Processos de Singularização e Experimentações na Produção de Videopoesia no Contexto Educacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processos de Singularização e Experimentações na Produção de Videopoesia no Contexto Educacional"

Transcrição

1 Processos de Singularização e Experimentações na Produção de Videopoesia no Contexto Educacional ROSO, Adriane 1 Universidade Federal de Santa Maria - UFSM ROMANINI, Moises 2 Universidade Federal de Santa Maria - UFSM RESUMO Apresentar o resultado de uma proposta de ensino que envolve o uso do recurso de produção de vídeopoemas. O uso dos recursos didáticos visou desenvolver o interesse dos discentes sobre a temática da disciplina, bem como capacitar os discentes a ampliar abordagens alternativas no campo da expressão pessoal e da psicologia social. Diversos recursos foram preparatórios para a produção final de vídeopoesias: aula expositivodialogada preparadas pela professora e por discentes; análise de vídeos produzidos por alunos externos à instituição; análise de documentários; leitura de hipertextos; desenho não-visual; discussão sobre de vídeos produzidos por professores externos à instituição; análise de caso clínico; e análise de propagandas na mídia. Os vídeospoesias criados pelos discentes sintetizaram o conteúdo da disciplina, cujo foco teórico é a esquizoanálise, mas não se resumiram como conteudistas. O envolvimento dos alunos na produção dos vídeos foi significativo. Treze alunos e mais a professora participaram da produção, gerando um total de cinco vídeos. A avaliação da disciplina foi extremamente positiva e os vídeopoesias já foram apresentados em um dos eventos dirigidos à categoria profissional psicólogos. Palavras-Chave: Psicologia Social; Educação; Videopoesia A comunicação é uma atividade vital ao ser humano, a qual tem se modificado ao longo dos anos. Se na pré-história os humanos se comunicavam basicamente por sinais, na pós-modernidade, a comunicação é atravessada por algo antes impensável: as novas 1 Professora Adjunta do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Maria UFSM. Líder do Grupo de Pesquisa Saúde, Minorias Sociais e Comunicação. 2 Psicólogo, Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Bolsista CAPES. 79

2 tecnologias de informação e comunicação. Cada vez mais, as relações humanas são influenciadas e modificadas por aparatos tecnológicos e midiáticos: telefonia móvel, computadores, ipod, etc. Há quase um senso de conformidade quanto a isso, como se não pudéssemos resistir ao poder das grandes mídias. No entanto, os receptores não são de forma alguma passivos claro que há um movimento intenso por parte dos grandes agentes midiáticos para que isso aconteça a recepção é sempre uma atividade. Como salienta Thompson (1998) No processo de recepção, os indivíduos usam as formas simbólicas para suas próprias finalidades (...). Mesmo que os indivíduos tenham pequeno ou quase nenhum controle sobre os conteúdos das matérias simbólicas que lhe são oferecidas, eles os podem usar, trabalhar e reelaborar de maneira totalmente alheias às intenções ou aos objetivos dos receptores (THOMPSON, 1998, p.42) À psicologia, o estudo da produção e recepção das formas simbólicas (mensagens, imagens, etc.) é de grande importância, em especial à psicologia social. O psicólogo social Serge Moscovici (1972) vai nos dizer que um dos objetos central e exclusivo da psicologia social deve ser o estudo de tudo aquilo que é pertinente à comunicação do ponto de vista da sua estrutura, da sua gênese e da sua função. (...) (p.55). No presente relato, nos interessa pensar na possibilidade de, ou na tentativa de, andar no contra-fluxo das produções objetificantes. Neste contra-fluxo encontra-se a poesia um modo peculiar e criativo de comunicação. Nosso olhar se dirige à produção alternativa de formas simbólicas midiatizadas a videopoesia. A videopoesia - também denominada, videpoema, cyberpoesia, poesia artificial, poesia digital, tecnopoesia, poesia eletrônica ou clipe poemas - entra em cena justamente como um recurso novo nas relações humanas, nos processos comunicacionais e na Educação, salientando-se que a videopoesia não é empreendimento novo. Melo e Castro, por exemplo, criou uma videopoesia em Roda Lume (veja FERREIRA, 2004). Todavia, com a crescente facilidade de acesso à internet, cada vez mais torna-se viável que as pessoas comuns (não-poetas oficilizados) encontrem no espaço cyber novas possibilidades de expressão. Como salienta Lima 80

3 Como toda produção veiculada pela internet, os videopoemas não são produzidos, necessariamente, por poetas sofisticados e intelectuais. A internet, não se pode esquecer, é o lugar do cidadão comum, mediano. Assim, os videopoemas, além de possuírem características técnicas diferentes, também abrangem desde a arte abstrata até a expressão singela e ingênua com palavras, sons e imagens das pessoas comuns (teoricamente não-poetas). O vídeopoema possui muito da ludicidade do poema tradicional com as palavras e do movimento icônico do videoclip musical. (LIMA, 2004, p.6) Não é nosso intuito empreender uma análise de videopoesias 3 neste relato de experiência. Queremos aqui desenhar novas possibilidades de enriquecimento não somente do processo de ensino mas do complexo comunicacional humano, de modo a estimular a produção de singularidades. Por singularização entendemos os processos disruptores no campo da produção do desejo: movimentos de protesto do inconsciente contra a subjetividade capitalística, através da afirmação de outras maneiras de ser, outras sensibilidades, outra percepção etc. Pode ser pensado como uma relação de expressão e de criação, na qual o indivíduo se reapropria dos componentes da subjetividade (GUATTARI e ROLNIK, 2005, p.42). Usar a elaboração de videopoesia em sala de aula rompe com o trabalho individualindividualizante, pois facilita, como diz Ferreira (2004), a ruptura com antigos pressupostos, onde o trabalho coletivo ganha maior destaque e o conceito de autoria se modifica devido ao fato de que na arte interativa, o texto passa a ser obra em devir. Portanto, as questões envolvendo as novas tecnologias indicam um movimento ascendente da poesia rumo à interatividade (FERREIRA, 2004, p. 42). Videopoemas são objetos híbridos que aglutinam som, imagem e palavras e podem ser veiculadas em suportes como vídeo-cassete, DVD ou computador, desse modo conseguem inserir na tela o objeto poético. (MACHADO, 2007). Eles são exemplos de que tecnologia e arte podem caminhar juntas numa troca de recursos cada vez mais visível e dinâmica. Trabalhar com a tecnologia para além da questão do utilitário ou do previsto, conseguir com a máquina resultados para os quais ela não está, a priori, programada (FERREIRA, 2004, p.43) 3 Para tal, consulte Ferreira (2004) e Santos & Justino (2009). 81

4 Trabalhar com este objetivo é partir do pressuposto que a prática pedagógica não deve se apoiar em uma educação bancária (no sentido Freiriano); muito pelo contrário, ela deve ser expressão da luta dos seres humanos em busca de sua humanização e liberdade e da luta cotidiana pela tomada de consciência de sua condição, numa realidade concreta, socialmente construída, e que necessita ser superada (ROZENDO, CASAGRANDE, SCHNEIDER & PARDINI, 1999). Defendemos que um dos caminhos para a tomada de consciência pode ser através das novas possibilidades de criação. Cientes de que a realidade virtual não é uma réplica da realidade material, mas uma possibilidade de problematizarmos e repensarmos todas as nossas relações com o reino do simbólico e com aqueles tradicionais conceitos binários como mente/corpo, sujeito/objeto, material/imaterial (LIMA, 2004, p.4), o uso do termo videopoesia para nós será utilizado como sinônimo de poiesis, de criação no sentido lato mas também extensivo, como proposto por Adolfo Montejo Navas,. O termo aplica-se melhor a toda invenção de linguagem (de construção de formas) e de leitura das coisas (a cosmovisão de mundo, do real), além de ser mais abrangente e aplicável ao universo plural de registros e suportes da arte e da poesia. Ele se orienta mais para a poesia no sentido de leitura não alienada das coisas, para outra linguagem fora do reificado, do recalcado (NAVAS, 2008). De fato, como assinala Lima, fazer poesia pode significar muito mais do que escrever poemas em folhas de papel, já que o videopoeta recriará seu texto com os recursos digitais do computador e será seu próprio editor e distribuidor, agregando ao seu trabalho elementos do espetáculo, do show, da performance, isto é, elementos da corporeidade (LIMA, 2004). No presente texto relatamos o resultado de uma proposta de ensino que envolve o uso do recurso de produção de vídeopoesia na disciplina PSI -141 Subjetividade e Clínica, pertencente à grade curricular do curso de graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Maria -UFSM. O uso dos recursos didáticos visou concretamente desenvolver o interesse dos discentes sobre a temática da disciplina, bem como capacitar os discentes a ampliar abordagens alternativas em psicologia. Todavia, a meta subjacente à atividade foi como salientamos anteriormente, estimular a produção de singularidades. 82

5 A disciplina é cursada por alunos do oitavo semestre e, de modo geral, nela são ministrados conteúdos que não são desenvolvidos nos semestres anteriores. O conteúdo programático da disciplina versa sobre conhecimento psicológico, modernidade, pósmodernidade e globalização; a clínica e o social; a noção de sujeito e a subjetividade; a crise do paradigma científico dominante; novas perspectivas teóricas em psicologia. O foco teórico da disciplina é a Esquizoanálise. A esquizoanálise é uma concepção da realidade em todas suas superfícies, processos e entes, e também nas suas individuações inventivas como acontecimentos-devires. Para esta concepção, a produção e o desejo revolucionários são imanentes entre si e produtores de toda a realidade. Consiste em uma ampla leitura da realidade, tanto natural, quanto social, subjetiva e industrial-tecnológica, assim como de uma realidade "outra", pluripotencial e imperceptível. Essa abordagem propõe uma série de dispositivos e de procedimentos para a transformação do mundo e trabalha com todas as agrupações e práticas humanas inventivas e mutativas. (FUNDAÇÃO GREGORIO BAREMBLITT - INSTITUTO FELIX GUATTARI, 2010). Os alunos demonstram resistência em aprender sobre essa nova perspectiva em psicologia, pois, segundo informações colhidas dos alunos, a Esquizoanálise é difícil de ser entendida e os professores não apresentam a perspectiva. Ciente disso, pensamos que a disciplina podiria, frente às resistências já antecipadas, também servir como uma linha de fuga. O Processo de Produção de Videopoemas Diversos recursos foram preparatórios para a produção de vídeopoesias: aula expositivo-dialogada preparadas pela professora e por discentes; análise de vídeos produzidos por alunos externos à instituição; análise de documentários; leitura de hipertextos; produção de desenhos; discussão sobre vídeos produzidos por pessoal externos à instituição; análise de caso clínico; e análise de propagandas na mídia. Nenhum dos discentes havia produzido videopoesia anteriormente. Foi, sem dúvida, uma atividade desafiadora para todos, inclusive para a docente. Considerando que assistir a um vídeo-poema é uma forma de aprendizado mais eficiente do que ler uma exposição teórica e uma descrição detalhada sobre o mesmo (LIMA, 2004, p.10), além 83

6 dos movimentos preparatórios supracitados, foram selecionados aleatoriamente alguns videopoesias que circulavam online, como por exemplo The Arch (http://cidca47fac15ba71354.office.live.com/self.aspx/v%c3%addeos/the%20arch.wmv) e Clarice Lispector (http://cidca47fac15ba71354.office.live.com/self.aspx/v%c3%addeos/v%c3%ad%c2%addeopoe ma%20clarice%20lispector.wmv ). A produção da videopoesia foi feita em grupos, com a orientação da professora. Os vídeospoesia foram produzidos utilizando o Windows Movie Maker como operador. Aos discentes foi dada a liberdade de produzirem o que e como desejassem; não foi imposto nenhum limite à criação, pois acreditávamos que esse seria o modo mais genuíno de propiciar a produção de singularidade, em um contexto que é permeado pelo poder disciplinar. Os alunos assinaram um termo de autorização do uso de imagens que versa sobre utilização dos vídeos produzidos com o desígnio de pesquisa e ensino, sem fins lucrativos. Deste modo, os vídeos foram publicados online de modo que eles sirvam como produções midiáticas alternativas. Inventando Novos Modos de Ser Discente Os vídeospoesias criados pelos discentes sintetizaram o conteúdo da disciplina. O envolvimento dos alunos na produção dos vídeos foi significativo. Treze alunos e mais a professora participaram da produção dos vídeos, gerando um total decinco vídeos, que foram intitulados: (a) Psicopoiese - Vidas em Construção (b) Era uma vez, (c) SingulariZAR, (d) Cotidiano Frenético e (e) Sem Título. Os alunos que livremente não participaram dessa atividade, produziram artigos teóricos e práticos sustentados nas temáticas da disciplina. A criatividade foi um elemento marcante nos videopoemas. Embora o conteúdo da disciplina fosse o mesmo para todos os alunos, cada vídeo foi único. Como lembra Deleuze (2004) a criatividade, assim como outras características próprias do trabalho imaterial, inscreve-se no próprio sistema capitalista, mas também podem representar possibilidades de singularização, o que pode ficar compreensível na visualização dos videopoemas disponíveis em https://cid- 84

7 ca47fac15ba71354.office.live.com/browse.aspx/subjetividade%20e%20cl%c3%adnica?move=ca47fac15ba71354!454&sid=ca47fac15ba71354!354&iscopy=0 A avaliação da disciplina foi extremamente positiva e os vídeopoesias já foram apresentados em um dos eventos dirigidos à categoria profissional psicólogos. A idéia é que essas vídeopoesias possam circular no meio acadêmico e extra-acadêmico, estimulando estratégias de ensino-aprendizagem alternativas, que acompanhem os interesses e habilidades pós-modernos dos discentes que vivem os adventos midiáticos. Os vídeos foram apresentados no Sarau Cultural realizado em comemoração ao Dia do psicólogo, quando mais de cinqüenta pessoas puderam assistir uma produção diferenciada em psicologia. Também os videopoemas produzidos foram usados ao longo do semestre em outra disciplina do curso, servindo como estímulo para o pensar e para a produção de novos videopoemas. Ao assistirem os vídeos dos colegas, a turma (com exceção de 3 alunas) optaram por também realizar uma construção singular. É preciso ser dito que com a reforma curricular do curso de Psicologia, que entrou em vigor em março deste ano, essa disciplina deixou de existir. Esta era uma disciplina que, em seu conteúdo programático, abria um espaço (formal) para esse tipo de discussão. O formal espraiamento de expressões criativas através de uma disciplina acadêmica foi, por ora, coarctado. Conclui-se que educar na pós-modernidade significa que o educador poderá continuar a ser um grande protagonista na criação de novas possibilidades de se viver, de se pensar, de desejar ter prazer enquanto um ser integral e não dicotômico, mesmo que as etiquetas institucionais continuem sendo aplicadas sob o seu fazer. Pelo lado do educando, ao produzir e apresentar aos colegas e ao público seu videopoema, ele está (re)contando a sua experiência discente de um modo singular, com recursos audiovisuais que capturam o receptor de uma maneira também singular. No momento do encontro com o Outro, os vídeopoemas possibilitam uma releitura da experiência do Outro e de (re)invenção de mundos. Com certeza, é preciso retomar, para finalizar por ora, que corremos o risco de uma adesão alienada à realidade virtual, esquecendo-se dos jogos de poder e dos processos inescrupulosos na manipulação dessas novas linguagens e tecnologias (LIMA, 2004). Devemos estar atentos para que o uso de videopoemas não seja usado para manipular, 85

8 mas, sim, como mais um recurso para estimular os processos de singularização, que não se resumem à produção de mídias, já que são complexos e multifacetados. Ao postar os videopoemas produzidos pelos discentes fazemos uma aposta na afirmação de Guareschi (2001), que Uma nova comunicação é possível. Se não temos espaço para postar e escrever aquilo que pensamos ser justo e ético nas grandes mídias de massa, por que não reverberar no cyberspace nossas concepções de mundo via videopoesia? REFERÊNCIAS DELEUZE, Gillies. Conversações: São Paulo: Ed. 34, 2004ª FERREIRA,Ana Paula. Videopoesia: uma poética da intersemiose. Em Tese, v. 8, p , dez., FUNDAÇÃO GREGORIO BAREMBLITT - INSTITUTO FELIX GUATTARI. Glossário. Esquizoanálise. Belo Horizonte, Disponível em GUARESCHI, Pedrinho A. (Org.). Uma nova comunicação é possível. Mídia, ética e política. Porto Alegre: Evangraf, GUATTARI, Félix e ROLNIK, Suely. Micropolítica : cartografias do desejo. 7.ed. revis. Petrópolis: Vozes, LIMA, Luciano Rodrigues. O vídeo-poema como performance: Movimento e corporeidade virtual da palavra. Tabuleiro das Letras, n.1., Disponível em MACHADO, Arlindo. Arte e mídia. (Coleção Arte Mais). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, MOSCOVICI, S. Society and theory in social psychology. In: J. ISRAEL & H. TAJFEL (orgs.), The context of social psychology. London, Academic Press,1972. p

9 NAVAS, Adolfo Montejo (2007). Para uma razão da poiesis. In ANDRE_VALLIAS, FRIEDRICH_W_BLOCK, Navas, Adolfo_MONTEJO (Orgs.). POIESIS : POEMA ENTRE PIXEL E PROGRAMA : exposição internacional de poesia, pp Rio de Janeiro : Instituto Tele. Disponível em Acesso em: 15 março de ROZENDO, C.A.; CASAGRANDE, L.D.R.; SCHNEIDER, J.F.; PARDINI, J.C. Uma análise das práticas docentes de professores universitários da área de saúde. Rev.latinoam.enfermagem, Ribeirão Preto, v. 7, n. 2, p , abril SANTOS, Andreia da Silva & JUSTINO, Luciano B. Nome: a inter-relação entre poesia e meios de comunicação eletrônicos. Anais do XIII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e IX Encontro Latino Americano de Pós-Graduação Universidade do Vale do Paraíba, Disponível em Acesso em: 15 março THOMPSON, John B. A mídia e a modernidade. Uma teoria social da mídia. Petrópolis: Vozes,

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO Eixo Temático: Processos organizativos, comunidades e práticas sociais Autores: Manoela Lage UERJ (manoelalage@yahoo.com.br)

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

GRUPO DE GESTANTES E CASAIS GRÁVIDOS: PARCERIA DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM E HOSPITAL UNIVERSITÁRIO/ UFSC

GRUPO DE GESTANTES E CASAIS GRÁVIDOS: PARCERIA DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM E HOSPITAL UNIVERSITÁRIO/ UFSC GRUPO DE GESTANTES E CASAIS GRÁVIDOS: PARCERIA DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM E HOSPITAL UNIVERSITÁRIO/ UFSC Área Temática: Saúde. Atenção Integral à saúde da mulher Maria de Fátima Mota Zampieri - coordenador

Leia mais

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos.

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos. SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA FUTUROS PROFESSORES DE QUÍMICA Joycyely Marytza de Araujo Souza Freitas 1 Reneid Emanuele Simplicio Dudu 2 Gilberlândio Nunes da Silva 3 RESUMO Atualmente a informática e a

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Iolene Mesquita Lobato Universidade Federal de Goiás Comunicação Formação e profissionalização docente O presente trabalho

Leia mais

A tutoria na Educação a Distância

A tutoria na Educação a Distância XII Workshop NPT em Educação a Distância A tutoria na Educação a Distância AMALI DE ANGELIS MUSSI UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA UEFS 06 de novembro de 2015 TUTORIA... QUANDO PENSAMOS EM PRÁTICAS

Leia mais

Oficinas Temáticas: A Potência da Psicologia em um Projeto Educacional de uma ONG

Oficinas Temáticas: A Potência da Psicologia em um Projeto Educacional de uma ONG Oficinas Temáticas: A Potência da Psicologia em um Projeto Educacional de uma ONG Thiago Colmenero Cunha (bolsista PIBEX) colmenerocunha@gmail.com Instituto de Psicologia 10 período Lara Soutto Mayor Vieira

Leia mais

METODOLOGIA PARA CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA EAD: DO PLANO DE ENSINO AO ROTEIRO DE TUTORIA.

METODOLOGIA PARA CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA EAD: DO PLANO DE ENSINO AO ROTEIRO DE TUTORIA. 1 METODOLOGIA PARA CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA EAD: DO PLANO DE ENSINO AO ROTEIRO DE TUTORIA. Maio/2008 Mara Yáskara Nogueira Paiva Cardoso Uniararas, marayaskara@uniararas.br Ana Carolina Castelli

Leia mais

11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias A mídia radiofônica utilizada como ferramenta para a Educação Física Escolar Joseane Alba josialba2014@gmail.com Gabriela Zucki

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL Edvard Luiz da Silva Filho, edvardluiz@folha.com.br - FMU, Brasil. RESUMO

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação. Porto Alegre 2012

EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação. Porto Alegre 2012 EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação Porto Alegre 2012 Jacqueline Gomes de Aguiar jacqueaguiar@smed.prefpoa.com.br Profª de Educação Infantil, alfabetizadora, de Língua e Literatura,

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

TECNOLOGIAS EDUCATIVAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM EM SAÚDE. Descritores: Tecnologia Educacional; Educação Superior; Educadores em Saúde.

TECNOLOGIAS EDUCATIVAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM EM SAÚDE. Descritores: Tecnologia Educacional; Educação Superior; Educadores em Saúde. TECNOLOGIAS EDUCATIVAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM EM SAÚDE Introdução: Há, cada vez mais, a necessidade de construção de tecnologias educativas que possam sensibilizar os estudantes a participarem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA. CONVERSAS COM O PROFESSOR. Prezado(a) Professor(a),

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA. CONVERSAS COM O PROFESSOR. Prezado(a) Professor(a), MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA. CONVERSAS COM O PROFESSOR SOBRE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS. TEMA 2: Televisão e Vídeo no Ensino Médio: algumas reflexões e sugestões. Prezado(a)

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E GRADUAÇÃO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

Leia mais

Formação de docentes online: a experiência do Plano de Capacitação Continuada da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Formação de docentes online: a experiência do Plano de Capacitação Continuada da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Formação de docentes online: a experiência do Plano de Capacitação Continuada da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Salvador BA - maio de 2013 Adriana Santos Sousa Núcleo de Tecnologia Educacional

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS)

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) Isléia Rössler Streit Universidade de Passo Fundo istreit@upf.br Resumo: A evolução tecnológica das últimas duas

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB Resumo Telma Dias Silva dos Anjos 1 - UNEB Tânia Regina Dias Silva Pereira 2 - UNEB Inaiá Brandão Pereira

Leia mais

PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1

PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1 1 PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1 Cintia Taiza Klein 2 Patrícia Luiza Klein Santos 3 Marilete Staub 4 Jair André Turcatto 5 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho busca apresentar algumas atividades e vivências desenvolvidas

Leia mais

CINEMA: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA LINGUAGEM MIDIÁTICA

CINEMA: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA LINGUAGEM MIDIÁTICA CINEMA: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA LINGUAGEM MIDIÁTICA Adriana Aires Pereira 1 adriairespmr@gmail.com Maria Cristina Rigão Iop 2 mcriop@gmail.com Rodrissa Machado

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Nos últimos anos, a educação a distância via telemática ganhou uma nova dimensão,

Leia mais

Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki

Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki Jamer Guterres de Mello 1 Resumo Este trabalho pretende demonstrar de que forma as imagens digitais produzem

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

RESENHA DO LIVRO A COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO, DE JESÚS MARTÍN-BARBERO

RESENHA DO LIVRO A COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO, DE JESÚS MARTÍN-BARBERO RESENHA DO LIVRO A COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO, DE JESÚS MARTÍN-BARBERO Sannya Fernanda Nunes Rodrigues MARTÍN-BARBERO, J. A Comunicação na Educação. São Paulo: Contexto, 2014. 155 p. Palavras-chave: Comunicação.

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

Nossa Aula de cada Dia! 1

Nossa Aula de cada Dia! 1 Nossa Aula de cada Dia! 1 O titulo é sugestivo e enseja um olhar bastante critico para a utilização consciente e correta para atingir os objetivos propostos nos pilares e princípios contidos na atual LDB

Leia mais

Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1

Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1 Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1 Charlotte Couto Melo 2 Gláucia da Silva Brito 3 Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR. Resumo As mudanças

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM ESTUDO SOB O PONTO DE VISTA DOS PÓS-GRADUANDOS i RESUMO NATHÁLIA DE FÁTIMA JOAQUIM 1, CEYÇA

Leia mais

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO Juliana da Silva Cabral PIBID Universidade Estadual da Paraíba/ julianacabralletras2@gmail.com Janaína da Costa Barbosa PIBID Universidade Estadual da Paraíba/

Leia mais

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática.

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática. DESAFIOS DO ENSINO DA INFORMÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Jéssyca Edly Messias Ribeiro (IFRN) jeh_edly@hotmail.com Jefferson Hernane da Silva

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL, PROPORCIONANDO A LEITURA E ESCRITA.

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL, PROPORCIONANDO A LEITURA E ESCRITA. 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL, PROPORCIONANDO A LEITURA E ESCRITA. Grupo de trabalho GT (01) Alfabetização e Letramento Escolar Rita de Cássia da Conceição Maria

Leia mais

Palavras-chave: Informática Educativa. Ferramenta pedagógica. Formação.

Palavras-chave: Informática Educativa. Ferramenta pedagógica. Formação. 1 ARTE DIGITAL: O MUNDO DAS TELAS NA TELA DO COMPUTADOR Gláucio Odair Xavier de ALMEIDA Licenciado em Letras e Licenciando em computação Universidade Estadual da Paraíba/CCEA- Patos odairalmeida88@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Palavras chave: PIBID, Teoria e Prática, Formação inicial.

Palavras chave: PIBID, Teoria e Prática, Formação inicial. A TECITURA DA PROFISSÃO PROFESSOR: REFLEXÕES A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS NO PIBID Gloria Ramona Gomes Aguero 1 ; Laudelina Sanabria Trindade 2 ; Almerinda Mª dos Reis Vieira Rodrigues 3. 1 Bolsista Pibid

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS São Luís MA maio de 2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das áreas de pesquisa em EAD Macro: C / Meso: J /

Leia mais

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ.

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. 223 3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. Andréia Bulaty 70 GT2: Mídia e Educação à Distância Modalidade: Pôster Resumo: O presente trabalho

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Autor(a): Joycyely Marytza 1 INTRODUÇÃO As atuais concepções pedagógicas exigem do professor a inclusão das novas tecnologias para um melhor

Leia mais

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO RESUMO Arlam Dielcio Pontes da Silva UFRPE/UAG Gerciane

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES

FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES Shuellen Cristina Pereira da Silva (Pedagogia/UFPI/Parnaíba/shuellencristina@gmail.com) Marcos Junio Lira Silva (Pedagogia/UFPI/Parnaíba/marcos-junio100@hotmail.com)

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Apêndice Regulamento do Projeto Empresarial REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Projeto Empresarial constitui um momento de aquisição, construção e aprimoramento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda TOMITA, Iris Y. mestre Unicentro - PR RESUMO A expansão dos cursos de Publicidade e Propaganda nos anos 1990 reflete um contexto histórico

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

CONHECENDO EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: OUTRA EDUCAÇÃO É POSSÍVEL?

CONHECENDO EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: OUTRA EDUCAÇÃO É POSSÍVEL? CONHECENDO EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: OUTRA EDUCAÇÃO É POSSÍVEL? Carmem Lúcia Lascano Pinto IFSul Alexandra Domingues - IFSul Ires de Oliveira Furtado - IFSul Ivana Krüger Tuchtenhagen

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD)

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) PADILHA, Emanuele Coimbra; SELVERO, Caroline Mitidieri Graduada em Letras-Espanhol pela Universidade Federal de Santa Maria UFSM. E-mail: emanuelecp@hotmail.com

Leia mais

TIC : UMA PROPOSTA DE ALFABETIZAÇÃO COM ALUNOS DE 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

TIC : UMA PROPOSTA DE ALFABETIZAÇÃO COM ALUNOS DE 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL TIC : UMA PROPOSTA DE ALFABETIZAÇÃO COM ALUNOS DE 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Davi Gregório 1 Natiele Santos de Holanda 2 Roseane Maria Lima Silva 3 RESUMO Este trabalho consiste em apresentar a proposta

Leia mais

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014 1 DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA Curitiba - PR - Outubro de 2014 Fabio Maia - AVM Faculdade Integrada - fabiomaia.di@gmail.com Educação Superior Teorias e Modelos Inovação

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem: desafios e possibilidades na formação do tutor 1

Ambiente Virtual de Aprendizagem: desafios e possibilidades na formação do tutor 1 Ambiente Virtual de Aprendizagem: desafios e possibilidades na formação do tutor 1 Erica Alves BARBOSA (Universidade Federal de Juiz de Fora-MG) 2 Resumo O presente texto O ambiente virtual de aprendizagem:

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL: O PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA E O TRABALHO COM A WEBQUEST

LETRAMENTO DIGITAL: O PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA E O TRABALHO COM A WEBQUEST LETRAMENTO DIGITAL: O PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA E O TRABALHO COM A WEBQUEST Claudia Lucia Landgraf-Valerio 1 Resumo Este artigo propõe uma reflexão sobre o letramento digital do professor de Língua

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO PIBID PARA INOVAR AS PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NO ENSINO MÉDIO. PALAVRAS CHAVE: PIBID, Interação, Construção, Leitura, Projeto.

A CONTRIBUIÇÃO DO PIBID PARA INOVAR AS PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NO ENSINO MÉDIO. PALAVRAS CHAVE: PIBID, Interação, Construção, Leitura, Projeto. A CONTRIBUIÇÃO DO PIBID PARA INOVAR AS PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NO ENSINO MÉDIO Fabiana Maria da Silva Nascimento 1 Fabiana Pereira de Oliveira 2 Prof.Esp.Gleison Carlos Souza de Morais 3 Prof. Ma.

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

IDENTIDADE PROFISSIONAL : A REPRESENTAÇÃO DE UM ENCONTRO

IDENTIDADE PROFISSIONAL : A REPRESENTAÇÃO DE UM ENCONTRO Título: IDENTIDADE PROFISSIONAL : A REPRESENTAÇÃO DE UM ENCONTRO Área Temática: Formação de Professores Autor: EDNALDO DA SILVA PEREIRA FILHO Instituição: Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Programa

Leia mais

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL.

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. Autores: Leila Carla dos Santos Quaresma¹ leilac.pedagogia@gmail.com Profª Dr. Maria Aparecida Pereira Viana² vianamota@gmail.com

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

Palavras-chave: fracasso escolar, aprendizagem discente, ação docente.

Palavras-chave: fracasso escolar, aprendizagem discente, ação docente. FRACASSO E EVASÃO ESCOLAR: UM ESTUDO SOBRE APRENDIZAGEM DISCENTE E AÇÃO DOCENTE RODRIGUES, Sílvia de Fátima Pilegi Prof. Douta. Depto. de Educação/ICHS/CUR/UFMT ANDRADE, Luiza Gonçalves Fagundes de Bolsista

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

DESIGN DE INTERAÇÃO E INTERFACES DIGITAIS - NPG1143 DESIGN DE INTEGRAÇÃO E INTERFACES DIGITAIS (04/08/2014) Perfil Docente

DESIGN DE INTERAÇÃO E INTERFACES DIGITAIS - NPG1143 DESIGN DE INTEGRAÇÃO E INTERFACES DIGITAIS (04/08/2014) Perfil Docente DESIGN DE INTERAÇÃO E INTERFACES DIGITAIS - NPG1143 DESIGN DE INTEGRAÇÃO E INTERFACES DIGITAIS (04/08/2014) Perfil Docente Pós-graduação lato ou stricto sensu na área da disciplina. Currículo publicado

Leia mais

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais.

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais. 4CCHLADAVPEX01 O ENSINO DE ARTES VISUAIS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALHANDRA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Cláudia Oliveira de Jesus (1); Adeílson França (1);

Leia mais

UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS

UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS Carlene da Penha Santos - Graduanda/ UFPB Luzia Domiciano da Silva - Graduanda/ UFPB OBJETIVO Aproximar os alunos ditos

Leia mais