a Federal Boletimj Manual de Procedimentos IPI - Devolução ICMS - IPI e Outros Nota Fiscal Eletrônica 2.1 Nota fiscal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "a Federal Boletimj Manual de Procedimentos IPI - Devolução ICMS - IPI e Outros 2.1.1 Nota Fiscal Eletrônica 2.1 Nota fiscal"

Transcrição

1 Boletimj Manual de Procedimentos a Federal IPI - Devolução SUMÁRIO 1. Introdução 2. Devolução por contribuinte 3. Devolução promovida por pessoa física ou jurídica não obrigada à emissão de nota fiscal 4. Devolução de produto a outro estabelecimento do mesmo contribuinte 5. Devolução de produto que não deva mais ser objeto de saída tributada 6. Variação de alíquota 7. Códigos Fiscais de Operações e Prestações 8. Modelo 1. Introdução A devolução é configurada quando o comprador e o vendedor da mercadoria, por qualquer motivo, acordam em desfazer o negócio, anulando, assim, a operação de venda. Essa operação é muito comum nas atividades comerciais e pode ser efetuada tanto por empresas quanto por pessoas físicas ou jurídicas, não contribuintes do IPI e do ICMS, portanto dispensadas de emissão de documentos fiscais. Neste texto, examinaremos os principais aspectos relacionados à devolução de produtos e os procedimentos a serem adotados tanto por quem faz a devolução quanto por quem recebe a mercadoria, com base no Regulamento do IPI, aprovado pelo Decreto n o 7.212/2010. (RIPI - Decreto n o 7.212/2010) 2. Devolução por contribuinte Em caso de devolução promovida por contribuinte do ICMS e/ou do IPI, é obrigatório que se emita documento fiscal por ocasião da saída da mercadoria em devolução 2.1 Nota fiscal Em caso de devolução promovida por contribuinte do ICMS e/ou do IPI, é obrigatória a emissão de documento fiscal por ocasião da saída da mercadoria em devolução. Para tanto, deverá ser emitida Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, para acompanhar o produto devolvido ao estabelecimento vendedor, indicando-se, no campo Informações Complementares do quadro Dados Adicionais, o número, a data da emissão e o valor da operação constante do documento originário (emitido pelo fornecedor), bem como o valor do IPI relativo às quantidades devolvidas e a causa da devolução. O valor do IPI não deverá ser destacado no campo próprio da nota fiscal, mas somente indicado no campo Informações Complementares. Isso se justifica pelo fato de que a saída em devolução não configura fato gerador desse imposto. (RIPI/2010, art. 231, I) Nota Fiscal Eletrônica Em substituição à Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, poderá ser utilizada a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) na forma prevista no Ajuste Sinief n o 7/2005 e legislação correlata. Para a emissão deste documento fiscal devem ser observadas as instruções contidas no Manual de Integração - Contribuinte, versão 4.0.1, NT A emissão normal de NF-e e a emissão com utilização do Sistema de Contingência do Ambiente Nacional (Scan) são formas conclusivas de se obter a NF-e, pois é dada a autorização de uso para esse documento sem necessidade de posterior transmissão para a Sefaz. Nestes casos, após obter a autorização de uso da NF-e, o emissor poderá imprimir o Documento Auxiliar Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Nov/ Fascículo 44 SP 1

2 da Nota Fiscal Eletrônica (Danfe) em papel comum, informando o número do protocolo, a data e a hora dessa autorização. No Anexo I do manual de integração, constam as informações sobre o preenchimento dos diversos campos da NF-e, identificados por blocos, entre os quais destacamos os seguintes: a) bloco A - dados da NF-e; b) bloco B - identificação da NF-e; c) bloco C - identificação do emitente da NF-e; d) bloco D - identificação do Fisco emitente da NF-e; e) bloco E - identificação do destinatário da NF-e; f) bloco F - identificação do local de retirada; g) bloco G - identificação do local de entrega; h) bloco H - detalhamento de produtos e serviços da NF-e; i) bloco I - produtos e serviços da NF-e; j) bloco J - detalhamento específico de veículos novos; k) bloco K - detalhamento específico de medicamento e de matérias-primas farmacêuticas; l) bloco L - detalhamento específico de armamentos; m) bloco L1 - detalhamento específico de combustíveis; n) bloco M - tributos incidentes no produto ou serviço; o) bloco N - ICMS normal e ICMS-ST; p) bloco O - Imposto sobre Produtos Industrializados; q) bloco P - Imposto de Importação; r) bloco Q - PIS; s) bloco R - PIS-ST; t) bloco S - Cofins; u) bloco T - Cofins-ST; v) bloco U - ISSQN; w) bloco W - valores totais da NF-e; x) bloco X - informações do transporte da NF-e; y) bloco Y - dados da cobrança; z) bloco Z - informações adicionais da NF-e; z.1) bloco ZA - informações de comércio exterior; z.2) bloco ZB - informações de compras; z.3) bloco ZC - informações do registro de aquisição de cana; e z.4) bloco ZZ - informações da assinatura digital. O preenchimento dos campos de tributos relacionados com o ICMS normal e o ICMS-ST depende do conteúdo informado no código de tributação do ICMS (campo N12), que pode assumir uma das seguintes classificações: 00 - Tributada integralmente; 10 - Tributada e com cobrança do ICMS por substituição tributária; 20 - Com redução de base de cálculo; 30 - Isenta ou não tributada e com cobrança do ICMS por substituição tributária; 40 - Isenta; 41 - Não tributada; 50 - Suspensão; 51 - Diferimento; 60 - ICMS cobrado anteriormente por substituição tributária; 70 - Com redução de base de cálculo e cobrança do ICMS por substituição tributária; 90 - Outros. No que se refere ao bloco O - Imposto sobre Produtos Industrializados -, destacamos os seguintes pontos: a) no item 252, deve-se informar o grupo do Código de Situação Tributária (CST): 00, 49, 50 e 99; b) no item 253, é preciso informar o CST, conforme segue: b.1) 00 - Entrada com recuperação de crédito; b.2) 49 - Outras entradas; b.3) 50 - Saída tributada; b.4) 99 - Outras saídas; c) nos itens 254, 255, 256 e 257, deve-se informar os campos O10 e O13, caso o cálculo do IPI seja feito por alíquota, ou os campos O11 e O12, caso o cálculo seja feito conforme o valor por unidade; d) no item 259, é preciso informar o valor do IPI; e) no item 260, deve-se informar o grupo do CST: 01, 02, 03, 04, 51, 52, 53, 54 e 55; f) no item 261, é preciso informar o CST do IPI, conforme segue: 2 SP Manual de Procedimentos - Nov/ Fascículo 44 - Boletim IOB

3 f.1) 01 - Entrada tributada com alíquota zero; f.2) 02 - Entrada isenta; f.3) 03 - Entrada não tributada; f.4) 04 - Entrada imune; f.5) 05 - Entrada com suspensão; f.6) 51 - Saída tributada com alíquota zero; f.7) 52 - Saída isenta; f.8) 53 - Saída não tributada; f.9) 54 - Saída imune; e f.10) 55 - Saída com suspensão. (RIPI/2010, art. 429; Ajuste Sinief n o 7/2005; Manual de Integração - Contribuinte, versão 4.0.1) Estorno do crédito Caso o estabelecimento que esteja realizando a devolução seja contribuinte do IPI e tenha se creditado do valor do imposto no momento da escrituração da nota fiscal de aquisição do produto no livro Registro de Entradas (modelo 1), deverá proceder ao estorno do valor creditado. O estorno do crédito deverá ser lançado no período de apuração relativo à devolução, diretamente no livro Registro de Apuração do IPI, modelo 8, no campo Estorno de Créditos do quadro Débito do imposto, com descrição resumida da origem do lançamento. (RIPI/2010, art. 254, VI) 2.2 Procedimentos do destinatário O estabelecimento que receber o produto em devolução deverá: a) mencionar o fato nas vias das notas originárias conservadas em seus arquivos; b) escriturar, nos livros Registro de Entradas, modelo 1, e Registro de Controle da Produção e do Estoque, modelo 3, ou em sistema equivalente as notas fiscais recebidas; c) provar, pelos registros contábeis e demais elementos de sua escrita, o ressarcimento do valor dos produtos devolvidos, mediante crédito do respectivo valor, restituição do preço ou substituição do produto, salvo se a operação tiver sido feita a título gratuito. (RIPI/2010, art. 231, II, e art. 466) Crédito fiscal O estabelecimento que receber produtos em devolução poderá apropriar-se do valor do IPI destacado na nota fiscal emitida pelo fornecedor (ou emitida na entrada do produto no estabelecimento, na hipótese descrita no item 3) quando da efetiva entrada no estabelecimento, mediante escrituração do documento fiscal em seu livro Registro de Entradas e observância do procedimento descrito no subitem 2.2 anterior. (RIPI/2010, art. 229 e art. 251, I) Registro da operação de devolução Já vimos que uma das exigências regulamentares é o registro da operação de devolução no livro Registro de Entradas, modelo 1, e no livro Registro de Controle da Produção e do Estoque, modelo 3, ou em sistema de controle equivalente. Na ausência da comprovação de que houve a entrada dos produtos devolvidos, por intermédio da referida escrituração ou por outros meios de que dispuser o contribuinte, os créditos apropriados poderão ser glosados pela fiscalização. Nesse sentido, transcrevemos a seguir algumas ementas de decisões proferidas pelo Segundo Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda (atualmente Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) e pelas Delegacias da Receita Federal de Julgamento: Número do Recurso: Câmara: TERCEIRA CÂMARA Número do Processo: /90-01 Tipo do Recurso: VOLUNTÁRIO Matéria: IPI Recorrente:... Recorrida/Interessado: DRF-RIO DE JANEIRO/RJ Data da Sessão: 12/05/1993 Relator: TIBERANY FERRAZ DOS SANTOS Decisão: ACÓRDÃO Ementa: IPI - Produtos devolvidos ou retornados, de clientes, não registrados no livro Modelo 3 - não legitimam o aproveitamento do respectivo creditamento do imposto, porque, no caso, nas fichas mantidas pela contribuinte, em substituição ao livro Modelo 3, não foram encontrados os Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Nov/ Fascículo 44 SP 3

4 produtos acabados saídos do estabelecimento nem as respectivas devoluções. Recurso a que se nega provimento. Número do Recurso: Câmara: SEGUNDA CÂMARA Número do Processo: /87-86 Tipo do Recurso: VOLUNTÁRIO Matéria: IPI Recorrente:... Recorrida/Interessado: DRF-RIO DE JANEIRO/RJ Data da Sessão: 09/07/1992 Relator: ELIO ROTHE Decisão: ACÓRDÃO Ementa: IPI - OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS - CRÉDITO INDEVIDO POR DEVOLUÇÕES - CLASSIFICAÇÃO FISCAL - Não apresentação da Declaração de Informação Fiscal e do Demonstrativo de Entradas e Saídas de Mercadorias e não escrituração do livro modelo 3 Registro de Controle da Produção e do estoque. Crédito indevido por devoluções de mercadorias - não escrituração do livro modelo 3. Classificação fiscal de produtos no código da TIPI/03 como produtos de beleza, cremes para o tratamento da pele com ação secundária desodorizante. Produto que somente em foi registrado como produto de beleza. Recurso provido em parte. Número do Recurso: Câmara: PRIMEIRA CÂMARA Número do Processo: /90-30 Tipo do Recurso: VOLUNTÁRIO Matéria: IPI Recorrente:... Recorrida/Interessado: DRF-SÃO PAULO/SP Data da Sessão: 23/08/1994 Relator: EDISON GOMES DE OLIVEIRA Decisão: ACÓRDÃO Ementa: IPI - CRÉDITOS POR DEVOLUÇÃO - Ainda que não escriturados no Livro Modelo 3 ou controle subsidiário, são necessariamente aproveitados os créditos legítimos e sustentados por documentação idônea, em respeito ao princípio da não-cumulatividade. Recurso provido. MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DE JULGAMENTO EM JUIZ DE FORA 3 o TURMA ACÓRDÃO N o de 04 de Dezembro de 2008 ASSUNTO: Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI EMENTA: CRÉDITO POR DEVOLUÇÃO. IMPOSSIBILI- DADE. O crédito por devolução de matérias-primas, de produtos intermediários e de material de embalagem está condicionado à comprovação da entrada efetiva desses elementos no estabelecimento que os recebe em devolução. Desse modo, entre outras providências, deve ser demonstrada a operação de regresso de tais produtos ao seu estabelecimento, bem como esta deve ser escriturada no Livro Registro de Entradas e no Livro Registro de Controle da Produção e do Estoque. MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DE JULGAMENTO EM RIBEIRÃO PRETO 2 o TURMA ACÓRDÃO N o de 20 de Dezembro de 2007 ASSUNTO: Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI EMENTA: DIREITO AO CRÉDITO. ADMISSIBILIDADE. GLOSA. Glosam-se os créditos relativos a insumos não onerados pelo imposto ou não admitidos pela legislação tributária, insuscetíveis de escrituração, apuração e aproveitamento mediante pedido de ressarcimento ao fim do trimestre-calendário ou extemporaneamente. CRÉDITOS INDEVIDOS. DEVOLUÇÕES DE PRODUTOS VENDIDOS. GLOSA. A falta de escrituração de devoluções de produtos vendidos no livro Registro de Controle da Produção e do Estoque, ou sistema equivalente, autoriza a glosa dos créditos correspondentes, com a cobrança do imposto devido, além dos consectários legais. [...] (Lei n o /2009, art. 48) Escrituração Fiscal Digital O contribuinte do IPI deverá substituir a escrituração e a impressão dos livros fiscais de que tratam os incisos I, II, VII e VIII do art. 444 do RIPI/2010, pela Escrituração Fiscal Digital (EFD) em arquivo digital, na forma do Ajuste Sinief n o 2/2009 e legislação correlata. No caso de fusão, incorporação ou cisão, essa obrigatoriedade se estende à empresa incorporada, cindida ou resultante da cisão ou fusão. Ao contribuinte obrigado à EFD não se aplicam as disposições de que tratam o 8 o do art. 444 e os arts. 446 a 450 do RIPI/2010. A EFD compõe-se da totalidade das informações, em meio digital, necessárias à apuração do imposto, 4 SP Manual de Procedimentos - Nov/ Fascículo 44 - Boletim IOB

5 referentes às operações e prestações praticadas pelo contribuinte, bem como de outras de interesse das administrações tributárias das Unidades da Federação e da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB). Observe-se que as instruções para a geração de arquivos EFD constam do Guia Prático da EFD, versão 2.0.6, disponível no site da RFB, gov.br. (RIPI/2010, art. 453 e art. 454; Ajuste Sinief n o 2/2009; Guia Prático da EFD, versão 2.0.6) 3. Devolução promovida por pessoa física ou jurídica não obrigada à emissão de nota fiscal Na hipótese de devolução de mercadoria por pessoa física ou jurídica não obrigada à emissão de nota fiscal, o produto deve ser acompanhado por carta ou memorando do comprador, em que serão declarados os motivos da devolução, competindo ao vendedor a emissão da nota fiscal relativa à entrada. A nota fiscal, cujo preenchimento deve obedecer a todas as normas regulamentares pertinentes, deverá conter, ainda, o número, a data da emissão da nota fiscal originária e o valor do imposto relativo às quantidades devolvidas. 5. Devolução de produto que não deva mais ser objeto de saída tributada O Regulamento do IPI não faz qualquer restrição à apropriação do crédito fiscal relativo à reentrada, no estabelecimento, de produto que não deva mais ser objeto de saída tributada. Assim, ocorrendo essa hipótese, deverão ser observados os seguintes procedimentos: a) o crédito relativo aos produtos devolvidos será normalmente escriturado no livro Registro de Entradas, à vista de nota fiscal emitida pelo contribuinte que procedeu à devolução ou da nota fiscal relativa à entrada, caso a devolução seja realizada por pessoa física ou jurídica não obrigada à emissão de nota fiscal; b) o crédito correspondente a matérias-primas, produtos intermediários e material de embalagem empregados na fabricação dos produtos devolvidos (e que não mais serão objeto de saída tributada) deverá ser estornado na escrita fiscal, diretamente no livro Registro de Apuração do IPI, modelo 8, no mesmo período de apuração em que ocorrer a devolução. (RIPI/2010, art. 254, V) Caso o estabelecimento vendedor assuma o encargo de retirar ou transportar o produto devolvido, a referida nota fiscal, relativa à entrada, servirá para acompanhá-lo no seu trânsito. (RIPI/2010, art. 232) 4. Devolução de produto a outro estabelecimento do mesmo contribuinte O produto poderá ser devolvido a outro estabelecimento do mesmo contribuinte que o tenha industrializado ou importado e que não opere exclusivamente no varejo. Nesse caso, o estabelecimento que receber a mercadoria em devolução poderá apropriar-se do valor do imposto, desde que registre a nota fiscal nos livros Registro de Entradas, modelo 1, e Registro de Controle da Produção e do Estoque, modelo 3, ou em sistema equivalente. (RIPI/2010, art. 233) 6. Variação de alíquota A variação da alíquota do IPI eventualmente ocorrida entre a data da saída do produto e a sua devolução não deve ser considerada. Quando isso ocorrer, o estabelecimento que promover a devolução, quando parcial, indicará o imposto aplicando o percentual vigente no momento da ocorrência do fato gerador de que tenha decorrido o débito para o remetente. No caso de devolução total, a indicação ficará resumida a simples transcrição do imposto destacado (lançado) na nota fiscal de compra. A respeito do assunto, vejamos a transcrição da ementa do Parecer Normativo CST n o 231/1972: A variação da alíquota no período compreendido entre a remessa e a devolução de produtos (inciso IV do artigo 32 do RIPI) deve ser desconsiderada para efeito de indicação do imposto na nota fiscal de devolução. (Parecer Normativo CST n o 231/1972) Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Nov/ Fascículo 44 SP 5

6 7. Códigos Fiscais de Operações e Prestações Os principais Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) a serem utilizados nas notas fiscais de devolução, assim como na escrituração dos livros fiscais, são os que constam do seguinte quadro: Devoluções Remetente CFOP Natureza da operação Destinatário CFOP Natureza da operação Comerciante ou Devolução de compras para comercialização Industrial Comerciante ou Devolução de vendas de produção do estabelecimento ou Devolução de vendas de mercadorias adquiridas e/ou recebidas de terceiros Industrial ou Devolução de compra para industrialização ou produção rural Industrial ou Devolução de vendas de produção do estabelecimento Comerciante ou Devolução de vendas de mercadorias adquiridas e/ou recebidas de terceiros Comerciante ou industrial ou Devolução de compras para o Ativo Imobilizado Industrial ou Devolução de vendas de produção do estabelecimento Comerciante ou Devolução de vendas de mercadorias adquiridas e/ou recebidas de terceiros Comerciante ou industrial ou Devolução de compra de material de uso ou consumo Operações sujeitas ao regime de substituição tributária do ICMS Devoluções Remetente CFOP Natureza da operação Destinatário CFOP Natureza da operação Comerciante ou Devolução de compras para comercialização em operações sujeitas ao regime de substituição tributária Comerciante ou Devolução de vendas de mercadorias adquiridas e/ou recebidas de terceiros em operações sujeitas ao regime de substituição tributária Industrial ou Devolução de vendas de produção do estabelecimento em operações sujeitas ao regime de substituição tributária Industrial ou Devolução de compra para industrialização ou produção rural em operação com mercadoria sujeita ao regime de substituição tributária Comerciante ou Devolução de vendas de mercadorias adquiridas e/ou recebidas de terceiros em operações sujeitas ao regime de substituição tributária Industrial ou Devolução de vendas de produção do estabelecimento em operações sujeitas ao regime de substituição tributária (Convênio Sinief s/n o de ) 8. Modelo A seguir, reproduzimos exemplo de nota fiscal de devolução de mercadoria recebida em desacordo com o pedido, considerando a situação de operação interna realizada no Estado de São Paulo: 6 SP Manual de Procedimentos - Nov/ Fascículo 44 - Boletim IOB

7 NOTA FISCAL Nº EMITENTE LOGOTIPO Comércio X Ltda. Rua Nove, 125 São Paulo (XXXXX) Centro SP CEP X SAÍDA ENTRADA 1ª VIA CNPJ DESTINATÁRIO/ REMETENTE NATUREZA DA OPERAÇÃO Devolução DESTINATÁRIO/REMETENTE NOME/RAZÃO SOCIAL Indústria Y Ltda. ENDEREÇO Rua AAA, 100 MUNICÍPIO São Paulo FATURA CFOP INSC. ESTADUAL DO SUBSTITUTO TRIBUTÁRIO INSCRIÇÃO ESTADUAL DATA-LIMITE PARA EMISSÃO FONE/FAX BAIRRO/DISTRITO Centro UF SP CNPJ/CPF CEP INSCRIÇÃO ESTADUAL DATA DA EMISSÃO DATA DA SAÍDA/ENTRADA HORA DA SAÍDA 8h00 DADOS DO PRODUTO CÓDIGO PRODUTO DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS CLASSIFICAÇÃO FISCAL SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA UNIDADE QUANTIDADE VALOR UNITÁRIO VALOR ALÍQUOTAS TOTAL ICMS IPI VALOR DO IPI - Óculos de sol Capítulo 90 da TIPI 000 Un , ,00 18% - - CÁLCULO DO IMPOSTO BASE DE CÁLCULO DO ICMS VALOR DO ICMS BASE DE CÁLCULO ICMS SUBSTITUIÇÃO VALOR DO ICMS SUBSTITUIÇÃO VALOR TOTAL DOS PRODUTOS 3.200,00 576, ,00 VALOR DO FRETE VALOR DO SEGURO OUTRAS DESPESAS ACESSÓRIAS VALOR TOTAL DO IPI VALOR TOTAL DA NOTA ,00 TRANSPORTADOR/VOLUMES TRANSPORTADOS NOME/RAZÃO SOCIAL FRETE POR CONTA PLACA DO VEÍCULO UF CNPJ/CPF 1. EMITENTE Remetente 2. DESTINATÁRIO ENDEREÇO MUNICÍPIO UF INSCRIÇÃO ESTADUAL QUANTIDADE ESPÉCIE MARCA NÚMERO PESO BRUTO PESO LÍQUIDO DADOS ADICIONAIS Valor do IPI destacado na nota fiscal de aquisição: R$ 480,00. Mercadoria recebida por meio da nota fiscal nº..., de.../.../..., que ora devolvemos por estar em desacordo com o pedido (art. 231 do RIPI/2010). DADOS DA AIDF E DO IMPRESSOR RESERVADO AO FISCO N DE CONTROLE DO FORMULÁRIO RECEBEMOS DE (RAZÃO SOCIAL DO EMITENTE) OS PRODUTOS CONSTANTES DA NOTA FISCAL INDICADA AO LADO NOTA FISCAL DATA DO RECEBIMENTO IDENTIFICAÇÃO E ASSINATURA DO RECEBEDOR N N Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Nov/ Fascículo 44 SP 7

8 a Estadual ICMS - Substituição tributária nas operações com papel SUMÁRIO 1. Introdução 2. Inaplicabilidade do regime 3. Produto sujeito ao regime 4. Responsabilidade pela retenção 5. Recebimento de mercadoria de outra Unidade da Federação sem a retenção do imposto 6. Base de cálculo 7. Documento fiscal 8. Escrituração fiscal 9. Devolução 10. Apuração e informação sobre o imposto retido 11. Prazo de recolhimento 12. Penalidades 1. Introdução Nos termos do art. 6 o da Lei Complementar n o 87/1996, os Estados podem atribuir, de modo expresso, a terceiros, vinculados e com interesse no fato gerador do imposto, a responsabilidade pelo cumprimento da obrigação tributária. Esse mecanismo constitui-se na figura da substituição tributária, excluindo a responsabilidade do contribuinte ou atribuindo a este em caráter supletivo o cumprimento total ou parcial da referida obrigação. A aplicação do regime da substituição tributária do ICMS nas operações internas deve ser instituída por meio de lei, enquanto nas operações interestaduais é necessário acordo entre os Estados envolvidos, por meio de protocolo ou convênio ICMS. Neste texto veremos as disposições gerais sobre a aplicação do regime da substituição tributária nas operações internas com papel, prevista nos arts. 313-U e 313-V do RICMS-SP/2000. (Lei Complementar n o 87/1996, art. 6 o ; RICMS-SP/2000, arts. 313-U e 313-V) 2. Inaplicabilidade do regime Salvo disposição em contrário, não se inclui na sujeição passiva por substituição, subordinando-se às normas comuns da legislação, a saída promovida por estabelecimento responsável pela retenção do imposto destinada a: a) integração ou consumo em processo de industrialização; b) estabelecimento paulista, quando a operação subsequente estiver amparada por isenção ou não incidência; c) outro estabelecimento do mesmo titular, desde que não varejista; d) outro estabelecimento responsável pelo pagamento do imposto mediante sujeição passiva por substituição, em relação à mesma mercadoria ou a outra enquadrada na mesma modalidade de substituição, exceto se a responsabilidade tributária for apenas pelo fato de receber mercadoria de outro Estado; e) estabelecimento situado em outro Estado; e f) consumidor ou usuário final, uma vez que não haverá saída subsequente da mercadoria que justifique a retenção antecipada. Na hipótese das letras c ou d, a responsabilidade pela retenção do imposto será do estabelecimento destinatário, devendo tal circunstância ser indicada no campo Informações Complementares do respectivo documento fiscal. (RICMS-SP/2000, art. 264) 3. Produto sujeito ao regime O regime da substituição tributária se aplica exclusivamente ao papel do tipo utilizado para escrita, impressão ou outros fins gráficos, em folhas, de peso igual ou superior a 40 g/m 2, mas não superior a 150 g/m 2, nas quais um lado não seja superior a 435 mm e o outro a 297 mm, quando não dobradas, classificado na subposição da Nomenclatura Brasileira de Mercadorias - Sistema Harmonizado (NBM/SH), excluídos os papéis para impressão de papel-moeda. (RICMS-SP/2000, art. 313-U, 1 o ) 4. Responsabilidade pela retenção Na saída do papel descrito no item 3 com destino a estabelecimento localizado em território paulista, a responsabilidade pela retenção e pelo pagamento do imposto incidente nas saídas subsequentes fica atribuída: a) a estabelecimento de fabricante ou de importador ou a arrematante de mercadoria importada do exterior e apreendida, localizado neste Estado; 8 SP Manual de Procedimentos - Nov/ Fascículo 44 - Boletim IOB

9 b) a qualquer estabelecimento localizado em território paulista que receber o papel diretamente de outro Estado sem a retenção antecipada do imposto; e c) a qualquer estabelecimento localizado em outra Unidade da Federação, conforme definido em acordo celebrado pelo Estado de São Paulo (convênio ou protocolo ICMS). (RICMS-SP/2000, art. 313-U, caput) 5. Recebimento de mercadoria de outra Unidade da Federação sem a retenção do imposto Na hipótese de recebimento do papel de outra Unidade da Federação, sem retenção antecipada do imposto (letra b do item 4), o contribuinte paulista deverá efetuar antecipadamente o recolhimento do ICMS devido pela própria operação de saída e, em sendo o caso, também das operações subsequentes, na condição de sujeito passivo por substituição, observado o seguinte: a) o imposto incidente na operação própria e nas subsequentes será pago conforme previsto no art. 426-A do RICMS-SP/2000, observadas as disposições contidas no art. 277 do RICMS- -SP/2000, que trata da escrituração fiscal por contribuinte responsável pelo pagamento do imposto relativo às operações próprias e subsequentes, por ocasião da entrada; b) na saída da mercadoria do estabelecimento, será emitido documento fiscal nos termos do art. 274 do RICMS-SP/2000 e escriturado o livro Registro de Saídas na forma do art. 278 do RICMS-SP/2000, ou seja, no momento da saída, o contribuinte reveste-se da condição de substituído, devendo emitir a nota fiscal, sem destaque do imposto, que conterá, além dos demais requisitos regulamentares, a indicação, no campo Informações Complementares, da expressão Imposto recolhido por substituição - Art. 313-U do RICMS ; e c) quando o estabelecimento que receber a mercadoria for armazém-geral, e o depositante estiver localizado em outra Unidade da Federação, o armazém-geral deverá calcular e pagar o imposto incidente na operação própria e nas subsequentes de acordo com as normas relativas ao regime jurídico da substituição tributária, no período de apuração em que ocorrer a saída da mercadoria com destino a outro estabelecimento localizado em território paulista. Nota A Portaria CAT n o 16/2008 disciplina o recolhimento do imposto devido na entrada, em território paulista, de mercadoria sujeita ao regime jurídico da substituição tributária procedente de outra Unidade da Federação sem a retenção antecipada. (RICMS-SP/2000, art. 313-U, 2 o ; Portaria CAT n o 16/2008) 5.1 Escrituração fiscal O estabelecimento que, recebendo mercadorias diretamente de outra Unidade da Federação, for responsável pelo pagamento, por ocasião da entrada, do imposto incidente na sua própria operação de saída e das subsequentes, deverá escriturar o livro Registro de Entradas da seguinte forma: a) nas colunas adequadas, os dados relativos à operação de aquisição, na forma regulamentar; b) na coluna Observações, na mesma linha do registro descrito na letra a, com utilização de coluna distinta sob o título Substituição Tributária : b.1) o valor pago antecipadamente a título de imposto incidente sobre sua própria operação e o da base de cálculo; e b.2) o valor do imposto retido incidente sobre as operações subsequentes e o da sua base de cálculo; c) o valor do ICMS recolhido antecipadamente, por meio de guia de recolhimentos especiais (art. 426-A do RICMS-SP/2000), na coluna Observações da mesma linha de lançamento descrito na letra a, com utilização de colunas distintas sob o título Recolhimento Antecipado - Art. 426-A, com indicação da data do recolhimento, do código de receita utilizado e do valor recolhido. (RICMS-SP/2000, art. 277, caput) Totalização para efeito de lançamento do imposto Os valores mencionados na letra b do subitem 5.1 serão totalizados no último dia do período de apuração, para lançamento no livro Registro de Apuração do ICMS, conforme segue: a) tratando-se de estabelecimento atacadista, inclusive distribuidor: a.1) o valor pago antecipadamente a título de imposto incidente sobre a própria opera- Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Nov/ Fascículo 44 SP 9

10 ção, no quadro Débito do Imposto - Outros Débitos, com a indicação Pagamento antecipado - Art. 277 do RICMS, juntamente com a escrituração de suas operações próprias; a.2) o valor do imposto retido incidente sobre as operações subsequentes, no quadro Por Saídas com Débito do Imposto, em folha subsequente à da apuração própria do livro Registro de Apuração do ICMS, na qual fará constar a expressão Substituição tributária ; b) tratando-se de estabelecimento varejista, mediante lançamento no livro Registro de Apuração do ICMS, no quadro Débito do Imposto - Outros Débitos, com a expressão Pagamento antecipado - Art. 277 do RICMS. O imposto incidente na operação própria e nas operações subsequentes deverá ser pago no período de apuração em que tiver ocorrido a entrada da mercadoria no estabelecimento. Nota No tocante ao imposto pago sobre a operação própria e sobre as subsequentes, deverá ser aplicado, se for o caso, o disposto no art. 63, VI (crédito do valor do ICMS recolhido antecipadamente no caso de não ocorrer a saída da mercadoria), e no art. 269 (ressarcimento do imposto retido) do RICMS-SP/2000. (RICMS-SP/2000, art. 277, 2 o, e art. 313-U, 2 o, item 3) Lançamento do imposto recolhido antecipadamente O valor do imposto recolhido antecipadamente, por meio de guia de recolhimentos especiais, nos termos do art. 426-A do RICMS-SP/2000, deverá ser lançado no livro Registro de Apuração do ICMS da seguinte forma: a) o valor relativo à operação própria, no quadro Crédito do Imposto - Outros Créditos, com a expressão Recolhimento antecipado - Art. 426-A do RICMS ; b) o valor relativo às operações subsequentes (na forma descrita na letra a.2 do subitem 5.1.1), no quadro Crédito do Imposto - Outros Créditos, com a expressão Recolhimento antecipado - Art. 426-A do RICMS ; c) em se tratando de contribuinte optante pelo Simples Nacional, não sendo aplicável a antecipação do recolhimento prevista no art. 426-A do RICMS, o imposto devido na condição de sujeito passivo por substituição, relativamente à sua própria operação de saída e, se for o caso, às subsequentes, com observância dos 2 o, 3 o e 5 o do art. 426-A do RICMS-SP/2000, totalizado no último dia do período de apuração e recolhido por meio de guia de recolhimentos especiais, até o último dia da 1 a quinzena do mês subsequente ao da ocorrência das entradas, não se aplicando o descrito no subitem (RICMS-SP/2000, art. 277, 3 o e 4 o ) 6. Base de cálculo 6.1 IVA-ST Nas operações com papel, a base de cálculo para fins de retenção e pagamento do imposto relativo às saídas subsequentes, com destino a estabelecimento localizado em território paulista, será o preço praticado pelo sujeito passivo, incluídos os valores correspondentes a frete, carreto, seguro, impostos e outros encargos transferíveis ao adquirente, acrescido do valor adicionado calculado mediante a multiplicação do preço praticado pelo Índice de Valor Adicionado Setorial (IVA-ST), fixado em 36,32% no período de 1 o a A partir de 1 o , o IVA-ST será de 53,33%, podendo ser substituído por outro percentual, na hipótese de a entidade representativa do setor apresentar à Secretaria da Fazenda levantamento de preços com base em pesquisas realizadas por instituto de pesquisa de mercado de reputação idônea e seja editada a legislação correspondente. (RICMS-SP/2000, art. 313-V; Portaria CAT n o 45/2011) 6.2 IVA-ST ajustado Na hipótese de entrada de mercadoria proveniente de outra Unidade da Federação, cuja saída interna seja tributada com alíquota superior a 12%, o estabelecimento destinatário paulista deverá utilizar o IVA-ST ajustado, calculado por meio da seguinte fórmula: IVA-ST ajustado = [(1+IVA-ST original) x (1 - ALQ inter)/(1 - ALQ intra) ] -1 - na qual: a) IVA-ST original é o aplicável na operação interna, conforme descrito no subitem 6.1; b) ALQ inter é a alíquota interestadual aplicada pelo remetente localizado em outra Unidade da Federação; c) ALQ intra é a alíquota aplicável à mercadoria no Estado de São Paulo. (Portaria CAT n o 45/2011, art. 1 o, 2 o ) 10 SP Manual de Procedimentos - Nov/ Fascículo 44 - Boletim IOB

11 6.3 Cálculo do imposto retido O valor do imposto a ser recolhido a título de sujeição passiva por substituição é a diferença entre o valor do imposto calculado mediante a aplicação da alíquota interna sobre a base de cálculo referida nos subitens 6.1 ou 6.2 e o valor do imposto devido pela operação própria do remetente. (RICMS-SP/2000, art. 268, caput) Empresa optante pelo Simples Nacional O contribuinte enquadrado no Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições Devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional), na condição de sujeito passivo por substituição, deverá: a) considerar o valor do imposto a recolher a título de sujeição passiva por substituição como a diferença entre o valor do imposto calculado mediante a aplicação da alíquota interna sobre a base de cálculo prevista para a operação sujeita à substituição tributária e o valor resultante da aplicação da alíquota interna ou interestadual, conforme o caso, sobre o valor da operação ou prestação própria do remetente; b) elaborar, até o último dia útil da 1 a quinzena de cada mês, relatório demonstrativo de apuração do valor a ser recolhido a título de sujeição passiva por substituição, contendo todas as indicações individualizadas das operações e prestações necessárias à verificação fiscal; c) recolher o valor do imposto devido na condição de sujeito passivo por substituição por meio de guia de recolhimentos especiais, até o último dia útil da 1 a quinzena do mês subsequente ao da saída da mercadoria. Nota O Decreto n o /2009 fixou prazo especial para recolhimento do ICMS devido na condição de sujeito passivo por substituição pelas operações subsequentes com diversos produtos, entre os quais o papel referido neste texto, produzindo efeitos em relação aos fatos geradores ocorridos até O prazo de recolhimento será até o último dia do 2 o mês subsequente do mês de referência da apuração. (RICMS-SP/2000, art. 268, 2 o ; Decreto n o /2009) 6.4 Alíquota A alíquota a se aplicar nas operações internas com papel é de 18%. (RICMS-SP/2000, art. 52, I) 6.5 Exemplo de cálculo do imposto Para exemplificar, simulemos a venda de papel pelo estabelecimento industrial responsável pela retenção do imposto, em uma operação interna com papel classificado no código da NCM: a) produto: papel para escrita; b) quantidade: 100 kg; c) valor por quilograma: R$ 4,00; d) valor total da mercadoria: R$ 400,00; e) frete: R$ 10,00; f) IPI (alíquota de 5%): R$ 20,50; g) IVA-ST: 36,32% h) alíquota interna do ICMS: 18%. Assim, temos: a) base de cálculo do ICMS incidente sobre a própria operação: R$ 410,00; b) ICMS incidente sobre a própria operação: (R$ 400,00 + R$ 10,00) x 18% = R$ 73,80; c) base de cálculo do ICMS retido: [(R$ 400,00 + R$ 10,00 + R$ 20,50) + 36,32%] = R$ 586,86; d) ICMS a ser retido: ICMS-ST - ICMS próprio (R$ 105,63 - R$ 73,80) = R$ 31, Documento fiscal 7.1 Emissão pelo substituto tributário O sujeito passivo por substituição emitirá nota fiscal na qual, além dos requisitos exigidos, deverá fazer constar, nos campos próprios, as seguintes indicações: a) base de cálculo do imposto retido, na forma do item 6.1 ou 6.2 deste texto; b) valor do imposto retido, cobrável do destinatário; c) base de cálculo e valor do imposto incidentes sobre a operação própria. Será consignada, ainda, no campo Informações Complementares, a observação: O destinatário deverá, com relação às operações com mercadoria ou prestações de serviço recebidas com imposto retido, escriturar o documento fiscal nos termos do art. 278 do RICMS. (RICMS-SP/2000, art. 273, caput e 1 o ) Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Nov/ Fascículo 44 SP 11

12 7.1.1 Exemplo Reproduzimos a seguir modelo da nota fiscal de venda de papel, valendo-nos das informações trazidas no exemplo descrito no subitem 6.5: Nota O preenchimento é meramente exemplificativo, devendo-se observar as demais regras previstas na legislação. 7.2 Emissão pelo contribuinte substituído O contribuinte substituído, ao realizar operação com mercadoria recebida com o imposto retido, deverá emitir nota fiscal sem o destaque do ICMS, a qual conterá, além dos demais requisitos, a seguinte indicação: 12 SP Manual de Procedimentos - Nov/ Fascículo 44 - Boletim IOB

13 Imposto recolhido por substituição - Art. 313-U do RICMS. Na hipótese de aquisição de mercadoria sem a retenção do imposto devido por substituição tributária em virtude de decisão judicial, qualquer que seja o favorecido da referida decisão, esta circunstância será mencionada no documento fiscal que emitir, no campo Informações Complementares, indicando a obrigação do destinatário em relação ao recolhimento do imposto na operação subsequente. Caso a mercadoria tenha sido adquirida de outro contribuinte substituído e a operação seja destinada ao território paulista, com a finalidade de comercialização subsequente, deverá ainda ser indicada, no campo Informações Complementares do documento fiscal, a base de cálculo do imposto retido e o valor da parcela do imposto retido cobrável do destinatário, relativamente a cada mercadoria. Considera-se parcela do ICMS retido o valor resultante da aplicação da alíquota interna sobre a diferença entre a base de cálculo da retenção e o valor da base de cálculo que seria atribuída à operação própria do contribuinte substituído do qual foi recebida a mercadoria, caso estivesse submetida ao regime comum de tributação. (RICMS-SP/2000, arts. 269, 4 o, 2, a, e 274, caput, 2 o e 3 o ) Exemplo Reproduzimos a seguir modelo da nota fiscal de venda interna de papel para usuário final, realizada por contribuinte substituído: Nota O preenchimento é meramente exemplificativo, devendo-se observar as demais regras previstas na legislação. Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Nov/ Fascículo 44 SP 13

14 8. Escrituração fiscal 8.1 Contribuinte substituto Livro Registro de Saídas O sujeito passivo por substituição deverá escriturar, no livro Registro de Saídas, a correspondente nota fiscal: a) na coluna própria, com os dados relativos à sua própria operação, na forma prevista no Regulamento do ICMS; e b) na coluna Observações, na mesma linha do lançamento de que trata a letra a, os valores do imposto retido e da respectiva base de cálculo, utilizando colunas distintas para essas indicações, sob o título comum Substituição Tributária. Os valores da coluna relativa ao imposto retido serão totalizados, no último dia do período de apuração, para lançamento (em folha separada das demais operações próprias) no livro Registro de Apuração do ICMS, no campo Por Saídas com Débito do Imposto. (RICMS-SP/2000, arts. 275 e 281, I) 8.2 Contribuinte substituído O contribuinte substituído deverá escriturar os livros Registro de Entradas e Registro de Saídas na forma prevista no RICMS-SP/2000, com utilização da coluna Outras de Operações ou Prestações sem Crédito do Imposto e Operações ou Prestações sem Débito do Imposto, respectivamente. Observe-se que o valor do imposto retido ou da parcela do imposto retido, indicado no documento fiscal, não será incluído na escrituração da coluna Outras, e sim na coluna Observações. (RICMS-SP/2000, art. 278, caput e 1 o ) 9. Devolução O contribuinte substituído, quando efetuar a devolução interna de mercadoria adquirida em regime de substituição tributária diretamente ao contribuinte substituto, deverá emitir nota fiscal em conformidade com a nota fiscal recebida, com destaque do valor do imposto incidente sobre a própria operação do fornecedor, mencionando-se os requisitos exigidos e, em especial, as seguintes indicações: a) no campo Natureza da Operação, a expressão Devolução ; b) no campo CFOP, o código (operação interna); c) no campo Situação Tributária, o CST Tributada integralmente ; d) nos campos Base de Cálculo do ICMS e Valor do ICMS, os valores relativos à base de cálculo e ao valor do imposto incidente sobre a própria operação do contribuinte substituto (fornecedor); e) no campo Informações Complementares : e.1) Imposto recolhido por substituição tributária - Art.... do RICMS ; e.2) Base de cálculo da substituição tributária: R$... ; e.3) Imposto retido: R$... ; e.4) Devolução (total ou parcial) de mercadoria recebida com sua nota fiscal n o..., de.../.../..., no valor de R$... ; e.5) motivo da devolução. Uma vez que o ICMS incidente sobre a própria operação do contribuinte substituto do qual foi recebida a mercadoria não foi creditado por ocasião da entrada no estabelecimento e estará sujeita ao débito no momento da devolução, o valor do imposto destacado na nota fiscal (letra d ) poderá ser lançado a crédito, diretamente no livro Registro de Apuração do ICMS, no quadro Crédito do Imposto - Outros Créditos, com a indicação da origem do lançamento ( Devolução de mercadoria recebida com substituição tributária - Nota Fiscal n o, de.../.../... ). Já o contribuinte substituto deverá lançar no livro Registro de Entradas: a) o documento fiscal relativo à devolução, com utilização das colunas Operações com Crédito do Imposto na forma regulamentar, creditando-se do imposto incidente sobre a sua própria operação de saída; b) na coluna Observações, na mesma linha do lançamento efetuado na forma da letra a anterior, o valor da base de cálculo e o do imposto retido, relativos à devolução, utilizando, para tanto, colunas distintas sob o título comum Substituição Tributária. Os valores constantes na coluna relativa ao imposto retido serão totalizados no último dia do período de apuração, para o lançamento no livro Registro de Apuração do ICMS. (RICMS-SP/2000, art. 4 o, IV, art. 59, art. 127, I, i, j, IV, d, 15, art. 274, caput, arts. 273, 276, 278 e 281) 14 SP Manual de Procedimentos - Nov/ Fascículo 44 - Boletim IOB

15 10. apuração e informação sobre o imposto retido O sujeito passivo por substituição deverá apurar os valores relativos ao imposto retido, no último dia do mês, no livro Registro de Apuração do ICMS, em folha subsequente à da apuração referente às suas próprias operações, fazendo constar a expressão Substituição Tributária, com utilização, no que couberem, dos quadros Débito do Imposto, Crédito do Imposto e Apuração dos Saldos, nos quais serão lançados: a) os valores indicados na coluna Observações do livro Registro de Saídas, quadro Débito do Imposto, item Por Saídas com Débito do Imposto ; b) os valores indicados na coluna Observações do livro Registro de Entradas, quadro Crédito do Imposto, item Por Entradas com Crédito do Imposto. (RICMS-SP/2000, art. 281) 11. Prazo de recolhimento O ICMS incidente sobre a própria operação do sujeito passivo poderá ser recolhido até o dia indicado no Anexo IV do RICMS-SP/2000 (prazos de recolhimento do imposto), de acordo com o Código de Prazo de Recolhimento (CPR), fixado em virtude do Código de Atividade Econômica (CNAE) em que estiver classificado o estabelecimento. O imposto retido nas operações com papel, CPR 1090, como regra geral, deverá ser recolhido até o dia 9 do mês subsequente ao de ocorrência do fato gerador, mediante Guia de Arrecadação Estadual (Gare-ICMS), em 2 vias, sob o código de receita Substituição Tributária. Saliente-se que o Decreto n o /2009 fixou prazo especial para recolhimento do ICMS devido na condição de sujeito passivo por substituição pelas operações subsequentes com diversos produtos, entre os quais o papel referido neste texto, produzindo efeitos em relação aos fatos geradores ocorridos até O prazo de recolhimento será até o último dia do 2 o mês subsequente do mês de referência da apuração. Nota O contribuinte substituto deverá efetuar o recolhimento do imposto retido na fonte sob o regime de que trata este texto, independentemente do resultado das suas próprias operações. (RICMS-SP/2000, arts. 112 e 283, e Anexo IV, arts. 2 o, II, e 3 o, 1, item 21; Decreto n o /2009) 12. Penalidades A legislação atribui ao contribuinte ou responsável penalidades por infrações cometidas que vão do descumprimento da obrigação principal até as obrigações acessórias. Informações a respeito constam nos arts. 527 a 530 do Regulamento do ICMS. Cabe observar que algumas penalidades estão expressas em Unidades Fiscais do Estado de São Paulo (UFESP), devendo ser convertidas, quando do pagamento, no valor fixado para o ano em questão. Para o exercício de 2011, o valor da UFESP foi fixado em R$ 17,45. (RICMS-SP/2000, arts. 527 a 530 e 603; Comunicado DA n o 88/2010) N a Municipal (São Paulo) ISS - Nota Fiscal de Serviços Eletrônica do Tomador/Intermediário (NFTS) SUMÁRIO 1. Introdução 2. Obrigatoriedade 3. Dispensa 4. Consulta ao CPOM 5. DES 6. Prazo e forma de emissão 7. Recolhimento 8. Cancelamento 9. Penalidade 1. Introdução Com o intuito de aprimorar o processo de fiscalização e controle das contratações e intermediações de serviços, a Prefeitura de São Paulo instituiu, por meio da Lei n o /2011, a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica do Tomador/Intermediário (NFTS). Veremos neste texto os contribuintes obrigados à emissão da NFTS, os casos de dispensa, o prazo para emissão e recolhimento do imposto, entre outras questões. 2. Obrigatoriedade A emissão da NFTS é obrigatória desde 1 o Entretanto, como é realizada exclusivamente por meio do sistema disponível no site da prefeitura, e tendo em vista problemas apresentados no referido sistema, o tomador Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Nov/ Fascículo 44 SP 15

16 ou intermediador do serviço pode emitir as NFTS até o dia , relativamente aos serviços prestados nos meses de setembro ou outubro do mesmo ano. Para facilitar a identificação das hipóteses em que o contribuinte estabelecido na cidade de São Paulo é obrigado a emitir o mencionado documento fiscal, segue tabela: OBRIGATORIEDADE Tomador (Estabelecido no Prestador Município de São Paulo) Estabelecido em outro município Pessoas jurídicas e condomínios edilícios residenciais ou comerciais Hipótese de emissão Sempre a) Quando a legislação prevê a responsabilidade de retenção pelo tomador b) Quando o prestador não Estabelecido no emitir Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e), Município de São Paulo Cupom Fiscal Eletrônico (CF-e) ou outro documento fiscal cuja obrigatoriedade esteja prevista na legislação (Decreto n o /2011, art. 2 o, caput; Instrução Normativa SF/Surem n o 11/2011; Instrução Normativa SF/Surem n o 14/2011) 3. Dispensa Está desobrigado da emissão da NFTS o Microempreendedor Individual (MEI), optante pelo Sistema de Recolhimento em Valores Fixos Mensais dos Tributos Abrangidos pelo Simples Nacional (Simei). (Decreto n o /2011, art. 2 o, 2 o ) 4. Consulta ao CPOM O tomador que emitir a NFTS fica desobrigado da consulta ao Cadastro de Prestadores de Outros Municípios (CPOM) quando da contratação ou intermediação de serviços tomados ou intermediados de prestador estabelecido fora do Município de São Paulo, uma vez que a referida consulta é feita automaticamente pelo próprio aplicativo da NFTS. (Decreto n o /2011, art. 2 o, 3 o ) 5. DES Com a instituição da NFTS, a obrigatoriedade da apresentação da Declaração Eletrônica de Serviços (DES) passa a ser desnecessária, pois os serviços tomados antes informados na referida declaração agora são passíveis da NFTS, o que resultou na extinção desta. (Decreto n o /2011, art. 1 o ) 6. Prazo e forma de emissão A NFTS deverá ser emitida até o dia 5 do mês subsequente ao da prestação dos serviços contratados ou intermediados. Nota A Instrução Normativa SF/Surem n o 14/2011 estabeleceu que, relativamente aos serviços prestados nos meses de setembro ou outubro de 2011, a NFTS poderá, excepcionalmente, ser emitida até , sem prejuízo do recolhimento do ISS até o dia 10 do mês subsequente ao da prestação dos serviços, por meio de Documento de Arrecadação do Município de São Paulo (DAMSP), pelos tomadores ou intermediários que, na condição de responsáveis tributários, tomarem serviços no período. Conforme mencionado no item 2, o aplicativo para emissão da NFTS está disponibilizado no endereço eletrônico e o acesso será realizado mediante a utilização de senha ou certificado digital. A utilização de certificado digital válido será obrigatória para todas as pessoas jurídicas que emitirem a NFTS e que também forem emitentes de Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e), exceto as optantes pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições Devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional). (Decreto n o /2011, art. 2 o, 1 o ; Instrução Normativa SF/Surem n o 11/2011, arts. 1 o e 3 o ; Instrução Normativa SF/Surem n o 14/2011) 6.1 Certificado digital e senha Certificado digital é o documento que ajuda a verificar a identidade de uma pessoa ou site. Os certificados são emitidos por empresas conhecidas como autoridades de certificação, credenciadas pela Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil), e utilizados para ajudar a proteger informações pessoais na Internet e no computador contra softwares não seguros. Com relação à senha, é obtida pelo contribuinte por meio do preenchimento de um cadastro eletrônico efetuado no site da Prefeitura do Município de São Paulo e permite o acesso a áreas restritas do portal, que contém informações de seu exclusivo interesse. (Portaria SF n o 46/2006; Instrução Normativa SF/Surem n o 8/2007, art. 3 o ) 6.2 Dados da NFTS A NFTS conterá os seguintes dados: a) número sequencial; b) data e hora da emissão; c) identificação do tomador ou intermediário de serviços, com: c.1) nome ou razão social; c.2) endereço; c.3) ; c.4) inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ); d) identificação do prestador de serviços, com: 16 SP Manual de Procedimentos - Nov/ Fascículo 44 - Boletim IOB

IPI - Devolução de produtos - Tratamento fiscal

IPI - Devolução de produtos - Tratamento fiscal IPI - Devolução de produtos - Tratamento fiscal Sumário 1. Introdução... 2 2. Devolução por contribuinte do ICMS e/ou do IPI... 3 2.1 Procedimentos do contribuinte que efetuar a devolução... 3 2.1.1 Estorno

Leia mais

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por:

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA 1. OPERAÇÕES INTERNAS 1.1-BASE DE CÁLCULO - OPERAÇÃO INTERNA No RICMS/SP temos as hipóteses de definição da base de cálculo do ICMS-ST

Leia mais

ICMS/SP Substituição Tributária

ICMS/SP Substituição Tributária Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

ALTERAÇÕES RECENTES NA LEGISLAÇÃO DO ICMS

ALTERAÇÕES RECENTES NA LEGISLAÇÃO DO ICMS ALTERAÇÕES RECENTES NA LEGISLAÇÃO DO ICMS PROGRAMA Utilização da carta de correção Ajuste SINIEF 01/07 e Decreto n. 51.801/07 Nota Fiscal Eletrônica NF-e (Estadual) Obrigatoriedade de uso em 2008 Ajuste

Leia mais

ICMS: ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO NA ENTRADA DE MERCADORIA PROVENIENTE DE OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO - PROCEDIMENTO

ICMS: ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO NA ENTRADA DE MERCADORIA PROVENIENTE DE OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO - PROCEDIMENTO ICMS: ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO NA ENTRADA DE MERCADORIA PROVENIENTE DE OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO - PROCEDIMENTO Sumário 1. Introdução 2. Antecipação tributária 3. Produtos sujeitos - Relação

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota fiscal de devolução com ICMS e IPI na NF-e

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota fiscal de devolução com ICMS e IPI na NF-e Nota fiscal de devolução com ICMS e IPI na NF-e 03/10/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão...

Leia mais

Manual de Emissão de Notas Fiscais: Venda fora do estabelecimento

Manual de Emissão de Notas Fiscais: Venda fora do estabelecimento Manual de Emissão de Notas Fiscais: Venda fora do estabelecimento Resumo: Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos as regras previstas na legislação do ICMS do Estado de São Paulo para emissão

Leia mais

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar 24/09/2014 Substituição Tributária A substituição tributária do ICMS é um regime jurídico em que

Leia mais

SINDCONT-SP SINDCONT-SP

SINDCONT-SP SINDCONT-SP Sindicato dos Contabilistas de São Paulo (Ex-Instituto Paulista de Contabilidade - Fundado em 1919) ÓRGÃO DE PROFISSÃO LIBERAL SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS DISPOSIÇÕES GERAIS CONCEITOS Lei Complementar

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. São Paulo. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. São Paulo. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 41/2014 São Paulo // Federal IPI Depósito fechado... 01 // Estadual ICMS Substituição tributária - Brinquedos... 03 // IOB Setorial Federal Artesanal - IPI

Leia mais

a Federal Boletimj Manual de Procedimentos IPI - Retorno - Entrega de mercadoria em destinatário diverso do indicado na nota fiscal

a Federal Boletimj Manual de Procedimentos IPI - Retorno - Entrega de mercadoria em destinatário diverso do indicado na nota fiscal Boletimj Manual de Procedimentos a Federal IPI - Retorno - Entrega de mercadoria em destinatário diverso do indicado na nota fiscal SUMÁRIO 1. Introdução 2. Retorno 3. Nota fiscal relativa à entrada 4.

Leia mais

( RIPI/2010, art. 43, VII, art. 190, II, art. 191 e art. 497, e RICMS-SP/2000 - Decreto nº 45.490/2000 )

( RIPI/2010, art. 43, VII, art. 190, II, art. 191 e art. 497, e RICMS-SP/2000 - Decreto nº 45.490/2000 ) ICMS/SP - Industrialização - Operações triangulares de industrialização 20 de Agosto de 2010 Em face da publicação do novo Regulamento do IPI, aprovado pelo Decreto nº 7.212/2010, este procedimento foi

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Rio de Janeiro. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Rio de Janeiro. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 41/2014 Rio de Janeiro // Federal IPI Depósito fechado... 01 // Estadual ICMS Substituição tributária nas operações com pneus, câmaras de ar e protetores

Leia mais

Substituição Tributária

Substituição Tributária Substituição Tributária Impactos da nova tributação em cosméticos para farmácias e drogarias (Produtos de Perfumaria e Higiene Pessoal) Sandra Regina Alencar Bezerra Definição Lei determina que terceiro

Leia mais

DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011

DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 Regulamenta a Lei Complementar nº. 92/07 de 13 de Dezembro de 2007, que dispõe sobre o Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISSQN) - que altera o sistema

Leia mais

SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL

SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL Matéria São Paulo SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL SUMÁRIO 1. Introdução 2. Devolução Conceito 3. Crédito do Imposto no Recebimento de Mercadorias em Devolução ICMS e IPI 4.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Guia do ICMS - São Paulo: Vending Machine - Máquinas Automáticas

Guia do ICMS - São Paulo: Vending Machine - Máquinas Automáticas Guia do ICMS - São Paulo: Vending Machine - Máquinas Automáticas Resumo: Veremos no presente Roteiro de Procedimentos as regras aplicáveis, no Estado de São Paulo, sobre as operações com máquinas automáticas

Leia mais

Pergunte à CPA. EFD ICMS/IPI Registros C100, C170 e C190 principais dúvidas

Pergunte à CPA. EFD ICMS/IPI Registros C100, C170 e C190 principais dúvidas 13/05/2013 Pergunte à CPA EFD ICMS/IPI Registros C100, C170 e C190 principais dúvidas Apresentação: José A. Fogaça Neto Registro C100 Este registro deve ser gerado para cada documento fiscal código 01,

Leia mais

Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4.21 Substituição Tributária das Operações com Veículos Automotores Novos

Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4.21 Substituição Tributária das Operações com Veículos Automotores Novos Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4.21 Substituição Tributária das Operações com Veículos Automotores Novos Convênio ICMS 132/1992 Alterações: Convênio ICMS 87//93, 44/94, 52/94, 88/94, 163/94,

Leia mais

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2013

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2013 ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2013 - IPI LIVRO DE ENTRADA - NORMAS PARA ESCRITURAÇÃO DETERMINADAS PELO RIPI... Pág. 198 ICMS RS CONHECIMENTO DE TRANSPORTE ELETRÔNICO

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário:

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário: NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA (NFA-e) - Preenchimento por não Contribuinte do ICMS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA

Leia mais

ANEXO V. DOS DOCUMENTOS E LIVROS FISCAIS (a que se referem os artigos 130, 131 e 160 deste Regulamento) SUMÁRIO

ANEXO V. DOS DOCUMENTOS E LIVROS FISCAIS (a que se referem os artigos 130, 131 e 160 deste Regulamento) SUMÁRIO RICMS (Decreto nº 43.080/2002) Anexo V ANEXO V DOS DOCUMENTOS E LIVROS FISCAIS (a que se referem os artigos 130, 131 e 160 deste Regulamento) SUMÁRIO ARTIGOS PARTE 1 DAS DISPOSIÇÕES RELATIVAS AOS DOCUMENTOS

Leia mais

DEVOLUÇÃO OU TROCA DE MERCADORIA VENDIDA PELO ECF CUPOM FISCAL PROCEDIMENTOS E RECOMENDAÇÕES

DEVOLUÇÃO OU TROCA DE MERCADORIA VENDIDA PELO ECF CUPOM FISCAL PROCEDIMENTOS E RECOMENDAÇÕES DEVOLUÇÃO OU TROCA DE MERCADORIA VENDIDA PELO ECF CUPOM FISCAL PROCEDIMENTOS E RECOMENDAÇÕES Tratando-se de devolução ou troca de mercadorias, além de observar as demais disposições constantes no artigo

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operação de Venda Presencial com Entrega Interestadual

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operação de Venda Presencial com Entrega Interestadual Operação de Venda Presencial com Entrega Interestadual 24/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 4 3. Análise da Legislação... 9 4. Conclusão... 10 5.

Leia mais

DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010

DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010 DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010 Altera o Decreto nº 18.955, de 22 de dezembro de 1997, que regulamenta o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre

Leia mais

1. Fluxo de documentação

1. Fluxo de documentação 1. Fluxo de documentação É de fundamental importância o envio de toda documentação financeira para atender as exigências impostas pelo fisco e evitar problemas futuros à empresa. Prazo de envio: É ideal

Leia mais

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628 LEI N 812 de 12 de maio de 2014. Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e, a Ferramenta de Declaração Eletrônica de Serviços - DES, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUAPIMIRIM,,

Leia mais

Pergunte à CPA. Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais

Pergunte à CPA. Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais 03/04/2014 Pergunte à CPA Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais Apresentação: José A. Fogaça Neto Devolução regras gerais Artigo 4º - Para efeito de aplicação da legislação do imposto, considera-se...

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Bahia. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Bahia. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 41/2014 Bahia // Federal IPI Depósito fechado... 01 // Estadual ICMS Substituição tributária - Águas minerais e gasosas.... 05 // IOB Setorial Federal Artesanal

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA- PROCEDIMENTO FISCAL. Apresentação: Helen Mattenhauer Samyr Qbar

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA- PROCEDIMENTO FISCAL. Apresentação: Helen Mattenhauer Samyr Qbar INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA- PROCEDIMENTO FISCAL Apresentação: Helen Mattenhauer Samyr Qbar 27/09/2013 CONCEITO DE INDUSTRIALIZAÇÃO Art. 4 o Caracteriza industrialização qualquer operação que modifique

Leia mais

SEÇÃO XXXI. Das Operações Realizadas por Estabelecimento de Construção Civil e Assemelhados

SEÇÃO XXXI. Das Operações Realizadas por Estabelecimento de Construção Civil e Assemelhados SEÇÃO XXXI Das Operações Realizadas por Estabelecimento de Construção Civil e Assemelhados NOTA: O art. 1º do Decreto nº 28.346, de 11/08/2006, alterou os arts. 725 a 731, nos seguintes termos: "Art. 725.

Leia mais

PARECER UNATRI/SEFAZ Nº 206/2014

PARECER UNATRI/SEFAZ Nº 206/2014 ASSUNTO: CONCLUSÃO: Tributário. ICMS. Operações de Remessa para Venda Fora do Estabelecimento. Operações de Retorno de Remessa para Venda Fora do Estabelecimento. Obrigação Acessória. Emissão de Nota Fiscal.

Leia mais

ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14

ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14 DECRETO Nº 28.576, DE 14 DE SETEMBRO DE 2007. PUBLICADO NO

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2011 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - BA

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2011 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - BA ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2011 TRIBUTOS FEDERAIS CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Introdução - Autoridades Administrativas e o Abuso de

Leia mais

ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos. ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos

ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos. ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos Nas relações de comércio é muito comum, por motivos como mercadoria em desacordo com o pedido, qualidade insatisfatória, não observância de

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Maranhão. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Maranhão. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 41/2014 Maranhão // Federal IPI Depósito fechado... 01 // Estadual ICMS Substituição tributária das operações com água mineral, água potável, cerveja, chope,

Leia mais

DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. Introduz as alterações que menciona no Decreto Municipal nº 1751/2004, de 29 de junho de 2004 e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Ressarcimento ICMS-ST na devolução de mercadoria - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Ressarcimento ICMS-ST na devolução de mercadoria - SP 28/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 6 5. Informações Complementares... 6 6. Referências... 6 7.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

Em face da publicação do Decreto nº 1.565, de 28.07.2008 - DOE SC de 28.07.2008, este tópico foi atualizado. ICMS/SC - Mostruário - Tratamento fiscal Resumo: Este procedimento esclarece os aspectos fiscais

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA ICMS

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA ICMS Manual Explicativo José Roberto Rosa Por delegação da Constituição, a Lei complementar 87/96 define : SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA EM OPERAÇÕES / PRESTAÇÕES Antecedentes

Leia mais

NFe e NFCe Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE?

NFe e NFCe Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE? Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE? O que é a Nota Fiscal Eletrônica? Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) tem como intuito emitir e armazenar eletronicamente, para fins fiscais,

Leia mais

ESCRITURAÇÃO FISCAL - SEF 2012 Livros da Apuração do ICMS. (atualizado até 27/09/2013)

ESCRITURAÇÃO FISCAL - SEF 2012 Livros da Apuração do ICMS. (atualizado até 27/09/2013) ESCRITURAÇÃO FISCAL - SEF 2012 Livros da Apuração do ICMS (atualizado até 27/09/2013) 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...5 2. REQUISITOS GERAIS DA ESCRITURAÇÃO FISCAL...5 2.1 Fonte dos lançamentos...5 2.2 Tempestividade

Leia mais

ABC DA PORTARIA CAT 153/2011

ABC DA PORTARIA CAT 153/2011 ABC DA PORTARIA CAT 153/2011 1. O que é o Sistema e-credrural? - É um sistema informatizado instituído por meio da Portaria CAT 153/2011, disponibilizado no endereço eletrônico www.fazenda.sp.gov.br, para

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Ressarcimento de ICMS ST Nota de Devolução BA

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Ressarcimento de ICMS ST Nota de Devolução BA 24/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Documentos Fiscais... 4 3.1.1. Operações do Substituto... 4 3.1.2. Operações

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Alagoas. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Alagoas. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 50/2013 Alagoas Federal IPI Construção civil - Edificação - Exclusão do conceito de industrialização.... 01 Estadual ICMS Leilão de mercadorias apreendidas

Leia mais

Portaria CAT Nº 158 DE 28/12/2015

Portaria CAT Nº 158 DE 28/12/2015 Portaria CAT Nº 158 DE 28/12/2015 Publicado no DOE em 29 dez 2015 Estabelece disciplina para o ressarcimento do imposto retido por sujeição passiva por substituição e dispõe sobre procedimentos correlatos.

Leia mais

DECRETO Nº 1.180, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014

DECRETO Nº 1.180, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 DECRETO Nº 1.180, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 Publicado no DOE(Pa) de 23.12.14. Altera dispositivos do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestação de Serviços

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Material elaborado Apresentação: Eduardo Amorim

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Material elaborado Apresentação: Eduardo Amorim SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Material elaborado pela SEFAZ/PE Apresentação: Eduardo Amorim Copyright, 1997 Dale Carnegie & Associates, Inc. 1 Informações iniciais Entraram em vigor a partir de 01 de novembro

Leia mais

Projeto Nota Fiscal Eletrônica

Projeto Nota Fiscal Eletrônica Projeto Nota Fiscal Eletrônica Divulga orientação sobre como gerar a NF-e em situações específicas que têm suscitado dúvidas pelos Contribuintes do ICMS. Novembro-2012 Pág. 1 / 51 Sumário Orientação para

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Conhecimento de Transporte Eletrônico Estado Bahia

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Conhecimento de Transporte Eletrônico Estado Bahia 22/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Ajuste Sinief nº09/2007... 3 3.2. Resolução n 95/1966... 5 3.3. Lei nº

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Ceará. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Ceará. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 50/2013 Ceará // Federal IPI Construção civil - Edificação - Exclusão do conceito de industrialização.... 01 // Estadual ICMS Leilão de mercadorias.... 02

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS/RS Tratamento tributário na emissão da NF-e com Diferimento Parcial e Escrituração

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS/RS Tratamento tributário na emissão da NF-e com Diferimento Parcial e Escrituração ICMS/RS Tratamento tributário na emissão da NF-e com Diferimento Parcial e Escrituração 06/11/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Estorno de NF-e Complementar fora do prazo determinado pela SEFAZ

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Estorno de NF-e Complementar fora do prazo determinado pela SEFAZ Estorno de NF-e Complementar fora do prazo determinado pela SEFAZ 06/09/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Amazonas...

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Paraíba. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Paraíba. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 43/2014 Paraíba // Federal IPI Comerciantes de bens de produção.... 01 // Estadual ICMS Salvados de sinistro.... 05 // IOB Setorial Federal Transporte - Controle

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. São Paulo. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. São Paulo. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 34/2014 São Paulo // Federal IPI Transferência - Tratamento fiscal... 01 // Estadual ICMS Consignação mercantil... 04 // IOB Setorial Estadual Automobilístico

Leia mais

DECRETO Nº 47.350, DE 6 DE JUNHO DE 2006

DECRETO Nº 47.350, DE 6 DE JUNHO DE 2006 DECRETO Nº 47.350, DE 6 DE JUNHO DE 2006 Regulamenta a Lei nº 14.097, de 8 de dezembro de 2005, que institui a Nota Fiscal Eletrônica de Serviços e dispõe sobre a geração e utilização de créditos tributários

Leia mais

Importação- Regras Gerais

Importação- Regras Gerais Importação- Regras Gerais 1 Conceito de Importação Podemos definir a operação de importação como um processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem (produto/serviço) do exterior para o país de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota Fiscal Complementar de quantidade e valor

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota Fiscal Complementar de quantidade e valor Nota Fiscal Complementar de quantidade e valor 28/11/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 6 4. Conclusão...

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

DECRETO Nº 072/2012. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OLINDA, no uso de suas atribuições legais, DECRETA:

DECRETO Nº 072/2012. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OLINDA, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: DECRETO Nº 072/2012. EMENTA: REGULAMENTA a Lei Complementar nº 39, de 29 de dezembro de 2011, que institui o Sistema Eletrônico de Escrituração Fiscal SEEF, a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e,

Leia mais

Dia 01 - Quarta-feira

Dia 01 - Quarta-feira AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DE SAO PAULO JULHO DE 2015 Dia 01 - Quarta-feira Tributo/Obrigação: SCANC Descrição: Apresentação, pelo contribuinte Transportador Revendedor Retalhista (TRR), das informações

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE UTILIZAÇÃO. DE NFe (Nota Fiscal Eletrônica) Protocolo ICMS 42/2009 Alterado pelo Protocolo ICMS 193/2010

ORIENTAÇÃO SOBRE UTILIZAÇÃO. DE NFe (Nota Fiscal Eletrônica) Protocolo ICMS 42/2009 Alterado pelo Protocolo ICMS 193/2010 ORIENTAÇÃO SOBRE UTILIZAÇÃO DE NFe (Nota Fiscal Eletrônica) Protocolo ICMS 42/2009 Alterado pelo Protocolo ICMS 193/2010 É um novo modelo de documento fiscal: modelo 55; de existência apenas digital cuja

Leia mais

DECRETO Nº 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010. (Com as alterações introduzidas pelo Decreto nº 39.340 de 20/10/2014)

DECRETO Nº 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010. (Com as alterações introduzidas pelo Decreto nº 39.340 de 20/10/2014) DECRETO Nº 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010 (Com as alterações introduzidas pelo Decreto nº 39.340 de 20/10/2014) Dispõe sobre a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica-NFS-e NOTA CARIOCA e dá outras providências.

Leia mais

CESTA BÁSICA. (atualizado até 29/08/2014)

CESTA BÁSICA. (atualizado até 29/08/2014) (atualizado até 29/08/2014) 2 ÍNDICE 1. PRODUTOS COMPONENTES DA...5 2. AQUISIÇÃO EM OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO...5 2.1. Cálculo do Imposto...6 2.1.1. Feijão em embalagem de até 5 kg...6 2.1.2. Pescado

Leia mais

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE JULHO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2015

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE JULHO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2015 ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE JULHO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2015 IPI SUSPENSÃO DO IPI NAS SAÍDAS DE INSUMOS PARA A INDUSTRIALIZAÇÃO DE PRODUTOS DIVERSOS... Pág. 168 ICMS PA MANIFESTO ELETRÔNICO

Leia mais

REGIME DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS - ASPECTOS GERAIS

REGIME DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS - ASPECTOS GERAIS REGIME DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS - ASPECTOS GERAIS A Substituição Tributária (ST) é o regime pelo qual a responsabilidade pelo ICMS devido em relação às operações ou prestações de serviços é atribuída

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

NOVA REGRA (alterações em vermelho) CONVÊNIO ICMS 38, DE 22 DE MAIO DE 2013 REVOGADO

NOVA REGRA (alterações em vermelho) CONVÊNIO ICMS 38, DE 22 DE MAIO DE 2013 REVOGADO REVOGADO AJUSTE SINIEF 19, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2012 Publicado no DOU de 09.11.12, pelo Despacho 223/12. Prorrogado, para 01.05.13, o início da obrigatoriedade de preenchimento e entrega da FCI, pelo Ajuste

Leia mais

ANO XVIII - 2007-4ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2007 BOLETIM INFORMARE Nº 09/2007 IPI ICMS - SP LEGISLAÇÃO - SP

ANO XVIII - 2007-4ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2007 BOLETIM INFORMARE Nº 09/2007 IPI ICMS - SP LEGISLAÇÃO - SP ANO XVIII - 2007-4ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2007 BOLETIM INFORMARE Nº 09/2007 IPI CLASSIFICAÇÃO FISCAL DE MERCADORIAS - FORMALIZAÇÃO DA CONSULTA Introdução - Legitimidade Para Consultar - Apresentação da

Leia mais

Anexos 4. 0 Substituição Tributária

Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4.8 Substituição Tributária nas Operações Interestaduais com Energia Elétrica não destinada à Comercialização ou à Industrialização Anexo 4.8 DA SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Sergipe. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Sergipe. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 19/2014 Sergipe // Federal IPI Consignação industrial... 01 // Estadual ICMS Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica

Leia mais

Dr. Luis Carlos Massoco - Presidente

Dr. Luis Carlos Massoco - Presidente Seminário Substituição Tributária e NF-e: desafios e caminhos para o setor de Tecnologia - Presidente SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA O Estado de São Paulo incluiu em sua lista de mercadorias sujeitas à substituição

Leia mais

VENDA À ORDEM E VENDA PARA ENTREGA FUTURA. atualizado em 25/09/2015 alterado o item 2.2.2

VENDA À ORDEM E VENDA PARA ENTREGA FUTURA. atualizado em 25/09/2015 alterado o item 2.2.2 VENDA À ORDEM E VENDA PARA ENTREGA FUTURA atualizado em 25/09/2015 alterado o item 2.2.2 2 ÍNDICE 1. VENDA À ORDEM...5 1.1. Conceito...5 1.2. Procedimentos...5 1.2.1. Adquirente Originário...5 1.2.2. Vendedor

Leia mais

Versão 06/2012. Substituição Tributária

Versão 06/2012. Substituição Tributária Substituição Tributária 1 ÍNDICE 1. O que é a Substituição Tributária?... 3 1.1 Tipos de Substituição Tributária;... 3 1.2 Como é feito o Recolhimento da ST?... 3 1.3 Convênio e Aplicação... 3 1.4 Base

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.559, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 Publicada no DOE em 31 de dezembro de 2004 DISPÕE SOBRE A MICROEMPRESA SOCIAL, ESTABELECENDO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO,

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1427/2012 Regulamenta a Lei municipal nº 8748/2010, que institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) e dá outras providências.

Leia mais

ICMS/SC - Industrialização - Procedimentos fiscais 3 de Junho de 2013 Em face da publicação da Resolução CGSN nº 94/2011 - DOU 1 de 01.12.2011, este procedimento foi colocado em manutenção, porém após

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Soma do IPI ao total da NF

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Soma do IPI ao total da NF Soma do 13/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Base de cálculo... 4 3.2. Emissão da Nota Fiscal com IPI... 5

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011

ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011 ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011 ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS COM RELAÇÃO ÀS DISPOSIÇÕES PREVISTAS PELA PORTARIA CAT 162/08 A RESPEITO DA OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA. ÍNDICE

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Nota Fiscal Carioca Serviços Tomados - RJ

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Nota Fiscal Carioca Serviços Tomados - RJ Nota 27/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Período de Competência... 4 3.2 FAQ da Prefeitura Municipal do Rio

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Produto de informática e automação redução de base de cálculo e alíquota - RJ

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Produto de informática e automação redução de base de cálculo e alíquota - RJ Produto de informática e automação redução de base de cálculo e alíquota - RJ 06/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

IPI ICMS - SP LEGISLAÇÃO - SP ANO XX - 2009-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2009

IPI ICMS - SP LEGISLAÇÃO - SP ANO XX - 2009-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2009 IPI ANO XX - 2009-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2009 INFRAÇÕES E ACRÉSCIMOS MORATÓRIOS Infrações - Procedimentos do Contribuinte - Pagamento - Acréscimos Moratórios - Multa de Mora

Leia mais

Boletim Técnico. Transferência Crédito ICMS na NF-e

Boletim Técnico. Transferência Crédito ICMS na NF-e Transferência Crédito ICMS na NF-e Produto : Datasul Faturamento TOTVS 12 Chamado : TRFOE6 Data da criação : 26/01/2015 Data da revisão : 26/01/2015 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos Efetuada

Leia mais

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto.

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto. ICMS/SP - Diferimento - Tratamento fiscal 6 de Abril de 2010 Em face da publicação do Decreto nº 55.305/2009 - DOE SP de 31.12.2009, este procedimento foi atualizado (tópico 9 - bens do ativo imobilizado

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tratamento Fiscal nas operações com Armazém Geral

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tratamento Fiscal nas operações com Armazém Geral Tratamento Fiscal nas operações com Armazém Geral 04/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Dúvidas apresentadas...

Leia mais

ICMS 94/97, 06.10.97, 30.09.98 96/97, 10.10.97, 31.12.97. O

ICMS 94/97, 06.10.97, 30.09.98 96/97, 10.10.97, 31.12.97. O CONVÊNIO ICMS 57/95 Publicado no DOU de 30.06.95. Retificação DOU de 14.07.95. Ratificação Nacional DOU de 19.07.95 pelo Ato COTEPE-ICMS 05/95. Alterado pelos Convs. ICMS 91/95, 115/95, 54/96, 75/96, 97/96,

Leia mais

Portaria CAT-147, de 05-11-2012

Portaria CAT-147, de 05-11-2012 Página 1 de 7 Portaria CAT-147, de 05-11-2012 (DOE 06-11-2012) Dispõe sobre a emissão do Cupom Fiscal Eletrônico - CF-e-SAT por meio do Sistema de Autenticação e Transmissão - SAT, a obrigatoriedade de

Leia mais

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2013

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2013 ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2013 IPI LIVRO DE ENTRADA - NORMAS PARA ESCRITURAÇÃO DETERMINADAS PELO RIPI... Pág. 407 ICMS MS/MT/RO CONHECIMENTO DE TRANSPORTE ELETRÔNICO

Leia mais

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos Luiz Campos 1 Livro de Apuração do IPI - CFOP CFOP DESCRIÇÃO 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

Manual de Emissão de Notas Fiscais: Remessa de Amostra Grátis

Manual de Emissão de Notas Fiscais: Remessa de Amostra Grátis Manual de Emissão de Notas Fiscais: Remessa de Amostra Grátis Resumo: Para atrair cada vez mais consumidores, muitas empresas utilizam-se da distribuição de amostras para divulgação de seus produtos ao

Leia mais

INSTRUÇÃO SOBRE A INCORPORAÇÃO DO FRETE FOB À BASE DE CÁLCULO DO ICMS ANTECIPADO, CONF. PREVISTO NO RICMS/RN

INSTRUÇÃO SOBRE A INCORPORAÇÃO DO FRETE FOB À BASE DE CÁLCULO DO ICMS ANTECIPADO, CONF. PREVISTO NO RICMS/RN 1 INSTRUÇÃO SOBRE A INCORPORAÇÃO DO FRETE FOB À BASE DE CÁLCULO DO ICMS ANTECIPADO, CONF. PREVISTO NO RICMS/RN O sistema de registro de Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e) da Secretaria de Tributação efetua

Leia mais

DECRETO Nº 1.165 DECRETA:

DECRETO Nº 1.165 DECRETA: Publicado no DOE n.º 8448 de 18.04.2011 DECRETO Nº 1.165 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, e considerando o Convênio

Leia mais

Boletim. Federal. Manual de Procedimentos. IPI - Armazém-geral. ICMS - IPI e Outros 1. INTRODUÇÃO. 2.2 Retorno

Boletim. Federal. Manual de Procedimentos. IPI - Armazém-geral. ICMS - IPI e Outros 1. INTRODUÇÃO. 2.2 Retorno Boletim Manual de Procedimentos Federal IPI - Armazém-geral 1. INTRODUÇÃO Os armazéns-gerais são empresas que têm por finalidade a guarda e a conservação de mercadorias e a emissão de títulos especiais

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Ceará. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Ceará. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 19/2014 Ceará // Federal IPI Consignação industrial... 01 // Estadual ICMS Nota Fiscal Eletrônica (NF-e).... 09 // IOB Setorial Federal Automotivo - IPI -

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Devolução de Mercadoria/Saída acobertada por Cupom Fiscal São Paulo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Devolução de Mercadoria/Saída acobertada por Cupom Fiscal São Paulo São Paulo 09/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 4. Resposta Consulta Tributária da Secretaria de Estado da Fazenda

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital (EFD) Regras Gerais. 1. Introdução. 2. Definição

Escrituração Fiscal Digital (EFD) Regras Gerais. 1. Introdução. 2. Definição SUMÁRIO 1. Introdução 2. Definição 3. Contribuintes Obrigados à EFD 3.1. Contribuintes optantes pelo SIMPLES Nacional ou Microempreendedor Individual (MEI) 4. Livros Fiscais 5. Contribuintes Obrigados

Leia mais