CENTRO UNIVERSITÁRIO LA SALLE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SERVIÇOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO LA SALLE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SERVIÇOS"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO LA SALLE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SERVIÇOS DALMIR BROENSTRUP TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA DE TRANSPORTE: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA STEMAC S/A GRUPOS GERADORES CANOAS, 2012

2 DALMIR BROENSTRUP TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA DE TRANSPORTE: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA STEMAC S/A GRUPOS GERADORES Trabalho de conclusão apresentado à banca examinadora do curso de Administração do Centro Universitário La Salle - Unilasalle, como exigência parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Administração com habilitação em Serviços. Orientação: Prof.º Dr. Flávio Régio Brambilla CANOAS, 2012

3 Dedico a todas as pessoas especiais que estiveram ao meu lado nesta longa jornada.

4 AGRADECIMENTO Agradeço aos meus familiares, pelo apoio que sempre tive em todos os momentos durante estes sete anos e meio de graduação. Ao professor orientador Flávio Régio Brambilla, pela colaboração e dedicação, agregando conhecimento para a realização do trabalho. A empresa Stemac S/A Grupos Geradores e aos gestores da área de logística, pelo fornecimento de dados e informações viabilizando a presente pesquisa. Aos amigos e colegas de curso, pelas risadas, pelas experiências que dividimos e pelo aprendizado compartilhado nesta jornada. Obrigado por tudo!

5 A linha entre a desordem e a ordem está na logística (Sun Tzu)

6 RESUMO Na contemporaneidade, a competitividade é uma das características do mercado global, desafiando administradores na busca de novas estratégias para sobrevivência. A gestão da organização é um dos fatores mais importantes para a estratégia empresarial, sendo a logística considerada por muitos um desafio estratégico para a otimização dos negócios neste contexto. Diante destes fatos, este trabalho tem como objetivo identificar as vantagens, desvantagens e os riscos da terceirização do transporte rodoviário de carga na Stemac S/A Grupos Geradores, uma empresa de grande porte da área de energia, situada em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Esse objetivo foi alcançado através de uma pesquisa qualitativa com gestores de logística da empresa estudada. Os dados analisados foram obtidos a partir de entrevistas semiestruturadas, análise de documentos e observação da operação in loco. Em seguida, foram analisados os dados coletados, identificando os ganhos competitivos com a implantação da terceirização do transporte, os impactos aos clientes com a utilização de terceiros na operação logística e sugeridas melhorias em relação ao processo atual de terceirização. Com este diagnóstico, constatou-se que a implantação do processo de terceirização do transporte na empresa Stemac foi viável, atingiu os objetivos de reduzir custos, melhorar/manter os níveis de serviços e assim garantir a competitividade da operação, através da capacidade ampliar/reduzir a frota conforme oscilações da demanda de transporte. Palavras-chave: Terceirização; Logística; Transportes; Custos; Nível de serviço.

7 7 ABSTRACT In contemporary times, the competitiveness is one of the characteristics of the global market, challenging administrators in search of new strategies for survival. The management of the organization is one of the most important factors for the business strategy, and the logistics is considered by many a strategic challenge for the optimization of business in this context. Faced with these facts, this work aims to identify the advantages, disadvantages and risks of outsourcing of road freight transport in Stemac S/A Geradores, a large company in the area of energy, placed at Porto Alegre, Rio Grande do Sul. This objective was achieved through a qualitative research with managers of the studied logistics company. The data analyzed were obtained from semi-structured interviews, document analysis and observation of the operation in loco. Then, we analyzed the data collected, identifying the competitive gains with the deployment of outsourcing the transport, the impacts to customers with the use of third parties in the transaction logistics and suggested improvements in relation to the current process of outsourcing. With this diagnosis, it was found that the establishment of the process of outsourcing the carriage at Stemac was viable, reached the objectives of reducing costs, improve/maintain the levels of services and thus ensure the competitiveness of the operation, via the capability enlarge/reduce the fleet as oscillations in the demand for transport. Keywords: Outsourcing; Logistics; Transport; Costs; Level of service.

8 8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DO PROBLEMA Caracterização da organização e do seu ambiente Definição do problema Justificativa OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos REVISÃO DE LITERATURA Evolução e conceito de logística Papel do transporte na estratégia logística Classificação dos modais de transporte Transporte rodoviário de carga Terceirização Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização do transporte rodoviário Vantagens da terceirização do transporte rodoviário Desvantagens e riscos da terceirização do transporte rodoviário Parcerias logísticas Custos Classificação dos custos Gasto, custo e despesa Custos diretos, indiretos, fixos e variáveis Custo marginal Custos logísticos como estratégia Serviço ao cliente Nível de serviço Mensuração dos serviços METODOLOGIA Delineamento do tipo de estudo Delineamento da área alvo de estudo Instrumento de coleta de dados... 42

9 9 5.4 Plano de análise de dados ANÁLISE DOS RESULTADOS Resultado e análise das entrevistas com os gestores da área de logística 44 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS Implicações do estudo Limitações do estudo Propostas para estudos futuros REFERÊNCIAS APÊNDICE A ROTEIRO DE ENTREVISTAS APÊNDICE B RESPOSTAS DO ROTEIRO DE ENTREVISTAS APÊNDICE C TABELA DE CONCEITOS APÊNDICE D TABELA DE RESPOSTAS DO ROTEIRO DE ENTREVISTAS... 85

10 10 1 INTRODUÇÃO Surge na contemporaneidade um fenômeno que vem reduzindo as barreiras naturais de tempo e espaço em mercados e dessa forma vem modificando o mundo, a globalização. A dinamicidade, a imprevisibilidade e a competitividade tornaram-se características frequentes no mercado global, impondo desafios aos administradores. Nesse contexto, o cenário empresarial torna-se cada dia mais competitivo, principalmente pelo fato de um grande número de concorrentes ingressarem no mercado a procura de novas oportunidades. Considerando que as organizações vivem em um ambiente onde as mudanças são constantes e aceleradas, elas precisam diferenciar-se de seus concorrentes (VARGAS, 2008). Desta forma, segundo Vargas (2008) a gestão da organização tem sido considerada um dos fatores mais importantes para a estratégia empresarial. A constante quebra de barreiras comerciais exige uma alta competitividade das empresas, sendo o setor de logística um dos desafios impostos às organizações como opção estratégica para otimizar seus negócios. Ballou (2006) afirma que a logística é o processo de planejamento, implantação e controle do fluxo eficiente e eficaz de mercadorias, serviços e das informações relativas desde o ponto de origem até o ponto de consumo com o propósito de atender às exigências dos clientes. A logística tem como objetivo através destes procedimentos, atingir um nível desejado de serviços ao cliente pelo menor custo total possível. De acordo com Vargas (2008), estudos recentes reforçam a importância da logística para a eficiência das empresas e, aliada às diversas funções logísticas, destaca-se a função de transporte. A gestão do transporte visa, entre outros objetivos, a satisfação do cliente e a diminuição dos custos para a empresa. O setor de transportes é responsável pela movimentação de mercadorias com a garantia de integridade da carga, a entrega no prazo combinado e custos reduzidos. Para se chegar a esses objetivos, no entanto, é necessária a aplicação de práticas administrativas que venham ao encontro da necessidade das empresas, para alcançar o desenvolvimento econômico objetivado e próximo da realidade brasileira (BALLOU, 2007). Em função da importância da logística e dos transportes, Ballou (2007) alega que hoje é necessário criar e sustentar vantagens competitivas para proporcionar o

11 11 surgimento de novos negócios com o intuito de reduzir custos e tornar os produtos e serviços mais competitivos. A partir das dificuldades em otimizar os processos logísticos, surgiu a terceirização. Esta ganha destaque e se solidifica como uma das atividades mais eficientes na racionalização de recursos humanos, tanto em serviços diversos quanto serviços específicos como o de transportes. Desta maneira, surge nas empresas a decisão de operar com frota própria ou terceira, levando em consideração alguns fatores com diferenciais vantajosos. Para Bertaglia (2006), a decisão de operar ou não com frota própria, tem que levar em conta vários fatores, como nível de serviço ao cliente, flexibilidade, controle, habilidades administrativas e retorno do investimento. Empresas possuidoras de veículos próprios, segundo ele, precisam seguir práticas importantes para manterem-se competitivas no mercado. Julga-se correto afirmar que a terceirização do transporte rodoviário é quase unânime, exceto em casos específicos, como a melhor forma de reduzir custos, simplificar o processo logístico e manter um bom nível de serviço aos clientes. Assim, as empresas buscam cada dia mais, formas de maximizar suas margens reduzindo custos, através da terceirização do transporte. Diante do discorrido acima, o tema escolhido para este trabalho é a terceirização logística do transporte rodoviário, mais especificamente, trata-se de um estudo de caso na empresa Stemac S/A Grupos Geradores. O desenvolvimento deste trabalho contará com uma estrutura de 7 capítulos, os quais estão distribuídos da seguinte forma: No capítulo 1, apresenta-se a introdução do trabalho, no qual é abordado o atual cenário da logística em meio a um ambiente competitivo contextualizando com a empresa objeto de estudo e a importância da tomada de decisão em relação a terceirizar a frota. No capítulo seguinte, apresenta-se a caracterização da empresa e de seu negócio. Neste capítulo é possível encontrar dados sobre a organização estudada, como o seu histórico, sua forma de atuação, principais serviços, estrutura organizacional e mercado de atuação. Além disso, é apresentada a situaçãoproblema e a justificativa do tema, destacando sua importância, oportunidade e viabilidade. O objetivo geral e os objetivos específicos da realização do trabalho estão relacionados no capítulo 3.

12 12 No capítulo 4, está exposta a revisão da literatura, apresentando os conceitos trabalhados nesta pesquisa que fizeram parte da base conceitual para a realização do trabalho. No capítulo seguinte, foi detalhada a metodologia utilizada para realizar a pesquisa do tema de estudo. Foi feita uma pesquisa qualitativa com aplicação de entrevistas com gestores da área de logística. Também foram apresentados o delineamento da pesquisa e a técnica utilizada para a coleta e análise de dados. O capítulo 6 apresenta a análise dos resultados, destacando a interpretação dos dados coletados através de entrevistas, análise de documentos e observação in loco. O último capítulo contém as considerações finais e as conclusões obtidas pelo autor através da realização deste trabalho. Nesse capítulo, o trabalho pode ser avaliado e, consequentemente, pode-se verificar se os objetivos propostos para o estudo foram atingidos. Posteriormente, estão explícitas as referências que foram utilizadas para realização do trabalho. E, por fim, o apêndice, composto pelos roteiros das entrevistas com os gestores de logística, as tabelas de respostas e as tabelas de conceitos utilizadas para a triangulação dos dados.

13 13 2 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA Todos os trabalhos de pesquisa iniciam com algum tipo de indagação ou problema, no entanto sempre se deve deixar claro o significado desse problema. De acordo com Vergara (2007, p. 21) problema é uma questão não resolvida, é algo para o qual se vai buscar resposta, via pesquisa. Mas antes de definir o problema de pesquisa acredita-se relevante apresentar as informações mais importantes sobre a empresa Stemac. Conforme Roesch (2009), a caracterização da organização é importante na pesquisa, pois apresenta o contexto onde a mesma está inserida, auxiliando a compreender as mudanças organizacionais, ambientais e de competitividade. Na sequência, também será contextualizada a situação problemática da pesquisa, seguido da justificativa da mesma. 2.1 Caracterização da organização e do seu ambiente A empresa Stemac S/A Grupos Geradores foi fundada em 28 de dezembro de Ela está localizada na avenida Sertório, número 905, no bairro Navegantes, na cidade de Porto Alegre. Iniciou sua trajetória comercializando acessórios, peças para automóveis importados e pequenos motores a gasolina. A partir da década de 60, devido à importância da energia no contexto econômico brasileiro, iniciou a fabricação de grupos geradores e, desde então, atua neste segmento de energia, no qual é líder nacional. Oferece acompanhamento integral tanto no projeto, na fabricação, na instalação, nas peças, quanto nos serviços, garantindo um elevado nível de serviço satisfazendo as necessidades de seus clientes. A identidade organizacional da Stemac é estabelecida através de missão, visão e valores, que seguem abaixo: Missão: Oferecer soluções em energia, com grupos geradores movidos pelos mais diversos combustíveis. Atuar com responsabilidade socioambiental, promovendo o crescimento e a realização profissional, financeira e pessoal de cada colaborador, garantindo retorno adequado aos acionistas.

14 Visão: Manter-se líder no mercado brasileiro, tornando-se referência mundial no fornecimento de soluções energéticas, até o ano de Valores: Respeito ao cliente: Garantir produtos e serviços eficazes, com tecnologia de ponta e que atendam a real necessidade do cliente; Respeito aos colaboradores: Oferecer o melhor ambiente de trabalho, proporcionando crescimento pessoal e profissional, gerando orgulho e satisfação aos que fazem parte do nosso quadro de colaboradores; Parceiros: Fortalecer as relações com nossos clientes, fornecedores e colaboradores, propiciando o crescimento e perpetuação do negócio; Eficácia: Buscar constantemente o aprimoramento tecnológico dos nossos produtos, serviços e processos, por meio de treinamentos, pesquisas, alianças e estratégias; Ética, Responsabilidade Social e Sustentabilidade: Manter índices de elevada rentabilidade no negócio, sem prejuízo da ética nas relações com todos os públicos. Gerar emprego e renda, mantendo e criando novos projetos de inclusão social, respeitando o meio ambiente e assegurando sua integridade às gerações futuras. Em relação aos produtos da Stemac, o principal produto é o grupo motor gerador (GMG), que consiste em um sistema de geração de energia formado por um motor, podendo ser movido por óleo diesel, gás natural, bio gás ou combustível, e por um alternador que é responsável pela geração de tensão para o fornecimento de energia em diversas demandas, montados sobre uma base metálica. Os demais produtos fabricados pela empresa são: carenados e silenciados, sistema de controle de força, motobombas, motores GE, sistemas de filtragem, duogen, banco de cargas resistivas, UPS diesel, atenuação acústica. Os grupos geradores produzidos pela Stemac podem ser destinados a diversas aplicações, como: indústrias, hospitais, construção civil, condomínios, empresas de telecomunicação, entre outros.

15 15 Desde a sua inauguração, já foram comercializados mais de grupos geradores. Caracteriza-se por possuir uma equipe de vendas diretas, isto é, todos os vendedores são funcionários não comissionados e tem uma frota própria para realizar a entrega dos equipamentos. Possui a maior estrutura de atendimento, com 38 filiais estrategicamente distribuídas pelo Brasil, totalizando m 2 de área das filiais e mais m 2 na matriz. O total de funcionários ultrapassa e ainda possui parcerias com os maiores fabricantes mundiais de motores a diesel, a gás e óleo combustível. A Stemac possui hoje apenas uma unidade fabril, no entanto está construindo em Itumbiara (GO) a sua 2º unidade com previsão de iniciar o funcionamento em Tem também um centro de distribuição localizado estrategicamente nos arredores do aeroporto, no qual armazena GMG s (grupos geradores) produzidos, insumos e serve como base da Logística, com a finalidade de expedir os produtos até o cliente, com transporte próprio. É organizada em divisões, isto é, por áreas conforme o organograma a seguir: Figura 1 Organograma da Stemac S/A Grupos Geradores Fonte: Elaborado pelo autor, A Stemac S/A Grupos Geradores detém mais de 65% do mercado brasileiro de grupos geradores conforme seu diretor Administrativo financeiro Valdo Marques. Dessa forma, atingiu uma receita bruta em 2010 de R$ 887 milhões. Atua com foco no mercado nacional, porém tem crescido no volume de vendas no mercado internacional, exportando para 17 países.

16 Definição do problema É cada vez mais visível no meio logístico a terceirização do transporte rodoviário de cargas. Tal realidade está sendo implantada por muitas empresas na distribuição logística, buscando diferenciais principalmente para aumentar a competitividade em relação aos concorrentes, frente aos desafios que o mercado impõe a fim de garantir lucratividade e rentabilidade para as mesmas. Na busca de diferenciais em relação ao mercado, Wanke (2004) afirma que a inovação tornou-se indispensável para a sobrevivência das empresas. Os serviços de terceirização, tanto de processo quanto de atividades têm-se mostrado como uma das fontes importantes de inovação na tentativa de diferenciação competitiva das empresas. Devido a isso, cada vez mais as empresas percebem a necessidade de possuir estratégias voltadas para a logística no setor de transportes, buscando vantagens e correndo riscos em prol do sucesso. Em função da busca dessas inovações e vantagens estratégicas, o desenvolvimento econômico brasileiro está em alta, atingindo em 2011 um PIB de R$ 4,1 trilhão, segundo o IBGE. O transporte rodoviário de cargas surge como o principal modal, representando mais de 60% do volume de mercadorias movimentadas no Brasil, com seu custo totalizando cerca de 12,75% do PIB do país conforme Figueiredo, Fleury e Wanke (2006). Dessa forma, fica clara a corrida das empresas em busca da estruturação de um modelo de terceirização da atividade de transporte, estabelecendo assim uma posição de destaque para a gestão de transportes, isto é, criando a possibilidade de reduzir os custos de transportes e armazenagem, melhorando o nível de serviço prestado. Com o mercado cada vez mais competitivo e focado em otimizar os processos através de estratégias inovadoras, como a terceirização, a empresa Stemac S/A Grupos Geradores busca uma oportunidade de melhoria na gestão de sua frota própria. A Stemac objetiva reduzir seus custos com transporte através da possibilidade de terceirizar a frota, a fim de maximizar seus resultados e garantir uma boa rentabilidade para os sócios. A partir dessa oportunidade de mercado, surge a seguinte questão: Quais as vantagens, desvantagens e riscos para a empresa Stemac com a terceirização do transporte rodoviário de carga?

17 Justificativa De acordo com Roesch (2009, p. 98) justificar é apresentar razões para a própria existência do projeto. Para a autora, essa parte do trabalho é importante, pois obriga o autor a pensar sobre a proposta de maneira abrangente e faz com que o leitor se coloque no lugar dele, se identifique com o problema, sendo possível, através da oportunidade e viabilidade, justificar sua existência e também as premissas que foram empregadas neste trabalho. Em termos gerais, é possível justificar um projeto através de sua importância, oportunidade e viabilidade (ROESCH, 2009). A justificativa baseia-se nos seguintes aspectos: quanto à importância, quanto à oportunidade, quanto à viabilidade Quanto à importância O mercado está exigindo cada vez mais das organizações, tornando-se necessário da utilização de estratégias competitivas. Uma das possibilidades encontradas por elas é atuar na logística, já que tem uma representação significativa nas operações. Dessa maneira, há a necessidade de verificar quais são as vantagens, desvantagens e riscos quanto à terceirização de frota no transporte rodoviário de cargas. Acredita-se que a elaboração deste estudo é muito importante para a empresa que atualmente está com seus custos logísticos elevados e busca soluções para esse problema. De igual modo, contribuirá para a formação do autor, que colocará em prática parte do conhecimento adquirido durante sua vida acadêmica. Enfim, este trabalho oferece uma oportunidade de crescimento tanto para a empresa Stemac quanto para o autor Quanto à oportunidade O desenvolvimento deste trabalho será oportuno à empresa, uma vez que necessita acompanhar as mudanças do mercado, criando assim possibilidade de crescimento. Este estudo possibilitará que a empresa conheça as vantagens, desvantagens e os riscos de terceirizar sua frota, e desta forma, possa decidir qual a

18 estratégia adequada para melhorar o desempenho financeiro, otimizando os custos logísticos Quanto à viabilidade O trabalho é viável devido ao interesse da empresa em encontrar uma solução para o baixo desempenho em seus resultados na área específica deste estudo. Deve-se ressaltar que para a realização do trabalho não houve nenhum custo extra para a empresa, pois todas as informações necessárias foram coletas mediante literatura existente em livros, pesquisas na internet, em revistas, questionários e demais informações fornecidas pela empresa Stemac S/A Grupos Geradores que utilizará o resultado para estudos futuros na divisão logística da empresa.

19 19 3 OBJETIVOS O presente capítulo apresenta os objetivos propostos neste trabalho. Num primeiro momento procurou-se identificar o objetivo geral da pesquisa e, em seguida, os objetivos específicos, objetivos estes que complementam o objetivo geral. Entende-se que ao definir o objetivo geral, você define a primeira etapa do seu projeto. Vergara (2007) define que se o problema é uma questão a investigar, então objetivo é um resultado a alcançar. Complementa ainda que se o objetivo final for alcançado, dará resposta ao problema. 3.1 Objetivo geral Identificar as vantagens, desvantagens e os riscos da terceirização do transporte rodoviário de carga na empresa Stemac. 3.2 Objetivos específicos a) Identificar os ganhos competitivos com a utilização da terceirização do transporte rodoviário pela empresa Stemac; b) Avaliar o impacto da terceirização do transporte rodoviário junto aos clientes da empresa Stemac; c) Apresentar oportunidades de melhoria no processo de terceirização de transporte rodoviário na empresa Stemac.

20 20 4 REVISÃO DE LITERATURA Conforme Roesch (2009, p. 105), através do referencial teórico é que se permite levantar soluções alternativas, de forma a dimensionar e qualificar a situação problema em estudo. Desta forma, o referencial teórico tem a intenção de apresentar proposições teóricas dos principais conceitos, que deram base a este estudo, extraídas de diversas publicações, visando embasar o seu desenvolvimento. 4.1 Evolução e conceito de logística O conceito de logística existe há muito tempo, é essencialmente ligado às operações militares, as quais deram origem ao nome. Os militares precisavam deslocar suas tropas, equipamentos, munição, socorro médico para os campos de batalha, porém por se tratar de um serviço de apoio, os grupos logísticos não se destacavam perante o restante da operação (NOVAES, 2001). Assim, é conexo afirmar que a concepção de logística surgiu durante a Segunda Guerra Mundial, através dos militares americanos, que a utilizavam como estratégia militar. Ballou (2006) afirma que, segundo uma definição dicionarizada do termo, logística seria o ramo da ciência militar que lida com a obtenção, manutenção e transporte de material, pessoal e instalações. No entanto, essa definição inseriu a logística num contexto militar, diferindo dos objetivos e atividades empresariais. Conceituando logística empresarial, Ballou (2006, p. 27) afirma que logística é o processo de planejamento, implantação e controle do fluxo eficiente e eficaz de mercadorias, serviços e das informações relativas desde o ponto de origem até o ponto de consumo com o propósito de atender às exigências dos clientes. Outra definição de logística bastante precisa é que a: Logística é o processo de gerenciamento estratégico da compra, do transporte e da armazenagem de matérias-primas, partes e produtos acabados (além dos fluxos de informações relacionados) por parte da organização e de seus canais de marketing, de tal modo que a lucratividade atual e futura seja maximizada mediante a entrega de encomendas com o menor custo associado (FARIA; COSTA, 2009, p. 16).

21 21 De acordo com Fleury, Wanke e Figueiredo (2008), a logística é um paradoxo sendo, ao mesmo tempo, um conceito gerencial dos mais modernos e uma das atividades econômicas mais antigas. Já Faria e Costa (2009) entendem que logística é o processo de gerenciar, estrategicamente, a aquisição, movimentação e armazenagem de materiais, peças e produtos acabados (e os fluxos de informações correlatas) por meio da organização e seus canais de Marketing, de modo a poder maximizar as lucratividades presentes e futuras através do atendimento dos pedidos a baixo custo. Considerada um elemento de grande importância para o aumento da competitividade e redução de custos nas empresas, a logística hoje é um conceito em constante evolução, passando por desafios de ordem global, como a necessidade de atualizar sua tecnologia com vistas a percorrer distâncias maiores em menor tempo (BALLOU, 2006). Em relação ao discorrido acima, Faria e Costa citam que: A logística é parte do processo da Cadeia de Suprimentos que planeja, implementa e controla, de forma eficiente e eficaz, a expedição, o fluxo reverso e a armazenagem de bens e serviços, assim como o fluxo de informações relacionadas entre o ponto de origem e o ponto de consumo, com o propósito de atender às necessidades dos clientes (FARIA; COSTA, 2009, p. 16). Assim, após mais de cinquenta anos de logística e seus benefícios, pode-se perceber a sua evolução e importância nos dias atuais. A sua ideia não é apenas de transporte e armazenagem de produtos, hoje é o ponto nevrálgico da cadeia produtiva integrada, afirma Novaes (2001, p. 31). As equipes de logística não são mais percebidas como responsáveis pela função de entregar produtos, mas sim por agregarem valor substancial ao produto com serviços modernos e por elevarem a boa imagem das empresas pelo cumprimento de prazos e redução da quantidade de avarias em mercadorias. Ballou (2006) apresenta o conceito de logística como uma função composta de três áreas (transportes, estoques e localização) que, conjuntamente, têm por objetivo atender o cliente em um nível de serviço especificado. Este conceito é simbolizado por um triângulo onde cada face é representada por uma área (transportes, estoques e localização) e no centro do triângulo está nível do serviço, o objetivo da logística.

22 22 Portanto, a logística é uma gestão voltada para atividades coordenadas e integradas, buscando sempre a eficiência, ou seja, a melhor utilização dos recursos, por meio da otimização de seus processos, visando à redução de custos e à satisfação de seus clientes Papel do transporte na estratégia logística O transporte tem um papel de extrema importância tanto para a economia quanto para as empresas, detalhando características de custo, confiabilidade dos principais modais, como também a adequação aos diferentes tipos de operação. Pode se afirmar que o transporte é uma das principais funções logísticas, representa a maior parcela dos custos logísticos nas organizações e também tem um grande impacto nos serviços ao cliente (FLEURY; WANKE; FIGUEIREDO, 2008). Segundo Ballou (2007), a administração de transportes é o braço operacional da função de movimentação que é realizada pela atividade logística cujo objetivo é assegurar que o serviço de transporte seja realizado de modo eficiente e eficaz. O transporte é uma das funções logísticas que possui papel fundamental nas estratégias da rede logística. As funções logísticas estão integradas entre si e não podem ser vistas de forma isolada; ao mesmo tempo, estão também integradas à função de Marketing, sendo um componente operacional importante da estratégia de Marketing. Com isso, segundo Fleury, Wanke e Figueiredo (2008, p. 127), torna-se necessária a geração de soluções que possibilitem flexibilidade e velocidade na resposta ao cliente, ao menor custo possível, gerando assim maior competitividade para a empresa. Para Bowersox, Closs e Cooper (2007) o transporte é a área operacional da logística que move e aloca geograficamente o inventário. Afirmam que as necessidades do transporte podem ser satisfeitas de três modos, primeiro através de uma frota própria, segundo por meio de contratos com especialistas em transportes e o terceiro modo é contratar serviços de uma ampla variedade de transportadoras, que ofereçam diferentes serviços de transporte, com base em embarque. Após a apresentação dos modos de transporte, fica claro que os gerentes de logística atualmente têm várias alternativas de transportes, podendo integrar o transporte com frota própria com transporte terceirizado, para reduzir custos totais da logística. Alguns transportadores terceirizados oferecem uma ampla variedade de

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Por que escolher a Oplay Logística?

Por que escolher a Oplay Logística? Por que escolher a Oplay Logística? Porque a Oplay Logística tem soluções completas e inovadoras que a sua empresa precisa. Porque a Oplay Logística oferece serviços diferenciados desenhados de acordo

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL Aline Aparecida de Oliveira, Ana Carolina da Silva, Christian Roberto de Godoy, Natália Sayuri Suzuki, Thais Rubia Ferreira

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

PROCESSOS PARA REDUÇÃO DO CUSTO

PROCESSOS PARA REDUÇÃO DO CUSTO PROCESSOS PARA REDUÇÃO DO CUSTO A BgmRodotec Empresa de tecnologia que desenvolve, implanta e presta consultoria ao Software de gestão Globus. Atuamos exclusivamente no mercado de transportes há 30 anos;

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar.

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. Serviços Scania Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS SCANIA Serviços Scania. Máxima disponibilidade do seu veículo para o melhor desempenho

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Excelência. locações e transporte Ltda. www.excelenciaguindastes.com.br

Excelência. locações e transporte Ltda. www.excelenciaguindastes.com.br www.excelenciaguindastes.com.br A Guindastes e uma empresa de Goiânia Goiás QUEM SOMOS que presta serviço em todo território nacional no segmento de Locação de Guindastes, Locação de Munck, Grupo Geradores,

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 132

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Grupo CARGO. Um jeito inteligente de fazer logística.

Grupo CARGO. Um jeito inteligente de fazer logística. Grupo CARGO Um jeito inteligente de fazer logística. Empresas do Grupo Cargo Iniciou suas atividades em 1.980 em Córdoba Argentina, prestando serviço no segmento de Transporte Nacional e Internacional.

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais