Editorial. A forma urbana, espaços livres e territórios dispersos em Iporá-GO AULA DE CAMPO NA CHAPADA DOS VEADEIROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Editorial. A forma urbana, espaços livres e territórios dispersos em Iporá-GO AULA DE CAMPO NA CHAPADA DOS VEADEIROS"

Transcrição

1 Universidade Estadual de Goiás Edição 06 Iporá, setembro/outubro de 2014 ISSN: A forma urbana, espaços livres e territórios dispersos em Iporá-GO AULA DE CAMPO NA CHAPADA DOS VEADEIROS LINGUAGEM, PSICANÁLISE E EDUCAÇÃO Editorial PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE ANÁLISE DO DISCURSO 5 CULTURA NO CURRíCULO ESCOLAR E A FORMAÇÃO HUMANA 6 NOTAS SOBRE O CURSO: LETRAMENTO, PRODUÇÃODE SENTIDOS E ESCRITA 7 DOCENTE DO CÂMPUS DE IPORÁ 8 REALIZA ESTÁGIO SANDUÍCHE NO CANADÁ A Universidade Estadual de Goiás passa por um momento de transformação. Os indicadores internos da instituição melhoram e a avaliação externa mostra sinais de avanço. No ranking promovido pelo Jornal Folha de São Paulo, publicado no dia 08 de setembro, a UEG avançou 40 posições em relação a última avaliação feita em No âmbito interno, a Universidade realizou uma avaliação de todos os seus cursos de graduação. A avaliação foi desenvolvida pelo Grupo de Trabalho de Política de Oferta e Demanda de Vagas, ligado à Pró-Reitoria de Graduação. Uma avaliação preliminar, em relação ao documento final, relatório do GT, indica uma nova postura da universidade: 1º o documento pouco foi contestado, em seus resultados, pelos membros do Conselho Universitário; 2º não foi necessário distribuir o documento para a grande mídia, promovendo um alarde na comunidade acadêmica para depois cair no esquecimento, como já ocorreu com outras tentativas de avaliação interna; 3º o documento já provocou reações positivas em relação a diretrizes de oferta de vagas na UEG. Em relação à avaliação propriamente dita, alguns resultados merecem destaque: foram usados cinco (5) grupos de avaliação. Cada grupo com uma faixa de nota: grupo 1, notas de 0,0 4,9; grupo 2 notas de 5,0 5,9; grupo 3, notas de 6,0 6,9; grupo 4, notas de 7,0 7,9 e grupo 5, notas de 8,0 10. O resultado mostra que apenas um (1) curso está inserido no grupo 1, trata-se do Curso de Licenciatura em Informática do Câmpus de Sanclerlândia. No grupo 2 estão inseridos quarenta e um (41) cursos de graduação, destes dezenove (19) são cursos de licenciatura e treze (13) tecnólogos. No grupo 3 estão inseridos cinquenta e sete (57) cursos. No grupo 4, são trinta e um (31) cursos. No grupo 5, estão apenas quatro (4) cursos de graduação, sendo três (3) bacharelados e um (1) de licenciatura. A UEG tem trinta e cinco (35) cursos com problemas de demanda, destes 77, 1% são de licenciaturas. No Câmpus de Iporá os problemas mais graves estão relacionados a demanda e as suas consequências. Nossos cursos em sua maioria estão no grupo 2. Do relatório apresentado ao CsU/Reitoria surgiram alguns resultados práticos. Foram suspensos os vestibulares de quatro (4) cursos de graduação, algo inédito na UEG e no ensino superior público brasileiro. Para os cursos avaliados com baixo desempenho foi acordado no CsU sessão 85º, e posto em resolução um protocolo de compromisso dos gestores responsáveis pelas graduações da UEG (Coordenação de Curso, Colegiado de Curso, Direção do Câmpus e Administração Central) com superação das deficiências identificadas pelo grupo de trabalho nos referidos cursos. A sorte foi lançada e a lógica da zona de conforto ruiu. É necessário encarar a avaliação com seriedade e promover uma ampla discussão de nossas deficiências e qualidades, com o objetivo fim de oferecer cursos que possam formar cada vez melhor. Prof. valdir specian

2 A forma urbana, espaços livres e territórios dispersos em Iporá - GO Prof. Gustavo Zen de Figueiredo Neves Geografia A forma da cidade brasileira não possui uma padronização apesar de apresentar características comuns. O desenho da malha urbana de Iporá está intimamente ligado ao seu processo de produção, que segundo o historiador Gomis, foi pensado no período de sua fundação. Na década de 1940, Israel de Amorim, o fundador da cidade, contratou dois engenheiros da capital Goiânia para elaborar um projeto urbanístico com ruas e avenidas virtuosas com canteiros centrais, praças e jardins para usufruto da população. A mancha urbana da cidade de Iporá, segundo o arquiteto Silvio Macedo, é classificada como mista, pois o primeiro período de ocupação da cidade foi o traçado ortogonal e homogêneo, com quadras formadas por áreas não edificadas no fundo e frente dos lotes. Ou seja, compacta. Com o aumento da população, nas décadas seguintes, a cidade tomou uma forma tentacular, estruturada por um núcleo central compacto do qual irradiam braços de urbanização ao longo do eixo viário e dos corpos d'água. A cidade apresenta elementos de tendência a fragmentação e dispersão, traço que identifica os territórios contemporâneos, a ruptura das continuidades urbanas, dos núcleos de atividades de apropriação da população e desagregados do ponto de vista funcional. O traçado do eixo rodoviário que perpassa a malha urbana da cidade impulsionou o espalhamento desta sobre o espaço terrestre, a disseminação de formas construtivas como condomínios residenciais populares na região Norte e Oeste; centralidades no comércio e serviços em nichos urbanos ao longo dos setores Nordeste/Sudoeste, nas Avenidas Rio Claro, XV de Novembro, Pará, R2 e prolongamento da Rua Serra dos Den. A dispersão dos territórios é notadamente identificada na fachada Norte, Nordeste e Leste da cidade, respectivamente nos bairros Novo Horizonte, Monte Alto e Vila Brasília, com a formação de espaços livres não consolidados, ausentes de edificação, que margeiam alguns dos principais córregos da cidade e o eixo rodoviário. Ressalta-se a importância que os espaços livres urbanos possuem na articulação com a cidade. São elementos como as ruas, calçadas, edifícios, parque municipal e suas relações com a preservação da dinâmica ecológica, a manutenção de monumentos naturais como lagoas, quedas d'água e áreas de preservação permanentes urbanas para apropriação e práticas sociais (Figura 1). O esboço e concepção do presente texto é parte de um projeto temático intitulado "Sistemas de Espaços Livres Urbanos e a Constituição da Esfera Pública Contemporânea no Brasil", coordenado pelo Laboratório de Paisagismo da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Iporá, Goiás. O ACADÊMICO Iporá, setembro/outubro

3 PROFESSOR DA GEOGRAFIA MINISTRA AULA DE CAMPO NA CHAPADA DOS VEADEIROS O professor Flávio Alves de Sousa promoveu uma importante aula de campo sobre Geomorfologia e Pedologia, no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, com as turmas do 3º e 4º ano de Geografia do Câmpus de Iporá. A aula teve por objetivo mostrar na prática como são os processos geomorfológicos e quais os resultados da ação dos fatores internos e externos do planeta na configuração do relevo terrestre. A geomorfologia da região do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros apresenta caráter sui generis, em termos de fisionomia, tornando possível entender melhor o embate das forças tectônicas e climáticas na formação da paisagem. Aproveitou-se ainda a visita ao local para constatar a relação entre o relevo e a formação dos solos, bem como para avaliar algumas características físicas do solo, mediante experimentos de campo. LINGUAGEM, PSICANÁLISE E EDUCAÇÃO Prof. Alan Oliveira Machado Letras Para Lacan, a linguagem e sua estrutura são preexistentes à entrada de cada indivíduo num dado período de seu desenvolvimento mental. Por aí, inevitavelmente, concluímos que o homem é um ser de linguagem. Essa afirmação envolve-nos em uma série de questões cujas respostas nem sempre atendem a expectativas que rondam a compreensão de que os processos educativos atingem ou atendem aos melhores propósitos da civilização. O primeiro problema a observar é que, sendo o homem esse construto simbólico, movido por variáveis movimentos pulsionais, não seria possível sustentar ou prever até que ponto certos encadeamentos de significantes, certas narrativas de envolvimento e enquadramento numa ordem social conseguiriam tensionar esses movimentos oriundos das profundezas psíquicas (FREUD. Vol. VII, XIV, XIX, XXIII, 1986) de modo a sustentar um processo de educação ideal, sem furos. Ocorre que a prevalência do inconsciente na base de estruturação do campo simbólico tira do homem a sua primazia sobre o que diz, o que quer e o que compreende de tal forma que, a depender do arranjamento pulsional, quase sempre onde ele está ele não é o que é e não sendo, provavelmente a teia simbólica na qual está enredado pelas trilhas do desejo cedo ou tarde se rompe. Essa ruptura coloca o homem numa deriva, a de sempre, só parcialmente dissipada por arranjos simbólicos substitutivos que prefiguram, por sua natureza parcial, o acossamento pela insatisfação, por um malestar persistente. Por uma questão de lógica, não podemos ignorar que esse processo ocorre de modo denso no âmbito educacional. Afinal, é a educação 3O ACADÊMICO Iporá, setembro/outubro 2014

4 4O ACADÊMICO Iporá, setembro/outubro 2014 que procura ajustar as arestas dos sujeitos assim configurados dentro de uma ordem de civilização o que pressupõe uma ética e um modo de implicação com a realidade não necessariamente em convergência com o destino das pulsões. Nessa seara, a perspectiva adotada por Lacan, ao convocar as contribuições da linguística, propicia um redimensionamento da reflexão freudiana. A teoria freudiana, calcada na ideia de inconsciente, toma o campo da fala como lugar fundamental de observação de seu objeto e desenvolve um modo peculiar de observá-lo monitorando e analisando a linguagem, seus deslocamentos e condensações, seja nas manifestações oníricas, seja ouvindo ou acompanhando a escrita. Lacan, nesse caminho, busca promover a tese segundo a qual o nascimento da linguagem, a utilização do símbolo, operam uma disjunção entre a vivência e o signo que lhe vem substituir. Essa disjunção interessa-nos, pois é nas fissuras que ela provoca, nos paradoxos que ela cria que surgem os questionamentos sobre a integridade do sujeito, sobre as limitações representativas da linguagem, sobre as possibilidades de uma ética da educação que não a envolva em um engodo pernicioso. Sustentar a existência do inconsciente produz uma série de implicações demolidoras. Uma delas diz respeito ao domínio sobre o saber, sua validade, outra sobre a centralidade do sujeito uma vez que este no pensamento que Lacan enlinha ao de Freud não é mais que produto de uma teia simbólica tecida a partir do inconsciente, sem acesso propriamente à matéria de sua constituição e sem controle real das forças que atuam em sua materialização. O resultado disso é que nos encadeamentos simbólicos e nas narrativas que fiamos como lugar da civilidade, do possível de um tipo de ser humano ideal sempre emergem forças que fazem esses encadeamentos e narrativas falharem, condicionando o humano à inconstância, rondada sempre pela insatisfação. Em 1930, Freud publicou o O mal-estar na civilização um ensaio vertical que procura refletir sobre se há possibilidade de satisfação plena para a humanidade ou se essa empresa humana está fadada à frustração, devido por um lado ao que ele identifica como um pendor inerente para a agressão presente na constituição humana: uma parte do instinto é desviada no sentido do mundo externo e vem à luz como um instinto de agressividade e destrutividade (FREUD, 1974) e por outro à impossibilidade do prazer pleno sem implicar ou a destruição do indivíduo ou um seguido dissabor produzido pelo processo de materialização desse prazer. Toda a reflexão de Freud nesse ensaio é atravessada pela concepção de uma força psíquica que se manifesta sob dois desígnios: princípio do prazer (PP) e princípio da realidade (PR), que ora se antagonizam, ora se complementam sempre na tangência de um mesmo processo. O princípio do prazer empurrando para a satisfação das pulsões e o PR pressionando, cercando, barrando ou reconfigurando o PP de modo a impedir a satisfação total, que significaria um desvio perigoso da realidade, da funcionalidade da vida ou mesmo sua destruição, uma vez que o PP por si só não se separa da precariedade que é o aparelho psíquico. De certo modo, Freud nos faz crer que é nesse jogo de impulso ao prazer e interdição ou reinvestimento desse impulso que se assenta a civilização e mais: se o mundo civilizado não pode prescindir dos mecanismos de repressão para se constituir como tal, também não pode se livrar da insatisfação do indivíduo. Por mais que o princípio do prazer opere com deslocamentos e trilhos de compensação, o prazer acaba sempre parcial o que não livra o indivíduo do mal-estar, da sensação de que a plenitude do seu gozo está sempre fora do alcance. Nesse sentido, Lacan (1991) nos diz: a função do princípio do prazer é fazer com que o homem busque sempre aquilo que ele deve reencontrar, mas que não poderá atingir. Instaura-se nesse entroncamento um paradoxo que se desdobra e se replica tanto no macrocosmo quanto

5 no microcosmo. Assim, há um desencontro entre a realização plena do desejo do indivíduo e a manutenção de sua integridade física e há um visível desencontro entre os propósitos mais íntimos do indivíduo e os da civilização. Se o propósito mais visceral do indivíduo é realizar o seu desejo e alcançar o prazer pleno, certamente ele encontrará barreiras muito sólidas na civilização e isso paradoxalmente porque o propósito mais inerente da civilização é proteger a espécie, portanto, o indivíduo, embora num plano secundário Se o princípio do prazer e o princípio da realidade atravessam a constituição do sujeito, apontando esse paradoxo que é ser o indivíduo em busca da realização de seu desejo uma ameaça à civilização e a civilização uma necessidade para a preservação do indivíduo, no cerne desse paradoxo Lacan sustenta que na constituição do ego, do sujeito, há sempre algo que sobra, há sempre um resto incômodo que lança suas sombras ou anuncia o vazio de sua ausência presente, um resíduo para além do princípio do prazer, da ordem do que o psicanalista francês chama de das Ding ( a Coisa), algo que ele nomeia como o forado-significado. Essa Coisa não entra na ordem simbólica, apenas podemos vislumbrar os vincos que faz em uma ou outra palavra, em um ou outro encadeamento significante. E todo discurso aí é um discurso sobre a Coisa que está e nunca está. Eis que nos vemos novamente diante do paradoxo. O sentido é a realização do prazer é a concretização do gozo, mas o sentido de ser isso é o seu contrário. A plenitude está na Coisa, mas a coisa não é possível no mundo simbólico, a Coisa é a ausência desse mundo, a coisa é o fim do eu que é resultante da instituição desse mundo. O desafio que, como educadores, temos pela frente é o seguinte: como situar a educação na ordem desses paradoxos, como extrair da ordem simbólica um trilho ético que alcance a complexidade do sujeito? PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE ANÁLISE DO DISCURSO Juliana Minotto - 4 ano de Letras A Análise do Discurso (AD) é um campo interpretativo, mas não pratica a interpretação de forma aleatória, uma vez que a AD segue um dado rigor científico. Então, como são feitas essas interpretações? Como lidar com esse campo que é, ao mesmo tempo, movente e fixo? Esse rigor cientifíco são as obrigações teóricas, que seriam os campos fixos de interpretação. Mas, mesmo que haja determinado rigor, existe a possibilidade de o analista do discurso se mostrar naquilo em que ele interpreta. Segundo o professor Cleudemar Fernandes (2005), o termo Discurso (...) é constantemente utilizado para efetuar referência a pronunciamentos políticos, a um texto construído a partir de recursos estilísticos mais rebuscados, a um pronunciamento marcado por eloquência, a uma frase proferida de forma primorosa, à retórica, e muitas outras situações de uso da língua em diferentes contextos sociais. Discurso é assim uma palavra que tem uma infinidade de significados. Discurso pode ser um pronunciamento, pode ser uma discussão, um diálogo. Mas, para a AD, o termo discurso tem uma característica que difere de outras concepções. Ele vem romper essa noção clichê que as pessoas costumam ter sobre discurso, que não é diferente de palavra. Para a Análise do Discurso de origem francesa, o discurso é exterior à língua, mas necessita dela para se manifestar. Podemos pegar como exemplo a palavra democracia, que é uma materialidade, faz parte da língua. A palavra em si não constitui um discurso. O discurso são esses efeitos de sentido que irão atravessar essa palavra. Sentido é diferente de significado. Sentido está relacionado ao campo da semiótica (com que está sendo falado, enunciado) e significado está relacionado ao campo da semântica (ordem da língua). Como é ano de eleições, podemos retomar a palavra democracia como exemplo. Quando se tem essa palavra enunciada por um sujeito do Partido dos Trabalhadores (PT), será possível 5

6 perceber que a palavra democracia não terá o mesmo sentido caso seja enunciada por um sujeito filiado ao PSDB. Esses sentidos são discursos que atravessam essa palavra, constituídos a partir dos sujeitos e do contexto situacional e histórico em que estão inseridos. Sendo assim, discurso são os efeitos de sentidos entre interlocutores, porque a mesma palavra pode mudar de sentido de acordo com o sujeito que enuncia e do lugar que surge no jogo interlocutório. É por meio do discurso que se estabelece uma relação entre um sujeito e um discurso maior como, por exemplo, o da religião, da política, da filosofia, da literatura. O que dizemos e o que pensamos só se torna possível por meio de signos. O signo não é só palavra, ele pode ser uma imagem também. O discurso não atravessa apenas a fala, pode atravessar também uma roupa, um gesto, uma cor. Todo discurso é determinado por um contexto histórico, então, encontraremos vozes saturadas de ideologias nos signos em uso. O papel do analista do discurso é identificar e interpretar essas vozes que, discursivamente, atravessam o objeto de análise. CULTURA NO CURRíCULO ESCOLAR E A FORMAÇÃO HUMANA Prof ª Núbia Cristina dos Santos Lemes Matemática O ACADÊMICO Iporá, setembro/outubro O que inserir nos currículos escolares? Essa pergunta pode envolver diferentes respostas, a depender do teórico consultado, porém numa coisa os mais variados pensadores se igualam: o currículo deve fazer alusão à cultura. Aqui nos deparamos com um conceito recorrente, desde os anos iniciais escolares, mas que alguns de nós temos dificuldades em defini-lo. Diante das preocupações que essa discussão enseja, decidi compartilhar um conceito a partir da palestra do professor Newton Duarte, ministrada para professores da rede pública de um município do Estado de São Paulo. Para Newton Duarte, a cultura nasce quando o ser humano começa a transformar a natureza, produzindo aquilo que necessita para viver. Cultura está relacionada ao cultivo da terra, envolve a relação entre o ser humano, a natureza e o social, quando o homem produz instrumentos que nela não se apresentavam. Por exemplo, uma pedra pode simplesmente existir na natureza, mas quando o homem lasca a pedra e a usa como uma lança, ele está transformando a natureza. Temse então, na atividade humana a produção de cultura primitiva do objeto natural a objeto social. O avanço na cultura se dá quando o homem produz a sua própria lança. Cultura é então atividade humana acumulada. Por exemplo, a linguagem é atividade humana acumulada. Conhecimentos compõem cultura, são representações simbólicas do mundo. É uma objetivação humana. É o acúmulo de atividade no objeto, aquilo que se transforma do sujeito para o objeto. E quando o homem se apropria de cultura, daquilo que outros já produziram ele está fazendo apropriação, está aí o conceito do subjetivo. Na apropriação do que já foi produzido há a mediação. Ela constitui forma de incorporação da cultura acumulada de um ambiente transformado por outras gerações passadas. Desse modo, o social se funde ao cultural e juntos carregam a afirmação de que o ser humano é histórico, pois cultura e sociedade estão em permanente transformação. Por isso mesmo não temos como nos apropriar de toda a experiência humana acumulada. Quando muito alcançamos suas sínteses. Um livro, por exemplo, é um portador de atividade pensante, objetivada no texto, daí o sujeito que lê esse livro incorpora, se apropria sinteticamente da atividade pensante ali contida que se transforma em atividade pensante sua. É pela cultura que o indivíduo se relaciona com a sociedade. O currículo então é produto, síntese da história, entretanto sua incorporação tem que ser viva. Diante dos processos de conquistas históricas da humanidade poderíamos ser indivíduos mais desenvolvidos, com uma vida que tivesse mais conteúdo e sentido, contudo isso não se concretiza para a grande maioria da humanidade. Eis o ponto de partida para se pensar a

7 elaboração dos currículos escolares. Devemos atuar na escola para socializar o conhecimento e não reproduzir um cotidiano alienado. Devemos tentar alterá-lo sempe. A escola não está distante do cotidiano, ela não está produzindo rupturas da alienação. A escola está distante da riqueza acumulada pela sociedade. Ela está próxima à vida limitada e alienada. Só reproduzir não basta, quando não produzimos transformação, não criamos algo novo, superior. Os conhecimentos na escola deveriam promover mudanças nos indivíduos, ampliação de perspectivas e aprofundamento de rupturas, na direção de incorporar riquezas produzidas pela humanidade, superando-a, elevando-a ao nível superior, predispondo-a à produção de novos conhecimentos. Nosso trabalho, assim, é ensinar conhecimentos na sua forma mais desenvolvida. Nesta sociedade das ilusões, a atividade central do professor é vivenciar e produzir cultura, é formação humana. NOTAS SOBRE O CURSO LETRAMENTO, PRODUÇÃODE SENTIDOS E ESCRITA Prof. Guilherme Figueira Borges - Letras Nos seus Escritos sobre Educação, Nietzsche, ao questionar o papel de Schopenhauer como educador, pondera que vivemos o período dos átomos, do caos atômico, dizendo de outro modo, vivemos o período do heterogêneo, do múltiplo, da mudança, de uma efervescência histórica que instaura, continuamente, e a contragosto dos sujeitos, relações outras de poder. Esse caos atômico se manifesta, tensivamente, na escola ou talvez tenha na escola ou, mais precisamente, na educação, a sua razão de existência fato que é sentido na pele, não sem produzir sintomas, pelos professores. Faz-se necessário, portanto, incidir na constituição dos sujeitos professores, através do saber, de modo a interpelá-los a aceitar esse caos e afirmá-lo na formação dos alunos. No bojo da problemática elencada, o curso de especialização Letramento, Produção de Sentidos e Escrita nasceu de um desejo de se contribuir com a formação continuada dos egressos dos cursos do Câmpus Iporá e dos professores da rede municipal e estadual de ensino. O projeto está, nesta primeira edição, sob minha coordenação, mas foi discutido e escrito com a participação singular dos professores Alan Oliveira Machado e Liliam Oliveira. Convém mencionar, por um lado, que este curso só se tornou possível a partir do envolvimento de vários setores da unidade. Nesse sentido, imprescindível é agradecer: aos funcionários da secretaria por receber as inscrições e fornecer informações aos candidatos; à Marineide e à Vanusa por viabilizarem a confecção dos materiais e a disponibilidade das salas; à Karla Angélica por trabalhar na arte do curso e no design do material fornecido aos alunos; especialmente, ao diretor da unidade, Valdir Specian, que não poupou esforços para que o projeto fosse protocolado na Próreitoria de Pesquisa e Pós-Graduação. Por outro lado, convém mencionar que o curso emerge, na história da UEG, Câmpus Iporá, com uma série de fragilidades que não posso deixar de mencionar: i) falta de um anfiteatro para os eventos do curso, fato que obrigou a aula de abertura ocorrer no anfiteatro do IFGoiano; falta de infraestrutura básica como, por exemplo, salas climatizadas, Data-Show e computador; mais de 90% dos livros que constam nas referências básicas e complementares não fazem parte do acervo da biblioteca do Câmpus Iporá (apesar de eles já terem sido pedidos nos anos de 2012 e 2013). Apresentar essas fragilidades é relevante na medida em que se aposta, também, na formação política dos alunos. Nesse sentido, a coordenação do curso espera que os discentes nos ajudem a cobrar, de uma reitoria que tem sido negligente com o Câmpus Iporá, melhorias estruturais (a partir da implementação de reformas e ampliação das salas), bibliográficas O ACADÊMICO Iporá, setembro/outubro

8 (com a compra dos livros que são pedidos pelos professores) e profissionais. Gostaria de finalizar esta breve nota sobre o curso mencionando que, conforme consta no livro de Rosa Maria Dias, Nietzsche Educador, Nietzsche previu que um dia virá em que só se terá um único pensamento: a educação. Preocupados com esse pensamento nietzschiano, não pensamos um curso com o objetivo de fornecer estritamente técnicas, metodologias, modelos de exercícios ou outros recursos didáticos. Queremos antes munir os sujeitos de um saber teórico que lhes permita compreender melhor o ambiente da sala de aula, a fim de que eles possam suportar a dura realidade que atravessa o ensino em um âmbito nacional. O que impera nesse curso de especialização é o desejo de contribuir para a autonomia dos sujeitos envolvidos, na medida em que, como assevera Nietzsche nos seus Escritos sobre Educação, ninguém pode construir no teu lugar a ponte que te seria preciso tu mesmo transpor no fluxo da vida ninguém, exceto tu. Certamente, existem as veredas e as pontes e os semideuses inumeráveis que se oferecerão para te levar para o outro lado do rio, mas somente na medida em que te vendesses inteiramente: tu te colocarias como penhor e te perderias. Há no mundo um único caminho sobre o qual ninguém, exceto tu, poderias trilhar. DOCENTE DO CÂMPUS DE IPORÁ REALIZA ESTÁGIO SANDUÍCHE NO CANADÁ Conheça os programas da CAPES que concedem bolsas para o exterior. João Paulo de Paula Silveira, professor do curso de História do Campus de Iporá, tornou-se Visiting Scholar do Departamento de Sociologia e Estudos Legais da Universidade de Waterloo, Ontário, Canadá. A permanência do docente, que atualmente é doutorando do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Goiás, terá a duração de 11 meses. O objetivo de sua visita é ampliar a experiência acadêmica no interior da Sociologia dos Novos Movimentos Religiosos, subcampo sobre o qual desenvolve pesquisa. A estada do docente no Canadá deve-se ao Programa Institucional de Bolsas de Doutorado Sanduíche no Exterior (PSDE) da CAPES. ACESSE bolsas-no-exterior 8O ACADÊMICO Iporá, setembro/outubro 2014 expediente O jornal O Acadêmico é fruto de um projeto de extensão coordenado pelo professor Alan Oliveira Machado e conta com a colaboração dos docentes, discentes e técnico-administrativos da UEG Câmpus Iporá. Conselho Editorial Edição 06. Iporá, setembro/outubro de Contato: Impresso na Gráfica UEG. 500 exemplares. Coordenação Geral de Comunicação UEG Diagramação e Projeto Gráfico: João Daniell Oliveira Prof Luis Henrique Mantovani - Biologia Profª Thalitta F. de Carvalho Peres - Matemática Profª Maria Geralda de Almeida - História Wilton de Oliveira Barbosa - História Profª Núbia Cristina dos S. Lemes - Matemática Gleicielle Costa de Freitas - Biologia Prof Valdir Specian - Geografia Prof Lisle Andrea Silva - Letras Suellen Marçal - Letras Profª Líliam de Oliveira- Letras Prof. João Paulo Silveira - História

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

MATRIZ DE TRANSIÇÃO BACHARELADO EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS

MATRIZ DE TRANSIÇÃO BACHARELADO EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS MATRIZ DE TRANSIÇÃO BACHARELADO EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS Para integralizar a Matriz de Transição do Bacharelado em Letras Português Inglês, o aluno terá que atender às seis categorias abaixo, considerando,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Graduação e Educação Profissional - DIRGRAD Departamento de Educação Campus XXXXXXX ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Universidade Estatual do Sudoeste da Bahia UESB. Pró-Reitoria de Graduação

Universidade Estatual do Sudoeste da Bahia UESB. Pró-Reitoria de Graduação Universidade Estatual do Sudoeste da Bahia UESB Pró-Reitoria de Graduação ESTRUTURA PROGRAD A Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD) é um órgão assessor da Reitoria responsável pelo Ensino de Graduação. Atualmente

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos 1 Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos na rede estadual de ensino* Gabriela Paulino do Nascimento** Prof.

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula

Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida alerta que o currículo escolar não pode continuar dissociado das novas possibilidades tecnológicas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Edna Goya Faculdade de Artes Visuais/Universidade Federal de Goiás

Edna Goya Faculdade de Artes Visuais/Universidade Federal de Goiás O PIBID - A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS E AS ATIVIDADES DE ENSINO E PESQUISA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GOIÂNIA SEGUNDA FASE DO ENSINO BÁSICO Edna Goya Faculdade de Artes Visuais/Universidade

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL ISSN 2316-7785 PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Ivanete Zuchi Siple ivazuchi@gmail.com Marnei Mandler mmandler@gmail.com Tatiana Comiotto Menestrina comiotto.tatiana@gmail.com

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores OFICINA DE ESTUDOS: O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA FAAC

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE: objetivos e princípios

INTERDISCIPLINARIDADE: objetivos e princípios INTERDISCIPLINARIDADE: objetivos e princípios Marcus Vinicius Barbosa SILVA; Carmelita Brito de Freitas FELÍCIO Faculdade de Filosofia - Universidade Federal de Goiás marvinifchf@yahoo.com.br; carmelaf@terra.com.br

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Eduardo Vargas Pereira (IC) 1*, Diego Soares de Moura (IC) 1, Caroline Pereira Dutra (IC) 1, Roberta Almeida dos Santos

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINAS GERAIS CAMPUS SABARÁ Endereço provisório: Avenida Serra Piedade, 341,

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora xamcoelho@terra.com.br José Eduardo Ferreira da Silva C.A.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1610 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UFC COMO FERRAMENTA NA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO

DIAGNÓSTICO DOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UFC COMO FERRAMENTA NA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DIAGNÓSTICO DOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UFC COMO FERRAMENTA NA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO João César Amorim de Freitas amorim_f@yahoo.com.br Universidade Federal do Ceará, Programa de Educação Tutorial

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso Especialização em Acessibilidade Cultural Departamento de Terapia Ocupacional da UFRJ. Rio de Janeiro, 2013 Responsáveis pela elaboração

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 1 O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 Deisihany Armelin Santana 2 Carina Sala de Moreis 3 INTRODUÇÃO Este artigo analisa, criticamente,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo

Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo (SILVA, Jansen Felipe; HOFFMAN, Jussara; ESTABAN, Maria Teresa. Porto Alegre: Mediação. 2003). André Luiz da

Leia mais

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Carla Juscélia de Oliveira Souza Departamento de Geociências, Curso de Geografia, Universidade Federal

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2014/01 a 2014/02 APRESENTAÇÃO O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

BREVE ENSAIO SOBRE EDUCAÇÃO INTEGRAL UM DIREITO OU UMA APOSTA? Regiane Costa (SEMAB-Búzios/SEMED Macaé - regi111@hotmail.com)

BREVE ENSAIO SOBRE EDUCAÇÃO INTEGRAL UM DIREITO OU UMA APOSTA? Regiane Costa (SEMAB-Búzios/SEMED Macaé - regi111@hotmail.com) 01234 BREVE ENSAIO SOBRE EDUCAÇÃO INTEGRAL UM DIREITO OU UMA APOSTA? Regiane Costa (SEMAB-Búzios/SEMED Macaé - regi111@hotmail.com) Reafirmando o compromisso com a escola pública e suas demandas emergentes,

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL QUANDO A CLÍNICA ENCONTRA A ESCOLA: O TRATAMENTO DO AUTISMO E AS SAÍDAS POSSÍVEIS DE UMA INCLUSÃO Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL Rua Divinópolis, 318/201,

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS Flávio Pereira DINIZ (FCS UFG / diniz.fp@gmail.com) 1 Dijaci David de OLIVEIRA (FCS UFG / dijaci@gmail.com) 2 Palavras-chave: extensão universitária;

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

ANEXO I AO EDITAL PROP N 010/2013 ESPECIALIZAÇÕES 2014.1. Cursos de Especialização oferecidos: (CAMPI/NÚCLEOS)

ANEXO I AO EDITAL PROP N 010/2013 ESPECIALIZAÇÕES 2014.1. Cursos de Especialização oferecidos: (CAMPI/NÚCLEOS) ANEXO I AO EDITAL PROP N 010/2013 ESPECIALIZAÇÕES 2014.1 Edital de ofertas de cursos para o Programa de Pós- Graduação Lato Sensu da UESPI, conforme Resolução CONSUN nº 045/2003. Cursos de Especialização

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA Preâmbulo: - Considerando que a educação é um bem público e, conforme dispõe o art. 209 da carta constitucional,

Leia mais

Novas Perspectivas de inclusão: uma experiência no ensino de história. Profª Drª Marcia Cristina Pinto Bandeira de Mello 1

Novas Perspectivas de inclusão: uma experiência no ensino de história. Profª Drª Marcia Cristina Pinto Bandeira de Mello 1 Novas Perspectivas de inclusão: uma experiência no ensino de história. Profª Drª Marcia Cristina Pinto Bandeira de Mello 1 Introdução: Como Professora do Colégio Pedro II (CPII), a mais de vinte anos,

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O presente instrumento regulamenta o Trabalho Final

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais