Sistema de Gestão da Qualidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Gestão da Qualidade"

Transcrição

1 Página: 1/7 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Prestar assistência ao paciente durante a biópsia percutânea mamária guiada com uso de dispositivo portátil para biópsia vácuo-assistida e unidade estereotáxica adaptada ao mamógrafo. 2. APLICAÇÃO: Paciente do ambulatório de Mastologia. 3. RESPONSABILIDADE:, enfermeiro (a), técnico (a) e auxiliar de enfermagem e técnica de radiologia. 4. MATERIAIS: Camisola descartável, luvas estéreis, luvas descartáveis de procedimento e óculos de proteção; 1 bandeja para biópsia, 4 pacotes de gaze estéril, 1 pacote de compressa cirúrgica estéril, 2 seringas de 10mL, 1 agulha 40x12, 1 agulha 30x7, 1 agulha 13x4,5, 1 frasco de lidocaína à 2% sem vaso constritor 20mL, 1 lâmina de bisturi nº 11, 2 frascos de formol tamponado 10%, 1 placa de Petri, 1 almotolia de clorexidina alcoólica 0,5%, 1 agulha para biópsia, 1 guia, 1 sistema de clipe, 1 balde pequeno, 1 guia estéril, 1 frasco de solução fisiológica 250mL, 1 curativo adesivo microporoso estéril, 2 ataduras de crepe 20cm, 1 rolo de fita crepe, 2 sacos transparentes para coletar insumos; Sistema de biópsia à vácuo, mesa auxiliar larga, 1 caixa para material perfurocortante com capacidade útil de 17 L; Etiquetas, 1 folha do impresso HSP 021, 1 folha do impresso Requisição de Exame Histopatológico, 2 etiquetas com o nome completo e registro da paciente, 1 folha de impresso Orientação pós biópsia por agulha grossa, 1 caixa rígida, livro de protocolo de exames. 1 Higienize as mãos. 2 DESCRIÇÃO AÇÕES (passos) AGENTES REFERÊNCIAS Chame e confirme a identificação da paciente pelo seu nome completo. 3 Encaminhe a paciente até a sala de Biópsia Multicare mãos POP Identificação do paciente 4 Oriente sobre o procedimento a ser realizado e estimule a sua participação nas decisões. Referência 1, 2, 3 e 4 5 Cheque e confirme o consentimento livre, voluntário e esclarecido quanto ao procedimento diagnóstico. Referência 4

2 Página: 2/ Peça que retire a blusa e o sutiã, pendure-os no cabide. Ofereça uma camisola descartável e oriente a colocação com a abertura para frente. Cheque com a equipe a lateralidade da mama e posicione a paciente em decúbito ventral sobre a mesa de estereotaxia, posicione a mama na abertura frontal e cubra-a com cobertor. Digite o nome completo da paciente e o seu código de registro do HSP no aparelho de imagem. Referência 2, 4 Referência 1,3 e 4 Referência 1 e 3 9 Reúna os materiais sobre a mesa auxiliar: Fixe o saco transparente na lateral da mesa; Abra a bandeja de biópsia com técnica asséptica; Abra um pacote de gaze estéril e umedeça com clorexidina 0,5%, mantenha a gaze no invólucro plástico; Abra um pacote de compressa estéril e um pacote de gaze estéril, retire do invólucro e disponha sobre o campo estéril; Faça a desinfecção da ampola de lidocaína com álcool a 70%; Abra e aspire todo o seu conteúdo, preenchendo as duas seringas; Conecte a uma seringa a agulha 13x4,5mm; Conecte a outra seringa a agulha 30x7mm; Abra o guia dentro da bandeja; Posicione a placa de Petri e os 2 frascos de formol sobre a mesa auxiliar; Referência 1 10 Cheque com a equipe médica o calibre da agulha de biópsia e inicie montagem do sistema à vácuo;

3 Página: 3/7 11 Montagem do sistema de vácuo: Abra a agulha com técnica estéril sobre o sistema de vácuo; Conecte a Via vermelha da agulha no conector da mesma cor do sistema de vácuo US/STX; Conecte a via preta da agulha no conector da mesma cor do sistema de vácuo; Encaixe a via de silicone da agulha na roldana do sistema de vácuo; Conecte o frasco de solução fisiológica 0,9% 250mL na extremidade da via de silicone, pendure no suporte lateral do sistema de vácuo. Encaixe o balde pequeno no espaço indicado no sistema de vácuo; Conecte a via transparente do sistema de vácuo no orifício central do sistema; Conecte a via de aspiração da agulha no orifício lateral do balde pequeno; Feche o outro orifício lateral do balde. Manual de instruções do sistema à vácuo 12 Teste o funcionamento do sistema de vácuo: 1º. Ligue POWER; 2º. Aperte a tecla SETUP; 3º. Cheque o acendimento automaticamente da luz verde; 4º. Aperte a tecla Teste, haverá sucção de solução, visualize através da agulha; 5º. Retire o protetor da agulha. Técnica em radiologia 13 Higienize as mãos 14 Calce as luvas de procedimento, o médico (a) deve utilizar os óculos de proteção. Mãos NR Ofereça os materiais: 1º Gaze embebida em clorexidina alcoólica 0,5%; 2º Compressa cirúrgica estéril; 3º Seringa 10mL com lidocaína 2% com agulha 13x4,5; 4º Seringa 10mL com lidocaína 2% com agulha 30x7; 5º Lâmina de bisturi; 6º Agulha da biópsia. 16 Verifique conforto e analgesia da paciente durante todo o procedimento. Referência 2,4

4 Página: 4/7 17 Coloque os fragmentos na placa de Petri para serem radiografados na sala de mamografia. Após radiografia coloque os fragmentos nos frascos com formol tamponado 10% e separe e identifique-os quanto à presença ou ausência de microcalcificações. Técnica em radiologia Referência 1 e 5 18 Abra o sistema de clipe com técnica asséptica e ofereça ao médico. Referência 1 19 Ao final do procedimento cheque a identificação do frasco quanto aos seguintes dados: nome completo da paciente, RH, localização da punção e lado, data e presença ou ausência de microcalcificações. Referência 1, 5 20 Faça compressão no local da punção com gaze seca; Referência 1 21 Encaminhe a paciente para fazer RX na sala de mamografia para controle de localização do clip. Referência 1 22 Faça compressão no local da punção com gaze seca; Coloque o curativo adesivo microporoso no local da punção aproximando as margens. Coloque gaze seca sobre o curativo microporoso. Coloque gaze seca protegendo a região dos mamilos. Realize o enfaixamento compressivo com as ataduras de crepe e fixe com fita crepe. 23 Auxilie a paciente a se vestir. Referência 2 e 4 24 Retire as luvas e higienize as mãos mãos 25 Avalie a paciente quanto à presença de dor e administre medicamentos conforme prescrição médica. Referência 2 e 4 POP Administração de medicamento via oral

5 Página: 5/7 26 Informe a paciente quanto aos cuidados para a sua recuperação e entregue o impresso com as orientações. Oriente a paciente a agendar o retorno na recepção. Médico Referência 1,2,3 e 4 27 Realize anotação de enfermagem (impresso próprio ambulatorial) Protocolo: Anotação de Enfermagem. 28 Acondicione os fragmentos coletados em caixa rígida; Registre no livro de protocolos de exames: nome, código de registro do HSP, tipo de amostra (mamotomia) e nº de frascos; encaminhe ao laboratório de patologia até às 16h. Técnica ou auxiliar de enfermagem Referência 5 Caderno de protocolo de exames 29 Calce luvas de procedimento Técnica radiologia NR Para desmontar o sistema à vácuo: Desligue o sistema à vácuo na tecla POWER; Retire a agulha do suporte da agulha; Retire as conexões da agulha com o sistema de vácuo; Corte com tesoura a extensão próximo a agulha de biópsia; Descarte o dispositivo com a agulha de biópsia e demais seringas com agulhas na caixa para materiais perfurocortantes; Coloque a extensão, o balde pequeno e o saco transparente na lixeira para resíduos infectantes., Técnica radiologia Manual de instruções do sistema à vácuo PGRSS 31 Realize a limpeza da mesa Multicare, sistema à vácuo. Técnica radiologia Manual de instruções dos equipamentos 32 Realiza a limpeza da mesa auxiliar e sistema à vácuo POP Limpeza concorrente e terminal do leito, mobiliários e equipamentos Manual de instrução do sistema à vácuo. 33 Encaminhe para o expurgo: bandeja de biópsia e a placa de Petri. Referência 6

6 Página: 6/7 34 Embale a bandeja de biópsia em saco transparente. 35 Realize a limpeza da placa de Petri com água corrente e sabão neutro com compressão não estéril e realize desinfecção com álcool a 70% 36 Retire as luvas e higienize as mãos. 37 Registre no caderno de protocolo os artigos e encaminhe para a CDE em caixa rígida de transporte. Técnica radiologia Referência 6 POP Limpeza concorrente e terminal do leito, mobiliários e equipamentos mãos Caderno de protocolo CDE Referência 6 Assistenciais: RISCOS: Reação alérgica ao anestésico local, sangramento, hematoma pós procedimento, infecção local, dor no local. Procedimento em paciente errado, em mama errada Avaliação (G; P)* 3;2 4;1 Mitigação (nº passo) 4,5,7,10-16,20-22, ,5,7,8,17,19 Ocupacionais: Contaminação com material biológico e acidente com material perfurocortante. 3;2 14,15,17,19,20,22, *Gravidade (G): 1 a 4 e a Probabilidade (P): 1 a 4 OBSERVAÇÕES Após montar o sistema à vácuo, realize o teste de funcionamento; Falha no teste: - Tampa do balde pequeno mal encaixada, vias de entrada do baldinho não ocluídas; Antes de abrir o pacote da agulha para biópsia certifique-se com o médico o calibre da agulha, 9x12 Cód: , 9x20 Cód: , Clips Cód: ; Antes de abrir o pacote com clip certifique-se da necessidade do uso do mesmo; Em presença de sangramento, aplique bolsa de gelo no local da punção; Após o procedimento, solicite a limpeza concorrente da sala;

7 Página: 7/7 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA: 1. Camargo Júnior HSA, Camargo MMA, Teixeira SRC, Azevedo J, Arruda MS. Avaliação de um dispositivo portátil para biópsia vácuo-assistida de microcalcificações mamárias. Radiol Bras. 2010;43(2): Duarte MLC, Noro A. Humanização do atendimento no setor de radiologia: dificuldades e sugestões dos profissionais de enfermagem. Cogitare Enferm Jul/Set; 18(3): São Paulo. Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente (REBRAENSP). 10 Passos para a segurança do paciente. São Paulo: COREN, Disponível em acessado em 14/01/ Brasil. Ministério da Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde / Ministério da Saúde. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, p. (Série E. Legislação de Saúde). Disponível em acessado em 14/01/ Carvalho FM, Ker LM. Anatomia Patológica e Citologia no rastreamento e diagnóstico das alterações mamárias. Rev Bras Mastologia. 2013;23(2): Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC Nº 15, de 15 de março de Dispõe sobre requisitos de boas práticas para o processamento de produtos para saúde. ELABORAÇÃO Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Danila Cristina Paquier Sala COREN/SP Simone Elias Martinelli CRM Maria Nazaré Pinheiro Ribeiro COREN/SP Letícia Meazzini de Oliveira COREN/SP: Leila Blanes Coren:68603 Profa. Dra. Angélica G. S. Belasco COREN/SP: Diretora de Enfermagem do Hospital São Paulo/HU da Unifesp

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Prestar assistência ao paciente durante a biópsia dérmica com punch. 2. APLICAÇÃO: Paciente do ambulatório de Mastologia; 3. RESPONSABILIDADE:, enfermeiro (a), técnico(a),

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/6 SUMÁRIO 1.OBJETIVO: Fazer a reposição de sangue e/ou componentes sanguíneos conforme a necessidade terapêutica dos pacientes. 2.APLICAÇÃO: Aos pacientes internados e ambulatoriais com prescrição

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Prevenir lesão de pele e promover higiene e conforto ao estomizado. 2. APLICAÇÃO: Pacientes internados, ambulatoriais e de pronto atendimento, com urostomia. 3. RESPONSABILIDADE:

Leia mais

DESCRIÇÃO AÇÕES AGENTES REFERÊNCIAS

DESCRIÇÃO AÇÕES AGENTES REFERÊNCIAS SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Prevenir lesão de pele e promover higiene e conforto ao estomizado. 2. APLICAÇÃO: Pacientes internados, ambulatoriais e de pronto atendimento com colostomia ou ileostomia. 3. RESPONSABILIDADE:

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Prestar assistência ao paciente durante a biópsia percutânea mamária com agulha grossa core biopsy, com uso de pistola mecânica reutilizável, pode ser guiada pela palpação

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Proporcionar o ambiente ideal para a reparação tecidual. 2. APLICAÇÃO: Aos pacientes com feridas abertas (com exposição de tecidos, ex. úlceras por pressão, deiscências

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 1. 2. SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Prestar assistência ao paciente durante a marcação pré-operatória de lesão não palpável de mama com fio metálico*, pode ser guiada por ultrassom ou mamografia. 2.

Leia mais

Coberturas Especificas

Coberturas Especificas 1 de 10 995 77 RESULTADO ESPERADO: - Promover a cicatrização da ferida, e o reestabelecimento da pele ao seu estado integro. 995 PROCESSOS RELACIONADOS: Enfermagem Atendimento Cirúrgico Internação Tratamento

Leia mais

CURATIVO DE LESÃO POR ERISIPELA. Enfª (s) Estomaterapeutas: Graciete S. Marques e Dayse C. Nascimento

CURATIVO DE LESÃO POR ERISIPELA. Enfª (s) Estomaterapeutas: Graciete S. Marques e Dayse C. Nascimento Revisão: 23/03/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na execução de limpeza com utilização de produtos e coberturas específicas na lesão de pele do paciente portador de lesão por erisipela, cuja doença é de origem

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado por: Lícia Mara

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº: 21/2014 Data de emissão: Março/2014 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Revisão: 01 Data revisão: 29/04/2014 Setor Centros de Saúde Tipo Assistencial TAREFA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA Executante

Leia mais

CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável.

CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável. Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável. FINALIDADE Determinar compatibilidade de

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Situações de Emergência na sala de vacinação

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Situações de Emergência na sala de vacinação vacinas 0 Situações de Emergência na sala de vacinação Nº ASSUNTO: Padronizar Situações de Emergência na sala de vacinação. RESULTADOS ESPERADOS: Evitar perdas de vacinas. APLICAÇÃO: Este POP aplica-se

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição - GHC Hospital Nossa Senhora da Conceição PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP

Grupo Hospitalar Conceição - GHC Hospital Nossa Senhora da Conceição PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Unidade: Métodos Gráficos-Eletrocardiograma Tarefa: Realização de Eletrocardiograma (ECG). Responsável: Equipe de enfermagem Conceito: Grupo Hospitalar Conceição - GHC Hospital Nossa Senhora da Conceição

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM AMBULATÓRIO ESTABELECIMENTO: DATA DA INSPEÇÃO:

Leia mais

Prevenção da pneumonia por broncoaspiração, remoção de secreções de vias aéreas inferiores.

Prevenção da pneumonia por broncoaspiração, remoção de secreções de vias aéreas inferiores. Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na retirada de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de manter a permeabilidade das vias aéreas, facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração.

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. BOLSA COLETORA DE URINA SISTEMA FECHADO PARA DRENAGEM URINÁRIA - UROZAMM SFDH Meter. MODELO: UROZAMM SFDH Meter 152504

INSTRUÇÕES DE USO. BOLSA COLETORA DE URINA SISTEMA FECHADO PARA DRENAGEM URINÁRIA - UROZAMM SFDH Meter. MODELO: UROZAMM SFDH Meter 152504 INSTRUÇÕES DE USO BOLSA COLETORA DE URINA SISTEMA FECHADO PARA DRENAGEM URINÁRIA - UROZAMM SFDH Meter MODELO: UROZAMM SFDH Meter 152504 1. INDICAÇÃO DO PRODUTO: Produto indicado para drenagem e coleta

Leia mais

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL Definição: Infecção urinária sintomática associada ao cateter: Febre > 38 o C ou sensibilidade suprapúbica e cultura positiva

Leia mais

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M.

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011 Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. Trazzi Objetivos: As normas descritas abaixo, deverão ser acatadas pelos

Leia mais

M ANUAL DE IN STRU Ç Õ E S

M ANUAL DE IN STRU Ç Õ E S M ANUAL DE IN STRU Ç Õ E S Em caso de dúvidas e assistência técnica, entrar em contato diretamente com o fabricante: contato@rhj.com.br 11 4522-7400 maternmilk.com.br Manual de Instruções Matern Milk Evolute

Leia mais

Sumário Serra Fita FAM

Sumário Serra Fita FAM Sumário Serra Fita FAM 1 Componentes... 1 Painel de controle... 1 Sensores de segurança... 2 Especificações... 2 Instalação... 3 Condições Gerais do Local... 3 Rede Elétrica... 3 Instalação da Tomada...

Leia mais

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 10 Título do Procedimento: Preparo de Material Data de Emissão: 11 / 2004

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 10 Título do Procedimento: Preparo de Material Data de Emissão: 11 / 2004 Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 10 Freqüência em que é realizado: Nos horários de recebimento dos materiais sujos no expurgo, após serem lavados e enxaguados, os materiais serão encaminhados para

Leia mais

DATA: 18/11/2013 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE ENFERMAGEM POP CDC Nº073. Revisão: 00 PÁG: 1

DATA: 18/11/2013 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE ENFERMAGEM POP CDC Nº073. Revisão: 00 PÁG: 1 Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na aferição da glicemia capilar em pacientes de todas as faixas etárias através de uma gota de sangue fresco adquirida com punção puntiforme utilizando glicosímetro

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Oferecer alimento na forma líquida e intermitente aos pacientes incapazes de deglutir ou desnutridos, através de sonda enteral (pré ou pós pilórica) ou estomas de alimentação

Leia mais

Administração segura de medicamentos por via inalatória ( anexo 1) conforme prescrição médica.

Administração segura de medicamentos por via inalatória ( anexo 1) conforme prescrição médica. Revisão: 28/04/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na administração de medicamentos através de dispositivos que produzem uma fina nevoa que facilita o transporte de medicamentos através da inspiração profunda

Leia mais

Atitude. (Enciclopédia Barsa 1997)

Atitude. (Enciclopédia Barsa 1997) Atitude Conceito genérico, com diferentes interpretações em psicologia, que busca explicar grande parte da conduta social frente às situações e experiências. (Enciclopédia Barsa 1997) (Autor Desconhecido)

Leia mais

PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL

PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL (PARA ADULTOS) Adaptado para utilização de escova dental + boneca de gaze Versão 1.6 Dr. Eduardo Esber Odontologista CROMG 16393 CNI 16495 "O que acontece na boca não

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00044/2013-000 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00044/2013-000 SRP 26232 - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA 150247 - COMPLEXO HOSPITALAR E DE SAUDE DA UFBA RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00044/2013-000 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - EXTENSOR EQUIPO SORO EXTENSOR

Leia mais

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula Revisão: 01 PÁG: 1 CONCEITO Consiste no procedimento de remoção dos fios cirúrgicos com técnica asséptica, o qual pode ser retirada pode ser total ou alternada. FINALIDADE Oferecer a limpeza da incisão

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [REV.00 03082011] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA Antes da utilização, é muito importante que você leia atentamente o manual de instruções, estas informações ajudam a prevenir acidentes e utilizar

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Unidade de Tecnologia da Organização de Serviços de Saúde

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Unidade de Tecnologia da Organização de Serviços de Saúde I ESTRUTURA SIM NÃO NA Área física de acordo com a RDC n 50/02 Localização em área de circulação restrita AREA ADMINISTRATIVA Área exclusiva para a recepção de pacientes Barreira física entre circulação

Leia mais

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - COVISA GERÊNCIA DO CENTRO DE CONTROLE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS - CCD NÚCLEO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL PADRÃO (POP) DO AMBULATÓRIO DE GINECOLOGIA DO HOSPITAL GETÚLIO VARGAS

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL PADRÃO (POP) DO AMBULATÓRIO DE GINECOLOGIA DO HOSPITAL GETÚLIO VARGAS 1 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL PADRÃO (POP) DO AMBULATÓRIO DE GINECOLOGIA DO HOSPITAL GETÚLIO VARGAS Teresina 2013 1 2 APRESENTAÇÃO O atendimento ao público faz parte da rotina do Ambulatório

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX Página: 1 de 8 1) DESCRIÇÃO DO PRODUTO Lanceta Automática de Segurança Injex - Estéril - calibre: 28 G = 0,36mm Produto Classe: 2 Registro: 10160610037 2) TIPO DE USO Produto uso único - doméstico (usuários

Leia mais

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na remoção de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração. FINALIDADE Prevenir complicações respiratórias;

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DE CORRELATOS - RECOR

ANEXO II RELAÇÃO DE CORRELATOS - RECOR ANEXO II ESTADO DE ALAGOAS PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENAÇÃO DE FARMÁCIA E BIOQUÍMICA COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA RELAÇÃO DE CORRELATOS - RECOR ITEM CORRELATO

Leia mais

Dr. Juan Carlos B. Ligos CRF: 11107

Dr. Juan Carlos B. Ligos CRF: 11107 Dr. Juan Carlos B. Ligos CRF: 11107 Vias injetáveis VIAS INJETÁVEIS Decisões complexas: Realização do procedimento Medicação a ser administrada (Interpretação da receita) Volume a ser injetado Seleção

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha Versão: 01 Próxima revisão: Elaborado por: Vanessa

Leia mais

São as atividades e procedimentos necessários à admissão e acolhimento da paciente na instituição.

São as atividades e procedimentos necessários à admissão e acolhimento da paciente na instituição. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Recepção de Pacientes na Emergência Obstétrica Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP POP N 07 Área de Aplicação: Obstetrícia Setor:

Leia mais

TÍTULO SEGREGAÇÃO DE RESÍDUO COMUM RECICLÁVEL GERÊNCIA DE ENGENHARIA GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RESÍDUOS

TÍTULO SEGREGAÇÃO DE RESÍDUO COMUM RECICLÁVEL GERÊNCIA DE ENGENHARIA GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RESÍDUOS POP 2 TÍTULO SEGREGAÇÃO DE RESÍDUO COMUM RECICLÁVEL CÓDIGO: DATA ELABORAÇÃO: 01/02/2015 DATA PRÓXIMA REVISÃO: 01/02/2016 DATA ÚLTIMA REVISÃO: 18/04/2014 GERÊNCIA DE ENGENHARIA GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO DE

Leia mais

Em caso de dúvida, por favor, entre em contato com os seguintes dados em mãos: Modelo e Número de Série.

Em caso de dúvida, por favor, entre em contato com os seguintes dados em mãos: Modelo e Número de Série. 1 REV 01 08/15 Parabéns, você acaba de adquirir um produto REI. Em caso de dúvida, por favor, entre em contato com os seguintes dados em mãos: Modelo e Número de Série. www.reibrasil.com.br E-mail: sat@reibrasil.com.br

Leia mais

Dados do POP - Procedimento Operacional Padrão

Dados do POP - Procedimento Operacional Padrão Página 1 de 6 Dados do POP - Procedimento Operacional Padrão Nome do POP / Sinonímia Dispensação de Medicamentos e Materiais Médico-Hospitalares no Bloco Cirúrgico Nome do responsável pelo POP Marlene

Leia mais

ANEXO I Pregão Presencial Nº 000134/2009 Abertura 19/5/2009 09:30 Processo 003870/2009

ANEXO I Pregão Presencial Nº 000134/2009 Abertura 19/5/2009 09:30 Processo 003870/2009 00001-00001 00001 00003166 SERINGA DESCARTÁVEL 10ML SEM AGULHA UN 20000 00002-00002 00002 00003167 SERINGA DESCARTÁVEL 20ML SEM AGULHA COM BICO LISO UN 6000 00003-00003 00003 00010641 SOLUÇÃO FISIOLÓGICA

Leia mais

Mangueira Anel de Encaixe Rosca de Fixação Luva Redutora

Mangueira Anel de Encaixe Rosca de Fixação Luva Redutora 1 KIT DE INSTALAÇÃO: Mangueira Anel de Encaixe Rosca de Fixação Luva Redutora Válvula de Entrada de água Conector Tampão de Fixação Anel de Borracha INSTALAÇÃO: É recomendável que a instalação do aparelho

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. DESUMIDIFICADOR Modelo: KDP 250

MANUAL DO USUÁRIO. DESUMIDIFICADOR Modelo: KDP 250 MANUAL DO USUÁRIO DESUMIDIFICADOR Modelo: KDP 250 INTRODUÇÃO Parabéns por adquirir o Desumidificador Air Life KOMECO, desenvolvido para oferecer maior conforto e bem-estar com muito mais economia de energia.

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR. www.praxair-crd.pt. Sistema de Nebulização Pneumático Eletrónico eflow rapid 24 HORAS

MANUAL DO UTILIZADOR. www.praxair-crd.pt. Sistema de Nebulização Pneumático Eletrónico eflow rapid 24 HORAS MANUAL DO UTILIZADOR www.praxair-crd.pt Sistema de Nebulização Pneumático Eletrónico eflow rapid 24 HORAS 800 201 519 Sistema de Nebulização Pneumático Eletrónico eflow rapid 3 Sistema de Nebulização

Leia mais

Guia de inicialização

Guia de inicialização 2. Configuração da impressora Guia de inicialização 1. Verifique o conteúdo da embalagem Unidade da impressora Cabo de alimentação (*) Suporte do papel Bandeja de papel (*) CD (*) Driver da impressora

Leia mais

Conhecendo o Decoder

Conhecendo o Decoder Conhecendo o Decoder O Decoder da sua ion TV, ou receptor, também é chamado de STB, sigla em inglês para Set Top Box, que é o aparelho responsável por receber o sinal de TV, decodificá-lo e enviá-lo para

Leia mais

CATETERISMO VESICAL INTERMITENTE

CATETERISMO VESICAL INTERMITENTE Revisão: PÁG: 1 CONCEITO É a introdução de um cateter estéril através da uretra até a bexiga, com o objetivo de drenar a urina. FINALIDADE Esvaziamento da bexiga em pacientes com comprometimento ou ausência

Leia mais

GUIA DE APOIO CATETER TOTALMENTE IMPLANTADO IPO DE COIMBRA

GUIA DE APOIO CATETER TOTALMENTE IMPLANTADO IPO DE COIMBRA GUIA DE APOIO CATETER TOTALMENTE IMPLANTADO IPO DE COIMBRA Este guia contém informações para os doentes com um cateter totalmente implantado (CTI) e para os profissionais de saúde que prestam assistência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. MATERNIDADE-ESCOLA DA UFRJ Divisão de Enfermagem

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. MATERNIDADE-ESCOLA DA UFRJ Divisão de Enfermagem PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Aspiração de Tubo Orotraqueal (TOT) ou Traqueostomia (TQT) em Recém- Nascidos (RN) Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP POP N 05 Área

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções DESL. INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha do Liquidificador Philco. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, ler atentamente as instruções a seguir. Recomenda-se não jogar fora

Leia mais

SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA

SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA SONDAGEM VESICAL SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA MATERIAL: Bandeja com pacote de cateterismo vesical; Sonda vesical duas vias(foley) de calibre adequado (em geral n. 14); Xylocaína gel, gazes, luvas estéreis;

Leia mais

PERFUROCORTANTES RÍGIDO

PERFUROCORTANTES RÍGIDO COLETOR PARA RESÍDUOS TÓXICOS Fabricado com plástico rígido proporcionando segurança e fácil limpeza Sistema de fechamento que garante a vedação da tampa evitando o escape do resíduo Translúcido, permite

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. DUCHA ELETRÔNICA OPTIMA DUCHA ELETRÔNICA OPTIMA TURBO DUCHA ELETRÔNICA OPTIMA FILTER DUCHA MULTITEMPERATURA OPTIMA 8T DUCHA MULTITEMPERATURA OPTIMA 8T TURBO

Leia mais

TÉCNICA PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS

TÉCNICA PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS Revisão: 23/03/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na realização de procedimentos com o paciente portador de feridas, instituindo tratamento adequado, proporcionando ambiente ideal para a cicatrização. FINALIDADE

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE ÁGUA E AMOSTRAS AMBIENTAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE ÁGUA E AMOSTRAS AMBIENTAIS Sistema Único de Saúde Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Laboratório Central de Saúde Pública Código do Documento Cópia Controlada Nº MANUAL 1/8 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE

Leia mais

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 Ementa: Utilização de luvas de procedimentos para aplicação de vacina. 1. Do fato Profissionais de Enfermagem solicitam

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 020/CT/2013 Assunto: Solicitação de parecer técnico sobre a solicitação de mamografia de rastreamento por Enfermeiro nas instituições de saúde. I - Do Fato Trata-se de expediente encaminhado

Leia mais

H O S P I T A L S ÃO P AULO RIBEIRÃO PRETO - SP

H O S P I T A L S ÃO P AULO RIBEIRÃO PRETO - SP H O S P I T A L S ÃO P AULO RIBEIRÃO PRETO - SP Localização dos Leitos Ala Pavimento Leito de 01 a 08 Câmara Hiperbárica Monoplace Leito de e 01 a 08 Leito de 01 a 02 Quarto 201 a 204 Quarto 205 a 207

Leia mais

SUCTRON PRATIC SUCTOR DE ALTA POTÊNCIA BOMBA DE VÁCUO MANUAL DO PROPRIETÁRIO PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS WWW.SCHUSTER.IND.BR

SUCTRON PRATIC SUCTOR DE ALTA POTÊNCIA BOMBA DE VÁCUO MANUAL DO PROPRIETÁRIO PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS WWW.SCHUSTER.IND.BR SUCTRON PRATIC SUCTOR DE ALTA POTÊNCIA BOMBA DE VÁCUO MANUAL DO PROPRIETÁRIO PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS WWW.SCHUSTER.IND.BR 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. TERMOS DE GARANTIA... 3 4. ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM EM VENTILAÇÃO MECÂNICA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM EM VENTILAÇÃO MECÂNICA 1. Introdução A ventilação mecânica é um método artificial para manutenção da ventilação em beneficiários impossibilitados de respirar espontaneamente, feito através de introdução de prótese na via aérea

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

Recline MANUAL DE INSTRUÇÕES. Dispositivo de Retenção Infantil Grupos 0 1 2 do nascimento aos 25 kg LM216

Recline MANUAL DE INSTRUÇÕES. Dispositivo de Retenção Infantil Grupos 0 1 2 do nascimento aos 25 kg LM216 Infantil Grupos 0 1 2 do nascimento aos 25 kg LM216 MANUAL DE INSTRUÇÕES LEIA ATENTAMENTE TODAS AS INSTRUÇÕES DESTE MANUAL ANTES DE MONTAR E USAR O PRODUTO E GUARDE-AS PARA FUTURAS CONSULTAS. IMPORTANTE

Leia mais

PIE Data: 01/10/2010 Revisão:

PIE Data: 01/10/2010 Revisão: UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Diretoria de Enfermagem Plano De Intervenções De Enfermagem BANHO DIARIO E CUIDADOS AO CLIENTE INTERNADO 1-Conceito: É a higienização corporal diária do cliente

Leia mais

MATERIAL TÉCNICO DESCRIÇÃO EMBALAGEM MARCA

MATERIAL TÉCNICO DESCRIÇÃO EMBALAGEM MARCA MATERIAL TÉCNICO DESCRIÇÃO EMBALAGEM MARCA ABAIXADOR DE LÍNGUA PCT C/ 100 UND. TEUTO ABAIXADOR DE LÍBGUA EMBALAGEM INDIVIDUAL PCT C/ 500 UND. ESTILO AGULHA DESCARTÁVEL 13X4,5 CX. C/ 100 UND. BD AGULHA

Leia mais

CV 3001. Manual de Instruções. Cadeira Auto. Dispositivo de Retenção para Crianças. 20110717 manual CV3001_voyage.indd 1 30/06/11 13:24

CV 3001. Manual de Instruções. Cadeira Auto. Dispositivo de Retenção para Crianças. 20110717 manual CV3001_voyage.indd 1 30/06/11 13:24 CV 3001 Manual de Instruções Cadeira Auto Dispositivo de Retenção para Crianças 20110717 manual CV3001_voyage.indd 1 30/06/11 13:24 Apresentação Este é um dispositivo de retenção para crianças, utilizado

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO RELATÓRIO DE INSPEÇÃO AMBULÂNCIA 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Diretor Administrativo: CPF: Responsável Técnico:

Leia mais

- -Pressionando essa tecla podemos diminuir os valores a serem ajustados no menu de programação.

- -Pressionando essa tecla podemos diminuir os valores a serem ajustados no menu de programação. Apresentação 1 Display LCD 2 Tecla + (aumentar) 3 Tecla Seleção 4 Tecla (diminuir) 5 Tecla Motor manual 6 Tecla Reset contador 7 Led Indica painel ligado 8 Led resistência ligada 9 Led Prensa ligada 10

Leia mais

Jato suave e concentrado; Chuveiro com chave seletora para ajuste da temperatura (4 temperaturas); Inovação tecnológica;

Jato suave e concentrado; Chuveiro com chave seletora para ajuste da temperatura (4 temperaturas); Inovação tecnológica; 1 1. INFORMAÇÕES GERAIS Função O Chuveiro tem como função principal fornecer água com vazão adequada à higiene pessoal. Aplicação Utilizado para higiene pessoal em banheiros ou áreas externas como piscinas.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS TEÓRICO-PRÁTICAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS TEÓRICO-PRÁTICAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS TEÓRICO-PRÁTICAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades das

Leia mais

GME-100C Olho Mágico Digital com campainha

GME-100C Olho Mágico Digital com campainha GME-100C Olho Mágico Digital com campainha Manual de Instruções Antes de tentar conectar ou operar este produto, por favor, leia atentamente estas instruções. Índice 1. Apresentação do Produto 1.1 Embalagem

Leia mais

Z6 Resumo das informações mais importantes

Z6 Resumo das informações mais importantes Z6 Resumo das informações mais importantes Z6 Resumo das informações mais importantes J Este manual breve não substitui o Manual de instruções Z6. Primeiro, leia e respeite as instruções de segurança e

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAÇÃO POR VIA PERCUTANEA (SC, ID, IM)

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAÇÃO POR VIA PERCUTANEA (SC, ID, IM) Revisão: 24/06/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na administração medicamentos líquidos e estéreis por via percutânea de acordo com a terapia medicamentosa prescrita FINALIDADE Administração percutânea de

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR ASPIRADOR DE PÓ CONSUL FACILITE

MANUAL DO CONSUMIDOR ASPIRADOR DE PÓ CONSUL FACILITE MANUAL DO CONSUMIDOR ASPIRADOR DE PÓ CONSUL FACILITE 1. Segurança do Usuário Segurança INFORMAÇÕES IMPORTANTES A sua segurança e a de terceiros é muito importante. Este manual e o seu produto têm muitas

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO SISTEMA ROR

MANUAL DE OPERAÇÃO SISTEMA ROR MANUAL DE OPERAÇÃO SISTEMA ROR ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 02 II - RECEBENDO SEU SISTEMA ROR... 02 III - MONTAGEM DO EQUIPAMENTO... 03 IV - LIGANDO SUA BALANÇA... 03 V - RECURSOS PARA OPERAÇÃO... 04 VI -

Leia mais

Inspiron 3647 Manual do proprietário

Inspiron 3647 Manual do proprietário Inspiron 3647 Manual do proprietário Modelo do computador: Inspiron 3647 Modelo regulamentar: D09S Tipo regulamentar: D09S001 Notas, Avisos e Advertências NOTA: Uma NOTA indica informações importantes

Leia mais

Manual do Usuário SINALIZADOR DE PONTOS LINCE GPS. Comece Aqui

Manual do Usuário SINALIZADOR DE PONTOS LINCE GPS. Comece Aqui Manual do Usuário SINALIZADOR DE PONTOS LINCE GPS Comece Aqui Bem vindo (a) ao Lince GPS! O Sinalizador de Pontos Lince GPS é um aparelho GPS especializado, para instalação no painel do carro, que auxilia

Leia mais

Entende-se como boa amostra àquela obtida em quantidade suficiente, em recipiente adequado, bem identificado e corretamente transportado.

Entende-se como boa amostra àquela obtida em quantidade suficiente, em recipiente adequado, bem identificado e corretamente transportado. INTRODUÇÃO Este manual tem por finalidade se adequar às exigências do Programa de Qualidade e às Normas de Biossegurança nos Serviços de Saúde. Desta forma procuramos sistematizar as orientações para coleta,

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO HISTÓRICO DE VERSÕES

INSTRUÇÃO DE TRABALHO HISTÓRICO DE VERSÕES HISTÓRICO DE VERSÕES 1/25 Versão Data Elaborado por Motivo da Revisão Revisado por Aprovado por 01 03 14/10/2013 09/04/2014 28/07/2014 Lucival B. R. Rocha Marco Antonio F. da Silva Inclusão montagem conector

Leia mais

Lavadora de Pressão LPRESS LP 2

Lavadora de Pressão LPRESS LP 2 0/ 746-09-05 776804 REV. Lavadora de Pressão LPRESS LP Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha da Lavadora de Pressão LPRESS LP. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, leia atentamente

Leia mais

Manual de montagem. Equipamento básico ISOBUS com tomada de cabine ISOBUS

Manual de montagem. Equipamento básico ISOBUS com tomada de cabine ISOBUS Manual de montagem Equipamento básico ISOBUS com tomada de cabine ISOBUS Última atualização: V1.20150220 30322575-02-PT Leia e respeite este manual de instruções. Guarde este manual de instruções para

Leia mais

FONTES GERADORAS EM UNIDADE HOSPITALAR

FONTES GERADORAS EM UNIDADE HOSPITALAR FONTES GERADORAS EM UNIDADE HOSPITALAR NATAL/RN OUT/2013 Centro Cirúrgico Bolsas contendo sangue ou hemocomponentes Luvas, esparadrapo, algodão, gases, compressas, ataduras, equipos de soro, kits de linhas

Leia mais

MATERIAL DE ENFERMAGEM 2

MATERIAL DE ENFERMAGEM 2 Absorvente higiênico Adaptador para agulhas de coleta múltipla MATERIAL DE ENFERMAGEM 2 Absorvente higiênico tipo hospitalar, hipoalergênico, com absorção eficiente e bordas devidamente acabadas, constituído

Leia mais

PROTOCOLO DE CUIDADOS COM O MANUSEIO DE PACIENTES COM BACTÉRIA MULTIRRESISTENTE

PROTOCOLO DE CUIDADOS COM O MANUSEIO DE PACIENTES COM BACTÉRIA MULTIRRESISTENTE 1 PROTOCOLO DE CUIDADOS COM O MANUSEIO DE PACIENTES COM BACTÉRIA MULTIRRESISTENTE Teresina 2014 2 APRESENTAÇÃO Com o objetivo de minimizar a incidência de infecção em pacientes com bactéria multiressistente

Leia mais

Manual de Configuração do Hardware

Manual de Configuração do Hardware Desembalar Remova todos os materiais de protecção. As ilustrações neste manual são de um modelo semelhante. Apesar de poderem ser diferentes do seu modelo, o método de funcionamento é igual. Ligar o produto

Leia mais

PACIENTE Como você pode contribuir para que a sua saúde e segurança não sejam colocadas em risco no hospital?

PACIENTE Como você pode contribuir para que a sua saúde e segurança não sejam colocadas em risco no hospital? Cartilha de Segurança do PACIENTE Como você pode contribuir para que a sua saúde e segurança não sejam colocadas em risco no hospital? CARO PACIENTE, Esta Cartilha foi desenvolvida para orientá-lo sobre

Leia mais

Impressora HP DeskJet 720C Series. Sete passos simples para configurar a sua impressora

Impressora HP DeskJet 720C Series. Sete passos simples para configurar a sua impressora Impressora HP DeskJet 720C Series Sete passos simples para configurar a sua impressora Parabéns pela aquisição de sua impressora HP DeskJet 720C Series! Aqui está uma lista dos componentes da caixa. Se

Leia mais

Manual de Atualização dos Móveis Make-up - Nova Iluminação Fev/08

Manual de Atualização dos Móveis Make-up - Nova Iluminação Fev/08 Manual de Atualização dos Móveis Make-up - Nova Iluminação Fev/08 bandeja de metal que fica na 1ª prateleira. Os Móveis Make-up estão passando por uma atualização. Ganharam um novo display e uma nova iluminação.

Leia mais

ASPECTOS LABORATORIAIS

ASPECTOS LABORATORIAIS INFLUENZA A (H1N1) 1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS LABORATORIAIS Os agentes infecciosos prioritários para investigação etiológica são os vírus influenza. As amostras de secreções respiratórias devem ser

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE 1. OBJETO: 2.1. Eventual AQUISIÇÃO DE MATERIAL MÉDICO HOSPITALAR (sondas, cânulas, tubos e drenos), destinados a atender as Unidades de Saúde do Estado de Roraima, conforme descrição neste Termo de Referência.

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções contidas neste manual antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança. Condições de

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Instalação e administração de concentrado de hemácias, plaquetas ou plasma fresco congelado. FINALIDADE Estabelecer a rotina para instalação e controle da transfusão de hemocomponentes

Leia mais

PH60 Rádio AM/FM ESTÉREO. Manual de Instruções

PH60 Rádio AM/FM ESTÉREO. Manual de Instruções PH60 Rádio AM/FM ESTÉREO Manual de Instruções Parabéns pela escolha de um produto Philco. Para garantir o melhor desempenho do produto, ler atentamente as recomendações a seguir. Este Manual de Instruções

Leia mais

Remanufatura do Cartucho Colorido HP Cp1215

Remanufatura do Cartucho Colorido HP Cp1215 Remanufatura do Cartucho Colorido HP Cp1215 Por Enrique E.Stura CB540A Cartuchos de toner para HP CP1215 / 1515 / 1518 & CM1312 MFP 50 Guia do Reciclador - Ano 4 - Número 29 1. Com a etiqueta do cartucho

Leia mais

1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011

1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011 1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011 07/11 719-09-05 775788 REV.2 Vapor Tapete Clean 719-09-05 2 Parabéns

Leia mais