INSERÇÃO DE PROFISSIONAIS DEFICIENTES NO MERCADO DE TRABALHO: UM DEVER DE TODOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSERÇÃO DE PROFISSIONAIS DEFICIENTES NO MERCADO DE TRABALHO: UM DEVER DE TODOS"

Transcrição

1 CAFÉ SENSORIAL INSERÇÃO DE PROFISSIONAIS DEFICIENTES NO MERCADO DE TRABALHO: UM DEVER DE TODOS O Café Sensorial é um projeto da Fecomerciários, em parceria com os Sindicatos dos Comerciários e Sinprafarmas, que defende o Trabalho Decente e tem como fundamentação o princípio da igualdade de oportunidades e de condições. Através deste trabalho, divulgamos nosso posicionamento de apoio e amparo aos profissionais com deficiência, para que tenham os seus direitos atendidos e que sejam eliminadas as situações preconceituosas por parte dos empregadores, para a não contratação destes profissionais. Na cidade de São Paulo existem aproximadamente 500 mil pessoas com deficiência e esta foi uma das razões que nos moveu a buscar diferentes formas de conscientizar e de sensibilizar os empresários e a sociedade civil para a questão do cumprimento da Lei de Cotas, que fez 20 anos em No Café Sensorial, mais do que falar sobre o que é a deficiência sob a ótica do mercado de trabalho, vislumbramos sensibilizar para a criação de soluções e visualizações sobre o quanto há de oportunidade na contratação das pessoas com deficiência. Nosso objetivo é mobilizar a sociedade a valorizar as diferenças, os direitos humanos e as conquistas obtidas até hoje pelos trabalhadores, pois entendemos a necessidade de comprometimento com a causa, para que as contratações destes profissionais não sejam feitas apenas pela obrigatoriedade imposta pela lei, mas por senso de fraternidade, altruísmo e cidadania. Por essa razão, já realizamos 25 Cafés Sensoriais, todos com sucesso. E é no dia seguinte de cada participante que se vê a diferença. Diferença no engajamento, liderança e na valorização do Sindicato. LUIZ CARLOS MOTTA Presidente da Fecomerciários 3

2 COMPROMISSO O presente trabalho tem como compromisso a reflexão sobre a importância da inclusão social de pessoas com deficiência. DIREITO À ACESSIBILIDADE A acessibilidade é uma das principais bases de inclusão social das pessoas com deficiência, compreendendo a retirada de barreiras, obstáculos em vias, espaços privados ou públicos, e nos meios de transportes. Essa é a ú nica maneira de dar eficácia aos comandos constitucionais. Sem o respeito a essa garantia, não se pode falar em direito de ir e vir e nem ao menos seria possível falar em direitos das pessoas com deficiência. 4

3 DIREITO AO ESPORTE, TURISMO E LAZER Todas as pessoas com deficiência devem ter o direito à prática desportiva e à recreação. Estas são as condições que dizem respeito à qualidade de vida, sendo direito de todos. Naturalmente, deve-se atender às diferenças e peculiaridades das pessoas, para que essas atividades sejam desenvolvidas. DIVERSIDADE: O PARADIGMA DO NOVO MILÊNIO As relações entre as pessoas vêm, gradativamente, assimilando as suas diferenças, sejam elas culturais, étnicas, ideológicas ou outras que compartilhadas, só irão enriquecer a aprendizagem de novos valores. Todavia, esse processo é complexo, uma vez que, o comum, o familiar promove a identificação e nos traz segurança. Atitudes de preconceito e intolerância entre os homens estão presentes em longa data e, o momento atual é favorável ao questionamento mais crítico, fortalecendo os princípios dos direitos humanos. Dracena 5

4 A não aceitação das diferenças de credo, raça, cultura, de orientação sexual, condição física ou mental, infelizmente, tem condenado muitos grupos de pessoas à marginalização social. Em uma sociedade competitiva como a nossa, onde a eficiência e a produtividade são condições para a ascensão social e econômica, como uma pessoa com deficiência poderá atingir um status de igualdade? Como a pessoa com deficiência sobrevive à falta de acessibilidade aos bens e aos serviços oferecidos por essa sociedade? A questão da normalidade é definida com base num padrão médio de parte da população e segue um modelo estatístico, ou seja, os que desviam da chamada curva do sino são uma minoria e a sociedade é feita para uma maioria. Seria utopia pensar em uma sociedade para todos? Parece que a humanidade está, finalmente, refletindo sobre o fato de que nunca fomos iguais. Somos e sempre seremos diferentes. Isso é real, natural e a diversidade entre os homens é que garante a importância da originalidade de cada um de nós e o respeito à nossa individualidade. Tratar com igualdade as diferenças e aplicar medidas justas, da desigualdade, constitui-se um pilar da democracia. 6 São José do Rio Preto

5 No Brasil, o Decreto nº 3298, de 20 de dezembro de 1999, regulamenta a Lei nº 7853, de 24 de outubro de 1989, e dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. O respaldo legal para o movimento de inclusão da pessoa com deficiência no trabalho se apoia no sistema de cotas ou de reserva de mercado, que prevê um número determinado de vagas a serem preenchidas por essas pessoas. Art. 93. A empresa com 100 ou mais empregados está obrigada a preencher de 2% (dois por cento) a 5% (cinco por cento) dos seus cargos com beneficiários reabilitados ou pessoas portadoras de deficiência na seguinte proporção: I- De 100 a 200 empregados... 2% II- De 201 a 500 empregados... 3% III- De 501 a 1001 empregados... 4% IV- De 1001 em diante... 5% Parágrafo primeiro : A dispensa do trabalhador reabilitado ou do deficiente habilitado ao final do contrato por prazo determinado de mais de 90 (noventa) dias, e a imotivada, no contrato por prazo indeterminado, só poderá ocorrer após a contratação de substituto. Apesar da existência da Lei desde 1991, não havia o efetivo cumprimento e fiscalização devido à não regulamentação do órgão responsável para tal atuação. A cota é aplicada ao número total de funcionários efetivos, não sendo considerados funcionários, terceirizados ou estagiários. Ex: Se uma empresa possuir 200 funcionários, sendo 30 temporários e 10 estagiários, o cálculo da cota será realizado sobre o número de 160 efetivos (cota de 2% = 3,2 = 4 funcionários). 7

6 DECRETO Nº DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004 Do Atendimento Prioritário Art. 5 Os órgãos da administração pública direta, indireta e fundacional, as empresas prestadoras de serviços públicos e as instituições financeiras deverão dispensar atendimento prioritário às pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida. 1 Considera-se, para os efeitos deste Decreto: I- pessoa portadora de deficiência, além daquelas previstas na Lei nº , de 16 de Junho de 2003, a que possui limitação ou incapacidade para o desempenho de atividade e se enquadra nas seguintes categorias: a) Deficiência Física: alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, hemiparesia, tetraplegia, 8 O Execício de perceber texturas diferentes

7 Itapetininga tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, ostomia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, nanismo, membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções; b) Deficiência Auditiva: Perda bilateral, parcial ou total, de quarentena e um decibéis (db) ou mais, aferida por audiograma nas freqüências de 500Hz, 1.000Hz, 2.000Hz e 3.000Hz; c) Deficiência Visual: Cegueira, na qual a acuidade visual é igual ou menos que 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica, a baixa visão, que significa acuidade visual entre 0,3 e 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; os casos nos quais a somatória da medida do campo visual em ambos os olhos for igual ou menor que 60 ou a ocorrência simultânea de quaisquer das condições anteriores; d) Deficiência Mental: Funcionamento intelectual significativamente inferior à média; com manifestação antes dos dezoito anos e limitações associadas as duas ou mais áreas de habilidades adaptativas, tais como: 9

8 1. Comunicação 2. Cuidado Pessoal 3. Habilidades Sociais 4. Utilização dos recursos da Comunidade 5. Saúde e Segurança 6. Habilidades Acadêmicas 7. Lazer 8. Trabalho. e) Deficiência Múltipla: Associação de duas ou mais deficiências. COMO CONVIVER COM AS DIFERENÇAS? NECESSIDADE DE APOIO E ORIENTAÇÃO BÁSICA Em relação à autonomia e independência pessoal das pessoas com deficiência, muitas de suas necessidades de apoio são respondidas pelo desenvolvimento da tecnologia, que tem reduzido grande parte das limitações enfrentadas por elas. 10

9 Hoje, uma pessoa com deficiência visual pode trabalhar com o computador, pois existem adaptações às suas limitações como softwares e auxílios ópticos como a lupa, tele lupa, que são apoios importantes para quem tem visão subnormal. Toda a nova geração das órteses e próteses ortopédicas têm ajudado em muito a qualidade de vida das pessoas com limitação física. As pessoas com surdez encontram aparelhos auditivos que melhoram a capacidade auditiva residual, possuem adaptações em aparelhos telefônicos, despertador, ganham atenção especial de meios de comunicação, com tradução em língua de sinais em alguns programas de televisão ou serviços especiais de telefonia. a) Pessoa com Deficiência Física Usa cadeira de rodas: A cadeira é parte integrante do espaço corporal da pessoa com deficiência e as pessoas devem tomar cuidado para não tocá-la sem prévia autorização sobre a melhor forma de fazê-lo. É importante observar a organização dos locais por onde transitam cadeiras de roda, entulhos disposição de móveis, entre outras questões que dificultam o acesso. Quando houver a necessidade de auxílio em locais que 11

10 tenham rampas com inclinação acentuada ou degraus, faça-o com a cadeira em marcha ré. Este procedimento evitará que a pessoa perca o equilíbrio e sofra uma queda. Quando conversar por um tempo prolongado com a pessoa em cadeira de rodas, procure sentar-se para evitar incômodos para ambos. Cotidianamente usamos palavras e expressões do tipo, por onde você andava, caminhar, vamos nos acomodar, entre outras. As pessoas com deficiência em cadeira de rodas também as utilizam. Procure informar-se, antecipadamente, sobre a acessibilidade dos locais que pretende freqüentar na companhia de pessoas em cadeiras de rodas. Ao caminhar, procure acompanhar o ritmo das pessoas que utilizam próteses ou muletas. Caso seja solicitado a guardar muletas, bengalas ou outros recursos, não os posicione longe do usuário. 12 Trabalho em equipe

11 b) Pessoa com Deficiência Visual Identifique-se à pessoa quando aproximar-se, deixando claro que está falando com ela. Ofereça seu braço para guiá-la, não puxe pela mão ou braço, pois isso tira-lhe a possibilidade de acompanhar os movimentos do seu corpo, dificultando, assim, a percepção de obstáculos deixando-a insegura. Quando for sentar-se, posicione as mãos da pessoa com deficiência visual sobre o braço ou encosto da cadeira. Quando for sentar-se, comunique a pessoa para que ela saiba que ficará sozinha. Expressões como olha, você é uma pessoa de visão, são utilizadas no cotidiano de todas as pessoas, inclusive, de deficientes visuais. É bom saber que nem sempre as pessoas com deficiência visual necessitam de ajuda para locomover-se. 13

12 d) Pessoa com Deficiência Mental c) Pessoa com Deficiência Auditiva Fale sempre de frente para que a pessoa possa observar a articulação de seus lábios. Procure falar com clareza e articulr as palavras, mantendo o ritmo normal. Caso a pessoa não entenda, solicitará que você repita pausadamente a informação. Não utilize recursos como psiu, estalar de dedos para chamar a atenção de pessoa com deficiência auditiva, caso seja necessário, toque-a no braço. O ato de falar deve ser acompanhado com expressividade, pois a leitura de lábios não identifica sentimentos. Seja claro ao transmitir informações, não deixando nada subentendido ou em entrelinhas. Trate-a de acordo com sua idade, evitando um comportamento infantilizado no trato com adolescentes ou adultos com deficiência mental. Não subestime sua capacidade de aprender. Não as ignore, trate-as com naturalidade. 14

13 DICAS Deficiente Auditivo Não diga, nem escreva: mudinho, surdo-mudo. Diga e escreva: pessoa surda, pessoa com deficiência auditiva. Deficiente Visual Não diga, nem escreva: ceguinho, ela é cega, mas mora sozinha. Diga e escreva: Pessoa cega, pessoa com deficiência visual. Paralisado Cerebral Não diga, nem escreva: Paralisia cerebral é uma doença, ele teve paralisia cerebral; o paralisado cerebral. Diga e escreva: Paralisia cerebral é uma condição; ele tem paralisia cerebral, a pessoa com paralisia cerebral. Deficiente Físico Não diga nem escreva: Aleijado, defeituoso, paralítico; Ele sofre de paralisia infantil; Ele foi vítima de paralisia infantil; Pessoa presa, confinada, condenada a uma cadeira de rodas ou muletas. Diga e escreva: Pessoa com deficiência física; Ele teve paralisia infantil; Pessoa em cadeira de rodas; Pessoa que anda em cadeira de rodas; Pessoa que usa cadeira de rodas ou muletas. 15

14 CONCLUSÃO Enfim, a luta pela igualdade de oportunidades nunca deverá ser confundida com privilégios a favor de pessoas com deficiência. Pelo contrário eliminar obstáculos, dificuldades, diferenças e preconceitos. Tudo isso não consiste apenas em direito de todos nós, até porque qualquer um de nós pode algum dia na vida já ter passado ou vir a passar por alguma condição deficitária, como a própria idade avançada, que traz limitações. Mas se conferirmos condições concretas e efetivas para que as pessoas todas elas,sem limitações, possam desenvolver-se no limite de suas aptidões, teremos condições de eficiência e não de deficiência para todos. ISTO É CIDADANIA 16

15 Federação dos Empregados no Comércio do Estado de São Paulo Fecomerciários Equipe Luiz Carlos Motta - Presidente Paulo José de Lara Dante - Coordenador e Autor da Apostila Thais Scaglione - Coordenadora da área de Comunicação. Rodrigo Chinelatto - Projeto Gráfico Verena Raymundo - Revisão Tiragem: xxxxxx exemplares Sede: Rua dos Pinheiros, 20 - Bairro dos Pinheiros - CEP: São Paulo Telefone (0xx11) Telefax: Subsede São José do Rio Preto: Av Lino José de Seixas, 395 CEP: São José do Rio Preto/SP Telefax: (0xx17)

16 Prezados amigos, Fico feliz por ter participado de vinte e seis edições do programa Café Sensorial, desenvolvido pela Fecomerciários e pelos Sindicatos dos Empregados no Comércio do Estado de São Paulo, que nos permitiu e permite vivenciar, sensibilizar e refletir sobre a inserção do profissional com deficiência no mercado de trabalho. Que alívio! É o que se ouve das pessoas que tiram o tapa-olho após experimentar as situações por quais passam os deficientes visuais. É bom ver como reagem diante da experiência e como a percepção da audição, do tato, do olfato aflora e, ao mesmo tempo, ficam claras as emoções como medo e alegria. Tudo isso em apenas cinco minutos de passeio, que se tornam inesquecíveis ao lado de um guia que, ao final, suscita um invariável comentário: Não sabia quão importante era o outro. Posso afirmar que o Café Sensorial conscientiza todos aqueles que, de uma maneira ou de outra, contribuirão para a inserção de profissionais com deficiência no mercado de trabalho. Reconheço, no entanto, que em certas situações, a inclusão se torna um desafio, pois há uma arraigada e lamentável cultura que gera preconceitos e dúvidas quanto à capacidade destas pessoas para o setor produtivo. 18

17 Nesse sentido, o Café Sensorial é um caminho que possibilita aclarar o pensamento da sociedade quanto à eficiência de profissionais deficientes. Isso faz com que os empregadores tenham uma nova concepção sobre esse tipo de trabalhador. Além da pauta de inserção no mercado de trabalho, o Café Sensorial traz à tona a discussão sobre a qualidade de vida. E, nesse contexto, procura explicar que sem acessibilidade, ou seja, obras e serviços de adequação dos espaços para a mobilidade de toda a população, ela não existirá. Encerrando, permitam-me, caros amigos, agradecer a adesão a esta luta e reforçar minha convicção quanto às possibilidades profissionais de um deficiente. Quando assisto as apresentações no início de cada Café Sensorial e, também as Paraolimpíadas, fico abobalhado diante de tamanha capacidade. A superação de cada deficiente só reforça o meu pensar. Estou certo de que os mais de dois mil participantes dos Cafés Sensoriais gostariam de parabenizar o presidente da Fecomerciários, Luiz Carlos Motta, pelas mudanças que o programa produz nos próprios participantes e, consequente mente, no mercado profissional. Paulo José de Lara Dante Coordenador da área de Educação e Responsabilidade Social 19

18

19

20

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO TRABALHO

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO TRABALHO INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO TRABALHO COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção da Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho Criada em 28/10/2002, com o objetivo

Leia mais

LEI BRASILEIRA DE INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E O SISTEMA DE COTAS.

LEI BRASILEIRA DE INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E O SISTEMA DE COTAS. LEI BRASILEIRA DE INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E O SISTEMA DE COTAS. Entra em vigor nesse mês a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência - Lei 13.146/2015, sancionada em julho e publicada

Leia mais

Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação Deficiência Deficiência Estabelecidos pelo Decreto Federal 3.298 de 20 de dezembro de 1999 (art. 3º, I e 4 ), que foi alterado pelo Decreto 5.296 de 02 de dezembro de 2004. É todo e qualquer comprometimento

Leia mais

LEI N 511, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI N 511, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009. Pág. 1 de 7 LEI N 511, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009. CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, no uso das atribuições

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO E DA TERMINOLOGIA CONSTITUIÇÕES ANTERIORES: - DESVALIDOS; - EXCEPCIONAIS. COMENTÁRIOS SOBRE

CLASSIFICAÇÃO EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO E DA TERMINOLOGIA CONSTITUIÇÕES ANTERIORES: - DESVALIDOS; - EXCEPCIONAIS. COMENTÁRIOS SOBRE COMENTÁRIOS SOBRE A AVALIAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E INCAPACIDADES NA PERSPECTIVA DE UMA NOVA CLASSIFICAÇÃO NO BRASIL COORDENADORIA NACIONAL PARA INTEGRAÇÃO DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA CORDE

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 2597, DE 22 DE SETEMBRO DE 2003. Regulamenta a Lei n.º 8.160, de 31 de março de 2003, que dispõe sobre a Política Municipal de Atenção às Pessoas

Leia mais

VSB-Acess. Natureza e Objetivo: Ações da VSB - Acess envolvem: Público-Alvo:

VSB-Acess. Natureza e Objetivo: Ações da VSB - Acess envolvem: Público-Alvo: Titulo 1 VSB-Acess Natureza e Objetivo: Organização Sem Fins Econômicos, Captadora de Recursos para Execução de Projetos em Acessibilidade, Inclusão Social e Sustentabilidade Ações da VSB - Acess envolvem:

Leia mais

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva Instituto Paradigma O Instituto Paradigma é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), dedicada a desenvolver e implementar projetos nas

Leia mais

A PESSOA COM DEFICIENCIA E O TRABALHO APAMT 25-10 - 2014

A PESSOA COM DEFICIENCIA E O TRABALHO APAMT 25-10 - 2014 A PESSOA COM DEFICIENCIA E O TRABALHO APAMT 25-10 - 2014 PERIODIZAÇÃO DA HISTÓRIA IDADE ANTIGA 4000AC A 476 DC (Queda do Império Romano do Ocidente) IDADE MÉDIA 476 DC A 1453 (Queda do Império Romano do

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE E DADOS COMPLEMENTARES

IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE E DADOS COMPLEMENTARES ANEXO III LAUDO DE COMPROVAÇÃO DE DEFICIÊNCIA AUDITIVA E/OU VISUAL Serviço Médico/Unidade de Saúde: CNES: IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE E DADOS COMPLEMENTARES Nome: Data de Nascimento: / / Sexo: Feminino

Leia mais

PERÍCIA É O EXAME, VISTORIA OU AVALIAÇÃO DE COISAS OU PESSOAS, MATÉRIA, COM A FINALIDADE DE DAR UM PARECER TÉCNICO E CONCLUSIVO.

PERÍCIA É O EXAME, VISTORIA OU AVALIAÇÃO DE COISAS OU PESSOAS, MATÉRIA, COM A FINALIDADE DE DAR UM PARECER TÉCNICO E CONCLUSIVO. A PERÍCIA E OS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE PERÍCIA MÉDICA PERÍCIA E JUSTIÇA SOCIAL Novembro de 2008 MARCO AURÉLIO DA SILVA CESAR PERÍCIA PERÍCIA É O EXAME, VISTORIA

Leia mais

Mercado de Trabalho Diversidade Contratação de Profissionais com Deficiência

Mercado de Trabalho Diversidade Contratação de Profissionais com Deficiência Mercado de Trabalho Diversidade Contratação de Profissionais com Deficiência 1. Pessoas com deficiência: quem são? 1.1 Diversidade: o paradigma do novo milênio 1.2 - Da exclusão à inclusão: uma trajetória

Leia mais

TERMO ADITIVO Nº 001/2013 AO EDITAL Nº 010/2013 PROCESSO SELETIVO Nº 010/2013. Retificação do edital alterando e incluindo os itens a seguir:

TERMO ADITIVO Nº 001/2013 AO EDITAL Nº 010/2013 PROCESSO SELETIVO Nº 010/2013. Retificação do edital alterando e incluindo os itens a seguir: TERMO ADITIVO Nº 001/2013 AO EDITAL Nº 010/2013 PROCESSO SELETIVO Nº 010/2013 Retificação do edital alterando e incluindo os itens a seguir: A SECRETARIA ESTADUAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA do Estado do Piauí

Leia mais

Acessibilidade à pessoa com deficiência

Acessibilidade à pessoa com deficiência Acessibilidade à pessoa com deficiência V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EQI-01 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de

Leia mais

Pessoas com Deficiência na Mídia: uma abordagem humanizada

Pessoas com Deficiência na Mídia: uma abordagem humanizada Pessoas com Deficiência na Mídia: uma abordagem humanizada Maria Isabel da Silva Jornalista e Gestora da Assessoria de Comunicação Institucional Daniela Loureiro Iacobucci Jornalista e Assessora de Imprensa

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO ARCON-PA Concessão de Gratuidade

MINUTA DE RESOLUÇÃO ARCON-PA Concessão de Gratuidade MINUTA DE RESOLUÇÃO ARCON-PA Concessão de Gratuidade Estabelece procedimentos complementares necessários ao cumprimento das normas do Artigo Nº. 249, VI, a, da Constituição do Estado do Pará. O DIRETOR

Leia mais

Lei Municipal Nº 172/2010 De 30 de Dezembro de 2010.

Lei Municipal Nº 172/2010 De 30 de Dezembro de 2010. Lei Municipal Nº 172/2010 De 30 de Dezembro de 2010. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência, do Município de São Francisco do Conde - CMDPPD

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO ÀS PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECÍFICAS NAC/PNE

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO ÀS PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECÍFICAS NAC/PNE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO ÀS PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECÍFICAS NAC/PNE Regulamenta o Núcleo de Atendimento e Acompanhamento às Pessoas com Necessidades Específicas NAC/PNE,

Leia mais

PROGRAMA DE INCLUSÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM SÃO PAULO SRTE/SP

PROGRAMA DE INCLUSÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM SÃO PAULO SRTE/SP 14º ENCONTRO NACIONAL DE ENFERMAGEM DO TRABALHO - ANENT PROGRAMA DE INCLUSÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM SÃO PAULO SRTE/SP DADOS DEMOGRÁFICOS Brasil

Leia mais

Diversidade & Inclusão As Pessoas com Deficiência no Mundo do Trabalho

Diversidade & Inclusão As Pessoas com Deficiência no Mundo do Trabalho Diversidade & Inclusão As Pessoas com Deficiência no Mundo do Trabalho Manual para empresas Diversidade & Inclusão As Pessoas com Deficiência no Mundo do Trabalho Manual para empresas Texto: João Ribas

Leia mais

Reserva de vagas para pessoas portadoras de deficiência em concurso público

Reserva de vagas para pessoas portadoras de deficiência em concurso público Reserva de vagas para pessoas portadoras de deficiência em concurso público B. Siqueira Chefe de Gabinete do MPC Auditor Público Externo CONVENÇÕES Convenção 111 - Decreto 62.150 de 19/01/68 (discriminação

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade A INFORMAÇÃO é fundamental para vencermos as barreiras do preconceito e da discriminação. Ao buscarmos a INFORMAÇÃO, exercitamos

Leia mais

Atendimento às pessoas com deficiência no serviço ao cidadão

Atendimento às pessoas com deficiência no serviço ao cidadão Atendimento às pessoas com deficiência no serviço ao cidadão 1 2 Apresentação Considerando a inclusão social como um processo bilateral, em que a sociedade se adapta às necessidades de seus habitantes

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE ITATUBA

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE ITATUBA ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE ITATUBA LEI Nº 407/2015 ITATUBA-PB, 11 de Março de 2015 CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE ITATUBA E INSTITUI A 1ª CONFERÊNCIA

Leia mais

A garantia de prioridade no atendimento. A criminalização do preconceito. Camila Bressanelli *

A garantia de prioridade no atendimento. A criminalização do preconceito. Camila Bressanelli * A garantia de prioridade no atendimento A criminalização do preconceito Camila Bressanelli * Antes mesmo de adentrar-se ao assunto proposto, acerca da criminalização do preconceito, vale ressaltar que,

Leia mais

Conhecendo as Pessoas Com Necessidades Especiais (PNEs) Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010

Conhecendo as Pessoas Com Necessidades Especiais (PNEs) Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Conhecendo as Pessoas Com Necessidades Especiais (PNEs) (Deficiências e Superdotação) Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Qual a diferença entre Integração, Inclusão e Desenho

Leia mais

PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO Jessica Fernanda Gonçalves Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Mariane Pereira Graduanda em Administração Faculdades

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO SETOR METALÚRGICO DE OSASCO E REGIÃO PARA A CONTRATAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NAS EMPRESAS COM 100 OU MAIS EMPREGADOS

CONTRIBUIÇÃO DO SETOR METALÚRGICO DE OSASCO E REGIÃO PARA A CONTRATAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NAS EMPRESAS COM 100 OU MAIS EMPREGADOS GERÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM OSASCO CONTRIBUIÇÃO DO SETOR METALÚRGICO DE OSASCO E REGIÃO PARA A CONTRATAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NAS EMPRESAS COM 100 OU MAIS EMPREGADOS 6ª Pesquisa

Leia mais

DECRETO Nº 3.298, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.298, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.298, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 Aprova o Programa de Atendimento a Pessoas com Necessidades Especiais da Universidade do Contestado-UnC O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições,

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2012. Manual do Usuário

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2012. Manual do Usuário 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

FISCALIZAÇÃO PCD. Joaquim Travassos Leite. Auditor Fiscal do Trabalho Coordenador do Projeto de Inserção de

FISCALIZAÇÃO PCD. Joaquim Travassos Leite. Auditor Fiscal do Trabalho Coordenador do Projeto de Inserção de FISCALIZAÇÃO PCD Joaquim Travassos Leite Auditor Fiscal do Trabalho Coordenador do Projeto de Inserção de 1 Terminologia Pessoa com deficiência ou deficiente (físico, visual, intelectual, etc.) X não deficiente.

Leia mais

Conselho de Recursos Administrativos - CORAD PROCESSO 0015-15/000002-0

Conselho de Recursos Administrativos - CORAD PROCESSO 0015-15/000002-0 Concurso Público. Serviços Notariais e Registrais. Recursos interpostos contra o indeferimento da inscrição na condição de PcD do concurso aberto pelo Edital nº 001/2013- CECPODNR. Conhecimento e improvimento

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SELEÇÃO PÚBLICA - EDITAL 001/2014 CONTRATO DE APRENDIZAGEM - JOVEM APRENDIZ GOVERNO FEDERAL - MINISTÉRIO DAS CIDADES EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A TRENSURB O Diretor-Presidente da Empresa

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal)

PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal) PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal) Altera o art. 6º da Constituição Federal para incluir o direito à Acessibilidade entre os direitos e garantias fundamentais

Leia mais

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Atendimento Educacional Especializado (AEE) O Atendimento Educacional Especializado (AEE) é um serviço da Educação Especial que organiza atividades, recursos pedagógicos

Leia mais

Inserção da Pessoa com Deficiência com Dignidade, Direitos e Obrigações DRT/SP

Inserção da Pessoa com Deficiência com Dignidade, Direitos e Obrigações DRT/SP Inserção da Pessoa com Deficiência com Dignidade, Direitos e Obrigações DRT/SP José Carlos do Carmo (Kal) Auditor Fiscal do Trabalho Médico do Trabalho Lei nº 8.213 1991 2.007 Dispõe sobre os Planos de

Leia mais

CIDADANIA. Inclusão Social: inserção dos portadores de necessidades especiais no mercado de trabalho.

CIDADANIA. Inclusão Social: inserção dos portadores de necessidades especiais no mercado de trabalho. CIDADANIA Inclusão Social: inserção dos portadores de necessidades especiais no mercado de trabalho. Acadêmicos: Dandara Matchelly Fonseca Silva Gustavo Henrique de Oliveira Amaral Harley Guedes Félix

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade Devemos respeitar as pessoas exatamente como elas são. O respeito à diversidade humana é o primeiro passo para construirmos

Leia mais

Portadores de necessidades especiais: trabalhando com saúde. Lailah Vasconcelos de Oliveira Vilela

Portadores de necessidades especiais: trabalhando com saúde. Lailah Vasconcelos de Oliveira Vilela Portadores de necessidades especiais: trabalhando com saúde Lailah Vasconcelos de Oliveira Vilela Quem são as pessoas com necessidades especiais? Todos nós!!! Termos Pessoa Portadora de Deficiência x Pessoa

Leia mais

LEI DA ACESSIBILIDADE

LEI DA ACESSIBILIDADE Foi do entendimento dos representantes da comunidade brasilandense que havia urgência de se colocar em prática as normas de acessibilidade, sobretudo nos empreendimentos e bens públicos, como também dos

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DE ACESSIBILIDADE POR CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA E OUTRAS CONDIÇÕES ESPECIAIS COMPERVE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DE ACESSIBILIDADE POR CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA E OUTRAS CONDIÇÕES ESPECIAIS COMPERVE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN NÚCLEO PERMANENTE DE CONCURSOS COMPERVE COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO A ESTUDANTES COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS CAENE MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR: PORTADOR DE NECESSIDADES FÍSICAS ESPECIAIS E A VIOLAÇÃO DOS DIREITOS

INCLUSÃO ESCOLAR: PORTADOR DE NECESSIDADES FÍSICAS ESPECIAIS E A VIOLAÇÃO DOS DIREITOS INCLUSÃO ESCOLAR: PORTADOR DE NECESSIDADES FÍSICAS ESPECIAIS E A VIOLAÇÃO DOS DIREITOS Jéssica C. Medeiros SILVA 1 Maisa Roberta GONÇALVES 2 Sandra R. Sakamoto TOLOSA 3 RESUMO: O presente estudo traz à

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes

Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes Instituto Municipal Helena Antipoff Educação Especial no Município do Rio de

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO Nº 002/2015-CGPMCMV/PMM

EDITAL DE SELEÇÃO Nº 002/2015-CGPMCMV/PMM EDITAL DE SELEÇÃO Nº 002/2015- NORMAS PARA SELEÇÃO DE CANDIDATOS INSCRITOS NO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PARA O RESIDENCIAL JARDIM AÇUCENA. A PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPÁ, por meio do COMITÊ GESTOR

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Maria Izabel do Amaral Sampaio Castro 8.ª Promotora de Justiça de São Caetano do Sul miasc@mp.sp.gov.br (11) 4238-8757 1 TERMINOLOGIA 1) Pessoa PORTADORA de Deficiência:

Leia mais

Política de Inclusão da Pessoa com Deficiência: Referências de Legislações / Normativas e textos

Política de Inclusão da Pessoa com Deficiência: Referências de Legislações / Normativas e textos Política de Inclusão da Pessoa com Deficiência: Referências de Legislações / Normativas e textos 2 Edição Revisada e Ampliada SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL GERENCIA DE PROTEÇÃO SOCIAL

Leia mais

Material Facilitador para Inclusão e Permanência de Pessoas com Deficiência e Reabilitados pelo INSS no Mercado de Trabalho

Material Facilitador para Inclusão e Permanência de Pessoas com Deficiência e Reabilitados pelo INSS no Mercado de Trabalho Material Facilitador para Inclusão e Permanência de Pessoas com Deficiência e Reabilitados pelo INSS no Mercado de Trabalho E-mail forumpcds@gmail.com Site: www.fimtpoder.org.br Av. Araguaia, N. 1544,

Leia mais

TODOS JUNTOS POR UM BRASIL MAIS ACESSÍVEL O MP E A PESSOA COM DEFICIÊNCIA

TODOS JUNTOS POR UM BRASIL MAIS ACESSÍVEL O MP E A PESSOA COM DEFICIÊNCIA TODOS JUNTOS POR UM BRASIL MAIS ACESSÍVEL O MP E A PESSOA COM DEFICIÊNCIA TODOS JUNTOS POR UM BRASIL MAIS ACESSÍVEL O MP E A PESSOA COM DEFICIÊNCIA Brasília 2013 CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014 GLOSSÁRIO

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014 GLOSSÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

DECRETO No 3.298 ESTATUTO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

DECRETO No 3.298 ESTATUTO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DECRETO No 3.298 ESTATUTO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Diário Oficial da União, 21 de dezembro de 1999 Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração

Leia mais

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial 1 O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento

Leia mais

NORMATIVA DE ADAPTAÇÃO CURRICULAR E TERMINALIDADE ESPECÍFICA PARA PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECÍFICAS

NORMATIVA DE ADAPTAÇÃO CURRICULAR E TERMINALIDADE ESPECÍFICA PARA PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECÍFICAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FLUMINENSE CAMPUS CAMPOS CENTRO DIREÇÃO GERAL DIRETORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS NÚCLEO DE APOIO A PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NORMATIVA

Leia mais

20 EDUCAÇÃO ESPECIAL

20 EDUCAÇÃO ESPECIAL EDUCAÇÃO ESPECIAL 20 21 EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA INCLUSIVA A Educação Especial, de acordo com a legislação brasileira, é uma modalidade de ensino transversal, que perpassa todos os níveis de ensino

Leia mais

ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO

ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DESCRIÇÃO ANALÍTICA DAS ATRIBUIÇÕES: I - participar da elaboração e efetivação da proposta Pedagógica; II - auxiliar no atendimento às crianças; III - participar do planejamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE Edital nº 001/2014 SELEÇÃO DE REPRESENTANTES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PARA COMPOR O COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE

Leia mais

9ª Pesquisa Fevereiro 2015 GERÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM OSASCO

9ª Pesquisa Fevereiro 2015 GERÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM OSASCO 9ª Pesquisa Fevereiro 2015 GERÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM OSASCO A INCLUSÃO CRESCE NAS EMPRESAS METALÚRGICAS DE OSASCO E REGIÃO A presença de trabalhadores com deficiência tem avançado nas

Leia mais

Pessoas com. deficiência. Guia do gestor. Dicas de Convivência

Pessoas com. deficiência. Guia do gestor. Dicas de Convivência Pessoas com deficiência Guia do gestor Pessoas Caro Gestor, Para nós, do Santander, é importante valorizar e colocar em prática a diversidade. Por isso, somos uma Organização que respeita a individualidade

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Responsabilidade social e acessibilidade no ensino superior: a trajetória do UniCEUB

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Responsabilidade social e acessibilidade no ensino superior: a trajetória do UniCEUB RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Responsabilidade social e acessibilidade no ensino superior: a trajetória do UniCEUB 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da prática eficaz Desde 1988, o Centro

Leia mais

4 Legislação brasileira de acessibilidade: Visão geral

4 Legislação brasileira de acessibilidade: Visão geral 150 4 Legislação brasileira de acessibilidade: Visão geral Apresentação com uma visão geral e abrangente de decretos e leis que compõem a legislação brasileira no que diz respeito à acessibilidade, mostrando

Leia mais

GLOSSÁRIO PESSOA COM DEFICIÊNCIA

GLOSSÁRIO PESSOA COM DEFICIÊNCIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DAS MULHERES, IGUALDADE RACIAL E DIREITO S HUMANO S SECRETARIA DE DIREITO S HUMANO S - SDH CO NSELHO NACIO NAL DO S DIREITO S DO IDO SO - CNDI GLOSSÁRIO PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 197, DE 2010

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 197, DE 2010 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 197, DE 2010 Acrescenta o inciso VI, ao artigo 1º, da Lei nº 8.989, de 24 de fevereiro de 1995, que dispõe sobre a isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados

Leia mais

Considerações sobre o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência

Considerações sobre o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência Considerações sobre o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência Vivemos um momento complexo no que diz respeito às pessoas com deficiência: por um lado, temos (no campo do Direito) uma legislação específica

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Perguntas e respostas sobre Contratação de pessoas com deficiência

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Perguntas e respostas sobre Contratação de pessoas com deficiência MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Perguntas e respostas sobre Contratação de pessoas com deficiência 1.1 O que é reserva legal de cargos? A legislação estabeleceu a obrigatoriedade de as empresas com cem

Leia mais

ACESSIBILIDADES. boas práticas Boas práticas para auxiliar pessoas com necessidades especiais. 1. Deficiência visual

ACESSIBILIDADES. boas práticas Boas práticas para auxiliar pessoas com necessidades especiais. 1. Deficiência visual Boas práticas para auxiliar pessoas com necessidades especiais 1. Deficiência visual A deficiência visual é a perda ou redução da capacidade visual, com caráter definitivo. As limitações do campo visual

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM Em busca de leis e terminologias adequadas para medidas inclusivas dos Portadores de Necessidades Especiais no ambiente laboral Denise Silva de Oliveira. Aluna de graduação

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014. Manual do Usuário

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Como lidar com alunos com necessidades especiais?

Como lidar com alunos com necessidades especiais? Como lidar com alunos com necessidades especiais? Ao decorrer deste e-book gratuito, você verá 26 dicas incríveis para aprimorar o seu relacionamento em sala de aula com alunos que possuem necessidades

Leia mais

ACESSIBILIDADE DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA OU COM MOBILIDADE REDUZIDA

ACESSIBILIDADE DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA OU COM MOBILIDADE REDUZIDA SENADO FEDERAL SENADOR EDUARDO AZEREDO ACESSIBILIDADE DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA OU COM MOBILIDADE REDUZIDA DECRETO Nº 5.296/2004 LEI Nº 10.048/2000 LEI Nº 10.098/2000 BRASÍLIA 2005 APRESENTAÇÃO

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2013. Manual do Usuário

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2013. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

CRIANÇAS COM SURDOCEGUEIRA E COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA- APRENDENDO A BRINCAR UTILIZANDO TECNOLOGIA ASSISTIVA DE BAIXO CUSTO CANTINHO DE INTERAÇÃO

CRIANÇAS COM SURDOCEGUEIRA E COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA- APRENDENDO A BRINCAR UTILIZANDO TECNOLOGIA ASSISTIVA DE BAIXO CUSTO CANTINHO DE INTERAÇÃO CRIANÇAS COM SURDOCEGUEIRA E COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA- APRENDENDO A BRINCAR UTILIZANDO TECNOLOGIA ASSISTIVA DE BAIXO CUSTO CANTINHO DE INTERAÇÃO SHIRLEY RODRIGUES MAIA 1 LÍLIA GIACOMINI 2 ROBERTA CORREIA

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS

TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS Karina Félix de Vilhena Santoro¹, Cláudia Franco Monteiro² ¹Universidade

Leia mais

Ministério do Esporte

Ministério do Esporte INCLUSÃO, GÊNERO E DEFICIÊNCIA Ministério do Esporte Objetivo Geral do PST... Democratizar o acesso ao esporte educacional de qualidade, como forma de inclusão social, ocupando o tempo ocioso de crianças

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE NA ESCOLA ESPECIAL HELEN KELLER CAXIAS DO SUL

PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE NA ESCOLA ESPECIAL HELEN KELLER CAXIAS DO SUL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ELENISE PEREIRA PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE

Leia mais

Problema Como combater o isolamento social de seniores com deficiência visual. Organização

Problema Como combater o isolamento social de seniores com deficiência visual. Organização Problema Como combater o isolamento social de seniores com deficiência visual. Organização ACAPO - Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal / Delegação do Porto Morada: Rua do Bonfim, 215 4300-069

Leia mais

ACESSIBILIDADE E DIREITOS DOS CIDADÃOS: BREVE DISCUSSÃO

ACESSIBILIDADE E DIREITOS DOS CIDADÃOS: BREVE DISCUSSÃO ACESSIBILIDADE E DIREITOS DOS CIDADÃOS: BREVE DISCUSSÃO Ana Elizabeth Gondim Gomes Luciana Krauss Rezende Mariana Fernandes Prado Tortorelli Índice Mini currículo dos autores RESUMO Observa-se atualmente

Leia mais

Estratégias Para o Desenvolvimento de Pessoas com Deficiências na Empresa. (Acessibilidade e análise de Cargos e Funções)

Estratégias Para o Desenvolvimento de Pessoas com Deficiências na Empresa. (Acessibilidade e análise de Cargos e Funções) Estratégias Para o Desenvolvimento de Pessoas com Deficiências na Empresa (Acessibilidade e análise de Cargos e Funções) Apresentação A conquista da autonomia e da independência é o ponto de partida para

Leia mais

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL GOVERNO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO DE ENSINO SUPERINTENDÊNCIA PEDAGÓGICA DIRETORIA DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL COORDENAÇÃO DE INCLUSÃO EDUCACIONAL GLOSSÁRIO

Leia mais

Orientações para obter isenção de impostos (IPI, IOF, ICMS e IPVA) na compra de veículo para pessoa com deficiência

Orientações para obter isenção de impostos (IPI, IOF, ICMS e IPVA) na compra de veículo para pessoa com deficiência Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004 Art. 5 o Os órgãos da administração pública direta, indireta e fundacional, as empresas prestadoras de serviços públicos e as instituições financeiras deverão

Leia mais

O TALENTO NÃO TEM LIMITES

O TALENTO NÃO TEM LIMITES O TALENTO NÃO TEM LIMITES MENSAGEM Em 2009 Portugal ratificou a Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência que refere, no artigo 27º, que as pessoas com deficiência devem ter a oportunidade de

Leia mais

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior Prof. Francisco Ricardo Lins V. de Melo Departamento

Leia mais

Romeu Sassaki romeukf@uol.com.br

Romeu Sassaki romeukf@uol.com.br Romeu Sassaki romeukf@uol.com.br A CESSI BILIDADE BARREIRAS A CESSI BILIDADE 7 DIMENSÕES DE BARREIRAS A CESSI BILIDADE IDENTIFICAR 7 DIMENSÕES DE BARREIRAS BARREIRAS 1. ARQUITETÔNICAS 2. COMUNICACIONAIS

Leia mais

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA Merlânia Lino da Silva (1); Ana Cristina Silva Daxenberger (2) (1) Universidade Federal da Paraíba (CCA), merlaniaareiapb@gmail.com

Leia mais

DADOS DEMOGRÁFICOS. JC Carmo

DADOS DEMOGRÁFICOS. JC Carmo DADOS DEMOGRÁFICOS Panorama das deficiências no Brasil Organização Mundial da Saúde OMS 10% dos habitantes do mundo apresentam algum tipo de deficiência Censo 2000 do IBGE 14,5% da população brasileira

Leia mais

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011.

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1517/2012. Autor(es): Deputado XANDRINHO, ASPÁSIA CAMARGO E EDSON ALBERTASSI A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PROJETO DE LEI Nº 1517/2012. Autor(es): Deputado XANDRINHO, ASPÁSIA CAMARGO E EDSON ALBERTASSI A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI Nº 1517/2012 EMENTA: ESTENDE ÀS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA FÍSICA, VISUAL, AUDITIVA, MENTAL SEVERA OU PROFUNDA OU AUTISTA OS BENEFÍCIOS RELATIVOS AO ICMS, EM CONSONÂNCIA COM O CONVÊNIO

Leia mais

1. Posição básica. Inicial Institucional Projetos Legislação Contato. Passe o mouse aqui para ampliar a imagem!

1. Posição básica. Inicial Institucional Projetos Legislação Contato. Passe o mouse aqui para ampliar a imagem! Ir para Conteúdo Principal Ir para Menu Principal Inicial Institucional Projetos Legislação Contato Letra Maior Letra Menor Temas Temas acessíveis Técnicas de Guia Vidente: Saiba como conduzir um deficiente

Leia mais

A Acessibilidade nas Empresas: Percepção dos Portadores de Deficiência Visual Inseridos no Mercado de Trabalho

A Acessibilidade nas Empresas: Percepção dos Portadores de Deficiência Visual Inseridos no Mercado de Trabalho A Acessibilidade nas Empresas: Percepção dos Portadores de Deficiência Visual Inseridos no Mercado de Trabalho Monaísa Targino Barreto monaisa_targino@hotmail.com UFCG Marielza Barbosa Alves marielzab@hotmail.com

Leia mais

RELATÓRIO PESQUISAS INOVADORAS SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MERCADO DE TRABALHO -

RELATÓRIO PESQUISAS INOVADORAS SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MERCADO DE TRABALHO - PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

TIPIFICAÇÃO DAS DEFICIÊNCIAS PARA O CUMPRIMENTO DA RESERVA LEGAL DE VAGAS NO TRABALHO Lei 8.213

TIPIFICAÇÃO DAS DEFICIÊNCIAS PARA O CUMPRIMENTO DA RESERVA LEGAL DE VAGAS NO TRABALHO Lei 8.213 1º SEMINÁRIO SOBRE SAÚDE DO TRABALHADOR COM DEFICIÊNCIA NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO PESADA SINICESP PROGRAMA DE INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA - SRTE/SP - MTE TIPIFICAÇÃO DAS DEFICIÊNCIAS PARA O CUMPRIMENTO

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PARNAÍBA-PI 2014 FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA DIRETOR ADMINISTRATIVO Prof. Esp. Walter Roberto

Leia mais

Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência

Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência Ilustrações: Maria João Lopes Local e Data de Edição: Lisboa, 2005 Colecção: Folhetos SNR, n.º 4 Fotocomposição

Leia mais

INCLUSÃO: POSSIBILIDADES DA PSICOLOGIA ESCOLAR RESUMO

INCLUSÃO: POSSIBILIDADES DA PSICOLOGIA ESCOLAR RESUMO INCLUSÃO: POSSIBILIDADES DA PSICOLOGIA ESCOLAR RESUMO INTRODUÇÃO: Experiência de Estágio de Núcleo Básico III com crianças do Ensino Fundamental sobre Inclusão. OBJETIVO: conscientizar a aceitação das

Leia mais

Rio de Janeiro 2013 CARTILHA DOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS

Rio de Janeiro 2013 CARTILHA DOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS Rio de Janeiro 2013 CARTILHA DOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS 01 Sérgio de Oliveira Cabral Santos Filho Governador do Estado do Rio de Janeiro Zaqueu da Silva Teixeira Secretário de Estado de

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 13/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 13/2015 Campus São João del-rei Tema 01: ASPECTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO DOS SURDOS NO BRASIL Imbricada em relações de poder, a educação dos surdos vem sendo pensada e definida, historicamente, por educadores ouvintes, embora possamos

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS.

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. Rosane Batista Miranda¹ Eliane Vasconcelos Soares² Introdução O presente artigo visa á

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais