MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL - Registro de Ponto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL - Registro de Ponto"

Transcrição

1 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 1/20 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO - Registro de Ponto Versão 2.0

2 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 2/20 Índice 1 INTRODUÇÃO OBRIGATORIEDADE DO CONTROLE DE HORÁRIO FORMAS DE REGISTROS APONTAMENTO DA JORNADA E CONTROLE DE FREQUÊNCIA CONCEITOS INICIAIS SOBRE JORNADA DE TRABALHO LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA ATRASOS SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO DE PONTO SREP PROGRAMA DE TRATAMENTO DE REGISTRO DE PONTO OBRIGAÇÕES DO FUNCIONÁRIO USO DO CRACHÁ REGISTRO DO PONTO COMUNICAÇÃO QUANTO À FALTA DE MARCAÇÃO, SERVIÇOS EXTERNOS OU MARCAÇÕES INDEVIDAS Falta de Marcação Serviços Externos Marcações Indevidas Acompanhamento mensal FALTAS, ATRASOS E AFASTAMENTOS FALTAS ATRASOS, SAÍDAS ANTECIPADAS OU DURANTE O EXPEDIENTE Atraso Saída Antecipada Saída durante o expediente AFASTAMENTO CRITÉRIOS PARA JUSTIFICATIVA, ABONOS E DESCONTO DE FALTAS, ATRASO, SAÍDA ANTECIPADA OU DURANTE O EXPEDIENTE HORAS EXTRAS - BANCO DE HORAS COMPENSAÇÃO DE BANCO DE HORAS HORÁRIO DE TRABALHO JORNADA DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E ADMINISTRATIVAS ANEXO I - FORMULÁRIO DE PONTO REGISTRO MANUAL - MENSAL ANEXO II SOLICITAÇÃO DE JUSTIFICATIVA/ABONO PARA FALTA, ATRASO OU SAÍDA ANTECIPADA E AUTORIZAÇÃO PARA REALIZAÇÃO DE HORAS EXTRAS ANEXO III FORMULÁRIO DE JORNADA ANEXO IV NORMAS DE REGISTRO DE JORNADA ANEXO V NORMA DE UTILIZAÇÃO DO CRACHÁ... 18

3 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 3/20 ANEXO VI - HORÁRIO DE INTERVALO (OBRIGATÓRIO) Índice de Figuras FIGURA 1 COMPROVANTE DO RELÓGIO DE PONTO ELETRÔNICO... 5 Índice de Tabelas TABELA 1 TIPOS DE FALTA X EVENTO ASSOCIADO... 8 TABELA 2 - MOTIVOS DA AUSÊNCIA E NÚMERO DE DIAS PERMITIDO TABELA 3 - JORNADA DE TRABALHO TABELA 4 JORNADA X INTERVALO... 20

4 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 4/20 1 Introdução Este documento descreve normas e procedimentos para o controle da frequência dos funcionários da Facti, especificando os tipos de ocorrências possíveis, o fundamento legal de cada uma delas e como devem ser tratadas. Regra geral, o funcionário fica a disposição da Facti para dar cumprimento às tarefas que lhe são atribuídas. Este tempo deve ser controlado a fim de resguardar os interesses das partes. A falta de controle da jornada de trabalho do funcionário pode trazer inúmeros problemas para a Fundação, sendo o principal o custo pelo pagamento de horas extras não autorizadas. 2 Obrigatoriedade do controle de horário Conforme previsto no Art. 74 2º da CLT, qualquer estabelecimento com mais de 10 funcionários, é tem a obrigatoriedade do de implantar o controle de jornada de trabalho. Somente os controles de horário refletem a exata dimensão da duração do trabalho diário, quer quanto à determinação do início, quer quanto ao encerramento. Portanto, a apuração da jornada de trabalho, inclusive das horas extras, é feita, obrigatoriamente, através dos registros de entrada ao trabalho, saída para refeição, retorno da refeição e saída do trabalho, sendo obrigatório o registro das quatro marcações diárias. 3 Formas de registros A legislação determina que o empregador deve adotar registros manuais, mecânicos ou eletrônicos. A Facti optou pelo uso do Sistema de Registro de Ponto Eletrônico SREP, que é um conjunto de programas informatizados destinados à anotação por meio eletrônico dos horários de entrada e saída dos trabalhadores, previsto no art. 74 da CLT. O conjunto de equipamentos utilizados para registro de ponto eletrônico e seus programas, foram atestados nos termos da Portaria MTE nº 1.510/09. Em situações em que a implantação do equipamento não foi realizada ou o mesmo estiver indisponível, usar formulário de registro de ponto manual.

5 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 5/20 4 Apontamento da Jornada e controle de Frequência 4.1 Conceitos iniciais sobre jornada de trabalho Entende-se por jornada de trabalho a duração diária das atividades do funcionário, ou seja, o lapso de tempo em que o funcionário, por força do contrato de trabalho, fica à disposição do empregador. Durante esse período o trabalhador não pode dispor de seu tempo em proveito próprio. A jornada máxima diária de trabalho, fixada pela CF/1988, é de 8horas, não podendo exceder a 44 horas semanais. 4.2 Limites de tolerância para atrasos Conforme Art. 58, 1º da CLT, não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de 5 (cinco) minutos, observando o limite máximo de 10 (dez) minutos diários. 4.3 Sistema de registro Eletrônico de Ponto SREP O funcionário usará para apontamento eletrônico, os relógios ponto disponibilizados nos principais acessos. Para registro do ponto o funcionário deverá utilizar seu crachá, aproximando-o do relógio de ponto eletrônico. Ao final do registro o equipamento emitirá um comprovante, com detalhes da Facti, do funcionário e o horário de apontamento, como ilustrado na Figura 1. Figura 1 Comprovante do relógio de ponto eletrônico

6 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 6/20 Recomendamos o armazenamento dos comprovantes, até o recebimento do Relatório de Cartão de Ponto, que relata o apontamento mensal. 4.4 Programa de Tratamento de registro de Ponto O Programa de Tratamento de registro de Ponto é um conjunto de rotinas informatizadas que tem por função tratar dados relativos à marcação dos horários de entrada e de saída. A função de tratamento dos dados se limitará a acrescentar informações para complementar eventual falta de registro de marcação, registro de ponto ou indicar marcações indevidas. 5 Obrigações do Funcionário 5.1 Uso do Crachá Deverá o funcionário cumprir a norma referente ao uso do crachá (anexo V). O registro do ponto se dará exclusivamente na aproximação do crachá ao leitor de ponto eletrônico. Caso o funcionário, não esteja de posse de seu crachá, o mesmo deverá comunicar ao Departamento de Pessoal, que providenciará um crachá provisório. Este crachá permitirá o registro do ponto eletrônico. 5.2 Registro do ponto Ao aproximar o crachá da área indicada, o equipamento emitirá um sinal sonoro e o comprovante do registro do ponto, que contém a identificação do funcionário e o horário do ponto. Caso o equipamento não tenha papel, mas emita um sinal sonoro, o mesmo registrará o ponto, porém não emitirá o comprovante. Caso o equipamento apresente outro tipo de problema, ele emitirá dois sinais sonoros, mas não registrará o ponto e nem emitirá o comprovante. Obs. Solicitamos que o funcionário ao observar problema com o equipamento, comunique imediatamente o Departamento de Pessoal da Facti. 5.3 Comunicação quanto à falta de marcação, serviços externos ou marcações indevidas O registro do ponto é de responsabilidade do funcionário, seguindo as normas e procedimentos estabelecidos pelo departamento de pessoal, visto que essa obrigatoriedade não pode ser

7 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 7/20 transferida a outro. Caso ocorra, o mesmo poderá ser advertido, conforme o Art. 482 da CLT, alínea E (Desídia no desempenho das respectivas funções) Falta de Marcação Caso ocorra a falta de marcação, por esquecimento, por falhas no equipamento, por falta de papel, ou por qualquer outro motivo, que impeça o registro do ponto, o funcionário deverá comunicar o departamento de pessoal, no prazo máximo de 2 (dois) dias úteis, através do formulário contido no Anexo II, devidamente preenchido e assinado pelo superior imediato, apontando suas respectivas marcações de entrada, intervalo para descanso/alimentação e saída Serviços Externos Quando o trabalho for executado fora do estabelecimento da Facti, o funcionário deverá informar ao Departamento de Pessoal o horário de trabalho através do formulário contido no Anexo II Marcações Indevidas Caso o trabalhador efetue alguma marcação indevida, deverá comunicar no prazo máximo de 2 (dois) dias úteis através do formulário contido no Anexo II, devidamente preenchido e assinado pelo superior imediato Acompanhamento mensal Mensalmente será disponibilizado aos funcionários, até o 15º dia do mês subsequente, pelo departamento de pessoal, o Relatório de Cartão de Ponto (espelho) de ponto, para que possam verificar seus registros, bem como para reconhecer sua autenticidade, por intermédio de sua assinatura. 6 Faltas, Atrasos e Afastamentos O funcionário deve cumprir integralmente a jornada de trabalho mensal pactuada com o empregador, sem faltas, atrasos, saídas durante o expediente ou afastamentos, para ter direito ao recebimento de seu salário integral. Todavia, certas ausências são legais e devem ser comunicadas com antecedência, quando possível, e/ou justificadas, conforme estabelecido na CLT, ou através do formulário contido no Anexo II.

8 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 8/ Faltas Falta é a ausência do funcionário em um período igual ou maior que a metade de sua jornada de trabalho. Sendo assim, recebe a seguinte denominação: Integral Quando ocorre o não comparecimento do funcionário ao trabalho; Parcial Quando ocorre o não comparecimento do funcionário ao trabalho por período menor que a sua jornada de trabalho e igual ou maior que a metade de sua jornada de trabalho. A Tabela 1 apresenta os tipos de falta e o evento associado a cada tipo. Tabela 1 Tipos de falta X evento associado Tipo Legal Justificada Injustificada Abonada Evento Aquela prevista por lei, a que o funcionário tem direito, não acarretando nenhum tipo de prejuízo, desde que devidamente comprovada, conforme regras estabelecidas pela CLT. Exemplo: Atestados Médicos Quando o funcionário comunica o motivo da falta, mas a mesma não é passível de abono. Gera desconto no pagamento. Porém, não acarreta nenhuma consequência de ordem disciplinar. Quando o funcionário não comunica o motivo da ausência, ou quando o motivo alegado não é aceito pelo superior imediato, acarretando desconto no pagamento, podendo acarretar consequências de ordem disciplinar. Será concedida pelo Superior Imediato quando da aceitação do motivo apresentado pelo funcionário, não acarretando nenhum tipo de prejuízo. 6.2 Atrasos, Saídas antecipadas ou durante o expediente Atraso É a ausência do funcionário por período inferior a metade de sua jornada de trabalho Saída Antecipada É a ausência do funcionário durante o expediente, sem retorno, após ter cumprido mais que a metade de sua jornada.

9 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 9/ Saída durante o expediente É a ausência do funcionário durante o expediente, com retorno, desde que a permanência no trabalho seja superior à metade de sua jornada. 6.3 Afastamento Há dois tipos de afastamento: a licença e o afastamento concedido por autorização superior. 7 Critérios para justificativa, abonos e desconto de faltas, atraso, saída antecipada ou durante o expediente As faltas, atrasos, saídas antecipadas ou durante o expediente, decorrentes de doença, serão abonadas através de Atestado Médico fornecido pelo Serviço Médico da Empresa (Unimed), por Médico do INSS, Médico do SESI ou Médico Particular, nessa ordem de prioridade. Só serão aceitos atestados do funcionário ou de seu dependente legal, com o carimbo contendo nome e CRM do médico e o CID (Código Internacional de Doenças), se forem apresentados em até 2 (dois) dias úteis após a data do início da ausência. As faltas, atrasos, saídas antecipadas ou durante o expediente, ocorridas pelos motivos identificados na Tabela 2, serão abonadas, desde que forem apresentados os documentos de comprovação, em até 2 (dois) dias úteis após a data do início da ausência. As solicitações de abono de faltas, atrasos, saídas antecipadas ou durante o expediente, sem documentos de comprovação, somente serão aceitas, se as justificativas forem decorrentes de acidentes de percurso (com o próprio funcionário) ou problemas com o transporte fretado (apenas aos usuários). As faltas, quando não abonadas, acarretarão, além da perda do salário correspondente, a redução legal das férias, devendo ser descontados no pagamento do salário do mês corrente, caso ocorram até o dia 20 (vinte) do mês, ou no pagamento do salário do mês subsequente, caso ocorram faltas após esta data. A Tabela 2, cuja fonte foi o Art. 473 da (CLT), indica os motivos da ausência e o número de dias permitido.

10 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 10/20 Tabela 2 - Motivos da ausência e número de dias permitido Motivo Morte do cônjuge, ascendente (pais e avós), descendente (filhos e netos), irmão ou pessoa que, declarada em sua carteira de trabalho, viva sob sua dependência econômica Casamento Nascimento de filho Doação voluntária de sangue devidamente comprovada Alistamento como eleitor Cumprir as exigências do Serviço Militar (comparecimento anual obrigatório, para apresentação na reserva ou em cerimônias cívicas). Fazer provas de vestibular para ingresso em estabelecimento de ensino superior, devidamente comprovado. Como representante de entidade sindical, estiver participando de reunião oficial de organismo internacional do qual o Brasil seja membro. Número de dias consecutivos Até 2 (dois) dias Até 5 (cinco) dias Por 5 (cinco) dias no decorrer da primeira semana Por 1 (um) dia, em cada 12 meses de trabalho Até 2 (dois) dias, que poderão ser não consecutivos Período de tempo necessário Período de tempo necessário Período de tempo necessário 8 Horas Extras - Banco de Horas As horas extras trabalhadas em um dia, previamente informadas e autorizadas pela superior imediato do funcionário, e na ausência deste, pelo Secretário Executivo da Facti, através do Formulário contido no Anexo II, poderão ser compensadas pela correspondente diminuição de horas de trabalho em outro dia, dentro do mesmo mês ou no máximo até o terceiro mês subsequente ao da realização da hora-extra, sem qualquer efeito pecuniário ao trabalhador, respeitando, contudo, o limite máximo da jornada diária de 10 horas. Conforme cláusula14ª do Acordo coletivo de trabalho. 9 Compensação de Banco de Horas Conforme cláusula14ª, 3, do Acordo Coletivo de Trabalho, fica estipulado o prazo máximo de 90 dias para a compensação das horas existentes em banco de horas.

11 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 11/20 Para a compensação das horas será necessário o preenchimento do formulário contido no Anexo II, com antecedência de no mínimo 01 dia e com a anuência do superior imediato. 10 Horário de trabalho Jornada A jornada de trabalho principal, adotada pela Facti, é indicada na Tabela 3. Esse horário poderá ser substituído, visto a necessidade de cada filial, desde que limitado às 44 horas semanais e deverá ser informado ao Departamento de Pessoal, através do formulário contido no Anexo III, para as providências cabíveis de acordo com a CLT. Tabela 3 - Jornada de Trabalho Segunda a Sexta Entrada Intervalo Saída 08:00h 01 hora 17:00h 11 Das Disposições Gerais e Administrativas O controle de horário de trabalho, bem como, a autorização para a realização de horas extras, abono de faltas/atrasos, não justificados, é de prerrogativa do superior imediato, e dele serão cobrados os esclarecimentos no que abrange a gestão destes horários. Periodicamente o Departamento de Pessoal disponibilizará relatório de estatística, visando informar aos gerentes, para fins de acompanhamento de sua equipe, os horários, saldo de horas extras, comportamento disciplinar, busca de resultados, entre outros dados que se façam necessários para gerir os trabalhos. O departamento de RH disponibilizará formulário próprio para a autorização de Horas Extras Banco de Horas, contido no Anexo II, bem como para o abono de faltas/atrasos injustificados, que deverá ser preenchido e assinado pelo responsável e pelo respectivo funcionário. Para qualquer prorrogação da hora de trabalho, diária, o funcionário deve ser previamente autorizado pelo superior imediato, através de formulário instituído pelo departamento de pessoal, onde será obrigatória a justificativa da prorrogação do horário. A entrega do comunicado ao

12 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 12/20 departamento de pessoal deve ser impreterivelmente na data do evento ou até no máximo 2 (dois) dias úteis da data do evento, devendo estar assinado pelo superior imediato e funcionário. A utilização do banco de horas será efetuada após a autorização dos gerentes, seguindo os relatórios apresentados pelo departamento de Recursos Humanos.

13 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 13/20 ANEXOS

14 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 14/20 Anexo I - Formulário de Ponto Registro Manual - Mensal

15 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 15/20 Anexo II Solicitação de Justificativa/Abono para Falta, Atraso ou Saída Antecipada e Autorização para Realização de Horas Extras

16 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 16/20 Anexo III Formulário de Jornada

17 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 17/20 Anexo IV Normas de Registro de Jornada O Art. 74 do 2º da Consolidação das Leis do Trabalho, CLT, estabelece a obrigatoriedade de registro de horário. Art O horário do trabalho constará de quadro, organizado conforme modelo expedido pelo Ministro do Trabalho, Indústria e Comercio, e afixado em lugar bem visível. Esse quadro será discriminativo no caso de não ser o horário único para todos os funcionários de uma mesma seção ou turma. 1º - O horário de trabalho será anotado em registro de funcionários com a indicação de acordos ou contratos coletivos porventura celebrados. 2º - Para os estabelecimentos de mais de dez trabalhadores será obrigatória a anotação da hora de entrada e de saída, em registro manual, mecânico ou eletrônico, conforme instruções a serem expedidas pelo Ministério do Trabalho, devendo haver pré-assinalação do período de repouso. (Redação dada pela Lei nº 7.855, de ). 3º - Se o trabalho for executado fora do estabelecimento, o horário dos funcionários constará, explicitamente, de ficha ou papeleta em seu poder, sem prejuízo do que dispõe o 1º deste artigo. A portaria MTE 1.510/2009 vem disciplinar a anotação de horário de trabalho por meio eletrônico, conforme previsto no art. 74 2º da CLT e esta norma vem operacionalizar a referida portaria.

18 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 18/20 Anexo V Norma de Utilização do Crachá Funcional - O crachá funcional tem o objetivo de identificar o funcionário quando no desempenho de suas funções e, o registro dos horários de entrada, intervalo e saída em seu posto de trabalho; - Sua utilização é obrigatória nas dependências da Facti/CTI; - Os funcionários deverão portá-lo permanentemente, afixado em posição de fácil visualização; - O seu uso, é pessoal e intransferível, não sendo permitido utilizá-lo para autorizar a entrada e/ou saída de outro funcionário ou de qualquer pessoa nas dependências da Facti/CTI. O uso indevido sujeitará o infrator às penalidades previstas em lei; - O funcionário é responsável pelo uso correto do crachá funcional que lhe for atribuído, devendo zelar pela sua guarda e conservação, evitando que se extravie ou se danifique; - As ocorrências de roubo ou furto, e desgaste natural na sua utilização, deverão ser comunicadas imediatamente ao Departamento de Pessoal, para que seja efetuada a reemissão sem custo ao funcionário; - As ocorrências de perda/extravio ou má utilização, também deverão ser comunicadas imediatamente ao Departamento de Pessoal, porém sua reemissão terá um custo ao funcionário de R$ 17,00 (dezessete reais); - Em caso de demissão, o crachá funcional, deverá ser devolvido ao Departamento de Pessoal.

19 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 19/20 Anexo VI - Horário de Intervalo (Obrigatório) Conforme Art. 71 da CLT é obrigatória a concessão de um intervalo para repouso ou alimentação. Art Em qualquer trabalho contínuo, cuja duração exceda de 6 (seis) horas, é obrigatória a concessão de um intervalo para repouso ou alimentação, o qual será, no mínimo, de 1 (uma) hora, e, salvo acordo escrito ou contrato coletivo em contrário, não poderá exceder de 2 (duas) horas. 1º - Não excedendo de 6 (seis) horas o trabalho, será, entretanto, obrigatório um intervalo de 15 (quinze) minutos quando a duração ultrapassar 4 (quatro) horas. 2º - Os intervalos de descanso não serão computados na duração do trabalho. 3º - O limite mínimo de uma hora para repouso ou refeição poderá ser reduzido por ato do Ministro do Trabalho, Indústria e Comércio, quando ouvido o Serviço de Alimentação de Previdência Social, se verificar que o estabelecimento atende integralmente às exigências concernentes à organização dos refeitórios, e quando os respectivos funcionários não estiverem sob regime de trabalho prorrogado a horas suplementares. 4º - Quando o intervalo para repouso e alimentação, previsto neste artigo, não for concedido pelo empregador, este ficará obrigado a remunerar o período correspondente com um acréscimo de no mínimo 50% (cinquenta por cento) sobre o valor da remuneração da hora normal de trabalho. (Incluído pela Lei nº 8.923, de ). 5º - Os intervalos expressos no caput e no 1º poderão ser fracionados quando compreendidos entre o término da primeira hora trabalhada e o início da última hora trabalhada, desde que previsto em convenção ou acordo coletivo de trabalho, ante a natureza do serviço e em virtude das condições especiais do trabalho a que são submetidos estritamente os motoristas, cobradores, fiscalização de campo e afins nos serviços de operação de veículos rodoviários, funcionários no setor de transporte coletivo de passageiros, mantida a mesma remuneração e concedidos intervalos para descanso menores e fracionados ao final de cada viagem, não descontados da jornada. (Incluído pela Lei nº , de ).

20 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 20/20 Regra adotada pela Facti - Intervalos - O intervalo de repouso e alimentação, para os funcionários que fazem a jornada de 8h00, não poderá ter duração menor que 1 (uma) hora. - A saída para o intervalo de repouso ou alimentação deverá ocorrer no mínimo 3 horas a partir do início do período de trabalho e o retorno deverá ocorrer 3 horas antes do final do período de trabalho. A Tabela 4 exemplifica para alguns casos de jornada diária e jornada semanal, qual o intervalo para o descanso obrigatório. Tabela 4 Jornada X Intervalo Jornada Diária (h:m) Jornada Semanal (h:m) Intervalo Descanso (h:m) 4:00 20:00 Não tem 4:48 24:00 0:15 6:00 30:00 0:15 8:00 40:00 1:00

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 1/18 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Registro de Ponto Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 2/18 1 Conteúdo

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dispensa Registro de Marcações no Intervalo de Trabalho - Batidas Pré-Assinaladas

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dispensa Registro de Marcações no Intervalo de Trabalho - Batidas Pré-Assinaladas Dispensa Registro de Marcações no Intervalo de Trabalho - Batidas Pré-Assinaladas 16/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

MANUAL MANUAL DO PONTO ELETRÔNICO

MANUAL MANUAL DO PONTO ELETRÔNICO Código: MT.GPES.001 Data: 30/08/2010 Versão: 1 Página: 1 de 7 DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO: 1. INTRODUÇÃO CONSIDERANDO QUE O REGISTRO DE PONTO ESTÁ PREVISTO NA CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO CLT, NO ARTIGO

Leia mais

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10 NORMA 1/10 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/10 2 Definição, 2/10 3 Competências, 4/10 4 Procedimentos, 4/10 4.1 Horário de Expediente e Jornada de Trabalho, 4/10 4.2 Registro de Frequência, 5/10 4.3 Apuração

Leia mais

Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos

Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos Tipo do Instrumento: Regulamento Interno Tema: Frequência dos Empregados

Leia mais

Metroflex Telecom Brasil Internet Brasweb AMBIENTAÇÃO DE NOVOS COLABORADORES PARTE III

Metroflex Telecom Brasil Internet Brasweb AMBIENTAÇÃO DE NOVOS COLABORADORES PARTE III Metroflex Telecom Brasil Internet Brasweb AMBIENTAÇÃO DE NOVOS COLABORADORES PARTE III O NEGÓCIO DA EMPRESA PLANOS OFERTADOS 500 k / 1 MEGA* = 30,00 3 MEGA / 6 MEGA* = 45,00 6 MEGA / 12 MEGA* = 55,00 10

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Preliminares

Capítulo I Das Disposições Preliminares RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 10, DE 1º DE MARÇO DE 2004 Estabelece normas complementares relativas ao registro, controle e apuração da frequência dos servidores públicos da administração direta, autárquica e fundacional

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO. DESCRIÇÃO DAS ALTERAÇÕES: Alterações Gerais. Esta Regulamentação aplica-se a todos os empregados da MGS.

REGULAMENTAÇÃO. DESCRIÇÃO DAS ALTERAÇÕES: Alterações Gerais. Esta Regulamentação aplica-se a todos os empregados da MGS. TÍTULO: 1 / 14 REVISÃO: 4ª DATA: 16/01/2013 DESCRIÇÃO DAS ALTERAÇÕES: Alterações Gerais ELABORADO POR: Grupo Funcional APROVADO POR: Luzia Soraia Silva Ghader - Presidente VERIFICADO POR: Gilcélia Aparecida

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE JORNADA DE TRABALHO

NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE JORNADA DE TRABALHO NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE JORNADA DE TRABALHO 1. OBJETIVO O departamento de Recursos Humanos da FECAP pretende com esse manual de normas e procedimentos sobre a jornada de trabalho, informar os seus

Leia mais

Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada; Banco de Horas.

Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada; Banco de Horas. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito do Trabalho / Aula 05 Professor: Leandro Antunes Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada;

Leia mais

CARTILHA ORIENTATIVA FREQUÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS CELETISTAS DA FUNDEPES LOTADOS NO HUPAA. Saúde como Instrumento no Âmbito da UFAL.

CARTILHA ORIENTATIVA FREQUÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS CELETISTAS DA FUNDEPES LOTADOS NO HUPAA. Saúde como Instrumento no Âmbito da UFAL. Fundação Universitária de Desenvolvimento de Extensão e Pesquisa FUNDEPES Coordenação Administrativo-Financeira COAF Departamento de Gestão de Pessoas DGP CARTILHA ORIENTATIVA FREQUÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

Perguntas Frequentes - Trabalhista

Perguntas Frequentes - Trabalhista Perguntas Frequentes - Trabalhista 01) O empregador poderá descontar do empregado as importâncias correspondentes a danos por eles causados? 1º do art. 462 da CLT prevê a possibilidade de que, em caso

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO 18/05/2011

JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO 18/05/2011 - Quadro de Horário Segundo a Art 74 da CLT a empresa deve afixar em lugar visível o quadro de horário. - Sistema alternativo de Controle de Jornada O Ministério aprovou através da portaria nº 1120, este

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO 1 LIMITE DE DURAÇÃO E ANOTAÇÃO DA JORNADA PACTUADA

JORNADA DE TRABALHO 1 LIMITE DE DURAÇÃO E ANOTAÇÃO DA JORNADA PACTUADA 1 / 5 JORNADA DE TRABALHO 1 LIMITE DE DURAÇÃO E ANOTAÇÃO DA JORNADA PACTUADA A jornada máxima de trabalho, fixada pela Constituição Federal de 1988 e confirmada pelo art. 58 do Estatuto Laboral, é de 8

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08 AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08 PORTARIA Nº. 17, DE 23 DE JANEIRO DE 2015. Aprova

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU O trabalhador temporário é pessoa física contratada por empresa de trabalho temporário, para prestar serviços pessoalmente e mediante salário e subordinação, a empresa tomadora

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

2. DIRETRIZES E DISPOSITIVOS LEGAIS:

2. DIRETRIZES E DISPOSITIVOS LEGAIS: Fundação Universitária de Desenvolvimento de Extensão e Pesquisa FUNDEPES Coordenação Administrativo-Financeira COAF Departamento de Gestão de Pessoas DGP Tipo do Instrumento: Regulamento Interno Tema:

Leia mais

MÓDULO 3 JORNADA DE TRABALHO

MÓDULO 3 JORNADA DE TRABALHO MÓDULO 3 JORNADA DE TRABALHO 3.2 CONTROLE DE HORÁRIO E QUADRO DE HORÁRIO ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES DE

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro N. VALEC NGL-03-01-002

Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro N. VALEC NGL-03-01-002 Rev./ VALEC INDICAR NESTE QUADRO EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA Rev. / 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1-1 1 1 1 0 0 0 16 2 17 3 18 4 19 5 20 6 21 7 22 8 23 9 24 10 25 11 26 12 27 13 28 14 29

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Ponto Eletrônico Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Ponto Eletrônico. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Da contratação e estabilidade: Estabilidade Após 3 anos de efetivo exercício. (CF 1988, Art. 41)

Da contratação e estabilidade: Estabilidade Após 3 anos de efetivo exercício. (CF 1988, Art. 41) SERVIÇO DE PESSOAL Lista dos benefícios / direitos / deveres dos servidores Legislação trabalhista: ESU http://www.usp.br/drh/novo/esu/esuorig1.html CLT http://www.planalto.gov.br/ccivil/decreto-lei/del5452.htm

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009 DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº_03 /2009. O Defensor Público Geral do Estado do Pará, no uso de atribuições previstas

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000470/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/10/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060279/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.012010/2010-62 DATA DO

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001

ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001 ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001 Estabelece normatização quanto à frequência, assiduidade e questões funcionais dos servidores além dos fluxos de encaminhamento dos documentos e seu posterior arquivamento.

Leia mais

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA DEPARTAMENTO DE RECURSOS EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE Mogi das Cruzes, 2010. Sumário 1. Requerimentos Disponíveis...

Leia mais

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado?

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? 1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? O pagamento em moeda corrente, mediante recibo, deverá ser feito até o 5º dia útil do período (mês, quinzena, semana)

Leia mais

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL -

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - - CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). 4.

Leia mais

DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009

DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009 DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009 Dispõe sobre o registro e controle da freqüência dos servidores do Poder Judiciário. PUBLICADO NO DIÁRIO DO PODER JUDICIÁRIO NO DIA 24 DE AGOSTO DE 2009. A PRESIDENTE DO

Leia mais

5. JORNADA DE TRABALHO

5. JORNADA DE TRABALHO 5. JORNADA DE TRABALHO 5.1 DURAÇÃO DA JORNADA A duração normal do trabalho não pode ser superior a oito horas diárias e 44 semanais, sendo facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/22 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos operacionais na Administração Pública sobre a realização de jornada de trabalho extraordinária e o registro de ponto eletrônico; 1.2)

Leia mais

CONTROLE DA JORNADA DE TRABALHO

CONTROLE DA JORNADA DE TRABALHO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP CONTROLE DA JORNADA DE TRABALHO Código RH-POP-CJT-001 Data Emissão FEV/2009 Data de Vigência 01/MAR/2009 Próxima Revisão MAR/2011 Versão n o 01 DEFINIÇÃO É objetivo

Leia mais

Adequação do Ponto Eletrônico à Portaria MTE nº 1.510

Adequação do Ponto Eletrônico à Portaria MTE nº 1.510 Adequação do Ponto Eletrônico à Portaria MTE nº 1.510 Produto : Ponto Eletrônico - versão P10 País : BRASIL Data : 16/12/2009 A TOTVS S.A., na condição de desenvolvedora e provedora do sistema empresarial

Leia mais

b) Não remunerados: Não entram no cômputo da jornada de trabalho. Exemplo: 15 minutos ou 1 hora até 2 horas intrajornada.

b) Não remunerados: Não entram no cômputo da jornada de trabalho. Exemplo: 15 minutos ou 1 hora até 2 horas intrajornada. 1 PERÍODOS DE DESCANSO Os períodos de descanso são necessidades biológicas, fisiológicas do corpo humano para que possa recompor suas energias e continuar trabalhando com eficiência. Além de o lazer ser

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Servidores Públicos-MTE-Controle de Frequência-REP-Identificação Biométrica PORTARIA MTE nº 206/2011-DOU:

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS002212/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/10/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR058819/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.016752/2013-71 DATA DO

Leia mais

NORMA DE REGISTRO DE FREQÜÊNCIA NOR 311

NORMA DE REGISTRO DE FREQÜÊNCIA NOR 311 MANUAL DE PESSOAL CÓD. 300 ASSUNTO: REGISTRO DE FREQÜÊNCIA CÓD: NOR 311 APROVAÇÃO: Resolução nº 080/93, de 18 de dezembro de 1993 NORMA DE REGISTRO DE FREQÜÊNCIA NOR 311 2 /10 ÍNDICE 1. FINALIDADE... 3

Leia mais

EMPREGADO. É toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste, mediante salário. (artigo 3o CLT).

EMPREGADO. É toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste, mediante salário. (artigo 3o CLT). EMPREGADO É toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste, mediante salário. (artigo 3o CLT). EMPREGADOR A empresa, individual ou coletiva, que assumindo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE APURAÇÃO DE FREQUÊNCIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE APURAÇÃO DE FREQUÊNCIA 22/0/203. INTRODUÇÃO A Política de Apuração de Frequência tem por objetivo estabelecer as regras para falta e atraso, além de estabelecer controles relativos à apuração de informações de frequência de

Leia mais

Profª Karina Gomes Lourenço

Profª Karina Gomes Lourenço Profª Karina Gomes Lourenço A exigência de trabalho à noite, nos finais de semana e nos feriados, uma necessidade freqüente em organizações de saúde, é estressante e frustrante para alguns enfermeiros.

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002285/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/10/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR055933/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001820/2011-96 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise

Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise Maria Lúcia L Menezes Gadotti Telefone : (11) 3093-6600 e-mail: marialucia.gadotti@stussinevessp.com.br Constituição Federal CLT e outras

Leia mais

NORMA CORPORATIVA DEPARTAMENTO PESSOAL

NORMA CORPORATIVA DEPARTAMENTO PESSOAL 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para rotinas de Departamento Pessoal. 2. DEFINIÇÕES TRCT: Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho. DP: Departamento Pessoal; DP Central: Departamento Pessoal de

Leia mais

Cartilha Ponto Biométrico

Cartilha Ponto Biométrico Cartilha Ponto Biométrico Secretaria Municipal de Administração, Orçamento e Informação 2 CONTROLE E APURAÇÃO DA FREQUÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA DO MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS Prezado

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000247/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 01/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021198/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.001800/2010-02 DATA DO

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ 1. INTRODUÇÃO ADMISSÃO DE EMPREGADOS PROCEDIMENTOS Para cada admissão a empresa deve observar, além dos itens descritos nesta matéria, as normas relativas à Segurança do Trabalho, conforme Portaria MTb

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA CAMPINAS JANEIRO/2014 1 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO CLÁUSULA 1ª - PISO SALARIAL Fica estipulado

Leia mais

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013.

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. Dispõe acerca da Política de uso do PONTO ELETRÔNICO E DA JORNADA DE TRABALHO dos servidores do Instituto

Leia mais

MA UAL DE ECURSOS HUMANOS

MA UAL DE ECURSOS HUMANOS CATAVENTOCULTURAL E EDUCACIONAL MA UAL D RECUR O HUMA O 13187 MA UAL DE ECURSOS HUMANOS Catavento Cultural e Educacional Organização Social de Cultura CATA VENTO CULTURAL E EDUCACIONAL MANUAL DE RECURSOS

Leia mais

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe acerca da Política de uso do ponto eletrônico e da jornada de trabalho dos servidores públicos do Poder Executivo município de Querência - MT. atribuições,

Leia mais

AFD - Arquivo-Fonte de Dados arquivo gerado a partir dos dados armazenados na MRP.

AFD - Arquivo-Fonte de Dados arquivo gerado a partir dos dados armazenados na MRP. Ponto Eletrônico SIGLAS E DEFINIÇÕES SREP - Sistema de Registro Eletrônico de Ponto: é o conjunto de equipamentos e programas informatizados destinado à anotação por meio eletrônico da entrada e saída

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002716/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064091/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.006426/2015-78 DATA DO

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela Sumário 1. Introdução 2. Quem Tem Direito 3. Valor a Ser Pago 3.1 - Empregados Admitidos Até 17 de Janeiro 3.2 - Empregados Admitidos Após 17 de Janeiro 3.3 - Empregados

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO

DIREITO DO TRABALHO II SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DIREITO DO TRABALHO II SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO REVISÃO (OAB/FGV 2010.3) Relativamente à alteração do contrato de trabalho, é correto afirmar que (A) o empregador pode, sem a anuência do empregado

Leia mais

Cartilha Ponto Eletrônico

Cartilha Ponto Eletrônico Cartilha Ponto Eletrônico Procedimentos Importantes 2014 CAERN Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte. Cartilha: Ponto Eletrônico Procedimentos Importantes. 1. ed. Natal, 2014. Elaboração,

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002217/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/10/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053080/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.035134/2010-15 DATA DO

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO

ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO AS OCORRÊNCIAS PODEM SER INCLUÍDAS PELO MENU FREQUÊNCIA (NO ATALHO DISPONÍVEL NO FINAL NA LINHA DO DIA) OU APENAS PELO MENU OCORRÊNCIA TIPOS DE OCORRÊNCIAS

Leia mais

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL CAMPANHA SALARIAL - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COM COMERCIAL-ADMINISTRACAO REGIONAL DO DF O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003924/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011188/2014-31 DATA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH Nº 001/2012. Versão: 02.00 Data: 01/03/2013 Unidade Responsável: Secretaria Municipal de Administração (SEMAD)

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH Nº 001/2012. Versão: 02.00 Data: 01/03/2013 Unidade Responsável: Secretaria Municipal de Administração (SEMAD) INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH Nº 001/2012. Dispõe sobre os procedimentos para disciplinar horário de trabalho, o registro da frequência ao serviço, as ausências do local de trabalho dos servidores da Prefeitura

Leia mais

Faltas Justificadas e Licenças na Aprendizagem Profissional

Faltas Justificadas e Licenças na Aprendizagem Profissional Faltas Justificadas e Licenças na Aprendizagem Profissional Matheus Florencio Rodrigues Assessor Jurídico do INAMARE www.inamare.org.br Fone: (44) 3026-4233 Juliana Patricia Sato Assessora Jurídico do

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

TÓPICOS ABORDADOS. Departamento Jurídico

TÓPICOS ABORDADOS. Departamento Jurídico TÓPICOS ABORDADOS 1) JORNADA DE TRABALHO 2) HORAS NOTURNAS E ADICIONAL 3) TREINAMENTO PARA USO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS 4) CARTÃO DE PONTO 5) REFEIÇÃO 1. JORNADA DE TRABALHO A) LIMITE DIÁRIO E SEMANAL

Leia mais

A Câmara Superior de Gestão Administrativo-Financeira, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral desta Instituição, e

A Câmara Superior de Gestão Administrativo-Financeira, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral desta Instituição, e SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO N.º 05/2013 Regulamenta o sistema de registro eletrônico

Leia mais

1 - DA CARTEIRA DE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL -

1 - DA CARTEIRA DE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL - 1 DAS NORMAS GERAIS DE TUTELA DO TRABALHO A CLT estabelece normas que são destinadas à tutela (proteção) do trabalhador. Estas normas dividem-se em normas sobre documentação da vida do trabalhador (anotação

Leia mais

TERMO ADITIVO À CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO PARA OS SUPERMERCADOS REFERENTE AO PERÍODO NATALINO ANO 2013/2014

TERMO ADITIVO À CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO PARA OS SUPERMERCADOS REFERENTE AO PERÍODO NATALINO ANO 2013/2014 TERMO ADITIVO À CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO PARA OS SUPERMERCADOS REFERENTE AO PERÍODO NATALINO ANO 2013/2014 Por este instrumento e na melhor forma de direito, de um lado o SINCOMERCIÁRIOS SINDICATO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 03/2014 Revoga a Resolução nº 05/2013 e dá nova redação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA I -FINALIDADE. Este Regulamento tem por finalidade apresentar os princípios básicos de pessoal que devem

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000204/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/03/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR006500/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.002367/2015-27 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Page 1 of 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR004589/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057715/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.013061/2013-75 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002443/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/11/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061733/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.043450/2011-33 DATA DO

Leia mais

ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS

ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS Na melhor forma de direito, pelo presente instrumento de conciliação que entre si celebram, de um lado a pessoa jurídica de direito

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DIÁRIA: 8 HORAS SEMANAL: 44 HORAS MENSAL: 220 HORAS INTERVALOS PARA DESCANSO

Leia mais

GRUPO CICAL SISTEMA DE GESTÃO

GRUPO CICAL SISTEMA DE GESTÃO GRUPO CICAL / PO.RH./2008 RECURSOS HUMANOS.REV 1 de 7 VALIDAÇÃO NOMES DATA Elaborador: Verificador Sistema Gestão: Aprovador: Lygia Chaves Ana Paula Portugal Melgaço Wady Cecílio Neto Jair Cecilio Junior

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 SINDICATO TRABS ENTIDADES SINDICAIS DO ESTADO M GERAIS, CNPJ n. 17.498.775/0001-31, neste ato representado(a) por seu Diretor, Sr(a). ROGERIA CASSIA DOS REIS NASCIMENTO

Leia mais

DESPACHO. Nº. 46/2013 Data: 2013/12/20 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente

DESPACHO. Nº. 46/2013 Data: 2013/12/20 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente DESPACHO Nº. 46/2013 Data: 2013/12/20 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente Face à entrada em vigor da Lei n.º 68/2013 de 29 de agosto e às alterações provocadas no regime da duração

Leia mais

ACORDO COLETIVO 2008/2009

ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA 01 DE MARÇO DE 2008 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

Manual para utilização do ponto pelo servidor/funcionário/estagiário da SMA

Manual para utilização do ponto pelo servidor/funcionário/estagiário da SMA Manual para utilização do ponto pelo servidor/funcionário/estagiário da SMA Acessar o ponto através de: http://ponto CETESBNET Menu Serviços RH Freqüência Controle de Entrada e Saída O login e senha são

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 10 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001530/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022315/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.004377/2013-77 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002515/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038779/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004745/2014-77 DATA

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO -

- GUIA DO EMPRESÁRIO - - GUIA DO EMPRESÁRIO - LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA CONTROLE DA JORNADA DE TRABALHO ROTEIRO Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br)

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista www.sato.adm.br 1987 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Relatório Trabalhista Nº 066 18/08/97 REGISTRO DE PONTO Todas as empresas com mais de 10 empregados,

Leia mais

DUVÍDAS FREQUENTES SOBRE PONTO ELETRÔNICO

DUVÍDAS FREQUENTES SOBRE PONTO ELETRÔNICO DUVÍDAS FREQUENTES SOBRE PONTO ELETRÔNICO 1. Quais são os principais pontos da Portaria MTE 1.510/2009? Proíbe todo tipo de restrição à marcação de ponto, marcações automáticas e alteração dos dados registrados;

Leia mais

Análise histórica: Era medieval: 18 horas diárias. Países Europeus por volta 1800:12 a 16 horas diárias. Estados Unidos e Inglaterra:1847: 10

Análise histórica: Era medieval: 18 horas diárias. Países Europeus por volta 1800:12 a 16 horas diárias. Estados Unidos e Inglaterra:1847: 10 Duração do Trabalho Análise histórica: Era medieval: 18 horas diárias. Países Europeus por volta 1800:12 a 16 horas diárias. Estados Unidos e Inglaterra:1847: 10 horas diárias. Acordo OIT-Organização Internacional

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais