[Fingerprint Recognition]

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "[Fingerprint Recognition]"

Transcrição

1 Mestrado em Engenharia de Segurança Informática Tecnologias Biométricas Pedro Santos Filipe Vieira Rui Pereira Docente Doutor José Jasnau Caeiro [Fingerprint Recognition]

2 Índice Índice... 1 Índice Imagens Introdução Objetivo Método Adotado Ambiente de Desenvolvimento Interpretação do Artigo Opções de Engenharia Adotadas Resultados Estimação da região efetiva... 4 Fase 1 Determinação de zonas efetivas... 4 Fase 2 verificação de continuidade da região efetiva... 5 Fase 3 Determinação do centroide... 5 Fase 4 Cálculo das coordenadas limite (ChainCode)... 6 Divergências/melhorias relativamente à implementação sugerida... 6 Discussão de resultados... 6 Sugestões de melhoria Estimar campo de orientação... 7 Fase 1 Calculo do campo orientação baseado no filtro de Sobel... 7 Fase 2 Estimação do campo de orientação e mapa de força anisotrópica... 7 Discussão de resultados... 9 Sugestões de melhoria Melhoria da Impressão Digital Estimar o mapa de densidade Fase 1 Binarização Fase 2 Cálculo da distância entre cumes Discussão de resultados Modelação do mapa de densidade (aproximação polinomial) Discussão de resultados Correspondência dos dois mapas de densidade Discussão de resultados Resumo

3 3. Conclusões Referências Índice Imagens Ilustração 1 - Diagrama de fluxo do modelo proposto por [1]... 4 Ilustração 2 - Imagem da ID Original... 4 Ilustração 3 - Pontos de descontinuidade na região efetiva... 5 Ilustração 4 - Identificação dos pontos do ChainCode... 5 Ilustração 5 - Região efetiva... 6 Ilustração 6 - Resultados intermédio do filtro de Sobel, a) dx b) dy c) adição ponderada das imagens dx e dy (alpha=0.5, beta = 0.5) Ilustração 7 - Mapa de orientação (calculado com 5x5 pixels)... 8 Ilustração 8 - Mapa de força anisotrópica... 8 Ilustração 9 - Amostragem com dimensão... 9 Ilustração 10 - Amostragem com dimensão Ilustração 11 - Impressão Digital após a Melhoria Ilustração 12 - Imagem (após aplicação do filtro Gabor) com segmento alinhado com eixo yy Ilustração 13 - Cumes após alinhamento Ilustração 14 - Esquema de Pesquisa Ilustração 15 - Mapa de densidade Ilustração 16 - Resultados Finais em Sequencia de Imagens

4 1. Introdução 1.1. Objetivo O objetivo deste trabalho prende-se com a necessidade de demonstrar a capacidade de engenharia e de interpretação de artigos científicos relacionados com a biometria. Foi atribuído ao grupo um artigo científico sobre impressões digitais [1] e pedido que após análise fosse implementado tecnicamente a solução proposta no mesmo Método Adotado Ambiente de Desenvolvimento Assim e mesmo antes de iniciar a análise do artigo em questão, houve uma análise às soluções de desenvolvimento na área de imagem e matemática. Esta análise seria importante na medida de se poder encontrar uma linguagem de programação com o maior e melhor numero de bibliotecas de matemática e tratamento de imagem possível, sabíamos que iria ser uma mais valia na implementação. Das opções propostas no decorrer das aulas de Tecnologias Biométricas e que foram as de MatLab, Python e C++, o MatLab foi colocado de parte devido ao cariz proprietário da solução (apesar de possuir fortes bibliotecas gráficas e ser inteiramente vocacionado para o tratamento matemático), entre o Python e o C++ ambos com a possibilidade de recurso às bibliotecas de OpenCv (Open Source Computer Vision), optou-se pela utilização do C++ pela sua capacidade de otimização e rapidez que julgamos de muita importância em ambientes biométricos Interpretação do Artigo O artigo [1] propõe uma melhoria ao método tradicional de reconhecimento de impressões digitais. Classicamente a comparação é efetuada através das minucias extraídas, aqui é proposta uma análise de modelo polinomial para aproximação dos mapas de densidade. Assim é proposto que a conjunção do uso de minucias com o mapa de densidade originará um aumento de eficácia no reconhecimento das impressões digitais. Para isso os autores dividem em seis partes (A, B, C, D, E, F) o processo de determinar o mapa de densidade, serão estes métodos apresentados que foram seguidos para a implementação do sistema, nos próximos pontos do relatório é efetuada a análise a cada parte e a forma como foi implementada Opções de Engenharia Adotadas De forma a se conseguir uma maior definição do trabalho e dos resultados independentes de cada uma das partes explanadas no artigo, estas foram desenvolvidas de forma independente, sendo que sempre que uma necessita como entrada a saída de uma outra, esta passagem é efetuada com uma leitura da imagem resultante previamente gravada em disco pelo método anterior. O desenvolvimento foi efetuado em ambiente Linux (Distro Ubuntu 12.04) com a edição do código fonte efetuado com recurso ao geany, foram instaladas as versões 2.3 do OpenCv nos computadores de dois membros do grupo e a versão 2.4 no terceiro. Numa primeira fase, foi atribuída a cada membro o desenvolvimento de cada uma das três primeiras partes, o que deu origem a um interessante acontecimento relacionado com a opção de trabalhar as imagens no OpenCv como imagem Iplmage ou como matriz Mat::cv. Só numa fase de apoio conjunto já num estado avançado de desenvolvimento foi observada a diferença na leitura, tratamento e escrita das imagens fazendo todas uso das bibliotecas do OpenCv mas usando opções metodológicas diferentes. Como se trata da mesma biblioteca, ela própria 3

5 fornece também métodos de transformação dos dados, pelo que não resultou num contratempo, tendo sim dado origem a uma melhor e mais alargada aprendizagem do OpenCv. 2. Resultados Conforme indicado pelo autor de [1], o trabalho é proposto segundo um diagrama de fluxo que englobas as etapas (Ilustração 1) necessárias para a implementação do modelo computacional baseado em mapas de densidade de impressões digitais Estimação da região efetiva Ilustração 1 - Diagrama de fluxo do modelo proposto por [1]. Identificação da região efetiva para posterior utilização na correspondência de mapas de densidade. Mais concretamente o resultado final nesta fase será a determinação do que os autores referem como ChainCode. Este corresponde a 16 coordenadas que delimitam a região de interesse da impressão digital da restante imagem. Fase 1 Determinação de zonas efetivas O processo baseia-se na deslocação de uma janela de 16x16 pixéis ao longo da imagem original (Ilustração 2). Em cada interação, é atribuído a pixel da janela o valor 0 (preto) ou 255 (branco) conforme a variância dos pontos da janela estiver abaixo ou acima do limiar pré-estabelecido pelo utilizador. Para o cálculo da variância foi utilizada a função gsl_stats_int_variance() da biblioteca GSL. Ilustração 2 - Imagem da ID Original 4

6 Fase 2 verificação de continuidade da região efetiva A Ilustração 3, apresenta uma imagem na fase anterior ao teste de continuidade. Neste caso é possível verificar que a aplicação simples do limitar para a variância não é suficiente para eliminar os pontos de descontinuidade da imagem. Segundo os autores, devem ser tomadas medidas de pós-processamento para garantir que a imagem seja composta por apenas uma zona continua. Como solução é proposto a aplicação de métodos como a dilatação e erosão como solução. A implementação efetuada consiste na aplicação consecutiva da dilatação sempre que a imagem não seja contínua. Um resultado negativo deste processo é o aumento da dimensão da zona efetiva, e que é minimizado com o processo de erosão aplicado segundo a seguinte fórmula: (1) A aplicação da fórmula (1) permite manter automático esta parte do processo, simultaneamente limitando os efeitos da dilatação. Nesta fase são aplicadas as funções cvdilate() e cverode() da biblioteca OpenCV. Ilustração 3 - Pontos de descontinuidade na região efetiva Fase 3 Determinação do centroide A determinação do ponto central (Ilustração 4) da região efetiva tem por base o exemplo apresentado em [2]. Este exemplo baseia-se na função CvMoments() que realiza o cálculo dos momentos de uma imagem. Desses momentos alguns podem ser usados na determinação do centroide, mais especificamente, os momentos espaciais M00, M10 e M01. O ponto central é obtido segundo (2). (x,y) = (M10/M00, M01/M00) (2) Ilustração 4 - Identificação dos pontos do ChainCode 5

7 Fase 4 Cálculo das coordenadas limite (ChainCode) A determinação das coordenadas limite consiste na identificação dos pontos que estão no limite da região efetiva a cada 22.5º relativamente ao ponto central da imagem. Por conseguinte podem ser determinados 16 ângulos (Ilustração 4), correspondendo cada um a uma coordenada do ChainCode. O processo adotado consiste em estimar para cada angulo, os pixéis da reta entre o centroide e a coordenada no limite da imagem. Neste processo foram utilizado o sistema de coordenadas polares (3) e (4). A distância r é incrementada em cada iteração até que seja verificado o final da região efetiva e determinado o ponto limite. )) (3) )) (4) O processo de determinação da região efetiva termina com a identificação das 16 coordenadas limites, que correspondem aos pontos que delimitam a área da Ilustração 5. ChainCode correspondente aos pontos da Ilustração 5: Ilustração 5 - Região efetiva (428,256) (428,332) (396,407) (338,480) (245,480) (152,480) (83,418) (67,330) (67,256) (99,196) (115,126) (147,20) (245,0) (336,35) (380,121) (412,187) Divergências/melhorias relativamente à implementação sugerida Os autores apenas referem a necessidade de aplicar os processos de dilatação e erosão, deixando ao critério do programador os detalhes da implementação. Na aplicação efetuada, teve prioridade a possibilidade de automatizar o maior número de parâmetros possível. Nos testes efetuados, a dependência criada entre a dilatação e erosão em (1) não teve implicações na eficiência do algoritmo. Discussão de resultados Os resultados estão de acordo como os resultados apresentados pelo autor. 6

8 Sugestões de melhoria Utilização da região efetiva nas fases seguintes do artigo e não apenas na fase de correspondência (matching), uma vez que permitirá reduzir o tempo de processamento global Estimar campo de orientação Determinar a orientação local dos cumes. O método aplicado pelo autor baseia-se na baixa frequência associada à variação dos cumes. O processo seguido pelo autor remete para [3] que descreve uma técnica para a computação do campo de orientação que combina de três métodos: a) Computação do campo de orientação; b) Extração de pontos singulares; c) Aproximação polinomial bivariada. Na Ilustração 6 a utilização de a) permite determinar o campo de orientação inicial e que é aplicado à totalidade da impressão digital. Por falta de suavidade das curvas junto aos pontos singulares, é realizada a extração de pontos singulares b) para permitir a aplicação de algoritmos para a melhoria da precisão local da orientação. Por fim é aplicado um modelo polinomial variado para descrever globalmente o campo de orientação c). Fase 1 Calculo do campo orientação baseado no filtro de Sobel Por análise de [3] o processo inicial consiste na utilização uma abordagem baseada no gradiente para a determinação do campo de orientação. O processo utlizado consiste na utilização da função cvsobel() para calculo da derivada da imagem primeira ordem para x e y, com base num kernel de Sobel de dimensão 3. O resultado obtidos da aplicação do filtro de Sobel: cvsobel(imgin,dx,1,0,3); (5) cvsobel(imgin,dy,0,1,3); (6) Ilustração 6 - Resultados intermédio do filtro de Sobel, a) dx b) dy c) adição ponderada das imagens dx e dy (alpha=0.5, beta = 0.5). Fase 2 Estimação do campo de orientação e mapa de força anisotrópica O processo de estimação do campo de orientação é realizado numa vizinhança de nxn pixels relativamente a cada ponto da imagem original. Para cada pixel da região é determinado o gradiente de x e y com base nos resultados obtidos na fase anterior. A estimação da orientação em cada ponto da imagem é dada pela fórmula: (7) 7

9 Ilustração 7 - Mapa de orientação (calculado com 5x5 pixels) Mapa de força anisotrópica É também nesta fase que os autores propõem a determinação do mapa da força anisotrópica. Estre processo reutiliza parte dos cálculos locais efetuados na determinação da orientação. O cálculo do mapa da força anisotrópica permite obter o grau de confiança da orientação calculada e pode ser obtido por (8). (8) W(x,y) varia no intervalo de 0 a 1, indicado uma vizinhança de (x,y) idêntica em todas as direções sempre que os valores são mais próximos de 1. O mapa apresentado na Ilustração 8 apresenta várias regiões a preto correspondentes a pontos da Ilustração 7 onde a orientação não é precisa. Ilustração 8 - Mapa de força anisotrópica 8

10 Grelha de amostragem Para permitir a visualização do mapa da Ilustração 7, foi criada um processo de amostragem do mapa de orientação o qual definido pelo parâmetro dimensão janela V (Ilustração 9 e Ilustração 10) que permite definir o intervalo (em pixéis) para criação de cada pondo de amostra. Cada ponto representa a orientação no ponto (x,y) e permite a visualização global do mapa de orientação e avaliar o comportamento do algoritmo. Ilustração 9 - Amostragem com dimensão Ilustração 10 - Amostragem com dimensão 5 Recursos não implementados: Em [3], apontado pelo autor para a implementação da estimação do campo de orientação, recorre a cálculos adicionais para melhoria da orientação local, em especial na vizinhança dos pontos singulares. A implementação efetuada e que foi descrita nos pontos anteriores, não inclui as fases de otimização efetuadas pelos autores. O motivo para esta decisão deve-se a ser uma otimização, que apesar da vantagem que possam ter para o restante trabalho, não constitui uma prioridade dado que os resultados obtidos sem otimização não invalidam o restante trabalho. Resultante desta decisão, não foram implementadas as seguintes otimizações b) e c) referidas inicialmente. Discussão de resultados Os resultados estão de acordo como os resultados apresentados pelo autor, apresentando ligeira falta de precisão na determinação na vizinhança de pontos lingulares. Sugestões de melhoria Limitar a área de determinação do mapa de orientação recorrendo à região efetiva, uma vez que permitirá reduzir o tempo de processamento global. Implementação das alíneas B e C conforme indicado pelos autores. 9

11 2.3. Melhoria da Impressão Digital Para a melhoria (eliminação de ruído e clarificação dos ridges) da impressão digital de forma a que seja mais eficaz a sua leitura para o cálculo do mapa de densidade, os autores do artigo [1] indicam [4] que deve ser utilizado um filtro de Gabor 1 em convulsão com a imagem, e ao resultado obtido aplicado um threshold [5] para segmentação dos ridges. De referir que o filtro de Gabor desenvolvido no código da aplicação teve por base um algoritmo apresentado pela WiKicker 2, e que foi adaptado para as necessidades especificas deste trabalho. Numa fase mais tardia foi descoberto que a partir da versão 3.2 do OpenCv já existe uma função para aplicar o filtro de Gabor pronta a usar getgaborkernel 3, mas não documentada ainda nos manuais oficiais da biblioteca, pelo que se manteve a nossa versão em funcionamento depois de alguns testes frustrados à função existente no OpenCv Estimar o mapa de densidade Ilustração 11 - Impressão Digital após a Melhoria Aplicação da abordagem espacial para determinação da distância entre cumes. O autor opta por esta abordagem, uma vez que este processo tem um desempenho aceitável após aplicação de um processo de pós-processamento de suavização da imagem aliado a um baixo custo computacional. O processo tem por base um dos métodos apresentado por [6] e divide-se em duas fases: a) Binarização da imagem melhorada (pela aplicação do filtro de Gabor); b) Determinação da distância entre cumes consecutivos. Fase 1 Binarização O processo de binarização da imagem utilizado consistiu na aplicação da função cvthreshold() com limiar de 150. Fase 2 Cálculo da distância entre cumes O processo utilizado para determinar a distância entre cumes consiste na análise da imagem em segmentos de 32x32 pixels. Para cada segmento é determinado a orientação P local com base no campo de orientação determinado anteriormente. A orientação local P permite efetuar o alinhamento do segmento em análise com o eixo yy (Ilustração 12 e Ilustração 13), o que simplifica o processo de cálculo da distância entre cumes, ou seja, a distância entre os pontos A e B na Ilustração

12 Ilustração 12 - Imagem (após aplicação do filtro Gabor) com segmento alinhado com eixo yy Ilustração 13 - Cumes após alinhamento Após o alinhamento do segmento, é realizado uma pesquisa com início no ponto central do segmento na coordenada (16,16). A pesquisa é realizada para os pixéis à esquerda e direita do ponto inicial (PI) conforme o esquema (Ilustração 14). Ilustração 14 - Esquema de Pesquisa Após percorrer o segmento ao longo do eixo xx, é possível determinar os pontos extremos os cumes A e B e por conseguinte determinar os pontos intermédios a3 e b3 e assim determinar a distância entre ambos. O calculo da distancia, uma vez determinados os pontos a1, a2, b1 e b2 é dado por (9): ) ) (9) Caso o ponto inicial PI, coincida com um cume, o algoritmo efetua o reposicionamento do ponto inicial no vale seguinte. Por fim, o mapa de densidade é determinado com base na distância entre os cumes. As zonas escuras correspondem a uma menor densidade de cumes. 11

13 Ilustração 15 - Mapa de densidade Recursos não implementados Na abordagem [6], o processo geométrico recorre a um processo de determinação de orientação dos cumes. Na implementação proposta, o processo segue as indicações [1] e reutiliza o campo de orientação. A implementação de [6] inclui um conjunto de cálculos iniciais aplicados à imagem em níveis de cinzento, que difere da implementação sugerida por Dingrui Wan e Jie Zhou. Neste caso, o processo tem início na imagem resultante do processo de melhoria da impressão digital. Discussão de resultados O processo de determinação da distância utilizado recorre ao cálculo da distância entre dois cumes parte do princípio que a dimensão do segmento (neste exemplo 32x32) é suficiente para incluir 2 ou mais cumes e assim garantir o cálculo da distância. A presença de ruid3o ou descontinuidades na imagem da impressão digital pode resultar no cálculo errado da distância entre cumes (ex: inexistência de um par de cumes no segmento em analise). Esta situação também pode ocorrer quando a dimensão do segmento não apresenta dimensão suficiente para incluir dois ou mais cumes Modelação do mapa de densidade (aproximação polinomial) Modelação do mapa original de densidade segundo um polinómio bivariado. Discussão de resultados Não foi possível concluir esta etapa à data da entrega do trabalho Correspondência dos dois mapas de densidade Comparação dos dois mapas de densidade com base nos parâmetros polinomiais. O processo inclui o alinhamento das impressões digitais recorrendo a algoritmos convencionais. No caso em concreto, a abordagem escolhida pelo autor é a transformada de Hough para a finalização do alinhamento. O processo de comparação é realizado na correlação entre os dois mapas de densidade alinhados, após o qual é calculada a interceção das regiões efetivas. O resultado a obter é o número de pontos resultantes da interceção e que será utilizado para determinar a pontuação da correspondência (matching score). 12

14 Discussão de resultados Esta etapa não foi implementada. 2.7.Resumo A seguinte imagem ilustra os resultados finais obtidos em cada etapa do trabalho Imagem Original A- Região Efetiva (ChainCode) B- Campo de Orientação C- Mapa de Força Anisotrópica D- Melhoria de Imagem (Gabor) E- Mapa de Densidade Ilustração 16 - Resultados Finais em Sequencia de Imagens 3. Conclusões A primeira conclusão que se tira deste trabalho é a de que analisar um artigo obriga à análise de um outro sem número de artigos referenciados por este, pelo que, ao contrário do esperado a análise efetuada a um artigo obrigou à análise de mais de 5 artigos. Não foi possível efetuar em tempo útil a junção automática de todos os módulos criados, mas ficou patente a facilidade de interligação entre os mesmos, sendo que como em cada modulo o input e output é efetuado de uma e para uma imagem.pgm estes são facilmente aplicados em outras aplicações que deles necessitem. 13

15 A maior dificuldade encontrada no processo de desenvolvimento do trabalho, prende-se com a ausência de detalhe matemático no artigo analisado, em especial nas fases anteriores à correspondência (pré-matching), pelo que foi necessário o consumo extra de tempo na pesquisa das mesmas. 4. Referências [1] D. Wan e J. Zhou, Fingerprint Recognition Using Model-Based Density Map, IEEE TRANSACTIONS ON IMAGE PROCESSING, p. Vol. 15 no 6, Junho [2] Stackoverflow - Centroid, [Online]. Available: [Acedido em Maio 2012]. [3] J. Zhou e J. Gu, A model-based method for the computation of fingerprints orientation field, IEEE Trans. Image Process, Vols. %1 de %2vol. 13, no. 6, p , Jun [4] A. Jain, H. Lin e R. Bolle, On-Line Fingerprint Verification, IEEE TRANSACTIONS ON PATTERN ANALYSIS AND MACHINE INTELLIGENCE, pp. VOL. 19, NO. 4, Abril [5] L. Hong, Y. Wan e A. Jain, Fingerprint Image Enhancement: Algorithm and Performance Evaluation, IEEE TRANSACTIONS ON PATTERN ANALYSIS AND MACHINE INTELLIGENCE, pp. VOL. 20, NO. 8, Agosto [6] Z. M. Kovacs-Vajna, R. Rovatti e R. Frazzoni, Fingerprint ridge distance computation methodologies, attern Recognit., vol. vol. 33, p ,

Aula 5 - Classificação

Aula 5 - Classificação AULA 5 - Aula 5-1. por Pixel é o processo de extração de informação em imagens para reconhecer padrões e objetos homogêneos. Os Classificadores "pixel a pixel" utilizam apenas a informação espectral isoladamente

Leia mais

Extração de Minúcias em Imagens de Impressões Digitais

Extração de Minúcias em Imagens de Impressões Digitais Extração de Minúcias em Imagens de Impressões Digitais CASADO, Ricardo S.; PAIVA, Maria S. V. de Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo rcasado@sel.eesc.usp.br Resumo O trabalho apresenta

Leia mais

Curvas de nível homotópicas a um ponto

Curvas de nível homotópicas a um ponto Curvas de nível homotópicas a um ponto Praciano-Pereira, T Sobral Matemática 6 de agosto de 2011 tarcisio@member.ams.org pré-prints da Sobral Matemática no. 2011.03 Editor Tarcisio Praciano-Pereira, tarcisio@member.ams.org

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE MARCADORES DE PAVIMENTAÇÃO NA ORIENTAÇÃO DE CEGOS

IDENTIFICAÇÃO DE MARCADORES DE PAVIMENTAÇÃO NA ORIENTAÇÃO DE CEGOS IDENTIFICAÇÃO DE MARCADORES DE PAVIMENTAÇÃO NA ORIENTAÇÃO DE CEGOS André Zuconelli¹, Manassés Ribeiro² Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense - Campus Videira Rodovia SC, Km 5

Leia mais

Segmentação de Imagens

Segmentação de Imagens Segmentação de Imagens (Processamento Digital de Imagens) 1 / 36 Fundamentos A segmentação subdivide uma imagem em regiões ou objetos que a compõem; nível de detalhe depende do problema segmentação para

Leia mais

Planificação de. Aplicações Informáticas B

Planificação de. Aplicações Informáticas B Escola básica e secundária de Velas Planificação de Aplicações Informáticas B Ano letivo 2011/2012 1- Introdução à Programação Planificação de Aplicações Informáticas B Unidade Sub-Unidades Objetivos Conteúdos

Leia mais

SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS. Nielsen Castelo Damasceno

SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS. Nielsen Castelo Damasceno SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS Nielsen Castelo Damasceno Segmentação Segmentação Representação e descrição Préprocessamento Problema Aquisição de imagem Base do conhecimento Reconhecimento e interpretação Resultado

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem) Considerações Iniciais É impossível saber, antes de amostrar, de que maneira os valores das variáveis irão se comportar: se dependente ou independente uma da outra. Devido as limitações da estatística

Leia mais

Transformada de Hough. Cleber Pivetta Gustavo Mantovani Felipe Zottis

Transformada de Hough. Cleber Pivetta Gustavo Mantovani Felipe Zottis Transformada de Hough Cleber Pivetta Gustavo Mantovani Felipe Zottis A Transformada de Hough foi desenvolvida por Paul Hough em 1962 e patenteada pela IBM. Originalmente, foi elaborada para detectar características

Leia mais

Sistema de Reconhecimento de Impressões Digitais. Resumo

Sistema de Reconhecimento de Impressões Digitais. Resumo Sistema de Reconhecimento de Impressões Digitais Álvaro N. Prestes Relatório Técnico, Introdução ao Processamento de Imagens Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - PESC/COPPE Universidade Federal

Leia mais

Descritores de textura na análise de imagens de microtomografia computadorizada

Descritores de textura na análise de imagens de microtomografia computadorizada Trabalho apresentado no XXXV CNMAC, Natal-RN, 2014. Descritores de textura na análise de imagens de microtomografia computadorizada Sandro R. Fernandes Departamento de Educação e Tecnologia, Núcleo de

Leia mais

Verificação de Impressões Digitais usando Algoritmos Genéticos

Verificação de Impressões Digitais usando Algoritmos Genéticos 1. Introdução Verificação de Impressões Digitais usando Algoritmos Genéticos Matheus Giovanni Pires, Fernando Vieira Duarte, Adilson Gonzaga Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE

Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Processamento de Imagens Tratamento da Imagem - Filtros Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/033 Sumário 2 Conceito de de Filtragem Filtros

Leia mais

Processamento de Imagens COS756 / COC603

Processamento de Imagens COS756 / COC603 Processamento de Imagens COS756 / COC603 aula 03 - operações no domínio espacial Antonio Oliveira Ricardo Marroquim 1 / 38 aula de hoje operações no domínio espacial overview imagem digital operações no

Leia mais

Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos

Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos Rafael Dattinger Acadêmico Dalton Solano dos Reis - Orientador Roteiro Introdução/Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Detecção em tempo real de movimentos de olhos e boca em um vídeo em cores

Detecção em tempo real de movimentos de olhos e boca em um vídeo em cores Detecção em tempo real de movimentos de olhos e boca em um vídeo em cores Daniel Ponciano dos Santos Barboza, Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - PESC/COPPE Universidade Federal do Rio de

Leia mais

RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP

RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP Caio Augusto de Queiroz Souza caioaugusto@msn.com Éric Fleming Bonilha eric@digifort.com.br Gilson Torres Dias gilson@maempec.com.br Luciano

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema Híbrido para Rastreamento

Desenvolvimento de um Sistema Híbrido para Rastreamento Desenvolvimento de um Sistema Híbrido para Rastreamento de Objetos aplicado ao Futebol de Robôs Eduardo W. Basso 1, Diego M. Pereira 2, Paulo Schreiner 2 1 Laboratório de Robótica Inteligente Instituto

Leia mais

Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching"

Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching" 1 Com suas palavras explique o que é Reconhecimento de Padrões- RP. Quais são os fases clássicas que compõem

Leia mais

VISÃO COMPUTACIONAL COM A OPENCV MATERIAL APOSTILADO E VEÍCULO SEGUIDOR AUTÔNOMO. Professora da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT).

VISÃO COMPUTACIONAL COM A OPENCV MATERIAL APOSTILADO E VEÍCULO SEGUIDOR AUTÔNOMO. Professora da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT). VISÃO COMPUTACIONAL COM A OPENCV MATERIAL APOSTILADO E VEÍCULO SEGUIDOR AUTÔNOMO Riccardo Luigi Delai 1 ; Alessandra Dutra Coelho 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Leugim Corteze Romio Universidade Regional Integrada URI Campus Santiago-RS leugimcr@urisantiago.br Prof.

Leia mais

Processamento digital de imagens. introdução

Processamento digital de imagens. introdução Processamento digital de imagens introdução Imagem digital Imagem digital pode ser descrita como uma matriz bidimensional de números inteiros que corresponde a medidas discretas da energia eletromagnética

Leia mais

Visão Computacional e Realidade Aumentada. Trabalho 3 Reconstrução 3D. Pedro Sampaio Vieira. Prof. Marcelo Gattass

Visão Computacional e Realidade Aumentada. Trabalho 3 Reconstrução 3D. Pedro Sampaio Vieira. Prof. Marcelo Gattass Visão Computacional e Realidade Aumentada Trabalho 3 Reconstrução 3D Pedro Sampaio Vieira Prof. Marcelo Gattass 1 Introdução Reconstrução tridimensional é um assunto muito estudado na área de visão computacional.

Leia mais

Identificação Humana Através de Biometria

Identificação Humana Através de Biometria Identificação Humana Através de Biometria por Marco César Chaul, CBP. Diretor de Tecnologias Neokoros - Brasil CBP Certified Biometric Professional. Fundamentos da Biometria Definição de Biometria Termo

Leia mais

Problema. Conversão Matricial. Octantes do Sistema de Coordenadas Euclidiano. Sistema de Coordenadas do Dispositivo. Maria Cristina F.

Problema. Conversão Matricial. Octantes do Sistema de Coordenadas Euclidiano. Sistema de Coordenadas do Dispositivo. Maria Cristina F. Problema Conversão Matricial Maria Cristina F. de Oliveira Traçar primitivas geométricas (segmentos de reta, polígonos, circunferências, elipses, curvas,...) no dispositivo matricial rastering = conversão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADOR1A DE PÓS-GRADUAÇÃO STHCTOSBJSU DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADOR1A DE PÓS-GRADUAÇÃO STHCTOSBJSU DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADOR1A DE PÓS-GRADUAÇÃO STHCTOSBJSU DISCIPLINA Código Denominação Crédito(s) n Carga Horária Teórica Prática Total PCC-XXX 5Q3 Processamento

Leia mais

Análise e Comparação de Métodos de Pré-processamento de Imagens e Extração de Características em Impressões Digitais

Análise e Comparação de Métodos de Pré-processamento de Imagens e Extração de Características em Impressões Digitais Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Análise e Comparação de Métodos de Pré-processamento de Imagens e Extração

Leia mais

Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados

Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados Detecção e estimação de sinais Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados Aline da Rocha Gesualdi Mello, José Manuel de Seixas, Márcio Portes de Albuquerque, Eugênio Suares Caner, Marcelo Portes

Leia mais

4 Avaliação Experimental

4 Avaliação Experimental 4 Avaliação Experimental Este capítulo apresenta uma avaliação experimental dos métodos e técnicas aplicados neste trabalho. Base para esta avaliação foi o protótipo descrito no capítulo anterior. Dentre

Leia mais

BIBLIOTECA PARA ANÁLISE DE DADOS EM IMAGENS ESTEREOSCÓPICAS

BIBLIOTECA PARA ANÁLISE DE DADOS EM IMAGENS ESTEREOSCÓPICAS BIBLIOTECA PARA ANÁLISE DE DADOS EM IMAGENS ESTEREOSCÓPICAS Aluno: Ricardo I Salvador Orientador: Marcel Hugo Roteiro Introdução à biblioteca Objetivo da biblioteca Fundamentação Teórica Trabalhos Correlatos

Leia mais

Encontrando a Linha Divisória: Detecção de Bordas

Encontrando a Linha Divisória: Detecção de Bordas CAPÍTULO 1 Encontrando a Linha Divisória: Detecção de Bordas Contribuíram: Daniela Marta Seara, Geovani Cássia da Silva Espezim Elizandro Encontrar Bordas também é Segmentar A visão computacional envolve

Leia mais

Classificação de Imagens

Classificação de Imagens Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Classificação de Imagens Profa. Adriana Goulart dos Santos Extração de Informação da Imagem A partir de uma visualização das imagens,

Leia mais

de Bordas em Imagens Digitais

de Bordas em Imagens Digitais Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Avaliação Quantitativa de um Método Automático de Extração de Bordas em Imagens Digitais Inês A. Gasparotto Boaventura Departamento de Ciências de Computação e Estatística,

Leia mais

Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO. Antônio Carlos Campos

Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO. Antônio Carlos Campos Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO META Apresentar perfis topográficos, mostrando as principais formas geomorfológicas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar os principais

Leia mais

Processamento Digital de Imagens

Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens Israel Andrade Esquef a Márcio Portes de Albuquerque b Marcelo Portes de Albuquerque b a Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF b Centro Brasileiro de Pesquisas

Leia mais

Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG

Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG Nuno AFONSO 1, Alexandra CARVALHO 1 1 Laboratório Nacional de Engenharia Civil (nuno.fnvs.afonso@gmail.com; xana.carvalho@lnec.pt) Palavras-chave:

Leia mais

O ENSINO DA FUNÇÃO AFIM COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DA FUNÇÃO AFIM COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DA FUNÇÃO AFIM COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE GEOGEBRA Conceição BRANDÃO de Lourdes Farias FACIG clfb_05@hotmail.com Evanilson LANDIM Alves UFPE evanilson.landim@ufpe.br RESUMO O uso das tecnologias

Leia mais

2 Texturas com Relevo e Equações de Pré Warping

2 Texturas com Relevo e Equações de Pré Warping 2 Texturas com Relevo e Equações de Pré Warping A noção de warping de imagens é fundamental para o entendimento da técnica abordada nesta dissertação. Este capítulo apresenta definições formais para vários

Leia mais

Trabalho 2 Fundamentos de computação Gráfica

Trabalho 2 Fundamentos de computação Gráfica Trabalho 2 Fundamentos de computação Gráfica Processamento de Imagens Aluno: Renato Deris Prado Tópicos: 1- Programa em QT e C++ 2- Efeitos de processamento de imagens 1- Programa em QT e C++ Para o trabalho

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja. Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Instituto Politécnico de Beja. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso de Engenharia Informática Disciplina de Estrutura de dados e Algoritmos 2º Ano - 1º Semestre Relatório Connected Component Labeling

Leia mais

Computação Adaptativa

Computação Adaptativa Departamento de Engenharia Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra 2007/08 Computação Adaptativa TP2 OCR Optical Character Recognition Pedro Carvalho de Oliveira (MEI) Nº

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 4 Projeto de Teste 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE E PROJETO DE TESTE... 3 1.

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA

Leia mais

Comparação entre a Máscara de Nitidez Cúbica e o Laplaciano para Realce de Imagens Digitais

Comparação entre a Máscara de Nitidez Cúbica e o Laplaciano para Realce de Imagens Digitais Comparação entre a Máscara de Nitidez Cúbica e o Laplaciano para Realce de Imagens Digitais Wesley B. Dourado, Renata N. Imada, Programa de Pós-Graduação em Matemática Aplicada e Computacional, FCT, UNESP,

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Estudo comparativo de métodos de segmentação de imagens digitais de aves

Estudo comparativo de métodos de segmentação de imagens digitais de aves Estudo comparativo de métodos de segmentação de imagens digitais de aves Felipe de Sousa NOBRE; Paulo César Miranda MACHADO Escola de Engenharia Elétrica e de Computação - UFG felipesnobre@gmail.com, pcesar@eee.ufg.br

Leia mais

Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá

Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá Wânderson O. Assis, Alessandra D. Coelho, Marcelo M. Gomes, Cláudio G. Labate, Daniel F. Calasso, João Carlos G. C. Filho Escola

Leia mais

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. Projecto de. Arquitectura de Computadores.

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. Projecto de. Arquitectura de Computadores. Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Projecto de Arquitectura de Computadores Jogo dos Blocos (variante do Arkanoid) (Versão 1.0) 2008/2009 Índice 1 Objectivo...

Leia mais

Curva ROC. George Darmiton da Cunha Cavalcanti Tsang Ing Ren CIn/UFPE

Curva ROC. George Darmiton da Cunha Cavalcanti Tsang Ing Ren CIn/UFPE Curva ROC George Darmiton da Cunha Cavalcanti Tsang Ing Ren CIn/UFPE Introdução ROC (Receiver Operating Characteristics) Curva ROC é uma técnica para a visualização e a seleção de classificadores baseado

Leia mais

Uma Metodologia de Identificação de Imagens de Impressões Digitais pelo Filtro de Gabor

Uma Metodologia de Identificação de Imagens de Impressões Digitais pelo Filtro de Gabor IEEE LATIN AMERICA TRANSACTIONS, VOL. 4, NO. 1, MARCH 2006 1 Uma Metodologia de Identificação de Imagens de Impressões Digitais pelo Filtro de Gabor Sanderson L. Gonzaga de Oliveira e Joaquim Teixeira

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Processamento Digital de Imagens

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Processamento Digital de Imagens Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Processamento Digital de Imagens Prof Fabrízzio Alphonsus A M N Soares 2012 Capítulo 2 Fundamentos da Imagem Digital Definição de Imagem: Uma imagem

Leia mais

2º Exame Computação Gráfica

2º Exame Computação Gráfica 2º Exame Computação Gráfica LEIC-T Prof. Mário Rui Gomes 17 de Julho 2007 Nº Nome: Antes de começar: Identifique todas as folhas com o seu número. Responda às questões seguintes justificando adequadamente

Leia mais

Relatório. José Jasnau Caeiro. Docente. Gildo Soares e Hugo Brás. Discentes. Tecnologias Biométricas. Mestrado em Engenharia da Segurança Informática

Relatório. José Jasnau Caeiro. Docente. Gildo Soares e Hugo Brás. Discentes. Tecnologias Biométricas. Mestrado em Engenharia da Segurança Informática Relatório José Jasnau Caeiro Docente Gildo Soares e Hugo Brás Discentes Tecnologias Biométricas Mestrado em Engenharia da Segurança Informática Junho 2012 Conteúdo Índice Geral......................................

Leia mais

2.1.2 Definição Matemática de Imagem

2.1.2 Definição Matemática de Imagem Capítulo 2 Fundamentação Teórica Este capítulo descreve os fundamentos e as etapas do processamento digital de imagens. 2.1 Fundamentos para Processamento Digital de Imagens Esta seção apresenta as propriedades

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS Obter uma imagem temática a partir de métodos de classificação de imagens multi- espectrais 1. CLASSIFICAÇÃO POR PIXEL é o processo de extração

Leia mais

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos Aula 9 ESCALA GRÁFICA META Apresentar as formas de medição da proporcionalidade entre o mundo real e os mapas através das escalas gráficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer formas

Leia mais

Algoritmo. Iniciação do Sistema e Estimativa do consumo. Perfil do utilizador. Recolha de dados

Algoritmo. Iniciação do Sistema e Estimativa do consumo. Perfil do utilizador. Recolha de dados Algoritmo Iniciação do Sistema e Estimativa do consumo Recolha de dados O algoritmo do sistema de gestão, necessita obrigatoriamente de conhecer todos (ou grande maioria) os aparelhos ligados numa habitação

Leia mais

NO ESTUDO DE FUNÇÕES

NO ESTUDO DE FUNÇÕES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SEMANA DA MATEMÁTICA 2014 UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES GRÁFICOS NO ESTUDO DE FUNÇÕES PIBID MATEMÁTICA 2009 CURITIBA

Leia mais

Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes

Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes Aluno: Gabriel Lins Tenório Orientadoras: Roxana Jiménez e Marley Rebuzzi Vellasco Introdução A aplicação de robôs móveis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98

08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98 TOPOGRAFIA 08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98 levantamento pontos planimétricos, altimétricos ou planialtimétricos pontos de apoio (partir destes ) Projeção ΔX = D. sen Az ΔY = D. cos Az TÉCNICAS

Leia mais

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho. INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.pt Este trabalho tem como objectivo descrever uma experiência pedagógica

Leia mais

PERSPECTIVA LINEAR DEFINIÇÕES E TEOREMAS

PERSPECTIVA LINEAR DEFINIÇÕES E TEOREMAS Figura 64. Tapeçaria da sala de actos do Governo Civil de Bragança (800 cm x 800 cm). Luís Canotilho 2000. A geometria é também aplicada ao simbolismo humano. No presente caso as formas geométricas identificam

Leia mais

IMES Catanduva. Probabilidades e Estatística. no Excel. Matemática. Bertolo, L.A.

IMES Catanduva. Probabilidades e Estatística. no Excel. Matemática. Bertolo, L.A. IMES Catanduva Probabilidades e Estatística Estatística no Excel Matemática Bertolo, L.A. Aplicada Versão BETA Maio 2010 Bertolo Estatística Aplicada no Excel Capítulo 3 Dados Bivariados São pares de valores

Leia mais

Aula 8 : Desenho Topográfico

Aula 8 : Desenho Topográfico Aula 8 : Desenho Topográfico Topografia, do grego topos (lugar) e graphein (descrever), é a ciência aplicada que representa, no papel, a configuração (contorno,dimensão e posição relativa) de um porção

Leia mais

ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO. Conversão de um par de imagens (a)-(b) em um mapa de profundidade (c)

ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO. Conversão de um par de imagens (a)-(b) em um mapa de profundidade (c) ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO Visão estereoscópica se refere à habilidade de inferir informações da estrutura 3-D e de distâncias da cena de duas ou mais imagens tomadas de posições diferentes. Conversão de

Leia mais

Como foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer:

Como foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer: ELETRÔNI IGITl I FUNÇÕES LÓGIS Formas de representação de uma função lógica omo foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer: Soma de Produtos Produtos

Leia mais

Técnicas de Suavização de Imagens e Eliminação de Ruídos

Técnicas de Suavização de Imagens e Eliminação de Ruídos 21 Técnicas de Suavização de Imagens e Eliminação de Ruídos Carlos H. Sanches 1, Paulo J. Fontoura 1, Phillypi F. Viera 1, Marcos A. Batista 1 1 Instituto de Biotecnologia Universidade Federal do Goiás

Leia mais

Representação de números em máquinas

Representação de números em máquinas Capítulo 1 Representação de números em máquinas 1.1. Sistema de numeração Um sistema de numeração é formado por uma coleção de símbolos e regras para representar conjuntos de números de maneira consistente.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PÓS GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PÓS GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PÓS GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA INF2608 FUNDAMENTOS DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA RELATÓRIO: IMAGENS SÍSMICAS VISUALIZAÇÃO E DETECÇÃO

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 0.45, de 9/04/00 - D.O.U. de /04/00 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Disciplina: Cálculo Numérico Ano: 03 Prof: Natã Goulart

Leia mais

Modelação espacial da temperatura na ilha de Santiago, Cabo Verde, com o GeoStatistical Analyst

Modelação espacial da temperatura na ilha de Santiago, Cabo Verde, com o GeoStatistical Analyst volume 2 número 3 p - Modelação espacial da temperatura na ilha de Santiago, Cabo Verde, com o GeoStatistical Analyst Amândio Furtado 1 João Negreiros 2 A utilização dos métodos de interpolação espacial

Leia mais

1) Plano de Aula PARTE I ENQUADRAMENTO. Título Nível de Ensino Anos de escolaridade Disciplina Escala Tema/Conteúdos

1) Plano de Aula PARTE I ENQUADRAMENTO. Título Nível de Ensino Anos de escolaridade Disciplina Escala Tema/Conteúdos 1) Plano de Aula PARTE I ENQUADRAMENTO Título Nível de Ensino Anos de escolaridade Disciplina Escala Tema/Conteúdos Conceitos Objectivos/ Competências Agricultura controlada 3º Ciclo 8º Ano Geografia Território

Leia mais

Segmentação de imagens tridimensionais utilizando o sensor Microsoft Kinect

Segmentação de imagens tridimensionais utilizando o sensor Microsoft Kinect Segmentação de imagens tridimensionais utilizando o sensor Microsoft Kinect Lucas Viana Barbosa 1 ; Wanderson Rigo 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Os sistemas de visão artificial vêm auxiliando o ser

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Controle de Congestionamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Controle de Congestionamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Controle de Congestionamento Professor Rene - UNIP 1 Revisão... Segmento A unidade de dados trocada entre as entidades de transporte é denominada

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais

Uma análise qualitativa RESUMO

Uma análise qualitativa RESUMO Mostra Nacional de Iniciação Científica e Tecnológica Interdisciplinar III MICTI Fórum Nacional de Iniciação Científica no Ensino Médio e Técnico - I FONAIC-EMT Camboriú, SC, 22, 23 e 24 de abril de 2009

Leia mais

OFERTA DE DISCIPLINAS DE REPERCURSO EM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA EAD. Palavras-chave: Repercurso; Licenciatura em Matemática; EaD; UAB.

OFERTA DE DISCIPLINAS DE REPERCURSO EM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA EAD. Palavras-chave: Repercurso; Licenciatura em Matemática; EaD; UAB. OFERTA DE DISCIPLINAS DE REPERCURSO EM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA EAD Sabrina Bobsin Salazar Universidade Federal de Pelotas sabrina.salazar@cead.ufpel.edu.br Resumo: Este trabalho relata a oferta

Leia mais

The Application of The Principles of GLP to Computerised

The Application of The Principles of GLP to Computerised APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS BPL AOS SISTEMAS INFORMATIZADOS NORMA N o NIT-DICLA-038 APROVADA EM SET/2011 N o 01/13 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico da revisão 5 Siglas

Leia mais

4 Experimentos Computacionais

4 Experimentos Computacionais 33 4 Experimentos Computacionais O programa desenvolvido neste trabalho foi todo implementado na linguagem de programação C/C++. Dentre as bibliotecas utilizadas, destacamos: o OpenCV [23], para processamento

Leia mais

A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS

A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS Cesar Ramos Rodrigues - cesar@ieee.org Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Tecnologia,

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.688, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. Lúcio Rodrigues Capelletto

CARTA CIRCULAR Nº 3.688, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. Lúcio Rodrigues Capelletto CARTA CIRCULAR Nº 3.688, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre as informações que devem constar no relatório de que trata a Circular nº 3.646, de 4 de março de 2013. O Chefe do Departamento de Supervisão

Leia mais

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3.1 INTRODUÇÃO O sistema de geração da imagem de RM emprega muitos fatores técnicos que devem ser considerados, compreendidos e algumas vezes modificados no painel de controle durante

Leia mais

Filtragem. pixel. perfil de linha. Coluna de pixels. Imagem. Linha. Primeiro pixel na linha

Filtragem. pixel. perfil de linha. Coluna de pixels. Imagem. Linha. Primeiro pixel na linha Filtragem As técnicas de filtragem são transformações da imagem "pixel" a "pixel", que dependem do nível de cinza de um determinado "pixel" e do valor dos níveis de cinza dos "pixels" vizinhos, na imagem

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1ª Série Programação Estruturada I A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

Modelagem Digital do Terreno

Modelagem Digital do Terreno Geoprocessamento: Geração de dados 3D Modelagem Digital do Terreno Conceito Um Modelo Digital de Terreno (MDT) representa o comportamento de um fenômeno que ocorre em uma região da superfície terrestre

Leia mais

Passo- a- passo SKILLSPECTOR Software gratuito para análise cinemática Procedimentos para configuração, digitalização e calibragem

Passo- a- passo SKILLSPECTOR Software gratuito para análise cinemática Procedimentos para configuração, digitalização e calibragem Passo- a- passo SKILLSPECTOR Software gratuito para análise cinemática Procedimentos para configuração, digitalização e calibragem Prof. Dr. Ricardo Martins de Souza O passo- a- passo a seguir tem como

Leia mais

Comprimentos de Curvas e Coordenadas Polares Aula 38

Comprimentos de Curvas e Coordenadas Polares Aula 38 Comprimentos de Curvas e Coordenadas Polares Aula 38 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 12 de Junho de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106 - Engenharia

Leia mais

ESTRATÉGIAS /ACTIVIDADES. Fazer uma abordagem teórica e simples

ESTRATÉGIAS /ACTIVIDADES. Fazer uma abordagem teórica e simples Conhecer os conceitos básicos relacionados com as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC). Conhecer a terminologia relacionada com as TIC Caracterizar informação Identificar e caracterizar as áreas

Leia mais

Matemática em Toda Parte II

Matemática em Toda Parte II Matemática em Toda Parte II Episódio: Matemática no Transporte Resumo O episódio Matemática no Transporte, da série Matemática em Toda Parte II, vai mostrar como alguns conceitos matemáticos estão presentes

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

Parte 2 Exercícios com planilhas do Guia

Parte 2 Exercícios com planilhas do Guia Apostila Parte 2 Exercícios com planilhas do Guia 2.2 Refrigeração em baixa renda Revisão Motivo da Revisão Data 0 Emissão inicial 09/04/2014 1 Comentários treinamento ANEEL 24/04/2014 TREINAMENTO PARA

Leia mais

Notas de Cálculo Numérico

Notas de Cálculo Numérico Notas de Cálculo Numérico Túlio Carvalho 6 de novembro de 2002 2 Cálculo Numérico Capítulo 1 Elementos sobre erros numéricos Neste primeiro capítulo, vamos falar de uma limitação importante do cálculo

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processo de Software Thiago P. da Silva thiagosilva.inf@gmail.com Agenda Revisando Engenharia de Software Engenharia de Sistemas Processo de software Fases Genéricas de Modelos de

Leia mais

VISÃO COMPUTACIONAL APLICADA PARA O APOIO À CALIBRAÇÃO DE TERMOHIGRÔMETROS

VISÃO COMPUTACIONAL APLICADA PARA O APOIO À CALIBRAÇÃO DE TERMOHIGRÔMETROS VISÃO COMPUTACIONAL APLICADA PARA O APOIO À CALIBRAÇÃO DE TERMOHIGRÔMETROS Vladimir Geraseev Junior Universidade de Taubaté - UNITAU vgeraseev@gmail.com RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

Com fazer uma pesquisa

Com fazer uma pesquisa Agrupamento de Escolas Tomaz Pelayo Como elaborar um trabalho escolar Com fazer uma pesquisa 23-01-2014 (Elaborado por Manuel Rodrigues) Tenho de fazer um trabalho sobre... Como e por onde começar?? Onde

Leia mais

Programação em papel quadriculado

Programação em papel quadriculado 4 NOME DA AULA: Programação em papel quadriculado Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10 minutos Objetivo principal: ajudar os alunos a entender como a codificação funciona. RESUMO Ao "programar"

Leia mais

Exercícios Adicionais

Exercícios Adicionais Exercícios Adicionais Observação: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós recomendamos

Leia mais