O papel do estado na formação espacial urbana da conurbação Aparecida- Guaratinguetá: breve estudo do passado socioeconômico.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O papel do estado na formação espacial urbana da conurbação Aparecida- Guaratinguetá: breve estudo do passado socioeconômico."

Transcrição

1 Ivo Francisco Barbosa¹ Universidade Federal Fluminense O papel do estado na formação espacial urbana da conurbação Aparecida- Guaratinguetá: breve estudo do passado socioeconômico. INTRODUÇÃO: Este artigo tem como proposição colocar em voga a discussão do papel do estado no processo de urbanização das cidades de Aparecida e Guaratinguetá, mais especificamente a influência das cadeias produtivas na formação socioespacial urbana. O trabalho foi divido em três partes: a primeira consistirá no estudo bibliográfico, e no levantamento teórico-conceitual do papel do estado e do capital sobre a produção do espaço urbano, remetendo a autores que contribuíram na discussão desta temática; a segunda parte terá como foco um breve estudo histórico da ocupação urbana nas cidades estudadas e do Vale do Paraíba, com especial atenção para as cadeias produtivas que proporcionaram a urbanização; a terceira parte consiste na apresentação do resultado preliminar, da identificação e do direcionamento espacial impulsionado pelos agentes hegemônicos baseados em informações bibliográficas. OBJETIVOS: O objetivo principal desta pesquisa visa à compreensão do espaço econômico e social da região do Vale do Paraíba, no estado de São Paulo, seu desenvolvimento histórico, a ação do estado na produção do espaço urbano com particularidade para as cidades de Aparecida e Guaratinguetá. METODOLOGIA: Ivo Francisco Barbosa é Geógrafo, com especialização em Gestão Ambiental pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR) e mestrando em Geografia pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

2 Para o presente trabalho foram utilizadas referências bibliográficas obtidas através de acervo de bibliotecas municipais, além de conteúdo particular e material de meio eletrônico. Será utilizada uma metodologia descritiva, exploratória e explicativa do objeto.

3 O ESTADO COMO AGENDE MODELADOR URBANO. O Estado na concepção de centralizador de políticas urbanas e sociais pode ser compreendido sobre diversas formas; como agente hegemônico e mantenedor de bases para hegemoneidade de outros atores. Antes de entender seu papel mantenedor de políticas hegemônicas capitalistas é extremamente pertinente o entendimento do papel do espaço, sua definição e sua construção. O espaço segundo SANTOS (1992) é um conjunto de sistemas objetos e de sistemas de ações sobre uma realidade relacional (interacional), o espaço só existe na interação das coisas (objetos naturais, geográficos e sociais) e no relacionamento desses objetos com a sociedade (homem). Ele é subordinado e subordinante, e deve ser analisado sobre quatro níveis de análises: forma (aspecto visível de uma coisa), função (o papel ao qual esta forma esta sujeita a desempenhar), estrutura (como esses objetos se inter-relacionam entre si), processo (ação praticada no espaço e tempo, tendo um resultado indeterminado), assim a compreensão simplória sobre sua funcionalidade e a ação do Estado seria equivocada e pouco contemplativa se restringir a meras descrições, todavia esta não é uma discussão para o presente artigo e tão pouco tempo para tal aprofundamento (SANTOS, 1992, p.50), mas nos fornece uma concepção mais emblemática sobre a formação dos espaços urbanos na região. Na produção do espaço urbano, esses objetos adquirem valor de troca e de uso, o espaço urbano neste sentido torna-se uma mercadoria, sobre a ação de agentes modeladores que seguem uma lógica, a lógica capitalista. A lógica capitalista na produção do espaço urbano segue os ditames dos vários agentes formadores deste espaço urbano; as classes excluídas, os agentes imobiliários, os proprietários fundiários, os agentes externos (políticas desenvolvimentistas, órgãos internacionais e públicos), que parcializam o uso do solo e a localização das cidades. A produção deste espaço urbano, assim é segmentada segundo o interesse de determinadas classes, ou agentes hegemônicos, que possuem no Estado seu principal aliado.

4 Partido desta premissa, o Estado tem função primordial na produção e reprodução dos espaços urbanos, quando fornece para o capitalismo os meios necessários para sua multiplicação e acumulação, através da manutenção das condições insalubres e inadequadas quanto às moradias nas áreas periféricas, na efetivação de uma legislação funcional ao capitalismo e na criação de bases infraestruturais para a circulação das trocas e dos usos. A produção do espaço como afirma CORRÊA (2011, p.44) está inserida nas temporalidades e espacialidades de cada formação socioespacial capitalista, são esses agentes sociais que materializam os processos sociais no espaço urbano, seguindo seus interesses e os mecanismos criados pelos próprios agentes. Nas cidades em questão os espaços urbanos adquiriram sua formação atual tendo no Estado e nas políticas econômicas passadas empregadas pelos agentes sociais à fundamentação do espaço urbano, formando uma estreita rede de interesses econômicos, seja uma rede urbana e ou um espaço intraurbano.

5 A PRODUÇÃO DO ESPAÇO NO VALE DO PARAÍBA E NAS CIDADES DE GUARATINGUETÁ E APARECIDA As cidades são um conjunto de ações e de transformações de outras áreas, que como resultado cumulativo, a transformaram neste espaço contemporâneo. A compreensão da sua ordem e da extensão do processo de urbanização das cidades é entendido a partir da percepção de seu passado econômico e social (SPOSITO, 1988). O processo de formação espacial do Vale do Paraíba, compreende um dos períodos mais longos do Estado de São Paulo com mais de três séculos de ocupação e de desenvolvimento de atividades econômicas das mais variadas, desde bandeirismo (século XVII), o ciclo do ouro (século XVIII), o ciclo do café (século XIX) e, mais recentemente, o período da industrialização (MULLER, 1969, p.12). Mas foi no início do século XIX, no período da produção cafeeira que as grandes mudanças tornaram-se mais significativas no espaço urbano do Vale do Paraíba e em grande parte nas cidades do Estado de São Paulo que tiveram o desenvolvimento de suas cidades sobre o aporte deste ciclo econômico. A produção cafeeira foi de relativa expressão nas duas localidades, mais especificamente na antiga Vila de Santo Antônio de Guaratinguetá, que posteriormente viria a se tornar as cidades de Aparecida, Guaratinguetá e Lorena (MOURA, 2002, p.29). As mudanças impulsionadas pelo ciclo cafeeiro trouxeram dinamismo populacional, comercial e espacial na região do Vale do Paraíba. Com a queda

6 econômica da cultura cafeeira, acentuada pela crise de 1929, a região do Vale do Paraíba, passou por um período de falta de ofertas de terras disponíveis para agricultura, o que desencadeou no povoamento e na ocupação das áreas de várzeas do rio Paraíba do Sul para a produção e sustento da região (PASIN, 1977, p. 56). Essa alteração no espaço agrícola vai ser extremamente sentida na produção do espaço urbano das duas cidades que devido a característica peculiar do relevo acidentado e de fácil erodibilidade fomentou em uma ocupação alongada e estreita, entravada e margeada pelo rio Paraíba do sul (COLTRINARI, 2008, p.6). De relevo bastante acidentando, os municípios se desenvolveram entre o rio Paraíba do sul e os contrafortes das Serras da Quebra Cangalha e da Mantiqueira. A falta de espaço para construção de moradias fez com que as ocupações se acentuassem pela planície de sedimentos do rio Paraíba do Sul (BARBOSA, 2007, p.9). A AÇÃO DO ESTADO NO PROCESSO DE OCUPAÇÃO DO VALE DO PARAÍBA A formação do espaço urbano nas duas cidades e na região do Vale do Paraíba (figura 1) como pode ser brevemente colocada adquiriu o direcionamento e o ordenamento estimulado pelos ciclos econômicos, com particularidade para o ciclo cafeeiro.

7 Figura 1 Divisão Municipal Vale do Paraíba Fonte: Inicialmente com a produção cafeeira a região tornou-se um grande pólo de desenvolvimento e expansão urbana, após a crise de 1929 a região passou por um período de ostracismo, que só foi alterado com a ação estatal sobre o território. Essas alterações sucederam principalmente a partir da década de 60, com a criação da rodovia Presidente Dutra, com a interiorização industrial, política de desconcentração de capital e de desvinculação do processo produtivo das localidades de comando, ficando a cargo dessas localidades a concentração das decisões e do processo de acumulação de capital, desconcentração que esteve direcionada pelos governos estadual e federal (CORDEIRO, 1999). Assim a urbanização moderna, no médio Vale do Paraíba, não está referida apenas pelas mudanças no espaço construído intraurbano e na demografia das cidades está, sobretudo, relacionada na estrutura industrial e no planejamento estatal, que modificaram em toda sua plenitude a morfologia das cidades do Vale (MULLER, 1969, p.25).

8 A desconcentração de capitais e indústrias foi de forma seletiva e gestora, ocorrendo apenas para algumas localidades essa especificidade, como São José dos Campos que recebeu grandes investimentos públicos e privados para implementação das indústrias (Refinaria da Petrobrás/REVAP, Embraer, GM, Ford, Volkswagen), deste modo a desconcentração não pode ser entendida como alcançável a todas as regiões esta foi particular e visava a descentralização industrial e acumulação de capital (CODIVAP, 1972, p.135). De acordo com MÜLLER (1969, p.82) a industrialização no Vale do Paraíba ocorreu em três fases: 1891 a 1914, com o surgimento de indústrias têxteis e alimentícias, de 1914 a 1943 com uma maior progressão industrial alimentada pela estrutura criada pelo ciclo cafeeiro, com o aparecimento de indústrias de minerais não metálicos, produtos agropecuários e celulose, a última fase a da indústria moderna, mecânica e metalúrgica que modificou de forma expressiva os espaços urbanos da região. O modo de produção capitalista intensificado no período industrial desenvolveu cidades em redes urbanas hierarquizadas, onde foram formados aglomerados urbanos, ou metrópoles, que agregavam em seu entorno e na sua área de influência, na concentração de capital e dos meios de produção, e como afirma SPOSITO (1988), esses aglomerados urbanos formados subordinavam cidades de porte médio a funcionarem como elos com outros pequenos centros. Nos dois municípios em questão, o que foi evidenciado é uma alteração nas características urbanas neste período, forneceram para região a especialidade comercial e mão-de-obra barata, tendo em vista que o atrativo industrial não foi tão expressivo o que pode estar relacionado à distância dos sítios para a metrópole paulista e do alcance significativo das outras sedes regionais, tais como Jacareí, São José dos Campos e Taubaté.

9 RESULTADO PRELIMINAR O Vale do Paraíba, no interior de São Paulo, aproveitou desta particularidade territorial e locacional para usufruir dos benefícios que, por ventura o processo de produção capitalista forneceu, e deste modo estruturar sua rede urbana. Assim, neste eixo territorial foram criadas cidades que subsidiaram seu desenvolvimento sobre os auspícios estatal e capital, moldando sua estrutura socioeconômica e espacial de acordo com o modus operandi vigente. As cidades de Aparecida e Guaratinguetá como apresentado de forma sucinta, aproveitaram da aproximação com os maiores centros urbanos do país para se solidificarem, todavia este desenvolvimento impulsionado pelo estado e pelo capital trouxeram características peculiares a ocupação urbana, desordenamento territorial, segregação espacial, ocupação de leito, margens de rios e córregos, como pode ser visto no mapa elaborado pelo plano diretor da cidade de Aparecida de 2006, onde fica evidente as áreas destinadas a Macrozona de Expansão Urbana (MZEU).

10 Figura 2 Mapa de Macrozoneamento Plano Diretor de Aparecida, 2006 Fonte: Secretaria de Planejamento, Aparecida SP, 2014 A consulta a referenciais bibliográficos norteou uma assertiva que a construção do espaço, o direcionamento da expansão urbana e o ordenamento territorial estiveram durante muito tempo atrelado à influência estatal e da dinâmica econômica no Vale do Paraíba, acarretando em uma intensa antropização, com ocupações irregulares em grande parte do território das cidades de Aparecida e Guaratinguetá. A presente pesquisa encontra-se em fase inicial, a de coleta de fontes e informações sobre a temática e compreende o embrião para construção da dissertação de mestrado.

11 REFERÊNCIAS APARECIDA (cidade). Plano diretor do município de Aparecida, Secretaria de Planejamento, Aparecida SP. BARBOSA, B. L. Nossas Origens: Três séculos de História de Aparecida-SP. Edição do autor, Aparecida - SP, p. CODIVAP - Caracterização e avaliação dos conhecimentos existentes sobre a região do

12 Vale do Paraíba: diagnósticos e resultados. Pindamonhangaba, CORDEIRO, M. P. Planejamento territorial regional e proteção ambiental: o caso do Vale do Paraíba paulista. São Paulo. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo-USP, São Paulo, COLTRINARI, L. O sítio da conurbação Guaratinguetá- Aparecida (2). Jornal O Lince, Aparecida,, v. 2, p. 8-9, 20 abr CORRÊA, R. L. Sobre Agentes Sociais, Escala e Produção do Espaço: Um texto para Discussão. In: A Produção do Espaço Urbano: Agentes, Processos, Escalas e Desafios. Carlos, Ana Fani Alessandri. Souza, Marcelo Lopes de. Sposito, Maria Encarnação Beltrão (organizadores). São Paulo: Contexto, p MOURA, C. E. M. de. O Visconde de Guaratinguetá: um fazendeiro de café no Vale do Paraíba. São Paulo, STUDIO NOBEL, MÜLLER, N. L. O Fato Urbano na Bacia do Rio Paraíba do Sul São Paulo. Rio de Janeiro, IBGE, p. PASIN, J. L. Algumas notas para a História do Vale do Paraíba. Desbravamento e povoamento. Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, SANTOS, M. Espaço e método. 3ª ed. São Paulo: Nobel, SPOSITO, M. E. B. Capitalismo e Urbanização. 14ª. ed. São Paulo: Contexto, p.

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA Silmara Oliveira Moreira 1 Graduanda em Geografia/UESB, Bolsista da UESB E-mail: silmara.geo@gmail.com Resumo: O objetivo

Leia mais

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco RESUMO O presente artigo trata de parte de metodologia adotada para o desenvolvimento da dissertação

Leia mais

ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 01097 ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Luiza Rodrigues Flores (UFRGS) Simone Albuquerque (UFRGS) O artigo apresenta alguns

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL

A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL rocha. e.b Geógrafo - Mestrando em Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento

Leia mais

XI SHCU SESSÃO DE INTERLOCUÇÃO DE GRUPOS DE PESQUISA

XI SHCU SESSÃO DE INTERLOCUÇÃO DE GRUPOS DE PESQUISA XI SHCU SESSÃO DE INTERLOCUÇÃO DE GRUPOS DE PESQUISA Esta seção contém a contribuição de pesquisadores que abordam aspectos do processo de urbanização e novas formas de tecido urbano mais recentes manifestadas

Leia mais

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres O TERRITÓRIO BRASILEIRO 6. Fronteiras Terrestres Até o começo do século XVII, os colonizadores se concentraram em cidades fundadas na região litorânea do Brasil, principalmente no Nordeste. A principal

Leia mais

As políticas habitacionais sociais como fomentadoras dos problemas urbanos. O caso do Conjunto Habitacional Ana Paula Eleotério em Sorocaba-SP.

As políticas habitacionais sociais como fomentadoras dos problemas urbanos. O caso do Conjunto Habitacional Ana Paula Eleotério em Sorocaba-SP. Felipe Comitre Silvia Aparecida Guarniéri Ortigoza Universidade Estadual Paulista UNESP Rio Claro fcomitre@rc.unesp.br As políticas habitacionais sociais como fomentadoras dos problemas urbanos. O caso

Leia mais

Geografia. Textos complementares

Geografia. Textos complementares Geografia Ficha 2 Geografia 2 os anos Silvia ago/09 Nome: Nº: Turma: Queridos alunos, bom retorno. Segue um conjunto de atividades que têm por objetivo encaminhar as discussões iniciadas em nossas aulas

Leia mais

A REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ E OS CENSOS DEMOGRÁFICOS: EVOLUÇÃO E DINÂMICA DEMOGRÁFICA (1991, 2000 e 2010)

A REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ E OS CENSOS DEMOGRÁFICOS: EVOLUÇÃO E DINÂMICA DEMOGRÁFICA (1991, 2000 e 2010) A REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ E OS CENSOS DEMOGRÁFICOS: EVOLUÇÃO E DINÂMICA DEMOGRÁFICA (1991, 2000 e 2010) Adriana Eliane Casagrande 1 Edson Belo Clemente de Souza 2 Eixo temático: POLITICAS DE ESTADO

Leia mais

Conversão da terra rural em urbana em Barra do Choça/BA: a expansão dos loteamentos privados em cidades pequenas

Conversão da terra rural em urbana em Barra do Choça/BA: a expansão dos loteamentos privados em cidades pequenas Conversão da terra rural em urbana em Barra do Choça/BA: a expansão dos loteamentos privados em cidades pequenas Joscimara Nunes Lemos 1 Graduanda em Geografia/UESB E-mail:njoscimara@yahoo.com.br Pretende-se

Leia mais

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução Sistema Modal de Transportes no Município do Rio de Janeiro: a modernização dos eixos de circulação na cidade carioca para a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e as Olimpíadas em 2016. 1 - Introdução Danilo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 025/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: FRONTEIRA AMAZÔNICA URBANIZADA O Projeto BRA/06/032

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: A APROPRIAÇÃO DA PLANICIE DE INUNDAÇÃO DO RIO MARANGUAPINHO EM FORTALEZA-CEARÁ.

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: A APROPRIAÇÃO DA PLANICIE DE INUNDAÇÃO DO RIO MARANGUAPINHO EM FORTALEZA-CEARÁ. PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: A APROPRIAÇÃO DA PLANICIE DE INUNDAÇÃO DO RIO MARANGUAPINHO EM FORTALEZA-CEARÁ. Denis Melo da Silva Universidade Estadual do Ceará UECE. Bolsista do Programa de Educação Tutorial

Leia mais

A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO ECONÔMICA NO TERRITÓRIO NACIONAL

A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO ECONÔMICA NO TERRITÓRIO NACIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO AUP 0270 - PLANEJAMENTO DE ESTRUTURAS URBANAS E REGIONAIS II PROF ANDREÍNA NIGRIELLO A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

EDITAL 019/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: Transporte Fluvial

EDITAL 019/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: Transporte Fluvial PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 019/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: Transporte Fluvial O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

CRESCIMENTO URBANO E ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA NO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE MG

CRESCIMENTO URBANO E ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA NO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE MG CRESCIMENTO URBANO E ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA NO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE MG Gustavo Costa Teixeira Discente do curso de Geografia modalidade Bacharelado da Universidade Federalde Alfenas UNIFAL-MG / gustavo.costa.t@hotmail.com

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 213 DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Melina Yumi Koyama¹; Hélio

Leia mais

Palavras-chave: usina, processos migratórios, problemas urbanos e ambientais.

Palavras-chave: usina, processos migratórios, problemas urbanos e ambientais. HIDRELÉTRICA NA AMAZÔNIA: IMPLANTAÇÃO DE GRANDES PROJETOS E SUAS CONSEQUÊNCIAS Karolinni Guimarães Ranieri 1 Thallis Pereira Ferreira 2 RESUMO O regime de exceção (1964-1985) é um marco na colonização

Leia mais

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente José Antonio Sena do Nascimento Jorge Kleber Teixeira Silva 1 O trabalho em questão faz parte de uma linha de pesquisa desenvolvida

Leia mais

Sessão Temática: Códigos da Cidade: construções normativas em projetos Coordenação : Rosângela Lunardelli Cavallazzzi

Sessão Temática: Códigos da Cidade: construções normativas em projetos Coordenação : Rosângela Lunardelli Cavallazzzi I Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo (I ENANPARQ): Arquitetura, Cidade, Paisagem e Território: percursos e prospectivas 29 de Novembro a 03

Leia mais

NATAL: Transformações na Ordem Urbana

NATAL: Transformações na Ordem Urbana NATAL: Transformações na Ordem Urbana Observatório das Metrópoles Núcleo RMNatal Editores : Maria do Livramento M. Clementino Observatório das Metrópoles Núcleo Natal Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE MOBILIDADE URBANA

COMISSÃO ESPECIAL DE MOBILIDADE URBANA COMISSÃO ESPECIAL DE MOBILIDADE URBANA AUDIÊNCIA PÚBLICA A LEI DE MOBILIDADE URBANA NO BRASIL CONSTATAÇÕES E DESAFIOS AGOSTO 2013 Dr. Emilio Merino INDICE 1. Antecedentes 2. Cenários urbanos 3. A Lei 12.587/2012

Leia mais

A MORFOLOGIA URBANA DE UMA CIDADE MÉDIA: considerações sobre Montes Claros

A MORFOLOGIA URBANA DE UMA CIDADE MÉDIA: considerações sobre Montes Claros A MORFOLOGIA URBANA DE UMA CIDADE MÉDIA: considerações sobre Montes Claros Bruno Rodrigues Freitas Aluno do curso de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional Universidade Estadual de Montes

Leia mais

CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE. Prof. Clésio

CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE. Prof. Clésio CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE Prof. Clésio 1 O MEIO NATURAL E OS IMPACTOS AMBIENTAIS A região Centro- Oeste é formada pelos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal. Ocupa cerca

Leia mais

A INDÚSTRIA E O ESPAÇO URBANO NA CIDADE DE UBERLÂNDIA NO CONTEXTO DA DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL 5 - Dinámica urbana

A INDÚSTRIA E O ESPAÇO URBANO NA CIDADE DE UBERLÂNDIA NO CONTEXTO DA DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL 5 - Dinámica urbana A INDÚSTRIA E O ESPAÇO URBANO NA CIDADE DE UBERLÂNDIA NO CONTEXTO DA DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL 5 - Dinámica urbana 1. INTRODUÇÃO Mesquita, Fernando 1 ; Andreozzi, Sylvio Luiz 2 1 - Universidade Estadual

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA PAULISTA ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA PAULISTA ESTADO DE SÃO PAULO Ofício GAB nº. 058/2006-CAN Várzea Paulista, 04 de setembro de 2006. Excelentíssimo Senhor Presidente, Servimo-nos do presente para encaminhar ao crivo dessa Colenda Câmara o incluso Projeto de Lei Complementar

Leia mais

FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011

FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011 FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011 Apucarana, dezembro de 2006 FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

Leia mais

PARADIGMAS INOVADORES EM PLANEJAMENTO URBANO E GESTÃO*

PARADIGMAS INOVADORES EM PLANEJAMENTO URBANO E GESTÃO* PARADIGMAS INOVADORES EM PLANEJAMENTO URBANO E GESTÃO* BEATRIZ FLEURY E SILVA 1 LUIZ ANTÔNIO N. FALCOSKI 2 SILVA, B. F. e; FALCOSKI, L. A. N. Paradigmas inovadores em planejamento urbano e gestão Semina:

Leia mais

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Abril de 2011 2 CONISUD Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional abril de 2011

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Muita coisa mudou na cabeça dos nordestinos. Ministério do Interior: Banco do Nordeste do Brasil S.A. O lento crescimento, que durante muitas décadas caracterizou

Leia mais

Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço, Cultura e Política (LECGEO)

Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço, Cultura e Política (LECGEO) Vidas exclusivas: Territorialização, transformação dos usos e apropriações da Praia do Paiva-PE Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço,

Leia mais

Objetivos. Metodologia.

Objetivos. Metodologia. APROPRIAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO PELA INICIATIVA PRIVADA: UM ESTUDO DE CASO EM FERRAZ DE VASCONCELOS. Aline Silva Barros Universidade de São Paulo, FFLCH, Departamento de Geografia. Projeto de Trabalho de

Leia mais

VI Seminário Nacional de Saneamento Rural

VI Seminário Nacional de Saneamento Rural VI Seminário Nacional de Saneamento Rural MEDIDAS ESTRUTURANTES EM SANEAMENTO COM ENFOQUE PARA O SANEAMENTO RURAL Luiz Roberto Santos Moraes, PhD Professor Titular em Saneamento/ Participante Especial

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

A AGRICULTURA URBANA COMO MANIFESTAÇÃO DA RURALIDADE NA CIDADE DE ALFENAS

A AGRICULTURA URBANA COMO MANIFESTAÇÃO DA RURALIDADE NA CIDADE DE ALFENAS A AGRICULTURA URBANA COMO MANIFESTAÇÃO DA RURALIDADE NA CIDADE DE ALFENAS Deywison Tadeu Resende Gonçalves deywisont@hotmail.com Bolsista PIBIC/CNPq Geografia UNIFAL-MG Ana Rute do Vale ana.vale@unifal-mg.edu.br

Leia mais

1 POR QUE EMPRESA JÚNIOR?

1 POR QUE EMPRESA JÚNIOR? Título: SOLUÇÃO ESTATÍSTICA JÚNIOR- PRIMEIRA DO GÊNERO NO RJ Autores:Regina Serrão Lanzillotti - lanzillotti@uol.com.br Aline Moraes da Silva alineuerj@zipmail.com.br Anna Paula Leite de Mattos anna.mattos@zipmail.com.br

Leia mais

Situação Geográfica e Demográfica

Situação Geográfica e Demográfica Guarulhos História A memória é a base para a construção da identidade, da consciência do indivíduo e dos grupos sociais de um determinado local. A maioria das fontes de memória de Guarulhos traz que sua

Leia mais

entretanto, perquirir sobre o destino dos territórios e regiões que recebem em ou vinculam a seu espaço a fixação das obras rodoferroviárias do PAC

entretanto, perquirir sobre o destino dos territórios e regiões que recebem em ou vinculam a seu espaço a fixação das obras rodoferroviárias do PAC SL-78. Novas determinações produtivas, regionais e urbanas na área dos cerrados brasileiro: uma avaliação sobre os efeitos das obras de infraestrutura rodoferroviárias na integração regional. Coordenador:

Leia mais

EDITAL 022/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ECONÔMICO FINANCERIA

EDITAL 022/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ECONÔMICO FINANCERIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 022/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ECONÔMICO FINANCERIA O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

O DISTRITO COMO UNIDADE DE ORGANIZAÇÃO DO TERRITÓRIO RURAL E URBANO: o exemplo de Tapuirama (Uberlândia MG) Resumo

O DISTRITO COMO UNIDADE DE ORGANIZAÇÃO DO TERRITÓRIO RURAL E URBANO: o exemplo de Tapuirama (Uberlândia MG) Resumo 1 O DISTRITO COMO UNIDADE DE ORGANIZAÇÃO DO TERRITÓRIO RURAL E URBANO: o exemplo de Tapuirama (Uberlândia MG) Silma Rabelo Montes¹ Beatriz Ribeiro Soares² Resumo Neste texto, discutimos a importância do

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL A FUNÇÃO SOCIAL DA CIDADE E O PAPEL SOCIAL DA PROPRIEDADE Autor(es): Pascoal Mário Costa Guglielmi e Pedro Ribeiro Guglielmi Condicionada pela sua complexa topografia, a ocupação inicial do Rio de Janeiro

Leia mais

ÁREAS CONTAMINADAS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS PERIGOSOS E USOS POSTERIORES À DESINSTALAÇÃO INDUSTRIAL: ALGUMAS QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA

ÁREAS CONTAMINADAS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS PERIGOSOS E USOS POSTERIORES À DESINSTALAÇÃO INDUSTRIAL: ALGUMAS QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA ÁREAS CONTAMINADAS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS PERIGOSOS E USOS POSTERIORES À DESINSTALAÇÃO INDUSTRIAL: ALGUMAS QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA Wanda Maria Risso Günther (*) Faculdade de Saúde Pública da Universidade

Leia mais

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA INTRODUÇÃO O presente Termo de Referência tem como objetivo

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

APLICAÇÃO DA ANÁLISE SWOT PARA IDENTIFICAR OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

APLICAÇÃO DA ANÁLISE SWOT PARA IDENTIFICAR OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL APLICAÇÃO DA ANÁLISE SWOT PARA IDENTIFICAR OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL José C. de Andrade 1, Viviam M. Oliveira 2, Halan C. M. Mota 3, Eloisa de Moura Lopes 4, Henio Fontão

Leia mais

PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC

PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC GAMA/DF - 2015 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3. 2. OBJETIVOS... 4. 2.1. Geral... 4. 2.2.Específicos... 4. 3. EIOS AVALIATIVOS... 5. 3.1. Eixos de Avaliação Institucional

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

Divisão de Consultoria Legislativa - DIVCOL CMBH - 2014

Divisão de Consultoria Legislativa - DIVCOL CMBH - 2014 Divisão de Consultoria Legislativa - DIVCOL CMBH - 2014 Objetivos apresentar o conteúdo da legislação urbanística, de modo a fornecer aos parlamentares e assessores um conhecimento geral a respeito dessas

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

Organização da Disciplina. Gestão de Obras Públicas. Aula 1. Organização da Aula. Infraestrutura Urbana. Contextualização

Organização da Disciplina. Gestão de Obras Públicas. Aula 1. Organização da Aula. Infraestrutura Urbana. Contextualização Gestão de Obras Públicas Aula 1 Profa. Elisamara Godoy Montalvão Organização da Disciplina Cronograma das aulas Tópicos que serão abordados na disciplina Infraestrutura Urbana Projetos de Gestão de Obras

Leia mais

GEOGRAFIA. População Brasileira

GEOGRAFIA. População Brasileira População Brasileira No Brasil a concentração populacional tem sua maior ocorrência em áreas litorâneas ou próximas ao litoral. Temos como fatores contribuintes as faixas de planície, clima tropical, sem

Leia mais

Índice de Bem-Estar Urbano na Baixada Santista: crescimento econômico e. O Índice de Bem-Estar Urbano (IBEU) é um instrumento de medição do bemestar

Índice de Bem-Estar Urbano na Baixada Santista: crescimento econômico e. O Índice de Bem-Estar Urbano (IBEU) é um instrumento de medição do bemestar Índice de Bem-Estar Urbano na Baixada Santista: crescimento econômico e desigualdade social. Marinez Villela Macedo Brandão 1 André da Rocha Santos 2 Maria Graciela Gonzalez de Morell 3 Felipe Granado

Leia mais

Aula 5 DESAFIOS DO ESPAÇO RURAL. Cecilia Maria Pereira Martins

Aula 5 DESAFIOS DO ESPAÇO RURAL. Cecilia Maria Pereira Martins Aula 5 DESAFIOS DO ESPAÇO RURAL META Analisar os atuais desafios do espaço rural brasileiro a partir da introdução de novas atividades e relações econômicas, sociais, culturais e políticas. OBJETIVOS Ao

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE GOVERNO

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE GOVERNO Programa de Fortalecimento da Gestão do Setor Público e do Desenvolvimento Territorial Integrado Rio Metrópole PROGESTÃO II - Contrato de Empréstimo 8327- BR TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR

Leia mais

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA IMPACTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PRODUTO INTERNO BRUTO BRASILEIRO

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

CARTEIRA DE PROJETOS DO PLANO DE AÇÃO DA MACROMETRÓPOLE PAM 2013/2040

CARTEIRA DE PROJETOS DO PLANO DE AÇÃO DA MACROMETRÓPOLE PAM 2013/2040 Seminário Internacional - Ministério das Cidades Planejamento Metropolitano: Governança, Ordenamento Territorial e Serviços Metropolitanos em Debate CARTEIRA DE PROJETOS DO PLANO DE AÇÃO DA MACROMETRÓPOLE

Leia mais

A Tríplice Fronteira e a Guerra ao Terror

A Tríplice Fronteira e a Guerra ao Terror AMARAL, Arthur Bernardes do. A Tríplice Fronteira e a Guerra ao Terror. Rio de Janeiro: Apicuri, 2010. 312 p. A Tríplice Fronteira e a Guerra ao Terror The Triple Frontier and the Terror War Carlos Alexandre

Leia mais

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 Introdução Impulsionado por fatores econômicos, o processo

Leia mais

Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal

Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal TERMO DE REFERÊNCIA À SECRETARIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN Resumo expandido - Avaliação e Estudos de Impactos Ambientais Manoel Cirício Pereira Neto

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente SÍNTESE JUINA Aperfeiçoar mecanismos controle ambiental Meio Ambiente Instalação de viveiros de distribuição de mudas para o reflorestamento e matas ciliares Ampliar aceso aos programas de crédito de Capacitar

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

Plano Diretor Participativo de Redenção TAL AMBIENTAL/PNUD - MCidades MMA PRODUTO V Análise crítica da aplicação da metodologia

Plano Diretor Participativo de Redenção TAL AMBIENTAL/PNUD - MCidades MMA PRODUTO V Análise crítica da aplicação da metodologia 1 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 5 1- DETALHAMENTO DA METODOLOGIA APLICADA, ETAPAS E ATIVIDADES REALIZADAS 7 ETAPA 1. Estruturação e mobilização 8 ETAPA 2. Leitura e analise da realidade municipal - com enfoque

Leia mais

SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1

SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1 SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1 Contribuições ao debate do Conselho Deliberativo Metropolitano - CDM Por Mauri

Leia mais

Regionalização Brasileira

Regionalização Brasileira GEOGRAFIA DO BRASIL Regionalização Brasileira A República Federativa do Brasil é formada por 26 estados e pelo Distrito Federal. Os estados, por sua vez, dividem-se em municípios, os quais são as menores

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CICLOVIAS COMO ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL PARA A MOBILIDADE URBANA UM ESTUDO DE CASO DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO BONITO - SP

CICLOVIAS COMO ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL PARA A MOBILIDADE URBANA UM ESTUDO DE CASO DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO BONITO - SP Eixo Temático: Tecnologias CICLOVIAS COMO ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL PARA A MOBILIDADE URBANA UM ESTUDO DE CASO DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO BONITO - SP Lidia Moura 1 Cynthia Akemi 2 Luiz Eduardo Moschini 3 RESUMO:

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Julho de 00 N o 9 Parceria Seade-Agemcamp para gerenciamento dos portais na Internet Portais web para divulgação institucional, atração de investimentos e promoção da cultura e do turismo de negócios na

Leia mais

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema No ambiente de negócios atual, o potencial da Tecnologia da Informação (TI) está sendo utilizado para alavancar a vantagem competitiva de inúmeras industrias.

Leia mais

Capítulo VI PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA DA FRENTE MARÍTIMA DE NATAL

Capítulo VI PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA DA FRENTE MARÍTIMA DE NATAL Capítulo VI PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA DA FRENTE MARÍTIMA DE NATAL 354 355 1 - PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA DA FRENTE MARÍTIMA DE NATAL A Frente Marítima de Natal está afetada por intensas modificações,

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

EXPANSÃO INDUSTRIAL E DINÂMICAS SÓCIO-ESPACIAIS NO MUNICÍPIO DE SERRA-ES

EXPANSÃO INDUSTRIAL E DINÂMICAS SÓCIO-ESPACIAIS NO MUNICÍPIO DE SERRA-ES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPIRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA MIZAEL FERNANDES DE OLIVEIRA EXPANSÃO INDUSTRIAL E DINÂMICAS SÓCIO-ESPACIAIS NO MUNICÍPIO DE SERRA-ES

Leia mais

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Título: A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Projeto de pesquisa: ANÁLISE REGIONAL DA OFERTA E DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE NOS MUNICÍPIOS GOIANOS: GESTÃO E EFICIÊNCIA 35434 Autores: Sandro Eduardo

Leia mais

Palavras-chave: desenvolvimento, expansão capitalista e distribuição da renda.

Palavras-chave: desenvolvimento, expansão capitalista e distribuição da renda. 1 NORDESTE GOIANO, DISTORÇÕES NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO ESTADUAL. Carolina Bittencourt 1,3, Guillermo Hel Azanky 2,3, César Augustos L.L Freitas 4,3 1. Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG 2. Voluntário

Leia mais

Fundação Seade Sistema Estadual de Análise de Dados. Dados da organização

Fundação Seade Sistema Estadual de Análise de Dados. Dados da organização Fundação Seade Sistema Estadual de Análise de Dados Data de elaboração da ficha: Abr 2007 Dados da organização Nome: Fundação Seade Endereço: Av. Casper Líbero, 464, São Paulo, SP Site: www.seade.gov.br

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

O PROGRAMA DE EXPLORAÇÃO MINERAL CBPM. SIMEXMIN Ouro Preto - Maio 2012

O PROGRAMA DE EXPLORAÇÃO MINERAL CBPM. SIMEXMIN Ouro Preto - Maio 2012 O PROGRAMA DE EXPLORAÇÃO MINERAL CBPM SIMEXMIN Ouro Preto - Maio 2012 REFERENCIAIS HISTÓRICOS A Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM) é uma sociedade de economia mista, criada pela Lei Estadual nº

Leia mais

Oficina Cebes DESENVOLVIMENTO, ECONOMIA E SAÚDE

Oficina Cebes DESENVOLVIMENTO, ECONOMIA E SAÚDE RELATÓRIO Oficina Cebes DESENVOLVIMENTO, ECONOMIA E SAÚDE 30 de março de 2009 LOCAL: FLÓRIDA WINDSOR HOTEL No dia 30 de março de 2009, o Cebes em parceria com a Associação Brasileira de Economia da Saúde

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 006/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 006/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Seminário Royalties do Petróleo e do Gás Natural no Rio de Janeiro

Seminário Royalties do Petróleo e do Gás Natural no Rio de Janeiro Seminário Royalties do Petróleo e do Gás Natural no Rio de Janeiro Tribunal de Contas do Estado - TCE Impactos dos Projetos de Investimento da Indústria do Petróleo e Gás Natural: visão sistêmica Profª

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

PEP/2012 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

PEP/2012 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO PEP/2012 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO 1 GEOGRAFIA 1 a QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar o processo de urbanização no Brasil, com enfoque nos campos econômico e psicossocial, a partir

Leia mais

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS Flavia Maria de Assis Paula 1,3 Elaine Alves Lobo Correa 2,3 José Vandério Cirqueira Pinto 2,3 RESUMO

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO DA FACULDADE SETE DE SETEMBRO PROGRAMA DE INCIAÇÃO CIENTÍFICA DA FASETE PROICSETE MODELO SIMPLIFICADO DE PROJETO DE PESQUISA PARA O PROICSETE Projeto de pesquisa

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE Josiene Ferreira dos Santos Lima¹-Tecnóloga em Saneamento Ambiental. Aluna do Curso de Geografia (UFS). Pós-Graduanda em Gestão Ambiental e Desenvolvimento

Leia mais

Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS SÃO BERNARDO DO CAMPO

Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS SÃO BERNARDO DO CAMPO Plano ESTADUAL DE HABITAÇÃO PEH - SP 8 º Encontro Regional Região Metropolitana de São Paulo Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS SÃO BERNARDO DO CAMPO ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1- O planejamento

Leia mais

Trabalho Online DISCIPLINA: GEOGRAFIA. PROFESSOR: FELIPE VENTURA 3º ANO - EM TURMA: 3101 2º Bimestre DATA: / / Nota: 1-5

Trabalho Online DISCIPLINA: GEOGRAFIA. PROFESSOR: FELIPE VENTURA 3º ANO - EM TURMA: 3101 2º Bimestre DATA: / / Nota: 1-5 Trabalho Online NOME: Nº: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: FELIPE VENTURA 3º ANO - EM TURMA: 3101 2º Bimestre DATA: / / Nota: 1. (Fuvest 2009) O processo de desconcentração industrial no Brasil vem sendo

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO PARTICIPANTE: UMA INTERVENÇÃO VISANDO O AUMENTO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA ESEFFEGO SOBRE A UEG

PESQUISA-AÇÃO PARTICIPANTE: UMA INTERVENÇÃO VISANDO O AUMENTO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA ESEFFEGO SOBRE A UEG PESQUISA-AÇÃO PARTICIPANTE: UMA INTERVENÇÃO VISANDO O AUMENTO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA ESEFFEGO SOBRE A UEG INTRODUÇÃO Patrícia Santiago Vieira - ESEFFEGO-UEG Roberto Pereira Furtado - ESEFFEGO-UEG

Leia mais

1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia. Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias?

1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia. Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias? 1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia O Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias? 18 a 20 de maio de 2012 Universidade Federal de Rio Grande FURG Rio Grande

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Helton Andrade Canhamaque/UFES heltongeoufes@hotmail.com Júlio de Souza Santos/UFES juliogeoufes@hotmail.com INTRODUÇÃO O trabalho em questão

Leia mais

INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A INTERNACIONALIZAÇÃO NO BRASIL

INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A INTERNACIONALIZAÇÃO NO BRASIL INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A INTERNACIONALIZAÇÃO NO BRASIL Germano Kawey Ferracin Hamada germano_7@hotmail.com Aluno do curso de Geografia junto a UNICENTRO Guarapuava PR.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL Nº 030 /2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA O Projeto

Leia mais