PONTO ELETRÔNICO. Confira as normas para o controle da jornada de trabalho do empregado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTO ELETRÔNICO. Confira as normas para o controle da jornada de trabalho do empregado"

Transcrição

1 PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO Controle de Horário Confira as normas para o controle da jornada de trabalho do empregado O empregado fica à disposição do empregador para dar cumprimento às tarefas que lhe são atribuídas durante a jornada de trabalho. Esse tempo deve ser controlado a fim de resguardar os interesses das partes. Para tanto, é facultada ao empregador a utilização de registros de ponto manual, mecânico ou eletrônico, podendo até mesmo utilizar-se de ambos os sistemas em seu estabelecimento. Cabe ressaltar que as empresas que adotam ou venham adotar o controle eletrônico de jornada de trabalho deverão adequar seus s sistemas de tratamento de dados para a utilização obrigatória do REP Registrador Eletrônico de Ponto, a partir de Examinamos, a seguir, os procedimentos que o empregador deve observar para controlar a jornada de trabalho do empregado utilizando uma das modalidades de registro. 1. OBRIGATORIEDADE DO CONTROLE DE HORÁRIO A legislação determina que é obrigatório o controle de horário de trabalho nos estabelecimentos que mantêm mais de 10 empregados, ou seja, a partir de 11. O controle de horário de trabalho permite ao empregador constatar o tempo em que de fato o empregado permaneceu trabalhando, podendo, inclusive, fiscalizar os atrasos e as saídas antecipadas. Somente os controles de horário refletem a exata dimensão da duração do trabalho diário, quer quanto à determinação do início, quer quanto ao encerramento. Portanto, a apuração da jornada de trabalho, inclusive das horas extras, é feita, obrigatoriamente, através dos registros. Cabe ressaltar que mesmo não havendo obrigatoriedade, é recomendável que nos estabelecimentos com até 10 empregados seja feito o controle do horário de trabalho, pois no caso de uma reclamação trabalhista o empregador não terá dificuldade em comprovar qual foi de fato a jornada de trabalho que o empregado cumpriu. Por outro lado, também deve ser verificada a existência de norma coletiva que obrigue o estabelecimento empregador a efetuar o registro de ponto, mesmo com número de empregados inferior a MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE Desde , por meio da Lei Complementar 123/2006, que instituiu o Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Simples Nacional, as microempresas e empresas de pequeno porte estão obrigadas a anotação da hora de entrada e saída em registro manual, mecânico ou eletrônico, para os estabelecimentos de mais de 10 empregados ÔNUS DA PROVA O TST Tribunal Superior do Trabalho, através da Súmula 338, firmou entendimento que é ônus do empregador que conta com mais de 10 empregados o registro da jornada de trabalho na forma do artigo 74, 2º, da CLT. A não apresentação injustificada dos controles de frequência gera presunção relativa de veracidade da jornada de trabalho, alho, a qual pode ser elidida por prova em contrário. Segundo a Súmula 338 TST, os cartões de ponto que demonstram horários de entrada e saída uniformes são inválidos como meio de prova, invertendo-se o ônus da prova, relativo às horas extras, que passa a ser do empregador, prevalecendo a jornada da inicial se dele não se desincumbir.

2 2. FORMAS DE REGISTRO A legislação determina que ao empregador é facultado adotar registros manuais, mecânicos ou eletrônicos individualizados de controle de horário de trabalho, contendo a hora de entrada e de saída, bem como a pré-assinalação do período de repouso ou alimentação. A legislação não estabelece o modelo que deve ser utilizado para os registros manuais e mecânicos, podendo a empresa utilizar seus próprios modelos, os adquiridos no comércio ou sistemas fornecidos por terceiros. Cabe ressaltar que as empresas que adotam ou adotarem registro eletrônico de ponto deverão adequar seus sistemas de tratamento de dados, para a utilização obrigatória do REP Registrador Eletrônico de Ponto. A empresa não está obrigada a adotar o mesmo tipo de registro para todos os empregados. Ela poderá conviver com os três sistemas, ou seja, partes dos empregados poderão utilizar registro mecânico, outra parte o manual, e a última o eletrônico INTERVALO PARA REPOUSO OU ALIMENTAÇÃO Apesar de a legislação exigir somente a pré-assinalação (indicação pelo empregador) do intervalo de repouso ou alimentação, não há impedimento legal para que o empregador exija que seus empregados assinalem (registrem/anotem) o horário de saída e de retorno do referido intervalo. Isto porque é conveniente que a assinalação dos intervalos para descanso seja feita, obrigatoriamente, pelo próprio empregado, pois são comuns as reclamações trabalhistas por horas extras, sob a alegação de que o empregador não concedeu os referidos intervalos. 3. REGISTROS MANUAIS Os registros manuais, também chamados de manuscritos, são normalmente utilizados por empresas com poucos funcionários, ou utilizados por determinadas seções ou mesmo grupos de empregados. O seu uso em larga escala torna-se complicado, pois a assinalação é feita de próprio punho, o que acarreta muito tempo, tornando demorada a entrada e a saída dos empregados. Os registros manuais mais comuns são o livro de ponto e a folha individual de ponto LIVRO E FOLHA DE PONTO O livro de ponto é composto de folhas encadernadas, podendo ser utilizado tanto para um como para vários empregados. Cada folha pode ser utilizada para um único dia, onde vários empregados anotam seus horários, ou pode ser utilizada individualmente por um empregado, sendo que ele a utilizará por todo o mês. A folha individual de ponto por ser avulsa, sendo utilizada somente por um único empregado, devendo ficar em local apropriado riado para que não se extravie. Tanto o livro como as folhas individuais terão que ser assinalados pelos próprios empregados, não podendo ser feito pelo empregador ou seu preposto. O empregador poderá somente rubricar os registros confirmando as marcações efetuadas pelos empregados. As anotações da hora de entrada, saída, e dos intervalos, devem ser assinaladas com precisão, evitando-se que todos os empregados assinalem sempre o mesmo horário, pois isto pode levar a fiscalização e a Justiça do Trabalho a acreditarem que o controle de ponto era feito periodicamente e não diariamente, o que se constituiria numa fraude, tirando o valor probatório do mesmo Rasuras ou Emendas Para que o controle de horário tenha valor, não deve ter rasuras, erros ou emendas. Caso isto ocorra, o empregado deve de próprio punho retificar o erro, esclarecendo o que se passou, e rubricar esta anotação. É conveniente que o empregador ou seu preposto também rubrique a anotação.

3 4. REGISTROS MECÂNICOS O registro mecânico é realizado através do chamado relógio de ponto. Como o nome diz, ele se constitui de um relógio acoplado a um sistema mecânico que registra a hora exata, em um cartão introduzido no mesmo. O relógio de ponto pode ser utilizado por todas as empresas, independentemente do número de empregados. Normalmente este sistema é adotado pelas empresas com um grande número de empregados, pois ele, além de agilizar o registro, pois sua operacionalização é simples, possibilita maior controle sobre os empregados, evitando que estes assinalem horários que de fato não cumpriram. A sua fiscalização pela empresa é mais fácil que a do ponto manuscrito NÚMERO DE RELÓGIOS Da mesma forma que a legislação não estabelece modelo de controle de horário, ela não estabelece número mínimo nem máximo de relógios de ponto que a empresa deva possuir. Portanto, cabe a empresa definir, de acordo com as suas necessidades, o número ideal de relógios de ponto. A empresa poderá utilizar um único relógio de ponto para todos os empregados, como poderá utilizá-lo lo por seção ou departamento. A inconveniência da utilização de um único relógio de ponto, para empresas com um grande número de empregados, está nas filas que se formam, e, consequentemente, nos atrasos que ocasionam na entrada e na saída do trabalho. Estes atrasos tanto podem ser prejudiciais para a empresa como para o empregado. O ideal é que a empresa instale tantos relógios de ponto quanto sejam necessários, a fim de evitar filas e outros transtornos AUTENTICAÇÃO DO CARTÃO Apesar de os cartões serem assinalados mecanicamente, é prudente que os empregados ao término do mês, reconheçam a veracidade dos mesmos, apondo sua assinatura. Isto não é uma determinação legal, mas é recomendável, pois uma vez assinados, os empregados estariam dando autenticidade aos mesmos, isentando assim a empresa de ter que provar no futuro que não houve realização de horas extras que possivelmente eles possam reclamar FRAUDE NA ASSINALAÇÃO Como normalmente o relógio de ponto é utilizado por muitos empregados, a empresa deve criar mecanismos a fim de evitar fraudes na assinalação. As fraudes são de vários tipos, sendo as principais aquelas cometidas por empregados que faltam ou se atrasam e que pedem ao colega que assinale seu cartão, ou mesmo aqueles empregados que ficam no local de trabalho após o término da jornada sem fazer nada ou realizando tarefas de interesse próprio. Em ambos os casos, as faltas cometidas são graves, podendo ocasionar a demissão por justa causa de todos os empregados envolvidos na fraude. Para evitar as fraudes na assinalação, a empresa deve expedir circular onde informe aos empregados que não é permitido que um assinale o ponto pelo o outro, e que as prorrogações da jornada de trabalho somente poderão ser realizadas com autorização da chefia imediata e a rubrica deste no cartão atestando a prorrogação. Outro procedimento que deve ser adotado é o de manter os cartões em quadro próprio, em que os empregados somente tenham acesso no momento da assinalação, devendo o referido quadro estar sob a responsabilidade de um empregado, que periodicamente deverá checá-los. Também constitui fraude o empregador que manda pessoa de sua confiança assinalar o cartão de ponto pelo empregado, a fim de que não sejam registradas as horas extraordinárias realizadas. Neste caso, o empregado poderá propor a rescisão do contrato por justo motivo, cabendo ao empregador indenizá-lo conforme prevê a legislação.

4 5. REGISTROS ELETRÔNICOS O registro eletrônico de ponto é outra modalidade de controle de horário prevista na legislação. Por conta da fragilidade na manipulação dos sistemas e dos dados, algumas empresas fraudavam o registro eletrônico de ponto e os empregados não detinham um efetivo controle sobre o registro da jornada. Entretanto, com intuito de inibir qualquer fraude nesta modalidade de controle de horário dos empregados, o Ministério do Trabalho e Emprego, através da Portaria MTE/2009 veio disciplinar as normas sobre o registro eletrônico de ponto e a utilização do SREP Sistema de Registro Eletrônico de Ponto OBRIGATORIEDADE Cabe ressaltar que a Portaria MTE/2009 não obriga as empresas a adotarem o sistema eletrônico de ponto. Contudo, se a empresa já utiliza o sistema eletrônico de ponto ou pretende adotá-lo, terá que se adequar às normas da referida Portaria. Em outras palavras, a Portaria MTE/2009 não criou nenhuma restrição à utilização dos registros manuais e mecânicos, que ainda podem continuar sendo adotados pelas empresas SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO DE PONTO O SREP é o conjunto de equipamentos e programas informatizados destinado à anotação por meio eletrônico da entrada e saída dos trabalhadores das empresas. O empregador somente poderá utilizar o SREP se possuir os atestados emitidos pelos fabricantes dos equipamentos e programas utilizados, conforme constante nos subitens e O empregador que usar o SREP deve se cadastrar no MTE, pelo endereço eletrônico: informando seus dados, equipamentos e sofwares utilizados. A seguir, apresentamos a tela inicial para cadastramento no SREP: Ações que desvirtuam o SREP O SREP deve registrar fielmente as marcações efetuadas, não sendo permitida qualquer ação que desvirtue os fins legais a que se destina, tais como: a) restrições de horário à marcação do ponto; b) marcação automática do ponto, utilizando-se horários predeterminados ou o horário contratual; c) exigência, por parte do sistema, de autorização prévia para marcação de sobrejornada; e d) existência de qualquer dispositivo que permita a alteração dos dados registrados pelo empregado.

5 5.3. REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO Para a utilização de SREP é obrigatório o uso do REP Registrador Eletrônico de Ponto no local da prestação do serviço, vedados outros meios de registro, devendo estar disponível para pronta extração e impressão de dados pelo Auditor-Fiscal do Trabalho. O REP, que passa a ser obrigatório a partir de ,, é o equipamento de automação utilizado exclusivamente para o registro de jornada de trabalho e com capacidade para emitir documentos fiscais e realizar controles de natureza fiscal, referentes à entrada e à saída de empregados nos locais de trabalho, sendo vedada a sua utilização para outros fins, como por exemplo, a catraca eletrônica (aparelho que controla a entrada e saída de pessoas num estabelecimento) Requisitos do REP Para ser utilizado nos estabelecimentos, o equipamento REP deve apresentar os seguintes requisitos: a) relógio interno de tempo real com precisão mínima de um minuto por ano com capacidade de funcionamento ininterrupto por um período mínimo de 60 dias na ausência de energia elétrica de alimentação; b) mostrador do relógio de tempo real contendo hora, minutos e segundos; c) dispor de mecanismo impressor em bobina de papel, integrado e de uso exclusivo do equipamento, que permita impressões com durabilidade mínima de 5 anos; d) meio de armazenamento permanente, denominado MRP Memória de Registro de Ponto; e) meio de armazenamento, denominado MT Memória de Trabalho; f) porta padrão USB externa, denominada Porta Fiscal, para pronta captura dos dados armazenados na MRP pelo Auditor-Fiscal do Trabalho; g) para a função de marcação de ponto, o REP não deverá depender de qualquer conexão com outro equipamento externo; e h) a marcação de ponto ficará interrompida quando for feita qualquer operação que exija a comunicação do REP com qualquer outro equipamento, seja para carga ou leitura de dados. Além do mencionado anteriormente, as empresas que adotarem o REP também devem atender aos demais requisitos a seguir: não permitir alterações ou apagamento dos dados armazenados na Memória de Registro de Ponto; ser inviolável; não possuir funcionalidades que permitam restringir as marcações de ponto e registros automáticos de ponto; e possuir identificação no equipamento REP, gravada de forma indelével na sua estrutura externa, contendo CNPJ e nome do fabricante, marca, modelo e número de fabricação do REP. O número de fabricação do REP é o número exclusivo de cada equipamento e consistirá na junção sequencial do número de cadastro do fabricante no MTE, número de registro do modelo no MTE e número série único do equipamento Meios de Armazenamento do REP O REP possui os seguintes meios de armazenamento de dados e operações: a) MT Memória de Trabalho, onde ficarão gravados os dados necessários à operação do REP, que são: do empregador: tipo de identificador do empregador, CNPJ ou CPF; identificador do empregador; CEI, caso exista; razão social; e local da prestação do serviço; e dos empregados que utilizam o REP: nome; número do PIS; e demais dados necessários à identificação do empregado pelo equipamento. b) MRP Memória de Registro de Ponto, onde serão gravadas operações de forma permanente, cujos dados armazenados não possam ser apagados ou alterados, direta ou indiretamente. Essas operações são: inclusão ou alteração das informações do empregador na MT, contendo os seguintes dados: data e hora da inclusão ou alteração; tipo de operação; tipo de identificador do empregador, CNPJ ou CPF; identificador do empregador; CEI, caso exista; razão social; e local da prestação do serviço;

6 marcação de ponto, com os seguintes dados: número do PIS, data e hora da marcação; ajuste do relógio interno, contendo os seguintes dados: data antes do ajuste, hora antes do ajuste, data ajustada, hora ajustada; e inserção, alteração e exclusão de dados do empregado na MT, contendo: data e hora da operação, tipo de operação, número do PIS e nome do empregado Funcionalidades do REP O REP deve apresentar as seguintes funcionalidades: a) marcação de ponto, composta dos seguintes passos: receber diretamente a identificação do trabalhador, sem interposição de outro equipamento; obter a hora do Relógio de Tempo Real; registrar a marcação de ponto na MRP; e imprimir o comprovante do trabalhador. b) geração do AFD Arquivo-Fontarmazenados na MRP; c) gravação do AFD em dispositivo externo de memória, por meio da Porta Fiscal; d) emissão da Relação Instantânea de Marcações com as marcações efetuadas nas 24 horas de Dados, gerado pelo REP, contendo todos os dados precedentes, deve conter: cabeçalho com identificador e razão social do empregador, local de prestação de serviço, número de fabricação do REP; NSR Número Sequencial de Registro; número do PIS e nome do empregado; e horário da marcação. Em relação às funcionalidades, deve ser observado: o empregador não poderá restringir o horário para o empregado realizar a marcação de ponto, no entanto, é conveniente que o empregador utilize-se de seu poder diretivo a fim de evitar abusos por parte do empregado, isto é, a realização de horas extras sem efetivo trabalho; o REP deve emitir comprovante a cada marcação efetuada pelo trabalhador; o empregador tem a responsabilidade de manter o REP com o papel necessário para a quantidade de registros que serão efetuados, bem como disponibilizar equipamentos em quantidade e capacidade suficiente para atender aos empregados; em relação à letra c deste subitem, a Porta Fiscal do REP não pode ter outra função além da gravação do AFD, sendo esta porta utilizada para uso exclusivo da fiscalização, devendo o REP ter outros conectores para o intercâmbio de dados; a Relação Instantânea de Marcações também é documento previsto para o uso da fiscalização do trabalho, dispondo de comando, a ser acionado pelo Auditor-Fiscal do Trabalho, para permitir a impressão dessa relação durante a inspeção Comprovante de Registro de Ponto O comprovante de registro de ponto do trabalhador é um documento impresso para o empregado acompanhar, a cada marcação, o controle de sua jornada de trabalho, contendo as seguintes informações: a) cabeçalho contendo o título Comprovante de Registro de Ponto do Trabalhador ; b) identificação do empregador contendo nome, CNPJ/CPF e CEI, caso exista; c) local da prestação do serviço; d) número de fabricação do REP; e) identificação do trabalhador contendo nome e número do PIS; f) data e horário do respectivo registro; e g) NSR. A impressão deverá ser feita em cor contrastante com o papel, em caracteres legíveis com a densidade horizontal máxima de 8 caracteres por centímetro e o caractere não poderá ter altura inferior a 3 milímetros. O empregador deverá disponibilizar meios para a emissão obrigatória do comprovante de registro de ponto do trabalhador no momento de qualquer marcação de ponto. Ressaltamos que o comprovante de marcação de ponto será emitido pelo REP a cada registro (entrada, saída e intervalo, este último se for o caso), em via única destinada ao trabalhador, ou seja, não pode ser emitido um único comprovante de marcação por dia. O REP não emitirá uma cópia desse comprovante para o empregador. A título de ilustração, demonstramos, a seguir, um modelo do referido Comprovante:

7 ASSESSORIA CONTABIL REIS Intervalo para Repouso e Pausas O 2º do artigo 74 da CLT Consolidação das Leis do Trabalho admite a pré-assinalação do período de repouso. É facultado ao empregador exigir ou não o registro da entrada e saída dos intervalos de seus empregados. Entretanto, as convenções e acordos coletivos de trabalho poderão prever a obrigatoriedade da marcação nos intervalos. Por outro lado, se a empresa concede aos empregados outros intervalos, como por exemplo para lanche, não deduzidos da duração do trabalho, esses intervalos não devem ser registrados no REP. à Pausas Obrigatórias Esclarecemos que, de acordo com a legislação, algumas atividades profissionais, por questões de Ergonomia e com o objetivo de garantir a saúde do trabalhador, concedem pausas obrigatórias. Nesse sentido podemos citar, por exemplo, as atividades de processamento eletrônico de dados, os mecanógrafos, os operadores de telemarketing,, os operadores de checkout, entre outros. Essas pausas são inseridas dentro da jornada de trabalho, não sendo necessário o registro no REP. Porém, o empregador deverá utilizar outra forma de controle das pausas para demonstrar o cumprimento da norma legal Ausência de Número de PIS Quando o trabalhador recém-admitido não possuir o número do PIS, necessário para registrálo no REP, nos primeiros dias de trabalho o controle de jornada de trabalho poderá ser feito manual ou mecanicamente até que ele receba o seu número de PIS Empresa Prestadora de Serviço Segundo entendimento do MTE, a empresa terceirizada (contratada) não poderá utilizar o REP da tomadora de serviço (contratante) para marcação da jornada dos trabalhadores que prestam serviço no local da contratante. Isto porque a Portaria MTE/2009 não prevê mais de um empregador por REP. Neste caso, a fim de manter o controle de jornada de trabalho de seus empregados, a empresa contratada deverá adotar o registro que lhe for mais viável, isto é, podendo utilizar o registro manual (folha ou livro de ponto) ou mecânico (relógio de ponto) Mudança do Local da Prestação de Serviços Conforme já mencionado, é obrigatório o uso do REP no local da prestação do serviço. Entretanto, quando houver alteração deste local, o REP poderá ser movimentado e essa alteração deve ser assinalada na sua Memória de Registro de Ponto.

8 Jornada de Trabalho Fora do Estabelecimento No caso das empresas que adotam ou venham adotar o REP mas possuam empregados que executam integralmente a jornada de trabalho fora do estabelecimento, o horário de trabalho desses empregados deve constar, explicitamente, de ficha ou papeleta, que ficará em poder dos mesmos, sem prejuízo da anotação desse horário no registro de empregados PROGRAMA DE TRATAMENTO TAMENTO DE REGISTRO DE PONTO O Programa de Tratamento de Registro de Ponto é o conjunto de rotinas informatizadas que tem por função tratar os dados relativos à marcação dos horários de entrada e saída, originários exclusivamente do AFD, gerando: a) o relatório Espelho de Ponto Eletrônico; b) o AFDT Arquivo Fonte de Dados Tratados; e c) o ACJEF Arquivo de Controle de Jornada para Efeitos Fiscais. A função de tratamento dos dados limitar-se-à a acrescentar informações para complementar eventuais omissões no registro de ponto ou indicar marcações indevidas Intervalos Pré-Assinalados Os intervalos pré-assinalados pelo empregador serão registrados utilizando-se o Programa de Tratamento de Registro de Ponto e deverão constar do AFTD Marcação dos Horários O Programa de Tratamento de que trata o subitem 5.4 admite a inserção justificada de informações, seja para a inclusão de marcação faltante, seja para a assinalação de marcação indevida. Porém, os dados originais permanecerão. Esses casos devem ser atendidos pelo Programa de Tratamento e documentados no AFDT. à Marcação Incorreta Na situação de marcação incorreta, ou seja, quando o empregado marcar uma entrada ou saída sem ter realmente entrado ou saído do trabalho ou quando o fizer em duplicidade, esse registro deve ser sinalizado como marcação desconsiderada ( D ) no campo 7 do AFDT e, na justificativa, a ocorrência deve ser explicada. à Falta de Marcação Se, por outro lado, houve falta de marcação de ponto, deve ser incluído no AFDT o correto horário de entrada ou saída do empregado, bem como a justificativa para a omissão da marcação, e no campo 9 deve ser informado que aquela marcação foi incluída ( I ) Horário de Trabalho dos Empregados Como já esclarecemos anteriormente, o REP serve unicamente como meio de marcação de ponto. Informações sobre o horário contratual do empregado e outras necessárias à apuração da jornada deverão estar disponíveis no Programa de Tratamento de Registro de Ponto, especificamente no ACJEF APROVAÇÃO DO REP Para ser utilizado nos estabelecimentos, o REP deve estar adequado à legislação, sendo certificado por órgão técnico credenciado no MTE. Estes órgãos técnicos são os responsáveis por certificar que os equipamentos atendem às normas vigentes. Os fabricantes do REP também devem cadastrar-se se junto ao MTE e solicitar o registro de cada um dos modelos. Para registro do modelo produzido, o fabricante deve apresentar: a) Certificado de Conformidade do REP à Legislação, emitido pelo órgão técnico credenciado; e b) Atestado Técnico e Termo de Responsabilidade. Os REP certificados encontram-se cadastrados e disponibilizados para consultas no site Qualquer alteração do REP certificado, inclusive nos programas residentes, determinará novo processo de certificação e registro Obrigações do Fabricante do REP O fabricante do REP deve fornecer ao empregador usuário um documento denominado

9 Atestado Técnico e Termo de Responsabilidade assinado pelo responsável técnico e pelo responsável legal pela empresa, afirmando expressamente que o equipamento e os programas neles embutidos atendem à legislação. No referido Atestado, deve constar que os declarantes estão cientes das consequências legais, cíveis e criminais, quanto à falsa declaração, falso atestado e falsidade ideológica. Quando solicitado, o empregador deverá apresentar este documento à Inspeção do Trabalho Obrigações do Fabricante do Programa O fabricante do programa de tratamento de registro de ponto eletrônico deve fornecer ao consumidor do seu programa um documento denominado Atestado Técnico e Termo de Responsabilidade assinado pelo responsável técnico pelo programa e pelo responsável legal pela empresa, afirmando expressamente que seu programa atende às determinações da Portaria MTE/2010. A declaração deve constar ao seu término que os declarantes estão cientes das consequências legais, cíveis e criminais, quanto à falsa declaração, falso atestado e falsidade ideológica FISCALIZAÇÃO Se for comprovada a adulteração de horários marcados pelo trabalhador ou a existência de dispositivos, programas ou subrotinas que permitam a adulteração dos reais dados do controle de jornada ou parametrizações e bloqueios na marcação, o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá apreender documentos e equipamentos, copiar programas e dados que julgar necessários para comprovação do ilícito. O Auditor-Fiscal do Trabalho elaborará relatório circunstanciado, contendo cópia dos autos de infração lavrados e da documentação apreendida. 6. TOLERÂNCIA NA ASSINALAÇÃO A legislação estabelece que não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de 5 minutos, observado o limite máximo de 10 minutos diários. Tal determinação trata-se de uma tolerância legal de 10 minutos diários para marcação do controle de horário, visto que os 5 minutos gastos pelo empregado para registro de ponto antes e após a jornada normal diária não devem ser considerados como hora extra, posto que dependendo do número de empregados sujeitos à marcação de ponto, razoável a concessão de tolerância tanto na entrada quanto na saída, já que é impossível que todos marquem o ponto simultaneamente. 7. TROCA DE UNIFORMES As empresas que exijam, por interesse próprio ou para cumprir a legislação, que seus empregados andem uniformizados deverão determinar que a assinalação do ponto seja feita antes da troca do uniforme, quando do início da jornada, e após a troca do uniforme quando do término da jornada, pois o tempo despendido na troca é tempo à disposição do empregador. A seguir, transcrevemos jurisprudências que dispõem sobre o tempo despendido na troca de uniforme, caracterizando tempo à disposição do empregador: Considera-se se como tempo à disposição do empregador, nos termos do artigo 4º, da CLT, o lapso de 10 minutos, antes e depois dos registros de entrada e saída nos cartões de ponto, destinados às trocas de uniforme de uso obrigatório. Esse tempo deve ser considerado como extra, e como tal remunerado, eis que à disposição do empregador no sentido jurídico do termo. É evidente que a força de trabalho do autor, em tal momento, ainda que não materialmente prestada, estava por completo direcionada à Ré. A correção e tal posição evidenciam-se facilmente pelo raciocínio inverso, ou seja, não poderia o trabalhador utilizar tais minutos em interesse próprio, qualquer que fosse, senão da própria empresa. Em sendo obrigatório o uso do uniforme, sua desatenção a tal condição de trabalho implicaria em causa justa à rescisão do contrato, não sendo nada mais justo que considerar o tempo despendido na colocação e tirada do uniforme como tempo dedicado à empresa. (TRT 9ª Região Recurso Ordinário Relatora Desembargadora Sueli Gil El Rafihi DJ-PR de ); O tempo gasto pelo empregado com troca de uniforme, lanche e higiene pessoal, dentro das dependências da empresa, após o registro de entrada e antes do de saída, considera-se à disposição do empregador. Inteligência da Súmula nº 366 do TST. (TST 8ª Turma Recurso de Revista 660 Relatora Ministra Maria Cristina Irigoyen Peduzzi DJ-U de ); Comprovado nos autos que o Reclamante efetuava a troca de uniforme no local de trabalho,

10 antes do início e após o término da jornada, o tempo despendido nesse mister deve ser considerado como à disposição do empregador CLT, artigo 4º e remunerado a título de horas extraordinárias, pois em prol da atividade econômica. Recurso do Reclamante conhecido e provido, nesse aspecto particular. (TRT 9ª Região Recurso Ordinário 197 Relator Desembargador Paulo Ricardo Pozzolo DJ-PR de ). 8. SERVIÇO EXTERNO Quando o trabalho for executado fora do estabelecimento do empregador, o horário de trabalho dos empregados constará, explicitamente, de ficha ou papeleta, que ficará em poder do empregado. Para este caso, também não há modelo oficial para registro, podendo a empresa adotar modelos próprios ou adquiri-los no comércio. Apesar de a legislação não regulamentar de que maneira se deve dar o serviço externo, para justificar o uso da papeleta ou ficha de serviço externo, entendemos que ela deva ser utilizada quando o empregado egado passa o maior tempo fora do estabelecimento do empregador, havendo inclusive os casos de não retornar ao estabelecimento ao término da jornada. No caso de empregados que executam serviços no perímetro de localização do estabelecimento, em que haja o deslocamento constante de entrada e saída dos mesmos, entendemos que é desnecessária a utilização da ficha ou papeleta. O fato de se utilizar a papeleta ou ficha de serviço externo não retira a necessidade de se adotar também os controles internos do horário de trabalho. Desta forma, os empregados deverão utilizar os dois sistemas de controle de horário, salvo aqueles que não compareçam ao estabelecimento no começo e no final da jornada de trabalho. Estes deverão se limitar a utilizar somente a ficha ou papeleta de serviço externo. VComo a ficha ou papeleta se constitui em sistema manuscrito, ele deverá ser anotado pelo próprio empregado. 9. EXCLUÍDOS DO CONTROLE DE HORÁRIO Independentemente do número de empregados do estabelecimento, a legislação determina que estão fora do regime do controle de horário, não tendo portanto que assinalar o começo e término da jornada de trabalho, bem como seus intervalos, os seguintes empregados: a) aqueles que exercem atividade externa incompatível com a fixação de horário de trabalho, devendo tal condição ser anotada na Carteira de Trabalho e Previdência Social e no registro de empregados. Esses empregados não devem ser confundidos com aqueles que se encontram na situação analisada no item 8 anterior que, apesar de executarem serviço externo, estão submetidos a controle de horário pelo empregador. Os empregados para estarem isentos de assinalar o horário de trabalho deverão trabalhar com total tal independência, não podendo o empregador efetuar qualquer tipo de controle, nem mesmo através de relatórios de serviço em que o tempo despendido nas tarefas seja mencionado. Assim, se a empresa contrata um vendedor externo, este deverá executar seu trabalho sem obrigação de ter hora para comparecer à empresa, nem de relatar a esta como ocupou seu tempo, devendo somente relatar sua produtividade. b) os gerentes, assim considerados os exercentes de cargos de gestão, aos quais se equiparam, para este efeito, os diretores e chefes de departamento ou filial. Se o empregado é chamado a exercer uma função que exige qualidades especiais, como a de gerente, chefe de seção ou outra qualquer, envolvendo maior responsabilidade que a dos demais empregados, diz-se que ele ocupa cargo de confiança. O empregado que exerce cargo de confiança é portador de um elemento a mais no seu contrato de trabalho, pois é merecedor de um tratamento especial por parte do empregador que lhe confiou uma função distinta das executadas pelos demais empregados. Em contrapartida, sua responsabilidade é maior. Assim, os gerentes investidos de poderes de mando e gestão, que são aqueles com poderes para administrar, estipulam sua própria jornada de trabalho. Entretanto, para que os empregados fiquem fora do regime de controle de horário, é necessário que o salário do cargo de confiança, compreendendo a gratificação de função, se houver, seja igual ou superior ao salário efetivo acrescido de 40%. Exemplificando, um empregado do departamento de vendas com salário de R$ 2.100,00 que passa a ocupar o cargo de chefe de departamento, para ficar fora do regime de controle de horário, terá que perceber, no mínimo, a remuneração de R$ 2.940,00, ou seja, salário mais a gratificação de função no valor de R$ 840,00 (R$ 2.100,00 x 40%).

11 10. FALTA DE ASSINALAÇÃO É comum ocorrer que o empregado deixe de assinalar no controle de horário a sua hora de entrada e/ou sua hora de saída. Os motivos para isto podem ser muitos. O empregado pode deixar de marcar o ponto, seja manuscrito, mecânico ou eletrônico, por esquecimento, por chegar atrasado e não querer que a chefia tome conhecimento, como também sair mais cedo sem que a chefia saiba. Em todas as situações, o empregado que deixa de assinalar seu horário de trabalho comete falta grave, passível de punição, sendo que esta não deve ser aplicada com o mesmo rigor em todos os casos. No caso de esquecimento, o empregado deve ser advertido e alertado que a reincidência poderá caracterizar falta grave, ensejando a justa causa, já que a assinalação do horário de trabalho faz parte de suas obrigações contratuais. Com relação aos empregados que agem de má-fé, e não assinalam o horário por atrasos ou saídas antecipadas, estes devem ser advertidos que na repetição do fato serão punidos com a demissão por justa causa. A punição dos empregados deve se limitar às disciplinares, não podendo a empresa deixar de pagar a remuneração referente ao período efetivamente trabalhado, mas que não foi assinalado nos controles de horário. 11. PENALIDADE Os infratores dos dispositivos que tratam do controle de jornada de trabalho estão sujeitos a lavratura de auto de infração com multa variável entre R$ 40,25 à R$ 4.025,33, aplicada em dobro em caso de reincidência e oposição à fiscalização ou desacato à autoridade. Fonte: Portal COAD.

NOVO SISTEMA E NOVAS REGRAS PARA O REGISTRO DE MARCAÇÃO DE PONTO ELETRÔNICO AUTOR: José Adeildo Nicolau da Costa*

NOVO SISTEMA E NOVAS REGRAS PARA O REGISTRO DE MARCAÇÃO DE PONTO ELETRÔNICO AUTOR: José Adeildo Nicolau da Costa* NOVO SISTEMA E NOVAS REGRAS PARA O REGISTRO DE MARCAÇÃO DE PONTO ELETRÔNICO AUTOR: José Adeildo Nicolau da Costa* O que é o novo registro de ponto? É o Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP -

Leia mais

MÓDULO 3 JORNADA DE TRABALHO

MÓDULO 3 JORNADA DE TRABALHO MÓDULO 3 JORNADA DE TRABALHO 3.2 CONTROLE DE HORÁRIO E QUADRO DE HORÁRIO ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES DE

Leia mais

PORTARIA Nº 1.510, DE 21 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.510, DE 21 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.510, DE 21 DE AGOSTO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição Federal e os arts.

Leia mais

PORTARIA Nº 1.510, DE 21 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.510, DE 21 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.510, DE 21 DE AGOSTO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição Federal e os arts.

Leia mais

BE.004 - PONTO ELETRÔNICO.

BE.004 - PONTO ELETRÔNICO. .: BE.004 - Ponto Eletrônico :. file://q:\boletim\extraordinario\2010-05-24-be004\ponto Eletronico.htm Page 1 of 1 1/6/2010 BE.004 - PONTO ELETRÔNICO. As empresas com mais de 10 empregados estão obrigadas

Leia mais

As novas regras para a marcação do ponto eletrônico

As novas regras para a marcação do ponto eletrônico As novas regras para a marcação do ponto eletrônico Portaria 1.510 de 28/08/2009 Dra. Vanessa Cardone Benício Adv ogados Ass ociados ABREVIAÇÕES REP: Registro Eletrônico de Ponto SREP: Sistema de Registro

Leia mais

AFD - Arquivo-Fonte de Dados arquivo gerado a partir dos dados armazenados na MRP.

AFD - Arquivo-Fonte de Dados arquivo gerado a partir dos dados armazenados na MRP. Ponto Eletrônico SIGLAS E DEFINIÇÕES SREP - Sistema de Registro Eletrônico de Ponto: é o conjunto de equipamentos e programas informatizados destinado à anotação por meio eletrônico da entrada e saída

Leia mais

Ponto Eletrônico - PORTARIA Nº 1.510, DE 21/08/2009

Ponto Eletrônico - PORTARIA Nº 1.510, DE 21/08/2009 Ponto Eletrônico - PORTARIA Nº 1.510, DE 21/08/2009 O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição Federal

Leia mais

a. Proíbe todo tipo de restrição à marcação de ponto, marcações automáticas e alteração dos dados registrados;

a. Proíbe todo tipo de restrição à marcação de ponto, marcações automáticas e alteração dos dados registrados; 1. Quais são os principais pontos da Portaria MTE 1.510/2009? a. Proíbe todo tipo de restrição à marcação de ponto, marcações automáticas e alteração dos dados registrados; b. Estabelece requisitos para

Leia mais

a. Proíbe todo tipo de restrição à marcação de ponto, marcações automáticas e alteração dos dados registrados;

a. Proíbe todo tipo de restrição à marcação de ponto, marcações automáticas e alteração dos dados registrados; Observação: Essa página se propõe a responder, exclusivamente, perguntas sobre o Sistema de Registro Eletrônico de Ponto SREP, previsto na Portaria nº 1.510/2009. Perguntas sobre outros temas como direitos

Leia mais

DUVÍDAS FREQUENTES SOBRE PONTO ELETRÔNICO

DUVÍDAS FREQUENTES SOBRE PONTO ELETRÔNICO DUVÍDAS FREQUENTES SOBRE PONTO ELETRÔNICO 1. Quais são os principais pontos da Portaria MTE 1.510/2009? Proíbe todo tipo de restrição à marcação de ponto, marcações automáticas e alteração dos dados registrados;

Leia mais

As melhores soluções para sua empresa. Core business. Soluções em software, hardware para acesso e segurança e cartões de identificação.

As melhores soluções para sua empresa. Core business. Soluções em software, hardware para acesso e segurança e cartões de identificação. As melhores soluções para sua empresa. Core business Soluções em software, hardware para acesso e segurança e cartões de identificação. As melhores soluções para sua empresa. REP-Relógio Eletrônico de

Leia mais

Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP. Informações úteis para o Empregador. Versão 1.2

Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP. Informações úteis para o Empregador. Versão 1.2 Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP Portaria MTE 1.510/2009 Informações úteis para o Empregador Versão 1.2 1 Sumário 1 PONTOS IMPORTANTES DA PORTARIA 1.510/2009... 3 1.1 Definições... 4 1.2

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO 18/05/2011

JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO 18/05/2011 - Quadro de Horário Segundo a Art 74 da CLT a empresa deve afixar em lugar visível o quadro de horário. - Sistema alternativo de Controle de Jornada O Ministério aprovou através da portaria nº 1120, este

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador Terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador Terceirizado Segmentos 27/02/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Portaria 1.510 De 2009... 5 3.2 Portaria 373 De 2011... 8 3.3

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 1/18 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Registro de Ponto Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 2/18 1 Conteúdo

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS ASSUNTO: REP REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO 2. Quando a portaria entra em vigor? Na data de sua publicação, 25/08/2009, exceto para o uso do REP, cujo início da obrigatoriedade depende

Leia mais

PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO

PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos o conteúdo de artigo enviado pelo Ministério do Trabalho e Emprego

Leia mais

EVENTO 25/03/2010 Ponto Eletrônico Portaria 1.510/09 MTE. digicon

EVENTO 25/03/2010 Ponto Eletrônico Portaria 1.510/09 MTE. digicon EVENTO 25/03/2010 Ponto Eletrônico Portaria 1.510/09 MTE Palestrante Alencar Berwanger Gerente de Produto Senior Sistemas Agenda Aspectos Gerais da Portaria Impacto nas Empresas Alterações nos Sistemas

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO 1 LIMITE DE DURAÇÃO E ANOTAÇÃO DA JORNADA PACTUADA

JORNADA DE TRABALHO 1 LIMITE DE DURAÇÃO E ANOTAÇÃO DA JORNADA PACTUADA 1 / 5 JORNADA DE TRABALHO 1 LIMITE DE DURAÇÃO E ANOTAÇÃO DA JORNADA PACTUADA A jornada máxima de trabalho, fixada pela Constituição Federal de 1988 e confirmada pelo art. 58 do Estatuto Laboral, é de 8

Leia mais

*REGISTRO ELETRÔNICO DE PONTO

*REGISTRO ELETRÔNICO DE PONTO SICAP NEWS Ano 2 nº 19 Informativo Mensal Março 2010 *REGISTRO ELETRÔNICO DE PONTO * Base Legal: Art. 74 da CLT e Portaria 1.510/2009, do MTE Conforme dispõe o 2º do art. 74 da CLT, estão obrigados à anotação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 85, DE 26 DE JULHO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 85, DE 26 DE JULHO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 85, DE 26 DE JULHO DE 2010 Disciplina a fiscalização do Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP, regulamentado pela Portaria nº 1.510, de 21 de agosto de 2009, e fixa prazo

Leia mais

As melhores soluções para sua empresa. Programação. Gentileza desligar seu celular e/ou rádio.

As melhores soluções para sua empresa. Programação. Gentileza desligar seu celular e/ou rádio. As melhores soluções para sua empresa. Programação Gentileza desligar seu celular e/ou rádio. As melhores soluções para sua empresa. Missão: Proporcionar às empresas brasileiras alta-performance na gestão

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS ASSUNTO: ESPELHOS DE PONTO, COMPROVANTES E ARQUIVOS 11. O REP poderá emitir um comprovante de marcação de ponto por dia? Não. É obrigatória a emissão de um comprovante a cada batida.

Leia mais

Evento Portaria 1510. Conceitos, aspectos legais e suas perspectivas. Os desafios das Empresas para se adequar a Portaria do MTE 1510

Evento Portaria 1510. Conceitos, aspectos legais e suas perspectivas. Os desafios das Empresas para se adequar a Portaria do MTE 1510 Evento Portaria 1510 Conceitos, aspectos legais e suas perspectivas Os desafios das Empresas para se adequar a Portaria do MTE 1510 O Que Rege a Portaria 1510? Portaria MTE 1510 de 21 de Agosto de 2009

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. Senado Federal Gabinete Senador Armando Monteiro. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2011. Senado Federal Gabinete Senador Armando Monteiro. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Decreto Legislativo nº 593, de 2010, da Senadora Niúra Demarchi, que susta os efeitos da Portaria nº 1.510, de 21

Leia mais

REGISTRO ELETRÔNICO DE PONTO

REGISTRO ELETRÔNICO DE PONTO REGISTRO ELETRÔNICO DE PONTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 85, DE 26 DE JULHO DE 2010- MTE- DOU 27.07.2010- Disciplina a fiscalização do Sistema de Registro Eletrônico de Ponto SREP regulamentado pela Portaria

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.839 DE 2010 Susta a Portaria nº 1.510 do Ministério do Trabalho e Emprego, de 21 de agosto de 2009, publicada

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria

Confederação Nacional da Indústria Março/2010 Nota Técnica Ponto Eletrônico Unidade de Relações do Trabalho Confederação Nacional da Indústria e Desenvolvimento Associativo 1 Introdução Em 21 de agosto de 2009 foi publicada a Portaria MTE

Leia mais

REP Relógio Eletrônico de Ponto. Perguntas e Respostas

REP Relógio Eletrônico de Ponto. Perguntas e Respostas REP Relógio Eletrônico de Ponto Perguntas e Respostas 1. VIGÊNCIA E PRAZOS 2. CADASTRAMENTOS, ATESTADOS TÉCNICOS E CERTIFICAÇÃO DO REP 3. REP REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO 4. PROGRAMA DE TRATAMENTO 5.

Leia mais

SREP SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO DE PONTO

SREP SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO DE PONTO SREP SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO DE PONTO Perguntas e Respostas extraídas do site do Ministério do Trabalho em 02/2011. 1. Quais são os principais pontos da Portaria MTE 1.510/2009? a) Proíbe todo tipo

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Quais são os principais pontos da Portaria MTE 1.510/2009? a. Proíbe todo tipo de restrição à marcação de ponto, marcações automáticas e alteração dos dados registrados; b. Estabelece

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL - Registro de Ponto

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL - Registro de Ponto Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 1/20 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO - Registro de Ponto Versão 2.0 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha:

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO. PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.839 DE 2010

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO. PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.839 DE 2010 COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.839 DE 2010 Susta a Portaria nº 1.510 do Ministério do Trabalho e Emprego, de 21 de agosto de 2009, publicada

Leia mais

Prof. Rogério Alves de Oliveira

Prof. Rogério Alves de Oliveira As novas regras do Ministério do Trabalho para o CONTROLE DE PONTO Portaria n o 1.510, de 21 de agosto de 2009. Facilitador Bacharel em Direito Formação em Dinâmica dos Grupos Especialização em Administração

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Quais são os principais pontos da Portaria MTE 1.510/2009? a. Proíbe todo tipo de restrição à marcação de ponto, marcações automáticas e alteração dos dados registrados; b. Estabelece

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dispensa Registro de Marcações no Intervalo de Trabalho - Batidas Pré-Assinaladas

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dispensa Registro de Marcações no Intervalo de Trabalho - Batidas Pré-Assinaladas Dispensa Registro de Marcações no Intervalo de Trabalho - Batidas Pré-Assinaladas 16/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

1-Restrições de horário à marcação do ponto. O empregador não poderá determinar uma faixa horária para que os funcionários marquem o ponto.

1-Restrições de horário à marcação do ponto. O empregador não poderá determinar uma faixa horária para que os funcionários marquem o ponto. Em 21/08/2009, foi publicada a Portaria 1.510/2009, pelo MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), para regulamentar o uso do REP (Registrador Eletrônico de Ponto). A Portaria 1.510/2009 foi dividida em

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Quais são os principais pontos da Portaria MTE 1.510/2009? a. Proíbe todo tipo de restrição à marcação de ponto, marcações automáticas e alteração dos dados registrados; b. Estabelece

Leia mais

CONTROLE DE JORNADA DE TRABALHO E O NOVO SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO DE PONTO

CONTROLE DE JORNADA DE TRABALHO E O NOVO SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO DE PONTO Vitória ES, 26 de maio de 2010. Às Cooperativas Capixabas Prezados Presidentes, A OCB/ES (Registro Sindical n 46000.001306/94, publicado no DOU do dia 04.04.94, Seção I, pág. 4819, Filiado à FECOOP-SULENE,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS ASSUNTO: OUTROS ASSUNTOS RELACIONADOS AO SREP 1. Quais são os principais pontos da Portaria MTE 1.510/2009? a. Proíbe todo tipo de restrição à marcação de ponto, marcações automáticas

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTASERESPOSTAS 1.QuaissãoosprincipaispontosdaPortariaMTE1.510/2009? a.proíbetodotipoderestriçãoàmarcaçãodeponto,marcaçõesautomáticasealteraçãodosdadosregistrados; b. Estabelece requisitos para o equipamento

Leia mais

Seja qual for o tamanho da sua empresa, temos sempre a melhor solução!

Seja qual for o tamanho da sua empresa, temos sempre a melhor solução! REGISTRADO PELO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Seja qual for o tamanho da sua empresa, temos sempre a melhor solução! Soluções completas para Registro Eletrônico de Ponto Sinta-se Seguro A Telemática

Leia mais

Adequação do Ponto Eletrônico à Portaria MTE nº 1.510

Adequação do Ponto Eletrônico à Portaria MTE nº 1.510 Adequação do Ponto Eletrônico à Portaria MTE nº 1.510 Produto : Ponto Eletrônico - versão P10 País : BRASIL Data : 16/12/2009 A TOTVS S.A., na condição de desenvolvedora e provedora do sistema empresarial

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS ASSUNTO: REP REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO 2. Quando a portaria entra em vigor? Na data de sua publicação, 25/08/2009, exceto para o uso do REP, que se tornará obrigatório no dia

Leia mais

Novas Implementações Sistema de Ponto WinPto. Foi implementado um novo folder com complemento de cadastro, conforme figura:

Novas Implementações Sistema de Ponto WinPto. Foi implementado um novo folder com complemento de cadastro, conforme figura: Novas Implementações Sistema de Ponto WinPto 1. Cadastro de funcionários: Foi implementado um novo folder com complemento de cadastro, conforme figura: b 2. cadastro de empresas, foi acrescentado campo

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria

Confederação Nacional da Indústria jul/2011 Nota Técnica Ponto Eletrônico Unidade de Relações do Trabalho e Desenvolvimento Associativo Confederação Nacional da Indústria 1. Introdução Em 25 de agosto de 2009 foi publicada a Portaria MTE

Leia mais

Art. 1º - Disciplinar o registro eletrônico de ponto e a utilização do Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP.

Art. 1º - Disciplinar o registro eletrônico de ponto e a utilização do Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP. São Paulo, 25 de setembro de 2009. Senhor Ministro, Assunto: Portaria MTE 1510/2009 - Controle de Ponto Eletrônico Dirigimo-nos a Vossa Excelência para externar nossa preocupação quanto ao conteúdo da

Leia mais

DECRETO Nº. 044/2013

DECRETO Nº. 044/2013 DECRETO Nº. 044/2013 DISPÕE SOBRE HOMOLOGAÇÃO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA QUE DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS PARA O REGISTRO DE FREQUÊNCIA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS, ESTABELECENDO ROTINAS NO ÂMBITO DA PREFEITURA

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

- ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 03/2014 PROCESSO 91/2013 PREGÃO ELETRÔNICO 36/2013

- ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 03/2014 PROCESSO 91/2013 PREGÃO ELETRÔNICO 36/2013 - ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 03/2014 PROCESSO 91/2013 PREGÃO ELETRÔNICO 36/2013 Aos dezessete dias do mês de janeiro de 2014, presentes de um lado o MUNICÍPIO DE LAVRAS DO SUL, neste ato representado

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO -

- GUIA DO EMPRESÁRIO - - GUIA DO EMPRESÁRIO - LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA CONTROLE DA JORNADA DE TRABALHO ROTEIRO Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br)

Leia mais

Portaria n.º 415, de 28 de outubro de 2011 CONSULTA PÚBLICA. OBJETO: Regulamento Técnico da Qualidade para Registrador Eletrônico de Ponto.

Portaria n.º 415, de 28 de outubro de 2011 CONSULTA PÚBLICA. OBJETO: Regulamento Técnico da Qualidade para Registrador Eletrônico de Ponto. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 415, de 28 de outubro de 2011 CONSULTA

Leia mais

PONTO ELETRÔNICO Portaria MTE n 1.510, de 21 de agosto de 2009

PONTO ELETRÔNICO Portaria MTE n 1.510, de 21 de agosto de 2009 PONTO ELETRÔNICO Portaria MTE n 1.510, de 21 de agosto de 2009 Introdução Em 21 de agosto de 2009 foi publicada, pelo Ministério do Trabalho e Emprego ( MTE ), a Portaria n 1.510, que tem por objetivo

Leia mais

Ponto Eletrônico: novidades e orientações para implementação

Ponto Eletrônico: novidades e orientações para implementação Ponto Eletrônico: novidades e orientações para implementação Introdução Em 21 de agosto de 2009 foi publicada, pelo Ministério do Trabalho e Emprego ( MTE ), a Portaria n 1.510, que tem por objetivo disciplinar

Leia mais

A SOLUÇÃO EM AUTOMAÇÃO COMERCIAL

A SOLUÇÃO EM AUTOMAÇÃO COMERCIAL Futura Ponto (REP) A SOLUÇÃO EM AUTOMAÇÃO COMERCIAL Website: www.futurasistemas.com.br Telefone: (11) 3227-8984/ (11) 3929-8980 ÍNDICE Futura Ponto (REP)...03 Configurações Iniciais...04 Cadastrar Empresa...05

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS e OPERACIONAIS ID REP SMALL BUSINESS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS e OPERACIONAIS ID REP SMALL BUSINESS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS e OPERACIONAIS ID REP SMALL BUSINESS ÍNDICE a) OBJETIVO...3 b) MODELO...3 c) ID REP c.1) Características Funcionais Genéricas...4 c.2) Características Operacionais Genéricas...5

Leia mais

FORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS PRODUTOS:

FORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS PRODUTOS: O ID REP SB é um produto específico para controle de ponto de funcionários. Foi concebido dentro das especificações técnicas estabelecidas pelas novas regras de funcionamento de sistemas eletrônicos de

Leia mais

Especificação Técnica BEREP

Especificação Técnica BEREP Especificação Técnica BEREP 1 1 Objetivo Os produtos da linha BEREP são produtos especificos para controle de ponto de funcionários. Foram concebidos dentro das especificações técnicas estabelecidas pelas

Leia mais

Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP Portaria MTE 1.510/2009

Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP Portaria MTE 1.510/2009 Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP Portaria MTE 1.510/2009 Informações úteis para o Fabricante de Programa de Tratamento de Registro de Ponto Versão 2.0 Sumário 1. Introdução...4 2. Formato

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS e OPERACIONAIS ID REP HOME

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS e OPERACIONAIS ID REP HOME ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS e OPERACIONAIS ID REP HOME ÍNDICE a) OBJETIVO...3 b) MODELOS...3 c) ID REP HOME c.1) Características Funcionais Genéricas...4 c.2) Características Operacionais Genéricas...5 c.3)

Leia mais

ÍNDICE. Futura Ponto (REP)...03. Configurações Iniciais...04. Cadastrar Horário...05. Configurar Hora Extra...07. Cadastrar Departamento...

ÍNDICE. Futura Ponto (REP)...03. Configurações Iniciais...04. Cadastrar Horário...05. Configurar Hora Extra...07. Cadastrar Departamento... Futura Ponto (REP) ÍNDICE Futura Ponto (REP)...03 Configurações Iniciais...04 Cadastrar Horário...05 Configurar Hora Extra...07 Cadastrar Departamento...10 Cadastrar Função...11 Cadastrar Funcionário...12

Leia mais

ANEXO I. Leiaute dos arquivos. 9 numérico "000000000". 1 numérico Tipo do registro, "1". 14 numérico CNPJ ou CPF do empregador.

ANEXO I. Leiaute dos arquivos. 9 numérico 000000000. 1 numérico Tipo do registro, 1. 14 numérico CNPJ ou CPF do empregador. ANEXO I Leiaute dos arquivos.arquivo-fonte de Dados AFD Este arquivo é composto dos seguintes tipos de registro:..registro tipo "" - Cabeçalho Referência do 00- numérico "000000000". 00-00 numérico Tipo

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista www.sato.adm.br 1987 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Relatório Trabalhista Nº 066 18/08/97 REGISTRO DE PONTO Todas as empresas com mais de 10 empregados,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Page 1 of 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR004589/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057715/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.013061/2013-75 DATA DO

Leia mais

Ponto Microsis. Sistema de Registro Eletrônico de Ponto

Ponto Microsis. Sistema de Registro Eletrônico de Ponto Ponto Microsis Sistema de Registro Eletrônico de Ponto Ponto Microsis Visando atender as constantes atualizações da CLT, em particular, a última Portaria vigente - 1510/2009 (consulte http://portal.mte.gov.br/pontoeletronico),

Leia mais

Palavras-chave: Ponto eletrônico, formalidade do registro eletrônico de ponto, benefícios.

Palavras-chave: Ponto eletrônico, formalidade do registro eletrônico de ponto, benefícios. REGISTRO ELETRONICO DE PONTO (REP): E OS DESAFIOS PARA AS EMPRESAS SE ADEQUAREM AS FORMALIDADE DA NOVA PORTARIA 1510/2009 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Eliane Maria Centro Universitário Candido Rondon(UNIRONDON)

Leia mais

Portaria n.º 479, de 15 de dezembro de 2011..

Portaria n.º 479, de 15 de dezembro de 2011.. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 479, de 15 de dezembro de 2011.. O PRESIDENTE

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO Prof. Maria Cláudia Felten E-mail: maria.claudia.felten@terra.com.br JORNADA DE TRABALHO - Jornada de trabalho. - Benefícios da jornada de trabalho. - Diferença entre jornada de trabalho

Leia mais

Metroflex Telecom Brasil Internet Brasweb AMBIENTAÇÃO DE NOVOS COLABORADORES PARTE III

Metroflex Telecom Brasil Internet Brasweb AMBIENTAÇÃO DE NOVOS COLABORADORES PARTE III Metroflex Telecom Brasil Internet Brasweb AMBIENTAÇÃO DE NOVOS COLABORADORES PARTE III O NEGÓCIO DA EMPRESA PLANOS OFERTADOS 500 k / 1 MEGA* = 30,00 3 MEGA / 6 MEGA* = 45,00 6 MEGA / 12 MEGA* = 55,00 10

Leia mais

PORTARIA 1.510 DE 21 DE AGOSTO DE 2009 - VOCÊ SABIA?

PORTARIA 1.510 DE 21 DE AGOSTO DE 2009 - VOCÊ SABIA? PORTARIA 1.510 DE 21 DE AGOSTO DE 2009 - VOCÊ SABIA? Desde 25/08/2009 todas as empresas que adotam o registro eletrônico de ponto devem utilizar o Programa de Tratamento de Registro de Ponto (PTRP), bem

Leia mais

Madis Rodbel Lança equipamento de ponto que atende a portaria 1510 do MTE

Madis Rodbel Lança equipamento de ponto que atende a portaria 1510 do MTE No dia 21 de agosto de 2009, o Ministério do Trabalho e Emprego assinou a Portaria 1510, que regulamenta o Registro Eletrônico de Ponto - REP e a utilização do Sistema de Registro Eletrônico de Ponto -

Leia mais

CIESP 12/08/2014. Controle de Jornada

CIESP 12/08/2014. Controle de Jornada CIESP 12/08/2014 Controle de Jornada Sumário Controle de Jornada 1) Formas de Controle de Jornada: Manual, Mecânico e Eletrônico 2) Ausência de Controle de Jornada: Jornada Externa e Cargo de Confiança

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002285/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/10/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR055933/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001820/2011-96 DATA DO

Leia mais

A solução mais completa e inovadora em Registro Eletrônico do mercado.

A solução mais completa e inovadora em Registro Eletrônico do mercado. A solução mais completa e inovadora em Registro Eletrônico do mercado. O ID REP Company é a solução da ID Data para o controle de ponto dos colaboradores. Vencedor de dois prêmios de design, traz a mais

Leia mais

TRABALHO EXTERNO. inciso XIV, jornada de seis horas para o trabalho realizado em turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva.

TRABALHO EXTERNO. inciso XIV, jornada de seis horas para o trabalho realizado em turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva. TRABALHO EXTERNO 1. INTRODUÇÃO A Consolidação das Leis do Trabalho CLT, em seu artigo 444 da CLT, estabelece que as relações contratuais de trabalho podem ser objeto de livre estipulação das partes interessadas,

Leia mais

MÓDULO ADMISSÃO REGISTRO DE EMPREGADOS 1.4

MÓDULO ADMISSÃO REGISTRO DE EMPREGADOS 1.4 MÓDULO 1 ADMISSÃO 1.4 REGISTRO DE EMPREGADOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 1.4. REGISTRO DE EMPREGADOS... 3 1.4.1. INTRODUÇÃO... 3 1.4.2. OBRIGATORIEDADE... 3 1.4.2.1.

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

2. DIRETRIZES E DISPOSITIVOS LEGAIS:

2. DIRETRIZES E DISPOSITIVOS LEGAIS: Fundação Universitária de Desenvolvimento de Extensão e Pesquisa FUNDEPES Coordenação Administrativo-Financeira COAF Departamento de Gestão de Pessoas DGP Tipo do Instrumento: Regulamento Interno Tema:

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02 OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02 TEMAS TRATADOS EM AULA 1. JORNADA DE TRABALHO (art. 4º, CLT) O instituto tem origem na

Leia mais

Modelo R02 - Volume 2 - Operacional

Modelo R02 - Volume 2 - Operacional Modelo R02 - Volume 2 - Operacional INTRODUÇÃO Este manual foi elaborado com a finalidade de exemplificar todas as operações possíveis de serem executadas no equipamento. O equipamento Prisma Super Fácil

Leia mais

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10 NORMA 1/10 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/10 2 Definição, 2/10 3 Competências, 4/10 4 Procedimentos, 4/10 4.1 Horário de Expediente e Jornada de Trabalho, 4/10 4.2 Registro de Frequência, 5/10 4.3 Apuração

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS e OPERACIONAIS ID REP COMPANY

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS e OPERACIONAIS ID REP COMPANY ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS e OPERACIONAIS ID REP COMPANY 2 ÍNDICE a) Objetivo... 3 b) Hierarquia dos Produtos...3 c) ID REP c.1) Características Funcionais Genéricas...4 c.2) Características Operacionais

Leia mais

Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos

Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos Tipo do Instrumento: Regulamento Interno Tema: Frequência dos Empregados

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Preliminares

Capítulo I Das Disposições Preliminares RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 10, DE 1º DE MARÇO DE 2004 Estabelece normas complementares relativas ao registro, controle e apuração da frequência dos servidores públicos da administração direta, autárquica e fundacional

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Qual é o tempo de tolerância que a legislação admite para a não configuração de atrasos e de horas extras

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Qual é o tempo de tolerância que a legislação admite para a não configuração de atrasos e de horas extras para a não 08/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares... 5 6. Referências...

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE JORNADA DE TRABALHO

NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE JORNADA DE TRABALHO NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE JORNADA DE TRABALHO 1. OBJETIVO O departamento de Recursos Humanos da FECAP pretende com esse manual de normas e procedimentos sobre a jornada de trabalho, informar os seus

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

CONTROLE DA JORNADA DE TRABALHO

CONTROLE DA JORNADA DE TRABALHO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP CONTROLE DA JORNADA DE TRABALHO Código RH-POP-CJT-001 Data Emissão FEV/2009 Data de Vigência 01/MAR/2009 Próxima Revisão MAR/2011 Versão n o 01 DEFINIÇÃO É objetivo

Leia mais

1. Especificações Técnicas

1. Especificações Técnicas SUMÁRIO 1.Especificações Técnicas...2 2.Passfinger 2040...3 3.Instalação...4 4.Operação...5 4.1.Ligar o REP...5 4.2.Modo de Espera (Idle)...5 4.3.Navegação nos Menus...5 4.4.Escrever texto...6 4.4.1.Modo

Leia mais

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas Conheça as regras especiais do contrato de trabalho do professor O professor no exercício do magistério em estabelecimento particular de ensino mereceu tratamento especial

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria

Confederação Nacional da Indústria Março/2010 Nota Técnica Ponto Eletrônico Unidade de Relações do Trabalho e Desenvolvimento Associativo Confederação Nacional da Indústria 1 Introdução Em 21 de agosto de 2009 foi publicada a Portaria MTE

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

Cartilha Ponto Eletrônico

Cartilha Ponto Eletrônico Divisão de Gestão de Pessoas Unidade de Desenvolvimento de Pessoas Cartilha Ponto Eletrônico Procedimentos Importantes APRESENTAÇÃO Esta cartilha tem como objetivo esclarecer as principais dúvidas ou questionamentos

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição Estadual: 90.111.008-53

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E OPERACIONAL ID REP. a) Objetivo 2. b) Hierarquia dos Produtos 2

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E OPERACIONAL ID REP. a) Objetivo 2. b) Hierarquia dos Produtos 2 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E OPERACIONAL ID REP a) Objetivo 2 b) Hierarquia dos Produtos 2 c) ID REP c.1) Características Funcionais Genéricas 3 c.2) Características Operacionais Genéricas 4 c.2 Características

Leia mais

Este manual foi desenvolvido usando a versão 3.4.81 do Ponto Secullum 3 e a versão 1.0.51 do Ponto Secullum 4.

Este manual foi desenvolvido usando a versão 3.4.81 do Ponto Secullum 3 e a versão 1.0.51 do Ponto Secullum 4. Migrando do Ponto Secullum 3 para o Ponto Secullum 4 A Secullum Sistemas de Ponto e Acesso vem através desse manual esclarecer as duvidas em relação a migração do sistema de Ponto Secullum 3 para o Ponto

Leia mais