SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SinanNET - Versão 4.0 Patch 4.2. Diretoria de Informação em Saúde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SinanNET - Versão 4.0 Patch 4.2. Diretoria de Informação em Saúde"

Transcrição

1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO - Versão 4.0 Patch 4.2 Diretoria de Informação em Saúde

2 Objetivo Facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões, com vistas a contribuir para a melhoria da situação de saúde da população.

3 Atribuições Coletar, transmitir e consolidar dados gerados rotineiramente pelo sistema de vigilância epidemiológica, fornecendo informações para análise do perfil da morbidade da população nas três esferas de governo

4 Características -Banco de dados PostgreSQL -Módulo único -Transferência via Sisnet

5 O que notificar: Agravos de Notificação Compulsória Portaria nº 104 GM/MS 25/01/11 Saúde do trabalhador Violências Agravos de interesse nacional Surtos Agravos de interesse estadual e municipal

6 Migração da base WINDOWS para NET Agravos crônicos: Tuberculose e Hanseníase a partir de 01/01/2001 Notificação de agravos agudos a partir de 01/01/2007 Notificação negativa a partir de 01/01/2007

7 Agravos de notificação compulsória Notificação de casos de forma individual -Acidente por Animais Peçonhentos -Atendimento Anti-Rábico -Botulismo -Carbúnculo ou "antraz" -Cólera -Coqueluche -Dengue -Difteria -Doença de Creutzfeldt - Jacob -Doenças de Chagas (casos agudos) -Doenças Meningocócica e outras Meningites - Doencas causadas por protozoarios complicando a gravidez,o parto e o puerperio -Leishmaniose Tegumentar Americana -Leishmaniose Visceral -Leptospirose -Malária - Meningite por Haemophilus influenzae - Peste -Poliomielite -Paralisia Flácida Aguda -Pneumonia não Especificada -Raiva Humana -Rotavírus -Rubéola -Síndrome da Rubéola Congênita -Sarampo

8 Agravos de notificação compulsória (cont.) Notificação de casos de forma individual -Esquistossomose (em área não endêmica) -Eventos Adversos Pós Vacinação -Febre Amarela -Febre do Nilo Ocidental -Febre Maculosa - Febre Tifóide - Hanseníase - Hantaviroses -Hepatites Virais -Infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) em gestantes e crianças expostas ao risco de transmissão vertical -Influenza humana por novo subtipo (pandêmico) -Sífilis Congênita -Sífilis em Gestante -Sífilis Não Especificada -Síndrome do Corrimento Uretral em Homem -Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) -Síndrome Gripal -Síndrome Febril Ictero-hemorrágica Aguda -Síndrome Respiratória Aguda Grave -Tétano Acidental -Tétano Neonatal -Tularemia -Tuberculose -Varíola

9 Agravos de notificação compulsória Notificação de Surto - Ocorrência de pelo menos dois casos ou óbitos de agravos inusitados vinculados epidemiologicamente caracterizados por meio da abordagem sindrômica: Ictérica aguda diarréica aguda Respiratória aguda Neurológica aguda Insuficiência renal aguda Outras Síndromes

10 Notificação compulsória em unidades sentinela Agravos relacionados à Saúde do Trabalhador Acidente de trabalho (fatal, com mutilações, em criança e adolescente) Acidente com material biológico Doença relacionada ao trabalho (LER, PAIR,dermatoses ocupacionais, pneumoconiose) Câncer relacionado ao trabalho Transtorno mental relacionado ao trabalho Intoxicação Exógena Violências

11 Agravos de interesse nacional

12 Agravos de interesse estadual

13 Agravos de interesse municipal As notificações onde os agravos são definidos com este nível de interesse, não sobem para os níveis Estadual e Federal. Ficam armazenadas somente na base do município.

14 FICHA TELA IMPRESSÃO

15 Entrada de dados Tela igual a ficha

16 Chaves do Sistema AGRAVO NÚMERO DE NOTIFICAÇÃO DATA DE NOTIFICAÇÃO MUNICÍPIO DE NOTIFICAÇÃO

17 Configurações da Máquina Configuração Mínima Microcomputador Pentium IV MHz; Sistema Operacional Windows XP / Professional; 256 MB de memória; Internet Explorer 7. Configuração Recomendada Microcomputador Pentium IV 2 GHz ou Superior; Sistema Operacional Windows XP / Professional; 1 GB de memória ou superior; Internet Explorer 7 ou superior.

18 Configuração Instalação Transferência através do Sisnet Regional Divep/PFA Hospital Couto Maia Atualmente no Estado da Bahia somente as Regionais, Divep/PFA e o Hospital Couto Maia deverão marcar a opção Faz transmissão utilizando o Sisnet. As demais instalações deverão deixar esta opção desmarcada.

19 Configuração Instalação Transferência sem Sisnet Município, Unidade (exceto HCM), Distritos

20 Patchs Atualizações após Instalação da versão 4.0 Patch dorsinannet41.zip Obs: Entrar no antes de atualizar o Patch 4.2 para atualização do banco do Sistema Patch dorsinannet42.zip. Obs: Entrar no para atualização do banco do Sistema Aplicativo Compara Bases ra_bases.zip Aplicativo Transferência Vertical (22/07/2011) substituir o arquivo transferenciavertical.exe antigo, ; erenciavertical.zip

21 Configuração Usuário - Postgres 1- Clicar no botão direito em Meu Computador e clicar em Gerenciar ; 2- Clicar em Usuários e grupos locais

22 Configuração Usuário - Postgres 3- Dar duplo clique em Usuários ;

23 Configuração Usuário - Postgres 4- Dar duplo clique em postgres ;

24 Configuração Usuário - Postgres 5- Marcar as caixas O usuário não pode alterar a senha e A senha nunca expira e clicar em OK para confirmar a alteração;

25 Tela Principal

26 Menu Notificação O menu Notificação dá acesso a vários tipos de notificações, conforme indicado abaixo:

27 Notificação Individual Entrada de Dados CID ou Nome do agravo

28 Notificação Negativa

29 Notificação de Surto

30 Notificação Inquérito de Tracoma

31 Notificação Epizootia

32 Notificação Acompanhamento(Hanseníase/Tuberculose) Local para digitação do Boletim de Acompanhamento de Hanseníase e Tuberculose. No exemplo abaixo Acompanhamento de Tuberculose

33 Menu Consulta

34 Padrão de Consulta Obs: Para Criar um padrão de consulta, é necessário selecionar no mínimo 03 opções;

35 Abrindo e Padrões de Consulta Ao clicar neste local, aparecerão todos os padrões de consultas salvos

36 Impressão da Ficha

37 Duplicidade Agravos Agudos (Período dentro do ano): Exclusão - Não Listar; Agravos Crônicos (Sem período): Exclusão - Não Listar - Vincular;

38 Duplicidade Rotina Não Listar Executar um duplo clique nas notificações que não serão identificadas como duplicidade para que as mesmas sejam inseridas na área Duplicidade antes do clique no botão Não Listar.

39 Duplicidade alteração dos critérios de seleção

40 Duplicidade Rotina Vincular BA MUNDO NOVO BA PE DE SERRA CENTRO DE SAUDE DR. REGIS PACHECO PAULO BATISTA DE SANTANA CENTRO DE SAUDE DE PE DE SERRA PAULO BATISTA DE SANTANA M M TEREZA BATISTA DE SANTANA TEREZA BATISTA DE SANTANA BA MUNDO NOVO BA MUNDO NOVO 1 5 Acompanhamento: /01/2012 Mundo Novo CSRP Situação do 9º mês = 5 (Transferência) Data de Encerramento: 20/01/2012 Acompanhamento: /01/2012 Pé de Serra CSPS Situação do 9º mês = 1 (Cura) Data de Encerramento: 05/08/2012 Notificações Antes de Vincular

41 Duplicidade Rotina Vincular BA MUNDO NOVO CENTRO DE SAUDE DR. REGIS PACHECO PAULO BATISTA DE SANTANA M Notificação e Investigação da 1ª Notificação TEREZA BATISTA DE SANTANA BA MUNDO NOVO 1 Acompanhamento: /01/2012 Pé de Serra CSPS Situação do 9º mês = 1 (Cura) Data de Encerramento: 05/08/2012 Acompanhamento da 2ª Notificação Notificações Vinculadas

42 Boletim de Acompanhamento de Notificação Vinculada Centro de Saúde de Pé de Serra /01/2012 PAULO BATISTA DE SANTANA 1 05/08/2012

43 Tabelas

44 Tabelas - Agravos

45 Transferência de Dados O sistema deve atender a dois tipos de modalidades de transferência e recebimento: 1. Disquete ou 2. SISNET (transferência online) do primeiro nível com acesso internet para o banco estadual OBS: a digitação é feita local ou em rede (Cliente-Servidor)

46 Transferência da investigação do caso para o nível superior Município de notificação = Município de residência Após a digitação dos campos classificação final e data do encerramento ainda dentro do prazo de encerramento Após o prazo de encerramento, transfere automaticamente como inconclusivo Ex. meningite: 61º dia após a data de notificação

47 Município de notificação Município de residência Após a digitação dos campos classificação final e data do encerramento até a metade do prazo de encerramento Após a metade do prazo de encerramento Ex. meningite: 31º dia após a data de notificação Transferência da investigação do caso para o nível superior Após a transferência, o município de notificação não pode mais incluir ou alterar dados, o caso vai para o fluxo de retorno, sendo o município de residência responsável pelo encerramento do caso

48 Fluxo de Dados Regional Transf. Vert. / Sisnet Servidor Sisnet Município Estado DIS Hospital Couto Maia Nível Federal Fluxo de Retorno Unidade Município Residência

49 Prazo para Encerramento da Conclusão dos Casos Botulismo Carbúnculo ou Antraz Cólera Coqueluche Dengue Difteria Doença de Chagas Aguda Doença de Creutzfeldt Jacob Doenças Exantemáticas (Sarampo e Rubéola) Febre Amarela Febre do Nilo Febre Maculosa Febre Tifóide Hantaviroses Agravo Hepatites Virais Leishmaniose Tegumentar Americana Síndrome da Rubéola Congênita Influenza Humana por novo subtipo Leptospirose Leishmaniose Visceral Malária Meningites Peste Poliomielite/ PFA Raiva Humana Tétano Neonatal Tétano Acidental Tularemia Varicela Varíola Prazo 60 dias após a data notificação 180 dias após a data notificação 180 dias após a data nascimento da criança

50 Prazo para Encerramento dos Casos e Liberação Automática para Fluxo de Retorno Botulismo Carbúnculo ou Antraz Cólera Coqueluche Dengue Difteria Doença de Chagas Aguda Doença de Creutzfeldt Jacob Doenças Exantemáticas (Sarampo e Rubéola) Eventos Adversos Pós Vacinação Febre Amarela Febre do Nilo Febre Maculosa Febre Tifóide Hantaviroses Agravo Hepatites Virais Síndrome da Rubéola Congênita Influenza Humana por novo subtipo Leptospirose Leishmaniose Visceral Malária Meningites Peste Raiva Humana Sífilis não especificada Síndrome do Corrimento Uretral em Homem Síndrome Respiratória Aguda Síndrome Ictérica Aguda Tétano Neonatal Tétano Acidental Tularemia Varicela Varíola Prazo para Encerramento 60 dias após a data notificação 180 dias após a data notificação Prazo para Liberação Automática para Fluxo de Retorno 31 dias após a data notificação 91 dias após a data notificação Município de notificação deverá agilizar a entrada da notificação no sistema, para que o município de residência ao baixar as notificação no fluxo tenha tempo hábil para o encerramento oportuno das notificações.

51 Fluxo de Retorno - Botulismo - Carbúnculo ou "antraz" - Cólera - Coqueluche - Dengue - Difteria - Doença de Creutzfeldt - Jacob - Doenças de Chagas (casos agudos) - Doenças Exantemáticas - Eventos Adversos pós Vacinação - Febre Amarela - Febre do Nilo Ocidental - Febre Maculosa - Febre Tifóide - Hantavirose - Hepatites Virais -Influenza humana por novo subtipo (pandêmico) Automático ou manual -Leishmaniose Visceral -Leptospirose -Malária -Meningite -Peste -Raiva Humana -Sífilis não especificada -Síndrome do Corrimento Uretral em Homem -Síndrome da Rubéola Congênita -Síndrome Ictérica Aguda -Síndrome Respiratória Aguda -Tétano Acidental -Tétano Neonatal -Tularemia -Varíola

52 Fluxo de Retorno Manual - Acidente por Animais Peçonhentos - Atendimento Anti-rábico Humano - Aids Adulto e Criança - Esquistossomose (em área não endêmica) -Infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) em gestantes e crianças expostas ao risco de transmissão vertical -Intoxicação Exógena -Leishmaniose Tegumentar Americana - Poliomielite/ Paralisia Flácida Aguda -Pneumonia -Rotavírus -Sífilis Congênita - Sífilis em Gestante -Doenças Causadas por protozoários complicando a gravidez, o parto e o puerperio (Toxoplasmose Gestacional) -Toxoplasmose Congênita -Violência Doméstica, sexual e/ou outras violências

53 Fluxo de Retorno Não Implementado -Doenças Relacionadas à Saúde do Trabalhador: Acidente com exposição a material biológico; Acidente de trabalho de grave; Câncer Relacionado ao Trabalho; Dermatoses Ocupacionais; Lesões por Esforços Repetitivos / Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (LER / DORT); Pneumoconioses Perda Auditiva Induzida por Ruído PAIR Transtornos Mentais Relacionados ao Trabalho. -Epizootia -Filariose não especificada -Hanseníase -Tracoma -Tuberculose -Varicela

54 Menu Ferramentas

55 Transferência Vertical

56 Transferência Vertical Transfere as notificações para o nível acima Recupera uma transferência já gerada Observar a data do computador, para que esteja configurada com o dia da geração da transferência.

57 Relatório de Transferência Exibe o conteúdo das transferências vertical, horizontal ou descentralizada.

58 Recebimento de Registros A rotina de recebimento será utilizada para incorporar na base de dados os registros transferidos pela rotina de Transferência Vertical, Horizontal, pela rotina de Descentralização, Fluxo de Retorno, incorporação de atualizações de tabelas.

59 Recebimento de Registros Caso o diretório de recebimento não esteja configurado, o sistema emitirá a mensagem de que o diretório para recebimento não está configurado. Clicar no botão OK para proceder a configuração.. 2º Passo 3º Passo 1º Passo

60 Recebimento de Registros Clicar no arquivo que deseja processar e depois no botão Receber

61 Relatório de Recebimento OU Ferramentas Movimento Relatório Recebimento

62 Relatório de Recebimento Exibe o conteúdo dos recebimentos vertical, horizontal, descentralizado ou fluxo de retorno. 2 1

63 Transferência Horizontal

64 Transferência Horizontal Caso selecione Yes (sim), o(s) agravo(s) selecionado(s) será(ão) transferido(s), caso possuam registros. No final será mostrado uma tela com a situação da transferência. Clique em OK. Caso selecione No (não), mostrará uma mensagem para corrigir a data do computador. Clique em OK.

65 Transferência Horizontal

66 Transferência Horizontal Grupo de Agravos 1º Passo 2º Passo

67 Descentralização de Bases Quando o nível está sendo informatizado, deverá obter previamente sua base de dados, que anteriormente era digitada pelo nível hierárquico superior informatizado (Ex: SMS passa a digitar as informações que eram digitadas pela Regional de Saúde ou SES). Quando a base for descentralizada por Município ou por Unidade de Saúde, para os casos de Hanseníase e Tuberculose, além de Município de Atendimento ou Unidade de Saúde, também serão considerados o Município de Atendimento Atual ou Unidade de Saúde Atual. Na descentralização de base de dados da regional para o município não são descentralizadas as notificações que foram recebidas pela rotina de fluxo de retorno pela instalação municipal. Ou seja, se um município perder a base e não tiver um backup atualizado, a rotina de descentralização não irá separar para a base municipal as notificações baixadas no fluxo de retorno, devendo o município executar todo o processo de fluxo novamente. O ÚNICO PROCESSO QUE GARANTE UMA BASE COMPLETA É O BACKUP.

68 Descentralização de Bases Informar a configuração correta da instalação, para que seja reconstituída a seqüência de lotes.

69 Backup O sistema sempre efetuará o backup automático quando for acessado pela primeira vez na semana epidemiológica. Porém, o backup deverá ser feito também manualmente a cada atualização que houver no sistema (digitação, transferência/ recebimento, fluxo de retorno, rotinas de duplicidade, vinculação de crônicos e etc). Caso não haja nenhum backup da instalação, ou a instalação do está sendo executada pela primeira vez no local, é obrigatório fazer-se o recebimento das tabelas básicas atualizadas (Distrito sanitário, Estabelecimento de saúde, Regional de saúde) disponíveis em e da tabela de Agravos disponibilizada em abela_agravos.zip, depois de receber o arquivo de descentralização encaminhado pela instalação hierárquica superior.

70 Backup Como Realizar Backup No menu clique sob o item Ferramentas e selecione Backup Realizar Backup. Obs.: no backup a pasta deve estar compartilhada

71 Backup Como Realizar Backup 1º Passo 2º Passo 3º Passo 4º Passo

72 Backup Conferência do Backup Após realização do backup, um arquivo é gerado na pasta C Batbackup Arquivos com a seguinte nomenclatura: sinanpostgresqlbkp_data_da_realização_do_backup.zip O backup é uma rotina de incrementação de dados, ou seja, a cada backup realizado os dados atualizados são acrescentados no arquivo gerado, portanto, este arquivo de backup terá um tamanho maior do que o arquivo de backup anterior. Diretório do Backup Arquivos gerados na rotina de Backup Tamanho dos arquivos de Backup

73 Backup Observações: O arquivo de backup gerado, deverá ser copiado para uma mídia (DVD ou CD), HD Externo, Rede ou Pen Drive. Pois caso haja problemas com o disco rígido do computador (vírus, defeitos, formatação, etc), o backup armazenado neste disco será perdido; Não confiar somente no backup automático gerado pelo sistema, no primeiro dia da semana epidemiológica que será usada a aplicação. Sempre executar esta rotina, após atualizações na digitação, duplicidade, fluxo de retorno, transferências ou recebimentos de registros e etc.

74 Restauração de Backup No menu clique sob o item Ferramentas e selecione Backup Consulta/Restauração de Backups.

75 Restauração de Backup Consultar

76 Restauração de Backup Procurar Arquivo 1º Passo 2º Passo 3º Passo Selecionar o arquivo do backup localizado na pasta c:\sinannet\batbackp\arquivos e Clicar no botão Abrir

77 Exportação DBF A base de dados do Sinan tem um formato que não é lido por programas ou aplicativos utilizados comumente para analisar a base de dados, como o Epiinfo, Relatório de Conferência e o Tabwin. É necessário, portanto, a conversão e junção da base para o formato DBF. No menu clique sob o item Ferramentas e selecione Exportação (DBF), conforme indicado abaixo.

78 Exportação DBF Como realizar Exportação 1.Clicar no botão Selecionar todos para que seja atualizadas todas as tabelas do sistema; 2.Clicando na caixa Exportar dados de Identificação do Paciente as tabelas dos agravos exportados mostrarão dados que identifiquem o paciente, caso contrário, estes dados serão suprimidos e não serão mostrados. 3.Período: Informar o período que deseja ser atualizado. Caso esses campos fiquem em branco, serão atualizados todos os anos disponíveis, conforme descrito abaixo: Agudos A partir de 2007 e Crônicos (Tuberculose e Hanseníase): A partir de 2001

79 Acesso ao Tabwin pelo Sistema O programa TABWIN (TAB versão para Windows) foi criado pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) com a finalidade de oferecer um instrumento simples e rápido para realizar tabulações com os dados provenientes dos sistemas de informação do Sistema Único de Saúde (SUS). O programa faz parte do pacote de instalação do Sistema e seu acesso está localizado na pasta C:\SINANNET\TABWIN. No menu clique sob o item Ferramentas e selecione Tabwin, conforme indicado abaixo.

80 Acesso ao Tabwin pelo Sistema Caso a pasta Tabwin não esteja na unidade C, o sistema solicitará a localização desta pasta, conforme imagem abaixo: Digitar no campo solicitado C:\SINANNET\TABWIN e clicar no botão OK para abrir a aplicação Tela Principal do Tabwin

81 Cadastro de Usuários para Acesso ao Sistema Essa rotina relaciona-se com os níveis de acesso ao sistema. Já foram criados perfis pré-definidos para acessar as funcionalidades do Sinan Net e dos softwares agregados.

82 Cadastro de Usuários para Acesso ao Sistema

83 1 Cadastro de Usuários para Acesso ao Sistema 2 4 3

84 Descentralização de Tabelas Como realizar Descentralização de Tabelas No menu clique sob o item Ferramentas e selecione Descentralização de Tabelas, conforme indicado abaixo. Após selecionar as tabelas que serão descentralizadas, clicar no botão Descentralizar.

85 Relatórios Incidência

86 Relatórios Incidência

87 Relatórios Como emitir Relatório do Exportador (Relatório de Conferência) O relatório de conferência do SINAN permite selecionar e listar registros da base de dados no formato DBF, segundo condição estabelecida pelo usuário, como também permite que a seqüência de comandos efetuados para uma determinada análise possam ser salvos em arquivo (nome atribuído ao arquivo.sql), que, oportunamente, pode ser executado sem que seja necessário selecionar todos os comandos novamente.

88 Relatórios Como emitir Relatório do Exportador (Relatório de Conferência)

89 Acompanhamento de Alimentação do SINAN No menu clique sob o item Relatórios e selecione Acompanhamento de Alimentação do SINAN, conforme indicado abaixo.

90 Acompanhamento de Alimentação do SINAN Preencha todos os campos indicados na tela conforme solicitado:

91 Acompanhamento de Alimentação do SINAN

92 Relatórios Específicos No menu clique sob o item Relatórios e selecione Específico: Hanseníase ou Tuberculose, conforme indicado abaixo. O boletim de acompanhamento será utilizado pelas unidades de saúde para a complementação de informações referentes aos agravos de Tuberculose e Hanseníase. Esse boletim deverá ser emitido pelo primeiro nível informatizado e enviado às unidades de saúde para que as mesmas possam complementar tais informações.

93 Relatórios Específicos Boletim de Acompanhamento

94 Boletim de Acompanhamento Gerado da Notificação Vinculada Centro de Saúde de Pé de Serra Pé de Serra /01/2012 PAULO BATISTA DE SANTANA 1 05/08/2012 O boletim de acompanhamento de uma notificação será gerado até que esta notificação tenha definida a sua situação de encerramento, ou seja, se a situação de encerramento da notificação tiver sido informada no sistema, o boletim de acompanhamento desta notificação não será mais gerado.

95 Aplicativo Sinan Relatórios Aplicativo desenvolvido para cálculo de indicadores do Pacto pela Saúde e outros indicadores cuja fonte de dados é o Sinan NET. Para que o Sinan Relatório funcione, é necessário a instalação do Java no computador

96 Aplicativo Compara Bases A UT- SINAN solicitou ao DATASUS o desenvolvimento do aplicativo Compara Bases que foi concluído em 07/2011. Essa ferramenta é necessária ao Sistema de Informação de Agravos de Notificação, versão net. Seu principal objetivo é comparar as bases de dados entre os diversos níveis e de forma a encontrar registros que por algum motivo não foram recebidos nos níveis acima do avaliado. Seu objetivo específico é verificar se todos os registros que estão na base de dados do nível de entrada de dados (digitação) também estão na base de dados do nível acima. Caso exista(m) algum(ns) registro(s) que não esteja(m) na base de dados dos níveis acima possibilitarão o envio deste(s) registro(s) em uma nova Transferência Vertical.

97 Aplicativo Compara Bases Para que o aplicativo seja executado, ele deverá estar localizado na pasta C:\

98 Aplicativo Compara Bases As bases comparadas poderão ser: UNIDADE DE SAÚDE x DISTRITO DISTRITO x MUNICÍPIO UNIDADE DE SAÚDE x MUNICÍPIO MUNICÍPIO x REGIONAL REGIONAL x ESTADO

99 Aplicativo Compara Bases Gerar arquivo da base de nível inferior Utilizada pela instalação de nível Inferior na relação de comparação de bases. Após clicar no botão Gerar Arquivo, será gerado um arquivo na pasta c:\sinannet com a nomenclatura (00+códigoMunicípio...ceb ), contendo todas as notificações existentes na base,; Encaminhar o arquivo gerado para a instalação de nível superior da relação de comparação de bases

100 Aplicativo Compara Bases Fazer Comparativo entre os Níveis Utilizada pela instalação de Nível Superior na relação de comparação de bases. Nesta fase é realizada a comparação entre as bases de nível inferior e superior. A instalação superior informa o caminho do arquivo encaminhado pela instalação de nível inferior, clicando no botão indicado pela seta na imagem acima. Após localizar e selecionar o arquivo enviado, clicar no botão Comparar(Arquivo X Banco). Se houver diferença nas bases será emitida a mensagem Existem diferenças entre as bases de dados. Arquivo de zera lote gerado com sucesso. O arquivo será gerado na pasta c:\sinannet com a nomenclatura ZL+códigoMunicípio...ceb. Encaminhar o arquivo gerado para a instalação de nível inferior da relação de comparação de bases

101 Aplicativo Compara Bases Limpar nº de Lotes de Registro do Nível Inferior Utilizada pela instalação de Nível Inferior na relação de comparação de bases. Nesta fase são zerados os lotes das notificações que constam na base de nível inferior e não constam na base de nível superior, permitindo que as mesmas sejam transferidas para a base superior na próxima Transferência Vertical executada pelo nível Inferior. A instalação inferior informa o caminho do arquivo encaminhado pela instalação de nível superior, clicando no botão indicado pela seta na imagem ao lado. Após localizar e selecionar o arquivo enviado, clicar no botão Executar. Executar

102 Federal Acesso ao Ambiente (Web) Para acesso ao ambiente do Federal, será necessário a solicitação da liberação, através do preenchimento da Ficha de Solicitação de Acesso ao Site Federal, disponível em 20de%20acesso%20ao%20usuário%20_editavel.rar.

103 Federal Tela de Entrada do Ambiente Federal (Web) Disponível para usuários configurados com o perfil de nível Estadual Patch 4.1; Patch 4.2; Compara Bases entre Níveis; Atualização do aplicativo Transferência Vertical.

104 Fluxo de Retorno Federal O Fluxo de Retorno foi desenvolvido pelo Datasus em 2007 como uma funcionalidade do Sistema de Informação de Agravos de Notificação, versão net. Seu principal objetivo é complementar o processo de apoio de investigação e dar subsídios a análise das informações de vigilância epidemiologica. Seu objetivo específico é enviar os dados da ficha de notificação/investigação, por meio magnético, dos casos notificados fora do município de residência (município de notificação) para o município de residência. Municípios que digitam o Sinan Online para Dengue (A90), não deverão baixar as notificações deste agravo no fluxo de retorno. Caso apareçam notificações deste agravo para serem baixadas, estes municípios deverão marcar a opção Excluir da Relação para que as notificações da doença não voltem a aparecer na rotina do Fluxo. Os municípios que não utilizam o Sinan Online, deverão continuar baixando as notificações de Dengue na rotina de fluxo de retorno.

105 Federal Fluxo de Retorno Relatório Gerencial (Utilizado pelas Regionais e Municípios para monitoramento das notificações disponíveis no fluxo de retorno).

106 Fluxo de Retorno Federal Relatório Gerencial (Utilizado pelas Regionais e Municípios para monitoramento das notificações disponíveis no fluxo de retorno).

107 Federal Fluxo de Retorno Gerar Arquivo de Conferência (Utilizado somente pelas instalações que digitam o SINAN. Na Bahia, somente os Municípios devem executar esta rotina).

108 Fluxo de Retorno Gerar Arquivo de Conferência Federal Salvar o arquivo gerado na pasta configurada para recebimentos de arquivos do. A nomenclatura do arquivo é RELATORIO_DE_CONFERENCIA_FR_M_Código do Município_Data da Geração do Arquivo.Snet Conforme exemplo acima o arquivo seria RELATORIO_CONFERENCIA_FR_M_292210_ SNET

109 Fluxo de Retorno Federal Verificação do Arquivo de Conferência Gerado no (Utilizado somente pelas instalações que digitam o Sinan. Na Bahia somente os Municípios devem executar esta rotina).

110 Fluxo de Retorno Federal Verificação do Arquivo de Conferência Gerado no Neste exemplo, o arquivo de conferência é de Brasília (316720) e a data da geração foi

111 Fluxo de Retorno Federal Verificação do Arquivo de Conferência Gerado no Neste exemplo, o arquivo de conferência é de Brasília (316720) e a data da geração foi

112 Fluxo de Retorno Federal Verificação do Arquivo de Conferência Gerado no Será criado um arquivo no formato txt na pasta C:\SinanNet, conforme mensagem abaixo: Neste exemplo, o arquivo de conferência é de Brasília (316720) e a data da geração foi

113 Fluxo de Retorno Federal Verificação do Arquivo de Conferência Gerado no Abrir o arquivo txt gerado na pasta C:\SinanNet, conforme tela abaixo: Analisar o conteúdo do arquivo txt gerado na pasta C:\SinanNet, antes de iniciar a rotina para baixar o arquivo de fluxo de retorno

114 Fluxo de Retorno Federal Baixar Arquivo de Fluxo de Retorno (Utilizado somente pelas instalações que digitam o Sinan. Na Bahia, somente os Municípios devem executar esta rotina).

115 Fluxo de Retorno Federal Baixar Arquivo de Fluxo de Retorno Esta página só deverá ser acessada, se o município já tiver analisado as notificações disponibilizadas no fluxo através da verificação do Relatório de Conferência. Uma vez definida a situação da notificação e clicado no botão OK as notificações sairão do fluxo. Só irá baixar notificações de Dengue (A90) os municípios que não digitam no Sinan Online. Só deverá ser baixada a notificação que não consta na base de dados do município ou a notificação que possua investigação mais completa do que a armazenada na base municipal.

116 Fluxo de Retorno Federal Baixar Arquivo de Fluxo de Retorno Salvar o arquivo gerado na pasta configurada para recebimentos de arquivos do. A nomenclatura do arquivo é FR_M_Código do Município_Data da Geração do Arquivo.Snet Conforme exemplo acima o arquivo seria FR_M_376720_ SNET

117 Fluxo de Retorno Federal Recebimento no do Arquivo de Fluxo de Retorno baixado (Utilizado somente pelas instalações que digitam o Sinan. Na Bahia somente os Municípios devem executar esta rotina).

118 Fluxo de Retorno Federal Recebimento no do Arquivo de Fluxo de Retorno baixado Neste exemplo, o arquivo de fluxo de retorno é de Brasília (316720) e a data da geração foi

119 Fluxo de Retorno Federal Recebimento no do Arquivo de Fluxo de Retorno baixado Neste exemplo, o arquivo de fluxo de retorno é de Brasília (316720) e a data da geração foi

120 Fluxo de Retorno Federal Recebimento no do Arquivo de Fluxo de Retorno baixado Neste exemplo, o arquivo de fluxo de retorno é de Brasília (316720) e a data da geração foi

121 Federal Fluxo de Retorno Recebimento no do Arquivo de Fluxo de Retorno baixado Passo 1 Passo 2 Passo 3

122 Federal Fluxo de Retorno Consulta de Notificações Recebidas pelo Fluxo de Retorno

123 Portal da Diretoria de Informações em Saúde - DIS

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em Vigilância em Saúde Gerência Técnica do SINAN FLUXO DE RETORNO

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde.

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde. VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde. Vigilância: (1) Observação de pessoas (2) Observação de doenças ou danos à saúde - VE Com vistas

Leia mais

ANEXO I. Lista de Notificação Compulsória

ANEXO I. Lista de Notificação Compulsória 1. Acidentes por animais peçonhentos; 2. Atendimento antirrábico; 3. Botulismo; 4. Carbúnculo ou Antraz; 5. Cólera; 6. Coqueluche; 7. Dengue; 8. Difteria; 9. Doença de Creutzfeldt-Jakob; ANEXO I Lista

Leia mais

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS DEFINIÇÃO São doenças cuja gravidade, magnitude, transcendência, capacidade de disseminação do agente causador e potencial de causar surtos e epidemias exigem medidas

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014 ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SESAU DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVEP GERÊNCIA DE AGRAVOS DE TRANSMISSÃO RESPIRAT, SEXUAL, VIG DO ÓBITO E SIST DE INFORMAÇÃO E - GATRSVOSI NÚCLEO

Leia mais

I - Cronograma de implantação do patch 4.2.0.0 para UF, regionais, municípios e estabelecimentos de saúde.

I - Cronograma de implantação do patch 4.2.0.0 para UF, regionais, municípios e estabelecimentos de saúde. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 NOTA TÉCNICA N.º 01/2011 GT-SINAN/CIEVS/DEVEP/SVS/MS Assunto: Liberação

Leia mais

Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR

Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR Comunicações: 1. Vigilância da Coqueluche; 2. Vigilância das Síndromes Respiratórias Agudas Graves; 3. Liberação de tratamento para tuberculose

Leia mais

Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN

Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN REUNIÃO DA COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN Jarbas Barbosa da Silva Jr Secretário de Vigilância em Saúde Brasília, 12 de dezembro de 2013 SISTEMA

Leia mais

Manual de Instalação SIM/SINASC

Manual de Instalação SIM/SINASC Manual de Instalação SIM/SINASC Agosto/2009 Versão 2.2 Índice CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO 02 - PERFIL DO HARDWARE... 5 CAPÍTULO 03 INSTALADOR SIM SINASC 2.2... 6 CAPÍTULO 04 - MODO DE INSTALAÇÃO...

Leia mais

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho;

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1 Caso suspeito ou confirmado de: 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; 2. Acidente de Trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 sinan@saude.gov.

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 sinan@saude.gov. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 sinan@saude.gov.br NOTA TÉCNICA N.º 01/2010 GT-SINAN/CIEVS/DEVEP/SVS/MS

Leia mais

Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências

Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências O Sistema de Informação de Agravos de Notificação Online (SINAN Online) tem por objetivo a notificação

Leia mais

Sinan Net. Manual de Operação. Versão do produto: 5.0. Edição do documento: 1.0 Outubro de 2014. Série A. Normas e Manuais Técnicos.

Sinan Net. Manual de Operação. Versão do produto: 5.0. Edição do documento: 1.0 Outubro de 2014. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Sinan Net Manual de Operação Versão do produto: 5.0 Edição do documento: 1.0 Outubro de 2014 Série A. Normas e Manuais Técnicos MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS

Leia mais

SINAN Relatórios. Manual de Operação. Versão do produto: 4.2. Edição do documento: 1ª - Julho de 2011. Brasília DF 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE

SINAN Relatórios. Manual de Operação. Versão do produto: 4.2. Edição do documento: 1ª - Julho de 2011. Brasília DF 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SINAN Relatórios Manual de Operação Versão do produto: 4.2 Edição do documento: 1ª - Julho de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação-Geral

Leia mais

ROTEIRO PARA USO DO SINAN NET, ANÁLISE DA QUALIDADE DA BASE DE DADOS E CÁLCULO DE INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS E OPERACIONAIS CADERNO GERAL

ROTEIRO PARA USO DO SINAN NET, ANÁLISE DA QUALIDADE DA BASE DE DADOS E CÁLCULO DE INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS E OPERACIONAIS CADERNO GERAL Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Gerência Técnica do Sinan ROTEIRO PARA USO DO SINAN NET, ANÁLISE

Leia mais

Visando atender as diferentes realidades de seus jurisdicionados, o sistema LicitaCon contará com dois módulos para o recebimento das informações.

Visando atender as diferentes realidades de seus jurisdicionados, o sistema LicitaCon contará com dois módulos para o recebimento das informações. Manual e Validador De TCERS WIKI Conteúdo 1 Apresentação 1.1 Informações Gerais 1.2 Requisitos mínimos de hardware e software 1.3 Leiaute dos Arquivos 2 Instalação do Aplicativo 2.1 Instalação do Java

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013. Página 1 de 18

MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013. Página 1 de 18 MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013 Página 1 de 18 Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL DEFINIÇÃO O Gal é um sistema informatizado desenvolvido para os laboratórios de Saúde

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

Indicador de nº 1: Percentual de casos notificados que foram encerrados oportunamente após notificação, exceto dengue clássico.

Indicador de nº 1: Percentual de casos notificados que foram encerrados oportunamente após notificação, exceto dengue clássico. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GT-SINAN/CGDT NOTA TÉCNICA PARA ORIENTAÇÃO DE COMO CALCULAR OS INDICADORES DE ACOMPANHAMENTO DO SINAN Indicador

Leia mais

MANUAL DE EMISSÃO E INSTALAÇÃO DO CERTIFICADO TIPO A1 (INTERNET EXPLORER)

MANUAL DE EMISSÃO E INSTALAÇÃO DO CERTIFICADO TIPO A1 (INTERNET EXPLORER) MANUAL DE EMISSÃO E INSTALAÇÃO DO CERTIFICADO TIPO A1 (INTERNET EXPLORER) VERSÃO 10 Atualizado em 30/12/2015 Página 1 de 21 A renovação online do certificado somente poderá ser feita uma única vez (e-cpf)

Leia mais

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância epidemiológica no Brasil 1990: Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN 2007 SINAN Net - http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/

Leia mais

MANUAL DE EMISSÃO E INSTALAÇÃO DO CERTIFICADO TIPO A1 (GOOGLE CHROME)

MANUAL DE EMISSÃO E INSTALAÇÃO DO CERTIFICADO TIPO A1 (GOOGLE CHROME) MANUAL DE EMISSÃO E INSTALAÇÃO DO CERTIFICADO TIPO A1 (GOOGLE CHROME) VERSÃO 10 Atualizado em 30/12/2015 Página 1 de 30 A renovação online do certificado somente poderá ser feita uma única vez (e-cpf)

Leia mais

MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO

MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO Diretoria de Vigilância Epidemiológica/SES/SC 2006 1 Módulo 04 - Exportação e Importação de Dados Manual do SINASC Módulo Exportador Importador Introdução O Sistema SINASC

Leia mais

Com a implantação do Módulo de Vacina, a população soteropolitana receberá vários benefícios que facilitarão a VIDA de todos nós.

Com a implantação do Módulo de Vacina, a população soteropolitana receberá vários benefícios que facilitarão a VIDA de todos nós. O Módulo de Vacina será um divisor de águas dentro da SMS do Salvador. Com a implantação do módulo, as salas de vacinas serão informatizadas, como também alguns de seus processos serão automatizados. Permitirá

Leia mais

I - Configurações mínimas da máquina, internet e Browser para acesso ao Sinan Online

I - Configurações mínimas da máquina, internet e Browser para acesso ao Sinan Online MINISTÉRIO DA SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 NOTA TÉCNICA N.º 03/2010 GT-SINAN/CIEVS/DEVEP/SVS/MS, CGPNCD/DEVEP/SVS/MS, CDESS/CGAM/DATASUS/MS e DEVEP/SVS/MS

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS 10.03.002 1/09 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos e disciplinar o processo para realização de exames laboratoriais no Hospital de Clínicas - HC. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todas as unidades do HC, em

Leia mais

MANUAL DE EMISSÃO DO CERTIFICADO TIPO A1

MANUAL DE EMISSÃO DO CERTIFICADO TIPO A1 MANUAL DE EMISSÃO DO CERTIFICADO TIPO A1 VERSÃO 9 Atualizado em 10/10/2014 Página 1 A renovação online do certificado somente poderá ser feita uma única vez e em sistema operacional Windows XP SP3 ou Windows

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Manual de Utilização Versão 3.10 Sumário 1 Funções do Emissor... 3 1.1 Aba Inicial... 4 1.2 Aba Sistema... 5 1.2.1 Mensagem Sistema... 5 1.2.2 Extras... 6 1.2.3 Contingência... 6 1.2.4 Execução... 7 1.3

Leia mais

Manual do Usuário ipedidos MILI S.A. - D.T.I.

Manual do Usuário ipedidos MILI S.A. - D.T.I. Manual do Usuário ipedidos MILI S.A. - D.T.I. MILI S.A. - D.T.I. Índice 1 ACESSANDO O PORTAL IPEDIDOS... 3 1.1 Login...5 1.2 Tela Principal, Mensagens e Atendimento On-line...6 2 CADASTRAR... 10 2.1 Pedido...10

Leia mais

SIGA Manual -1ª - Edição

SIGA Manual -1ª - Edição SIGA Manual -1ª - Edição ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. MÓDULO DE PROCESSOS 4 3. ACESSO AO SISTEMA 4 3.1 Acessando o Sistema 4 3.2 Primeiro Acesso 5 3.3 Login do Fornecedor 5 o Teclado Virtual 5 o Máquina Virtual

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

"NOVO MALOTE ELETRÕNICO" Versão Windows

NOVO MALOTE ELETRÕNICO Versão Windows "NOVO MALOTE ELETRÕNICO" Versão Windows ENCARGOS ESPECIAIS. Malote Eletrônico Versão: 5.8 ======================== A nova versão do Malote Eletrônico para WINDOWS, já está disponível nas Agências. A versão

Leia mais

GUIA DE IMPLANTAÇÃO. Núcleo Hospitalar de Epidemiologia

GUIA DE IMPLANTAÇÃO. Núcleo Hospitalar de Epidemiologia GUIA DE IMPLANTAÇÃO Núcleo Hospitalar de Epidemiologia ETAPAS PARA IMPLANTAÇÃO I. Interesse por parte da Instituição II. Passar por aprovação pelo corpo diretivo da instituição III. Liberação de recursos

Leia mais

MANUAL VS ULTIMATE IT

MANUAL VS ULTIMATE IT MANUAL VS ULTIMATE IT Importação de Propostas ou Apólices PDF Página 1 de 17 IMPORTAÇÃO DE PROPOSTAS OU APÓLICES PDF: ALFA (PROPOSTA OU APÓLICE): Clicar em 06467PDF Alfa Clicar em Abrir Site Informar login

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO SISTEMA DE PAGAMENTO ONLINE. Versão: 01.08

MANUAL DE INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO SISTEMA DE PAGAMENTO ONLINE. Versão: 01.08 MANUAL DE INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO SISTEMA DE PAGAMENTO ONLINE Versão: 01.08 Índice Instalação do Sistema...03 Tela inicial do Sistema...10 Módulos...11 Conteúdo do Menu Arquivo...11 Finalizar...11 Inclusão

Leia mais

Passo a Passo para Rematrícula Online 2015

Passo a Passo para Rematrícula Online 2015 1. Entrar no site do Colégio: www.riobranco.org.br a) Digitar o Login, que é o número da Matrícula do Aluno (Seta 1) Dica: O número da matrícula pode ser localizado na carteirinha, boletim do aluno, ou

Leia mais

Í N D I C E A N A L Í T I C O

Í N D I C E A N A L Í T I C O DIRF CARTÃO 2013 V4..03 DE 07//02//2013 PROGRAMA PARA IMPORTAÇÃO DE DADOS DE CARTÕES DE CRÉDITO NA DIRF 2013 VERSÃO COM VISANET E REDECARD IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO EM LOTE CAPTURA DADOS CADASTRAIS DE EMPRESAS

Leia mais

Rotina para utilização do PALM (coletor de dados) no inventário. Biblioteca... Registros:... Estante:...1... + 1 + 10. Prateleira:...1...

Rotina para utilização do PALM (coletor de dados) no inventário. Biblioteca... Registros:... Estante:...1... + 1 + 10. Prateleira:...1... Rotina para utilização do PALM (coletor de dados) no inventário Leitura de Registros utilizando o Palm Ligue o Palm e aparecerá o Menu Principal. 1. Clique no ícone do SiCol para abrir o programa onde

Leia mais

CADSUS STAND ALONE Cadastro Nacional de Usuários do SUS. Manual de Instalação. Versão 1.5.0

CADSUS STAND ALONE Cadastro Nacional de Usuários do SUS. Manual de Instalação. Versão 1.5.0 CADSUS STAND ALONE Cadastro Nacional de Usuários do SUS Manual de Instalação Versão 1.5.0 Sumário 1. INTRODUÇÃO 5 2. SIGLAS E TERMOS 5 3. FORMAS DE ACESSO PARA DOWNLOAD 5 4. PROCEDIMENTOS PARA DOWNLOAD

Leia mais

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 1.0.7 Manual do Usuário

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 1.0.7 Manual do Usuário Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS DATASUS Gerenciador de Ambiente Laboratorial GAL Versão 1.0.7 Página 1 de 70 Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Usuário

Leia mais

Sistema de Cobrança Eletrônica para Clientes do Banco do Nordeste Sistema de Cobrança Eletrônica para Clientes Cobrança BNB

Sistema de Cobrança Eletrônica para Clientes do Banco do Nordeste Sistema de Cobrança Eletrônica para Clientes Cobrança BNB Pág. 1 Sistema de Cobrança Eletrônica para Clientes Cobrança BNB Pág. 2 Instalação o o o o Baixar o Setup v3.5.38.exe disponível no site do BNB Executando o aplicativo aparecerá a imagem abaixo Clique

Leia mais

Medical Office 2015 Instruções de Instalação e Configuração

Medical Office 2015 Instruções de Instalação e Configuração Medical Office 2015 Instruções de Instalação e Configuração 1) Faça o download do Medica Office através do nosso site www.medicaloffice.com.br opção do Download; 2) Após realizado o download do arquivo

Leia mais

... MANUAL DO MODERADOR SERVIÇOS DE WEB

... MANUAL DO MODERADOR SERVIÇOS DE WEB ... MANUAL DO MODERADOR SERVIÇOS DE WEB ÍNDICE 1. IMPLEMENTAÇÃO 4 1.1 PAINEL DE CONTROLE 4 1.2 SENHA 4 1.3 INSTALAÇÃO 4 1.3.1 INSTALAÇÃO PARA MODERADOR 4 1.3.2 INSTALAÇÃO PARA PARTICIPANTES 8 1.3.2.1 PELO

Leia mais

PASSO A. Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento. Instalação e Alimentação de Dados

PASSO A. Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento. Instalação e Alimentação de Dados Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde Área Técnica de Saúde da Mulher Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento PASSO A PASSO Instalação e Alimentação de Dados INDICE I- O que é

Leia mais

ROTEIRO PARA EMISSÃO DE CERTIFICADO DIGITAL A1

ROTEIRO PARA EMISSÃO DE CERTIFICADO DIGITAL A1 ROTEIRO PARA EMISSÃO DE CERTIFICADO DIGITAL A1 Informações importantes sobre a emissão do Certificado A1: 1. Todos os certificados do tipo A1 emitidos no computador/usuário são gerados em um único Repositório

Leia mais

Manual do Usuário DISCADOR GSM. MAN0065 - Versão: 1.4. Copyright 2011 Digivoice Eletrônica

Manual do Usuário DISCADOR GSM. MAN0065 - Versão: 1.4. Copyright 2011 Digivoice Eletrônica Manual do Usuário DISCADOR GSM MAN0065 - Versão: 1.4 Conteúdo Bem Vindo 4. Introdução 5. Requisitos Mínimos 6. Instalação 21. Funcionalidades 21. 28. 33. Tela Principal Configuracoes Avançadas Relatórios

Leia mais

PROCEDIMENTO DE CADASTRO DE BANCOS E GERAÇÃO DE BOLETOS NO SINAI ALUGUEL

PROCEDIMENTO DE CADASTRO DE BANCOS E GERAÇÃO DE BOLETOS NO SINAI ALUGUEL O sistema SINAI ALUGUEL possui duas formas de emissão de boletos aos locatários: a) Impressão própria; b) Remessa. A primeira opção, a impressão é feita localmente e a imobiliária é responsável pelo envio

Leia mais

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015 Monitor de Comercialização Ofertante MT 43-1-00015-0 Última Atualização 12/11/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Como inserir subitens V Emissão de Relatórios VI

Leia mais

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Última Atualização: 08/01/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Painel de Lances V Envio de Lances VI Prorrogação

Leia mais

O QUE É A CENTRAL DE JOGOS?

O QUE É A CENTRAL DE JOGOS? O QUE É A CENTRAL? A Central de Jogos consiste de duas partes: Um site na Internet e um programa de computador (Central) que deve ser instalado em sua máquina. No site www.centraldejogos.com.br, você pode

Leia mais

Padrão ix. Q-Ware Cloud File Publisher Manual para realização do Donwload de Arquivos. Versão 1.0.1.0

Padrão ix. Q-Ware Cloud File Publisher Manual para realização do Donwload de Arquivos. Versão 1.0.1.0 Padrão ix Q-Ware Cloud File Publisher Manual para realização do Donwload de Arquivos Versão 1.0.1.0 Copyright 2000-2013 Padrão ix Sistemas Abertos Ltda. Todos os direitos reservados. As informações contidas

Leia mais

As pessoas jurídicas deverão promover a solicitação de mais de um cadastramento. O qual deverá ser realizado em duas etapas:

As pessoas jurídicas deverão promover a solicitação de mais de um cadastramento. O qual deverá ser realizado em duas etapas: CeC Cadastro eletrônico de Contribuintes Versão 1.0 Atualizado em 16/01/2012 APRESENTAÇÃO Este manual apresenta a estrutura e a forma de utilização do módulo Cadastro eletrônico de Contribuintes CeC, o

Leia mais

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR Enfª Dda. Verginia Rossato Enfª Danieli Bandeira Santa Maria, 2012 Portaria GM/MS nº 2529, de 23 de novembro de 2004 Institui o Subsistema Nacional de Vigilância

Leia mais

Manual do Usuário. aneiro de 2008 Versão 1

Manual do Usuário. aneiro de 2008 Versão 1 Manual do Usuário Janeiro aneiro de 2008 Versão 1 Considerações Gerais O uso do sistema é obrigatório para todos que solicitam procedimentos que são executados dentro da Gestão Estadual. Ou seja, se o

Leia mais

MÓDULO 3 Cadastros básicos

MÓDULO 3 Cadastros básicos MÓDULO 3 Cadastros básicos Agora que você já conhece o SCAWEB, demonstraremos como realizar os cadastros básicos do HÓRUS. Inicialmente, você precisará acessar o HÓRUS com o email e senha cadastrados no

Leia mais

Gerenciamento de Deslocamentos e Viagens

Gerenciamento de Deslocamentos e Viagens MANUAL: Gerenciamento de Deslocamentos e Viagens Administrador do Sistema de Viagens Versão: 1.0 Sumário Apresentação... 1 1. Acesso ao sistema... 2 2. Perfis do sistema... 2 3. Configurando o sistema

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Primeiramente deve-se digitar o login e senha de acesso para acessar o Jurídico 2000.

MANUAL DO USUÁRIO. Primeiramente deve-se digitar o login e senha de acesso para acessar o Jurídico 2000. MANUAL DO USUÁRIO Primeiramente deve-se digitar o login e senha de acesso para acessar o Jurídico 2000. O Jurídico 2000 exibe o cadastro de Processos assim que é inicializado. A partir dessa tela você

Leia mais

Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária (SIS 1.0)

Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária (SIS 1.0) Parte:Manual Atualização: OriginalPágina 1 Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária () Instalação Se houver alguma versão do FireBird Instalada na máquina desinstale antes de

Leia mais

Gerenciador de Multi-Projetos. Manual do Usuário. 2000 GMP Corporation

Gerenciador de Multi-Projetos. Manual do Usuário. 2000 GMP Corporation GMP Corporation Gerenciador de Multi-Projetos Manual do Usuário 2000 GMP Corporation Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 24/08/2004 1.0 Versão inicial do documento Bárbara Siqueira Equipe

Leia mais

Portaria Express 2.0

Portaria Express 2.0 Portaria Express 2.0 A portaria do seu condomínio mais segura e eficiente. Com a preocupação cada vez mais necessária de segurança nos condomínio e empresas, investe-se muito em segurança. Câmeras, cercas,

Leia mais

Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Sistema Único de Saúde SUS

Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Sistema Único de Saúde SUS Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Sistema Único de Saúde SUS ROTEIRO PARA USO DO SISTEMA INFORMATIZADO DA MONITORIZAÇÃO DAS DOENÇAS DIARRÉICAS AGUDAS - SIVEP_DDA. LUIZ HENRIQUE DA

Leia mais

MANUAL VERSÃO 4.14 0

MANUAL VERSÃO 4.14 0 0 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 1. O QUE É O EOL?... 2 2. ACESSANDO O EOL... 2 3. TELA INICIAL... 3 4. EXAMES ADMISSIONAIS... 4 5. MUDANÇA DE FUNÇÃO... 7 6. EXAMES DEMISSIONAL E RETORNO AO TRABALHO... 8 7. EXAMES

Leia mais

Guia Rápido do Usuário

Guia Rápido do Usuário CERTIDÕES UNIFICADAS Guia Rápido do Usuário CERTUNI Versão 1.0.0 CASA DA MOEDA DO BRASIL Conteúdo Acessando o Sistema... 3 Alterando Senhas... 3 Encerrando sua Sessão... 4 Gerando Pedido... 4 Alterando

Leia mais

Manual de Instalação do e.sic - Sistema Municipal de Informações ao Cidadão

Manual de Instalação do e.sic - Sistema Municipal de Informações ao Cidadão Manual de Instalação do e.sic - Sistema Municipal de Informações ao Cidadão Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo DDS Diretoria de Desenvolvimento de Sistemas SDS Superintendência

Leia mais

MALOTE DIGITAL. Autores Conselho Nacional de Justiça TRE-MG

MALOTE DIGITAL. Autores Conselho Nacional de Justiça TRE-MG MALOTE DIGITAL Este Manual foi adaptado pela Coordenadoria da Escola dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso e DAPI Departamento de Aprimoramento da 1ª Instância Autores Conselho

Leia mais

MALOTE DIGITAL. Autores Conselho Nacional de Justiça TRE-MG

MALOTE DIGITAL. Autores Conselho Nacional de Justiça TRE-MG MALOTE DIGITAL Autores Conselho Nacional de Justiça TRE-MG Adaptações TJMT Lise Mangabeira Escola dos Servidores Reginaldo Cardoso DAPI Ruy Castrilon D.A. Readaptações TCE MT (Download do manual no site

Leia mais

País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Sql Server / Oracle

País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Sql Server / Oracle Solicitação de Prontuários no Controle de Documentos Produto : RM Saúde / Controle de Documentos Chamado : R_SAU002/REQ028 Data da publicação : 10/09/14 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Sql Server

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA GERENCIADOR DE DOCUMENTOS SGD VERSÃO 1.7

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA GERENCIADOR DE DOCUMENTOS SGD VERSÃO 1.7 MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA GERENCIADOR DE DOCUMENTOS SGD VERSÃO 1.7 Comissão Intergestores Bipartite 4ª Avenida, 400, Plataforma 6, Lado B, 1º Andar, Sala 103 - Centro Administrativo da Bahia Salvador-Ba

Leia mais

Escritório Virtual - Apresentação. Acesso ao Portal do Escritório Virtual

Escritório Virtual - Apresentação. Acesso ao Portal do Escritório Virtual Página2 Escritório Virtual - Apresentação O escritório Virtual visa uma aproximação entre o escritório e seus clientes, possibilitando encurtar caminhos para envio e recebimento de arquivos e informações

Leia mais

SINAN Dificuldades Elencadas pelas DIRES Das 12 DIRES (38% do total) que responderam o questionário dentro do prazo estabelecido

SINAN Dificuldades Elencadas pelas DIRES Das 12 DIRES (38% do total) que responderam o questionário dentro do prazo estabelecido Dificuldades Elencadas pelas DIRES Das 12 DIRES (38% do total) que responderam o questionário dentro do prazo estabelecido (3ª,4ª,6ª,8ª,10ª,13ª,14ª,15ª,20ª,21ª e 24ª) + 09 DIRES (5ª,9ª,11ª,16ª,17ª,26ª,27ª,29ª,31ª)

Leia mais

Atualização, backup e recuperação de software

Atualização, backup e recuperação de software Atualização, backup e recuperação de software Guia do usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation. As informações

Leia mais

ALTERAÇÃO ICMS MEDICAMENTOS GENÉRICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO

ALTERAÇÃO ICMS MEDICAMENTOS GENÉRICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO ALTERAÇÃO ICMS MEDICAMENTOS GENÉRICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO Lei nº 6.005/2015 Versão (1.0) Histórico de Revisões DATA VERSÃO 19/02/2016 1.0 DESCRIÇÃO (PROJETO) Desenvolvimento do documento. AUTOR Estéfano

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP. MANUAL DO USUÁRIO - SIGA Extranet GRD e Projetos. MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET GRD e Projetos

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP. MANUAL DO USUÁRIO - SIGA Extranet GRD e Projetos. MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET GRD e Projetos Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO - SIGA Extranet GRD e Projetos MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET GRD e Projetos Versão: 1.5 Fevereiro/2014 Versão: 1.5 Novembro 2008 Versão: 1.5

Leia mais

1 ACESSO PARA SECRETÁRIA... 4 2 - CONFIGURAR HORÁRIOS DE ATENDIMENTO... 4 2.1 BLOQUEANDO E HABILITANDO HORÁRIOS... 5 3 PRÉ-DEFININDO PARÂMETROS DE

1 ACESSO PARA SECRETÁRIA... 4 2 - CONFIGURAR HORÁRIOS DE ATENDIMENTO... 4 2.1 BLOQUEANDO E HABILITANDO HORÁRIOS... 5 3 PRÉ-DEFININDO PARÂMETROS DE 2 1 ACESSO PARA SECRETÁRIA... 4 2 - CONFIGURAR HORÁRIOS DE ATENDIMENTO... 4 2.1 BLOQUEANDO E HABILITANDO HORÁRIOS... 5 3 PRÉ-DEFININDO PARÂMETROS DE ATENDIMENTO... 6 4 - A TELA AGENDA... 7 4.1 - TIPOS

Leia mais

WebEDI - Tumelero Manual de Utilização

WebEDI - Tumelero Manual de Utilização WebEDI - Tumelero Manual de Utilização Pedidos de Compra Notas Fiscais Relação de Produtos 1. INTRODUÇÃO Esse documento descreve o novo processo de comunicação e troca de arquivos entre a TUMELERO e seus

Leia mais

MANUAL VERSÃO 1.13-abv

MANUAL VERSÃO 1.13-abv 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. O QUE É O EOL?... 3 2. ACESSANDO O EOL... 3 4. EXAMES ADMISSIONAIS... 4 5. MUDANÇA DE FUNÇÃO... 6 6. EXAMES DEMISSIONAL E RETORNO AO TRABALHO... 8 7. EXAMES PERIÓDICOS... 9

Leia mais

MANUAL DIPAM A Versão de 10/05/2012

MANUAL DIPAM A Versão de 10/05/2012 MANUAL DA DIPAM A Versão de 10/05/2012 1 Índice Geral... 3 Configuração Mínima... 3 Instalação... 4 Procedimento pós-instalação para sistemas com Vista ou Windows 7... 8 Uso do Programa DIPAM-A... 10 DIPAM

Leia mais

-Entre no menu Cadastros / Sacados -Insira os dados do sacado / clique em Gravar

-Entre no menu Cadastros / Sacados -Insira os dados do sacado / clique em Gravar Acesso ao Sistema -Dê dois cliques no ícone do programa -Digite o Usuário: MASTER -Digite a Senha: MASTER -Selecione o Cedente: -Clique em Acesso ao Sistema 1 o. Passo Cadastrar os Sacados no Sistema OPCIONAL

Leia mais

Manual de Orientação de Cadastramento On-Line. Sistema Segundo Tempo - Convênios. Cadastro de Núcleo

Manual de Orientação de Cadastramento On-Line. Sistema Segundo Tempo - Convênios. Cadastro de Núcleo Manual de Orientação de Cadastramento On-Line Sistema Segundo Tempo - Convênios Cadastro de Núcleo O Cadastro de Núcleo só poderá ser efetuado mediante a senha de Coordenador-Geral. Acesso ao Sistema:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO SES Nº 3244 DE 25 DE ABRIL DE 2012

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO SES Nº 3244 DE 25 DE ABRIL DE 2012 RESOLUÇÃO SES Nº 3244 DE 25 DE ABRIL DE 2012 Acrescenta agravos estaduais a Lista Nacional de Doenças de Notificação Compulsória e dá outras providências. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, Gestor do Sistema

Leia mais

Manual de Instalação Flex

Manual de Instalação Flex Manual de Instalação Flex Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5 4.1.1. Instalação do sistema...

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA ELABORAÇÃO, CONTROLE E ACOMPANHAMENTO DO PROJETO OLHAR BRASIL

MANUAL DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA ELABORAÇÃO, CONTROLE E ACOMPANHAMENTO DO PROJETO OLHAR BRASIL MANUAL DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA ELABORAÇÃO, CONTROLE E ACOMPANHAMENTO DO PROJETO OLHAR BRASIL Ministério da Saúde Sumário 1. Apresentação... 3 2. Introdução... 4 3. Sistema de Informação para Elaboração,

Leia mais

Manual de instalação e utilização do programa Faróis Vinco Pedidos

Manual de instalação e utilização do programa Faróis Vinco Pedidos Página 1 de 23 SUMÁRIO 1. Pré-requisitos do computador para instalação do sistema Faróis Vinco Pedidos... 2 2. Instalação do... 3 3. Executando o sistema pela primeira vez... 5 4. Menus do sistema... 6

Leia mais

Tutorial Report Express. Como iniciar o uso dos serviços fazer a diferença.

Tutorial Report Express. Como iniciar o uso dos serviços fazer a diferença. Tutorial Report Express Como iniciar o uso dos serviços fazer a diferença. Índice Apresentação Pág. 3 Passo 1 Pág. 4 Instalação do MasterDirect Integrações Passo 2 Pág. 8 Exportar clientes Linha Contábil

Leia mais

Manual de Instalação Corporate

Manual de Instalação Corporate Manual de Instalação Corporate Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Imobiliária21

Leia mais

C A R T I L H A. - Recursos Humanos Plano de Cargos

C A R T I L H A. - Recursos Humanos Plano de Cargos C A R T I L H A - Recursos Humanos Plano de Cargos Elaborada por: DIRPD Diretoria de Processamento de Dados Universidade Federal de Uberlândia Maio/2009 Apresentação Esta cartilha foi elaborada para auxiliar

Leia mais

COMO GERAR UM ARQUIVO NÃO IDENTIFICADO NO TABWIN

COMO GERAR UM ARQUIVO NÃO IDENTIFICADO NO TABWIN O programa TabWin pode ser utilizado para calcular indicadores epidemiológicos e operacionais da tuberculose bem como para análise da qualidade da base de dados do Sinan. O usuário deve ter a versão atualizada

Leia mais

MÓDULO DE DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS DECORE MANUAL Versão 2.0

MÓDULO DE DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS DECORE MANUAL Versão 2.0 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE MÓDULO DE DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS DECORE MANUAL Versão 2.0 Spiderware Consultoria em Informática Rua Mayrink Veiga, 11 / 804 Rio de Janeiro RJ CEP 20090-050 Tel. 0 (XX)

Leia mais

Manual de Instalação do Sistema Audatex Servidor/ Estação Nova Plataforma

Manual de Instalação do Sistema Audatex Servidor/ Estação Nova Plataforma Manual de Instalação do Sistema Audatex Servidor/ Estação Nova Plataforma 1 P á g i n a SUMÁRIO 1. Informações Gerais... 3 1.1. Pré-Requisitos... 3 1.2. Liberações Necessárias... 3 1.3. Perfil Administrador...

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL MAC OS

SISTEMA OPERACIONAL MAC OS MANUAL PROTECT Versão R15 SISTEMA OPERACIONAL MAC OS Copyright GVT 2015 www.gvtprotect.com.br 1 1 Índice 1 Índice... 2 2 GVT PROTECT... 3 2.1 Requisitos Mínimos De Sistema... 3 2.2 Sistemas Operacionais

Leia mais

- Nota Fiscal Eletrônica -

- Nota Fiscal Eletrônica - Manual Portal de Clientes e Transportadores - Nota Fiscal Eletrônica - ÍNDICE. INTRODUÇÃO 3. OBJETIVO 3.2 ABRANGÊNCIA 3 2. FUNCIONALIDADES 3 2. CADASTRO DE CLIENTES NO PORTAL 3 2.2 CONSULTA NOTAS FISCAIS

Leia mais

SI-AIU SISTEMA DE APURAÇÂO DE IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS

SI-AIU SISTEMA DE APURAÇÂO DE IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DO PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÕES MS / - Departamento de Informática do SUS SIPPS - Equipe

Leia mais

Versão 4.7.2.1 Notas de lançamento

Versão 4.7.2.1 Notas de lançamento Versão 4.7.2.1 Notas de lançamento Melhorias nos menus de documentos (Caso 7416): Implementamos o campo "Resp. cadastro", identificando o usuário que cadastrou o documento, na rodapé direito da ficha do

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso Supervisão de Informática Departamento de Desenvolvimento Sistema Declaração On Line. Declaração On Line

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso Supervisão de Informática Departamento de Desenvolvimento Sistema Declaração On Line. Declaração On Line Declaração On Line Manual de Apoio à Utilização do Sistema Manual do Usuário Versão 1.0 INTRODUÇÃO... 4 AUTENTICANDO-SE NO SISTEMA... 4 EM CASO DE ESQUECIMENTO DA SENHA... 5 ALTERANDO A SENHA DE ACESSO

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO Acesse o site www.teubilhete.com.br, selecione a opção Teu Online, e clique no botão, preencha o formulário com os dados de sua empresa. Reúna duas vias impressas do Contrato

Leia mais