Dados do POP - Procedimento Operacional Padrão

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dados do POP - Procedimento Operacional Padrão"

Transcrição

1 Página 1 de 6 Dados do POP - Procedimento Operacional Padrão Nome do POP / Sinonímia Dispensação de Medicamentos e Materiais Médico-Hospitalares no Bloco Cirúrgico Nome do responsável pelo POP Marlene Loebens Este POP é Assistencial Este POP é restrito a um setor específico? Sim, é restrito ao setor informado abaixo Setor responsável FARMÁCIA HF Setores onde este POP se aplica Bloco Cirúrgico Gerência Gerência de Unidade de internação do HF Unidade hospitalar HF Quem será o Responsável Técnico que deverá aprovar este POP? Quem será o assistente/coordenador que deverá aprovar este POP? Há necessidade de aprovação pelo Controle de Infecção? Raquel Denise Petry Beatriz Siebel dos Santos Sim Objetivo do POP Garantir a dispensação correta de medicamentos e materiais médicohospitalares para pacientes cirúrgicos pela Farmácia do Bloco Cirúrgico. Responsável pela atividade / Aplicabilidade Nota1: A Farmácia do Bloco Cirúrgico (FBC) é vinculada à Farmácia Central (FC) e funciona normalmente das 07:00 às 19:00 h, de segunda à sexta-feira. Durante a noite, finais de semana e feriados o atendimento é realizado pela FC. Nota2: Excepcionalmente, quando necessário, e não for possível o atendimento pela FC, a chave é fornecida temporariamente para a Enfermagem. Abrangência Bloco Cirúrgico Farmácia do Bloco Cirúrgico Farmácia Central Médico Enfermeiro Farmacêutico Auxiliar de farmácia Técnico de enfermagem Auxiliar administrativo do Bloco Cirúrgico Material / Insumos / Equipamentos Nota de sala de Anestesia Nota de sala de Materiais (pacientes adultos) Nota de sala de Materiais (pacientes recém-nascidos) Planilhas de controle Laudo complementar Planilha de registro de não conformidades de recebimento do Almoxarifado Descrição das atividades / Procedimentos Técnico de Enfermagem 1.Retirar o kit de anestesia na Farmácia no início de cada turno de trabalho (07:00 e 13:00 h) quando necessário; 2.Solicitar os kits de materiais médicos e bandeja de gazes (composta por 8 pacotes de 10 unidades, 3 pacotes de 20 unidades, 3 pacotes de 30 unidades e 10 pedaços de malha tubular) à Farmácia conforme seqüência definida em escala cirúrgica. Auxiliar FBC 1.Fornecer o kit de anestesia, kit de materiais e o kit de gazes no início de cada turno para os Anestesistas/Enfermagem conforme a escala cirúrgica e anotar na planilha de controle. Além do material o kit inclui a nota de sala de Materiais onde já foi anotada a quantidade de material que está sendo fornecida. Registrar F de fornecido na escala cirúrgica para controlar o fornecimento dos kits de materiais. Anotar o fornecimento do kit de anestesia na sala correspondente, na planilha com o número das salas cirúrgicas. Anotar o nome do anestesista e o horário do fornecimento. 2.Entregar medicamentos/materiais que não estão nos kits, mediante solicitação da Enfermagem. Registrar o fornecimento em nota de sala adicional que fica na Farmácia e ao final do procedimento passar os dados para a nota de sala oficial. 3.Solicitar os materiais de órtese/prótese (OPMs) para a Farmácia Central, antes do procedimento cirúrgico, quando previstos na escala do turno; 4.Registrar os materiais de OPMs fornecidos para a Enfermagem na nota de sala adicional que fica na Farmácia. Anotar os tamanhos e a quantidade, não há necessidade de registrar os dados de rastreabilidade porque os mesmos são registrados na FC. 5.Registrar os dados de rastreabilidade dos materiais de órtese/prótese utilizados pelos pacientes no caderno de protocolo (paciente, material, lote e validade) após a devolução dos documentos pela Enfermagem; Nota: no caso de prótese mamária não há necessidade de registrar todos os volumes porque estes constam na DANFE de consignação, registrar apenas a prótese utilizada. 6.Dispensar os materiais de órtese/prótese conforme o POP específico e reforçar a necessidade de anexar a etiqueta do lote/validade no

2 Página 2 de 6 verso da 1ª via da Nota de Sala, no momento da entrega do material. Técnico de Enfermagem 1.Receber e conferir os medicamentos e materiais fornecidos pela Farmácia (exceto Kit de anestesia que é conferido pelo Anestesista); 2.Disponibilizar os medicamentos e materiais nas salas cirúrgicas; 3.Anotar a data de abertura nos frascos de antissépticos e outros líquidos; 4.Buscar outros medicamentos e materiais médicos na Farmácia, quando necessário no transoperatório, atendendo solicitação médica, mediante apresentação da nota de sala na Farmácia; 5.Encaminhar a nota de sala à Farmácia ao término do procedimento cirúrgico, devidamente identificada com o nome do paciente e com a coluna preenchida do consumido, acompanhada de medicamentos e materiais não utilizados e/ou laudos complementares (no caso de uso de prótese mamária, expansor, cateter semi/totalmente implantável, cateter duplo J, tela de polipropileno, grampeadores). A etiqueta do material de órtese/prótese onde consta o fabricante, nº do lote, validade, registro no MS e responsável técnico deve ser colada obrigatoriamente no verso da 1ª via da nota de sala de materiais/medicamentos; Nota: no caso de uso de OPMs a Enfermagem entrega as duas vias da nota de sala na Farmácia. 6.Solicitar a reposição diária de materiais que constam na planilha específica, nas salas cirúrgicas (seringas, agulhas, luvas, equipos, tubo endotraqueal, extensões, solução fisiológica, solução de glicose, ringer, clorhexidina, álcool). Nota1: normalmente as reposições são atendidas pela FBC ou representante da FC. Nota2: no caso eventual de empréstimos para outros setores, fazer o registro na planilha específica para controle de estoque da FBC. Médico Anestesista 1.Receber o kit de anestesia da Enfermagem ou buscá-lo na FBC e fazer a conferência dos itens; 2.Identificar o paciente na nota de sala de anestesia, registrar todos os medicamentos administrados durante o procedimento; 3.Devolver o kit na Farmácia após o término do seu turno de trabalho, incluindo as notas de sala devidamente preenchidas. A nota de sala também é utilizada como receita dos medicamentos de controle especial e deve estar assinada e carimbada pelo médico (ou com o nome por extenso). Os campos não utilizados que correspondem a medicamentos de controle especial devem ser anulados. Auxiliar FBC 1.Receber a devolução do kit de anestesia no final do turno e fazer a conferência dos itens utilizados e o consumo registrado nas notas de sala. Verificar cuidadosamente pendências de medicamentos controlados. No caso de pendências que não podem ser resolvidas imediatamente, fazer avisos direcionados ao médico anestesiologista e colocá-los dentro do kit na próxima retirada do mesmo; Nota: caso o kit não seja devolvido imediatamente após o término dos procedimentos cirúrgicos do seu turno de trabalho, buscá-lo na sala cirúrgica. 2.Repor os kits de anestesia à medida que são devolvidos pelo médico. Ficam disponíveis sete (7) kits de anestesia na FBC e dois (2) kits na Farmácia Central do 8º andar (para serem usados à noite, finais de semana e feriados) que são repostos e tem o prazo de validade dos itens controlados pelos auxiliares da FBC; 3.Dispensar primeiro os itens que vencem primeiro; 4.Deixar duas unidades dos seguintes kits de material prontos para uso no turno da noite, finais de semana e feriados: laparotomia exploradora e cirurgia de neonatos; 5.Receber da Enfermagem a devolução de medicamentos e materiais após o término de cada cirurgia e comparar os itens fornecidos com os itens consumidos e devolvidos, mediante o registro da nota de sala do paciente (2ª via); 6.Lançar os itens utilizados que constam na nota de sala no nome do paciente; 7.Fornecer os produtos solicitados pela Enfermagem diariamente para reposição das salas cirúrgicas, anotar na planilha de controle e fazer o lançamento de saída de estoque no centro de custo do BC. 8.Numerar diariamente as notas de sala em ordem crescente e fazer o lançamento no sistema de estoque; Nota: Quando faltam medicamentos (não controlados) ou materiais e não se conseguir saber qual paciente fez uso dos mesmos, fazer o lançamento de saída no centro de custo do BC (31815). 9.Cobrar do anestesista as pendências do kit de anestesia e da Enfermagem as pendências do kit materiais; 10.Solicitar para a FC a reposição diária dos medicamentos de controle especial mediante as notas de sala de anestesia do dia anterior. Este documento tem validade de receita e fica arquivado na FC durante 2 anos conforme legislação vigente; 11.Separar os materiais dos kits para as cirurgias do turno seguinte conforme a escala cirúrgica e registrar as quantidades que compõe o kit na nota de sala na coluna da quantidade fornecida; 12.Receber diariamente a escala cirúrgica do dia seguinte e no caso de cirurgias marcadas com uso de materiais do grupo de órteses/próteses ligar imediatamente para o funcionário administrativo da FC para verificar se o material de órtese/prótese já está disponível ou foi providenciado; 13.Lançar o material fornecido para outros setores no centro de custo correspondente; 14.Fazer o pedido de reposição semanal de medicamentos e materiais conforme o consumo e programação do Almoxarifado. Quando necessário, fazer pedido de reposição e/ou requisição extra para que não falte nenhum item; 15.Cobrar do Almoxarifado itens não fornecidos nas requisições (zerados) e não repetir as requisições zeradas dentro do mesmo mês; Nota: imediatamente após o recebimento dos pedidos de reposição avaliar os itens zerados quanto à urgência do abastecimento e avisar o Almoxarifado imediatamente se for o caso. 16.Avisar o farmacêutico sempre que há risco de falta de estoque de algum item importante por falta de abastecimento do Almoxarifado; 17.Avisar o farmacêutico sempre que há necessidade de aquisição de algum item que não é mantido em estoque no Almoxarifado (itens de baixo consumo, ex. tela de silicone, alguns fios cirúrgicos); 18.Receber o pedido do Almoxarifado, fazer a conferência de todos os itens (produtos dentro da especificação, quantidade, condições de armazenagem, prazo de validade) e armazenar os produtos na Farmácia observando o prazo de validade. No caso de divergências ou outros problemas registrar a não conformidade em planilha específica e entrar em contato com o Almoxarifado para resolver a questão. Quando necessário informar o farmacêutico. Controlar a resolução das não conformidades e registrar na planilha; 19.Fazer o lançamento da entrada de todos os medicamentos e materiais fornecidos pelo Almoxarifado na rotina LA => RT. Marcar OK na requisição lançada. No caso de recebimento por vale, registrar a entrada manual na rotina LA => RE e separar o documento para anexar posteriormente à requisição oficial; 20.Fazer a conferência dos controlados no início de cada turno e no caso de não conformidades avisar imediatamente o farmacêutico; 21.Fazer a conferência quinzenal do estoque da farmácia (estoque físico x estoque do sistema de materiais); 22.Avaliar diferenças significativas entre o estoque físico e o estoque do sistema e revisar os lançamentos corrigindo erros quando identificados. Entregar o relatório com os erros de lançamento corrigidos e no relatório do final do mês anotar o somatório do número de erros de cada grupo de produtos (10, 12, 13, 30, 40, etc) para o farmacêutico; 23.Fazer a conferência mensal do prazo de validade de todos os itens e registrar nas planilhas específicas, incluindo todos os kits inclusive aqueles que ficam na FC, o carro de anestesia do recém nascido e kits de materiais prontos no setor; 24.Manter as gavetas dos controlados e o armário dos kits chaveados. A FC mantém cópia destas chaves;

3 Página 3 de 6 25.Entregar a 2ª via das notas de sala de materiais já numeradas e lançadas no sistema, na Secretaria do BC, no dia seguinte ao procedimento cirúrgico, para elaboração da estatística. Nota1: a 1ª via da nota de sala acompanha o prontuário do paciente; Nota2: no caso de uso de materiais de órtese/prótese a 1ª via da nota de sala, contendo a etiqueta de rastreabilidade do material, é encaminhada para a FC, juntamente com o laudo complementar, para emissão do comunicado de uso de OPMs. Neste caso, a 1ª via da nota de sala é entregue pela FC junto com o laudo ao Faturamento para que seja anexada ao prontuário do paciente. 26.Fazer o controle de temperatura ambiente (15º a 25º C) e do refrigerador (2º a 8º C) diariamente em cada turno e registrar na planilha de controle. Manter o ar condicionado do setor ligado para manter a temperatura ambiente dentro dos limites. Avisar o farmacêutico se a temperatura do refrigerador estiver fora do limite de 2 a 8º C para providências; 27.Manter o azul patente e o azul de metileno injetáveis armazenados distantes um do outro para evitar erros de dispensação/administração; 28.Identificar o azul patente com código de barras e dispensá-lo na rotina DI com rastreabilidade do fabricante e lote. Anotar também o lote na nota de sala do paciente que fez uso do mesmo; 29.Colar etiqueta com informação de prazo de validade após a abertura dos frascos de antissépticos e outros líquidos; 30.Colar etiqueta nas pomadas/cremes para anotar data de abertura. Validade 30 dias à temperatura ambiente após a abertura dos tubos. 31.Manter estoque de 2 unidades estéreis e 1 unidade não estéril de tela de silicone (código 18920) e sempre que necessário encaminhar o material para esterilização (enfermeiro do CME) e avisar o farmacêutico da necessidade de solicitação de aquisição ao Almoxarifado; Nota1: O enfermeiro do CME faz avaliação sobre possibilidade de re-esterilização do material não utilizado; Nota2: O auxiliar de farmácia controla a validade da esterilização e avisa o farmacêutico 2 meses antes do vencimento; 32.Descartar os resíduos em geral conforme regulamento da Comissão de Gerenciamento de Resíduos; 33.Descartar os resíduos químicos conforme o POP do Serviço de Farmácia e manter os resíduos de medicamentos controlados chaveados até o momento do descarte; Nota: quando a bombona estiver cheia encaminhar os resíduos químicos de medicamentos controlados juntamente com a planilha de controle, para a FC que faz a entrega controlada ao responsável pelo Setor de Higienização e encaminhar os demais resíduos químicos diretamente para a Higienização. 34.Descartar os resíduos químicos conforme o POP do Serviço de Farmácia e manter os resíduos de medicamentos controlados chaveados até o momento do descarte; 35.Registrar o descarte de controlados em planilha específica com dados de rastreabilidade; Nota1: descartar sobras de controlados em seringas com tampa na bombona de líquidos, sem necessidade de registro. Caso a seringa contenha agulha, descartar a seringa com agulha na caixa de perfurocortantes. Nota2: quando a bombona estiver cheia encaminhar os resíduos químicos de medicamentos controlados juntamente com a planilha de controle, para a FC que faz a entrega controlada ao responsável pelo Setor de Higienização e encaminhar os demais resíduos químicos diretamente para a Higienização. 36.Controlar materiais solicitados pelo Enfermeiro que são guardados na Farmácia: caneta marca pele, 10 unidades de malha tubular e torundas de gaze; 37.Realizar limpeza mensal das cumbucas e registrar a execução da tarefa na planilha específica; 38.Manter o setor limpo e organizado e controlar o registro da limpeza concorrente e terminal realizada pela Higienização, na planilha específica de controle; Nota: informar o farmacêutico caso o Serviço de Higienização não realize a limpeza prevista. 39.Controlar o registro mensal do controle de pragas e vetores do setor na planilha específica. Este serviço é realizado por empresa externa contratada para este fim. Caso o controle não seja realizado avisar o farmacêutico; 40.Manter a porta da Farmácia chaveada durante a noite, finais de semana e feriados. Fazer a passagem de plantão entre os turnos manhã e tarde. Fazer a passagem de plantão entre os turnos tarde e noite. Nota: quando os procedimentos cirúrgicos encerram antes das 19 h, deixar as chaves na FC. 41.Comunicar sempre o farmacêutico da ocorrência de não conformidades e solicitar auxílio sempre que for necessário ou não tiver segurança absoluta na dispensação de medicamentos, materiais e outros itens. Auxiliar Administrativo do Bloco Cirúrgico 1.Receber da Farmácia a 2ª via da nota de sala de materiais correspondentes aos procedimentos cirúrgicos do dia anterior; 2.Devolver as notas de sala para a Farmácia o mais breve possível, acompanhadas do relatório com o número de cirurgias realizadas; 3.Avisar a FBC quando ocorrem cirurgias de urgência; 4.Solicitar a reposição dos formulários de nota de sala ao Almoxarifado e fornecer para a FBC. Auxiliar FBC 1.Receber do Auxiliar Administrativo do Bloco Cirúrgico as 2ªs vias das Notas de Sala de Materiais e arquivá-las durante um mês. Nota: as Notas de Sala com dispensação de controlados ficam arquivadas na Farmácia Central durante 2 anos. As Notas de Sala que não contém controlados ficam arquivadas na Farmácia do Bloco Cirúrgico durante 1 mês e depois são descartadas. As requisições ao almoxarifado são armazenadas durante 1 ano. Auxiliar FC 1.Fornecer o kit de anestesia para o BC, caso necessário, após as 19:00 h, finais de semana e feriados e fazer o registro de controle de fornecimento do kit para o anestesiologista; 2.Fornecer outros medicamentos, caso necessário, para cirurgias nos horários em que não tem auxiliar de farmácia na Farmácia do Bloco Cirúrgico; 3.Encaminhar o kit de anestesia utilizado para a Farmácia do Bloco Cirúrgico para que sejam feitos os devidos lançamentos de consumo por paciente e a reposição do mesmo. Nota: o kit somente é fornecido em casos excepcionais quando a FC não puder fazer o atendimento da FBC durante o procedimento cirúrgico. Farmacêutico 1.Supervisionar as atividades e cumprimento das rotinas do auxiliar de farmácia do Bloco Cirúrgico; 2.Supervisionar o controle de estoque, prazo de validade e abastecimento dos medicamentos e materiais; 3.Conferir o controle do prazo de validade de todos os itens da FBC e registrar nome e data da conferência; 4.Manter os itens que constam nas notas de sala atualizados e encaminhar arquivo atual para o Almoxarifado/Fornecedor para confecção gráfica;

4 Página 4 de 6 Nota: Normalmente os formulários podem ser atualizados no início dos contratos de aquisição. 5.Conferir a validade dos medicamentos do carro de parada a cada 2 meses e fazer a troca por prazo maior quando este for inferior a três meses; Nota1: a reposição dos medicamentos controlados do carro de parada é feita mediante prescrição médica, podendo ser a nota de sala de Anestesia; Nota2: a Enfermagem é responsável pelo controle do prazo de validade e reposição do carro de parada conforme o POP da Enfermagem. A reposição é feita mediante nota de sala de materiais. Contra-indicações Contra-indicações Não se aplica Orientação paciente / familiar antes e após o procedimento Não se aplica Dados complementares do POP Pontos críticos / riscos / valores críticos Registros 1.Lançamento de entrada e saída de produtos no sistema de materiais; 2.Registro dos prazos de validades em planilhas próprias arquivadas em Formulários Farmácia \ Controle Prazo de Validade \ Farmácia Bloco Cirúrgico; 3.Registro do controle de estoque no relatório de inventário do sistema de materiais; 4.Controle dos medicamentos controlados em cada turno; 5.Protocolo de uso de materiais de órtese e prótese; 6.Controle do fornecimento de kits; 7.Controle dos itens repostos pela Enfermagem nas salas cirúrgicas; 8.Controle de transferência para outros setores do hospital; 9.Controle de temperatura; 10.Controle de limpeza do setor, do filtro do ar condicionado e pragas e vetores em planilhas próprias. 1.Garantir o abastecimento; 2.Dispensação correta e controle de medicamentos controlados; 3.Controle de estoque e prazo de validade; 4.Controle do carro de parada. Ações de contramedida 1.Supervisão Farmacêutica das atividades da Farmácia do Bloco Cirúrgico; 2.Supervisão Farmacêutica na conferência e avaliação mensal do estoque e prazo de validade; 3.Supervisão Farmacêutica no controle da dispensação dos medicamentos controlados; 4.Supervisão Farmacêutica no controle do descarte de medicamentos controlados; 5.Conferência e avaliação Farmacêutica quanto ao estoque e validade dos medicamentos do carro de parada. Normas de biossegurança Descarte correto dos resíduos conforme POP específico. Referências / Bibliografia 1.Port.SVS/MS nº 344 de 12 de Maio de Para POP de Diagnóstico Aplicação Clínica Princípio do teste Resultados Valores de referência Especificações de desempenho Fontes potenciais de variabilidade Limitações do método Interpretação dos resultados Amostra Preparo do paciente Tipo de amostra

5 Página 5 de 6 Colheita Preservação e transporte Identificação da amostra Armazenamento Amostras inadequadas Outras informações Para POP de equipamento Nome do equipamento Modelo Número de série Número patrimonial Data de aquisição Data de entrada no setor Entrada em funcionamento Forma de aquisição Condições do equipamento quando do recebimento Setor alocado Fabricante Revendedor Assistência técnica Nome do(s) técnico(s) responsávei(s) Fone/Fax (s) Modo de operação do equipamento Reagentes Calibração Controle de qualidade Manutenções preventivas Manutenções corretivas Modelos de registros Usuários que deverão ter ciência do POP elaborado ou revisado Quem mais deverá ter ciência sobre o POP elaborado ou revisado? Lorena da Camino Carolina Baltar Day Lisiane Meneghini Fernanda Vesely Bertoglio GABRIELA MACEDO LUNARDI Sharon Manssur Kirchner Cátia Bauer Maggi

6 Página 6 de 6 Nataniel Schostack Helena Guimarães Barcellos Ferreira Revisões do POP Número da revisão Data da Revisão Descrição do(s) item(ns) revisado(s) / alterado(s) 1 09/11/ /10/ /08/2014 Responsável pela atividade (retirado Anestesiologista), ficou Médico (amplia para além do anestes. também Cirurgiões. 2- Acrescentado Aux. Farmácia Bloco Cirúrgico na descrição de atividades. 3- normas de biossegurança: descarte de resíduos.2- s Atualização dos procedimentos referentes a materiais de órtese e prótese. Fechamento da FBC durante a noite, finais de semana e feriados com atendimento pela FC. Nota de sala adicional para registro de dispensação de materiais extras que não estão no kit.registrar os materiais de OPMs fornecidos para o BC na nota de sala adicional: nome do material tamanho, etc.

1 de 6 10/10/2015 02:57

1 de 6 10/10/2015 02:57 1 de 6 10/10/2015 02:57 Nome do POP / Sinonímia Nome do responsável pelo POP Fluxo 40921/15 - Reposição e Controle de Medicamentos no Centro Obstétrico *Que receberá, por exemplo, a tarefa de revisão do

Leia mais

1 de 5 17/01/2015 06:21

1 de 5 17/01/2015 06:21 1 de 5 17/01/2015 06:21 Dados do POP - Procedimento Operacional Padrão Nome do POP / Sinonímia Fluxo 25590/14 - Dispensação de Prescrições de Medicamentos sob Controle Especial e Reposição de Estoque Nome

Leia mais

Fluxo de elaboração e aprovação de POP s v.1 - Cód. 41366

Fluxo de elaboração e aprovação de POP s v.1 - Cód. 41366 Página 1 de 5 DETALHAMENTO DO FLUXO Fluxo de elaboração e aprovação de POP s v.1 - Cód. 41366 POP: Dispensação de Material Médico e Medicamento Requisitante: PASSO A PASSO DO FLUXO Cód. Tarefa Início Conclusão

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº FCCIR: 001 Tarefa: Recebimento de mmh e medicamentos para abastecer a farmácia Executante: Farmacêutico e/ou Auxiliar de Farmácia Resultados esperados: Estoque de acordo com a transferência. Recursos

Leia mais

Responsabilidades/ Autoridades

Responsabilidades/ Autoridades 1/5 1. OBJETIVO Garantir o abastecimento dos materiais Consignados e OPME do Hospital. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO OPME - Órtese Prótese e Materiais Especiais; CAF - Central de Abastecimento Farmacêutico;

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Situações de Emergência na sala de vacinação

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Situações de Emergência na sala de vacinação vacinas 0 Situações de Emergência na sala de vacinação Nº ASSUNTO: Padronizar Situações de Emergência na sala de vacinação. RESULTADOS ESPERADOS: Evitar perdas de vacinas. APLICAÇÃO: Este POP aplica-se

Leia mais

T06.1 - Alimentar o repositório de documentos do GHC Sistemas com o POP em for...

T06.1 - Alimentar o repositório de documentos do GHC Sistemas com o POP em for... Page 1 of 8 Você está usando uma versão do navegador Internet Explorer antiga ou uma versão atualizada em modo de compatibilidade. Atualize seu programa para a última versão disponível para ter uma experiência

Leia mais

DIR050 - Fluxo de elaboração e aprovação de POP s - NOVA VERSÃO (consolidado) v.1 - Cód. 88104

DIR050 - Fluxo de elaboração e aprovação de POP s - NOVA VERSÃO (consolidado) v.1 - Cód. 88104 Página 1 de 6 DETALHAMENTO DO PROCESSO DIR050 - Fluxo de elaboração e aprovação de POP s - NOVA VERSÃO (consolidado) v.1 - Cód. 88104 POP: Técnica de uso do Hipoclorito de Sódio 1% Requisitante: PASSO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA 4/07

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA 4/07 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA 4/07 Dispõe sobre a obrigatoriedade no cumprimento das Normas e Rotinas de Dispensação, Solicitação de Material, Recebimento, Armazenamento e Controle

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE CONSIGNADOS COMPRAS/ RECEBIMENTO/ ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO

SOLICITAÇÃO DE CONSIGNADOS COMPRAS/ RECEBIMENTO/ ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO 1 de 8 Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Processo MTQ, OAP, JBM 1 Objetivo Gestão de material de alto custo consignado, estabelecendo fluxo de solicitação,

Leia mais

Detalhamento Cód. 197511

Detalhamento Cód. 197511 DIR050 - Fluxo de elaboração e aprovação de POP s - NOVA VERSÃO (consolidado) v.1 Detalhamento Cód. 197511 POP: Administração de Dieta ao Recém Nascido por Sonda de Alimentação Enteral e Bomba de Infusão

Leia mais

Diretor Técnico 01/10/2009 Dr. Jose Carlos dos Santos. Diretor Executivo 01/10/2009

Diretor Técnico 01/10/2009 Dr. Jose Carlos dos Santos. Diretor Executivo 01/10/2009 Versão: 2 Pg: 1/5 ELABORADO POR DE ACORDO APROVADO POR NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Ivo Gerente da Fernandes Qualidade 01/10/2009 Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 01/10/2009 Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia 1 1 - REQUISIÇÃO DE HEMOCOMPONENTES A enfermagem deve checar se a requisição de transfusão (MA5-036) foi preenchida corretamente, em duas ou mais vias, com os seguintes itens: - Nome completo do paciente

Leia mais

Anexo I INFORME PRÉVIO. Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo I INFORME PRÉVIO. Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo I INFORME PRÉVIO Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Este informe prévio deverá ser preenchido no que couber, por indústria fabricante de medicamentos

Leia mais

Programa de Estágios Curriculares na Farmácia do Hospital Moinhos de Vento

Programa de Estágios Curriculares na Farmácia do Hospital Moinhos de Vento Programa de Estágios Curriculares na Farmácia do Hospital Moinhos de Vento 1 GARANTIA DA QUALIDADE Número de estagiários por semestre: 2 (1) e Tarde (1) Conhecimento do processo da Garantia da Qualidade

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA Versão: 06 Código: STROEM 02 Paginação: 1 de 36 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Aprovado e liberado por:

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Movimentações de Estoque. 11.8x. março de 2015. Versão: 5.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Movimentações de Estoque. 11.8x. março de 2015. Versão: 5.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Movimentações de Estoque 11.8x março de 2015 Versão: 5.0 1 Sumário 1 Introdução... 3 2 Objetivos... 3 3 Movimentações de Estoque... 3 4 Parâmetros... 5 5 Cadastros...

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO GERENCIAMENTO DE MEDICAMENTOS DE ALTO RISCO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO GERENCIAMENTO DE MEDICAMENTOS DE ALTO RISCO 1-8 1. OBJETIVO Utilizar um processo controlado de dispensação, armazenagem e administração de medicamentos de alto risco para aumentar a segurança do paciente no uso destes medicamentos no hospital, reduzindo

Leia mais

Produto Químico produtos que contém substâncias químicas que pode causar danos à saúde do trabalhador

Produto Químico produtos que contém substâncias químicas que pode causar danos à saúde do trabalhador SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento SUPRIMENTO DE PRODUTOS, MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TERCEIROS PR 7.3 Revisão: 00 Página 1 de 2 Requisito

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO APE 2010

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO APE 2010 SECRETARIA de ESTADO da EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA de DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DIRETORIA de ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR COORDENADORIA de ALIMENTAÇÃO e NUTRIÇÃO ESCOLAR INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO APE

Leia mais

ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL NO ALMOXARIFADO DO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO SAAE

ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL NO ALMOXARIFADO DO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO SAAE 1/6 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pela autarquia SAAE; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e

Leia mais

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo II INFORME PRÉVIO FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Para fins de inspeção para verificação de cumprimento de boas práticas de fracionamento é imprescindível que

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 02/2014

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 02/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 02/2014 O Presidente da Fundação Ezequiel Dias, no uso das atribuições que lhe confere o Decreto n.º 45.712, de 30/08/2011, em consonância ao disposto na Lei Delegada

Leia mais

Novas formas de trabalhar estão se desenvolvendo a partir do uso das. Lotacional, com o propósito de facilitar o controle mediante a

Novas formas de trabalhar estão se desenvolvendo a partir do uso das. Lotacional, com o propósito de facilitar o controle mediante a Apresentação Novas formas de trabalhar estão se desenvolvendo a partir do uso das tecnologias de comunicação. A Diretoria de Material e Patrimônio vem disponibilizar o Manual de Gestão Patrimonial para

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0

Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0 Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados Versão 1.0 Sumário Central de Materiais Esterilizados 3 1 Manual... de Processos - Central de Materiais Esterilizados 4 Fluxos do... Processo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS GERENCIAMENTO DE PROCESSO Pagina:01 Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: O QUE Organizar a Sala de Vacinas RESULTADO DO PROCESSO Melhoria na qualidade de execução de Executar imunização Imunização na Diariamente

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO PÚBLICA DE ESTAGIÁRIOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

EDITAL PARA SELEÇÃO PÚBLICA DE ESTAGIÁRIOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA EDITAL PARA SELEÇÃO PÚBLICA DE ESTAGIÁRIOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA EDITAL PARA EXAME DE SELEÇÃO PÚBLICA DE ACADÊMICOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DEVIDAMENTE CONVENIADAS COM

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional do Ministério Público Diretoria de Estágios e Convênios Acadêmicos EDITAL PARA EXAME

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR

1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR 1 1 2 1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR Razão Social: FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR CNPJ: 12.838.821/0001-80 Registro ANS: 41828-5 Inscrição Municipal: 130973/001-6 Inscrição Estadual:

Leia mais

Relato de experiência. Farmácia Hospital Unimed BH 2010 HOSPITAL UNIMED

Relato de experiência. Farmácia Hospital Unimed BH 2010 HOSPITAL UNIMED Relato de experiência Farmácia Hospital Unimed BH 2010 Classificação do Hospital Hospital vertical: 11 andares, 4 exclusivos para internação) 250 leitos de internação : 20 de terapia intensiva 136 apartamentos

Leia mais

Estabelecer a rotina, diretrizes e prazos para processamento da folha de pagamento do Grupo.

Estabelecer a rotina, diretrizes e prazos para processamento da folha de pagamento do Grupo. 1/8 1. OBJETIVO Estabelecer a rotina, diretrizes e prazos para processamento da folha de pagamento do Grupo. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO DHO Desenvolvimento Humano Organizacional; SISTEMA RUBI Sistema operacional

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CONTROLE DE DOCUMENTOS E DADOS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CONTROLE DE DOCUMENTOS E DADOS 1. Objetivo POP-L02 Página 1 de 12 Estabelecer as diretrizes para o controle de todos documentos e dados do Sistema de Gestão da Qualidade, de modo a garantir a rastreabilidade e padronização dos processos

Leia mais

ANEXO V COMPETÊNCIAS DEFINIDAS

ANEXO V COMPETÊNCIAS DEFINIDAS ANEXO V COMPETÊNCIAS DEFINIDAS Compete as Unidades de Saúde (básica, secundária/ambulatórios follow up): 1. Realizar a identificação das crianças que cumprem os critérios estabelecidos para recebimento

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS 1 SUMÁRIO 3 INTRODUÇÃO 3 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 5 RESCISÃO DO CONTRATO DE ESTÁGIO 6 CONCLUSÃO DE CURSO 6 RELATÓRIO TÉCNICO 7 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

www.anvisa.gov.br INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011

www.anvisa.gov.br INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011 INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição, isoladas ou em

Leia mais

MANUAL DE PROCESSOS SUP12 - DISTRIBUIR PRO- DUTOS PARA SAÚDE

MANUAL DE PROCESSOS SUP12 - DISTRIBUIR PRO- DUTOS PARA SAÚDE MANUAL DE PROCESSOS SUP12 - DISTRIBUIR PRO- DUTOS PARA SAÚDE SUMÁRIO GLOSSÁRIO (SIGLAS, SIGNIFICADOS)... 3 I. OBJETIVO DO PROCESSO... 5 II. ÁREAS ENVOLVIDAS... 5 III. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES... 5 IV.

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a RDC nº 44/2010

Perguntas e respostas sobre a RDC nº 44/2010 Perguntas e Respostas (atualizada em 27/01/2011) 1. De que trata a RDC 44/2010? Esta resolução estabelece novos mecanismos para a prescrição e o controle da dispensação de medicamentos antimicrobianos.

Leia mais

Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC)

Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC) INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CENTRO DE PRÁTICAS CLÍNICAS E CIRÚRGICAS Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC) Dispõe

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO DE SOLICITAÇÃO DE FORMULÁRIOS (SASF) USUÁRIOS MUNICIPAIS VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HERMES

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HERMES MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HERMES 1. Introdução Esse documento tem por objetivo descrever o funcionamento e formas de utilização do módulo de Requisição de Materiais do Sistema de Controle Patrimonial

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 11 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para suprimento de materiais e serviços que impactam nos processos relacionados com o Sistema de Gestão da Qualidade, assim como para qualificação e avaliação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE HOSPITAL REGIONAL DE CACOAL

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE HOSPITAL REGIONAL DE CACOAL Chamada nº 001/2015 Contratação Enfermagem FACIMED Processo Seletivo Simplificado para profissionais de enfermagem de Nível Médio e Superior HRC A FACIMED, considerando o convênio firmado com o Governo

Leia mais

Detalhamento Cód. 50467

Detalhamento Cód. 50467 1 de 13 9/6/2015 10:51 v.1 Detalhamento Cód. 50467 POP: Utilização do medidor de cuff em pacientes sob ventilação mecânica invasiva dados do requisitante Desenho do processo Passo a passo + detalhes Tarefa

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE ENSINO DEVIDAMENTE CONVENIADAS COM A PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA

INSTITUIÇÕES DE ENSINO DEVIDAMENTE CONVENIADAS COM A PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA EDITAL PARA EXAME DE SELEÇÃO PÚBLICA DE ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DEVIDAMENTE CONVENIADAS COM A PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA A Procuradoria-Geral de Justiça do Ministério

Leia mais

MANUAL DA CAMPANHA. Tudo o que é preciso saber para encontrar portadores de Hepatite C e salvar vidas

MANUAL DA CAMPANHA. Tudo o que é preciso saber para encontrar portadores de Hepatite C e salvar vidas MANUAL DA CAMPANHA Tudo o que é preciso saber para encontrar portadores de Hepatite C e salvar vidas APRESENTAÇÃO Este manual tem como objetivo orientar você, voluntário do projeto Hepatite Zero, sobre

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Instalação e administração de concentrado de hemácias, plaquetas ou plasma fresco congelado. FINALIDADE Estabelecer a rotina para instalação e controle da transfusão de hemocomponentes

Leia mais

Manual do Prestador SEPACO. Autogestão. ANS - no 41.696-7

Manual do Prestador SEPACO. Autogestão. ANS - no 41.696-7 Manual do Prestador Autogestão ANS - no 41.696-7 SEPACO Prezado prestador, Este manual tem como objetivo formalizar a implantação das rotinas administrativas do Sepaco Autogestão, informando as características

Leia mais

HEALTHCARE SOLUTIONS. pillpick

HEALTHCARE SOLUTIONS. pillpick HEALTHCARE SOLUTIONS pillpick Automated SISTEMA AUTOMATIZADO Packaging and DE dispensing EMBALAGENS system E DISPENSAÇÃO O PillPick é altamente preciso e fornece aos nossos enfermeiros os medicamentos

Leia mais

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº24/2014 DISPÕE SOBRE O REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO ESCOLA DE BIOMEDICINA (LAC) DA CNEC/IESA.

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº24/2014 DISPÕE SOBRE O REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO ESCOLA DE BIOMEDICINA (LAC) DA CNEC/IESA. RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº24/2014 DISPÕE SOBRE O REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO ESCOLA DE BIOMEDICINA (LAC) DA CNEC/IESA. O CONSELHO SUPERIOR, face ao disposto no Artigo 7º do Regimento Interno

Leia mais

MÓDULO D- CONCLUINTE

MÓDULO D- CONCLUINTE Grupo de Supervisão Educacional GSE/Gestão de Vida Escolar MÓDULO D- CONCLUINTE Emissão do Diploma / Certificado 1 D5 Revisado em JAN/2014 Material Necessário Relação de alunos concluintes publicados no

Leia mais

4RUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA LACTATO SANGUE TOTAL/LCR

4RUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA LACTATO SANGUE TOTAL/LCR POP n.º: B31 Página 1 de 6 1. Sinonímia: ÁCIDO LÁCTICO, ÁCIDO LÁTICO. Mnemônico: LTQ (Lactato no LCR). O Lactato no sangue faz parte do menu da gasometria arterial ou venosa (não tem um mnemônico exclusivo).

Leia mais

MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS

MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS Elaborado por:

Leia mais

g) Realizar as leituras das amostras de fezes e lançar seus resultados nas respectivas folhas de trabalho;

g) Realizar as leituras das amostras de fezes e lançar seus resultados nas respectivas folhas de trabalho; 1/9 1. OBJETIVO Definir todas as rotinas executadas no setor da parasitologia, como também as ações pertinentes aos Controles de Qualidade Interno e Externo (Programas de Proficiência e Testes Interlaboratoriais)

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FEMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO EM HEMATOLOGIA SYSMEX XT 4000i

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FEMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO EM HEMATOLOGIA SYSMEX XT 4000i POPE n.º: H 01 Página 1 de 6 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome: Analisador Hematológico Automatizado Sysmex 1.2 Modelo: XT 4000i 1.3 Número de série: 12780 1.4 Número de patrimônio: Não se aplica

Leia mais

Coordenação da Atenção Básica. Manual de Orientação para a Unidade Básica de Saúde

Coordenação da Atenção Básica. Manual de Orientação para a Unidade Básica de Saúde Coordenação da Atenção Básica Manual de Orientação para a Unidade Básica de Saúde Secretaria Municipal da Saúde São Paulo 2006 manual_remedio_nova_versao.indd 1 31/1/2006 09:51:20 Prefeito José Serra Secretária

Leia mais

Esta Rotina Administrativa (RAD) se aplica aos Juizados Especiais Cíveis, passando a vigorar a partir de 18/10/2013.

Esta Rotina Administrativa (RAD) se aplica aos Juizados Especiais Cíveis, passando a vigorar a partir de 18/10/2013. Proposto por: Equipe do Juizado Especial Cível Analisado por: Representante da Administração Superior (RAS Coordenador) Aprovado por: Juiz Direito Coordenador do SIGA/JEC 1 OBJETIVO Estabelecer critérios

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Teste do Pezinho

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Teste do Pezinho Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Teste do Pezinho Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado por: Simone Vidal Santos; Cláudia Rosa Ferreira Ramos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Campo Grande MS Secretaria Municipal de Saúde - SESAU PROGRAMA DE AUTOMONITORAMENTO GLICÊMICO

Prefeitura Municipal de Campo Grande MS Secretaria Municipal de Saúde - SESAU PROGRAMA DE AUTOMONITORAMENTO GLICÊMICO Prefeitura Municipal de Campo Grande MS Secretaria Municipal de Saúde - SESAU PROGRAMA DE AUTOMONITORAMENTO GLICÊMICO Protocolo de dispensação de insumos para pacientes com Diabetes Mellitus insulinodependentes

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-301-R00 ESTÁGIO PROBATÓRIO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-301-R00 ESTÁGIO PROBATÓRIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-301-R00 ESTÁGIO PROBATÓRIO 11/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 06 de novembro de 2015. Aprovado, Antonia Valeria Martins Maciel 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PEDIDOS DE COMPRA E LICITAÇÃO

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PEDIDOS DE COMPRA E LICITAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PEDIDOS DE COMPRA E LICITAÇÃO Este roteiro objetiva descrever os procedimentos que devem ser adotados pelos Setores, Coordenações e Departamentos requisitantes na formulação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

REGULAMENTO GERAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA Capítulo 1 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Estas normas regulamentam o funcionamento dos laboratórios do Departamento de

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 002 / REV. 01

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 002 / REV. 01 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Qualificação de Fornecedores e Controle de Matérias - primas e Embalagens POP - PRIMATO 002 / REV. 01 QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES Este método tem por

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008.

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008. PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008. Estabelece normas para utilização da Biblioteca da Faculdade de Tecnologia de Presidente Prudente. O Diretor da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

FARMÁCIA BÁSICA MUNICÍPIO: UNIDADE DE SAÚDE: TERMO DE VISTORIA - AQUISIÇÃO DE MEDICAMENTOS

FARMÁCIA BÁSICA MUNICÍPIO: UNIDADE DE SAÚDE: TERMO DE VISTORIA - AQUISIÇÃO DE MEDICAMENTOS FARMÁCIA BÁSICA MUNICÍPIO: UNIDADE DE SAÚDE: TERMO DE VISTORIA - AQUISIÇÃO DE MEDICAMENTOS Escolher aleatoriamente 0 medicamentos constantes da última aquisição realizada e comparar o preço de fábrica

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE ÁGUA E AMOSTRAS AMBIENTAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE ÁGUA E AMOSTRAS AMBIENTAIS Sistema Único de Saúde Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Laboratório Central de Saúde Pública Código do Documento Cópia Controlada Nº MANUAL 1/8 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome: 1.2 Modelo: IV Xpert System é composto por, um computador, um leitor de códigos de barra e software pré-instalado. 1.3 Número de série: 802137 1.4 Número de patrimônio:

Leia mais

TISS 3.02.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Planalto Médio/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 VERSÃO 1.

TISS 3.02.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Planalto Médio/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 VERSÃO 1. VERSÃO 1.0 CARTILHA TISS 3.02.00 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Planalto Médio/ANS 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 4. Rotina Operacional 5. Rotina Operacional Autorizações Contas

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 1 MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 2 Apresentação Menos de dez meses depois de ter sido criada pela Associação Médica Brasileira, a Câmara

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

ELABORADO: Ana Cristina Cunha

ELABORADO: Ana Cristina Cunha 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer formulários para auxiliar na rastreabilidade dos insumos e reagentes utilizados, no registro de não conformidades e ação preventiva, no tempo de guarda dos registros pertencentes

Leia mais

CONTRATO DE CESSÃO DE USO DO CARTÃO BHBUS COMODATO

CONTRATO DE CESSÃO DE USO DO CARTÃO BHBUS COMODATO Página 1 de 6 CONTRATO DE CESSÃO DE USO DO CARTÃO BHBUS COMODATO REGISTRADO NO 2º OFÍCIO DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS DE BELO HORIZONTE, MICROFILME Nº 1086610 1. PARTES: FORNECEDOR: Consórcio Operacional

Leia mais

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL Valinhos 2013 Introdução: A finalidade deste manual é aprimorar a relação entre a Santa Casa de

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE REUTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DE USO ÚNICO

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE REUTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DE USO ÚNICO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE REUTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DE USO ÚNICO Adélia Aparecida Marçal dos Santos Gerência de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos GIPEA/GGTES/ANVISA AGÊNCIA

Leia mais

Nº Versão/Data: Validade: 2.0 22/10/2014 OUTUBRO/2015 SA. 05 EXPEDIÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO EXPEDIÇÃO

Nº Versão/Data: Validade: 2.0 22/10/2014 OUTUBRO/2015 SA. 05 EXPEDIÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO EXPEDIÇÃO 1 de 10 EXPEDIÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO EXPEDIÇÃO EXPEDIÇÃO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÃO DO SERVIÇO E SUA ABRANGÊNCIA...

Leia mais

NOTA TÉCNICA n 06 DIVE/SUV/SES/2015

NOTA TÉCNICA n 06 DIVE/SUV/SES/2015 GOVERNO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Saúde Sistema Único de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica NOTA TÉCNICA n 06 DIVE/SUV/SES/2015 Assunto:

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. Departamento Regional de São Paulo. Escola SENAI Hessel Horácio Cherkassky

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. Departamento Regional de São Paulo. Escola SENAI Hessel Horácio Cherkassky SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Departamento Regional de São Paulo GUIA DE REFERÊNCIA RÁPIDA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUIA DO ALUNO Cubatão SP SUMÁRIO página 1. O QUE É ESTÁGIO SUPERVISIONADO?

Leia mais

3. Definições: Código de Classificação de Documentos do TJAM. Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 06. Páginas 10. Data 31/05/2012.

3. Definições: Código de Classificação de Documentos do TJAM. Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 06. Páginas 10. Data 31/05/2012. 001/20 - Providenciar o Arquivamento, : 1. Objetivo: Padronizar os procedimentos relacionados aos pedidos de arquivamento, desarquivamento e encaminhar os autos processuais findos oriundos das Unidades

Leia mais

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Disponibilidade de Estoque

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Disponibilidade de Estoque CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Disponibilidade de Estoque Objetivo(s) do projeto Este orçamento pretende alcançar os seguintes objetivos: Analise de Disponibilidade tem por objetivo proporcionar uma visão geral

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA 1 INTRODUÇÃO A Biblioteca é referida pelos Estatutos da FAJE no Título II, Cap. II, Art. 20, 1, e no Título 111, Art. III, Artigos 61, 64 69. Este regulamento deve ser revisto

Leia mais

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Serviço Público Federal Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Define as normas internas

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO Pagina 1 de 30 1. OBJETIVO Assegurar o procedimento de liberação e transfusão sangüínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA Nº 25, DE 8 DE NOVEMBRO DE 2012 O

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA Nº 25, DE 8 DE NOVEMBRO DE 2012 O MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA Nº 25, DE 8 DE NOVEMBRO DE 2012 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, SUBSTITUTO, DO MINISTÉRIO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE DOUTORADO PPGAO 2016 EDITAL FEA-RP PPGAO 02/2015

PROCESSO SELETIVO DE DOUTORADO PPGAO 2016 EDITAL FEA-RP PPGAO 02/2015 PROCESSO SELETIVO DE DOUTORADO PPGAO 2016 EDITAL FEA-RP PPGAO 02/2015 A Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Administração de Organizações (CCP-PPGAO) e a Comissão de Pós-Graduação (CPG),

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA EXERCÍCIO 2015.2

EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA EXERCÍCIO 2015.2 EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA EXERCÍCIO 2015.2 A Direção Geral da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA abre inscrições para os professores desta instituição de ensino, interessados em participar

Leia mais

Relatório do Grupo de Trabalho do Hospital Parque Belém

Relatório do Grupo de Trabalho do Hospital Parque Belém Relatório do Grupo de Trabalho do Hospital Parque Belém Apresentação: o presente relatório é fruto do trabalho desenvolvido pelo grupo constituído em reunião ordinária do CMS de 06 de fevereiro do corrente

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE VEÍCULOS

UTILIZAÇÃO DE VEÍCULOS Elaborado por Bruno Ferreira da Cruz Visto: Aprovado por Leandro Eduardo Souza Visto: Alterado por Thiago Neves Visto: CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 28/03/2014 - Emissão

Leia mais

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Para acessar sua senha: 1. Entrar no portal Metodista online Acesse o site www.bennett.br. No lado superior direito aparecerá a janela da área de login,

Leia mais

Com a implantação do Módulo de Vacina, a população soteropolitana receberá vários benefícios que facilitarão a VIDA de todos nós.

Com a implantação do Módulo de Vacina, a população soteropolitana receberá vários benefícios que facilitarão a VIDA de todos nós. O Módulo de Vacina será um divisor de águas dentro da SMS do Salvador. Com a implantação do módulo, as salas de vacinas serão informatizadas, como também alguns de seus processos serão automatizados. Permitirá

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS Este manual foi elaborado para orientar o Cliente, Órgão/Entidade, sobre os procedimentos necessários a serem seguidos com relação à preparação

Leia mais

PORTARIA Nº 1386/2006 SMS.G. A SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe são legalmente conferidas,

PORTARIA Nº 1386/2006 SMS.G. A SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe são legalmente conferidas, PORTARIA Nº 1386/2006 SMS.G A SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe são legalmente conferidas, CONSIDERANDO a edição da Lei nº 14.084 de 27 de outubro de 2005 e do Decreto Municipal

Leia mais

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 8 Título do Procedimento: Rotinas do Arsenal Data de Emissão: 07/ 2005

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 8 Título do Procedimento: Rotinas do Arsenal Data de Emissão: 07/ 2005 Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 8 Freqüência que é realizado: Diariamente Profissional que realiza: Enfermeiro, Técnico e Auxiliar de Enfermagem Material Utilizado: material esterilizado EPI: Luva

Leia mais

Manual Ilustrado Utilitários Controle de Infecção Hospitalar

Manual Ilustrado Utilitários Controle de Infecção Hospitalar Manual Ilustrado Utilitários Controle de Infecção Hospitalar Abril - 2014 Manual Ilustrado Utilitários Indíce Título do documento 1. Como utilizar esse material em seus estudos?... 3 2. Introdução... 3

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL (GTA) PARA SUÍDEOS VERSÃO 5.0

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL (GTA) PARA SUÍDEOS VERSÃO 5.0 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL DSA COORDENAÇÃO DE TRÃNSITO E QUARENTENA ANIMAL CTQA MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP. Enfermagem UTI Neonatal - HCC

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP. Enfermagem UTI Neonatal - HCC PROCESSO: Cuidados com RN graves e/ou instáveis PROCEDIMENTO Manuseio Mínimo com Recém-nascido (RN) Grave ou Instável (CUIDADOS 1) Responsável pela execução: Equipe multiprofissional da UTI Neonatal Data

Leia mais

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS 1 SUMÁRIO 3 INTRODUÇÃO 4 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 6 RESCISÃO DO CONTRATO DE ESTÁGIO 7 CONCLUSÃO DE CURSO 7 RELATÓRIO TÉCNICO 8 AVALIAÇÃO DE

Leia mais