Trabalho de Implementação Jogo Reversi

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho de Implementação Jogo Reversi"

Transcrição

1 Trabalho de Implementação Jogo Reversi Paulo Afonso Parreira Júnior Rilson Machado de Olivera Universidade Federal de Lavras UFLA Departamento de Ciência da Computação - DCC Resumo: este trabalho apresenta os artefatos gerados durante o desenvolvimento do jogo Reversi, tais como: a descrição do trabalho, o diagrama de caso de uso e o diagrama de classes. O trabalho apresenta ainda, detalhes sobre as técnicas de busca competitiva utilizadas pelo jogo. Ao final, será indicado o link para execução do jogo através da Internet. 1 Introdução Nos primeiros anos da pesquisa em Inteligência Artificial - IA, desenvolver bons métodos de busca era o principal objetivo. Os pesquisadores acreditavam que a busca é a base da resolução de problemas [1]. Antes de adentrar mais no assunto, faz-se necessário explicitar alguns termos inerentes aos métodos de buscas. Esta terminologia é representada na Tabela 1. Estado Termos Estado inicial Operadores ou ações Espaço de estados Caminho Teste de objetivo Custo do caminho Solução Completude Complexidade de tempo Complexidade no espaço Optimalidade Situação relevante para o problema. Descrição Estado onde o agente se encontra no início. Conjunto de ações disponíveis ao agente que permite ir de um estado para outro. Conjunto de todos os estados alcançáveis a partir do estado inicial por meios da aplicação de uma sequência de ações. Uma sequência de ações levando de um estado a outro. Teste aplicado pelo agente para verificar se chegou a um estado objetivo. A soma total dos custos das ações individuais ao longo de uma caminho, denotada pela função g. Um caminho que parte do estado inicial e leva a uma estado objetivo. A estratégia garante encontrar uma solução se esta existir? Quanto demorou a achar a solução? Quanta memória foi necessária para achar a solução? A solução encontrada foi a melhor? Tabela 1Terminologia: Métodos de Busca. Fonte: [1] A Figura 1, a Figura 2 e a Figura 3 representam exemplos de problemas e a definição de métodos de busca que possam resolvê-los.

2 Figura 1: Exemplo: Quebra-Cabeça. Fonte: [1] Figura 2: Exemplo: Oito Rainhas. Fonte: [1] Figura 3: Exemplo: Missionário e Canibais. Fonte: [1]

3 O funcionamento de um método de busca pode ser visto como um processo de expansão de uma árvore [1]. Assim sendo, podem-se utiliza estratégias para expansão deste nós. Algumas estratégias conhecidas são: (i) busca de amplitude, (ii) bsuca de custo uniforme, (iii) bsuca em profundidade, (iv) minimax, (v) poda alpha-beta, entre outras. Neste trabalho, serão implementados o algoritmo mini-max e a estratégia de poda alpha-beta. 1.1 Minimax O algorítimo MINIMAX é uma técnica de busca utilizada em jogos de soma zero (se alguém ganha, alguém tem que perder). Considere o jogo de xadrez, por exemplo, temos dois lados: as brancas e as pretas. Se um ganha, o outro perde, assim, se a pontuação de um jogador é X, a do oponente é -X, garantindo a soma 0 [1]. Baseado no algoritmo descrito no livro Prolog Programming For Artificial Intelligence. É através deste algoritmo que o computador procura a melhor jogada a efectuar. O algoritmo minimax, consiste na construção de uma árvore com as jogadas possíveis para cada jogador e todas as subsequentes destas. É atribuído então aos nós terminais (jogadas que não têm descendentes ) um valor conforme as condições do tabuleiro favoreçam um jogador ou outro. Desse modo, um dos jogadores deverá tentar obter o valor máximo (jogador MAX) e outro o valor mínimo (jogador MIN). Logo, a todo nó ascendente de um nó terminal, será atribuído o valor do filho com menor ou maior valor, conforme seja uma jogada do MIN ou MAX respectivamente. O mesmo é repetido para todos os nós da árvore, até chegar ao valor da raiz. Na prática, a árvore não é visitada até às folhas, mas sim até uma determinada profundidade imposta por limites de tempo para efectuação da jogada e capacidade de processamento [2]. Neste trabalho, o usuário poderá selecionar até que nível da árvore o algoritmo deverá pesquisar. Através da opção Nível de Dificuldade na tela principal do jogo, o usuário poderá escolher entre os valores: Fácil Intermediário Difícil Estes estes valores representam até que nível da árvore de busca o algoritmo deverá executar. Sendo assim, o valor Fácil permitirá que o algoritmo vasculhe até o 3º nível, o nível intermediário até o 5º nível e o nível Difícil até o 7º nível. Segundo [1], conforme a altura da árvore aumenta, melhor é a jogada do computador. 1.2 Cortes Alpha-Beta Os cortes alpha-beta procuram aumentar a eficiência do algoritmo minimax permitindo a omissão de alguns ramos da árvore de jogadas possíveis na procura da melhor jogada. A ideia é encontrar uma jogada que seja suficientemente boa (não necessariamente a melhor) para conduzir à decisão correcta. É com esse intuito que são introduzidos os limites Alpha e Beta, sendo Alpha o valor mínimo que se garante que o MAX obtenha, e o Beta o valor máximo que o MAX pode esperar obter (logo, o valor final obtido encontrar-se-á entre este dois limites). Se se concluir que uma jogada têm valores exteriores ao intervalo, trata-se de uma jogada que não deverá ser efectuada, não sendo necessário calcular o seu valor exacto, este só tem de ser calculado caso o valor se encontre dentro do intervalo Alpha-Beta [2]. No pior caso, o algoritmo alpha-beta visitará exactamente as mesmas posições que visita o algoritmo minimax simples, não havendo nesse caso vantagem deste algoritmo em relação ao minimax exaustivo. No entanto, está provado que no melhor caso (quando a jogada mais forte é considerada primeiro) o algoritmo alpha-beta terá apenas que avaliar a raiz do número de jogadas terminais que teriam de ser avaliadas pelo algoritmo de pesquisa minimax exaustivo.

4 1.3 Heurísticas Neste trabalho foram utilizadas 2 heurísticas para avaliação das possíveis jogadas. A primeira foi proposta por [1] e é apresentada na seção A segunda heurística foi proposta pela equipe de desenvolvedores (Paulo Afonso e Rilson) e é apresentada na seção A avaliação final de uma jogada é feita a partir da média ponderada dos valores resultantes das 2 heurísticas anteriormente citadas (ver Figura 4). Avaliação Final Jogada = (Avaliação Heurística 1) * (Avaliação Heurística 2) * Heurísticas dos Pesos Figura 4: Avaliação final de uma jogada A avaliação de um nó é dada da seguinte maneira: para todas as peças que possuída por quem está na vez da jogada (Usuário/Computador), soma-se o seu valor baseado na seguinte matriz de pesos (ver Tabela 2): Considerações sobre a matriz de pesos [2]: Tabela 2: Matriz de Pesos. Fonte: [2] 1. As casas do meio mudam freqüentemente o seu valor. Por isso achamos que não valia muito possuir uma casa dessas. 2. As casas do canto são muito valiosas, uma vez que seu valor nunca poderá ser alterado. 3. As casas vizinhas às casas do canto são as piores casas do tabuleiro, uma vez que se você possuílas, você dará oportunidade do adversário dominar um canto. 4. Todas as outras casas têm um valor razoavelmente bom, e quanto mais você possuir, mais opções de jogo você terá, reduzindo as chances de você ter que ceder a vez Heurísticas da Qunatidade de Peças Capturadas Esta é uma heurística simples onde cada jogada é avaliada de acordo com a quantidade de peças capturadas na mesma. Ou seja, uma jogada em que mais peças do adversário são capturadas, para esta heurística, é considerada um boa jogada. 2 Desenvolvimento do Jogo 2.1 Descrição do trabalho O objetivo desse trabalho é implementar algumas técnicas de busca competitiva que são utilizadas em jogo clássicos em IA. Implementar um programa para jogos conhecidos como

5 Reversi. O Resversi é um de tabuleiro, onde dois jogadores (um branco e outro preto) tentam preencher o maior numero de posição como suas peças. O tabuleiro tem 8X8 posições, e inicialmente as posições centrais são preenchidas com 2 peças brancas e duas peças pretas formando um X. O jogador preto começa e deve colocar sua peça de forma que exista pelo menos uma peça branca peça capturada entre duas peças pretas, seja na vertical, horizontal ou diagonal. As peças capturadas mudam de cor, e o jogo termina quando nenhum jogador possui mais nenhuma jogada valida. 2.2 Diagrama de Casos de Uso Esta seção apresenta o diagrama de Casos de Uso do sistema a ser desenvolvido. Como pode ser visto na Figura 5, o usuário poderá iniciar um jogo e reiniciá-lo a qualquer momento, poderá também selecionar uma jogada quando for sua vez de jogar, consultar ajuda e visualizar sobre. Figura 5: Diagrama de Casos de Uso - Jogo Reversi. O outro atuador do sistema, o ator Computador, representa a máquina que irá jogar contra o usuário. Como pode-se observar, este ator apenas pode selecionar uma jogada quando for a sua vez de jogar. O detalhamento destes Casos de Uso pode ser visto na Tabela X. Id Caso de Uso: 001 Nome: Iniciar Jogo Descrição: O ator iniciar uma nova partida. Ator(es): Usuário Pré-Condições: O Ator ter selecionado um tema, com qual peça deseja jogar e o nível de dificuldade do jogo. Extension Points: O Ator inicia o Caso de Uso selecionando Iniciar Jogo ; 2. O Sistema atualiza o tabuleiro e exibe a tela para um novo jogo; Pós-Condições: Um novo jogo é iniciado. Exceções: --

6 Id Caso de Uso: 002 Nome: Reiniciar Jogo Descrição: O ator poderá reiniciar um jogo a qualquer momento. Ator(es): Usuário Pré-Condições: -- Extension Points: -- 3.O Ator inicia o Caso de Uso selecionando Reiniciar Jogo ; 4.O Sistema atualiza o tabuleiro e exibe a tela para um novo jogo; Pós-Condições: Um novo jogo é iniciado. Exceções: -- Id Caso de Uso: 003 Nome: Selecionar jogada Descrição: O Ator informa a jogada que deseja realizar naquele momento; Ator(es): Usuário, Computador Pré-Condições: -- Extension Points: Consultar Ajuda 1. O Ator inicia o Caso de Uso informando a jogada que deseja realizar, ou seja, informando sobre qual casa deseja colocar uma peça sua; 2. O Sistema verifica se a jogada satisfaz as regras do jogo [E1]; 3. O Sistema atualiza o tabuleiro e encerra o Caso de Uso; Pós-Condições: Uma nova configuração do tabuleiro é representada; Exceções: Exceção E1 Jogada Inválida. 1. O Sistema informa que a jogada não é válida; volta para o passo 1 do Fluxo Básico; Id Caso de Uso: 004 Nome: Consultar Ajuda Descrição: O Ator obtém ajuda sobre as regras do jogo; Ator(es): -- Pré-Condições: -- Extension Points: O Ator inicia o Caso de Uso, selecionando Consultar Ajuda ; 2. O Sistema exibe as informações sobre o jogo, bem como suas regras e dicas de boas jogadas; Pós-Condições: Informações sobre o jogo são exibidas. Exceções: --

7 Id Caso de Uso: 005 Nome: Consultar Sobre Descrição: Exibe informações sobre a equipe que desenvolveu o jogo; Ator(es): -- Pré-Condições: -- Extension Points: O Ator inicia o Caso de Uso, selecionando Consultar Sobre ; 2. O Sistema exibe as informações dos desenvolvedores do jogo; Pós-Condições: Informações sobre os desenvolvedores são exibidas. Exceções: Diagrama de Classes Esta seção apresenta o diagrama de Classes do jogo desenvolvido (ver Figura 6), bem como uma breve descrição sobre cada uma das classes presentes no diagrama (ver Tabela 3). Tabuleiro Classe TabuleiroSingleton CasaTabuleiro JogadaValida Jogo Util Tema JApplet Descrição Classe que modela o tabuleiro do jogo. Possui métodos para manipulação das peças no tabuleiro, bem como para a escolha das jogadas através dos métodos de busca Minimax e Poda alfa-beta. Classe derivada do Design Pattern Singleton que garante a existência de apenas uma instância da classe Tabuleiro durante o jogo. Classe que modela uma casa do tabuleiro. Possui métodos que possibilitam verificar se casa está vazia, ou com alguma peça. Consiste de um casa de destino e algumas casas que possuem peças a serem capturadas. Ou seja, é uma classe que modela uma jogada, e esta jogada necessariamente é válida, ou seja, é passível de ocorrer. Classe que modela o jogo reversi. É responsável por criar a interface do jogo e garantir a interação com o usuário. Funciona como interface entre o usuário e o tabuleiro do jogo, traduzindo os eventos gerados pelo jogador em ações de movimentação de peças do tabuleiro. Classe utilitária, responsável por armazenar as mensagens e constantes utilizadas pelo jogo. Classe que modela um tema de jogo. É responsável por definir o formato das peças do tabuleiro. Classe distribuída junto com a plataforma de desenvolvimento JDK da linguagem JAVA. Permite a construção de Applets: componentes que podem ser incoporados a páginas HTML e executados via web. Tabela 3: Descrição das classes - Jogo Reversi

8 3 Ferramentas Utilizadas Para o desenvolvimento deste trabalho foram utilizadas as seguintes tecnologias: Plataforma de programação JAVA 1.5: tecnologia Applet; Browser Mozila Firefox; Ferramenta de modelagem de sistemas orientados a objetos baseado na UML JUDE 5.0; Considerações Finais Com este trabalho foi possível aprender mais sobre as estratégias de IA (Minimax e Poda Alfa-beta) utilizadas em jogos. Utilizando o algoritmo MiniMax, observou-se a diferença na qualidade das jogadas encontradas pelo computador quando este é habilitado a vasculhar mais ou menos o espaço de busca da solução. Percebeu-se também, que quanto mais alta era árvore de busca (nível de dificuldade difícil), maior era o tempo dispensado para retornar uma jogada válida. Sendo assim, foi implementado a estratégia de poda alfa-beta que garante um desempenho maior deste algoritmo por realizar cortes na árvore de busca em regiões onde a melhor solução não se encontra. O resultado do trabalho encontra-se disponibilizado na Internet e pode ser acessado através do endereço endereço: 6 Referências Bibliográficas Figura 6: Diagrama de classes - Jogo Reversi [1] Notas de aula. Disciplina: IA Inteligência Artificial, UFLA: 2007/2. [2]

Algoritmos de retrocesso

Algoritmos de retrocesso Algoritmos de retrocesso Algoritmos em que se geram escolhas que vão sendo testadas e eventualmente refeitas Problemas para os quais não existem algoritmos eficientes: retrocesso é melhor que pesquisa

Leia mais

Anatomia do motor de um programa de xadrez. Hugo Vinicius M. D. Santana Orientador: José Coelho de Pina

Anatomia do motor de um programa de xadrez. Hugo Vinicius M. D. Santana Orientador: José Coelho de Pina Anatomia do motor de um programa de xadrez Hugo Vinicius M. D. Santana Orientador: José Coelho de Pina Conteúdo Objetivo O que é um motor de xadrez? Arquitetura Entrada e saída Representação do tabuleiro

Leia mais

Busca com informação e exploração. Inteligência Artificial. Revisão da aula passada: Heurística Admissível. Revisão da aula passada: Busca A *

Busca com informação e exploração. Inteligência Artificial. Revisão da aula passada: Heurística Admissível. Revisão da aula passada: Busca A * Inteligência Artificial Aula 6 Profª Bianca Zadrozny http://www.ic.uff.br/~bianca/ia Busca com informação e exploração Capítulo 4 Russell & Norvig Seção 4.2 e 4.3 Revisão da aula passada: Busca A * Idéia:

Leia mais

Busca competitiva. Inteligência Artificial. Profª. Solange O. Rezende

Busca competitiva. Inteligência Artificial. Profª. Solange O. Rezende Profª. Solange O. Rezende 1 O que vimos até agora... Busca não informada Baseada somente na organização de estados e a sucessão entre eles Busca informada Utiliza, também, informações a respeito do domínio

Leia mais

Enunciados dos Exercícios Cap. 2 Russell & Norvig

Enunciados dos Exercícios Cap. 2 Russell & Norvig Enunciados dos Exercícios Cap. 2 Russell & Norvig 1. (2.2) Tanto a medida de desempenho quanto a função de utilidade medem o quanto um agente está desempenhando bem suas atividades. Explique a diferença

Leia mais

Técnicas para Implementação de Jogos

Técnicas para Implementação de Jogos Técnicas para Implementação de Jogos Solange O. Rezende Thiago A. S. Pardo Considerações gerais Aplicações atrativas para métodos de IA Formulação simples do problema (ações bem definidas) Ambiente acessível

Leia mais

Ex. 1) Considere que a árvore seguinte corresponde a uma parte do espaço de estados de um jogo de dois agentes: f=7 f=7 f=1 f=2

Ex. 1) Considere que a árvore seguinte corresponde a uma parte do espaço de estados de um jogo de dois agentes: f=7 f=7 f=1 f=2 LERCI/LEIC Tagus 2005/06 Inteligência Artificial Exercícios sobre Minimax: Ex. 1) Considere que a árvore seguinte corresponde a uma parte do espaço de estados de um jogo de dois agentes: Max Min f=4 f=7

Leia mais

Árvore de Jogos Minimax e Poda Alfa-Beta

Árvore de Jogos Minimax e Poda Alfa-Beta Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Árvore de Jogos Minimax e Poda Alfa-Beta Inteligência Artificial Site: http://jeiks.net E-mail: jacsonrcsilva@gmail.com

Leia mais

Jogos com Oponentes. Problemas de busca: não assumem a presença de um oponente

Jogos com Oponentes. Problemas de busca: não assumem a presença de um oponente istemas Inteligentes, 10-11 1 Jogos com ponentes Problemas de busca: não assumem a presença de um oponente Jogos: oponente INCERTEZA! Incerteza porque não se conhece as jogadas exatas do oponente e não

Leia mais

Alternativamente pode ser pensado como uma forma de maximizar o minimo ganho possível.

Alternativamente pode ser pensado como uma forma de maximizar o minimo ganho possível. Inteligência Artificial Algoritmo i com cortes Alfa-Beta Ana Saraiva 050509087 Ana Barbosa 050509089 Marco Cunha 050509048 Tiago Fernandes 050509081 FEUP - MIEIC 3ºAno/ºSemestre 1 Introdução O algoritmo

Leia mais

12 = JL (DE UMA A TRÊS CASAS EM QUALQUER DIREÇÃO, INCLUSIVE R1 PARA OS PEÕES)

12 = JL (DE UMA A TRÊS CASAS EM QUALQUER DIREÇÃO, INCLUSIVE R1 PARA OS PEÕES) XADREZ DA SORTE MATERIAL UM TABULEIRO COMUM DE 64 CASAS. DOIS DADOS COMUNS. AS 32 PEÇAS DO JOGO DE XADREZ. PONTUAÇÃO DOS DADOS A PONTUAÇÃO PARA MOVIMENTAÇÃO É A SEGUINTE: 2 = R1 (RETORNA UMA CASA) 3 =

Leia mais

ESTATÍSTICA. na Contabilidade Parte 7. Amostragem

ESTATÍSTICA. na Contabilidade Parte 7. Amostragem ESTATÍSTICA na Contabilidade Parte 7 Luiz A. Bertolo Amostragem Chama-se amostragem o processo de colher amostras. Nesse processo, cada elemento da população passa a ter a mesma chance de ser escolhido.

Leia mais

XADREZ NA UFG. Módulo I -Introdução. Prof. Dr. André Carlos Silva Profa. MSc. Elenice Maria Schons Silva

XADREZ NA UFG. Módulo I -Introdução. Prof. Dr. André Carlos Silva Profa. MSc. Elenice Maria Schons Silva XADREZ NA UFG Módulo I -Introdução Prof. Dr. André Carlos Silva Profa. MSc. Elenice Maria Schons Silva História do Xadrez Benjamin Franklin disputando uma partida de xadrez, quadro do artista Edward Harrison

Leia mais

5ª Lista de Exercícios de Programação I

5ª Lista de Exercícios de Programação I 5ª Lista de Exercícios de Programação I Instrução As questões devem ser implementadas em C. Questões que envolvam leitura de matrizes, a construção dessas matrizes pode ser realizada através da geração

Leia mais

PCS Inteligência Artificial

PCS Inteligência Artificial PCS 2059 - Inteligência Artificial 1a. Lista de Exercícios Prof. Responsável: Jaime Simão Sichman A. Introdução à IA 1. Descreva resumidamente o que é o Teste de Turing. B. Representação por Espaço de

Leia mais

Microsoft Faculty Connection

Microsoft Faculty Connection Microsoft Faculty Connection Plataforma de Jogos como Ferramenta Multidisciplinar Prof. Dr. LucianoAntonio Digiampietri EACH-USP Roteiro Introdução Objetivos Detalhamentodo Projeto Conclusões Introdução

Leia mais

Introdução a Teste de Software

Introdução a Teste de Software Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Introdução a Teste de Software Prof. Luthiano Venecian 1 Conceitos Teste de software

Leia mais

VISÃO COMPUTACIONAL PARA RECONHECIMENTO DE FACES APLICADO NA IDENTIFICAÇÃO E AUTENTICAÇÃO DE USUÁRIOS NA WEB. Márcio Koch

VISÃO COMPUTACIONAL PARA RECONHECIMENTO DE FACES APLICADO NA IDENTIFICAÇÃO E AUTENTICAÇÃO DE USUÁRIOS NA WEB. Márcio Koch VISÃO COMPUTACIONAL PARA RECONHECIMENTO DE FACES APLICADO NA IDENTIFICAÇÃO E AUTENTICAÇÃO DE USUÁRIOS NA WEB Márcio Koch Orientador: Jacques Robert Heckmann ROTEIRO Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação

Leia mais

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. Prof. Marcelo Roberto Zorzan

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. Prof. Marcelo Roberto Zorzan Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web Prof. Marcelo Roberto Zorzan História do Java Origem Linguagem desenvolvida pela Sun Microsystems Sintaxe similar ao C++ Inicialmente chamada

Leia mais

Aula 9 Especificação de Requisitos Exercício

Aula 9 Especificação de Requisitos Exercício Aula 9 Especificação de Requisitos Exercício Alessandro Garcia LES/DI/PUC-Rio Abril 2017 Exercício Faça a especificação de requisitos do programa do jogo FreeCell com base no que foi apresentado na aula

Leia mais

Inteligência Artificial (SI 214) Aula 6 Busca com Adversário. Prof. Josenildo Silva

Inteligência Artificial (SI 214) Aula 6 Busca com Adversário. Prof. Josenildo Silva Inteligência Artificial (SI 214) Aula 6 Busca com Adversário Prof. Josenildo Silva jcsilva@ifma.edu.br 2015 2012-2015 Josenildo Silva (jcsilva@ifma.edu.br) Este material é derivado dos slides de Hwee Tou

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 24 Aprendizado Por Reforço Formas de Aprendizado Aprendizado Supervisionado Árvores de Decisão. K-Nearest Neighbor (KNN).

Leia mais

Jogo de Damas. Alunos: Sávio Mendes de Figueiredo Sômulo Nogueira Mafra

Jogo de Damas. Alunos: Sávio Mendes de Figueiredo Sômulo Nogueira Mafra Jogo de Damas Alunos: Sávio Mendes de Figueiredo (savio@cos.ufrj.br) Sômulo Nogueira Mafra (somulo@cos.ufrj.br) Prof.: Inês dutra Inteligência artificial Coppe sistemas - UFRJ 1. Algumas Frases 2. Origens

Leia mais

PMR Computação para Mecatrônica

PMR Computação para Mecatrônica PMR3201 - Computação para Mecatrônica Prof. Thiago de Castro Martins Prof. Newton Maruyama Prof. Marcos de S.G. Tsuzuki Monitor: Pietro Teruya Domingues Exercício Programa 2 - Versão 2017 Resolvendo o

Leia mais

O jogo de Go. O tabuleiro e as pedras. Tabuleiro 19x19 Tabuleiro 13x13 9x9

O jogo de Go. O tabuleiro e as pedras. Tabuleiro 19x19 Tabuleiro 13x13 9x9 O JOGO DE GO O jogo de Go O Go é um antigo jogo de tabuleiro e acredita-se ter surgido entre 2500 e 4000 anos atrás na China. É um jogo de regras simples, mas por outro lado é extremamente complexo. Segundo

Leia mais

Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção

Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção / GRUPO I (Exame 2013-2ª Fase) 1. (B) 2. 3. 3.1. Para que a intensidade média da radiação solar seja 1,3 x 10 3 Wm -2 é necessário que

Leia mais

JOGOS LIVRO REGRAS M AT E M Á T I CO S. 11.º Campeonato Nacional

JOGOS LIVRO REGRAS M AT E M Á T I CO S. 11.º Campeonato Nacional Vila Real JOGOS M AT E M Á T I CO S.º Campeonato Nacional LIVRO DE REGRAS Semáforo Autor: Alan Parr Material Um tabuleiro retangular por. 8 peças verdes, 8 amarelas e 8 vermelhas partilhadas pelos jogadores.

Leia mais

Manual SIGOSMS Aplicação de Gerenciamento e Envio SMS

Manual SIGOSMS Aplicação de Gerenciamento e Envio SMS Manual SIGOSMS Aplicação de Gerenciamento e Envio SMS Sumário Introdução...3 Visão Geral do Software...4 Regras SMS...5 Ativar Inicialização Automática...6 Configurações...7 Log...8 Aplicação de Gerenciamento

Leia mais

Redes Neuronais e Aprendizagem Automática 1

Redes Neuronais e Aprendizagem Automática 1 Redes Neuronais e Aprendizagem Automática 2005/2006 18 a aula Fernando.Silva@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico Redes Neuronais e Aprendizagem Automática 1 Sumário Árvores de decisão (continuação) Redes

Leia mais

Árvores Auto-ajustadas

Árvores Auto-ajustadas Árvores Árvores Auto-ajustadas As árvores binárias de pesquisa são projetadas para um acesso rápido à informação. A velocidade das operações de inserção, remoção e busca realizadas sobre as árvores é mais

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3º Teste sumativo de FQA 14. Dez Versão 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3º Teste sumativo de FQA 14. Dez Versão 1 ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3º Teste sumativo de FQA 14. Dez. 2015 Versão 1 11º Ano Turma A e B Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 10 páginas e termina na palavra FIM Nome:

Leia mais

Exercícios: Vetores e Matrizes

Exercícios: Vetores e Matrizes Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C Exercícios: Vetores e Matrizes 1 Vetores 1. Faça um programa que possua um vetor

Leia mais

Algoritmos de ordenação Heapsort

Algoritmos de ordenação Heapsort Algoritmos de ordenação Heapsort Sumário Introdução A estrutura de dados heap Definição Manutenção da propriedade de heap A construção de um heap O algoritmo heapsort Introdução Características do heapsort

Leia mais

1/ 36. Computação 1 - Python Aula 1 - Teórica: Introdução

1/ 36. Computação 1 - Python Aula 1 - Teórica: Introdução 1/ 36 Computação 1 - Python Aula 1 - Teórica: Introdução Conhecendo a turma Experiência com programação e uso do computador Quantos já programaram antes? Quais linguagens? Quantos tem computador em casa

Leia mais

Tabuleiro. Movimento das peças (torre)

Tabuleiro. Movimento das peças (torre) Tabuleiro Posição inicial ¼¼¼¼ ¼¼¼¼ ¼¼¼¼ ¼¼¼¼ ¼¼¼¼ ¼¼¼¼ ¼¼¼¼ ¼¼¼¼ Uma linha é uma sequencia de oito casas dispostas de forma contigua horizontalmente. ¼¼¼¼ ¼¼¼¼ ¼¼¼¼ ¼¼¼¼ ¼¼¼¼ ¼¼¼¼ ¼¼¼¼ ¼¼¼¼ ÖÑÐÒ ÓÔÓÔÓÔÓÔ

Leia mais

4 Modelagem Numérica. 4.1 Método das Diferenças Finitas

4 Modelagem Numérica. 4.1 Método das Diferenças Finitas 4 Modelagem Numérica Para se obter a solução numérica das equações diferenciais que regem o processo de absorção de CO 2,desenvolvido no capitulo anterior, estas precisam ser transformadas em sistemas

Leia mais

1. Jogo com múltiplos

1. Jogo com múltiplos . Jogo com múltiplos.. O jogo Este jogo começa com dois montes constituídos por fichas. Dois jogadores retiram, um de cada vez, fichas de um dos montes, estando obrigados a tirar, em cada jogada, um número

Leia mais

Rational Unified Process (RUP)

Rational Unified Process (RUP) Rational Unified Process (RUP) A Rational é bem conhecida pelo seu investimento em orientação em objetos. A empresa foi à criadora da Unified Modeling Language (UML), assim como de várias ferramentas que

Leia mais

Diagrama de Atividades. Professor: André Gustavo Bastos Lima

Diagrama de Atividades. Professor: André Gustavo Bastos Lima UML Unified Modeling Language Diagrama de Atividades Professor: André Gustavo Bastos Lima Diagrama de Atividades Representação de fluxo de atividades seqüenciais i e concorrentes; Ênfase na transferência

Leia mais

Primeira Lista de Exercícios 2005/1... Exercício 1 Desenhe Diagrama de Estados para Máquinas que Decidem as Linguagens:

Primeira Lista de Exercícios 2005/1... Exercício 1 Desenhe Diagrama de Estados para Máquinas que Decidem as Linguagens: UFLA Universidade Federal de Lavras Departamento de Ciência da Computação COM167 Teoria da Computação Prof. Rudini Sampaio Monitor: Rodrigo Pereira dos Santos Primeira Lista de Exercícios 2005/1 Exercício

Leia mais

Capítulo III Processamento de Imagem

Capítulo III Processamento de Imagem Capítulo III Processamento de Imagem Proc. Sinal e Imagem Mestrado em Informática Médica Miguel Tavares Coimbra Resumo 1. Manipulação ponto a ponto 2. Filtros espaciais 3. Extracção de estruturas geométricas

Leia mais

Inteligência Artificial. Prof. Tiago A. E. Ferreira Aula 5 Resolvendo Problemas

Inteligência Artificial. Prof. Tiago A. E. Ferreira Aula 5 Resolvendo Problemas Inteligência Artificial Prof. Tiago A. E. Ferreira Aula 5 Resolvendo Problemas 1 Agente solucionador de problemas (guiado por objetivo) O agente reativo Escolhe suas ações com base apenas nas percepções

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes

FAQ Perguntas Frequentes FAQ Perguntas Frequentes 1. COMO ACESSO A PLATAFORMA DE ENSINO?... 2 2. ESQUECI MEU LOGIN E SENHA, E AGORA?... 4 3. COMO EU ALTERO MEU PERFIL NA PLATAFORMA?... 5 4. COMO FAÇO PARA ALTERAR MINHA SENHA?...

Leia mais

A procura da melhor partição em Classificação Hierárquica: A abordagem SEP/COP

A procura da melhor partição em Classificação Hierárquica: A abordagem SEP/COP A procura da melhor partição em Classificação Hierárquica: A abordagem SEP/COP Lúcia Sousa Escola Superior de Tecnologia e Gestão, Instituto Politécnico de Viseu Fernanda Sousa Faculdade de Engenharia

Leia mais

Epaminondas. Ludus. Material

Epaminondas. Ludus. Material Epaminondas Ludus História Este jogo foi inventado por Robert Abbott em. Chamava-se originalmente Crossings e foi publicado pela primeira vez em em [GG]. Nessa altura, o jogo ocorria num tabuleiro de linhas

Leia mais

CTC-17 Inteligência Artificial Busca Competitiva e Busca Iterativa. Prof. Paulo André Castro

CTC-17 Inteligência Artificial Busca Competitiva e Busca Iterativa. Prof. Paulo André Castro CTC-17 Inteligência Artificial Busca Competitiva e Busca Iterativa Prof. Paulo André Castro pauloac@ita.br www.comp.ita.br/~pauloac Sala 110, IEC-ITA Sumário Busca Competitiva Para Ambientes multiagentes...

Leia mais

Explique que as regras do xadrez são diferentes das regras do Jogo de Peões. Agora, não se ganha mais uma partida ao levar um peão à

Explique que as regras do xadrez são diferentes das regras do Jogo de Peões. Agora, não se ganha mais uma partida ao levar um peão à 1 VI. O REI, XEQUE E XEQUE-MATE Objetivos desta lição: Praticar as regras para todas as peças de xadrez Resolver problemas com todas as peças Usar o xeque e regras de lances ilegais em posições elementares

Leia mais

Árvores. Thiago Martins, Fabio Gagliardi Cozman. PMR2300 / PMR3201 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

Árvores. Thiago Martins, Fabio Gagliardi Cozman. PMR2300 / PMR3201 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo PMR2300 / PMR3201 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Árvore: estrutura composta por nós e arestas entre nós. As arestas são direcionadas ( setas ) e: um nó (e apenas um) é a raiz; todo nó

Leia mais

UML (Linguagem Modelagem Unificada) João Paulo Q. dos Santos

UML (Linguagem Modelagem Unificada) João Paulo Q. dos Santos UML (Linguagem Modelagem Unificada) João Paulo Q. dos Santos joao.queiroz@ifrn.edu.br Roteiro A importância da UML para projetar sistemas. Principais características do diagrama de classes e de sequência.

Leia mais

1. Considere a seguinte lista de dicionários na qual os significados dos campos são óbvios:

1. Considere a seguinte lista de dicionários na qual os significados dos campos são óbvios: Capítulo 8 Dicionários 1. Considere a seguinte lista de dicionários na qual os significados dos campos são óbvios: l_nomes = [{ nome :{ nomep : Jose, apelido : Silva }, morada :{ rua : R. dos douradores,

Leia mais

Trabalho Final de Programação II. Xadrez. Integrantes: José Mauro Nazareth Cardoso Neto, Pablo Santana Satler, Juliano Rodrigues Rossi.

Trabalho Final de Programação II. Xadrez. Integrantes: José Mauro Nazareth Cardoso Neto, Pablo Santana Satler, Juliano Rodrigues Rossi. Trabalho Final de Programação II Xadrez Integrantes: José Mauro Nazareth Cardoso Neto, Pablo Santana Satler, Juliano Rodrigues Rossi. Professores: Crediné Menezes Orivaldo de Lira Tavares Vitória, 15 de

Leia mais

Atenção! Siga as instruções a seguir:

Atenção! Siga as instruções a seguir: Trabalho Prático da Disciplina Disciplina: Algoritmos AGT0001, TADS Turma F 2013/02 Atenção! Siga as instruções a seguir: Trabalhos em Duplas. Identificar os autores em todos os documentos entregues (e-mails

Leia mais

Resolução de problemas por meio de busca. Capítulo 3 Inteligência Artificial Sistemas de Informação

Resolução de problemas por meio de busca. Capítulo 3 Inteligência Artificial Sistemas de Informação Resolução de problemas por meio de busca Capítulo 3 Inteligência Artificial Sistemas de Informação Conteúdo Um exemplo Resolução de problemas por meio de busca Exemplos de problemas Em busca de soluções

Leia mais

A história do Xadrez

A história do Xadrez A história do Xadrez Não se sabe ao certo qual a verdadeira origem do Xadrez, porém duas histórias se destacam como ser a mais provável e verdadeira lenda. A primeira se passa em Taligana, uma pequena

Leia mais

Projeto Xadrez Entrega 01: Polimorfismo e Herança

Projeto Xadrez Entrega 01: Polimorfismo e Herança Professore: Aluno PAE (Turma A): Aluno PAE (Turma C): João do E.S. Batista Neto (jbatista at icmc.usp.br) Felipe S. L. G. Duarte (fgduarte at icmc.usp.br) Oscar Cuadros Linares (ocuadrosl at gmail.com)

Leia mais

Sobr e esta ver são. Histór ia. Regr as do jogo. Mas como se joga...?

Sobr e esta ver são. Histór ia. Regr as do jogo. Mas como se joga...? Histór ia Sobr e esta ver são Como acontece a vários jogos antigos, as origens de Go (que significa 'jogo do cerco') são incertas e envolvidas em lendas. Uma dentre as explicações sobre sua criação diz

Leia mais

Busca com Adversários: Jogos. Maria Carolina Monard

Busca com Adversários: Jogos. Maria Carolina Monard Busca com Adversários: Jogos Thiago A. S. Pardo Maria Carolina Monard Busca com Adversários Diferentemente da busca tradicional vista até agora, na qual a situação não troca durante a busca, a busca com

Leia mais

CAPÍTULO 1. Os elementos. O jogo de xadrez é um desafio para a mente. J. W. von Goethe O TABULEIRO DE XADREZ

CAPÍTULO 1. Os elementos. O jogo de xadrez é um desafio para a mente. J. W. von Goethe O TABULEIRO DE XADREZ CAPÍTULO 1 Os elementos O jogo de xadrez é um desafio para a mente. J. W. von Goethe O TABULEIRO DE XADREZ Joga-se xadrez sobre um tabuleiro quadrado, formado por 64 casas quadradas, sendo sua cor, alternadamente,

Leia mais

Apresentação do Capítulo 4 MDA (Model-Driven Archtecture) ALUNO: DOMENICO SCHETTINI FILHO NÚMERO USP:

Apresentação do Capítulo 4 MDA (Model-Driven Archtecture) ALUNO: DOMENICO SCHETTINI FILHO NÚMERO USP: Apresentação do Capítulo 4 MDA (Model-Driven Archtecture) ALUNO: DOMENICO SCHETTINI FILHO NÚMERO USP: 8429016 Definição de MDA OMG (Object Management Group) propôs uma aplicação abrangente das práticas

Leia mais

EQUAÇÕES RECURSIVAS. A2) Equação: x n = x n 1 + n b (n > 0) Fixado o termo x 0, de ordem n = 0, a equação admite uma única n

EQUAÇÕES RECURSIVAS. A2) Equação: x n = x n 1 + n b (n > 0) Fixado o termo x 0, de ordem n = 0, a equação admite uma única n EQUAÇÕES RECURSIVAS Chama-se equação recursiva a uma relação usada para definir recursivamente uma sucessão, onde o termo de ordem n é expresso em função de termos de ordem anterior. As equações A), A1),

Leia mais

Exemplo do jogo dos fósforos Terça-feira, 9 de maio. Exemplo para o Problema do Corpo de Bombeiros. Exemplo: Localidade do Corpo de Bombeiros

Exemplo do jogo dos fósforos Terça-feira, 9 de maio. Exemplo para o Problema do Corpo de Bombeiros. Exemplo: Localidade do Corpo de Bombeiros 15.053 Terça-feira, 9 de maio Busca Heurística: métodos para resolver problemas de otimização difíceis Distribuir: Anotações da Aula Veja a introdução ao trabalho Very Large Scale Neighborhood Search (está

Leia mais

ID-Spec. Software Schneider Electric para Pré-projeto de Distribuição elétrica em prédios industriais e terciários

ID-Spec. Software Schneider Electric para Pré-projeto de Distribuição elétrica em prédios industriais e terciários ID-Spec Software Schneider Electric para Pré-projeto de Distribuição elétrica em prédios industriais e terciários O ID-Spec ajuda a satisfazer o seu cliente na fase de pré-projeto ID-Spec - aumenta a eficiência

Leia mais

Inteligência Artificial (SI 214) Aula 4 Resolução de Problemas por meio de Busca Heurística

Inteligência Artificial (SI 214) Aula 4 Resolução de Problemas por meio de Busca Heurística Inteligência Artificial (SI 214) Aula 4 Resolução de Problemas por meio de Busca Heurística Prof. Josenildo Silva jcsilva@ifma.edu.br 2015 2012-2015 Josenildo Silva (jcsilva@ifma.edu.br) Este material

Leia mais

Engenharia de Software Orientada a objetos. Prof. Rogério Celestino dos Santos

Engenharia de Software Orientada a objetos. Prof. Rogério Celestino dos Santos Engenharia de Software Orientada a objetos Prof. Rogério Celestino dos Santos http://sites.google.com/site/rogeriocsaulas/ Estereótipos são uma maneira de destacar determinados componentes do diagrama,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi

LISTA DE EXERCÍCIOS Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi LISTA DE EXERCÍCIOS Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi http://www.professores.uff.br/hjbortol/ 18 Esboço de gráficos de funções [01] Verdadeiro ou falso? Se f : R R é uma função de classe C e f (p)

Leia mais

PMR2560 ELEMENTOS DE ROBÓTICA 2016 TRABALHO DE VISÃO COMPUTACIONAL CALIBRAÇÃO DE CÂMERAS E VISÃO ESTÉREO

PMR2560 ELEMENTOS DE ROBÓTICA 2016 TRABALHO DE VISÃO COMPUTACIONAL CALIBRAÇÃO DE CÂMERAS E VISÃO ESTÉREO PMR2560 ELEMENTOS DE ROBÓTICA 2016 TRABALHO DE VISÃO COMPUTACIONAL CALIBRAÇÃO DE CÂMERAS E VISÃO ESTÉREO Esse trabalho consiste de três partes. Na primeira parte do trabalho você vai calibrar duas câmeras

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Bacharelado em Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados II Prof. Fabrício Sérgio de Paula

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Bacharelado em Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados II Prof. Fabrício Sérgio de Paula Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Bacharelado em Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados II Prof. Fabrício Sérgio de Paula Tópicos Introdução Árvore digital Árvore digital binária

Leia mais

Aula 9 Dispositivos semicondutores Diodos e aplicações

Aula 9 Dispositivos semicondutores Diodos e aplicações ELETRICIDADE Aula 9 Dispositivos semicondutores Diodos e aplicações Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Material semicondutor Alguns materiais apresentam propriedades de condução

Leia mais

Dominó Geométrico 7.1. Apresentação Este é um bom material para interagir a matemática de uma forma divertida e descontraída por meio de um jogo de

Dominó Geométrico 7.1. Apresentação Este é um bom material para interagir a matemática de uma forma divertida e descontraída por meio de um jogo de Dominó Geométrico 7.1. Apresentação Este é um bom material para interagir a matemática de uma forma divertida e descontraída por meio de um jogo de dominó que pode ser desenvolvido por até no máximo quatro

Leia mais

Spider 4 em Linha. (Trabalho 12) Relatório de Avaliação Intercalar do 1º Trabalho Prático da Disciplina de Programação em Lógica

Spider 4 em Linha. (Trabalho 12) Relatório de Avaliação Intercalar do 1º Trabalho Prático da Disciplina de Programação em Lógica Relatório de Avaliação Intercalar do 1º Trabalho Prático da Disciplina de Programação em Lógica Spider 4 em Linha (Trabalho 12) Grupo 55 (Turma 5) 80509011 ei08011@fe.up.pt André Daniel Moreira Pinto Riboira

Leia mais

Inteligência Computacional para Jogos Eletrônicos

Inteligência Computacional para Jogos Eletrônicos Inteligência Computacional para Jogos Eletrônicos Papéis da IA em Jogos Adversários Aliados Personagens de apoio NPC s (Non-player Character) Comentaristas Controle de câmera Geração de fases Nivelamento

Leia mais

PUC-SP Depto. de Ciência da Computação

PUC-SP Depto. de Ciência da Computação Mensagens Concorrentes Prof. Dr. Italo Santiago Vega Julho de 2000 PUC-SP Depto. de Ciência da Computação www.pucsp.br/~italo Introdução Concorrência libera a modelagem de interações entre objetos tradicionalmente

Leia mais

Estatística descritiva básica: Tabelas e Gráficos

Estatística descritiva básica: Tabelas e Gráficos Estatística descritiva básica: Tabelas e Gráficos ACH2021 Tratamento e Análise de Dados e Informações Marcelo de Souza Lauretto marcelolauretto@usp.br www.each.usp.br/lauretto *Parte do conteúdo baseada

Leia mais

Gatos & Cães Simon Norton, 1970s

Gatos & Cães Simon Norton, 1970s Gatos & Cães Simon Norton, 970s Um tabuleiro quadrado 8 por 8. 8 peças gato e 8 peças cão (representadas respectivamente por peças negras e brancas). Ganha o jogador que realizar a última jogada. zona

Leia mais

Definição. Árvores B Parte III. Propriedades Gerais. Propriedade (No. Mín. de Chaves) Leandro C. Cintra Maria Cristina F.

Definição. Árvores B Parte III. Propriedades Gerais. Propriedade (No. Mín. de Chaves) Leandro C. Cintra Maria Cristina F. Algoritmos e Estruturas de Dados II Prof. Ricardo J. G. B. Campello Árvores B Parte III Eliminação, Redistribuição & Concatenação Adaptado e Estendido dos Originais de: Leandro C. Cintra Maria Cristina

Leia mais

Manual do Bovo. Aron Bostrom Eugene Trounev Tradução: Luiz Fernando Ranghetti BOVO N 5

Manual do Bovo. Aron Bostrom Eugene Trounev Tradução: Luiz Fernando Ranghetti BOVO N 5 Aron Bostrom Eugene Trounev Tradução: Luiz Fernando Ranghetti BOVO N 5 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Como jogar 6 3 Regras do jogo, estratégias e dicas 7 3.1 Regras do jogo........................................

Leia mais

Projeto Físico. Guia Rápido Do Desenvolvedor

Projeto Físico. Guia Rápido Do Desenvolvedor Projeto Físico Guia Rápido Do Desenvolvedor Powerlogic UNIP Unidade de Projetos Versão 1.0 1 1. Histórico de Revisões Atualizado por Data de Atualização Revisado por Data de Revisão 1 Karen Ramalho Sousa

Leia mais

Buscas Informadas ou Heurísticas - Parte II

Buscas Informadas ou Heurísticas - Parte II Buscas Informadas ou Heurísticas - Parte II Prof. Cedric Luiz de Carvalho Instituto de Informática - UFG Graduação em Ciência da Computação / 2006 FUNÇÕES HEURÍSTICAS - 1/7 FUNÇÕES HEURÍSTICAS - 2/7 Solução

Leia mais

Projecto de Algoritmos e Estruturas de Dados

Projecto de Algoritmos e Estruturas de Dados Projecto de Algoritmos e Estruturas de Dados Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Licenciatura em Engenharia Electrónica 1 o ano, 2 o Semestre, 2005/2006 Instituto Superior Técnico

Leia mais

INF1010 Lista de Exercícios 2

INF1010 Lista de Exercícios 2 INF00 Lista de Exercícios 2 Árvores. Construir algoritmo para dada uma árvore n-ária, transformá-la em uma árvore binária. 2. Qual a maior e menor quantidade de nós que podem existir em uma árvore binária

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 3º EM Física A Renato Av. Dissertativa 24/06/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

Método de eliminação de Gauss

Método de eliminação de Gauss Matrizes - Matemática II - 00/0 Método de eliminação de Gauss Seja A = [a ij ] uma matriz de tipo m n. a FASE - ELIMINAÇÃO DESCENDENTE Esta fase permite obter uma matriz em forma de escada a partir da

Leia mais

Cole aqui a etiqueta com os dados do aluno. Nível

Cole aqui a etiqueta com os dados do aluno. Nível Cole aqui a etiqueta com os dados do aluno. Nível 1 6º e 7º anos do Ensino Fundamental 2ª FASE 14 de setembro de 2013 Nome completo do aluno Endereço completo do aluno (Rua, Av., nº) Complemento Bairro

Leia mais

as fases contemplam todas as etapas do ciclo de desenvolvimento (requisitos, análise, projeto, implementação, teste e validação);

as fases contemplam todas as etapas do ciclo de desenvolvimento (requisitos, análise, projeto, implementação, teste e validação); Título : B2 Processo de desenvolvimento de Sistemas Conteúdo : A UML estabelece uma abordagem para a construção, o desenvolvimento e a manutenção de software. Atualmente, metodologias utilizadas no desenvolvimento

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Fábio Kon. Sistema Petrolimpa. Leonardo Macedo ( ) Rodrigo Siqueira ( ) 22 de Março de 2016

Programação Orientada a Objetos Prof. Fábio Kon. Sistema Petrolimpa. Leonardo Macedo ( ) Rodrigo Siqueira ( ) 22 de Março de 2016 Programação Orientada a Objetos Prof. Fábio Kon Sistema Petrolimpa Leonardo Macedo (8536065) Rodrigo Siqueira (9868770) 22 de Março de 2016 1 Conteúdo 1 Visão Geral: Especificação do Sistema 2 1.1 Abordagem

Leia mais

Atenção! Siga as instruções a seguir:

Atenção! Siga as instruções a seguir: Trabalho Prático da Disciplina Disciplina: Algoritmos AGT0001, TADS Turma F 2012/01 Atenção! Siga as instruções a seguir: Trabalhos em Duplas (ou individuais). Identificar os autores em todos os documentos

Leia mais

Redes de Computadores III / /

Redes de Computadores III / / Redes de Computadores III / / Aula : Algoritmo Vetor de Distância Professor: Eraldo Silveira e Silva eraldo@ifsc.edu.br 1 Objetivos da Aula Apresentar o algoritmo vetor de distâncias; Discutir algumas

Leia mais

FORMA FIGURA E FUNDO FIGURA POSITIVA E FIGURA NEGATIVA

FORMA FIGURA E FUNDO FIGURA POSITIVA E FIGURA NEGATIVA FORMA FIGURA E FUNDO FIGURA POSITIVA E FIGURA NEGATIVA EXERCÍCIO 1 FASE 1 E 2 CONCEITOS ESTRUTURAIS DA LINGUAGEM PLÁSTICA Preparação Desenhar a lápis (muito leve) um rectângulo com dimensão de 2/3 em folha

Leia mais

Torneio de Xadrez. Escola Básica Adriano Correia de Oliveira. Centro de Recursos Biblioteca Escolar

Torneio de Xadrez. Escola Básica Adriano Correia de Oliveira. Centro de Recursos Biblioteca Escolar Torneio de Xadrez Escola Básica Adriano Correia de Oliveira Centro de Recursos Biblioteca Escolar Atividade do PAA do CRBE 2015/2016 Professor Frederico Oliveira Fonte: WEB Divertida e amiga, porque te

Leia mais

(a) Suponha que os bancos conseguem identificar o tipo do empreendedor. Descreva

(a) Suponha que os bancos conseguem identificar o tipo do empreendedor. Descreva UFRJ Economia Monetária Professor Alexandre B. Cunha Lista 7 Perguntas Considere um mundo no qual há diversos empreendedores e vários bancos. Cada empreendedor possui um projeto, o qual pode ter baixa

Leia mais

Manual básico de Go. MANUAL BÁSICO DE GO. Distribuição Gratuita.

Manual básico de Go. MANUAL BÁSICO DE GO. Distribuição Gratuita. MANUAL BÁSICO DE GO Distribuição Gratuita. Regras do GO: 1 As peças pretas começam a não ser que seja um jogo com handicap. 2 Os jogadores alternam suas jogadas, jogando-se uma peça por vez. 3 As peças

Leia mais

1ª Colocação 10 pontos. 2ª Colocação 08 pontos. 3ª Colocação 06 pontos

1ª Colocação 10 pontos. 2ª Colocação 08 pontos. 3ª Colocação 06 pontos Regras: Jogo do Xadrez 1. Sorteio: Os confrontos serão definido através de sorteio e relacionados no chaveamento da competição; A ordem de disputa será de acordo com a ordem de retira no sorteio. PS: 2

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Fases do Processo. Ciclo de vida do processo. Processo Unificado Orientado por Casos de Uso, surgiu para realizar o

Leia mais

Problema de Dimensionamento da Oferta em Caminhos de Ferro

Problema de Dimensionamento da Oferta em Caminhos de Ferro Problema A Problema de Dimensionamento da Oferta em Caminhos de Ferro Uma linha-férrea suburbana de via dupla tem dois terminais E e F localizados na área central de uma grande cidade. 8,8 km 8,6 km D

Leia mais

CURSO de ENGENHARIA (CIVIL, ELÉTRICA, DE PRODUÇÃO e TELECOMUNICAÇÕES) NITERÓI e RIO DAS OSTRAS - Gabarito

CURSO de ENGENHARIA (CIVIL, ELÉTRICA, DE PRODUÇÃO e TELECOMUNICAÇÕES) NITERÓI e RIO DAS OSTRAS - Gabarito . UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ACADÊMICOS COSEAC-COORDENADORIA DE SELEÇÃO TRANSFERÊNCIA o semestre letivo de 7 e 1 o semestre letivo de 8 CURSO de ENGENHARIA (CIVIL, ELÉTRICA,

Leia mais

Osciloscópio Digital. Diagrama em blocos:

Osciloscópio Digital. Diagrama em blocos: Osciloscópio Digital Neste tipo de osciloscópio, o sinal analógico de entrada é inicialmente convertido para o domínio digital através de um conversor A/D rápido, sendo em seguida armazenado em uma memória

Leia mais

Agrupamento Escolas de Alvalade. Nova plataforma de Microsoft Office 365. A. Instruções para acesso à plataforma de via web

Agrupamento Escolas de Alvalade. Nova plataforma de  Microsoft Office 365. A. Instruções para acesso à plataforma de  via web Nova plataforma de e-mail A. Instruções para acesso à plataforma de e-mail via web 1. Escolha um browser (Internet Explorer, Chrome, Firefox, Safari, ) 2. Aceda ao portal do agrupamento e digite o endereço

Leia mais

Análise de algoritmos

Análise de algoritmos Análise de algoritmos Heapsort Prof. Flávio Rogério Uber Autor: Prof. Marco Aurélio Lopes Barbosa (UEM/DIN) Conteúdo Introdução A estrutura de dados heap Definição Manutenção da propriedade de heap A construção

Leia mais

Romildo Martins da S Bezerra Julho 2001

Romildo Martins da S Bezerra Julho 2001 Algoritmo do Kalah Romildo Martins da S Bezerra Julho 2001 Índice 1. O Jogo...3 2. Mudanças para Implementação...3 3. O Algoritmo...4 3.1 MINIMAX...4 3.2 Poda Alpha-Beta...4 3.3 Estrutura Utilizada...5

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS. Profa. Gislaine Stachissini Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Profa. Gislaine Stachissini Modelagem de sistemas A fase do desenvolvimento do sistema exige: esforço; dedicação; envolvimento; um único objetivo. Estilo de desenvolvimento

Leia mais