Manual de Emissão de Notas Fiscais: Venda fora do estabelecimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Emissão de Notas Fiscais: Venda fora do estabelecimento"

Transcrição

1 Manual de Emissão de Notas Fiscais: Venda fora do estabelecimento Resumo: Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos as regras previstas na legislação do ICMS do Estado de São Paulo para emissão e escrituração das Notas Fiscais que envolvem a operação fiscal denominada venda fora do estabelecimento, tanto para mercadorias sujeitas ao regime normal de tributação como para as sujeitas ao ICMS-ST. Para tanto, utilizaremos como base de estudo os artigos 284 a 286 e 434 do RICMS/2000-SP, bem como a Portaria CAT nº 127/2015 que veio disciplinar nesse Estado as operações realizadas fora do estabelecimento, por qualquer meio de transporte, ou ocorridas em eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes. 1) Introdução: Regra geral, as mercadorias são comercializadas dentro do próprio estabelecimento do contribuinte, porém, por questões estritamente comerciais, pode o contribuinte querer comercializar suas mercadorias fora do seu estabelecimento, por qualquer meio de transporte, ou até mesmo em eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes. Estamos falando da operação fiscal denominada venda fora do estabelecimento. Nessa operação, o contribuinte promove a saída (remessa) de diversas mercadorias sem destinatário certo, utilizando-se de veículo ou qualquer outro meio de transporte, para a realização de vendas fora de seu estabelecimento físico a clientes localizados no próprio Estado de São Paulo ou em outro Estado. Nessa empreitada os vendedores ofertam suas mercadorias para potenciais compradores, que poderão ou não comprá-las, desta forma, o efetivo adquirente será conhecido apenas no momento da efetivação da venda. O mesmo ocorre quando o contribuinte promove a saída (remessa) de diversas mercadorias para venda em eventos, feiras, exposições ou outros locais semelhantes. Nesse caso, a realização de venda também ocorre fora do estabelecimento físico do contribuinte, porém, ao invés de se utilizar um meio de transporte qualquer a comercialização corre no ambiente do evento, da feira, da exposição ou qualquer outro local semelhante. Até 28/02/2015, as regras paulistas para operacionalização da venda fora do estabelecimento estavam todas previstas nos artigos 433, 434 e 434-A do RICMS/2000-SP. Porém, tendo em vista a alteração do artigo 434 do RICMS/2000-SP e a revogação do artigo 434-A do RICMS/2000-SP pelo Decreto /2015, todas essas regras restaram alteradas. Assim, a partir de 01/03/2015, o contribuinte deve observar a nova redação do artigo 434 do RICMS/2000-SP, bem como a Portaria CAT nº 127/2015 que veio disciplinar no Estado de São Paulo as operações realizadas fora do estabelecimento, por qualquer meio de transporte, ou ocorridas em eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes. Feitas essas brevíssimas considerações, passaremos a analisar nos próximos capítulos as regras previstas na legislação do ICMS do Estado de São Paulo para emissão e escrituração das Notas Fiscais que envolvem essa operação fiscal, tanto para mercadorias sujeitas ao regime normal de tributação como para as sujeitas ao ICMS-ST, estas regulamentdas pelos artigos 284 a 286 do RICMS/2000-SP. Base Legal: Art. 434 do RICMS/2000-SP (UC: 17/02/16) e; Preâmbulo da Portaria CAT nº 127/2015 (UC: 17/02/16). 2) Conceitos: 2.1) Venda fora do estabelecimento: Regra geral, as mercadorias são comercializadas dentro do próprio estabelecimento do contribuinte, porém, por questões estritamente comerciais, pode o contribuinte querer comercializar suas mercadorias fora do seu estabelecimento, por qualquer meio de transporte, ou até mesmo em eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes. Estamos falando da operação fiscal denominada venda fora do estabelecimento. Nessa operação, o contribuinte promove a saída (remessa) de diversas mercadorias sem destinatário certo, utilizando-se de veículo ou qualquer outro meio de transporte, para a realização de vendas fora de seu estabelecimento físico a clientes localizados no próprio Estado de São Paulo ou em outro Estado. Nessa empreitada os vendedores ofertam suas mercadorias para potenciais compradores, que poderão ou não comprá-las, desta forma, o efetivo adquirente será conhecido apenas no momento da efetivação da venda. O mesmo ocorre quando o contribuinte promove a saída (remessa) de diversas mercadorias para venda em eventos, feiras, exposições ou outros locais semelhantes. Nesse caso, a realização de venda também ocorre fora do estabelecimento físico do contribuinte, porém, ao Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 1 de 14

2 invés de se utilizar um meio de transporte qualquer a comercialização corre no ambiente do evento, da feira, da exposição ou qualquer outro local semelhante. Base Legal: Art. 434 do RICMS/2000-SP (UC: 17/02/16) e; Preâmbulo da Portaria CAT nº 127/2015 (UC: 17/02/16). 2.2) Estabelecimento: Estabelecimento é o local, público ou privado, construído ou não, mesmo que pertencente à terceiro, onde o contribuinte exerça toda ou parte de sua atividade, em caráter permanente ou temporário, ainda que se destine a simples depósito ou armazenagem de mercadorias ou bens relacionados com o exercício dessa atividade. Notas Tax Contabilidade: (1) Considera-se extensão do estabelecimento o escritório onde o contribuinte exerce atividades de gestão empresarial ou de processamento eletrônico de suas operações ou prestações. (2) Na impossibilidade de determinação do estabelecimento nos termos deste subcapítulo, considera-se como tal o local em que tiver sido efetuada a operação ou a prestação, encontrada a mercadoria ou constatada a prestação. Base Legal: Art. 14 do RICMS/2000-SP (UC: 17/02/16). 2.3) Estabelecimento Autônomo: O RICMS/2000-SP trás o conceito de estabelecimento autônomo, para efeitos de cumprimento da obrigação tributária, entendendo como autônomo cada estabelecimento do mesmo titular, ainda que simples depósito. Na mesma linha, também será considerado, estabelecimento autônomo: a. o veículo utilizado na venda de mercadoria sem destinatário certo, em território paulista, por contribuinte de outro Estado; b. o veículo utilizado na captura de pescado; c. a área onde se realize a atividade de revenda de combustíveis e de outros derivados de petróleo, conforme definida em legislação federal, quando se tratar de atividade secundária. Base Legal: Arts. 15 e 16 do RICMS/2000-SP (UC: 17/02/16). 3) Operações com mercadorias sujeitas ao regime comum de tributação: As operações realizadas fora do estabelecimento, por contribuinte do Estado de São Paulo, por qualquer meio de transporte, ou ocorridas em eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes, deverão ser efetuadas conforme disciplina estabelecida pela Portaria CAT nº 127/2015, que também será aplicada, no que couber, às operações internas realizadas por contribuintes optantes pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional). Registra-se que contribuinte somente não observará a disciplina estabelecida pela Portaria CAT nº 127/2015 se: a. o objeto das operações for mercadoria arrolada no regime da substituição tributária, caso em que deverão ser observados os procedimentos descritos no capítulo 4 abaixo; b. a operação ocorrer em evento, feira, exposição ou locais semelhantes: i. em outro Estado; ii. no Estado de São Paulo, mas com prazo de permanência superior a 60 (sessenta) dias, caso em que o contribuinte deverá efetuar a inscrição no Cadastro de Contribuintes de São Paulo (Cadesp), relativamente ao local em que pretende se instalar, e cumprir todas as obrigações previstas na legislação tributária do ICMS, inclusive as decorrentes da referida inscrição. Tratando-se de operações realizadas em evento, feira, exposição ou locais semelhantes, em que o período de permanência das mercadorias fora do estabelecimento não ultrapasse 60 (sessenta) dias, o respectivo local, durante o referido período, fica abrangido pela Inscrição Estadual (IE) do estabelecimento correspondente. Nota Tax Contabilidade: (3) O contribuinte que efetuar vendas fora do estabelecimento por meio de preposto, fornecerá a este o documento comprobatório de sua condição. Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 2 de 14

3 Base Legal: Art. 434 do RICMS/2000-SP (UC: 17/02/16) e; Arts. 1º, 8º e 9º da Portaria CAT nº 127/2015 (UC: 17/02/16). 3.1) Lavratura de termo no LRUDFTO: Tratando-se de operações realizadas em evento, feira, exposição ou locais semelhantes, o contribuinte deverá, antes de realizar tais operações, lavrar termo no Livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências (LRUDFTO), Modelo 6, informando: a. o local onde serão efetuadas as operações; b. o período de permanência fora do estabelecimento; c. as mercadorias a serem remetidas; d. as séries das Notas Fiscais do Consumidor Eletrônicas (NFC-e), Modelo 65, a serem utilizadas, se for o caso; e. as séries das Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e), Modelo 55, a serem utilizadas, se for o caso; f. os números e respectivas séries, quando adotadas, dos impressos de Notas Fiscais, Modelos 1 ou 1-A, a serem utilizadas, se for o caso; g. marca, modelo, tipo e número de autorização de cada equipamento Emissor de Cupom Fiscal (ECF) a ser utilizado, se for o caso; h. número de série de cada equipamento de Sistema de Autenticação e Transmissão (SAT) a ser utilizado, se for o caso. Nas demais operações realizadas fora do estabelecimento por qualquer meio de transporte, o contribuinte fica dispensado da obrigação de lavrar termo no LRUDFTO, exceto quando optar pela utilização de equipamento ECF ou equipamento SAT, hipótese em que deverá lavrar termo no LRUDFTO, Modelo 6, informando os dados a que se referem os incisos "g" e "h". Referente à letra "b" acima, na Resposta à Consulta nº 6.335/2015 o Fisco Estadual manifestou entendimento que o contribuinte poderá listar no LRUDFTO às Notas Fiscais de remessa ao invés das mercadorias, tendo em vista que na Nota Fiscal já constam todos os item que tiveram saída do estabelecimento com destino a evento, feira, exposição ou locais semelhantes. Abaixo estamos publicando na íntegra o referido entendimento (4): RESPOSTA À CONSULTA TRIBUTÁRIA 6335/2015, de 30 de Dezembro de ICMS - Obrigações acessórias - Venda fora do estabelecimento - Termo a ser lavrado no livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência, modelo 6. I. Nas remessas para venda fora do estabelecimento previstas na Portaria CAT 127/2015, o contribuinte deverá lavrar termo no livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências, podendo, em substituição à lista de mercadorias a serem remetidas, informar as Notas Fiscais correspondentes a essas saídas, registrando seus números e chaves de acesso. 1. A Consulente, tendo por atividade principal o comércio varejista de artigos esportivos, conforme CNAE ( /02), relata que, para realizar venda fora de seu estabelecimento, deve lavrar termo no livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência, informando as mercadorias a serem remetidas, de acordo com o inciso III, do artigo 2º, da Portaria CAT 127/ Questiona, então, se pode lavrar o referido termos apenas referenciando as Notas Fiscais emitidas, em que constam todos os item que tiveram saída, sem listar todas as mercadorias, pois são muitos "itens a serem manuscritos". 3. A Portaria CAT 127/2015, citada pela própria Consulente, determina, em seu artigo 2º, III, que "tratandose de operações realizadas em evento, feira, exposição ou locais semelhantes, o contribuinte deverá, antes de realizar tais operações, lavrar termo no livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências, modelo 6, informando (...) as mercadorias a serem remetidas." 4. No entanto, considerando que as Notas Fiscais, emitidas para acobertar a remessa das mercadorias a serem comercializadas fora do estabelecimento da Consulente, listam todas as mercadorias a serem remetidas, entendemos que, se o termo lavrado no Livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência (RUDFTO) referenciar essas Notas Fiscais, informando seus números e chaves de acesso, estará atendido o artigo 2º, III, da Portaria 127/2015. Nota Tax Contabilidade: (4) Lembramos que a Resposta à Consulta Tributária aproveita ao consulente nos termos da legislação vigente. Deve-se atentar para eventuais alterações da legislação tributária. Base Legal: Art. 2º da Portaria CAT nº 127/2015 (UC: 17/02/16) e; RC nº 6.335/2015 (UC: 17/02/16). Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 3 de 14

4 3.2) Nota Fiscal de remessa das mercadorias: Na saída de mercadorias para a realização das operações fora do estabelecimento, deverá ser emitida Nota Fiscal, Modelos 1, 1-A ou 55 (Nota Fiscal Eletrônica - NF-e), caso o contribuinte esteja obrigado à emissão desse documento, contendo, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as seguintes informações: a. quadro "Destinatário": o nome, números de IE e no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) do emitente e, tratando-se de eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes, o respectivo endereço; b. Natureza da Operação: "Remessa para venda fora do estabelecimento"; c. CFOP: 5.904/6.904, conforme se trate de operação interna ou interestadual, respectivamente; e d. o valor do ICMS, se devido, calculado mediante aplicação da alíquota vigente para as operações internas sobre o valor total da mercadoria; e. no campo "Informações Adicionais de Interesse do Fisco" da NF-e ou no campo "Informações Complementares" da Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A, a indicação "Emitida nos termos da Portaria CAT nº 127/2015", bem como a indicação, dependendo do documento a ser emitido por ocasião da entrega dessas mercadorias: i. dos números e respectivas séries, quando adotadas, dos impressos de Notas Fiscais, Modelos 1 ou 1-A; ii. das séries da Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica (NFC-e), Modelo 65, ou da NF-e a serem utilizadas, conforme o caso. Registra-se que essa Nota Fiscal deverá acompanhar o transporte das mercadorias a que se refere e ser escriturada, efetuando o débito, quando emitido com destaque do ICMS. Base Legal: Art. 3º, caput, 1º da Portaria CAT nº 127/2015 (UC: 17/02/16) ) Movimentação de material de uso e/ou consumo e bem do Ativo Imobilizado: A movimentação de material de uso e/ou consumo e bem do Ativo Imobilizado (AI), inclusive equipamento ECF e equipamento SAT, também deverá ser acobertada por Nota Fiscal, Modelos 1, 1-A ou 55 (NF-e), quando o contribuinte estiver obrigado à emissão desse documento, que deverá: a. conter, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, no quadro "Destinatário", o nome, números de IE e no CNPJ do emitente e, tratando-se de eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes, o respectivo endereço, e no campo "Informações Adicionais de Interesse do Fisco" da NF-e ou no campo "Informações Complementares" da Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A, a indicação: "Emitida nos termos da Portaria CAT nº 127/2015", bem como a marca, modelo, tipo e número de autorização de cada equipamento ECF ou o número de série de cada equipamento SAT, conforme o caso; b. ser escriturada sem débito do ICMS. Para essa movimentação, o contribuinte poderá utilizar o mesmo documento emitido para acobertar a remessa das mercadorias, conforme mencionado no subcapítulo 3.2 acima. Base Legal: Art. 3º, 2º e 3º da Portaria CAT nº 127/2015 (UC: 17/02/16). 3.3) Entrega das mercadorias: No momento em que ocorrer a entrega das mercadorias: a. se o adquirente for contribuinte do ICMS, deverá ser emitida NF-e, Modelo 55, ou Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A, contendo, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as seguintes informações: i. quadro "Destinatário": o adquirente; ii. Natureza da Operação: "Venda de mercadoria fora do estabelecimento"; iii. CFOP: 5.103/6.103 ou 5.104/6.104 (5); b. se o adquirente não for contribuinte do ICMS, deverá ser emitido um dos seguintes documentos: i. NF-e, Modelo 55; ii. Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A; iii. Cupom Fiscal Eletrônico (CF-e-SAT), Modelo 59; iv. NFC-e, Modelo 65; v. Cupom Fiscal emitido por ECF, caso o contribuinte ainda não esteja obrigado à emissão do CF-e-SAT. Os documentos mencionados nas letras "a" e "b" acima deverão conter, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, o destaque do ICMS, se devido, observada a legislação específica do documento utilizado, bem como ser escriturados, no período de apuração em que foram emitidos, juntamente com as demais operações realizadas nesse período, com débito do imposto em relação aos documentos emitidos com destaque do ICMS. Nota Tax Contabilidade: (5) Essas CFOP's indicam, respectivamente: Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 4 de 14

5 5103/ Venda de produção do estabelecimento efetuada fora do estabelecimento: Classificamse neste código as vendas efetuadas fora do estabelecimento, inclusive por meio de veículo, de produto industrializado ou produzido no estabelecimento; e 5104/ Venda de mercadoria adquirida ou recebida de terceiros, efetuada fora do estabelecimento: Classificam-se neste código as vendas efetuadas fora do estabelecimento, inclusive por meio de veículo, de mercadorias adquiridas ou recebidas de terceiros para industrialização ou comercialização, que não tenham sido objeto de qualquer processo industrial no estabelecimento. Base Legal: Art. 4º, caput, 1º da Portaria CAT nº 127/2015 (UC: 17/02/16) ) Ocorrência de contingência na emissão de NF-e: Se, na hipótese de emissão de NF-e mencionada na letra "a" do subcapítulo 3.3 acima, ocorrer, no momento da entrega da mercadoria, contingência que impossibilite a transmissão da NF-e à Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz/SP) ou a obtenção de resposta à solicitação de Autorização de Uso da NF-e, e desde que a entrega seja feita no Estado de São Paulo, o contribuinte poderá emitir CF-e-SAT. Nesse caso, o contribuinte emitente deverá fazer constar no campo "Informações Complementares de Interesse do Contribuinte", o nome ou a razão social e o número de IE do adquirente da mercadoria, observado o disposto na letra "b" do subcapítulo 3.3 (6). Cessada a contingência, deverá ser emitida a correspondente NF-e que, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, deverá: a. conter no quadro "Informações Adicionais", a expressão "Emitida nos termos da Portaria CAT nº 127/2015"; b. conter a indicação do CFOP 5.929; c. ser escriturado pelo: i. emitente, sem débito do ICMS; ii. destinatário, com crédito do ICMS quando admitido pela legislação. Nota Tax Contabilidade: (6) Esses documentos fiscais deverão ser escriturados, no período de apuração em que forem emitidos, juntamente com as demais operações realizadas nesse período, com débito do ICMS em relação aos documentos emitidos com destaque do ICMS. Base Legal: Art. 4º, 2º e 3º da Portaria CAT nº 127/2015 (UC: 17/02/16). 3.4) Retorno das mercadorias: Por ocasião do retorno do veículo ou do encerramento da participação no evento, feira, exposição ou locais semelhantes, o contribuinte paulista deverá: a. emitir Nota Fiscal de Entrada (NFE), Modelos 1, 1-A ou 55 (NF-e), se estiver obrigado à emissão desse documento fiscal, relativa à totalidade das mercadorias remetidas para realização de operações fora do estabelecimento, com destaque do ICMS correspondente ao valor consignado no documento fiscal emitido nos termos do subcapítulo 3.2 acima. Referido documento deverá conter, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as seguintes informações: i. quadro "Remetente": a própria empresa emitente; ii. Natureza da Operação: "Retorno de remessa para venda fora do estabelecimento"; iii. CFOP: 1.904/2.904, conforme se trate de operação interna ou interestadual, respectivamente; b. escriturar o documento previsto na letra "a" com crédito do ICMS, quando admitido pela legislação. Além disso, essa Nota Fiscal deverá conter, além dos demais requisitos exigidos pela legislação: a. tratando-se de Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A, no campo "Informações Complementares", a data da emissão, o valor, número e série da Nota Fiscal de remessa das mercadorias (ver subcapítulo 3.2 acima), bem como os dados identificativos ou as chaves de acesso, se for o caso, dos documentos emitidos no momento da entrega; b. tratando-se de NF-e, Modelo 55, no grupo "Informações de Documentos Fiscais referenciados", a chave de acesso da NF-e de remessa das mercadorias (ver subcapítulo 3.2 acima), bem como os dados identificativos ou as chaves de acesso, se for o caso, dos documentos emitidos no momento da entrega. Caso tenham sido emitidas Notas Fiscais, Modelos 1 ou 1-A, por ocasião da saída (remessa) das mercadorias (Ver subcapítulo 3.2 acima), bem como na hipótese constante deste subcapítulo, as primeiras vias dos referidos documentos deverão ser arquivadas juntas, para exibição ao Fisco. Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 5 de 14

6 Base Legal: Art. 5º da Portaria CAT nº 127/2015 (UC: 17/02/16). 3.5) Remessa de mercadorias para outros Estados por contribuinte paulista: Tendo ocorrido operações em outro Estado por qualquer meio de transporte, além de observar o disposto nos subcapítulos 3.1, 3.2, 3.3 e 3.4, com exceção das letras "b.iii", "b.iv" e "b.v" do subcapítulo 3.3 e subcapítulo 3.3.1, o contribuinte, quando do retorno do veículo, poderá creditar-se do ICMS eventualmente recolhido em outro Estado, relacionados às operações lá realizadas, desde que possa comprovar seu recolhimento. Registra-se que o mencionado crédito não poderá exceder ao valor correspondente à diferença entre a quantia resultante da aplicação da alíquota vigente em outro Estado sobre o valor das operações lá realizadas e a quantia resultante da aplicação da alíquota interestadual sobre o mesmo valor. Para efeito de exemplificação, considerando que um contribuinte localizado no Estado de São Paulo (SP) remeta para o Estado do Piauí (PI) mercadorias no valor total de R$ 2.000,00 (dois mil reais) para serem comercializadas sem destinatário certo. Nesse caso hipotético, o contribuinte paulista deverá calcular o ICMS sobre a Nota Fiscal de remessa aplicando a alíquota interna do Estado de São Paulo e recolher também o ICMS de acordo com a legislação do Estado do Piauí quando entrar em seu território. Porém, o contribuinte paulista poderá se creditar do valor calculado da seguinte forma, considerando a alíquota interna do Estado do Piauí de 18% (dezoito por cento) e a alíquota interestadual de 7% (sete por cento): [(Valor da mercadoria X Alíq. Interna) - (Valor da mercadoria X Alíq. Interestadual)] ==> ==> [(R$ 2.000,00 X 18%) - (R$ 2.000,00 X 7%)] ==> ==> [R$ 360,00 - R$ 140,00] ==> ==> R$ 220,00 Assim, o contribuinte paulista poderá apropriar como crédito o valor correspondente até R$ 220,00 (duzentos e vinte reais). Nota Tax Contabilidade: (7) O procedimento previsto neste subcapítulo não se aplica às operações realizadas em evento, feira, exposição ou locais semelhantes em outro Estado, conforme disposto na letra "b.i" do capítulo 3. Base Legal: Art. 6º, caput, 1º e 3º da Portaria CAT nº 127/2015 (UC: 17/02/16) ) Condições para efetuar o crédito: Para que possa efetuar o crédito de que trata este subcapítulo, o contribuinte paulista deverá: a. elaborar um demonstrativo de apuração do valor do crédito contendo: i. o valor total das operações realizadas em outro Estado; ii. o valor do imposto recolhido a outro Estado correspondente às operações lá realizadas; iii. a quantia resultante da aplicação da alíquota interna vigente no Estado em que foi realizada a operação sobre o valor das operações lá realizadas; iv. a quantia resultante da aplicação da alíquota interestadual sobre o valor das operações realizadas no outro Estado; v. o valor a ser creditado, que corresponderá ao valor constante da letra "a.ii" tendo como limite a quantia correspondente à diferença entre o valor indicado na letra "a.iii" e o valor indicado na letra "a.iv"; b. emitir Nota Fiscal, Modelos 1, 1-A ou (NF-e), quando o contribuinte estiver obrigado à emissão desse documento, que conterá: i. o valor total das operações realizadas em outro Estado e o correspondente valor do imposto recolhido ao outro Estado; ii. os dados identificativos ou as chaves de acesso, se for o caso, dos documentos fiscais emitidos por ocasião das operações realizadas em outro Estado; iii. o valor a ser creditado, apurado no demonstrativo de que trata a letra "a": iv. o (s) número (s) da (s) guia (s) de recolhimento do imposto pago em outro Estado; v. a informação: "Recolhimento em Outros Estados - Operações Realizadas Fora do Estabelecimento - Nota Fiscal emitida nos termos da Portaria CAT nº 127/2015"; c. escriturar o documento fiscal com crédito do imposto, quando admitido pela legislação; d. arquivar, em conjunto, para exibição ao Fisco: i. o demonstrativo previsto na letra "a"; ii. a (s) guia (s) de recolhimento do imposto pago em outro Estado; iii. as primeiras vias dos documentos previstos na letra "b", no subcapítulo 3.2 e no 3.4, na hipótese de tratar-se de Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A. Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 6 de 14

7 Base Legal: Art. 6º, 2º da Portaria CAT nº 127/2015 (UC: 17/02/16). 3.6) Aquisição de mercadoria a ser destinada a eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes: O contribuinte, ao adquirir mercadoria a ser destinada a eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes, situados no Estado de São Paulo, poderá solicitar ao fornecedor que a remeta diretamente aos referidos locais, hipótese em que: a. o fornecedor deverá emitirá Nota Fiscal, Modelos 1, 1-A ou 55 (NF-e), se estiver obrigado à emissão desse documento, que acompanhará as mercadorias e conterá, além dos demais requisitos: i. como destinatário, o adquirente da mercadoria; ii. o destaque do ICMS, se devido; iii. a informação de que as mercadorias se destinam a operações em eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes, bem como o local da entrega e a indicação: "Portaria CAT nº 127/2015". b. o adquirente deverá: i. observar, no momento em que realizar operações com as mercadorias, o disposto no subcapítulo 3.3 acima; ii. escriturar, por ocasião do encerramento da participação no evento, feira, exposição ou locais semelhantes, o documento fiscal referido na letra "a" com crédito do imposto, quando admitido pela legislação. Base Legal: Art. 7º da Portaria CAT nº 127/2015 (UC: 17/02/16). 3.7) Remessa de mercadorias por contribuintes de outro Estado para São Paulo: Quando um contribuinte de outro Estado decidir efetuar operações de circulação de mercadorias dentro do Estado de São Paulo ficará sujeito ao recolhimento do imposto para esse Estado. Assim, na hipótese de empresas cadastradas em outras Unidades da Federação (UF) remeterem mercadorias, sem destinatário certo, para serem comercializadas no Estado de São Paulo, o ICMS deverá ser recolhido no primeiro Município paulista por onde transitar a mercadoria. O ICMS será calculado mediante aplicação da alíquota vigente para as operações internas sobre o valor da mercadoria transportada, e, do resultado será deduzido o valor do imposto cobrado na origem até a importância resultante da aplicação da alíquota vigente para as operações interestaduais realizadas entre contribuintes sobre o valor da mercadoria indicado na Nota Fiscal. Para efeito de exemplificação, considerando que um contribuinte localizado no Estado de Minas Gerais (MG) remeta para São Paulo (SP) mercadorias no valor total de R$ 2.000,00 (dois mil reais) para serem comercializadas sem destinatário certo. Nesse caso hipotético, teremos a seguinte equação para se determinar o ICMS a ser recolhido antecipadamente: [(Valor da mercadoria X Alíq. Interna) - (Valor da mercadoria X Alíq. Interestadual)] ==> ==> [(R$ 2.000,00 X 18%) - (R$ 2.000,00 X 12%)] ==> ==> [R$ 360,00 - R$ 240,00] ==> ==> R$ 120,00 Assim, o contribuinte de MG deverá recolher aos cofres do Estado de São Paulo um ICMS de R$ 120,00 (cento e vinte reais). Nota Tax Contabilidade: (8) Quanto à entrada de mercadorias provenientes de outros Estados, remetidas sem destinatário certo, para serem comercializadas em São Paulo, cabe algumas observações adicionais: o recolhimento do ICMS aos cofres do Estado de São Paulo poderá ser antecipado por meio da Guia Nacional de Recolhimento Estaduais (GNRE); a mercadoria proveniente de outro Estado, sem documentação comprobatória de seu destino, presume-se destinada à entrega no Estado de São Paulo, hipótese em que o imposto será devido pelo seu valor total, sem qualquer dedução; na entrega de mercadoria por preço superior ao que tiver servido de Base de Cálculo (BC), será devido o imposto sobre a diferença, a ser pago em qualquer município paulista; e poderá a Sefaz/SP determinar que o imposto a ser recolhido seja calculado com base em valor estimado, dispensada, nesta hipótese, a aplicação do disposto no item anterior. Base Legal: Art. 433 do RICMS/2000-SP (UC: 17/02/16). Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 7 de 14

8 3.8) Exemplo Prático: Para efeito de exemplificação, consideraremos que a Vivax Indústria e Comércio de Eletrônicos Ltda., empresa com sede no Município de Campinas/SP, obrigatoriamente emissora de NF-e, remeta ao vendedor ambulante Carlos Pereira Neves 100 (cem) mouses (NCM: ) a um preço unitário de R$ 80,00 (oitenta reais) cada, ou seja, um valor total de remessa de R$ 8.000,00 (oito mil reais). Assim, considerando essas informações hipotéticas, a Vivax deverá emitir a seguinte NF-e: Base Legal: Art. 3º, caput, 1º da Portaria CAT nº 127/2015 (UC: 17/02/16) ) Retorno da remessa para venda fora do estabelecimento: Por ocasião do retorno, a Vivax deverá emitir NFE relativamente à totalidade das mercadorias remetidas para realização de operações fora do estabelecimento, com destaque do ICMS correspondente ao valor consignado no documento fiscal de remessa. Referido documento deverá conter, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as seguintes informações: a. quadro "Remetente": a própria empresa emitente; b. Natureza da Operação: "Retorno de remessa para venda fora do estabelecimento"; c. CFOP: 1.904; d. "Informações de Documentos Fiscais referenciados": a chave de acesso da NF-e de remessa das mercadorias, bem como os dados identificativos ou as chaves de acesso, se for o caso, dos documentos emitidos no momento da entrega. Dando sequência ao exemplo, a Vivax deverá emitir a seguinte NF-e de entrada: Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 8 de 14

9 Base Legal: Art. 5º da Portaria CAT nº 127/2015 (UC: 17/02/16) ) Venda de mercadoria fora do estabelecimento: No momento em que ocorrer a entrega das mercadorias a Vivax deverá emitir a correspondente Nota Fiscal de venda, contendo, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as seguintes informações: a. quadro "Destinatário": o adquirente; b. Natureza da Operação: "Venda de mercadoria fora do estabelecimento"; c. CFOP: 5.103/6.103 ou 5.104/6.104, conforme se trate de operação interna ou interestadual, respectivamente; e d. com destaque do ICMS, quando devido. Agora, finalizando nosso exemplo, consideraremos que o vendedor ambulante, Sr. Carlos Pereira Neves, tenha efetuado uma venda de 20 (vinte) mouses a um preço unitário de R$ 120,00 (cento e vinte reais), assim teríamos a emissão da seguinte Nota Fiscal no ato da entrega das mercadorias: Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 9 de 14

10 Base Legal: Art. 4º, caput, 1º da Portaria CAT nº 127/2015 (UC: 17/02/16). 4) Operações com mercadorias sujeitas ao regime de substituição tributária: 4.1) Operações internas (Dentro de São Paulo): 4.1.1) Remessa pelo contribuinte substituto: Em substituição à sistemática estudada no capítulo 3 acima, o contribuinte paulista por substituição tributária (contribuinte substituto), que realizar operações com mercadoria abrangida por esse regime fora do estabelecimento, inclusive por meio de veículo, sem destinatário certo, em território do Estado de São Paulo, deverá emitir Nota Fiscal para acompanhar a mercadoria que conterá, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as seguintes informações: a. Natureza da Operação: "Remessa para venda fora do estabelecimento"; b. CFOP: ou 5.415, conforme o produto seja de produção do estabelecimento ou adquirido de terceiros, respectivamente; c. o valor do ICMS incidente na operação própria e o devido por sujeição passiva por substituição; d. no campo "Informações Adicionais de Interesse do Fisco" da NF-e ou no campo "Informações Complementares" da Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A, os números e, quando adotada, a série dos impressos de Notas Fiscais a serem emitidas por ocasião das entregas; No caso de estabelecimento não obrigado à entrega da Escrituração Fiscal Digital (EFD), comumente chamada de Sped-Fiscal, referida Nota Fiscal de remessa deverá: Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 10 de 14

11 a. ser lançada no Livro Registro de Saídas (LRS) do estabelecimento emitente, consignando-se o valor das mercadorias apenas na coluna "ICMS - Valores Fiscais - Operações ou Prestações sem Débito do Imposto - Outras"; b. ter o valor do ICMS incidente na operação própria consignado no Livro Registro de Apuração do ICMS (LRAICMS), no quadro "Débito do Imposto - Outros Débitos", com a expressão "ICMS Próprio em Remessa para Venda Fora do Estabelecimento"; c. ter o valor do imposto devido por sujeição passiva por substituição consignado no LRAICMS, em folha subsequente à da apuração referente às suas operações próprias, no quadro "Débito do Imposto - Outros Débitos", com a expressão "Imposto Retido em Remessa para Venda Fora do Estabelecimento"; Já na hipótese do estabelecimento estar obrigado à entrega do Sped-Fiscal, a Nota Fiscal de remessa deverá (9): a. ser lançada nos vários Registros do Bloco C destinados à informação do documento fiscal, sem débito do imposto, principalmente: i. o Registro C100; ii. o Registro C110; iii. o Registro C190; b. ter o valor do ICMS incidente na operação própria lançado no campo 04 (VL_TOT_AJ_DEBITOS) do Registro E110 (Apuração do ICMS - Operações Próprias) do Sped-Fiscal, com a discriminação do ajuste nos diversos campos do Registro E111 (Ajuste/Benefício/Incentivo da Apuração do ICMS): i. campo 01 (REG), o texto fixo "E111"; ii. campo 02 (COD_AJ_APUR), do código de ajuste "SP Remessa para venda fora do estabelecimento"; iii. campo 03 (DESCR_COMPL_AJ), da expressão "ICMS Próprio em Remessa para Venda Fora do Estabelecimento"; iv. campo 04 (VL_AJ_APUR), o valor do ajuste da apuração; c. ter o valor do imposto devido por sujeição passiva por substituição consignado no campo 9 (VL_OUT_DEB_ST) do Registro E210 (Apuração do ICMS - Substituição Tributária), com a discriminação do ajuste nos diversos campos do Registro E220 (Ajuste/Benefício/Incentivo da Apuração do ICMS Substituição Tributária): i. campo 01 (REG), o texto fixo "E220"; ii. campo 02 (COD_AJ_APUR), do código de ajuste "SP Imposto retido em remessa para venda fora do estabelecimento"; iii. campo 03 (DESCR_COMPL_AJ), da expressão "Imposto Retido em Remessa para Venda Fora do Estabelecimento"; iv. campo 04 (VL_AJ_APUR), o valor do ajuste da apuração; Lembramos que, para a efetiva geração do Sped-Fiscal, outros registros deverão ser apresentados, devendo o contribuinte observar as disposições do Ato Cotepe/ICMS nº 9/2008 e alterações posteriores, bem como o Guia Prático da Escrituração Fiscal Digital - EFD ICMS/IPI. Por fim, temos que relativamente a cada remessa, arquivar-se-ão conjuntamente, as primeiras vias das Notas Fiscais de remessa e de retorno, bem como, as vias destinadas à exibição ao fisco das Notas Fiscais emitidas por ocasião das entregas. Nota Tax Contabilidade: (9) A entrega do Sped-Fiscal supre a necessidade de escriturar o LRS e o LRAICMS. Base Legal: Ato Cotepe/ICMS nº 9/2008 (UC: 17/02/16); Art. 284, caput, I e II, único do RICMS/2000-SP (UC: 17/02/16) e; Guia Prático da EFD- ICMS/IPI (UC: 17/02/16) ) Mercadorias entregues e às eventualmente retornadas ao estabelecimento: Em relação às mercadorias entregues e às eventualmente retornadas ao estabelecimento: a. será emitida Nota Fiscal relativa às mercadorias não entregues (não vendidas), mencionando no campo "Informações Adicionais de Interesse do Fisco" da NF-e ou no campo "Informações Complementares" da Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A, o número e, quando adotada, a série, bem como a data da emissão e o valor da Nota Fiscal correspondente à remessa; b. a Nota Fiscal de retorno prevista na letra anterior deverá ser lançada no Livro Registro de Entradas (LRE), consignando-se o valor das mercadorias apenas na coluna "ICMS - Valores Fiscais - Operações ou Prestações sem Crédito do Imposto - Outras". Caso o contribuinte seja obrigado à escrituração do Sped-Fiscal, deverá efetuar o lançamento da Nota Fiscal nos vários Registros do Bloco C destinados à informação do documento fiscal, sem crédito do imposto, principalmente: i. o Registro C100; ii. o Registro C110; e iii. o Registro C190. c. o valor do imposto incidente na operação própria, constante na Nota Fiscal de remessa, será consignado no LRAICMS, no quadro "Crédito do Imposto - Estorno de Débitos", com a expressão "Estorno do ICMS Próprio no Retorno - Venda Fora do Estabelecimento". Caso o contribuinte seja obrigado à escrituração do Sped-Fiscal, o valor desse imposto deverá ser lançado no campo 09 (VL_ESTORNOS_DEB) do Registro E110 (Apuração do ICMS - Operações Próprias) dessa obrigação acessória, com a discriminação do ajuste nos diversos campos do Registro E111 (Ajuste/Benefício/Incentivo da Apuração do ICMS); i. campo 01 (REG), o texto fixo "E111"; ii. campo 02 (COD_AJ_APUR), do código de ajuste "SP Imposto destacado em Nota Fiscal de remessa para venda fora do estabelecimento"; Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 11 de 14

12 iii. campo 03 (DESCR_COMPL_AJ), da expressão "Estorno do ICMS Próprio no Retorno - Venda Fora do Estabelecimento"; iv. campo 04 (VL_AJ_APUR), o valor do ajuste da apuração; d. o valor do imposto devido por sujeição passiva por substituição, constante na Nota Fiscal de remessa, será consignado no LRAICMS, em folha subsequente à da apuração referente às suas operações próprias, no quadro "Crédito do Imposto - Estorno de Débitos", com a expressão "Estorno do Imposto Retido no Retorno - Venda Fora do Estabelecimento". Caso o contribuinte seja obrigado à escrituração do Sped-Fiscal, o valor desse imposto deverá ser lançado no 06 (VL_OUT_CRED_ST) do Registro E210 (Apuração do ICMS - Substituição Tributária) dessa obrigação acessória, com a discriminação do ajuste nos diversos campos do Registro E220 (Ajuste/Benefício/Incentivo da Apuração do ICMS Substituição Tributária): i. campo 01 (REG), o texto fixo "E220"; ii. campo 02 (COD_AJ_APUR), do código de ajuste "SP Estorno de imposto retido no retorno - venda fora do estabelecimento"; iii. campo 03 (DESCR_COMPL_AJ), da expressão "Estorno do Imposto Retido no Retorno - Venda Fora do Estabelecimento"; iv. campo 04 (VL_AJ_APUR), o valor do ajuste da apuração; e. as Notas Fiscais emitidas por ocasião das entregas, com as indicações previstas no artigo 273 do RICMS/2000-SP, serão lançadas no LRS ou em Registro próprio do Sped-Fiscal, conforme o caso, nos termos do artigo 275 do RICMS/2000-SP. Base Legal: Art. 284, caput, III do RICMS/2000-SP (UC: 17/02/16) ) Remessa pelo contribuinte substituído: O contribuinte substituído paulista que realizar operações com mercadoria recebida com ICMS retido, fora do estabelecimento, inclusive por meio de veículo, sem destinatário certo, em território paulista, deverá, em lugar da sistemática prevista no capítulo 3 acima, observar o seguinte procedimento: a. emitir Nota Fiscal para acompanhar a mercadoria que conterá, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as seguintes informações: i. Natureza da Operação: "Remessa para venda fora do estabelecimento"; ii. CFOP: ou 5.415, conforme o produto seja de produção do estabelecimento ou adquirido de terceiros, respectivamente; iii. no campo "Informações Adicionais de Interesse do Fisco" da NF-e ou no campo "Informações Complementares" da Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A, os números e, quando adotada, a série dos impressos de Notas Fiscais a serem emitidas por ocasião das entregas, bem como a indicação "Imposto Recolhido por Substituição, nos termos do Artigo do RICMS/2000-SP"; b. a Nota Fiscal de remessa prevista na letra "a" deverá ser lançada no LRS, consignando-se o valor das mercadorias apenas na coluna "Observações". Caso o contribuinte seja obrigado à escrituração do Sped-Fiscal, referida Nota Fiscal deverá ser lançada nos vários Registros que compõem Bloco C destinados à informação do documento fiscal, consignando-se o valor das mercadorias apenas no Registro C195; Relativamente a cada remessa, arquivar-se-ão conjuntamente, as primeiras vias das Notas Fiscais de remessa e de retorno, bem como, as vias destinadas à exibição ao Fisco das Notas Fiscais emitidas por ocasião das entregas. Base Legal: Art. 285, caput, II e II, único do RICMS/2000-SP (UC: 17/02/16) ) Mercadorias entregues e às eventualmente retornadas ao estabelecimento: Em relação às mercadorias entregues e às eventualmente retornadas ao estabelecimento: a. será emitida Nota Fiscal relativa às mercadorias não entregues (não vendidas), mencionando no campo "Informações Adicionais de Interesse do Fisco" da NF-e ou no campo "Informações Complementares" da Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A, o número e a série, bem como a data da emissão e o valor da Nota Fiscal correspondente à remessa (utilizar a CFOP ou 1.415, conforme o caso); b. a Nota Fiscal de retorno prevista na letra anterior deverá ser lançada no LRE, consignando-se o valor das mercadorias apenas na coluna "Observações". Caso o contribuinte seja obrigado à escrituração do Sped-Fiscal, referida Nota Fiscal deverá ser lançada nos vários Registros que compõem Bloco C destinados à informação do documento fiscal, consignando-se o valor das mercadorias apenas no Registro C195; c. as Notas Fiscais emitidas por ocasião das entregas, com as indicações previstas no artigo 274 do RICMS/2000-SP, serão lançadas no LRS ou em Registro próprio do Sped-Fiscal, conforme o caso, nos termos do artigo 278 do RICMS/2000-SP, sem prejuízo do lançamento de outros elementos inerentes à substituição tributária, na forma estabelecida pela Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz/SP). Base Legal: Art. 285, caput, III do RICMS/2000-SP (UC: 17/02/16). 4.2) Observações quanto aos documentos fiscais emitidos na entrega das mercadorias: Ao realizar as operações referidas no subcapítulo e no subcapítulo 4.1.2, o contribuinte, no ato da entrega das mercadorias, e sem prejuízo do disposto no artigo 284, III, "e" do RICMS/2000-SP e no artigo 285, III, "c" do RICMS/2000-SP, deverá observar o que se segue: a. se o adquirente for contribuinte do ICMS, deverá ser emitida NF-e, Modelo 55, ou Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A; b. se o adquirente não for contribuinte do ICMS, deverá ser emitido um dos seguintes documentos: Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 12 de 14

13 i. NF-e, Modelo 55; ii. Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A; iii. CF-e-SAT, Modelo 59; iv. NFC-e, Modelo 65; v. Cupom Fiscal emitido por equipamento ECF, caso o contribuinte ainda não esteja obrigado à emissão do CF-e-SAT. Os documentos aludidos nas letras "a" e "b", além dos demais requisitos exigidos pela legislação paulista, deverão conter, no campo "Informações Complementares", a indicação da série e do número da NF-e ou da Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A, de remessa da mercadoria, observada a legislação específica do documento utilizado. Notas Tax Contabilidade: (10) O artigo 284, III, "e" do RICMS/2000-SP possui a seguinte redação: "e) as Notas Fiscais emitidas por ocasião das entregas, com as indicações previstas no artigo 273, serão lançadas no livro Registro de Saídas, nos termos do artigo 275". (11) O artigo 285, III, "c" do RICMS/2000-SP possui a seguinte redação: "c) as Notas Fiscais emitidas por ocasião das entregas, com as indicações previstas no artigo 274, serão lançadas no livro Registro de Saídas, nos termos do artigo 278, sem prejuízo do lançamento de outros elementos inerentes à substituição tributária, na forma estabelecida pela Secretaria da Fazenda.". (12) Nos termos do artigo 16 da Portaria CAT nº 162/2008, quando o contribuinte optar por emitir NF-e em cada venda ocorrida fora do estabelecimento, o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica (Danfe) poderá ser impresso em tamanho igual ou inferior ao A4 (210 X 297 mm), em qualquer tipo de papel, exceto papel jornal, caso em que será denominado "Danfe Simplificado", cuja definição das especificações técnicas foram divulgadas por meio da Nota Técnica 2012/001. Base Legal: Art. 285-A, caput, 1º do RICMS/2000-SP (UC: 17/02/16); Art. 16 da Portaria CAT nº 162/2008 (UC: 17/02/16) e; Nota Técnica 2012/001 (UC: 17/02/16) ) Impossibilidade de transmissão ou de resposta à solicitação de Autorização de Uso da NF-e: Se, no momento da entrega de que trata a letra "a" do subcapítulo anterior, ocorrer contingência que impossibilite a transmissão da NF-e à Sefaz/SP ou a obtenção de resposta à solicitação de Autorização de Uso da NF-e, e desde que a entrega seja feita no Estado de São Paulo, o contribuinte poderá emitir CF-e-SAT, que deverá conter, no campo "Informações Complementares de Interesse do Contribuinte", o nome ou o nome empresarial e o número de Inscrição Estadual (IE) do adquirente da mercadoria. Caso seja utilizado essa faculdade, o contribuinte, após o término da contingência, deverá emitir NF-e contendo, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as seguintes informações: a. no campo "Informações Complementares", a expressão "Emitida nos termos do 3º do artigo 285-A do RICMS/2000-SP"; b. a indicação do CFOP Essa NF-e deverá ser escriturada pelo: i. emitente, no LRS apenas na coluna "Observações". Caso o contribuinte seja obrigado à escrituração do Sped-Fiscal, essa NF-e deverá ser lançada nos vários Registros que compõem Bloco C destinados à informação do documento fiscal, consignando-se o valor apenas no Registro C195; ii. destinatário, no LRE, na forma prevista na legislação, inclusive para efeito de crédito fiscal, quando admitido. Caso o contribuinte seja obrigado à escrituração do Sped-Fiscal, essa NF-e deverá lançada nos vários Registros que compõem Bloco C destinados à informação do documento fiscal, na forma prevista na legislação, inclusive para efeito de crédito fiscal, quando admitido. Base Legal: Art. 285-A, 2º e 3º do RICMS/2000-SP (UC: 17/02/16) ) Utilização do CF-e-SAT ou do Cupom Fiscal emitido por ECF: O contribuinte que optar pela utilização do CF-e-SAT ou do Cupom Fiscal emitido por ECF, conforme disposto nas letras "b.iii" e "b.v" do subcapítulo 4.2 acima, deverá, previamente à saída das mercadorias de seu estabelecimento: a. lavrar termo no LRUDFTO, Modelo 6, contendo a marca, modelo, tipo e número de autorização de cada ECF ou o número de série de cada equipamento SAT a ser utilizado, conforme o caso; b. emitir, para acompanhar a movimentação do ECF e do equipamento SAT, um dos seguintes documentos: i. NF-e, Modelo 55; ii. Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A, se o contribuinte não for obrigado à emissão da NF-e. Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 13 de 14

14 A Nota Fiscal emitida para os fins da letra "b" deverá: a. conter a marca, modelo, tipo e número de autorização de cada ECF ou o número de série de cada equipamento SAT, conforme o caso; b. ser registrada no LRS, apenas na coluna "Observações". Caso o contribuinte seja obrigado à escrituração do Sped-Fiscal, essa NF-e deverá ser lançada nos vários Registros que compõem Bloco C destinados à informação do documento fiscal, consignando-se o valor apenas no Registro C195 Base Legal: Art. 285-A, 4º e 5º do RICMS/2000-SP (UC: 17/02/16). 4.3) Operações realizadas por contribuintes de outros Estados: Nas operações sujeitas à substituição tributária, com mercadoria trazida por contribuinte de outro Estado para venda, em território paulista, sem destinatário certo, não estando atribuída ao adquirente paulista a qualidade de sujeito passivo por substituição, o imposto incidente nas operações subsequentes será calculado na forma prevista no artigo 268 do RICMS/2000-SP (que dispõe sobre o cálculo do ICMS retido) e recolhido juntamente com o exigido nos termos do artigo 433 do RICMS/2000-SP (Ver subcapítulo 3.7). O documento fiscal emitido pelo contribuinte de outro Estado deverá conter, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as indicações previstas no artigo 273 do RICMS/2000-SP, que dispõe sobre a emissão de documentos fiscais pelo sujeito passivo por substituição. Base Legal: Art. 286 do RICMS/2000-SP (UC: 17/02/16). Informações Adicionais: Este material foi escrito em 20/02/2016 pela Equipe Técnica da Tax Contabilidade, sendo que o mesmo foi atualizado em 14/03/2016, conforme legislação vigente nesta mesma data. Todos os direitos reservados. Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 14 de 14

Guia do ICMS - São Paulo: Vending Machine - Máquinas Automáticas

Guia do ICMS - São Paulo: Vending Machine - Máquinas Automáticas Guia do ICMS - São Paulo: Vending Machine - Máquinas Automáticas Resumo: Veremos no presente Roteiro de Procedimentos as regras aplicáveis, no Estado de São Paulo, sobre as operações com máquinas automáticas

Leia mais

Guia do ICMS - São Paulo: Circulação de bens, materiais ou mercadorias por não contribuinte

Guia do ICMS - São Paulo: Circulação de bens, materiais ou mercadorias por não contribuinte Guia do ICMS - São Paulo: Circulação de bens, materiais ou mercadorias por não contribuinte Resumo: Estudaremos no presente Roteiro de Procedimentos as regras que envolvem a circulação de bens, materiais

Leia mais

Manual de Emissão de Notas Fiscais: Remessa de Amostra Grátis

Manual de Emissão de Notas Fiscais: Remessa de Amostra Grátis Manual de Emissão de Notas Fiscais: Remessa de Amostra Grátis Resumo: Para atrair cada vez mais consumidores, muitas empresas utilizam-se da distribuição de amostras para divulgação de seus produtos ao

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operação de Venda Presencial com Entrega Interestadual

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operação de Venda Presencial com Entrega Interestadual Operação de Venda Presencial com Entrega Interestadual 24/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 4 3. Análise da Legislação... 9 4. Conclusão... 10 5.

Leia mais

SEÇÃO XXXI. Das Operações Realizadas por Estabelecimento de Construção Civil e Assemelhados

SEÇÃO XXXI. Das Operações Realizadas por Estabelecimento de Construção Civil e Assemelhados SEÇÃO XXXI Das Operações Realizadas por Estabelecimento de Construção Civil e Assemelhados NOTA: O art. 1º do Decreto nº 28.346, de 11/08/2006, alterou os arts. 725 a 731, nos seguintes termos: "Art. 725.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos. ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos

ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos. ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos Nas relações de comércio é muito comum, por motivos como mercadoria em desacordo com o pedido, qualidade insatisfatória, não observância de

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA- PROCEDIMENTO FISCAL. Apresentação: Helen Mattenhauer Samyr Qbar

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA- PROCEDIMENTO FISCAL. Apresentação: Helen Mattenhauer Samyr Qbar INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA- PROCEDIMENTO FISCAL Apresentação: Helen Mattenhauer Samyr Qbar 27/09/2013 CONCEITO DE INDUSTRIALIZAÇÃO Art. 4 o Caracteriza industrialização qualquer operação que modifique

Leia mais

1. Fluxo de documentação

1. Fluxo de documentação 1. Fluxo de documentação É de fundamental importância o envio de toda documentação financeira para atender as exigências impostas pelo fisco e evitar problemas futuros à empresa. Prazo de envio: É ideal

Leia mais

Anexos 4. 0 Substituição Tributária

Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4.8 Substituição Tributária nas Operações Interestaduais com Energia Elétrica não destinada à Comercialização ou à Industrialização Anexo 4.8 DA SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário:

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário: NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA (NFA-e) - Preenchimento por não Contribuinte do ICMS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Endereço de entrega diferente do endereço principal da empresa - EFD ICMS-IPI - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Endereço de entrega diferente do endereço principal da empresa - EFD ICMS-IPI - SP empresa - EFD ICMS-IPI - SP 08/09/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Ressarcimento ICMS-ST na devolução de mercadoria - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Ressarcimento ICMS-ST na devolução de mercadoria - SP 28/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 6 5. Informações Complementares... 6 6. Referências... 6 7.

Leia mais

ICMS DEVIDO NO DESTINO

ICMS DEVIDO NO DESTINO ICMS DEVIDO NO DESTINO ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA EFD PELOS CONTRIBUINTES DA BAHIA A EC 87/2015 alterou a sistemática de cobrança do ICMS nas operações e prestações que destinem bens e serviços

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

DEVOLUÇÃO OU TROCA DE MERCADORIA VENDIDA PELO ECF CUPOM FISCAL PROCEDIMENTOS E RECOMENDAÇÕES

DEVOLUÇÃO OU TROCA DE MERCADORIA VENDIDA PELO ECF CUPOM FISCAL PROCEDIMENTOS E RECOMENDAÇÕES DEVOLUÇÃO OU TROCA DE MERCADORIA VENDIDA PELO ECF CUPOM FISCAL PROCEDIMENTOS E RECOMENDAÇÕES Tratando-se de devolução ou troca de mercadorias, além de observar as demais disposições constantes no artigo

Leia mais

DOCUMENTÁRIO ESPECÍFICO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTES

DOCUMENTÁRIO ESPECÍFICO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTES DOCUMENTÁRIO ESPECÍFICO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTES RODOVIÁRIO DE CARGAS: Qualquer transportador rodoviário de cargas ou passageiros que executar ou, melhor dizendo, que prestar serviços de transportes

Leia mais

Portaria CAT-147, de 05-11-2012

Portaria CAT-147, de 05-11-2012 Página 1 de 7 Portaria CAT-147, de 05-11-2012 (DOE 06-11-2012) Dispõe sobre a emissão do Cupom Fiscal Eletrônico - CF-e-SAT por meio do Sistema de Autenticação e Transmissão - SAT, a obrigatoriedade de

Leia mais

SINDCONT-SP PALESTRA ICMS NO COMÉRCIO ELETRONICO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS

SINDCONT-SP PALESTRA ICMS NO COMÉRCIO ELETRONICO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS SINDCONT-SP PALESTRA ICMS NO COMÉRCIO ELETRONICO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS TRÊS TIPOS DE DIFERENCIAIS (não confunda!!!) 1 Diferencial clássico 2 Diferencial S.T. 3 Diferencial nas

Leia mais

ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS

ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS LEGISLAÇÕES Emenda Constitucional 87/2015-17 de Abril de 2015; Lei nº 15.856/2015-03 de Julho de 2015; Convênio de ICMS 93/2015-21 de Setembro de 2015; Decreto

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.559, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 Publicada no DOE em 31 de dezembro de 2004 DISPÕE SOBRE A MICROEMPRESA SOCIAL, ESTABELECENDO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO,

Leia mais

INSTRUÇÃO SOBRE A INCORPORAÇÃO DO FRETE FOB À BASE DE CÁLCULO DO ICMS ANTECIPADO, CONF. PREVISTO NO RICMS/RN

INSTRUÇÃO SOBRE A INCORPORAÇÃO DO FRETE FOB À BASE DE CÁLCULO DO ICMS ANTECIPADO, CONF. PREVISTO NO RICMS/RN 1 INSTRUÇÃO SOBRE A INCORPORAÇÃO DO FRETE FOB À BASE DE CÁLCULO DO ICMS ANTECIPADO, CONF. PREVISTO NO RICMS/RN O sistema de registro de Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e) da Secretaria de Tributação efetua

Leia mais

RESOLUÇÃO N 4306, DE 8 DE ABRIL DE 2011.

RESOLUÇÃO N 4306, DE 8 DE ABRIL DE 2011. RESOLUÇÃO N 4306, DE 8 DE ABRIL DE 2011. Esta Resolução dispõe sobre a apuração e entrega de documentos relativos ao Valor Adicionado Fiscal, para efeitos de distribuição da parcela do ICMS pertencente

Leia mais

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA - Hipóteses de Incidência, Cálculo e Formas de Recolhimento. Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 06.10.2011.

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA - Hipóteses de Incidência, Cálculo e Formas de Recolhimento. Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 06.10.2011. DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA - Hipóteses de Incidência, Cálculo e Formas de Recolhimento Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 06.10.2011. SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO 2 HIPÓTESES DE INCIDÊNCIA 2.1

Leia mais

DECRETO Nº 1.180, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014

DECRETO Nº 1.180, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 DECRETO Nº 1.180, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 Publicado no DOE(Pa) de 23.12.14. Altera dispositivos do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestação de Serviços

Leia mais

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto.

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto. ICMS/SP - Diferimento - Tratamento fiscal 6 de Abril de 2010 Em face da publicação do Decreto nº 55.305/2009 - DOE SP de 31.12.2009, este procedimento foi atualizado (tópico 9 - bens do ativo imobilizado

Leia mais

Portaria CAT Nº 158 DE 28/12/2015

Portaria CAT Nº 158 DE 28/12/2015 Portaria CAT Nº 158 DE 28/12/2015 Publicado no DOE em 29 dez 2015 Estabelece disciplina para o ressarcimento do imposto retido por sujeição passiva por substituição e dispõe sobre procedimentos correlatos.

Leia mais

Mato Grosso > Novembro/2015

Mato Grosso > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Mato Grosso

Leia mais

Guia do ICMS - São Paulo: Alíquota interestadual de 4% para produtos importados

Guia do ICMS - São Paulo: Alíquota interestadual de 4% para produtos importados Guia do ICMS - São Paulo: Alíquota interestadual de 4% para produtos importados Resumo: Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos as condições para a aplicação da alíquota interestadual de 4% (quatro

Leia mais

Pergunte à CPA. Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais

Pergunte à CPA. Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais 03/04/2014 Pergunte à CPA Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais Apresentação: José A. Fogaça Neto Devolução regras gerais Artigo 4º - Para efeito de aplicação da legislação do imposto, considera-se...

Leia mais

( RIPI/2010, art. 43, VII, art. 190, II, art. 191 e art. 497, e RICMS-SP/2000 - Decreto nº 45.490/2000 )

( RIPI/2010, art. 43, VII, art. 190, II, art. 191 e art. 497, e RICMS-SP/2000 - Decreto nº 45.490/2000 ) ICMS/SP - Industrialização - Operações triangulares de industrialização 20 de Agosto de 2010 Em face da publicação do novo Regulamento do IPI, aprovado pelo Decreto nº 7.212/2010, este procedimento foi

Leia mais

VENDA À ORDEM E VENDA PARA ENTREGA FUTURA. atualizado em 25/09/2015 alterado o item 2.2.2

VENDA À ORDEM E VENDA PARA ENTREGA FUTURA. atualizado em 25/09/2015 alterado o item 2.2.2 VENDA À ORDEM E VENDA PARA ENTREGA FUTURA atualizado em 25/09/2015 alterado o item 2.2.2 2 ÍNDICE 1. VENDA À ORDEM...5 1.1. Conceito...5 1.2. Procedimentos...5 1.2.1. Adquirente Originário...5 1.2.2. Vendedor

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - ACRÉSCIMO FINANCEIRO

1 - INTRODUÇÃO 2 - ACRÉSCIMO FINANCEIRO VENDAS A PRAZO - Emissão de Documentos Fiscais Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16.05.2013. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ACRÉSCIMO FINANCEIRO 2.1 - Tributação do ICMS 2.2 - Exclusão

Leia mais

ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14

ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14 DECRETO Nº 28.576, DE 14 DE SETEMBRO DE 2007. PUBLICADO NO

Leia mais

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES 1 Entradas de mercadorias de outros Estados sujeitas ao regime da substituição tributária no Rio Grande do Sul ( ICMS ST pago na Entrada ) Procedimentos

Leia mais

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

PARECER UNATRI/SEFAZ Nº 206/2014

PARECER UNATRI/SEFAZ Nº 206/2014 ASSUNTO: CONCLUSÃO: Tributário. ICMS. Operações de Remessa para Venda Fora do Estabelecimento. Operações de Retorno de Remessa para Venda Fora do Estabelecimento. Obrigação Acessória. Emissão de Nota Fiscal.

Leia mais

1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e?

1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e? 1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar,

Leia mais

Em face da publicação do Decreto nº 1.565, de 28.07.2008 - DOE SC de 28.07.2008, este tópico foi atualizado. ICMS/SC - Mostruário - Tratamento fiscal Resumo: Este procedimento esclarece os aspectos fiscais

Leia mais

EMENDA CONSTITUCIONAL 87/15 DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS EM OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES DESTINADAS A NÃO CONTRIBUINTES

EMENDA CONSTITUCIONAL 87/15 DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS EM OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES DESTINADAS A NÃO CONTRIBUINTES EMENDA CONSTITUCIONAL 87/15 DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS EM OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES DESTINADAS A NÃO CONTRIBUINTES A Emenda Constitucional nº 87/15 estabeleceu a incidência do ICMS nas vendas de mercadorias

Leia mais

Implantação do Bloco K

Implantação do Bloco K 1) Estrutura e Layout: Primeiramente, cabe nos registrar que Escrituração Fiscal Digital (EFD), ou simplesmente Sped-Fiscal, deverá ser efetuada pelo contribuinte mediante o registro eletrônico, em arquivo

Leia mais

Pergunte à CPA. EFD ICMS/IPI Registros C100, C170 e C190 principais dúvidas

Pergunte à CPA. EFD ICMS/IPI Registros C100, C170 e C190 principais dúvidas 13/05/2013 Pergunte à CPA EFD ICMS/IPI Registros C100, C170 e C190 principais dúvidas Apresentação: José A. Fogaça Neto Registro C100 Este registro deve ser gerado para cada documento fiscal código 01,

Leia mais

ALTERAÇÕES RECENTES NA LEGISLAÇÃO DO ICMS

ALTERAÇÕES RECENTES NA LEGISLAÇÃO DO ICMS ALTERAÇÕES RECENTES NA LEGISLAÇÃO DO ICMS PROGRAMA Utilização da carta de correção Ajuste SINIEF 01/07 e Decreto n. 51.801/07 Nota Fiscal Eletrônica NF-e (Estadual) Obrigatoriedade de uso em 2008 Ajuste

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2011 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - BA

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2011 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - BA ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2011 TRIBUTOS FEDERAIS CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Introdução - Autoridades Administrativas e o Abuso de

Leia mais

Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009

Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009 Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009 A Lei Complementar nº 128, de 19 de dezembro de 2008, modificou a Lei

Leia mais

PRODUTOR PRIMÁRIO - Apuração e Recolhimento do ICMS em Santa Catarina. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 17.07.2014.

PRODUTOR PRIMÁRIO - Apuração e Recolhimento do ICMS em Santa Catarina. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 17.07.2014. PRODUTOR PRIMÁRIO - Apuração e Recolhimento do ICMS em Santa Catarina Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 17.07.2014. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - PRODUTOR PRIMÁRIO 2.1 - Extensão da Atividade

Leia mais

IPI ICMS - SP LEGISLAÇÃO - SP ANO XX - 2009-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2009

IPI ICMS - SP LEGISLAÇÃO - SP ANO XX - 2009-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2009 IPI ANO XX - 2009-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2009 INFRAÇÕES E ACRÉSCIMOS MORATÓRIOS Infrações - Procedimentos do Contribuinte - Pagamento - Acréscimos Moratórios - Multa de Mora

Leia mais

SINDCONT-SP SINDCONT-SP

SINDCONT-SP SINDCONT-SP Sindicato dos Contabilistas de São Paulo (Ex-Instituto Paulista de Contabilidade - Fundado em 1919) ÓRGÃO DE PROFISSÃO LIBERAL NOTA FISCAL PAULISTA NOVAS DISPOSIÇÕES PROGRAMA Programa de Estímulo à Cidadania

Leia mais

CF-e SAT Cupom Fiscal Eletrônico

CF-e SAT Cupom Fiscal Eletrônico CIRCULAR Nº 05/2013 São Paulo, 02 de Janeiro de 2013. Prezado Cliente, CF-e SAT Cupom Fiscal Eletrônico A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo deu início a substituição dos tradicionais ECF Equipamentos

Leia mais

Seminário CIESP Campinas

Seminário CIESP Campinas www.pwc.com.br Seminário CIESP Campinas Bloco K Sua empresa está preparada para a entrega? Novembro de 2015 Briefing Entender o que muda e como se preparar para cumprir mais esta nova obrigação acessória:

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 17 de Maio, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI ECF/TEF - Obrigatoriedade do Uso em Santa Catarina Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 12.05.2011. SUMÁRIO: 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE UTILIZAÇÃO. DE NFe (Nota Fiscal Eletrônica) Protocolo ICMS 42/2009 Alterado pelo Protocolo ICMS 193/2010

ORIENTAÇÃO SOBRE UTILIZAÇÃO. DE NFe (Nota Fiscal Eletrônica) Protocolo ICMS 42/2009 Alterado pelo Protocolo ICMS 193/2010 ORIENTAÇÃO SOBRE UTILIZAÇÃO DE NFe (Nota Fiscal Eletrônica) Protocolo ICMS 42/2009 Alterado pelo Protocolo ICMS 193/2010 É um novo modelo de documento fiscal: modelo 55; de existência apenas digital cuja

Leia mais

ICMS/SP Substituição Tributária

ICMS/SP Substituição Tributária Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

Referência: Decreto Estadual-RJ nº 44.785/14 - ICMS - NFC-e - Emissão, autorização, contingência e outros Alterações.

Referência: Decreto Estadual-RJ nº 44.785/14 - ICMS - NFC-e - Emissão, autorização, contingência e outros Alterações. Rio de Janeiro, 13 de maio de 2014. Of. Circ. Nº 137/14 Referência: Decreto Estadual-RJ nº 44.785/14 - ICMS - NFC-e - Emissão, autorização, contingência e outros Alterações. Senhor Presidente, Fazendo

Leia mais

Pergunte à CPA. Nota Fiscal Eletrônica Modalidades de Contingência

Pergunte à CPA. Nota Fiscal Eletrônica Modalidades de Contingência 30/04/2013 Pergunte à CPA Nota Fiscal Eletrônica Modalidades de Contingência Apresentação: Helen Mattenhauer Oliveira 2 Conceito de Contingência para a NF- e A contingência é apenas de comunicação ou de

Leia mais

DIFAL e Partilha do ICMS

DIFAL e Partilha do ICMS DIFAL e Partilha do ICMS 1 Índice 1. 2. LEGISLAÇÃO NACIONAL... 4 EMENTA CONSTITUCIONAL 87/2015... 5 3. RESPONSABILIDADE PELO RECOLHIMENTO DO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS... 6 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 11. 12.

Leia mais

Dia 01 - Quarta-feira

Dia 01 - Quarta-feira AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DE SAO PAULO JULHO DE 2015 Dia 01 - Quarta-feira Tributo/Obrigação: SCANC Descrição: Apresentação, pelo contribuinte Transportador Revendedor Retalhista (TRR), das informações

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Estorno de NF-e Complementar fora do prazo determinado pela SEFAZ

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Estorno de NF-e Complementar fora do prazo determinado pela SEFAZ Estorno de NF-e Complementar fora do prazo determinado pela SEFAZ 06/09/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Amazonas...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Devolução de Mercadoria/Saída acobertada por Cupom Fiscal São Paulo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Devolução de Mercadoria/Saída acobertada por Cupom Fiscal São Paulo São Paulo 09/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 4. Resposta Consulta Tributária da Secretaria de Estado da Fazenda

Leia mais

ABC DA PORTARIA CAT 153/2011

ABC DA PORTARIA CAT 153/2011 ABC DA PORTARIA CAT 153/2011 1. O que é o Sistema e-credrural? - É um sistema informatizado instituído por meio da Portaria CAT 153/2011, disponibilizado no endereço eletrônico www.fazenda.sp.gov.br, para

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011

ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011 ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011 ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS COM RELAÇÃO ÀS DISPOSIÇÕES PREVISTAS PELA PORTARIA CAT 162/08 A RESPEITO DA OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA. ÍNDICE

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal,

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal, DECRETO N.º 060 /2013. REGULAMENTA A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NO MUNICÍPIO DE ARACATI E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe

Leia mais

GUERRA FISCAL: SÃO PAULO E ESPÍRITO SANTO ICMS - IMPORTAÇÃO

GUERRA FISCAL: SÃO PAULO E ESPÍRITO SANTO ICMS - IMPORTAÇÃO GUERRA FISCAL: SÃO PAULO E ESPÍRITO SANTO ICMS - IMPORTAÇÃO Fábio Tadeu Ramos Fernandes ftramos@almeidalaw.com.br Ana Cândida Piccino Sgavioli acsgavioli@almeidalaw.com.br I INTRODUÇÃO Desde a década de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Produto de informática e automação redução de base de cálculo e alíquota - RJ

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Produto de informática e automação redução de base de cálculo e alíquota - RJ Produto de informática e automação redução de base de cálculo e alíquota - RJ 06/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

a Federal Boletimj Manual de Procedimentos IPI - Devolução ICMS - IPI e Outros 2.1.1 Nota Fiscal Eletrônica 2.1 Nota fiscal

a Federal Boletimj Manual de Procedimentos IPI - Devolução ICMS - IPI e Outros 2.1.1 Nota Fiscal Eletrônica 2.1 Nota fiscal Boletimj Manual de Procedimentos a Federal IPI - Devolução SUMÁRIO 1. Introdução 2. Devolução por contribuinte 3. Devolução promovida por pessoa física ou jurídica não obrigada à emissão de nota fiscal

Leia mais

DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010

DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010 DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010 Altera o Decreto nº 18.955, de 22 de dezembro de 1997, que regulamenta o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre

Leia mais

REMESSA PARA INDUSTRIALIZAÇÃO. (atualizado até 25/02/2014)

REMESSA PARA INDUSTRIALIZAÇÃO. (atualizado até 25/02/2014) REMESSA PARA INDUSTRIALIZAÇÃO (atualizado até 25/02/2014) 2 ÍNDICE 1. CONCEITO...5 2. SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA...5 2.1. Saída Interna...5 2.2. Saída Interestadual...5 3. PROCEDIMENTOS...5 3.1. Remessa pelo

Leia mais

ANEXO IX - DOS DOCUMENTOS FISCAIS ELETRÔNICOS E AUXILIARES

ANEXO IX - DOS DOCUMENTOS FISCAIS ELETRÔNICOS E AUXILIARES ANEXO IX - DOS DOCUMENTOS FISCAIS ELETRÔNICOS E AUXILIARES CAPÍTULO I DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-e E DO DOCUMENTO AUXILIAR DA NF-e DANFE Art. 1º A Nota Fiscal Eletrônica - NF-e, modelo 55, poderá ser

Leia mais

A Emenda Constitucional 87/2015 alcança as operações presenciais?

A Emenda Constitucional 87/2015 alcança as operações presenciais? Emenda Constitucional 87/2015 - PERGUNTAS FREQUENTES Observação: Material produzido em conformidade com a legislação paulista. No que couber, deve ser observada a legislação específica de cada Unidade

Leia mais

DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011

DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 Regulamenta a Lei Complementar nº. 92/07 de 13 de Dezembro de 2007, que dispõe sobre o Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISSQN) - que altera o sistema

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA DECRETO Nº 16962, DE 1º DE AGOSTO DE 2012 PUBLICADO NO DOE Nº 2027, DE 1º.08.12 Acrescenta, altera e renomeia dispositivos do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS RECOM Regulamentação Orientador Empresarial DECRETO nº 7.319/2010 DOU: 29.09.2010 Regulamenta a aplicação do Regime Especial de Tributação

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA EMISSÃO DA GNRE (Guia Nacional de Recolhimento Estadual)

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA EMISSÃO DA GNRE (Guia Nacional de Recolhimento Estadual) MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA EMISSÃO DA GNRE (Guia Nacional de Recolhimento Estadual) REF. : Recolhimento da Diferença de Alíquota do ICMS. / EC:87/2015 Ver. 04/01/2016 Página 1 de 10 Introdução Em 2016 entra

Leia mais

DECRETO Nº 1.165 DECRETA:

DECRETO Nº 1.165 DECRETA: Publicado no DOE n.º 8448 de 18.04.2011 DECRETO Nº 1.165 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, e considerando o Convênio

Leia mais

CF-e SAT ou NFC-e. Qual a melhor opção para o Varejo? Elisangela Marques Perez

CF-e SAT ou NFC-e. Qual a melhor opção para o Varejo? Elisangela Marques Perez CF-e SAT ou NFC-e. Qual a melhor opção para o Varejo? Elisangela Marques Perez SAT-CF-e 1 ICMS/SP CUPOM FISCAL ELETRÔNICO (CF-e-SAT) (PORTARIA CAT 147/2012) A emissão do Cupom Fiscal Eletrônico será obrigatória:

Leia mais

CAPÍTULO III-A DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA E DO DOCUMENTO AUXILIAR DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA. Seção I Da Nota Fiscal Eletrônica

CAPÍTULO III-A DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA E DO DOCUMENTO AUXILIAR DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA. Seção I Da Nota Fiscal Eletrônica CAPÍTULO III-A DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA E DO DOCUMENTO AUXILIAR DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Seção I Da Nota Fiscal Eletrônica Vê Portaria n. 027/2010-SEFAZ, que dispõe sobre as especificações técnicas da

Leia mais

Comunicado CAT n.º 16, de 27-07-2011

Comunicado CAT n.º 16, de 27-07-2011 Comunicado CAT n.º 16, de 27-07-2011 (DOE 28-07-2011) O Coordenador da Administração Tributária declara que as datas fixadas para cumprimento das OBRIGAÇÕES PRINCIPAIS e ACESSÓRIAS, do mês de agosto de

Leia mais

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar 24/09/2014 Substituição Tributária A substituição tributária do ICMS é um regime jurídico em que

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota fiscal de devolução com ICMS e IPI na NF-e

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota fiscal de devolução com ICMS e IPI na NF-e Nota fiscal de devolução com ICMS e IPI na NF-e 03/10/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão...

Leia mais

O Coordenador Da Administração Tributária, tendo em vista o disposto no Decreto nº 57.608, de 12 de dezembro de 2011, expede a seguinte portaria:

O Coordenador Da Administração Tributária, tendo em vista o disposto no Decreto nº 57.608, de 12 de dezembro de 2011, expede a seguinte portaria: Portaria CAT nº 6, de 19.01.2012 - DOE SP de 20.01.2012 Disciplina o cumprimento das obrigações principais e acessórias relativas ao regime especial previsto no Decreto nº 57.608, de 12 de dezembro de

Leia mais

ICMS/ES - Armazém geral - Remessa e retorno - Roteiro de procedimentos

ICMS/ES - Armazém geral - Remessa e retorno - Roteiro de procedimentos Informativo FISCOSoft ICMS/ES - Armazém geral - Remessa e retorno - Roteiro de procedimentos Os armazéns gerais têm por finalidade a guarda e a conservação das mercadorias remetidas a eles pelos estabelecimentos

Leia mais

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MARÇO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 13/2013

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MARÇO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 13/2013 ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MARÇO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 13/2013 IPI ESTABELECIMENTOS EQUIPARADOS A INDUSTRIAIS - CONCEITO PARA CARACTERIZAÇÃO COMO CONTRIBUINTE DO IPI... Pág. 79 ICMS ES MANIFESTAÇÃO

Leia mais

Mato Grosso > Agosto/2015

Mato Grosso > Agosto/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Mato Grosso

Leia mais

Acesso a NFA-e para não contribuinte:

Acesso a NFA-e para não contribuinte: Acesso a NFA-e para não contribuinte: Através da pagina da Secretaria de Estado da Fazenda (www.sef.sc.gov.br) o contribuinte não credenciado no Sistema de Administração Tributária (S@T) poderá emitir

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Ressarcimento de ICMS ST Nota de Devolução BA

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Ressarcimento de ICMS ST Nota de Devolução BA 24/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Documentos Fiscais... 4 3.1.1. Operações do Substituto... 4 3.1.2. Operações

Leia mais

INFORMATIVO DEZEMBRO/2015 ICMS - NOVAS REGRAS NAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS DESTINADAS A CONSUMIDOR FINAL ROTEIRO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS

INFORMATIVO DEZEMBRO/2015 ICMS - NOVAS REGRAS NAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS DESTINADAS A CONSUMIDOR FINAL ROTEIRO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS INFORMATIVO DEZEMBRO/2015 ICMS - NOVAS REGRAS NAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS DESTINADAS A CONSUMIDOR FINAL ROTEIRO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS Como é sabido, a partir de 1º de janeiro de 2016 entrará em vigor

Leia mais

Econet Calendário de Obrigações e Tabelas Práticas 1

Econet Calendário de Obrigações e Tabelas Práticas 1 Econet Calendário de Obrigações e Tabelas Práticas 1 CALENDÁRIO MENSAL DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS DE FEVEREIRO 2012 ICMS / MT 01.02 (4ª feira) 03.02 (6ª feira) 06.02 (2ª feira) Transportador Revendedor Retalhista

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota Fiscal para Cupom Fiscal - Ceará

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota Fiscal para Cupom Fiscal - Ceará Nota 28/10/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares... 4 6. Referências...

Leia mais

SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL

SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL Matéria São Paulo SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL SUMÁRIO 1. Introdução 2. Devolução Conceito 3. Crédito do Imposto no Recebimento de Mercadorias em Devolução ICMS e IPI 4.

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.029/13/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000184734-13 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.029/13/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000184734-13 Impugnação: 40. Acórdão: 20.029/13/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000184734-13 Impugnação: 40.010133151-29 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Modelo Comércio e Exportação de Açúcar Ltda IE: 515302633.00-13 Marcelo

Leia mais

TABELA I. CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (códigos a que se refere o artigo 230 deste Regulamento)

TABELA I. CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (códigos a que se refere o artigo 230 deste Regulamento) TABELA I CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (códigos a que se refere o artigo 230 deste Regulamento) B) DAS SAÍDAS DE MERCADORIAS, BENS OU PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS Grupo 5.000 Grupo 6.000 Grupo 7.000

Leia mais

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por:

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Aplicação da nova legislação do ICMS Emenda Constitucional 87/2015

Aplicação da nova legislação do ICMS Emenda Constitucional 87/2015 Aplicação da nova legislação do ICMS Emenda Constitucional 87/2015 O que é a emenda constitucional 87/2015? A Emenda Constitucional (EC) 87/2015, apresentou uma significativa alteração no conceito e no

Leia mais

ICMS -RESOLUÇÃO SENADO FEDERAL Nº 13/2012

ICMS -RESOLUÇÃO SENADO FEDERAL Nº 13/2012 ICMS -RESOLUÇÃO SENADO FEDERAL Nº 13/2012 DRT-05 RESOLUÇÃO DO SENADO 13/2012 ABRANGÊNCIA Será de 4% a alíquota do ICMS nas operações interestaduais com bens e mercadorias importados do exterior que, após

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA - DIAT GERÊNCIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÕES TRIBUTÁRIAS - GESIT

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA - DIAT GERÊNCIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÕES TRIBUTÁRIAS - GESIT SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA - DIAT GERÊNCIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÕES TRIBUTÁRIAS - GESIT Atualizado em 03/04/14 MANUAL DOS APLICATIVOS: SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 11 17 de Maio, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI PRAZOS DE RECOLHIMENTO DO ICMS EM SANTA CATARINA - Aspectos Gerais Matéria Elaborada com Base na Legislação Vigente em: 13.05.2011.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Nota Fiscal Carioca Serviços Tomados - RJ

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Nota Fiscal Carioca Serviços Tomados - RJ Nota 27/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Período de Competência... 4 3.2 FAQ da Prefeitura Municipal do Rio

Leia mais

SINDCONT-SP SINDCONT-SP

SINDCONT-SP SINDCONT-SP Sindicato dos Contabilistas de São Paulo (Ex-Instituto Paulista de Contabilidade - Fundado em 1919) ÓRGÃO DE PROFISSÃO LIBERAL SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS DISPOSIÇÕES GERAIS CONCEITOS Lei Complementar

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA APURAÇÃO DO ICMS.

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA APURAÇÃO DO ICMS. SPED - EFD Escrituração Fiscal Digital. MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA APURAÇÃO DO ICMS. GERÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO Pág. 1/13 APRESENTAÇÃO. EFD Manual de Orientação para Apuração do ICMS Este manual contém as

Leia mais