Orientações aos estagiários sobre a jornada de trabalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Orientações aos estagiários sobre a jornada de trabalho"

Transcrição

1 Orientações aos estagiários sobre a jornada de trabalho Subprocuradoria-Geral de Justiça para Assuntos Administrativos Diretoria-Geral edifício-sede do Ministério Público sala Janeiro, ª versão Mais dúvidas? Ligue para: Escola Superior do Ministério Público Coordenação de Estágios e Convênios Acadêmicos sala T-11 A /8055 Superintendência de Gestão em Recursos Humanos Departamento de Administração em Recursos Humanos sala /8602 Página 1 de 10

2 1. Como é computada a jornada de estágio? A jornada dos estagiários é computada por horas estagiadas. Logo, os estagiários coordenados pela Escola Superior devem cumprir 5 horas diárias de estágio e os estagiários coordenados pela Superintendência de Gestão em Recursos Humanos devem cumprir 4 horas diárias de estágio, salvo definição diversa em seu termo de compromisso de estágio. 2. Quem é responsável por realizar a gestão da frequência dos estagiários? A gestão da frequência dos estagiários deve ser realizada pelo chefe da unidade administrativa em que o estagiário estiver lotado. Logo, tal gestão não é realizada, necessariamente, pelo supervisor de estágio. 3. Qual o prazo para validar a frequência dos estagiários? A frequência dos estagiários deve ser validada até o 5º dia útil do mês subsequente ao das ocorrências. 4. Qual horário de estágio pode ser utilizado para fins de registro de ponto no sistema Forponto? a) Os estagiários coordenados pela Escola Superior devem ter cadastrado no sistema Forponto o seguinte horário: Estagiários (5h) Variável Página 2 de 10

3 b) Os estagiários coordenados pela Superintendência de Gestão em Recursos Humanos devem ter cadastrados no sistema Forponto um dos seguintes horários: Estagiários (4h) Matutino : para aqueles estagiários cujo termo de compromisso de estágio ou termo aditivo contemple horário compreendido entre as 07h e as 14h. Estagiários (4h) Vespertino : para aqueles estagiários cujo termo de compromisso de estágio ou termo aditivo contemple horário compreendido entre as 12h e as 19h. Estagiários (4h) Variável : para aqueles estagiários cujo termo de compromisso de estágio ou termo aditivo contemple horário de estágio variável; 5. É possível efetuar o registro do ponto em horário diverso daquele contido no termo de compromisso de estágio ou no termo aditivo (apenas para os estagiários coordenados pela Superintendência de Gestão em Recursos Humanos)? Sim, é possível. No entanto, essa situação deve ser esporádica e com o ciente do supervisor de estágio e do chefe da unidade, devendo, ainda, observar o seguinte: - Caso o registro de ponto seja efetuado dentro do horário compreendido no turno que o estudante já estagia (matutino: das 7 às 14h e vespertino: das 12 às 19h), não é necessário efetuar alteração no cadastro da escala de horário do estagiário no sistema Forponto. - Caso o registro de ponto seja efetuado fora do horário compreendido no turno que o estudante estagia, é necessário alterar o cadastro da escala de horário do estagiário no sistema Forponto nos dias que a jornada for realizada em horário diverso. Página 3 de 10

4 Por exemplo: se um estudante que estagia das 9h às 13h bater ponto às 10h e às 14h, não haverá necessidade de qualquer justificativa no sistema Forponto. Mas se esse mesmo estudante bater ponto nos seguintes horários, haverá as respectivas ocorrências: - Entrada às 11h e saída às 15h (duas ocorrências serão computadas): Ocorrência 1 - atraso ou saída antecipada (pois o estudante só estagiou por 3 horas no turno de estágio em que está cadastrado): 1 hora; Ocorrência 2 - hora excedente realizada (pois o estudante estagiou após o término do turno de estágio em que está cadastrado): 1 hora. - Entrada a partir das 14h (duas ocorrências serão computadas): Ocorrência 1 - falta integral (pois o estudante não registrou o ponto dentro do turno de estágio em que está cadastrado); Ocorrência 2 - hora excedente realizada: 4 horas. 6. Quais providências devem ser tomadas quando houver necessidade de alteração do horário de estágio (apenas para os estagiários coordenados pela Superintendência de Gestão em Recursos Humanos)? O chefe da unidade deve alterar o horário no sistema Forponto, caso haja mudança de turno de estágio (de matutino: das 7h às 14h, para vespertino: 12h às 19h; ou vice e versa). O estagiário deve entrar em contato com o Departamento de Administração de Recursos Humanos a fim de ser orientado acerca da necessidade de regularização do horário discriminado no seu termo de compromisso de estágio. Página 4 de 10

5 7. Sou estagiário e minha carga horária diária é de 4 horas. Se em um dia eu cumprir carga horária de 4 horas e 20 minutos, como serão considerados os 20 minutos extras que eu estagiei? O tempo que exceder a carga horária diária pode ser computado como horas excedentes realizadas, desde que autorizado e validado pela chefia da unidade. Assim, no exemplo citado, os 20 minutos estagiados a mais podem ser considerados como hora excedente realizada, desde que a chefia da sua unidade de lotação autorize e valide no sistema Forponto. As horas excedentes realizadas podem ser utilizadas somente para fins de compensação, desde que acordado com a chefia da unidade e com o supervisor de estágio, devendo ser compensadas até o mês subsequente ao das ocorrências. 8. Qual o limite máximo de horas que eu posso estagiar por dia? Conforme estabelecido em lei, a carga horária diária do estágio não pode ser superior a 6 horas. Logo, esse é o máximo de horas diárias de estágio que o sistema Forponto contabiliza. Assim, o estudante que possui carga horária diária de 4 horas pode fazer no máximo duas horas excedentes por dia e o estudante que possui carga horária diária de 5 horas pode fazer no máximo uma hora excedente por dia. Página 5 de 10

6 9. Minha carga horária diária de estágio é de 5 horas. No dia em que eu cumprir 4 horas e 20 minutos, como ficam os 40 minutos que faltaram para completar as 5 horas? O registro que for inferior à carga horária diária que o estagiário deve cumprir gera ocorrência de atraso ou saída antecipada. Caso o chefe da unidade autorize, é possível descontar essas horas do saldo de horas excedentes trabalhadas que porventura o estagiário tenha. Assim, no exemplo exposto, os 40 minutos que ficaram faltando para completar a jornada de 5 horas de estágio podem ser descontados das horas excedentes de trabalho que o estagiário tenha. Caso o estagiário não tenha horas excedentes de trabalho, os 40 minutos podem ser computados como saldo de horas não trabalhadas, caso o chefe da unidade autorize e valide no sistema Forponto. Tais horas devem ser compensadas pelo estagiário até o mês subsequente ao da ocorrência. Se o chefe da unidade não autorizar ou não validar no sistema Forponto a compensação do atraso ou da saída antecipada, as horas devedoras gerarão corte proporcional no valor da bolsa de complementação educacional paga ao estagiário. 10. Há limite máximo para as horas excedentes realizadas e para as horas não trabalhadas? Há o limite positivo (horas excedentes realizadas) e negativo (horas não trabalhadas) de até 12 horas para os estagiários coordenados pela Superintendência de Gestão em Recursos Humanos e de 15 horas para os estagiários coordenados pela Escola Superior do Ministério Público, que devem ser compensadas até o mês subsequente ao das ocorrências. Página 6 de 10

7 Caso as horas negativas não sejam compensadas até o mês subsequente ao das ocorrências, haverá corte proporcional do valor da bolsa de complementação educacional. As horas positivas que não forem usufruídas até o mês subsequente ao das ocorrências serão automaticamente canceladas pelo sistema. 11. Como será feito o corte proporcional no valor da bolsa de complementação educacional? O corte proporcional no valor da bolsa de complementação educacional dos estagiários será efetuado considerando os seguintes divisores: - Estagiários coordenados pela ESMP: divisor 125 (referente à jornada de 25 horas semanais) - Estagiários coordenados pela SGRH: divisor 100 (referente à jornada de 20 horas semanais) Logo, caso o estagiário tenha 5 horas a serem descontadas da sua bolsa de complementação educacional, o desconto será feito conforme a seguir: Estagiário coordenado pela ESMP: R$788,00 / 125 = R$6,30 por hora Considerando que são 5 horas não estagiadas: 5 x R$6,30 = R$31,52 Estagiário coordenado pela SGRH: R$788,00 / 100 = R$7,88 por hora Considerando que são 5 horas não estagiadas: 5 x R$7,88 = R$39,40 Página 7 de 10

8 12. Caso eu me desligue do programa de estágio, terei direito a receber monetariamente as horas excedentes realizadas que eu fiz e não compensei? O estagiário que ao se desligar do programa de estágio tiver saldo de horas não trabalhadas terá debitado do valor da sua remuneração as respectivas horas não estagiadas. Quanto às horas excedentes trabalhadas, estas devem ser usufruídas em data anterior ao último dia de estágio, uma vez que não é possível o seu pagamento. 13. Quais afastamentos os estagiários têm direito? Os estagiários têm direito aos seguintes afastamentos, devidamente comprovados, pelos respectivos períodos: Afastamento por gestação por até 180 dias Afastamento paternidade 5 dias Afastamento por casamento 8 dias Afastamento por falecimento de cônjuge, companheiro, pais, filhos, enteados, irmãos, tutelados e curatelados 8 dias Afastamento para tratamento da própria saúde sem limite de dias Afastamento em virtude de alistamento militar e seleção para o serviço militar 1 dia Afastamento para compensar convocação da justiça eleitoral definido em certidão da justiça eleitoral Afastamento em virtude de doação de sangue 1 dia Página 8 de 10

9 Afastamento para participação em visitas técnicas ou eventos relacionados à área de formação do estudante até 5 dias Afastamento para participação como jurado definido em documento do tribunal do júri; Licença para tratar de interesses pessoais até 45 dias prorrogável por igual período (específico para os estagiários coordenados pela ESMP) 14. Como proceder nos casos de afastamentos? Quando o estagiário afastar-se das suas atividades por algum dos direitos aqui descritos, é necessário: Comunicar, com a antecedência possível, ao seu supervisor de estágio; Para os estagiários coordenados pela Escola Superior do Ministério Público: encaminhar à ESMP documentação comprobatória do afastamento; Para os estagiários coordenados pela Superintendência de Gestão em Recursos Humanos: encaminhar ao DARH requerimento devidamente instruído para que seja analisada a concessão do afastamento em questão; Página 9 de 10

10 Página 10 de 10

PRECISO ENCAMINHAR ALGUM REGISTRO DE FREQUÊNCIA PARA A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS DO MPGO?

PRECISO ENCAMINHAR ALGUM REGISTRO DE FREQUÊNCIA PARA A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS DO MPGO? Orientações sobre o Para operacionalizar o Ato PGJ n. 59/2014, que dispõe sobre a jornada de trabalho, o MP-GO adquiriu um sistema informatizado chamado Forponto. A utilização do sistema eletrônico evitará

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO

ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO AS OCORRÊNCIAS PODEM SER INCLUÍDAS PELO MENU FREQUÊNCIA (NO ATALHO DISPONÍVEL NO FINAL NA LINHA DO DIA) OU APENAS PELO MENU OCORRÊNCIA TIPOS DE OCORRÊNCIAS

Leia mais

Cartilha Ponto Biométrico

Cartilha Ponto Biométrico Cartilha Ponto Biométrico Secretaria Municipal de Administração, Orçamento e Informação 2 CONTROLE E APURAÇÃO DA FREQUÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA DO MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS Prezado

Leia mais

Perguntas frequentes:

Perguntas frequentes: Perguntas frequentes: O equipamento é regulado para bater ponto só às 7 ou às 8 horas, nos horários tradicionais? Não, você pode bater o ponto em qualquer horário tendo como norte os horários institucionais.

Leia mais

Manual para utilização do ponto pelo servidor/funcionário/estagiário da SMA

Manual para utilização do ponto pelo servidor/funcionário/estagiário da SMA Manual para utilização do ponto pelo servidor/funcionário/estagiário da SMA Acessar o ponto através de: http://ponto CETESBNET Menu Serviços RH Freqüência Controle de Entrada e Saída O login e senha são

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO Dispõe sobre a concessão de folgas compensatórias e o gozo de Licença-Prêmio por Assiduidade dos servidores do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

FREQUÊNCIA ELETRÔNICA POR BIOMETRIA: LINHAS GERAIS SOBRE O REGRAMENTO SUPERH/DARH

FREQUÊNCIA ELETRÔNICA POR BIOMETRIA: LINHAS GERAIS SOBRE O REGRAMENTO SUPERH/DARH FREQUÊNCIA ELETRÔNICA POR BIOMETRIA: LINHAS GERAIS SOBRE O REGRAMENTO REGRAS: DA JORNADA DE TRABALHO O registro do ponto eletrônico do servidor somente poderá ser efetuado na sua unidade de lotação. A

Leia mais

Ato PGJ nº 001/2012 RESOLVE:

Ato PGJ nº 001/2012 RESOLVE: Ato PGJ nº 001/2012 Dispõe sobre a jornada de trabalho, a prestação de serviço extraordinário, o banco de horas e o controle de frequência dos servidores do Ministério Público do Estado do Piauí, e dá

Leia mais

Coordenação de Cadastro/DP

Coordenação de Cadastro/DP CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Coordenação de Cadastro/DP SEÇÃO DE CADASTRO Controle

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre o horário de funcionamento do Instituto Chico Mendes, jornada de trabalho e controle

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08 AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08 PORTARIA Nº. 17, DE 23 DE JANEIRO DE 2015. Aprova

Leia mais

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA DEPARTAMENTO DE RECURSOS EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE Mogi das Cruzes, 2010. Sumário 1. Requerimentos Disponíveis...

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais e tendo em vista o que dispõem os artigos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art. 363,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n. 122, p. 1-2 em 24/6/2015. RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Conselho e da Justiça Federal de primeiro

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO ATO Nº 20/2005 (Revogado pelo Ato nº 56/2012) Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

Manual usuario sipon. Índice. Introdução. Características do Sistema. De Wiki Intranet. 1 Introdução 1.1 Características do Sistema

Manual usuario sipon. Índice. Introdução. Características do Sistema. De Wiki Intranet. 1 Introdução 1.1 Características do Sistema Manual usuario sipon De Wiki Intranet Índice 1 Introdução 1.1 Características do Sistema 1.2 Regras Gerais (Tipos de Jornada, Prazos, Tolerância, Justificativas, Limites do Banco de Horas etc) 1.2.1 Tipos

Leia mais

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 56/2012 Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos magistrados e servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO,

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro N. VALEC NGL-03-01-002

Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro N. VALEC NGL-03-01-002 Rev./ VALEC INDICAR NESTE QUADRO EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA Rev. / 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1-1 1 1 1 0 0 0 16 2 17 3 18 4 19 5 20 6 21 7 22 8 23 9 24 10 25 11 26 12 27 13 28 14 29

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REGISTRO DO PONTO DOS PROFESSORES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REGISTRO DO PONTO DOS PROFESSORES REGISTRO AUTOMATIZADO DAS OCORRÊNCIAS DO PONTO DOS PROFESSORES DA GRADUAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REGISTRO DO PONTO DOS PROFESSORES a- Descrição: O Núcleo Acadêmico e a área

Leia mais

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando:

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: ORDEM DE SERVIÇO N o 062/2014 Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: - a Lei n o 8.112 de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO CONTROLE DE FREQUÊNCIA (PONTO ELETRÔNICO)

MANUAL DE ORIENTAÇÃO CONTROLE DE FREQUÊNCIA (PONTO ELETRÔNICO) SECRETARIA-EECUTIVA DIRETORIA DE GESTÃO INTERNA COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS HUMANOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO CONTROLE DE FREQUÊNCIA (PONTO ELETRÔNICO) SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS - SIGRH

Leia mais

Roteiro do novo SIREF. 1 Acessar o SIREF. 2- Na página de entrada, haverá informações rápidas para o serv. Site - sigesp.saude.gov.

Roteiro do novo SIREF. 1 Acessar o SIREF. 2- Na página de entrada, haverá informações rápidas para o serv. Site - sigesp.saude.gov. Roteiro do novo SIREF 1 Acessar o SIREF Site - sigesp.saude.gov.br (sem www) Caso o servidor não tenha acesso, ele pode realizar o auto cadastro na página inicial do site. 2- Na página de entrada, haverá

Leia mais

ESTAGIÁRIOS DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL

ESTAGIÁRIOS DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL ESTAGIÁRIOS DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DEFINIÇÃO O estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que

Leia mais

NORMA CORPORATIVA DEPARTAMENTO PESSOAL

NORMA CORPORATIVA DEPARTAMENTO PESSOAL 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para rotinas de Departamento Pessoal. 2. DEFINIÇÕES TRCT: Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho. DP: Departamento Pessoal; DP Central: Departamento Pessoal de

Leia mais

CARTILHA DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DO PJERJ

CARTILHA DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DO PJERJ Página 1 de 12 PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PJERJ DIRETORIA GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS DGPES DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS - DEDEP CARTILHA DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DO PJERJ

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Servidores Públicos-MTE-Controle de Frequência-REP-Identificação Biométrica PORTARIA MTE nº 206/2011-DOU:

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Reitoria

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Reitoria AUXÍLIO-TRANSPORTE Eu,, [nome completo do servidor (a)] 1) DECLARO PARA FINS DE PERCEPÇÃO DE AUXÍLIO-TRANSPORTE, e sob as penas da lei que: Ocupo o cargo de: Matrícula SIAPE n : Local de exercício das

Leia mais

PORTARIA-R N.º 634/2011, de 17 de agosto de 2011

PORTARIA-R N.º 634/2011, de 17 de agosto de 2011 PORTARIA-R N.º 634/2011, de 17 de agosto de 2011 O Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista a subdelegação

Leia mais

PORTARIA Nº 2.561, DE 16 DE AGOSTO DE 1995.

PORTARIA Nº 2.561, DE 16 DE AGOSTO DE 1995. PORTARIA Nº 2.561, DE 16 DE AGOSTO DE 1995. O MINISTRO DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO, no uso das suas atribuições e tendo em vista o disposto no art. 10, do Decreto nº 1.590, de

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001

ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001 ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001 Estabelece normatização quanto à frequência, assiduidade e questões funcionais dos servidores além dos fluxos de encaminhamento dos documentos e seu posterior arquivamento.

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2003 DG/DNIT DO DIREITO E DA CONCESSÃO

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2003 DG/DNIT DO DIREITO E DA CONCESSÃO INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2003 DG/DNIT O GESTOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES - DNIT, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 7 - C e 19 da Estrutura Regimental

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE LICENÇA NOR 305

NORMA DE CONCESSÃO DE LICENÇA NOR 305 Empresa Brasileira de Comunicação S. A. MANUAL DE PESSOAL COD. 300 ASSUNTO: NORMA DE CONCESSÃO DE LICENÇA COD: NOR- 305 APROVAÇÃO: Res. Nº 108/12, de 12/07/95 Res. Nº 013/00, de 01/08/00 Res. Nº 005/04,

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 016/2012

ATO NORMATIVO Nº 016/2012 ATO NORMATIVO Nº 016/2012 Dispõe sobre o horário de expediente e a jornada de trabalho dos servidores, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009 DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº_03 /2009. O Defensor Público Geral do Estado do Pará, no uso de atribuições previstas

Leia mais

Secretaria de Recursos Humanos

Secretaria de Recursos Humanos FÉRIAS CONCESSÃO/PAGAMENTO/INTERRUPÇÃO 1 - A cada exercício correspondente ao ano civil, os servidores fazem jus a trinta dias de férias? Resposta: sim, ressalvados os seguintes casos: I - o servidor que

Leia mais

Ponto Eletrônico. Coordenação de Gestão de Pessoas - CGP Gerência de Administração - GAD. IFSP Campus Campinas

Ponto Eletrônico. Coordenação de Gestão de Pessoas - CGP Gerência de Administração - GAD. IFSP Campus Campinas Ponto Eletrônico Coordenação de Gestão de Pessoas - CGP Gerência de Administração - GAD IFSP Campus Campinas 2º semestre de 2013 Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro Lei nº 12.376, de 2010

Leia mais

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013.

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. Dispõe acerca da Política de uso do PONTO ELETRÔNICO E DA JORNADA DE TRABALHO dos servidores do Instituto

Leia mais

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei (Lei 8.112/90 artigos 77 a 80).

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 003/2011. O DEFENSOR PUBLICO-GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais; RESOLVE: CAPÍTULO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA 003/2011. O DEFENSOR PUBLICO-GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais; RESOLVE: CAPÍTULO I INSTRUÇÃO NORMATIVA 003/2011 O DEFENSOR PUBLICO-GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais; Considerando a necessidade de disciplinar os horários de entrada e saída dos servidores,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 20 DE OUTUBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 20 DE OUTUBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 20 DE OUTUBRO DE 2014. Estabelece orientações acerca do registro eletrônico de frequência dos servidores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande

Leia mais

ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS

ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS Na melhor forma de direito, pelo presente instrumento de conciliação que entre si celebram, de um lado a pessoa jurídica de direito

Leia mais

O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO

O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO - Férias regulamentares clique aqui - Pagamento proporcional de férias clique aqui - Fixação de sede de controle

Leia mais

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 382/2011 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de

Leia mais

FAQ. Perguntas mais frequentes e respostas referentes ao Ato PGJ n. 59 /2014

FAQ. Perguntas mais frequentes e respostas referentes ao Ato PGJ n. 59 /2014 Perguntas mais frequentes e respostas referentes ao Ato PGJ n. 59 /2014 Subprocuradoria-Geral de Justiça para Assuntos Administrativos Diretoria-Geral edifício-sede do Ministério Público sala 225 62 3243-8312

Leia mais

BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes

BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes Que norma regulamenta a concessão da bolsa de estudo? A Instrução Normativa nº 104, de 25 de janeiro de 2010, regulamenta a concessão

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009. CONSIDERANDO a implantação do Plano de Capacitação dos Agentes Universitários;

RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009. CONSIDERANDO a implantação do Plano de Capacitação dos Agentes Universitários; RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009 Regulamenta o afastamento do serviço para capacitação dos Agentes Universitários da Carreira Técnica Universitária e dá outras providências. CONSIDERANDO a implantação do Plano

Leia mais

Instrumento Coletivo ainda não transmitido, passível de alteração. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

Instrumento Coletivo ainda não transmitido, passível de alteração. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 Instrumento Coletivo ainda não transmitido, passível de alteração. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR069914/2013 SINDICATO DOS TECNICOS INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS, CNPJ n.

Leia mais

DECRETO N.º 10.224, DE 30 DE JANEIRO DE 2001. (DOE n.º 5.439 de 31 de janeiro de 2001 p.3/5)

DECRETO N.º 10.224, DE 30 DE JANEIRO DE 2001. (DOE n.º 5.439 de 31 de janeiro de 2001 p.3/5) DECRETO N.º 10.224, DE 30 DE JANEIRO DE 2001. (DOE n.º 5.439 de 31 de janeiro de 2001 p.3/5) Dispõe sobre o registro diário das entradas e saídas dos servidores em exercício nos órgãos e entidades do Poder

Leia mais

REGULAMENTO DA FLEXIBILIZAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO

REGULAMENTO DA FLEXIBILIZAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO REGULAMENTO DA FLEXIBILIZAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Art. 1 º. O presente regulamento visa disciplinar

Leia mais

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe acerca das regras e procedimentos para a concessão, indenização, parcelamento e pagamento da remuneração de férias dos servidores do Instituto

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 1/18 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Registro de Ponto Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 2/18 1 Conteúdo

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO. DESCRIÇÃO DAS ALTERAÇÕES: Alterações Gerais. Esta Regulamentação aplica-se a todos os empregados da MGS.

REGULAMENTAÇÃO. DESCRIÇÃO DAS ALTERAÇÕES: Alterações Gerais. Esta Regulamentação aplica-se a todos os empregados da MGS. TÍTULO: 1 / 14 REVISÃO: 4ª DATA: 16/01/2013 DESCRIÇÃO DAS ALTERAÇÕES: Alterações Gerais ELABORADO POR: Grupo Funcional APROVADO POR: Luzia Soraia Silva Ghader - Presidente VERIFICADO POR: Gilcélia Aparecida

Leia mais

Boletim Interno. Edição Extraordinária nº 19

Boletim Interno. Edição Extraordinária nº 19 Boletim Interno Edição Extraordinária nº 19 Fundação Escola Nacional de Administração Pública SAIS Área 2-A 70610-900 Brasília, DF Tel.: (61) 2020-3000 Miriam Aparecida Belchior Ministra de Estado do Planejamento,

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO GABINETE

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO GABINETE r_------ ------------------- ------~ - ~ ~J INSTRUÇÃO NORMATIVA N aj.9 /2015-GAB, DE0Z,3DE J)tYci.Q. DE 2015 Dispõe sobre o controle e a fiscalização de frequência dos servidores públicos do Poder Executivo

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC. Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC. Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários APRESENTAÇÃO DE ATESTADO À CHEFIA IMEDIATA As licenças

Leia mais

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe acerca da Política de uso do ponto eletrônico e da jornada de trabalho dos servidores públicos do Poder Executivo município de Querência - MT. atribuições,

Leia mais

A - Subprocuradoria-Geral de Justiça Assuntos Jurídicos: ATO NORMATIVO Nº 586/2009-PGJ, de 11 de Maio de 2009. (Pt. nº 50.900/09)

A - Subprocuradoria-Geral de Justiça Assuntos Jurídicos: ATO NORMATIVO Nº 586/2009-PGJ, de 11 de Maio de 2009. (Pt. nº 50.900/09) A - Subprocuradoria-Geral de Justiça Assuntos Jurídicos: ATO NORMATIVO Nº 586/2009-PGJ, de 11 de Maio de 2009. (Pt. nº 50.900/09) Texto compilado até o Ato (N) nº 769/2013 PGJ, de 08/04/2013 Estabelece

Leia mais

ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 2, DE 2013.

ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 2, DE 2013. ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 2, DE 2013. Regulamenta o controle do cumprimento da jornada e do horário de trabalho pelos servidores do Senado Federal, nos termos do Ato da Comissão Diretora nº 7, de 2010. O

Leia mais

DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009

DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009 DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009 Dispõe sobre o registro e controle da freqüência dos servidores do Poder Judiciário. PUBLICADO NO DIÁRIO DO PODER JUDICIÁRIO NO DIA 24 DE AGOSTO DE 2009. A PRESIDENTE DO

Leia mais

Servidores, Estagiários e Chefia Imediata

Servidores, Estagiários e Chefia Imediata MANUAL DO USUÁRIO Sistema de Controle de Ponto Eletrônico: Servidores, Estagiários e Chefia Imediata MANUAL DO USUÁRIO Sistema de Controle de Ponto Eletrônico: Servidores, Estagiários e Chefia Imediata

Leia mais

Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011.

Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011. Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011. O Reitor pro tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009 (Alterada pelas Resoluções nºs 52, de 11 de maio de 2010 e 62, de 31 de agosto de 2010) Dispõe sobre a concessão de estágio

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 03/2014 Revoga a Resolução nº 05/2013 e dá nova redação

Leia mais

ESTÁGIO PERGUNTAS E RESPOSTAS

ESTÁGIO PERGUNTAS E RESPOSTAS INTRODUÇÃO 1) Qual a legislação que regulamenta o estágio? Os estágios são regulamentados pela: 1.1 - Lei Federal 11.788, de 25 de setembro de 2008; 1.2 - Resolução USP Nº 5.528 de 18 de março de 2009

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 530, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 530, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 530, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre a criação de estágio para estudantes de pós-graduação, denominado PGE Residência, no âmbito da Procuradoria-Geral do

Leia mais

TIRA-DÚVIDAS DE PERÍCIA. Ajudando o Servidor. Unidade SIASS UFMA

TIRA-DÚVIDAS DE PERÍCIA. Ajudando o Servidor. Unidade SIASS UFMA TIRA-DÚVIDAS DE PERÍCIA Ajudando o Servidor Unidade SIASS UFMA Prof. Dr. Natalino Salgado Filho Reitor Prof. Dr. Antonio José Silva Oliveira Vice-Reitor Maria Elisa Cantanhede Lago Braga Borges Pró-Reitora

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS SECRETARIA DOS CONSELHOS SUPERIORES CONSELHO COORDENADOR DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS SECRETARIA DOS CONSELHOS SUPERIORES CONSELHO COORDENADOR DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO NORMAS DO PROGRAMA DE BOLSA DE AUXÍLIO TRANSPORTE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Programa Bolsa Auxílio Transporte visa contribuir para a permanência dos alunos na Universidade, reduzindo,

Leia mais

RESOLUÇÃO PRESI 28 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO PRESI 28 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 1ª REGIÃO RESOLUÇÃO PRESI 28 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014 Regulamenta o expediente e a jornada de trabalho do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, institui o controle eletrônico

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal FÉRIAS Cód.: FER Nº: 55 Versão: 10 Data: 05/12/2014 DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei. REQUISITOS BÁSICOS 1. Servidor efetivo: - Possuir 12 (doze) meses de efetivo exercício

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS

ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS Aos Servidores e Dirigentes da Universidade Federal do Amazonas: Com o objetivo de assegurar o funcionamento contínuo das atividades administrativas e acadêmicas e dos órgãos suplementares

Leia mais

Memorando Circular nº. 482/DRH/PRAD Porto Velho RO, 20 de outubro de 2015.

Memorando Circular nº. 482/DRH/PRAD Porto Velho RO, 20 de outubro de 2015. Memorando Circular nº 482/DRH/PRAD Porto Velho RO, 20 de outubro de 2015 Para: Unidades Acadêmicas e Administrativas da Fundação Universidade Federal de Rondônia Assunto: Orientações sobre os procedimentos

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO MARANHÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO MARANHÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO N.º 01/2010-TJ PODER JUDICIÁRIO Dispõe sobre o controle de frequência dos servidores do Poder Judiciário do Estado do Maranhão. O PRESIDENTE DO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR (CANCELADA)

CONSELHO SUPERIOR (CANCELADA) CONSELHO SUPERIOR (CANCELADA) Resolução-CSDP nº 062, de 10 de setembro de 2010 Dispõe sobre a concessão de férias aos Defensores Públicos do Estado do Tocantins e dá outras providências. O CONSELHO SUPERIOR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA COE COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA COE COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIOS À Comunidade Acadêmica do Curso de Farmácia da UFPR. A Comissão Orientadora de Estágios (COE) do curso de Farmácia elaborou este documento com o objetivo de esclarecer as dúvidas referentes aos estágios

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA PORTARIA Nº 1.254, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA PORTARIA Nº 1.254, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA PORTARIA Nº 1.254, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Dispõe sobre o sistema de registro eletrônico de ponto e o controle de frequência dos servidores

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual, DECRETO N.º 2299 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Regulamenta o estágio estudantil no âmbito do Poder Executivo Estadual e dá outras providências.

Leia mais

Inicialmente gostaríamos de parabenizá-lo pela aprovação de sua proposta de doutorado em nosso Programa.

Inicialmente gostaríamos de parabenizá-lo pela aprovação de sua proposta de doutorado em nosso Programa. Prezado Bolsista, Inicialmente gostaríamos de parabenizá-lo pela aprovação de sua proposta de doutorado em nosso Programa. Para ajudá-lo na implementação de sua concessão, preparamos um guia que poderá

Leia mais

A Câmara Superior de Gestão Administrativo-Financeira, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral desta Instituição, e

A Câmara Superior de Gestão Administrativo-Financeira, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral desta Instituição, e SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO N.º 05/2013 Regulamenta o sistema de registro eletrônico

Leia mais

DELIBERA. Art. 1º- O controle de freqüência do servidor efetivo da Defensoria Pública far-se-á por meio de registro de ponto.

DELIBERA. Art. 1º- O controle de freqüência do servidor efetivo da Defensoria Pública far-se-á por meio de registro de ponto. Deliberação CSDP nº 04/2014, de 07 de fevereiro de 2014. Estabelece normas relativas ao registro, controle e apuração da freqüência dos servidores efetivos no âmbito da Defensoria Pública do Estado do

Leia mais

É a ausência ao trabalho e pode ser justificada nas seguintes situações:

É a ausência ao trabalho e pode ser justificada nas seguintes situações: Frequência Conceito O comparecimento do servidor na unidade organizacional (local de trabalho) onde tem exercício, para o desempenho das atribuições do seu cargo caracteriza a frequência. A ausência do

Leia mais

ATO Nº 101/2009. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 101/2009. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 101/2009 Dispõe sobre as normas relativas ao registro eletrônico de ponto, horário de funcionamento do Tribunal, jornada de trabalho, banco de horas, serviço extraordinário, controle e apuração

Leia mais

Cartilha Ponto Eletrônico

Cartilha Ponto Eletrônico Divisão de Gestão de Pessoas Unidade de Desenvolvimento de Pessoas Cartilha Ponto Eletrônico Procedimentos Importantes APRESENTAÇÃO Esta cartilha tem como objetivo esclarecer as principais dúvidas ou questionamentos

Leia mais

MANUAL MANUAL DO PONTO ELETRÔNICO

MANUAL MANUAL DO PONTO ELETRÔNICO Código: MT.GPES.001 Data: 30/08/2010 Versão: 1 Página: 1 de 7 DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO: 1. INTRODUÇÃO CONSIDERANDO QUE O REGISTRO DE PONTO ESTÁ PREVISTO NA CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO CLT, NO ARTIGO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL - Registro de Ponto

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL - Registro de Ponto Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 1/20 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO - Registro de Ponto Versão 2.0 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha:

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010. Dispõe sobre a jornada de trabalho, o registro e o controle da frequência dos servidores da ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

Colegiado do Curso de Graduação em Administração

Colegiado do Curso de Graduação em Administração Colegiado do Curso de Graduação em Administração Resolução nº 03/2012 de 08 de novembro de 2012 Fundamentada na LEI Nº 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Regulamenta os procedimentos de Estágio Supervisionado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31/2012

RESOLUÇÃO Nº 31/2012 RESOLUÇÃO Nº 31/2012 Fixa normas e condições de afastamento de docentes da UFES para aperfeiçoamento em instituições nacionais ou estrangeiras em nível de pósgraduação de natureza presencial. O CONSELHO

Leia mais

O Presidente da Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

O Presidente da Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 13/2008 Revoga a Resolução Nº 13/2007 desta Câmara, e dá nova redação

Leia mais

Sistemas Corporativos da USP (Web)

Sistemas Corporativos da USP (Web) Sistemas Corporativos da USP (Web) O sistema de estágios remunerados da USP é fruto da colaboração das seguintes áreas da Reitoria da Universidade de São Paulo: Departamento de Recursos Humanos, Departamento

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I. nº 1628/09 FOR-101 1/5 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/5 2 Definição, 2/5 3 Competências,

Leia mais