Extração de Minúcias em Imagens de Impressões Digitais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Extração de Minúcias em Imagens de Impressões Digitais"

Transcrição

1 Extração de Minúcias em Imagens de Impressões Digitais CASADO, Ricardo S.; PAIVA, Maria S. V. de Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo Resumo O trabalho apresenta métodos para a extração de minúcias em imagens de impressões digitais. O objetivo foi desenvolver um sistema semi-automático para extração de minúcias para auxiliar especialistas na tarefa de identificação de indivíduos, onde o sistema executa as seguintes etapas: pré-processamento das imagens com o objetivo de aumentar a discriminação visual das mesmas. Etapa de afinamento e marcação das minúcias nas imagens. E por último é realizada a etapa de pósprocessamento, que visa eliminar as falsas minúcias encontradas pelo sistema. Porém é um sistema semiautomático onde ainda será necessária a intervenção de um especialista para o reconhecimento do indivíduo através da imagem. 1. Introdução A biometria tem se tornado um tópico cada vez mais importante, em face das crescentes necessidades de proteção e segurança no mundo hodierno. Ela é definida como a(s) característica(s) ou métrica(s) que identifica(m) de forma única o indivíduo [1]. As impressões digitais vêm ao longo destes anos demonstrando maior confiabilidade no que se diz respeito à identificação de indivíduos. Utilizada nos tribunais de justiça como provas criminalísticas esta é, portanto junto com a assinatura a técnica biométrica mais aceita no mundo inteiro. As impressões digitais são formadas nos primeiros meses de gestação, onde cada um tem sua própria impressão digital, e pode ser observado que até mesmo gêmeos idênticos possuem os desenhos que formam a geometria da impressão digital diferente por existir variações no fluxo amniótico e cada um estar inserido em um micro ambiente diferente dentro do útero [2]. No trabalho primeiro são executados algoritmos de pré-processamento. Já na etapa de extração das minúcias é realizado o trabalho de afinamento das cristas papilares e depois a marcação das minúcias. A etapa final é a de pós-processamento, onde é realizada a remoção de falsas minúcias encontradas pelo sistema. Existem vários sistemas de detecção de minúcias em impressões digitais, na qual a maioria deles realiza o processo de classificação e verificação, estes por sua vez são conhecidos como sistemas automáticos. Já o sistema apresentado trabalha apenas com a detecção de minúcias, porém é conhecido como um sistema semi-automático. Onde em uma imagem de impressão digital pode-se observar vários tipos delas como as apresentadas na figura de número 1.1. Fig. 1.1 Amostra de várias minúcias. Estas minúcias podem se restringir a apenas dois grupos, as terminações e as bifurcações. Na qual já é possível diferenciar um indivíduo do outro. Geralmente em uma imagem de impressão digital de boa qualidade é possível observar de 40 a 100 minúcias [3]. No sistema desenvolvido foram utilizados para testes imagens do DB2 e do DB4 encontradas no site FVC2004 (Fingerprint Verification Competition) [4]. As imagens encontradas no DB2 foram obtidas através de um sensor óptico e as encontradas no DB4 foram geradas pelo SFinGe (Synthetic Fingerpring Generation). Fig. 1.2 Amostras das imagens capturadas pelos sensores. 2. Etapa de pré-processamento As imagens de impressões digitais são préprocessadas com o intuito de reduzir as distorções e

2 aumentar a discriminação visual entre os objetos contidos na imagem. Pois desde que as imagens são obtidas através de sensores podem apresentar deformações se comparadas com a digital original do indivíduo. 2.1 Espalhamento de contraste O espalhamento de contraste é utilizado, pois em imagens de má qualidade apresentam deficiência no contraste que podem gerar configurações de pixels similares ou ignorar minúcias verdadeiras. Este processo consiste em calcular para cada pixel um valor médio de intensidade em uma vizinhança de 5x5. Se o valor do pixel for menor que a média do bloco considerado, então o pixel de interesse receberá o valor zero; caso contrário o pixel receberá seu valor original [5]. Onde B(i, é a imagem binária resultante, O(i, é a imagem de entrada, ou seja, a imagem original, T é o nível de threshold utilizado para realizar a binarização da imagem, N são as linhas e M as colunas da imagem. O threshold adaptável é utilizado, pois o valor do nível de cinza é diferente em cada parte da imagem. Por isso é necessária a utilização de pequenos blocos para percorrer a imagem e realizar a binarização. Então o threshold é calculado para cada bloco da imagem usando o valor médio de cinza como valor de nível de threshold [7]. 2.3 Imagem direcional Fig. 2.2 Imagem binarizada. Fig. 2.1 Imagem original e imagem equalizada. 2.2 Binarização A binarização das imagens é de grande uso e de destacada importância quando são usadas imagens digitalizadas de impressões digitais. Uma vez que uma impressão digital deve possuir apenas duas tonalidades, a cor do fundo e a cor do desenho. Então a binarização é transformar a imagem original de 8 bits em uma imagem de 1 bit, ou seja, a binarização consiste em transformar uma imagem em tons de cinza em uma imagem preto e branco e esta operação é referida na literatura como threshold [6]. Um método de threshold adaptável é executado para binarizar a imagem que contém a impressão digital. Neste método verificam-se os valores de intensidade dos pixels com um determinado valor chamado de nível de threshold. Se o pixel de interesse tem valor menor que o nível de threshold utilizado, então o pixel receberá o valor zero, caso contrário este receberá o valor um. Esta operação pode ser expressa pela seguinte expressão: (1) B(i, = 0 se O(i, < T B(i, = 1se O(i, >= T (i = 1, 2,..., N; j = 1, 2,..., M) A maior parte dos trabalhos de extração de minúcias utilizam a imagem direcional, pois através dela obtêm-se informações contidas nos padrões de impressões digitais que podem ser seguramente calculadas em imagens ruidosas [8]. A imagem direcional na verdade tem grande importância durante o processo de extração das características globais (núcleo e delta) da imagem para um posterior processo de classificação desta dentre os cinco padrões adotados pelo NIST (National Institute of Standards and Technology) que são: Arco angular, arco plano, presilha interna, presilha externa e verticilo, na qual depois de localizada à qual classe pertence tal imagem o processo torna-se mais rápido, pois não é preciso procurar a imagem entre todas as outras no banco de dados. Ela também é importante durante o processo de reconhecimento do indivíduo, onde é criado um vetor de características contendo a localização da minúcia, seu tipo e orientação. A princípio o objetivo era desenvolver um sistema automático que realizasse a detecção de minúcias, das características globais, classificação e reconhecimento. E como a técnica para o cálculo da imagem direcional já havia sido pesquisada, foi interessante mantê-la no trabalho para estas futuras tarefas. O fluxo direcional das cristas papilares que formam as impressões digitais pode ser estimado através de suas texturas. Assim o campo de orientação forma uma matriz de direções representando as cristas e os vales (espaço entre as cristas) para cada localização na imagem, este

3 método é bastante utilizado em sistemas de identificação e autenticação de impressões digitais [9]. Para estimar o fluxo da orientação local das cristas papilares é necessário utilizar um bloco de estimação para cada bloco da imagem que contém a impressão digital com tamanho de WxW (W tem 16 pixels por padrão). Calculam-se os valores dos gradientes na direção x e y para cada pixel através de uma máscara de sobel 3x3. E a fórmula para realizar o cálculo da orientação do vetor gradiente é apresentada abaixo. Gy (2) α( x, y) = arctan Gx Os operadores morfológicos são utilizados aqui para determinar a região de interesse que na verdade é apenas a região em que se encontram as informações importantes da impressão digital, ou seja, o algoritmo de detecção de minúcias só irá percorrer a área em cinza apresentada na figura 2.4 ignorando as outras regiões. Nesta etapa são utilizados dois operadores morfológicos chamados de operação OPEN e CLOSE, ambos encontrados na toolbox de morfologia matemática do software Matlab (bwmorph). A operação OPEN é capaz expandir a imagem e remover pontos introduzidos por ruídos existentes no fundo da imagem. Já a operação CLOSE é capaz de contrair a imagem e eliminar pequenas cavidades existentes na mesma. Para estimar a direção das cristas papilares basta calcular os valores do vetor gradiente que foram computados juntamente com os valores dos cos-senos e dos senos dos ângulos formados entre as cristas papilares e os eixos x e y. (3) 1 θ ( x, y) = arctan 2 sin 2α W cos 2α W E então o processo é finalizado com a estimação da direção de cada bloco, aqueles blocos sem informações significantes das cristas papilares e dos vales da imagem que contêm a impressão digital são descartados baseados na seguinte fórmula: (4) 2 2 {2 ( Gx* Gy) + 2 ( Gx Gy )} E = 2 2 W * W * ( Gx + Gy ) Se o nível de E é menor que o nível de threshold, então o bloco é estimado como se fosse o fundo da imagem. Fig. 2.3 Direção estimada do fluxo das cristas papilares. 2.4 Região de interesse (ROI) Fig. 2.4 Região de interesse (área cinza). 3. Etapa de extração das minúcias Nesta etapa serão apresentados métodos de afinamento das cristas papilares da impressão digital contida na imagem (thinning). Após a operação de afinamento são utilizadas técnicas para remover pontos isolados e reentrâncias existentes entre as cristas papilares. E por fim é realizada a operação de extração das minúcias encontradas na impressão digital, ou seja, as terminações e as bifurcações. 3.1 Afinamento ou thinning O thinning também conhecido como afinamento das cristas papilares é uma técnica que pode ser utilizada para remover pontos isolados no fundo da imagem e ângulos retos ao longo de bordas dos objetos [10]. O algoritmo de afinamento é um casamento de máscaras (blocos) que percorrem a imagem verificando se um pixel faz ou não parte das cristas papilares que compõem a impressão digital. O afinamento é definido em termos da transformada hit or miss, que no caso é o casamento das máscaras. Em geral os algoritmos de afinamento consomem muito tempo em específico para impressões digitais, pois a varredura da imagem é feita linha a linha, examinando a vizinhança e verificando quando um pixel pode ou não ser apagado [11].

4 O algoritmo de afinamento é executado até que as cristas papilares da imagem atinjam a espessura de um pixel, normalmente estes algoritmos necessitam de 20 a 30 passos para afinar as cristas em uma imagem de impressão digital. E, portanto para otimizar este processo é necessário conhecer o processo de thinning. O afinamento é realizado através de pares de elementos estruturantes, porém é sugerido na literatura que estas operações podem ser efetuadas de forma simétrica a partir de uma família de elementos estruturantes, que é uma seqüência de rotações de um determinado elemento [13]. Quando um pixel é apagado, ou seja, seu valor muda de um para zero, a imagem é dita transformada. Um número total de pixels apagados em um passo constitui um número total de mudanças neste passo. O afinamento pode ser dado como completo quando o número de mudanças na imagem converge para zero, ou seja, quando não ocorrem mais mudanças [12]. Fig. 3.3 Pixel central e seus respectivos vizinhos. Observa-se a seguinte condição para realizar a remoção de pontos indesejáveis, ou seja, que não fazem parte das cristas papilares (ruídos). Primeiramente, define-se o pixel de interesse P (i, localizado no centro da máscara ou bloco que irá percorrer a imagem linha a linha. Se os pixels (i,, (i + 1, j + 1) e (i 1, j + 1) possuírem valor um, então os pixels (i + 1,, (i, j + 1) e (i - 1, receberão o valor zero (Figura 5.10). Desta forma é possível obter uma imagem filtrada do esqueleto que forma a impressão digital. Fig. 3.4 Máscara de remoção de reentrâncias. Fig. 3.1 Família de elementos estruturantes. Os símbolos ativos são representados pelo número zero e os representados pela letra x são os pixels que não interagem com a imagem. Já para a remoção de pontos existentes no fundo da imagem, ou seja, totalmente desconexos das cristas que formam a impressão digital é utilizado também como anteriormente uma um bloco de dimensões 3x3, porém se todos os pixels vizinhos ao pixel central possuírem valor zero e apenas o pixel central possuir valor um, então ele é transformado em zero também, passando a fazer parte do fundo da imagem. Fig. 3.5 Máscara de remoção de pontos. Fig. 3.2 Afinamento. 3.2 Filtro de remoção de ruídos Considerando as características essenciais mencionadas no algoritmo de afinamento, pretende-se remover os pixels que contornam as cristas papilares que formam a impressão digital, exceto aqueles que compõem estas cristas, de forma iterativa. Por exemplo, o pixel P(i, para ser removido deve ter alguns relacionamentos especiais em relação a seus vizinhos. Fig. 3.6 Remoção de ruídos. 3.3 Detecção de minúcias Depois de executar o algoritmo de afinamento das cristas papilares na imagem de impressão digital o

5 processo de extração das minúcias se torna relativamente fácil, pois depois das cristas serem afinadas estas passarão a ter uma espessura de um pixel o que torna possível que seja utilizado um bloco 3x3 (pequeno) para varrer a imagem em busca das minúcias. Porém a extração das minúcias não é uma tarefa trivial como apresentado em muitas literaturas porque por menor que seja pode haver um caso que necessite de cuidados especiais durante o estágio de marcação destas. O algoritmo para marcação das supostas minúcias dáse através do processo, onde um bloco ou máscara de dimensão 3x3 percorrerá a imagem linha a linha para detectar terminações e bifurcações nas cristas papilares. Por exemplo, se o pixel central tem valor um e também mais três vizinhos com valor um, então este local será marcado como uma minúcia do tipo bifurcação. Agora se o pixel central possuir valor um e apenas um de seus pixels vizinhos também possuir valor um, então o local será marcado como uma minúcia do tipo terminação. Fig. 3.7 Bifurcação e Terminação. Fig. 3.8 Marcação das minúcias. 4. Etapa de pós-processamento A etapa de pré-processamento não recupera completamente a imagem da impressão digital. Todas as etapas anteriores ocasionalmente introduzem algum tipo de ruído na imagem que posteriormente influenciam na detecção das minúcias. Por isso é necessário que haja um processo de remoção de falsas minúcias. 4.1 Remoção de falsas minúcias As falsas minúcias afetam significativamente na precisão do processo que vem logo a seguir, que é o de verificação e comparação das minúcias para uma suposta identificação. Pois o sistema irá realizar comparações com pontos que na verdade não são as minúcias reais que diferenciam um indivíduo do outro, ocasionando assim uma falsa identificação. Portanto alguns mecanismos para remover as falsas minúcias são necessários para manter um sistema de verificação de impressões digitais estável. No diagrama abaixo são especificados seis tipos de falsas minúcias que ocorrem em uma imagem de impressão digital. (a) (b) (c) (d) (e) (f) Fig. 4.1 Estrutura de falsas minúcias. Em (a) temos um caso de quebra encontrado na crista papilar, já em (b) uma ponte que conecta duas cristas, no caso (c) ocorre um pequeno segmento de crista no vale também conhecido como ilhota, em (d) ocorre um caso conhecido como lago que é o encontro de duas bifurcações existentes na mesma crista papilar criando um espaço entre ela, em (e) pode-se observar uma espúria que é uma pequena ramificação encontrada na crista e por último em (f) nota-se uma ocorrência de pontos isolados encontrados entre as cristas papilares. O processo para remoção de falsas minúcias é o seguinte: I Se duas terminações estão dentro de um mesmo bloco com distância D e suas direções são coincidentes com uma pequena variação angular, então é imposta a condição de que não há nenhuma terminação entre as duas terminações que foram marcadas como minúcias, pois é considerado que houve uma quebra na crista (caso a). II Se a distancia entre duas bifurcações é menor que D e elas estão na mesma crista, é removida as duas bifurcações (casos b e d). III Se duas terminações se encontram em uma distância menor que a especificada em D, é removido as duas terminações (caso c). IV Se a distância entre uma bifurcação e uma terminação é menor que D e as duas minúcias se encontram na mesma crista são removidas ambas as minúcias (caso e). V Se por algum motivo ainda existirem pontos isolados entre as cristas papilares e estes não tiverem nenhum vizinho dentro da distância especificada, esta minúcia também será removida.

6 5. Testes Fig. 4.2 Remoção de falsas minúcias. Os testes foram realizados em um micro-computador AMD Athlon com 2GB de memória RAM. E foram utilizadas 50 imagens obtidas por um sensor óptico e 50 obtidas através do SFinGe (Synthetic Fingerprint Generator), que gera imagens de impressões digitais sintéticas. Os resultados foram satisfatórios, visto que segundo [14] em uma digital contendo, entre 36 a 46 minúcias em média, 15 já são suficientes para realizar uma identificação correta. Analisando-se 10 imagens de cada banco de dados nas quais foram realizados os testes e em todas foram detectadas de 42 a 80 minúcias, e uma média de 18 minúcias detectadas corretamente. O que se enquadra nas estatísticas citadas acima. Porém ainda é um número muito alto de falsas minúcias, o que incentivou mais pesquisas relacionadas a filtragem no domínio da freqüência com filtros passabaixas e passa-altas que estão sendo pesquisados para serem aplicados e agrupados ao projeto final. 6. Conclusões O sistema apresentado atinge o objetivo que é o de detecção de minúcias nas imagens de impressões digitais, porém ainda está em fase de aperfeiçoamento. Mesmo assim apresenta várias técnicas de processamento de imagens que são relevantes para as etapas de detecção e marcação das minúcias. Na etapa de pós-processamento são definidos seis tipos de falsas minúcias que podem ser detectadas pelo algoritmo e posteriormente removidas o que torna o sistema mais robusto. Referências IEEE Transactions on Pattern Analysis and Machine Intelligence, vol. 20, nº 8, pp , [4] The Third International Fingerprint Verification Competition. Disponível em: < Acesso em: 06 Dez [5] HONG, L.; JAIN, A. K.; PANKANTI, S.; BOLLE, R. Fingerprint Enhancement. Proc. Third IEEE Workshop on Applications of Computer Vision, pp , [6] RATHA, N. K.; CHEN, S.; JAIN, A. K. Adaptative Flow Orientation Based Feature Extraction in Fingerprint Images. Pattern Recognition, vol. 28, nº 11, pp , [7] FARINA, A.; KOVÁCS-VAJNA, Z. M.; LEONE, A. Fingerprint minutiae extraction from skeletonized binary images. Pattern Recognition, 32, pp , [8] CAPPELLI, R.; LUMINI, A.; MAIO, D.; MALTONI, D. "Fingerprint Classification by Directional Image Partitioning". IEEE Transactions on Pattern Analysis and Machine Intelligence, vol. 21, nº 5, pp , [9] ZHANG, Q.; HUANG, K.; HONG, Y. Fingerprint Classification Based on Extraction and Analysis of Singularities and Pseudoridges. School of Electrical and Information Engineering University of Sydney, NSW 2006, Australia. [10] MEHTRE, B. M. "Fingerprint Image Analysis for Automatic Identification". Machine Vision and Aplicattions, vol. 6, n º 2. 3, pp , [11] CHONG, M. S.; GAY, R. K. L.; TAN, H. N.; LIU, J. Automatic Representation of Fingerprints for Data Compression by B-Spline Functions. Pattern Recognition, vol. 25, nº 10, pp , [12] VERMA, M. R.; MAJUNDAR, A. K.; CHATTERJEE, B. Edge Detection in Fingerprints. Pattern Recognition, vol. 20, nº 5, pp , [13] GONZALEZ, R. C.; WOODS, R. E. Digital Image Processing. Addison Wesley Publishing Company, [14] PRABHAKAR, S. Fingerprint Classification and Matching Using a Filterbank. PhD Thesis, Michigan State University, [1] LIU, S.; SILVERMAN, M. A Practical Guide to Biometric Security Technology. IT Pro, [S.l.], pp , January/February, [2] PRABHAKAR, S. Fingerprint Classification and Matching Using a Filterbank. PhD Thesis, Michigan State University, [3] HONG, L.; JAIN, A. K. Fingerprint Image Enhencement: Algorithm and Performance Evaluation

Etapas de pré-processamento de imagens nas técnicas de reconhecimento biométricas por digitais

Etapas de pré-processamento de imagens nas técnicas de reconhecimento biométricas por digitais Etapas de pré-processamento de imagens nas técnicas de reconhecimento biométricas por digitais Cassiana da Silva Bonato 1, Roberto Mendes Finzi Neto 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Sistema de Reconhecimento de Impressões Digitais. Resumo

Sistema de Reconhecimento de Impressões Digitais. Resumo Sistema de Reconhecimento de Impressões Digitais Álvaro N. Prestes Relatório Técnico, Introdução ao Processamento de Imagens Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - PESC/COPPE Universidade Federal

Leia mais

[Fingerprint Recognition]

[Fingerprint Recognition] Mestrado em Engenharia de Segurança Informática Tecnologias Biométricas Pedro Santos santos.pmcm@gmail.com 12065 Filipe Vieira fil.vieira@gmail.com 12049 Rui Pereira ruipereira.eng@gmail.com 12061 Docente

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE MARCADORES DE PAVIMENTAÇÃO NA ORIENTAÇÃO DE CEGOS

IDENTIFICAÇÃO DE MARCADORES DE PAVIMENTAÇÃO NA ORIENTAÇÃO DE CEGOS IDENTIFICAÇÃO DE MARCADORES DE PAVIMENTAÇÃO NA ORIENTAÇÃO DE CEGOS André Zuconelli¹, Manassés Ribeiro² Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense - Campus Videira Rodovia SC, Km 5

Leia mais

Uma Metodologia de Identificação de Imagens de Impressões Digitais pelo Filtro de Gabor

Uma Metodologia de Identificação de Imagens de Impressões Digitais pelo Filtro de Gabor IEEE LATIN AMERICA TRANSACTIONS, VOL. 4, NO. 1, MARCH 2006 1 Uma Metodologia de Identificação de Imagens de Impressões Digitais pelo Filtro de Gabor Sanderson L. Gonzaga de Oliveira e Joaquim Teixeira

Leia mais

Verificação de Impressões Digitais usando Algoritmos Genéticos

Verificação de Impressões Digitais usando Algoritmos Genéticos 1. Introdução Verificação de Impressões Digitais usando Algoritmos Genéticos Matheus Giovanni Pires, Fernando Vieira Duarte, Adilson Gonzaga Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

Sistemas Automáticos de Identificação de Impressões Digitais Fingerprint Automatic Identification Systems

Sistemas Automáticos de Identificação de Impressões Digitais Fingerprint Automatic Identification Systems Sistemas Automáticos de Identificação de Impressões Digitais Fingerprint Automatic Identification Systems Raimundo Cláudio da Silva Vasconcelos 1, FATEC Resumo Este trabalho trata do uso das impressões

Leia mais

Segmentação de Imagens

Segmentação de Imagens Segmentação de Imagens (Processamento Digital de Imagens) 1 / 36 Fundamentos A segmentação subdivide uma imagem em regiões ou objetos que a compõem; nível de detalhe depende do problema segmentação para

Leia mais

Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching"

Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching" 1 Com suas palavras explique o que é Reconhecimento de Padrões- RP. Quais são os fases clássicas que compõem

Leia mais

Análise e Comparação de Métodos de Pré-processamento de Imagens e Extração de Características em Impressões Digitais

Análise e Comparação de Métodos de Pré-processamento de Imagens e Extração de Características em Impressões Digitais Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Análise e Comparação de Métodos de Pré-processamento de Imagens e Extração

Leia mais

de Bordas em Imagens Digitais

de Bordas em Imagens Digitais Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Avaliação Quantitativa de um Método Automático de Extração de Bordas em Imagens Digitais Inês A. Gasparotto Boaventura Departamento de Ciências de Computação e Estatística,

Leia mais

Identificação Humana Através de Biometria

Identificação Humana Através de Biometria Identificação Humana Através de Biometria por Marco César Chaul, CBP. Diretor de Tecnologias Neokoros - Brasil CBP Certified Biometric Professional. Fundamentos da Biometria Definição de Biometria Termo

Leia mais

4 Avaliação Experimental

4 Avaliação Experimental 4 Avaliação Experimental Este capítulo apresenta uma avaliação experimental dos métodos e técnicas aplicados neste trabalho. Base para esta avaliação foi o protótipo descrito no capítulo anterior. Dentre

Leia mais

Detecção em tempo real de movimentos de olhos e boca em um vídeo em cores

Detecção em tempo real de movimentos de olhos e boca em um vídeo em cores Detecção em tempo real de movimentos de olhos e boca em um vídeo em cores Daniel Ponciano dos Santos Barboza, Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - PESC/COPPE Universidade Federal do Rio de

Leia mais

3DODYUDVFKDYH Visão Computacional, Inteligência Artificial, Redes Neurais Artificiais.

3DODYUDVFKDYH Visão Computacional, Inteligência Artificial, Redes Neurais Artificiais. 80,7(0$'(9, 23$5$5(&21+(&,0(172'(3(d$(080 7$%8/(,52'(;$'5(= Sérgio Faustino Ribeiro Juracy Emanuel M. da França Marcelo Alves de Barros José Homero Feitosa Cavalcanti Universidade Federal da Paraíba CCT/COPIN/NEUROLAB-CT/DTM

Leia mais

Encontrando a Linha Divisória: Detecção de Bordas

Encontrando a Linha Divisória: Detecção de Bordas CAPÍTULO 1 Encontrando a Linha Divisória: Detecção de Bordas Contribuíram: Daniela Marta Seara, Geovani Cássia da Silva Espezim Elizandro Encontrar Bordas também é Segmentar A visão computacional envolve

Leia mais

Processamento digital de imagens. introdução

Processamento digital de imagens. introdução Processamento digital de imagens introdução Imagem digital Imagem digital pode ser descrita como uma matriz bidimensional de números inteiros que corresponde a medidas discretas da energia eletromagnética

Leia mais

Processamento Digital de Imagens

Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens Israel Andrade Esquef a Márcio Portes de Albuquerque b Marcelo Portes de Albuquerque b a Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF b Centro Brasileiro de Pesquisas

Leia mais

Anais do IX Congresso Brasileiro de Redes Neurais / Inteligência Computacional (IX CBRN) Ouro Preto 25-28 de Outubro de 2009

Anais do IX Congresso Brasileiro de Redes Neurais / Inteligência Computacional (IX CBRN) Ouro Preto 25-28 de Outubro de 2009 SISTEMA NEURAL DE DETECÇÃO DE PLACAS DE VEÍCULOS AUTOMOTORES EM IMAGENS DIGITALIZADAS Luís Victor Cascão, José M. de Seixas Laboratório de Proces de Sinais COPPE/Poli - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

TOPOLOGIA DA IMAGEM DIGITAL

TOPOLOGIA DA IMAGEM DIGITAL Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia TOPOLOGIA DA IMAGEM DIGITAL Sumário Vizinhança de um pixel O que é conectividade? Algoritmo para rotular componentes conectadas Relação de adjacência

Leia mais

Uma abordagem Fuzzy para Detecção de Bordas em Imagens Digitais

Uma abordagem Fuzzy para Detecção de Bordas em Imagens Digitais Uma abordagem Fuzzy para Detecção de Bordas em Imagens Digitais Inês Aparecida Gasparotto Boaventura Depto de Ciências de Computação e Estatística, IBILCE, UNESP, 15054-000, São José do Rio Preto, SP E-mail:

Leia mais

RECONHECIMENTO DE IMPRESSÕES DIGITAIS COM BAIXO CUSTO COMPUTACIONAL PARA UM SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO

RECONHECIMENTO DE IMPRESSÕES DIGITAIS COM BAIXO CUSTO COMPUTACIONAL PARA UM SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO DIEGO RESENDE FARIA RECONHECIMENTO DE IMPRESSÕES DIGITAIS COM BAIXO CUSTO COMPUTACIONAL PARA UM SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do título de Mestre

Leia mais

Transformada de Hough. Cleber Pivetta Gustavo Mantovani Felipe Zottis

Transformada de Hough. Cleber Pivetta Gustavo Mantovani Felipe Zottis Transformada de Hough Cleber Pivetta Gustavo Mantovani Felipe Zottis A Transformada de Hough foi desenvolvida por Paul Hough em 1962 e patenteada pela IBM. Originalmente, foi elaborada para detectar características

Leia mais

Aula 5 - Classificação

Aula 5 - Classificação AULA 5 - Aula 5-1. por Pixel é o processo de extração de informação em imagens para reconhecer padrões e objetos homogêneos. Os Classificadores "pixel a pixel" utilizam apenas a informação espectral isoladamente

Leia mais

RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP

RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP Caio Augusto de Queiroz Souza caioaugusto@msn.com Éric Fleming Bonilha eric@digifort.com.br Gilson Torres Dias gilson@maempec.com.br Luciano

Leia mais

ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO. Conversão de um par de imagens (a)-(b) em um mapa de profundidade (c)

ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO. Conversão de um par de imagens (a)-(b) em um mapa de profundidade (c) ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO Visão estereoscópica se refere à habilidade de inferir informações da estrutura 3-D e de distâncias da cena de duas ou mais imagens tomadas de posições diferentes. Conversão de

Leia mais

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas Segmentação de Imagens de Placas Automotivas André Zuconelli, Manassés Ribeiro Instituto Federal Catarinense - Campus Videira. Técnico em Informática, turma 2010 Rodovia SC, Km 5 Bairro Campo Experimental

Leia mais

Descritores de textura na análise de imagens de microtomografia computadorizada

Descritores de textura na análise de imagens de microtomografia computadorizada Trabalho apresentado no XXXV CNMAC, Natal-RN, 2014. Descritores de textura na análise de imagens de microtomografia computadorizada Sandro R. Fernandes Departamento de Educação e Tecnologia, Núcleo de

Leia mais

Técnicas de Suavização de Imagens e Eliminação de Ruídos

Técnicas de Suavização de Imagens e Eliminação de Ruídos 21 Técnicas de Suavização de Imagens e Eliminação de Ruídos Carlos H. Sanches 1, Paulo J. Fontoura 1, Phillypi F. Viera 1, Marcos A. Batista 1 1 Instituto de Biotecnologia Universidade Federal do Goiás

Leia mais

Segmentação de imagens tridimensionais utilizando o sensor Microsoft Kinect

Segmentação de imagens tridimensionais utilizando o sensor Microsoft Kinect Segmentação de imagens tridimensionais utilizando o sensor Microsoft Kinect Lucas Viana Barbosa 1 ; Wanderson Rigo 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Os sistemas de visão artificial vêm auxiliando o ser

Leia mais

2.1.2 Definição Matemática de Imagem

2.1.2 Definição Matemática de Imagem Capítulo 2 Fundamentação Teórica Este capítulo descreve os fundamentos e as etapas do processamento digital de imagens. 2.1 Fundamentos para Processamento Digital de Imagens Esta seção apresenta as propriedades

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema Híbrido para Rastreamento

Desenvolvimento de um Sistema Híbrido para Rastreamento Desenvolvimento de um Sistema Híbrido para Rastreamento de Objetos aplicado ao Futebol de Robôs Eduardo W. Basso 1, Diego M. Pereira 2, Paulo Schreiner 2 1 Laboratório de Robótica Inteligente Instituto

Leia mais

Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por vazamento de petróleo utilizando imagem de satélite.

Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por vazamento de petróleo utilizando imagem de satélite. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.7636 Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por

Leia mais

Método de Avaliação de Detector de Bordas em Imagens Digitais

Método de Avaliação de Detector de Bordas em Imagens Digitais Método de Avaliação de Detector de Bordas em Imagens Digitais Inês A. G. Boaventura DCCE, IBILCE, UNESP Rua Cristovão Colombo, 2265 15054-000, São José do Rio Preto, SP, Brasil ines@ibilce.unesp.br Adilson

Leia mais

TRIANGULAÇÃO DE DELAUNAY COM RESTRIÇÃO EM IMAGENS BIDIMENSIONAIS

TRIANGULAÇÃO DE DELAUNAY COM RESTRIÇÃO EM IMAGENS BIDIMENSIONAIS TRIANGULAÇÃO DE DELAUNAY COM RESTRIÇÃO EM IMAGENS BIDIMENSIONAIS Leide Daiane Caires 1, Edson A. Capello Sousa 2 1 Depto Eng. Mecânica Universidade Estadual Paulista, Bauru, Brasil, ladycaires@gmail.com

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia IMAGENS SAR-R99B APLICADAS NO MAPEAMENTO DO DESFLORESTAMENTO Bárbara Karina Barbosa do Nascimento; Marcelo Parise;

Leia mais

Filtragem de imagens fixas usando Matlab

Filtragem de imagens fixas usando Matlab Televisão digital EEC5270 Relatório Filtragem de imagens fixas usando Matlab Bruno Filipe Sobral de Oliveira - ee01084@fe.up.pt Filipe Tiago Alves de Magalhães - ee01123@fe.up.pt Porto, 20 de Novembro

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) III Resolução de sistemas lineares por métodos numéricos. Objetivos: Veremos

Leia mais

Chow&Kaneko buscam as modas da imagem para separar os objetos. Admite que os tons na vizinhança de cada moda são do mesmo objeto.

Chow&Kaneko buscam as modas da imagem para separar os objetos. Admite que os tons na vizinhança de cada moda são do mesmo objeto. Respostas Estudo Dirigido do Capítulo 12 Image Segmentation" 1 Com suas palavras explique quais os problemas que podem ocorrer em uma segmentação global baseada em níveis de cinza da imagem. Que técnicas

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS PARA ESTUDOS EM LINHAS SUBTERRÂNEAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Danilo Sinkiti Gastaldello Aluno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Leia mais

A limiarização é uma das abordagens mais importantes de segmentação de imagens. A limiarização é um caso específico de segmentação.

A limiarização é uma das abordagens mais importantes de segmentação de imagens. A limiarização é um caso específico de segmentação. Limiarização A limiarização é uma das abordagens mais importantes de segmentação de imagens. A limiarização é um caso específico de segmentação. O princípio da limiarização consiste em separar as regiões

Leia mais

Comparação entre a Máscara de Nitidez Cúbica e o Laplaciano para Realce de Imagens Digitais

Comparação entre a Máscara de Nitidez Cúbica e o Laplaciano para Realce de Imagens Digitais Comparação entre a Máscara de Nitidez Cúbica e o Laplaciano para Realce de Imagens Digitais Wesley B. Dourado, Renata N. Imada, Programa de Pós-Graduação em Matemática Aplicada e Computacional, FCT, UNESP,

Leia mais

RECONHECIMENTO DE AVES DE NOMES ONOMATOPÉICOS

RECONHECIMENTO DE AVES DE NOMES ONOMATOPÉICOS RECONHECIMENTO DE AVES DE NOMES ONOMATOPÉICOS Célio Seixo de BRITO Junior, Paulo César Miranda MACHADO Escola de Engenharia Elétrica e de Computação, UFG, 74001-970, Goiânia, GO Celiojunior01@gmail.com,

Leia mais

Classificação de Imagens

Classificação de Imagens Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Classificação de Imagens Profa. Adriana Goulart dos Santos Extração de Informação da Imagem A partir de uma visualização das imagens,

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CAPTURA, PROCESSAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE IMAGENS UTILIZANDO LABVIEW

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CAPTURA, PROCESSAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE IMAGENS UTILIZANDO LABVIEW TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CAPTURA, PROCESSAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE IMAGENS UTILIZANDO LABVIEW CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

VISÃO COMPUTACIONAL APLICADA PARA O APOIO À CALIBRAÇÃO DE TERMOHIGRÔMETROS

VISÃO COMPUTACIONAL APLICADA PARA O APOIO À CALIBRAÇÃO DE TERMOHIGRÔMETROS VISÃO COMPUTACIONAL APLICADA PARA O APOIO À CALIBRAÇÃO DE TERMOHIGRÔMETROS Vladimir Geraseev Junior Universidade de Taubaté - UNITAU vgeraseev@gmail.com RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

Simulação de traços artísticos através do tablet

Simulação de traços artísticos através do tablet UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA Simulação de traços artísticos através do tablet PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluna: Nicole Barbosa Sultanum

Leia mais

Uma Maneira Simples de Obter Regiões de Interesse em Imagens de Impressões Digitais

Uma Maneira Simples de Obter Regiões de Interesse em Imagens de Impressões Digitais Uma Maneira Simples de Obter Regiões de Interesse em Imagens de Impressões Digitais Igor L. P. Andrezza 1,2, Erick V. C. de L. Borges 1,2, Adriano da S. Marinho 1,2, Adriana E. de Oliveira 1,2, José R.

Leia mais

Interpolação de Curvas de Nível por Difusão de Calor

Interpolação de Curvas de Nível por Difusão de Calor Interpolação de Curvas de Nível por Difusão de Calor ROBERTO DE BEAUCLAIR SEIXAS LUIZ HENRIQUE DE FIGUEIREDO CLAUDIO ANTONIO DA SILVA IMPA Instituto de Matemática Pura e Aplicada VISGRAF Laboratório de

Leia mais

Segmentação de Impressões Digitais Baseada em Abertura Top-Hat

Segmentação de Impressões Digitais Baseada em Abertura Top-Hat Segmentação de Impressões Digitais Baseada em Abertura Top-Hat Gustavo de Sá 1, Pascual Figueroa 1, and Roberto Lotufo 2 1 Griaule Tecnologia, r. Bernardo Sayão 100, sala 209, 13083-866, Campinas, SP,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADOR1A DE PÓS-GRADUAÇÃO STHCTOSBJSU DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADOR1A DE PÓS-GRADUAÇÃO STHCTOSBJSU DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADOR1A DE PÓS-GRADUAÇÃO STHCTOSBJSU DISCIPLINA Código Denominação Crédito(s) n Carga Horária Teórica Prática Total PCC-XXX 5Q3 Processamento

Leia mais

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Servílio Souza de ASSIS 1,3,4 ; Izadora Aparecida RAMOS 1,3,4 ; Bruno Alberto Soares OLIVEIRA 1,3 ; Marlon MARCON 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

Tratamento da Imagem Transformações (cont.)

Tratamento da Imagem Transformações (cont.) Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Tratamento da Imagem Transformações (cont.) Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/133 Tratamento de Imagens - Sumário Detalhado Objetivos Alguns

Leia mais

Capítulo 7. Topologia Digital. 7.1 Conexidade

Capítulo 7. Topologia Digital. 7.1 Conexidade Capítulo 7 Topologia Digital A Topologia Digital estuda a aplicação das noções definidas em Topologia sobre imagens binárias. Neste capítulo vamos introduzir algumas noções básicas de Topologia Digital,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PÓS GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PÓS GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PÓS GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA INF2608 FUNDAMENTOS DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA RELATÓRIO: IMAGENS SÍSMICAS VISUALIZAÇÃO E DETECÇÃO

Leia mais

REGINA ISHIBASHI 1 ALUIR PORFÍRIO DAL POZ 2

REGINA ISHIBASHI 1 ALUIR PORFÍRIO DAL POZ 2 EXTRAÇÃO AUTOMÁTICA DE SEGMENTOS DE RODOVIA VIA DETECTOR DE LINHAS DE STEGER REGINA ISHIBASHI 1 ALUIR PORFÍRIO DAL POZ 2 (1) Universidade Estadual Paulista - Unesp Faculdade de Ciências e Tecnologia -

Leia mais

Capítulo 5 Filtragem de Imagens

Capítulo 5 Filtragem de Imagens Capítulo 5 Filtragem de Imagens Capítulo 5 5.1. Filtragem no Domínio da Frequência 5.2. Filtragem no Domínio Espacial 2 Objetivo Melhorar a qualidade das imagens através da: ampliação do seu contraste;

Leia mais

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Nota Técnica Aplicação de Física Médica em imagens de Tomografia de Crânio e Tórax Autores: Dário Oliveira - dario@cbpf.br Marcelo Albuquerque - marcelo@cbpf.br

Leia mais

Como foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer:

Como foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer: ELETRÔNI IGITl I FUNÇÕES LÓGIS Formas de representação de uma função lógica omo foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer: Soma de Produtos Produtos

Leia mais

Estudo comparativo de métodos de segmentação de imagens digitais de aves

Estudo comparativo de métodos de segmentação de imagens digitais de aves Estudo comparativo de métodos de segmentação de imagens digitais de aves Felipe de Sousa NOBRE; Paulo César Miranda MACHADO Escola de Engenharia Elétrica e de Computação - UFG felipesnobre@gmail.com, pcesar@eee.ufg.br

Leia mais

Expansão de Imagem #2

Expansão de Imagem #2 Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Engenharia Electrotécnica e de Computadores Expansão de Imagem #2 Televisão Digital António Alberto da Silva Marques Pedro Ricardo dos Reis Porto, 2004

Leia mais

Visão Computacional e Realidade Aumentada. Trabalho 3 Reconstrução 3D. Pedro Sampaio Vieira. Prof. Marcelo Gattass

Visão Computacional e Realidade Aumentada. Trabalho 3 Reconstrução 3D. Pedro Sampaio Vieira. Prof. Marcelo Gattass Visão Computacional e Realidade Aumentada Trabalho 3 Reconstrução 3D Pedro Sampaio Vieira Prof. Marcelo Gattass 1 Introdução Reconstrução tridimensional é um assunto muito estudado na área de visão computacional.

Leia mais

Utilização de imagem CBERS-2 na análise e avaliação dos impactos ambientais da cultura da cana-de-açúcar da região de Ribeirão Preto SP

Utilização de imagem CBERS-2 na análise e avaliação dos impactos ambientais da cultura da cana-de-açúcar da região de Ribeirão Preto SP Utilização de imagem CBERS-2 na análise e avaliação dos impactos ambientais da cultura da cana-de-açúcar da região de Ribeirão Preto SP Valéria de Souza Assunção 1 Elizabete Cristina Kono 1 Rafael Frigerio

Leia mais

MORFOLOGIA MATEMÁTICA APLICADA A RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS

MORFOLOGIA MATEMÁTICA APLICADA A RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS MORFOLOGIA MATEMÁTICA APLICADA A RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS Paulo Madruga UNIBRATEC Av. Beira Mar, 220, Ap 111 Piedade J. dos Guararapes - PE madruga@unibratec.com.br Sérgio de Sá Leitão Paiva

Leia mais

Relatório. José Jasnau Caeiro. Docente. Gildo Soares e Hugo Brás. Discentes. Tecnologias Biométricas. Mestrado em Engenharia da Segurança Informática

Relatório. José Jasnau Caeiro. Docente. Gildo Soares e Hugo Brás. Discentes. Tecnologias Biométricas. Mestrado em Engenharia da Segurança Informática Relatório José Jasnau Caeiro Docente Gildo Soares e Hugo Brás Discentes Tecnologias Biométricas Mestrado em Engenharia da Segurança Informática Junho 2012 Conteúdo Índice Geral......................................

Leia mais

Aula 2 Aquisição de Imagens

Aula 2 Aquisição de Imagens Processamento Digital de Imagens Aula 2 Aquisição de Imagens Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br EESC/USP Fundamentos de Imagens Digitais Ocorre a formação de uma imagem quando

Leia mais

Classificação da imagem (ou reconhecimento de padrões): objectivos Métodos de reconhecimento de padrões

Classificação da imagem (ou reconhecimento de padrões): objectivos Métodos de reconhecimento de padrões Classificação de imagens Autor: Gil Gonçalves Disciplinas: Detecção Remota/Detecção Remota Aplicada Cursos: MEG/MTIG Ano Lectivo: 11/12 Sumário Classificação da imagem (ou reconhecimento de padrões): objectivos

Leia mais

Modelos Pioneiros de Aprendizado

Modelos Pioneiros de Aprendizado Modelos Pioneiros de Aprendizado Conteúdo 1. Hebb... 2 2. Perceptron... 5 2.1. Perceptron Simples para Classificaçãod e Padrões... 6 2.2. Exemplo de Aplicação e Motivação Geométrica... 9 2.3. Perceptron

Leia mais

3 Materiais e Métodos

3 Materiais e Métodos 3 Materiais e Métodos Este capítulo apresenta as etapas experimentais e os materiais usados neste trabalho, assim como os equipamentos e as técnicas envolvidas no mesmo. 3.1. Materiais e Preparação de

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados

Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados Detecção e estimação de sinais Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados Aline da Rocha Gesualdi Mello, José Manuel de Seixas, Márcio Portes de Albuquerque, Eugênio Suares Caner, Marcelo Portes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA

Leia mais

Um Detector de Complexos QRS Evolutivo para o Eletrocardiograma

Um Detector de Complexos QRS Evolutivo para o Eletrocardiograma Um Detector de Complexos QRS Evolutivo para o Eletrocardiograma Bruno Melo 1, Roberta Lopes 1, Luis Coradine 1 1 Universidade Federal de Alagoas, Instituto de Computação, Programa de Pós-Graduação em Modelagem

Leia mais

Plano de Aula. 1 - Como abrir o programa KmPlot

Plano de Aula. 1 - Como abrir o programa KmPlot Plano de Aula Aluno(a):PIBID MATEMÁTICA Escola: Escola Estadual de Ensino Médio Mestre Santa Bárbara Disciplina: Matemática Conteúdo: Função quadrática Assunto: Gráficos, coeficientes da função Público

Leia mais

ratoca Mouse via Detecção de Marcadores por Câmera de Vídeo em Ambiente Não Controlado

ratoca Mouse via Detecção de Marcadores por Câmera de Vídeo em Ambiente Não Controlado IEEE LATIN AMERICA TRANSACTIONS, VOL. 4, NO. 6, DECEMBER 2006 443 ratoca Mouse via Detecção de Marcadores por Câmera de Vídeo em Ambiente Não Controlado A. G. Silva e S. C. Felipussi Resumo--Este trabalho

Leia mais

Operações Algébricas e Lógicas. Guillermo Cámara-Chávez

Operações Algébricas e Lógicas. Guillermo Cámara-Chávez Operações Algébricas e Lógicas Guillermo Cámara-Chávez Operações Aritméticas São aquelas que produzem uma imagem que é a soma, diferença, produto ou quociente pixel a pixel Operações Aritméticas Fig A

Leia mais

INTRODUÇÃO O QUE É VISÃO COMPUTACIONAL?

INTRODUÇÃO O QUE É VISÃO COMPUTACIONAL? INTRODUÇÃO O QUE É VISÃO COMPUTACIONAL? Sinônimo Visão Computacional =========== Visão de Máquinas Análise de Imagens, Análise de Cenas Image Understanding Oposto Visão Computacional =========== Computação

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS Obter uma imagem temática a partir de métodos de classificação de imagens multi- espectrais 1. CLASSIFICAÇÃO POR PIXEL é o processo de extração

Leia mais

MORFOLOGIA MATEMÁTICA. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR

MORFOLOGIA MATEMÁTICA. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR MORFOLOGIA MATEMÁTICA Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Outubro/2015 Morfologia Matemática Morfologia na Biologia Estudo da estrutura dos animais e plantas;

Leia mais

2 Texturas com Relevo e Equações de Pré Warping

2 Texturas com Relevo e Equações de Pré Warping 2 Texturas com Relevo e Equações de Pré Warping A noção de warping de imagens é fundamental para o entendimento da técnica abordada nesta dissertação. Este capítulo apresenta definições formais para vários

Leia mais

Detecção de movimento para sistema automático de vigilância por vídeo

Detecção de movimento para sistema automático de vigilância por vídeo Detecção de movimento para sistema automático de vigilância por vídeo Simara Sonaglio E Marcos Moecke Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnológia de Santa Catarina - IF-SC Campus Florianópolis

Leia mais

SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS. Nielsen Castelo Damasceno

SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS. Nielsen Castelo Damasceno SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS Nielsen Castelo Damasceno Segmentação Segmentação Representação e descrição Préprocessamento Problema Aquisição de imagem Base do conhecimento Reconhecimento e interpretação Resultado

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Prof. Daniela Barreiro Claro SQL, SQL3 e OQL são linguagens declarativas O SGBD deve processar e otimizar estas consultas antes delas serem efetivamente executadas Uma consulta possui muitas estratégias

Leia mais

Microsoft PowerPoint XP. Módulo I I

Microsoft PowerPoint XP. Módulo I I FUNCICI MG ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO GERENCIAL DE CONTAGEM CURSO TÉCNICO AMBIENTAL E DE SEGURANÇA APOSTILA BÁSICA: Microsoft PowerPoint XP Módulo I I Elaborada por: Walter Santos 2007 2 S U M Á R I O

Leia mais

Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes

Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes Aluno: Gabriel Lins Tenório Orientadoras: Roxana Jiménez e Marley Rebuzzi Vellasco Introdução A aplicação de robôs móveis

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Sistemas Biométricos aplicados a Segurança da Informação: uma abordagem conceitual sobre os principais dados biométricos

Sistemas Biométricos aplicados a Segurança da Informação: uma abordagem conceitual sobre os principais dados biométricos Sistemas Biométricos aplicados a Segurança da Informação: uma abordagem conceitual sobre os principais dados biométricos Simone Maria Viana Romano simone.viana@fatef.edu.br Resumo A informação na era digital

Leia mais

Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts.

Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts. I FUNÇÔES E LOCOS LÓGICOS I.1 - SISTEMS DIGITIS - INTRODUÇÃO Sistemas Digitais Notas de ula 1 O mundo real apresenta duas representações para as medidas. Representação analógica e a representação digital.

Leia mais

Método para reconhecimento de íris baseado na sua região interna

Método para reconhecimento de íris baseado na sua região interna Método para reconhecimento de íris baseado na sua região interna Jonathan G. Rogéri 1 Aledir S. Pereira 2 Norian Marranghello 3 Alex F. Araujo 4 João Manuel R. S. Tavares 5 RESUMO: O reconhecimento de

Leia mais

PROCESSO DE DETECÇÃO FACIAL, UTILIZANDO VIOLA;JONES

PROCESSO DE DETECÇÃO FACIAL, UTILIZANDO VIOLA;JONES EXATAS E TECNOLÓGICAS ISSN IMPRESSO - 2359-4934 ISSN ELETRÔNICO - 2359-4942 PROCESSO DE DETECÇÃO FACIAL, UTILIZANDO VIOLA;JONES Luciana Maiara Queiroz de Santanas 1 Fábio Rocha Gomes 2 Thiago S. Reis Santos

Leia mais

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 2010.2 ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno!

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA DE AUTOMATIZAÇÃO DA CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE FERRO FUNDIDO NODULAR NUMA FUNDIÇÃO DO INTERIOR DO RIO DE JANEIRO

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA DE AUTOMATIZAÇÃO DA CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE FERRO FUNDIDO NODULAR NUMA FUNDIÇÃO DO INTERIOR DO RIO DE JANEIRO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA DE AUTOMATIZAÇÃO DA CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE FERRO FUNDIDO NODULAR NUMA FUNDIÇÃO DO INTERIOR DO RIO DE JANEIRO David Alves Lidugerio 1, Rodrigo Silva Oliveira 2,

Leia mais

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170 4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com o conceito de ruído. Será capaz de descrever o efeito do Ruído em um sistema de comunicações digitais.

Leia mais

Filtragem Espacial. (Processamento Digital de Imagens) 1 / 41

Filtragem Espacial. (Processamento Digital de Imagens) 1 / 41 Filtragem Espacial (Processamento Digital de Imagens) 1 / 41 Filtragem Espacial Filtragem espacial é uma das principais ferramentas usadas em uma grande variedade de aplicações; A palavra filtro foi emprestada

Leia mais

Uma Versão Intervalar do Método de Segmentação de Imagens Utilizando o K-means

Uma Versão Intervalar do Método de Segmentação de Imagens Utilizando o K-means TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 6, No. 2 (2005), 315-324. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Uma Versão Intervalar do Método de Segmentação de Imagens Utilizando

Leia mais

Processamento de Imagens COS756 / COC603

Processamento de Imagens COS756 / COC603 Processamento de Imagens COS756 / COC603 aula 03 - operações no domínio espacial Antonio Oliveira Ricardo Marroquim 1 / 38 aula de hoje operações no domínio espacial overview imagem digital operações no

Leia mais

Morfologia Matemática Binária

Morfologia Matemática Binária Morfologia Matemática Binária Conceitos fundamentais: (Você precisa entender bem esses Pontos básicos para dominar a área! Esse será nosso game do dia!!! E nossa nota 2!!) Morfologia Matemática Binária

Leia mais

Especificações / SCANNER

Especificações / SCANNER Especificações / SCANNER S.O. Windows 7 (32 bits e 64 bits) Windows 8 (32 bits e 64 bits) Windows 8 (32 bits e 64 bits) Volume diário recomendado A partir de 12.000 páginas por dia (varia com volume de

Leia mais

CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 20 CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS A Fotogrametria é uma sub-área das Ciências Geodésicas e abrange grande parte de todo o processo de compilação de mapas. Atualmente, a Fotogrametria

Leia mais

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox 1- Scilab e a placa Lab_Uino A placa Lab_Uino, é uma plataforma aberta para aprendizagem de sistemas microprocessados. Com a utilização de um firmware especifico a placa Lab_Uino é reconhecido pelo sistema

Leia mais