3. CONDIÇÕES E REQUISITOS QUE OS/AS ASPIRANTES DEVEM REUNIR.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3. CONDIÇÕES E REQUISITOS QUE OS/AS ASPIRANTES DEVEM REUNIR."

Transcrição

1 BASES PARA A CONTRATAÇÃO DE DOIS TÉCNICOS GESTORES DE DESENVOLVIMENTO RURAL PARA O AGRUPAMENTO EUROPEU DE COOPERAÇÃO TERRITORIAL DUERO DOURO (AECT DUERO DOURO) 1. INTRODUÇÃO. Segund dispst nas dispsições de aplicaçã (Estatuts e Cnvéni) aprvadas n dia 14 de Març de 2009 na Assembleia Cnstitutiva d AECT Duer Dur e ratificadas pel Ministéri de Administracines Públicas de Espanha mediante a publicaçã da sua Resluçã n dia 21 de Abril de 2009 e pel Despach d Ministéri d Ambiente, d Ordenament d Territóri e d Desenvlviment Reginal publicad n Diári da República d dia 9 de Març, prcede a criaçã d Agrupament Eurpeu de Cperaçã Territrial Duer Dur, sb acrónim DUERO DOURO AECT. Dit Agrupament tem a sua sede scial n municípi de Trabanca (Salamanca) e tem pr bject fmentar e desenvlver de frma cnjunta a Cperaçã Territrial, cm fim de refrçar a cesã ecnómica e scial. Devid à necessidade de cumprir s seus bjectivs precisa através d Cnselh de Crdenaçã prceder a cntratar dis Técnics Gestres de Desenvlviment Rural para Duer Dur AECT. A seguir se descrevem as características d supramencinad pst de trabalh. 2. PUBLICAÇÃO DA CONVOCATÓRIA A presente cnvcatória e as suas bases serã publicadas mediante a sua divulgaçã n website e num ds jrnáis de mair difusã nacinal de Espanha e de Prtugal. 3. CONDIÇÕES E REQUISITOS QUE OS/AS ASPIRANTES DEVEM REUNIR. Para ser admitid/a a prcess de selecçã para cncrrer às vagas cnvcadas será necessári s/as aspirantes reunirem na data de finalizaçã 1

2 d praz para a apresentaçã de instâncias s seguintes requisits e cndições, que deverã manter durante prcess selectiv: Ser espanhl/a, prtuguês/a, u nacinal dum Estad membr da Uniã Eurpeia u pessa incluída n âmbit de aplicaçã ds Tratads Internacinais celebrads pela CE e ratificads pr Espanha n que fr de aplicaçã à livre mvilidade de trabalhadres u estrangeirs sem limites legais para aceder a mercad labral, cnfrme a legislaçã vigente. Ter feits s 18 ans de idade e nã superar s 65 ans n mment de praz de apresentaçã de instâncias finalizar. Estar na psse da titulaçã de licenciad universitári u ter satisfeit s direits para ser passad mesm, que lhe acredite para desenvlver pst de trabalh, cnfrme às características labrais deste pst de trabalh na data na que praz de apresentaçã de instâncias finalizar. As titulações btidas n estrangeir deverã ser justificadas mediante a dcumentaçã que acredite a sua hmlgaçã e a sua cnvalidaçã crrespndente. Estar na psse da carta de cnduzir vigente da classe B. Dispnibilidade de viatura durante a vigência d cntrat (para que deverá ser apresentada a declaraçã jurada). Cnheciment demstrável das línguas prtuguesa e espanhla. Nã padecer qualquer dença defeit físic que lhe pssa impedir desenvlviment das crrespndentes funções. Nã ter sid separad/a mediante prcess disciplinar algum d serviç a Estad, às Cmunidades Autónmas, Distrit u Regiã u às Entidades Lcais, nem estar inabilitad/a para exercíci das funções públicas através de sentença firme. Os/as candidats/as que nã pssuam a nacinalidade mencinada n primeir parágraf desta secçã deverã acreditar, além d requisit supracitad, nã estar submetids/as a sançã disciplinar u cndena penal que impeça n Estad cuja nacinalidade pssuam, acess à funçã pública. 4. TÉCNICO GESTOR DE DESARROLLO RURAL a) Funções: 2

3 Dmíni d âmbit, necessidades, realidades, bjectivs e ptencialidades rurais, especialmente d territóri pertencente AECT Duer Dur de md a prmver e refrçar a Cperaçã Territrial, transfrnteiriça e a cesã ecnómica e scial. Cnheciment e aplicaçã das Plíticas e da Nrmativa Eurpeias (Fund Eurpeu de Desenvlviment Reginal (FEDER), Fund Scial Eurpeu (FSE), Fund de Cesã, Plítica Agrária Cmum, Plítica de Desenvlviment Rural, Prgramas Operacinais Nacinais e Reginais, Quadrs de Referência Nacinais e Cmunitáris, Directrizes Estratégicas e sbre Agrupaments Eurpeus de Cperaçã Territrial). Prestar api a sistema de cntrl, gestã e avaliaçã territrial d AECT Duer Dur mediante entrevistas e reuniões técnicas cm tda classe de entidades, especialmente s membrs d AECT Duer Dur, bem cm analisar, redigir, desenhar, planificar, desenvlver e executar relatóris e prjects das necessidades territriais, aplicand as plíticas eurpeias, reginais e d própri AECT Duer Dur, crdenadamente cm s gestres d mesm. Cntribuir para a fundamentaçã, desenh e planificaçã das prpstas que frem apresentadas para as cnvcatórias crrespndentes. Realizar análises e estuds territriais prmenrizads e qualitativs de frma a cntribuir para seguiment da gestã e a análise física, administrativa e financeira das cnvcatórias de prjects que Agrupament Eurpeu de Cperaçã Territrial apresentar. Manter um cntact técnic fluente cm s Organisms e s membrs d AECT Duer Dur de md a cnseguir a crrecta execuçã ds prjects. 3

4 Garantir um bm nível de infrmaçã n que respeita à realizaçã ds prjects que frem apresentads pel Agrupament Eurpeu de Cperaçã Territrial Duer Dur. Crdenar, desenhar, planificar e realizar a execuçã ds prjects, prgramas u actividades que AECT u s seus membrs desenvlverem. Realizar estuds e análises territriais prmenrizads e qualitativs para cntribuir para cnsecuçã ds bjectivs d AECT Duer Dur. Clabrar na elabraçã da memória anual, bem cm prestar api para a realizaçã ds relatóris anuais e finais d AECT Duer Dur. Assessrar, infrmar e assistir s Cnselhs Sectriais naquelas questões que lhes frem requisitadas. Assistir às reuniões ds órgãs membrs d AECT nas que a sua presença fr requisitada. Quantas lhe frem encmendadas pels Órgãs crrespndentes d AECT, dentr das cmpetências desta, bem cm tdas aquelas que lhes frem de aplicaçã cnfrme cnvéni clectiv. Desenvlver as funções supramencinadas em equipa. b) Perfil prfissinal e pessal: Cnheciment exaustiv ds princípis, plíticas, directrizes e nrmativas cmunitárias, Plítica Eurpeia de Desenvlviment Reginal e prcediments administrativs e financeirs cmunitáris. Cnheciments prfunds nas matérias bjectiv da cesã ecnómica e scial d AECT Duer Dur: Igualdade de 4

5 prtunidades, Desenvlviment Ecnómic, Investigaçã, Invaçã e Desenvlviment, Desenvlviment Lcal, Nvas Tecnlgias, Educaçã, Frmaçã, Empreg, Ambiente, Desenvlviment Sustentável, Agricultura, Pecuária, Saúde, Serviçs Sciais, Acçã Scial, Turism, Cultura, Patrimóni, Desprts, Lazer e Temps Livres, Administraçã Lcal, Transprtes e Cmunicações. Cnheciments sbre a Cperaçã Transfrnteiriça: Ordenament d Territóri, Ambiente, Cmpetitividade e criaçã de empreg. Cnheciments sbre a Cperaçã Transfrnteiriça: Ordenament d Territóri, Ambiente, Cmpetitividade e criaçã de empreg. Frmaçã académica superir e experiência prfissinal cmpatível cm as funções mencinadas n apartad a). Experiência na elabraçã de diagnóstics territriais, sciecnómics, demgráfics cm fim de clabrar na redacçã ds prjects que AECT Duer Dur apresentar, bem cm na execuçã ds prjects de cperaçã, desenvlviment e plíticas públicas. Experiência na gestã, desenvlviment e crdenaçã ds prjects c-financiads pr FEDER; particularmente, n âmbit ds Prgramas e prjects de cperaçã. Dmíni da língua prtuguesa e da espanhla (bilingue). Serã valrads bns cnheciments de inglês, francês e utras línguas d âmbit cmunitári. Capacidade e habilidade para trabalh em equipa. Cnheciment alt e demnstrável da utilizaçã ds prgramas infrmátics: Excel, Wrd, Pwer Pint, Internet, etc. Capacidade e experiência de trabalh em equipas internacinais e 5

6 pluridisciplinares. Dispnibilidade imediata ds candidats para se incrprarem pst de trabalh ferecid. Residência habitual de preferência n âmbit de acçã d AECT Duer Dur. A experiência labral na gestã ds prjects d âmbit rural e cnheciment d mesm, bem cm das Administrações eurpeias, reginais e lcais, bem cm d Prgrama de Cperaçã Transfrnteiriça Espanha-Prtugal será valrizada. c) Outras infrmações relativas a pst de trabalh e às cndições labrais. - O lcal de trabalh situa-se na sede d Agrupament Eurpeu de Cperaçã Territrial lcalizada em Trabanca (Salamanca) e n âmbit de acçã d AECT Duer Dur (Trás-s-Mntes, Dur, Beira Interir Nrte e znas transfrnteiriças das prvíncias de Salamanca e de Zamra). - O pst em questã requererá uma cbertura peracinal ampla, cm dispnibilidade para viajar, quer n âmbit d AECT, quer a nível eurpeu quer internacinal, quand fr precis, send brigatóri entar na psse da carta de cnduçã e dispr de viatura dispnível. - O regime hrári será estabelecid cnfrme cnvéni clectiv, tend presente, em td cas, que a flexibilidade hrária terá de cncrdar cm s prjects ns que se esteja a trabalhar. - Os candidats seleccinads para pst de trabalh deverã ter a dispnibilidade de incrpraçã imediata. 5. PROCESSO DE SELECÇÃO 5.1 Envi de candidaturas (Via e crrei pstal) As pessas interessadas em se candidatar para este pst de trabalh deverã remeter a instância, seguind às instrucções que aparecem n website e pr crrei pstal a seguinte endereç de crrei electrónic: anexand s seguintes dcuments: 1. Ftcópia d Bilhete de Identidade. 2. Frmaçã académica (licenciatura brigatória) 3. Carta de cnduçã 4. Certidã cmpleta da Carreira Cntribuitiva e cntrats. 6

7 Também, é brigatóri remeter a instancia pr crrei pstal, indicand n envelpe a Ref: Técnic gestr de desenvlviment rural, anexand nvamente ftcópias da dcumentaçã anterir mais a ds mérits exclusivamente alegads na instância para a sua cnsideraçã para efeits de mérits para aceder às vagas send mtiv de exclusã fact de nã realizar na frma indicada, a: Agrupament Eurpeu de Cperaçã Territrial Duer Dur (AECT Duer Dur) Plaza Egid s/n Trabanca (Salamanca - Espanha) É brigatóri remeter a instância e a dcumentaçã exigida seguind as instruções anterires através d crrei electrónic e pr crrei pstal Data limite de recepçã de candidaturas Quarta-Feira, dia 24 de Junh de 2009 é a data limite para a recepçã de candidaturas até às 19:00 hras, na sede d AECT Duer-Dur. 6. JÚRI CLASSIFICADOR. 1.- O Júri Classificadr estará cmpst pels/as seguintes membrs: a. Presidente d AECT Duer-Dur. b. Tres Vgais: Directr Geral d AECT. Crdenadr Territrial d AECT. Presidente d Cnselh Sectrial de Desenvlviment Lcal, Nvas Tecnlgias, Educaçã, Frmaçã e Empreg. c. Secretaria (Pessal Técnic d AECT cm vz mas sem vt). 2.- O Júri nã pderá ser cnstituíd nem actuar sem a assistência de, pel mens, a metade mais um ds seus membrs. Estará encarregad de dilucidar as questões em causa durante desenvlviment d prcess selectiv, velar pel bm desenvlviment d mesm, tend, além diss cmpetência e autridade plena para reslver quantas incidências se apresentarem n prcess selectiv e nã estiverem previstas nas presentes bases. Será, também, respnsável d estrit cumpriment das bases da cnvcatória e da sujeiçã as prazs estabelecids, tant para a realizaçã e valrizaçã ds testes cm para a publicaçã ds seus resultads. 3.- O Presidente tmará as medidas favráveis de md a garantir que n cas de realizar teste pr extens será crrigida sem que a identidade ds/as candidats seja cnhecida. 4.- Os membrs d Júri absterã-se de intervir e s/as aspirantes pderã prmver a recusaçã ds/as membrs quand cncurrirem algumas das causas previstas ns artigs 28 e 29 da Lei Espanhla 30/92 de 26 de Nvembr, u quand tiverem realizad as tarefas de preparaçã ds candidats as teste selectivs de acess à funçã pública. 5.- O Júri Classificadr pderá acrdar a incrpraçã as trabalhs de assessres esperts para tdas u algumas das prvas, clabrand cm Órgã de selecçã 7

8 exclusivamente n exercíci das suas especialidades técnicas, cm vz mas sem vt. 6.- O Directr Geral será a pessa encarregada de tda a tramitaçã, de realizar as cmunicações tdas, bem cm de publicar a cnvcatória, resluçã e utrs trâmites que tenham de realizar. 7. PROCESSO DE SELECÇÃO. A resluçã d cncurs será realizada pel Cnselh de Crdenaçã d Agrupament Eurpeu de Cperaçã Territrial Duer - Dur. Dit prcess de selecçã cntará cm as seguintes etapas: 1.- Pré-selecçã inicial de 8 candidaturas determinand a selecçã ds perfis mais adequads a pst de trabalh, baseand-se n estud das instâncias remetidas e na avaliaçã ds mérits anexads cnfrme s seguintes critéris: Frmaçã académica: Licenciatura em Gegrafia (especialidade Análise Gegráfic Reginal u Gegrafia Humana), Direit, Ciências Ecnómicas, Cmérci, Cntabilidade, Ciências Plíticas, Administraçã e Direcçã de Empresas, Ciências Sciais u Scilgia, Gestã, Gestã de Recurss Humans, Engenharia Superir de Ciências Agrárias: 5 pnts. Licenciatura em Fillgia Prtuguesa, Fillgia Hispânica: 3 pnts. (Para s candidats nã nativs) Outras licenciaturas (Gegrafia (Especialidade Gegrafia Física). Bilgia, Ciências Agrárias e Ambientais: 2 pnts Outras licenciaturas que frem cnsideradas relacinadas cm as funções d pst de trabalh: 1 pnt. Aptidã prfissinal: Frmaçã directamente relacinada cm u sbre pst de trabalh Frmaçã igual u superir de 500 hras: 3 pnts. Frmaçã igual u superir de 300 hras: 2 pnts. Frmaçã igual u superir de 100 hras: 1 pnt. Másters, mestrads e frmaçã cmplementar sbre tema d pst de trabalh ferecid: 3 pnts Frmaçã relacinada cm as funções d pst de trabalh Másters, mestrads e frmaçã cmplementar relacinads cm pst de trabalh ferecid: 2 pnts. Frmaçã igual u superir de 500 hras: 2 pnts. Frmaçã igual u superir de 300 hras: 1 pnt. Outrs Másters, mestrads e frmaçã cmplementar: 1 pnt. Frmaçã linguística: Certificad d Nível Avançad na Língua Prtuguesa e/u Espanhla u Certificad de Aptidã d Cicl Superir d Primeir Nível na língua prtuguesa / Espanhla (Escla de Línguas cm recnheciment Oficial: 2 pnts. Certificad d Nível Intermédi na Língua Prtuguesa e/u Espanhla (Escla de Línguas cm recnheciment Oficial): 1 pnt. 8

9 Certificad d Nível Básic na Língua Prtuguesa e/u Espanhla (Escla de Línguas cm recnheciment Oficial): 0,5 pnts. Fillgia Inglesa, Fillgia Francesa u Certificad d Nível Avançad na Língua Inglesa u Francesa u Certificad de Aptidã d Cicl Superir d Primeir Nível na língua Inglesa u Francesa (Escla de Línguas cm recnheciment Oficial): 2 pnts. Experiência prfissinal: Experiência prfissinal na matéria d pst de trabalh ferecid superir ds 12 meses: 3 pnts Experiência prfissinal na matéria d pst de trabalh ferecid superir ds 6 meses: 1 pnt Experiência prfissinal relacinada cm a matéria d pst de trabalh ferecid superir ds 18 meses: 2 pnts Experiência prfissinal nutrs âmbits relacinads superir ds 12 meses: 1 pnt. Justificaçã de Mérits Para a justificaçã ds mérits referids terá de ser apresentada a seguinte dcumentaçã: Bilhete de Identidade. Carta de Cnduçã Titulaçã académica da licenciatura que permite a participaçã n prcess selectiv Outras Titulações académicas Certificads ficiais da frmaçã cmplementar, de línguas e de curss frmativs. Certidã cmpleta da Carreira Cntribuitiva. Cntrats de trabalh ds psts de trabalh que fram alegads cm mérit. Declaraçã juramentada da dispnibilidade de viatura. Certificaçã médica u declaraçã juramentada que acredite que nã se padece dença que impeça para desenvlviment d pst de trabalh. Tda a dcumentaçã relacinada anterirmente será apresentada via electrónica, mediante a instância ficial que se encntra n website, anexand frmulári a mencinada dcumentaçã ns apartads crrespndentes ns arquivs separads e cm a denminaçã d dcument que se anexa. Para a baremaçã apenas serã tidas em cnta as titulações ficiais, bem cm a frmaçã cmplementar só serã tmadas em cnsideraçã as certidões passadas pr entidades públicas u n cas de entidades privadas, as titulações terã de estar hmlgadas u enquadradas dentr dum prgrama ficial. 2.- Entrevista telefónica u teste escrit, cm perguntas sbre atitudes e aptidões, bem cm cnheciments relativs a cnteúd funcinal d pst de trabalh e cnteúd e cnheciments acreditads na instância. 9

10 A decisã para a entrevista telefónica u teste escrit será adptada cnfrme a idneidade duma u a utra, uma vez cnhecida a selecçã e s perfis ds candidats pré-seleccinads. Neste teste serã seleccinads 4 candidads, que passarã a fase da Entrevista Pessal. Neste teste Júri pderá acrdar pass ds 8 candidats para a Entrevista Pessal. N cas de huver teste escrit será realizad pr cmputadr. 3.- Entrevista Pessal a 4 candidats seleccinads que serã cnvcads previamente via crrei electrónic u via telefónica. Nesta entrevista pderá ser realizad um teste de demstraçã ds cnheciments infrmátics. Dita entrevista reslverá a selecçã para pst de trabalh ferecid, bem cm a resluçã definitiva de dita selecçã estabelecend 2 candidats titulares e 2 candidats suplentes. Os candidats suplentes, uma vez superad períd de prva ds titulares nã terã qualquer direit sbre a cupaçã d pst de trabalh, pdend, tdavia, ante as suplências u a cbertura de licenças serem cntratads pel AECT sem necessidade duma nva cnvcatória. 8.- FIM DO PROCESSO DE SELECÇÃO Os candidats seleccinads deverã apresentar para a frmalizaçã d crrespndente cntrat, a dcumentaçã exigida na legislaçã labral aplicável. A dcumentaçã deverá ser anexada n praz de 5 dias úteis desde a publicaçã da resluçã d Júri. N cas de nã ser feit desta frma, e except ns supsts ds cass de frça mair, s candidats nã pderã ser cntratads, e ficará anulada tda a sua acçã, sem prejuíz da respnsabilidade na que huver pdid incrrer pr falsedade n seu cas. A nmeaçã final d candidat será feita pel Cnselh de Crdenaçã d Agrupament Eurpeu de Cperaçã Territrial DUERO DOURO que enviará uma carta de ntificaçã da decisã as dis candidats seleccinads cm titulares e as dis suplentes Cntrat labral O cntrat de trabalh será realizad pel Directr Geral d AECT após a aprvaçã pel Cnselh de Crdenaçã d Agrupament Eurpeu de Cperaçã Territrial Duer Dur (AECT Duer Dur) ds candidads seleccinads. A duraçã d cntrat será de um an, cm pssibilidade de prlngaçã u incrpraçã à planilha d AECT. O pst de trabalh será adscrit a grup A d AECT, crrespndente as Titulads Superires, cm nível crrespndente a seu pst de trabalh. A duraçã d períd de experiência será a estabelecida n cnvéni clectiv 9.-IMPUGNAÇÃO A presente cnvcatória e as suas bases e quants acts administrativs se derivarem dela e das acções d Júri pderã ser impugnadas pels/as interesads/as ns cass e nas frmas estabelecidas pela Ley de Régimen Jurídic, de las Administracines Públicas y del Prcedimients Administrativ Cmún de Espanha e demais nrmas de aplicaçã. 10

11 10. PARA MAIS INFORMAÇÃO Cas deseje bter mais infrmações sbre as características d pst de trabalh ferecid /anunciad, pde entrar em cntact cm Cnselh de Crdenaçã / D. Jsé Luis Pascual (Directr Geral de AECT Duer - Dur) pelas seguintes vias: Agrupament Eurpeu de Cperaçã Territrial DUERO DOURO Plaza Egid s/n Trabanca (Salamanca - España) Crrei electrónic: Telefne:

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE Prject Rede de Unidades de Prmçä da Invaçä para desenvlviment da terceira missä das Universidades e a cperaçä institucinal através da Invaçän Aberta, prgrama

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

Estratégias de Conservação da Biodiversidade

Estratégias de Conservação da Biodiversidade Estratégias de Cnservaçã da Bidiversidade Estratégia Glbal De entre tds esses prcesss internacinais desenvlvids será de destacar decrrid após a Cnferência de Estclm, de 1972, que daria lugar à criaçã d

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL Cntratante: O CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 12º REGIÃO, pessa jurídica de direit públic cnstituída sb a frma de autarquia fiscalizadra,

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 027/ DE 19 DE NOVEMBRO DE VESTIBULAR 16/01 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505,

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Prcess/Instruções de Pagament para Aplicaçã n Prgrama de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Requisits de Elegibilidade 1. A empresa deve estar lcalizada em znas de cnstruçã activa na Alum Rck Avenue

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO N 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 Aprva Regiment da Bibliteca Universitária - Sistema de Biblitecas da UFMG, e revga a Resluçã n 27/93, de 22/12/93, que aprvu Regiment da Bibliteca Universitária.

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos os autos do Pedido de Providências 0.970,

VISTOS, relatados e discutidos os autos do Pedido de Providências 0.970, 1 Pedid de Prvidências n" 970 Requerente: Escla Nacinal da Magistratura e Assciaçã ds Magistrads d Brasil. Assunt:Resluçã n 11/2006 CNJ - Atividade jurídica - Curss de Pósgraduaçã - Ediçã de nrma de transiçã.

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

Carla Cristina Martins Pica

Carla Cristina Martins Pica Carla Cristina Martins Pica Telemóvel: 91 712 29 69 Crrei electrónic: carla.pica@marinha.pt u carlapica@me.cm Habilitações Literárias e Académicas Mestre em Ciências Jurídic-Plíticas, pela Faculdade de

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Guide to Comenius Individual Pupil Mobility

Guide to Comenius Individual Pupil Mobility Guide t Cmenius Individual Pupil Mbility 1 2 Guia 2012 da Mbilidade Individual de Aluns COMENIUS 3 4 Guia da Mbilidade Individual de Aluns COMENIUS Índice/Estrutura da apresentaçã em linha ds dcuments

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA EDITAL Nº 01/2014

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA EDITAL Nº 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA PARA O CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL PARA O SEGUNDO PERÍODO LETIVO DE 2014. 1. PREÂMBULO 1.1. O Crdenadr d Prgrama de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Avis Públic Nº 08/Unesc/2012 O Magnífic Reitr da Universidade d Oeste de Santa Catarina - Unesc, pessa jurídica de direit privad, mantida

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA

EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA O presente dcument tem cm bjetiv dispnibilizar a divulgaçã ficial das cndições estabelecidas pel Sesc Santa Catarina para

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

Manual do Rondonista 2006

Manual do Rondonista 2006 Manual d Rndnista 2006 www.defesa.gv.br/prjetrndn 1 1 ÍNDICE MANUAL DO RONDONISTA... 3 I. FINALIDADE... 3 II. O PROJETO RONDON...3 a. Missã...3 b. Objetivs...3 III. DEVERES E DIREITOS DO RONDONISTA...

Leia mais

CONSULTORIA DE GESTÃO, LDA

CONSULTORIA DE GESTÃO, LDA Eurpass-Curriculum Vitae Infrmaçã pessal Apelid(s) / Nme(s) própri(s) Mrada(s) Sérvl, Carla Sfia Marques Antóni Almeida Velh, nº18 1ºandar, 2205-654, Tramagal, Prtugal. Telefne(s) 241897010 Telemóvel:

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS MINISTRADOS NO IPP JULHO 2010 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Object... 3 Âmbit bjectiv... 3 Âmbit subjectiv...

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

GUIA DO CURSO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

GUIA DO CURSO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS GUIA DO CURSO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Curs em regime de e-learning Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 2 A dinâmica da gestã ds recurss humans deve acmpanhar a dinâmica das próprias rganizações.

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2008/2009, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO O cadastrament, previst ns editais de Vestibular da UFCG, é um mecanism para garantir a timizaçã das chamadas ds candidats para a matrícula. Esse é um mecanism imprtantíssim

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Colégio Integrado EXATO

Colégio Integrado EXATO Clégi Integrad EXATO Rua: Ri de Janeir, 47 Jardim Bela Vista Mgi Guaçu SP CEP 13840-210 Telefne (19) Prpsta Plític-pedagógica d Clégi Integrad EXATO S/S Ltda. O Clégi Integrad EXATO cntextualiza sua açã

Leia mais

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos Guia Prátic d Estági Seu Estági em 5 Passs O que é Estági? A atividade de estági é um fatr significativ na frmaçã d prfissinal, pr prprcinar a interaçã d alun cm a realidade da prfissã e a cmplementaçã

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (Prt. MEC nº 797/14, de 11/09/2014, publicada n DOU em 12/09/2014) EDITAL 2015 PROCESSO SELETIVO O Diretr Geral da Faculdade de Educaçã em Ciências da Saúde (FECS),

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

Integração do POPH no SIIFSE

Integração do POPH no SIIFSE Integraçã d POPH n SIIFSE Manual de Utilizadr Frmulári de Candidatura as Estágis Prfissinais na Administraçã Pública Lcal - 18 de Fevereir de 2008-1ª Versã ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 ENQUADRAMENTO E

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Antropologia do Consumo no Marketing

Antropologia do Consumo no Marketing Antrplgia d Cnsum n Marketing Objetivs Demnstrar cm as influências culturais estã relacinadas cm s hábits de cnsum, a relaçã cm as Marcas e cmprtament de cmpra, evidenciand assim, prcess fundamental para

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 A Diretria d SEBRAE/RS trna públic presente edital e cnvida Artesãs representads pr Assciações e/u Cperativas de Artesanat d Ri Grande d Sul a inscreverem-se

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde Cnsulta a Temp e Hras CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativ Centr de Saúde 2013 ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.. Tds s direits reservads. A ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 23/11/2014 a 18/12/2014 Carg: Técnic de Nível Superir: Administraçã Taxa de Inscriçã: R$ 60,00 Salári/Remuneraçã: R$ 4.232,00 Nº Vagas: 02 Data

Leia mais

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos Labratóri Iber American de Invaçã Cidadã Cnvcatória de Prjets Cnvcatória aberta para prjets de invaçã cidadã A iniciativa da Secretaria Geral Iber Americana (SEGIB) Cidadania 2.0, a Agencia Espanhla de

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta de critérios e procedimentos para seleção de chefias do INPE

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta de critérios e procedimentos para seleção de chefias do INPE Referência: CPA-077-2008 Versã: 1.0 Status: Ativ Data: 09/julh/2008 Natureza: Abert Númer de páginas: 13 Origem: GCMIG e GEOPI Revisad pr: GCMIG Aprvad pr: GCMIG Títul: Prpsta de critéris e prcediments

Leia mais

RELAT6RIO ANUAL DE TRANSPARENCIA. Exercicio findo em 31 de Dezembro de 2008

RELAT6RIO ANUAL DE TRANSPARENCIA. Exercicio findo em 31 de Dezembro de 2008 ... OLIVEIRA. REIS & ASSOCIADOS, SROC, LDA. Inserite sb 0 no 23 FERNANDO MARQUES OLIVEIRA JOSE VIEIRA DOS REIS CARLOS A. DOMINGUES FERRAZ JOSE BARATA FERNANDES JOAQUIM OLIVEIRA DE JESUS CAinOS MANUEl G

Leia mais

Salvador, Bahia Sexta-feira 19 de Julho de 2013 Ano XCVII N o 21.187 EDITAL Nº 073/2013

Salvador, Bahia Sexta-feira 19 de Julho de 2013 Ano XCVII N o 21.187 EDITAL Nº 073/2013 Salvadr, Bahia Sexta-feira 19 de Julh de 2013 An XCVII N 21.187 EDITAL Nº 073/2013 FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA SELEÇÃO DE DIVULGADORES DO PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2014 DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisba, Prtugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Psiçã CELPA Assciaçã da Indústria Papeleira Para: De: Estatut:

Leia mais

Formação nzeb nos países do Sul da UE Mantendo as tradições de construção

Formação nzeb nos países do Sul da UE Mantendo as tradições de construção Frmaçã nzeb ns países d Sul da UE Mantend as tradições de cnstruçã SuthZEB WP4 Desenvlviment d prtal SuthZEB D4.1: Prtal SuthZEB visã geral d desenvlviment d prtal e suas seções, integraçã e aceitaçã d

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Nome da instituição Nome do curso Grau Vagas inciais de 2012

Nome da instituição Nome do curso Grau Vagas inciais de 2012 CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Códig Códig d curs Nme Nme d curs Grau na 1.ª fase pel 0110 8031 Universide ds Açres - Angra d Herísm Ciências Farmacêuticas (Preparatóris) Prep.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS ESTADO DO PARANÁ A COMISSÃO EXECUTIVA DO CONCURSO PÚBLICO, n us de suas atribuições legais e tend em vista Decret númer 2698 de 16 de setembr de 2009, trna pública a abertura de inscrições e as nrmas para a realizaçã de

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre:

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre: Circular / (CA) nº 18 / 2015 Unaí-(MG), 03 de agst de 2015. ASSUNTO: Faculdade CNEC Unaí Prcediments necessáris para iníci d 2º Semestre de 2015. Prezads (as) Prfessres (as), Apresentams abaix, s prcediments

Leia mais