Flavio Marcelo CONEGLIAN, Rodrigo Antonio LA SCALEA e Selma Regina Aranha RIBEIRO. Universidade Estadual de Ponta Grossa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Flavio Marcelo CONEGLIAN, Rodrigo Antonio LA SCALEA e Selma Regina Aranha RIBEIRO. Universidade Estadual de Ponta Grossa"

Transcrição

1 Comparação entre Classificações Supervisionadas em uma Imagem CBERS CCD com Bandas Multiespectrais e em uma Imagem Fusão da Mesma Imagem CBERS CCD Com uma Banda Pancromática HRC Flavio Marcelo CONEGLIAN, Rodrigo Antonio LA SCALEA e Selma Regina Aranha RIBEIRO Universidade Estadual de Ponta Grossa A classificação de dados é uma técnica utilizada no processamento de imagens digitais que consiste em identificar e classificar pixels em determinadas classes, essa classificação se dá com base nas características espectrais de cada pixel. O objetivo deste trabalho é comparar classificações supervisionadas realizadas entre uma imagem CBERS - CCD com bandas multiespectrais e a fusão dessa imagem CBERS - CCD com uma banda pancromática do sensor HRC do satélite CBERS utilizando a transformação de cores com o sistema Munsell para verificar a diferença entre uma classificação com uma imagem multiespectral original e com uma fusão com uma banda de maior resolução espacial, e, por fim, determinar o método de classificação que dá o melhor resultado para ambas as imagens. As técnicas utilizadas para a classificação supervisionada realizada nas duas imagens deste trabalho foram Paralelepípedos, Mínima Distância, Distância de Mahalanobis e Máxima Verossimilhança. A análise do resultado obtido por meio do Coeficiente Kappa e da Matriz de Confusão realizados nas imagens classificadas mostra que, em todos os métodos utilizados, as classificações originárias da imagem CBER CCD com bandas multiespectrais têm suas classes melhor definidas do que as classificações realizadas na fusão da imagem CBERS CCD com a banda de maior resolução espacial (HRC). Quando a comparação é realizada entre os métodos de classificação digital os melhores resultados são obtidos, nas duas imagens, com o Método da Máxima Verossimilhança, com acurácia de 98,0956% e Coeficiente Kappa de 0,9618 na imagem fusionada e com acurácia de 100% e Coeficiente Kappa de 1,0 na imagem original CBERS. Palavras-chave: Geoprocessamento. Classificação supervisionada. CBERS. SEMANA DE GEOGRAFIA, 16., A PLURALIDADE NA GEOGRAFIA. PONTA GROSSA: DEGEO/DAGLAS, ISSN

2 214 F L A V I O M. C O N E G L I A N, R O D R I G O A. LA S C A L E A E S E L M A R E G I N A A. R I B E I R O A classificação de dados é uma técnica utilizada no processamento de imagens digitais que consiste em identificar e classificar pixels em determinada classe, essa classificação ocorre com base nas características espectrais de cada pixel; mediante uma regra de decisão pode-se medir a similaridade espectral entre o valor de uma classe e o pixel (CENTENO, 2007). As técnicas de classificação são supervisionada e não supervisionada. A primeira permite que o usuário interfira nas informações de seu interesse, isto é, as classes são definidas a partir de amostras de pixels escolhidas por ele, e no segundo o usuário somente informa ao classificador o número de classes (CENTENO, 2004). Ambas as classificações são obtidas do agrupamento de pixels com características espectrais semelhantes, ou seja, o produto final é uma única imagem com poucos valores digitais (LIU, 2006). Segundo Centeno (2007) a fusão de imagens consiste em manter a informação espectral de uma imagem e incluir a informação espacial de uma outra imagem com maior resolução espacial, ou seja, a fusão de imagens visa a geração de uma imagem a partir de imagens múltiplas para a extração de informações de maior qualidade (SCHNEIDER et al., 2003). Existem diferentes técnicas para realizar a fusão, a utilizada neste trabalho foi o método da Transformação de Cores utilizando o Sistema de Cores Munsell. METODOLOGIA O programa ENVI 3.6 foi utilizado para o recorte e a fusão das imagens e as classificações. As imagens digitais foram adquiridas do sensor orbital CBERS 2B (INPE, 2009), a imagem do instrumento CCD adquirida tem sua órbita 156 e seu ponto é 128, com data de passagem em 25 de agosto de 2008; a órbita da imagem HRC é 156_C com seu ponto sendo 128_5, tendo sua passagem em 7 de dezembro de A fusão foi realizada utilizando o método da transformação de cores Munsell nas bandas multiespectrais 4, 3 e 2 do recorte da imagem original CBERS CCD com a banda prancromática do sensor CBERS HRC. Na classificação supervisionada é necessário coletar, nas imagens, amostras de treinamento que devem ser puras, homogêneas e representativas de cada classe onde são calculados parâmetros estatísticos para o agrupamento dos pixels (CARPER et al, 1990). A classificação foi realizada com duas áreas de interesse: área urbana e vegetação.

3 C O M P A R A Ç Ã O E N T R E C L A S S I F I C A Ç Õ ES S U P E R V I S I O N A D A S E M U M A I M A G E M 215 RESULTADOS E DISCUSSÃO Após a coleta, em cada imagem, das amostras de treinamento de cada uma das classes de interesse no programa ENVI 3.6, uma referente à área urbana e outra à vegetação, foram gerados gráficos estatísticos e tabelas para as duas classes, em que apresentam a variação dos níveis digitais dos pixels das amostras de treinamento coletadas em cada banda de cada uma das imagens. A análise comparativa entre esses gráficos e tabelas, relativas a cada uma das duas imagens multiespectral e fusão, mostrou uma relevante diferença entre os valores digitais máximos e mínimos na imagem em que foi realizada a fusão, ou seja, o desvio padrão da CBERS CCD com a banda HRC é maior que o desvio padrão que ocorre na imagem CBERS CCD com as bandas multiespectrais. A classificação supervisionada utiliza diferentes métodos para calcular parâmetros estatísticos que permite a classificação dos pixels. Os métodos utilizados para a classificação supervisionada realizada nas duas imagens deste trabalho foram Paralelepípedos, Mínima Distância, Distância de Mahalanobis e Máxima Verossimilhança, cada um desses possuem suas características limitações e vantagens. A seguir são apresentados os resultados obtidos a partir de cada método de classificação, nas Figuras 1 (a,b), 2 (a,b), 3 (a,b) e 4 (a,b), realizado na imagem original CBERS - CCD com bandas multiespectrais 4, 3, e 2 à esquerda e na imagem fusão por meio da Transformação de cores Munsell à direita. Método dos Paralelepípedos Figura 1a CBERS - Paralelepípedos Figura 1b Fusão Munsell - Paralelepípedos

4 216 F L A V I O M. C O N E G L I A N, R O D R I G O A. LA S C A L E A E S E L M A R E G I N A A. R I B E I R O Método da Mínima Distância Figura 2a CBERS Mín. Distância Figura 2b Fusão Munsell Mín. Distância Método da Distância de Mahalanobis Figura 3a CBERS Dist. Mahalanobis Figura 3b Fusão Munsell Dist. Mahalanobis. Método da Máxima Verossimilhança Figura 4a CBERS Max. Verossimilhança Figura 4b Fusão Munsell Max. Verossimilhança

5 C O M P A R A Ç Ã O E N T R E C L A S S I F I C A Ç Õ ES S U P E R V I S I O N A D A S E M U M A I M A G E M 217 CONCLUSÕES Após a classificação é necessário efetuar uma avaliação para analisar a confiabilidade da imagem classificada. Essa avaliação pode ser realizada através da Matriz de Confusão e do Coeficiente Kappa. Segundo Centeno (2004) a Matriz de Confusão é uma forma de representar as contradições entre a verdade de campo e o resultado do processo de classificação. Na matriz as linhas correspondem à classe correta e as colunas à classe estimada. Se todos os pixels de uma imagem são classificados corretamente a matriz apresentará valores apenas na diagonal, mas como na maioria dos casos há pixels classificados incorretamente, a quantidade desses pixels incorretos é o total de pixels que aparecem fora da diagonal principal da matriz. A exatidão de uma classificação também pode ser medida comparando a imagem classificada com um mapa temático resultante de uma classificação completamente aleatória. A diferença entre os dois mapas temáticos pode ser medida pelo Coeficiente Kappa, proposto em 1960 por Cohen, onde quanto maior o valor do índice Kappa, o resultado será considerado melhor, sendo 1,0 o valor máximo (CENTENO, 2004). A análise do resultado obtido por meio do Coeficiente Kappa e da Matriz de Confusão realizados nas imagens classificadas mostra que, em todos os métodos utilizados, as classificações originárias da imagem CBER CCD com bandas multiespectrais têm suas classes melhor definidas do que as classificações realizadas na fusão da imagem CBERS CCD com a banda de maior resolução espacial (HRC). Quando a comparação é realizada entre os métodos de classificação digital os melhores resultados são obtidos, nas duas imagens, com o Método da Máxima Verossimilhança, com acurácia de 98,0956% e Coeficiente Kappa de 0,9618 na imagem fusionada e com acurácia de 100% e Coeficiente Kappa de 1,0 na imagem original CBERS. Sendo assim, pode-se afirmar que os produtos da classificação pelo método da Máxima Verossimilhança neste estudo têm desempenho excelente, tendo como referência a tabela proposta por Moreira (2001) sobre a relação entre os valores do índice Kappa e o desempenho da classificação. REFERÊNCIAS CARPER, W.; LILLESAND, T.; KIEFER, R. The use of Intensity-Heu-Saturation transformation for merging SPOT panchromatic and multiespectral image data. Photogrammetric Enginnering and Remote Sensing, USA, v. 56, n. 4, p , 1990.

6 218 F L A V I O M. C O N E G L I A N, R O D R I G O A. LA S C A L E A E S E L M A R E G I N A A. R I B E I R O CENTENO, J. A. S. Sensoriamento remoto e processamento de imagens digitais. Curitiba: UFPR, CENTENO, J. A. S. Sensoriamento remoto. Curitiba: UFPR, (Apostila, Módulo Sensoriamento Remoto).; RIBEIRO, S. R. A. Um método simplificado de fusão. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 13., Florianópolis. Anais São José dos Campos: INPE, INSTITUTO Nacional de Pesquisas Espaciais INPE. Disponível em: < >. Acesso em: 20 maio LIU, W. T. H. Aplicações de sensoriamento remoto. Campo Grande: UNIDERP, MOREIRA, M. A. Fundamentos do sensoriamento remoto e metodologias de aplicação. São José dos Campos: INPE, SCHNEIDER, M. J.; BELLON, O. R. P.; ARAKI, H. Experimentos em fusão de imagens de alta resolução. Boletim de Ciências Geodésicas, Curitiba, v. 9, n. 1, 2003.

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia IMAGENS SAR-R99B APLICADAS NO MAPEAMENTO DO DESFLORESTAMENTO Bárbara Karina Barbosa do Nascimento; Marcelo Parise;

Leia mais

Classificação de Imagens

Classificação de Imagens Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Classificação de Imagens Profa. Adriana Goulart dos Santos Extração de Informação da Imagem A partir de uma visualização das imagens,

Leia mais

Comparação entre classificadores por pixel e por região com imagem SPOT-5 para o estado de Minas Gerais

Comparação entre classificadores por pixel e por região com imagem SPOT-5 para o estado de Minas Gerais Comparação entre classificadores por pixel e por região com imagem SPOT-5 para o estado de Minas Gerais Fernanda Rodrigues Fonseca 1 Thiago Duarte Pereira 1 Luciano Vieira Dutra 1 Eliana Pantaleão 1 Corina

Leia mais

10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT.

10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT. 10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT. Thalita Dal Santo 1 Antonio de Oliveira¹ Fernando Ricardo dos Santos² A técnica de fusão

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519 Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL - Abertura e aprovação do projeto do curso:

Leia mais

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR Ana Laura Reichert CENTENARO 1, Danielli BATISTELLA 1 Gabriela SUZIN 1, Morgana Gabriela RAYMUNDI 1 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná,

Leia mais

Utilização de imagem CBERS-2 na análise e avaliação dos impactos ambientais da cultura da cana-de-açúcar da região de Ribeirão Preto SP

Utilização de imagem CBERS-2 na análise e avaliação dos impactos ambientais da cultura da cana-de-açúcar da região de Ribeirão Preto SP Utilização de imagem CBERS-2 na análise e avaliação dos impactos ambientais da cultura da cana-de-açúcar da região de Ribeirão Preto SP Valéria de Souza Assunção 1 Elizabete Cristina Kono 1 Rafael Frigerio

Leia mais

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE-13139-PRE/8398 SENSORIAMENTO REMOTO Tania Sausen Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE São José dos Campos 2005 MEIO AMBIENTE E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS 8 Sensoriamento Remoto Tania Sauzen

Leia mais

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS V Co ló qu i o B ra si l ei ro d e Ci ên ci a s Geo d ési ca s ISSN 1981-6251, p. 910-914 ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS

Leia mais

Aula 5 - Classificação

Aula 5 - Classificação AULA 5 - Aula 5-1. por Pixel é o processo de extração de informação em imagens para reconhecer padrões e objetos homogêneos. Os Classificadores "pixel a pixel" utilizam apenas a informação espectral isoladamente

Leia mais

Análise de Imagens CBERS da Bacia do Rio São Francisco utilizando Mapas Auto-Organizados de Kohonen e Classificadores K-Médias e Fuzzy C-Médias

Análise de Imagens CBERS da Bacia do Rio São Francisco utilizando Mapas Auto-Organizados de Kohonen e Classificadores K-Médias e Fuzzy C-Médias Análise de Imagens CBERS da Bacia do Rio São Francisco utilizando Mapas Auto-Organizados de Kohonen e Classificadores K-Médias e Fuzzy C-Médias Cecília Cordeiro da Silva 1 Wellington Pinheiro dos Santos

Leia mais

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira São Cristóvão/SE 2010 Elaboração de Conteúdo José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira Projeto Gráfico e Capa Hermeson Alves de Menezes

Leia mais

Processamento digital de imagens. introdução

Processamento digital de imagens. introdução Processamento digital de imagens introdução Imagem digital Imagem digital pode ser descrita como uma matriz bidimensional de números inteiros que corresponde a medidas discretas da energia eletromagnética

Leia mais

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS Erika Gonçalves Pires 1, Manuel Eduardo Ferreira 2 1 Agrimensora, Professora do IFTO, Doutoranda em Geografia - UFG,

Leia mais

APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO

APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO ESTÁGIO DOCÊNCIA ALUNA: ADRIANA AFFONSO (PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO NO INPE MESTRADO EM SENSORIAMENTO REMOTO) ORIENTADOR: PROF. DR.

Leia mais

Letícia Oliveira Freitas Avaliação da Utilização de Imagens CBERS em Estudos de Uso e Cobertura do Solo

Letícia Oliveira Freitas Avaliação da Utilização de Imagens CBERS em Estudos de Uso e Cobertura do Solo Letícia Oliveira Freitas Avaliação da Utilização de Imagens CBERS em Estudos de Uso e Cobertura do Solo XII Curso de Especialização em Geoprocessamento 2010 UFMG Instituto de Geociências Departamento de

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS CBERS DA BACIA DO SÃO FRANCISCO USANDO MAPAS AUTO-ORGANIZADOS DE KOHONEN E CLASSIFICADORES FUZZY C-MÉDIAS

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS CBERS DA BACIA DO SÃO FRANCISCO USANDO MAPAS AUTO-ORGANIZADOS DE KOHONEN E CLASSIFICADORES FUZZY C-MÉDIAS CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS CBERS DA BACIA DO SÃO FRANCISCO USANDO MAPAS AUTO-ORGANIZADOS DE KOHONEN E CLASSIFICADORES FUZZY C-MÉDIAS CECÍLIA CORDEIRO DA SILVA 1 WELLINGTON PINHEIRO DOS SANTOS 2 1 Universidade

Leia mais

Análise das técnicas de fusão de imagens aplicadas ao satélite CBERS-2B (CCD-HRC) Claudinei Rodrigues de Aguiar¹ Danielli Batistella¹

Análise das técnicas de fusão de imagens aplicadas ao satélite CBERS-2B (CCD-HRC) Claudinei Rodrigues de Aguiar¹ Danielli Batistella¹ Análise das técnicas de fusão de imagens aplicadas ao satélite CBERS-2B (CCD-HRC) Claudinei Rodrigues de Aguiar¹ Danielli Batistella¹ 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Via do Conhecimento,

Leia mais

Classificação da imagem (ou reconhecimento de padrões): objectivos Métodos de reconhecimento de padrões

Classificação da imagem (ou reconhecimento de padrões): objectivos Métodos de reconhecimento de padrões Classificação de imagens Autor: Gil Gonçalves Disciplinas: Detecção Remota/Detecção Remota Aplicada Cursos: MEG/MTIG Ano Lectivo: 11/12 Sumário Classificação da imagem (ou reconhecimento de padrões): objectivos

Leia mais

Rodrigo Antonio LA SCALEA, Flavio Marcelo CONEGLIAN e Selma Regina Aranha RIBEIRO. Universidade Estadual de Ponta Grossa

Rodrigo Antonio LA SCALEA, Flavio Marcelo CONEGLIAN e Selma Regina Aranha RIBEIRO. Universidade Estadual de Ponta Grossa Processamento de Imagem Digital: Etapas e Métodos de Correção, Realce e Diminuição de Redundância em Imagens Digitais Orbitais para Fins de Classificação Rodrigo Antonio LA SCALEA, Flavio Marcelo CONEGLIAN

Leia mais

1. Identificação Pessoal

1. Identificação Pessoal Formulário Pessoa Física ou Autônomo / Profissional Liberal Este formulário é idêntico ao eletrônico! Se sua opção for pelo preenchimento manual desta pesquisa, sugerimos que imprima este formulário e

Leia mais

Estatísticas do Desmatamento. Amazônia Legal. Outubro de 2009. Resumo. Carlos Souza Jr., Adalberto Veríssimo & Sanae Hayashi (Imazon)

Estatísticas do Desmatamento. Amazônia Legal. Outubro de 2009. Resumo. Carlos Souza Jr., Adalberto Veríssimo & Sanae Hayashi (Imazon) Carlos Souza Jr., Adalberto Veríssimo & Sanae Hayashi (Imazon) Resumo Em outubro de 009, o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) registrou 94 quilômetros quadrados de desmatamento na. Isso representa

Leia mais

AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL PARA A ÁREA DE INTERESSE DO PROJETO DO ALTO TIETÊ

AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL PARA A ÁREA DE INTERESSE DO PROJETO DO ALTO TIETÊ TERMO DE REFERENCIA AQUISIÇÃO E PROCESSAMENTO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL PARA A ÁREA DE INTERESSE DO PROJETO DO ALTO TIETÊ

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto Definição; Breve Histórico; Princípios do SR; Espectro Eletromagnético; Interação Energia com a Terra; Sensores & Satélites; O que é Sensoriamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS IMAGENS IRS-P6 EM RELAÇÃO AO PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICA. Danielly Garcia Santos¹, Elaine Reis Costa Lima²

AVALIAÇÃO DAS IMAGENS IRS-P6 EM RELAÇÃO AO PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICA. Danielly Garcia Santos¹, Elaine Reis Costa Lima² AVALIAÇÃO DAS IMAGENS IRS-P6 EM RELAÇÃO AO PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICA Danielly Garcia Santos¹, Elaine Reis Costa Lima² ¹Tecnóloga em Geoprocessamento, Assistente em Geoprocessamento, Primegeo, Goiânia-GO,

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO Ana Luiza Bovoy Jônatas de Castro Gonçalves Thiemi Igarashi Vinicius Chequer e Silva LEVANTAMENTO DA COBERTURA VEGETAL ATRAVÉS DE PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO NAS

Leia mais

Modelo de Formulário

Modelo de Formulário Formulário Pessoa Física ou Autônomo / Profissional Liberal 1. Identificação Pessoal CPF.. -- Nome Completo Sexo Masculino Feminino Data de Nascimento / / Endereço Número Complemento Bairro Cidade UF CEP

Leia mais

Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares.

Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares. Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares. Nome do Autor 1: Wagner Santos de Almeida Universidade de Brasília,

Leia mais

Variação da Linha de Costa da Praia do Janga/Paulista-PE, através da Técnica de Fusão de Imagens Orbitais CBERS HRC/CCD

Variação da Linha de Costa da Praia do Janga/Paulista-PE, através da Técnica de Fusão de Imagens Orbitais CBERS HRC/CCD Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.5039 Variação da Linha de Costa da Praia do Janga/Paulista-PE, através da Técnica

Leia mais

Avaliação de técnicas de fusão aplicadas à imagem GeoEye

Avaliação de técnicas de fusão aplicadas à imagem GeoEye Avaliação de técnicas de fusão aplicadas à imagem GeoEye André Ferreira Borges Maytê Maria Abreu Pires de Melo Silva Sergio Donizete Faria Marcos Antônio Timbó Elmiro Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

MundoGEOXperience - Maratona de Ideias Geográficas 07/05/2014

MundoGEOXperience - Maratona de Ideias Geográficas 07/05/2014 MundoGEOXperience - Maratona de Ideias Geográficas 07/05/2014 ANÁLISE DE TÉCNICAS PARA DETECÇÃO DE MUDANÇA UTILIZANDO IMAGENS DO SENSORIAMENTO REMOTO DESLIZAMENTOS EM NOVA FRIBURGO/RJ EM 2011 Trabalho

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA DOS USOS DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS COM DIFERENTES RESOLUÇÕES ESPACIAIS. JUSSARA D'AMBROSIO

Leia mais

USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO. Geoprocessamento

USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO. Geoprocessamento USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO Geog.Ms. Maria G. da Silva Barbalho maria-gsb@sefaz.go.gov.br Conceito Disciplina do conhecimento que utiliza

Leia mais

Programa Integrado de Monitoria Remota de Fragmentos Florestais e Crescimento Urbano no Rio de Janeiro

Programa Integrado de Monitoria Remota de Fragmentos Florestais e Crescimento Urbano no Rio de Janeiro Programa Integrado de Monitoria Remota de Fragmentos Florestais e Crescimento Urbano no Rio de Janeiro Relatório Trimestral de Atividades Abril / Maio / Junho de 2010 Índice 1. Apresentação...3 2. Fotogrametria...4

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS Obter uma imagem temática a partir de métodos de classificação de imagens multi- espectrais 1. CLASSIFICAÇÃO POR PIXEL é o processo de extração

Leia mais

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE 16 a 18 de novembro de 2009 Fundação Mokiti Okada Palestrante: Mônica Pavão Pesquisadora do Instituto Florestal INVENTÁRIO FLORESTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO INVENTÁRIO

Leia mais

Uso de Imagens de Satélites em Operações de Inteligência. www.amskepler.com. LAGF, Setembro de 2013 18/09/2013 1

Uso de Imagens de Satélites em Operações de Inteligência. www.amskepler.com. LAGF, Setembro de 2013 18/09/2013 1 Uso de Imagens de Satélites em Operações de Inteligência LAGF, Setembro de 2013 www.amskepler.com 18/09/2013 1 Roteiro A empresa Cenário de disponibilidade de imagens de satélites de média resolução Aplicação

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS

MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E ADMINISTRAÇÃO DE DADOS GEOPROCESSAMENTO PERGUNTAS E RESPOSTAS AGOSTO 2009 1. O QUE É GEOPROCESSAMENTO? Geoprocessamento

Leia mais

Sanae Hayashi; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO

Sanae Hayashi; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO Agosto de 2011 Amazônia Legal Sanae Hayashi; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO O SAD detectou 240 quilômetros quadrados de desmatamento na Amazônia Legal em agosto de

Leia mais

IV Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação Recife - PE, 06-09 de Maio de 2012 p. 001-005

IV Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação Recife - PE, 06-09 de Maio de 2012 p. 001-005 p. 001-005 GEOPROCESSAMENTO APLICADO A ANÁLISE TEMPORAL DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA MEDIANTE CLASSIFICAÇÃO DIGITAL, NO PARQUE ESTADUAL DE VILA VELHA, ENTRE 1979-2010. RODRIGO MARENDA SELMA REGINA ARANHA

Leia mais

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Características dos Sensores Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa TAMANHO DO PIXEL Alta Resolução Média Resolução Cobertura Sinótica Meteorológicos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

Avaliação das técnicas de fusão disponíveis nos softwares ArcGis, Erdas e ENVI

Avaliação das técnicas de fusão disponíveis nos softwares ArcGis, Erdas e ENVI Anais V Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.7486 Avaliação das técnicas de fusão disponíveis nos softwares ArcGis, Erdas e

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES NDVI, NDBI E NDWI COMO FERRAMENTAS AO MAPEAMENTO DO USO E COBERTURA DA TERRA

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES NDVI, NDBI E NDWI COMO FERRAMENTAS AO MAPEAMENTO DO USO E COBERTURA DA TERRA Renata dos Santos Cardoso Mestranda em Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNESP, campus de Presidente Prudente-SP. E-mail: renatacardoso16@gmail.com Margarete Cristiane de Costa Trindade

Leia mais

Módulo 4. Uso do GPS voltado para coleta de dados e a práticas educacionais.

Módulo 4. Uso do GPS voltado para coleta de dados e a práticas educacionais. UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Licenciatura Plena em Geografia Disciplina: Cartografia B Carga Horária: 60hs Teórica: 32hs Prática: 28hs Semestre: 2013.2 Professor: Antonio Marcos dos

Leia mais

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

1. Identificação da Organização

1. Identificação da Organização Formulário Pessoa Jurídica: Organização / Empresa Este formulário é idêntico ao eletrônico! Se sua opção for pelo preenchimento manual desta pesquisa, sugerimos que imprima este formulário e envie-o para

Leia mais

3 Estado da arte em classificação de imagens de alta resolução

3 Estado da arte em classificação de imagens de alta resolução 37 3 Estado da arte em classificação de imagens de alta resolução Com a recente disponibilidade de imagens de alta resolução produzidas por sensores orbitais como IKONOS e QUICKBIRD se tornou-se possível

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE TÉCNICAS DE FUSÃO DE IMAGENS DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL DO SATÉLITE QUICKBIRD

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE TÉCNICAS DE FUSÃO DE IMAGENS DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL DO SATÉLITE QUICKBIRD 8 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE TÉCNICAS DE FUSÃO DE IMAGENS DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL DO SATÉLITE QUICKBIRD Ivo Augusto Lopes MAGALHÃES ¹ Vagner Mauri QUINTO ² Flávio Eymard da Rocha PENA ³ Moisés Savedra

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail.

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail. GERAÇÃO DE MAPA DE USO E COBERTURA DE SOLO UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 8 PARA O SUPORTE AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ. Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³ 1 Universidade

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ÁREAS POTENCIAIS AO RISCO DE DESLIGAMENTO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DEVIDO A INCÊNDIOS - PLANEJAMENTO E CRITÉRIOS DE MANUTENÇÃO

DEFINIÇÃO DE ÁREAS POTENCIAIS AO RISCO DE DESLIGAMENTO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DEVIDO A INCÊNDIOS - PLANEJAMENTO E CRITÉRIOS DE MANUTENÇÃO DEFINIÇÃO DE ÁREAS POTENCIAIS AO RISCO DE DESLIGAMENTO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DEVIDO A INCÊNDIOS - PLANEJAMENTO E CRITÉRIOS DE MANUTENÇÃO Giovani Eduardo Braga(1) Leonardo Santana O. Dias(2) Carlos Alberto

Leia mais

Prof. Tiago Badre Marino Geoprocessamento Departamento de Geociências Instituto de Agronomia - UFRRJ. Aquisição de dados cartográficos a partir da Web

Prof. Tiago Badre Marino Geoprocessamento Departamento de Geociências Instituto de Agronomia - UFRRJ. Aquisição de dados cartográficos a partir da Web Exercício Objetivo Aplicativos Entrar nas diferentes fontes de dados cartográficos e imagens de sensoriamento remoto existentes no Brasil e executar os procedimentos para download destes dados disponíveis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA SENSORIAMENTO REMOTO E SIG NA ANÁLISE AMBIENTAL DA MICROBACIA DO RIO PURAQUEQUARA MANAUS, AM BRASIL Antonio da Mata Pequeno Filho

Leia mais

Heron Martins, Antônio Fonseca; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO

Heron Martins, Antônio Fonseca; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO Heron Martins, Antônio Fonseca; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO O SAD detectou 184 quilômetros As florestas degradadas na Amazônia quadrados de desmatamento na Legal

Leia mais

Aplicações de Dados de Satélites com Ênfase em Imagens CBERS

Aplicações de Dados de Satélites com Ênfase em Imagens CBERS Aplicações de Dados de Satélites com Ênfase em Imagens CBERS Paulo Roberto Martini Sessão Especial sobre Produtos e Política de Distribuição de Imagens do INPE XI Simpósio Brasileiro

Leia mais

Extração de informações da cena urbana combinando imagens RADARSAT-2 e GeoEye

Extração de informações da cena urbana combinando imagens RADARSAT-2 e GeoEye CAVALHEIRO, A.C. Extração de informações da cena urbana combinando imagens RADARSAT-2 e GeoEye. Revista Agrogeoambiental, Pouso Alegre, v. 8, n. 1, p. 79-95, mar. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v8n12016785

Leia mais

Sensoriamento Remoto Orbital e Cartografia Derivada para Florestas e Meio Ambiente

Sensoriamento Remoto Orbital e Cartografia Derivada para Florestas e Meio Ambiente Sensoriamento Remoto Orbital e Cartografia Derivada para Florestas e Meio Ambiente. Afinal de contas, como tudo isso começou?. Conceitos básicos. Principais sensores orbitais. Cartografia para Florestas

Leia mais

ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO. Conversão de um par de imagens (a)-(b) em um mapa de profundidade (c)

ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO. Conversão de um par de imagens (a)-(b) em um mapa de profundidade (c) ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO Visão estereoscópica se refere à habilidade de inferir informações da estrutura 3-D e de distâncias da cena de duas ou mais imagens tomadas de posições diferentes. Conversão de

Leia mais

AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL - RS

AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL - RS TERMO DE REFERENCIA AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL - RS 1. Objetivos.

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto.

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Sensoriamento Remoto Parte 1 Recife, 2014 Conceito de Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto consiste

Leia mais

Fundamentos de Imagens Digitais. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens

Fundamentos de Imagens Digitais. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens Fundamentos de Imagens Digitais Aquisição e Serão apresentadas as principais características de uma imagem digital: imagem do ponto de vista matemático processo de aquisição e digitalização de uma imagem

Leia mais

Detecção e estimativa de área queimada entre o limite do Parque Estadual de Vila Velha PR e sua zona de amortecimento mediante sensoriamento remoto

Detecção e estimativa de área queimada entre o limite do Parque Estadual de Vila Velha PR e sua zona de amortecimento mediante sensoriamento remoto Detecção e estimativa de área queimada entre o limite do Parque Estadual de Vila Velha PR e sua zona de amortecimento mediante sensoriamento remoto Willian Samuel Santana da Roza 1 Selma Regina Aranha

Leia mais

Autor: Uriálisson Mattos Queiroz Instituição: Escola de Engenharia Mecânica da Bahia(EEMBA)/IQUALI

Autor: Uriálisson Mattos Queiroz Instituição: Escola de Engenharia Mecânica da Bahia(EEMBA)/IQUALI UTILIZAÇÃO DO GEOPROCESSAMENTO PARA ESTUDOS ECOLÓGICOS DA REGIÃO DA SUB-BACIA DO RIO CAPIVARI-BA NOS MUNICÍPIOS DE CRUZ DAS ALMAS, MURITIBA E SÃO FÉLIX. Autor: Gabriel Barbosa Lobo Instituição: Escola

Leia mais

Izabel Cecarelli. GEOAMBIENTE Sensoriamento Remoto

Izabel Cecarelli. GEOAMBIENTE Sensoriamento Remoto Izabel Cecarelli GEOAMBIENTE Sensoriamento Remoto A GEOAMBIENTE, atuante no mercado há 10 anos, presta serviços em aplicações de sensoriamento remoto e desenvolvimento / integração de sistemas de informações

Leia mais

Detecção do Desmatamento em Tempo Quase Real DETER-B Teste Utilizando Imagens AWiFS

Detecção do Desmatamento em Tempo Quase Real DETER-B Teste Utilizando Imagens AWiFS Detecção do Desmatamento em Tempo Quase Real DETER-B Teste Utilizando Imagens AWiFS Mírian Corrêa Dias Orientadora: Dra. Alessandra Rodrigues Gomes São José dos Campos, 03 a 06 de dezembro Informações

Leia mais

MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO GEODÉSICO DA LINHA DE COSTA.

MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO GEODÉSICO DA LINHA DE COSTA. MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro gilberto.pessanha@gmail.com Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Instituto do Mar Campus Baixada Santista www.mapasdigitais.uerj.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS SPRING 5.0.6

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS SPRING 5.0.6 Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Humanas e da Educação CCE/FAED Deapartamento de Geografia DG Curso Mestrado em Planejamento Regional e Desenvolvimento Sócio Ambiental

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME NATUREZA PMS0013 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO MANEJO DE SOLO E ÁGUA PROFESSOR(ES): Paulo Cesar Moura da Silva [ ] Obrigatória [

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA COBERTURA DA TERRA DE ANGRA DOS REIS RJ, A PARTIR DE ANÁLISE DE IMAGEM BASEADA EM OBJETO E MINERAÇÃO DE DADOS

CLASSIFICAÇÃO DA COBERTURA DA TERRA DE ANGRA DOS REIS RJ, A PARTIR DE ANÁLISE DE IMAGEM BASEADA EM OBJETO E MINERAÇÃO DE DADOS CLASSIFICAÇÃO DA COBERTURA DA TERRA DE ANGRA DOS REIS RJ, A PARTIR DE ANÁLISE DE IMAGEM BASEADA EM OBJETO E MINERAÇÃO DE DADOS Eduardo Gustavo Soares Pereira 1 Monika Richter 2 1 - Universidade Federal

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE TERRAÇOS FLUVIAIS NO RIO ITAPICURU (BA) POR MEIO DE DIFERENTES PRODUTOS DE SENSORES REMOTOS

IDENTIFICAÇÃO DE TERRAÇOS FLUVIAIS NO RIO ITAPICURU (BA) POR MEIO DE DIFERENTES PRODUTOS DE SENSORES REMOTOS IDENTIFICAÇÃO DE TERRAÇOS FLUVIAIS NO RIO ITAPICURU (BA) POR Lima, K.C. 1 ; Perez Filho, A. 2 ; 1 UNICAMP Email:kleberlima@ige.unicamp.br; 2 UNICAMP Email:archi@ige.unicamp.br; RESUMO: Identificamos os

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL, COM SUPORTE DE GEOTECNOLOGIAS

ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL, COM SUPORTE DE GEOTECNOLOGIAS RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO DE PESQUISA FAPERJ AUXÍLIO À PESQUISA APQ1 PROCESSO E-26/111.893/2012 RESPONSÁVEL: GILBERTO PESSANHA RIBEIRO ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO

Leia mais

Classificação digital do uso do solo comparando os métodos pixel a pixel e orientada ao objeto em imagem QuickBird

Classificação digital do uso do solo comparando os métodos pixel a pixel e orientada ao objeto em imagem QuickBird Classificação digital do uso do solo comparando os métodos pixel a pixel e orientada ao objeto em imagem QuickBird Henriqueta Veloso Ferreira Bernardi 1 Maíra Dzedzej 1 Luis Marcelo Tavares de Carvalho

Leia mais

O Estudo de Aspectos do Espaço Intra-Urbano Utilizando Imagens CBERS

O Estudo de Aspectos do Espaço Intra-Urbano Utilizando Imagens CBERS O Estudo de Aspectos do Espaço Intra-Urbano Utilizando Imagens CBERS Sandra Maria Fonseca da Costa 1 Rosângela Nicolay Freitas 1 Angelica Carvalho Di Maio 1 1 Universidade do Vale do Paraíba IPD/UNIVAP

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMAGENS DO SENSOR QUICKBIRD DE ACORDO COM O DECRETO N. 89.817/84 PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICO

AVALIAÇÃO DE IMAGENS DO SENSOR QUICKBIRD DE ACORDO COM O DECRETO N. 89.817/84 PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICO AVALIAÇÃO DE IMAGENS DO SENSOR QUICKBIRD DE ACORDO COM O DECRETO N. 89.817/84 PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICO ENG. CART. DOUTORANDA VIVIAN DA SILVA CELESTINO 1 PROF.DR. RONALDO DOS SANTOS DA ROCHA 2 1-

Leia mais

FOTOGRAMETRIA DIGITAL. Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos

FOTOGRAMETRIA DIGITAL. Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos FOTOGRAMETRIA DIGITAL Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos O que é Fotogrametria? A Fotogrametria é, segundo a American Society for Photogrammetry and Remote

Leia mais

Modelo de Formulário

Modelo de Formulário Formulário Pessoa Jurídica: Organização / Empresa 1. Identificação da Organização CNPJ.. / - Razão Social Nome Fantasia Endereço Número Complemento Bairro Cidade UF CEP País Telefones ou Fax E-mail Página

Leia mais

O CONTEXTO TECTÓNICO DO ENXAME DE DIQUES ARAUÁ POR ANÁLISE DE IMAGENS LANDSAT

O CONTEXTO TECTÓNICO DO ENXAME DE DIQUES ARAUÁ POR ANÁLISE DE IMAGENS LANDSAT O CONTEXTO TECTÓNICO DO ENXAME DE DIQUES ARAUÁ POR ANÁLISE DE IMAGENS LANDSAT Teresa Barata 1, Jussara Sommer 2, Fernando Carlos Lopes 3, Adriane Machado 4, Carlos A. Sommer 5, 1 Geóloga, Bolsista de pós-doutorado

Leia mais

Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados

Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados Detecção e estimação de sinais Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados Aline da Rocha Gesualdi Mello, José Manuel de Seixas, Márcio Portes de Albuquerque, Eugênio Suares Caner, Marcelo Portes

Leia mais

O uso de pontos de controle no processamento de imagens CBERS

O uso de pontos de controle no processamento de imagens CBERS O uso de pontos de controle no processamento de imagens CBERS Marco Aurélio Oliveira da Silva Elaine Reis Costa Paulo Eduardo Neves Antônio José Machado e Silva Gisplan Tecnologia da Geoinformação - GISPLAN

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGEM

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGEM DISCIPLINA SIG OFICINA: Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto Responsável: MARIA ISABEL C DE FREITAS Colaboração: BRUNO ZUCHERATO E KATIA CRISTINA BORTOLETTO CLASSIFICAÇÃO DE IMAGEM Para realizar

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

EXTRAÇÃO DE EDIFICAÇÕES EM AMBIENTES URBANOS UTILIZANDO IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO E DADOS DO LASER SCANNER. Máximo Miqueles 1 Jorge Centeno 1

EXTRAÇÃO DE EDIFICAÇÕES EM AMBIENTES URBANOS UTILIZANDO IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO E DADOS DO LASER SCANNER. Máximo Miqueles 1 Jorge Centeno 1 EXTRAÇÃO DE EDIFICAÇÕES EM AMBIENTES URBANOS UTILIZANDO IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO E DADOS DO LASER SCANNER Máximo Miqueles 1 Jorge Centeno 1 1 Departamento de Geomática, Universidade Federal de Paraná -

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE BANCOS DE DADOS ESPACIAIS COM IMAGENS DE SATÉLITE

CONSTRUÇÃO DE BANCOS DE DADOS ESPACIAIS COM IMAGENS DE SATÉLITE CONSTRUÇÃO DE BANCOS DE DADOS ESPACIAIS COM IMAGENS DE SATÉLITE Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis Laboratório de Estatística Espacial (LESTE) Departamento de Estatística Universidade Federal de

Leia mais

IMAGENS INPE. Manaus. São Luís 66 AGOSTO DE 2007 PESQUISA FAPESP 138

IMAGENS INPE. Manaus. São Luís 66 AGOSTO DE 2007 PESQUISA FAPESP 138 IMAGENS INPE Brasília Pequim Manaus São Luís Rio Paraná Porto Alegre 66 AGOSTO DE 2007 PESQUISA FAPESP 138 > TECNOLOGIA ESPAÇO Visão privilegiada Brasileiros e chineses preparam-se para lançar o terceiro

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS SIG Profa.. Dra. Maria Isabel Castreghini de Freitas ifreitas@rc.unesp.br Profa. Dra. Andréia Medinilha Pancher medinilha@linkway.com.br O que é classificação? É o processo de

Leia mais

FUSÃO DE IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS 2B HRC E LANDSAT 5 TM

FUSÃO DE IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS 2B HRC E LANDSAT 5 TM p. 001-005 FUSÃO DE IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS 2B HRC E LANDSAT 5 TM ANA CAROLINA CUNHA 1 FELIPE PROVENZALE M. COSTA 2 1 - Pós Graduação MBA em Gestão Ambiental Centro Universitário do Cerrado Patrocínio

Leia mais

III Encontro REDIENE IISeminário i REDIENE 2 3 de Maio 2012 Taller Nacional, Panama

III Encontro REDIENE IISeminário i REDIENE 2 3 de Maio 2012 Taller Nacional, Panama UTILIZACÍON DE IMÁGENES SATELITALES PARA EL INVENTARIO DE BIOMASSA FLORESTAL SATELITE IMAGES TO FORECAST FOREST BIOMASS III Encontro REDIENE IISeminário i REDIENE 2 3 de Maio 2012 Taller Nacional, Panama

Leia mais

Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado

Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado Carlos Antônio Melo CRISTÓVÃO Laerte Guimarães FERREIRA Jr. Universidade Federal de Goiás - UFG Instituto

Leia mais

AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL

AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL TERMO DE REFERENCIA PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL 1. Objetivos. O Presente Termo de Referência (TdR) tem como

Leia mais

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, 01 de fevereiro de 2005.

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, 01 de fevereiro de 2005. RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES DO PROJETO TEMÁTICO URBANIZAÇÃO DISPERSA E MUDANÇAS NO TECIDO URBANO. ESTUDO DE CASO: ESTADO DE SÃO PAULO Bolsista: Alessandra das Graças Portela Instituição: INPE Instituto

Leia mais

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário 1. Conceitos básicos

Leia mais

ABERTURA DO BANCO DE DADOS. Felipe Correa Prof. Waterloo Pereira Filho

ABERTURA DO BANCO DE DADOS. Felipe Correa Prof. Waterloo Pereira Filho Tutorial Básico de Processamento de Imagens no Spring 4.3.3 Abertura do banco de dados Composição cor verdadeira Composição falsa-cor Ampliação linear de contraste Classificação não-supervisionada Classificação

Leia mais

Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11. Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens

Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11. Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11 Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens Manuel Campagnolo ISA Manuel Campagnolo (ISA) Geomática e SIGDR 2010-2011 17/05/11 1 / 16 Tipos de resolução

Leia mais

Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por vazamento de petróleo utilizando imagem de satélite.

Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por vazamento de petróleo utilizando imagem de satélite. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.7636 Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por

Leia mais

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL Carolina Rodrigues Bio Poletto¹ & Getulio Teixeira Batista² UNITAU - Universidade de Taubaté Estrada Municipal

Leia mais