APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO"

Transcrição

1 APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO ESTÁGIO DOCÊNCIA ALUNA: ADRIANA AFFONSO (PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO NO INPE MESTRADO EM SENSORIAMENTO REMOTO) ORIENTADOR: PROF. DR. GETULIO T. BATISTA, Ph.D. DISCIPLINA: FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO BACHARELADO EM AGRONOMIA UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ- UNITAU FEVEREIRO 2002

2 Sumário AULA 1- REGISTRO DE IMAGENS 1. Registro de Imagens AULA 2- PROCESSAMENTO DE IMAGENS 1. Contraste de Imagens Leitura de Pixel Transformação IHS Operações Aritméticas entre imagens Filtragem AULA 3- CLASSIFICAÇÃO 1. Classificação por pixel Segmentação

3 Introdução O objetivo desta apostila é por em prática a teoria aprendida em aula sobre processamento de imagens no programa Spring, desenvolvido pelo INPE. O banco de dados a ser utilizado apresenta imagens com diferentes resoluções (Landsat 7-15m, Spot- 5m e Cbers- 20m) para diferentes tipos de processamentos, da região de Taubaté. A Primeira aula Registro- tem como finalidade fazer a correção geométrica das imagens apresentadas, via mesa, teclado ou tela, a criação de uma banco de dados e do projeto e a importação das imagens para o banco de dados. A Segunda aula- Processamento de Imagens- o aluno poderá executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas entre imagens (índice de vegetação) e filtros. A Terceira aula- Classificação- o aluno poderá obter uma imagem temática a partir de métodos de classificação de imagens multi- espectrais. Outros métodos de processamento podem ser treinados a partir do tutorial encontrado no programa Spring.

4 Registro de Imagem AULA 1 Registro é uma transformação geométrica que relaciona coordenadas da imagem (linha e coluna) com coordenadas geográficas (latitude e longitude) de um mapa. Essa transformação elimina distorções existentes na imagem, causadas no processo de formação da imagem, pelo sistema sensor e por imprecisão dos dados de posicionamento da plataforma (aeronave ou satélite). A necessidade de fazer o registro: Integração de imagens obtidas por sensores diferentes; Imagens obtidas em tempos diferentes (análise temporal); Imagens tomadas em posições diferentes (obter informação tridimensional); Mosaico de imagens. PROCEDIMENTOS Para a realização do registro, são necessários: 1. Escolher os Pontos de controle- são feições possíveis de serem identificadas de modo preciso na imagem e no mapa, como por exemplo o cruzamento de estradas. 2. Definir a equação de Mapeamento- escolher que equação matemática, normalmente primeiro ou segundo grau, que fará a reamostragem dos pixels. 3. Definir o processo de Interpolação- Vizinho mais próximo, Bilinear ou Convolução Cúbica. No o usuário pode adquirir os pontos de três modos; usando um mapa na mesa digitalizadora (modo Mesa), através de qualquer plano de informação já georeferenciado (modo Tela) ou informando as coordenadas diretamente via teclado (modo Teclado). MESA : No modo mesa o usuário necessita ter apenas um mapa (carta topográfica da mesma área da imagem). Este mapa deve ser calibrado em uma mesa digitalizadora. Não é necessário ativar um Projeto, neste caso o sistema pedirá para informar a projeção a ser utilizada no registro. TELA : Neste modo o usuário pode utilizar um Plano de Informação em um projeto ativo. Este PI pode ser uma imagem que já foi georeferenciada ou um PI temático (por exemplo, mapa de estradas ou rios) que tenha feições reconhecidas na imagem. TECLADO : No modo teclado também não é necessário ter um projeto ativo, devendo neste modo informar a projeção. Os pontos de controle são informados em coordenadas planas ou geográficas, sendo coletados diretamente sobre uma carta topográfica ou com GPS. PRÁTICA Registro de Imagens Registro Imagem-Carta ou Teclado Inicialmente defina um Banco de Dados e uma categoria (Imagem) neste Banco. Criando um banco de dados: - # Iniciar Programas Spring - [Arquivo] [Banco de Dados...]

5 Banco de Dados - {Diretório: /<usuário>/springdb} - pode manter o diretório de trabalho atual - {Nome: TauCbers} - ou outro nome qualquer (32 letras no máximo). - (Criar) - (Ativar) Responda Sim caso tenha outro Banco/Projeto ativo. Definindo um Projeto: - [Arquivo] [Projeto...] Projetos - {Nome: Faz_Piloto} ou outro nome qualquer (32 letras no máximo) - (Projeção...) Projeções - (Sistemas UTM) - (Modelos da Terra SAD 69) - {Origem - Long: o } Obs: A maioria das janelas secundárias é fechada após (Executar), porém, outras, onde se pode efetuar mais de uma operação requerem (Fechar). Projetos - (Coordenadas - Geográficas) - {Long1: o }, {Long2: o } - {Lat1: s }, {Lat2: s } * Sempre deve-se definir o primeiro ponto como sendo o inferior esquerdo e em segundo o superior direito (diagonalmente opostos). - (Criar) - (Ativar) Criando uma Categoria: - [Arquivo] [Modelo de Dados...] Modelo de Dados - {Categorias - Nome: Imagem_TM} - (Modelo - Imagem) - (Criar) - (Fechar) Adquirindo pontos de controle pelo teclado: Registro de Imagens - (Aquisição - Teclado) - (Operação - Criar) - {Nome: pc1} - (CR) - (Continue) ou (OK)- sobre a mensagem Digite coordenadas de referencia! - (Planas) - {X(m): }, {Y(m): } - (CR) - Mover o cursor até o ponto de controle na imagem (pc1)

6 - (Salvar) - Obs: por segurança salve a cada ponto adquirido, mesmo que seja insuficiente para fazer o registro. - Repetir para no mínimo 6 pontos de controle. De sempre preferência para escolher os pontos, o mais distribuídos possível na área da imagem. NOTA : A aquisição de pontos de controle pelo modo Tela exige que se tenha um projeto ativo, do qual será usado para extrair os pontos de controle a serem utilizados para registrar a imagem. Os procedimentos são muito semelhantes aos dois itens descritos acima. Selecionando os pontos para registro Os procedimentos a seguir são comuns para qualquer modo de entrada dos pontos de controle (Mesa, Teclado ou Tela). Definindo mapeamento Registro de Imagem - (Grau do Polinômio - 1) - (Operação - selecionar) - Selecionar todos os pontos de controle e avaliar os Erros dos Pontos de Teste e de Controle - Editar pontos (mover, suprimir e criar se necessário) - (Salvar) a combinação de pontos de menor erro - (Fechar) NOTAS: Conforme os pontos vão sendo selecionados, os cálculos de erro (em unidades de resolução pixel ) são automaticamente apresentados na frente de seus nomes. Os cálculos também são feitos para os pontos não selecionados (Pontos de Teste). O ideal é trabalhar com o máximo de pontos coletado, pois quanto mais pontos, desde que bem distribuídos e precisos, melhor o registro. O usuário deve observar o valor apresentado como Erro dos Pontos de Controle, pois deverá usar este valor para controle da precisão desejada. Por exemplo: numa área urbana, pode-se considerar um erro de 0.5 "pixel", para uma resolução de 30 metros. Em áreas de florestas, pode-se aceitar um erro de 3 "pixels", para a mesma resolução, pela dificuldade de se conseguirem pontos de controle. Isto vai depender da aplicação do usuário. Outro parâmetro usado para analisar o erro é função da escala que está se trabalhando. Por exemplo: para um mapeamento na escala de 1:50.000, o erro aceitável no registro é metade do valor da escala, isto é 25 metros. Assim um erro de dois pixels, para resolução de 10 metros, isto é, 20 metros, seria aceitável para esta escala de trabalho. Se necessário, repita a operação de seleção dos pontos de controles e teste até alcançar um resultado satisfatório. Você poderá testar outros pontos, outro polinômio, ou mesmo corrigir a posição de algum ponto que não deseja abandoná-lo. Importando a Imagem p/ o Projeto: - [Arquivo][Importar Arquivos GRIB...] Importar Imagens - (C:\springdb\Imagens) ou (Diretório: /<usuário>/springdb/imagens) - (Arquivos Landsat.grb) - (Imagens <escolher banda 3>)

7 - (Categoria...) Lista de Categorias - (Categorias Imagem_TM) Importar Imagens - {PI: TM3} - - Repetir para as bandas TM4 e TM5 NOTAS: Ao término do registro, observe que o plano de informação importado, agora faz parte da lista apresentada no Painel de Controle. Quando a imagem disponível não é suficiente para recobrir toda área de seu projeto, você deverá adquirir uma imagem adjacente e efetuar todo o processo de leitura e registro da imagem restante, e assim efetuar um mosaico desta imagem.

8 Aula 2 Processamento de Imagem 1. Contraste de Imagens A técnica de realce de contraste tem por objetivo melhorar a qualidade das imagens sob os critérios subjetivos do olho humano. É normalmente utilizada como uma etapa de pré-processamento para sistemas de reconhecimento de padrões. A manipulação do contraste consiste numa transferência radiométrica em cada "pixel", com o objetivo de aumentar a discriminação visual entre os objetos presentes na imagem. Realiza-se a operação ponto a ponto, independentemente da vizinhança. O histograma de uma imagem descreve a distribuição estatística dos níveis de cinza em termos do número de amostras ("pixels") com cada nível. Como regra geral pode-se tomar que quanto maior a inclinação de curva aplicada no histograma, maior o contraste. Uma inclinação de 45 o indica que não há realce nem compressão dos níveis de cinza. Deve-se tomar CUIDADO para não ocorrer overflow, a menos que deseje. Um overflow ocorre quando uma porção pixels de níveis de cinza diferentes são transformados em um único nível, isto é, quando a inclinação da reta de transferência é exagerada. PRÁTICA Realce de Imagem - # Iniciar Programas Spring * Ativar banco de dados TauCbers * Ativar projeto Faz_Piloto 1. Contraste de imagem em uma única banda Visualizando uma imagem: Painel de Controle - (Categorias Imagem) - (Planos de Informação SPOT95_5m) (ou qualquer outra imagem) - (M) - para monocromático (imagem em níveis de cinza) - [Executar] [Desenhar] Definindo um aumento de contraste linear: - [Imagem][Contraste...] Contraste - [Operação] [Linear] * Selecionar com cursor (botão esquerdo) o valor mínimo do histograma * Selecionar com cursor (botão direito) o valor máximo do histograma - (Aplicar)

9 * A imagem é realçada na tela ativa Salvando a imagem realçada: Contraste - {Nome: SPOT_contrast} - (Salvar Imagem :Banda) - [Executar] [Salvar] Imagem SPOT 95 sem contraste Imagem SPOT 95 com contraste * Caso desejar, pode-se selecionar com cursor uma área menor a salvar, basta definir um retângulo menor sobre a imagem, como se fosse executar um zoom, mas sem clicar em Executar - Desenhar. - (Fechar) ou botão X (canto superior direito da janela) IMPORTANTE: Caso feche a janela de Contraste com uma das opções de contraste aplicadas sobre uma imagem, esta transformação poderá ficar armazenada. Assim, se carregar uma imagem que já foi realçada, esta ficará modificada na tela, mesmo estando fechada a janela de Contraste. Para que isto não ocorra deve-se responder Não ao fechar a janela. 2. Contraste de imagem em Composição Colorida (RGB) Visualizando uma composição colorida de três bandas: Painel de Controle - (Categorias Imagem_TM) - (Planos de Informação TM_17_12_99_Fusao_PANb1), (R) - (Planos de Informação TM_17_12_99_Fusao_PANb2), (G) - (Planos de Informação TM_17_12_99_Fusao_PANb3), (B) - [Executar] [Desenhar] Definindo um contraste para cada banda: - [Imagem][Contraste...]

10 Contraste - [Operações] [Linear] ou outra qualquer. - [Canal] [Vermelho] * Selecionar com cursor (botão esquerdo) o valor mínimo do histograma * Selecionar com cursor (botão central) o valor máximo do histograma - (Aplicar) * A composição colorida na tela ativa apresenta o resultado de alteração no histograma. * Repetir para os canais verde e azul Criando uma Imagem Sintética da composição colorida: Contraste - {Nome: TM_contraste} - (Salvar Imagem - Imagem Sintética) - [Executar] [Salvar] * A imagem sintética estará disponível no Painel de Controle. Imagem Landsat TM sem contraste Imagem Landsat TM com contraste- sintética 2. Leitura de Pixel A leitura de pixel permite saber qual o valor do nível de cinza de um determinado pixel e seus vizinhos. Esta análise é útil para trabalhos em que envolvam estudos do comportamento espectral dos alvos, nas várias bandas de imagens multi-espectrais. PRÁTICA Leitura do Nível de Cinza dos Pixels: - # Iniciar Programas Spring * Ativar banco de dados TauCbers * Ativar projeto Faz_Piloto * Visualizar a imagem TM_17_12_99_Fusao_PANb1 - [Imagem][Leitura de Pixels...] Leitura de Pixels

11 - [Exibir] [Cursor de Ponto] * Selecionar pixel na tela com um clique * Verificar valores de pixel para alvos diferentes. Observe que a cada clique os valores são apresentados na janela Leitura de Pixels. Leitura de Pixels - (Posicionar...) Posicionar Cursor de Ponto - (Coordenadas :Planas) - digite as coordenadas que deseja * Observe que uma cruz é posicionada na coordenada indicada e o relatório apresentado. NOTA: Clique o botão do meio (BM) do mouse, sobre a área de desenho, para liberar o cursor do modo Ponto, ou [Exibir] [Cursor de Ponto] ou botão. Salvar em arquivo: Leitura de Pixels - (Salvar...) Salvar Arquivo Como ou Seleção de Arquivo - escolha uma pasta para salvar, de preferencia no mesmo diretório do banco de dados - {Seleção ou Nome do Arquivo: pixeltmb1.txt} - Nome de um arquivo texto que conterá os valores apresentados. - (Salvar) ou (Executar) Leitura de Pixels - (Fechar) NOTA: O mesmo procedimento para leitura de pixel, pode ser efetuado sobre uma composição colorida de três bandas, mas não sobre uma imagem sintética. 3. Transformação IHS Para descrever as propriedades de cor de um objeto, em uma imagem, normalmente o olho humano não distingue a proporção de azul, verde e vermelho presentes, e sim, avalia a intensidade (I), a cor ou matiz (H) e a saturação (S). A intensidade ou brilho é a medida de energia total envolvida em todos os comprimentos de onda, sendo portanto responsável pela sensação de brilho dessa energia incidente sobre o olho. O matiz ou cor de um objeto é a medida do comprimento de onda médio da luz que se reflete ou se emite, definindo, portanto, a cor do objeto. A saturação ou pureza expressa o intervalo de comprimento de onda ao redor do comprimento de onda médio, no qual a energia é refletida ou transmitida. Um alto valor de saturação resulta em uma cor espectralmente pura, ao passo que um baixo valor indica uma mistura de comprimentos de onda que irá produzir tons pastéis (apagados). Por serem independentes, estes três parâmetros podem ser analisados e modificados separadamente, para um melhor ajuste das cores às características do sistema visual. É muitas vezes utilizada para produzir imagens integradas de sensores diferentes ou imagens de geofísica.

12 PRÁTICA Transformação RGB-IHS: - # Iniciar Programas Spring * Ativar banco de dados TauCbers * Ativar projeto Faz_Piloto - [Imagem][Transfomação IHS<-->RGB...] Transformação IHS - (Transformações _RGB->IHS) - (Planos de Entrada_ R) Categorias e Pls - (Categorias Imagem) - (Planos de Informação TM_17_12_99_Fusao_PANb2) * Repetir para: plano de entrada G - TM_17_12_99_Fusao_PANb1 e plano de entrada B - TM_17_12_99_Fusao_PANb3 Transformação IHS - {PI de Saída: TM_ihs} - (Resolução de Saída- R, G ou B) = {X: 15}, {Y:15}, pois neste caso a resolução de saída será a mesma de qualquer PI de entrada. Visualizar a imagem ihs resultante Imagem Landsat TM sintética Imagem IHS resultante Transformação inversa : IHS-RGB: - [Imagem][Transformação RGB<-->IHS...] Transformação IHS - (TRANSFORMAÇÕES - IHS->RGB) - (Planos de Entrada / I) Categorias e Pls - (Categorias Imagem) - (Planos de Informação SPOT95_5m)

13 - (Planos de Entrada - H) Categorias e Pls - (Categorias Imagem) - (Planos de Informação Tihs-H) - (Planos de Entrada - S) Categorias e Pls - (Categorias Imagem) - (Planos de Informação Tihs-S) Transformação RGB<-->IHS - {PI de Saída: T_inversa} - (Resolução de Saída _I) = {X: 5}, {Y:5} - Comparar as composições coloridas originais e transformadas Imagem SPOT Imagem IHS, TM Imagem IHS-RGB, fusão das imagens Spot e IHS resultante da TM 4. Operações Aritméticas entre imagens Utiliza-se uma ou duas bandas de uma mesma área geográfica, previamente georeferenciada. Realiza-se a operação "pixel" a "pixel", através de uma regra matemática definida, tendo como resultado uma banda representando a combinação das bandas originais, permitindo a compressão de dados, mas normalmente os resultados podem ultrapassar o intervalo de 0-255, sendo estes resultados automaticamente normalizados, saturando os valores abaixo de 0, e acima de 255, em 0 e 255 respectivamente, causando

14 perda de informação espectral, portanto, deve-se utilizar um fator de Ganho (multiplicativo) ou "Off-set" (aditivo). Subtração de imagens Utilizada para realçar diferenças espectrais (operação linear), uma vez que se conhece as curvas de comportamento espectral dos alvos de interesse e o intervalo espectral das bandas dos sensores. Exemplos de aplicação: identificação de diferentes tipos de cobertura vegetal; identificação de minerais formados por óxido de ferro; detecção do padrão de mudança de cobertura, como uso do solo, expansão urbana, desmatamento. Aconselha-se a equalização de sua média e do desvio padrão, antes da subtração. Adição de imagens A adição de imagens constitui uma operação linear, podendo ser utilizada para a obtenção da média aritmética entre as imagens, minimizando a presença de ruído, ou ainda para a integração de imagens resultantes de diferentes processamentos. Multiplicação É uma operação linear que consiste na multiplicação de uma constante pelos níveis de cinza de uma banda. Divisão ou razão entre bandas É uma operação não-linear utilizada para realçar as diferenças espectrais de um par de bandas, devendo cuidar da presença de ruídos, pois estes serão realçados. A operação de razão de bandas pode: remover efeitos de ganho provenientes de variações espaciais ou temporais, quando ocorrem em bandas de uma mesma imagem; diminuir variações de radiância da imagem, provenientes de efeito de topografia, declividade e aspecto; aumentar diferenças de radiância entre solo e vegetação. A redução do efeito de iluminação também elimina o efeito do sombreamento topográfico. Para aumentar o contraste entre solo e vegetação, pode-se utilizar a razão entre bandas referentes ao vermelho e infravermelho próximo, constituindo assim, os chamados índices de vegetação. PRÁTICA Executando Operações Aritméticas entre imagens: - # Iniciar Programas Spring * Ativar banco de dados TauCbers * Ativar projeto Faz_Piloto * Visualizar a imagem CBERS_30_04_2000_IV - [Imagem][Operações Aritméticas...] Operações Aritméticas - (Operação C=Ganho*[(A-B)/(A+B)]+Offset - (A), (Planos de Informação: CBERS_30_04_2000_IV)

15 - (B), (Planos de Informação: CBERS_30_04_2000_Vm) - {Ganho: 50} - {Offset: 100} - {Saída C: NDVI} * Visualizar a imagem resultante Testar outras operações. Não esquecer de analisar os valores de Ganho e Offset. Imagem Cbers infra vermelho monocromático Imagem CBERS(NDVI) os pixels mais brilhantes (mais claros) indicam maior concentração de vegetação 5. Filtragem As técnicas de filtragem são transformações da imagem "pixel" a "pixel", que não dependem apenas do nível de cinza de um determinado "pixel", mas também do valor dos níveis de cinza dos "pixels" vizinhos, na imagem original. OBS: Os filtros implementados estão na tabela abaixo, além de poder editar uma máscara. Tipos de Filtros Opções Máscaras Passa Baixa- Média 3x3, 5x5 ou 7x7 Direcional de bordas NW, W, SW, N, S, NE, E ou SE Linear Não direcional de bordas Baixa, média ou alta Realce de imagens TM Máscaras Editor de Máscaras Detecção de bordas Sobel ou Roberts Morfológico- Dilatação Não Linear Morfológico- Mediana Mtot, Mx, M+, M-, M, Md ou Me Morfológico- Erosão Máscaras Editor de elementos

16 PRÁTICA Aplicação de Filtros Executando Filtragem em imagens: - # Iniciar Programas Spring * Ativar banco de dados TauCbers * Ativar projeto Faz_Piloto * Visualizar a imagem SPOT95_5m - [Imagem][Filtragem...] Usando filtros pré-definidos: Filtragem - (Tipos Linear) - (Filtros Lineares Passa Baixa-Média) - (3x3) - {PI de Saída: spot_media} - (Retângulo Envolvente...) * Selecionar área a filtrar sobre a imagem, se não informado será utilizado toda área do PI. - (Nº de Interações 1) * Visualizar a imagem spot_media filtrada para comparação * Testar outros filtros NOTA: A filtragem é efetuada diretamente em disco, criando um PI novo ou atualizando o PI ativo. Imagem Spot sem filtro Imagem Spot com filtro de média Editando filtros de usuário: Painel de Controle * Visualizar a imagem SPOT95_5m Filtragem - (Tipos Linear) - (Filtros Lineares Máscaras) - (Selecionar...) Máscaras

17 - (Diretório: /ESTAGIO_DOCENCIA\TAUCBERS\FAZ_PILOTO) - (CR) - (X 7), (Y 7) - (Criar...) Edição de Máscaras - {Nome: filtro1} Preencher valores de máscara (Salvar) Máscaras Filtragem - {PI de Saída: SPOT_masc} - (Retângulo Envolvente...) * Selecionar área a filtrar sobre a imagem, se não informado será utilizado toda área do PI. - (Nº de Iterações 1) * Visualizar a imagem SPOT_masc filtrada para comparação * Editar outras máscaras e testar Imagem Spot sem filtro Imagem Spot com filtro linear máscara 7x7

18 Aula 3 Classificação 1. Classificação por Pixel Classificação é o processo de extração de informação em imagens para reconhecer padrões e objetos homogêneos. Os Classificadores "pixel a pixel" utilizam apenas a informação espectral isoladamente de cada pixel para achar regiões homogêneas. O resultado final de um processo de classificação é uma imagem digital que constitui um mapa de "pixels" classificados, representados por símbolos gráficos ou cores. As técnicas de classificação multiespectral "pixel a pixel" mais comuns são: máxima verossimilhança (MAXVER), distância mínima método do paralelepípedo. MAXVER considera a ponderação das distâncias entre médias dos níveis digitais das classes, utilizando parâmetros estatísticos. Para que a classificação por máxima verossimilhança seja precisa o suficiente, é necessário um número razoavelmente elevado de "pixels", para cada conjunto de treinamento. Os conjuntos de treinamento definem o diagrama de dispersão das classes e suas distribuições de probabilidade, considerando a distribuição de probabilidade normal para cada classe do treinamento. Antes de apresentarmos os procedimentos para executar uma classificação descreve-se a seguir a seqüência lógica de operações a ser seguida: 1. Criar o arquivo de Contexto - este arquivo armazena quais as bandas farão parte do processo de classificação, qual o método utilizado (pixel ou região) e as amostras no caso da classificação por pixel; 2. Executar o treinamento - deve ser feita amostragens sobre uma imagem na área de desenho; 3. Analisar as amostras - permite verificar a validade das amostras coletadas; 4. Executar a Classificação - de posse da amostras e das bandas escolhidas a imagem é classificada; 5. Executar uma Pós-classificação - processo de extração de pixels isolados em função de um limiar e um peso fornecidos pelo usuário (não obrigatório); 6. Executar o Mapeamento para Classes - permite transformar a imagem classificada (categoria Imagem) para um mapa temático raster (categoria Temática). PRÁTICA Classificação por Pixel: - # Iniciar Programas Spring * Ativar banco de dados TauCbers * Ativar projeto Faz_Piloto * Visualizar uma composição colorida RGB com bandas TM_17_12_99_Fusao_PANb1, TM_17_12_99_Fusao_PANb2 e TM_17_12_99_Fusao_PANb3 ou apenas uma banda.

19 - [Imagem][Classificação...] Criando arquivo de contexto: Classificação - (Criar...) Criação de Contexto - {Nome: contx1} - (Tipo de Análise : Pixel) - (Bandas TM_17_12_99_Fusao_PANb1, TM_17_12_99_Fusao_PANb2 e TM_17_12_99_Fusao_PANb3) - selecionar bandas Treinando classificação: Classificação - (Contextos contx1) - selecionar arquivo de contexto - (Treinamento...) Treinamento - {Nome: vegetacao} * Selecionar cor - (Criar) - (Tipo : Aquisição) Adquirindo amostras retangulares: Treinamento - (Contorno : Retangular) * Selecionar amostra sobre a imagem como se fosse efetuar um zoom. - (Adquirir) Adquirindo amostras poligonais: Treinamento - (Contorno : Poligonal) * Digitalizar contorno da amostra sobre a imagem, encerrando a linha com o botão do meio. Automaticamente o primeiro ponto se fecha com o último. - (Adquirir) * Adquirir amostras suficientes para o tema * Repetir para outros temas: urbano, solo, agua, agricultura Visualização de temas e amostras: Treinamento - (Temas vegetação) - (Visualizar) - (Amostras 1) - (Visualizar) OBS: Após analisar as amostras (item mais a frente) pode ser necessário mudar o tipo da amostra, sem necessidade de eliminá-la. Ao alterar uma amostra do tipo Aquisição p/ Teste, essa será analisada mas não será considerada no classificador. Alterando tipo de amostras: - (Amostras 2) - (Tipo : Teste) - (Alterar) - (Salvar) - (Fechar)

20 Classificando a imagem: Classificação - (Classificação...) Classificação de Imagens - {Nome: TMcmaxver} - (Criar) - (Classificador : Maxver) - (Limiar de Aceitação: 99%) - (Analisar Amostras...) Análise Amostras * Analisar as amostras de aquisição e de teste para cada tema * Para as amostras com confusão alta, retornar ao treinamento para edição Classificação de Imagens - (Classificar) * Visualizar a imagem classificada Eliminando o ruídos de classificação - Pos-classificação: Classificação - (Pós-Classificação...) Pós-Classificação - (Imagens Classificadas TMcmaxver) - (Peso : 2) - (Limiar : 5) - Visualizar a imagem resultante. * Testar outros pesos e limiares Mapeando temas da imagem classificada para classes do banco de dados: Classificação - (Mapeamento...) Mapeamento para Classes - (Categoria Uso_Terra) - (Imagens Classificadas TMcmaxver) - (Temas vegetacao) - (Classes Mata) - Repetir para os todos os temas. Para cada tema deve haver uma classe temática associada. É preciso primeiramente crias uma Categoria temática com as devidas classes. - * Visualizar plano temático Tmcmaxver temática Imagem Landsat TM Imagem Landsat TM classificada (MAXVER)

21 OBS: Após a classificação é preciso analisar as duas imagens (original e classificada) para ver se todas as áreas foram classificadas. Na imagem acima podemos perceber que algumas áreas ficaram em branco, ou seja, não foram classificadas. Neste caso, podemos refazer a classificação, adquirindo mais amostras de cada classe, até que toda a imagem esteja classificada, ou então fazer uma edição matricial, na qual selecionaremos os pixels que não foram classificados, e de acordo com a imagem, editar para a classe correspondente. 2. Segmentação Neste processo, divide-se a imagem em regiões que devem corresponder às áreas de interesse da aplicação. As regiões são um conjunto de "pixels" contíguos, que se espalham bidirecionalmente e que apresentam uniformidade. Crescimento de regiões É uma técnica de agrupamento de dados, na qual somente as regiões adjacentes, espacialmente, podem ser agrupadas. Inicialmente, este processo de segmentação rotula cada "pixel" como uma região distinta. Calcula-se um critério de similaridade para cada par de região adjacente espacialmente. O critério de similaridade baseia-se em um teste de hipótese estatístico que testa a média entre as regiões. A seguir, divide-se a imagem em um conjunto de sub-imagens e então realiza-se a união entre elas, segundo um limiar de agregação definido. O resultado é uma imagem rotulada, cada região apresentando um rótulo (valor de nível digital), que devem ser classificadas por classificadores de região. Os seguintes passos devem ser seguidos para gerar uma classificação a partir de uma imagem segmentada. 1. Criar uma imagem segmentada - gerar uma imagem, separada em regiões com base na análise dos níveis de cinza. 2. Criar o arquivo de Contexto - este arquivo armazena quais as bandas farão parte do processo de classificação por regiões. 3. Executar o treinamento - deve ser feita amostragens sobre uma imagem na área de desenho; 4. Analisar as amostras - permite verificar a validade das amostras coletadas; 5. Extração de regiões: neste procedimento o algoritmo extrai as informações estatísticas de média e variável de cada região, considerando as bandas indicadas no contexto; 6. Classificação - para a realizar a classificação de uma imagem segmentada deve-se usar o classificador por regiões; 7. Executar a Classificação - de posse da amostras e das bandas escolhidas a imagem é classificada; 8. Executar o Mapeamento para Classes - permite transformar a imagem classificada (categoria Imagem) para um mapa temático raster (categoria Temático).

22 PRÁTICA Executando uma Segmentação - # Iniciar Programas Spring * Ativar banco de dados TauCbers * Ativar projeto Faz_Piloto - [Imagem][Segmentação...] Segmentação - (Bandas TM_17_12_99_Fusao_PANb1, TM_17_12_99_Fusao_PANb2 e TM_17_12_99_Fusao_PANb3) - (Método Crescimento de regiões) - (Similaridade 8) - (Área (pixels) 10) - {Imagem Segmentada: seg-8-10} - (Suavização de Arcos Sim) * Visualizar imagem rotulada seg-8-10, sobreposta a outra imagem * Testar outros valores de similaridade e área, se o resultado não for satisfatório Imagem Landsat TM original Vetores da segmentação Imagem original junto com os vetores para conferencia Classificação por Região Os Classificadores por regiões utilizam, além de informação espectral de cada "pixel", a informação espacial que envolve a relação entre os "pixels" e seus vizinhos. Estes classificadores procuram simular o comportamento de um foto-intérprete, ao reconhecer

23 áreas homogêneas de imagens, baseados nas propriedades espectrais e espaciais de imagens. A informação de borda é utilizada inicialmente para separar regiões e as propriedades espaciais e espectrais irão unir áreas com mesma textura. O classificador Isoseg é o algoritmo disponível no Spring para classificar regiões de uma imagem segmentada. É um algoritmo de agrupamento de dados não-supervisionado, aplicado sobre o conjunto de regiões, que por sua vez são caracterizadas por seus atributos estatísticos de média e matriz de covariância, e também pela área. Classificação por Região: - # Iniciar Programas Spring * Ativar banco de dados TauCbers * Ativar projeto Faz_Piloto * Visualizar a imagem TM_17_12_99_Fusao_PANb1 - [Imagem][Classificação...] Criando arquivo de Contexto: Classificação - (Criar...) Criação de Contexto - {Nome: clasreg} - (Tipo de Análise Região) - (Bandas TM_17_12_99_Fusao_PANb1, TM_17_12_99_Fusao_PANb2 e TM_17_12_99_Fusao_PANb3) selecionar bandas. - (Imagens Segmentadas seg-8-10) Extraindo regiões: Classificação - (Extração de Regiões) Classificando sem supervisão: Classificação - (Classificação...) Classificação por Regiões - {Nome: tm345sub-isoseg} - (Criar) - (Classificador Isoseg) - (Limiar de Aceitação 99%) - (Classificar) * Visualizar a imagem classificada

24 Imagem Landsat TM original Vetores da segmentação Imagem segmentada e classificada

Aula 5 - Classificação

Aula 5 - Classificação AULA 5 - Aula 5-1. por Pixel é o processo de extração de informação em imagens para reconhecer padrões e objetos homogêneos. Os Classificadores "pixel a pixel" utilizam apenas a informação espectral isoladamente

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS Obter uma imagem temática a partir de métodos de classificação de imagens multi- espectrais 1. CLASSIFICAÇÃO POR PIXEL é o processo de extração

Leia mais

Aula 3 - Registro de Imagem

Aula 3 - Registro de Imagem Aula 3 - Registro de Imagem 1. Registro de Imagens Registro é uma transformação geométrica que relaciona coordenadas da imagem (linha e coluna) com coordenadas geográficas (latitude e longitude) de um

Leia mais

Aula 3 - Registro de Imagem

Aula 3 - Registro de Imagem 1. Registro de Imagens Aula 3 - Registro de Imagem Registro é uma transformação geométrica que relaciona as coordenadas da imagem (linha e coluna) com as coordenadas geográficas (latitude e longitude)

Leia mais

Aula 4 - Processamento de Imagem

Aula 4 - Processamento de Imagem 1. Contraste de Imagens Aula 4 - Processamento de Imagem A técnica de realce de contraste tem por objetivo melhorar a qualidade das imagens sob os critérios subjetivos do olho humano. É normalmente utilizada

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 3 RESTAURAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 3 RESTAURAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 3 RESTAURAÇÃO DE IMAGENS Qualquer tipo de tratamento de imagens deve ser efetuado antes de seu registro, ou seja, com a imagem original. As imagens CBERS aparecem com aspecto

Leia mais

Processamento digital de imagens. introdução

Processamento digital de imagens. introdução Processamento digital de imagens introdução Imagem digital Imagem digital pode ser descrita como uma matriz bidimensional de números inteiros que corresponde a medidas discretas da energia eletromagnética

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

Classificação de Imagens

Classificação de Imagens Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Classificação de Imagens Profa. Adriana Goulart dos Santos Extração de Informação da Imagem A partir de uma visualização das imagens,

Leia mais

ABERTURA DO BANCO DE DADOS. Felipe Correa Prof. Waterloo Pereira Filho

ABERTURA DO BANCO DE DADOS. Felipe Correa Prof. Waterloo Pereira Filho Tutorial Básico de Processamento de Imagens no Spring 4.3.3 Abertura do banco de dados Composição cor verdadeira Composição falsa-cor Ampliação linear de contraste Classificação não-supervisionada Classificação

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGEM

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGEM DISCIPLINA SIG OFICINA: Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto Responsável: MARIA ISABEL C DE FREITAS Colaboração: BRUNO ZUCHERATO E KATIA CRISTINA BORTOLETTO CLASSIFICAÇÃO DE IMAGEM Para realizar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

WEBGIS Sistema Informativo Territorial

WEBGIS Sistema Informativo Territorial PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA WEBGIS Sistema Informativo Territorial MANUAL DE UTILIZAÇÃO Autor: Rony Camargo de Brito Primeira edição: 20-06-2008 Atualizado: 08-10-2008 Todos os Direitos Reservados

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS SPRING 5.0.6

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS SPRING 5.0.6 Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Humanas e da Educação CCE/FAED Deapartamento de Geografia DG Curso Mestrado em Planejamento Regional e Desenvolvimento Sócio Ambiental

Leia mais

AULA 2 Planos, Vistas e Temas

AULA 2 Planos, Vistas e Temas 2.1 AULA 2 Planos, Vistas e Temas Essa aula apresenta os conceitos de Plano de Informação, Vista e Tema e suas manipulações no TerraView. Para isso será usado o banco de dados criado na AULA 1. Abra o

Leia mais

16 - SCARTA. 1. Abrir o SCARTA clicando no ícone que se encontra na área de trabalho (Fig.1). Fig.1- Ícone do SCARTA

16 - SCARTA. 1. Abrir o SCARTA clicando no ícone que se encontra na área de trabalho (Fig.1). Fig.1- Ícone do SCARTA 16 - SCARTA Módulo do SPRING que permite editar uma carta e gerar arquivo para impressão, permitindo a apresentação na forma de um documento cartográfico. 1. Abrir o SCARTA clicando no ícone que se encontra

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

MiniCurso 4 horas Introdução ao SPRING

MiniCurso 4 horas Introdução ao SPRING MiniCurso 4 horas Introdução ao SPRING Dr. Carlos A Felgueiras (carlos@dpi.inpe.br) Gerente de Desenvolvimento do SPRING DPI - Divisão de Processamento de Imagens INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Leia mais

Lição VII ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO IBICUÍ

Lição VII ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO IBICUÍ Lição VII ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO IBICUÍ - 79 - A última lição trata sobre a questão ambiental. Iremos estudar sobre a importância da preservação da vegetação, principalmente da mata ciliar.

Leia mais

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE-13139-PRE/8398 SENSORIAMENTO REMOTO Tania Sausen Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE São José dos Campos 2005 MEIO AMBIENTE E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS 8 Sensoriamento Remoto Tania Sauzen

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

Classificação da imagem (ou reconhecimento de padrões): objectivos Métodos de reconhecimento de padrões

Classificação da imagem (ou reconhecimento de padrões): objectivos Métodos de reconhecimento de padrões Classificação de imagens Autor: Gil Gonçalves Disciplinas: Detecção Remota/Detecção Remota Aplicada Cursos: MEG/MTIG Ano Lectivo: 11/12 Sumário Classificação da imagem (ou reconhecimento de padrões): objectivos

Leia mais

AULA 14 Plugin TerraEdit

AULA 14 Plugin TerraEdit 14.1 AULA 14 Plugin TerraEdit Nessa aula são apresentadas as funcionalidades do plugin de edição de dados vetoriais denominado TerraEdit. Juntamente com a edição vetorial, ele permite a edição dos atributos

Leia mais

Centro de Estudos Gerais Instituto de Geociências Departamento de Análise Geoambiental Disciplina: Sensoriamento Remoto I

Centro de Estudos Gerais Instituto de Geociências Departamento de Análise Geoambiental Disciplina: Sensoriamento Remoto I Centro de Estudos Gerais Instituto de Geociências Departamento de Análise Geoambiental Disciplina: Sensoriamento Remoto I Organizado por: Cesar Augusto Valdeger de Oliveira Revisado e editado por: Angelica

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas a manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO Ana Luiza Bovoy Jônatas de Castro Gonçalves Thiemi Igarashi Vinicius Chequer e Silva LEVANTAMENTO DA COBERTURA VEGETAL ATRAVÉS DE PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO NAS

Leia mais

Sumário. 1. Instalando a Chave de Proteção 3. 2. Novas características da versão 1.3.8 3. 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4

Sumário. 1. Instalando a Chave de Proteção 3. 2. Novas características da versão 1.3.8 3. 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4 1 Sumário 1. Instalando a Chave de Proteção 3 2. Novas características da versão 1.3.8 3 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4 4. Executando o PhotoFacil Álbum 9 3.1. Verificação da Chave 9 3.1.1. Erro 0001-7

Leia mais

AULA 15 Plugin Preenchimento de Células

AULA 15 Plugin Preenchimento de Células 15.1 AULA 15 Plugin Preenchimento de Células Nessa aula são apresentadas as funcionalidades do plugin de preenchimento de células. O plugin Preenchimento de Células possibilita calcular valores para atributos

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO

FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO PROFESSOR: RICARDO T. ZAIDAN ALAN BRONNY ALMEIDA PIRES DE MOURA ICH/DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS GEO 019 PRÉ-REQUISITO: CARTOGRAFIA TEMÁTICA 1 SOFTWARE ENVI O software

Leia mais

Flavio Marcelo CONEGLIAN, Rodrigo Antonio LA SCALEA e Selma Regina Aranha RIBEIRO. Universidade Estadual de Ponta Grossa

Flavio Marcelo CONEGLIAN, Rodrigo Antonio LA SCALEA e Selma Regina Aranha RIBEIRO. Universidade Estadual de Ponta Grossa Comparação entre Classificações Supervisionadas em uma Imagem CBERS CCD com Bandas Multiespectrais e em uma Imagem Fusão da Mesma Imagem CBERS CCD Com uma Banda Pancromática HRC Flavio Marcelo CONEGLIAN,

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas à manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto Definição; Breve Histórico; Princípios do SR; Espectro Eletromagnético; Interação Energia com a Terra; Sensores & Satélites; O que é Sensoriamento

Leia mais

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA LEIAME APRESENTAÇÃO Nenhuma informação do TUTORIAL DO MICRO- SOFT OFFICE WORD 2003 poderá ser copiada, movida ou modificada sem autorização prévia e escrita do Programador Roberto Oliveira Cunha. Programador:

Leia mais

Prof. Tiago Badre Marino Geoprocessamento Departamento de Geociências Instituto de Agronomia - UFRRJ. Aquisição de dados cartográficos a partir da Web

Prof. Tiago Badre Marino Geoprocessamento Departamento de Geociências Instituto de Agronomia - UFRRJ. Aquisição de dados cartográficos a partir da Web Exercício Objetivo Aplicativos Entrar nas diferentes fontes de dados cartográficos e imagens de sensoriamento remoto existentes no Brasil e executar os procedimentos para download destes dados disponíveis

Leia mais

Diagrama de fluxo de dados na Plataforma Vicon SAGA. Terminologias de bancos de dados: Banco de Dados, Tabela, Campos, Registros

Diagrama de fluxo de dados na Plataforma Vicon SAGA. Terminologias de bancos de dados: Banco de Dados, Tabela, Campos, Registros Exercício Objetivo Aplicativo Exercício para ambientação com Sistemas de Informação e Bancos de Dados. O usuário criará modelará um banco de dados aplicado ao contexto de desastres; realizará cadastros

Leia mais

Av. Paulo VI, 1952- Sumaré. 01262-010 São Paulo S.P.- Brasil Fone: (11) 3868-0822 Fax: (11)3673-0702 http://www.hezolinem.

Av. Paulo VI, 1952- Sumaré. 01262-010 São Paulo S.P.- Brasil Fone: (11) 3868-0822 Fax: (11)3673-0702 http://www.hezolinem. ÍNDICE 1 - INTERFACE/TECLAS... 3 2 - LIGANDO O EQUIPAMENTO... 4 3 - CRIANDO UM WAYPOINT... 4 4 - CRIANDO UMA TRILHA... 7 4.1 Apagando traçados... 7 4.2 Criando Trilhas... 8 - Posicione-se no ponto de partida

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519 Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL - Abertura e aprovação do projeto do curso:

Leia mais

Aoentrar na sua cx de email vc terá uma tela como a abaixo :

Aoentrar na sua cx de email vc terá uma tela como a abaixo : MANUAL DA SUA CX DE EMAIL ( ROUNDCUBE ) Aoentrar na sua cx de email vc terá uma tela como a abaixo : 1. No centro da tela temos a lista de mensagens. Nesta lista serão exibidas as mensagens das pastas

Leia mais

Relatórios. Manual. Pergamum

Relatórios. Manual. Pergamum Relatórios Manual Pergamum Manual PER-MAN-005 Estatísticas Circulação de Materiais - Geral Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 1-4 1.1 PESQUISANDO ESTATÍSITICAS E RELATÓRIOS... 1-10 1.2 UTILIZANDO O MÓDULO RELATÓRIOS...

Leia mais

Classificação de imagens Landsat

Classificação de imagens Landsat Classificação de imagens Landsat Neste tutorial veremos alguns recursos adicionais do Semi-automatic Classification Plugin (SCP) desenvolvido por Congedo (2015): configuração da memória disponível para

Leia mais

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo.

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo. O que é o Gimp? O GIMP é um editor de imagens e fotografias. Seus usos incluem criar gráficos e logotipos, redimensionar fotos, alterar cores, combinar imagens utilizando o paradigma de camadas, remover

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1 Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente Versão 1.1 Sumário Sistema de Relacionamento com Cliente 3 1 Introdução... ao Ambiente do Sistema 4 Acessando... o Sistema 4 Sobre a Tela... do Sistema

Leia mais

Manual do Usuário Publicador

Manual do Usuário Publicador Manual do Usuário Publicador Portal STN SERPRO Superintendência de Desenvolvimento SUPDE Setor de Desenvolvimento de Sítios e Portais DEDS2 Versão 1.1 Fevereiro 2014 Sumário Sobre o Manual... 3 Objetivo...

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

Processamento Digital de Imagens

Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens Israel Andrade Esquef a Márcio Portes de Albuquerque b Marcelo Portes de Albuquerque b a Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF b Centro Brasileiro de Pesquisas

Leia mais

VISUALIZAÇÃO E MANIPULAÇÕES SIMPLES DE IMAGENS GEOCOVER NO ArcGIS 9.x

VISUALIZAÇÃO E MANIPULAÇÕES SIMPLES DE IMAGENS GEOCOVER NO ArcGIS 9.x VISUALIZAÇÃO E MANIPULAÇÕES SIMPLES DE IMAGENS GEOCOVER NO ArcGIS 9.x TUTORIAL /2005 Elizete Domingues Salvador SUREG-SP elizete@sp.cprm.gov.br ÍNDICE 1. Adicionar imagem Geocover na área de trabalho do

Leia mais

Compositor de Impressão do QGIS

Compositor de Impressão do QGIS Compositor de Impressão do QGIS 1. Introdução O Compositor de Impressão é uma ferramenta oferecida pelo QGIS para elaborar a versão final dos mapas que serão impressos. Permite a definição de escala e

Leia mais

QGIS 2.8 Rampa de Cores para Representação Topográfica do Modelo Digital de Elevação (MDE)

QGIS 2.8 Rampa de Cores para Representação Topográfica do Modelo Digital de Elevação (MDE) QGIS 2.8 Rampa de Cores para Representação Topográfica do Modelo Digital de Elevação (MDE) Jorge Santos 2015 QGIS 2.8: Novas Rampas de Cores Conteúdo Sumário Capítulo 1... 3 Download e Processos no MDE...

Leia mais

QGIS 2.2 Modo de Edição: Edição de Feições de Polígono

QGIS 2.2 Modo de Edição: Edição de Feições de Polígono QGIS 2.2 Modo de Edição: Edição de Feições de Polígono Jorge Santos 2014 Conteúdo Sumário Capítulo 1... 3 Material de Apoio... 3 1.1 Cartografia de Referência... 3 1.2 Base Cartográfica Vetorial de Referência...

Leia mais

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas 3.1 AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas Neste capítulo serão apresentadas algumas ferramentas de análise de dados com representação vetorial disponíveis no TerraView. Para isso será usado o banco de

Leia mais

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares.

Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares. Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares. Nome do Autor 1: Wagner Santos de Almeida Universidade de Brasília,

Leia mais

TRBOnet Standard. Manual de Operação

TRBOnet Standard. Manual de Operação TRBOnet Standard Manual de Operação Versão 1.8 NEOCOM Ltd ÍNDICE 1. TELA DE RÁDIO 3 1.1 COMANDOS AVANÇADOS 4 1.2 BARRA DE FERRAMENTAS 5 2. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS 6 2.1 MAPLIB 6 2.2 GOOGLE EARTH 7 2.3

Leia mais

PREPARAÇÃO DE BASES EM SIG

PREPARAÇÃO DE BASES EM SIG UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Instituto de Geociências Departamento de Geologia e Recursos Naturais (DGRN) GE 804 Sistema de Informações Georreferenciadas Prof. Carlos Roberto de Souza Filho PREPARAÇÃO

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE

Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Processamento de Imagens Tratamento da Imagem - Filtros Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/033 Sumário 2 Conceito de de Filtragem Filtros

Leia mais

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais.

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. MICROSOFT WINDOWS O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. Apresentaremos a seguir o Windows 7 (uma das versões do Windows)

Leia mais

PHOTOSHOP. Menus. Caixa de Ferramentas:

PHOTOSHOP. Menus. Caixa de Ferramentas: PHOTOSHOP Universidade de Caxias do Sul O Photoshop 5.0 é um programa grande e complexo, é o mais usado e preferido pelos especialistas em editoração e computação gráfica para linha PC. Outros programas

Leia mais

Channel. Módulo Gerencial. Tutorial. Atualizado com a versão 4.02

Channel. Módulo Gerencial. Tutorial. Atualizado com a versão 4.02 Channel Módulo Gerencial Tutorial Atualizado com a versão 4.02 Copyright 2009 por JExperts Tecnologia Ltda. todos direitos reservados. É proibida a reprodução deste manual sem autorização prévia e por

Leia mais

Quanto menor o comprimento de onda mais o efeito da atmosfera. A Banda 1 do Landsat 5 TM serve para estudar sedimentos (menor comprimento de onda)

Quanto menor o comprimento de onda mais o efeito da atmosfera. A Banda 1 do Landsat 5 TM serve para estudar sedimentos (menor comprimento de onda) Para mapear áreas de cultura (áborea) natural (floresta, reflorestamento) usar imagens de agosto, setembro. Para mapear produtividade, contaminação, praga, usar imagens de janeiro ou dezembro. Para mapear

Leia mais

12 - MAPA DE DISTÂNCIA

12 - MAPA DE DISTÂNCIA 12 - MAPA DE DISTÂNCIA Para fazer uso da ferramenta Mapa de Distancia do SPRING, a titulo de exemplo, vamos considerar a Área de Preservação Permanente APP de um rio. Desta forma, é importante conhecer

Leia mais

TUTORIAL 10 AULAS - SPRING 4.3 (Versão Windows) SPRING Básico. Junho de 2006 INPE

TUTORIAL 10 AULAS - SPRING 4.3 (Versão Windows) SPRING Básico. Junho de 2006 INPE TUTORIAL 10 AULAS - SPRING 4.3 (Versão Windows) SPRING Básico Junho de 2006 INPE As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações e correções sem prévio aviso. Esse documento pode ser

Leia mais

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli Câmera Digital Autor: Darllene Negri Nicioli 2 OBJETIVO Têm como objetivo este trabalho mostrar o princípio de funcionamento geral de uma câmera digital até as vantagens e desvantagens do produto final,

Leia mais

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM SPRING 5.0 1 O objetivo deste tutorial é apresentar de forma simples e prática como construir, no Spring, mapa de declividade a partir de dados do SRTM.

Leia mais

Vetorização no Spring

Vetorização no Spring UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE CARTOGRAFIA Laboratório de Geoprocessamento Vetorização no Spring Grazielle Anjos Carvalho Beatriz Trindade Laender Belo Horizonte,

Leia mais

AULA 2 Planos, Vistas e Temas

AULA 2 Planos, Vistas e Temas 2.1 AULA 2 Planos, Vistas e Temas Essa aula apresenta os conceitos de Plano de Informação, Vista e Tema e suas manipulações no TerraView. Para isso será usado o banco de dados criado na AULA 1. Abra o

Leia mais

1 - Crie um novo documento no ArcMap. Com o programa aberto, selecione o Dataframe Layers

1 - Crie um novo documento no ArcMap. Com o programa aberto, selecione o Dataframe Layers Conversão de Raster para Polígono usando o ArcMap Nos posts anteriores, conhecemos uma situação onde uma empresa solicita, além do produto esperado, imagens no canal alfa para geração de polígonos envolventes

Leia mais

CURSO DE USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE TUTORIAL INTRODUÇÃO AO SPRING PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CURSO DE USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE TUTORIAL INTRODUÇÃO AO SPRING PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURSO DE USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE TUTORIAL INTRODUÇÃO AO SPRING PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA Suely Franco Siqueira Lima Teresa Gallotti Florenzano Eliana Maria

Leia mais

REGISTRO DE IMAGENS COM RELAÇÃO AO MOSAICO GEOCOVER 2000. Programa ENVI @

REGISTRO DE IMAGENS COM RELAÇÃO AO MOSAICO GEOCOVER 2000. Programa ENVI @ REGISTRO DE IMAGENS COM RELAÇÃO AO MOSAICO GEOCOVER 2000 Programa ENVI @ TUTORIAL /2005 Mônica Mazzini Perrotta perrotta@sp.cprm.gov.br ÍNDICE Introdução 1 Preliminares 1 1. Leitura da imagem Geocover

Leia mais

Projeto Agenda Cidadã Exercício Prático - Criação e Consulta de Registros Vicon SAGA

Projeto Agenda Cidadã Exercício Prático - Criação e Consulta de Registros Vicon SAGA Exercício Objetivo Aplicativo Criação e consulta de registros - Vicon SAGA Exercício para ambientação com Sistemas de Informação e Bancos de Dados. O usuário criará formulários, realizará cadastros de

Leia mais

Estatística no EXCEL

Estatística no EXCEL Estatística no EXCEL Prof. Ms. Osorio Moreira Couto Junior 1. Ferramentas... 2 2. Planilha de dados... 3 2.1. Introdução... 3 2.2. Formatação de células... 4 2.3. Inserir ou Excluir Linhas e Colunas...

Leia mais

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário 1. Conceitos básicos

Leia mais

SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 2 CRIANDO UM DESENHO NO AMBIENTE DRAFT

SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 2 CRIANDO UM DESENHO NO AMBIENTE DRAFT SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 2 CRIANDO UM DESENHO NO AMBIENTE DRAFT Esse tutorial traz passo a passo instruções para criação de um desenho no ambiente Draft. Na criação dos desenhos você aprenderá as técnicas

Leia mais

Módulo de Georreferenciamento. Sistema. Página 1/75

Módulo de Georreferenciamento. Sistema. Página 1/75 Módulo de Georreferenciamento Sistema Página 1/75 Para iniciar o Módulo de Georreferenciamento acesse, no AutoCAD a partir do Menu flutuante >Posição >Georreferenciamento >Módulo de Georreferenciamento.

Leia mais

Manual de operação do sistema Desenhador Geográfico. 05/2012 Versão 2.2.14.1

Manual de operação do sistema Desenhador Geográfico. 05/2012 Versão 2.2.14.1 Manual de operação do sistema Desenhador Geográfico 05/2012 Versão 2.2.14.1 Conteúdo Ferramentas de Edição... 3 1) Barra de ferramentas de edição... 3 2) Inserir uma geometria... 4 2) Ferramenta Snap...

Leia mais

Carrera Pessoal 2015. Guia de uso

Carrera Pessoal 2015. Guia de uso Carrera Pessoal 2015 Guia de uso Bem vindo ao Carrera Pessoal 2015, o gerenciador financeiro ideal. Utilizando o Carrera Pessoal você poderá administrar com facilidade as suas finanças e/ou da sua família.

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DA BAHIA

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DA BAHIA CALC para Windows OpenOffice.org 3.0: Manual do usuário A sua Planilha de Cálculos SUMÁRIO Introdução...3 Apresentando o OpenOffice.org Calc 3.0...4 Iniciando o Calc 3.0...4 Componentes Básicos da janela

Leia mais

Processamento de Imagens COS756 / COC603

Processamento de Imagens COS756 / COC603 Processamento de Imagens COS756 / COC603 aula 03 - operações no domínio espacial Antonio Oliveira Ricardo Marroquim 1 / 38 aula de hoje operações no domínio espacial overview imagem digital operações no

Leia mais

Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Thanks to Prof. Dr. Cláudio Rosito Jung

Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Thanks to Prof. Dr. Cláudio Rosito Jung Introdução ao Processamento de Imagens Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Thanks to Prof. Dr. Cláudio Rosito Jung Introdução Processamento de Imagens: processamento de sinais bidimensionais (ou n-dimensionais).

Leia mais

Segmentação de Imagens

Segmentação de Imagens Segmentação de Imagens (Processamento Digital de Imagens) 1 / 36 Fundamentos A segmentação subdivide uma imagem em regiões ou objetos que a compõem; nível de detalhe depende do problema segmentação para

Leia mais

Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS. 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica. 1.2) Inicializando o Excel e o Calc

Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS. 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica. 1.2) Inicializando o Excel e o Calc Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica Em certa época, a planilha era um pedaço de papel que os contadores e planejadores de empresas utilizavam para colocar

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior Mozart de Melo Alves Júnior WORD 2000 INTRODUÇÃO: O Word é um processador de texto com recursos de acentuação, formatação de parágrafo, estilo de letras diferentes, criação de tabelas, corretor ortográfico,

Leia mais

2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1

2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1 2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1 2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Microsoft PowerPoint XP. Módulo I I

Microsoft PowerPoint XP. Módulo I I FUNCICI MG ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO GERENCIAL DE CONTAGEM CURSO TÉCNICO AMBIENTAL E DE SEGURANÇA APOSTILA BÁSICA: Microsoft PowerPoint XP Módulo I I Elaborada por: Walter Santos 2007 2 S U M Á R I O

Leia mais

COMPARAÇÃO TABULAR DA EXPANSÃO URBANA DOS MUNICÍPIOS DE ITAPEMA, PORTO BELO E BOMBINHAS EM SANTA CATARINA, BRASIL, NO PERÍODO DE 1985 A 2002.

COMPARAÇÃO TABULAR DA EXPANSÃO URBANA DOS MUNICÍPIOS DE ITAPEMA, PORTO BELO E BOMBINHAS EM SANTA CATARINA, BRASIL, NO PERÍODO DE 1985 A 2002. COMPARAÇÃO TABULAR DA EXPANSÃO URBANA DOS MUNICÍPIOS DE ITAPEMA, PORTO BELO E BOMBINHAS EM SANTA CATARINA, BRASIL, NO PERÍODO DE 1985 A 2002. Janaina Sant Ana Maia Santos* UFSC - Universidade Federal de

Leia mais

6.7. NegaFix. Negativo. NegaFix Digitalização de negativos. 1. Otimização de negativos (filme) através de perfis integrados

6.7. NegaFix. Negativo. NegaFix Digitalização de negativos. 1. Otimização de negativos (filme) através de perfis integrados NegaFix NegaFix Digitalização de negativos 1 Otimização de negativos (filme) através de perfis integrados A transformação de negativos expostos e revelados normalmente em positivos pode ser realizada em

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Geral Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema de Almoxarifado

Leia mais

MANUAL OFICINAS HDI - AUDATEX WEB

MANUAL OFICINAS HDI - AUDATEX WEB MANUAL OFICINAS HDI - AUDATEX WEB Audatex Web Oficinas HDI Nível Usuário (Versão 2.8) Gerência de Suporte Técnico Departamento de Treinamento Resp.: Equipe de Treinamento Versão 1.0 Revisão 1 Data 13/5/2008

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

QGIS 2.4 Recorte de Raster em Lote (Clip Raster in Batch Mode)

QGIS 2.4 Recorte de Raster em Lote (Clip Raster in Batch Mode) QGIS 2.4 Recorte de Raster em Lote (Clip Raster in Batch Mode) Jorge Santos 2014 Conteúdo Sumário Capítulo 1... 3 Informações Complementares... 3 1.1 Camada Máscara (Vetor)... 3 1.2 Referência Espacial...

Leia mais

6.5. Renomeando Arquivos ou Pastas

6.5. Renomeando Arquivos ou Pastas 50 II. Para mover um arquivo, pasta, objeto dentro do Windows: 1) Clique com o mouse sobre a pasta, arquivo a serem movidos; 2) Mantenha o botão esquerdo do mouse pressionado; 3) Arraste o objeto para

Leia mais

Caso você possua cadastro no Twitter, selecione a opção Logar com meu usuário, e insira seu nome de usuário e senha do serviço:

Caso você possua cadastro no Twitter, selecione a opção Logar com meu usuário, e insira seu nome de usuário e senha do serviço: Tópicos 1. Efetuando login 2. Componentes da tela principal 2.1. Barra de ferramentas 2.2. Painel de atualizações 2.3. Rede de contatos do usuário 2.3.1. Controles de mouse e teclado 2.3.2. Entendendo

Leia mais

Microsoft Excel. Formulários PARTE 8 SUMÁRIO

Microsoft Excel. Formulários PARTE 8 SUMÁRIO Microsoft Excel Formulários PARTE 8 SUMÁRIO 1-) Formulários Personalizados no Excel... 2 1.1-) Botão Caixa de combinação.... 4 1.2-) Botão Caixa de opção.... 8 1.3-) Caixa de Grupo.... 11 1-) Formulários

Leia mais

ÍNDICE Parte I Instalação do Software Tela Laje IBTS v. 5.0 Parte II Registro para Utilização do Software Tela Laje IBTS v 5.0

ÍNDICE Parte I Instalação do Software Tela Laje IBTS v. 5.0 Parte II Registro para Utilização do Software Tela Laje IBTS v 5.0 ÍNDICE Parte I Instalação do Software Tela Laje IBTS v. 5.0... 4 1 Configurações mínimas para o funcionamento do software... 4 2 Instalar o software... 5 3 Desinstalar o software... 5 Parte II Registro

Leia mais

Manual do usuário. SIM 5 Lite Versão 1.0 - Português

Manual do usuário. SIM 5 Lite Versão 1.0 - Português Manual do usuário SIM 5 Lite Versão 1.0 - Português Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para a sua instalação e operação

Leia mais

Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP

Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP Aula de hoje: Verificando data e hora, desligando o computador, janelas, copiar colar, excluindo um arquivo. Prof: Lucas Aureo Guidastre Verificando data

Leia mais

2.1.2 Definição Matemática de Imagem

2.1.2 Definição Matemática de Imagem Capítulo 2 Fundamentação Teórica Este capítulo descreve os fundamentos e as etapas do processamento digital de imagens. 2.1 Fundamentos para Processamento Digital de Imagens Esta seção apresenta as propriedades

Leia mais

SISTEMA PARA ACOMPANHAMENTO DE CASOS DE DENGUE

SISTEMA PARA ACOMPANHAMENTO DE CASOS DE DENGUE SISTEMA PARA ACOMPANHAMENTO DE CASOS DE DENGUE Este visualizador funciona melhor nos navegadores Mozilla Firefox e Google Chrome (o funcionamento não é completo no Internet Explorer), portanto dê preferencia

Leia mais

Manual Introdutório do DataStudio

Manual Introdutório do DataStudio Manual de Instruções Manual N.º 012-08107 Manual Introdutório do DataStudio Manual N.º 012-08107 Manual N.º 012-08107 Manual Introdutório do DataStudio Introdução O que é o DataStudio? O DataStudio é

Leia mais