ASPECTOS DA GERAÇÃO DE VALOR COMPARTILHADO ATRAVÉS DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS DA GERAÇÃO DE VALOR COMPARTILHADO ATRAVÉS DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL EMPRESARIAL ESTRATÉGICA"

Transcrição

1 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN ASPECTOS DA GERAÇÃO DE VALOR COMPARTILHADO ATRAVÉS DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Adriana Motta Gonzaga (Universidade Federal Fluminense) Ana Maria Kirschner (Universidade Federal Fluminense) O presente artigo desenvolve o tema responsabilidade socioambiental em sua perspectiva organizacional, enfatizando a oportunidade de geração de valor partir da implantação de ferramentas e boas práticas de gestão voltadas para a mitigação ddos impactos socioambientais provocados pelas atividades da empresa. Apresenta-se um rol de ferramentas capazes de transformarem a realidade da empresa e transformarem-se em vantagem competitiva no mercado global, possibilitando a aprendizagem e o estabelecimento de um diálogo mais ético com seus stakeholders compartilhando-se valores e experiências que fortalecem a ambos. A inserção das ferramentas de gestão comprometidas com a responsabilidade socioambiental tende a garantir a sustentabilidade empresarial, mostrando que a geração de valor para a empresa pode ser economicamente viável, com ações possíveis, socialmente justas e ambientalmente corretas. Palavras-chaves: Responsabilidade Socioambiental, Valor compartilhado, Ferramentas de gestão.

2 1. INTRODUÇÃO Durante muitos anos as organizações privadas optaram por percorrer o caminho da indiferença em relação ao agravamento dos problemas sócio-ambientais. O modo de acumulação sustentado pela sociedade capitalista mostrou-se inábil para articular de forma harmoniosa com os recursos naturais e seus seres humanos, apesar de serem as partes vivas entre os fatores de produção do processo produtivo. As grandes corporações, num curto espaço de tempo, com o propósito de maximizarem seus lucros, degradaram o meio ambiente, abusaram do uso de tecnologias e ampliaram o fosso entre empregabilidade e exclusão social. As sequelas do capitalismo para a sociedade deste início de século vêm se tornando irreversíveis e carece de ações imediatas, profundas e globais, para que a situação se reverta. A preocupação com o destino da Humanidade tomou conta do debate contemporâneo e as elites abriram as discussões para participação de pessoas das diversas classes sociais. Faça a sua parte, convidam-nos, como se a parte de cada um na injustiça ambiental que impera no mundo fosse semelhante à de todos; como se o todo fosse a soma das partes. (PORTO- GONÇALVES, 2004, p.17). O debate já vinha sendo fomentado há algumas décadas, o que permitiu o engajamento de algumas grandes corporações às novas diretrizes sugeridas. As novas organizações buscaram humanizar-se, fazendo disso seu diferencial. Era o novo estilo de competição estabelecido pelos mercados do início do século vinte e um. Sejam éticos e ganharão mercados. Sejam responsáveis e ganharão mais clientes. Dialoguem com a sociedade, sejam responsivos para aumentarem o valor das marcas. O lobo vestiu-se de chapeuzinho vermelho e passou a prestar mais atenção a seus stakeholders 1, assumindo a forma de organização responsável do ponto de vista social e ambiental. 1 O termo denomina os grupos de interesse envolvidos na lógica empresarial, que engloba desde os funcionários ao governo, concorrentes, fornecedores, passando certamente pelos clientes, acionistas e também pela comunidade ligada àquela unidade de produção (GARCIA, 2004, p. 29) 2

3 Dessa forma, uma organização socialmente responsável assume um compromisso com seus grupos de interesses, agindo pró-ativamente por meio de uma série de ações e atitudes éticas e transparentes que afetam positivamente comunidades, seu público interno, o meio ambiente, seus fornecedores, os investidores, consumidores e até os governos. De acordo com Porto- Gonçalves, (2004, p.19) (...) a extrema gravidade dos riscos que o planeta enfrenta contrasta com as pífias e tímidas propostas do gênero plante uma árvore, promova a coleta de lixo ou desenvolva o ecoturismo. As organizações estão investindo cada vez mais em boas práticas de gestão que possibilitam o alinhamento estratégico com as questões socioambientais. Nesse sentido, o artigo discute a responsabilidade socioambiental como oportunidade de geração de valor para as empresas na visão de Porter; Kramer (2006), a partir da escolha de quais ferramentas de gestão socioambiental adotar, tendo em vista seu potencial impacto. 1.1 OBJETIVO O objetivo geral do trabalho é desenvolver considerações acerca da introdução das ferramentas da responsabilidade socioambiental na gestão estratégica empresarial. Partindo desse ponto, relaciona-se a gestão estratégica com a sustentabilidade empresarial, mostrando que a geração de valor para a empresa pode ser economicamente viável, com ações socialmente possíveis e justas e ambientalmente corretas. 1.2 CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS A estratégia de pesquisa, em relação a seus fins e aos meios, utiliza o método exploratório. Este, configura-se a partir de pesquisa bibliográfica que segundo Vergara (1997, p.46) é o estudo sistematizado desenvolvido com base em material publicado em livros, revistas, jornais, redes eletrônicas, capaz de fornecer o instrumental analítico para o desenvolvimento do contexto que configura a totalidade na qual surge o fenômeno. Os temas em questão são responsabilidade social e ambiental, gestão empresarial e valor. A pesquisa bibliográfica envolve os aspectos teóricos necessários para ampliar e aprofundar o conhecimento sobre o que já existe em termos de estudos, permitindo uma maior clareza no desenvolvimento das etapas seguintes. Foram realizadas pesquisas às base de dados do Portal Periódicos Capes, ao 3

4 Scientific Eletronic Library Online Scielo, às Revistas Eletrônicas, Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da Capes, da USP e Unicamp, entre outros.dados. 2. AS MELHORES PRÁTICAS DE GESTÃO A responsabilidade socioambiental é um meio, um guia através do qual as empresas buscam alcançar a sua sustentabilidade. De acordo com Lima (2002), responsabilidade social é o dever da empresa em devolver para a sociedade a parcela retirada na exploração dos recursos econômicos e humanos, uma espécie de prestação de contas sob a forma de contribuição para o desenvolvimento social. Por sua vez, Veloso (2005) considera que a responsabilidade social corporativa vai além das relações éticas entre os stakeholders, envolvendo, também, ações sociais que, empreendidas diretamente ou simplesmente sendo financiadas pelas empresas visam a atenuar a pobreza, melhorar as condições de vida, e promover a cidadania de grupos ou populações carentes. (VELOSO, 2005, p.18). As demandas e expectativas da sociedade moderna são o ponto de partida para a maioria das empresas. Responder a essas demandas é motivo de sobrevivência para grande parte delas. Nesse sentido, é pertinente a abordagem da responsabilidade socioambiental corporativa sobre a questão da Corporate Responsiveness. A organização responsiva é aquela que se adapta e reage com prontidão às demandas de seus stakeholders. Incorporar a responsividade nas práticas de gestão é atender ao seu público externo de forma pró-ativa, responsiva e responsável, alinhando-se à dinâmica e à velocidade das mudanças do mercado consumidor. Diálogo é o método da vez. Através do diálogo com a sociedade as empresas estão agregando valor às suas marcas. Dialogar com seus colaboradores internos também tem surtido efeito positivo. A organização moderna deseja tanto convertidos quanto deseja trabalhadores. Preocupa-se com o que pensam seus membros tanto quanto com suas ações e com o que pensa o público sobre o pensamento e ações de membros. Em conseqüência, preocupa-se com toda a vida de seus membros, com aquilo que pensam e fazem 4

5 fora do trabalho, tanto quanto nele. (THOMPSON, 1966 apud RAMOS, 1989, p.149) A chamada responsabilidade interna é um dos primeiros passos para se alcançar a cidadania empresarial. Segundo Kirschner (2009, p.140 ), a responsabilidade interna são ações da empresa focalizadas no bem-estar de seus funcionários (...). É menos visível e não repercute tanto na imagem que a sociedade faz da empresa. Com este objetivo, as empresas podem desenvolver ações que estimulem o voluntariado, que melhorem a qualidade de vida e o ambiente de trabalho de seus funcionários ou colaboradores. A responsabilidade social interna tem como foco trabalhar o público interno da organização, desenvolver um modelo de gestão participativa e de reconhecimento de seus empregados, promovendo comunicações transparentes, motivando-os para um desempenho ótimo. Esse modelo de gestão interna compreende ações dirigidas aos empregados e dependentes, aos funcionários de empresas contratadas, terceirizadas, fornecedoras e parceiras. (QUELHAS; LIMA, 2006, p.7) A responsabilidade social interna não é tão visível para a sociedade, ficando restrita ao ambiente do trabalho. Por esse motivo as empresas também buscam ações que possam repercutir de forma favorável na mídia, como por exemplo, a realização de investimentos socioambientais privados, que segundo o GIFE - Grupo de Institutos Fundações e Empresas - é o repasse voluntário de recursos privados de forma planejada, monitorada e sistemática para projetos sociais, ambientais e culturais de interesse público. Investir em seus próprios projetos sociais ou fazer arranjos e parcerias com o organizações do Terceiro Setor exigem profissionalismo, cautela, objetivos transparentes e uma metodologia apropriada. As organizações estão cada vez mais usando artifícios que a promovam como benfeitora da sociedade, realçando seu relacionamento harmonioso com o meio ambiente e com os excluídos sociais. Pode ser um discurso passageiro e oportuno diante das demandas que se apresentam. Mas algumas organizações levam muito a sério suas ações socioambientais, e não entram em conflito direto com sua função social. 5

6 Eis o caminho, mais difícil sem dúvida, que haveremos de percorrer se quisermos sair das armadilhas de noções fáceis que nos são oferecidas pelos meios de comunicação, como qualidade de vida ou desenvolvimento sustentável, que, pela sua superficialidade, prepara hoje, com toda a certeza, a frustração de amanha. (PORTO- GONÇALVES, 2004, p.18) 2.1 Gestão estratégica baseada em responsabilidade socioambiental Uma das urgências empresariais que vêm determinando a vantagem competitiva das empresas no mercado global é a inserção da responsabilidade sócio-ambiental alinhada à estratégia organizacional. Não desmerecendo a inovação e as transformações tecnológicas que são a ponte para a sustentabilidade, as práticas responsáveis melhoram a imagem da empresa diante da sociedade cada vez mais consumista, fortalecem a marca, possibilitam a perenidade dos negócios e, consequentemente, podem elevar a cotação de suas ações nas bolsas de valores. A gestão baseada em responsabilidade sócio-ambiental cria um saudável diálogo com seus stakeholders. Líderes de empresas e da sociedade civil dão atenção demais ao atrito que os divide e atenção insuficiente aos pontos de inserção. A dependência mútua de empresas e sociedade significa que tanto decisões empresariais quanto políticas sociais devem seguir o princípio do valor compartilhado. Ou seja, devem trazer benefícios para os dois lados. (...) Para colocar em prática estes amplos princípios uma empresa deve integrar a perspectiva social aos principais modelos já usados para entender a concorrência e nortear a estratégia empresarial. (PORTER; KRAMER, 2006, p.58) Através de ações voltadas para questões socioambientais são geradas oportunidades de valor compartilhado fortalecendo a competitividade da empresa. A cadeia de valor de uma empresa representa suas atividades relevantes, como contratação de pessoal, marketing e vendas, emissão e descarte de resíduos, e causa impactos sociais tanto positivos quanto negativos. Quando integradas à perspectiva social e ambiental torna-se importante aliada para proporcionar vantagem competitiva. Diversos autores discutiram a responsabilidade social das empresas sob o ponto de vista de oportunidade de geração de valor. Qualquer investimento incorre em riscos, e as ações sociais quando mal direcionadas podem impactar negativamente 6

7 comunidades, meio ambiente e até mesmo a imagem da empresa. A questão é: os empresários não precisam resolver todos os problemas sociais, mas sim, concentrarem-se naqueles que tenham relevante interseção com suas atividades produtivas. Para ajudar nessa busca de oportunidades de geração de valores, Porter; Kramer (2006) definem três categorias de questões sociais, como mostra o quadro 1: Questões Sociais Genéricas Impactos Sociais da Cadeia de Valor Apesar de serem importantes São aspectos sociais afetados para a sociedade, não são de maneira relevante pelas significativamente afetadas atividades da empresa no curso pelas operações da empresa normal de suas operações nem influenciam sua competitividade no longo prazo Quadro 1 Como Priorizar Questões Sociais (adaptado pela autora) Fonte: (PORTER; KRAMER, 2006) Dimensões Sociais do Contexto Competitivo São fatores do ambiente externo que afetam consideravelmente a competitividade da empresa onde quer que ela opere Segundo os autores, antes de tomar decisões a respeito de quais práticas de gestão adotar, as empresas deverão dividir as questões sociais nestas três categorias de modo a confrontá-las às divisões de negócios e principais locais de operação, para assim classificá-las pelo potencial impacto. Dessa forma, a questão social que deverá ser priorizada dependerá da divisão de negócios da empresa e da localidade. Isto faz reportar à premissa de que os atuais gestores devem pensar globalmente e agir localmente. Outro aspecto importante a ser colocado, diz respeito à diversidade de impactos que uma mesma questão social pode causar em um mesmo setor, em empresas distintas devido a diferenças no posicionamento competitivo. A pandemia de AIDS na África pode ser uma questão social genérica para um varejista americano como a Home Dupot, um impacto da cadeia de valor para uma farmacêutica como a GlaxoSmithKline e uma questão de contexto competitivo para uma mineradora como a Anglo American, que depende da mão de obra africana para operar. PORTER; KRAMER (2006: 59) 7

8 Estes mesmos autores apresentaram um modelo capaz de identificar as conseqüências sociais das ações que as empresas empreendem quando práticas de valores éticos-morais tornam-se a meta no contexto competitivo em que elas atuam. Esse enfoque estratégico da responsabilidade social empresarial é eficaz, na medida em que minimiza ações descontinuadas, projetos fracassados e o descrédito das comunidades envolvidas. O modelo de geração de valor através da responsabilidade social empresarial estratégica proposto por eles encontra-se no quadro 2, a seguir: MODELO DE GERAÇÃO DE VALOR COMPARTILHADO ATRAVÉS DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ESTRATÉGICA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS DE INTERSEÇÃO ENTRE A EMPRESA E A SOCIEDADE DEFINIÇÃO DAS QUESTÕES SOCIAIS A ABORDAR CRIAÇÃO DE UMA PAUTA SOCIAL EMPRESARIAL (CATEGORIZANDO E CLASSIFICANDO QUESTÕES SOCIAIS) INTEGRAÇÃO DE PRÁTICAS DE DENTRO PARA FORA E DE FORA PARA DENTRO INTRODUÇÃO DE INOVAÇÕES NA CADEIA DE VALOR DE FORMA INTEGRADA À ABORDAGEM DOS ENTRAVES SOCIAIS À COMPETITIVIDADE A FIM DE GERAR VALOR ECONÔMICO E SOCIAL INCLUSÃO DE UMA DIMENSÃO SOCIAL NA PROPOSTA DE VALOR Quadro 2 - Modelo de Geração de Valor Compartilhado através da RSE Estratégica (adaptado pela autora) Fonte: (PORTER; KRAMER, 2006) Além de gerar valor econômico e social através de práticas de responsabilidade social engajando construtivamente os diversos grupos de interesse em suas estratégias de negócios, 8

9 as empresas devem incluir em sua gestão, estratégias que incrementem a sustentabilidade corporativa. Neste caso, as organizações podem gerar valor sendo mais transparentes e éticas, sem descuidar das boas práticas de governança corporativa, conquistando a confiança de seus shareholders, isto é, aqueles que detém o capital os sócios e acionistas. Uma empresa sustentável pode contribuir para o desenvolvimento sustentável global ao gerar, simultaneamente, benefícios econômicos, sociais e ambientais conhecidos como os três pilares do desenvolvimento sustentável. (ELKINGTON, 1994, apud HART; MILSTEIN, 2004, p. 66) FERRAMENTAS DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Ações socioambientais transformadas em estratégia empresarial têm demonstrado gerar valor compartilhado entre empresas e sociedade, fortalecendo, assim sua vantagem competitividade nos mais diversos mercados. As empresas têm demonstrado um forte interesse por algumas normas e indicadores que facilitam o manejo mais sustentável de suas atividades econômicas. Entre as principais boas práticas de gestão utilizadas atualmente pelas organizações está a ISO 14000, que se configura como um conjunto de normas que definem parâmetros e diretrizes para a gestão ambiental em empresas privadas e públicas. Estas normas foram elaboradas pela ISO, que é uma organização internacional para padronização de normas. Através da conformidade de suas atividades com ISO 14001, as empresas adquirem a certificação de seu sistema de gerenciamento ambiental (SGA). Ela propõe como base do sistema de gestão o modelo PDCA (plan, do, check, act, ou planejar, fazer, verificar e agir), a fim de facilitar o sistema de integração com os sistemas já existentes. A certificação é baseada na ISO 14001, porque esta é a única da família ISO que permite ter um certificado. (VALLE, 2002) 9

10 Fig 1. Modelo de Sistema de Gestão Ambiental para a Norma Fonte: Manual de Indicadores Ambientais FIRJAN/ RJ: DIM/GTM, 2008 A ISO está prevista para ser publicada em 2010, e servirá como padrão internacional para a implementação de um sistema de gestão sócio-ambientalmente responsável, para todas as organizações que aderirem a ela voluntariamente. Segundo Ursini e Sekiguchi (2005), a norma não tem caráter de certificação e nem pretende entrar em conflito com os documentos, tratados e convenções internacionais já existentes. Nem tão pouco, pretende reduzir a autoridade governamental de cada país. Composta por diretrizes, a ISO não certificará as organizações que a buscarem. Também, não conterá caráter de sistema de gestão, ao contrário da ISO e ISO 9000 que, por sua vez, são compostas por requisitos. Entretanto, segundo sua minuta 2 a ISO pretende ser uma norma de desempenho, sem apresentar a estrutura da metodologia PDCA, mas enfatiza a importância dos resultados, fornecendo orientação sobre: a) conceitos, termos e definições relacionados com responsabilidade social; 2 Disponivel em 10

11 b) o contexto, as tendências e as características de responsabilidade social; c) princípios e práticas relativas à responsabilidade social; d) assuntos e questões essenciais relacionados à responsabilidade social e) integração, implementação e promoção de comportamento socialmente responsável dêem toda a organização e sua esfera de influência; f) identificação e engajamento com stakeholders; g) comunicação de compromissos e desempenho relativos à responsabilidade social; e portanto a contribuição ao desenvolvimento sustentável. A norma NBR foi elaborada pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), representante oficial da ISO no Brasil. Ela estabelece requisitos mínimos para a implementação de um sistema de gestão baseado em responsabilidade social, permitindo que a organização formule e implemente uma política e objetivos que levem em conta as exigências legais, seus compromissos éticos e sua preocupação com a promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável, além da transparência das suas atividades. (URSINI, SEKIGUCHI, 2005, p.12). Esta norma propõe a certificação das organizações, orientando-as a promoverem a cidadania, o desenvolvimento sustentável e a tornarem transparentes suas atividades. Um dos seus fundamentos é o tríplice resultado da sustentabilidade resultados em âmbito econômico, ambiental e social, que seria adquirido a partir da definição da política de responsabilidade social, do planejamento voltado para as boas práticas de governança, combate à fraude e corrupção, promoção da saúde e segurança e padrões sustentáveis de desenvolvimento, produção, distribuição e consumo e proteção ao meio ambiente, entre outros requisitos. A implementação, operação, controle, medição, análise e melhoria, enfim, toda a sua metodologia segue o modelo PDCA da ISO Outra norma muito difundida entre as organizações é a AA Criada no Reino Unido, a série de normas AA 1000, também permite a certificação das empresas. Foi publicada inicialmente em 1999 pela ONG ISEA (Institute of Social and Ethical Accountability), em Londres, e é reconhecida como o primeiro padrão internacional de gestão da responsabilidade 11

12 social empresarial, por definir melhorias das práticas relativas à prestação de contas 3. A partir de sua emissão, ela vem se repaginando, incorporando e estimulando o engajamento de stakeholders, promovendo a sustentabilidade empresarial. Culmina, assim, por se transformar numa ferramenta de diálogo que possibilita uma credibilidade maior no momento de prestar contas, pois assegura a qualidade da contabilidade, da auditoria e de relatórios de informações de caráter social ético, ambiental e financeiro de qualquer tipo de organização. Ela tem caráter certificador estabelecendo diretrizes para a confecção e construção de relatórios para prestação de contas, visando à qualidade da contabilidade, relato social ético e auditoria. (LIMA, 2007) A Social Accountability Standard 8000 ou SA 8000 é uma norma voltada para a melhoria das condições de trabalho, seguindo o modelo da norma ISO Foi emitida em 1997 pela Social Accountability International (SAI) e abrange os principais direitos trabalhistas. É uma norma certificadora que visa principalmente garantir a sustentabilidade das organizações, visto que, diminui as chances de aumentar seus passivos trabalhistas. Segundo Oliveira (2003), ela reúne diversos códigos de conduta e define regras mais claras para os direitos dos empregados. Baseia-se nos preceitos da OIT - Organização Internacional do Trabalho: 1. proibição de trabalho infantil, 2. proibição de trabalho forçado, 3. proibição de práticas disciplinares, 4. não-discriminação, 5. salários e benefícios, 6. remuneração de horas trabalhadas, 7. saúde e segurança 8. liberdade para associações e negociações coletivas 9. e sistema de gestão Através dessa norma, a empresa certifica ao mercado e à sociedade q os produtos estão sendo disponibilizados de forma humana e ética. A Legislação Trabalhista brasileira (CLT) 3 Disponível em 12

13 consolida todos os direitos propostos nessa norma. Nessa mesma linha de foco no público interno, surgiu o OHSAS 18001, cuja sigla significa Occupational Health and Safety Assessment Series. Ela entrou em vigor em 1999 e faz parte de uma série de normas certificadoras comprometidas com a qualidade de vida dos colaboradores da empresa. Aqui, a ênfase é no Sistema de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho, permitindo potencializar a eficácia das operações internas e melhorar a qualidade do ambiente de trabalho, determinando uma redução de acidentes, riscos e períodos de paragem. Entre os benefícios promovidos pela introdução da norma na empresa está a minimização dos riscos de sanções e de ações judiciais, minimizando a ocorrência de passivos trabalhistas, bem como de passivos ambientais. A GRI Global Reporting Iniciative 4, trabalha com o desenvolvimento e padronização de relatórios sobre aspectos da sustentabilidade econômica, ambiental e social. Com o foco diferenciado em relação à AA 1000, a GRI é um dos modelos de prestação de contas em ações sócio-ambientais mais completos que existe reunindo em seu corpo uma série de indicadores com ênfase em quantificação. É amplamente difundido entre multinacionais, tendo apoio das Nações Unidas. Atualmente é o principal padrão mundial para a mensuração, monitoramento e divulgação dos programas de sustentabilidade das empresas pois pode-se realizar comparações e análises críticas entre empresas,, permitindo, assim, a comparação da atuação da mesma com o mercado. Os Códigos de Conduta são definidos como princípios comportamentais que permitem às organizações definirem e seguirem padrões éticos de conduta. São, de modo geral voluntários e baseados em autodeclarações. Um dos exemplos mais notórios de código de conduta é o Global Compact 5 ou Pacto Global, voltado para questões relativas aos direitos humanos, condições de trabalho e meio ambiente. O código teve origem no Fórum Econômico Mundial, em Davos, em 31 de janeiro Na ocasião, o Secretário Geral das Nações Unidas lançou de desafio aos líderes mundiais de negócios para a criação do código, o qual acabou sendo 4 Disponível em 5 Disponível em 13

14 lançado em junho de 2000, com o apoio de vários governos, inclusive do Brasil, e abrangendo 9 grandes princípios. Além desses guias para inserção de requisitos de responsabilidade socioambiental, não se pode deixar de citar as ferramentas de gestão empresarial desenvolvidas pelo Instituto ETHOS de Empresas e Responsabilidade Social ETHOS 6. Trata-se de ferramentas de autodiagnose cuja principal finalidade é auxiliar as empresas no gerenciamento de impactos sociais e ambientais decorrentes de suas atividades. As empresas preenchem um questionário cujos temas são organizados da seguinte forma: Valores, Transparência e Governança; Público interno; Meio ambiente; Fornecedores; Consumidores e clientes; Comunidade, e Governo e sociedade. Cada tema pretende diagnosticar o desempenho da empresa, de forma que ela possa melhorar continuamente sua relação com cada um dos temas propostos PARCERIAS: IMPORTANTE FERRAMENTA DE GESTÃO PARA O EMPRESARIADO A gestão baseada na responsabilidade socioambiental corporativa incorpora outros ferramentais sob formas de ação integradas, como as parcerias com o terceiro setor e com o setor público. 6 Disponível em A prática da parceria se dá prioritariamente com instituições de maior legitimidade, não só pelo aspecto técnico mas também pelo político. Se a associação convém a ambos, as razões da conveniência são distintas. Um empresta a legitimidade ou o suporte institucional; o outro, os recursos e, na maioria dos casos, uma certa racionalidade 14

15 para solucionar as questões da intervenção. Essa troca de competências não é livre de tensões e ambigüidades, já que não se trata necessariamente de uma convergência de projetos ou visões sobre o social, ou seja, cada qual pode participar da parceria com interesses e visões próprios. (GARCIA, 2004, p.22) As parcerias são boas opções para empresas que não querem tirar o foco dos seus negócios, mas querem se engajar no novo ambiente empresarial. As parcerias acontecem entre representantes do terceiro setor, empresas privadas e a Administração Pública. Quando estas últimas estão envolvidas, recebem o respaldo da Lei n.º de 2004 que institui normas gerais para licitação e contratação de parceria público-privada no âmbito da administração pública. Tal lei, passou a regular as parcerias público privadas, conhecidas como PPPs, e a garantir a viabilização dos projetos e transparência no trato com a coisa pública. Entende-se como parceria público-privada um contrato de prestação de serviços de médio e longo prazo (de 5 a 35 anos) firmado pela Administração Pública, cujo valor não seja inferior a vinte milhões de reais, sendo vedada a celebração de contratos que tenham por objeto único o fornecimento de mão-de-obra, equipamentos ou execução de obra pública. Na PPP, a implantação da infra-estrutura necessária para a prestação do serviço contratado pela Administração dependerá de iniciativas de financiamento do setor privado e a remuneração do particular será fixada com base em padrões de performance e será devida somente quando o serviço estiver à disposição do Estado ou dos usuários. (BRASIL, MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, 2009) Além das PPPs, outras formas de parcerias são estabelecidas entre os setores da sociedade, formando uma grande rede de relacionamentos em prol da responsabilidade socioambiental, como voluntariado, contratos de concessão de marcas e franquias sociais 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS 7 Disponível em: 15

16 A revisão da literatura sobre o conhecimento acerca do tema responsabilidade socioambiental corporativa, referenciada através da perspectiva de geração de valor compartilhado entre mercado, governo e sociedade demonstra o surgimento de um novo tipo de relacionamento que busca a harmonia de interesses, entre os três pilares da sociedade moderna: governo empresas e sociedade. As organizações vêm introduzindo as melhores práticas de gestão como forma de alinhar seus interesses estratégicos às particularidades socioambientais locais. Ações voltadas para mitigar os impactos gerados por suas atividades possibilitam oportunidades de compartilhar valores, fortalecendo a competitividade da empresa. Desde as normas certificadoras às parcerias com organizações governamentais, ou não, existe um rol de práticas apropriadas para todo tipo de empresa. Uma empresa-cidadã, fortalece seus vínculos com a sociedade e com todos por ela impactados. A partir daí, compartilha-se e dissemina-se valor pela rede estabelecida. Os interesses ainda divergem, mas o convite para que todos possam tomar suas posições diante da injustiça ambiental e social está sendo gradativamente aceito, mesmo que o todo não seja a soma das partes. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ELKINGTON J. Towards the Sustainable Corporation: Win-Win-Win Business Strategies for Sustainable Development. California Management Review, v. 36, n.3, GARCIA, Joana Angélica Barbosa. O Negócio do Social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., HART, Stuart L.; MILSTEIN, Mark B. Criando Valor Sustentável. RAE- executivo, v. 3, n. 2 - Maio/Jul disponível em: index.cfm?fuseaction=download. Acesso em 15 jun KERSTENETZKY, Celia Lessa. Políticas Sociais: focalização ou universalização?. Rev. Econ. Polit., São Paulo, v. 26, n. 4, Disponível em: &lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 20 Out LIMA, Alcindo Martins Instrumentos de reporte de sustentabilidade (Triple Bottom Line). ENEGEP XXVII ENEGEP, Foz do Iguaçu, LIMA, M. (2002) Responsabilidade social: apoio das empresas privadas brasileiras à comunidade e os desafios da parceria entre elas e o terceiro setor. Em Responsabilidade social das empresas: a contribuição das universidades. (pp ) São Paulo /Petrópolis: Instituto Ethos. 16

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

Ferramentas normativas de Responsabilidade Social

Ferramentas normativas de Responsabilidade Social Ferramentas normativas de Responsabilidade Social A presente pesquisa busca apresentar algumas ferramentas normativas de Responsabilidade Social descrevendo a sua finalidade, como e por quem ela tem sido

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

Responsabilidade Social Corporativa

Responsabilidade Social Corporativa Responsabilidade Social Corporativa João Paulo Vergueiro jpverg@hotmail.com Stakeholders GOVERNOS ORGANISMOS INTERNACIONAIS FORNECEDORES CONCORRENTES INDÚSTRIA DA COMUNICAÇÃO ACIONISTAS PROPRIETÁRIOS EMPRESA

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

CURSO AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE: CONTEXTOS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS

CURSO AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE: CONTEXTOS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS CURSO AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE: CONTEXTOS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS Ana Júlia Ramos Pesquisadora Sênior AIII CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL: RAC Modelos Internacionais de Normas

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO. Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO. Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n 1,n Faculdade Anhanguera de São José/ Pós-graduação em

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2 ESTRATÉGIAS E INSTRUMENTOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Responsabilidade Social Empresarial Henry Ford: produto e preço - Gestão de Produto e Processo. Jerome McCarty e Philip Kotler: produto, preço, praça (ponto de venda) e promoção. - Gestão de Marketing.

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos

ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos FUNDAÇÃO VANZOLINI ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos 1 Das 100 maiores economias do mundo, 51 são empresas 1 2 5 11 14 23 24 25 27 28 29 31 37 38 40 42 43 PAÍS/EMPRESA

Leia mais

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS)

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Fundação Dom Cabral Ritual de Passagem: A Educação de Lideranças para a Sustentabilidade INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO ALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Prof. Raimundo Soares

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

ISO 26000 Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000 Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000 Diretrizes sobre Responsabilidade Social DIFERENCIAIS DA ISO 26000 O que são NORMAS? Registro da tecnologia consolidada Regras, diretrizes, características Resultado de um processo de CONSENSO

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

Dimensão Econômico-Financeira

Dimensão Econômico-Financeira Dimensão Econômico-Financeira 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO... 3 INDICADOR 2. ATIVOS INTANGÍVEIS... 5 INDICADOR 3. DEFESA DA CONCORRÊNCIA... 6 CRITÉRIO II GESTÃO...

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NORMA INTERNA TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NÚMERO VERSÃO DATA DA PUBLICAÇÃO SINOPSE Dispõe sobre

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

ENGAJAMENTO COM STAKEHOLDERS. III Seminário do Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social 11/06/13 Tarcila Reis Ursini

ENGAJAMENTO COM STAKEHOLDERS. III Seminário do Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social 11/06/13 Tarcila Reis Ursini ENGAJAMENTO COM STAKEHOLDERS III Seminário do Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social 11/06/13 Tarcila Reis Ursini Sustentabilidade: por amor, por dor ou por inteligência? PROPÓSITO

Leia mais

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Conteúdo da apresentação Breve contexto Indutores da Gestão da Sustentabilidade Gestão

Leia mais

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável Julho 2010 O que é ISO 26000? A ISO 26000 é uma norma internacional de Responsabilidade Social, um guia de diretrizes que contribui

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS

X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS PAINEL : FERRAMENTA PARA A GESTÃO DA ÉTICA E DOS DIREITOS HUMANOS RONI ANDERSON BARBOSA INSTITUTO OBSERVATORIO SOCIAL INSTITUCIONAL

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda.

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. 1 Objetivo Descrever e comunicar os princípios que norteiam o relacionamento do Laboratório Weinmann Ltda. com as suas partes interessadas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social Por Daiane Fontes 1 A preocupação da sociedade com relação aos temas ética, cidadania, direitos humanos, desenvolvimento econômico, Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Edição: agosto/2014 1 ÍNDICE Visão, Missão e Valores 6 Fornecedores e prestadores de serviço 14 Objetivos 7 Brindes, presentes e entretenimento 15 Princípios

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental, Negócios e Sustentabilidade

Responsabilidade Socioambiental, Negócios e Sustentabilidade Responsabilidade Socioambiental, Negócios e Sustentabilidade SUSTENTABILIDADE Fonte figura: Projeto Sigma Paula Chies Schommer CIAGS/UFBA Novembro 2007 O que define uma empresa como sustentável? 2 Objetivos

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015

PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015 PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins meramente informativos. É proibida a reprodução total ou

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS Os Indicadores Ethos são uma ferramenta de gestão, de uso gratuito, que visa apoiar

Leia mais

DISCIPLINA GESTÃO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL

DISCIPLINA GESTÃO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL FACULDADE NOVO MILÊNIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GERAL PROFESSORA CAMILA VIDAL DISCIPLINA GESTÃO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL Sustentabilidade Empresarial Face às rápidas mudanças no mundo empresarial,

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

Código de. Ética e Conduta. de Fornecedores

Código de. Ética e Conduta. de Fornecedores Código de Ética e Conduta de Fornecedores Fev/2012 Caro Fornecedor, Palavra do Presidente Este Código de Ética e Conduta de Fornecedores busca orientá-lo sobre as diretrizes da relação entre a Cielo e

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

Conjunto de diretrizes e ferramentas para empresas que visam contribuir efetivamente

Conjunto de diretrizes e ferramentas para empresas que visam contribuir efetivamente PROJETO SIGMA País Grã-Bretanha O que é Conjunto de diretrizes e ferramentas para empresas que visam contribuir efetivamente para o DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (DS). Origem O Projeto SIGMA foi lançado

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas

Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas Cândido Ferreira da Silva Filho (UNISAL) candido.silva@am.unisal.br Gideon Carvalho de Benedicto

Leia mais

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Camila Cristina S. Honório 1 Maristela Perpétua Ferreira 1 Rosecleia Perpétua Gomes dos Santos 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade mostrar a importância de ser

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

1. DIRECIONADORES DAS RELAÇÕES E AÇÕES

1. DIRECIONADORES DAS RELAÇÕES E AÇÕES 1 A Endesa Brasil é uma das principais multinacionais privadas do setor elétrico no País com ativos nas áreas de distribuição, geração, transmissão e comercialização de energia elétrica. A companhia está

Leia mais

Guia EXAMEde Sustentabilidade. Processo2014

Guia EXAMEde Sustentabilidade. Processo2014 Guia EXAMEde Sustentabilidade Processo2014 Agenda O Guia O GVces Processo 2014 Novidades Cronograma Dúvidas O Guia O Guia Omais abrangente levantamento das empresas com melhores práticas em sustentabilidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 02/01/2013 rev. 00 PAUTA INSTITUCIONAL Sobre a Harpia OUTRAS INFORMAÇÕES Clientes Parceiros SERVIÇOS Responsabilidade Social Consultoria & Gestão Empresarial Planejamento Estratégico

Leia mais

Governança Corporativa, Responsabilidade Ambiental e Social. Prof. Wellington

Governança Corporativa, Responsabilidade Ambiental e Social. Prof. Wellington Governança Corporativa, Responsabilidade Ambiental e Social Prof. Wellington APRESENTAÇÃO AULA 1 Wellington Prof de pós-graduação na USJT desde 2003 Sócio diretor da WP projetos e produções Coordenador

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social Características essenciais de Responsabilidade Social Incorporação por parte da organização de considerações sociais e ambientais nas suas decisões tornando-se

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012.

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012. CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

9) Política de Investimentos

9) Política de Investimentos 9) Política de Investimentos Política e Diretrizes de Investimentos 2010 Plano de Benefícios 1 Segmentos Macroalocação 2010 Renda Variável 60,2% 64,4% 28,7% 34,0% Imóveis 2,4% 3,0% Operações com Participantes

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

Sylvia Bojunga 1º Ciclo Itinerante de Formação para o Terceiro Setor, Porto Alegre 17/8/2012 versão compacta

Sylvia Bojunga 1º Ciclo Itinerante de Formação para o Terceiro Setor, Porto Alegre 17/8/2012 versão compacta Sylvia Bojunga 1º Ciclo Itinerante de Formação para o Terceiro Setor, Porto Alegre 17/8/2012 versão compacta SUSTENTABILIDADE Desenvolvimento Sustentável - Relatório da Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente

Leia mais

Código de Ética do Grupo Pirelli

Código de Ética do Grupo Pirelli Código de Ética do Grupo Pirelli A identidade do Grupo Pirelli fundamenta-se historicamente em um conjunto de valores sempre seguidos e apoiados por todos nós. Esses valores, ao longo dos anos, permitiram

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

ABNT NBR 16001 NORMA BRASILEIRA. Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos. Social responsibility Management system Requirements

ABNT NBR 16001 NORMA BRASILEIRA. Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos. Social responsibility Management system Requirements NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16001 Primeira edição 30.11.2004 Válida a partir de 30.12.2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos Social responsibility Management system Requirements Palavras-chave:

Leia mais

Compromissos de Sustentabilidade. Coelce

Compromissos de Sustentabilidade. Coelce Compromissos de Sustentabilidade Coelce ÍNDICE 5 5 5 6 6 6 7 8 8 9 INTRODUÇÃO 1. DIRECIONADORES DAS RELAÇÕES E AÇÕES 1.1 Valores 1.2 Política de Sustentabilidade 2. COMPROMISSOS INSTITUCIONAIS 2.1 Pacto

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 3 Gestão de Instalações Desportivas 1.3. Sistemas integrados de qualidade, ambiente e segurança Ambiente,

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS Profa. Cláudia Palladino Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES Antes de falarmos sobre RSE Ambiente das empresas: Incertezas Pressões das partes interessadas em: desempenho global que promova

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial NAÇÕES UNIDAS PACTO GLOBAL O que é o Pacto Global da ONU? Nunca houve um alinhamento tão perfeito entre os objetivos da comunidade internacional e os do

Leia mais

VIVEMOS NOSSOS VALORES

VIVEMOS NOSSOS VALORES BOA CIDADANIA: PRINCÍPIOS EMPRESARIAIS VIVEMOS NOSSOS VALORES INTEGRIDADE CORPORATIVA SEGURANÇA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EMPREGO E DIREITOS TRABALHISTAS DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE E DIREITOS HUMANOS

Leia mais

Código de ética e Conduta

Código de ética e Conduta DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS GlobalPET Reciclagem S.A Agosto /2014 Código de ética e Conduta Sumário 1. Introdução 2. Objetivos 3. Código de Conduta 4. Código de Ética 5. Valores éticos 6. Princípios

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Política de Direitos Humanos (GLOBAL)

Política de Direitos Humanos (GLOBAL) Política de Direitos Humanos (GLOBAL) DCA0069/2014 Rev.: 01-29/05/2014 Nº: POL-0005-G PÚBLICO Objetivo: Estabelecer diretrizes e princípios para atuação da Vale no que se refere ao respeito aos direitos

Leia mais

Questionário de Levantamento de Informações

Questionário de Levantamento de Informações Questionário de Levantamento de Informações Critérios para Inclusão de Empresas no Fundo Ethical 1 INTRODUÇÃO Nos últimos anos se observou um aumento significativo da preocupação das empresas com questões

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Roberta Dalvo

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Roberta Dalvo RESPONSABILIDADE SOCIAL Roberta Dalvo Objetivo: Histórico e definições Panorama Social Oportunidades para as empresas (Vantagem Competitiva) Pesquisa realizada pelo Instituto Ethos/Valor Casos de sucesso

Leia mais

MENSAGEM CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

MENSAGEM CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO MENSAGEM O Código de Ética do Banco do Brasil vem reafirmar a contínua valorização dos preceitos éticos existentes na cultura da Organização, reconhecidos pela comunidade. Nasce da realidade da Empresa,

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais