PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO"

Transcrição

1 Nº: 21/2014 Data de emissão: Março/2014 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Revisão: 01 Data revisão: 29/04/2014 Setor Centros de Saúde Tipo Assistencial TAREFA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA Executante Resultados esperados Recursos necessários Periodicidade Monitoramento Descrição da Ação SUBCUTÂNEA OU HIPODÉRMICA Enfermeiros, Técnicos e Auxiliares de Enfermagem Administração com técnica correta, garantindo a segurança do profissional e do paciente e a eficácia dos medicamentos. Bandeja limpa e desinfectada Seringa de 1ou 3 ml Medicação prescrita ou vacina 01 Agulha 13 x 4,5 mm 01 agulha 25 x 7 ou 25 x 6 mm Álcool 70% Algodão 01 par de luvas de procedimento Recipiente para descarte de resíduos perfurocortantes Em atendimento à prescrição médica Conforme Calendário de Vacinação e campanhas Enfermeiro 1. Verificar a prescrição ou cartão/cardeneta de vacina 2. Higienizar as mãos, conforme POP nº 16/14; 3. Separar o medicamento, Conferir os nove certos: paciente certo, medicamento certo, dose certa, hora certa, via certa, registro certo, diluição certa; riscos aos profissionais e ao paciente; 4. Não administrar medicamentos preparados por outras pessoas; 5. Selecionar a ampola, observando nome, validade, posível alteração de cor e presença de resíduos, em caso de

2 vencimento ou alterações devolver à farmácia; 6. Fazer desinfecção nas ampolas com auxílio do algodão e álcool 70%; 7. Escolher seringa de acordo com a quantidade de líquidos a ser administrado e a agulha de acordo com a estrutura corpórea do paciente; 8. Reunir o material na bandeja; 9. Aspirar o medicamento ou vacina com técnica asséptica; 10.Identificar no medicamento ou vacina preparado os cincos primeiros certos do item 3; 11.Levar o material para as proximidades do paciente; 12.Confirmar a identidade do paciente; 13.Apresentar-se ao paciente e/ou acompanhante; 14.Explicar o procedimento ao paciente e/ou acompanhante; 15.Higienizar as mãos; 16.Escolher o local da administração e posicionar o paciente conforme local escolhido; 17. Fazer antissepsia da pele com algodão embebido em álcool 70%, em sentido único. Em caso de sujidade fazer pelo menos duas vezes após higienização com água e sabão e esperar secar; 18.Utilizando apenas os dedos da mão não-dominante, fazer uma prega com a pele e o tecido subcutâneo; 19. Introduzir a agulha com o bisel voltado para cima nesta prega cutânea: - agulha 13x4,5 mm (agulha hipodérmica) num ângulo de 90º (se o paciente tiver tecido subcutâneo suficiente ou 45º ; - agulha 25x6 ou 25x7, num ângulo de 45º; 20.Aspirar, observando se atingiu algum vaso sangüíneo (caso atinja desprezar todo o material e reiniciar o processo); 21.Injetar o líquido lentamente; 22.Retirar a seringa/agulha;

3 23.Fazer leve compreensão no local com algodão sem friccionar a região; 24.Colocar um micropore no local se necessário; 25.Desprezar o material perfurocortante em recipiente apropriado; 26.Manter o usuário confortável, deixando o local organizado; 27. Higienizar as mãos, conforme POP nº 16/14; 28. Comunicar ao solicitante ou equipe de referência em caso de intercorrência; 29.Anotar os dados no prontuário, em formulários próprios e no módulo procedimentos de enfermagem; 30.Assinar e carimbar o registro. OBSERVAÇÕES Na administração de insulina não realizar massagem após aplicação, para evitar a absorção rápida, e fazer rodízio nas aplicações. Na administração de Heparina não aspirar ou massagear. Alguns medicamentos administrados pela via subcutânea possuem particularidades específicas e contempladas na bula do mesmo, como por exemplo, a enoxaparina sódica (clexane) que dever realizado no tecido subcutâneo da região abdominal. As dúvidas que surgirem antes, durante ou depois da administração dos medicamentos ou vacinas deverão ser discutidas com outro profissional da unidade e/ou nas instâncias superiores. Recomendações de quantidade de infusão para injeção subcutânea:

4 Adolescente ou adulto: 0,5 a 1 ml Lactentes ou crianças: Crianças até 2 anos 0,5 ml, ou 1 ml para pré-escolar (2 a 6 anos) e escolar (7 a 10 anos) Locais de aplicação: Região deltóide no terço proximal. Face superior externa do braço. Face anterior da coxa. Face anterior do antebraço. Parede abdominal

5 Elaboração: Tatiane Felicia dos Santos Luciano Enfermeira Referência Técnica GEAS/SMSA Adriana Cristina Camargos de Rezende Enfermeira Referência Técnica GEAS/SMSA Colaboração: Revisão: Edmundo Gustavo C. de Araújo Enfermeiro Referência Técnica Gerasa Oeste Fernanda de Sousa Leite Enfermeira Referência Técnica Gerasa Oeste Rodrigo Conti Vieira de Alencar Enfermeiro Referência Técnica Gerasa Oeste Aprovação: Maria Luisa Fernandes Tostes Gerente de Assistência à Saúde (GEAS) Mayara Sousa Vianna Referência Técnica na Coordenação Atenção Adulto e Idoso/SMSA REFERÊNCIAS: Instruções de Trabalho de Enfermagem. Belo Horizonte: Hospital das Clínicas da UFMG COIMBRA, Jorséli Angela Henriques; CASSIANI, SH de B. Responsabilidade da enfermagem na administração de medicamentos: algumas reflexões para uma prática segura com qualidade de assistência. Rev Latino-am Enfermagem, v. 9, n. 2, p , 2001.

6 LOPES, Consuelo Helena Aires de Freitas; CHAVES, Edna Maria Camelo; JORGE, Maria Salete Bessa. Administração de medicamentos: análise da produção científica de enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 59, n. 5, p , MIASSO, Adriana Inocenti et al. O processo de preparo e administração de medicamentos: identificação de problemas para propor melhorias e prevenir erros de medicação REICHEMBACH, Mitsy Tânnia; MEIER, Marineli Joaquim and ASCHIDAMINI, Ione Maria. Administração de medicamentos por via subcutânea: convenção ou controvérsia para a enfermagem?. Rev. bras. enferm. [online]. 2005, vol.58, n.5, pp ISSN Centers for Disease Control and Prevention. General Recommendations on Immunization. Recommendations of the Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP). MMWR 2011; 60 (RR-2):13-4

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado por: Lícia Mara

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº: 31/2014 Data de emissão: Março/2014 Setor Tipo TAREFA Executante Resultados esperados Recursos necessários Periodicidade Monitoramento Descrição da Ação PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Revisão: 01

Leia mais

CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável.

CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável. Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável. FINALIDADE Determinar compatibilidade de

Leia mais

HOSPITAL FÊMINA. Administração de Medicamentos Injetáveis

HOSPITAL FÊMINA. Administração de Medicamentos Injetáveis HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO - HNSC Administração de Medicamentos Injetáveis ENFª GRAZIELLA GASPAROTTO BAIOCCO ORIENTAÇÕES HOSPITAL GERAIS FÊMINA

Leia mais

REBEn. Revista Brasileira de Enfermagem. Administração de medicamentos por via subcutânea: convenção ou controvérsia para a enfermagem?

REBEn. Revista Brasileira de Enfermagem. Administração de medicamentos por via subcutânea: convenção ou controvérsia para a enfermagem? Revista Brasileira de Enfermagem REBEn Administração de medicamentos por via subcutânea: convenção ou controvérsia para a enfermagem? REVISÃO Subcutaneous medication administration: agreement or controverse

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAÇÃO POR VIA PERCUTANEA (SC, ID, IM)

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAÇÃO POR VIA PERCUTANEA (SC, ID, IM) Revisão: 24/06/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na administração medicamentos líquidos e estéreis por via percutânea de acordo com a terapia medicamentosa prescrita FINALIDADE Administração percutânea de

Leia mais

CATETERISMO VESICAL INTERMITENTE

CATETERISMO VESICAL INTERMITENTE Revisão: PÁG: 1 CONCEITO É a introdução de um cateter estéril através da uretra até a bexiga, com o objetivo de drenar a urina. FINALIDADE Esvaziamento da bexiga em pacientes com comprometimento ou ausência

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Página: 1/7 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Prestar assistência ao paciente durante a biópsia percutânea mamária guiada com uso de dispositivo portátil para biópsia vácuo-assistida e unidade estereotáxica adaptada

Leia mais

em Farmácias e Drogarias Sincofarma/SP Sindicato do Comércio de Produtos Varejista Farmacêuticos no Estado de São Paulo.

em Farmácias e Drogarias Sincofarma/SP Sindicato do Comércio de Produtos Varejista Farmacêuticos no Estado de São Paulo. 1 em Farmácias e Drogarias Sincofarma/SP Sindicato do Comércio de Produtos Varejista Farmacêuticos no Estado de São Paulo. 2 CONTEÚDO - Pessoal e Local - Receita - Medicação - Sala de Aplicação - Higienização

Leia mais

Prevenção da pneumonia por broncoaspiração, remoção de secreções de vias aéreas inferiores.

Prevenção da pneumonia por broncoaspiração, remoção de secreções de vias aéreas inferiores. Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na retirada de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de manter a permeabilidade das vias aéreas, facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração.

Leia mais

TIPOS: Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes secundária Diabetes gestacional

TIPOS: Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes secundária Diabetes gestacional INSULINOTERAPIA DIABETES MELLITUS: conjunto de síndromes metabólicas que cursam com hiperglicemia, decorrente de uma deficiência absoluta ou relativa de insulina. Alteração no metab do carboidrato, lipídios

Leia mais

Cartilha Medicamentos para Diabetes

Cartilha Medicamentos para Diabetes Universidade Federal de São João del-rei Campus Centro-Oeste - Dona Lindu Divinópolis, Minas Gerais Cartilha Medicamentos para Diabetes Projeto Empoderamento Farmacoterapêutico de pacientes com Diabetes

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Instalação e administração de concentrado de hemácias, plaquetas ou plasma fresco congelado. FINALIDADE Estabelecer a rotina para instalação e controle da transfusão de hemocomponentes

Leia mais

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na remoção de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração. FINALIDADE Prevenir complicações respiratórias;

Leia mais

Coordenação Geral. Coordenação Técnica de Elaboração do Manual: Coordenação Técnica de Revisão: Projeto Gráfico

Coordenação Geral. Coordenação Técnica de Elaboração do Manual: Coordenação Técnica de Revisão: Projeto Gráfico Apresentação Este manual é composto por Normas e Rotinas Operacionais, e Procedimentos Operacionais Padronizados POP s que são adotados nas atividades desenvolvidas no Laboratório de Saúde da Mulher e

Leia mais

Administração segura de medicamentos por via inalatória ( anexo 1) conforme prescrição médica.

Administração segura de medicamentos por via inalatória ( anexo 1) conforme prescrição médica. Revisão: 28/04/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na administração de medicamentos através de dispositivos que produzem uma fina nevoa que facilita o transporte de medicamentos através da inspiração profunda

Leia mais

Dr. Juan Carlos B. Ligos CRF: 11107

Dr. Juan Carlos B. Ligos CRF: 11107 Dr. Juan Carlos B. Ligos CRF: 11107 Vias injetáveis VIAS INJETÁVEIS Decisões complexas: Realização do procedimento Medicação a ser administrada (Interpretação da receita) Volume a ser injetado Seleção

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição - GHC Hospital Nossa Senhora da Conceição Procedimento Operacional Padrão POP Enfermagem

Grupo Hospitalar Conceição - GHC Hospital Nossa Senhora da Conceição Procedimento Operacional Padrão POP Enfermagem Unidade: Unidade Assistencial Grupo Hospitalar Conceição - GHC Hospital Nossa Senhora da Conceição Procedimento Operacional Padrão POP Enfermagem Tarefa: Higienização de mãos Número: 79 Data: 03/2015 Responsável:

Leia mais

CURATIVO DE LESÃO POR ERISIPELA. Enfª (s) Estomaterapeutas: Graciete S. Marques e Dayse C. Nascimento

CURATIVO DE LESÃO POR ERISIPELA. Enfª (s) Estomaterapeutas: Graciete S. Marques e Dayse C. Nascimento Revisão: 23/03/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na execução de limpeza com utilização de produtos e coberturas específicas na lesão de pele do paciente portador de lesão por erisipela, cuja doença é de origem

Leia mais

MUNICÍPIO DE CARAPICUIBA SP Secretaria de Saúde e Medicina. Diretoria de Urgência e Emergência

MUNICÍPIO DE CARAPICUIBA SP Secretaria de Saúde e Medicina. Diretoria de Urgência e Emergência APRESENTAÇÃO Considerando a Rede de Atendimento as Urgências e Emergências do Município de Carapicuíba, representada por1 (hum) Pronto-Socorro Adulto, 1 (hum) Pronto-Socorro Infantil, 1 (hum) Pronto Atendimento

Leia mais

VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS Administração de medicamentos é o processo de preparo e introdução de medicamentos no organismo humano, visando obter efeitos terapêuticos. Segue normas e rotinas

Leia mais

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL Definição: Infecção urinária sintomática associada ao cateter: Febre > 38 o C ou sensibilidade suprapúbica e cultura positiva

Leia mais

DATA: 18/11/2013 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE ENFERMAGEM POP CDC Nº073. Revisão: 00 PÁG: 1

DATA: 18/11/2013 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE ENFERMAGEM POP CDC Nº073. Revisão: 00 PÁG: 1 Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na aferição da glicemia capilar em pacientes de todas as faixas etárias através de uma gota de sangue fresco adquirida com punção puntiforme utilizando glicosímetro

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/6 SUMÁRIO 1.OBJETIVO: Fazer a reposição de sangue e/ou componentes sanguíneos conforme a necessidade terapêutica dos pacientes. 2.APLICAÇÃO: Aos pacientes internados e ambulatoriais com prescrição

Leia mais

Coberturas Especificas

Coberturas Especificas 1 de 10 995 77 RESULTADO ESPERADO: - Promover a cicatrização da ferida, e o reestabelecimento da pele ao seu estado integro. 995 PROCESSOS RELACIONADOS: Enfermagem Atendimento Cirúrgico Internação Tratamento

Leia mais

Dados do POP - Procedimento Operacional Padrão

Dados do POP - Procedimento Operacional Padrão Página 1 de 6 Dados do POP - Procedimento Operacional Padrão Nome do POP / Sinonímia Dispensação de Medicamentos e Materiais Médico-Hospitalares no Bloco Cirúrgico Nome do responsável pelo POP Marlene

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: ADMISSÃO DE ENFERMAGEM DO BENEFICIÁRIO NO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: ADMISSÃO DE ENFERMAGEM DO BENEFICIÁRIO NO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO 1. Introdução Admissão ou ato de admitir significa receber o beneficiário no Centro de Terapia Intensiva (CTI). Para a equipe de enfermagem esse é o momento de atender às demandas assistenciais; coletar

Leia mais

GUIA DE APOIO CATETER TOTALMENTE IMPLANTADO IPO DE COIMBRA

GUIA DE APOIO CATETER TOTALMENTE IMPLANTADO IPO DE COIMBRA GUIA DE APOIO CATETER TOTALMENTE IMPLANTADO IPO DE COIMBRA Este guia contém informações para os doentes com um cateter totalmente implantado (CTI) e para os profissionais de saúde que prestam assistência

Leia mais

Atitude. (Enciclopédia Barsa 1997)

Atitude. (Enciclopédia Barsa 1997) Atitude Conceito genérico, com diferentes interpretações em psicologia, que busca explicar grande parte da conduta social frente às situações e experiências. (Enciclopédia Barsa 1997) (Autor Desconhecido)

Leia mais

Administração de medicamentos e a prática segura X Assistência integral ou fragmentada

Administração de medicamentos e a prática segura X Assistência integral ou fragmentada UNIMED FRANCA/SP Administração de medicamentos e a prática segura X Assistência integral ou fragmentada SÃO JOAQUIM HOSPITAL E MATERNIDADE UNIMED FRANCA - SP FLECK, J. C.; SILVEIRA, L. M.; MENDES, T. J.

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº: 18/2014 Data de emissão: Março/2014 Setor Tipo TAREFA Executante Resultados esperados Recursos necessários Periodicidade PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Revisão: 01 Data revisão: Centros de Saúde Assistencial

Leia mais

ROTINAS PARA SEGURANÇA DO PACIENTE: PREVENÇÃO DE INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR

ROTINAS PARA SEGURANÇA DO PACIENTE: PREVENÇÃO DE INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR COMPLEXO HOSPITALAR DO CEPON ROTINAS PARA SEGURANÇA DO PACIENTE: PREVENÇÃO DE INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Serviço de Educação Permanente de Enfermagem

Leia mais

Administração de medicamentos via parenteral. Profª Leticia Pedroso

Administração de medicamentos via parenteral. Profª Leticia Pedroso Administração de medicamentos via parenteral Profª Leticia Pedroso INJETÁVEIS- VIA PARENTERAL É a administração de medicamentos através das vias: Endovenosa (EV), intramuscular (IM, subcutânea (SC) e Intradérmica

Leia mais

São as atividades e procedimentos necessários à admissão e acolhimento da paciente na instituição.

São as atividades e procedimentos necessários à admissão e acolhimento da paciente na instituição. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Recepção de Pacientes na Emergência Obstétrica Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP POP N 07 Área de Aplicação: Obstetrícia Setor:

Leia mais

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 Ementa: Utilização de luvas de procedimentos para aplicação de vacina. 1. Do fato Profissionais de Enfermagem solicitam

Leia mais

Um jeito simples e suave de injetar

Um jeito simples e suave de injetar Um jeito simples e suave de injetar ACABE COM O MEDO DE ANESTESIA LOCAL DOS SEUS PACIENTES... NÃO USE AGULHAS Milhares de pessoas em todo o mundo sofrem de algum grau de fobia de agulhas ou ansiedade.

Leia mais

Administração de Medicamentos por Via Parenteral: Uma Revisão

Administração de Medicamentos por Via Parenteral: Uma Revisão Administração de Medicamentos por Via Parenteral: Uma Revisão Drug administration for parenteral route: A review Marcos Luciano Pimenta Pinheiro¹, Ronilson Ferreira Freitas¹, Denise Pinho Resille¹, Thamara

Leia mais

Última revisão: 03/08/2011 ACESSO VENOSO CENTRAL

Última revisão: 03/08/2011 ACESSO VENOSO CENTRAL Protocolo: Nº 51 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Luciana Noronha Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Luciana Noronha Luiz Ernani

Leia mais

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias . De acordo com FakiH (2000) essas infusões podem ser em: Bolus: é a administração intravenosa realizada em tempo menor ou igual a 1 minuto.geralmente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA Instrutora: Enf. Dra.Thaís S Guerra Stacciarini DIABETES MELLITUS: conjunto de síndromes

Leia mais

PORTARIA Nº 500 DE 2010

PORTARIA Nº 500 DE 2010 PORTARIA Nº 500 DE 2010 Regulamento técnico para Processamento de artigos por método físico em estabelecimentos sujeitos à Vigilância Sanitária no RS A SECRETÁRIA DA SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL, no uso

Leia mais

Aplicação de injetáveis. Hotoniel Drumond

Aplicação de injetáveis. Hotoniel Drumond Aplicação de injetáveis Hotoniel Drumond Resolução CFF 499/2008 Dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos, em farmácias e drogarias Seção V Da aplicação de injetáveis: Art 21 ao 24 Outras legislações

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Situações de Emergência na sala de vacinação

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Situações de Emergência na sala de vacinação vacinas 0 Situações de Emergência na sala de vacinação Nº ASSUNTO: Padronizar Situações de Emergência na sala de vacinação. RESULTADOS ESPERADOS: Evitar perdas de vacinas. APLICAÇÃO: Este POP aplica-se

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº FCCIR: 001 Tarefa: Recebimento de mmh e medicamentos para abastecer a farmácia Executante: Farmacêutico e/ou Auxiliar de Farmácia Resultados esperados: Estoque de acordo com a transferência. Recursos

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha Versão: 01 Próxima revisão: Elaborado por: Vanessa

Leia mais

O Art. 5º, Inciso II da Constituição Federal da República Federativa do Brasil:

O Art. 5º, Inciso II da Constituição Federal da República Federativa do Brasil: PARECER SETOR FISCAL Nº 38/2015 Assunto: Solicitação de parecer sobre as atribuições do Enfermeiro em ambulatório de farmácia particular. 1. Do fato: Gostaria de obter informações quanto às atribuições

Leia mais

MANUAL DA CAMPANHA. Tudo o que é preciso saber para encontrar portadores de Hepatite C e salvar vidas

MANUAL DA CAMPANHA. Tudo o que é preciso saber para encontrar portadores de Hepatite C e salvar vidas MANUAL DA CAMPANHA Tudo o que é preciso saber para encontrar portadores de Hepatite C e salvar vidas APRESENTAÇÃO Este manual tem como objetivo orientar você, voluntário do projeto Hepatite Zero, sobre

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM EM VENTILAÇÃO MECÂNICA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM EM VENTILAÇÃO MECÂNICA 1. Introdução A ventilação mecânica é um método artificial para manutenção da ventilação em beneficiários impossibilitados de respirar espontaneamente, feito através de introdução de prótese na via aérea

Leia mais

PROJETO INOVAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSO PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES

PROJETO INOVAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSO PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES PROJETO INOVAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSO PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES Belo Horizonte Setembro, 2013 PROJETO INOVAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES Relatório técnico-científico

Leia mais

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia 1 1 - REQUISIÇÃO DE HEMOCOMPONENTES A enfermagem deve checar se a requisição de transfusão (MA5-036) foi preenchida corretamente, em duas ou mais vias, com os seguintes itens: - Nome completo do paciente

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº. 013/CT/2015 Assunto: Cateter totalmente implantado: Atribuições dos profissionais de Enfermagem. I Fato: O Diretor Técnico de um Hospital pergunta se os profissionais de Enfermagem

Leia mais

Detalhamento Cód. 197511

Detalhamento Cód. 197511 DIR050 - Fluxo de elaboração e aprovação de POP s - NOVA VERSÃO (consolidado) v.1 Detalhamento Cód. 197511 POP: Administração de Dieta ao Recém Nascido por Sonda de Alimentação Enteral e Bomba de Infusão

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Centro Universitário Newton Paiva Escola de Odontologia BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Maria Aparecida Gonçalves de Melo Cunha O que é biossegurança? O termo biossegurança é formado pelo radical

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO BIOSSEGURANÇA EM VEÍCULOS DE REMOÇÃO DO CENTRO MÉDICO UNIMED (CMU)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO BIOSSEGURANÇA EM VEÍCULOS DE REMOÇÃO DO CENTRO MÉDICO UNIMED (CMU) Objetivo: Promover a limpeza e a desinfecção dos veículos de remoção, potencializando a segurança ofertada aos nossos clientes, e diminuindo a probabilidade de exposição a riscos biológicos. PROCESSO 1.

Leia mais

DESCRIÇÃO AÇÕES AGENTES REFERÊNCIAS

DESCRIÇÃO AÇÕES AGENTES REFERÊNCIAS SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Prevenir lesão de pele e promover higiene e conforto ao estomizado. 2. APLICAÇÃO: Pacientes internados, ambulatoriais e de pronto atendimento com colostomia ou ileostomia. 3. RESPONSABILIDADE:

Leia mais

Fluxo de elaboração e aprovação de POP s v.1 - Cód. 41366

Fluxo de elaboração e aprovação de POP s v.1 - Cód. 41366 Página 1 de 5 DETALHAMENTO DO FLUXO Fluxo de elaboração e aprovação de POP s v.1 - Cód. 41366 POP: Dispensação de Material Médico e Medicamento Requisitante: PASSO A PASSO DO FLUXO Cód. Tarefa Início Conclusão

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM AMBULATÓRIO ESTABELECIMENTO: DATA DA INSPEÇÃO:

Leia mais

PARECER COREN-SP 011/2014 CT PRCI 776/2014 Revisado em setembro/2014

PARECER COREN-SP 011/2014 CT PRCI 776/2014 Revisado em setembro/2014 PARECER COREN-SP 011/2014 CT PRCI 776/2014 Revisado em setembro/2014 Ementa: Competência para a realização de testes de Tempo de Coagulação e Tempo de Sangramento. 1. Do fato Profissional questiona a qual

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN SP Nº 022/CAT/2010

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN SP Nº 022/CAT/2010 PARECER COREN SP Nº 022/CAT/2010 Assunto: Antissepsia da pele antes de vacina por via intramuscular. 1. Do fato Solicitado parecer por graduando de enfermagem sobre a antissepsia da pele antes da administração

Leia mais

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem como objetivo descrever os procedimentos para o ensaio Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber. É aplicável para leite fluido in natura ou

Leia mais

www.anvisa.gov.br INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011

www.anvisa.gov.br INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011 INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição, isoladas ou em

Leia mais

Razão Social da Instituição R E G I M E N TO DO SE R V I Ç O DE EN F E R M A G E M. Mês, ano

Razão Social da Instituição R E G I M E N TO DO SE R V I Ç O DE EN F E R M A G E M. Mês, ano Razão Social da Instituição R E G I M E N TO DO SE R V I Ç O DE EN F E R M A G E M Mês, ano DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 1. Razão Social; 2. Nome Fantasia; 3. Entidade Mantenedora; 4. CNPJ; 5.

Leia mais

Ethamolin. oleato de monoetanolamina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Ethamolin. oleato de monoetanolamina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO: Ethamolin oleato de monoetanolamina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO: ETHAMOLIN consiste em uma solução aquosa de oleato de monoetanolamina a 5% para uso injetável apresentado em caixas contendo 6 ampolas

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Prevenir lesão de pele e promover higiene e conforto ao estomizado. 2. APLICAÇÃO: Pacientes internados, ambulatoriais e de pronto atendimento, com urostomia. 3. RESPONSABILIDADE:

Leia mais

Definir protocolo para garantir a segurança no uso de medicamentos de alta vigilância no Hospital São Paulo.

Definir protocolo para garantir a segurança no uso de medicamentos de alta vigilância no Hospital São Paulo. 1. INTRODUÇÃO Os medicamentos de Alta Vigilância são aqueles que possuem risco aumentado de provocar danos significativos aos pacientes em decorrência de falha no processo de utilização. Os erros que ocorrem

Leia mais

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE VIGILANCIA DE SERVIÇOS E PRODUTOS DE INTERESSE À SAÚDE Módulo I - Informações Gerais

Leia mais

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS Diretrizes para coleta da amostra As análises laboratoriais e seus resultados dependem da coleta adequada da amostra, como também, do armazenamento e transporte apropriados até o laboratório. A equipe

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Teste do Pezinho

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Teste do Pezinho Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Teste do Pezinho Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado por: Simone Vidal Santos; Cláudia Rosa Ferreira Ramos

Leia mais

Administração de Medicamentos Condutas de Enfermagem

Administração de Medicamentos Condutas de Enfermagem Administração de Medicamentos Condutas de Enfermagem SUBSECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SAÚDE Cap BMQOS/Enf/02 Vívian Marinho

Leia mais

USO ADULTO E PEDIÁTRICO A PARTIR DE 3 MESES DE IDADE

USO ADULTO E PEDIÁTRICO A PARTIR DE 3 MESES DE IDADE TEXTO DE BULA DE MENINGITEC (VACINA MENINGOCÓCICA C (CONJUGADA)) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO Cartucho com 1 estojo contendo 1 seringa preenchida com 0,5 ml de suspensão injetável (dose

Leia mais

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503.

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. Ementa: Possibilidade de recusa na administração de um medicamento (preparado/diluído) por outro profissional. Administração

Leia mais

Consiste na introdução de um cateter estéril via uretral até a bexiga para esvaziamento e controle da diurese.

Consiste na introdução de um cateter estéril via uretral até a bexiga para esvaziamento e controle da diurese. PÁG:1 CONCEITO Consiste na introdução de um cateter estéril via uretral até a bexiga para esvaziamento e controle da diurese. FINALIDADE - Promover a drenagem urinária. -Realizar o controle rigoroso do

Leia mais

Coleta de sangue do caso índice e do profissional: Caso fonte. Profissional (fonte de contaminação) 2 tubos secos de 8 ml 2 tubos secos de 8 ml

Coleta de sangue do caso índice e do profissional: Caso fonte. Profissional (fonte de contaminação) 2 tubos secos de 8 ml 2 tubos secos de 8 ml Universidade Estadual de Campinas Hospital da Mulher Prof. Dr. José Aristodemo Pinotti - CAISM - Seção de Apoio e Desenvolvimento do Profissional / RH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Rotina

Leia mais

Informações para os profissionais de saúde sobre os cuidados com o paciente suspeito ou confirmado de influenza suína 29/04/2009

Informações para os profissionais de saúde sobre os cuidados com o paciente suspeito ou confirmado de influenza suína 29/04/2009 Informações para os profissionais de saúde sobre os cuidados com o paciente suspeito ou confirmado de influenza suína 29/04/2009 1. Definição de caso suspeito Pessoa que apresente febre alta, de início

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. MATERNIDADE-ESCOLA DA UFRJ Divisão de Enfermagem

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. MATERNIDADE-ESCOLA DA UFRJ Divisão de Enfermagem PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Aspiração de Tubo Orotraqueal (TOT) ou Traqueostomia (TQT) em Recém- Nascidos (RN) Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP POP N 05 Área

Leia mais

Auxiliar de Saúde. Nome: Inscrição: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

Auxiliar de Saúde. Nome: Inscrição: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos uxiliar de Saúde Nome: Inscrição: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos 01 onceitua-se quipamentos de Proteção Individual (PI) como produtos usados na descontaminação do paciente. equipamentos de uso

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS

VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS Página Responsáveis Preparado por: Enfermeiros Analisado por: Serviço de Enfermagem Aprovado por: DAS. Objetivos. Aplicação Padronizar as técnicas de avaliação dos Sinais Vitais a fim de otimizar o serviço

Leia mais

Você sabia? 8 em cada 10 homens e mulheres já pegaram ou pegarão algum tipo de HPV. 1,2

Você sabia? 8 em cada 10 homens e mulheres já pegaram ou pegarão algum tipo de HPV. 1,2 Você sabia? O HPV é um vírus silencioso que atinge homens e mulheres e que pode causar câncer de colo do útero e verrugas genitais. 1 8 em cada 10 já pegaram ou pegarão algum tipo de HPV. 1,2 20% das pessoas

Leia mais

ASPECTOS LABORATORIAIS

ASPECTOS LABORATORIAIS INFLUENZA A (H1N1) 1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS LABORATORIAIS Os agentes infecciosos prioritários para investigação etiológica são os vírus influenza. As amostras de secreções respiratórias devem ser

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS O MUNICÍPIO DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE MG, torna público a retificação do Anexo I e Anexo II do Edital do Processo Seletivo Simplificado para formação de quadro de reserva para contratação futura de pessoal

Leia mais

USO SEGURO DE ELETROCIRURGIA BISTURI ELÉTRICO

USO SEGURO DE ELETROCIRURGIA BISTURI ELÉTRICO 1 de 6 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autores 1.00 Proposta inicial MDS, DAL,IPAM,MMS 1 Objetivo Promover a segurança do cliente em uma eletrocirurgia,

Leia mais

PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL

PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL (PARA ADULTOS) Adaptado para utilização de escova dental + boneca de gaze Versão 1.6 Dr. Eduardo Esber Odontologista CROMG 16393 CNI 16495 "O que acontece na boca não

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA 4/07

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA 4/07 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA 4/07 Dispõe sobre a obrigatoriedade no cumprimento das Normas e Rotinas de Dispensação, Solicitação de Material, Recebimento, Armazenamento e Controle

Leia mais

sondagem Friday, April 23, 2010 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6

sondagem Friday, April 23, 2010 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6 Definição Sondagem Nasoenteral é a introdução através da cavidade nasal/oral de uma sonda de poliuretano ou outro material, posicionada

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Administração de Medicamentos por Via Intramuscular*

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Administração de Medicamentos por Via Intramuscular* 1 CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, fevereiro de 2.010. Administração de Medicamentos por Via Intramuscular* 1. A Via Intramuscular A administração de medicamentos por via intramuscular

Leia mais

TREINAMENTO DE RECICLAGEM EM NP

TREINAMENTO DE RECICLAGEM EM NP TREINAMENTO DE RECICLAGEM EM NP Manipulação e Controle de Qualidade Irajá Luiz Macchi Júnior Farmacêutico-Químico Ciências farmacêuticas, MSc Especialista Nutrição Clínica-SBNPE PORTARIA nº272 O que a

Leia mais

PARECER COREN-SP 014/2014 CT PRCI n 103.895 Tickets nº 317.307

PARECER COREN-SP 014/2014 CT PRCI n 103.895 Tickets nº 317.307 PARECER COREN-SP 014/2014 CT PRCI n 103.895 Tickets nº 317.307 Ementa: Autonomia do Enfermeiro para assinar alta por abandono do tratamento ambulatorial em Psiquiatria. 1. Do fato Enfermeira que atua em

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA

A RESPONSABILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA 43 A RESPONSABILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA Maria da Conceição Protázio de Oliveira 1 Celia Akemi Kanashiro 2 RESUMO A administração de medicamentos é um procedimento básico

Leia mais

Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores. Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança.

Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores. Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança. Humira Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança. Mantenha o medicamento no frigorífico (a uma temperatura entre

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Unidade de Tecnologia da Organização de Serviços de Saúde

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Unidade de Tecnologia da Organização de Serviços de Saúde I ESTRUTURA SIM NÃO NA Área física de acordo com a RDC n 50/02 Localização em área de circulação restrita AREA ADMINISTRATIVA Área exclusiva para a recepção de pacientes Barreira física entre circulação

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX Página: 1 de 8 1) DESCRIÇÃO DO PRODUTO Lanceta Automática de Segurança Injex - Estéril - calibre: 28 G = 0,36mm Produto Classe: 2 Registro: 10160610037 2) TIPO DE USO Produto uso único - doméstico (usuários

Leia mais

PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA

PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA Porto Alegre 2014 1 INTRODUÇÃO A prática da terapia intravenosa ocupa segundo estudos 70% do tempo da enfermagem durante sua jornada de trabalho, sem levar em

Leia mais

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas.

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas. Revisão: 10/07/2013 PÁG: 1 CONCEITO Prática de higiene destinada a identificar pacientes em risco de desenvolver infecção da genitália, do trato urinário ou do trato reprodutivo e assegurar conforto físico.

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA ASSISTENCIAL PARECER TÉCNICO Nº 003/2011

CÂMARA TÉCNICA ASSISTENCIAL PARECER TÉCNICO Nº 003/2011 CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO ESPÍRITO SANTO Lei nº 5.905/73 Autarquia Federal Filiado ao Conselho Internacional de Enfermagem Genebra CÂMARA TÉCNICA ASSISTENCIAL PARECER TÉCNICO Nº 003/2011 SOLICITANTE:

Leia mais

VII Quality Day Gestão da Segurança & Gestão por Times Nova Visão para o Modelo Assistencial

VII Quality Day Gestão da Segurança & Gestão por Times Nova Visão para o Modelo Assistencial VII Quality Day Gestão da Segurança & Gestão por Times Nova Visão para o Modelo Assistencial Time Informação e Comunicação Dr Rafael Munerato de Almeida Diretor Médico Técnico Objetivo do Time: Aprimorar

Leia mais

Higienização das mãos

Higienização das mãos UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Higienização das mãos Eva Cláudia Venâncio de Senne Luciana Paiva Patrícia Borges Peixoto Universidade Federal do Triângulo

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto;

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto; PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MACEIÓ DIRETORIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÄNCIA SANITÁRIA INSPETORIA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES GERAIS

Leia mais