GUIA DO CURSO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DO CURSO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS"

Transcrição

1 GUIA DO CURSO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

2 Curs em regime de e-learning Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 2

3 A dinâmica da gestã ds recurss humans deve acmpanhar a dinâmica das próprias rganizações. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 3

4 ÍNDICE A Universidade Aberta 5 Enquadrament d curs 10 Objetivs d curs 11 Cmpetências a adquirir 12 Móduls, bjetivs e cnteúds 13 Públics-alv d curs 28 Pré-requisits ds frmands 29 Duraçã e estrutura d curs 30 Calendarizaçã d curs 31 Atividades ds frmands 32 Metdlgia e sistema de tutria 33 Recurss de aprendizagem 35 Avaliaçã, classificaçã e certificaçã 36 Cmprmisss ds participantes 37 Diretr, crdenadres e frmadres 38 Acmpanhament d curs 43 Anexs 44 E-atividades Exempl de e-atividade Platafrma Infrmática Mdle Mdel d Certificad de Frmaçã Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 4

5 A UNIVERSIDADE ABERTA Universidade Pública de Ensin a Distância A Universidade Aberta (UAb), universidade pública de ensin a distância estatutariamente tem cm missã, n cntext universitári prtuguês e de acrd cm a lei que enquadra, a criaçã, transmissã e difusã da cultura, ds saberes, das artes, da ciência e da tecnlgia, a serviç da sciedade, através da articulaçã d estud, d ensin, da aprendizagem, da investigaçã e da prestaçã de serviçs. A Universidade é uma pessa cletiva de direit públic (NPC ) e gza de autnmia estatutária, pedagógica, científica, cultural, administrativa, financeira, patrimnial e disciplinar, pdend, na prssecuçã ds seus fins, pr si só u em cperaçã cm utras entidades, universitárias u utras, tant públicas cm privadas, criar u incrprar n seu âmbit pessas cletivas de direit privad. A Universidade tem a sua sede em Lisba e dispõe de delegações nas cidades d Prt e de Cimbra, pdend criar utras delegações u entidades de api, n territóri nacinal u fra dele, necessárias à realizaçã ds seus bjetivs. Ns terms da lei, sã atribuições da Universidade: a) Realizar cicls de estuds visand a atribuiçã de graus académics, bem cm de utrs curss pós -secundáris, de curss de frmaçã pós -graduada e de utrs, ns terms da lei, destinads a ppulações que prcurem ensin a distância; b) Prmver a aprendizagem a lng da vida, nmeadamente através de ações de frmaçã, qualificaçã e recnversã prfissinal, em dmínis estratégics para desenvlviment e a atualizaçã de cnheciments; c) Garantir que, a td temp, será cnsiderada a especificidade ds estudantes de ensin a distância, através d api e enquadrament pedagógic, bem cm da salvaguarda ds respetivs direits; d) Realizar investigaçã e apiar a participaçã ds seus dcentes e investigadres em instituições científicas; e) Cnceber, prduzir e difundir recurss educacinais mediatizads e em rede, suscetíveis de utilizaçã através das tecnlgias de infrmaçã e cmunicaçã, Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 5

6 destinads a ensin frmal e nã frmal a qualquer nível, à defesa e prmçã da língua e da cultura prtuguesas, n País e n estrangeir, cm especial relev para s países e cmunidades de língua prtuguesa; f) Cntribuir para a difusã e a prmçã da sciedade d cnheciment, incentivand, pela sua metdlgia própria, a inclusã digital, a aprpriaçã e a autcnstruçã de saberes e a transferência e a valrizaçã ecnómica d cnheciment científic e tecnlógic; g) Prmver a cperaçã e intercâmbi cultural, científic e técnic cm instituições cngéneres, nacinais e estrangeiras; h) Cntribuir, n seu âmbit de atividade, para a cperaçã internacinal e para a aprximaçã entre s pvs, cm especial destaque para s países de língua ficial prtuguesa e s países eurpeus; Estas atribuições abrangem territóri nacinal, pdend ser extensivas a estruturas delegadas, para esse fim criadas n estrangeir. Fundada em 1988, a UAb é a única instituiçã de ensin superir públic vcacinada para ensin a distância. Desde iníci, a UAb tem estad rientada para a educaçã de grandes massas ppulacinais gegraficamente dispersas, tend-se já prprcinad frmaçã de nível superir a mais de 10 mil estudantes, em 33 países ds cinc cntinentes, licenciand-se mais de 9 mil estudantes, cncedend-se mais de um milhar de graus de mestre e cerca de uma centena de graus de dutr. Pineira n ensin superir a distância em Prtugal, a UAb tem prmvid ações relacinadas cm a frmaçã superir e a frmaçã cntínua, cntribuind igualmente para a divulgaçã e a expansã da língua e da cultura prtuguesas, cm especial relev ns países e cmunidades lusófns. A lng ds 20 ans de existência da UAb, s seus dcentes e investigadres têm desenvlvid atividades de investigaçã científica através da utilizaçã das tecnlgias da infrmaçã e da cmunicaçã, cncebend e prduzind materiais pedagógics nas áreas da tecnlgia d ensin e da frmaçã a distância, e da cmunicaçã educacinal multimédia. Cm mais de 400 títuls editads, de 3500 hras de prduções audivisuais e de 6000 hras de emissões televisivas, prduzidas ns seus estúdis, a UAb tem prcurad sbretud incentivar a aprpriaçã e a autcnstruçã de saberes, cncebend e lecinand curss, frmand técnics e dcentes, de acrd cm uma filsfia de prestaçã de serviç públic. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 6

7 Estudantes-alv A UAb assume cm missã fundamental frmar estudantes que, pr várias razões, nã puderam, n seu temp própri, encetar u prsseguir estuds universitáris. Pr utr lad, a UAb prcura crrespnder às expectativas de quants, tend eventualmente btid frmaçã superir, desejam recnvertê-la u atualizá-la; que significa que, pr vcaçã, tenta ir a encntr das expectativas de um públic adult, cm experiência de vida e nrmalmente já empenhad n exercíci de uma prfissã. Assim, é cndiçã necessária para ingressar na UAb ter mais de 21 ans de idade e realizar prvas de acess a esta universidade, que nã integra cncurs nacinal de acess a ensin superir. As licenciaturas da UAb nã têm numerus clausus. A UAb também efetua prvas especialmente destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência d Ensin Superir (ACFES) ds maires de 23 ans. Pineira n E-Learning em Prtugal Enquant universidade pineira n Ensin Superir a Distância em Prtugal, e tend em cnta a sua respnsabilidade cm principal centr nacinal de cmpetência nesta área, a UAb desenvlveu um inestimável knw-hw, que lhe permitiu cnstituir a mair blsa de ferta de curss nline d País. N an letiv , a UAb trnu-se na primeira e única universidade (pública) em Prtugal a lecinar tdas as licenciaturas e mestrads pela Internet, em regime de e-learning, através de um Mdel pedagógic virtual inédit n País e desenvlvid pr esta instituiçã. A UAb é também cnsiderada um ds mega-prviders de e-learning eurpeus, desempenhand um papel prepnderante na lecinaçã de curss de 1.º Cicl (licenciaturas) e de 2.º Cicl (mestrads), em dmínis das Humanidades, das Ciências e Tecnlgia, da Educaçã e Ensin a Distância, das Ciências Sciais e da Gestã. Tds s curss de licenciatura e mestrad da UAb estã adequads a Prcess de Blnha. Mdel pedagógic virtual O mdel pedagógic da UAb assenta n regime de e-learning e na utilizaçã intensiva das nvas ferramentas de cmunicaçã nline. Prmvend a interaçã entre estudantes e dcentes, este mdel está frtemente centrad n estudante, enquant indivídu ativ e cnstrutr d seu cnheciment. Permite ainda uma mair flexibilidade na aprendizagem, nde a cmunicaçã e a interaçã se prcessam de acrd cm a dispnibilidade d estudante, partilhand recurss, cnheciments e atividades cm s seus pares. A avaliaçã ds cnheciments e cmpetências, Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 7

8 baseada na avaliaçã cntínua, assume sluções diversificadas. Ns curss de graduaçã, estudante pssui um cartã de aprendizagem nde investe a lng d seu percurs, realizand e-fólis, creditand e-valres e efetuand prvas presenciais. Ns curss de pós-graduaçã, a avaliaçã desenvlve-se de frmas muit variadas, recrrend, pr exempl, a prtfólis, blgs, prjets, ensais, resluçã de prblemas, participaçã em discussões, relatóris e testes. Inclusã digital A frequência da UAb é fatr de inclusã scial pela vertente da alfabetizaçã digital: ensin nline exige cmpetências específicas pr parte d estudante, pel que tds s prgramas de frmaçã certificads pela UAb incluem um módul prévi, de frequência gratuita. Deste md, s nvs estudantes pdem adquirir as cmpetências necessárias à frequência d curs u d prgrama de frmaçã em que se inscrevem. A atual expansã da Internet e da Wrd Wide Web (WWW) e desenvlviment ainda mais recente ds prgramas infrmátics de gestã d ensin/aprendizagem, vieram mdificar panrama d ensin a distância, permitind a criaçã de espaçs virtuais de ensin cm designações diversas, centr de ensin virtual, escla virtual, etc., nde a palavra virtual apenas significa que esses espaçs nã têm implantaçã e realidade físicas palpáveis. É pis n espaç virtual de frmaçã/aprendizagem da UAb (em que se vai desenvlver curs de aprendizagem a lng da vida de + Saber, + Cidadania, + Participaçã rientad para uma ppulaçã sénir mair de 55 ans cm bjetiv de cntribuir para seu desenvlviment pessal e interpessal, permitind-lhe uma mair participaçã cívica, uma mais cnsciente defesa ds seus direits. A Universidade Aberta, instituiçã de direit públic dependente d Ministéri da Ciência, Tecnlgia e Ensin Superir, encntra-se abrangida pel Art.º 2.º da Prtaria n.º 782/97 de 29 de agst e, pr frça ds seus estatuts, nã carece de acreditaçã cm entidade frmadra pr parte Direçã de Serviçs de Qualidade e Acreditaçã da Direçã-Geral d Empreg e das Relações de Trabalh (DGERT) u de qualquer utra entidade. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 8

9 ENQUADRAMENTO DO CURSO Num mercad de trabalh cada vez mais cmpetitiv e em cnstante mudança a adaptaçã deve ser uma precupaçã de cada prfissinal e de cada rganizaçã. Nã basta deter a infrmaçã certa na hra certa, é precis ir mais além. Saber que fazer cm a infrmaçã; nde, cm e quand aplicá-la para que seja revertida em cnheciment, send que este deve ser cmpartilhad e empregad para bem cmum da rganizaçã. As trabalhadres é exigid que sejam multifacetads, flexíveis, capazes de tmar decisões e assumir respnsabilidades maires, desenvlvend habilidades empreendedras e de liderança, prmvend a invaçã de bens, serviçs u prcesss. Das áreas de recurss humans espera-se que, mais d que departaments de pessal sejam, n sei de cada rganizaçã, úteis instruments de gestã, bem próxims da gestã de tp. O bjetiv d presente curs é respnder às exigências acima referidas, frmand pessas que se pssam integrar plenamente n mercad, cm as cmpetências necessárias para crrespnder às estratégias cmpetitivas das rganizações a que pertençam, visand a melhria da satisfaçã ds respetivs clientes, aument da sua prdutividade e a reduçã de custs. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 9

10 OBJETIVOS DO CURSO Sã bjetivs d curs criar ns participantes cmpetências de gestã de recurss humans, designadamente: Permitir dmíni de técnicas e cmpetências fundamentais da gestã das pessas; Assegurar cnheciments específics em áreas-chave da gestã de recurss humans; Atualizaçã de cnheciments ds prfissinais da área de recurss humans; Frnecer ferramentas e cmpetências técnicas e pedagógicas invadras, que permitam a gestã eficiente de recurss humans; Saber cm recrrer e entrar n mercad de trabalh; Descrever s passs fundamentais a seguir para recrutament e a seleçã de pessal; Saber elabrar e interpretar cartas de apresentaçã, de candidatura e de recmendaçã; Cnhecer s váris tips de curriculum vitae, as suas regras e as suas funções; Aferir a imprtância de um bm aclhiment e integraçã ds nvs clabradres numa rganizaçã; Cnhecer cnteúd de um manual de aclhiment; Cnhecer as causas e s custs da rtaçã de pessal; Cnhecer s benefícis para s candidats de utplacement ; Aferir da imprtância d head hunting ; Cmpreender a influência da avaliaçã de desempenh para a melhria da qualitativa e quantitativa d trabalh; Aferir a imprtância de um plan de carreira para s clabradres de uma rganizaçã; Cmpreender s plans de carreira e sistemas de remunerações para cntratar e manter pessal na empresa; Aferir a imprtância da frmaçã prfissinal; Cnhecer s custs d absentism, cm prevenir e cntrlar; Cmpreender cnceit de teletrabalh e teletrabalhadr e sua imprtância; Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 10

11 Cmpreender cnceit de segurança e higiene d trabalh; Cnhecer s riscs ergnómics; Cmpreender a existência d trabalh pr turns e nturn; Fazer a prevençã de acidentes de trabalh; Cmpreender a imprtância da mtivaçã para melhrar as ptencialidades ds clabradres de uma empresa; Cnhecer cntribut da Teria Mtivacinal de Abraham Maslw e da Teria de Frederick Herzberg para a mtivaçã; Cmpreender a imprtância da cmunicaçã para bm funcinament da empresa; Cnhecer a imprtância da liderança para as rganizações e quais as funções de um líder; Cnhecer s diferentes estils de liderança; Cnhecer s estils de gestã de cnflits; Cmpreender as funções e disfunções das culturas e prcess de scializaçã; Cmpreender cnceit de ética empresarial e a imprtância da ética para as empresas; Cmpreender a relaçã existente entre a ética empresarial e a respnsabilidade scial. O regime de funcinament nline suprtad pr uma platafrma infrmática de gestã da frmaçã/aprendizagem permitirá ainda alcançar utrs bjetivs e adquirir utras cmpetências, secundáris em relaçã a âmbit geral deste curs, mas de extrema imprtância para a empregabilidade, cm sejam: Prprcinar e/u treinar cmpetências ns dmínis da cmunicaçã e das Tecnlgias de Infrmaçã e Cmunicaçã que lhes permitam n futur uma mais fácil pesquisa de infrmações técnicas de que necessitem para seu trabalh, mais rápid e fácil cntact cm s seus pares nacinais e internacinais e ainda cmpetências para a frequência de utras ações de frmaçã a distância na mdalidade de e-learning. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 11

12 COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR N final d curs espera-se que s participantes tenham adquirid, entre utras, as cmpetências necessárias para: Gerir pessas ns seus lcais de trabalh, prceder a recrutament e seleçã de candidats, analisar e valrizar diferenciadamente curricula vitae, aclher e integrar nvs clabradres, elabrar plans de carreira, elabrar dcumentaçã de aclhiment e mtivaçã e gerir cnflits entre pessas; Intercmunicar nline de frma assíncrna e síncrna e utilizar de frma eficaz tdas as ferramentas e recurss de uma platafrma infrmática de gestã de ensin/aprendizagem; Pesquisar e rganizar infrmaçã, de frma rientada, cm recurs à Web. Este curs permitirá, também, as frmands adquirir diferentes cmpetências para a empregabilidade, designadamente cmpetências de cmunicaçã nline, de trabalh em equipa, de utilizaçã de tecnlgias infrmáticas, de autgestã d temp e das atividades e da sua capacidade de autaprendizagem. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 12

13 MÓDULOS, OBJECTIVOS E CONTEÚDOS O curs de Gestã de Recurss Humans está estruturad em 6 móduls que se desenvlvem sequencialmente. Estes móduls sã precedids de um módul de ambientaçã e integraçã ds participantes, também designad módul 0 u précurs. O curs tem a duraçã ttal de 117 hras (que se cnsidera a carga de trabalh pedida as frmands) a que crrespnde um crédit de 4,5 ECTS 1 da UAb e realizase em regime de frmaçã a distância nline (e-learning) a lng de 9 semanas. Na Internet curs é suprtad pela platafrma infrmática Mdle, adaptada a mdel pedagógic virtual da UAb. Módul 0: Ambientaçã a Cntext d E-learning Duraçã: 13 hras/ 1 semana Objetivs d módul Este módul tem pr bjetivs a scializaçã ds participantes e a criaçã de um grup de trabalh nline, a familiarizaçã cm a utilizaçã d sftware de gestã d curs ( Learning Management System Mdle, em pr frma a adquirirem as cmpetências necessárias à explraçã eficaz de tdas as suas funcinalidades de intercmunicaçã, em especial as assíncrnas, necessárias à frequência d curs. Durante Módul 0 será ainda explicada e treinada a frma cm pesquisar depressa e bem infrmaçã na Web e será pedid as participantes a prcura (na Web) de infrmaçã relevante sbre temas que cnstituam matérias d curs Cmpetências a adquirir N final deste módul, pretende-se que s frmands sejam capazes de: interagir e cmunicar cm s clegas, cm s frmadres e cm interface de aprendizagem n sentid de cnseguir reslver prblemas básics de interaçã e de cmunicaçã; explrar cm eficácia tdas as ferramentas e pssibilidades da platafrma Mdle, cm estatut de frmand. 1 O ECTS (Sistema Eurpeu de Transferência de Crédits) fi desenvlvid pela Cmissã Eurpeia. Os crédits ECTS representam vlume de trabalh que estudante/frmand deve prduzir. Na UAb 1 ECTS equivale a 26 hras de trabalh, d frmand. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 13

14 pesquisar, selecinar e rganizar infrmaçã a partir da Web para a transfrmar em cnheciment mbilizável. pesquisar, rganizar, tratar e prduzir infrmaçã em funçã das necessidades, ds prblemas a reslver e das situações de aprendizagem. A platafrma infrmática de ensin/aprendizagem da UAb O que é Mdle; Frmas de rganizar espaçs n Mdle; Recurss e ferramentas da platafrma Mdle Estrutura d espaç Mdle deste curs; tópics d curs; recurss dispníveis e ferramentas a utilizar Trein na explraçã das ferramentas e recurss da platafrma Trein cm fóruns, trabalhs, testes, questinári, wikis, referends, equipas, etc. Prática de pesquisa de infrmaçã na Web Cm prcurar infrmaçã usand: palavras-chave, peradres bleans, sinais, especificaçã de frmats, aspas e asteriscs; Mtres de busca e meta-mtres; Credibilidade da infrmaçã na Web. Critéris de avaliaçã Módul 1: Técnicas de Recrutament e Seleçã e Mercad de Trabalh Duraçã: 26 hras/2 semanas Objetivs d módul: N final d módul s participantes deverã ter adquirid s cnheciments, prcediments e atitudes que seguidamente se enunciam: Aplicar as técnicas de recrutament e seleçã de recurss humans; Cnhecer as técnicas de avaliaçã de pessal; Cnhecer a imprtância ds testes psictécnics; Saber analisar s currículs; Saber tmar decisões; Cnhecer mercad de trabalh; Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 14

15 Cnhecer a ética e a respnsabilidade scial; Cnhecer as nvas tendências de Gestã de Recurss Humans: Outplacement e Head Hunting Cnteúds prgramátics Prcess recrutament e as suas fntes e técnicas de avaliaçã e seleçã de pessal; Análise de currículs e entrevistas; A imprtância ds testes psictécnics; Métds e técnicas de avaliaçã de candidats; A tmada de decisã; Aclhiment de nvs clabradres. Mercad de trabalh: Ética e respnsabilidade scial da empresa; Relaçã existente entre a ética empresarial e a respnsabilidade scial; Os princípis de utplacement; benefícis para s candidats de utplacement; Valr acrescentad para s sbreviventes ; Head hunting; A prcura de talents e a sua imprtância para a empresa; Benefícis da seleçã ds candidats, de acrd cm as exigências d mercad de trabalh e as necessidades da empresa. Módul 2: Direit d Trabalhe da Segurança Scial Duraçã: 13 hras/ 1 semana Objectivs d módul: N final d módul alun deverá ter adquirid s cnheciments, prcediments e atitudes que seguidamente se enunciam: Cmpreender enquadrament das práticas e nrmativs legais previstas n Códig d Trabalh e da Segurança Scial; Saber distinguir um cntrat de trabalh de um cntrat de prestaçã de serviçs; Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 15

16 Saber elabrar um cntrat de trabalh Cnhecer s Direits e Deveres. Cnhecer e saber aplicar tds s cmpnentes da remuneraçã; Saber calcular uma remuneraçã; Cnhecer Direit da Segurança Scial: Cnhecer e saber aplicar s regimes cntributivs e respetivas taxas; Cnteúds prgramátics: Direit d trabalh Tips de cntrat de trabalh; Elabraçã de cntrats de trabalh Direits e Deveres. A remuneraçã: Cmpnentes da remuneraçã; Determinaçã e cálcul da remuneraçã; Objetivs da remuneraçã; Remuneraçã fixa e variável; Qualificaçã de funções e nível salarial; Direit da Segurança Scial: A inscriçã ds cntribuintes; Declaraçã de remunerações; Base de incidência de cntribuições; Regimes cntributivs e respetivas taxas; Subsídi de dença. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 16

17 Módul 3: A Segurança e Higiene d Trabalh e a Mtivaçã Humana Duraçã: 13 hras/ 1 semana Objetivs d módul: N final d módul s aluns deverã ter adquirid s cnheciments, prcediments e atitudes que seguidamente se enunciam: Cnhecer s cnceits de Segurança e Higiene d Trabalh; Saber identificar s fatres que levam a absentism labral; Cmpreender cnceit de avaliaçã de riscs prfissinais; Aplicar as medidas preventivas para fazer face as acidentes de trabalh e às denças prfissinais; Cnhecer e saber aplicar as terias da mtivaçã humana. Cnteúds prgramátics Segurança e Higiene d Trabalh: Cnceits e imprtância da ergnmia; Rtaçã ds psts de trabalh; Tecnlgias de avaliaçã de riscs prfissinais; Prevençã e rganizaçã das emergências; Psicsscilgia d trabalh; Trabalh pr turns e nturn; Absentism; Acidentes de trabalh e denças prfissinais. A Mtivaçã: Terias da Mtivaçã Humana; Teria Mtivacinal de Abraham Maslw e da Teria de Frederick Herzberg para a mtivaçã. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 17

18 Módul 4: Frmaçã e Desenvlviment Prfissinal Duraçã: 13 hras/ 1 semana Objetivs d módul: N final d módul s frmands deverã ter adquirid s cnheciments, prcediments e atitudes que seguidamente se enunciam: Cmpreender as finalidades da frmaçã e desenvlviment prfissinal Cmpreender a imprtância estratégica da frmaçã e desenvlviment prfissinal Saber elabrar um diagnóstic e definir as necessidades de frmaçã e desenvlviment prfissinal Saber estabelecer s públics-alv Cnhecer s métds planeament de prgramas de frmaçã Cnhecer s métds e técnicas de frmaçã Saber fazer a avaliaçã da qualidade e eficácia da frmaçã Cnteúds prgramátics: Finalidades da frmaçã e desenvlviment prfissinal Imprtância estratégica da frmaçã e desenvlviment prfissinal Diagnstic e necessidades de frmaçã e desenvlviment prfissinal Os públics-alv Métds planeament de prgramas de frmaçã Elabraçã d plan de frmaçã Definiçã de bjets e cnteúds pedagógics Recurss e cndições de execuçã da frmaçã Métds e técnicas de frmaçã Frmas de mtivaçã Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 18

19 Técnicas pedagógicas Gestã ds temps e ds meis necessáris A avaliaçã da qualidade e eficácia da frmaçã Módul 5: Avaliaçã de Desempenh e Gestã de Cmpetências Duraçã: 26 hras/2 semanas Objetivs d módul: N final d módul alun deverá ter adquirid s cnheciments, prcediments e atitudes que seguidamente se enunciam: Saber avaliar desempenh e fazer a gestã de cmpetências Saber analisar e cmpreender a cnduta humana nas rganizações Cnhecer e saber aplicar s cnceits fundamentais relativs à Cmunicaçã Cnhecer e saber aplicar s cnceits fundamentais relativs a equipas e liderança Ser capaz de praticar autcnheciment em funçã d desenvlviment pessal. Cnteúds prgramátics: Avaliaçã de desempenh e gestã de cmpetências Finalidades da avaliaçã de desempenh As partes na avaliaçã de desempenh As fntes e fases da avaliaçã de desempenh Critéris de avaliaçã O sucess e s critéris da avaliaçã de desempenh A aplicaçã prática da avaliaçã de desempenh Cnduta humana nas rganizações Pessas e rganizações; mudança rganizacinal; cultura rganizacinal Cmunicaçã Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 19

20 Cmunicaçã interpessal, grupal e rganizacinal Prcess de tmada de decisões Cmunicaçã eficaz e atitudes da cmunicaçã Assertividade Gestã de cnflits Equipas e liderança Grup/ equipa A cnstruçã de uma equipa Funções na equipa Equipas de alt desempenh Cnceit e mdels de liderança O líder eficaz Gestã de tensã Inteligência emcinal As cmpetências da inteligência emcinal Autcnheciment e desenvlviment pessal Módul 6: Gestã de Carreiras Duraçã: 13 hras/1 semana Objectivs d módul: N final d módul alun deverá ter adquirid s cnheciments, prcediments e atitudes que seguidamente se enunciam: Cmpreender cnceit e a perspetiva de carreira prfissinal Cnhecer s fatres que determinam sistema de gestã de carreiras Cnhecer s bjetivs e as estratégias da gestã de carreiras Cmpreender a funçã d gestr de carreiras Saber elabrar um sistema de carreiras Saber avaliaçã a capacidade prfissinal e intelectual Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 20

21 Cnhecer s métds e as técnicas de gestã de carreiras Saber fazer a gestã de remunerações e a análise de indicadres cm instruments estratégics de gestã Saber prceder à descriçã, análise e avaliaçã de funções Cnteúds prgramátics: A carreira prfissinal Fatres que determinam sistema de gestã de carreiras Objetivs e estratégias da gestã de carreiras A funçã d gestr de carreiras Elabraçã de sistemas de carreiras Avaliaçã da capacidade prfissinal e intelectual Métds e técnicas de gestã de carreiras A gestã de remunerações e a análise de indicadres cm instruments estratégics de gestã Descriçã, análise e avaliaçã de funções Principais cnceits A descriçã, análise e avaliaçã de funções cm ferramentas de gestã A descriçã de funções A análise de funções Métds de análise, qualificaçã e descriçã de funções Implementar um sistema de gestã de carreiras Avaliaçã Final A avaliaçã final d curs cnsiste na realizaçã individual de uma e-atividade escrita, que pde assumir qualquer tip (teste nline, prjet, síntese u análise de dcuments, trabalh prátic, etc.) e incide sbre tdas as matérias as abrdadas n curs. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 21

22 PÚBLICO-ALVO DO CURSO Ptencialmente curs tem um vast públic-alv que inclui, designadamente: Gestres de recurss humans; Chefias cm respnsabilidade na liderança e gestã de pessas; Candidats a gestres de equipas u de recurss humans; Prfissinais de recurss humans; Psicólgs, sciólgs, estudantes destas áreas e utrs interessads de áreas relacinadas cm a gestã de recurss humans u que pretendam vir a investir neste camp prfissinal. Tds s interessads que cumpram s pré-requisits indicads. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 22

23 PRÉ-REQUISITOS DOS FORMANDOS É tida cm fatr fundamental para sucess neste curs a mtivaçã ds participantes, a sua dispnibilidade ttal para interagirem cm s frmadres e cm s clegas na clcaçã de questões u dúvidas sbre a matéria e, ainda, dispnibilidade de temp para estudarem s cnteúds em situações nline e ffline, elabrarem tdas as atividades sugeridas, tdas as avaliações prpstas e a avaliaçã final. Cumulativamente, s frmands devem pssuir: Habilitações académicas mínimas a nível d 12º an u experiência prfissinal cnsiderada relevante; Cnheciments e prática de infrmática cm utilizadres, em ambiente Windws; Alguma prática de utilizaçã de brwsers de navegaçã na WWW, muit em especial d Internet Explrer (IE) da Micrsft; Uma cnta de crrei eletrónic ativa e alguma prática na sua utilizaçã; Dispnibilidade de temp mínima de13 hras pr semana para: participaçã ns fóruns de discussã e ns chats; realizaçã d autestud ds cnteúds dispnibilizads nline; elabraçã das e-atividades frmativas e sumativas; elabraçã da avaliaçã final. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 23

24 DURAÇÃO E ESTRUTURA DO CURSO A duraçã ttal d curs é de 117 hras (carga de trabalh ds frmands) send curs estruturad em 6 móduls, crrespndend cada módul a um tema de frmaçã. A lecinaçã ds móduls é sequencial. O curs inicia-se cm um módul de ambientaçã a cntext d e-learning, de scializaçã nline e de trein cm a platafrma infrmática (Mdle.UAb) que suprta curs. Módul 0 13 hras Módul 1 26 hras Módul 2 13 hras Módul 3 13 hras Módul 4 13 hras Módul 5 26 hras Módul 6 13 hras Avaliaçã cntínua E-atividade Avaliaçã final 117 hras 9 semanas 4,5 ECTS da UAb Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 24

25 CALENDARIZAÇÃO DO CURSO Móduls Módul 0 Ambientaçã a cntext d e-learning Módul 1: Técnicas de recrutament e seleçã e mercad de trabalh Datas Ver em e Aprendizagem a Lng da Vida Imediatamente após módul anterir Módul 2: Direit d trabalh e da segurança scial Idem Módul 3: Segurança e higiene d trabalh e mtivaçã humana Idem Módul 4: Frmaçã e desenvlviment prfissinal Idem Módul 5: : Avaliaçã de desempenh e gestã de cmpetências Idem Módul 6: : Gestã de carreiras Idem Avaliaçã final Idem Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 25

26 ATIVIDADES DOS FORMANDOS MÓDULOS Módul 0 u Módul de Integraçã Familiarizaçã cm a platafrma Mdle e scializaçã n ambiente nline Restantes Móduls DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES Aceder à Platafrma Mdle-UAb e a curs Editar seu perfil e clcar uma ftgrafia na platafrma Efetuar a apresentaçã individual n espaç Mdle d curs Cnsultar Guia d Curs Cnsultar Guia d Frmand Online Cnsultar tutrial sbre a Platafrma Mdle Executar as pesquisas de infrmaçã pedidas e clcar s resultads n Fórum de Discussã Treinar cm as diversas ferramentas da platafrma e de acrd cm instruções d frmadr Participar ns fra de discussã aberts e n chat A lng ds diverss móduls s e-frmands sã chamads a desenvlver uma série de atividades frmativas que se pdem sintetizar em: Leitura e estud das matérias d Módul clcadas nline e de utrs dcuments dispnibilizads pels e-frmadres Interaçã cm s frmadres e cm s utrs e-frmands ns fra de discussã criads. Esta interaçã (quantidade de mensagens, sua relevância e sua prtunidade) é cnsiderada um instrument de avaliaçã cntínua Fazer a e-atividade crrespndente a módul. Esta e-atividade é um instrument de avaliaçã cntínua Avaliaçã Final (e-atividade final) Estud ds cnteúds Execuçã da e-actividade nline n períd de temp estabelecid u Revisã ds cnteúds Reclha de infrmaçã adicinal Estruturaçã e redaçã d trabalh Aljament d trabalh, n lcal própri criad n espaç d curs na platafrma Mdle, dentr da data-hra limite impsta. Esta e-atividade é bjet de avaliaçã final Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 26

27 METODOLOGIA E SISTEMA DE TUTORIA O curs segue um mdel n qual a instituiçã frmadra define s bjetivs, cnteúds, percurss de aprendizagem e meis e métds de avaliaçã. Este mdel pressupõe a existência de canais de cmunicaçã fáceis e dispníveis em permanência, entre a instituiçã e s frmands e entre estes e s frmadres, canais esses integrads na platafrma Mdle a utilizar. A metdlgia seguida neste curs é a estabelecida n Mdel Pedagógic Virtual da UAb para ações de aprendizagem a lng da vida a desenvlver em regime de e- learning e adta mdel de ensin/aprendizagem de 5 níveis de que ns fala Gilly Salmn (2000). A frma de trabalh utilizada neste curs cmpreende (1) a leitura e reflexã individuais ds cnteúds dispnibilizads u de utrs sbre s mesms temas btids pels frmands, (2) a partilha da reflexã e d estud cm s clegas, assim cm também (3) esclareciment de dúvidas ns fóruns mderads pel frmadr e a (4) realizaçã das e-atividades prpstas. A leitura e a reflexã individuais devem acntecer a lng de td prcess de aprendizagem e sem elas frmand fica muit limitad na sua participaçã ns fóruns prevists, assim cm também dificilmente pderá realizar cm sucess as atividades prgramadas. A aprendizagem está estruturada pr Tópics que crrespndem a móduls d curs. Em cada Tópic será criad um fórum mderad pel frmadr e que permanecerá abert a lng de td curs, para esclareciment das dúvidas e das dificuldades sentidas e apresentadas pels frmands, prprcinand assim uma pssibilidade de interaçã permanente ds frmands entre si e cm frmadr. N módul 0 e de acrd cm mdel de ensin/aprendizagem de Salmn cumprem-se s níveis 1 e 2, respetivamente acess e mtivaçã e a scializaçã nline ; dependend d grup cncret de frmands iniciar-se-á u nã nível 3 de prcessament de cnteúds nde a tutria se cnsubstancia n api na utilizaçã de materiais pedagógics e nas tarefas, nesta fase apenas em relaçã a md cm fazer pesquisa rientada em WWW. Ns móduls seguintes cumprem-se tds s Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 27

28 restantes níveis d mdel de Gilly Salmn, prcessament de cnteúds centrad na interaçã cm s materiais de aprendizagem e cm s restantes participantes d curs (clegas e frmadres), cnstruçã d cnheciment nde é natural que papel d frmadr se dilua e explraçã, nível nde suprte técnic dispnibiliza nvas fntes de infrmaçã e a tutria dá api e respsta a questões. Em certs mments d curs s frmadres enviam as frmands as e-atividades que devem realizar n praz previst e enviar a frmadr para avaliaçã. Dada a natureza d tip de trabalh a realizar pels participantes, acmpanhament ds mesms exige grande dispnibilidade pr parte ds frmadres, pel que cada turma virtual nã deve ter mais de 25 a 30 e-frmands. Nesta açã de frmaçã s frmands terã, sequencialmente, acess as cnteúds ds diverss móduls, para seu estud e para a execuçã das atividades slicitadas, em situações n e ffline. O acess ffline pssibilita a leitura/estud ds cnteúds ds móduls pr parte ds frmands sem necessidade de ligaçã à Internet. A tutria a prestar pels frmadres será ativa e permanente e far-se-á preferencialmente através ds fra de discussã aberts ns diverss tópics (crrespndentes as móduls da estrutura d curs) na platafrma Mdle. Pdem realizar-se sessões síncrnas de discussã nline (chats), em datas, hráris e lcais (Tópics da Mdle) a cmunicar antecipadamente pels frmadres. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 28

29 RECURSOS PARA A APRENDIZAGEM Os materiais pedagógics a frnecer as frmands para utilizaçã n curs sã: Texts base sbre s temas a tratar, clcads nline n curs criad na platafrma Mdle; Tutrial sbre a frma de utilizar a platafrma Mdle na situaçã de e-frmand; Tutrial Cm Fazer para, dcument rientadr ds prcediments para aceder a curs aljad na platafrma Mdle da UAb e seguir sem dificuldades; Guia d Curs; Guia d Frmand Online, dcument rientadr da frma de se cmprtar ds frmands em situações de aprendizagem nline Recurss técnics Platafrma infrmática Mdle, em apiada pr 4 servidres e utilizand uma ligaçã cm 200 MB de largura de banda. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 29

30 AVALIAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO A avaliaçã em frmaçã/aprendizagem nline tem uma imprtância acrescida em relaçã à avaliaçã em regime presencial em virtude da natureza particular d cntext de ensin-aprendizagem. Os instruments de avaliaçã devem, pr iss mesm, ser variads pr frma a anular u reduzir a um mínim aceitável, a pssibilidade de fraude intelectual quant à autria ds trabalhs. Daí que tds s aspets da avaliaçã devam ser muit clars e explícits e a avaliaçã deve ser definida e planeada a par cm percurs frmativ que se deseja e estar intimamente relacinada cm s bjetivs a atingir. Deste md a avaliaçã d curs integra: Uma cmpnente de avaliaçã cntínua (que vale 60%), realizada a lng d curs e baseada na pertinência, relevância e prtunidade da participaçã de cada frmand ns fóruns de discussã 2 (20%) e na realizaçã das e-atividades prpstas (40%). As e-atividades de avaliaçã cntínua pdem revestir a frma de testes nline, de trabalhs individuais u clabrativs, de sínteses u qualquer utra que s frmadres julguem aprpriada. A classificaçã da cmpnente de avaliaçã cntínua (CAC) é dada pela média aritmética das avaliações em cada módul Uma cmpnente de avaliaçã final (que vale 40%) baseada na elabraçã de uma e-atividade final 3, que pde revestir a frma de um teste, de um prjet, de um trabalh u qualquer utra e incide sbre tdas as matérias d curs. A classificaçã final n curs é CFC= 0,6xCAC+0,4xCAF Cnsideram-se cm aprveitament n curs s frmands que btiverem a classificaçã mínima de 10 numa escala de 20 valres. Para efeits de aprveitament as ntas finais cm décimas de 0,5 a 0,9 sã arredndadas para valr inteir superir e de 0,1 a 0,4 para valr inteir inferir. A tds s frmands cm aprveitament é entregue um Certificad de Frmaçã. 2 Na análise das mensagens enviadas será cnsiderada a quantidade e a qualidade das mensagens, esta avaliada de acrd cm as categrias a que se refere Philips (2000) 3 Uma e-atividade traduz-se num e-fóli, pequen dcument digital, elabrad pel frmand, clcad nline de md a ser visualizad pel frmadr-tutr e pel cnjunt ds frmands, e cnstitui uma amstra esclarecedra de que autr desenvlveu (u adquiriu) uma dada cmpetência (in Mdel Pedagógic Virtual da Universidade Aberta) Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 30

31 COMPROMISSOS ASSUMIDOS PELO E-FORMADORES Os frmadres d curs assumem previamente cmprmiss de: Estar à dispsiçã ds frmands para um acmpanhament e api ativs durante td curs; Aceder à platafrma infrmática que suprta curs n mínim 2 vezes pr dia (manhã e tarde/nite) para respnder às mensagens que lhes sã enviadas pels frmands u, pr iniciativa própria, para clcar questões e/u dar infrmações as mesms frmands; Exercer uma tutria assíncrna (e eventualmente síncrna) pró-ativa e permanente, através ds fra de discussã e d crrei eletrónic, se e quand necessári; Dar respsta às questões u dúvidas apresentadas pels frmands em 24 hras. Utilizar uma linguagem aprpriada e nã fensiva ds participantes. A ASSUMIR PELOS E-FORMANDOS Para que curs atinja s níveis de eficácia e de eficiência pretendids, trna-se necessári que s frmands, vluntariamente interirizem e assumam s seguintes cmprmisss: Cnseguir uma dispnibilidade para curs (n e ffline) de cerca de 10 hras pr semana; Aceder à platafrma nde decrre curs n mínim 4 vezes pr semana e participar em tds s chats e fóruns de discussã enviand, n mínim, 3 mensagens de ter relevante pr módul. O cntrl d acess ds frmands a curs nline é mnitrizad pela emissã autmática pela platafrma Mdle de relatóris, pedids pels Crdenadres d curs. Executar as e-atividades prgramadas a lng ds móduls e utras que frmadr venha a indicar; Clabrar ativamente em tdas as atividades de grup u individuais que lhes frem prpstas. Utilizar uma linguagem aprpriada e nã fensiva ds restantes participantes. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 31

32 COORDENADOR E FORMADORES O curs tem cm crdenadres Cândid Dias Gaspar, pr parte da UAb e Antóni da Silveira Malheir, pr parte da AESIRF. Os frmadres d curs têm rigens, frmações e experiências académicas e prfissinais diversas e sã s que a seguir se indicam. FORMADORES MÓDULOS Cândid Gaspar Luís Jesus Nun Ennes Ambientaçã a Cntext d E-learning Técnicas de recrutament e seleçã Direit d trabalh e da segurança scial Segurança e higiene d trabalh e mtivaçã humana Frmaçã e desenvlviment prfissinal Avaliaçã de desempenh e gestã de cmpetências Gestã de carreiras SÍNTESES DOS CURRICULA VITAE DOS FORMADORES Cândid Dias Gaspar licenciu-se em Engenharia Eletrtécnica (ram telecmunicações e eletrónica) e em Ciências Militares para a Arma de Transmissões (Institut Superir Técnic / Academia Militar-1970) e cncluiu a pós-graduaçã em Cmand e Direçã n Institut de Alts Estuds Militares em Realizu diverss curss relacinads cm telecmunicações e eletrónica, cm a segurança, higiene e saúde n trabalh, de frmaçã pedagógica nline, de frmaçã em e-learning, de gestã glbal e de auditria da frmaçã prfissinal. É autr de manuais de frmaçã nas áreas da Segurança, Higiene e Saúde n Trabalh, das Telecmunicações, das Máquinas Elétricas, da Iluminaçã, da Climatizaçã, de Televisã e da Manutençã Elétric-Eletrónica. Fi engenheir de prjets em firma de telecmunicações e em nme individual, na área das telecmunicações e da distribuiçã de energia elétrica. Fi u é prfessr na Universidade de Luanda (Departaments de Eng.ª Eletrtécnica e de Eng.ª Mecânica), Institut Tecnlógic de Luanda, Academia Militar, Universidade Aberta e Faculdade de Medicina Dentária de Lisba. É frmadr, em regimes Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 32

33 presencial e a distância (e-learning), em diversas rganizações públicas e privadas. Pssui curs de Dcentes em E-learning (UAb), de Frmaçã de Frmadres Online (UAb) e de Utilizadr da Platafrma Mdle cm Prfessr (Universidade Nva de Lisba). Pssui Certificad de Aptidã Pedagógica (CAP) de frmadr EDF n.º 5612/98, válid até Luís Manuel Tavares de Jesus é licenciad em Direit pela Universidade Autónma de Lisba e pssui diverss curss de frmaçã designadamente s de Frmaçã Pedagógica de Frmadres, de Técnic Superir de Segurança e Higiene d trabalh, de Legislaçã Labral, de Frmaçã de Frmadres de Assistentes de Recints Desprtivs e de Frmaçã de Frmadres em Igualdade de Oprtunidades. Pssui experiência prfissinal cm gestr de lgística e de ativs humans e cm frmadr de temas relacinads cm a segurança privada e cm segurança e higiene d trabalh. É titular de CAP de frmadr válid até Pssui CAP de Técnic Superir de Segurança e Higiene d Trabalh válid até Pssui igualmente CAP de frmadr de Assistentes de Recint Desprtiv (autrizaçã legislativa da Prtaria n.º 1522-B/2002 de 20Dez.) Nun Sanches de Baena Ennes, n. em 1972, em Lurenç Marques (Mçambique) e licenciu-se em Direit pela Faculdade de Direit da Universidade de Lisba. É advgad e cnsultr jurídic de empresas. Exerceu as funções de Diretr de Operações d Grup 8 Segurança e Vigilância Eletrónica, Lda., empresa em que também exerceu funções na área ds Recurss Humans desde 2005 e da qual é atualmente cnsultr. Titular d CAP n.º EDF /2009 DL, válid de até , tem curs de Frmaçã em Plíticas de Segurança (Universidade de Lisba) e curs de Especializaçã em Cntrats Públics de Aquisiçã de Bens e Serviçs. É autr de váris artigs publicads sbre segurança privada. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 33

34 ACOMPANHAMENTO DO CURSO Para efeits de acmpanhament permanente e de crdenaçã d curs Crdenadr estã inscrit cm n espaç de aprendizagem criad na platafrma Mdle da UAb. Desta frma fica garantid que tud que se passe nline será d seu cnheciment imediat e sem necessidades de ser bjet de qualquer relatóri, permitind uma intervençã mais atempada sempre que as situações a justifiquem. A platafrma Mdle a utilizar cm suprte deste curs permite de uma frma autmática: Cntrlar e registar as entradas, saídas e percurss ds e-frmands n espaç nde decrre curs, indicand as respetivas hras e dias; Editar estatísticas da participaçã diária, de participaçã pr períds de temp e de participaçã ttal de cada frmand; Editar resultads da participaçã de cada participante ns fóruns de discussã; Registar a data/hra de entrega de trabalhs; Cntabilizar as mensagens enviadas para s diverss fóruns pr cada participante; Etc. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 34

35 ANEXOS Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 35

36 ANEXO 1: E-ATIVIDADES A lng d deste guia de curs pr diversas vezes se faz referência a e-atividades pel que se justifica esclarecer seu significad. Designam-se e-atividades as atividades a realizar pels frmands de curss desenvlvids em regime de e-learning. Este term prvém da analgia cm term inglês de e-tivities enunciad pr Gilly Salmn. Segund Salmn, as e-atividades devem incluir um cnjunt de sete características: 1. Pssuir um títul apelativ e mtivadr. Salmn defende que s títuls que s frmadres nline dã às e-atividades sã muit imprtantes; s títuls devem dar infrmaçã, mbilizar s frmands e distinguir entre si as várias atividades. 2. Ter um element (faísca) que esplete a atividade e mtive envlviment ds participantes. Esta faísca pde ser um estímul, um desafi, uma infrmaçã. 3. Ter um cnjunt de bjetivs (e de cmpetências) que s participantes pdem esperar adquirir u desenvlver cm a atividade. Os bjetivs e cmpetências sã desenvlvids de md diferente pel tip de atividade que fi cncebida. O desenh e cncepçã da e-atividade pel frmadr deve cnsiderar esse aspet. 4. Instruções que descrevem cm frmand deve participar: pr exempl, explicitar que se espera que estudante participe cm, pel mens, uma cntribuiçã para a discussã e respnda, pel mens, a uma cntribuiçã feita pr um clega. 5. A lista de leituras bibligráficas u de utrs recurss relevantes para a sua resluçã. 6. Instruções sbre que s participantes devem fazer. De acrd cm a autra, é difícil criar instruções claras e cncisas, e esta cmpetência desenvlve-se apenas cm a prática e cm feedback de utrs. Nrmalmente, as instruções criadas sã ambíguas e incmpletas, pdend gerar grandes dificuldades as frmands (pis nã incluem tdas as ações necessárias para a sua realizaçã). De acrd cm Mdel Pedagógic Virtual da UAb as e-atividades pdem adquirir variadas frmas designadamente: testes de tips diverss (esclha múltipla, respsta verdadeira/falsa, de crrespndência, etc.), pesquisas rientadas, prjets, sínteses, relatóris, etc. Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 36

37 ANEXO 2: EXEMPLO DE UMA E-ATIVIDADE E-ATIVIDADDE DO CURSO.. Trabalh rganizad é mei caminh andad Em qualquer atividade s fatres que influenciam psitiva u negativamente as cndições de trabalh pdem ser materiais, ambientais, psicssciais u assciads à rganizaçã d trabalh. Os fatres referentes à rganizaçã d própri trabalh Esta atividade integra percurs frmativ d curs.e será apresentada as frmands n final da xª semana, devend ser devlvida a prfessr até às 23h55 da 2ª-feira da yª semana, que significa que alun terá x dias úteis para a sua realizaçã. Objetivs e cmpetências a adquirir Cnslidar cnheciments sbre rganizaçã e gestã d trabalh; Aplicar s cnheciments adquirids na análise de situações cncretas de trabalh; Identificar s fatres de risc para a trabalhadra da situaçã de trabalh apresentada; Prpr medidas preventivas para minimizar/eliminar s fatres de risc identificads. Participantes Esta atividade deve ser realizada individualmente pr tds s frmands d curs Durante esta atividade cada frmand deve: Fazer uma nva leitura ds cnteúds.. Elabrar a sua respsta, que passa a cnstituir seu e-fóli; Enviar e-fóli a frmadr até à data-limite estabelecida n Calendári; Estrutura da atividade Esta atividade é realizada em apenas uma fase e deve dar rigem apenas a 1 ficheir. Calendári da atividade Sábad (xx/yy) Dming (../..) Apresentaçã da e-atividade (e- Fóli ) n Tópic x n Mdle 2ª-Feira (../..) Revisã ds cnteúds Análise da situaçã labral 3ª-Feira (../..) Revisã ds cnteúds Análise da situaçã labral 4ª-Feira (../..) Revisã ds cnteúds Análise da situaçã labral 5ª-Feira (../..) Revisã ds cnteúds Redaçã da atividade 6ª-Feira (../..) Redaçã da atividade Sádad (../..) Dming (../..) 2ª-feira (../..) Redaçã da atividade Envi a frmadr Instruções e sugestões as frmands Até a dia./.vai realizar esta e-atividade na qual deve demnstrar que adquiriu cnheciments e cmpetências que lhe permitiram analisar a situaçã prpsta e indicar medidas que pssibilitem prevenir s fatres de risc que identificu. Na sua análise s frmands, à medida que leem cas prátic, devem ir antand aquil que lhes parece Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 37

38 ser um ptencial fatr de risc e ir esbçand as medidas preventivas que julga mais adequadas. Pr exempl, lg n iníci d text da situaçã labral diz-se que Filmena trabalha à tarefa. Será este fact um fatr de risc u nã? Cm pderá ser cmbatid? O relatóri crrespndente à situaçã de trabalh analisada deve: ter n máxim 2 flhas A4, cm margens de 2 cm, escritas a Arial 10 u equivalente e um espaçament de 1,5 linhas. Ser enviad a prfessr em frmats dc. u pdf. Ns seus relatóris s frmands devem demnstrar que adquiriram as seguintes cmpetências: Capacidade para identificar s fatres de risc riscs que pdem afetar a rganizaçã d trabalh e trabalhadr; Capacidade para indicar medidas preventivas cncretas para anular u minimizar s riscs detetads e atribuir-lhes priridades, se fr cas. Os relatóris devem ainda ser redigids em linguagem simples e terem uma estrutura que facilite a sua cnsulta. Devem ser identificads tds s riscs, sejam físics, químics, bilógics, psicssciais u cm implicações ergnómicas. Recurss para a atividade Cnteúds sbre.... Guia Orientadr da Avaliaçã de Riscs ns Lcais de Trabalh Recurss eventualmente btids pel estudante Ações e temp d frmadr Trnar visível na Mdle esta e-atividade, n Tópic E-Atividade Avaliar e classificar (até x valres) s relatóris individuais ds estudantes (e-fóli) durante a semana seguintes a final da atividade. A carga ttal de trabalh d prfessr é de 3 hras para a cnceçã da atividade, acrescida de 20 minuts vezes nº de relatóris recebids para leitura/crreçã/avaliaçã e inserçã da classificaçã na platafrma. Ações e temp d frmand Espera-se que cada frmand: releia s cnteúds. e. elabre um pequen relatóri individual de 2 páginas, sbre a avaliaçã de riscs que efetuu; clque seu relatóri ( seu e-fóli) n curs, na platafrma. Esta atividade exige a cada estudante uma carga de trabalh estimada de 2 a 3 hras. Avaliaçã da atividade Esta é uma atividade de avaliaçã sumativa que vale um máxim de x valres. Na avaliaçã d relatóri cnsidera-se: a crreçã na identificaçã ds fatres de risc (até x valres) a crreçã da medidas de prevençã apresentadas (até x valres) Situaçã de trabalh para análise Filmena é uma jvem trabalhadra de uma micrempresa que repara circuits de micreletrónica, nde qualidade da iluminaçã d pst de trabalh é fundamental para seu bm desempenh.,... Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 38

39 ANEXO 3: A PLATAFORMA MOODLE DA UAb Martin Dugiamas, graduad em infrmática e mais tarde também em educaçã, após váris ans ligad à gestã infrmática d CMS cmercial WebCT, na Universidade de Perth (Austrália), iniciu desenvlviment de sftware mais prátic e eficaz para utilizaçã em ambiente educativ e clabrativ nline. Em 1999, lançu a primeira versã d Mdle (mdular bjectriented dynamic learning envirnment) cuja base pedagógica é a abrdagem scial-cnstruccinista da educaçã. Outras premissas d desenvlviment deste sftware sã desenh mdular, permitind a evluçã rápida das funcinalidades, e ainda uma filsfia pen surce na distribuiçã e desenvlviment. O cnceit fundamental cnsiste numa página, nde prfessres dispnibilizam recurss e desenvlvem atividades cm e para s aluns. Uma eventual metáfra para a página Mdle pderia ser a sala de aula ubíqua. A cada utilizadr registad está assciad um perfil e uma ftgrafia pdend cmunicar cm qualquer utr, refrçand a cmpnente scial desta platafrma. Atualmente, na versã 9, cm milhares de utilizadres e develpers, e traduzid para mais de 73 línguas, Mdle tem-se revelad um imprtante Learning Managemt System devid à flexibilidade, valr educativ e facilidade de utilizaçã graças à interface simples e amigável, mesm para s utilizadres mens experientes. O Mdle cm sistema de gestã de ensin e aprendizagem apresenta funcinalidades cm frte cmpnente de participaçã, cmunicaçã e clabraçã entre frmands, frmadres e pares. Enquant sftware educativ, a cmpnente de avaliaçã (assessment and inquiry) nã pderia ser esquecida. Sã ferecidas ferramentas de avaliaçã específicas de diversas atividades, cm a pssibilidade de classificar (pels frmadres u pares), através de escala elabrada para efeit, discussões de fórum, trabalhs enviads u realizads nline, lições cm questões, entradas de glssári, etc. As principais funcinalidades d LMS Mdle sã: Fórum é uma ferramenta de discussã pr natureza, mas pde ter utr tip de us, cm pr exempl uma mailing list, um blgue, um wiki u mesm um espaç de Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 39

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos Guia Prátic d Estági Seu Estági em 5 Passs O que é Estági? A atividade de estági é um fatr significativ na frmaçã d prfissinal, pr prprcinar a interaçã d alun cm a realidade da prfissã e a cmplementaçã

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso CURSO DE INICIAÇÃO Duraçã: 16 hras - 2 Dias Frmadr: Belinda Lureir u Sandra Gril u Daniel Seelw Prgrama d Curs - Filsfia e Cultura RE/MAX - Métds e Técnicas de Angariaçã - Métds e Técnicas de Psicinament

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores www. escla-apel.cm Frmaçã Pedagógica Inicial de Frmadres DESIGNAÇÃO DO CURSO Frmaçã Pedagógica Inicial de Frmadres OBJECTIVOS GERAIS DO CURSO Cnsciencializar-se das cmpetências e d perfil de um frmadr;

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE Prject Rede de Unidades de Prmçä da Invaçä para desenvlviment da terceira missä das Universidades e a cperaçä institucinal através da Invaçän Aberta, prgrama

Leia mais

E.B. 2,3 VISCONDE DE CHANCELEIROS

E.B. 2,3 VISCONDE DE CHANCELEIROS DISCIPLINA: Educaçã Musical ANO LETIVO: 2015/2016 Critéris de Avaliaçã Avaliar nã é apenas examinar e classificar. A avaliaçã cnstitui um prcess reguladr das aprendizagens, rientadr d percurs esclar e

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos Labratóri Iber American de Invaçã Cidadã Cnvcatória de Prjets Cnvcatória aberta para prjets de invaçã cidadã A iniciativa da Secretaria Geral Iber Americana (SEGIB) Cidadania 2.0, a Agencia Espanhla de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

COLÉGIO MILITAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

COLÉGIO MILITAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COLÉGIO MILITAR INGLÊS 1º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015 2016 Grup Disciplinar de Inglês/Alemã 08.09.2015 Preâmbul 1. Pretende-se que a avaliaçã em Língua Estrangeira valrize td percurs esclar d alun,

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 Este frmulári deve ser preenchid pr tds s aluns matriculads n Mestrad em Atençã à Saúde n an de 2013. Os dads servirã para atualizar, n Cleta Capes, as atividades

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde Cnsulta a Temp e Hras CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativ Centr de Saúde 2013 ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.. Tds s direits reservads. A ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Enquadrament 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3. Frmaçā

Leia mais

Colégio Integrado EXATO

Colégio Integrado EXATO Clégi Integrad EXATO Rua: Ri de Janeir, 47 Jardim Bela Vista Mgi Guaçu SP CEP 13840-210 Telefne (19) Prpsta Plític-pedagógica d Clégi Integrad EXATO S/S Ltda. O Clégi Integrad EXATO cntextualiza sua açã

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Salvador, Bahia Sexta-feira 19 de Julho de 2013 Ano XCVII N o 21.187 EDITAL Nº 073/2013

Salvador, Bahia Sexta-feira 19 de Julho de 2013 Ano XCVII N o 21.187 EDITAL Nº 073/2013 Salvadr, Bahia Sexta-feira 19 de Julh de 2013 An XCVII N 21.187 EDITAL Nº 073/2013 FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA SELEÇÃO DE DIVULGADORES DO PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2014 DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Mestrado em Sistemas de Informação

Mestrado em Sistemas de Informação U n i v e r s i d a d e d M i n h Departament de Sistemas de Infrmaçã Mestrad em Sistemas de Infrmaçã 2003/2005 Tecnlgias de Streaming em Cntexts de Aprendizagem Sb a rientaçã d Prfessr Dutr Henrique Sants

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2008/2009, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º an Subdmíni Cmunicaçã e clabraçã CC8 Cnheciment e utilizaçã adequada e segura de diferentes tips de ferramentas de cmunicaçã,

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

Manual de Qualidade da Atividade Formativa

Manual de Qualidade da Atividade Formativa Manual de Qualidade da Atividade Frmativa Direçã Pedagógica e Frmaçã Març/2014 Versã - 1 Març 2014 Página 1 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO DO DOCUMENTO E CARATERIZAÇÃO DA ENTIDADE... 3 1.1. ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Avis Públic Nº 08/Unesc/2012 O Magnífic Reitr da Universidade d Oeste de Santa Catarina - Unesc, pessa jurídica de direit privad, mantida

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

CONSULTORIA DE GESTÃO, LDA

CONSULTORIA DE GESTÃO, LDA Eurpass-Curriculum Vitae Infrmaçã pessal Apelid(s) / Nme(s) própri(s) Mrada(s) Sérvl, Carla Sfia Marques Antóni Almeida Velh, nº18 1ºandar, 2205-654, Tramagal, Prtugal. Telefne(s) 241897010 Telemóvel:

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

Uma proposta de avaliação de curso na modalidade a distância

Uma proposta de avaliação de curso na modalidade a distância Uma prpsta de avaliaçã de curs na mdalidade a distância 1 P á g i n a 2 P á g i n a Maria Izabel Lage Martins Gmes Maria d Carm Vila Uma prpsta de avaliaçã de curs na mdalidade a distância 3 P á g i n

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

3. CONDIÇÕES E REQUISITOS QUE OS/AS ASPIRANTES DEVEM REUNIR.

3. CONDIÇÕES E REQUISITOS QUE OS/AS ASPIRANTES DEVEM REUNIR. BASES PARA A CONTRATAÇÃO DE DOIS TÉCNICOS GESTORES DE DESENVOLVIMENTO RURAL PARA O AGRUPAMENTO EUROPEU DE COOPERAÇÃO TERRITORIAL DUERO DOURO (AECT DUERO DOURO) 1. INTRODUÇÃO. Segund dispst nas dispsições

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 27/10/2014 a 21/11/2014 Carg: Auxiliar de Sala: Educaçã Infantil Taxa de Inscriçã: R$ 48,00 Salári/Remuneraçã: R$ 1.146,27 Nº Vagas: Cadastr de

Leia mais

Carla Cristina Martins Pica

Carla Cristina Martins Pica Carla Cristina Martins Pica Telemóvel: 91 712 29 69 Crrei electrónic: carla.pica@marinha.pt u carlapica@me.cm Habilitações Literárias e Académicas Mestre em Ciências Jurídic-Plíticas, pela Faculdade de

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO N 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 Aprva Regiment da Bibliteca Universitária - Sistema de Biblitecas da UFMG, e revga a Resluçã n 27/93, de 22/12/93, que aprvu Regiment da Bibliteca Universitária.

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 23/11/2014 a 18/12/2014 Carg: Técnic de Nível Superir: Administraçã Taxa de Inscriçã: R$ 60,00 Salári/Remuneraçã: R$ 4.232,00 Nº Vagas: 02 Data

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. Infrmaçã Exame de Equivalência à Frequência Educaçã Visual e Tecnlógica 2º cicl d Ensin Básic 2012 1. Intrduçã O presente dcument visa divulgar as características da prva final d 2.º cicl d ensin básic

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

DIREITO LABORAL e PRÁTICAS LABORAIS

DIREITO LABORAL e PRÁTICAS LABORAIS GUIA DO CURSO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DIREITO LABORAL e PRÁTICAS LABORAIS DIREITO LABORAL PRÁTICAS LABORAIS curso em regime de e-learning Curso de Formação em Direito e Práticas Laborais 2 [Falar em direito

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 23/11/2014 a 18/12/2014 Carg: Técnic de Nível Superir: Ciências Cntábeis Taxa de Inscriçã: R$ 60,00 Salári/Remuneraçã: R$ 4.232,00 Nº Vagas: 01

Leia mais

Antropologia do Consumo no Marketing

Antropologia do Consumo no Marketing Antrplgia d Cnsum n Marketing Objetivs Demnstrar cm as influências culturais estã relacinadas cm s hábits de cnsum, a relaçã cm as Marcas e cmprtament de cmpra, evidenciand assim, prcess fundamental para

Leia mais

EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA

EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA O presente dcument tem cm bjetiv dispnibilizar a divulgaçã ficial das cndições estabelecidas pel Sesc Santa Catarina para

Leia mais

1ª reunião do GD de TIC 03/03/2016 Cenpec. Registro da reunião INFORMES:

1ª reunião do GD de TIC 03/03/2016 Cenpec. Registro da reunião INFORMES: 1ª reuniã d GD de TIC 03/03/2016 Cenpec Registr da reuniã INFORMES: Bett Brasil Educar 2016 (mai) já tems a prgramaçã, é pssível que Cenpec ganhe alguns cnvites; será imprtante terms representantes d GD

Leia mais