O SISTEMA DE PREVIDÊNCIA PRIVADO NO PAÍS E O IMPACTO DAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA: O PAPEL DOS FUNDOS DE PENSÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SISTEMA DE PREVIDÊNCIA PRIVADO NO PAÍS E O IMPACTO DAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA: O PAPEL DOS FUNDOS DE PENSÃO"

Transcrição

1 O SISTEMA DE PREVIDÊNCIA PRIVADO NO PAÍS E O IMPACTO DAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA: O PAPEL DOS FUNDOS DE PENSÃO Autoria: Joaquim Rubens Fontes Filho RESUMO Este trabalho examina a teoria da governança corporativa, extrapolando a dimensão econômica predominante nas discussões sobre o tema para analisar o assunto sob o ponto de vista do modelo de gestão, com ênfase na orientação estratégica do próprio investidor, no caso os fundos de pensão. São discutidas possibilidades quanto à existência de relações entre as características de gestão do principal e impactos nas empresas onde exerçam posições de controle, os agentes, segundo o potencial e interesse que tenham de influenciar nas formulações e implementações de estratégias e políticas. 1. INTRODUÇÃO O processo de privatização brasileiro estabeleceu um marco histórico na configuração empresarial do país. O Estado, anteriormente participando como o grande empresário nacional, retirou-se progressivamente da arena, abrindo espaço a outros players, destacadamente empresas internacionais e investidores institucionais brasileiros. Certamente, o processo de globalização tem também contribuído para redefinir esse contexto. Firmar-se com uma capacidade de produção e distribuição em escala global, diretamente ou via parcerias e alianças estratégicas, torna-se essencial para manter posição competitiva privilegiada. Para tanto, proliferam os movimentos de conglomerização, através de fusões e aquisições, gerando megaempresas com ativos que facilmente contam-se em bilhões de dólares. O objetivo da constituição de megaempresas é assegurar o potencial de acesso pleno ao mercado global, maximizando principalmente os ganhos de eficiência baseado em escala de produção. Para isso, contudo, diversos recursos tornam-se críticos, dentre os quais se destaca o acesso a fontes de capital para manutenção da capacidade produtiva da empresa e de sua capacidade de investimento. Nesse contexto, ganha importância o papel dos grandes investidores institucionais, como bancos de investimento, seguradoras e fundos de pensão. Os volumes de ativos gerados por esses investidores têm crescido nos diversos países, gerando uma demanda por novas oportunidades de investimento. A necessidade de investir esses recursos tem sido o combustível do processo de capitalização e crescimento das empresas. O Brasil, a partir do Programa Nacional de Desestatização (PND), iniciou um forte processo de privatização da máquina estatal, a nível federal e estadual. Assim 1

2 como no caso de outros países, este processo foi em grande parte sustentado pelo capital dos investidores institucionais, destacando no caso brasileiro os fundos de pensão das empresas estatais, que perceberam a ocasião como uma oportunidade para participar de investimentos adequados as exigências de seus passivos. Entretanto, o modelo empresarial brasileiro apoiava-se no tripé empresa familiar estatal multinacional. A falta de capital para investimento pelo empresariado nacional, somada a retirada do estado-empresário do cenário em virtude da privatização, tem produzido o surgimento de uma nova estrutura empresarial no país. Ademais, as regras impostas pelo modelo de privatização conduziram à formação de consórcios de investidores, aliando detentores de capital aos de tecnologia. Após pouco mais de cinco anos de iniciado o processo, o que se observa como padrão de controle das grandes empresas estabelecidas no Brasil é a prevalência, cada vez maior, do controle compartilhado entre investidores com interesses nem sempre convergentes. Esses padrões de controle, comuns em diversos países desenvolvidos, é justamente objeto dos estudos da governança corporativa. Questões referentes ao relacionamento investidor-agente são tratadas com a finalidade de buscar assegurar que este último execute o que é determinado pelo dono efetivo do capital. O modelo difuso de controle, contudo, torna complexa a negociação dos interesses para elaboração das estratégias empresariais. As origens diversas dos acionistas controladores tornam difícil assumir como óbvia a maximização do lucro como objetivo primordial. As investigações sobre governança corporativa tem priorizado as questões relativas aos custos de agência, oriundos do relacionamento investidor-agente, avançando pouco na questão de alinhamento de interesses divergentes dos próprios investidores, resultando em impacto óbvio sobre a formulação de estratégias. Definir quais são os interesses predominantes, quais podem ser parcialmente atendidos e como organizar os modelos internos de gestão torna-se fundamental na ampliação do arcabouço teórico da governança, predominantemente ocupado pelas visões econômicas. A visão tradicional dos modelos de planejamento assumiam como hegemônico o poder na organização e raramente tratavam a questão política e a negociação necessária à formulação dos objetivos. Expandindo ainda mais a abordagem, a percepção monolítica do poder inibiu a incorporação por esses modelos da demanda proveniente de outros atores, cuja sustentação era imprescindível ao processo, e mesmo à formação da própria estratégia, conforme terminologia proposta por Mintzberg (1993). Este trabalho visa a explorar os impactos das políticas dos fundos de pensão, enquanto investidores institucionais, sobre a configuração da propriedade empresarial do país, a partir da problematização apresentada pelas teorias de governança corporativa. A dicotomia entre a visão associada a uma percepção hegemônica de poder, presente no modelo baseado no acionista principal (shareholder) e aquela resultante de interesses plurais (stakeholders) é analisada, 2

3 ante o papel que será desempenhado pelos fundos de pensão em um cenário próximo, tendo em vista a participação que estes atores vêm tendo na assunção de parcelas de controle nas empresas privatizadas e tendências que apontam o forte crescimento do capital previdenciário no país. 2. ORGANIZAÇÃO E MODELOS DE GOVERNANÇA As questões referentes à modelagem de um sistema de gestão que permita aos atores exercerem poder sobre as organizações são estudadas no âmbito dos modelos de governança. Como denominação mais geral, encontram-se os denominados modelos de governança corporativa. A denominação governança corporativa 1, do original em inglês corporate governance, refere-se aos arranjos institucionais que regem as relações entre acionistas (ou outros grupos) e as administrações das empresas (Lethbridge, 1997, p.1). Embora o termo tenha se firmado nas disciplinas econômicas como exclusivo das relações empresariais, sua compreensão deve transcender ao universo das empresas de mercado, podendo vir a ser utilizado de forma mais ampla para designar os diversos arranjos necessários à gestão de uma organização, seja ela pública, privada, ou comunitária, com ou sem finalidade lucrativa. Quando um investidor procura maior influência sobre a atuação das empresas nas quais têm participação no controle, está buscando implementar práticas de governança corporativa de modo a assegurar que os agentes (empresas) atendam aquilo que, como investidor, delas se espera. Da mesma forma, quando uma comunidade pressiona um poder constituído com vistas a obter o atendimento de uma necessidade específica, tal como a construção de uma via expressa, a instalação de um posto de saúde, a maior fiscalização a um setor econômico, também está buscando assegurar que os agentes implementem seus anseios. Denominam-se problemas de agência 2 àqueles relacionados ao monitoramento das relações entre acionistas e administradores. Segundo a teoria da agência, tais problemas são oriundos da natureza incompleta dos contratos, dada pela impossibilidade de se escrever um contrato que especifique as ações a serem tomadas pelas partes em qualquer circunstância (Rabelo e Silveira, 1999). A Teoria da Governança Corporativa considera dois modelos como predominantes para explicar o comportamento das corporações: o modelo shareholder, onde se privilegia os interesses dos acionistas, e o modelo stakeholder, quando se adota uma visão mais abrangente, enfatizando a responsabilidade social da corporação e colocando-a no centro de uma rede formal e informal de relacionamentos com diversos atores. Esses dois modelos clássicos de governança corporativa estão normalmente associados aos ambientes ou modelos empresariais anglo-saxão e nipo-germânico. No modelo anglo-saxão, ocorre uma pulverização das participações acionárias e as bolsas de valores ocupam função primordial ao dar liquidez ao mercado e sinalizar 3

4 às empresas, através da oscilação no preço das ações, a avaliação dos investidores quanto à correção das estratégias adotadas. No modelo nipo-germânico, há uma concentração da propriedade em torno de grupos de investidores, ou keiretsus (conglomerados) e bancos respectivamente. No modelo shareholder, do contexto anglo-saxão, a ênfase é dada ao acionista, ou shareholder, e o objetivo principal é a obtenção de lucro. O acerto das estratégias adotadas é avaliado primordialmente pelo mercado, onde as análises dos investidore são refletidas nas oscilações dos mercados bursáteis. Na perspectiva stakeholder, base do ambiente nipo-germânico, os interesses dos acionistas buscam ser equilibrados aos de outros grupos que são impactados pelas suas atividades, como os empregados, fornecedores, clientes e a comunidade. A tônica do debate atual envolvendo governança corporativa está voltada para o modelo shareholder, certamente sujeita ao peso político-econômico dos países que o adotam. De acordo com as premissas do modelo shareholder, a firma tem como objetivo maximizar a riqueza dos acionistas, e como critério para avaliar seu desempenho utiliza seu valor de mercado (Maher, 1999, p.7). As principais dificuldades relacionam-se à separação entre propriedade e gestão, assimetria de informação e divergência de objetivos entre principal e agente, tendo como conseqüência os denominados problemas de agência. Segundo uma visão mais ampla, baseada na Teoria dos Stakeholders, as empresas devem ser socialmente responsáveis, administradas de acordo com o interesse público, e portanto devem prestar contas a diversos outros grupos tais como empregados, fornecedores, clientes e comunidade em geral, sendo forte a cobrança por accountability. Críticos a este modelo argumentam que os administradores podem atribuir à busca por atender expectativas dos stakeholders eventuais resultados negativos do negócio, mas reconhecem sua capacidade em agregar os esforços das partes interessadas em torno de objetivos de longo prazo e o sucesso da empresa (Maher, 1999, p.11). Entre os defensores do modelo stakeholder, há que se destacar Peter Drucker. Referindo-se aos movimentos de tomadas hostis de controles, compras alavancadas, aquisições e alienações, criticou as corporações por passarem a ser gerenciadas exclusivamente para a maximização do valor do acionista, e não nos interesses equilibrados dos stakeholders. Afirmou: "Isso também não irá funcionar, porque força a corporação a ser gerenciada em função do curtíssimo prazo, o que significa prejudicar, ou mesmo destruir, sua capacidade de produção de riqueza. Significa declínio rápido. Não se pode obter resultados a longo prazo empilhando uns sobre os outros os resultados a curto prazo. Eles devem ser obtidos através do equilíbrio entre necessidades e objetivos a curto e longo prazos." (Drucker, 1993, p.53) Certamente, entre as principais virtudes do modelo stakeholder está a adequação a lógicas outras que não à de mercado. Um modelo que tem como máxima a 4

5 priorização do lucro, como é o caso do modelo baseado nos shareholders, torna-se pouco útil em ambientes onde as organizações operam dentro de outra lógica. 3. FUNDOS DE PENSÃO COMO INVESTIDORES INSTITUCIONAIS A partir da divulgação da situação deficitária na contabilidade do sistema oficial de previdência brasileiro, envolvendo servidores públicos e o regime geral da previdência social, o governo vem se esforçando para promover mudanças tais como alterar limites mínimos para aposentadoria, tempo de contribuição, contribuição do inativo e capitalização do sistema. Este último item, característico da previdência privada, tem sido proposto principalmente para aqueles que recebem acima do teto de 10 salários mínimos, embora possa mesmo vir a substituir o regime oficial em vários âmbitos do setor público, tais como estados, municípios, autarquias e empresas públicas. Diferentemente do regime oficial, baseado na repartição simples e quando a contribuição dos ativos é imediatamente utilizada para o pagamento de aposentadorias, sem geração de reservas, pelo processo de capitalização há a formação de poupança vinculada a um indivíduo ou grupo. Para a repartição simples, o fator crítico é o equilíbrio entre ativos e aposentados, e para o regime de capitalização é fundamental o retorno dos investimentos. Em geral, o modelo capitalizado demanda que ao menos dois terços das reservas sejam oriundas de retornos sobre os investimentos. As entidades que ora operam segundo o regime de capitalização têm, portanto, uma preocupação forte em obter retornos financeiros adequados. Para essas entidades, o processo de privatização representou um importante veículo de investimento, por apresentar potencial de retorno e perfil de longo prazo, ajustando-se plenamente às características de um passivo previdenciário. De fato, desde a venda da Usiminas, no início da década, os fundos de pensão têm participado com freqüência das privatizações, diretamente ou através de fundos ou sociedades de propósitos específicos. Essa estratégia tem provocado uma transformação na estrutura de propriedade das empresas no Brasil. Embora grupos familiares ainda tenham um forte papel empresarial, este quadro começa a mudar com a maior participação dos investidores institucionais, representados pelos fundos de investimento e fundos de pensão, substituindo cada vez mais o estadoempresário neste cenário. Esse movimento reflete uma tendência já há muito observada em economias de países desenvolvidos, a exemplo dos Estados Unidos, Holanda, Suíça e Inglaterra. Nestes países, o volume de recursos investidos pelos fundos de pensão na economia real por vezes superior ao próprio Produto Interno Bruto do país encontra-se entre as principais fontes de financiamento de longo prazo. País Ativos como % do Ano 5

6 PNB Suécia Finlândia Japão Chile Canadá Irlanda Estados Unidos Reino Unido Países Baixos Suíça Fonte: home page da OCDE: (maio 1999) Para os fundos de pensão, o investimento em ativos não financeiros atende à demanda por um perfil de longo prazo em suas aplicações. Gera, contudo, um efeito importante para a economia como um todo: ao deterem expressivas quantidades de ações, obtém direitos de controle nas empresas, caracterizados por assentos em conselhos. Essas ações, pelo volume detido, possuem uma baixa negociabilidade, o que novamente ajusta-se ao perfil temporal desejado pelos fundos 3. Uma vez que não podem ser transacionadas nos mercados bursáteis (varejo), mas apenas em blocos, essas ações apresentam baixa liquidez. Os ganhos nessa modalidade de aplicação ocorrem não pela negociação do papel mas, principalmente, pelo fluxo de dividendos recebidos. Como conseqüência natural das características, e exigências, desses investimentos, os fundos de pensão têm adotado cada vez mais freqüentemente uma posição ativa frente às empresas, influenciando suas estratégias corporativas e as ações dos administradores, visando assegurar aquele fluxo e, adicionalmente, a valorização no longo prazo de sua posição de controle. O contexto anterior deve justificar uma atuação diferenciada dos fundos de pensão como investidor institucional. Essa diferenciação ocorreria, em uma primeira dimensão, sobre a eficiência das empresas participadas. Diante de suas necessidades como investidor, pode-se supor que seriam motivados a adotar comportamentos únicos no universo dos investidores institucionais e do próprio sistema de propriedade, privada ou estatal, no país. Esses comportamentos ou práticas seriam incorporados pelas empresas, onde os fundos passassem a deter posições de controle, quando da formulação de estratégias ou execução de políticas. O reflexo desses direcionamentos possivelmente estaria refletido nos resultados econômico-financeiros destas empresas. De fato, diversos estudos sobre a prática de ativismo nos investimentos concluiu, para os Estados Unidos, quanto à existência de correlação positiva no valor de mercado das empresas (Gordon et al, 1997; e Ambachtsheer e Ezra, 1998). Entretanto, mesmo para a experiência americana, é importante a ressalva feita por Logue e Rader (1998) sobre a necessidade de maiores estudos para confirmar o impacto positivo citado: 6

7 "It is really too early to say for certain, however, given the limited history of activism and data available for analysis. In general, we need solid evidence on long-term results that we do not yet have. It is one thing to observe a positive abnormal return due to a price increase attributable to shareholder activism. It is another altogether to be able to say that firms will restructure, will allocate resources more efficiently and will develop more sensible business strategies over the long term because of shareholder activism" (p.308) Mesmo em outras empresas, onde não ocorra essa participação, é possível que haja mudança nos direcionamentos estratégicos e comportamentos mercadológicos e gerenciais, com vistas a atrair o interesse e conseqüentemente os recursos dos fundos de pensão. Processo semelhante vem ocorrendo, por exemplo, com empresas brasileiras que lançam American Depositary Receipts (ADR) 4 no mercado norte-americano, visando atrair recursos a custos mais baixos. As regras de disclosure, padronização contábil, relacionamento com investidores entre outras, passam a ser adotadas, provocando mudanças internas na gestão. 4. IMPACTO DA ADOÇÃO DE PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA PELOS FUNDOS DE PENSÃO A formação de reservas de poupança previdenciária através de processos de capitalização, individuais ou coletivos, gera recursos que, por premissa do próprio modelo, devem ser investidos a taxas de retorno adequadas e a prazos compatíveis, normalmente longos. Administrados por entidades de previdência, abertas ou fechadas, têm na compra de participações em empresas uma oportunidade ótima de aplicação. Somando-se o crescimento dessa poupança ao processo de privatização ora em curso justifica-se grande parte das transformações que vêm ocorrendo nas relações de propriedade no país. Do formação anterior, baseada no tripé propriedade familiar-estatal-multinacional, observa-se a redução do Estado-empresário e a participação de um novo ator, os fundos de pensão, não apenas detendo parcela significativa da propriedade das empresas mas influenciando também na própria gestão. O sistema de fundos de pensão no Brasil vem buscando, como investidor, estabelecer práticas de governança corporativa. Com uma carteira consolidada de mais de R$ 116 bilhões em janeiro de 2000, sendo R$ 30,194 bilhões em ações (fora fundos de renda variável e debêntures), esses fundos passaram a adotar uma posição mais ativa em seus investimentos. Carteira consolidada por tipo de aplicação (R$ milhões) - Em janeiro de 2000 Discriminação Jan 2000 % Ações ,9 7

8 Imóveis ,7 Depósitos a prazo ,2 Fundos de investimentos - RF ,7 Fundos de investimentos - RV ,4 Empréstimos a participantes ,6 Financiamento imobiliário ,3 Debêntures ,5 Títulos públicos ,5 Outros ,1 Operações com patrocinadoras 71 0,1 TOTAL ,0 Fonte: Site da ABRAPP - Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Privada Em trabalho onde analisa a atuação dos fundos de pensão brasileiros como investidores institucionais, Rabelo (1999) cita ainda o importante papel desempenhado pelos fundos nas empresas onde envolveram-se com a governança, como a Tupy, que de uma dívida total de US$ 200 milhões e prejuízo operacional de 2,5% em 1996, avançou para um lucro operacional de 11% em 1997 e um lucro líquido de R$ 6,7 milhões entre janeiro e setembro de 1998 (p.6). O quadro seguinte mostra as dimensões, em termos de ativos, dos maiores fundos de pensão no mundo: Projeção de Capital dos Fundos de Pensão no ano 2000 nos 8 maiores países Ativos (US$ milhões Ativos per capta Maiores fundos público/setoriais (US$ bilhões ) Maiores fundos corporativos (US bilhões) ) (US$) Estados (TIAA/CREF) 80 (General Motors) Unidos Japão (Local Government) 16 (Nippon Telephone) Reino Unido (Electricity 34 (British Telecom) Supply Group) Canadá (Ontario Teachers') 7 (Canadian National) Suíça (Canton of Zurich) 8 (CIBA-Geigy) Países Baixos (ABP) 16 (Phillips) Austrália ( NSW State) 4 (Telstra Super) Alemanha N.D. 14 (Siemens) Fonte: Intersec Research Corporation, Pensions & Investments (apud Ambachtsheer & Ezra, 1998, p.5) Do ponto de vista político, o estoque de ativos detido pelos fundos exige toda uma consideração específica. Somando-se apenas os 300 maiores fundos no mundo, o total dos ativos chega ao montante de US$ mil ou US$ mil 5 se considerados apenas os 500 maiores dos Estados Unidos. É um volume de 8

9 recursos equivalente ao PIB dos maiores países do mundo girando dentro de um sistema e de suas necessidades, pouco permeável às questões políticas ou necessidades sociais, participação que, como apresenta o quadro seguinte, acontece já em diversos países. Essas questões não são novas, mas foram levantadas desde 1960 por Paul Harbrecht em seu livro Pension Funds and Economic Power, onde argumentava que o crescimento dos ativos dos fundos de pensão poderiam ocorrer num vácuo de poder, a menos que fossem definidos mecanismos que tratassem da questão da propriedade dos ativos previdenciários. Para ele, a crescente acumulação de ativos nos fundos representava uma oportunidade para os trabalhadores influenciarem a atividade econômica. Mais recentemente, também Peter Drucker discutiu essa questão no livro The unseen revolution - how pension fund socialism came to America, de (Ambachtsheer e Ezra, 1998) Ao longo desta década os fundos têm aumentado sensivelmente seus investimentos diretos em empresas, detendo e administrando participações acionárias concentradas. Rabelo (1999) destaca duas razões que justificam essa mudança de comportamento. A primeira seria o interesse de fundos patrocinados por estatais em garantir, no caso de privatização da patrocinadora, assento nos conselhos de administração e assim poder zelar pelos interesses dos participantes. Outra explicação estaria na natureza do mercado de capitais, com menos de 80 empresas com real liquidez, e na incapacidade da legislação para proteger os investidores no Brasil, o que estimularia a concentração de propriedade como única forma destes protegerem seu patrimônio. Entretanto, conforme discutido anteriormente, os fundos de pensão estão sujeitos a suas práticas internas de governança, explicada por seus modelos de gestão e estratégias de investimentos. Modelos colegiados, congregando representantes tanto de patrocinadores quanto de participantes, vêm sendo implementados por vários fundos, sendo inclusive objeto de Projeto de Lei Complementar (PLP 10/99), em tramitação no Congresso, que determina que no mínimo um terço dos membros do Conselho Deliberativo das entidades seja escolhido pelos participantes. Para as entidades patrocinadas por entes públicos, outro Projeto (PLP 08/99) chega a propor a composição paritária. Estas modificações fortalecerão o debate sobre as políticas de investimento dos fundos, agregando novo ponto de vista. Questões relacionadas à manutenção do emprego, ao impacto social dos investimentos, não agressão ao meio ambiente, entre outras, passam a ter maior peso sobre as políticas, em virtude do apelo de tais causas frente aos participantes que estarão escolhendo seus representantes. Exemplo desse posicionamento pode ser observado hoje na PREVI, fundo de previdência dos funcionários do Banco do Brasil. Maior fundo de pensão brasileiro, com R$ 25,778 bilhões, o que representa mais de um quarto dos ativos do sistema, e associados, a PREVI tem sua diretoria executiva formada por 6 membros, sendo 3 eleitos e 3 indicados pela patrocinadora, e o Conselho Deliberativo com 7 membros, sendo 4 escolhidos pelos participantes. Conforme exposto no documento 9

10 de seu segundo Balanço Social, a entidade busca em seus negócios empresas que respeitem: " (a) direito dos empregados; (b) interesse nacional; (c) interesse das comunidades em que funcionam; (d) a preservação do meio ambiente; (e) interesse dos acionistas minoritários; (f) a promoção do desenvolvimento da previdência complementar; (g) a participação em projetos sociais de assistência e apoio à criança carente e ao idoso." (PREVI, 1998) Esses dados sinalizam, senão uma adesão ao modelo stakeholder, a assunção de compromisso outros que não apenas a maximização das receitas. Demonstram um reconhecimento explícito da responsabilidade da organização para com outros atores, além de seus participantes e patrocinador. O modelo stakeholder sofre críticas, contudo, por não priorizar a maximização do lucro e dar direcionamentos pouco claros aos gestores. Adotar suas premissas envolve, certamente, um posicionamento político da organização, mesmo porque não reflete as práticas dominantes de governança corporativa no Brasil e no influente bloco anglo-saxão, mais centradas nos interesses exclusivos dos acionistas. Blair (1998) sintetiza a dificuldade de aceitação das propostas para atribuir às corporações a missão de atender a responsabilidades sociais: "The idea never had much theoretical rigor to it, failed to give clear guidance to help managers and directors set priorities and decide among competing socially beneficial uses of corporate resources, and provided no obvious enforcement mechanism to ensure that corporations live up to their social obligations. As a result of these deficiencies, few academics, policymakers, or other proponents of corporate governance reforms still espouse this model "(p.48-9). A busca de benefícios sociais como externalidades desejáveis dos investimentos tem sido igualmente criticada. Nos Estados Unidos, o DOL (Department of Labor) sugeriu que os investimentos dos fundos de pensão procurassem gerar não apenas retorno financeiro a seus fundos, seus participantes e beneficiários, mas também vitalidade à economia como um todo. Segundo afirmou, esta modalidade de investimentos, denominada Economically Targeted Investments (ETIs), beneficiaria não apenas os aposentados mas a economia como um todo e, indiretamente, o bem-estar dos próprios pensionistas. (Moore, 1995) Polêmicos, os ETIs foram severamente criticados pelos representantes dos fundos de pensão norte-americanos, com a afirmação que a principal responsabilidade dos fiduciários é com os participantes de seus planos. A própria legislação da previdência privada, ERISA (Employee Retirement Income Security Act), de 1974, proíbe "investimentos sociais", entendidos como aqueles que não visem otimizar 10

11 uma taxa de retorno comparável e ajustável ao risco, uma vez que a principal obrigação do fiduciário de um fundo de pensão é realizar investimentos em benefício dos participantes. A crítica mais ácida surgiu do Chairman do Comitê Econômico, Jim Saxton, do partido Republicano, afirmando que os fundos de pensão públicos que investiam para promover objetivos sociais ou econômicos, que denominou "politically targeted investment", corriam grandes riscos e retornos inferiores a outros fundos que não o faziam. De fato, diversos fundos de pensão americanos tiveram problemas ao privilegiar aspectos sociais em seus investimentos, a exemplo do fundo dos funcionários públicos e professores do Alasca, dos empregados públicos de Kansas, e do estado de Connecticut (Moore, 1995). Retornando ao caso brasileiro, um dos destaques da agenda política tem sido as propostas de reforma da legislação previdenciária. Em vista dos problemas da previdência oficial, o Executivo Federal tem incentivado um modelo para o setor público, União, estados e municípios, inclusive administrações diretas e indiretas, baseado na capitalização. Neste modelo, haja vista a importância representada pelo retorno dos investimentos, como discutido anteriormente, o "calcanhar de Aquiles" é, certamente, a proteção dos recursos acumulados de eventual utilização política. Embora a legislação em tramitação (PLC 63/99 e PLC 01/00) proíba aplicações compulsórias, é importante que sejam criados mecanismos internos às entidades que as impeçam de praticar "investimentos políticos", sob pena de o ônus da aposentadoria de participantes desses planos vir a ser transferido, no futuro, para o contribuinte. Um equacionamento a esta questão consta na legislação proposta, ao estabelecer um modelo de co-gestão às entidades fechadas de previdência privada, assegurando a participação mínima de um terço de representantes dos associados nos conselhos deliberativos das entidades, percentual que chega a 50% naquelas patrocinadas por empresas estatais. Como conseqüência de tal modelo de gestão, a estrutura de governança da própria entidade tornar-se-ia mais permeável à influência de outro grupo de atores, quais sejam, os participantes dos planos, tanto em seus atos administrativos quanto nas políticas e decisões de investimentos. Entretanto, para os participantes, a eficiência e retorno dos investimentos é menos "evidente" que os impactos sociais resultantes, isto é, são mais sensíveis a questões tais como desemprego, agressão ambiental, ações sociais danosas e exposições negativas na mídia, principalmente se relacionadas a empresas onde o fundo de pensão tenha posição de controle. A afirmação de Lethbridge, analisando a experiência norte-americana, sustenta essa tese: "As táticas de ativismo de alta intensidade, contudo, têm poucos seguidores. (...) o risco de envolvimento em controvertidas reestruturações com milhares de demissões também desincentiva o uso desses recursos por parte de fundos mútuos, (...), sem falar em fundos de pensão de funcionários públicos muito identificados com comunidades específicas." (1997, p.10) 11

12 5. CONCLUSÃO E DIRECIONAMENTOS FUTUROS O meio acadêmico e a prática empresarial têm produzido vasto material sobre a questão da governança corporativa. Entretanto, o foco principal tem ocorrido sobre os aspectos econômicos na análise principal-agente, ou entre o investidor e a empresa, e as formas de reduzir os custos da separação entre a propriedade e a gestão 6. São pouco exploradas as dificuldades que podem advir da diversidade de modelos de gestão ou de estruturas de governança específicas dos investidores. Estes modelos contudo podem permitir compreender tanto a motivação para o a realização de um investimento quanto a influência ou o papel do investidor no resultado das empresas. Também os fundos de pensão seguem práticas internas ou estruturas de governança, devendo prestar contas a associados e patrocinadores. Seus investidores, os participantes e patrocinadores, esperam que os recursos sejam aplicados de forma ótima frente à missão de assegurar o pagamento de aposentadorias e pensões. Os problemas de agência quais sejam, aqueles relacionados ao monitoramento das relações entre acionistas e administradores ocorrem de forma semelhante em uma empresa aberta, com acionistas, e em um fundo de pensão. Entretanto, em paralelo à problematização dos contratos incompletos 7, os participantes de um fundo de pensão têm expectativas não tangibilizadas nos contratos, mas que esperam ser cumpridas. Tal campo de estudo torna-se especialmente importante ante as projeções de crescimento da poupança previdenciária no país e, a semelhança de outros países, este capital demandará oportunidades de investimentos que atendam suas características. Este crescimento já ocorre nos ativos das entidades existentes, especialmente os fundos de pensão, que hoje acumulam reservas superiores a R$ 115 bilhões. Para Rabelo (1999), há dúvidas quanto ao interesse ou a capacidade dos fundos de pensão de exercerem um monitoramento efetivo sobre as empresas onde possuem posição de controle e, ainda, se essas participações são vistas como investimentos de longo prazo por essas instituições. Caso se confirme o crescimento do sistema de fundos de pensão, e o interesse desses investidores em atuar ativamente nas estratégias empreendidas por suas participações, a estrutura própria de governança desses fundos consideradas como processo decisório, representatividade de patrocinadores e associados, crenças e valores de administradores e participantes, e modelo de investimentos terá papel determinante na formatação de um modelo de governança corporativa nacional. Assim, reforçando a reflexão seguida, é provável que ocorra a prevalência de um modelo mais preocupado com questões de responsabilidade social e accountability. Os modelos shareholder e stakeholder são hoje associados antes a estruturas de financiamento à propriedade nacionais que a setores econômicos. Desta forma, no momento que se discute as estruturas de governança corporativa que predominarão no contexto brasileiro, conhecer o papel e a influência dos fundos de pensão na formatação dessa estrutura torna-se fundamental. Ou, como aponta Rabelo, "O 12

13 papel dos fundos de pensão certamente será fundamental para consolidar a nova estrutura de propriedade e controle que vai se desenhando com o processo de privatização em vários países da Europa e da América Latina" (1998, p.51) 6. NOTAS DE REFERÊNCIA 1. Embora o termo Corporate Governance seja normalmente traduzido como governança corporativa, o termo em português pode gerar confusão com a expressão gestão empresarial, cuja compreensão transcenderia o universo das empresas de mercado, podendo ser utilizado latu senso para designar os arranjos necessários à gestão de uma organização, seja pública, privada, ou comunitária. 2. Usa-se aqui a tradução "problemas de agência e teoria da agência" como tradução literal de agency problem e agency theory, seguindo tradução dada por Araújo (1999), Rabelo e Silveira (1999) e Siffert Filho (1999), embora haja traduções que optem por manter o termo no original em inglês, a exemplo da tradução feita por Antonio Zoratto Sanvicente para Ross et al (1995) 3. Os fundos de pensão têm como objetivo administrar de forma eficiente e eficaz os recursos dos participantes de forma a assegurar o pagamento de aposentadorias. Como os recursos são depositados durante cerca de 30 anos antes de serem sacados, justifica-se a necessidade por aplicações a prazos semelhantes. Entretanto, dependendo da maturidade do fundo, podem ocorrer necessidades de desembolsos em prazos cada vez mais curso, o que os levaria a procurarem aplicações com outros perfis de retorno. 4. ADR representam ações de empresas estrangeiras que, colocadas sob custódia em um banco americano, são negociadas nas bolsas de valores dos EUA. 5. Dados extraídos do site da Pension & Investments (www.pionline.com), maio de Exemplos desta ênfase na visão econômica estaria em Araújo (1999), Maher (1999), Rabelo e Silveira (1999), Williamson (1996), documento de princípios da OECD (1999). Material de curso ministrado para os executivos de fundos de pensão utilizado pela Graduate School of Business (1998) da Universidade de Chicago reafirma esta ênfase. 7. O problema da natureza imcompleta dos contratos, tratada nos estudos de governança corporativa, remete-se à "impossibilidade de escrever um contrato que especifique as ações a serem tomadas pelas partes em qualquer circunstância" (Rabelo e Silveira, 1999) 7. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 13

14 AMBACHTSHEER, Keith P.; EZRA, D. Don. Pension fund excellence: creating value for stakeholders. New York: John Wiley & Sons, ARAÚJO, Luiz Nelson Porto. "Os fundamentos da governança corporativa", Trevisan Consultores, mimeo, Jan BLAIR, Margaret M. " Whose interests should corporations serve?", In: Clarkson, Max B.E. (ed.). The corporation and its stakeholders: classic and contemporary readings. Toronto: University of Toronto Press, 1998, p CARROL, Archie B. (1998). "Stakeholder thinking in three models of management morality: a perspective with strategic implications". In: Clarkson, Max B.E. (ed.). The corporation and its stakeholders: classic and contemporary readings. Toronto: University of Toronto Press, 1998, p CLARKSON, Max B.E. "A stakeholder framework for analysing and evaluating corporate social performance". In: Clarkson, Max B.E. (ed.). The corporation and its stakeholders: classic and contemporary readings. Toronto: University of Toronto Press, 1998, p FREEMAN, R. Edward (1998). "A stakeholder theory of the modern corporation". In: Clarkson, Max B.E. (ed.). The corporation and its stakeholders: classic and contemporary readings. Toronto: University of Toronto Press, 1998, p GORDON, Michael S., MITCHELL, Olivia S.; TWINNEY, Marc M. Positioning pensions for the twenty-first century. Philadelphia: The Pension Research Council of the Wharton School of the University of Pennsylvania, GRADUATE School of Business. ICSS - Corporate Governance for Institutional Investors in Brazil. Notas de aula. Chicago: The University of Chicago, LOGUE, Dennis E.; RADER, Jack S. Managing pension plans: a comprehensive guide to improving plan performance. Boston: Harvard Business School Press, LETHBRIDGE, Eric. "Governança corporativa". Revista do BNDES, n.8, dez MAHER, Maria. "Corporate governance: effects on firm performance and economic growth". Organisation for Economic Co-operation and Development (OECD), sep MINTZBERG, Henry. The Rise and Fall of Strategic Planning : Reconceiving Roles for Planning, Plans, Planners. New York: Free Press,

15 MOORE, Cassandra Chrones. "Whose pension is it anyway? Economically Targeted Investments and the pension funds". Policy analysis n º 236, sep Organisation for Economic Co-operation and Development (OECD). Principles of Corporate Governance OECD PREVI. Balanço Social Rio de Janeiro. RABELO, Flávio Marcílio. "Fundos de pensão, mercados de capitais e corporate governance: lições para os mercados emergentes". Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v.38, n.1, Jan./Mar. 1998: RABELO, Flávio Marcílio. "As estratégias dos fundos de pensão brasileiros e as estruturas de governança corporativa". Anais do XII Congresso Latinoamericano de Estratégia. São Paulo, mai ; SILVEIRA, José Maria da. "Estruturas de governança e governança corporativa: avançando na direção da integração entre as dimensões competitivas e financeiras". Texto para Discussão - IE/UNICAMP, Campinas, n. 77, jul ROSS, Stephen A.; WESTERFIELD, Randolph W.; JAFFE, Jeffrey F. Administração financeira. São Paulo: Atlas, SIFFERT Filho, Nelson. Governança corporativa: padrões internacionais e evidências empíricas no Brasil nos anos 90. Rio de Janeiro, BNDES, WILLIAMSON, Oliver E. (org.). The mechanisms of governance. New York: Oxford University Press,

Proposta de disciplina G3. Ano Lectivo 2003/2004. Economia das Pensões

Proposta de disciplina G3. Ano Lectivo 2003/2004. Economia das Pensões Proposta de disciplina G3 Ano Lectivo 2003/2004 Economia das Pensões Maria Teresa Medeiros Garcia Lisboa, 31 de Março, 2003 1. Justificação Numa fase de grande incerteza quanto à sustentabilidade financeira

Leia mais

Princípios da Gestão Empresarial

Princípios da Gestão Empresarial Princípios da Gestão Empresarial ideias mercado cenário Processos bem definidos e entendidos por toda organização Plano de negócios precisa de uma estratégia Fluxo realimentado a cada nova estratégia ou

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

Disciplina: Governança Corporativa Professora: Rosely Gaeta

Disciplina: Governança Corporativa Professora: Rosely Gaeta Disciplina: Governança Corporativa Professora: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 ORIGENS E FUNDAMENTOS DA GOVERNANÇA CORPORATIVA - FUNDAMENTOS Fonte: Nota de Aula 05 Governança Corporativa - Prof Fábio Gomes

Leia mais

CEG Centro de Estudos em Governança Corporativa da FIPECAFI

CEG Centro de Estudos em Governança Corporativa da FIPECAFI CEG Centro de Estudos em Governança Corporativa da FIPECAFI Prof. Marcelo de Aguiar Coimbra Graduado e Mestre em Direito pela USP/Doutorando pela Universidade de Colônia, Alemanha Coordenador do Grupo

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA CONCEITOS PARA REVISÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA CONCEITOS PARA REVISÃO Este capítulo introduz vários conceitos novos que serão usados através do texto. Duas idéias deverão ser mantidas em mente enquanto

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

CLM Consultoria Atuarial Ltda.

CLM Consultoria Atuarial Ltda. 1 GOVERNO E FUNDOS DE PENSÃO O DESESTÍMULO À POUPANÇA PREVIDENCIÁRIA Eis que o Governo Lula convoca os fundos de pensão das estatais para se tornarem parceiros no desenvolvimento. A idéia de utilização

Leia mais

REVISTA ADM.MADE - ANO 6 / Nº 1

REVISTA ADM.MADE - ANO 6 / Nº 1 REVISTA ADM.MADE - ANO 6 / Nº 1 APRESENTAÇÃO No primeiro número da Revista ADM.MADE foram apresentados seis trabalhos de professores e alunos do nosso Programa de Mestrado em Administração e Desenvolvimento

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução Nossos Valores Artigo 1º Premissa Artigo 2º Objetivos e Valores Artigo 3º Sistema de Controle Interno Artigo 4º Relação com os Stakeholders / Partes Interessadas 4.1 Acionistas

Leia mais

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização.

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização. UNIDADE II FLUXOS DE CAIXA Em um mercado competitivo, a gestão eficiente dos recursos financeiros, torna-se imprescindível para o sucesso da organização. Um bom planejamento do uso dos recursos aliado

Leia mais

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09 Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os

Leia mais

Performance da Renda Fixa em 2013

Performance da Renda Fixa em 2013 Performance da Renda Fixa em 2013 Material produzido em junho de 2013 Performance da Renda Fixa em 2013 O que tem acontecido com os investimentos em renda fixa? Nos últimos meses temos visto o mercado

Leia mais

REGULAÇÃO PELA TAXA DE RETORNO, CRIAÇÃO DE VALOR E GOVERNANÇA CORPORATIVA

REGULAÇÃO PELA TAXA DE RETORNO, CRIAÇÃO DE VALOR E GOVERNANÇA CORPORATIVA REGULAÇÃO PELA TAXA DE RETORNO, CRIAÇÃO DE VALOR E GOVERNANÇA CORPORATIVA Carlos Henrique Rocha PhD em Economia Professor na Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departamento de Engenharia

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 31

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Conteúdo da apresentação Breve contexto Indutores da Gestão da Sustentabilidade Gestão

Leia mais

Núcleo de Estudos em Estratégia e Governança Corporativa, de Redes e das Organizações - NEEG

Núcleo de Estudos em Estratégia e Governança Corporativa, de Redes e das Organizações - NEEG Núcleo de Estudos em Estratégia e Governança Corporativa, de Redes e das Organizações - NEEG Coordenador(es): Joaquim Rubens Fontes Filho APRESENTAÇÃO Os estudos em administração apenas recentemente têm

Leia mais

MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO NA GOVERNANÇA CORPORATIVA

MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO NA GOVERNANÇA CORPORATIVA MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO NA GOVERNANÇA CORPORATIVA ADALBERTO JOSÉ CONTESSOTTO,ADILSON TREVISAN, FILIPE FRANCISCHINE, LUCIANO APARECIDO SOARES E MARCOS PAULO GONÇALVES, alunos do Curso de Administração

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T15

Divulgação de Resultados 3T15 São Paulo - SP, 4 de Novembro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

OS FUNDOS DE PENSÃO COMO MECANISMO DE INVESTIMENTO DE LONGO PRAZO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

OS FUNDOS DE PENSÃO COMO MECANISMO DE INVESTIMENTO DE LONGO PRAZO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: DESAFIOS E OPORTUNIDADES OS FUNDOS DE PENSÃO COMO MECANISMO DE INVESTIMENTO DE LONGO PRAZO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Previdência complementar e poupança doméstica: desafios gêmeos no Brasil José Roberto

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

Descarbonizar a economia Competitividade Desenvolvimento sustentável

Descarbonizar a economia Competitividade Desenvolvimento sustentável Descarbonizar a economia Competitividade Desenvolvimento sustentável O BCSD Portugal Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável é uma associação sem fins lucrativos, de utilidade pública,

Leia mais

A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas

A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas Prof. Mestre Renato silva 1 Resumo: Este artigo tem o propósito de apresentar a importância da contabilidade gerencial no contexto da geração

Leia mais

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 Processo de Avaliação e Acompanhamento de Empreendimentos Pré-Incubados Utilizando Balanced Scorecard Perez, Celso Roberto Instituto

Leia mais

Influência dos custos de transação no lucro de uma empresa: aplicação do modelo de caixa de Miller-Orr

Influência dos custos de transação no lucro de uma empresa: aplicação do modelo de caixa de Miller-Orr Influência dos custos de transação no lucro de uma empresa: aplicação do modelo de caixa de Miller-Orr Dany Rogers (FAGEN/UFU) danyrogers@yahoo.com.br Pablo Rogers (FAGEN/UFU) pablorogerss@yahoo.com.br

Leia mais

Ativos de Base Imobiliária O Mercado de Capitais como fonte de recursos e alternativa de investimento. Maio 2015

Ativos de Base Imobiliária O Mercado de Capitais como fonte de recursos e alternativa de investimento. Maio 2015 Ativos de Base Imobiliária O Mercado de Capitais como fonte de recursos e alternativa de investimento. 1 Maio 2015 Seção 1 Panorama do Mercado Imobiliário Seção 2 Produtos Financeiros i de Base Imobiliária

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

Núcleo Comum. Gestão Empresarial. Administração Estratégica Planejamento e o BSC. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior

Núcleo Comum. Gestão Empresarial. Administração Estratégica Planejamento e o BSC. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior Núcleo Comum Gestão Empresarial Administração Estratégica Planejamento e o BSC Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior INTRODUÇÃO O ato de planejar e gerenciar pertence ao cotidiano de grande parte dos

Leia mais

CVM COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS e BM&F BOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS 28/03/2014. Prezados Senhores.

CVM COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS e BM&F BOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS 28/03/2014. Prezados Senhores. À CVM COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS e BM&F BOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS 28/03/2014 Prezados Senhores. Em atendimento ao art.21 inciso VIII da Instrução CVM 480/09, segue abaixo as

Leia mais

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DE 2015

BRB ANUNCIA RESULTADOS DE 2015 BRB ANUNCIA RESULTADOS DE 2015 Brasília, 22 de março de 2016 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

Resumo Objetivo e Definição do problema

Resumo Objetivo e Definição do problema 1 Resumo Objetivo e Definição do problema O presente trabalho estuda o uso potencial de instrumentos que utilizam uma interação próxima entre os setores público, privado e o terceiro setor, visando aumentar

Leia mais

Mensuração de Resultados

Mensuração de Resultados Mensuração de Resultados A Educação Corporativa mais Próxima da Estratégia do Negócio coleção 3 02 olá! A Affero Lab, maior empresa de Educação Corporativa do Brasil, tem se envolvido com todos os aspectos

Leia mais

Novo Mercado: Gestão de Propriedades e Abertura de Capital

Novo Mercado: Gestão de Propriedades e Abertura de Capital Novo Mercado: Gestão de Propriedades e Abertura de Capital 2 Crescimento do Agronegócio Brasileiro Fluxo de caixa/custos Evolução da Gestão Vendas Futuras 90/00 Evolução de Comercialização Produtividade

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Informações

MANUAL DO CANDIDATO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Informações MANUAL DO CANDIDATO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Candidatos: (11) 5081-8200 (opção1) Segunda a sexta 9h às 21h Sábado 9h às 13h candidato@espm.br www.espm.br

Leia mais

Gestão Estratégica no Setor Público. Roberta Clemente ILP 30/10/2007

Gestão Estratégica no Setor Público. Roberta Clemente ILP 30/10/2007 Gestão Estratégica no Setor Público Roberta Clemente ILP 30/10/2007 Organização da Apresentação Introdução Estratégia Histórico da Intervenção estatal Crise do Estado Especificidades do caso brasileiro

Leia mais

31 de março de 2015 e 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras

31 de março de 2015 e 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Multi Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução Capítulo 1 Avaliando Empresas Uma Introdução A expressão avaliação de empresas é a tradução para a língua portuguesa do termo valuation, sendo sinônimo de valoração de empresas. A recente onda de fusões

Leia mais

Financiamento para o desenvolvimento. Novembro/2012

Financiamento para o desenvolvimento. Novembro/2012 Financiamento para o desenvolvimento Novembro/2012 Agenda Contexto dos investimentos em infraestrutura no Brasil Desafios para a realização de investimentos em infraestrutura 1 Brasil Média Global Países

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

MBA EXECUTIVO ESTRATÉGIA, LIDERANÇA E INOVAÇÃO MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2012 ESPM-SUL

MBA EXECUTIVO ESTRATÉGIA, LIDERANÇA E INOVAÇÃO MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2012 ESPM-SUL MBA EXECUTIVO ESTRATÉGIA, LIDERANÇA E INOVAÇÃO MANUAL DO CANDIDATO Ingresso Agosto 2012 ESPM-SUL Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400

Leia mais

Av. Ataulfo de Paiva, 245-3º andar Leblon CEP: 22440-032 www.animaeducacao.com.br/ri Rio de Janeiro Tel.: +55 (21) 3550-1630. www.genuscapital.com.

Av. Ataulfo de Paiva, 245-3º andar Leblon CEP: 22440-032 www.animaeducacao.com.br/ri Rio de Janeiro Tel.: +55 (21) 3550-1630. www.genuscapital.com. Av. Ataulfo de Paiva, 245-3º andar Leblon CEP: 22440-032 Rio de Janeiro Tel.: +55 (21) 3550-1630 www.genuscapital.com.br A EMPRESA A Genus Capital Group é uma gestora independente centrada em produtos

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui CURSO MASTER In Business Economics Master in Business Economics 1 vire aqui DISCIPLINAs O aluno poderá solicitar a dispensa das disciplinas básicas: Matemática Básica, Estatística Aplicada e Contabilidade.

Leia mais

O Futuro da Gestão no Brasil e no Exterior

O Futuro da Gestão no Brasil e no Exterior O Futuro da Gestão no Brasil e no Exterior 7º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento São Paulo, 14 de maio 2013 Daniel Celeghin, Sócio Resumo 1. Quem somos 2. Perspectiva ex-brasil : cinco fatores

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Symposium on Sustainable Development: New Dimensions for Society & Business Espaço Tom Jobim, Jardim Botânico, Rio de Janeiro, 18 June 2012

Symposium on Sustainable Development: New Dimensions for Society & Business Espaço Tom Jobim, Jardim Botânico, Rio de Janeiro, 18 June 2012 Symposium on Sustainable Development: New Dimensions for Society & Business Espaço Tom Jobim, Jardim Botânico, Rio de Janeiro, 18 June 2012 UMA EXPERIÊNCIA DE PARCERIA SOCIAL PÚBLICO PRIVADA APLICADA À

Leia mais

perfis de investimento

perfis de investimento perfis de investimento Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a gestão de investimentos da ELETROS? 5 Quais são os principais riscos associados aos investimentos? 6 Como são os investimentos em renda fixa?

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

Nível 2. Governança Corporativa

Nível 2. Governança Corporativa Nível 2 Governança Corporativa Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela antiga Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível

Leia mais

Prof. Antônio Ricardo M. Marinho Diretor de Programas de Finanças da ESPM Sul amarinho@espm.br

Prof. Antônio Ricardo M. Marinho Diretor de Programas de Finanças da ESPM Sul amarinho@espm.br FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA CONTEÚDO DA PALESTRA Finanças Corporativas e Contabilidade G a s t o s Patrimônio, Resultado e Caixa Formação de Preços Processo de Governança Conselho de Administração

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

Acesso ao Sistema Financeiro Brasileiro Luiz Edson Feltrim Departamento de Organização do Sistema Financeiro Chefe

Acesso ao Sistema Financeiro Brasileiro Luiz Edson Feltrim Departamento de Organização do Sistema Financeiro Chefe Plano de Negócio em Instituições Financeiras ao Sistema Financeiro Brasileiro Luiz Edson Feltrim Departamento de Organização do Sistema Financeiro Chefe Resumo ÁREA DE DILID Alexandre Tombini DIFIS DINOR

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br INTRODUÇÃO Histórico dos indicadores de desempenho BSC (e ferramentas semelhantes) BSC no setor sistema

Leia mais

CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FII (CXRI11) Informativo Mensal Janeiro/2015

CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FII (CXRI11) Informativo Mensal Janeiro/2015 Objetivo e Política do Fundo O fundo CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII tem como objetivo proporcionar retorno aos seus cotistas por meio de uma carteira diversificada de

Leia mais

Plano Geral de Formação

Plano Geral de Formação Plano Geral de Formação 2 0 1 6 A Católica Business Schools Alliance é constituída por: Índice Mensagem de boas vindas Católica Business Schools Alliance 10 razões para nos escolher MBA Atlântico Oficina

Leia mais

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 São Paulo, 25 de fevereiro de 2005 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia hoje seus

Leia mais

Prof. Msc. Orleans Martins

Prof. Msc. Orleans Martins Determinação de Taxa de Câmbio Prof. Msc. Orleans Martins OSCILAÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO: MEDIÇÃO As oscilações da taxa de câmbio afeta o valor de uma EMN. Tais oscilações influenciam o montante de entradas

Leia mais

Apresentação Institucional. Novembro 2015

Apresentação Institucional. Novembro 2015 Apresentação Institucional Novembro 2015 Seção 1 Visão Geral da Unidas Visão Geral da Unidas 3ª maior empresa brasileira de aluguel de carros em frota total, com cobertura nacional em soluções para terceirização

Leia mais

O que é Governança Corporativa?

O que é Governança Corporativa? O que é Governança Corporativa? O que é Governança Corporativa? Tradução literal de Corporate Governance conduz à percepção equivocada da abrangência e limites de aplicabilidade da Governança Corporativa.

Leia mais

O sistema de saúde que queremos ter em 10 anos: único, complementar ou suplementar?

O sistema de saúde que queremos ter em 10 anos: único, complementar ou suplementar? O sistema de saúde que queremos ter em 10 anos: único, complementar ou suplementar? O conceito básico de valor na perspectiva do cliente é a relação entre os benefícios percebidos pelo cliente e o esforço

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ

POLÍTICA INSTITUCIONAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ POLÍTICA INSTITUCIONAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Setembro/2013 ÍNDICE 1. Definições, Base Legal e Objetivo... 3 2. Estrutura Organizacional de Gerenciamento do Risco de Liquidez... 4 3. Principais

Leia mais

Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental. 31 de dezembro de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental. 31 de dezembro de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 Índice Relatório dos auditores independentes sobre as

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 8: ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Administrar o capital de giro pode ser sinônimo de administrar o ativo circulante, composto das disponibilidades, das contas a receber,

Leia mais

Artigo Técnico. ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO

Artigo Técnico. ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO i ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO A moderna teoria de administração de portfolios vem procurando apresentar mecanismos para a obtenção da uma relação ótima entre

Leia mais

Contato RI. Teleconferência de Resultados do 2T06

Contato RI. Teleconferência de Resultados do 2T06 29 de Agosto de 2006 - GP Investments, Ltd ( GP Investments ou Companhia ) [BOVESPA: GPIV11], um dos líderes no mercado de private equity no Brasil anuncia um lucro líquido de US$4,9 milhões e receitas

Leia mais

Diretrizes e procedimentos para elaboração de um projeto de cátedra e de Programa UNITWIN

Diretrizes e procedimentos para elaboração de um projeto de cátedra e de Programa UNITWIN Diretrizes e procedimentos para elaboração de um projeto de cátedra e de Programa UNITWIN Introdução O Programa UNITWIN foi lançado em 1992, conforme resolução adotada pela Conferência Geral da UNESCO

Leia mais

5. ETAPA DOS INVESTIMENTOS. Prof. Elisson de Andrade www.profelisson.com.br

5. ETAPA DOS INVESTIMENTOS. Prof. Elisson de Andrade www.profelisson.com.br 5. ETAPA DOS INVESTIMENTOS Prof. Elisson de Andrade www.profelisson.com.br Introdução Poupar versus investir É possível investir dinheiro nos mercados: Imobiliário Empresarial Financeiro Fatores a serem

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Fundo de Aposentadoria Programada Individual Banrisul Conservador CNPJ 04.785.314/0001-06 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96)

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria 1 OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma visão prática do ponto de vista de mercado e correta

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

Contabilidade e Gestão Financeira

Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade e Gestão Financeira A Função Financeira MESG - Mestrado Engenharia de Serviços e Gestão FEUP 2010 Rui Padrão A Função (Financeira) Gestão Financeira: Decisões Financeiras Estruturais: 1.

Leia mais

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA O estudo a ser entregue deverá avaliar a viabilidade do projeto de PPP proposto segundo a ótica de todos os fornecedores de capital

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

Governança Corporativa Profa. Patricia Maria Bortolon

Governança Corporativa Profa. Patricia Maria Bortolon Governança Corporativa Desenvolvimento dos Códigos de Boas Práticas no Mundo Aula 3 O crescimento dos Códigos de Governança Durante a última década, todo ano uma série de novos códigos e revisões são introduzidos

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MÉTODOS DE ENSINO PARA OS CONHECIMENTOS EM MERCADO DE CAPITAIS NOS CURSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

DEFINIÇÃO DE MÉTODOS DE ENSINO PARA OS CONHECIMENTOS EM MERCADO DE CAPITAIS NOS CURSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE MÉTODOS DE ENSINO PARA OS CONHECIMENTOS EM MERCADO DE CAPITAIS NOS CURSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Erica Soares - esoares@sc.usp.br Angela Rossi angelars@sc.usp.br Cláudio G. Tavares guilherm@sc.usp.br

Leia mais

NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS: 3 grandes problemas de modelam 1

NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS: 3 grandes problemas de modelam 1 NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS: 3 grandes problemas de modelam 1 Henrique Lian O problema com as pessoas que falam de Negócios Sustentáveis é que a maioria delas não tem a menor ideia do que é ser sustentável,

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN

A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN 1 A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN Cézar Manoel de Medeiros* O Novo Ciclo de desenvolvimento em curso no Brasil é

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA DE DEMONSTRATIVO CONTÁBEIS COMO INSTRUMENTO GERENCIAL. Foco no Desempenho Empresarial. Professor: Héber Lavor Moreira BELÉM/PARÁ

ANÁLISE FINANCEIRA DE DEMONSTRATIVO CONTÁBEIS COMO INSTRUMENTO GERENCIAL. Foco no Desempenho Empresarial. Professor: Héber Lavor Moreira BELÉM/PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALUNA: ANA TEREZINHA MOREIRA MATR.: 0001013701 ANÁLISE FINANCEIRA DE DEMONSTRATIVO CONTÁBEIS COMO INSTRUMENTO GERENCIAL Foco

Leia mais

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso.

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Francisco Carlos Fernandes (FURB) fernandes.francisco@uol.com.br

Leia mais

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR I - OBJETIVO GERAL Realização de Módulos do programa de capacitação

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC SEMINÁRIO BANCO MUNDIAL CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil São Paulo 28/Abril/2011 SEMINÁRIO BANCO MUNDIAL SUMÁRIO 1. COMO AS EMPRESAS BRASILEIRAS SE

Leia mais

Carta da Sustentabilidade das Cidades Européias (Carta de Aalborg)

Carta da Sustentabilidade das Cidades Européias (Carta de Aalborg) Carta da Sustentabilidade das Cidades Européias (Carta de Aalborg) (aprovada pelos participantes na Conferência Européia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994)

Leia mais

ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS

ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS Explorando Novas Opções para o Incremento da Doação de Fundos e Re-canalização da Dívida Apresentado pela Agência Inter-Americana

Leia mais

Proposta de apresentação das Demonstrações Contábeis

Proposta de apresentação das Demonstrações Contábeis Revista UNIFESO Humanas e Sociais Vol. 1, n. 1, 2014, pp. 35-44. Proposta de apresentação das Demonstrações Contábeis pelos critérios de avaliação econômica e a preços de mercado Clóvis Luís Padoveze 1

Leia mais

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs)

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Organização: Unidade de Parcerias Público-Privadas - Secretaria de Estado de Economia e Planejamento (SEP) Vitória, 26.11.2010 Objetivos do Curso Apresentar

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

GENILDO JOSÉ DA SILVA

GENILDO JOSÉ DA SILVA GENILDO JOSÉ DA SILVA gestão pública por resultado: uma alternativa para o desenvolvimento de Alagoas? Mestrando em Gestão Pública para Desenvolvimento do Nordeste RESUMO Este artigo faz uma análise das

Leia mais

Governança Corporativa Profa. Patricia Maria Bortolon

Governança Corporativa Profa. Patricia Maria Bortolon Governança Corporativa Investidores Institucionais e Governança Corporativa Aula 11 Participação Acionária de Investidores Institucionais No Reino Unido: Tipo de Investidor 1963 % 2006 % Indivíduos 54

Leia mais

Apresentação Unidas. Maio 2014

Apresentação Unidas. Maio 2014 Apresentação Unidas Maio 2014 Seção 1 Visão Geral da Unidas Visão Geral da Unidas 2ª maior empresa brasileira de aluguel de carros em frota total, com cobertura nacional em soluções para terceirização

Leia mais