GUILHERME VASCONCELLOS BRANDÃO GUILHERME FERREIRA BIONI E SILVA WAGNER SILVA ESTEVES A AMAZON É UMA REDE SOCIAL?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUILHERME VASCONCELLOS BRANDÃO GUILHERME FERREIRA BIONI E SILVA WAGNER SILVA ESTEVES A AMAZON É UMA REDE SOCIAL?"

Transcrição

1 GUILHERME VASCONCELLOS BRANDÃO GUILHERME FERREIRA BIONI E SILVA WAGNER SILVA ESTEVES A AMAZON É UMA REDE SOCIAL? Trabalho a ser apresentado no 5º Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado, Opinião e Mídia, realizado pela ABEP. SÃO PAULO MARÇO DE 2012

2 RESUMO O artigo introduz alguns conceitos básicos de análise matemática de redes sociais, descrevendo a origem da Teoria dos Grafos, e os conceitos de nós, ligações e medidas de centralidade como grau. Mostra como a Amazon pode ser vista como uma rede social. Discute também em linhas gerais algoritmos de segmentação de redes. Apresenta um estudo de caso de redes de livros vendidos na Amazon e, com base nos dados deste estudo de caso, indica como recomendações e vendas são altamente correlacionadas. ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 2

3 ABSTRACT The paper introduces basic concepts of social networks mathematical analysis, describing the origin of Graph Theory, and concepts such as vertices, edges e centrality measures like degree. It shows how Amazon can be seen as a social network. A brief discussion of segmentation techniques for networks can be used. A case study of books sold I Amazon is presented. Based on data from the case study, it is shown how recommendations and selling are high correlated. ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 3

4 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO TEORIA DOS GRAFOS Conceitos Básicos Redes livres de escala (Scale-Free networks) Redes Sociais A AMAZON COMO UMA REDE SOCIAL uma economia contra-intuitiva Uma rede de livros da Amazon CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 4

5 1. INTRODUÇÃO Nosso texto começa com o genial matemático suíço Leonard Euler em Euler se deparava com o famoso problema das Sete Pontes de Königsberg. A cidade de Königsberg, então pertencente à Prússia (hoje Kaliningrad, na Rússia) situava-se nas duas margens do Rio Pregel, incluindo duas grandes ilhas que eram conectadas uma à outra e às duas margens através de sete pontes. O esquema abaixo, obtido no verbete do Wikipedia relativo às Seven Bridges of Königsberg, descreve a situação: Figura 1 Mapa de Königsberg (1735) com as sete pontes em relevo (Fonte : Wikipedia) O problema consistia em encontrar um caminho pela cidade de tal forma que cada ponte fosse percorrida apenas uma vez. Euler provou que esse problema não tinha solução, mas o que mais nos interessa aqui é que, para estudar a questão, o suíço inventou um novo ramo da matemática: a Teoria dos Grafos. O esquema de prova de Euler produzia a seguinte sequência de passos: Figura 2 Esquema conceitual de Euler para o problema das sete pontes (Fonte : Wikipedia) ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 5

6 Em termos modernos (Teoria dos Grafos), a cada massa de terra se associa um nó (vertice). Assim temos quatro nós: dois para cada margem e dois para cada ilha. A cada ponte corresponde uma ligação (edge). Então temos sete ligações, correspondentes a cada uma das sete pontes. Do mapa à esquerda da Figura 2 resulta o grafo (graph) à direita da mesma Figura 2. ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 6

7 2. TEORIA DOS GRAFOS 2.1 Conceitos Básicos Um grafo pode ser indireto: Figura 3 Grafo Indireto Ou direto: Figura 4 Grafo Direto Ou seja: no grafo direto, as direções importam: a ligação vai, por exemplo, do nó 1 para o nó 2; no grafo indireto, apenas a ligação entre 1 e 2 é apontada, não interessando a direção. Há várias métricas que medem características dos grafos (ver, por exemplo, Newman (2011)). Aqui vai nos interessar apenas o grau (degree) do nó a soma do número de ligações que entram ou saem do nó (in-degree e out-degree). Essa é ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 7

8 uma medida da importância do nó (os mais importantes poderiam ser considerados como hubs da rede): Figura 5 Hubs na Rede rede. Os nós 1 e 2 são de grau 4, podendo assim serem considerados os hubs da O número de fenômenos que podem ser modelados por redes é gigantesco, indo da estrutura de uma organização (que pode ser vista como uma das primeiras aplicações do método, ainda no século XIX ver, por exemplo, Freeman (2004)), passando por estruturas moleculares, redes de pessoas, estudantes dos diversos graus, sexo e idade, até, é claro, redes sociais. O exemplo abaixo ilustra essa capacidade. Trata-se (ver, por exemplo, Hansen et alli (2011)) de uma representação dos personagens do famoso livro Les Misérables, de Victor Hugo, onde a ligação entre os personagens se dá pelo número de vezes em que aparecem juntos na mesma cena no livro: Figura 6 Personagens de Les Misérables ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 8

9 Como se vê na Figura 6, Jean Valjean (Valjean, o maior nó da figura) é o grande hub da rede. Na verdade, o livro trata da biografia de Jean Valjean. Sem ele não haveria nem livro nem rede. Os nós podem ser agrupados por técnicas específicas de clustering para redes ou por métodos de cluster analysis convencionais: Figura 7 Grupos de Personagens de Les Misérables O algoritmo (para uma descrição de métodos de segmentação em redes, ver, por exemplo, Newmann (2011)) determinou três grupos, que, de uma maneira geral, correspondem, como era de se esperar, aos volumes, ou conjunto de volumes, do livro original. Uma descrição dos personagens em cada volume pode ser encontrada na Wikipedia. Uma outra técnica de segmentação de redes é descrita, por exemplo, em Sá Lucas et alli (2010). O leitor interessado pode encontrar várias aplicações de redes em Easley e Kleinberg (2010). Neste texto tratamos apenas de aplicações não probabilísticas e estáticas. O leitor interessado pode encontrar aplicações probabilísticas em Koller e Friedman (2009). Aplicações dinâmicas podem ser estudadas em Barrat et alli (2008). Mais informações podem ser encontradas em Scott e Carrington (2011). ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 9

10 2.2 Redes livres de escala (Scale-Free networks) De uma forma geral, pode-se ter dois grandes tipos de redes: Redes aleatórias (Random Networks): os graus da rede seguem uma distribuição aleatória Redes livres de escala (Scale-Free Networks): a distribuição dos nós da rede segue uma lei potência da forma: Onde k é o número de graus do nó, c uma constante de normalização e γ é um parâmetro que tipicamente se encontra no intervalo 2 < γ < 3. Assim, em uma scale-free network a probabilidade de que o nó tenha um número k de ligações é inversamente proporcional a um parâmetro γ não desprezível. A situação é ilustrada na figura abaixo: Figura 8 Redes aleatórias e livres de escala Na figura à direita (rede livre de escala) existem poucos nós (em preto) de alta centralidade, que muitas vezes são chamados de hubs da rede. Um exemplo comparativo seria, por exemplo, nos Estados Unidos: Rede aleatória: a rede de auto-estradas na maior parte das vezes, se um nó tem algum problema que impede que se passe por ele, pode-se fazer o percurso facilmente através de outros nós; Scale-free network: a rede de caminhos aéreos Houston, Atlanta e Chicago ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 10

11 são, por exemplo, hubs. A queda de um hub desses certamente vai causar sérios transtornos no transporte aéreo americano. No caso de Les Misérables Jean Valjean é um forte hub: sem ele não haveria a rede. Há várias definições alternativas de hub: ver, por exemplo, Sá Lucas et alli (2010). 2.3 Redes Sociais Quando se pensa em rede sociais, as primeiras citações que vêm à cabeça são Facebook, Wikipedia, You Tube, SlideShare, Flickr e assemelhados. Todas essas redes têm em comum, entre outros aspectos, o fato de que as pessoas contribuem para seu conteúdo de forma espontânea e grátis. De igual importância nos rumos que a Web vem tomando são contribuições do tipo crowdsourcing e o saber das multidões (ver por exemplo, Kaden et alli (2012) e Watts(2011)). A idéia básica aqui é que mecanismos onde um grande número de pessoas pode postar suas opiniões permite ao interessado (empresas, agentes governamentais etc) coletar opiniões de um enorme grupo de pessoas. Isso, é claro, permite uma nova abordagem à coleta de dados em pesquisa de mercado, bem como o acompanhamento do buzz (o que se fala dessa empresa, dessa marca etc. nos diversos sites de rede social: blogs, Facebook etc.). ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 11

12 3. A AMAZON COMO UMA REDE SOCIAL uma economia contra-intuitiva Nesse estudo o que nos interessa, no caso da Amazon, é seu caráter de crowdsourcing: Não é a Amazon que fornece a informação mais relevante no site (reviews de livros) (Porter(2008)): o São as pessoas que contribuem com seus comentários que fornecem um dos conteúdos mais importantes do site, sem que sejam pagas por isso. Como aprendemos em Economia, todo o produto tem um preço ( não existe almoço grátis ) mas uma das mais importantes características da Amazon não custa nada (sobre o assunto ver também Tapscott e Williams(2008)); o As pessoas não são administradas o enorme volume de reviews é resultado de contribuições independentes e no seu conjunto fornecem um recurso fundamental da rede; o As pessoas tomam o seu tempo para ajudar na avaliação de livros para ajudar outros internautas que elas nunca viram; o Além do tempo gasto no review as pessoas ajudam a julgar se um determinado comentário foi útil ou não, o que permite ao site reorganizar as recomendações. Vamos tomar como exemplo o livro de Joshua Porter Designing for the Social Web 2008: Figura 9 Uma busca de um livro na Amazon ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 12

13 A figura acima é o resultado da busca na Amazon do livro em questão. Notase que o livro recebeu 21 reviews, em sua maioria positivos (ver quantas estrelas estão ressaltadas). Nota-se também que os preços da edição em papel (paperback) e eletrônica (kindle) são bem assemelhados: o que importa é o conteúdo, não o custo de produção do exemplar do livro. A figura abaixo resume informações sobre os reviews: Figura 10 Resumo das informações sobre os reviews Note que abaixo, à esquerda, temos o review mais útil e favorável, com um percentual de 21 /24= 87,5% de consumidores que acharam o comentário / resenha útil. À direita está o comentário útil mais desfavorável, com 14/14=100% de consumidores considerando o comentário crítico útil. Agora chegamos ao tema central de nosso trabalho - a indicação de quem comprou esse livro comprou também os seguintes livros : Figura 11 Quem comprou esse livro comprou também... ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 13

14 Na parte abaixo da figura são indicados cinco livros que costumam ser comprados por que comprou o livro de Porter. O algoritmo de recomendação da Amazon é, por exemplo, descrito em Linden et alli (2003). Note-se também (parte acima da figura) que a Amazon montou um combo com o livro de Porter mais os dois livros á direita no conjunto de cinco mais associados ao livro que estamos analisando. 3.1 Uma rede de livros da Amazon É possível construir uma rede de livros baseada nas recomendações da Amazon. Aqui os vértices são livros e as ligações são construídas se, a partir de um determinado livro, outros cinco são obtidos pelo algoritmo de recomendação da Amazon. Pretende-se com isso refletir um efeito de influência do meio social na escolha de um determinado livro (quem comprou esse livro comprou também...). Ao se selecionar um livro, não só se identificava, além dos cinco que se relacionavam com ele, a recomendação top-two (quatro ou cinco estrelas) e sua posição nos livros mais vendidos. Essas coletas adicionais tinham por objetivo calcular índices que serão comentados adiante. Para a identificação da rede foram selecionados cerca de 10 a 15 livros ao acaso, relacionados a redes sociais. Cada uma dessas sementes produziu livros selecionados, até que, nessa amostra bola-de-neve, fossem selecionados cerca de 80 livros. É possível encontrar uma aplicação semelhante, baseada em apenas um livro (apenas uma semente) ou em livros políticos, em Krebs (2010). Em nosso estudo os livros foram também classificados em gêneros: 1. Livros genéricos sobre redes sociais Verde 2. Livros sobre marketing - Laranja 3. Livros sobre métricas Azul claro 4. Outros Rosa 5. Otimização de sites para facilitar com que sejam encontrados por métodos de busca (Google, p.ex.) Azul escuro 6. Livros sobre redes sócias específicas (Facebook, Twitter etc.) Marrom 7. Projetos de sites na Web Púrpura 8. Análise matemática de redes sociais Branco pérola ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 14

15 Figura 12 Rede de livros da Amazon, baseada no algoritmo de recomendações Nota-se, como era de se esperar, que os livros se segmentam por categoria (as cores aparecem de uma forma geral sempre juntas. O tamanho dos nós corresponde a uma medida de centralidade (o grau / degree definido anteriormente). Os nós mais centrais (os maiores, ao centro da figura) são: Em verde: o Socialnomics Em laranja o Trust agents o Engage: the complete guide for brands and business to build, cultivate, and measure success in the new Web o The new rules of MKT & PR o Inbound Marketing o Social Media Bible Em púrpura o Social Media Metrics Não foram indicados os rótulos de cada nó por razões óbvias: o grafo ficaria ilegível. De qualquer forma, fica claro que são centrais na amostra os livros de Marketing e que Socialnomics é um livro que, nesse conjunto, se destaca por ser comprado na mesma cesta dos outros. A cesta básica é Social Media Bible, The new rules of MKT & PR, Socialnomics, Engage e Social Media Metrics. ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 15

16 Existem grupos meio independentes, como os livros de análise matemática de redes (branco pérola) e livros genéricos sobre redes sociais (em verde, com exceção de Socialnomics já apontado acima). Finalmente, realizamos uma análise a partir da amostra sobre a relação entre os reviews e a posição no ranking de mais vendidos. Para isso consideramos duas variáveis em cada livro na amostra: A posição no ranking, fornecida pela Amazon Um Índice de performance nos reviews O índice de performance foi calculado da forma: IP = r * ( r / n) Onde: r = número de reviews indicando cinco estrelas para o livro n =número de reviews Assim o IP pode ser encarado como o percentual de reviews com cinco estrelas escalonado pelo número de citações cinco estrelas (para levar em conta a popularidade/boa avaliação absoluta do livro). As duas variáveis seguem uma lei potência (os logaritmos das duas variáveis têm uma relação linear: Figura 13 Lei Potência entre IP e Rank Log(Rank) ,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 Log(IP) O coeficiente de correlação entre os logaritmos das duas variáveis é de -0,64. Outros estudos, como os efetuados por Duncan Watts (Watts(2011)) indicam que recomendações geram compra. Assim podemos assumir que as recomendações no Amazon geram venda. ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 16

17 4. CONCLUSÃO Da apresentação deve ter ficado claro o aspecto de rede social da Amazon. A relação entre recomendações e vendas deve ter ficado evidente. Aliás, isso é algo que se deveria esperar: ao se comprar um carro, é bastante comum que o futuro comprador procure entre pessoas de sua relação (sua rede) recomendações quanto à qualidade, durabilidade, custo de manutenção etc. na compra de um apartamento, é comum o possível comprador informar-se sobre a região onde se localiza o imóvel pretendido O número de situações assemelhadas é enorme. Além disso, essa abordagem introduz na Pesquisa de Mercado um aspecto de suma importância: o ambiente em que as decisões de compra são tomadas. Usualmente isso é levado em consideração de maneira indireta, mas aqui o ambiente de recomendações e as cestas típicas de compra são levadas explicitamente em consideração, o que enriquece enormemente analise. A rede analisada é estática e não probabilista. Nosso próximo passo nessa área será uma abordagem probabilística e dinâmica dos hubs. Uma área que se mostra particularmente interessante aqui é a de modelagem baseada em agentes (ver, por exemplo, Miller e Page (2007)). ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 17

18 5. BIBLIOGRAFIA Barrat, A., Barthélemy, M., Vespignani, A., Dynamical Processes on Complex Networks, Cambridge: Cambridge University Press, Easley, D. e Kleinberg, J., Networks, Crowds and Markets: Reasoning about a Highly Connected World, New York: Cambridge University Press, Freeman, The Development of Social Network Analysis: A Study in the Sociology of Science, Vancouver: Empirical Press, Hansen, D., Shneiderman, B. e Smith, M., Analyzing Social Media with NodeXL: Insights from a Connected World, Burlington: Morgan Kaufman, Kaden, R., Linda, G., e Prince, M., Leading Edge Marketing Research, Thousand Oaks: Sage Publications, Koller, D. e Friedman, N., Probabilistic Graphical Models: Principles and Techniques, Cambridge: The MIT Press, Krebs,V., Your Choices Reveal Who You Are, in Beautiful Visualization, Steele, L. e Iliinsky, N., Beautiful Visualization, Sebastopol: O Reilly, Linden, G., Smith, B. e York, J., Amazon.com Recommendation: Item-to-Item Collaborative Filtering, IEEE Internet Computing, Jan-Feb 2003, pgs Miller, J. e Page, S., Complex Adaptive Systems: an Introduction to Computation Models of Social Life, Princeton: Prinicetion University Press, Newman, M.E., Networks: An Introduction, Oxford: Oxford University Press, Porter, J., Designing for the Social Web, Berkeley: New Riders, Sá Lucas, L., Soares, L. e Lopes, R., Looking for Eric: in Search of Hub Consumers, ESOMAR LATAM Conference, Cartagena, Scott,J. e Carrington, P., editors, The Sage Handbook of Social Network Analysis, Thousand Oaks: Sage Publications, Tapscott, D. e Williams, A., Wikinomics:ow Mass Collaboration Changes Everything, New York: Penguin Group, Watts, D.J., Everything is Obvious, Once you know the Answer, New York: Crown Business, ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 18

19 ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 19

BC-0506: Comunicação e Redes Leis de Potência

BC-0506: Comunicação e Redes Leis de Potência BC-0506: Comunicação e Redes Leis de Potência Santo André, 2Q2011 1 Leis de Potência Introdução Distribuições de probabilidade Leis de potência e escalas logarítmicas Interpretando as leis de potência

Leia mais

Redes Complexas: teoria, algoritmos e aplicações em computação Bloco #6

Redes Complexas: teoria, algoritmos e aplicações em computação Bloco #6 Redes Complexas: teoria, algoritmos e aplicações em computação Bloco #6 `` Scale Free Networks Virgílio A. F. Almeida Outubro de 2009 D d Ciê i d C ã Departamento de Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Seis Graus de Separação. Sidney de Castro

Seis Graus de Separação. Sidney de Castro Seis Graus de Separação Sidney de Castro O Mito Urbano Existe um mito urbano que diz que a distância entre dois seres humano no planeta, é de seis pessoas. Na prática podemos afirmar que em média um pacote

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos Redes de Computadores Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos Introdução Como as coisas estão conectadas? Redes! A network is a set of vertices or nodes provided with

Leia mais

Análise de Redes Sociais

Análise de Redes Sociais UFRJ COPPE PESC Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Projeto de Pesquisa: Análise

Leia mais

Do princípio da casa dos pombos a computação móvel!

Do princípio da casa dos pombos a computação móvel! Do princípio da casa dos pombos a computação móvel! Instituto de Matemática e Estatística - IME - USP Maio, 2012 Introdução Grafos aleatórios e Redes complexas Redes complexas Redes reais Grafos aleatórios

Leia mais

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Até agora: redes onde unidades eram pessoas ou entidades sociais, como empresas e organizações Agora (Cap 13, 14 e

Leia mais

BC-0506:Comunicação e Redes Semana 1: Introdução e Motivação

BC-0506:Comunicação e Redes Semana 1: Introdução e Motivação BC-0506:Comunicação e Redes Semana 1: Introdução e Motivação Santo André, maio de 2011 Roteiro da Aula Apresentação da Disciplina Apresentação do professor Objetivos Ementa Avaliação Cronograma Referências

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Coordenadoria de Projetos e Acompanhamento Curricular Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA 1. Unidade

Leia mais

Palavras Chave: Rede social, Grafo, Digrafo, Relação de amizade, Caminho 1 INTRODUÇÃO

Palavras Chave: Rede social, Grafo, Digrafo, Relação de amizade, Caminho 1 INTRODUÇÃO USANDO O FACEBOOK E APRENDENDO SOBRE GRAFOS Vinicius Schmidt Monego - viniciussm@rocketmail.com Monique Rubenich Nascimento - moniquee.rn@gmail.com Alice de Jesus Kozakevicius - alicek@ufsm.br Resumo.

Leia mais

Rede de Pesquisadores Brasileiros em Ontologia: Uma Análise de Rede Social

Rede de Pesquisadores Brasileiros em Ontologia: Uma Análise de Rede Social Rede de Pesquisadores Brasileiros em Ontologia: Uma Análise de Rede Social Andréa S. Bordin 1, Alexandre Leopoldo Gonçalves 1 1 Departamento de Engenharia e Gestão do Conhecimento Universidade Federal

Leia mais

Os métodos para a análise de dados categóricos ocupam lugar central nas

Os métodos para a análise de dados categóricos ocupam lugar central nas Lego III: Métodos Estatísticos para Análise de Dados Categóricos (3 créditos) Prof. Carlos Antonio Costa Ribeiro Horário: Quarta-feira, das 13 às 16 horas Consultas: A combinar com o professor Objetivos

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Redes Sociais

BC-0506: Comunicação e Redes Redes Sociais BC-0506: Comunicação e Redes Redes Sociais Santo André, 2Q2011 1 Agenda Redes Sociais Análise de Redes Sociais Métricas para Análise de Redes Sociais Redes Sociais Online Medições e Análise de Redes Sociais

Leia mais

Laboratório de Mídias Sociais

Laboratório de Mídias Sociais Laboratório de Mídias Sociais Aula 04 Análise de Rede de Mídias Sociais parte I Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Universidade Federal de Goiás O que é análise de rede de mídias

Leia mais

Grafos. Problema Abstração Modelo Solução

Grafos. Problema Abstração Modelo Solução Prof. Dr. Julio Arakaki www.pucsp.br/~jarakaki (jarakaki@pucsp.br) Depto. 1 Problema Abstração Modelo Solução Problema Real (Muitos) Abstração (Análise do problema) Modelagem (Ferramenta de abstração)

Leia mais

Roteamentos AULA ... META. Introduzir alguns problemas de roteamento. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de:

Roteamentos AULA ... META. Introduzir alguns problemas de roteamento. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Roteamentos AULA META Introduzir alguns problemas de roteamento. OBJETIVOS Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Distinguir circuito euleriano e ciclo hamiltoniano; Obter um circuito euleriano

Leia mais

A COMUNICAÇÃO DO DESTINO PORTUGAL A ASCENSÃO DO ONLINE

A COMUNICAÇÃO DO DESTINO PORTUGAL A ASCENSÃO DO ONLINE A COMUNICAÇÃO DO DESTINO PORTUGAL A ASCENSÃO DO ONLINE As pessoas passam mais tempo online do que em todos os outros meios juntos 10,7 horas por dia de consumo total de todos os mídia 5,6 dessas horas

Leia mais

STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS

STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS Elton Rabelo (Instituto de Ensino Superior e Pesquisa INESP, MG, Brasil) - eltonneolandia@yahoo.com.br Thiago Magela Rodrigues

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE COLABORAÇÃO CIENTÍFICA EM REDES DE PUBLICAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE

UM ESTUDO SOBRE COLABORAÇÃO CIENTÍFICA EM REDES DE PUBLICAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE ISSN 1984-9354 UM ESTUDO SOBRE COLABORAÇÃO CIENTÍFICA EM REDES DE PUBLICAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Juliana Maria de Sousa Costa (CEFET/RJ) Patrícia Mattos Teixeira (CEFET/RJ) Rafael Garcia Barbastefano

Leia mais

Conjuntos fuzzy e aplicações

Conjuntos fuzzy e aplicações Conjuntos fuzzy e aplicações Bruno de Paula Kinoshita 1, Daniel Hayashi Nakaya 1 1 Faculdade de Computação e Informática Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua da Consolação, 930 01302-907 São Paulo

Leia mais

PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR

PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR Wesley Humberto da Silva (Fundação Araucária), André Luis Andrade Menolli (Orientador) e-mail: wesleyhumberto11@mail.com

Leia mais

O Poder das Mídias Sociais Aplicadas em Iniciativas de Crowdfunding no Brasil

O Poder das Mídias Sociais Aplicadas em Iniciativas de Crowdfunding no Brasil O Poder das Mídias Sociais Aplicadas em Iniciativas de Crowdfunding no Brasil Fernanda Bruno dos Santos¹, Ana Carolina Gama e Silva Assaife¹ e Jonice Oliveira 1 1 Programa de Pós Graduação em Informática

Leia mais

A Influência da Rede de Coautoria no Nível das Bolsas de Produtividade da Área de Engenharia de Produção

A Influência da Rede de Coautoria no Nível das Bolsas de Produtividade da Área de Engenharia de Produção A Influência da Rede de Coautoria no Nível das Bolsas de Produtividade da Área de Engenharia de Produção Ricardo Lopes de Andrade 1, Leandro Chaves Rêgo 1,2 Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Recife

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DAS DISCIPLINAS OPTATIVAS I

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DAS DISCIPLINAS OPTATIVAS I EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1 FACUL DADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMATICA NEGÓGIOS GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ( 68) Teóricas Etapa: 7ª ( ) Práticas Interpretação de Governança e estratégia organizacional:

Leia mais

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Marketing Digital de resultado para Médias e Pequenas Empresas Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

Planejamento de Comunicação em Meios Digitais

Planejamento de Comunicação em Meios Digitais Planejamento de Comunicação em Meios Digitais Mídia Sociais - objetivos estratégicos e etapas de planejamento Training Program 30 e 31 de Janeiro de 2015 Planejamento de Comunicação em Meios Digitais Mídia

Leia mais

Comparação entre as Técnicas de Agrupamento K-Means e Fuzzy C-Means para Segmentação de Imagens Coloridas

Comparação entre as Técnicas de Agrupamento K-Means e Fuzzy C-Means para Segmentação de Imagens Coloridas Comparação entre as Técnicas de Agrupamento K-Means e Fuzzy C-Means para Segmentação de Imagens Coloridas Vinicius Ruela Pereira Borges 1 1 Faculdade de Computação - Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE - FACE DEPARTAMENTO DE ECONOMIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE - FACE DEPARTAMENTO DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE - FACE DEPARTAMENTO DE ECONOMIA Programa de Pós-graduação em Economia Curso de Mestrado em Gestão Econômica do Meio Ambiente

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA

PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA Congresso de Métodos Numéricos em Engenharia 2015 Lisboa, 29 de Junho a 2 de Julho, 2015 APMTAC, Portugal, 2015 PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA Thiago M. R. Dias 1, Elton

Leia mais

Anatomia das Redes no Âmbito da Web Social

Anatomia das Redes no Âmbito da Web Social Anatomia das Redes no Âmbito da Web Social Daniel Costa de Paiva Departamento de Informática Universidade Tecnológica Federal do Paraná DAINF UTFPR Ponta Grossa - PR paiva.daniel.dm@gmail.com Marcos Luiz

Leia mais

Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521 Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Análisede links Page Rank Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Motivação Suponha que um modelo clássico, como

Leia mais

Análise de Redes Sociais

Análise de Redes Sociais Análise de Redes Sociais Isabela Dantas de Melo 1 Leonardo Augusto Lima Ferreira da Silva 2 Rodrigo Augusto Vasconcelos Sarmento 3 Victor Souza Fernandes 4 Resumo Este trabalho apresenta análises de redes

Leia mais

IN0997 - Redes Neurais

IN0997 - Redes Neurais IN0997 - Redes Neurais Aluizio Fausto Ribeiro Araújo Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática - CIn Departamento de Sistemas da Computação aluizioa@cin.ufpe.br Conteúdo Objetivos Ementa

Leia mais

Grafos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

Grafos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti Grafos Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Teoria dos Grafos e Redes Sociais Veremos algumas das idéias básicas da teoria dos grafos Permite formular propriedades de redes em uma linguagem

Leia mais

Sintonia de Controladores PID utilizando Algoritmos Genéticos

Sintonia de Controladores PID utilizando Algoritmos Genéticos Sintonia de Controladores PID utilizando Algoritmos Genéticos J. Franco M. Amaral, M. A. C. Pacheco, R. Tanscheit DEE-PUC-Rio, CP 38063, 22452-970 Rio de Janeiro, RJ e-mail: [jfranco, marco, ricardo]@ele.puc-rio.br

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE - FACE DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PROGRAMA DA DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE - FACE DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PROGRAMA DA DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE - FACE DEPARTAMENTO DE ECONOMIA Graduação em Ciências Econômicas TÉCNICAS DE PESQUISA EM ECONOMIA - ECO 132438 1º/2015 Prof

Leia mais

Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais

Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais Samuel da Costa Alves Basilio, Gabriel de Oliveira Machado 1 Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET MG, Unidade

Leia mais

Universidade de São Paulo (USP), Brasil

Universidade de São Paulo (USP), Brasil Aplicação da teoria de redes complexas no estudo de relacionamento entre doenças em casos de óbito do paciente Fernando Sequeira Sousa 1,2, Evandro Eduardo Seron Ruiz 2 1 Faculdade de Filosofia, Ciências

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais

Universidade Federal de Alfenas

Universidade Federal de Alfenas Universidade Federal de Alfenas Algoritmos em Grafos Aula 01 História dos Grafos Prof. Humberto César Brandão de Oliveira Leonhard Euler Em 1735, Euler ganha fama mundial ao resolver um problema que por

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE FLUXO EM GRAFOS

OTIMIZAÇÃO DE FLUXO EM GRAFOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO LEONARDO TERNES SANTOS OTIMIZAÇÃO DE FLUXO EM GRAFOS CURITIBA, MARÇO 2013 LEONARDO TERNES SANTOS OTIMIZAÇÃO DE FLUXO EM GRAFOS Trabalho de graduação,

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

A digitalização da economia veio para ficar!

A digitalização da economia veio para ficar! A digitalização da economia veio para ficar! A proliferação de meios e canais trouxe um mundo de oportunidades, desafios e ameaças. Com este cenário surgem novas demografias e novas personalidades digitais.

Leia mais

Figura 1.1: Representação gráfica das pontes de Königsberg.

Figura 1.1: Representação gráfica das pontes de Königsberg. Capítulo 1 Introdução Nesse capítulo introdutório aborda-se brevemente o histórico da teoria dos grafos, as aplicações e motivações para estudo e por fim algumas dicas de como utilizar esse livro. 1.1

Leia mais

Data de recebimento: 03/10/03. Data de aceite para publicação: 26/01/04. 1

Data de recebimento: 03/10/03. Data de aceite para publicação: 26/01/04. 1 Revista Varia Scientia v. 04, n. 07, p.179-184 ARTIGOS & ENSAIOS Elizabete Koehler 1 Reginaldo Aparecido Zara 2 ALGORITMO PARA CÁLCULO DE DISTÂNCIAS MÍNIMAS EM REDES DE ESCALA LIVRE RESUMO: Muitos sistemas

Leia mais

Análise das redes sociais de estudantes da URCA

Análise das redes sociais de estudantes da URCA XVI Semana de Iniciação Científica e II Semana de Extensão de21 a 26 de outubro de 2013 ISSN: 1983-8174 Universidade Regional do Cariri - URCA- Crato, Ceará Análise das redes sociais de estudantes da URCA

Leia mais

Análise de Redes Sociais aplicadas ao Mercado. Msc. Ícaro Oliveira de Oliveira Especialista em Ciência dos Dados

Análise de Redes Sociais aplicadas ao Mercado. Msc. Ícaro Oliveira de Oliveira Especialista em Ciência dos Dados Análise de Redes Sociais aplicadas ao Mercado Msc. Ícaro Oliveira de Oliveira Especialista em Ciência dos Dados 30/07/2015 A Análise de Redes Sociais se aplica a diferentes áreas da computação, dentre

Leia mais

acebook Analytics Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados através das métricas adequadas.

acebook Analytics Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados através das métricas adequadas. acebook Analytics Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados através das métricas adequadas. 2 INTRODUÇÃO Em um curto espaço de tempo, vimos o Facebook ir do zero ao status de uma das

Leia mais

XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB 2013) GT3 - Mediação, Circulação e Apropriação da Informação.

XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB 2013) GT3 - Mediação, Circulação e Apropriação da Informação. XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB 2013) GT3 - Mediação, Circulação e Apropriação da Informação Pôster DISPERSÃO DA INFORMAÇÃO CIENTÍFICA EM REDES SOCIAIS Sibele Fausto

Leia mais

Sumário. Mineração de Dados aplicada à Gestão de Negócios. 1) Mineração de Dados

Sumário. Mineração de Dados aplicada à Gestão de Negócios. 1) Mineração de Dados Aula 1 Introdução -Mineração de Dados Prof. Dr. Sylvio Barbon Junior barbon@uel.br Sumário 1) Mineração de Dados 1) Atividades Relacionadas; 2) Desafios; 3) Exemplos de aplicativos; 4) Últimos assuntos;

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Complemento de Grafos Mostre que para qualquer Grafo G com 6 pontos, G ou possui um triângulo Considere um vértice v de V(G). Sem perda de generalidade, podemos assumir v é adjacente a outros

Leia mais

PROPRIEDADES DE REDES COMPLEXAS DE TELECOMUNICAÇÕES

PROPRIEDADES DE REDES COMPLEXAS DE TELECOMUNICAÇÕES ARTURO MIRANDA VERA PROPRIEDADES DE REDES COMPLEXAS DE TELECOMUNICAÇÕES Dissertação apresentado à Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo para a obtenção do título de Mestre em

Leia mais

Análise de rede de termos em Sistemas Embarcados através de análise da rede de termos em títulos de trabalhos científicos

Análise de rede de termos em Sistemas Embarcados através de análise da rede de termos em títulos de trabalhos científicos Análise de rede de termos em Sistemas Embarcados através de análise da rede de termos em títulos de trabalhos científicos Jansen Souza, Moacir L. Mendonça Júnior, Alisson V. Brito e Alexandre N. Duarte

Leia mais

O texto deste artigo foi retirado do livro. A Era Kindle: Como Publicar e Lucrar com seu Livro na Amazon

O texto deste artigo foi retirado do livro. A Era Kindle: Como Publicar e Lucrar com seu Livro na Amazon O texto deste artigo foi retirado do livro A Era Kindle: Como Publicar e Lucrar com seu Livro na Amazon O livro está disponível pela Amazon. Baixe a versão completa em: http://www.amazon.com.br/era-kindle-publicar-lucrarebook/dp/b00ecgpjok/

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO RESENHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO RESENHA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO RESENHA TRAVERS, J; MILGRAM, S. An experimental study of the small problem. Sociometry. Vol. 32, Issue 4 (Dec.

Leia mais

Alinhamento estratégico entre Tecnologia da Informação e Negócio: o caso do comércio eletrônico no varejo brasileiro

Alinhamento estratégico entre Tecnologia da Informação e Negócio: o caso do comércio eletrônico no varejo brasileiro Alinhamento estratégico entre Tecnologia da Informação e Negócio: o caso do comércio eletrônico no varejo brasileiro Ana Elisa Bacha Lamounier Depto. de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da

Leia mais

Uma solução completa para sua estrátegia de SOCIAL MEDIA HELLO WORLD!

Uma solução completa para sua estrátegia de SOCIAL MEDIA HELLO WORLD! Uma solução completa para sua estrátegia de SOCIAL MEDIA HELLO WORLD! SocialSuite Rua Claudio Soares, 72-16 andar +55 11 3032 1982 São Paulo - SP Brasil Introdução Esse material foi desenvolvido pela equipe

Leia mais

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB Romero Tori Universidade de São Paulo Escola Politécnica INTERLAB Laboratório de Tecnologias Interativas-USP Instituto Sumaré de Educação Superior rometori@usp.br

Leia mais

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais.

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais. The New Conversation: Taking Social Media from Talk to Action A Nova Conversação: Levando a Mídia Social da Conversa para a Ação By: Harvard Business Review A sabedoria convencional do marketing por muito

Leia mais

Internet e Negócios O que mudou?

Internet e Negócios O que mudou? Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências de Computação SCC0207 - Computadores e Sociedade I - Turma B - 2010 Profa. Graça Nunes Internet e Negócios

Leia mais

1 BENCHMARKS DE INBOUND MARKETING. Benchmarks de Inbound Marketing

1 BENCHMARKS DE INBOUND MARKETING. Benchmarks de Inbound Marketing 1 BENCHMARKS DE INBOUND MARKETING Benchmarks de Inbound Marketing 2 BENCHMARKS DE INBOUND MARKETING INTRODUÇÃO O mundo evoluiu e o comportamento das pessoas mudou. Seja na hora de buscar informações, pesquisar

Leia mais

Sistemas Inteligentes Lista de Exercícios sobre Busca

Sistemas Inteligentes Lista de Exercícios sobre Busca Sistemas Inteligentes Lista de Exercícios sobre Busca 1) A* - Problema do metrô de Paris Suponha que queremos construir um sistema para auxiliar um usuário do metrô de Paris a saber o trajeto mais rápido

Leia mais

KDD E MINERAÇÃO DE DADOS:

KDD E MINERAÇÃO DE DADOS: KDD E MINERAÇÃO DE DADOS: Introdução e Motivação Prof. Ronaldo R. Goldschmidt ronaldo@de9.ime.eb.br rribeiro@univercidade.br geocities.yahoo.com.br/ronaldo_goldschmidt Fatos: Avanços em TI e o crescimento

Leia mais

Parte 4-B Mais Exemplos. (específicos - redes de computadores)

Parte 4-B Mais Exemplos. (específicos - redes de computadores) Parte 4-B Mais Exemplos (específicos - redes de computadores) 1 Exemplos Nível de interconectividade robustez em redes complexas Nível de aplicação rede de emails 2 Resiliência (Robustez) Capacidade da

Leia mais

Passeios de Euler e as pontes de Königsberg

Passeios de Euler e as pontes de Königsberg Passeios de Euler e as pontes de Königsberg João arlos V. Sampaio UFSar sampaio@dm.ufscar.br Königsberg era uma cidade da antiga Prússia, hoje chamada Kaliningrado, na atual Rússia. Na parte central de

Leia mais

FACEBOOK MARKETING: UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS EM RELAÇÃO AO PROCESSO COMUNICATIVO COMO MÍDIA NA REDE SOCIAL

FACEBOOK MARKETING: UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS EM RELAÇÃO AO PROCESSO COMUNICATIVO COMO MÍDIA NA REDE SOCIAL FACEBOOK MARKETING: UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS EM RELAÇÃO AO PROCESSO COMUNICATIVO COMO MÍDIA NA REDE SOCIAL Carolina Reine de Paiva Clemente carolreine@gmail.com Claudia Bordin Rodrigues

Leia mais

Modelos Logísticos e Hierárquicos

Modelos Logísticos e Hierárquicos 1 Modelos Logísticos e Hierárquicos Ernesto F. L. Amaral Magna M. Inácio 30 de setembro de 2010 Tópicos Especiais em Teoria e Análise Política: Problema de Desenho e Análise Empírica (DCP 859B4) REGRESSÃO

Leia mais

GEOMARKETING NA PRÁTICA

GEOMARKETING NA PRÁTICA GEOMARKETING NA PRÁTICA -Casos de sucesso em planejamento, expansão, marketing e inteligência de mercado. CASE LOPES: AVALIE SEU IMÓVEL Novembro 2012 William Rosalen Formado em Geografia pela PUC e especialização

Leia mais

Capítulo 2 Web 2.0 22

Capítulo 2 Web 2.0 22 2 Web 2.0 Uma vez que o presente trabalho está intensamente relacionado à Web 2.0 (muitas tecnologias da mesma são utilizadas pela equipe estudada, que precisam de melhorias), torna-se necessário entender

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

2. Método de Monte Carlo

2. Método de Monte Carlo 2. Método de Monte Carlo O método de Monte Carlo é uma denominação genérica tendo em comum o uso de variáveis aleatórias para resolver, via simulação numérica, uma variada gama de problemas matemáticos.

Leia mais

Proposta de Actividade para desenvolvimento do Trabalho Final: Análise de uma Rede Social

Proposta de Actividade para desenvolvimento do Trabalho Final: Análise de uma Rede Social UNIVERSIDADE DE LISBOA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO Proposta de Actividade para desenvolvimento do Trabalho Final: Análise de uma Rede Social Autor Fernando Miranda MESTRADO EM EDUCAÇÃO TIC E EDUCAÇÃO Análise

Leia mais

Google PageRank: matemática básica e métodos numéricos. Paulo Vasconcelos - CMUP

Google PageRank: matemática básica e métodos numéricos. Paulo Vasconcelos - CMUP Google PageRank: matemática básica e métodos numéricos O PageRank tem entrado progressivamente no nosso dia-a-dia através do motor de busca mais usado actualmente: o Google. Mas, O que significa? É baseado

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534.

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. Bibliografia 88 8 Bibliografia ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. AMBRIOLA, V.; TORTORA, G. Advances in Software

Leia mais

ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA AO GERENCIAMENTO DE EQUIPES

ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA AO GERENCIAMENTO DE EQUIPES ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA AO GERENCIAMENTO DE EQUIPES Jessica Cascareja Savaro (CEFET/RJ) jessica.cascareja@hotmail.com Marcela Viana Bittar Coppio (CEFET/RJ) viana.marcela@yahoo.com.br Rafael

Leia mais

Vamos denominar 1/µ o tempo médio de atendimento de um cliente. Tem-se, então que:

Vamos denominar 1/µ o tempo médio de atendimento de um cliente. Tem-se, então que: Vamos admitir que o tempo de atendimento (tempo de serviço) de clientes diferentes são variáveis aleatórias independentes e que o atendimento de cada consumidor é dado por uma variável S tendo função densidade

Leia mais

1 Tipos de dados em Análise de Clusters

1 Tipos de dados em Análise de Clusters Curso de Data Mining Sandra de Amo Aula 13 - Análise de Clusters - Introdução Análise de Clusters é o processo de agrupar um conjunto de objetos físicos ou abstratos em classes de objetos similares Um

Leia mais

Análise da Produtividade da Rede Social de Computação do Brasil

Análise da Produtividade da Rede Social de Computação do Brasil Análise da Produtividade da Rede Social de Computação do Brasil Jonice O. Sampaio¹, Fabrício F. Faria¹, Ruben A. Perorazio¹, Evelyn C. de Aquino², ¹Programa de Pós-Graduação em Informática (PPGI) Universidade

Leia mais

Táticas de Pesquisa Eficiente em Banco de Dados Kory L. Meyerink, MLS, AG, FUGA Salt Lake City, Utah E-mail: KoryM@comcast.net

Táticas de Pesquisa Eficiente em Banco de Dados Kory L. Meyerink, MLS, AG, FUGA Salt Lake City, Utah E-mail: KoryM@comcast.net Táticas de Eficiente em Banco de Dados Kory L. Meyerink, MLS, AG, FUGA Salt Lake City, Utah E-mail: KoryM@comcast.net Online ou off-line, a pesquisa genealógica moderna exige uma busca eficiente em bancos

Leia mais

Notas de Leitura: Modelos e Métodos para Análise de Redes Sociais

Notas de Leitura: Modelos e Métodos para Análise de Redes Sociais Notas de Leitura: Modelos e Métodos para Análise de Redes Sociais Social networks are fundamental influences on human behavior and conduits for the diffusion of ideas and practices, yet their roles are

Leia mais

Análise da Topologia Social do Dropbox

Análise da Topologia Social do Dropbox Análise da Topologia Social do Dropbox Eduardo Chinelate Costa 1, Leonardo Chinelate Costa 1, Idilio Drago 4, Alex Borges Vieira 1, Artur Ziviani 2, Ana Paula Couto da Silva 3, Jussara M. Almeida 3 1 Departamento

Leia mais

A metodologia ARIMA (Auto-regressivo-Integrado-Média-Móvel),

A metodologia ARIMA (Auto-regressivo-Integrado-Média-Móvel), nfelizmente, o uso de ferramentas tornais de previsão é muito pouco adotado por empresas no Brasil. A opinião geral é que no Brasil é impossível fazer previsão. O ambiente econômico é muito instável, a

Leia mais

A Matemática dos Labirintos

A Matemática dos Labirintos 1/ 113 Escola de Verão de Matemática, Estatística e Computação A Matemática dos Labirintos José Félix Costa 1 1 Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa 14 16 de julho

Leia mais

Oportunidades e Desafios para a Comunicação em Mídias Sociais Virtuais: Um estudo sobre as empresas operadoras de telefonia celular

Oportunidades e Desafios para a Comunicação em Mídias Sociais Virtuais: Um estudo sobre as empresas operadoras de telefonia celular Renata de Sousa-Aguiar Máximo Oportunidades e Desafios para a Comunicação em Mídias Sociais Virtuais: Um estudo sobre as empresas operadoras de telefonia celular Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO TEMPORAL DA TEMPERATURA DO AR NA CIDADE DE PORTO ALEGRE NO PERÍODO DE 1960-2008

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO TEMPORAL DA TEMPERATURA DO AR NA CIDADE DE PORTO ALEGRE NO PERÍODO DE 1960-2008 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO TEMPORAL DA TEMPERATURA DO AR NA CIDADE DE PORTO ALEGRE NO PERÍODO DE 1960-2008 William César de Freitas da Cruz¹ Ricardo Antônio Mollmann Jr. 2 André Becker Nunes 3 1 willcesarcruz@gmail.com

Leia mais

O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira

O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico FAPESP 23/05/2013 desafio-impacto-confap-20130522.pptx; C.H. Brito Cruz e Fapesp 1 Desafios para a

Leia mais

Sistema de Reputação e Ranqueamento para Redes Sociais Aplicado ao Participatório

Sistema de Reputação e Ranqueamento para Redes Sociais Aplicado ao Participatório Sistema de Reputação e Ranqueamento para Redes Sociais Aplicado ao Participatório Daniel Gomes 1, Diego Pasqualin 1, Fabiano Silva 1, Luis C. E. de Bona 1, Mateus Strey 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

Uso da mineração de texto para detecção de usuários influentes no Facebook

Uso da mineração de texto para detecção de usuários influentes no Facebook Uso da mineração de texto para detecção de usuários influentes no Facebook Gustavo Scaloni Vendramini 1, Sylvio Barbon Júnior 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa

Leia mais

Uma análise sobre redes metropolitanas municipais e cidades digitais

Uma análise sobre redes metropolitanas municipais e cidades digitais Uma análise sobre redes metropolitanas municipais e cidades digitais Arthur A. Artoni 1, Bruno B. Zarpelão 2 1 Departmento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) megadets@hotmail.com,brunozarpelao@gmail.com

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

DILEMA DO ENGAJAMENTO E A DINÂMICA DA ATRATIVIDADE EM AMBIENTES DIGITAIS

DILEMA DO ENGAJAMENTO E A DINÂMICA DA ATRATIVIDADE EM AMBIENTES DIGITAIS DILEMA DO ENGAJAMENTO E A DINÂMICA DA ATRATIVIDADE EM AMBIENTES DIGITAIS Marcelo Minutti RESUMO O entendimento do ecossistema social, que suporta o processo de engajamento de indivíduos autônomos em ambientes

Leia mais

Peças para diferentes sites

Peças para diferentes sites Encontre aqui um apanhado de indicadores, estudos, análises e pesquisas de variadas fontes, todas vitais para avaliação e mensuração do desempenho e dos negócios no mundo digital. Confira Aunica The Tagnology

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE E QUALIDADE DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

TESTE DE SOFTWARE E QUALIDADE DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL 1 TESTE DE SOFTWARE E QUALIDADE DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Renato de Oliveira Moraes Faculdades Tibiriçá Lab. de Engenharia de Software - E-mail: renato.moraes@peceptron.com.br Rua Pe Benedito Maria

Leia mais

Análise de Redes. Tradução/compilação: Ana Cristina B. Martes e Mauricio C. Serafim. Curso: Introdução às Ciências Sociais EESP / FGV

Análise de Redes. Tradução/compilação: Ana Cristina B. Martes e Mauricio C. Serafim. Curso: Introdução às Ciências Sociais EESP / FGV Análise de Redes Texto original: Introduction to Social Network Methods de Robert A. Hanneman, Department of Sociology University of California, Riverside. Tradução/compilação: Ana Cristina B. Martes e

Leia mais

Redes Sociais como canal de transferência de conhecimento nas organizações e sistema de suporte à resolução de problemas Estudo de Caso

Redes Sociais como canal de transferência de conhecimento nas organizações e sistema de suporte à resolução de problemas Estudo de Caso + como canal de transferência de conhecimento nas organizações e sistema de suporte à resolução de problemas Estudo de Caso Sérgio Paulino spaulino@f5it.pt + Sumário 2 e Resultados + 3 Necessidade de um

Leia mais

Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação

Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação Rafael Seidi Shigueoka¹, Bruno Bogaz Zarpelão¹ 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970

Leia mais

6 Referência bibliográfica

6 Referência bibliográfica 6 Referência bibliográfica ALLEN, Christopher. The Dunbar Number as a Limit to Group Sizes, 2004. BERTOLINI, S.; BRAVO, G. Social Capital, a Multidimensional Concept, 2004. BOURDIEU, P. The Forms of Capital.

Leia mais