GEOGRAFIA DOS SERVIÇOS: UMA REFLEXÃO SOBRE AS PEQUENAS CIDADES - IPEÚNA (SP)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GEOGRAFIA DOS SERVIÇOS: UMA REFLEXÃO SOBRE AS PEQUENAS CIDADES - IPEÚNA (SP)"

Transcrição

1 GEOGRAFIA DOS SERVIÇOS: UMA REFLEXÃO SOBRE AS PEQUENAS CIDADES - IPEÚNA (SP) Karlise Klafke Graduanda em Geografia pela UNESP Rio Claro Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo FAPESP 2134 Lucas Baldoni Mestrando do Programa de Pós Graduação em Geografia no IG UNICAMP Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo FAPESP Resumo: Verifica-se que o papel das atividades de serviços na economia global, além do atendimento ao consumo final das sociedades, tem sido de facilitar as transformações e transações econômicas. Na escala local, especificamente em pequenas cidades, os serviços atendem predominantemente às demandas urgentes da população. Dessa forma, o objetivo deste trabalho consiste em aplicar um estudo em Geografia dos Serviços na realidade de uma pequena cidade, o município de Ipeúna, São Paulo. Essa análise permitirá compreender, a uma escala local e regional, os desdobramentos espaciais, e, permitir a compreensão das principais possibilidades e limitações no que se refere ao desenvolvimento econômico do município, bem como suas trocas com outras cidades. Palavras-Chave: Geografia dos Serviços; Pequenas Cidades; Ipeúna. Abstract: It s found that the role of service activities in the global economy, as well as attending to the final consumption of companies, has been facilitating transformation and economic transactions. On the local level, specifically in small towns, services predominantly cater to the urgent demands of the population. Thus, the objective of this work is to implement a study on Geography of Services in the reality of a small town, the municipality of Ipeúna, São Paulo. This analysis will include, at a local and regional scale, spatial developments, and enable understanding of the main possibilities and limitations with regard to the economic development of the municipality, as well as its trade with other cities. Keywords: Geography of Services; Small Towns; Ipeúna.

2 Eixo de Inscrição/Debate: EIXO 9 - Geografia Econômica. 1. Introdução. Verifica-se que o setor de serviços projeta-se cada vez mais na conquista de novos espaços, e, hoje, com o avanço das novas tecnologias observa-se um crescimento ainda mais acentuado. Nesse sentido, os serviços são capazes de criar riquezas e modelar uma nova composição do espaço geográfico, além de contribuir para as mudanças econômicas, tecnológicas, organizacionais, sociais e culturais. Alves (2005) afirma que essas mudanças, em que os serviços têm sido o fio condutor, refletiram-se em novas formas de trabalho e em novos gêneros de vida, que resultaram na consolidação de novos códigos da nossa sociedade. Dessa forma, o desenvolvimento das atividades de serviços deve ser encarado como uma parte das mudanças estruturais no modo como as economias mais avançadas o produzem, visto que estas mudanças envolvem aspectos da produção material e imaterial, do consumo, da circulação e da regulação e deram origem a novas formas de organização dos territórios, que, sem dúvida coexistem e se relacionam constantemente. Entende-se que a evolução da localização das atividades de serviços pode ser analisada em diferentes escalas. Dessa forma, conforme Baldoni (2012), a Geografia dos Serviços, em seus estudos, esta para além de relacionar aspectos de natureza econômica, mas também, as mudanças políticas, sociais e culturais, sem o que não poderá avaliar a dimensão das transformações nas tendências de organização dos territórios, e por fim a real espacialização da rede de serviços no território. Hoje, se reconhece que os serviços são vitais, quer para eficiência da produção, quer para a qualidade de vida, por isso ressalta-se a necessidade de estudar seus desdobramentos no espaço, uma vez que os serviços são considerados os elos da rede que relaciona os demais setores da economia, pois promovem novas formas de trabalho e novos gêneros de vida, e, acima de tudo, condicionam e alteram os códigos da nossa sociedade. Mendes (2007) afirma que as lógicas da localização dos serviços têm aspectos semelhantes às outras atividades econômicas (minimizar os custos e maximizar os lucros), mas distinguem-se devido ao caráter imaterial dos serviços, pelo papel estratégico da informação, pela natureza do serviço e pelo fato de existirem serviços cuja lógica de funcionamento está para além do econômico. 2135

3 Nesse contexto, o objetivo do presente trabalho consiste em aplicar um estudo em Geografia dos Serviços na realidade de uma pequena cidade, neste caso, o município de Ipeúna, São Paulo. Também, através dessa análise torna-se possivel estabelecer considerações sobre a distribuição espacial dos estabelecimentos de serviços em pequenas cidades, bem como suas relações com as cidades médias presentes no seu entorno, visto que a hierarquia entre essas cidades pode inferir dinâmicas diferentes, principalmente, no que tange à procura de determinados seviços. Em síntese, um estudo sobre a Geografia Dos Serviços em Pequenas cidades, neste caso, Ipeúna (SP), permite contribuir, além do mapeamento, para uma melhor compreenção do desdobramentos movidos pelo setor de serviços a partir de uma escala local, e, até mesmo, regional Objetivos. O objetivo geral desta pesquisa consistiu em aplicar um estudo em Geografia dos Serviços na realidade de uma pequena cidade, neste caso, o município de Ipeúna, São Paulo. Os objetivos específicos envolveram: a) Análise da trajetória histórica de Ipeúna com foco em seu processo de formação espacial; b) Descrição das Atividades de Serviços de Ipeúna; c) Mapeamento acerca da concentração dos estabelecimentos de serviços no município conforme Setores Censitários do IBGE (2010); d) Aplicação e Análise da Tipologia proposta por Alves (2005); e) Discussão acerca das ações da Prefeitura Municipal no que tange a temática do trabalho, e, f) Análise sobre as relações de Ipeúna as cidades médias de seu entorno. 3. Fundamentação Teórica. Principalmente após a Segunda Guerra Mundial, a Geografia procurou indicar como as atividades econômicas se distribuiam pelo espaço, como também as possibilidades de se estimular melhor essa distribuição através de uma re-localização das indústrias, das comunicações e da utilização agrícola do território. Nesse sentido, passou-se a intensificar as pesquisas em dados estatísticos e cartografia, com a elaboração de mapas temáticos. O geógrafo, segundo Andrade (1992) e Ferreira e Simões (1986), passou a sentir a sedução ao fazer projeções para o futuro, sedução que se acentuava a partir do momento em que, trabalhando em equipes pluridiciplinares, observava a importância destes dados para os economistas e planejadores. Assim, os estudos em geografia urbana e econômica intensificaram-se, ganharam importância, e a agricultura passou a ser encarada não mais como genêro de vida, mas como uma atividade profissional. Por exemplo, George (1991), procurou dar maior ênfase aos estudos ligados à indústria, as cidades, o comércio, transportes e consumo. Houve

4 uma nova concepção de Geografia Econômica, que considerava a indústria e os sistemas políticos. Ainda, a Geografia Econômica tem por objeto o estudo das formas de produção e localização do consumo dos diferentes produtos no âmbito mundial. Houve o desenvolvimento e interpretação ainda maior das teorias desenvolvidas no âmbito da economia urbana e regional, que mesmo antes do período pós 2º Guerra Mundial, propuseram padrões de organização de redes e cidades (tomadas como lugares centrais) e da localização de indústrias e das atividades primárias e terciárias em função dos custos de transportes, mão de obra, energia, etc., definindo tamanhos e as vantagens da aglomeração urbana e a amplitude dos mercados. Nesse sentido, complementa Moreira (2008), que a racionalidade do preço do dinheiro passou a comandar a organização do espaço. E, é a Geografia a ciência que estuda tal organização. Daí que seu núcleo de refência seja a teoria da localização, por exemplo, a teoria dos anéis agrários de Von Thumen (1826), a teoria dos pólos de crescimento de Perroux (1969) e a localização industrial clássica de Weber (1909). A estudo da localização de indústrias remete também ao entendimento das atividades primárias e terciárias. Por isso, entende-se que no decorrer da história econômica podemos destacar que as atividades de serviços desenvolveram-se, em um primeiro momento, às margens do setor industrial que por muitos anos foi instrumento de potencial desenvolvimento para inúmeros países. Nesse sentido, afirma Kon (1999) que o papel das atividades de serviços na economia mundial, além do atendimento ao consumo final das sociedades, tem sido de facilitar as transformações e transações econômicas proporcionando os insumos para o setor manufatureiro permitindo efeitos de troca na cadeia produtiva, assim sendo, os serviços funcionam como um elo que mantém a economia integrada. Conforme George (1986), à geografia econômica baseada na produção, a única que tinha curso no século XIX e no início do século XX, somou-se as atividades de serviços, a qual se confunde muitas vezes com a geografia urbana, visto a parte essencial desses serviços se encontra nas cidades. Mas, a economia dos serviços projetou-se cada vez mais na conquista de espaços revelando forte tendência a ultrapassar os limites das cidades. Contudo, ressalta-se aqui o entendimento dessa tendência no avanço do setor de serviços e o rompimento das barreiras da cidade, em específico, pequenas cidades, que constitui o ponto focal do presente trabalho. Benko (1999), elaborou uma interessante leitura socioeconômica do final do século XX, sobretudo, as relações entre o local e global devido ao avanço do processo de globalização e os resultados da nova organização econômica do território. Nesse curso, o papel central da grande empresa fordista se apoiava em três componentes 2137

5 básicos: estandartização dos produtos, intercambialidade das peças (economias de escala) e integração vertical (empresa multiestabelecimento). Em contraponto, no sistema de produção flexivel cada região possui capacidades separadas de se desenvolver. Assim, a nova produção flexivel está redefinindo a dinâmica espacial da indústria. E, nesse contexto, verifica-se que a desintegração vertical corresponde à especialização produtiva das empresas, terceirização de atividades não centrais, rapidez na configuração de metodos de produção e variedade de produtos. Entretanto, para Martin (1996), não se trata apenas que os serviços tenham agora mais peso do que a indústria, mas, em alguns casos a distinção entre os dois fica cada vez mais turva, visto que os serviços se tornaram uma fonte autônoma de crescimento, demanda, acumulação de capital e regulação econômica, não mais simplesmente vinculados à indústria, mas sim, possuindo sua própria dinâmica estrutural. Dessa forma, para Casttells (2008), essa nova economia, gerada principalmente após a década de 1970, movimenta constantes transformações no mercado de trabalho, sobretudo, no cotidiano dos trabalhadores. O novo espaço indústrial caracteriza-se pela capacidade organizacional e tecnológica de separar o processo produtivo em diferentes locais, ao mesmo tempo que estabelece sua unidade por meio de conexões gerando a nova morfologia constituida por redes, que de fato, voltam-se para a inovação, transformam o mercado, os trabalhadores e as empresas provocando uma geopolítica de processamento instantâneo. Nesse contexto, as economias locais devem ser entendidas como malhas de uma rede econômica global. Emerge, assim, novos espaços empresariais cada vez mais seletivos, constituindo, segundo Santos (1998), o meio técnico-científicoinformacional com atributos construídos historicamente tonando os espaços seletivos, também, porque possuem normas que regem as empresas que atendem as demandas dessas novas formas espaciais de produção. Ainda, conforme Santos (2006), no atual mundo globalizado, esse novo espaço geográfico adquire novos contornos, novas características, novas definições, sobretudo, uma nova importância. Verifica-se que a importância dos serviços teve sua gênese com a crise dos anos 20 e 30 do século XX. Deste modo, Fischer (1935), em seus estudos, observou a evolução da estrutura do emprego nas sociedades mais avançadas relacionou as transformações ocorridas, notadamente os serviços, com o progresso econômico. Em seguida, os trabalhos de Greenfield (1966) e Fuchs (1968) analisaram o papel dos serviços nas mudanças econômicas, revelando principalmente a importância dos serviços de apoio à produção e o impacto seu desdobramentos no desempenho de outras atividades e na busca do desenvolvimento econômico. Assim, segundo Mendes e Baldoni (2010) o número crescente de pessoas ativas, o valor do produto gerado e o 2138

6 impacto no desempenho das atividades econômicas e sociais fizeram com que os serviços começassem a ser vistos como um fator central no processo de desenvolvimento. Os estudos sobre o setor de serviços o afirmam como um dos fatores fundamentais para explicar as desigualdades regionais, por exemplo, no Reino Unido, nos trabalhos de Marshall e Wood (1995). Outros exemplos europeus acerca das implicações movidas pelo crescimento dos serviços são de Lipietz (1978), Barcet, Bonamy e Mayere (1984), Bailly e Maillat (1988). Na América, os estudos de Porat (1977) e Stanback (1979) analisaram as alterações que ocorreram no mercado de 2139 trabalho e seu o papel estratégico no alcance do desenvolviemento territorial. Em sua abordagem sobre a evolução dos serviços, Alves (2005), afirma que as questões como a definição e a classificação podem dar suporte a diferentes modos como os serviços ocorrem e revelam o seu padrão locacional. Desse modo, os serviços podem ser classificados da seguinte forma: a) Os serviços como atividades (service industry), que correspondem a todas as empresas e instituições e às pessoas ao seu serviço que produzem bens imateriais e intangíveis; b) Serviços como produtos (service products) que são, em geral, o resultado das atividades de serviços, mas não têm de ser necessariamente produzidos por estas; c) Os serviços como profissões (occupations services) que surgem em todas as atividades em gestão; d) Serviços como funções (services functions), que correspondem ao trabalho exercido por indivíduos fora da economia formal. Em síntese, essas tipologias propostas por Alves (2005) refletem em diversos exemplos de atividades de serviços, tais exemplos podem ser melhor visualizados no Quadro 1 elaborado por Baldoni (2012). Também, acrescenta-se que no presente trabalho há aplicação dessas tipologias ao setor de serviços do Município de Ipeúna, um dos objetivos do referido estudo, cujo resultado poderá ser visualizado no Item 5. Quadro 1: Tipologias sobre os Serviços conforme Alves (2005) Tipos de Serviços Caracterização Exemplos Empresas e Instituições que produzem Educação, Saúde, Finanças, Cafés, Restaurantes e Atividades bens Imateriais e Intangíveis. Hotés, Lazer, Comunicação, Consultorias. Assitência e Manutenção de Máquinas e Equipamentos. Produtos Resultado Final das Atividades de Serviços Treinamento e Aperfeiçoamento de Profissionais. Profissões Funções Característico em todas as atividades exercídas pelo Indivíduo Exercido por Indivíduos Fora da Economia Formal. Gestão, Adminstração, Contabilidade e Conduçãode Veículos. Trbalho Voluntário e Serviços Domésticos. Fonte: Baldoni (2012). Ad. Klafke e Baldoni (2014) A análise a partir do ponto de vista espacial, mostra que a localização das atividades de serviços pode ser entendida em diferentes escalas: internacional,

7 nacional, regional e local. Aqui, destaca-se a escala local, pois os serviços surgem muito frequentemente associados às cidades, visto que a maior parte dos estudos privilegiam as análises sobre a evolução das localizações dos serviços dentro de tecidos urbanos densos ou entre os aglomerados das redes urbanas. Neste estudo, avalia-se a composição espacial das atividades de serviços em pequenas cidades, em específico, a cidade de Ipeúna (SP). Pequenas cidades aqui são caracterizadas de acordo com a dinâmica de articulação das mesmas. Assim se pensarmos no modo de produção fordista seriam aquelas que possuem menor potencial de centralidade e/ou articulação conforte Salgueiro (1992), ou seja, aquelas cidades que exercem influência apenas sobre sua hinterlândia e muitas vezes acabam tornando-se cidades voltadas para o campo, no entanto a flexibilização da economia também alterou as relações hierárquicas entre as cidades e, as pequenas cidades ampliaram seus papéis podendo, segundo Henrique (2012), exercer influência sobre outras cidades, inclusive sobre aquelas de maior nível hierárquico. Entretanto o autor continua, e explica que tal centralidade é geralmente destinada a uma atividade específica, o que torna a pequena cidade dependente da mesma, assim algumas cidades podem manter-se dependentes do campo, desempenhar uma atividade industrial específica que a torne referência em determinado tipo de produção, ou em casos de maior dependência em relação a outras cidades pode viver de receitas federais ou servir de reservatório de mão de obra para outras cidades, dentre outras alternativas. Os serviços, e o setor terciário em geral, tendem assim a demonstrar em pequenas cidades qual a atividade que promove o desenvolvimento das mesmas, pois, geralmente, atendem predominantemente a esta e a demandas urgentes da população. Assim, a análise dos serviços de Ipeúna permitirá compreender a uma escala local e regional seus desdobramentos espaciais, permitindo a compreensão das principais possibilidades e limitações ao que se refere ao desenvolvimento econômico do município, bem como a relação com outras cidades de seu entorno, por exemplo, Rio Claro (SP) que estaria em uma hierarquia imediatamente superior a Ipeúna Metodologia. Os procedimentos técnicos seguiram a seguinte ordem: 1) Houve o prévio planejamento e estruturação do trabalho; 2) Levantamento bibliográfico acerca dos principais autores em Geografia da Inovação, com destaque para Alves (2005), que propicíou o aprofundamento do tema proposto; 3) Pesquisa sobre o processo histórico sobre a formação e consolidação do município de Ipeúna (SP); 4) Levantamento dos

8 dados correspondentes às atividades de serviços com orgãos públicos, em específico, a Prefeitura Municipal; 5) Consolidação do Banco de Dados, que somado ao sofware ArcGis 10.1 propiciou a elaboração dos Mapas; 6) Aplicação dos dados à tipologia estabelecida por Alves (2005); e, por último, 7) Análise conjunta dos resultados, que resultou nas considerações finais do presente trabalho. 5. Resultados. Ipeúna, é uma pequena cidade localizada no Estado de São Paulo, que segundo o IBGE (2010) possui área total de km² e habitantes. Conforme o REGIC (2007) o município pertence à região administrativa de Campinas (SP), cuja rede urbana, de acordo com as regiões de influência é constituída da seguinte forma: Campinas (capital Regional A) Piracicaba (capital Regional C) Rio Claro (Capital Sub-Regional A) Ipeúna (Centro local). Também, destaca-se que as relações entre as cidades dessa rede urbana apesar de hierárquicas não são necessariamente verticais, embora também o sejam, e podem se complementar e haver relações, inclusive, com cidades de maior nível hierárquico sem passar pelas intermediárias, com as de mesmo nível hierárquico ou até mesmo com cidades fora da região de influência a que se insere. Quanto ao processo histórico e geográfico de constituição do município, segundo Machado (2004), verifica-se que essa região possui seu desenvolvimento pautado na expansão do café nas últimas décadas do século XIX, no qual a construção de ferrovias, visando o escoamento do café do interior para o litoral paulista, pode ser considerada o agente propulsor do progresso na região. Assim, a ocupação da área onde se encontra Ipeúna, se deu a partir da doação de sesmarias, constituindo o Sítio Invernada, com atividades voltadas a produção cafeeira. Entretanto, nota-se que no início do século XX, com a crise do café, as fazendas que cercavam Ipeúna foram divididas e desenvolveram pequenas produções voltadas para o mercado interno, possibilitando assim o desenvolvimento da atividade das caieiras, que conforme a autora: Essa nova atividade econômica trouxe mudanças importantes para o Distrito em formação. Inicialmente, causou um aumento real de população, uma vez que a atividade exigia um grande número de trabalhadores. Além disso, na trilha da produção de cal, inúmeras atividades correlatas começaram a ser desenvolvidas tais como novas casas de comércio, que surgiram para atender a demanda do aumento populacional, e frotas de carros boi, que eram organizadas para dar conta do transporte da cal (MACHADO, 2004, p.58) Nasce assim, a partir da atividade das caieiras, as atividades comerciais e de serviços a fim de suprir a demanda criada pela mesma. A atividade também permitiu a criação de uma infraestrutura básica (água encanada, rede de esgoto, saneamento

9 básico) inexistente no distrito até então, que permitiu que anos mais tarde, em 1964, a emancipação de Ipeúna em relação a Rio Claro, se constituindo como município através da lei nº de 28 de fevereiro de 1964 (apud MACHADO, 2004). No entanto, depois disto, Ipeúna pouco se desenvolveu, tão pouco aumentou seu contingente populacional e mantem até hoje a dinâmica do momento de sua emancipação, caracterizada pela resistência a individualização da vida moderna observada nas cidades de seu entorno. Por isso, a compreensão das atividades de serviços é um importante instrumento para compreender a dinâmica do município, uma vez que essas atividades em pequenas cidades são voltadas a atender as demandas mais imediatas da população. Antes de tomar como foco os serviços de Ipeúna, considera-se importante traçar um breve panorama dos setores econômicos em Ipeúna, a fim de compreender as atividades deste. Nesse sentido, atualmente nota-se que a baixa importância do setor primário, que foi, como visto, propulsor da urbanização do município, pois pequenas propriedades familiares cederam espaço a monocultura da cana de açúcar em expansão na região, tendo como destaque também as pastagens. (IEA/CATI/SAA- SP, 2013). Assim, tende-se a uma concentração fundiária e mecanização da produção, típica dessas atividades agrícolas, o que justifica a baixa ocupação de mão de obra, além disso o baixo valor adicionado se justifica pois a indústria do álcool não se localiza na cidade, sendo essa produção levada para outros municípios. Ademais, conforme CATI (2013) existem pequenas propriedades voltadas principalmente a produção frutífera. Quanto ao setor secundário, deve-se destacar a presença da Indústria Edra que ao se instalar na cidade proporcionou a ocupação de grande parcela de mão de obra e apresenta alto valor adicionado sobre a produção, no entanto as isenções fiscais proporcionadas pela prefeitura para a atração e instalação da indústria não permite que os impostos recolhidos sejam expressivos nesse setor. O setor terciário em Ipeúna se apresenta como principal fonte de empregos, o que segue a tendência global de inchaço do mesmo, ou seja, as famílias expulsas do campo tendem a ocupar-se das atividades terciárias. Destaca-se também a arrecadação de impostos do setor, ao qual deve ser considerado o fato de que é o único totalmente destinado ao município, não há repasse federal ou estadual. Assim sendo, o terciário um importante setor para a economia de Ipeúna torna-se essencial estudar seus desdobramentos, destacando os serviços. Um dos objetivos específicos do presente trabalho consiste na espacialização conforme Setores Censitários fornecidos pelo IBGE (2010) e posterior análise acerca da distribuição espacial dos estabelecimentos de Serviços a partir dos dados de 2142

10 arrecadação municipal fornecidos pela Prefeitura Municipal de Ipeúna. Dessa forma o Mapa 1 consiste no resultado obtido a partir do referido objetivo. Mapa 1: Concentração dos Estabelecimentos de Serviços conforme Setor Censitário do IBGE (2010) Município de Ipeúna (SP). 2143

11 2144 Conforme o Mapa 1, pode-se considerar que os estabelecimentos de serviços concentram-se na porção urbana do município, sua área central. A maior concentração se da, sobretudo, em quatro setores censitários que corresponde ao centro e a bairros que possuem acesso pela avenida principal (e única) da cidade. Tal

12 fato se justifica pelo reduzido espaço urbano da cidade não permitindo uma grande dispersão dos serviços, além disso o acesso aos outros setores censitários ocorre por meio desses bairros onde a concentração é maior garantindo uma maior centralidade dos mesmos em relação ao restante da cidade. As tipologias Propostas por Tereza Alvez (2005) constantes no Gráfico 1 demonstram um predomínio das serviços de atividades, ou seja, aqueles ligados a bens intangíveis, no caso de Ipeúna a esse tipo se destacam, conforme classificação da prefeitura (CNAE), Alimentação e Alojamento e, Serviços Prestados Principalmente às Empresas. Assim, pode-se deduzir que essas atividades tendem a atender dois tipos de demanda na cidade, primeiro referente às empresas, nesse caso deve-se destacar novamente a Edra, uma vez que o setor secundário apresenta papel de destaque no município, e as pessoas recebidas por essa empresa, com alojamentos e alimentação, além disso deve-se destacar a presença de um grande potencial turístico que também colabora em grande parte para esse tipo de atividades Gráfico 1: Estabelecimentos de Serviços conforme Alves (2005). Ipeúna-SP Elaboração: Klafke e Baldoni, Os tipos Profissões e Produtos apresentam-se também expressivos, e destacam-se nesses as atividades de Transporte Terrestre e Construção. O Transporte Terrestre pode corresponder a uma demanda tanto de entrada quanto de saída da cidade, que representa uma mão de obra que atende à outras cidades, caracterizando um movimento pendular, ou mão de obra especializada que vem para a cidade suprindo a necessidade de indústrias, ou pouco qualificada atendendo a indústria canavieira. Os serviços voltados a construção indicam uma possível demanda por crescimento da cidade. A tipologia Funções é a menos expressiva, com destaque a Serviços pessoais. Diante do exposto quanto as tipologias podemos compreender que as políticas da Prefeitura Municipal beneficiando a implantação de indústrias na cidade fez com

13 que desenvolvem-se inúmeros serviços correlatos a estas, o que gera uma dependência da cidade em relação a mesma. Por outro lado, o desenvolvimento de outros serviços mais especializados é dificultado, ou até mesmo impedido, pela proximidade e facilidade de acesso com cidades de maior centralidade, como é o caso de Rio Claro, Piracicaba e Campinas, cidades que exercem influência sobre Ipeúna de acordo com REGIC (2007). Assim o desenvolvimento dessas atividades dependem de políticas públicas conjuntas entre esses e outros municípios. 5. Considerações Finais As pequenas cidades, devido a influência de cidades com maiores potenciais de articulação, tendem a ter o setor terciário pouco desenvolvido e voltado a alguma atividade que se destaca no quadro econômico do município, como pode-se comprovar no caso de Ipeúna. No entanto, para o caso, não se deve considerar que serviços mais especializados serão encontrados no município, pois traria a necessidade de uma mão de obra especializada indisponível, por isso estes são encontrados em cidades que apresentam maior articulação, sobrepondo-se a lógica de hierarquia vertical. Assim um melhor desenvolvimento desses setores depende de políticas conjuntas com outros municípios. Além disso, é característico dessas cidades o caráter monocêntrico, devido a extensão territorial de seu espaço urbano bem como a baixa diversidade de serviços encontradas. A tipologia proposta por Alves (2005) é passível de aplicação no Brasil, no entanto possui dois problemas: o primeiro se refere a necessidade de observar outras fontes para interpretar as tipologias, ou seja elas não se bastam para análises mais profundas das relações de serviços; o segundo problema se refere a falta de dados quanto aos serviços não formais, que caracteriza a tipologia funções, tal fato torna-se um empecilho também para as Prefeituras municipais que tem dificuldades em estabelecer parâmetros de comparação entre esses serviços e os demais, esse é o caso de autônomos não registrados, empregadas domésticas, dentre outros. Por último, acrescenta-se que, tendo em vista a proposta do presente Evento, o trabalho em questão pode parecer, à primeira vista, que destoa do contexto e proposta do simpósio, visto que a área de estudo não pertence ao Sul de Minas Gerais, no entanto, o presente trabalho atende a temática, uma vez que contribui com a compreensão da diversidade e articulações espaciais entre as cidades. Além disso, surge como proposta para estudos voltados ao estado de Minas Gerais a fim de compreender as interações entre as redes urbanas articuladas no espaço mineiro

14 visando a identificação e compreensão de padrões de serviços em suas cidades, compreendendo suas demandas e particularidades. 7. Agradecimentos. À Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo FAPESP, pelo auxílio recebido, mediante Processos números 2013/ e 2013/ Referências. ALVES, T. Geografia dos serviços: Reestruturação Produtiva e Inovação Social. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos- Universidade de Lisboa, ANDRADE, M.C. Geografia, Ciência da Sociedade Uma Introdução à Análise do Pensamento Geográfico. São Paulo: Atlas, 2ª Ed., BAILLY, A.; MAILLAT, D. Le Secteur Tertiaire en Question. Activités de Service, Développement Économique et Spatial. ERESA, Economica, Paris, BALDONI, L.. A importância do conhecimento e da inovação na região metropolitana de Campinas-SP : O caso do Condomínio Empresarial Praça Capital. Trabalho de Conclusão de Curso. IGCE UNESP, BARCET, A., BONAMY, J., E MAYERE, A Les Services aux Entreprises: Problèmes Théoriques et Méthodologiques, in Recherches Économiques et Soclales, nº 9,. 1984, pp BENKO, G. Economia, Espaço e Globalização na aurora do século XXI. São Paulo: Hucitec, 2 ed CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo, Terra e Paz, 11ª ed., FERREIRA, C.C. e SIMÕES, N.N. Evolução do Pensamento Geográfico. Lisboa: Gradiva, FISCHER, A. G. B. The clash of progress and security. London: MacMillan, FUCHS, V. R. The service economy. New York: Columbia University Press, GEORGE, P. Geografia Econômica, 6ª ed.,rio de Janeiro, Bertrand Brasil, Os métodos da Geografia, São Paulo, Difel, 1986.

15 GREENFIELD, H. Manpower and the growth of producer services. New York: Columbia University Press, HENRIQUE, W., Do rural ao Urbano: dos arquétipos à espacialização em cidades pequenas. In DIAS, P. C., SANTOS, J. (orgs), Cidades Médias e Pequenas: contradições, mudanças e permanências nos espaços urbanos. SEI, Salvador, IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. Censo Disponível em: KON, A. Sobre as Atividades de Serviços: Revendo Conceitos e Tipologias. In. Revista de Economia Política. V. 19 nº 2 (74) abril junho, P LIPIETZ, A. La dimension régionale du development. Cahiers du CEPREMAP, Paris, MACHADO, H. M. de F. G.. Uma história para Ipeúna. Dissertação de Mestrado. Pós Graduação em Geografia, Rio Claro, MARTIN, R. Teoria Econômica e Geografia Humana. In: DEREK, G.; MARTIN, R.; SMITH, G. Geografia Humana: Sociedade, espaço e ciência, Rio de Janeiro, Jorge Zehar, MARSHALL, N AND WOOD, P. A. Services and Space: Key Aspects of Urban and Regional Development, Longman, London MENDES, A.A. Quando o espaço determina a indústria: o exemplo do condomínio empresarial Atibaia. Tese de Livre-Docência. UNESP, Rio Claro, MENDES, A.A.; BALDONI, L. Condomínio Empresarial Praça Capital: Um Estudo da Geografia dos Serviços na Região Metropolitana de Campinas- SP. In: SEMINÁRIO DAS METRÓPOLES. Cidades e Práticas Espaciais: Diferentes Dinâmicas em Metrópoles Brasileiras Nacionais e Regionais. Goiânia, MOREIRA, R., Para onde vai o Pensamento geográfico?. Por uma epstemiologia crítica. São Paulo: Contexto, PERROUX F. L économie du XXe Siècle, PUF, Paris, 2 ed REGIC, 2007 Região de Influência das Cidades. Disponível em:

16 SALGUEIRO, T. B., A Cidade em Portugal: uma geografia urbana. Edições Afrontamento, 2ª Edição, Porto, SANTOS, K.. Metamorfoses do Espaço Habitado, São Paulo, Hucitec, Por uma Outra Globalização. Do Pensamento único à Consciência Universal. 13ª Ed. Record, São Paulo, VON THUMEN, J.H. The Isolated State. (English Edition1966) Oxford. Pergainon,, WEBER, A. The Location of Industries (English edition1929),chicago:university of Chicago Press, 1909.

REFLEXÕES ACERCA DAS ATIVIDADES DE COMÉRCIO EM PEQUENAS CIDADES: pensando Ipeúna SP

REFLEXÕES ACERCA DAS ATIVIDADES DE COMÉRCIO EM PEQUENAS CIDADES: pensando Ipeúna SP REFLEXÕES ACERCA DAS ATIVIDADES DE COMÉRCIO EM PEQUENAS CIDADES: pensando Ipeúna SP Karlise Klafke kaklafke@hotmail.com Graduanda em Geografia pela UNESP Rio Claro INTRODUÇÃO O presente trabalho refere-se

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira

Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=590200&page=24 Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

Leia mais

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO Tayla Nayara Barbosa 1 RESUMO: O presente estudo científico teve como objetivo estudar mais detalhadamente

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Rodolfo Finatti rodolfofinatti@yahoo.com.br FFLCH/USP Palavras-chave: condomínio empresarial, Região

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem como objeto de análise o processo de

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

RECENTRALIZAÇÃO E OS SERVIÇOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

RECENTRALIZAÇÃO E OS SERVIÇOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO RECENTRALIZAÇÃO E OS SERVIÇOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Susana Mara Miranda Pacheco Universidade do Estado do Rio de Janeiro susanamp@uerj.br Pensar o centro do Rio de Janeiro nos primeiros anos do século

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS.

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. EM 1950, O NÚMERO CORRESPONDIA A APENAS UM TERÇO DA POPULAÇÃO TOTAL. CERCA DE 90% DO AVANÇO DA POPULAÇÃO URBANA

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Capítulo 6 Organização Social do Território e formas de provisão de moradia Seminário

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco RESUMO O presente artigo trata de parte de metodologia adotada para o desenvolvimento da dissertação

Leia mais

As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país

As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país A nova unidade de negócios da Urban Systems Brasil APRESENTAÇÃO 5 de maio de 2009 As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país Thomaz Assumpção Marco Versiani Modelo

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

O ESPAÇO PÚBLICO NA CIDADE CONTEMPORÂNEA: O COMPLEXO RECREATIVO CLUBE DO POVO DE CATALÃO (GO)

O ESPAÇO PÚBLICO NA CIDADE CONTEMPORÂNEA: O COMPLEXO RECREATIVO CLUBE DO POVO DE CATALÃO (GO) O ESPAÇO PÚBLICO NA CIDADE CONTEMPORÂNEA: O COMPLEXO RECREATIVO CLUBE DO POVO DE CATALÃO (GO) Palavras-chave: espaço público, cidade, capital. Patrícia Souza Rocha Marçal Universidade Federal de Goiás

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA Secretaria do Planejamento Superintendência de Planejamento Estratégico Março de 2015 PPA 2016-2019 Documento político, pactuado por todas

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

INDICADORES PARA ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

INDICADORES PARA ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ELEMENTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA TIPOLOGIA DE APLs INDICADORES PARA ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Fabio Stallivieri UFF e RedeSist Brasília 17/04/2012 1. Introdução Elaboração de indicadores objetiva

Leia mais

Geografia Fascículo 05 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis

Geografia Fascículo 05 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis Geografia Fascículo 05 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis Índice A Urbanização Brasileira Resumo Teórico...1 Exercícios...4 Gabarito...5 A Urbanização Brasileira Resumo Teórico Urbanização, uma tendência

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO

HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO João Maria de Oliveira* 2 Alexandre Gervásio de Sousa* 1 INTRODUÇÃO O setor de serviços no Brasil ganhou importância nos últimos tempos. Sua taxa

Leia mais

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções Dionísio Costa Cruz Junior dionisiojunior@iquali.com.br (orientador) Ismael Fiuza Ramos maelfiuza@gmail.com

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Figueiredo Lima, Adriana; Gomes Godinho, Rangel Rastreamento da Cadeia Hortifrutigranjeira

Leia mais

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Guilherme Yukihiro Dallaido Shibata Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e no Brasil com

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

MATÉRIAS SOBRE QUE INCIDIRÁ CADA UMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

MATÉRIAS SOBRE QUE INCIDIRÁ CADA UMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MATÉRIAS SOBRE QUE INCIDIRÁ CADA UMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Prova de: GEOGRAFIA Conteúdos: 1. A posição de Portugal na Europa e no Mundo 1.1. A constituição do território nacional 1.2.

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR.

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR. NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR Área: ECONOMIA LOPES, Janete Leige PEREIRA, Kelli Patrícia PONTILI, Rosangela

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 328 REDES E POLARIZAÇÃO URBANA E FINANCEIRA: UMA EXPLORAÇÃO INICAL PARA O BRASIL

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 328 REDES E POLARIZAÇÃO URBANA E FINANCEIRA: UMA EXPLORAÇÃO INICAL PARA O BRASIL TEXTO PARA DISCUSSÃO N 328 REDES E POLARIZAÇÃO URBANA E FINANCEIRA: UMA EXPLORAÇÃO INICAL PARA O BRASIL Marco Crocco Ricardo Machado Ruiz Anderson Cavalcante Março de 2008 Ficha catalográfica 333.73981

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS 1) IDENTIFICAÇÃO: Disciplina: Formação Territorial do Brasil Carga Horária: 60 h UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso:

Leia mais

Programa de Estudos e Pesquisas 2009

Programa de Estudos e Pesquisas 2009 Programa de Estudos e Pesquisas 2009 DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Ana Paula Vitali Janes Vescovi Rodrigo Lorena Redirecionamento Estratégico IJSN Missão "Prover conhecimento social, econômico e territorial

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira 1. Veja, 28/6/2006 (com adaptações).27 Com base nessas informações, assinale a opção correta a respeito do pedágio nas cidades mencionadas. a) A preocupação comum entre os países

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Início de nossa urbanização Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; Nossa economia estava voltada para a exportação; As primeiras ocupações urbanas se deram

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

ÍNDICE. Índice de Figuras 9 Índice de Quadros 10 Preâmbulo 11

ÍNDICE. Índice de Figuras 9 Índice de Quadros 10 Preâmbulo 11 ÍNDICE Índice de Figuras 9 Índice de Quadros 10 Preâmbulo 11 1. Inovação e o Desenvolvimento Regional 13 1.1 Inovação e geografia económica 15 1.2 Inovação e desenvolvimento regional 18 Questões para reflexão

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA RODRIGO ALEXANDRE PEREIRA CALDERARO 1 e EVÂNIO DOS SANTOS BRANQUINHO 2 calderaro.ro@gmail.com; evanio.branquinho@unifal-mg.edu.br

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a exclusão social tornou-se assunto de importância mundial nos debates sobre planejamento e direcionamento de políticas públicas (Teague & Wilson, 1995). A persistência

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA Silmara Oliveira Moreira 1 Graduanda em Geografia/UESB, Bolsista da UESB E-mail: silmara.geo@gmail.com Resumo: O objetivo

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

AS CIDADES DO AGRONEGÓCIO NO SUL DE MINAS: A CONSTITUIÇÃO DE MUZAMBINHO COMO UMA CIDADE FUNCIONAL À PRODUÇÃO CAFEEIRA.

AS CIDADES DO AGRONEGÓCIO NO SUL DE MINAS: A CONSTITUIÇÃO DE MUZAMBINHO COMO UMA CIDADE FUNCIONAL À PRODUÇÃO CAFEEIRA. AS CIDADES DO AGRONEGÓCIO NO SUL DE MINAS: A CONSTITUIÇÃO DE MUZAMBINHO COMO UMA CIDADE FUNCIONAL À PRODUÇÃO CAFEEIRA. Larissa Chiulli Guida lalaguida@yahoo.com.br Discente do curso de Geografia - Unifal-MG

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS

INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS Gustavo Andreiev Nunes Serra 1, Adriane Aparecida Moreira de Souza 2 Universidade

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG

AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG Tamiris Batista Diniz tamirisbdiniz@hotmail.com Discente Geografia UNIFAL-MG 349 Ana Rute do Vale ana.vale@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA.

AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA. AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA. OLIVEIRA, Graciela Aparecida Bueno de. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail : gracielagabo@hotmail.com

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Plataforma Global Find. Uma ferramenta para localização empresarial. 10 de Novembro de 2009. Maria Alexandre Costa, Engª

Plataforma Global Find. Uma ferramenta para localização empresarial. 10 de Novembro de 2009. Maria Alexandre Costa, Engª Plataforma Global Find Uma ferramenta para localização empresarial 10 de Novembro de 2009 Maria Alexandre Costa, Engª A aicep Global Parques integra o universo da aicep Portugal Global Agência para o Investimento

Leia mais

O mercado imobiliário em São José do Rio Preto e Presidente Prudente SP: análise comparativa dos processos de estruturação intra-urbano recentes.

O mercado imobiliário em São José do Rio Preto e Presidente Prudente SP: análise comparativa dos processos de estruturação intra-urbano recentes. O mercado imobiliário em São José do Rio Preto e Presidente Prudente SP: análise comparativa dos processos de estruturação intra-urbano recentes. Bruno Pereira Reis 1 ; Everaldo Santos Melazzo 2 Universidade

Leia mais

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu Beatriz Fleury e Silva bfsilva@iem.br Msc. Engenharia Urbana. Docente curso de arquitetura Universidade Estadual de Maringá Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

Indicadores de Resultados em Organizações Não governamentais

Indicadores de Resultados em Organizações Não governamentais RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail.

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail. Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas (1755-1808) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca

Leia mais

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos A taxa média anual de desemprego, na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, diminuiu de 11,9% para 10,5%, entre 2010 e 2011, atingindo seu menor valor nos últimos 20 anos. Essa é uma das informações divulgadas

Leia mais

Pós-Graduação. Mercados Internacionais e Diplomacia Económica. 1ª Edição

Pós-Graduação. Mercados Internacionais e Diplomacia Económica. 1ª Edição Pós-Graduação Mercados Internacionais e Diplomacia Económica 1ª Edição 2011/2012 Mercados Internacionais e Diplomacia Económica Coordenação Científica Prof. Doutor Joaquim Ramos Silva Prof. Doutor Manuel

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

É CORRETO afirmar que essa modalidade de desemprego é conseqüência. A) da adoção de novas tecnologias de produção e gerenciamento industrial.

É CORRETO afirmar que essa modalidade de desemprego é conseqüência. A) da adoção de novas tecnologias de produção e gerenciamento industrial. PROVA DE GEOGRAFIA QUESTÃO 09 Parcela considerável do desemprego que se verifica, atualmente, no mundo, está associada a mudanças estruturais na economia é o denominado desemprego estrutural. É CORRETO

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Planejamento e ordenamento territorial do turismo na Região Metropolitana de Natal-RN

Planejamento e ordenamento territorial do turismo na Região Metropolitana de Natal-RN P á g i n a 1 Planejamento e ordenamento territorial do turismo na Região Metropolitana de Natal-RN Larissa da Silva Ferreira 1 Orientadora: Rita de Cássia da Conceição Gomes 2 O presente trabalho é produto

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia RIOS, ESTRADAS E REDES DE PESCA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL André de Oliveira Moraes; Tatiana Schor and.moraes@gmail.com

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais