Proposta de Avaliação da Qualidade do Agroturismo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de Avaliação da Qualidade do Agroturismo"

Transcrição

1 Dossier Qualidade do Turismo em Espaço Rural -TER Proposta de Avaliação da Qualidade do Agroturismo PROJECTO AMAP RURAL, Medida 10 do Programa AGRO AUTOR AMAP Associação das Mulheres Agricultoras Portuguesas Av. do Colégio Militar, Lote 1786, Lisboa Telefone /31 Fax Coordenação : Ana Maria Tavares Consultoria: Elsa Gomes de Sousa

2 Índice MÓDULO 1 - ENQUADRAMENTO 1.1. Turismo Mundial evolução e tendências TER - Origens, Conceitos e Terminologias Oferta do TER em Portugal MÓDULO 2 QUALIDADE 2.1. Introdução Sistemas de Avaliação da Qualidade do TER na UE Áustria Alemanha Bélgica Espanha França Itália Reino Unido MÓDULO 3 PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO AGROTURISMO EM PORTUGAL 3.1. Introdução Apresentação do Sistema de Avaliação Grelha de Classificação ANEXOS A - Listagem da Oferta de Agroturismo por regiões de turismo B - Listagem da principal legislação que regulamenta o TER C - Procedimentos administrativos para o licenciamento de empreendimentos TER e respectivos formulários de requerimento D - Incentivos Financeiros ao TER

3

4 DOSSIER QUALIDADE DO TURISMO EM ESPAÇO RURAL ENQUADRAMENTO Módulo Turismo Mundial evolução e tendências Aactividade turística apresenta uma perspectiva de grande crescimento, sendo claramente um dos fenómenos económicos e sociais mais marcantes do século passado. Desde os seus primórdios no séc. XIX, o turismo tem expandido rapidamente desde 1950, com 25 milhões de viajantes em todo o Mundo para 715 milhões em 2002 (Fonte: OMT- Organização Mundial do Turismo). De acordo com a OMT cerca de 62% dos viajantes deslocam-se por motivos de lazer, 18% em negócios e os restantes 20% por razões variadas como visitas a familiares ou visitas de carácter religioso, entre outras. Diversos factores determinam as estatísticas. 4

5 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.1 TURISMO MUNDIAL EVOLUÇÃO E TENDÊNCIAS Nos países desenvolvidos, tem-se vindo a registar um rápido aumento do rendimento disponível. A diminuição do número de horas de trabalho e o aumento do número de dias de férias pagas também tem contribuído. O nível de educação cada vez mais elevado tem, de igual modo, dado lugar a um maior desejo de viajar e de explorar novos locais. As redes de transporte - ferroviário, terrestre, aéreo e marítimo - têm registado melhorias significativas. Por outro lado, as instituições governamentais pouco têm influenciado o ritmo de desenvolvimento do turismo, o qual tem sido largamente fomentado pelas forças de mercado e pelo sector privado. Neste aspecto, o turismo difere claramente do sector agrícola, assim como de outras actividades rurais. A oferta turística tem estado, até há pouco tempo, vocacionada para produtos específicos de praia, lagos e/ou empreendimentos na montanha, assim como concentrada nos principais centros culturais. Tem dado provas de ser um importante vector de crescimento económico - transferindo capital, receita e emprego das zonas industriais, urbanas e desenvolvidas para zonas nãoindustrializadas. De acordo com os elementos estatísticos da OMT referentes ao ano 2000, os cinco principais países geradores de turismo - Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido, Japão e França foram responsáveis por 42 % das despesas mundiais em viagens. Os cinco principais países de destino de turismo - França (75,5 milhões), Estados Unidos (50,9 milhões), Espanha (48,2 milhões), Itália (41,2 milhões), e China (27,0 milhões), absorveram 40% das receitas mundiais do sector. 5

6 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.1 TURISMO MUNDIAL EVOLUÇÃO E TENDÊNCIAS De entre os destinos preferidos, salientamos o caso da Espanha, onde o turismo tem vindo a ser o principal responsável pelo crescimento económico nacional, baseado essencialmente num turismo de praia. Por outro lado, a experiência de outros países, como o Reino Unido, Irlanda, França e os Estados Unidos, demonstra como o desenvolvimento do turismo tem estado na origem do crescimento económico regional, baseado no turismo em meio rural. Turismo e Agricultura Nas regiões desenvolvidas do Mundo, são comuns os aspectos de decréscimo populacional, mudanças económicas, e regeneração comunitária. Há mais de um século que a crescente industrialização e consequente urbanização têm vindo a alterar a situação económica e política da sociedade rural. Nos últimos 40 anos, essa tendência tem vindo a intensificar-se. As receitas rurais diminuíram em termos reais, as quais, a par das mudanças tecnológicas, têm vindo a reduzir as oportunidades de emprego na agricultura. Em resposta, os serviços nos meios rurais têm vindo a diminuir - lojas, escolas, igrejas, trabalho especializado e facilidades de transporte têm desaparecido ou decrescido de actividade. Naturalmente, a população rural tem envelhecido tornando-se cada vez menor na sua totalidade. Muitas vilas e pequenas cidades, lutam hoje para manter a sua vitalidade. Por todo o 6

7 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.1 TURISMO MUNDIAL EVOLUÇÃO E TENDÊNCIAS Mundo, os governos locais, regionais e centrais têm vindo a intervir no sentido de dar voz a estes assuntos, com maiores ou menores taxas de sucesso. Nos últimos anos, o mundo rural tem assistido a novos desafios. A conservação da Natureza e da paisagem tem vindo a adquirir uma importância cada vez maior. Os edifícios históricos e as sociedades rurais "tradicionais" estão a captar cada vez mais as atenções. Embora na maior parte das zonas rurais se mantenha uma desertificação crescente, em algumas zonas de fácil acessibilidade, tem-se registado um aumento populacional, conhecido por "contra-urbanização", formado por pessoas descontentes com as condições de vida das grandes cidades. Poderá o potencial de crescimento turístico ser aproveitado nas zonas rurais como forma de as tirar do declínio? O turismo para as zonas rurais está a aumentar. Há, e/ou haverá, condições para que esse crescimento continue? Poderá o turismo em espaço rural proporcionar emprego, receita e capital suficientes, que possam suportar financeiramente o desenvolvimento rural? Poderão ser ajudadas todas as zonas rurais? 7

8 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.1 TURISMO MUNDIAL EVOLUÇÃO E TENDÊNCIAS Deverão, o Estado e as instituições, intervir no sentido de apoiar e/ou orientar o desenvolvimento do turismo? Existem provas de que tal poderá ser feito com sucesso? Que pesquisa, relacionada com o turismo em espaço rural, será necessária fazer de forma a compreender melhor este tipo de turismo assim como as suas potencialidades de crescimento? Tradicionalmente a agricultura e a floresta eram o centro da vida rural. Eram as maiores actividades empregadoras, as principais fontes de receita da economia rural e, indirectamente, uma forte influência nas tradições, nas estruturas de poder e nos estilos de vida. As decisões sobre a utilização de determinada porção de terra, floresta ou paisagem, eram tomadas em conjunto pelos agricultores e proprietários florestais. Em finais do séc XX, o papel central da agricultura e floresta foi diminuído, tendo muitas das actividades perdido muita da sua força de trabalho, a qual apresenta hoje valores entre 5% e 15% de empregados (agricultura, floresta e pesca). O poder económico da agricultura e da floresta tem decrescido, principalmente quando estas actividades têm hoje uma forte dependência de subsídios governamentais para assegurar a rentabilidade. As tradições vão-se desvanecendo perante a força da televisão, das tecnologias agrícolas e de transformação da madeira. O poder de decisão sobre o espaço rural está hoje nas 8

9 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.1 TURISMO MUNDIAL EVOLUÇÃO E TENDÊNCIAS mãos das instituições ligadas ao planeamento e ordenamento do território. O sucesso no desenvolvimento do Turismo em Espaço Rural TER parece necessitar de cooperação ao nível do marketing e do esforço de desenvolvimento. Muitas áreas não tem uma tradição de cooperação entre os agricultores, ou entre estes e as instituições governamentais. A relação-chave do TER é entre o desenvolvimento turístico e o desenvolvimento rural em geral, envolvendo os serviços prestados, as actividades proporcionadas, a conservação, um papel reforçado das mulheres e o investimento local. Um importante papel da agricultura depende das circunstancias locais, regionais e nacionais. 9

10 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.2. TER - ORIGENS, CONCEITOS E TERMINOLOGIAS 1.2. TER - Origens, Conceitos e Terminologias O Turismo em Espaço Rural - TER não é um fenómeno muito recente. Desde o séc. XIX que o interesse por actividades de lazer em meio rural tem vindo a aumentar, como reacção ao stress causado pela expansão das cidades cada vez mais industrializadas. As companhias ferroviárias aproveitaram desde logo as potencialidades deste tipo de turismo, transportando os viajantes para o interior. Os Alpes e as regiões montanhosas dos Estados Unidos e Canadá, foram os primeiros destinos a tirar partido das acções de marketing e de investimento ferroviários. O novo turismo rural dos anos 70, 80 e 90 é, contudo, diferente em diversas formas. O número de visitantes aumentou consideravelmente. Um valor superior a 70% de entre as diferentes populações dos países da OCDE participa hoje em actividades de lazer no campo, em locais cada vez mais 10

11 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.2. TER - ORIGENS, CONCEITOS E TERMINOLOGIAS recônditos, por vezes sem ligações ferroviárias mas de fácil acesso por automóvel particular ou alugado, hoje um meio de transporte bastante vulgarizado. Mais importante ainda é o facto do viajante se afastar hoje, e cada vez mais, das zonas tradicionalmente mais turísticas, para as mais diversas zonas campestres, libertando-se das grandes estâncias turísticas e optando pelas pequenas vilas e aldeias rurais. O crescimento do turismo em espaço rural é difícil de quantificar, uma vez que poucos países separam nas suas estatísticas o turismo rural das outras formas de turismo. No entanto, os organismos envolvidos estão de acordo quando consideram o turismo rural como um sector em crescimento. A experiência, registada individualmente nas regiões rurais, testemunha no mesmo sentido, dando conta de taxas de crescimento na ordem dos 20% - Austrália a 40% - Estados Unidos ("Tourism Strategies and Rural Development", OCDE, Paris 1994). TER e Desenvolvimento Rural O TER, nas suas mais variadas formas - Agroturismo, Turismo Rural, Farm Holidays, Rural Holiday, Country Cottage, entre outras, é hoje uma das mais debatidas estratégias para o desenvolvimento rural e local no seio da União Europeia. Apesar de não ser um fenómeno recente, o TER ainda não conseguiu 11

12 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.2. TER - ORIGENS, CONCEITOS E TERMINOLOGIAS atingir uma imagem altamente competitiva comparativamente aquela veiculada pelo Turismo "de massas". Desde os anos 50 que em muitos países do Norte e Centro da Europa, e dos anos 70, em países do Sul, que o Turismo em Espaço Rural - TER tem sido visto como uma estratégia com boas perspectivas na medida em que retém a população e cria empregos, promovendo, de um modo geral, o desenvolvimento socio-económico das áreas menos favorecidas. Alguns aspectos explicam esta evolução: O TER satisfaz a procura de espaços ao ar livre onde se possa praticar uma vasta gama de desportos, jogos e actividades culturais; O TER responde ao interesse crescente pelas heranças e cultura locais, por parte dos habitantes das cidades os quais se encontram "privados" do conhecimento, e do beneficio ligado, a esses valores; O TER promove o entendimento entre os povos e culturas num espirito de entendimento e respeito mútuos, factores que contribuem para a solidariedade e coesão sociais; O TER encoraja a criação de um plano coordenado de parcerias entre o poder público e privado o que melhora a competitividade entre as actividades económicas dentro das áreas menos favorecidas proporcionando-lhes as infra- 12

13 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.2. TER - ORIGENS, CONCEITOS E TERMINOLOGIAS estruturas e condições vitais para a melhoria da qualidade de vida da população local e do visitante; Os operadores locais têm vindo a aperceber-se das possibilidades oferecidas pelo efeito multiplicador do TER. Estudos conduzidos nomeadamente na Noruega e em França, mostram que a despesa no alojamento é completada por uma outra duas a três vezes maior no pequeno comércio e indústria artesanal local; Finalmente, há um consenso actual entre as várias instituições governamentais e privadas, no sentido de promover o TER, como uma solução para colmatar as falhas no desenvolvimento socio-económico local. Neste sentido, o TER é visto como uma forma de combate à desertificação das populações, preservando o seu modo de vida, em beneficio dos habitantes locais, e dos visitantes actuais e futuros, maioritariamente de zonas urbanas. Poder-se-ão apontar 14 factores responsáveis pelo crescimento do TER ("Tourism Strategies and Rural Development", OCDE, Paris 1994): Nível educacional cada vez mais elevado, directamente relacionado com o crescente interesse por actividades ao ar livre, pelo ecoturismo e pelas férias temáticas; 13

14 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.2. TER - ORIGENS, CONCEITOS E TERMINOLOGIAS Crescente interesse pelas heranças culturais, naturais ou mesmo produzidas pelo Homem; Aumento do tempo livre e de lazer, adicionado a uma maior disponibilidade financeira e à opção crescente de praticar mini-férias, muito ao encontro da oferta TER; A melhoria dos transportes e comunicações reduziu ao mínimo os problemas de acesso e isolamento das zonas rurais, considerados hoje pontos de venda e não barreiras; Consciência da importância da saúde tem vindo, e continua, a crescer no sentido de procura de uma vida mais saudável, ocupando as actividades de lazer e desporto um importante papel. Por outro lado, os riscos associados aos banhos de Sol têm vindo a aumentar, o que se tem traduzido numa preferência pelas estadias em meio rural; Roupa, cada vez mais apropriada e confortável para a prática de actividades ao ar livre; Um interesse cada vez maior por uma gastronomia diversificada e saudável, muito ao encontro da oferta TER; Preocupações ecológicas - um assunto cada vez mais debatido nas instâncias políticas nos últimos vinte anos. O TER, embora não obrigatoriamente ecológico, oferece, logo à partida, um enorme potencial nesse sentido; Autenticidade - uma qualidade cada vez mais prezada. Num mundo recheado de televisão e vídeo como principal entretenimento, de produtos industrializados e de um 14

15 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.2. TER - ORIGENS, CONCEITOS E TERMINOLOGIAS ambiente suburbano anónimo, a autenticidade do meio rural e o ambiente proporcionado pelas suas pequenas comunidades, torna-se cada vez mais valioso; Paz e tranquilidade - uma das principais motivações da procura do TER, como forma de aliviar o, actualmente, elevado nível de stress; Populações envelhecidas mas activas são hoje, e cada vez mais, uma realidade. Muitos escolhem o TER por razões de saúde ou, simplesmente, para descobrirem novas experiências longe dos centros urbanos; A procura turística caracteriza-se cada vez mais por uma busca de experiências compensadoras, enriquecedoras, aventureiras e pedagógicas. A diversificada oferta TER está vantajosamente posicionada para satisfazer a procura de um mercado cada vez mais alargado; O individualismo, característico da actual sociedade, tem sido explorado pela indústria de uma forma geral - automóveis, têxteis, etc. O turismo de massas encontrase em decadência. O TER, devido à pequena estrutura dos empreendimentos poderá tirar o melhor partido desta realidade através da prossecução de uma oferta diversificada e de alta qualidade; As organizações de cariz rural - ligadas à agricultura, à conservação da Natureza, ao desenvolvimento comunitário, à arte, cultura e artesanato, aos Parques Nacionais, ao desenvolvimento económico local, aos transportes, etc. - numerosas em vários países, têm vindo a aumentar o seu interesse em ajudar na implementação 15

16 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.2. TER - ORIGENS, CONCEITOS E TERMINOLOGIAS do TER. Embora estas actuem muitas vezes sem a desejável coordenação, e tenham raramente alguma experiência em turismo, têm participado quer em projectos colectivos quer em iniciativas individuais. O TER não oferece, contudo, uma solução para todos os problemas sociais e económicos, provocados por uma crescente marginalização de muitas áreas rurais. O desenvolvimento turístico deverá ser acompanhado pelo desenvolvimento de outros sectores, como parte de um modelo integrado de desenvolvimento rural. De outro modo, o desequilíbrio enfraquecerá o processo. Sustentabilidade - uma visão essencial O conceito de desenvolvimento sustentável foi introduzido em 1987, pela Comissão Mundial de Desenvolvimento e Ambiente, através do Relatório Brundtland, com a seguinte definição: " O desenvolvimento sustentável é aquele que vai ao encontro das necessidades do presente sem comprometer as possibilidades das gerações futuras de satisfazerem as suas". O actual volume e importância do turismo mostra claramente que, para minimizar o impacto negativo e maximizar o efeito positivo do desenvolvimento da actividade turística, não basta desenvolver novas formas alternativas de turismo. O sector tem de ser desenvolvido e gerido de forma a salvaguardar o ambiente 16

17 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.2. TER - ORIGENS, CONCEITOS E TERMINOLOGIAS natural e socio-cultural, sendo esta a responsabilidade máxima da industria turística mundial. De um modo geral, o TER é visto como intrinsecamente sustentável, pois atrai um numero reduzido de visitantes, não necessita de grandes infra-estruturas, e tem uma clientela tipo genuinamente interessada na cultura local e nas tradições. Umas das principais atracções das férias em ambiente rural é a possibilidade de interacção com os habitantes locais, podendo os visitantes partilhar ideias e conhecimentos, o que reforça o papel do turismo como "indústria da Paz" e exemplo de compreensão. No entanto, se analisarmos o TER mais profundamente, levantam-se algumas dúvidas relacionadas com a sua intrínseca sustentabilidade. O assunto mais importante de analisar é a rentabilidade económica dos serviços prestados, uma vez que a procura é muitas vezes sazonal, as taxas de ocupação são baixas e o investimento, necessário para criar ou melhorar as estruturas existentes, apresenta-se muito elevado. Na maioria das zonas rurais o TER, como única fonte de rendimento, é uma opção pouco viável, surgindo como uma alternativa de rendimento extra, sendo a sua contribuição para o desenvolvimento sustentável de uma região muito influenciado pelo comportamento dos outros sectores da economia, principalmente da agricultura. Em relação à sustentabilidade ambiental, a experiência comprova que é necessário um investimento considerável para gerir o vulnerável meio ambiente envolvente. Por um lado, a procura 17

18 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.2. TER - ORIGENS, CONCEITOS E TERMINOLOGIAS encontra-se cada vez mais direccionada para as zonas menos desenvolvidas, particularmente sensíveis à interferência humana e, por outro, os ambientes naturais organizados pelo Homem não correspondem, na maioria das vezes, às expectativas dos visitantes baseadas em imagens nostálgicas e tradicionais apresentadas, por exemplo, nos folhetos promocionais. Em regiões menos desenvolvidas, vulneráveis mas atractivas, é essencial integrar a protecção ambiental com actividades socialmente e economicamente benevolentes. O Eco-Agro- Turismo distribui os turistas para acomodações descentralizadas, apela para a necessidade de estar em contacto com a natureza, gera paralelamente um rendimento adicional aos agricultores e às comunidades rurais, chamando ao mesmo tempo a atenção da população local para a importância da biodiversidade e da protecção ambiental. Eco-Agro-Turismo combina o turismo em acomodações sustentáveis com um cuidado pelo meio ambiente e o património social e cultural. Umas férias diferentes, longe do turismo de "massa". O meio rural tem ainda espaço e locais diferentes para descobrir, oferecendo diferentes possibilidades de alojamento - quintas, pequenas pensões e parques de campismo nas zonas mais bonitas de Portugal, podendo uma simples tenda, caravana ou pequena casa, proporcionar um contacto directo com a Natureza e com a hospitalidade da população local. 18

19 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.2. TER - ORIGENS, CONCEITOS E TERMINOLOGIAS O desenvolvimento turístico pode influenciar de forma positiva e negativa as características socio-culturais das zonas rurais. Os impactos positivos são, de entre outros, o desenvolvimento e a optimização dos recursos existentes (terra, trabalho, atracções naturais e culturais), as mudanças socio-económicas que produz, a contribuição dada à protecção e conservação do ambiente rural, a possibilidade de alargamento de contactos dada à população local e a oportunidade de intercâmbio com novas culturas. Os impactos negativos são, de entre outros, a mudança ou mesmo deterioração da paisagem rural assim como dos seus valores culturais e naturais, a influência exercida na estratificação social (embora esta também possa ser positiva), a pressão extra exercida na comunidade local através da mudança do seu ritmo de vida, podendo ameaçar a sua privacidade, resultando em comportamentos adaptados ao gosto dos visitantes, mas menos fidedignos dos costumes e tradições locais. Todos os intervenientes da actividade turística deveriam ter sempre em conta que o meio ambiente humano, cultural e natural formam um equilíbrio único, não podendo um dos factores ser afectado sem afectar os outros. O planeamento e o desenvolvimento das actividades turísticas deverá ter em conta as inter-relações existentes entre os diferentes factores ambientais: físico, biológico, humano, animal, flora, cultura e espiritual, de modo a evitar os efeitos negativos. Equipas de especialistas deverão realizar estudos interdisciplinares que proporcionem o acesso a informações-base 19

20 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.2. TER - ORIGENS, CONCEITOS E TERMINOLOGIAS relevantes e a avaliações de impacto equilibradas. O turismo não pode constituir uma ameaça à diversidade das espécies e à integridade do ecossistema, valores insubstituíveis. Deste modo, os estudos de impacto ambiental e a sua aplicação ao desenvolvimento turístico são um requisito essencial para se conseguir um turismo responsável e sustentável. Conceitos e Terminologias - algumas considerações Expressões como Agroturismo, Turismo Rural, Ecoturismo, Turismo no Campo, entre outras, são utilizada amplamente em diversos países, dentro e fora da Comunidade Europeia, sem que exista no entanto um consenso quanto às suas definições. A OECD no seu relatório de 1994 sobre Turismo em Espaço Rural considera o Agroturismo como a actividade desenvolvida exclusivamente por agricultores, e o Turismo Rural, Ecoturismo, e Turismo no Campo, como actividades que, podendo ser desenvolvidas por agricultores, são predominantemente desenvolvidas por operadores fora do contexto agrícola. A noção de Agroturismo é assim de um modo geral menos abrangente. Países como a Itália possuem legislação especifica que separa o Turismo Rural do Agroturismo. O Agroturismo em Itália é definido como... actividade turística onde apenas os produtores agrícolas são implicados. As restantes actividades desenvolvidas em meio rural, como hospedagem e restauração, mas que são 20

21 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.2. TER - ORIGENS, CONCEITOS E TERMINOLOGIAS operadas por não agricultores, são classificadas como de Turismo Rural. Os italianos possuem uma legislação nacional (Lei 5, Dezembro, 1985, 730) onde estão bem patentes os princípios fundamentais do Agriturismo, e uma legislação regional que adapta esta às realidades especificas de cada região. A distinção entre Agroturismo e Turismo Rural está assim bem clarificada na legislação italiana, tendo as organizações agroturisticas deste país investido bastante para que esta diferença fosse juridicamente reconhecida. Este reconhecimento apoia-se em grande parte no manifesto efeito positivo da actividade dos agricultores sobre a preservação das terras agrícolas. O objectivo final é igualmente obter um apoio financeiro governamental para as empresas agroturisticas. À semelhança de Itália, o Quebec define Agroturismo como... uma actividade turística complementar à agricultura desenvolvida numa exploração agrícola, através da qual se estabelece o contacto entre os agricultores e os visitantes, proporcionando, a estes últimos, no acolhimento e através da informação disponibilizada, a descoberta do meio rural e da produção agrícola.... É importante sublinhar que são os serviços, de acolhimento, e a oferta de informação de carácter agrícola, que conferem especificidade ao Agroturismo. ( Revue de litérature - Les Définitions de l agroturisme, présentée au groupe de concertation sur lágrotourisme au Québec, 2002) 21

22 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.2. TER - ORIGENS, CONCEITOS E TERMINOLOGIAS Em Portugal entende-se por Turismo no Espaço Rural TER:... um conjunto de actividades, e serviços realizados e prestados em zonas rurais, de harmonia com várias modalidades de hospedagem, bem como de actividade e serviços que complementam aquela e que consistem em animação e diversão turística (DL 169/97 de 4 de Julho). As definições das diferentes modalidades TER estão patenteadas no DL 54/2002 de 11 de Março - novo regime jurídico de instalação e funcionamento dos empreendimentos TER: Turismo Rural... serviço de hospedagem de natureza familiar prestado a turistas em casas rústicas particulares que, pela sua traça, materiais construtivos e demais características, se integrem na arquitectura típica regional ; AgroTurismo... serviço de hospedagem de natureza familiar prestado em casas particulares integradas em explorações agrícolas que permitam aos hóspedes o acompanhamento e conhecimento da actividade agrícola, ou a participação nos trabalhos aí desenvolvidos, de acordo com as regras estabelecidas pelo seu responsável ; 22

23 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.2. TER - ORIGENS, CONCEITOS E TERMINOLOGIAS Turismo de Habitação... serviço de hospedagem de natureza familiar, prestado a turistas em casas antigas particulares que, pelo seu valor arquitectónico, histórico ou artístico, sejam representativas de uma determinada época, nomeadamente, os solares e as casas apalaçadas ; Turismo de Aldeia... serviço de hospedagem prestado num empreendimento composto por um conjunto de, no mínimo, cinco casas particulares situadas numa aldeia e exploradas de forma integrada, quer sejam ou não utilizadas como habitação própria dos seus proprietários, legítimos possuidores ou detentores. Estas casas devem, pela sua traça, materiais de construção e demais características, integrar-se na arquitectura típica local. Deve ser explorado por uma única entidade, em aldeias históricas, em centros rurais ou em aldeias que mantenham, no seu conjunto, o ambiente urbano, estético e paisagístico tradicional da região ; Casas de Campo... casas particulares e as casas de abrigo situadas em zonas rurais que prestem um serviço de hospedagem, quer sejam ou não utilizadas como habitação própria. Estas casas devem, pela sua traça, materiais de construção e demais características, integrar-se na 23

24 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 1.2. TER - ORIGENS, CONCEITOS E TERMINOLOGIAS arquitectura e ambiente rústico próprio da zona e local onde se situam. Outros países, de que a França é exemplo, não apresentam uma definição clara do Agroturismo, estando no entanto implícito que esta é uma actividade desenvolvida pelo agricultor. A FNSEA - Federação Nacional dos sindicatos dos agricultores, criou em 1990 o programa Fermes Ouvertes, com o objectivo de fornecer às crianças do ensino básico a possibilidade de descobrir a agricultura através de visitas às explorações agrícolas. Este programa não é no entanto forçosamente considerado como uma actividade de agroturismo. As Câmaras de Agricultura, por outro lado, consideram os termos Tourisme à la Ferme e Agritourisme como sinónimos, sem contudo os definir especificamente. As câmaras de Agricultura são as responsáveis pela gestão desta actividade, tendo sido estabelecido que para usufruir desta marca Fermes Ouvertes, é necessário possuir uma exploração agrícola e ter o estatuto de agricultor. 24

25 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 13. OFERTA DO TER EM PORTUGAL ELEMENTOS ESTATÍSTICOS 1.3. Oferta do TER em Portugal D e acordo com elementos fornecidos pela Direcção Geral de Turismo DGT, no relatório O Turismo no Espaço Rural em 2002 no final do ano 2002 existiam em Portugal 863 unidades TER, distribuídas pelas seguintes modalidades: 358 unidades de Turismo Rural (41,5 %) 244 unidades de Turismo de Habitação (28,3 %) 145 unidades de Agroturismo (16,8 %) 116 unidades de Casas de Campo (13,4 %) Da análise dos elementos constantes no referido relatório consideramos importante salientar os seguintes aspectos: Comparativamente ao ano anterior, o número de unidades registou um aumento de 26,4%, tendo a 25

26 MÓDULO 1- ENQUADRAMENTO 13. OFERTA DO TER EM PORTUGAL capacidade total em camas registado um aumento de 31,8%; O Norte do País é notoriamente a região com maior capacidade de alojamento (372 unidades) seguida da região Centro (171 unidades); Quando analisada a distribuição da oferta de unidades de turismo de cada modalidade, por regiões do País, verificamos que: - O Norte e o Alentejo representam as regiões com um maior número de alojamento da modalidade Agroturismo (respectivamente 40 e 35 unidades); - As Casas de Campo existem em maior número na região Centro. No entanto, dentro desta modalidade, o Alentejo é notoriamente a região de Portugal Continental com maior número de camas. Os empreendimentos de maior dimensão inserem-se no Agroturismo, apresentando um valor médio de camas por estabelecimento de 6,1; Analisando as taxas de ocupação-cama por modalidade, verificou-se que as Casas de Campo e o Agroturismo foram as modalidades que registaram os valores mais elevados, com 17, 4% e 30,1% respectivamente; 26

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos TURISMO DE NATUREZA AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. Situação a nível europeu De acordo com o Estudo realizado por THR (Asesores en Turismo Hotelería y Recreación, S.A.) para o Turismo de Portugal,

Leia mais

2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL

2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL 2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL A análise realizada tem como base principal as estatísticas oficiais e alguns dados quantitativos de elaboração própria. Focamos a atenção nas mudanças

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER A oferta e a procura no TER 2007 Índice Introdução Capacidade de alojamento Estimativa de dormidas Taxas de ocupação-cama Anexos 2 Introdução. Em 2007 estavam em funcionamento em Portugal 1.023 unidades

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Assembleia Legislativa Decreto Legislativo Regional n.º 12/2009/M Adapta à Região Autónoma da Madeira o Decreto -Lei

Leia mais

Período Estadia mínima Desde Até Diária. Fora de Época 3 noites 01-01-2015 31-03-2015 259.00. Época Baixa 3 noites 01-04-2015 31-05-2015 359.

Período Estadia mínima Desde Até Diária. Fora de Época 3 noites 01-01-2015 31-03-2015 259.00. Época Baixa 3 noites 01-04-2015 31-05-2015 359. Alojamento 2015 The 4 Seasons Características The 4 Seasons é a mais grandiosa das nossas propriedades. Este alojamento de luxo tem 6 quartos (4 têm televisão por satélite), 5 deles com casa de banho privativa

Leia mais

HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 10

HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 10 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 10 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 11 Refúgios na natureza O clima ameno que se faz sentir durante todo o ano em Portugal convida-nos a desfrutar em pleno dos bons momentos

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Pág. 1 de9 CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Gestão do Turismo nos Sítios com Significado Patrimonial 1999 Adoptada pelo ICOMOS na 12.ª Assembleia Geral no México, em Outubro de 1999 Tradução por

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PUBLICADO ATRAVÉS DE EDITAL EM 28 DE ABRIL DE 2011

REGULAMENTO MUNICIPAL ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PUBLICADO ATRAVÉS DE EDITAL EM 28 DE ABRIL DE 2011 REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL APROVADO EM REUNIÃO DE CÂMARA MUNICIPAL DE 06 DE ABRIL DE 2011 APROVADO EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 21 DE ABRIL DE 2011 PUBLICADO ATRAVÉS DE

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO

IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO 1999 I. ÁREA ESTATÍSTICA / LINHAS GERAIS DA ACTIVIDADE ESTATÍSTICA NACIONAL 1998-2001 O Conselho Nacional

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

I CONFERÊNCIA NACIONAL DE DIREITO DO TURISMO

I CONFERÊNCIA NACIONAL DE DIREITO DO TURISMO I CONFERÊNCIA NACIONAL DE DIREITO DO TURISMO Local: Auditório do Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz Organização: APDC Direito do Consumo Data: 09 de Fevereiro de 2006 pelas 16 horas Palestra:

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2005 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS (NRJET) Turismo do Alentejo, ERT

NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS (NRJET) Turismo do Alentejo, ERT NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS (NRJET) Objectivos principais: Simplificação Responsabilização Qualificação da oferta Simplificação Simplificação legislativa concentração num único

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais

públicos) e colocaremos no centro dos nossos esforços de planificação a associação dos diferentes meios de transporte. Os veículos privados

públicos) e colocaremos no centro dos nossos esforços de planificação a associação dos diferentes meios de transporte. Os veículos privados CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais

EUROPA, UM PATRIMÓNIO COMUM. Título: Solares de Portugal na Europa das Tradições

EUROPA, UM PATRIMÓNIO COMUM. Título: Solares de Portugal na Europa das Tradições EUROPA, UM PATRIMÓNIO COMUM Título: Solares de Portugal na Europa das Tradições Ponte de Lima, Janeiro de 2000 EUROPA, UM PATRIMÓNIO COMUM 1 - TÍTULO: Solares de Portugal na Europa das Tradições 2 AUTOR:

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

Marketing Turístico e Hoteleiro

Marketing Turístico e Hoteleiro 2 CAPÍTULO II Significado do Marketing em Hotelaria e Turismo Significado do Marketing em Hotelaria e Turismo Capítulo II Sumário As características especiais do Marketing em Hotelaria e Turismo O ambiente

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem 1º Semestre 2013 O Cadastur Registro Hotel, Hotel histórico, hotel de lazer/resort,

Leia mais

4. Visão e objectivos estratégicos

4. Visão e objectivos estratégicos A visão que se propõe para o futuro do Município da Sertã consubstancia-se em VENCER O FUTURO, CONSTRUINDO UM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Esta visão, sustentada na contextualização sócio-económica e ambiental

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS 1 de 6 - mobilidade humana e OBJECTIVO: Identifica sistemas de administração territorial e respectivos funcionamentos integrados. O Turismo Guião de Exploração Indicadores sobre o turismo em Portugal 27

Leia mais

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES Ferramentas para a Sustentabilidade do Turismo Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural Castro Verde, 7 Março 2012 Teresa Bártolo 2012 Sustentare Todos os direitos reservados www.sustentare.pt 2 Turismo

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Assunto: DescubraPortugal / Canal de promoções comerciais

Assunto: DescubraPortugal / Canal de promoções comerciais CIRCULAR Nº 021/2009 (G) CP/MS Lisboa, 04 de Março de 2009 Assunto: DescubraPortugal / Canal de promoções comerciais Caro Associado, A campanha Descubra um Portugal Maior, lançada pelo Turismo de Portugal

Leia mais

O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento

O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento Eva Milheiro Escola Superior de Educação de Portalegre 1. Introdução O turismo, pelo estímulo que confere à economia e ao desenvolvimento

Leia mais

TURISMO RURAL U.C. Desenvolvimento Rural

TURISMO RURAL U.C. Desenvolvimento Rural U.C. Desenvolvimento Rural Trabalho realizado por: Alexandre Verde, nº18296 José Nunes, nº32240 1 INTRODUÇÃO Com este trabalho pretendemos mostrar o que é o turismo rural, e a sua importância para o desenvolvimento

Leia mais

ENCONTROS PATRIMONIAIS: CONHEÇA O PATRIMÓNIO E PROMOVA-O TURISMO NO ESPAÇO RURAL: OFERTAS A VALORIZAR

ENCONTROS PATRIMONIAIS: CONHEÇA O PATRIMÓNIO E PROMOVA-O TURISMO NO ESPAÇO RURAL: OFERTAS A VALORIZAR ENCONTROS PATRIMONIAIS: CONHEÇA O PATRIMÓNIO E PROMOVA-O TURISMO NO ESPAÇO RURAL: OFERTAS A VALORIZAR O TER Turismo no Espaço Rural representa o maior dos desafios para conhecer, interpretar e promover

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Estatísticas do Turismo 2013 24 de junho de 2014 Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Em 2013, de acordo com os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo,

Leia mais

reconversão de empreendimentos turísticos

reconversão de empreendimentos turísticos reconversão de empreendimentos turísticos 01. Reconversão de Empreendimentos Turísticos Com o objectivo de requalificar a oferta turística nacional, foi aprovado um novo regime jurídico dos empreendimentos

Leia mais

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos;

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos; O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL Empreendimentos Turísticos CAE 55111 a 55119, 55121

Leia mais

ORIGEM OBJECTIVOS: Iniciado em 2004, por um desafio lançado ado pelo Governo Português, para o Campeonato Europeu de Futebol. MISSÃO: Criar e desenvolver, em contínuo, nuo, uma Rede de Estabelecimentos

Leia mais

Conhecer para estruturar e promover o sector do Turismo.

Conhecer para estruturar e promover o sector do Turismo. As Dinâmicas Regionais e os seus atores Conhecer para estruturar e promover o sector do Turismo. I.P.L. 26.10.2011 Praia do Osso da Baleia Trilhos de Interpretação da Natureza - Projecto Ecomatur I - Trilho

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

de Competitividade e Excelência

de Competitividade e Excelência O Ambiente como Factor Estratégico de Competitividade e Excelência Introdução O Turismo é uma ferramenta de crescimento da economia da Região. A economia é apenas um dos três pilares que o Turismo sustenta.

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira Lisboa, 5 de Julho 2012 Bruno Freitas Diretor Regional de Turismo da Madeira O Destino Madeira A Região Autónoma da Madeira (RAM) ocupa, desde

Leia mais

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Preâmbulo O novo Regime Jurídico de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Empreendimentos Turísticos, aprovado

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 1 4 A TURIHAB Associação do Turismo de Habitação, em 2014, desenvolverá o seu plano de actividades em três vertentes fundamentais: - Inovação e Desenvolvimento

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

ALBUFEIRA SOL HOTEL APARTAMENTO & SPA ****

ALBUFEIRA SOL HOTEL APARTAMENTO & SPA **** Cadeia de hotéis: Conforhoteis Tema Hotel: All Inclusive & Beach Hotel Rua da Corcovada, Areias de São João 8200-664 Albufeira Coordenadas GPS: 37.093595, -8,222262 Telefone: +351 289 587 496 Fax: +351

Leia mais

Turismo no espaço rural: instrumentos financeiros previstos e formação Investimento na Beira Interior Sul Expectativas PDR

Turismo no espaço rural: instrumentos financeiros previstos e formação Investimento na Beira Interior Sul Expectativas PDR Turismo no espaço rural: instrumentos financeiros previstos e formação Investimento na Beira Interior Sul Expectativas PDR informação: DGADR ADRACES GPP Paulo Pires Águas Luís Quinta-Nova Isabel Castanheira

Leia mais

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho Agenda 21 Local do Concelho de Redondo Síntese do Diagnostico do Concelho Redondo 2004 INTRODUÇÃO O presente documento constituí uma Síntese do Diagnóstico do concelho, elaborado no âmbito da Agenda 21Local

Leia mais

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS MICROEMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO PARA 2010/2011

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS MICROEMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO PARA 2010/2011 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

TUREL CONGRESSO INTERNACIONAL DE TURISMO CULTURAL E RELIGIOSO GRANDES LINHAS FORÇA EMERGENTES DOS TRABALHOS DO CONGRESSO

TUREL CONGRESSO INTERNACIONAL DE TURISMO CULTURAL E RELIGIOSO GRANDES LINHAS FORÇA EMERGENTES DOS TRABALHOS DO CONGRESSO TUREL CONGRESSO INTERNACIONAL DE TURISMO CULTURAL E RELIGIOSO GRANDES LINHAS FORÇA EMERGENTES DOS TRABALHOS DO CONGRESSO 1. As estatísticas mostram que as receitas totais do turismo ultrapassam 640 milhões

Leia mais

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 Formação APRESENTAÇÃO Graduada em Planeamento e Desenvolvimento do Turismo ULHT Lisboa Portugal Pós-graduada e especialista

Leia mais

A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade

A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade Maria José Catarino Vogal do Conselho Directivo Trancoso, 28 de Outubro de 2009 TURISMO - Contributo para o desenvolvimento sustentado

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO. Para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal. Síntese

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO. Para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal. Síntese PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO Para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal Síntese 1 O PENT - Plano Estratégico Nacional do Turismo é uma iniciativa governamental, da responsabilidade do Ministério

Leia mais

Contributo para um Processo Territorial de Proximidade

Contributo para um Processo Territorial de Proximidade Contributo para um Processo Territorial de Proximidade O que é? O PROVE - Promover e Vender é uma metodologia desenvolvida no âmbito da iniciativa comunitária EQUAL que visa a promoção de novas formas

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

UTILIZAR DA MELHOR FORMA O DINHEIRO EUROPEU

UTILIZAR DA MELHOR FORMA O DINHEIRO EUROPEU Versão final da pequena brochura por país [Página 1 capa] Fundos Estruturais Europeus para as pequenas e médias empresas (PME) e para os organismos públicos UTILIZAR DA MELHOR FORMA O DINHEIRO EUROPEU

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Ecorkhotel Évora, Suites & SPA

Ecorkhotel Évora, Suites & SPA 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa O Ecorkhotel Évora, Suítes & SPA (Ecorkhotel) surge como uma unidade hoteleira com um conceito inovador e uma arquitetura e construção únicas a

Leia mais

Atividade Turística com resultados positivos em 2014

Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Estatísticas do Turismo 2014 28 de julho de 2015 Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Segundo os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas internacionais,

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

E s t r u t u r a V e r d e

E s t r u t u r a V e r d e Estrutura Verde A. Introdução O conceito de Estrutura Verde insere-se numa estratégia de desenvolvimento sustentado, objecto fundamental das políticas do ordenamento do território. A Estrutura Verde é

Leia mais

Bruxelas, 25-VIII-2005 C(2005) 3288

Bruxelas, 25-VIII-2005 C(2005) 3288 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 25-VIII-2005 C(2005) 3288 Assunto: Auxílio estatal N 360/2005 Portugal Alteração do regime de auxílios existente Auxílios estatais a favor do desenvolvimento regional dos Açores

Leia mais

RECONVERSÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS

RECONVERSÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS RECONVERSÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS Câmara Municipal de Sines Sines, 27 de Setembro de 2010 1 Objectivos principais do novo RJET: Simplificação Responsabilização Qualificação da oferta 2 Simplificação

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

II- CONDIÇÃO PRÉVIA DE INSTALAÇÃO AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

II- CONDIÇÃO PRÉVIA DE INSTALAÇÃO AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO I- REQUISITOS PARA OS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1- Todos os estabelecimentos de hospedagem a instalar no Concelho de Sesimbra estão sujeitos aos requisitos previstos na Portaria

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012 Folha de Informação Rápida 2013 Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2012 Inventario Anual dos Estabelecimentos Hoteleiros Presidente

Leia mais

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Diário da República, 2.ª série N.º 80 23 de Abril de 2008 18537 - Direcção -Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural; - Direcção -Geral dos Recursos Florestais; - Direcção Regional de Agricultura e

Leia mais

ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian. 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com

ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian. 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com Paisagem: designa uma parte do território, tal como é apreendida pelas

Leia mais

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade Divulgação do primeiro relatório Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade O Turismo de Portugal apresentou ontem o seu Relatório de Sustentabilidade, tornando-se no primeiro Instituto Público

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Pixel. Aprenda Italiano em Florença Cursos Individuais para Estrangeiros

Pixel. Aprenda Italiano em Florença Cursos Individuais para Estrangeiros Certified Quality System in compliance with the standard UNI EN ISO 9001:2000. Certificate n SQ.41823. Pixel Aprenda Italiano em Florença Cursos Individuais para Estrangeiros CURSOS INDIVIDUAIS PARA ESTRANGEIROS

Leia mais

TIMBER ENGINEERING EUROPE

TIMBER ENGINEERING EUROPE TIMBER ENGINEERING EUROPE Tecnologia de construção no seu melhor Desenhado, fabricado e montado segundo as necessidades do cliente www.timberengineeringeurope.com Bem-vindos a Timber Engineering Europe

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

praia do vau praia da rocha

praia do vau praia da rocha praia do vau praia da rocha Victor s Plaza praia do vau O Victor s Plaza fica situado numa zona privilegiada do Barlavento Algarvio, a cerca de 800 metros da Praia do Alemão e a 1500 m da Praia do Vau.

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

RESUMO DE GEOGRAFIA 9º ANO

RESUMO DE GEOGRAFIA 9º ANO RESUMO DE GEOGRAFIA 9º ANO A Revolução industrial iniciou-se no séc. XVIII. Indústria - consiste na transformação de matérias-primas em produtos acabados ou é uma actividade económica que consiste na transformação

Leia mais

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 2006-2015 Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 Portugal 2015 Portugal 2015 - Metas 2005 2015 Douro Douro Oeste Oeste Serra da Estrela Serra da Estrela Alqueva Litoral Alentejano Litoral Alentejano

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 1 3 O ano de 2013 ficará assinalado pela comemoração dos 30 anos da TURIHAB Associação do Turismo de Habitação, ao serviço dos seus Associados e do Turismo.

Leia mais

Evolução Histórica das Campanhas

Evolução Histórica das Campanhas Evolução Histórica das Campanhas Campanha Internacional de Turismo (1994-2011) 1994-1995-1996-1997 Assinatura: Portugal The thrill of discovery. Objectivos: Reposicionar Portugal como destino turístico

Leia mais

MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural

MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural I Seminário sobre Turismo Rural e Natureza Diferenciar o Produto, Qualificar a Oferta, Internacionalizar o Sector MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural TÂNIA

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 0 9 A TURIHAB Associação do Turismo de Habitação, em 2009, desenvolverá as suas acções em três vertentes fundamentais: a Internacionalização através do

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

nos Desportos de Deslize Nauticampo 9 de Fevereiro de 2012

nos Desportos de Deslize Nauticampo 9 de Fevereiro de 2012 Aposta Municipal nos Desportos de Deslize Nauticampo 9 de Fevereiro de 2012 http://www.surfline.com/surf-news/best-bet-february-portugal_66478 As Ondas como recurso endógeno, diferenciador e catalisador

Leia mais