PREFEITURA MUNICIPAL DE PARELHAS SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE HOSPITAL DR. JOSÉ AUGUSTO DANTAS NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICIPAL DE PARELHAS SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE HOSPITAL DR. JOSÉ AUGUSTO DANTAS NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR"

Transcrição

1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PARELHAS SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE HOSPITAL DR. JOSÉ AUGUSTO DANTAS NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR RELATÓRIO TÉCNICO DAS ATIVIDADES REALIZADAS PELO NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR REFERENTE AO PERÍODO DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 (ANUAL) PARELHAS

2 Diretor Geral do HDJAD Carlos Magno de Sousa Cordeiro Vice Diretor do HDJAD Robenilson Ferreira da Silva Diretor Clínico Dr. Antônio Abimar Buriti Júnior Coordenadora de Enfermagem Drª Meres Sércia Lima Damasceno EQUIPE DO NHVE/HDJAD Étel Rógere da Silva Coordenador do NVEH NVE Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas NEVH/HDJAD Rita de Cássia Félix Téc de Enfermagem Genilda Vieira dos Santos Auxiliar Administrativa

3 SUMÁRIO Pag. Introdução 0 Objetivo 03 Ações Realizadas e Rotinas do NVEH/HDJAD Parelhas 04 Informações Epidemiológicas do ano de 03 do NEVH/HDJAD - Parelhas 05 Notificações realizadas pelo NVEH/HDJAD no ano de 03 por Agravos 06 Notificações realizadas pelo NVEH/HDJAD no ano de 03 por Faixa Etária 07 Notificações realizadas pelo NVEH/HDJAD no ano de 03 por sexo 07 Notificações realizadas pelo NVEH/HDJAD no ano de 03 por semana epidemiológica 08 Notificações realizadas pelo NVEH/HDJAD no ano de 03 por endereço de residência 09 Notificações de DENGUE realizadas pelo NVEH/HDJAD no ano de 03 por residência 0 Notificações de DENGUE realizadas pelo NVEH/HDJAD no ano de 03 por faixa etária Notificações de DENGUE realizadas pelo NVEH/HDJAD no ano de 03 por semana epidemiológica Tabela dos casos de diarreia atendidos no HDJAD no ano de 03 3 Planos de tratamentos das diarreias e atendimentos por faixa etária no HDJAD no ano de 03 4 Casos de diarreias atendidos no HDJAD no ano de 03 por semana epidemiológica 5 Encaminhamentos realizados pelo HDJAD no ano de 03 por mês 6 Encaminhamentos realizados pelo HDJAD no ano de 03 por faixa etária 6 Encaminhamentos realizados pelo HDJAD no ano de 03 por agravos 7 Encaminhamentos realizados pelo HDJAD no ano de 03 por destino 7 Internamentos ocorridos no HDJAD no ano de 03 por mês 8 Internamentos ocorridos no HDJAD no ano de 03 por faixa etária 8 Internamentos ocorridos no HDJAD no ano de 03 por endereço de residência 9 Permanência do paciente no HDJAD por tempo inferior a 4 horas (Obs. Médica) no ano de 03 9 Óbitos ocorridos em Parelhas no ano de 03 por sexo 0 Óbitos ocorridos em Parelhas no ano de 03 por localidades de ocorrência 0 Óbitos ocorridos em Parelhas no ano de 03 por faixa etária Óbitos ocorridos em Parelhas no ano de 03 por causa básica Número de vítimas de acidente de moto atendidos no HDJAD no ano de 03 por sexo e mês de ocorrência 3 Agressões atendidas no HDJAD no ano de 03 por causa básica 4 Agressões atendidas no HDJAD no ano de 03 por sexo das vítimas 4 Acidentes de trabalho leve atendidos no HDJAD no ano de 03 por faixa etária 5 Acidentes de trabalho leve atendidos no HDJAD no ano de 03 por agravos 5 Conclusão 6 Anexo 7 Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

4 . INTRODUÇÃO O Hospital Dr. José Augusto Dantas situado à Rua Alexandrina Pereira nº 6, Centro, Parelhas/RN, é um hospital municipal com leitos distribuídos em 03 enfermarias: masculina 08 leitos, feminina 09 leitos, pediátrico 05 leitos e um isolamento. Atende as mais variadas patologias, inclusive as infecto-contagiosas (primeiros atendimentos). A Unidade conta com serviços de clínica médica e pediátrica, urgência e emergência. O laboratório de análises clínicas, o serviço de Raios-X e a farmácia funcionam durante todo o dia, e no período noturno, final de semanas e feriados em regime de plantão de sobreaviso. O NVEH do Hospital Municipal Dr. José Augusto Dantas de Parelhas/RN, vem desenvolvendo desde sua implantação em 008 um conjunto de ações que visam à detecção e notificação dos agravos suspeitos ou confirmados de notificação compulsória atendidos na unidade, utilizando para isso as normas de vigilância epidemiológica nacionais, estaduais e municipais. Contando sempre com a parceria do laboratório e da equipe de enfermagem. Sendo um trabalho integrado diretamente com a Secretaria Municipal de Saúde, onde as fichas de notificações são digitadas no SINAN/NET. Destacamos o quanto o serviço de notificação não é valorizada pela própria equipe de saúde, sentimos tal questão quando vamos preencher as fichas a partir dos boletins de atendimentos da urgência ou dos próprios prontuários, ficando em branco alguns campos importantes para a análise das mesmas, por exemplo: data dos primeiros sintomas, endereço, telefone (facilitaria a comunicação), bem como o diagnóstico médico. Tudo isso prejudica consideravelmente o processo de trabalho de notificação. Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

5 3. OBJETIVO Este relatório tem a finalidade de descrever a situação de saúde do município de Parelhas/RN, no período de janeiro a dezembro de 03, uma vez que a unidade na qual este núcleo desenvolve suas ações é de referência para atendimentos em urgência/emergência, clínicas médica e pediátrica. Seus serviços são prestados a vários municípios, e através destas informações, serão planejadas ações no sentido de melhorar a qualidade da assistência prestada a população local e circunvizinhas. Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

6 4 3. AÇÕES REALIZADAS PELO NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DO HDJAD/ PARELHAS NO PERÍODO DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 Busca ativa nos prontuários dos pacientes internados; Acompanhamento dos atendimentos ambulatoriais; Coleta de dados para notificações nos boletins de urgência; Divulgação no quadro de informes, do conteúdo de informações adquiridas; Monitoramento dos acidentes de trabalho ocorridos no município; Notificações de agravos de notificação compulsória; Monitoramento das doenças diarreicas agudas; Incentivo para que os profissionais procurem os imunobiológicos recomendados aos trabalhadores da saúde; Realização de reunião com a equipe do hospital relembrando a importância das notificações; Reunião com os recepcionistas para reforçar a questão do registro dos acidentes de trabalho atendidos na unidade. Capacitação em V. E. do coordenador do NVEH/HDJAD Parelhas na cidade de São Paulo. 4. NORMAS E ROTINAS DO NÚCLEO DE VIG. EPID. DO HDJAD/ PARELHAS Análise dos boletins de urgência e emergência; Análise dos boletins de atendimento ambulatoriais; Análise dos prontuários dos pacientes; Divulgação das informações coletadas através da sala de situação; Entrega das notificações semanalmente na SMS. Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

7 5 5. INFORMAÇÕES EPIDEMIOLÓGICAS DO PERÍODO DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 DO NVEH DO HDJAD/PARELHAS 5 Segundo ALEXANDRE, Lourdes B. dos Santos Pito (0, p. 3) Os profissionais de saúde são formados ainda hoje, na sua maioria, para a realização da prestação de assistência à saúde individual, curativa, fragmentada e especializada, menosprezando o conhecimento e a realização das intervenções que envolvam tanto o cuidado ao doente quanto a comunidade ao qual ele pertence. Mesmo com essa visão estreita de certos profissionais da saúde notamos na prática que a introdução do N.V.E.H., tem dado bons resultados referentes às notificações, elevando-se com isso o número das mesmas no país. Devemos com isso mostrar aos profissionais que notificar é importante, pois é por meio desses dados que se pensam e se elaboram os investimentos da saúde. A seguir descreveremos os dados levantados pelo Núcleo de Vigilância Epidemiológica do HDJAD/Parelhas-RN, referentes ao ano de03. Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

8 6 5.. NOTIFICAÇÕES REALIZADAS PELO NVEH DO HDJAD/PARELHAS NO PERÍODO DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR AGRAVOS nº de notificações no ano de 03 realizadas pelo NVEH/HDJAD Varicela Sífilis Adquirida Meningite LER Intoxicação Exógena Hepatite Viral Febre Maculosa Exposição a Material Biológico Dengue Coqueluche Corrimento Uretral Masculino Acidente de Trabalho Grave Agressão Física Atendimento Antirrábico Humano Acidente por Abelhas Acidente por Escorpião Acidentes por Animais Peçonhentos FONTE: Boletins de atendimento do HDJAD/Parelhas A dengue teve uma participação considerável, seguida por Hepatites Virias e Atendimento Antirrábico Humano no ano de 03.

9 7 5.. NOTIFICAÇÕES REALIZADAS PELO NVEH DO HDJAD/ PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR FAIXA ETÁRIA nº de notificações no ano 03 realizadas pelo NVEH/HDJD por faixa etária ign a a a a a 39 0 a 9 5 a 9 5 a 4 a 4 < ano FONTE: Boletins de Atendimentos do HDJAD/Parelhas 5.3. NOTIFICAÇÕES REALIZADAS PELO NVEH DO HDJAD/PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR SEXO FEM 388 MASC 346 FONTE: Boletins de Atendimentos do HDJA/Parelhas

10 NOTIFICAÇÕES REALIZADAS PELO NVEH DO HDJAD/ PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR SEMANA EPIDEMIOLÓGICA nº de notificações por SE FONTE: Boletins de Atendimentos do HDJAD/Parelhas

11 5.5. NOTIFICAÇÕES REALIZADAS PELO NVEH DO HDJAD/ PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR ENDEREÇO DE RESIDÊNCIA Nº de Notificações por Endereço de Residência no ano de 03 ZONA RURAL 8 Equador Santana do Seridó Currais Novos Ign São Sebastião 00 Mª Terceira 9 Ivan Bezerra 8 José Clovis Dinarte Mariz 4 Cruz do Monte 86 Centro 4 Boqueirão 44 FONTE: Boletins de Atendimentos do HDJAD/Parelhas Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

12 NOTIFICAÇÕES DE DENGUE REALIZADAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 PELO NVEH DO HDJAD/ PARELHAS POR RESIDÊNCIA Nº de notificações de DENGUE realizados no ano de 03 pelo NVEH/HDJAD por endereço de residência Ign Equador Currais Novos ZONA RURAL 6 São Sebastião 66 Mª Terceira 0 José Clovis Ivan Bezerra 95 Dinarte Mariz 34 Cruz do Monte 60 Centro 95 Boqueirão 33 FONTE: Boletins de Atendimentos do HDJAD/Parelhas

13 5.7. NOTIFICAÇÕES DE DENGUE REALIZADAS DE JENEIRO A DEZEMBRO DE 03 PELO NVEH DO HDJAD/PARELHAS POR FAIXA ETÁRIA Nº de Notificações de DENGUE realizadas no ano de 03 pelo NVEH/HDJAD por faixa etária Ign a a a a a a a a 4 9 a 4 7 < ano FONTE: Boletins de Atendimentos do HDJAD/Parelhas

14 5.8. NOTIFICAÇÃO DE DENGUE REALIZADA DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 PELO NVEH DO HDJAD/PARELHAS POR SEMANA EPIDEMIOLÓGICA Nº de notificações de Dengue no ano de 03 pelo NVEH/HDJAD por semana epidemiológica FONTE: Boletins de Atendimentos do HDJAD/Parelhas

15 TABELA DAS DIARREIAS ATENDIDAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 PELO HVEH DO HDJAD/PARELHAS SEMANA EPIDEMIOLÓGICA FAIXA ETARIA PLANO DE TRATAMENTO - a 4 5 a Ign TOTAL A B C Ign TOTAL TOTAL FONTE: Boletins de Atendimentos do HDJAD/Parelhas Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

16 CASOS DE DIARREIA ATENDIDOS NO HDJAD/PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR PLANOS DE TRATAMENTOS Nº de casos de DIARREIA atendidos no ano de 03 no HDJAD/Parelhas por PLANOS DE TRATAMENTOS Ign 6 Plano C 037 Plano B Plano A 63 FONTE: Boletins de Atendimentos do HDJAD/Parelhas 5.. CASOS DE DIARREIA ATENDIDOS NO HDJAD/PARLHAS DE JENEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR FAIXA ETÁRIA Nº de CASSOS DE DIARREIA atendidos no HDJAD/Parelhas no ano de 03 por faixa etária Ign a 9 00 a < 5 FONTE: Boletins de Atendimentos do HDJAD/Parelhas Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

17 5 5.. CASOS DE DIARREIA ATENDIDOS NO HDJAD/PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR SEMANA EPIDEMIOLÓGICA Casos de diarreia atendidos no HDJAD/Parelhas no ano de 03 por semana epidemiológica FONTE: Boletins de Atendimentos do HDJAD/Parelhas Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

18 6 6. ENCAMINHAMENTOS REALIZADOS PELO HDJAD/PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR MÊS DE OCORRÊNCIA JAN FEV MAR ABR MAI MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL FONTE: Fichas de Encaminhamentos do HDJAD/Parelhas 6.. ENCAMINHAMENTOS REALIZADOS PELO HDJAD/PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR FAIXA ETÁRIA Nº de encaminhamentos no ano de 03 realizados pelo HDJAD/Parelhas por faixa etária Ign a a a a a 39 0 a 9 5 a 9 5 a 4 a 4 < FONTE: Fichas de Encaminhamentos do HDJAD/Parelhas Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

19 7 6.. ENCAMINHAMENTOS REALIZADOS PELO HDJAD/PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR AGRAVOS Nº de Encaminhamentos realizados pelo HDJAD/Parelhas no ano de 03 por AGRAVOS Ign 3 Outros 7 Obstetrícia Ortopedia 83 Dengue com Complicações 3 Cardiologia 46 Acid. Por Arma de Fogo 3 FONTE: Fichas de Encaminhamentos do HDJAD/Parelhas 6.3. ENCAMINHAMENTOS REALIZADOS PELO HDJAD/PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR DESTINO Nº de Encaminhamentos realizados pelo HDJAD/Parelhas no ano de 03 por DESTINO Ign Stª Luzia -PB Stª Cruz Parnamirim Natal Florânia C. Grande -PB Caicó Currais Novos Acarí Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas FONTE: Fichas de Encaminhamentos do HDJAD/Parelhas

20 8 7. INTERNAMENTOS OCORRIDOS NO HDJAD/PARELHAS DE JAENEIRO A DEZEMBRO DE POR MÊS DE OCORRÊNCIA Nº de Internamentos ocorridos no HDJAD/Parelhas no ano de 03 por mês de ocorrência FONTE: Prontuários dos Pacientes do HDJAD/Parelhas 7.. INTERNAMENTOS OCORRIDOS NO HDJAD/PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR FAIXA ETÁRIA Nº de INTERNAMENTOS ocorridos no HDJAD/Parelhas no ano de 03 por faixa etária Ign a a a a a 39 0 a 9 5 a 9 5 a 4 a 4 < ano FONTE: Prontuários dos Pacientes do HDJAD/Parelhas Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

21 9 7.. INTERNAMENTOS OCORRIDOS NO HDJAD/PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR ENDEREÇO DE RESIDÊNCIA Internamentos ocorridos do HDJAD no ano de 03 por endereço de residência Ign Pombal -PB Natal S. do Seridó J. do Seridó C. dos Dantas Equador ZONA RURAL São Sebastião Mª Terceira José Clovis Ivan Bezerra Dinarte Mariz Cruz do Monte Centro Boqueirão FONTE: Prontuários dos Pacientes do HDJAD/Parelhas 7.3. PERMANÊNCIA DE PACIENTES NO HDJAD/PARELHAS COM TEMPO INFERIOR A 4 HORAS (OBSERVAÇÕES MÉDICAS) DE JANEIRO A DEZEMBRO DE JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET 5 56 OUT NOV 38 DEZ TOTAL FONTE: Fichas de Atendimentos Médicos do HDJAD/Parelhas Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

22 0 8. NÚMERO DE ÓBITOS OCORRIDOS EM PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR SEXO FEM 50 MASC 68 FONTE: SIM (SMS) 8.. NÚMERO DE ÓBITOS OCORRIDOS EM PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR LOCAL DE OCORRÊNCIA Domicílio Hospital Outros Maternidade Via Pública FONTE: SIM (SMS) Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

23 8.. NÚMERO DE ÓBITOS OCORRIDOS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR FAIXA ETÁRIA Óbitos ocorridos no ano de 03 em Parelhas por faixa etária a a a a a a a 9 5 a 4 < ano 5 FONTE: SIM (SMS) Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

24 8.3. NÚMERO DE ÓBITOS EM PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR CAUSA BÁSICA Nº de ÓBITOS ocorridos em Parelhas no ano de 03 por causa básica TCE Sem Assistência Médica Sepse Silicose Senilidade Pneumonia Prematuridade Neoplasias Morte Intrauterina Insuf. Renal IAM Insuficiência Cardíaca ITU ICC HAS Gastroenterite Fibrilação Atrioventricular DPOC DPP Diabetes Crise Convulsiva Causa Desconhecida AVE Ac. com Arma Branca Ac. de Trânsito Ac. com Arma de Fogo Alzeimer Alcoolismo Crônico FONTE: SIM (SMS) Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

25 3 9. NÚMERO DE VÍTIMAS DE ACIDENTES DE MOTO ATENDIDOS NO HDJAD/PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR SEXO FEM. MASC. TOTAL 96 9 DEZ NOV OUT 9 SET 8 36 AGO JUL JUN MAI ABR MAR FEV JAN FONTE: Setor de Estatística do HDJAD/Parelhas Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

26 4 0. NÚMERO DE AGRESSÕES ATENDIDAS NO HDJAD/PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR CAUSA BÁSICA Arma de Fogo Arma Branca Agressão Física JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ FONTE: Setor de Estatística do HDJAD 0.. NÚMERO DE AGRESSÕE FÍSICAS ATENDIDAS NO HDJAD/PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR SEXO DAS VÍTIMAS FEM; 5 MASC; 6 FONTE: Setor de estatística do HDJAD Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

27 5. ACIDENTES DE TRABALHO LEVE ATENDIDOS PELO HDJAD/PARELHAS DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 03 POR FAIXA ETÁRIA Nº de ACIDENTES DE TRABALHO LEVE atendidos no HDJAD/Parelhas no ano de 03 por FAIXA ETÁRIA FONTE: Boletins de Atendimento do Setor da Urgência do HDJAD/Parelhas.. ACIDENTES DE TRABALHO LEVES ATENDIDOS NO HDJAD/PARELHAS NO ANO DE 03 POR AGRAVOS Nº de ACIDENTES DE TRABALHO LEVES atendidos no HDJAD/Parelhas no ano de 03 por AGRAVOS FONTE: Boletins de Atendimento do Setor da Urgência do HDJAD/Parelhas Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

28 6 3. CONCLUSÃO Este relatório mostra que a Epidemiologia torna-se importante em todas as unidades de saúde, pois tem a capacidade de oferecer dados de suas realidades sobre o desenvolvimento do processo saúde-doença das populações. Apesar das dificuldades patrocinadas na grande maioria das vezes pela própria equipe que realiza os atendimentos, caracterizada pela falta de registros completos nos prontuários e boletins de atendimentos, prejudicando com isso o levantamento dos dados, conseguimos reunir um número considerável de informações que consta descrito nesse produto, hora apresentado. Percebemos um elevado número de dengue, bem como de diarreias e hepatites virais, essas provenientes da dificuldade do acesso à água potável devido a seca que hora assola a região. Por meio das notificações pudemos mapear a localidade dos casos, percebemos que a mesma é do bairro São Sebastião onde junto com a E.S.F. realizamos trabalhos de educação em saúde na comunidade. Com relação aos óbitos vemos que a faixa etária maior foi de 80 anos e mais. Recomendamos a leitura desse instrumento para que os planejamentos na saúde municipal sejam desenvolvidos sempre dentro de uma realidade vivenciada, economizando-se tempo e recursos e o que é melhor trabalhando sempre em prol de uma saúde preventiva. Agradecemos a colaboração de todos que com seus trabalhos contribuíram para a realização desse material. Carlos Magno de Sousa Cordeiro Diretor do HDJAD/Parelhas Étel Rógere da Silva Coordenador do NVEH/HDJAD/Parelhas Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

29 7 4. ANEXOS FOTO: Curso de Aperfeiçoamento realizado no mês de dezembro de 03 em São Paulo Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

30 Relatório Anual de 03 do NEVH/HDJAD-Parelhas

CASA DE SAÚDE SÃO LUCAS

CASA DE SAÚDE SÃO LUCAS CASA DE SAÚDE SÃO LUCAS RELATÓRIO DAS ATIVIDADES REALIZADAS PELA EQUIPE DO NÚCLEO HOSPITALAR DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA JANEIRO A JUNHO DE 2015 Monaliza Vanessa de Brito Gondim Moura Medeiros Patrícia

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA HOSPITAL DR. JOÃO MACHADO

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA HOSPITAL DR. JOÃO MACHADO GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA HOSPITAL DR. JOÃO MACHADO NÚCLEO HOSPITALAR DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA - NHVE E-mail: nhehjm@hotmail.com Fone: (84) 3232-0857

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

PERFIL DA POPULAÇÃO DE MICRO-ÁREAS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA FELICIDADE DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR

PERFIL DA POPULAÇÃO DE MICRO-ÁREAS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA FELICIDADE DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR PERFIL DA POPULAÇÃO DE MICRO-ÁREAS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA FELICIDADE DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR Ângela Gonçalves da Silva 1 Aline Reche Mendonça 2 Samuel Leandro Santos 3 Adeline Furutani

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº02/2015 SUVIGE/CPS/SESAP/RN. Assunto: Atualização sobre doença não esclarecida com exantema

NOTA TÉCNICA Nº02/2015 SUVIGE/CPS/SESAP/RN. Assunto: Atualização sobre doença não esclarecida com exantema GOVERNO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA COORDENADORIA DE PROMOÇÃO A SAÚDE SUBCOORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Avenida Marechal Deodoro da Fonseca, 730, 5 andar CEP:

Leia mais

INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA EM DOIS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA DE MARINGÁ-PR

INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA EM DOIS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA DE MARINGÁ-PR INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA EM DOIS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA DE MARINGÁ-PR Vitor Key Assada 1 ; Kristoffer Andreas Wendel Ribas 2 ; Willian Augusto de Melo 3 RESUMO: Condições

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES REALIZADAS PELA EQUIPE DO NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR REFERENTE AO PERÍODO DE JANEIRO A MARÇO DE 2014

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES REALIZADAS PELA EQUIPE DO NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR REFERENTE AO PERÍODO DE JANEIRO A MARÇO DE 2014 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE HOSPITAL REGIONAL TARCÍSIO MAIA NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR Rua Projetada, SN Bairro Aeroporto Mossoró/RN CEP 59.600.000

Leia mais

Relato de Experiência: Enfrentamento do Surto de Meningite Viral em Pernambuco pelo Núcleo de Epidemiologia do Hospital Correia Picanço

Relato de Experiência: Enfrentamento do Surto de Meningite Viral em Pernambuco pelo Núcleo de Epidemiologia do Hospital Correia Picanço Relato de Experiência: Enfrentamento do Surto de Meningite Viral em Pernambuco pelo Núcleo de Epidemiologia do Hospital Correia Picanço Autoras: Maria Eulália de Moura Côrte Real, Eliane Guimarães Fortuna,

Leia mais

Revendo Procedimentos. Melanie Aparecida Luiz Vieira Gerente da Unidade de Arrecadação e Cobrança E-mail: melanie@joinville.sc.gov.

Revendo Procedimentos. Melanie Aparecida Luiz Vieira Gerente da Unidade de Arrecadação e Cobrança E-mail: melanie@joinville.sc.gov. Revendo Procedimentos e Evitando Sonegação Melanie Aparecida Luiz Vieira Gerente da Unidade de Arrecadação e Cobrança E-mail: melanie@joinville.sc.gov.br Fone: (47) 3431-3148 3148 / 3431-31553155 Agradecimentos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2014

PROCESSO SELETIVO 2014 PROCESSO SELETIVO 2014 EDITAL N 47/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA: GESTÃO E ATENÇÃO NO SUS - LATO SENSU O Centro de Educação Tecnológica e Pesquisa em Saúde Escola GHC e o Instituto

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná SECRETARIA EXECUTIVA LEI Nº 3.336, DE 30 DE AGOSTO DE 2006 Dispõe sobre a criação de empregos públicos para a execução dos Programas de Saúde da Família e Agentes Comunitários de Saúde. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

PADI. Programa de Atenção domiciliar ao Idoso

PADI. Programa de Atenção domiciliar ao Idoso PADI Programa de Atenção Objetivos do programa Apesar dos benefícios óbvios da internação quando necessária, o paciente idoso afastado da rotina de casa e da família apresenta maior dificuldade de recuperação,

Leia mais

Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR

Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR Comunicações: 1. Vigilância da Coqueluche; 2. Vigilância das Síndromes Respiratórias Agudas Graves; 3. Liberação de tratamento para tuberculose

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Diretriz Promover ações de saúde que contribuam

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

ANO: 02 Nº 01 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTANA DO IPANEMA AL JANEIRO Á JUNHO - 2008

ANO: 02 Nº 01 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTANA DO IPANEMA AL JANEIRO Á JUNHO - 2008 ANO: 02 Nº 01 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTANA DO IPANEMA AL JANEIRO Á JUNHO - 2008 Informe Este informe tem como objetivo fornecer informação semestral sobre a ocorrência de doenças de notificação

Leia mais

Lei Complementar nº. 010/2007 de 01 de novembro de 2007.

Lei Complementar nº. 010/2007 de 01 de novembro de 2007. Lei Complementar nº. 010/2007 de 01 de novembro de 2007. Cria empregos destinados a atender ao Programa de Agentes Comunitários de Saúde PACS; ao Programa da Dengue; ao Programa Primeira Infância Melhor

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO UPA TIPO III - 24 HORAS FONSECA 2013 CONTRATO DE GESTÃO SES/RJ

RELATÓRIO DE GESTÃO UPA TIPO III - 24 HORAS FONSECA 2013 CONTRATO DE GESTÃO SES/RJ RELATÓRIO DE GESTÃO UPA TIPO III - 24 HORAS FONSECA 2013 CONTRATO DE GESTÃO SES/RJ Sumário 1- A instituição 02 2- Indicadores sobre o corpo funcional 05 3- Resultados 2013 06 4- Principais Ações de Gestão

Leia mais

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR Enfª Dda. Verginia Rossato Enfª Danieli Bandeira Santa Maria, 2012 Portaria GM/MS nº 2529, de 23 de novembro de 2004 Institui o Subsistema Nacional de Vigilância

Leia mais

Fluxos para notificação de casos de gestantes positivas para o HIV, crianças expostas, sífilis em gestantes e sífilis congênita

Fluxos para notificação de casos de gestantes positivas para o HIV, crianças expostas, sífilis em gestantes e sífilis congênita Fluxos para notificação de casos de gestantes positivas para o HIV, crianças expostas, sífilis em gestantes e sífilis congênita Em reunião realizada em 02 de junho de 2009 com representantes das dos DAPS,

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões:

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões: SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: o Pronto Socorro Adulto de Taubaté teve seu funcionamento aprovado pela Vigilância Sanitária Estadual. O documento

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE TEMAS DESTE INFORME Entendendo um pouco mais

Leia mais

Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil

Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil Disciplina Data Início Data fim Atividade acadêmica ENTRADA 1 10/03/2014 20/12/2014 17/03/2014 24/03/2014 Gestão criativa e inovadora nas instituições

Leia mais

MA160.MA.77/RT.001 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID

MA160.MA.77/RT.001 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID 3.18.1. Introdução O quadro de saúde da região da área de influência direta do empreendimento traduzido pelas condições

Leia mais

INFORME SOBRE A VIGILÂNCIA DO ÓBITO MATERNO

INFORME SOBRE A VIGILÂNCIA DO ÓBITO MATERNO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE ALAGOAS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA A SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Ano I nº 1 Edição: Trimestral JANEIRO/2011 INFORME SOBRE A VIGILÂNCIA DO ÓBITO MATERNO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM DENGUE NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE DOURADOS/MS Fernanda de Brito Moreira bolsista UEMS 1

AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM DENGUE NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE DOURADOS/MS Fernanda de Brito Moreira bolsista UEMS 1 AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM DENGUE NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE DOURADOS/MS Fernanda de Brito Moreira bolsista UEMS 1 Roberto Dias de Oliveira orientador 2 Cidade Universitária

Leia mais

As tendências do Sistema Único de Saúde FGV 2009 1693 A Cidade de Curitiba 1916 2009 316 anos Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando- se pela

Leia mais

Indicadores hospitalares

Indicadores hospitalares Indicadores hospitalares Núcleo de Informação em Saúde de- NIS Hospital das Clínicas - FMUSP Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP Hospital das Clinicas - FMUSP Complexo hospitalar

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE PROJETO DE AÇÃO: IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DE SAÚDE DO ADOLESCENTE

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE PROJETO DE AÇÃO: IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DE SAÚDE DO ADOLESCENTE GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE PROJETO DE AÇÃO: IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DE SAÚDE DO ADOLESCENTE Curitiba Outubro/2010 DADOS INSTITUCIONAIS SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE: Carlos

Leia mais

QUALIHOSP 2013 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo

QUALIHOSP 2013 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo REDES DE ATENÇÃO EM SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO QUALIHOSP 2013 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo SÃO BERNARDO DO CAMPO É O 5º MUNICÍPIO DO ESTADO DE SP EM POPULAÇÃO E ORÇAMENTO

Leia mais

A N E X O I - E D I T A L 01/2015 A T R I B U I Ç Õ E S E R E Q U I S I T O S D O S C A R G O S C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 002/2015

A N E X O I - E D I T A L 01/2015 A T R I B U I Ç Õ E S E R E Q U I S I T O S D O S C A R G O S C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 002/2015 A N E X O I - E D I T A L 01/2015 A T R I B U I Ç Õ E S E R E Q U I S I T O S D O S C A R G O S C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 002/2015 NÍVEL SUPERIOR CIRURGIÃO DENTISTA BUCO MAXILO FACIAL - CEOCAM Realizar

Leia mais

Caderneta da Gestante

Caderneta da Gestante Caderneta da Gestante * A assistência pré-natal se constitui em cuidados e condutas que visam o bom desenvolvimento da gestação e o parto de um recém-nascido saudável. Entre as ações para qualificação

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS I. IDENTIFICAÇÃO DA OPERADORA Nº de registro da operadora: II. CARACTERIZAÇÃO DA OPERADORA (Aspectos Epidemiológicos)

Leia mais

Nota técnica n.º 24 /2014 Recife, 21 de Agosto de 2014.

Nota técnica n.º 24 /2014 Recife, 21 de Agosto de 2014. Nota técnica n.º 24 /2014 Recife, 21 de Agosto de 2014. Assunto: orientações para ações de vigilância e serviços de saúde de referência para caso suspeito de Doença pelo Vírus Ebola A Secretária Estadual

Leia mais

LEI Nº 728/99 - DE, 19 DE MARÇO DE 1.999. O Prefeito Municipal de Jaciara-MT:

LEI Nº 728/99 - DE, 19 DE MARÇO DE 1.999. O Prefeito Municipal de Jaciara-MT: LEI Nº 728/99 - DE, 19 DE MARÇO DE 1.999. ALTERA A LEI Nº 464 DE 18 DE ABRIL DE 1.991, A LEI Nº 470 DE 03 DE JUNHO DE 1.991 E A LEI Nº 569, DE 02 DE FEVEREIRO DE 1.994, AUTORIZA O EXECUTIVO A FAZER CONTRATAÇÃO

Leia mais

INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO TÍTULO:AVALIAÇÃO DA INCIDÊNCIA DA DENGUE NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO ATRAVÉS DA CONFIRMAÇÃO SOROLÓGICA AUTORES: Cavalcanti, A. C.; Oliveira A. C. S. de; Pires, E. C. ; Lima, L.

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO 1322 PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO Janyelle Silva Mendes¹;Juliana Alves Leite Leal² 1. Graduanda do Curso de Enfermagem,

Leia mais

Rua Antonio Fogaça de Almeida, s/nº - Bairro: Jardim Elza Maria, Jacareí, SP. Fone: (12) 2128-5200 e-mail: ged.jcr@ifsp.edu.br www.ifsp.edu.

Rua Antonio Fogaça de Almeida, s/nº - Bairro: Jardim Elza Maria, Jacareí, SP. Fone: (12) 2128-5200 e-mail: ged.jcr@ifsp.edu.br www.ifsp.edu. Campus JACAREÍ - Curso Técnico em Administração e Técnico JANEIRO: 01 - Dia Mundial da Paz (Confraternização Universal) - Feriado. 02 a 31 - Férias Docentes 22 a 28 - Matrícula - 1ª Chamada FEVEREIRO:

Leia mais

FUNDO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE APARECIDA DE GOIÂNIA APARECIDAPREV

FUNDO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE APARECIDA DE GOIÂNIA APARECIDAPREV 1 FUNDO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE APARECIDA DE GOIÂNIA APARECIDAPREV LUIZ ALBERTO MAGUITO VILELA Prefeito ELI DE FARIA Presidente ANDRE LUIS CARNEIRO Procurador EPITÁCIO BARBOSA DO

Leia mais

ANEXO VI. Senhor Secretário Municipal de Saúde,

ANEXO VI. Senhor Secretário Municipal de Saúde, ANEXO VI Ofício nº 000 /2015. MODELO Goiânia, xx de xxxx de 2015. Senhor Secretário Municipal de Saúde, A par de cumprimentá-lo, servimo-nos do presente para SOLICITAR a V. Exa. informações acerca da atuação,

Leia mais

Doenças Endêmicas Amazônicas no contexto da transmissão vetorial

Doenças Endêmicas Amazônicas no contexto da transmissão vetorial Doenças Endêmicas Amazônicas no contexto da transmissão vetorial Rosemary Costa Pinto Assessora Técnica/ASTEC/FVS rosemary.pinto@gmail.com Secretaria de Estado da Saúde do Amazonas Secretaria de Estado

Leia mais

Pernambuco (62), Santa Catarina (01) e Paraíba (02). O genótipo D8 foi identificado em 50 amostras e o D4 em uma amostra.

Pernambuco (62), Santa Catarina (01) e Paraíba (02). O genótipo D8 foi identificado em 50 amostras e o D4 em uma amostra. ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE GERÊNCIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Informe Epidemiológico Sarampo - Setembro/2013 O sarampo é uma doença altamente transmissível e que pode evoluir

Leia mais

Gestão da dengue no município de Niterói

Gestão da dengue no município de Niterói Gestão da dengue no município de Niterói Fundação Municipal de Saúde de Niterói Veronica Alcoforado de Miranda Coordenação do Núcleo de Educação Permanente e Pesquisa A questão da reemergência da dengue

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015 Brasília, 01 de dezembro de 2015. Área: Área Técnica em Saúde Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti Fonte: Dab/MS/SAS/CNS 1. Em comunicado

Leia mais

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE IDOSO DOENÇAS MAIS COMUNS Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde começam a aparecer, conheça alguns dos mais comuns e saiba como se prevenir: 1 2 DIABETES

Leia mais

e a definição dos procedimentos. Sistema informatizado adequado à metodologia utilizada. Manual de procedimentos elaborado/atualizado.

e a definição dos procedimentos. Sistema informatizado adequado à metodologia utilizada. Manual de procedimentos elaborado/atualizado. ANEXO I CRONOGRAMA DE AÇÕES PARA IMPLEMENT AÇÃO DA CONT ABILIDADE APLICADA AO SET OR PÚBLICO PORTARIA STN n.º 753, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012 I - Reconhecimento,

Leia mais

Informe Técnico SARAMPO nº 5 Sarampo no Estado de São Paulo

Informe Técnico SARAMPO nº 5 Sarampo no Estado de São Paulo GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE POMERODE

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE POMERODE EDITAL DE PROCESSO SELETIVO N.º 002/2013 ANEXO VII DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS E DOS S ATENDENTE EM CONSULTÓRIO DENTÁRIO (ACD) Orientar os pacientes sobre higiene bucal; Marcar consultas; Preencher e anotar

Leia mais

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Organização dos Serviços em Goiânia

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Organização dos Serviços em Goiânia Prefeitura de Goiânia Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação de Doenças e Agravos Transmissíveis Divisão de Informações Estratégicas

Leia mais

Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares

Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem THAÍLA TANCCINI Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares Porto Alegre 2011 2 THAÍLA TANCCINI Relatório de

Leia mais

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação 1) Qual a diferença entre o nível 5 e o nível 6? O que difere os níveis de alerta 5 e 6 é o aumento

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

INSTITUIÇÃO: Universidade Paranaense-UNIPAR ÁREA DE ESCOLHA TEMÁTICA: Saúde

INSTITUIÇÃO: Universidade Paranaense-UNIPAR ÁREA DE ESCOLHA TEMÁTICA: Saúde TÍTULO: PROJETO DE EXTENSÃO CENTRO DE SAÚDE ESCOLA: AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DOS PROGRAMAS ATRAVÉS DA IMPLANTAÇÃO DAS FICHAS DE ATENDIMENTO DO SERVIÇO. AUTORES: Fernanda Francisco Luiz E-mail: fefe.99@bol.com.br;

Leia mais

INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização

INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização Subsecretaria de Vigilância em Saúde VIGILÂNCIA DA DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

Leia mais

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006.

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Prof. Alexandre Vranjac NOTA TÉCNICA 2 Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados

Leia mais

QualiHosp Curso Pré-Congresso

QualiHosp Curso Pré-Congresso QualiHosp Curso Pré-Congresso Desempenho Organizacional Foco: Gestão do Desempenho da Gestão de Pessoas Reflexões teóricas e o nosso caminho no HSL... Questão-chave: Como avaliar o desempenho da gestão

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE INDEPENDÊNCIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE INDEPENDÊNCIA EDITAL N. 107/2013, DE 22 DE AGOSTO DE 2013. Edital de Processo Seletivo Simplificado para contratação por prazo determinado. O Prefeito Municipal de Independência - RS, no uso de suas atribuições, visando

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

Políticas para a Primeira Infância e os Planos Municipais de Educação

Políticas para a Primeira Infância e os Planos Municipais de Educação Encontro COPEDUC Políticas para a Primeira Infância e os Planos Municipais de Educação Porto Alegre/RS 18 de março de 2015 Planejando a Próxima Década EMENDA CONSTITUCIONAL 59/2009 Artigo 214 Plano Nacional

Leia mais

HOSPITAL DE DOENÇAS TROPICAIS DR. ANUAR AUAD. Thais Yoshida Coordenadora do SVS Serviço de Vigilância em Saúde NISPGR/SVS/HDT/HAA

HOSPITAL DE DOENÇAS TROPICAIS DR. ANUAR AUAD. Thais Yoshida Coordenadora do SVS Serviço de Vigilância em Saúde NISPGR/SVS/HDT/HAA HOSPITAL DE DOENÇAS TROPICAIS DR. ANUAR AUAD Thais Yoshida Coordenadora do SVS Serviço de Vigilância em Saúde NISPGR/SVS/HDT/HAA HISTÓRIA varíola Difteria sarampo Poliomielite tétano Meningite Febre tifóide

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES 0 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES Vivenciando a Saúde Comunitária na Unidade Básica de Saúde Glória Porto Alegre 2011 1 FERNANDA ARAUJO RODRIGUES

Leia mais

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) PERFIL BÁSICO MUNICIPAL Fortaleza-CE 2009 Apresentação O Instituto

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS 10.03.002 1/09 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos e disciplinar o processo para realização de exames laboratoriais no Hospital de Clínicas - HC. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todas as unidades do HC, em

Leia mais

CÓLERA CID 10: A 00.9

CÓLERA CID 10: A 00.9 SUPERINTENDENCIA DE VIGILANCIA PROMOÇÃO E PREVENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE VIGILANCIA EPIDEMIOLOGICA DAS DOENÇAS TRANSMISSIVEIS E NÃO TRANSMISSIVEIS GERÊNCIA DE DOENÇAS TRANSMISSIVEIS ÁREA DE ASSESSORAMENTO

Leia mais

Violência: Uma epidemia silenciosa

Violência: Uma epidemia silenciosa RODA DE DISCUSSÃO: Violência: Uma epidemia silenciosa Brasília, 06 de agosto de 2008 Nereu Henrique Mansano nereu.mansano@conass.org.br O IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE: O IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE:

Leia mais

FLUXO PARA ACOMPANHAMENTO, ENCERRAMENTO E DIGITAÇÃO DOS CASOS DE DENGUE

FLUXO PARA ACOMPANHAMENTO, ENCERRAMENTO E DIGITAÇÃO DOS CASOS DE DENGUE Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto Estado do Rio de Janeiro ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto Estado do Rio de Janeiro ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS GARI DESCRIÇÃO SUMÁRIA Compreende os cargos que tem como atribuições varrer e limpar ruas e logradouros públicos e coletar o lixo acumulado em sarjetas, caixas de ralos

Leia mais

Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 10/11/2015. Com horário ampliado, UBS Áugias Gadelha é reinaugurada, na zona Norte

Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 10/11/2015. Com horário ampliado, UBS Áugias Gadelha é reinaugurada, na zona Norte Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 10/11/2015 Portal Rede Tiradentes Saúde 10 de Novembro de 2015. Fonte: http://www.redetiradentes.com.br/com-horario-ampliado-ubsaugias-gadelha-e-reinaugurada-na-zona-norte/#.vkhlelertcc

Leia mais

COMISSÃO INTERGESTORES REGIONAIS - CIR OESTE II

COMISSÃO INTERGESTORES REGIONAIS - CIR OESTE II Ata da 9ª Reunião Ordinária da Comissão Intergestores Regional CIR Oeste II, realizada no dia 05 de novembro de 2014, no CRAS sito na Av. Goiás s/nº Setor Centro - na cidade de Aurilândia. Contou com os

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

Francisco Paz 09/12/2015

Francisco Paz 09/12/2015 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado de Saúde DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: DESAFIOS PARA A GESTÃO Plano de Intensificação do combate ao Aedes aegypti Francisco Paz 09/12/2015 Ações estaduais

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL

PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL COLATINA 2011 ÍNDICE 1) INTRODUÇÃO 2) DESCRIÇÃO DA CLIENTELA 3) OBJETIVOS 4) CARGA HORÁRIA 5) DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 6) CRONOGRAMA 7) PREVISÃO

Leia mais

Dengue, Chikungunya e Zika

Dengue, Chikungunya e Zika SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DA PARAÍBA GERENCIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Dengue, Chikungunya e Zika Nº 01/2016 Situação epidemiológica De 01 a 25 de janeiro de 2016 ( 4ª* semana epidemiológica

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar Histórico 2005: Início dos trabalhos com financiamento da prefeitura municipal de Cascavel. 2008: ampliação dos serviços para 2 equipes de

Leia mais

INDICADORES SOCIOAMBIENTAIS E SAÚDE NO MUNICÍPIO DE TEFÉ- AM

INDICADORES SOCIOAMBIENTAIS E SAÚDE NO MUNICÍPIO DE TEFÉ- AM INDICADORES SOCIOAMBIENTAIS E SAÚDE NO MUNICÍPIO DE TEFÉ- AM Rodrigo de Oliveira Silva Graduando em Geografia Bolsista de iniciação científica rodrigo_geo13@hotmail.com CEST/UEA Natacha Cíntia Regina Aleixo

Leia mais

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA O ESTADO

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA O ESTADO 1º CURSO DE CONTROLE DA RAIVA SILVESTRE (D. rotundus) ) NO BRASIL ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA O ESTADO Med Vet Vladimir de Souza Nogueira Filho Coordenadoria de Defesa Agropecuária ria vnogueira@cda.sp.gov.br

Leia mais

Instrumento de Monitoramento da Vigilância do Óbito MIF/Materno, Infantil e Fetal 2013. DIRES: Microrregião: Macrorregião:

Instrumento de Monitoramento da Vigilância do Óbito MIF/Materno, Infantil e Fetal 2013. DIRES: Microrregião: Macrorregião: GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Instrumento de Monitoramento da Vigilância do Óbito MIF/Materno, Infantil e Fetal 2013 Município: População: DIRES: Microrregião: Macrorregião:

Leia mais

Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva Sociedade Cultural e Educacional de Itapeva CALENDÁRIO ESCOLAR OFICIAL - 1º e 2º SEMESTRE 2016

Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva Sociedade Cultural e Educacional de Itapeva CALENDÁRIO ESCOLAR OFICIAL - 1º e 2º SEMESTRE 2016 Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva Sociedade Cultural e Educacional de Itapeva CALENDÁRIO ESCOLAR OFICIAL - 1º e 2º SEMESTRE 2016 MÊS Jan Fev D S T Q Q S S DIAS LETIVOS JANEIRO 01 02 01

Leia mais

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais Flávio Bitter outubro 2015 Destaques Presença Nacional Beneficiários (Mil) Operadora líder no mercado brasileiro de Saúde suplementar,

Leia mais

CAMINHOS DA HUMANIZAÇÃO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

CAMINHOS DA HUMANIZAÇÃO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CAMINHOS DA HUMANIZAÇÃO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO Dalas Cristina Miglioranza 1 Maria Lucia Frizon Rizzotto Manoela de Carvalho RESUMO: O hospital, caracteriza-se como uma instituição complexa que participa

Leia mais

VIDEIRA 30/9/2011 14/12/2012 495 35 19 0 0 11 5 0 0 16/3/2013 21/3/2015 495 35 29 0 0 0 5 2 0 TOTAIS 70 48 0 0 11 10 2 0 DESENVOLVIMENTO WEB

VIDEIRA 30/9/2011 14/12/2012 495 35 19 0 0 11 5 0 0 16/3/2013 21/3/2015 495 35 29 0 0 0 5 2 0 TOTAIS 70 48 0 0 11 10 2 0 DESENVOLVIMENTO WEB Legenda: Pós-Graduação DESENVOLVIMENTO RURAL E AGRONEGÓCIOS EC = Em Curso TR = Trancados I = Integralizado em fase escolar (alunos estagiários) C = Concluído E = Evadido D = Desligado T = Transferido (Externo)

Leia mais

COMUNICADO SDG Nº 02/2013

COMUNICADO SDG Nº 02/2013 COMUNICADO SDG Nº 02/2013 O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo divulga aos órgãos jurisdicionados da área municipal o calendário de obrigações para 2013 necessárias ao atendimento das exigências

Leia mais

6. A SVS/MS agradece a todas as Instituições que enviaram suas propostas. Instituição proponente. Universidade Federal do Rio de Janeiro

6. A SVS/MS agradece a todas as Instituições que enviaram suas propostas. Instituição proponente. Universidade Federal do Rio de Janeiro A Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS/MS) torna público o resultado da análise das propostas e projetos submetidos ao Chamamento Público nº 05/2014 Iniciativas Educacionais Aplicadas

Leia mais

CAMPANHA DE DIABETES E HIPERTENSÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO. Secretaria da Área da Saúde

CAMPANHA DE DIABETES E HIPERTENSÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO. Secretaria da Área da Saúde CAMPANHA DE DIABETES E HIPERTENSÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Secretaria da Área da Saúde Anita Salvadori Randi Mestre em Enfermagem Maria Socorro Feitosa Borsio Mestre em Enfermagem Ana Rita

Leia mais

MAPEAMENTO DAS DOENÇAS EPIDÊMICAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA PARA O MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ES

MAPEAMENTO DAS DOENÇAS EPIDÊMICAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA PARA O MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Humanas e Naturais CCHN Departamento de Geografia DEFESA DE MONOGRAFIA MAPEAMENTO DAS DOENÇAS EPIDÊMICAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA PARA O MUNICÍPIO

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

Integração das ações da ESF/EACS. Hanseníase e Tuberculose no município de Palmas- TO. Palmas-TO

Integração das ações da ESF/EACS. Hanseníase e Tuberculose no município de Palmas- TO. Palmas-TO Integração das ações da ESF/EACS e da Vigilância no controle da Hanseníase e Tuberculose no município de Palmas- TO. Palmas-TO Autores: Milena Aires de Oliveira Coordenação ESF/EACS Maria do Socorro Rocha

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

Leia mais

MÃES MULHERES ENCARCERADAS: A PENA É DUPLICADA

MÃES MULHERES ENCARCERADAS: A PENA É DUPLICADA MÃES MULHERES ENCARCERADAS: A PENA É DUPLICADA Eveline Franco da Silva O Sistema Penitenciário Nacional apresentou uma população carcerária em 2010 de 496.251 indivíduos. (1) Os estados brasileiros que

Leia mais

O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições,

O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, PORTARIA Nº 160, DE 1º DE MARÇO DE 2012 Legislações - SAS Sex, 02 de Março de 2012 00:00 PORTARIA Nº 160, DE 1º DE MARÇO DE 2012 Estabelece normas para o cadastramento, no SCNES, das equipes que farão

Leia mais

O papel da Unidade Básica de Saúde como agente de inclusão social de imigrantes bolivianos em uma região da Cidade de São Paulo

O papel da Unidade Básica de Saúde como agente de inclusão social de imigrantes bolivianos em uma região da Cidade de São Paulo O papel da Unidade Básica de Saúde como agente de inclusão social de imigrantes bolivianos em uma região da Cidade de São Paulo Autores: Leite, Fábio Bellucci; Ferreira, Thiago Nogueira Martins; Hora,

Leia mais

OFICINA: INOVAÇÃO INSTRUMENTAL NO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SARGSUS - MÓDULO DO RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR

OFICINA: INOVAÇÃO INSTRUMENTAL NO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SARGSUS - MÓDULO DO RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR XXIX Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde OFICINA: INOVAÇÃO INSTRUMENTAL NO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SARGSUS - MÓDULO DO RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR Brasília,

Leia mais