GUIA DE IMPLANTAÇÃO. Núcleo Hospitalar de Epidemiologia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DE IMPLANTAÇÃO. Núcleo Hospitalar de Epidemiologia"

Transcrição

1 GUIA DE IMPLANTAÇÃO Núcleo Hospitalar de Epidemiologia

2 ETAPAS PARA IMPLANTAÇÃO I. Interesse por parte da Instituição II. Passar por aprovação pelo corpo diretivo da instituição III. Liberação de recursos humanos e em quantitativo de acordo ao número de leitos do hospital, com experiência na área ou para serem capacitados... Importante o PERFIL do técnico. IV. Espaço físico para o Núcleo V. Equipamentos computador, impressora,mobiliário, telefone, fax, conecção, internet, arquivo...

3 VI. Diagnostico do Hospital questionário do MS Questionário do MS

4 VII. VIII. IX. Instalação do programa SINAN NET pela SMS. Organização interna: Pasta com as fichas epidemiológicas. Arquivos para as fichas preenchidas, memo..., artigos, Manuais Estabelecer o fluxo de notificação para a SMS (por papel, disket, internet...). Recebimento do bloco com a numeração SINAN... Fluxo para envio de materiais para o LACEN, quais materiais, como enviar, como acondicionar, em que situação, que requisição acompanha????

5 X. Apresentação do Serviço para as varias áreas do Hospital e implantação das fontes de captação de casos: a. Corpo diretivo e conselho gestor b. CCIH dependerá se já está junto com o Núcleo de Epidemiologia ou se está separado c. Arquivo - área vital Prontuário único?? Como funciona o sistema de prontuário?? Fluxos Prontuário eletrônico?? O que é informatizado?? Seu formato: envelope, pasta?? Para carimbo do Núcleo de epidemiologia Liberação para o núcleo Núcleo Hospitalar do Hospital... SINAN:... Data:... CID:... Responsável:...

6 d. Informática Avaliar com setor, todas as áreas informatizadas do hospital: cadastro, marcação de consultas, alguns com CID, resultados de laboratório, resumo de alta de internação... Que tipos de relatórios podem ser elaborados?? Inclusão da ficha Epidemiológica para preenchimento on line Alertas frente a CID de notificação compulsória.. Pagina Intranet com informações do Núcleo

7 e. Laboratório - Um dos pilares da Vigilância Epidemiológica Que exames são realizados no hospital? O que é enviado ao LACEN? O que é terceirizado? É informatizado o pedido e resultado? Áreas: Bacteriologia Sorologia Virologia Parasitologia Micologia Bioquímica Hematologia LACEN Qual o fluxo de envio de Exames? Qual a Requisição Utilizada? Qual o frasco utilizado Acondicionamento do material Transporte para o LACEN Resultado do exame

8 Laboratório (continuação) O monitoramento do laboratório : busca ativa diária no laboratório: ex: Vigilância de liquor, baciloscopia para TB, pesquisa virológica secreção respiratória notificação sistemática por parte do laboratório, relatório de resultados de exames selecionados, quando o hospital tiver os exames laboratoriais informatizados. Acesso ao GAL - de todos os exames enviados pelo hospital ao LACEN Importante o envio das placas de cultura com crescimento de meningococos, streptococos pneumonie e hemófilos, para o LACEN

9 f. Censo de internados: Avaliar os procedimentos realizados pelo hospital para a internação dos pacientes: informatizado, por fichas,... Avaliar as portas de entrada, utilizar o CID para captação de casos... Onde for informatizado, captação dos casos pelo CID. Onde não for, realizar busca ativa diária. Priorizar áreas de vigilância: clinica médica, infectologia, gastro-hepatologia, neurologia, UTI pediatria e adultos, semi-intensiva, maternidade ( se referencia para alto risco) Seguimento do paciente com DNC até a alta, para encerrar o caso Resumo de alta (quando tiver informatizado) Trabalho com o setor de faturamento que avalia todas as internações.

10 g. Emergência (PA) - PRIORIDADE MÁXIMA Avaliar se porta aberta ou se por encaminhamento, que tipo de patologias atende? se é referência para alguma área como: malária, acidente do trabalho,vitima de violência...? É a porta de entrada de doenças agudas, casos graves, epidemias, ocorrências toxicológicas, acidente por animal peçonhento, meningites, leptospirose... h. Ambulatório - é uma das unidades mais complexas e de maior dificuldade, devido ao elevado número de atendimentos. priorizar os atendimentos de doenças infecciosas. Em alguns locais a hanseníase é atendida pela dermatologia, a tuberculose pela pneumologia, as hepatites pela hepatologia ou gastro, ambulatórios este separados do de doenças infecciosas. Se o hospital é informatizado, relatório diário dos pacientes atendidos com os CID de interesse, contemplando o nome e registro hospitalar.

11 i. Anatomia Patológica Laudos de biopsias e necropsias (nem todos os hospitais fazem este procedimento), que são uma fonte muito importante para detecção de casos, como tuberculose, leishmaniose, hanseníase... assim como para óbitos de causa desconhecida, onde a necropsia assume uma alta importância. Alguns hospitais não fazem a necropsia porem podem encaminhar a avaliação para o Serviço de verificação de Óbitos, quando houver. Dependendo do hospital a dispensa das declarações de óbito (DO) é feita pelo Serviço de Anatomia Patológica.

12 j. Declaração de óbito: Avaliar todas as DO Compor a comissão de óbitos do hospital geral, mortalidade infantil e morte materna Avaliar preenchimento, causa básica, DNC, Mulher em Idade Fértil, Mortalidade Infantil k. Farmácia Com este setor é importante a avaliação do fluxo de liberação da medicação para agravos como TB, hanseníase, aids, malária, esquistossomose... Em alguns hospitais a única forma de avaliação é pelas receitas de medicação para estes agravos, repassadas pela farmácia. Em outros a farmácia está informatizada e pode-se receber relatórios. Algumas farmácia só liberam esta medicação para internados, outras incluem ambulatório, o que torna esta fonte de extrema importância para o seguimento destes pacientes pelo NHE.

13 Outras áreas que dependerão da realidade de cada hospital: Centro de Imunobiológicos Especiais - CRIE Centro/ambulatório de Imunização CIT ou CCE Centro de Intoxicações ou Centro de Controle de Envenenamentos Saúde do Trabalhador responsável pelo atendimento dos acidentes perfuro-cortantes e outros acidentes ou doenças hospitalares. Hospital Sentinela - gerencia de risco Hemovigilância Tecnovigilância Farmacovigilância Registro Hospitalar de Câncer

14 Retroalimentação Boletins periódicos Atualizações Seminários Palestras Site

15 HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Serviço de Epidemiologia Hospitalar HC - UFPR Treinamento para Núcleos Hospitalares Estado São Paulo 2011

16 MISSÃO DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA HOSPITALAR Contribuir para a produção e análise de informações epidemiológicas que subsidiem o planejamento e a organização dos serviços hospitalares, bem como a prevenção e controle das doenças, exercendo um papel formador do profissional da saúde, na prática diária em saúde comunitária. HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

17 GRANDES EIXOS DE ATUAÇÃO Atividade de Vigilância Epidemiológica Participação na formação do futuro profissional de saúde em vigilância epidemiológica Apoio as necessidades de diagnóstico da instituição Retroalimentação a comunidade hospitalar

18 Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná Hospital Geral Só interna SUS Total de funcionários aproxim. = residentes 360 alunos de graduação em medicina 282 alunos de enfermagem 182 alunos de nutrição 311 alunos de farmácia 266 professores de medicina

19 Hospital de Clinicas Item Média anual Nº Salas Ambulatório Nº Leitos Média Atendimento Internação Cirurgias Partos Atendimentos no PA adulto PA pediátrico

20 Hospital de Clinicas Leitos em UTI Adulto Leitos em UTI Pediatria Leitos em semi-intensiva adulto Leitos em semi-intensiva pediatria Leitos em infecto adulto Leitos em infecto pediatria Leitos na clínica médica... 20

21 PROCEDÊNCIA DOS PACIENTES - ATENDIMENTO AMBULATORIAL 2009 Região % Curitiba ,59% Região Metropolitana ,64% Outros Paraná ,8% Total Paraná ,03% Outros Estados ,95% Outros Países ,01%

22 Áreas de atuação Núcleo dos Agravos de Notificação Compulsória. Núcleo de Estatísticas Vitais Registro de Câncer Núcleo de Estudos Início das atividades em outubro de 2003 HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

23 RECURSOS HUMANOS Equipe 2 médicos 3 enfermeiros 1 registrador de câncer 1 aux. enfermagem 1 administrativo Bolsistas extensão e estagiários: 5 alunos da medicina 2 alunos de enfermagem 2 nível médio

24

25 2007/2008

26 Participação no Ensino e Pesquisa Alunos do 10º período de medicina Alunos do 5º período da enfermagem Bolsa extensão e voluntários Enfermagem ultimo período para monografia Residentes da multiprofissional e da infectologia Parceria em trabalhos com outros setores, com banco de dados do SEPIH.

27 Estágio de 3 semanas durante o internato na saúde comunitária - Aulas Apresentação do SEPIH Vigilância epidemiológica e fluxo de notificação Vigilância epidemiológica de: meningites, AIDS, dengue, hepatites, leptospirose, hantavirose, tuberculose, doenças exantemáticas, PFA, eventos adversos a vacina, hanseníase, febre amarela, malária...

28 Organograma Direção de Corpo Clínico Serviço de Infecção Intrahospitalar Hospital Sentinela EPIDEMIOLOGIA HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

29 Local e Horário de Funcionamento Local: Anexo G- caminho pela Anatomia Patológica para o Setor de Ciências. Radioterapia Horário: 7:30h as 18:30h de 2ª a 6ª feira Ramal: 1003 e 1035 Sábado, domingo e feriados notificação das meningites para a Secretaria Municipal de Saúde pelo celular

30 Núcleo de Agravos de Notificação Compulsória INFORMAÇÃO PARA A AÇÃO

31 Portaria MS 104 de 25 de janeiro de Acidentes por animais peçonhentos; 2. Atendimento antirrábico; 3. Botulismo; 4. Carbúnculo ou Antraz; 5. Cólera; 6. Coqueluche; 7. Dengue; 8. Difteria; 9. Doença de Creutzfeldt-Jakob; 10. Doença Meningocócica e outras Meningites; 11. Doenças de Chagas Aguda; 12. Esquistossomose; 13. Eventos Adversos Pós-vacinação; 14. Febre Amarela; 15. Febre do Nilo Ocidental; 16. Febre Maculosa; 17. Febre Tifóide; 18. Hanseníase; 19. Hantavirose; 20. Hepatites Virais; 21. Infecção pelo vírus da imunodeficiência humana HIV em gestantes e crianças expostas ao risco de transmissão vertical; 22. Influenza humana por novo subtipo; 23. Intoxicações Exógenas (por substâncias químicas, incluindo agrotóxicos, gases tóxicos e metais pesados); 24. Leishmaniose Tegumentar Americana; 25. Leishmaniose Visceral; 26. Leptospirose; 27. Malária; 28. Paralisia Flácida Aguda; 29. Peste; 30. Poliomielite; 31. Raiva Humana; 32. Rubéola; 33. Sarampo; 34. Sífilis Adquirida; 35. Sífilis Congênita; 36. Sífilis em Gestante; 37. Síndrome da Imunodeficiência Adquirida - AIDS; 38. Síndrome da Rubéola Congênita; 39. Síndrome do Corrimento Uretral Masculino; 40. Síndrome Respiratória Aguda Grave associada ao Coronavírus (SARS-CoV); 41. Tétano; 42. Tuberculose; 43. Tularemia; 44. Varíola; e 45. Violência doméstica, sexual e/ou outras violências.

32 Importância do trabalho integrado da: Laboratório Assistência Vigilância Epidemiológica

33 Estruturação da Rede Laboratorial - LACEN IEC Instituto Evandro Chagas FIOCRUZ IAL Instituto Adolfo Lutz IEC Norte e Nordeste (MA,CE,PI,RN) FIOCRUZ Sudeste e Nordeste (PE,SE,BA,AL,PB) IAL Centro-Oeste, São Paulo e Sul

34 Laboratório Bacteriologia Liquor Hematologia Micologia Parasitologia Virologia Sorologia CD4 Relatório com exames laboratoriais positivos Informática Relatório ambulatório e internados por CID Relatório exames laboratoriais Relatório farmácia medicamentos especiais Declarações de óbito Comitê de Morte Materna Comitê Morte Infantil Avaliação de DNC Avaliação de preenchimento Avaliação por doutorandos Programa Mãe Curitibana Internados Infecto adulto e pediatria UTI adulto e pediatria SEC adulto e pediatria Clinica Médica Masc e Fem Maternidade Listagens pelas U. Internação Pronto Atendimento - PA Pediatria Adulto Interação Serviço de Epidemiologia Hospitalar HC UFPR SEPIH Vigilância Epidemiológica FONTES Rede de Proteção SCIH Hospital Sentinela CCE Ambulatório Infecto -(AIDS) Hepatites Hanseníase Listagens por CID Anatomia Patológica Necropsias Resultados de Anat. Patologia (local) Declarações de óbito Farmácia Liberação de anti-retrovirais com FE Relatório farmácia medicamentos especiais

35 Fluxo de Atendimento no PA Pasta com as FE Pasta com a retro-alimentação de eventos adversos - pediatria Cartaz com o telefone da Epidemiologia Leptospirose, D. exantematicas Meningites, Ocorrências toxicológicas Ac. Animal peçonhento PFA, hepatites Pediatria Sala dos Médicos Avaliação das Fichas de atendimento (em envelopes por dia) Anotar no livro Do PA os dados do Caso suspeito Carimbar o envelope Investigar no SIH Adulto Livro de ocorrências enfermagem CCE Checar os óbitos

36 Agravos de Notificação Compulsória, Hospital de Clínicas da UFPR, por ano de 2002 a 2011* Fonte: SINAN HC UFPR/ SEpiH *dados preliminares julho

37 Principais Agravos de Notificação Compulsória, SINAN HC UFPR, 2005 a 2011* Aids Hepatites Meningites Ac. Animal peçonhento TB Leptospirose Intoxicações IRAG Fonte SINAN HC UFPR Dados até agosto

38 Influenza pandemica H1N1 2009

39 84 casos 28 óbitos Referencia Atendiment o exclusivo na emergência Susp. aula s Inici o tto SG Inicío aulas

40 Primeiro caso: IS: 22/06/2009 e ultimo caso: 07/11/2009

41

42

43 Violência Criado em junho 2011 Comitê de enfrentamento de situações suspeitas de violência Coordenado pelo SEPIH

44 Distribuição mensal dos casos de violência, HC, em 2009*-2011** * N = N = N= janeiro fevereiro março abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Dados a partir de maio/ 2009 ** até junho 2011

45 Distribuição por faixa etária e sexo dos casos de violência notificados, HC, em 2009* N= F M < 1mes 2. 1 mês e Menor 1 ano 3. 1 a 4 anos 4. 5 a 9 anos a 14 anos a 17 anos a 29 anos a 59 anos ou mais * Dados a partir de maio/ 2009

46 Distribuição por faixa etária e sexo dos casos de violência notificados, HC, em 2011** 45 N= F= 170 M= F M < 1mes 2. 1 mês e Menor 1 ano 3. 1 a 4 anos 4. 5 a 9 anos a 14 anos a 17 anos a 29 anos a 59 anos ou mais **até junho 2011

47 Distribuição por faixa etária e tipos de violência notificados, HC, em 2009*-2011** menor 1 mês 2. 1 mês e 3. 1 a 4 anos 4. 5 a 9 anos a 14 Menor 1 ano anos a 17 anos a 29 anos a 59 anos N= ou mais SEXUAL NEGLIGENCIA FÍSICA PSICO Dados a partir de maio/ 2009 ** até junho 2011

48 Distribuição por tipo de violência e sexo, HC,2009* a % Sexo feminino 8% N= 574 Sexo masculino 16% 39% 9% N=163 10% 19% 8% SEXUAL FÍSICA OUTRAS 17% NEGLIGÊNCIA PSICO 57% * Dados a partir de maio/ 2009

49 Distribuição por tipo de violência e sexo, HC UFPR 2009 a 2011* N= 737 N=244 * Até junho de 2011

50 Distribuição por agente violentador HC- 2011, exceto desconhecido menor 1 mês 2. 1 mês e Menor 1 ano 3. 1 a 4 anos 4. 5 a 9 anos a 14 anos a 17 anos a 29 anos a 59 anos ou mais MÃE PAI CONHECIDO NAMORADO IRMÃO PADRASTO

51 Lesões auto-provocadas N= 10

52 Projeto de Implantação Vigilância das doenças relacionadas ao trabalhado Portaria N 104,de 25 de janeiro de 2011 Anexo III 1. Acidentes com exposição a material biológico relacionado ao trabalho. 2. Acidente de trabalho com mutilações 3. Acidentes de trabalho em crianças e adolescentes 4. Acidente de trabalho fatal 5. Câncer relacionado ao trabalho 6. Dermatoses ocupacionais 7. Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho(dort) 8. Perda Auditiva Induzida por ruído - PAIR relacionada ao trabalho 9. Pneumoconioses relacionadas ao trabalho 10. Transtornos mentais relacionados ao trabalho 11. Intoxicações (já na lista no Anexo I da lista de notificação compulsória Fonte:Legislações GM/25 de janeiro de 2011

53 Público alvo da vigilância de Acidentes e Doenças Relacionadas ao Trabalho População interna (profissionais de saúde e alunos) População externa (usuários)

54

55 Fontes de captação e notificação de Doenças Relacionadas ao Trabalho População Externa

56 Estratégias para implantação da VADRT Contratação de uma enfermeira para o desenvolvimento das atividades; Parceria com o departamento de Saúde Comunitária; Reunião com o CEREST municipal para organizar os fluxos de notificação e investigação; Mapeamentos de todas as áreas para captação de casos; Realização de Seminário sobre doença ocupacional; Formação de grupo de trabalho com parceiros com reuniões mensais, para discussão dos casos e estratégias; Reunião com os serviços relacionados as doenças ocupacionais para apresentação do projeto. Retorno nos mesmos serviços no segundo semestre para retroalimentação com experto em saúde do trabalho, para discussão dos casos detectados no periodo; Investigação dos CID suspeitos com os alunos da graduação e especialização.

57 Projeto de Implantação Vigilância das doenças relacionadas ao trabalho Fontes de Notificação da População Interna e Externa Data de Verificação Resultados em Numero de Notificação Data de Verificação Resultados em Numero de Notificação Data de Verificação Resultados em Numero de Notificação SESMT 28/07/ /08/ /09/ SESAO 28/07/ /08/ /09/ Ambulatório de Funcionários 28/07/ /08/ /09/ Amb. de Dermatologia/HC 28/07/ /08/ /09/ Amb. de Ortopedia HC 28/07/ /08/ /09/ Amb. de Pneumologia 28/07/ /08/ /09/ Amb. de Neurologia 28/07/ /08/ /09/ Amb. Otorrino/HC 28/07/ /08/ /09/ Amb. Saúde Mental/HC 28/07/ /08/ /09/ Amb.Oncologia 28/07/ /08/ /09/ Verificação Eletrônica CIDs 28/07/ /08/ verificações 30/09/ verificaçoes Verificação de Óbitos 28/07/ /08/ /09/ Verificação de Internações 28/07/ /08/ /09/ Tipo de Notificação Pneumoconioses 28/07/ /08/ /09/ Dermatoses Ocupacionais 28/07/ /08/ /09/ LER/DORT 28/07/ /08/ /09/ Intoxicações 28/07/ /08/ CANCER 01 Estresse pós traumático 28/07/ /08/ /09/ Perda Auditiva Induzida Ruído 28/07/ /08/ Leptospirose 01 Total Obs.: em investigação

58 Necrópsia Todo caso sem diagnostico deve ser solicitada a necropsia Orientar para coleta de sangue: para sorologias e líquor quando pertinente. Quando não for possível a necropsia, realizar biopsia de fígado/pulmão, de acordo com as manifestações clínicas. Pedimos notificar ao Serviço de Epidemio

59 Resumo das atividades da VE hospitalar Captação do caso suspeito; Notificação do caso para unidade de VE do Município; Realizar a investigação com preenchimento da ficha padronizada pelo MS do agravo correspondente; epidemiológica, Coleta oportuna de material para laboratório e tomada de medidas; Envio do material para o LACEN, junto com a solicitação correspondente, de acordo com o agravo; Encerramento do caso no momento da alta hospitalar, se houverem pendências a investigação será encerrada pelo Município de residência do caso. Análise dos casos notificados e retroalimentação para os profissionais de saúde

60 Atividades adicionais: Mala direta de s para médicos, acadêmicos, Departamentos e Serviços do HC; Seminários Mensais com temas de interesse de Saúde Pública com convidados da SESA e SMS; Aulas na infectologia Referencia para Treinamento dos Núcleos Hospitalares de Epidemiologia; Participação na Comissão de óbito geral e materno infantil Participação no processo de Acreditação do HC

61 Registro Hospitalar de Câncer

62 Neoplasias mais freqüentes em adultos segundo o sexo e ano de primeiro atendimento no HC - UFPR. Feminino Masculino

63 Comitês de mortalidade no HC Comitê de morte infantil Comitê de morte materna Comitê de mortalidade geral Serão realizadas reuniões nas diversas clínicas para orientação do preenchimento da DO.

64 Estatisticas Vitais Análise : Das declarações de óbito Das declarações de nascido vivo

65 Analise das Declarações de Óbito, 2004 a 2011 Total de óbitos MIF MI MM DNC AIDS NEOPLASIA Fonte: Declarações de óbito do HC UFPR

66 Retroalimentação e difusão do conhecimento Boletim bimensal Atualização semanal Site Yahoogroups epidemiologiahc Seminários Participação em reuniões departamentais Realização de trabalhos para congressos e artigos

67 Boletim EpidemiologiaHC OBJETIVO Fortalecer a vigilância no HC por meio da comunicação integrada do conhecimento em saúde gerado pelos órgãos Serviços de Epidemiologia, CCIH e Hospital Sentinela, baseado nas diretrizes mundial, federal, estadual e municipal. HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

68 Conteúdo Boletim EpidemiologiaHC Tema central: selecionada a cada edição; Prevenindo: conscientização de medidas de prevenção de doenças; Portaria e Notificações: últimas portarias e leis instituídas; Sob controle: informações sobre doenças/infecções consideradas controladas no hospital; Alerta: situação atual de doenças notificadas na região de Curitiba HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

69 Conteúdo Boletim EpidemiologiaHC Eventos: palestras, reuniões e conferências envolvendo o tema Vigilância. Agravos de Notificação Compulsória HC-UFPR: atualização mensal do controle de agravos no hospital. Espaço Notícias: cobertura de reuniões e eventos de importância Epidemiológica no Paraná. HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

70 Abrangência Boletim EpidemiologiaHC Profissionais do HC:envio pelo MKT Alunos: envio pelo SEPIH Órgãos Públicos: envio pelo SEPIH, CCIH e Hospital Sentinela; Interessados no tema: SEPIH, CCIH e Hospital Sentinela.

71 Avanços 2011 e Desafios 2012 Comitê de enfrentamento as situações de violência Implantação da vigilância dos acidentes e doenças relacionadas ao trabalho Estratégias de Comunicação Estágio de VE para todos os alunos do 10º P medicina (190) por 3 semanas Manter as ações iniciadas em 2011 Análise da morbidade hospitalar Estruturar Curso de Vigilância Epidemiológica Hospitalar para PR Estágio de 2 meses para residentes da infectologia

72 Obrigada!!! Contato: /1035 Participe do Grupo EpidemiologiaHC! Informe seus dados para o SEPIH. Yahoo Grupos! :

73 CLIQUE NO MATERIAIS PARA ALUNOS

74 CLIQUE ATUALIZAÇÕES EPIDEMIOLÓGICAS Últimas notícias do Ministério da Saúde, Secretarias: Municipal (Curitiba) e Estadual, Organização Pan- Americana e outras instituições. Atualização Semanal. Cadastrados no grupo Epidemiologiahcufpr recebem esta informação por .

75 CLIQUE BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO

76 CLIQUE ARQUIVOS FONTE: Ministério da Saúde

77 CLIQUE NO ARQUIVOS

78 Serviço de Epidemiologia e 7965 Dra. Suzana Dal-Ri Moreira Obrigada!

Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR

Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR Comunicações: 1. Vigilância da Coqueluche; 2. Vigilância das Síndromes Respiratórias Agudas Graves; 3. Liberação de tratamento para tuberculose

Leia mais

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS DEFINIÇÃO São doenças cuja gravidade, magnitude, transcendência, capacidade de disseminação do agente causador e potencial de causar surtos e epidemias exigem medidas

Leia mais

ANEXO I. Lista de Notificação Compulsória

ANEXO I. Lista de Notificação Compulsória 1. Acidentes por animais peçonhentos; 2. Atendimento antirrábico; 3. Botulismo; 4. Carbúnculo ou Antraz; 5. Cólera; 6. Coqueluche; 7. Dengue; 8. Difteria; 9. Doença de Creutzfeldt-Jakob; ANEXO I Lista

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde.

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde. VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde. Vigilância: (1) Observação de pessoas (2) Observação de doenças ou danos à saúde - VE Com vistas

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR Enfª Dda. Verginia Rossato Enfª Danieli Bandeira Santa Maria, 2012 Portaria GM/MS nº 2529, de 23 de novembro de 2004 Institui o Subsistema Nacional de Vigilância

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SinanNET - Versão 4.0 Patch 4.2. Diretoria de Informação em Saúde

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SinanNET - Versão 4.0 Patch 4.2. Diretoria de Informação em Saúde SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO - Versão 4.0 Patch 4.2 Diretoria de Informação em Saúde Objetivo Facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando

Leia mais

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho;

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1 Caso suspeito ou confirmado de: 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; 2. Acidente de Trabalho

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS 10.03.002 1/09 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos e disciplinar o processo para realização de exames laboratoriais no Hospital de Clínicas - HC. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todas as unidades do HC, em

Leia mais

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância epidemiológica no Brasil 1990: Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN 2007 SINAN Net - http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em Vigilância em Saúde Gerência Técnica do SINAN FLUXO DE RETORNO

Leia mais

Epidemiologia Hospitalar

Epidemiologia Hospitalar Epidemiologia Hospitalar Construindo um novo pensar na Vigilância Epidemiológica... Secretaria da Saúde A implantação dos NHE Márcia Sampaio Sá SESAB/SUVISA/DIVEP Setembro-2009 I Encontro Nacional de Vigilância

Leia mais

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Secretaria de Estado da Saúde Vigilância Epidemiológica em âmbito hospitalar Revista de Saúde Pública, vol. 41, núm.

Leia mais

Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN

Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN REUNIÃO DA COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN Jarbas Barbosa da Silva Jr Secretário de Vigilância em Saúde Brasília, 12 de dezembro de 2013 SISTEMA

Leia mais

UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA

UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Enfermagem Disciplina: Saúde Coletiva II Carga Horária: 90 h Teórica: 60 h Prática: 30 h Semestre: 2013.1 Professores: Maria Campos, Marta Guimarães,

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Serviço de Epidemiologia Hospitalar HC - UFPR Estratégia Núcleos de Epidemiologia Hospitalar Captação oportuna de formas moderadas e graves de eventos

Leia mais

CASA DE SAÚDE SÃO LUCAS

CASA DE SAÚDE SÃO LUCAS CASA DE SAÚDE SÃO LUCAS RELATÓRIO DAS ATIVIDADES REALIZADAS PELA EQUIPE DO NÚCLEO HOSPITALAR DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA JANEIRO A JUNHO DE 2015 Monaliza Vanessa de Brito Gondim Moura Medeiros Patrícia

Leia mais

Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde

Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cheila Marina de

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Brasília - DF 2014 Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO

Leia mais

As tendências do Sistema Único de Saúde FGV 2009 1693 A Cidade de Curitiba 1916 2009 316 anos Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando- se pela

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA HOSPITAL DR. JOÃO MACHADO

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA HOSPITAL DR. JOÃO MACHADO GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA HOSPITAL DR. JOÃO MACHADO NÚCLEO HOSPITALAR DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA - NHVE E-mail: nhehjm@hotmail.com Fone: (84) 3232-0857

Leia mais

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DO ROTEIRO DE ACOMPANHAMENTO DA PROGRAMAÇÃO PACTUADA INTEGRADA DE EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DE DOENÇAS PPI-ECD - NAS UNIDADES FEDERADAS 1 2 Este instrutivo contém informações

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE PACTO PELA SAÚDE - PACTUAÇÃO DO INDICADORES DA PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES

Leia mais

Profª.Drª.Sybelle de Souza Castro Coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica do HC_UFTM

Profª.Drª.Sybelle de Souza Castro Coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica do HC_UFTM ATUALIZAÇÃO EM VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Profª.Drª.Sybelle de Souza Castro Coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica do HC_UFTM Vigilância Epidemiológica Pressupõe a coleta e análise de todas

Leia mais

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013. Página 1 de 18

MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013. Página 1 de 18 MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013 Página 1 de 18 Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL DEFINIÇÃO O Gal é um sistema informatizado desenvolvido para os laboratórios de Saúde

Leia mais

BENTO GONÇALVES SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES

BENTO GONÇALVES SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES BENTO GONÇALVES SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES Serviço de Vigilância em Saúde (SVS) A partir da criação do SVS, em junho de 2003, todas as ações

Leia mais

Aplicativo SISPACTO DIPRO/SUREGS

Aplicativo SISPACTO DIPRO/SUREGS Aplicativo SISPACTO DIPRO/SUREGS Secretaria da Saúde do Estado da Bahia SESAB Superintendência de Gestão dos Sistemas de Regulação da Atenção à Saúde SUREGS Diretoria de Programação e Desenvolvimento de

Leia mais

Indicador de nº 1: Percentual de casos notificados que foram encerrados oportunamente após notificação, exceto dengue clássico.

Indicador de nº 1: Percentual de casos notificados que foram encerrados oportunamente após notificação, exceto dengue clássico. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GT-SINAN/CGDT NOTA TÉCNICA PARA ORIENTAÇÃO DE COMO CALCULAR OS INDICADORES DE ACOMPANHAMENTO DO SINAN Indicador

Leia mais

Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências

Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências O Sistema de Informação de Agravos de Notificação Online (SINAN Online) tem por objetivo a notificação

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR - PR. Interação entre Serviço e Ensino

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR - PR. Interação entre Serviço e Ensino VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR - PR Interação entre Serviço e Ensino Definição - Vigilância Epidemiológica Lei Orgânica da Saúde (Lei 8.080/90) Conjunto de ações que proporciona o conhecimento, a

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARELHAS SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE HOSPITAL DR. JOSÉ AUGUSTO DANTAS NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARELHAS SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE HOSPITAL DR. JOSÉ AUGUSTO DANTAS NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR PREFEITURA MUNICIPAL DE PARELHAS SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE HOSPITAL DR. JOSÉ AUGUSTO DANTAS NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR RELATÓRIO TÉCNICO DAS ATIVIDADES REALIZADAS PELO NÚCLEO DE

Leia mais

Câmara Técnica de Vigilância em Saúde/Departamento de Vigilância Sanitária Abril 2011.

Câmara Técnica de Vigilância em Saúde/Departamento de Vigilância Sanitária Abril 2011. INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA NO SIA/SUS ADAPTADO PARA O ESTADO DO PARANÁ. Câmara Técnica de Vigilância em Saúde/Departamento de Vigilância Sanitária Abril 2011. 1 1.

Leia mais

PORTARIA Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011

PORTARIA Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Define as terminologias adotadas em legislação nacional, conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005

Leia mais

Secretaria de Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de I nformação em Saúde. outubro/2007

Secretaria de Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de I nformação em Saúde. outubro/2007 Secretaria de Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de I nformação em Saúde Monitoramento dos dados do Sistema de I nformações sobre N ascidos Vivos outubro/2007 Histórico

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE TEMAS DESTE INFORME Entendendo um pouco mais

Leia mais

Determinantes do Processo Saúde-Doença. Prevalência e Fatores de Risco. Vigilância Epidemiológica

Determinantes do Processo Saúde-Doença. Prevalência e Fatores de Risco. Vigilância Epidemiológica Determinantes do Processo Saúde-Doença Prevalência e Fatores de Risco Vigilância Epidemiológica Indicadores de Saúde É o que indica, ou seja, o que reflete uma particular característica (...) revela a

Leia mais

Coleta de sangue do caso índice e do profissional: Caso fonte. Profissional (fonte de contaminação) 2 tubos secos de 8 ml 2 tubos secos de 8 ml

Coleta de sangue do caso índice e do profissional: Caso fonte. Profissional (fonte de contaminação) 2 tubos secos de 8 ml 2 tubos secos de 8 ml Universidade Estadual de Campinas Hospital da Mulher Prof. Dr. José Aristodemo Pinotti - CAISM - Seção de Apoio e Desenvolvimento do Profissional / RH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Rotina

Leia mais

Aspectos Clínicos Relevantes da infecção

Aspectos Clínicos Relevantes da infecção Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis Coordenação de Controle de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar Rotavírus ROTAVÍRUS O VÍRUS

Leia mais

Informe Epidemiológico Mensal

Informe Epidemiológico Mensal Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas Superintendência de Vigilância a Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Informe Epidemiológico Mensal Ano V Nº 01 Edição Mensal Janeiro 2012 Nesta Edição

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 2 ª Reunião do GT de Indicadores Hospitalares 09/04/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Comparação

Leia mais

Prova Formação de Agente Comunitário de Saúde Prefeitura Municipal de Ouro Preto

Prova Formação de Agente Comunitário de Saúde Prefeitura Municipal de Ouro Preto Prova Formação de Agente Comunitário de Saúde Prefeitura Municipal de Ouro Preto Questão 1 Leia as afirmativas a seguir: I - O Sistema Único de Saúde (SUS) foi criado pela Constituição Federal de 1988

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES Setembro de 2013 Brasília - DF 2 Sumário Apresentação...3 Rol de Indicadores do Programa de Qualificação

Leia mais

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico AGRAVO NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS 3-4 - 13-14 - 17-18 - 28-34 - 36-38 - 42-44 - 45 Cobertura Vacinal 7-8 - 9-10 - 12-14 - 16-18 - 19-22 - 23-25

Leia mais

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica Programa 0011 PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER E ASSISTÊNCIA ONCOLÓGICA Objetivo Indicador(es) Promover a prevenção, a detecção precoce dos tipos de câncer prevalentes e a assistência à população para reduzir

Leia mais

FORMAS DE ENVIO DOS CURRÍCULOS

FORMAS DE ENVIO DOS CURRÍCULOS FORMAS DE ENVIO DOS CURRÍCULOS Seguem abaixo formas de envio dos Currículos, para os candidatos aprovados para a Entrevista (2ª Fase). A lista com número de inscrição, nome e nota de todos os candidatos

Leia mais

Programa Estadual de Saúde do Viajante. Programa Estadual de Saúde do Viajante (PESV)

Programa Estadual de Saúde do Viajante. Programa Estadual de Saúde do Viajante (PESV) Programa Estadual de Saúde do Viajante Programa Estadual de Saúde do Viajante (PESV) Turismo Programa Estadual de Saúde do Viajante Programa Estadual de Saúde do Viajante Trânsito Internacional de pessoas

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Diretriz Promover ações de saúde que contribuam

Leia mais

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO.

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. CARGO: ASSISTENTE DE PESQUISA Cód. ÁREA DE ATUAÇÃO N O DE VAGAS POR ÁREA PERFIL 212 Antropologia 2

Leia mais

SINAN Dificuldades Elencadas pelas DIRES Das 12 DIRES (38% do total) que responderam o questionário dentro do prazo estabelecido

SINAN Dificuldades Elencadas pelas DIRES Das 12 DIRES (38% do total) que responderam o questionário dentro do prazo estabelecido Dificuldades Elencadas pelas DIRES Das 12 DIRES (38% do total) que responderam o questionário dentro do prazo estabelecido (3ª,4ª,6ª,8ª,10ª,13ª,14ª,15ª,20ª,21ª e 24ª) + 09 DIRES (5ª,9ª,11ª,16ª,17ª,26ª,27ª,29ª,31ª)

Leia mais

Registro de reunião do Serviços SCIH/DIP/NUVE/HOSP. SENTINELA

Registro de reunião do Serviços SCIH/DIP/NUVE/HOSP. SENTINELA Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho dos Técnicos-Administrativos em Educação (PROADES) - Segunda Fase Registro de reunião do Serviços SCIH/DIP/NUVE/HOSP.

Leia mais

unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação da Saúde.

unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação da Saúde. O SISTEMA DE SAÚDE PÚBLICA EM SANTA CATARINA Fevereiro/2013 SUS S O SUS é um SISTEMA, um conjunto de unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação

Leia mais

Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011

Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011 Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011 ELABORAÇÃO MS/SE/SPO/ PLANEJASUS EQUIPE PLANO NACIONAL DE SAÚDE cgpl@saude.gov.br - (61) 3315-2677 - www.saude.gov.br/planejasus Início do processo:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 1.Notificação AÇÃO 1.1 Realizar notificação dos casos de sífilis em gestante 48.950 casos de sífilis em gestantes notificados. 1.2 Definir Unidades

Leia mais

UMA PROPOSTA DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE DO TRABALHADOR PARA PROFISSIONAIS DO PSF

UMA PROPOSTA DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE DO TRABALHADOR PARA PROFISSIONAIS DO PSF UMA PROPOSTA DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE DO TRABALHADOR PARA PROFISSIONAIS DO PSF Joaquina de Araújo Amorim Josiete Lucena de Castro Sandro Mangueira Bezerra Teresa Cristina Péret O CAMPO DA SAÚDE DO TRABALHADOR

Leia mais

PPSUS Programa Pesquisa para o SUS São Paulo. Maritsa C. de Bortoli

PPSUS Programa Pesquisa para o SUS São Paulo. Maritsa C. de Bortoli PPSUS Programa Pesquisa para o SUS São Paulo Maritsa C. de Bortoli PPSUS O que é? Iniciativa de Fomento Descentralizado à Pesquisa em Saúde do Ministério da Saúde (MS) Decit. Objetivo Financiar pesquisas

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná SECRETARIA EXECUTIVA LEI Nº 3.336, DE 30 DE AGOSTO DE 2006 Dispõe sobre a criação de empregos públicos para a execução dos Programas de Saúde da Família e Agentes Comunitários de Saúde. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h.

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Vigilância Epidemiológica de Febre Chikungunya No Brasil, a febre chikungunya é uma doença de notificação compulsória e imediata,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 93-CEPE/UNICENTRO, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2009. Aprova o Curso de Especialização em Saúde Pública com Ênfase em Doenças Infecciosas e Parasitárias, modalidade regular, a ser ministrado no Campus

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE E ANÁLISE DE SITUAÇÃO DE SAÚDE

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE E ANÁLISE DE SITUAÇÃO DE SAÚDE 8 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE E ANÁLISE DE SITUAÇÃO DE SAÚDE 8.1 Introdução Uma das ferramentas de trabalho mais importantes para a vigilância em saúde é a informação. A tríade informação-decisão-ação

Leia mais

Indicadores hospitalares

Indicadores hospitalares Indicadores hospitalares Núcleo de Informação em Saúde de- NIS Hospital das Clínicas - FMUSP Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP Hospital das Clinicas - FMUSP Complexo hospitalar

Leia mais

Informe Técnico SARAMPO nº 5 Sarampo no Estado de São Paulo

Informe Técnico SARAMPO nº 5 Sarampo no Estado de São Paulo GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA

Leia mais

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 1.0.7 Manual do Usuário

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 1.0.7 Manual do Usuário Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS DATASUS Gerenciador de Ambiente Laboratorial GAL Versão 1.0.7 Página 1 de 70 Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Usuário

Leia mais

Ministério da Saúde. Sistema Nacional de Vigilância em Saúde. Relatório de Situação. Distrito Federal. Brasília / DF

Ministério da Saúde. Sistema Nacional de Vigilância em Saúde. Relatório de Situação. Distrito Federal. Brasília / DF Ministério da Saúde Sistema Nacional de Vigilância em Saúde Relatório de Situação Distrito Federal Brasília / DF Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Sistema Nacional de Vigilância em

Leia mais

Ministério da Saúde. Sistema Nacional de Vigilância em Saúde. Relatório de Situação. Rio Grande do Sul. Brasília / DF

Ministério da Saúde. Sistema Nacional de Vigilância em Saúde. Relatório de Situação. Rio Grande do Sul. Brasília / DF Ministério da Saúde Sistema Nacional de Vigilância em Saúde Relatório de Situação Rio Grande do Sul Brasília / DF Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Sistema Nacional de Vigilância em

Leia mais

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Módulo 04 Coqueluche 21 e 22 de maio de 2014 Salvador, Ba Maria do Carmo Campos Lima GT DTP/DIVEP/SESAB COQUELUCHE ASPECTOS LEGAIS Arts. 7º e 8º, da Lei nº

Leia mais

Informe Epidemiológico Mensal

Informe Epidemiológico Mensal Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas Superintendência de Vigilância a Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Informe Epidemiológico Mensal Ano VII Nº 10 Outubro de 2014 Nesta Edição EDITORIAL

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 1º Quadrimestre / 2015

RELATÓRIO DE GESTÃO 1º Quadrimestre / 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO 1º Quadrimestre / 2015 Apresentação Os relatórios quadrimestrais são: instrumentos de monitoramento e acompanhamento da execução da PAS (Art. 6º, Portaria nº 2.135/13 Estabelece diretrizes

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

Informe Epidemiológico Mensal

Informe Epidemiológico Mensal Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas Superintendência de Vigilância a Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Informe Epidemiológico Mensal Ano VII Nº 09 Setembro de 2014 Nesta Edição EDITORIAL

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Letícia Legay Vermelho*, Luíza de Paiva Silva* e Antonio José Leal Costa** Introdução A transmissão vertical, também denominada materno-infantil,

Leia mais

INFORME TECNICO - Junho 2015

INFORME TECNICO - Junho 2015 GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA INFORME TECNICO - Junho

Leia mais

Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração. Aspectos Laboratoriais

Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração. Aspectos Laboratoriais Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração Aspectos Laboratoriais Eduardo Pinheiro Guerra Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº FCCIR: 001 Tarefa: Recebimento de mmh e medicamentos para abastecer a farmácia Executante: Farmacêutico e/ou Auxiliar de Farmácia Resultados esperados: Estoque de acordo com a transferência. Recursos

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA Dengue Dengue em tempo Real RT Adenovírus Colher 5 ml de sangue em tubo com gel separador (tampa amarela). Colher a primeira amostra na fase aguda da doença (até 7 dias após o início dos sintomas). Coletar

Leia mais

Relatório Atividades Comitê de Enfrentamento da Dengue IBEDESS Ações realizadas:

Relatório Atividades Comitê de Enfrentamento da Dengue IBEDESS Ações realizadas: Relatório Atividades Comitê de Enfrentamento da Dengue IBEDESS Ações realizadas: Inserção no site do IBEDESS e envio, para todas as entidades que compõem o Instituto, do material citado abaixo, incluindo

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES 0 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES Vivenciando a Saúde Comunitária na Unidade Básica de Saúde Glória Porto Alegre 2011 1 FERNANDA ARAUJO RODRIGUES

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS RESULTADOS, AVANÇOS E PERSPECTIVAS A Epidemia Prevenção Diagnóstico Assistência e Tratamento Sustentabilidade e

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS

VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS Superintendência de Vigilância em Saúde Centro de Informações Estratégicas e Respostas às Emergências em Saúde Pública Setembro /2013 Evolução do conceito de vigilância em

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N. PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Modelo de Atenção às. Coordenação de Informação

Modelo de Atenção às. Coordenação de Informação Modelo de Atenção às Condições Crônicas Nilza Teresinha Faoro Coordenação de Informação É uma aliança voluntária entre duas ou mais entidades legais, entendidas como pessoas físicas, morais ou jurídicas

Leia mais

Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar

Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DOS SERVIDORES DO ESTADO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar JUSTIFICATIVA A Promoção de saúde só será completa

Leia mais

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos Prefeitura Municipal de Curitiba - Secretaria Municipal da Saúde Centro de Epidemiologia - Vigilância Epidemiológica DENGUE (CID A90 ou A91) CHIKUNGUNYA (CID A92) ZIKA (CID A92.8) Definição de caso suspeito

Leia mais

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C.

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. ESQUISTOSSOMOSE CID 10: B 65 a B 65.9 DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. Marcon CARACTERÍSTICAS GERAIS DESCRIÇÃO

Leia mais

AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE CAMISINHA É A ÚNICA PROTEÇÃO.

AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE CAMISINHA É A ÚNICA PROTEÇÃO. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS E HEPATITES VIRAIS CARNAVAL 2011 AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROGRAMA ESTADUAL DE DST/AIDS DE SÃO PAULO MAIO 2014 SITUAÇÃO E METAS GLOBAIS - UNAIDS ELIMINAR INFECÇÕES PELO HIV EM CRIANÇAS E REDUZIR MORTE MATERNA

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. AREA TEMÁTICA: Saúde. COORDENADORA: Prof.ª Dr.ª Denise

Leia mais