM SAÚDE Á GESTANTES COM DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECIFICA DA GESTAÇÃO - DHEG

ORIENTAÇÃO DE ENFERMAGEM NA EDUCAÇÃO EM SAÚDE Á GESTANTES COM DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECIFICA DA GESTAÇÃO - DHEG ORIENTAÇÃO DE ENFERMAGEM NA EDUCAÇÃO EM SAÚDE Á GESTANTES COM DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECIFICA DA GESTAÇÃO - DHEG Daniela Cristina Zanotti Aline Zambom Helen Cristina Ferrato da Cruz Orientadora: Ludmila

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 4ª REGIÃO RJ - ES - MG

CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 4ª REGIÃO RJ - ES - MG ATO CRN-4 Nº 78/ 2005 Dispõe sobre o Protocolo Mínimo para Avaliação Nutricional A Presidente do Conselho Regional de Nutricionistas da 4ª Região, no uso das atribuições conferidas nos termos da Lei 6583/78,

Leia mais

EFEITO PROJETADO DA DIETA DE REDUÇÃO DE SAL NA DOENÇA CARDIOVASCULAR FUTURA

EFEITO PROJETADO DA DIETA DE REDUÇÃO DE SAL NA DOENÇA CARDIOVASCULAR FUTURA EFEITO PROJETADO DA DIETA DE REDUÇÃO DE SAL NA DOENÇA CARDIOVASCULAR FUTURA AP R E S E N TAD O P O R R E N AT O AN T U N E S C AI R E S N A R E U N I Ã O D A U N I D AD E D E H I P E R T E N S Ã O D O

Leia mais

DIÁLISE TIPOS E INDICAÇÕES. Dr.Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília

DIÁLISE TIPOS E INDICAÇÕES. Dr.Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília DIÁLISE TIPOS E INDICAÇÕES Dr.Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília SÍNDROME URÊMICA SINTOMAS SINAIS CLEARANCE DE CREATININA INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA Cuidados pré-diálise Controle de pressão

Leia mais

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL Sulfato de Terbutalina Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,5mg/mL 1 sulfato de terbutalina Medicamento genérico Lei 9.787, de 1999 NOME GENÉRICO: Sulfato de terbutalina FORMA FARMACÊUTICA:

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) José de Arimatea Barreto Os fenômenos tromboembólicos incidem em 0,2% a 1% durante o ciclo gravídico-puerperal. Metade das tromboses venosas é identificada antes do parto

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

Programa de Certificação com Distinção Accreditation Canada. Protocolos de Tratamento de AVE

Programa de Certificação com Distinção Accreditation Canada. Protocolos de Tratamento de AVE Programa de Certificação com Distinção Accreditation Canada Protocolos de Tratamento de AVE Programa de Distinção do AVE Mortalidade no Brasil Acidente Vascular Encefálico Mortalidade no Brasil Acidente

Leia mais

nitrofurantoína Cápsula 100mg

nitrofurantoína Cápsula 100mg nitrofurantoína Cápsula 100mg MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE nitrofurantoína Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Cápsula 100mg Embalagens contendo

Leia mais

PRé-ECLÂMPSIA. » > 300 mg/l/24h ou ita teste (+) em pelo menos duas aferições ou 2 (+) ou mais em qualquer amostra isolada.

PRé-ECLÂMPSIA. » > 300 mg/l/24h ou ita teste (+) em pelo menos duas aferições ou 2 (+) ou mais em qualquer amostra isolada. Unidade 6 - Obstetrícia Pré-Eclâmpsia CAPÍTULO 24 PRé-ECLÂMPSIA 1. CRITéRIOS DIAGNóSTICO HIpERTENSãO» PAS 140mmHg» PAD 90mmHg» O aumento de 30 mmhg ou mais na PAS e de 15 mmhg ou mais na PAD não é mais

Leia mais

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para o encaminhamento: 1. Déficit Visual; 2. Cefaléia acompanhada de baixa acuidade visual 3. Retinopatia Diabética 4. Inflamação Ocular;

Leia mais

Introdução Os meningeomas estão entre os tumores cerebrais mais comuns, respondendo por um quarto a um terço de todas as neoplasias intracranianas primárias. Podem ser divididos em três tipos, típicos,

Leia mais

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG HEDLER, Priscila 1 HALILA, Gerusa Clazer 2 MADALOZZO, Josiane Cristine Bachmann

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

TOCÓLISE E CORTICOTERAPIA: USO RACIONAL ROSSANA PULCINELI VIEIRA FRANCISCO Clínica Obstétrica do Hospital das Clínicas da FMUSP TRABALHO DE PARTO PREMATURO 1. Contrações uterinas regulares (a cada 5 min.)

Leia mais

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos Prefeitura Municipal de Curitiba - Secretaria Municipal da Saúde Centro de Epidemiologia - Vigilância Epidemiológica DENGUE (CID A90 ou A91) CHIKUNGUNYA (CID A92) ZIKA (CID A92.8) Definição de caso suspeito

Leia mais

ALOPURINOL LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA 300 MG COMPRIMIDOS

ALOPURINOL LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA 300 MG COMPRIMIDOS ALOPURINOL LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA 300 MG COMPRIMIDOS MODELO DE BULA alopurinol Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES:

Leia mais

PAPEL DO NUTRICIONISTA NO SISTEMA DE SAÚDE¹

PAPEL DO NUTRICIONISTA NO SISTEMA DE SAÚDE¹ 453 PAPEL DO NUTRICIONISTA NO SISTEMA DE SAÚDE¹ Aparecida Elaine de Assis Cardoso 2, Jacira Francisca Matias 2, Mônica de Paula Jorge 2, Jaqueline Miranda 2, Maria Aparecida Resende Marques 2, Luciana

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Curso de semiologia em Clínica Médica II

DIABETES MELLITUS. Curso de semiologia em Clínica Médica II DIABETES MELLITUS Curso de semiologia em Clínica Médica II Prof. Luiz Shiguero Matsubara Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Botucatu, u, UNESP 2008 DIABETES MELLITUS Síndrome clínica

Leia mais

sulfato de terbutalina

sulfato de terbutalina sulfato de terbutalina União Química Farmacêutica Nacional S.A. Solução injetável 0,5 mg/ml sulfato de terbutalina Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

Vamos abordar. 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico de dengue

Vamos abordar. 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico de dengue Vamos abordar 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico de dengue 4º- Nova classificação clínica 5º- Classificação de risco para manejo clínico de doentes

Leia mais

VIGILÂNCIA NA GRAVIDEZ

VIGILÂNCIA NA GRAVIDEZ Em função da idade gestacional Obedece ao esquema proposto pelo SNS Valoriza os elementos a colher em função da idade gestacional Tempo de Gestação 1º Trimestre (1ª-13ªS) ACTIVIDADES (Elementos a recolher

Leia mais

Recomendações sobre administração de contrastes em TC e RM

Recomendações sobre administração de contrastes em TC e RM Serviço de Imagem Médica Diretor de Serviço: Prof. Filipe Caseiro- Alves Recomendações sobre administração de contrastes em TC e RM Versão 2014 Recomendações sobre administração de contrastes em TC e RM

Leia mais

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Batizada pelos médicos de diabetes mellitus, a doença ocorre quando há um aumento do açúcar no sangue. Dependendo dos motivos desse disparo, pode ser de dois tipos.

Leia mais

MALARIA. Prof. Cor Jésus F Fontes

MALARIA. Prof. Cor Jésus F Fontes MALARIA Prof. Cor Jésus F Fontes NÚCLEO DE ESTUDOS DE DOENÇAS INFECCIOSAS E TROPICAIS DE MATO GROSSO UFMT * FUNASA * SES-MT Fundado em 1997 MALARIA Hemoparasitose causada por protozoários do gênero Plasmodium

Leia mais