GUILHERME VASCONCELLOS BRANDÃO GUILHERME FERREIRA BIONI E SILVA WAGNER SILVA ESTEVES A AMAZON É UMA REDE SOCIAL?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUILHERME VASCONCELLOS BRANDÃO GUILHERME FERREIRA BIONI E SILVA WAGNER SILVA ESTEVES A AMAZON É UMA REDE SOCIAL?"

Transcrição

1 GUILHERME VASCONCELLOS BRANDÃO GUILHERME FERREIRA BIONI E SILVA WAGNER SILVA ESTEVES A AMAZON É UMA REDE SOCIAL? Trabalho a ser apresentado no 5º Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado, Opinião e Mídia, realizado pela ABEP. SÃO PAULO MARÇO DE 2012

2 RESUMO O artigo introduz alguns conceitos básicos de análise matemática de redes sociais, descrevendo a origem da Teoria dos Grafos, e os conceitos de nós, ligações e medidas de centralidade como grau. Mostra como a Amazon pode ser vista como uma rede social. Discute também em linhas gerais algoritmos de segmentação de redes. Apresenta um estudo de caso de redes de livros vendidos na Amazon e, com base nos dados deste estudo de caso, indica como recomendações e vendas são altamente correlacionadas. ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 2

3 ABSTRACT The paper introduces basic concepts of social networks mathematical analysis, describing the origin of Graph Theory, and concepts such as vertices, edges e centrality measures like degree. It shows how Amazon can be seen as a social network. A brief discussion of segmentation techniques for networks can be used. A case study of books sold I Amazon is presented. Based on data from the case study, it is shown how recommendations and selling are high correlated. ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 3

4 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO TEORIA DOS GRAFOS Conceitos Básicos Redes livres de escala (Scale-Free networks) Redes Sociais A AMAZON COMO UMA REDE SOCIAL uma economia contra-intuitiva Uma rede de livros da Amazon CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 4

5 1. INTRODUÇÃO Nosso texto começa com o genial matemático suíço Leonard Euler em Euler se deparava com o famoso problema das Sete Pontes de Königsberg. A cidade de Königsberg, então pertencente à Prússia (hoje Kaliningrad, na Rússia) situava-se nas duas margens do Rio Pregel, incluindo duas grandes ilhas que eram conectadas uma à outra e às duas margens através de sete pontes. O esquema abaixo, obtido no verbete do Wikipedia relativo às Seven Bridges of Königsberg, descreve a situação: Figura 1 Mapa de Königsberg (1735) com as sete pontes em relevo (Fonte : Wikipedia) O problema consistia em encontrar um caminho pela cidade de tal forma que cada ponte fosse percorrida apenas uma vez. Euler provou que esse problema não tinha solução, mas o que mais nos interessa aqui é que, para estudar a questão, o suíço inventou um novo ramo da matemática: a Teoria dos Grafos. O esquema de prova de Euler produzia a seguinte sequência de passos: Figura 2 Esquema conceitual de Euler para o problema das sete pontes (Fonte : Wikipedia) ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 5

6 Em termos modernos (Teoria dos Grafos), a cada massa de terra se associa um nó (vertice). Assim temos quatro nós: dois para cada margem e dois para cada ilha. A cada ponte corresponde uma ligação (edge). Então temos sete ligações, correspondentes a cada uma das sete pontes. Do mapa à esquerda da Figura 2 resulta o grafo (graph) à direita da mesma Figura 2. ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 6

7 2. TEORIA DOS GRAFOS 2.1 Conceitos Básicos Um grafo pode ser indireto: Figura 3 Grafo Indireto Ou direto: Figura 4 Grafo Direto Ou seja: no grafo direto, as direções importam: a ligação vai, por exemplo, do nó 1 para o nó 2; no grafo indireto, apenas a ligação entre 1 e 2 é apontada, não interessando a direção. Há várias métricas que medem características dos grafos (ver, por exemplo, Newman (2011)). Aqui vai nos interessar apenas o grau (degree) do nó a soma do número de ligações que entram ou saem do nó (in-degree e out-degree). Essa é ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 7

8 uma medida da importância do nó (os mais importantes poderiam ser considerados como hubs da rede): Figura 5 Hubs na Rede rede. Os nós 1 e 2 são de grau 4, podendo assim serem considerados os hubs da O número de fenômenos que podem ser modelados por redes é gigantesco, indo da estrutura de uma organização (que pode ser vista como uma das primeiras aplicações do método, ainda no século XIX ver, por exemplo, Freeman (2004)), passando por estruturas moleculares, redes de pessoas, estudantes dos diversos graus, sexo e idade, até, é claro, redes sociais. O exemplo abaixo ilustra essa capacidade. Trata-se (ver, por exemplo, Hansen et alli (2011)) de uma representação dos personagens do famoso livro Les Misérables, de Victor Hugo, onde a ligação entre os personagens se dá pelo número de vezes em que aparecem juntos na mesma cena no livro: Figura 6 Personagens de Les Misérables ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 8

9 Como se vê na Figura 6, Jean Valjean (Valjean, o maior nó da figura) é o grande hub da rede. Na verdade, o livro trata da biografia de Jean Valjean. Sem ele não haveria nem livro nem rede. Os nós podem ser agrupados por técnicas específicas de clustering para redes ou por métodos de cluster analysis convencionais: Figura 7 Grupos de Personagens de Les Misérables O algoritmo (para uma descrição de métodos de segmentação em redes, ver, por exemplo, Newmann (2011)) determinou três grupos, que, de uma maneira geral, correspondem, como era de se esperar, aos volumes, ou conjunto de volumes, do livro original. Uma descrição dos personagens em cada volume pode ser encontrada na Wikipedia. Uma outra técnica de segmentação de redes é descrita, por exemplo, em Sá Lucas et alli (2010). O leitor interessado pode encontrar várias aplicações de redes em Easley e Kleinberg (2010). Neste texto tratamos apenas de aplicações não probabilísticas e estáticas. O leitor interessado pode encontrar aplicações probabilísticas em Koller e Friedman (2009). Aplicações dinâmicas podem ser estudadas em Barrat et alli (2008). Mais informações podem ser encontradas em Scott e Carrington (2011). ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 9

10 2.2 Redes livres de escala (Scale-Free networks) De uma forma geral, pode-se ter dois grandes tipos de redes: Redes aleatórias (Random Networks): os graus da rede seguem uma distribuição aleatória Redes livres de escala (Scale-Free Networks): a distribuição dos nós da rede segue uma lei potência da forma: Onde k é o número de graus do nó, c uma constante de normalização e γ é um parâmetro que tipicamente se encontra no intervalo 2 < γ < 3. Assim, em uma scale-free network a probabilidade de que o nó tenha um número k de ligações é inversamente proporcional a um parâmetro γ não desprezível. A situação é ilustrada na figura abaixo: Figura 8 Redes aleatórias e livres de escala Na figura à direita (rede livre de escala) existem poucos nós (em preto) de alta centralidade, que muitas vezes são chamados de hubs da rede. Um exemplo comparativo seria, por exemplo, nos Estados Unidos: Rede aleatória: a rede de auto-estradas na maior parte das vezes, se um nó tem algum problema que impede que se passe por ele, pode-se fazer o percurso facilmente através de outros nós; Scale-free network: a rede de caminhos aéreos Houston, Atlanta e Chicago ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 10

11 são, por exemplo, hubs. A queda de um hub desses certamente vai causar sérios transtornos no transporte aéreo americano. No caso de Les Misérables Jean Valjean é um forte hub: sem ele não haveria a rede. Há várias definições alternativas de hub: ver, por exemplo, Sá Lucas et alli (2010). 2.3 Redes Sociais Quando se pensa em rede sociais, as primeiras citações que vêm à cabeça são Facebook, Wikipedia, You Tube, SlideShare, Flickr e assemelhados. Todas essas redes têm em comum, entre outros aspectos, o fato de que as pessoas contribuem para seu conteúdo de forma espontânea e grátis. De igual importância nos rumos que a Web vem tomando são contribuições do tipo crowdsourcing e o saber das multidões (ver por exemplo, Kaden et alli (2012) e Watts(2011)). A idéia básica aqui é que mecanismos onde um grande número de pessoas pode postar suas opiniões permite ao interessado (empresas, agentes governamentais etc) coletar opiniões de um enorme grupo de pessoas. Isso, é claro, permite uma nova abordagem à coleta de dados em pesquisa de mercado, bem como o acompanhamento do buzz (o que se fala dessa empresa, dessa marca etc. nos diversos sites de rede social: blogs, Facebook etc.). ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 11

12 3. A AMAZON COMO UMA REDE SOCIAL uma economia contra-intuitiva Nesse estudo o que nos interessa, no caso da Amazon, é seu caráter de crowdsourcing: Não é a Amazon que fornece a informação mais relevante no site (reviews de livros) (Porter(2008)): o São as pessoas que contribuem com seus comentários que fornecem um dos conteúdos mais importantes do site, sem que sejam pagas por isso. Como aprendemos em Economia, todo o produto tem um preço ( não existe almoço grátis ) mas uma das mais importantes características da Amazon não custa nada (sobre o assunto ver também Tapscott e Williams(2008)); o As pessoas não são administradas o enorme volume de reviews é resultado de contribuições independentes e no seu conjunto fornecem um recurso fundamental da rede; o As pessoas tomam o seu tempo para ajudar na avaliação de livros para ajudar outros internautas que elas nunca viram; o Além do tempo gasto no review as pessoas ajudam a julgar se um determinado comentário foi útil ou não, o que permite ao site reorganizar as recomendações. Vamos tomar como exemplo o livro de Joshua Porter Designing for the Social Web 2008: Figura 9 Uma busca de um livro na Amazon ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 12

13 A figura acima é o resultado da busca na Amazon do livro em questão. Notase que o livro recebeu 21 reviews, em sua maioria positivos (ver quantas estrelas estão ressaltadas). Nota-se também que os preços da edição em papel (paperback) e eletrônica (kindle) são bem assemelhados: o que importa é o conteúdo, não o custo de produção do exemplar do livro. A figura abaixo resume informações sobre os reviews: Figura 10 Resumo das informações sobre os reviews Note que abaixo, à esquerda, temos o review mais útil e favorável, com um percentual de 21 /24= 87,5% de consumidores que acharam o comentário / resenha útil. À direita está o comentário útil mais desfavorável, com 14/14=100% de consumidores considerando o comentário crítico útil. Agora chegamos ao tema central de nosso trabalho - a indicação de quem comprou esse livro comprou também os seguintes livros : Figura 11 Quem comprou esse livro comprou também... ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 13

14 Na parte abaixo da figura são indicados cinco livros que costumam ser comprados por que comprou o livro de Porter. O algoritmo de recomendação da Amazon é, por exemplo, descrito em Linden et alli (2003). Note-se também (parte acima da figura) que a Amazon montou um combo com o livro de Porter mais os dois livros á direita no conjunto de cinco mais associados ao livro que estamos analisando. 3.1 Uma rede de livros da Amazon É possível construir uma rede de livros baseada nas recomendações da Amazon. Aqui os vértices são livros e as ligações são construídas se, a partir de um determinado livro, outros cinco são obtidos pelo algoritmo de recomendação da Amazon. Pretende-se com isso refletir um efeito de influência do meio social na escolha de um determinado livro (quem comprou esse livro comprou também...). Ao se selecionar um livro, não só se identificava, além dos cinco que se relacionavam com ele, a recomendação top-two (quatro ou cinco estrelas) e sua posição nos livros mais vendidos. Essas coletas adicionais tinham por objetivo calcular índices que serão comentados adiante. Para a identificação da rede foram selecionados cerca de 10 a 15 livros ao acaso, relacionados a redes sociais. Cada uma dessas sementes produziu livros selecionados, até que, nessa amostra bola-de-neve, fossem selecionados cerca de 80 livros. É possível encontrar uma aplicação semelhante, baseada em apenas um livro (apenas uma semente) ou em livros políticos, em Krebs (2010). Em nosso estudo os livros foram também classificados em gêneros: 1. Livros genéricos sobre redes sociais Verde 2. Livros sobre marketing - Laranja 3. Livros sobre métricas Azul claro 4. Outros Rosa 5. Otimização de sites para facilitar com que sejam encontrados por métodos de busca (Google, p.ex.) Azul escuro 6. Livros sobre redes sócias específicas (Facebook, Twitter etc.) Marrom 7. Projetos de sites na Web Púrpura 8. Análise matemática de redes sociais Branco pérola ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 14

15 Figura 12 Rede de livros da Amazon, baseada no algoritmo de recomendações Nota-se, como era de se esperar, que os livros se segmentam por categoria (as cores aparecem de uma forma geral sempre juntas. O tamanho dos nós corresponde a uma medida de centralidade (o grau / degree definido anteriormente). Os nós mais centrais (os maiores, ao centro da figura) são: Em verde: o Socialnomics Em laranja o Trust agents o Engage: the complete guide for brands and business to build, cultivate, and measure success in the new Web o The new rules of MKT & PR o Inbound Marketing o Social Media Bible Em púrpura o Social Media Metrics Não foram indicados os rótulos de cada nó por razões óbvias: o grafo ficaria ilegível. De qualquer forma, fica claro que são centrais na amostra os livros de Marketing e que Socialnomics é um livro que, nesse conjunto, se destaca por ser comprado na mesma cesta dos outros. A cesta básica é Social Media Bible, The new rules of MKT & PR, Socialnomics, Engage e Social Media Metrics. ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 15

16 Existem grupos meio independentes, como os livros de análise matemática de redes (branco pérola) e livros genéricos sobre redes sociais (em verde, com exceção de Socialnomics já apontado acima). Finalmente, realizamos uma análise a partir da amostra sobre a relação entre os reviews e a posição no ranking de mais vendidos. Para isso consideramos duas variáveis em cada livro na amostra: A posição no ranking, fornecida pela Amazon Um Índice de performance nos reviews O índice de performance foi calculado da forma: IP = r * ( r / n) Onde: r = número de reviews indicando cinco estrelas para o livro n =número de reviews Assim o IP pode ser encarado como o percentual de reviews com cinco estrelas escalonado pelo número de citações cinco estrelas (para levar em conta a popularidade/boa avaliação absoluta do livro). As duas variáveis seguem uma lei potência (os logaritmos das duas variáveis têm uma relação linear: Figura 13 Lei Potência entre IP e Rank Log(Rank) ,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 Log(IP) O coeficiente de correlação entre os logaritmos das duas variáveis é de -0,64. Outros estudos, como os efetuados por Duncan Watts (Watts(2011)) indicam que recomendações geram compra. Assim podemos assumir que as recomendações no Amazon geram venda. ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 16

17 4. CONCLUSÃO Da apresentação deve ter ficado claro o aspecto de rede social da Amazon. A relação entre recomendações e vendas deve ter ficado evidente. Aliás, isso é algo que se deveria esperar: ao se comprar um carro, é bastante comum que o futuro comprador procure entre pessoas de sua relação (sua rede) recomendações quanto à qualidade, durabilidade, custo de manutenção etc. na compra de um apartamento, é comum o possível comprador informar-se sobre a região onde se localiza o imóvel pretendido O número de situações assemelhadas é enorme. Além disso, essa abordagem introduz na Pesquisa de Mercado um aspecto de suma importância: o ambiente em que as decisões de compra são tomadas. Usualmente isso é levado em consideração de maneira indireta, mas aqui o ambiente de recomendações e as cestas típicas de compra são levadas explicitamente em consideração, o que enriquece enormemente analise. A rede analisada é estática e não probabilista. Nosso próximo passo nessa área será uma abordagem probabilística e dinâmica dos hubs. Uma área que se mostra particularmente interessante aqui é a de modelagem baseada em agentes (ver, por exemplo, Miller e Page (2007)). ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 17

18 5. BIBLIOGRAFIA Barrat, A., Barthélemy, M., Vespignani, A., Dynamical Processes on Complex Networks, Cambridge: Cambridge University Press, Easley, D. e Kleinberg, J., Networks, Crowds and Markets: Reasoning about a Highly Connected World, New York: Cambridge University Press, Freeman, The Development of Social Network Analysis: A Study in the Sociology of Science, Vancouver: Empirical Press, Hansen, D., Shneiderman, B. e Smith, M., Analyzing Social Media with NodeXL: Insights from a Connected World, Burlington: Morgan Kaufman, Kaden, R., Linda, G., e Prince, M., Leading Edge Marketing Research, Thousand Oaks: Sage Publications, Koller, D. e Friedman, N., Probabilistic Graphical Models: Principles and Techniques, Cambridge: The MIT Press, Krebs,V., Your Choices Reveal Who You Are, in Beautiful Visualization, Steele, L. e Iliinsky, N., Beautiful Visualization, Sebastopol: O Reilly, Linden, G., Smith, B. e York, J., Amazon.com Recommendation: Item-to-Item Collaborative Filtering, IEEE Internet Computing, Jan-Feb 2003, pgs Miller, J. e Page, S., Complex Adaptive Systems: an Introduction to Computation Models of Social Life, Princeton: Prinicetion University Press, Newman, M.E., Networks: An Introduction, Oxford: Oxford University Press, Porter, J., Designing for the Social Web, Berkeley: New Riders, Sá Lucas, L., Soares, L. e Lopes, R., Looking for Eric: in Search of Hub Consumers, ESOMAR LATAM Conference, Cartagena, Scott,J. e Carrington, P., editors, The Sage Handbook of Social Network Analysis, Thousand Oaks: Sage Publications, Tapscott, D. e Williams, A., Wikinomics:ow Mass Collaboration Changes Everything, New York: Penguin Group, Watts, D.J., Everything is Obvious, Once you know the Answer, New York: Crown Business, ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 18

19 ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa 19

BC-0506: Comunicação e Redes Leis de Potência

BC-0506: Comunicação e Redes Leis de Potência BC-0506: Comunicação e Redes Leis de Potência Santo André, 2Q2011 1 Leis de Potência Introdução Distribuições de probabilidade Leis de potência e escalas logarítmicas Interpretando as leis de potência

Leia mais

Seis Graus de Separação. Sidney de Castro

Seis Graus de Separação. Sidney de Castro Seis Graus de Separação Sidney de Castro O Mito Urbano Existe um mito urbano que diz que a distância entre dois seres humano no planeta, é de seis pessoas. Na prática podemos afirmar que em média um pacote

Leia mais

Redes Complexas: teoria, algoritmos e aplicações em computação Bloco #6

Redes Complexas: teoria, algoritmos e aplicações em computação Bloco #6 Redes Complexas: teoria, algoritmos e aplicações em computação Bloco #6 `` Scale Free Networks Virgílio A. F. Almeida Outubro de 2009 D d Ciê i d C ã Departamento de Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos Redes de Computadores Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos Introdução Como as coisas estão conectadas? Redes! A network is a set of vertices or nodes provided with

Leia mais

Do princípio da casa dos pombos a computação móvel!

Do princípio da casa dos pombos a computação móvel! Do princípio da casa dos pombos a computação móvel! Instituto de Matemática e Estatística - IME - USP Maio, 2012 Introdução Grafos aleatórios e Redes complexas Redes complexas Redes reais Grafos aleatórios

Leia mais

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Até agora: redes onde unidades eram pessoas ou entidades sociais, como empresas e organizações Agora (Cap 13, 14 e

Leia mais

acebook Analytics Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados através das métricas adequadas.

acebook Analytics Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados através das métricas adequadas. acebook Analytics Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados através das métricas adequadas. 2 INTRODUÇÃO Em um curto espaço de tempo, vimos o Facebook ir do zero ao status de uma das

Leia mais

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Marketing Digital de resultado para Médias e Pequenas Empresas Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados

Leia mais

Grafos. Problema Abstração Modelo Solução

Grafos. Problema Abstração Modelo Solução Prof. Dr. Julio Arakaki www.pucsp.br/~jarakaki (jarakaki@pucsp.br) Depto. 1 Problema Abstração Modelo Solução Problema Real (Muitos) Abstração (Análise do problema) Modelagem (Ferramenta de abstração)

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Coordenadoria de Projetos e Acompanhamento Curricular Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA 1. Unidade

Leia mais

A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF

A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, v.13, Série B. n.3, p. 20-33. A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF Pedro Henrique Drummond Pecly Universidade

Leia mais

PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR

PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR Wesley Humberto da Silva (Fundação Araucária), André Luis Andrade Menolli (Orientador) e-mail: wesleyhumberto11@mail.com

Leia mais

Roteamentos AULA ... META. Introduzir alguns problemas de roteamento. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de:

Roteamentos AULA ... META. Introduzir alguns problemas de roteamento. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Roteamentos AULA META Introduzir alguns problemas de roteamento. OBJETIVOS Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Distinguir circuito euleriano e ciclo hamiltoniano; Obter um circuito euleriano

Leia mais

Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521 Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Análisede links Page Rank Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Motivação Suponha que um modelo clássico, como

Leia mais

Laboratório de Mídias Sociais

Laboratório de Mídias Sociais Laboratório de Mídias Sociais Aula 04 Análise de Rede de Mídias Sociais parte I Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Universidade Federal de Goiás O que é análise de rede de mídias

Leia mais

Análise de Redes Sociais

Análise de Redes Sociais UFRJ COPPE PESC Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Projeto de Pesquisa: Análise

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Redes Sociais

BC-0506: Comunicação e Redes Redes Sociais BC-0506: Comunicação e Redes Redes Sociais Santo André, 2Q2011 1 Agenda Redes Sociais Análise de Redes Sociais Métricas para Análise de Redes Sociais Redes Sociais Online Medições e Análise de Redes Sociais

Leia mais

10 métricas para medir o sucesso do seu canal no Youtube. Tudo o que você precisa saber sobre o maior site de compartilhamento de vídeos do mundo.

10 métricas para medir o sucesso do seu canal no Youtube. Tudo o que você precisa saber sobre o maior site de compartilhamento de vídeos do mundo. 10 métricas para medir o sucesso do seu canal no Youtube Tudo o que você precisa saber sobre o maior site de compartilhamento de vídeos do mundo. Maio de 2014 1 Índice Introdução 03 Hábitos e Comportamento

Leia mais

Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais

Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais Samuel da Costa Alves Basilio, Gabriel de Oliveira Machado 1 Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET MG, Unidade

Leia mais

MATEMÁTICA E TECNOLOGIA: DESENVOLVENDO JOGOS ELETRÔNICOS UTILIZANDO O SCRATCH

MATEMÁTICA E TECNOLOGIA: DESENVOLVENDO JOGOS ELETRÔNICOS UTILIZANDO O SCRATCH MATEMÁTICA E TECNOLOGIA: DESENVOLVENDO JOGOS ELETRÔNICOS UTILIZANDO O SCRATCH Lucas Gabriel Seibert, Rodrigo Dalla Vecchia lucasseibert@hotmail.com, rodrigovecchia@gmail.com ULBRA, Brasil Palavras-chave:

Leia mais

BC-0506:Comunicação e Redes Semana 1: Introdução e Motivação

BC-0506:Comunicação e Redes Semana 1: Introdução e Motivação BC-0506:Comunicação e Redes Semana 1: Introdução e Motivação Santo André, maio de 2011 Roteiro da Aula Apresentação da Disciplina Apresentação do professor Objetivos Ementa Avaliação Cronograma Referências

Leia mais

@ A expansão da web, que. @ Presença cada vez maior do

@ A expansão da web, que. @ Presença cada vez maior do Mídias Sociais Inteligência coletiva Em 1996, a web (1.0) era predominantemente um ambiente de leitura. Só uma pequena fração do conteúdo era criada pelo usuário; Dez anos depois, duas grandes mudanças:

Leia mais

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB Romero Tori Universidade de São Paulo Escola Politécnica INTERLAB Laboratório de Tecnologias Interativas-USP Instituto Sumaré de Educação Superior rometori@usp.br

Leia mais

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Marco Antonio De Grandi, Valter Vieira de Camargo, Edmundo Sérgio Spoto Centro Universitário Eurípides de Marília

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL INTRODUÇÃO Já imaginou ter acesso a dados e estatísticas do website do concorrente? Com alguns aplicativos e ferramentas, isso já é possível. Com ajuda deles, você

Leia mais

Os métodos para a análise de dados categóricos ocupam lugar central nas

Os métodos para a análise de dados categóricos ocupam lugar central nas Lego III: Métodos Estatísticos para Análise de Dados Categóricos (3 créditos) Prof. Carlos Antonio Costa Ribeiro Horário: Quarta-feira, das 13 às 16 horas Consultas: A combinar com o professor Objetivos

Leia mais

1 BENCHMARKS DE INBOUND MARKETING. Benchmarks de Inbound Marketing

1 BENCHMARKS DE INBOUND MARKETING. Benchmarks de Inbound Marketing 1 BENCHMARKS DE INBOUND MARKETING Benchmarks de Inbound Marketing 2 BENCHMARKS DE INBOUND MARKETING INTRODUÇÃO O mundo evoluiu e o comportamento das pessoas mudou. Seja na hora de buscar informações, pesquisar

Leia mais

Palavras Chave: Rede social, Grafo, Digrafo, Relação de amizade, Caminho 1 INTRODUÇÃO

Palavras Chave: Rede social, Grafo, Digrafo, Relação de amizade, Caminho 1 INTRODUÇÃO USANDO O FACEBOOK E APRENDENDO SOBRE GRAFOS Vinicius Schmidt Monego - viniciussm@rocketmail.com Monique Rubenich Nascimento - moniquee.rn@gmail.com Alice de Jesus Kozakevicius - alicek@ufsm.br Resumo.

Leia mais

Receba Dicas Gratuitas para o Seu Negócio

Receba Dicas Gratuitas para o Seu Negócio Aprenda Como Gerar Vendas Através de Seu Blog Saiba Como! Home Sobre Visão Sistema Quem Eu Sou Quem Eu Sou Ferramentas Recomendadas Ferramentas Recomendadas Receba Dicas Gratuitas para o Seu Negócio seu@email.com.br

Leia mais

E-Commerce, Entenda Como Funciona

E-Commerce, Entenda Como Funciona Se fossemos descrever todas as etapas de um e- commerce certamente teríamos que produzir um texto gigantesco abordando as mais diferentes nuances do fascinante mundo do comércio eletrônico. De qualquer

Leia mais

A COMUNICAÇÃO DO DESTINO PORTUGAL A ASCENSÃO DO ONLINE

A COMUNICAÇÃO DO DESTINO PORTUGAL A ASCENSÃO DO ONLINE A COMUNICAÇÃO DO DESTINO PORTUGAL A ASCENSÃO DO ONLINE As pessoas passam mais tempo online do que em todos os outros meios juntos 10,7 horas por dia de consumo total de todos os mídia 5,6 dessas horas

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Rede de Pesquisadores Brasileiros em Ontologia: Uma Análise de Rede Social

Rede de Pesquisadores Brasileiros em Ontologia: Uma Análise de Rede Social Rede de Pesquisadores Brasileiros em Ontologia: Uma Análise de Rede Social Andréa S. Bordin 1, Alexandre Leopoldo Gonçalves 1 1 Departamento de Engenharia e Gestão do Conhecimento Universidade Federal

Leia mais

Sistemas Inteligentes Lista de Exercícios sobre Busca

Sistemas Inteligentes Lista de Exercícios sobre Busca Sistemas Inteligentes Lista de Exercícios sobre Busca 1) A* - Problema do metrô de Paris Suponha que queremos construir um sistema para auxiliar um usuário do metrô de Paris a saber o trajeto mais rápido

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Complemento de Grafos Mostre que para qualquer Grafo G com 6 pontos, G ou possui um triângulo Considere um vértice v de V(G). Sem perda de generalidade, podemos assumir v é adjacente a outros

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

O texto deste artigo foi retirado do livro. A Era Kindle: Como Publicar e Lucrar com seu Livro na Amazon

O texto deste artigo foi retirado do livro. A Era Kindle: Como Publicar e Lucrar com seu Livro na Amazon O texto deste artigo foi retirado do livro A Era Kindle: Como Publicar e Lucrar com seu Livro na Amazon O livro está disponível pela Amazon. Baixe a versão completa em: http://www.amazon.com.br/era-kindle-publicar-lucrarebook/dp/b00ecgpjok/

Leia mais

Grafos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

Grafos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti Grafos Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Teoria dos Grafos e Redes Sociais Veremos algumas das idéias básicas da teoria dos grafos Permite formular propriedades de redes em uma linguagem

Leia mais

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor Novembro 2010 Sobre Insider Buying/Selling Uma das perguntas cuja resposta todo analista ou investidor de ações gostaria de ter se refere à opinião daquelas pessoas

Leia mais

Laboratório de Mídias Sociais

Laboratório de Mídias Sociais Laboratório de Mídias Sociais Aula 02 Análise Textual de Mídias Sociais parte I Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Universidade Federal de Goiás O que é Análise Textual? Análise

Leia mais

Mineração de Opinião / Análise de Sentimentos

Mineração de Opinião / Análise de Sentimentos Mineração de Opinião / Análise de Sentimentos Carlos Augusto S. Rodrigues Leonardo Lino Vieira Leonardo Malagoli Níkolas Timmermann Introdução É evidente o crescimento da quantidade de informação disponível

Leia mais

29 e 30 MAIO. Heloisa Lima Diretora de Mídia e Business Intelligence B!Ferraz PATROCINIO

29 e 30 MAIO. Heloisa Lima Diretora de Mídia e Business Intelligence B!Ferraz PATROCINIO 29 e 30 MAIO Heloisa Lima Diretora de Mídia e Business Intelligence B!Ferraz 29 e 30 MAIO Módulos 5 e 6 # Panorama do Mercado # Negociação e Compra de Mídia Online AVISO! O material impresso dos módulos

Leia mais

Táticas de Pesquisa Eficiente em Banco de Dados Kory L. Meyerink, MLS, AG, FUGA Salt Lake City, Utah E-mail: KoryM@comcast.net

Táticas de Pesquisa Eficiente em Banco de Dados Kory L. Meyerink, MLS, AG, FUGA Salt Lake City, Utah E-mail: KoryM@comcast.net Táticas de Eficiente em Banco de Dados Kory L. Meyerink, MLS, AG, FUGA Salt Lake City, Utah E-mail: KoryM@comcast.net Online ou off-line, a pesquisa genealógica moderna exige uma busca eficiente em bancos

Leia mais

Modelos Logísticos e Hierárquicos

Modelos Logísticos e Hierárquicos 1 Modelos Logísticos e Hierárquicos Ernesto F. L. Amaral Magna M. Inácio 30 de setembro de 2010 Tópicos Especiais em Teoria e Análise Política: Problema de Desenho e Análise Empírica (DCP 859B4) REGRESSÃO

Leia mais

A Influência da Rede de Coautoria no Nível das Bolsas de Produtividade da Área de Engenharia de Produção

A Influência da Rede de Coautoria no Nível das Bolsas de Produtividade da Área de Engenharia de Produção A Influência da Rede de Coautoria no Nível das Bolsas de Produtividade da Área de Engenharia de Produção Ricardo Lopes de Andrade 1, Leandro Chaves Rêgo 1,2 Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Recife

Leia mais

Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais

Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais André Ribeiro da Silva Mário Celso Candian Lobato Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação {arsilva,mlobato}@dcc.ufmg.br

Leia mais

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti. Distribuição Normal

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti. Distribuição Normal Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Distribuição Normal 1. Introdução O mundo é normal! Acredite se quiser! Muitos dos fenômenos aleatórios que encontramos na

Leia mais

STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS

STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS Elton Rabelo (Instituto de Ensino Superior e Pesquisa INESP, MG, Brasil) - eltonneolandia@yahoo.com.br Thiago Magela Rodrigues

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO AMAZONAS ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO EM SOFTWARE LIVRE CONCEITOS E PROJETOS DE BANCO DE DADOS E SQL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO AMAZONAS ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO EM SOFTWARE LIVRE CONCEITOS E PROJETOS DE BANCO DE DADOS E SQL O trabalho consiste na resolução de um exercício e na confecção de um relatório. 17/10/2005 é o último dia para entrega. O trabalho deverá entregue impresso e o seu conteúdo gravado numa mídia. O formato

Leia mais

Sintonia de Controladores PID utilizando Algoritmos Genéticos

Sintonia de Controladores PID utilizando Algoritmos Genéticos Sintonia de Controladores PID utilizando Algoritmos Genéticos J. Franco M. Amaral, M. A. C. Pacheco, R. Tanscheit DEE-PUC-Rio, CP 38063, 22452-970 Rio de Janeiro, RJ e-mail: [jfranco, marco, ricardo]@ele.puc-rio.br

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DAS DISCIPLINAS OPTATIVAS I

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DAS DISCIPLINAS OPTATIVAS I EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1 FACUL DADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMATICA NEGÓGIOS GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ( 68) Teóricas Etapa: 7ª ( ) Práticas Interpretação de Governança e estratégia organizacional:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO 1. INTRODUÇÃO Atualmente a tecnologia vem se desenvolvendo cada vez mais rápido para suprir as necessidades da população.

Leia mais

Atualizado em Março de 2014

Atualizado em Março de 2014 Atualizado em Março de 2014 O Zoom Digital, é um site gerido pela Zoom Serviços, empresa especializada em conteúdo na internet, o portal de tecnologia é atual, dinâmico e interativo tratando de tudo que

Leia mais

IN0997 - Redes Neurais

IN0997 - Redes Neurais IN0997 - Redes Neurais Aluizio Fausto Ribeiro Araújo Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática - CIn Departamento de Sistemas da Computação aluizioa@cin.ufpe.br Conteúdo Objetivos Ementa

Leia mais

FACEBOOK ANALYTICS. Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook

FACEBOOK ANALYTICS. Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook FACEBOOK ANALYTICS Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados através das métricas adequadas. SUMÁRIO 1. Páginas no Facebook

Leia mais

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Marketing Digital de resultado para Médias e Pequenas Empresas Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados

Leia mais

2. Método de Monte Carlo

2. Método de Monte Carlo 2. Método de Monte Carlo O método de Monte Carlo é uma denominação genérica tendo em comum o uso de variáveis aleatórias para resolver, via simulação numérica, uma variada gama de problemas matemáticos.

Leia mais

MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES

MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES FOZ DO IGUAÇU 2013 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO: Fundamentos da Computação CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: Sistemas Embarcados CÓDIGO: 4613R CRÉDITOS: 04 CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula VALIDADE: a partir de 2008/2

Leia mais

O papel das plataformas digitais na construção do posicionamento das marcas. Eduardo Godoy - diretor de planejamento

O papel das plataformas digitais na construção do posicionamento das marcas. Eduardo Godoy - diretor de planejamento O papel das plataformas digitais na construção do posicionamento das marcas Eduardo Godoy - diretor de planejamento Foco em pequenas e médias empresas Núcleos de atuação com marketing digital O que vamos

Leia mais

Legados da Geração Y. Edson Fregni Sciere Conhecimento e Transformação. CIAB Febraban 2010

Legados da Geração Y. Edson Fregni Sciere Conhecimento e Transformação. CIAB Febraban 2010 CIAB Febraban 2010 Legados da Geração Y A importância do CONHECIMENTO, e sua promoção na sociedade e nas empresas 1 Edson Fregni Sciere Conhecimento e Transformação Síntese A geração Y é diferente e exigente

Leia mais

Monitoramento de Redes Sociais

Monitoramento de Redes Sociais Monitoramento de Redes Sociais O QlikBrand é uma ferramenta profissional para monitoramento de mídias sociais e o primeiro "Social Mídia Discovery" com Qlikview. Localiza menções nas mídias sociais, interage

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE FLUXO EM GRAFOS

OTIMIZAÇÃO DE FLUXO EM GRAFOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO LEONARDO TERNES SANTOS OTIMIZAÇÃO DE FLUXO EM GRAFOS CURITIBA, MARÇO 2013 LEONARDO TERNES SANTOS OTIMIZAÇÃO DE FLUXO EM GRAFOS Trabalho de graduação,

Leia mais

UMA PROPOSTA CONCEITUAL PARA A MEDIDA DO GRAU DE COMPETITIVIDADE DE UMA EMPRESA

UMA PROPOSTA CONCEITUAL PARA A MEDIDA DO GRAU DE COMPETITIVIDADE DE UMA EMPRESA UMA PROPOSTA CONCEITUAL PARA A MEDIDA DO GRAU DE COMPETITIVIDADE DE UMA EMPRESA A CONCEPTUAL PROPOSAL TO MEASURE THE COMPETITIVENESS DEGREE OF A COMPANY Wagner Cezar Lucato, M.Sc Doutorando em Engenharia

Leia mais

Geração de Leads por Meio de Landing Pages. Tiago Flores Dias

Geração de Leads por Meio de Landing Pages. Tiago Flores Dias Geração de Leads por Meio de Landing Pages Tiago Flores Dias Tiago Flores Dias blog: http://tiagofloresdias.com.br twitter: @tiagofloresdias O Que é Web Analytics? Web analytics é o processo de medição,

Leia mais

Melhor Comunicação com o serviço UCoIP. Uma nova visão da Identidade Corporativa

Melhor Comunicação com o serviço UCoIP. Uma nova visão da Identidade Corporativa Melhor Comunicação com o serviço UCoIP Uma nova visão da Identidade Corporativa O que irá aprender A Importância do novo conceito UCoIP nas comunicações empresariais de amanhã. Um único endereço para todas

Leia mais

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Guia completo de como criar uma Página no Facebook Como começar Criando uma Página Conhecendo a Página Configurações iniciais Estabelecendo conversas Autor Felipe Orsoli

Leia mais

Notas de Leitura: Modelos e Métodos para Análise de Redes Sociais

Notas de Leitura: Modelos e Métodos para Análise de Redes Sociais Notas de Leitura: Modelos e Métodos para Análise de Redes Sociais Social networks are fundamental influences on human behavior and conduits for the diffusion of ideas and practices, yet their roles are

Leia mais

VCA Treinamento em Algoritmo

VCA Treinamento em Algoritmo Conteúdo VCA Treinamento em Algoritmo VCA Treinamento em Algoritmo Conteúdo Algoritmos Rastreador (tracker) Monitoramento Objeto Abandonado/Removido Pessoas Calibração Classificação Linha de contagem Auto

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: O QUE É E COMO SE FAZ

PROJETO DE PESQUISA: O QUE É E COMO SE FAZ I PROJETO DE PESQUISA: O QUE É E COMO SE FAZ O projeto de pesquisa é elaborado para informar sobre e explicar a pesquisa que se pretende realizar, constituindo-se no mapeamento do caminho que será percorrido

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCENDFMT01 EXEMPLO DE APLICAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A SOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE FÍSICA E MATEMÁTICA Erielson Nonato (1) e Pedro Luiz Christiano (3) Centro de Ciências Exatas e da Natureza/Departamento

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre. Apresentação Março de de 2011

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre. Apresentação Março de de 2011 Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Apresentação Março de de 2011 Sobre o Tekimobile... O Tekimobile é um blog que fala sobre tecnologia e teve sua origem em Abril de 2009. Embora falamos sobre

Leia mais

INBOUND MARKETING FAÇA SUA EMPRESA GERAR RESULTADOS REAIS COM MARKETING DIGITAL

INBOUND MARKETING FAÇA SUA EMPRESA GERAR RESULTADOS REAIS COM MARKETING DIGITAL INBOUND MARKETING FAÇA SUA EMPRESA GERAR RESULTADOS REAIS COM MARKETING DIGITAL Olá! Preparamos este material para explicar o que é a metodologia de Inbound Marketing, que também chamamos de Marketing

Leia mais

Preciso anunciar mais...

Preciso anunciar mais... Na maioria dos projetos que participamos, temos certeza de que quando o empreendedor inicia um trabalho de CRM, ele busca sempre é por uma vantagem competitiva: uma equipe de vendas mais eficiente, processos

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

PARADIGMAS DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL EM JOGOS ELETRÔNICOS

PARADIGMAS DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL EM JOGOS ELETRÔNICOS PARADIGMAS DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL EM JOGOS ELETRÔNICOS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Késsia Rita da C. Marchi¹, Jaime William Dias¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil joaoabrodrigues@outlook.com

Leia mais

ANEXO I Sumário Manual de Preços e Serviços Digitais

ANEXO I Sumário Manual de Preços e Serviços Digitais Sumário 1 -LANDING PAGE...2 1.1)Layout, texto e produção do HTML...2 2 -MÍDIA...2 2.1)Planejamento de mídia...2 2.2)Criação das Campanhas...2 2.3)Mensuração dos resultados...2 2.4)Criação e Produção das

Leia mais

Parte 4-B Mais Exemplos. (específicos - redes de computadores)

Parte 4-B Mais Exemplos. (específicos - redes de computadores) Parte 4-B Mais Exemplos (específicos - redes de computadores) 1 Exemplos Nível de interconectividade robustez em redes complexas Nível de aplicação rede de emails 2 Resiliência (Robustez) Capacidade da

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

Análise das redes sociais de estudantes da URCA

Análise das redes sociais de estudantes da URCA XVI Semana de Iniciação Científica e II Semana de Extensão de21 a 26 de outubro de 2013 ISSN: 1983-8174 Universidade Regional do Cariri - URCA- Crato, Ceará Análise das redes sociais de estudantes da URCA

Leia mais

Comparação entre as Técnicas de Agrupamento K-Means e Fuzzy C-Means para Segmentação de Imagens Coloridas

Comparação entre as Técnicas de Agrupamento K-Means e Fuzzy C-Means para Segmentação de Imagens Coloridas Comparação entre as Técnicas de Agrupamento K-Means e Fuzzy C-Means para Segmentação de Imagens Coloridas Vinicius Ruela Pereira Borges 1 1 Faculdade de Computação - Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Motivação Programar? Prof. Alberto Costa Neto Programação em Python

Motivação Programar? Prof. Alberto Costa Neto Programação em Python Motivação Programar? Prof. Alberto Costa Neto Programação em Python Computadores querem ser úteis Computadores são construídos com um único propósito fazer coisas para nós Próximo comando? Mas precisamos

Leia mais

KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais

KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais INTRODUÇÃO Em plena era 2.0 é imprescindível que as empresas estejam presentes na

Leia mais

Vera F. Rezende Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo- UFF. Todas as cidades são comuns, complexas e diversas. Esse é o argumento que

Vera F. Rezende Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo- UFF. Todas as cidades são comuns, complexas e diversas. Esse é o argumento que Ordinary Cities: Between Modernity and Development Jennifer Robinson New York: Routledge, 2006, 204 p. Vera F. Rezende Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo- UFF Todas as cidades são comuns,

Leia mais

Data de recebimento: 03/10/03. Data de aceite para publicação: 26/01/04. 1

Data de recebimento: 03/10/03. Data de aceite para publicação: 26/01/04. 1 Revista Varia Scientia v. 04, n. 07, p.179-184 ARTIGOS & ENSAIOS Elizabete Koehler 1 Reginaldo Aparecido Zara 2 ALGORITMO PARA CÁLCULO DE DISTÂNCIAS MÍNIMAS EM REDES DE ESCALA LIVRE RESUMO: Muitos sistemas

Leia mais

Você sabe a regra de três?

Você sabe a regra de três? Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação Eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit Você sabe a regra de três?

Leia mais

TWITTER COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE UMA TURMA DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ll

TWITTER COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE UMA TURMA DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ll 1 TWITTER COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE UMA TURMA DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ll Jefferson de Oliveira Balduino 1 Karine Lôbo Castelano 2 Jame de Oliveira Balduino

Leia mais

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO MARKETING EM REDES SOCIAIS Bruna Karine Ribeiro Simão Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus Nova Andradina bruna_simao@hotmail.com Rodrigo Silva Duran Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus

Leia mais

Análise de Redes. Tradução/compilação: Ana Cristina B. Martes e Mauricio C. Serafim. Curso: Introdução às Ciências Sociais EESP / FGV

Análise de Redes. Tradução/compilação: Ana Cristina B. Martes e Mauricio C. Serafim. Curso: Introdução às Ciências Sociais EESP / FGV Análise de Redes Texto original: Introduction to Social Network Methods de Robert A. Hanneman, Department of Sociology University of California, Riverside. Tradução/compilação: Ana Cristina B. Martes e

Leia mais

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Usando Ferramentas de Busca

Usando Ferramentas de Busca Web Marketing Usando Ferramentas de Busca Marcelo Silveira Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br 1 Conhecendo o cenário de pesquisas na Internet Este capítulo apresenta uma visão geral sobre

Leia mais

SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL. Expositor. Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com.

SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL. Expositor. Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com. SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL Expositor Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com.br (61) 9613-6635 5 PILARES DO MARKETING DIGITAL 1 2 3 4 5 Presença digital: Ações

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais