PLANO DE GESTÃO: EQUIPE SUPERAÇÃO MARLON VITO FONTANIVE ALDO ZANELLA JUNIOR JULIANA KONS MISSÃO: COMPROMISSO COM AS PESSOAS E COM A QUALIDADE

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE GESTÃO: EQUIPE SUPERAÇÃO MARLON VITO FONTANIVE ALDO ZANELLA JUNIOR JULIANA KONS MISSÃO: COMPROMISSO COM AS PESSOAS E COM A QUALIDADE"

Transcrição

1 PLANO DE GESTÃO: EQUIPE SUPERAÇÃO MARLON VITO FONTANIVE ALDO ZANELLA JUNIOR JULIANA KONS MISSÃO: COMPROMISSO COM AS PESSOAS E COM A QUALIDADE VISÃO: SERMOS ATENTOS ÀS PESSOAS ENVOLVIDAS PARA JUNTOS CONSTRUIRMOS UM AMBIENTE EDUCACIONAL HUMANIZADO E DE EXCELÊNCIA. SLOGAN: UNIR PARA HUMANIZAR, AVALIAR, PLANEJAR E CONSOLIDAR APRESENTAÇÃO O objetivo desse Projeto de Gestão é propor um caminho de crescimento para o Câmpus Jaraguá do Sul Geraldo Werninghaus que leve em conta todas as pessoas envolvidas nesse processo, visando a construção de um ambiente educacional humanizado e de excelência, com a participação de toda a comunidade acadêmica. NOSSA GESTÃO O caminho para o crescimento do Câmpus deve ter foco nas pessoas e nas necessidades do arranjo produtivo, com aumento de vagas e cursos, otimização de recursos e participação ativa de todos os servidores, estudantes e comunidade. No período em que estivemos à frente da gestão do Câmpus ( ) procuramos construir uma gestão participativa, quando cada área pode decidir suas prioridades e o que fazer com os recursos disponíveis. Batalhamos intensamente na complementação do quadro de servidores. Investimos na manutenção e reforma da estrutura do câmpus, na aquisição de mais um carro oficial, na otimização do uso dos espaços atuais.

2 Conquistamos o novo bloco administrativo, um ônibus e um container para uso do Centro Acadêmico, Grêmio Estudantil e reprografia. Ampliamos o fomento a projetos de pesquisa e de extensão, por meio de editais internos, e atuamos na consolidação dos cursos atuais e na criação do Bacharelado em Engenharia Elétrica, que nos permitirá atender ainda melhor à comunidade da região. Estabelecemos fortes parcerias com as lideranças públicas e empresariais locais, garantindo a participação do IFSC na implantação do Parque Tecnológico em Jaraguá do Sul. Mas queremos que fique claro que os pensamentos e propostas aqui apresentados estão suscetíveis a mudanças, evoluções e atualizações. Seria muita pretensão dessa chapa afirmá-las como solução eterna e não refletir que as efetivas propostas virão com o trabalho em andamento, das mentes e corações dos envolvidos nesse projeto. NOSSA EQUIPE MARLON VITO FONTANIVE: Graduado em Tecnologia em Fabricação Mecânica (CEFET-PR) e Licenciado em Formação Pedagógica (UNISUL), especializado em Eng. de Produção (UDESC) e em Formação de Gestão Universitária pelo Instituto de Liderança e Gestão Universitária (UFSC), com estágio na Universidade de Quebec Canadá. Iniciou o mestrado na UTFPR. Possui 19 anos de experiência com docência no Ensino Técnico e Superior, sendo sete anos destes no IFSC. Por três anos foi coordenador de Eletrotécnica, Mecânica e Fabricação Mecânica e está há três anos na Direção Geral do Campus GW. Atuou por 12 anos nas empresas da Região, sendo destes nove anos em supervisão e gerência. ALDO ZANELLA JUNIOR: Graduado em Engenharia Elétrica pela UDESC e licenciado pela UNISUL, tem especialização em Manutenção Industrial e Mestrado em Engenharia Elétrica. Possui 12 anos de experiência com docência no Ensino Técnico e Superior, sendo 5 anos destes no IFSC. Possui 8 anos de experiência com coordenação e gestão escolar, sendo um ano e meio na coordenação de Eletrotécnica e três anos na chefia do DEPE. JULIANA KONS: Graduada em Gestão Pública pela Uniasselvi/Fameblu, tem especialização também em Gestão Pública pela AUPEX. Trabalha há quatro anos no IFSC, sendo que atuou como Coordenadora de Gestão de Pessoas por dois anos. Atualmente é Chefe do Departamento de Administração do Câmpus Geraldo Werninghaus, cargo que ocupa há oito meses.

3 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS: EQUIPE SUPERAÇÃO: MARLON, ALDO E JULIANA PROJETO POLÍTICO: O QUE NOS PROPOMOS FAZER 1. COMPROMISSOS COM O CÂMPUS: O QUE PRECISA SER FEITO: Responder em tempo hábil a qualquer questionamento Efetivar a avaliação da gestão do Câmpus, fornecendo um feedback aos servidores e alunos Efetuar o planejamento democrático dos processos de maior impacto do Câmpus, como: a execução orçamentária, o Planejamento Anual de Trabalho PAT, a Matriz SWOT, o Plano de Oferta de Cursos e Vagas POCV, etc Discutir os indicadores institucionais, como número de matrículas e egressos, relação aluno-professor, número de projetos de pesquisa, percentual de uso dos recursos, entre outros, a fim de nortear os projetos do Câmpus 1.1 Promover a Gestão democrática Descentralizar os processos visando agilizar algumas tomadas de decisão, a partir dos indicadores Padronizar as tomadas de decisão visando a isonomia dos processos Criar grupo de trabalho para operacionalizar o PDI no Câmpus, através da aplicação da matriz SWOT e outras ferramentas Operacionalizar a análise do Relatório de Autoavaliação da CPA a fim de otimizar o processo de planejamento do Câmpus Fortalecer a indissociabilidade entre Ensino, Pesquisa e Extensão Reafirmar a distribuição de carga horária docente no Ensino, com a garantia de reserva para fortalecimento da Pesquisa e da Extensão Intensificar o mapeamento dos processos de Ensino, Pesquisa e Extensão, identificando as dificuldades e oportunidades de melhoria

4 1.2.3 Promover o aumento da oferta dos cursos FIC e outras formas de oferta visando a integração com a Comunidade e novas oportunidades de Pesquisa e Extensão aliadas ao Ensino Aumentar o incentivo para bolsas de Pesquisa e Extensão para docentes e discentes com apoio da indústria e órgãos de fomento Intensificar a política de apoio a projetos de fomento externo, no campo do Ensino, da Pesquisa e da Extensão Promover a inserção de atividades de Extensão nas atividades recorrentes dos cursos regulares e outras ofertas Ampliar os recursos da biblioteca a fim de atender com maior eficácia as necessidades de Ensino, Pesquisa e Extensão Propor melhorias nos processos que envolvem as atividades de apoio a laboratórios, visando maior integração nas atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão Melhorar a Infraestrutura e viabilizar a Expansão do Câmpus Fomentar Grupos de Trabalho GT para a construção de projetos que visem a qualidade de vida do servidor Realizar estudo para criação de áreas de esporte, cultura e lazer para servidores, estudantes e familiares Cobrar e acompanhar a obra de construção do novo Bloco Administrativo Trabalhar para conquistar a doação do terreno lateral e dos fundos do Câmpus (área útil de m²) Ampliar o compromisso com a manutenção da estrutura do Câmpus e melhoria dos espaços físicos Trabalhar efetivamente para a ampliação do orçamento do Câmpus a partir de indicadores Formular um Plano de Expansão (infraestrutura, recursos e servidores) com todos no Câmpus, e defendê-lo na Reitoria, baseados no potencial levantado

5 1.4.1 Física: Construção de manuais, diretrizes e orientações aos processos para o bom funcionamento do Câmpus 1.4 Criar uma Política de Gestão Documental Digital: Desenvolvimento de uma base lógica e prática para postagens de materiais de interesse coletivo (Ex: Pasta Público) Trabalhar para a construção de um portal de conhecimentos - base de dados tecnológicos Atentar para as atividades dos setores administrativos Trabalhar para melhorar os recursos e atividades de TI do Câmpus Apoiar as atividades do Setor Financeiro do Câmpus Otimizar o Almoxarifado do Câmpus com foco na Infraestrutura e Patrimônio Valorizar as atividades ligadas à Gestão de Pessoas a fim de oportunizar um atendimento de excelência Inovar no planejamento do Câmpus a fim de otimizar recursos e melhorar os processos relacionados aos investimentos, aquisição de insumos e serviços em geral Apoiar as atividades de Compras no intuito de repartir a responsabilidade entre todos os servidores Implementar o estudo do Planejamento do Câmpus no ano anterior a realização do PAT Dar continuidade aos manuais de trabalho de cada setor a fim de que o novo servidor se sinta acolhido Buscar proposições para solucionar problemas de comunicação entre Câmpus e Reitoria Oportunizar a Coordenadoria de Gestão de Pessoas do Câmpus a realização de trabalhos integrados com os servidores Melhorar o sistema de ambientação interna de novos servidores em todas as áreas do Câmpus Oportunizar discussões entre os servidores a fim de buscar novas ideias e propostas de melhoria dos fluxos dos setores Acompanhar as atividades relacionadas ao Setor de Contratos a fim de melhorar os serviços prestados Continuar com as capacitações na área de Compras para todos os servidores do Câmpus, a fim de que todos conheçam os fluxos de compras

6 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS: 2.1 Compromisso com a ética, democracia e foco nas pessoas COMPROMISSOS COM OS SERVIDORES: O QUE PRECISA SER FEITO: Respeito às diferenças de opinião, garantindo a liberdade de expressão Atendimento irrestrito aos servidores Retorno em tempo hábil a qualquer questionamento dos servidores Valorização do Ser Humano Organização de atividades de integração (confraternizações, atividades esportivas, artísticas e culturais) para servidores e familiares Atividades esportivas e culturais entre o Câmpus e outras instituições Divulgação contínua das ações do Câmpus através de mídias sociais Realizar o levantamento contínuo das necessidades específicas dos servidores quanto ao seu local de trabalho Realizar o levantamento contínuo das necessidades dos setores a fim de melhorar os espaços e otimizar os processos 2.2 Melhorar as condições e ambiente de trabalho Avaliar com a participação dos servidores a contratação de serviços terceirizados (copa) Restabelecer o número de servidores proposto na tipologia do Câmpus, repondo os códigos de vaga liberados por força de lei Rediscussão com todos os servidores para ajustes na distribuição dos espaços de trabalho e localização dos setores no Câmpus, para otimização da área do novo Bloco Administrativo Dar continuidade aos manuais de procedimentos setoriais a fim de possibilitar a movimentação interna de servidores entre os setores quando houver possibilidade e interesse do servidor

7 2.2.7 Discutir entre os servidores ações voltadas à Saúde dos servidores Propiciar momentos de discussão voltados à Segurança dos servidores e estudantes nos laboratórios e demais dependências do Câmpus Contribuir com o desenvolvimento pessoal e profissional Realizar estudo com servidores para viabilizar afastamento para capacitação dos técnicos-administrativos Atentar para os sonhos dos servidores, buscando a inovação nos processos de Ensino, Pesquisa e Extensão Apoiar os projetos de capacitação dos servidores Implementar um Programa de Desenvolvimento de Lideranças para ocupação dos cargos das Coordenações e de Chefias do Câmpus Valorizar os projetos dos servidores incentivando-os a desenvolverem suas competências Fortalecer os Grupos de Pesquisa e Projetos de Extensão, visando aumento de produção científica e tecnológica Oportunizar aos servidores a participação em eventos de caráter técnico e científico e publicações em revistas especializadas Fortalecer a cultura organizacional Disseminar as boas Práticas de Gestão Valorizar as iniciativas que visem o fortalecimento da Missão, Visão e Valores do IFSC Integrar as atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão buscando transpor os muros da academia e atender às demandas sociais Realizar reuniões periódicas para discutir o papel do Câmpus perante a Comunidade Cooperar com os eventes científicos, sociais, culturais e esportivos da Comunidade

8 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS: Consolidar a participação do Câmpus no Parque de Inovação Tecnológica com a implementação de espaços de Pesquisa e Extensão Promover a Inovação Tecnológica junto aos parceiros do Câmpus Promover ações sustentáveis a fim de incorporar no dia a dia da Comunidade Acadêmica Fortalecer as parcerias com as entidades de classe, como ACIJS e núcleos de empresas Incentivar novas atividades nos eventos do Calendário Acadêmico, como a Semana Nacional de Ciências e Tecnologia, a fim de promover o Câmpus junto à comunidade Desenvolver e difundir a cultura de sustentabilidade na Comunidade Acadêmica Avançar na criação do núcleo das instituições de Ensino sem fins lucrativos da região, em parceria com SESI, SENAI, Católica, SENAC, SESC COMPROMISSOS COM OS ALUNOS: O QUE PRECISA SER FEITO: Divulgar continuamente o processo de Ingresso, explicitando os cursos para a Comunidade mesmo fora dos períodos de inscrição Intensificar e expandir o processo de divulgação do Ingresso nas escolas, empresas, associacões comunitarias 3.1 Ingresso Buscar novos públicos, proporcionando benefícios através do programa de Assistência Estudantil Promover o IFSC Portas Abertas para expor as atividades práticas dos cursos para estudantes do ensino médio e Comunidade em geral Ampliar parcerias com os meios de comunicação da região a fim de disseminar as atividades do Câmpus visando maior visibilidade do IFSC na Sociedade Implementar pontos de divulgação e inscrição em locais estratégicos da região, onde há grande movimentação de pessoas Buscar novos públicos, proporcionando benefícios através do programa de Assistência Estudantil

9 Permanência e Êxito Ampliar os encaminhamentos as observações oriundas do acompanhamento pedagógico Incentivar a permanência dos estudantes em vulnerabilidade social, ampliando os benefícios através do programa de Assistência Estudantil Ampliar o programa de Estágio e Monitoria, incluindo seu acompanhamento e sua eficácia na vida acadêmica do aluno Discutir meios para ampliação do número de bolsas para Pesquisa e Extensão Incentivar atividades esportivas, artísticas e culturais, tais como Jogos Intercampi, gincanas acadêmicas, saraus culturais, festivais de música Viabilizar diárias para os alunos com vulnerabilidade social na realização de visitas técnicas Realizar pesquisas institucionais visando a melhoria contínua dos serviços prestados Combate à evasão Desenvolver estratégias de fortalecimento das bases de conhecimento para estudantes ingressantes Ofertar cursos FIC para fortalecimento das bases de conhecimento para estudantes ingressantes Intensificar os trabalhos de combate à evasão realizados pelo Pedagógico, incorporando ações de todos os servidores, conforme resultados observados na análise da matriz SWOT Melhorar os processos de apoio financeiro aos estudantes através de bolsas, auxílios, estágio etc Incentivar atividades de inserção sócio profissional dos alunos na comunidade, como a ampliação de parcerias para vagas de Estágio interno e externo remunerado

10 3.4 Incentivo a formação político social Efetivação do Grêmio Estudantil Efetivação do Centro Acadêmico Organizar fóruns de discussão para promover a cidadania, política e sociedade Organizar seminários para disseminar as políticas institucionais e o funcionamento dos órgãos colegiados Apoio na promoção de eventos organizados por alunos, para arrecadação de fundos para as formaturas, como festa junina, gincanas e outros Criação do cadastro de Egressos Manter contato constante com Egressos Realizar pesquisas institucionais visando a melhoria contínua dos cursos e readequação das ofertas 3.5 Egressos Promover eventos para reencontro de turmas Convidar os Egressos para participarem dos eventos do Câmpus COMPROMISSOS COM O DESENVOLVIMENTO DE JARAGUÁ E REGIÃO: OBJETIVOS ESTRATÉGICOS: O QUE PRECISA SER FEITO: Consolidar os canais de comunicação com atualização constante do site e das mídias sociais Intensificar a divulgação do Ingresso Avaliar a necessidade de outros cursos e ofertas através de pesquisas de demanda 4.1 Comunidade Ampliar a oferta de cursos de Formação Inicial e Continuada FIC Criar oferta de cursos de Educação de Jovens e Adultos PROEJA Estudar outras ofertas de cursos como Técnicos Concomitantes, Técnicos Integrados e Licenciaturas

11 4.1.7 Dar especial atenção às pessoas com necessidades específicas (preparar-se estruturalmente e capacitar os servidores) Promover o IFSC Portas Abertas (apresentação dos cursos e visitação aos laboratórios pela Comunidade) Envolver-se efetivamente com os projetos sociais da Comunidade Implantação do Núcleo de Educação à Distância - NEaD Apoiar e expandir a mídia impressa e digital no Câmpus, com a criação de um grupo para desenvolver a revista Rebimboca da Parafuseta Efetivar a participação do Câmpus na Rádio Comunitária a ser implantada em Jaraguá Indústria, comércio e prestadoras de serviço Aumentar o número de parcerias com instituições privadas, fomentando a transferência de tecnologia Levantar demandas da comunidade empresarial e industrial para fortalecimento do Ensino, Pesquisa e Extensão (Ex: Situação problema para os TCC) Intensificar o desenvolvimento de programas, projetos e ações de Pesquisa e Extensão voltados para a solução de problemas das instituições privadas Estudar a criação de novos eixos tecnológicos, atendendo às necessidades dos arranjos produtivos locais Associações e órgãos de classe Divulgar as atividades do Câmpus nos meios de comunicação locais e junto à associações de moradores e órgãos de classe Participar de atividades voltadas à discussão das necessidades da comunidade a fim de propor meios de fortalecer economicamente a região de Jaraguá Fazer-se presente nas reuniões das entidades e associações 4.3.4

12 Instituições de ensino, pesquisa e inovação Fortalecer a participação do Câmpus no Parque de Inovação Tecnológica de Jaraguá do Sul Criar a oferta de cursos de Pós-graduação Lato Sensu (Especialização) Criar a oferta de cursos de Pós-graduação Stricto Sensu (Mestrado/Doutorado) Poder público Aumentar o número de parcerias com instituições privadas Disponibilizar os espaços do Câmpus para debates organizados por instituições públicas com a participação da Comunidade Aumentar a participação do Câmpus nos Conselhos municipais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro. Plano de Trabalho. Gestão 2012 2015. Rodrigo Leitão Diretor

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro. Plano de Trabalho. Gestão 2012 2015. Rodrigo Leitão Diretor Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Plano de Trabalho Gestão 2012 2015 Diretor Candidato ao cargo de Diretor-Geral do Campus Uberaba do IFTM Professor Rodrigo Afonso

Leia mais

PLANO DE AÇÃO GESTÃO 2016 2020 APRESENTAÇÃO

PLANO DE AÇÃO GESTÃO 2016 2020 APRESENTAÇÃO Eu queria uma escola que lhes ensinasse a pensar, a raciocinar, a procurar soluções (...) Eu também queria uma escola que ensinasse a conviver, cooperar, a respeitar, a esperar, saber viver em comunidade,

Leia mais

Fanor - Faculdade Nordeste

Fanor - Faculdade Nordeste Norma 025: Projeto de Avaliação Institucional Capítulo I Disposições Gerais A avaliação institucional preocupa-se, fundamentalmente, com o julgamento dos aspectos que envolvem a realidade interna e externa

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2016

PLANO DE GESTÃO 2015-2016 PLANO DE GESTÃO 2015-2016 FAUSTO DE MARTTINS NETTO Candidato a Diretor Geral Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Câmpus Muriaé Construção coletiva do caminho

Leia mais

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO PLANO DE GESTÃO CANDIDATURA A DIREÇÃO GERAL DO IFSC CÂMPUS CHAPECÓ ROBERTA PASQUALLI DIRETORA GERAL LUIS FERNANDO POZAS DIRETOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO ELIANDRO LUIZ MINSKI DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO IFMG CAMPUS OURO PRETO Resultados da Oficina de Planejamento e das Reuniões Setoriais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO IFMG CAMPUS OURO PRETO Resultados da Oficina de Planejamento e das Reuniões Setoriais PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO IFMG CAMPUS OURO PRETO Resultados da Oficina de Planejamento e das Reuniões Setoriais Escopo O IFMG Campus Ouro Preto atua, de forma integrada, nas áreas do ensino, pesquisa

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 03 Fragilidades; 04 Sugestões de Superação de Fragilidade; 03 Potencialidades. A CPA identificou

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO Ações de Inclusão Social e de Combate à Pobreza Modelo Próprio de Desenvolvimento Infra-estrutura para o Desenvolvimento Descentralizado Transparência na Gestão

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

Plano de Gestão Pró-IFSC Jaraguá 2016-2019

Plano de Gestão Pró-IFSC Jaraguá 2016-2019 Plano de Gestão Pró-IFSC Jaraguá 2016-2019 Candidato: Diretor-Geral: Jaison Vieira da Maia Indicações: Diretora de Ensino, Pesquisa e Extensão: Catia Regina Barp Machado. Chefe do Departamento de Administração:

Leia mais

Programa de Gestão Estratégica da chapa 1

Programa de Gestão Estratégica da chapa 1 Programa de Gestão Estratégica da chapa 1 Apresentamos a primeira versão do programa de gestão estratégica da chapa Construindo Juntos um ICT de Excelência. Esse documento é fruto de uma construção coletiva,

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

CANDIDATURA A DIRETORA-GERAL. Isabel Cristina Adão. Plano de Trabalho para a Gestão 2013-2015

CANDIDATURA A DIRETORA-GERAL. Isabel Cristina Adão. Plano de Trabalho para a Gestão 2013-2015 CANDIDATURA A DIRETORA-GERAL Isabel Cristina Adão Plano de Trabalho para a Gestão 2013-2015 APRESENTAÇÃO A comunicação triunfa, o planeta é atravessado por redes, fax, telefones celulares, modems, Internet.

Leia mais

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Regimento dos Campi da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Deliberação nº 10/2009

Leia mais

Propostas por Segmentos: Docente, TAEs e Discente

Propostas por Segmentos: Docente, TAEs e Discente Propostas por Segmentos: Docente, TAEs e Discente A ELEIÇÃO OCORRERÁ DIAS 14 E 15 DE ABRIL Para votar é necessário apresentar o crachá ou documento oficial com foto. Neste caso, é preciso saber o número

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão 2015.2 Editada em julho de 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo da Política...3 2. Abrangência...3 3. Princípios...3 4. Das Diretrizes Estratégicas...4 5. Da Estrutura

Leia mais

MATRIZ ESTRATÉGICA DO IFAM

MATRIZ ESTRATÉGICA DO IFAM PERSPECTIVA EFICIÊNCIA GERENCIAL (PROCESSOS INTERNOS) RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS APERFEIÇOAMENTO E GESTÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DO IFAM MODELO DE GESTÃO DE TI AVALIAÇÃO

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

RESULTADOS ALCANÇADOS

RESULTADOS ALCANÇADOS Política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão 2.1. Coerência das políticas de ensino, pesquisa e extensão com os documentos oficiais. Objetivos Ações Realizadas RESULTADOS ALCANÇADOS

Leia mais

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 3.477 DATA: 14 de agosto de 2008. SÚMULA: Altera e acresce dispositivos da Lei nº 3.025, de 18 de janeiro de 2005, alterada pela Lei nº 3.264, de 19 de setembro de 2006, que Dispõe sobre a reestruturação

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO 2015 Relação de iniciativas estratégicas articuladas

PLANO ANUAL DE TRABALHO 2015 Relação de iniciativas estratégicas articuladas PLANO ANUAL DE TRABALHO 2015 Relação de iniciativas estratégicas articuladas Maio/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba Visão Institucional O Campus Caraguatatuba do IFSP desenvolveu-se nos últimos anos, ampliando os cursos oferecidos, desde a Formação Inicial e Continuada, passando pelos Cursos Técnicos, de Tecnologia,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO GUANAMBI 2005 CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º - O Núcleo de Pesquisa e Extensão () do Departamento

Leia mais

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DA POLÍTICA DE GRADUAÇÃO 1. Estímulo e apoio ao desenvolvimento dos projetos pedagógicos

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA Introdução O Plano Setorial da Superintendência da Leitura e do Conhecimento do Estado do Rio de Janeiro é fruto

Leia mais

ELEIÇÕES PARA DIREÇÃO ACADÊMICA DO CAMPUS BAIXADA SANTISTA (2015-2019) Chapa DIVERSIDADE E UNIÃO (SÍNTESE DO PROGRAMA)

ELEIÇÕES PARA DIREÇÃO ACADÊMICA DO CAMPUS BAIXADA SANTISTA (2015-2019) Chapa DIVERSIDADE E UNIÃO (SÍNTESE DO PROGRAMA) ELEIÇÕES PARA DIREÇÃO ACADÊMICA DO CAMPUS BAIXADA SANTISTA (2015-2019) Chapa DIVERSIDADE E UNIÃO (SÍNTESE DO PROGRAMA) ... ninguém caminha sem aprender a caminhar, sem aprender a fazer o caminho caminhando,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE GENÉTICA Planejamento Estratégico 2012-2016 Março de 2012 2 Planejamento Estratégico DEPARTAMENTO DE GENÉTICA 1. Missão O Departamento

Leia mais

3.1 Ampliar o número de escolas de Ensino Médio de forma a atender a demanda dos bairros.

3.1 Ampliar o número de escolas de Ensino Médio de forma a atender a demanda dos bairros. Meta 1 - Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de quatro e cinco anos, e ampliar, até 2025, a oferta de Educação Infantil de forma a atender a 50% da população de até 3 anos. Estratégias:

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

PROGRAMA : 104 - Educação Superior no Século XXI ÓRGÃOS PARTICIPANTES

PROGRAMA : 104 - Educação Superior no Século XXI ÓRGÃOS PARTICIPANTES Governo do Estado da Bahia Seplan / SPO Cadastro do PPA PPA 22 25 Valores Iniciais Parametrização: Órgão Coordenador Órgão Responsável Órgão Orçamentário 3.11.640 Universidade Estadual de Santa Cruz PROGRAMA

Leia mais

META NACIONAL 15: garantir, em regime de colaboração entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, no prazo de 1 (um) ano de vigência deste PNE, política nacional de formação dos profissionais

Leia mais

Acesse o Termo de Referência no endereço: www.ibam.org.br e clique em Seleção de Profissionais.

Acesse o Termo de Referência no endereço: www.ibam.org.br e clique em Seleção de Profissionais. Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Assessoria à Supervisão Geral No âmbito do Programa Pará Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

CENTRO DE PLANEJAMENTO PESQUISA E EXTENSÃO REGULAMENTO

CENTRO DE PLANEJAMENTO PESQUISA E EXTENSÃO REGULAMENTO Mantenedora Fasipe Centro Educacional Mantida Faculdade Fasipe - FASIPE CENTRO DE PLANEJAMENTO PESQUISA E EXTENSÃO REGULAMENTO SINOP / MATO GROSSO CENTRO DE PLANEJAMENTO, PESQUISA E EXTENSÃO - CPPE SUMÁRIO

Leia mais

A UNIOESTE E O CAMPUS QUE QUEREMOS

A UNIOESTE E O CAMPUS QUE QUEREMOS REMI SCHORN PLANO DE TRABALHO DO CANDIDATO A DIRETOR DO CAMPUS DA UNIOESTE TOLEDO Docentes, Agentes Universitários e Acadêmicos Unidos Por Um Campus Melhor A UNIOESTE E O CAMPUS QUE QUEREMOS Reunimos e

Leia mais

1. Garantir a educação de qualidade

1. Garantir a educação de qualidade 1 Histórico O Pacto pela Juventude é uma proposição das organizações da sociedade civil, que compõem o Conselho Nacional de Juventude, para que os governos federal, estaduais e municipais se comprometam

Leia mais

Demonstrativo de Programas Temáticos Conferência Por Orgão - PPA 2016-2019. 2017 2018 2019 Total. Rio Grande do Norte 5 5 5 5 20

Demonstrativo de Programas Temáticos Conferência Por Orgão - PPA 2016-2019. 2017 2018 2019 Total. Rio Grande do Norte 5 5 5 5 20 Orgão Programa 0008 - EDUCAÇÃO SUPERIOR E TECNOLÓGICA Objetivo 0307 - Fortalecer a política de ensino superior de graduação e pós-graduação, por meio da sua interiorização, do desenvolvimento da pesquisa,

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Informática Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel Belo Horizonte - MG Outubro/2007 Síntese

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO PLANO DE TRABALHO DE CANDIDATURA AO CARGO DE DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS

ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO TÂNIA DUBOU HANSEL INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA Política de Inclusão na Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica O Instituto Federal Farroupilha

Leia mais

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 30, DE 26 DE JANEIRO DE 2016

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 30, DE 26 DE JANEIRO DE 2016 Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 30, DE 26 DE JANEIRO DE 2016 Amplia o Programa Idiomas sem Fronteiras. O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o art.

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ Teresina-PI, 22 de maio de 2014 O QUE É O PDI? Segundo o MEC (2007): documento em que se definem a missão da instituição

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

U N I V E R S I D A D E P A R A N A E N S E U N I P A R Mantenedora Associação Paranaense de Ensino e Cultura - APEC

U N I V E R S I D A D E P A R A N A E N S E U N I P A R Mantenedora Associação Paranaense de Ensino e Cultura - APEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2011/2015 Relatório do Plano de Trabalho 2014 I - ENSINO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL E A DISTÂNCIA: a) Promover a revisão dos projetos pedagógicos dos cursos com CPC

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO

POLÍTICA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO REITORIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO POLÍTICA

Leia mais

Chapa Campus para Todos

Chapa Campus para Todos 1 Carta Programa aos alunos, funcionários e professores do Campus Sorocaba da UFSCar para apresentação das candidaturas dos Professores Doutores André Cordeiro Alves dos Santos e Laércio José dos Santos

Leia mais

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 INTRODUÇÃO A Fundação Tide Setubal nasce em 2005 para ressignificar e inovar o trabalho pioneiro

Leia mais

Anexo I - Formulários Padronizados para envio dos Relatórios dos Setores Institucionais a CPA

Anexo I - Formulários Padronizados para envio dos Relatórios dos Setores Institucionais a CPA Anexos Anexo I - Formulários Padronizados para envio dos Relatórios dos Setores Institucionais a CPA SISTEMATIZAÇÃO DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO COM VISTAS À AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS

Leia mais

CARTA PROPOSTA CARGO: DIRETORIA GERAL DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL

CARTA PROPOSTA CARGO: DIRETORIA GERAL DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL CARTA PROPOSTA CARGO: DIRETORIA GERAL DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL NOME DO CANDIDATO: SUSANA SLOGAN: TRABALHO QUE FAZ EDUCAÇÃO PERFIL DA CANDIDATA SUSANA LAGO MELLO SOARES, 50 anos, casada, mãe de 3 filhas.

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL Fortaleza, 2012 INDICE CAPÍTULO I... 3 DO OBJETIVO GERAL... 3 CAPÍTULO II... 3 DOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CAPÍTULO III... 4 DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE LINGUA PORTUGUESA. Parte 1 (solicitante)

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE LINGUA PORTUGUESA. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas Estruturar e organizar a rede de serviços de prevenção, tratamento e acolhimento do município de São Paulo destinadas aos cuidados

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Turismo da Universidade Estadual do Centro- Oeste, UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

ANEXO I RESOLUÇÃO Nº 13, DE 23 DE MAIO DE 2014. REQUERIMENTO. RSC I RSC II RSC III Data de ingresso no Ifes: Nº de documentos de comprovação:

ANEXO I RESOLUÇÃO Nº 13, DE 23 DE MAIO DE 2014. REQUERIMENTO. RSC I RSC II RSC III Data de ingresso no Ifes: Nº de documentos de comprovação: ANEXO I RESOLUÇÃO Nº 13, DE 23 DE MAIO DE 2014. REQUERIMENTO Nome do Servidor: SIAPE: Lotação: Email: Telefone: Graduação: Titulação: Nível de RSC pretendido (marque com x o perfil pretendido) RSC I RSC

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CHAPA

PLANO DE TRABALHO CHAPA PLANO DE TRABALHO CHAPA EXCELÊNCIA ACADÊMICA E COMPROMISSO SOCIAL A dimensão social é inerente à educação e à função das Instituições de Ensino Superior Públicas. A Universidade Pública brasileira é o

Leia mais

MINUTA PROJETO DE LEI. Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima.

MINUTA PROJETO DE LEI. Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. MINUTA PROJETO DE LEI Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional. Fundação ArcelorMittal

A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional. Fundação ArcelorMittal A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional Fundação ArcelorMittal ArcelorMittal Maior produtora de aço do mundo com mais de 222.000 empregados

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BACABAL FEBAC Credenciamento MEC/Portaria: 472/07 Resolução 80/07

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BACABAL FEBAC Credenciamento MEC/Portaria: 472/07 Resolução 80/07 BACABAL-MA 2012 PLANO DE APOIO PEDAGÓGICO AO DOCENTE APRESENTAÇÃO O estímulo à produção intelectual do corpo docente é uma ação constante da Faculdade de Educação de Bacabal e para tanto procura proporcionar

Leia mais

RESUMO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO SESCOOP/AM

RESUMO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO SESCOOP/AM RESUMO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO SESCOOP/AM MISSÃO DO SESCOOP Promover o desenvolvimento do Cooperativismo de forma integrada e sustentável, por meio da formação profissional, da promoção social e

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 5/2014

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 5/2014 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 5/2014 Dispõe sobre a reorganização da Rede Nacional de Certificação Profissional - Rede Certific. OS MINISTROS DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES 152 AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES Silvana Alves Macedo 1 Reginaldo de Oliveira Nunes 2 RESUMO O processo da Auto-Avaliação Institucional ainda é um

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura PLANO ESTADUAL DA CULTURA Matriz Situacional da Cultura Fórum de Planejamento Regional Cidade Sede: Tubarão 27 e 28 de agosto de 2012 Priorização de Diretrizes e Ações Objetivo: Discussão da proposta de

Leia mais

MANUAL DO PROGRAMA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS-TO

MANUAL DO PROGRAMA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS-TO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA COORDENAÇÃO DE INTERAÇÃO SERVIÇO ESCOLA-EMPRESA MANUAL DO PROGRAMA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS-TO COLINAS

Leia mais

ADILSON PASINI PLANO DE TRABALHO APRESENTAÇÃO

ADILSON PASINI PLANO DE TRABALHO APRESENTAÇÃO ADILSON PASINI Unioeste Direção Geral do Campus de Foz do Iguaçu PLANO DE TRABALHO 2016 / 2019 APRESENTAÇÃO O Campus de Foz do Iguaçu é uma unidade que precisa se fortalecer no âmbito da Unioeste e da

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DO CENTRO DE ARTES

AUTOAVALIAÇÃO DO CENTRO DE ARTES AUTOAVALIAÇÃO DO CENTRO DE ARTES COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO: Representantes Docentes: - Eliana Gonçalves - Presidente - Dimas Ricardo Rosa - Fátima da Costa Lima - Jociele Lampert Representantes Técnicos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250 PROGRAMA Nº- 250 QUALIFICAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS E DEPENDENTES QUÍMICOS SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Realizar Cursos de Capacitação para Profissionais que atuam na área de reabilitação

Leia mais

Carta Programa Gestão de Políticas Públicas

Carta Programa Gestão de Políticas Públicas Carta Programa Gestão de Políticas Públicas Prof. José Renato de Campos Araújo (coordenador) Prof. José Carlos Vaz (suplente) 1. CONTEXTO A chapa formada pelos professores José Renato de Campos Araújo

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DAS FACULDADES OSWALDO CRUZ

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DAS FACULDADES OSWALDO CRUZ REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DAS FACULDADES OSWALDO CRUZ CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art. 1 - A Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Oswaldo Cruz, instituída

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. 11 4963-5400 / 11 4963-6242 www.gruposec.com.br

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. 11 4963-5400 / 11 4963-6242 www.gruposec.com.br APRESENTAÇÃO COMERCIAL Porque o GrupoSec? Grande parte do combustível das empresas são os seus colaboradores. Para contratá-los e mantê-los treinados e eficientes é trabalhoso e custa caro? E se dissermos

Leia mais

DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG. Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011

DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG. Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 Diretrizes de Apoio a Projetos de Extensão no IF SUDESTE-MG 1 Av.

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO MACAPÁ-AP JULHO DE 2014 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 2 DIRETRIZES 3 PRINCÍPIOS 4 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Relatório da Auto Avaliação Institucional 2014

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Relatório da Auto Avaliação Institucional 2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA Relatório da Auto Avaliação Institucional 2014 1 FACULDADE SENAI CETIQT COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO O SENAI CETIQT, atento ao seu compromisso com a excelência de ensino,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

ACADEMIA DE POLICIA MILITAR REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

ACADEMIA DE POLICIA MILITAR REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 Nossa profissão, sua vida. ACADEMIA DE POLICIA MILITAR REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA Art 1º - O Conselho de Desenvolvimento do Território CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC é composto por entidades

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 5 CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 7 CAPACITAÇÃO

Leia mais

O Grupo Actcon e a Rede Educar Brasil

O Grupo Actcon e a Rede Educar Brasil O Grupo Actcon e a Rede Educar Brasil Especializado em soluções que incorporam Tecnologia da Informação à Educação e à Modernização da Administração Pública, o Grupo Actcon tem como sua principal integrante

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR DECRETO Nº 4.059, DE 1º DE OUTUBRO DE 2008 CRIA OS NÚCLEOS DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Câmpus FLORIANÓPOLIS. 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade 0 0,00%

Câmpus FLORIANÓPOLIS. 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade 0 0,00% Diagnóstico Planejamento PDI 2014-2018 Período de respostas: 05/09/13 a 18/09/13 Questionários Respondidos 52 Docentes 30 57,69% Técnicos-Administrativos 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Outubro de 2008 1 INTRODUÇÃO A Política de Desenvolvimento Social formaliza e orienta o compromisso da PUCRS com o desenvolvimento social. Coerente com os valores e princípios

Leia mais

Propostas da Administração Superior para atualização de Plano de Prevenção e Proteção de Pessoas e do Patrimônio Público

Propostas da Administração Superior para atualização de Plano de Prevenção e Proteção de Pessoas e do Patrimônio Público 1 Propostas da Administração Superior para atualização de Plano de Prevenção e Proteção de Pessoas e do Patrimônio Público São Carlos Dezembro, 2014 1 Contexto O tema da segurança das pessoas e do patrimônio

Leia mais

ÁREAS TEMÁTICAS SITUAÇÕES PROBLEMA SOLUÇÕES SUGERIDAS PROFISSIONALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO SOCIAL

ÁREAS TEMÁTICAS SITUAÇÕES PROBLEMA SOLUÇÕES SUGERIDAS PROFISSIONALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO SOCIAL Contribuições do GT Capoeira, Profissionalização e Internacionalização. Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira, Profissionalização e Internacionalização

Leia mais

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura PLANO ESTADUAL DA CULTURA Matriz Situacional da Cultura Fórum de Planejamento Regional Cidade Sede: Aranranguá 29 e 30 de agosto de 2012 Priorização de Diretrizes e Ações Objetivo: Discussão da proposta

Leia mais

REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL APROVADA na 15ª reunião do Conselho Superior realizada em 12/04/2004 REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL Art. 1º - O presente texto institucionaliza e regulamenta as atividades

Leia mais

Plano de Trabalho BVS Brasil https://goo.gl/d3eccm

Plano de Trabalho BVS Brasil https://goo.gl/d3eccm Plano de Trabalho BVS Brasil https://goo.gl/d3eccm Linha estratégica 1: Fortalecimento da Rede BVS Brasil Prioridade 1.1 Ampliação das alianças e das redes que atuam na informação científica e técnica

Leia mais

INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS

INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS O Incentivo à Qualificação é um benefício, na forma de retribuição financeira, calculado sobre o padrão de vencimento percebido pelo servidor,

Leia mais

Instrumento de Avaliação Institucional pré teste de Curso. ( aplicado em dezembro de 2015 para o Docente. )

Instrumento de Avaliação Institucional pré teste de Curso. ( aplicado em dezembro de 2015 para o Docente. ) Instrumento de Avaliação Institucional pré teste de Curso ( aplicado em dezembro de 2015 para o Docente. ) 2015 DOCENTES_AVALIACAO_INSTITUCIONAL 2015_E_DE_CURSO (PRE-TESTE) AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2015

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos

Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO As Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e Educação

Leia mais

JULIO CESAR PEREIRA SALGADO

JULIO CESAR PEREIRA SALGADO PROPOSTAS DE GESTÃO PARA O CARGO DE DIRETOR-GERAL IFSP campus Caraguatatuba NOVOS TEMPOS NOVO IF. JULIO CESAR PEREIRA SALGADO Tem 55 anos, é casado, pai de 2 filhos e natural de Pindamonhangaba SP. É formado

Leia mais

VOLUNTARIADO EMPRESARIAL CRA - outubro 2009

VOLUNTARIADO EMPRESARIAL CRA - outubro 2009 VOLUNTARIADO EMPRESARIAL CRA - outubro 2009 APOENA SUSTENTÁVEL Missão Disseminar, desenvolver e promover a gestão corporativa sustentável garantindo o equilíbrio entre os fatores econômicos, sociais e

Leia mais

Serviço de Apoio Psicopedagógico

Serviço de Apoio Psicopedagógico Serviço de Apoio Psicopedagógico CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades do Serviço de Atendimento Psicopedagógico (SAP), doravante

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

MUNICÍPIO DE BOM PRINCÍPIO Estado do Rio Grande do Sul

MUNICÍPIO DE BOM PRINCÍPIO Estado do Rio Grande do Sul ANEXO III DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS DO MAGISTÉRIO CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Coordenar as atividades específicas da área, participando do planejamento e

Leia mais