SISTEMAS ADESIVOS - ATUALIDADES E PERSPECTIVAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS ADESIVOS - ATUALIDADES E PERSPECTIVAS"

Transcrição

1

2 SISTEMAS ADESIVOS - ATUALIDADES E PERSPECTIVAS André Figueiredo Reis Professor Adjunto, Área de Dentística, Centro de Pós-Graduação Pesquisa e Extensão, Universidade Guarulhos Patrícia Nóbrega Rodrigues Pereira Professora Assistente, Universidade Católica de Brasília e University of North Carolina at Chapel Hill Marcelo Giannini Professor Associado, Departmento de Odontologia Restauradora, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, UNICAMP Este capítulo é parte integrante do ebook lançado durante o 25º Congresso Internacional de Odontologia de São Paulo 25º CIOSP (janeiro de 2007) e distribuído gratuitamente pelo site pertencente à Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas APCD. 86

3 1. INTRODUÇÃO A adesão de materiais resinosos aos tecidos dentais está presente em grande parte dos procedimentos restauradores realizados na prática clínica odontológica. As observações de diversos pesquisadores associadas ao conhecimento acumulado nos últimos 50 anos proporcionaram o desenvolvimento da Odontologia Adesiva (Buonocore, 1955). A evolução das técnicas e materiais poliméricos permitem o restabelecimento da estética e função aos tecidos dentais debilitados por cárie, fratura, alterações de cor, malformações ou mal-posicionamento. Os procedimentos adesivos são utilizados em diversas áreas da Odontologia, podendo ser usados em restaurações diretas e indiretas, na aplicação de selantes, na fixação de braquetes ortodônticos, na cimentação de pinos intra-radiculares, na esplintagem de dentes periodontalmente comprometidos, e têm sido recentemente indicados para a obturação de canais radiculares. Por definição, a função primordial dos sistemas adesivos é manter unidos dois materiais de natureza igual ou distinta, aderindo à superfície de contato de cada um. Como citado anteriormente, os agentes de união estão indicados em diferentes aplicações. Desta forma, em todo procedimento restaurador adesivo existem sempre no mínimo dois materiais aderentes (biológicos ou sintéticos) a ser unidos por intermédio de um adesivo (Fig. 1). As características estruturais e ultramorfológicas de cada parte envolvida na adesão têm um papel importante no desempenho das interfaces. Portanto, é de fundamental importância que o cirurgião-dentista tenha conhecimento não apenas dos sistemas de união disponíveis no mercado e do seu mecanismo de ação, mas também dos substratos e materiais envolvidos na adesão e o mecanismo de união a cada um destes, para que se consiga o máximo desempenho do procedimento restaurador adesivo realizado. 87

4 Cerâmica, Metal, Resina Indireta, Pinos Pré-fabricados Resina Composta ou Cimento Resinoso Sistema adesivo Esmalte ou Dentina Figura 1 - Esquema representativo das diferentes interfaces que podem ser formadas pelos diferentes substratos e materiais envolvidos nos procedimentos restauradores adesivos. O esmalte e a dentina são os substratos biológicos envolvidos nos procedimentos adesivos, e dentre os materiais sintéticos envolvidos nos procedimentos restauradores encontram-se a resina composta, os cimentos resinosos, os materiais ionoméricos, as porcelanas e os metais. Cada um destes substratos apresentam características peculiares e diferentes modos de interação com os sistemas adesivos. Os substratos biológicos são mais complexos e certamente a dentina apresenta-se como o maior desafio para os procedimentos adesivos, devido ao seu alto conteúdo orgânico e umidade em relação ao esmalte. Existem no mercado diferentes estratégias de união aos tecidos dentais duros. Neste capítulo serão abordados os aspectos relacionados aos tecidos dentais e aos materiais restauradores, e as estratégias de união a estes substratos. 2. COMPOSIÇÃO DOS SUBSTRATOS DENTAIS ASPECTOS RELACIONADOS À UNIÃO Para uma melhor compreensão dos procedimentos de união aos substratos dentais é de fundamental importância que o cirurgião-dentista tenha conhecimento das características dos tecidos dentais envolvidos nos procedimentos adesivos. Devido ao seu alto conteúdo mineral, os procedimentos adesivos no esmalte são considerados mais previsíveis. O esmalte é composto por aproximadamente 88% de mineral, 2% de matriz orgânica e 10% de água (em volume). Por outro lado, a adesão à dentina é considerada um procedimento mais complexo. A maior parte do dente é 88

5 composta pela dentina, um substrato formado por aproximadamente 50% de material inorgânico e 30% de matéria orgânica, que apresenta túbulos preenchidos por prolongamentos odontoblásticos e fluido dentinário, que respondem por 20% do volume total, proporcionando-lhe uma característica úmida (Marshall et al., 1997). A parte orgânica é composta por colágeno, que responde por 95% do total, e os outros 5% são as proteínas não-colagenosas, que apesar de estarem presente em pequena quantidade, são de fundamental importância na manutenção da estrutura e reexpansão da rede de fibrilas de colágeno expostas pelo condicionamento ácido (Pereira et al., 2006). A parte inorgânica consiste de cristais de hidroxiapatita (Gage et al., 1989). Os túbulos são uma das características mais marcantes da dentina, e a permeabilidade deste tecido é uma conseqüência direta de sua presença (Gage et al., 1989). A luz dos túbulos é circundada por uma dentina altamente mineralizada, denominada dentina peritubular contendo uma grande quantidade de cristais de hidroxiapatita e pouca matriz orgânica (Marshall et al., 1997). Os túbulos são separados pela dentina intertubular composta por uma matriz de colágeno reforçada por cristais de hidroxiapatita. A microestrutura da dentina e suas propriedades são os principais determinantes de boa parte das operações em Odontologia Restauradora. Por ser um complexo biológico hidratado, a dentina sofre mudanças fisiológicas, pelo envelhecimento e devido à doença cárie, produzindo diferentes formas de dentina devido a alterações nos componentes fundamentais da estrutura, determinadas por mudanças no seu arranjo, inter-relações ou química (Marshall et al., 1997). Estas formas de dentina são, de certa forma, as mais importantes com relação aos procedimentos restauradores adesivos. Os túbulos dentinários representam o caminho percorrido pelos odontoblastos da câmara pulpar até a junção amelodentinária ou cemento. Os túbulos apresentam formato cônico e convergem para a polpa, desta forma sua distribuição e densidade variam dependendo da localização e de alterações no tecido dentinário (Giannini et al., 2001). A densidade tubular na dentina profunda é de aproximadamente túbulos/mm 2 enquanto na dentina superficial esta densidade diminui para aproximadamente túbulos/mm 2 ; o diâmetro dos túbulos varia de 2,5 µm em dentina profunda a 0,9 µm próximo à junção amelo-dentinária (Garberoglio & Brännström, 1976). Estes valores são inversamente proporcionais à resistência de união, já que o mecanismo de adesão depende, em sua maior parte, da retenção micromecânica produzida pela infiltração e polimerização dos monômeros resinosos na região de dentina desmineralizada (Giannini et al., 2001). 3. MECANISMOS DE UNIÃO AOS SUBSTRATOS DENTAIS 89

6 A união aos substratos dentais ocorre principalmente através da interação micromecânica do agente de união com o esmalte condicionado e com as fibrilas colágenas expostas na dentina. Para que se consiga uma união ao substrato dentinário com resinas adesivas, é preciso aplicar um ácido para que a camada superficial da dentina tenha a fase mineral totalmente ou parcialmente removida. Em seguida, esta região que era antes ocupada por mineral é substituída pela solução do adesivo. O agente de união precisa infiltrar nesta rede de fibrilas colágenas e polimerizar in situ, formando o que se denomina camada híbrida (Fig. 2) (Nakabayashi et al., 1982). A qualidade da adesão está diretamente relacionada à eficiência da penetração dos monômeros nos espaços interfibrilares, ao completo envolvimento pela solução adesiva das fibrilas colágenas expostas pelo condicionamento ácido (Figs. 3 e 4), e ao grau de conversão do adesivo. Para a obtenção da união ao esmalte aplica-se um ácido para se promover um aumento na área e na energia livre de superfície através da desmineralização (Fig. 5). A união depende também da retenção micromecânica entre a resina adesiva e as porosidades promovidas pelo condicionamento ácido ao redor e no centro dos prismas de esmalte (Fig. 6). RC AD CH D Figura 2 - Fotomicrografia eletrônica de transmissão ilustrando a formação da camada híbrida (CH). (RC) resina composta, (AD) adesivo, (D) dentina. 90

7 D TD Figura 3 - Fotomicrografia eletrônica de transmissão de uma secção transversal da dentina após a aplicação do ácido fosfórico a 37% por 15 segundos. A região entre as setas representa uma zona desmineneralizada de aproximadamente 4 µm. Após a aplicação do ácido fosfórico, esta zona precisa ser infiltrada pelo sistema adesivo para que seja forma a camada híbrida. (D) dentina, (TD) túbulo dentinário. TD Figura 4 - Fotomicrografia eletrônica de varredura ilustrando a superfície dentinária após a aplicação do ácido fosfórico a 37% por 15 segundos. Note a rede de fibrilas 91

8 colágenas disponíveis para promover a formação da camada híbrida. (TD) túbulo dentinário. Figura 5 - Fotomicrografia eletrônica de varredura ilustrativa da superfície do esmalte após o condicionamento com ácido fosfórico 37%. A aplicação do ácido promove um aumento na área e na energia livre de superfície. RC A D E 92

9 Figura 6 - Fotomicrografia eletrônica de varredura demonstrativa da interface de união resina-esmalte. Note a formação dos tags de resina ao redor dos prismas de esmalte. (RC) resina composta, (AD) adesivo, (E) esmalte Técnicas para união aos substratos dentais Existem atualmente em uso três diferentes maneiras para se promover a união aos substratos dentais. A primeira delas necessita de um condicionamento ácido prévio. Normalmente utiliza-se o ácido fosfórico, de 30 a 40%, para se condicionar o esmalte e a dentina previamente à aplicação do adesivo. A segunda técnica baseia-se na aplicação de monômeros ácidos, sem a necessidade de utilização de um agente condicionante, lavagem e controle da umidade na superfície do dente previamente a aplicação da resina adesiva. Desta forma, espera-se que a desmineralização e a infiltração dos monômeros ocorram simultaneamente. Existe ainda uma terceira forma de se obter união aos tecidos dentais, que é através da utilização de ionômeros de vidro modificados por resina. Além de formarem uma união micromecânica com o substrato, também unem-se quimicamente à hidroxiapatita presente no substrato (De Munck et al., 2005). A técnica que utiliza o condicionamento ácido prévio foi por algum tempo chamada de técnica do condicionamento total. No entanto, a aplicação deste conceito não é adequada, pois a técnica do condicionamento total foi inicialmente descrita por Fusayama et al. (1979) como sendo a técnica para condicionamento simultâmeo do esmalte e da dentina, quando o condicionamento da dentina ainda não era recomendado. Seguindo este princípio, os adesivos que utilizam monômeros auto-condicionantes também realizam o condicionamento total. Ao se aplicar o ácido fosfórico na técnica do condicionamento ácido prévio, a dentina e o esmalte são desmineralizados a uma profundidade de 3 a 6 µm. A união ao esmalte é um procedimento mais previsível, no entanto a união à dentina é uma tarefa mais complexa, sendo ainda bastante questionada quanto à durabilidade (Reis et al., 2004; Giannini et al., 2003). Após a desmineralização da dentina, recomenda-se a utilização da técnica úmida de união para se evitar o colabamento da rede de fibrilas colágenas, o que poderia dificultar a infiltração dos monômeros resinosos (Kanca et al., 1992). No entanto, a técnica úmida tem sido considerada uma técnica crítica, pois uma infiltração deficiente pode ocorrer se a dentina estiver demasiadamente seca, ou o overwet phenomenon pode ocorrer na presença de umidade excessiva. A Figura 7 ilustra o aspecto da dentina após a desmineralização com o ácido fosfórico por 15 segundos, sendo que a Figura 7A ilustra o aspecto da dentina úmida, onde pode-se observar os espaços interfibrilares para a infiltração dos monômeros resinosos, e na Figura 7B observa-se a dentina desidratada, onde houve o colapso das fibrilas colágenas, o que dificulta a infiltração dos monômeros e formação da camada híbrida. 93

10 Figura 7 - Fotomicrografias eletrônicas de varredura da superfície dentinária após a desmineralização com o ácido fosfórico por 15 segundos. A Figura 7A ilustra o aspecto da dentina úmida, onde pode-se observar os espaços interfibrilares para a infiltração dos monômeros resinosos. Na Figura 7B observa-se a dentina desidratada, onde houve o colapso das fibrilas colágenas, o que dificulta a infiltração dos monômeros e formação da camada híbrida. O desenvolvimento dos sistemas autocondicionantes surgiu com o intuito de reduzir as dificuldades da técnica úmida de adesão e simplificar os procedimentos clínicos de aplicação dos adesivos. Nesta técnica, primers auto-condicionantes compostos de monômeros ácidos são aplicados sobre a dentina coberta pela smear layer sem a necessidade de remoção do material com água subsequentemente. Após este passo simultâneo de condicionamento e infiltração, uma camada de resina adesiva hidrófoba é então aplicada sobre a dentina tratada. Acredita-se que os sistemas adesivos auto-condicionantes desmineralizam a dentina e infiltram seus monômeros simultaneamente, evitando o colapso das fibrilas de colágeno pela secagem com ar e também, a ocorrência de fibrilas desprotegidas pela resina aplicada (Tay & Pashley, 2001; Carvalho et al., 2005). Recentemente, uma técnica auto-condicionante de adesão que consiste em um passo único de aplicação foi introduzida. Os adesivos de passo único reúnem as etapas de condicionamento, infiltração e adesão em um único procedimento. Apesar destes sistemas de união serem comercializados como simplificados, devido ao menor número de passos de aplicação, eles são na realidade misturas complexas de monômeros resinosos hidrófilos e hidrófobos, solventes, água e outros aditivos (Tay & Pashley, 2001; Reis et al., 2006) Classificação dos sistemas adesivos Existem na literatura diversas classificações para os sistemas adesivos. Eles podem ser classificados por gerações (1ª, 2ª, 3ª etc); de acordo com o tipo de solvente (a base de água, álcool ou acetona); presença ou ausência de partículas de carga inorgânica; tipo de ativação (física, química ou dual); modo de ação (condicionameto ácido prévio ou auto-condicionamento); número de 94

11 passos de aplicação (um, dois ou três passos); ou número de frascos (frasco único, dois frascos). Os adesivos autocondicionantes podem ainda ser classificados de acordo com o ph dos monômeros ácidos e agressividade das soluções em fracos (ph ~ 2) ou fortes (ph < 1). A classificação dos adesivos por gerações foi utilizada por muitos anos, e acompanha a evolução dos sistemas adesivos. No entanto, ela não descreve o que os adesivos realmente representam e já está em desuso (Bayne et al., 2005). Devido a rápida evolução dos materiais e técnicas, fica difícil atualizar este sistema de classificação. De acordo com a classificação por gerações já temos disponíveis no mercado a 7ª geração de adesivos, que é representada pelos adesivos auto-condicionantes de passo único que são condicionados em um único frasco. Como exemplo de marcas comerciais deste grupo de adesivos temos o i-bond (Heraeus-Kulzer), o OptiBond All-In-One (Kerr Denatl) e o Clearfil S3 Bond (Kuraray Medical). Atualmente em uso no mercado encontramos adesivos de 4ª, 5ª, 6ª e 7ª gerações. No momento existe uma classificação preferencial, que se baseia na estratégia de ação (condicionamento ácido prévio etch and rinse; ou auto-condicionamento self-etching) e no número de passos utilizados durante o procedimento adesivo (Fig. 8). Dependendo de como os três passos fundamentais de condicionamento, aplicação do primer e aplicação da resina adesiva são realizados ou combinados, os adesivos estão disponíveis em sistemas de três passos, dois passos, ou de passo único. O substrato pode ser tratado através da utilização do ácido fosfórico ou de monômeros ácidos, que condicionam e se infiltram simultaneamente. Como pode ser observado na Figura 8, a combinação das etapas de aplicação dos adesivos resultou na diminuição do número de passos, e consequentemente na simplificação dos procedimentos adesivos. Esta simplificação dos procedimentos ganhou rapidamente a aceitação dos clínicos. No entanto, é importante ressaltar que esta simplificação não resulta necessariamente em uma melhor união aos tecidos dentais. 95

12 Figura 8 - Representação esquemática da classificação dos sistemas adesivos baseada na estratégia de ação (condicionamento ácido prévio etch and rinse; ou auto-condicionamento self-etching) e no número de passos utilizados durante o procedimento adesivo. Dependendo de como os três passos fundamentais de condicionamento, aplicação do primer e aplicação da resina adesiva são realizados ou combinados, os adesivos estão disponíveis em sistemas de três passos, dois passos, ou de passo único. 4. COMPOSIÇÃO DOS SISTEMAS ADESIVOS Cada sistema adesivo apresenta uma composição própria, com características peculiares que influenciam diretamente na efetividade da união. É importante conhecer quais componentes básicos de um sistema adesivo e suas características para saber selecionar e indicá-los nas diferentes situações clínicas Monômeros A composição monomérica dos adesivos é um dos fatores determinantes no desempenho da união. Para que se obtenha união a um substrato úmido como a dentina, a utilização de monômeros hidrófilos é indispensável. Um dos monômeros hidrófilos mais utilizados é o HEMA (2-hidroxietil metacrilato). Este monômero hidrófilo está presente principalmente na composição dos primers de adesivos de três passos e dois passos que utilizam o condicionamento ácido prévio, sendo também encontrado em sistemas autocondicionantes. Este monômero apresenta um radical hidrófilo, que tem afinidade pelo substrato úmido, e um radical hidrófobo que irá promover a polimerização com outros monômeros. Este monômero monofuncional de baixo 96

13 peso molecular é de fundamental importância para permitir a infiltração do adesivo no substrato dentinário. No entanto, este monômero, por si só não é capaz de promover a formação de uma rede polimérica com propriedades mecânicas adequadas para a união aos tecidos dentais. Assim, monômeros hidrófobos bifuncionais são necessários para promover a união dos materiais resinosos. Os monômeros hidrófobos mais comumente utilizados são o Bis-GMA (bisfenol-a diglicidil eter dimetacrilato) e o UDMA (uretano dimetacrilato). Estes monômeros hidrófobos estão presentes em maior concentração na composição do adesivo ou bond (terceiro passo dos sistemas que utilzam o condicionamento ácido prévio e segundo passo dos sistemas auto-condicionantes). Mas também são encontrados em menores proporções nos outros frascos. Nos sistemas de dois passos que empregam o condicionamento ácido prévio e nos sistemas auto-condicionantes de passo único estão misturados com os outros componentes na mesma solução. Nos sistemas auto-condicionantes encontramos os monômeros ácidos. A capacidade auto-condicionante destes sistemas decorre da incorporação de monômeros que contêm radicais derivados do ácido carboxílico, fosfórico ou seus ésters, ou da incorporação de ácidos orgânicos ou minerais como aditivos. (Tay & Pashley, 2001). Estes monômeros desmineralizam a dentina e o esmalte e infiltram no tecido simultaneamente. Dentre os monômeros auto-condicionantes disponíveis nos produtos comerciais podemos citar como exemplo o MDP (10-ácido fosfórico metacriloiloxidecametileno), MAC10 (10- ácido metacriloiloxidecametileno malônico) e o 4-MET (4-ácido trimelítico metacriloiloxietil) Solventes Todos os sistemas adesivos apresentam algum tipo de solvente em sua composição. Os solventes mais comumente utilizados são a água, o etanol e a acetona. Sua principal função é facilitar o molhamento da superfície dental pelos monômeros resinosos. Nos sistemas que empregam o condicionamento ácido prévio, após o condicionamento com ácido fosfórico os solventes, por serem hidrófilos, penetram na dentina úmida, agindo como carreadores de monômeros. Em seguida, se unem com as partículas de água, elevando sua pressão de vapor. Ao aplicar um leve jato de ar (recomendado por todos os fabricantes), os solventes evaporam, removendo a água que estava presente no substrato e deixando no substrato os monômeros que serão polimerizados para formar a camada híbrida (Reis et al., 2003). O passo de aplicação de um leve jato de ar após a aplicação do adesivo não pode ser negligenciado, pois a não evaporação do solvente e da água do substrato pode prejudicar a polimerização, comprometendo a performance do adesivo. Outro fato importante, e que deve ser levado em consideração pelos clínicos é a importância dos solventes para a promoção da adesão, como descrito no parágrafo acima. Os solventes, especialmente a acetona, são altamente voláteis em temperatura ambiente. Desta forma, é importante que o adesivo seja dispensado apenas no momento de sua utilização, pois a sua volatilização previamente a aplicação pode comprometer a infiltração dos 97

14 monômeros na zona desmineralizada (Reis et al., 2003). É importante ressaltar, que os adesivos à base de acetona normalmente apresentam uma alta concentração de solvente e baixa concentração monomérica em sua composição. Assim é importante aplicar várias camadas de adesivo até que se perceba que toda a superfície dental está brilhante após a aplicação do jato de ar. A grande vantagem de se utilizar primers misturados em água (disponível nos sistemas de 3 passos), é a possibilidade de se reexpandir a rede de firbrilas colágenas, caso ela tenha sido colapsada pela secagem com ar após a lavagem do ácido fosfórico (Fig.7). Este é um dos fatores que contribui para os bons resultados observados para os sistemas de 3 passos (De Munck et al., 2005). Nos sistemas auto-condicionantes, o solvente utilizado normalmente é a água e alguns sistemas apresentam também o etanol em pequena quantidade. A presença de água é essencial para permitir a ionização dos monômeros ácidos e a desmineralização do esmalte e dentina subjacente (Tay & Pashley 2001). Uma maior concentração de água no primer ou no adesivo auto-condicionante resulta em uma maior agressividade (capacidade de desmineralização) (Hiraishi et al., 2005). Mais uma vez é importante ressaltar a importância da aplicação de um jato de ar para a evaporação desta água, que apesar de importante durante a aplicação do adesivo, pode ser prejudicial à união e reduzir a vida clínica da restauração Modo de ativação Os sistemas adesivos são em sua maioria fotoativados. Os sistemas ativados por luz apresentam nas suas composições o sistema de aminas aromáticas e fotoiniciadores, como a canforoquinona, para que a reação de polimerização ocorra através da ativação por luz. No entanto, existem situações clínicas nas quais é impossível utilizar a luz com intensidade suficiente para se iniciar a polimerização do adesivo, como na cimentação de pinos pré-fabricados e de algumas restaurações indiretas. Nestes casos, optamos por sistemas adesivos que apresentam ativação química ou dual. Os sistemas adesivos duais ou de dupla presa foram desenvolvidos para os procedimentos de cimentação de restaurações indiretas e pinos préfabricados. A principal vantagem desta classe de adesivos é permitir melhor união da peça protética ao preparo cavitário minimizando os problemas de adaptação nas margens e na região interna do preparo. Os adesivos duais são aplicados nas estruturas dentais, não fotoativados e interagem com o cimento resinoso aplicado. Todo o conjunto é fotopolimerizado de uma só vez e a luz idealmente deveria ter a capacidade de atravessar a peça protética e atingir o cimento resinoso e o adesivo com intensidade suficiente para promover alto grau de conversão dos materiais. Nos casos onde a luz não consegue ser aplicada em intensidades adequadas, o mecanismo químico de polimerização deve assegurar a conversão monomérica (Menezes et al., 2006). Outra indicação clínica desses adesivos é na cimentação de núcleos ou pinos pré-fabricados nos canais radiculares, cuja fonte luminosa do aparelho fotopolimerizador não consegue atingir as regiões mais profunda do canal (Foxton et al., 2003). 98

15 A maioria dos sistemas de cura dual apresenta além do sistema de aminas aromáticas e fotoiniciadores encontrados nos adesivos fotoativados, o peróxido de benzoíla e aminas terciárias, que geram radicais livres para que a reação de polimerização ocorra mesmo na ausência da fonte de luz. Outros sistemas adesivos de dupla ativação contêm sulfinatos aromáticos de sódio, componentes diferentes da reação peróxido-amina (Arrais et al., 2006). As soluções do sal de sulfinato de sódio são utilizadas em adesivos de frasco único como o Prime&Bond NT Dual Cure (Dentsply/Caulk) e Optibond Solo Plus Dual Cure (Kerr Dental). O sistema peróxido-amina tem sido utilizado nos adesivos convencionais, os quais apresentam o primer e o adesivo em frascos separados. São exemplos os sistemas Scotchbond Multipurpose Plus (3M Espe), All Bond 2 (Bisco) e Optibond FL Dual Cure (Kerr Dental). O sistema Scotchbond Multipurpose Plus apresenta também um frasco Ativador para o primer que contem o sal sulfinato Partículas de carga Além dos componentes orgânicos nos sistemas adesivos, componentes inorgânicos também podem ser adicionados com a intenção de se melhorar as propriedades mecânicas das interfaces. Alguns fabricantes especulam que as partículas podem infiltrar na camada híbrida, o que poderia melhorar as propriedades mecânicas desta. Porém análises em Microscopia Eletrônica de Transmissão demonstram que esta infiltração é muito difícil de ocorrer (Fig. 9). As partículas normalmente aglomeram-se no topo da camada híbrida e na embocadura dos túbulos dentinários. A adição de partículas de carga contribui principalmente na diminuição da hidrofilia das interfaces. O tamanho, distribuição e tratamento das partículas varia entre os sistemas, mas existe uma tendência para a utilização de partículas nanométricas de sílica (entre 5 a 20 nm para alguns adesivos) na tentativa de se infiltrar as partículas na camada híbrida. As partículas de carga podem estar no resina hidrófoba bond, como nos adesivos auto-condicionantes de dois passos Clearfil SE Bond (Kuraray Medical), Clearfil Protect Bond (Kuraray Medical) e Unifil Bond (GC Inc.) ou pode ser encontrada também nos adesivos de dois passos que utilizam o condicionamento ácido prévio Adper Single Bond Plus (3M Espe), Prime&Bond NT (Dentsply/Caulk) e Optibond SOLO Plus (Kerr Dental). Adesivos auto-condicionantes de passo único como o Clearfil S3 Bond (Kuraray Medical) também apresentam partículas de carga em sua composição. 99

16 AD D CH Figura 9 - Fotomicrografia eletrônica de transmissão ilustrando a interface de união resina-dentina produzida por um sistema adesivo de dois passos que utiliza o condicionamento ácido prévio e apresenta nanopartículas de carga em sua composição (Prime&Bond NT). Note o acúmulo das partículas de carga no topo da camada híbrida e na embocadura do túbulo dentinário (círculo pontilhado). (AD) adesivo, (CH) camada híbrida, (D) dentina Liberação de Flúor A propriedade de liberação de fluoretos por materiais ionoméricos e seus benefícios no aumento da resistência à desmineralização e inibição de cáries recorrentes são bem conhecidos. Propriedade esta que é desejável a todos os materiais restauradores. Baseado neste princípio, diversos fabricantes buscaram desenvolver tecnologias para que seus materiais também possam apresentar liberação de Flúor. Dentre os sistemas adesivos disponíveis no mercado que apresentam incorporação de algum composto de Flúor podemos citar o OptiBond SOLO FL (Kerr Dental), One-up Bond F (Tokuyama), Prime&Bond NT (Dentsply/Caulk), Reactmer Bond (Shofu Inc.) e Clearfil Protect Bond (Kuraray Medical). Diferentes formas de incorporação de Flúor são utilizadas por cada fabricante, o que pode influenciar no modo e quantidade de Flúor liberado. O Flúor pode ser incorporado em partículas de vidro de Fluoraluminiosilicato (One-up Bond F, Reactmer Bond), cristais de Fluoreto de Sódio (Clearfil Protect Bond), hidrofluoreto de cetilamina (Prime&Bond NT), entre outros. Em um estudo recente, Hara et al. (2005) detectaram a liberação de Fluor em diferentes sistemas adesivos. No entanto, foi demonstrado que mesmo liberando Flúor, alguns adesivos não foram capazes de impedir a formação de cáries recorrentes. 100

17 O sistema adesivo Clearfil Protect Bond que apresenta incorporação de um monômero antibacteriano no primer e de partículas de Fluoreto de Sódio na solução do adesivo mostrou resultados promissores em relação à estabildade da união ao longo do tempo tanto in vitro quanto in vivo (Donmez et al., 2005). Especula-se que a liberação de Flúor também pode ser importante para inibir a ação de enzimas (MMPs) nas interfaces (Donmez et al., 2005). 5. CARACTERÍSTICAS ULTRAMORFOLÓGICAS DAS INTERFACES Como citado anteriormente, existem diferentes modos de se promover a união aos tecidos dentais. É importante que o clínico tenha em mente como cada sistema de união interage com o esmalte ou a dentina, para saber qual a melhor estratégia de união em cada situação. Por utilizarem um ácido mais agressivo (ph~0.2) os sitemas que empregam o ácido fosfórico 37% formam uma camada híbrida de aproximadamente 5 µm (Fig. 2), cerca de dez vezes mais espessa que a camada híbrida formada por sistemas auto-condicionantes que apresentam um ph em torno de 2. Estes monômeros ácidos mais moderados formam uma camada híbrida de aproximadamente 0,5 µm (Fig. 10), o que não resulta necessariamente em uma resistência de união inferior. No entanto, alguns estudos têm demonstrado que este condicionamento mais brando poderia comprometer a união ao esmalte quando ele não foi desgastado durante o preparo cavitário, pois a superfície exposta ao meio oral apresenta-se mais resistente à desmineralização, e consequentemente mais resistente à ação dos monômeros auto-condicionantes mais brandos. AD CH SP D 2 µm Figura 10 - Fotomicrografia eletrônica de transmissão ilustrando a interface de união resina-dentina 101

18 produzida por um sistema adesivo auto-condicionante de passo único (Clearfil S3 Bond). A camada híbrida (CH) formada é de aproximadamente 0,5 µm de espessura. Note a presença do smear plug (SP). (AD) adesivo, (D) dentina. Por outro lado, esta menor desmineralização por parte dos sistemas auto-condicionantes mais brandos apresenta algumas vantagens quanto à união à dentina. Por apresentar uma menor desmineralização do substrato, a dentina é apenas parcialmente desmineralizada. Assim, é comum observar a presença de smear plugs (parte da smear layer que permanece na embocadura dos túbulos dentinários), o que contribui na redução da sensibilidade pós-operatória e também diminui a permeabilidade dentinária (Fig. 10). Cada adesivo auto-condicionante (tanto os de dois passos quanto os de passo único) apresenta em sua composição um monômero funcional específico, que exerce um papel fundamental na sua performance (Yoshida et al., 2004). A fórmula molecular específica do monômero funcional e a taxa de dissolução do sal de cálcio formado influenciam a eficiência e a estabilidade da união. O potencial de interagir quimicamente com a hidroxiapatita presente na interface pode ser um auxílio importante na obtenção de uma união duradoura. Esta interação ocorre somente com adesivos auto-condicionantes mais brandos, que desmineralizam a superfície dentinária parcialmente. Foi relatado que o 10-MDP, monômero funcional dos adesivos auto-condicionantes de dois passos Clearfil SE Bond, Clearfil Protect Bond e do adesivo auto-condicionante de passo único Clearfil Tri-S Bond (Kuraray), pode interagir quimicamente com a hidroxiapatita formando um sal bastante estável. Por outro lado, o potencial de união química do 4-MET, foi descrito como substancialmente menor (Yoshida et al., 2004). 6. MECANISMOS DE UNIÃO AOS MATERIAIS RESTAURADORES Os sistemas adesivos foram inicialmente desenvolvidos para promover a união das resinas compostas ao esmalte e à dentina. Após a adequada aplicação e polimerização do sistema de união, existe ainda uma camada fina (entre 10 e 20 µm) na superfície, de monômeros nãopolimerizados devido à inibição da polimerização pelo oxigênio. Esta camada apresenta grupos vinílicos reativos que vão reagir com a resina composta permitindo a copolimerização, e consequentemente a união a este material (Nakabayashi & Pashley, 2000). Deve-se tomar cuidado para não haver nenhuma contaminaçao da superfície aderida previamente à aplicação do compósito. Um mecanismo similar ao descrito para a resina composta acontece para os cimentos resinosos (que também são resinas compostas, porém com menor quantidade de carga e maior quantidade de monômeros diluentes pra se obter uma menor viscosidade). Porém, recentemente foi descoberta a ocorrência de incompatibilidade entre cimentos resinos e resinas compostas para núcleo de preenchimento com sistemas adesivos auto-condicionantes de passo único e adesivos de frasco único que apresentam baixo ph (Tay et al., 2003a). 102

19 O mecanismo de união às cerâmicas odontológicas pode variar dependendo da composição do material (Soares et al., 2005). O tratamento mais comum para o condicionamento das porcelanas é a utilização do ácido hidrofluorídrico a 9,5%. A aplicação do ácido hidrofluorídrico promove microretenções na superfície da porcelana (Fig. 11 A-B); em seguida, aplica-se um agente silano que irá promover uma união química da porcelana ao material resinoso de cimentação. Este tratamento é indicado para cerâmicas feldspáricas convencionais (2 minutos) (Noritake, Duceram), reforçadas por leucita (60 segundos) (IPS Empress, Cergogold), ou reforçadas por disilicato de Lítio (20 segundos) (IPS Empress II). Por outro lado, as cerâmicas reforçadas por alumina ou zircônia (In Ceram Alumina, In Ceram Zirconium, Procera AllCeram) não são condicionadas pelo ácido hidrofluorídrico, devido ao seu baixo conteúdo de sílica. Para o preparo da superfície interna destas cerâmicas tem sido recomendado o jateamento com partículas de Al 2 O 3 de 50 µm ou cobertura com sílica (Rocatec, 3M Espe). Além disso, recomenda-se a utilização de cimentos resinosos que apresentam em sua composição o monômero 10-MDP (ex.: Panavia F, Kuraray Medical) ou o monômero 4-META (SuperBond C&B, Sun Medical). 103

20 Figura 11 - As fotomicrografias eletrônicas de varredura demonstram o aspecto da superfícia de uma cerâmica reforçada por disilicato de Lítio (IPS Empress II) antes (A) e após (B) o condicionamento com ácido hidrofluorídrico a 9,5% por 20 segundos. 7. APLICAÇÃO CLÍNICA Os casos apresentados ilustram a aplicação dos procedimentos adesivos em duas situações distintas Restauração direta em resina composta No primeiro caso (Figs 12-27), foi realizada uma restauração direta em uma cavidade profunda de um dente vital. Neste caso, é importante levar em consideração que a aplicação de uma proteção pulpar indireta com um cimento a base de Hidróxido de Cálcio na região mais profunda da cavidade pode reduzir a 104

21 permeabilidade dentinária nesta região, evitando o contato de monômeros sintéticos com a polpa, o que poderia acontecer após a aplicação do ácido fosfórico. Este procedimento ajuda a reduzir a possibilidade de sensibilidade pós-operatória. É importante ressaltar que a proteção pulpar deve ser realizada antes da aplicação do ácido fosfórico. No caso de uma cavidade extensa, recomenda-se iniciar a plicação do ácido fosfórico pela margem de esmalte, e em seguida, extender para a superfície dentinária, desta forma evita-se o sobrecondicionamento da dentina. A lavagem do ácido deve ser realizada pelo mesmo tempo de aplicação, 15 segundos. A manutenção da umidade após a remoção do excesso de água é, sem dúvida, um dos passos mais críticos da técnica. O excesso de umidade deve ser removido por capilaridade com papel absorvente ou com uma bolinha de algodão. A desidratação da dentina bem como o excesso de água podem prejudicar a união. A aplicação do adesivo deve ser seguida de um leve jato de ar para evaporação dos solventes, juntamente com a umidade remanescente. Figura 12 - Aspecto inicial de uma restauração de amálgama que apresentava-se com lesão de cárie recorrente. Figura 13 - Isolamento absoluto Figura 14 - Início da remoção da restauração com uma ponta diamantada. Figura 15 - Remoção do tecido cariado com uma broca carbide. 105

22 Figura 16 - Aspecto da cavidade após a remoção da dentina infectada por cárie. Figura 17 - Aplicação de um cimento de Hidróxido de Cálcio como protetor pulpar indireto. Figura 18 - Aspecto da superfície dentinária após a aplicação do cimento de Hidróxido de Cálcio. Figura 19 - Início da aplicação do ácido fosfórico pela margem de esmalte. Figura 20 - Extensão da aplicação do ácido fosfórico para a superfície dentinária por 15 segundos. Figura 21 - Após a lavagem do ácido o excesso de água foi removido com uma cânula de sucção. Devese tomar cuidado para não desidratar a dentina. O excesso de umidade deve ser removido por capilaridade com uma bolinha de algodão ao um pedaço de papel absorvente. 106

23 Figura 22 - Aplicação do adesivo. Figura 23 - Após a aplicação de um leve jato de ar para evaporação dos solventes, a superfície da cavidade deve estar brilhante. Figura 24 - A inserção da resina composta deve ser realizada em incrementos de no máximo 2 mm de altura. Figura 25 - Realização da escultura. Figura 26 - Aspecto inicial da restauração de amálgama deficiente. A aplicação da resina composta incrementalmente também é importante para diminuir as tensões geradas pela Figura 27 - Aspecto final da restauração concluída. contração de polimerização da resina composta, o que contribui para preservar a união promovida pelo sistema adesivo. 107

24 A técnica incremental também garante melhores propriedades mecânicas à resina composta, pois incrementos maiores que 2 mm não são adequadamente ativados pela fonte de luz Restauração indireta As Figuras 28 a 39 ilustram os passos de cimentação de um pino pré-fabricado de fibra de vidro, construção de um núcleo de preenchimento com resina composta e cimentação de duas coroas de cerâmica (IPS Empress 2). Previamente à cimentação dos pinos pré-fabricados, os condutos radiculares foram condicionados com ácido fosfórico a 37% durante 15 segundos. Em seguida, foram lavados abundatementes e o excesso da umidade foi removido com pontas de papel absorvente. Devido à dificuldade de fotoativação nesta região, foi utilizado um sistema adesivo com ativação dual. Após a cimentação dos pinos, os dentes foram reconstruídos com resina composta, para que fossem realizados os preparos, provisórios e os procedimentos de moldagem. Figura 28 - Aspecto pré-operatório dos dentes 11 e 21. Figura 29 - Os condutos foram preparados para a cimentação resinosa de dois pinos pré-fabricados de fibra de vidro. Figura 30 - Aspecto imediatamente após a cimentação dos pinos. Figura 31 - Aspecto dos preparos realizados. 108

25 Figura 32 - Condicionamento ácido por 15 segundos. Figura 33 - Aplicação do sistema adesivo. Figura 34 - Condicionamento das peças de porcelana (IPS Empress II) com ácido hidrofluorídrico por 20 segundos. Figura 35 - Aspecto interno das peças após o condicionamento. Figura 36 - Aplicação do agente de silanização. Figura 37 - Aspecto após a cimentação. 109

26 Figura 38 - Aspecto do sorriso da paciente previamente ao tramento. As Figuras 32 e 33 ilustram os procedimentos de condicionamento e aplicação do adesivo. Nas Figuras 34 a 36 pode-se observar o preparo das peças previamente à cimentação: condicionamento da porcelana com ácido Figura 39 - Aspecto pós-operatório. hidrofluorídrico durante 20 segundos, e aplicação do agente de silanização. A Figura 37 ilustra o aspecto logo após a cimentação das peças. O aspecto antes e após o tratamento pode ser observado nas Figuras 38 e DURABILIDADE DOS PROCEDIMENTOS ADESIVOS Apesar dos avanços alcançados pelos adesivos, trabalhos apontam para uma possível degradação da união da resina composta aos tecidos dentais ao longo do tempo na presença de água (Giannini et al., 2003). A redução da resistência de união de sistemas adesivos à dentina é atribuída à degradação das fibrilas colágenas e/ou da resina adesiva. As taxas de sorção de água e solubilidade apresentadas pelos sistemas adesivos após a sua polimerização são importantes na determinação da longevidade e qualidade marginal da restauração. Sabese que a umidade presente no meio oral ou de armazenagem tem um papel importante no processo de degradação química dos polímeros, apresentando um efeito deletério para a interface resinadentina (Göpferich, 1996). Trabalhos recentes demonstram que os sistemas adesivos auto-condicionantes de passo único são os mais susceptíveis à degradação hidrolítica ao longo do tempo (Reis et al., 2004). Observando os resultados obtidos com os adesivos autocondicionantes de passo único, pode-se notar que ao se aumentar a acidez da solução do adesivo, o conteúdo dos monômeros ácidos e de água são aumentados, o que resulta em maior hidrofilia, conduzindo à maior taxa de sorção de água, e consequentemente, menor estabilidade hidrolítica (Tay et al., 2003b). Uma característica importante dos adesivos auto-condicionantes de dois passos que pode contribuir para a melhor performance destes sistemas quando comparados aos sistemas de passo único, é a camada de resina hidrófoba que é aplicada sobre o primer, e pode reduzir a sorção de água (Reis et al., 2004). Foi demonstrado que os adesivos de dois passos que utilizam o condicionamento 110

27 ácido prévio estão mais susceptíveis à degradação que os sistemas de três passos (De Munck et al., 2003). A aplicação do adesivo em três passos (ácido, primer e adesivo) favorece a copolimerização do primer, e a menor hidrofilia da resina polimerizada pode resultar em uma melhor hibridização e menor susceptibilidade à degradação hidrolítica. De Munck et al. (2005), após realizarem uma extensa revisão da literatura a respeito da durabilidade da união produzida por diferentes técnicas de desmineralização e infiltração no substrato dental, concluíram que a técnica mais eficiente para se produzir uma união duradoura aos tecido dentais ainda é a técnica de três passos que utiliza o condicionamento ácido prévio. Assim, qualquer simplificação nos procedimentos adesivos resultaria em uma redução na eficiência da união. Segundo os autores, a única técnica que se aproxima deste padrão é a técnica auto-condicionante de dois passos. As interfaces de união resina-dentina se degradam em três estágios. Primeiro, a água é absorvida pelo polímero, desencadeando a degradação química (Göfperich, 1996). Segundo, produtos de degradação, monômeros não reagidos e oligômeros são removidos da camada híbrida e da camada de adesivo. Terceiro, as fibrilas de colágeno expostas podem ser degradadas por metaloproteinases (MMPs) presentes na dentina ou saliva (Pashley et al., 2004) Nanoinfiltração O termo nanoinfiltração foi introduzido para se descrever a ocorrência de espaços nanométricos dentro da camada híbrida, mesmo na ausência de uma fenda na interface de união (Sano et al., 1995). Esta técnica utiliza um traçador de baixo peso molecular como o nitrato de prata (AgNO 3 ) para evidenciar tais porosidades na interface. Posteriormente, esta área de união é observada em microscocopia eletrônica. A deposição de grãos de prata na camada híbrida dos sistemas que utilizam o condicionamento ácido prévio é atribuída à existência de regiões onde as fibrilas colágenas não foram totalmente envolvidas pela resina adesiva, ou onde a resina não foi adequadamente polimerizada (Fig. 40). A degradação da união tem sido atribuída à penetração de fluidos nestas porosidades. Recentemente, uma nova forma de manifestação da nanoinfiltração nas interfaces foi relatada (Tay et al., 2002). A deposição de grãos de prata foi observada não só na camada híbrida, mas também na camada de adesivo (Fig. 41). Devido ao aspecto de manifestação da nanoinfiltração nestes adesivos se assemelharem ao aspecto observado na degradação da resina epóxica utilizada para o isolamento de cabos de transmissão de energia elétrica, o termo water-trees (ou árvores de água) foi atribuído. As diferenças na hidrofilia e no conteúdo de água dos adesivos podem influenciar diretamente os padrões de nanoinfiltração observados. 111

28 Figura 40 - Fotomicrografia eletrônica de transmissão ilustrativa da manifestação da nanoinfiltração em uma interface resina-dentina produzida por um sistema adesivo de 2 passos que uliza o condicionamento ácido prévio. (CH) camada híbrida, (RC) resina composta, (AD) adesivo, (D) dentina. AD 5 µm D CH RC Figura 41 - Fotomicrografia eletrônica de transmissão ilustrativa da manifestação da nanoinfiltração em uma interface resina-dentina produzida por um sistema adesivo auto-condicionante de passo único. As pontas de 112

29 setas apontam a formação das water-trees. (CH) camada híbrida, (RC) resina composta, (AD) adesivo, (D) dentina. 9. FALHAS COMUNS QUE PODEM PREJUDICAR A UNIÃO Existem algumas falhas que ocorrem com certa freqüência durante as atividades clínicas que se evitadas ou contornadas, podem certamente contribuir para uma maior longevidade dos procedimentos restauradores. A Tabela 1 ilustra estas falhas. Uma falha bastante comum é sem dúvida, a contaminação do campo operatório por saliva ou sangue durante o procedimento restaurador. O ideal é que o isolamento absoluto seja utilizado sempre que possível, mas em alguns casos o isolamento relativo pode também ser indicado. No entanto, a manutenção de um campo seco e livre de contaminantes é de fundamental importância. Outro problema que pode acontecer durante a aplicação dos sistemas que utilizam o condicionamento prévio com ácido fosfórico é a desidratação da dentina. Nestes casos, a técnica úmida de união estaria comprometida, pois o colabamento das fibrilas colágenas pode comprometer a infiltração dos monômeros resinosos e formação da camada híbrida. Este problema pode ser contornado pela aplicação dos primers hidrófilos nos sistemas de 3 passos. Por serem compostos principalmente de água e HEMA, eles possuem a capacidade de reexpandir a rede de fibrilas colágenas, facilitando a infiltração dos monômeros e formação da camada híbrida. Para os sistemas de dois passos, pode-se utilizar alguns produtos disponíveis no mercado como o Gluma (Heraeus Kulzer), no entanto, a reumidificação com água é suficiente para promover a reexpansão das fibrilas colágenas. Assim como a falta de umidade pode prejudicar a união, o overwet phenomenon ou excesso de umidade também pode ser prejudicial à interface (Hashimoto et al., 2006). O excesso de umidade pode promover a diluição da solução de adesivo, prejudicando a polimerização e diminuindo a qualidade da interface. Deve-se tomar cuidado especialmente nos ângulos da cavidade pois a àgua tende a acumular-se nestas regiões. O controle da contração de polimerização das resinas compostas é um fator importante na manutenção da adesão. Se a tensão de contração de polimerização exceder a resistência de união do adesivo a união pode se romper. Um importante conceito introduzido por Feilzer et al. (1987) diz respeito à configuração cavitária. Os autores estudaram as tensões de contração geradas durante a polimerização da resina composta em função da formato da cavidade. Foi descrito o fator de configuração cavitária ou Fator-C, que é a razão entre as superfícies aderidas e não-aderidas de uma restauração de resina composta. Em outras palavras, quanto maior o Fator-C, maiores as tensões transmitidas à interface. Desta forma, recomenda-se o uso de técnicas incrementais para inserção da resina composta na cavidade (Reis et al., 2003). Em cavidades profundas, devido à alta permeabilidade pulpar, recomenda-se a aplicação de um forramento cavitário para proteção pulpar indireta, como o Hidróxido de Cálcio ou ionômero de vidro (Costa et al., 2003). A falta desta proteção pode promover reações inflamatórias na polpa o que pode causar sensibilidade pós-operatória. A aplicação do forramento 113

30 deve ser restrita à região de dentina mais profunda, pois a aplicação nas demais regiões do preparo é desnecessária e o excesso de aplicação pode prejudicar a união da resina composta à cavidade. Apesar do capeamento pulpar direto com sistemas adesivos ser indicado por alguns autores, até a presente data evidências científicas nos levam a contra-indicar este tipo de procedimento (Teixeira et al., 2006). 114

31 10. PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Com o avanço das pesquisas no campo dos materiais restauradores adesivos, as limitações destes procedimentos têm sido conhecidas ao mesmo tempo que novas tecnologias vêm sendo desenvolvidas para tornar os procedimentos mais simples, mais previsíveis e principalmente, mais duradouros. A aplicação dos sistemas adesivos vem sendo simplificada de uma forma acelerada nos últimos anos. Há poucos anos atrás os sistemas mais utilizados estavam disponíveis em 3 passos de aplicação, posteriormente surgiram os de dois passos, os de passo único, e mais recentemente, surgiram no mercado os materiais auto-adeivos que não necessitam da aplicação de nenhum sistema adesivo para se aderirem à estrutura dental. Estes materiais são utilizados na cimentação de restaurações indiretas e pinos pré-fabricados. Como exemplo encontramos o RelyX Unicem (3M ESPE). Novos materiais deste tipo provavelmente estarão no mercado em breve. A adesão às estruturas dentais se deu início com a união ao esmalte. Em seguida, com a evolução dos procedimentos adesivos, a união à dentina tornou-se um procedimento bastante utilizado. Hoje, o novo desafio é a adesão à dentina intra-radicular. Os núcleos metálicos fundidos estão gradativamente sendo substituídos por pinos pré-fabricados de fibra de vidro, que podem ser unidos à estrutura dental por intermédio dos cimentos resinosos. Recentemente, os materiais resinos passaram a ser indicados inclusive para a obturação radicular nos tratamentos endodônticos (Teixeira et al., 2004). O grande desafio da Odontologia Adesiva é promover uma união estável ao longo do tempo. No entanto, a degradação dos materiais resinosos é um evento previsível. Para reduzir a velocidade de degradação, os fabricantes tentam produzir materiais menos hidrófilos e com melhores propriedades mecânicas após a sua polimerização. Ao mesmo tempo, tenta-se reduzir a contração volumétrica das resinas compostas durante a sua polimerização, para que menos tensões sejam transmitidas às interfaces resinadentina/resina-esmalte. Muito tem se falado a respeito da degradação dos materiais resinosos adesivos, e da possivel degradação das fibrilas colágenas expostas na interface por MMPs. Hebling et al. (2006) demonstraram recentemente, que a utilização de clorexidina como inibidor de MMPs, aplicada após o condicionamento com ácido fosfórico, resultou na paralização da degradação das camadas híbridas em dentes decíduos. Carrilho et al. (2006) demonstraram um efeito positivo na preservação da camada híbrida in vivo em dentes permanentes. Recentemente, Bedran-Russo et al. (2006) sugeriram um tratamento capaz de reforçar a estrutura orgânica da dentina, aumentando o número de ligações cruzadas entre as fibrilas de colágeno, o que poderia deixá-las mais resistentes contra a degradação, além de melhorar as suas propriedades mecânicas. Com o intuito de se obter uma união mais resistente, alguns cientistas buscaram 115

Clinical Update Publicação de Atualização Profissional da Dentsply Brasil

Clinical Update Publicação de Atualização Profissional da Dentsply Brasil Enforce - Sistema Multiuso de Cimentação Adesiva, com Flúor Desde que foi lançado no Brasil, o sistema de cimentação adesiva Enforce com Flúor passou a fazer parte do dia-adia dos profissionais que realizam

Leia mais

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP Restauração Indireta em Dente Posterior Associando Adesivo e Compósito com Nanopartículas Mario Fernando de Góes Cristiana Azevedo Vinicius Di Hipólito Luís Roberto Martins Cláudio Bragoto Curso de Extensão

Leia mais

Quando inicio um novo

Quando inicio um novo A r t i g o s Materiais e Técnicas com Wanderley de Almeida Cesar Jr. Entendendo a química dos cimentos e adesivos: você está cimentando suas peças estéticas corretamente? Quando inicio um novo artigo,

Leia mais

ALL BOND 3 GUIA TÉCNICO DPO IMP. EXP. E COM. DE PRODUTOS ODONTOLÓGICOS LTDA

ALL BOND 3 GUIA TÉCNICO DPO IMP. EXP. E COM. DE PRODUTOS ODONTOLÓGICOS LTDA ALL BOND 3 GUIA TÉCNICO DPO IMP. EXP. E COM. DE PRODUTOS ODONTOLÓGICOS LTDA Rua Itapicuru, 495 Perdizes CEP 05006-000 São Paulo SP Fone (11) 3670-1070 www.oraltech.com.br INFORMAÇÕES GERAIS ALL BOND 3

Leia mais

Adper Easy One. Adesivo Autocondicionante. Um adesivo Um frasco. Muitas vantagens

Adper Easy One. Adesivo Autocondicionante. Um adesivo Um frasco. Muitas vantagens Adper Easy One Adesivo Autocondicionante Um adesivo Um frasco Muitas vantagens Um adesivo. Uma camada. Uma única etapa. Rápido! PRATICIDADE EM UM FRASCO Com o Adper Easy One, você precisa de apenas um

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS . PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos.

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos. PRINCIPAIS PERGUNTAS SOBRE IMPLANTES DENTÁRIOS. O que são implantes osseointegrados? É uma nova geração de implantes, introduzidos a partir da década de 60, mas que só agora atingem um grau de aceitabilidade

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 87 5 Discussão dos Resultados No procedimento de análises das imagens gráficas obtidas nas simulações pelo método de elementos finitos, comparou-se a distribuição das tensões nas restaurações com material

Leia mais

5 Instrumentos Convencionais Acionados a Motor para Uso Endodôntico

5 Instrumentos Convencionais Acionados a Motor para Uso Endodôntico 5 Instrumentos Convencionais Acionados a Motor para Uso Endodôntico de Jesus Djalma Pécora com a colaboração de Eduardo Luiz Barbin; Júlio César Emboava Spanó; Luis Pascoal Vansan e Ricardo Novak Savioli

Leia mais

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 1 Produtos Devcon Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 2 Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo Prefácio 3 Preparação da

Leia mais

1.1 Objetivo. 1.2 Considerações Iniciais

1.1 Objetivo. 1.2 Considerações Iniciais 1 Introdução 1.1 Objetivo O objetivo deste trabalho é avaliar o desempenho de um reparo em dutos, que utiliza multicamadas metálicas coladas; estudando seu comportamento e propondo modelos numéricos e

Leia mais

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2.1. Generalidades As vantagens de utilização de sistemas construtivos em aço são associadas à: redução do tempo de construção, racionalização no uso de

Leia mais

3 Qualidade de Software

3 Qualidade de Software 3 Qualidade de Software Este capítulo tem como objetivo esclarecer conceitos relacionados à qualidade de software; conceitos estes muito importantes para o entendimento do presente trabalho, cujo objetivo

Leia mais

Mário Fernando de Góes

Mário Fernando de Góes Mário Fernando de Góes O nosso entrevistado, Dr. Mário Fernando de Góes, Professor Titular do Departamento de Odontologia Restauradora, área de Materiais Dentários da Faculdade de Odontologia de Piracicaba

Leia mais

Dentina Características gerais

Dentina Características gerais Características gerais Tecido dental duro com extensões es citoplasmáticas ticas de células c da polpa. Composiçã ção: Mineral Água Orgânica peso 70% 12% 18% volume 50% 20% 30% Relaçã ção o com outros

Leia mais

RESTAURAÇÕES DIRETAS COM RESINA EM CLASSES III E V

RESTAURAÇÕES DIRETAS COM RESINA EM CLASSES III E V RESTAURAÇÕES DIRETAS COM RESINA EM CLASSES III E V Indicações: Cavidades de Classe V, casos de erosão cervical/lesões de abrasão e lesões cariosas de raiz. Cavidades de Classe III. Preparo do Dente: Selecione

Leia mais

Encontro e Exposição Brasileira de tratamento de superficie III INTERFINISH Latino Americano

Encontro e Exposição Brasileira de tratamento de superficie III INTERFINISH Latino Americano Medidas de Aderência pelo Método Pull-Off Aspectos Práticos Não Abordados em Norma Rodolpho C. D.Pereira, Jeferson Leite Oliveira, Walter Andrade de Souza, Bruno Pacheco Silva, Isabel Cristina P. Margarit

Leia mais

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS 20.1 INTRODUÇÃO A madeira, devido à sua natureza, é um material muito sujeito a ataques de agentes exteriores, o que a torna pouco durável. Os

Leia mais

1 Introdução. 2 Material

1 Introdução. 2 Material TUTORIAL Criação de Engrenagens em Acrílico Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 18/01/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP CEETEPS Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP APOSTILA DE MATERIAIS DE PROTESE MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

Implantes Dentários. Qualquer paciente pode receber implantes?

Implantes Dentários. Qualquer paciente pode receber implantes? Implantes Dentários O que são implantes ósseos integrados? São uma nova geração de implantes, introduzidos a partir da década de 6O, mas que só agora atingem um grau de aceitabilidade pela comunidade científica

Leia mais

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO F1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO USO EM SOLO NATURAL No solo natural o Photogenesis F1 irá complementar os nutrientes

Leia mais

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Batizada pelos médicos de diabetes mellitus, a doença ocorre quando há um aumento do açúcar no sangue. Dependendo dos motivos desse disparo, pode ser de dois tipos.

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um Existem vários instrumentos de medição de nível que se baseiam na tendência que um determinado material tem de reflectir ou absorver radiação. Para medições de nível contínuas, os tipos mais comuns de

Leia mais

AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas

AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas CONSIDERAÇÕES INICIAIS AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas Quando planejamos construir uma subestação, o aspecto de maior importância está na escolha (e, conseqüentemente, da definição)

Leia mais

Instruções de utilização. Adesivo dentário de tripla acção

Instruções de utilização. Adesivo dentário de tripla acção Instruções de utilização Português 54 Adesivo dentário de tripla acção O Xeno III 1 é um adesivo dentário universal concebido para cimentar materiais de restauração fotopolimerizáveis a esmalte e dentina.

Leia mais

1 Introdução simulação numérica termoacumulação

1 Introdução simulação numérica termoacumulação 22 1 Introdução Atualmente o custo da energia é um dos fatores mais importantes no projeto, administração e manutenção de sistemas energéticos. Sendo assim, a economia de energia está recebendo maior atenção

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

Aura: Um novo conceito restaurador, para simplificar a técnica de uso de resinas compostas. Marcos de Oliveira Barceleiro

Aura: Um novo conceito restaurador, para simplificar a técnica de uso de resinas compostas. Marcos de Oliveira Barceleiro Aura: Um novo conceito restaurador, para simplificar a técnica de uso de resinas compostas Marcos de Oliveira Barceleiro Especialista, Mestre e Doutor em Dentística UERJ Professor Associado da Universidade

Leia mais

função de produção côncava. 1 É importante lembrar que este resultado é condicional ao fato das empresas apresentarem uma

função de produção côncava. 1 É importante lembrar que este resultado é condicional ao fato das empresas apresentarem uma 90 6. CONCLUSÃO Segundo a teoria microecônomica tradicional, se as pequenas empresas brasileiras são tomadores de preços, atuam nos mesmos mercados e possuem a mesma função de produção, elas deveriam obter

Leia mais

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado*

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* ISSN 1678-9636 Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* 49 O feijoeiro é uma das principais culturas plantadas na entressafra em sistemas irrigados nas regiões Central e Sudeste do Brasil.

Leia mais

LIGAÇÕES INTERATÔMICAS

LIGAÇÕES INTERATÔMICAS UNIDADE 2 - LIGAÇÕES INTERATÔMICAS 2.1. FORÇAS DE LIGAÇÃO FORTES Importante conhecer-se as atrações que mantêm os átomos unidos formando os materiais sólidos. Por exemplo, uma peça de cobre contém 8,4x10

Leia mais

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas.

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas. Restaurações estéticas anteriores diretas. O crescente desenvolvimento de materiais resinosos e técnicas adesivas, possibilita o planejamento e execução de restaurações de resina composta na dentição anterior.

Leia mais

FMEA (Failure Model and Effect Analysis)

FMEA (Failure Model and Effect Analysis) Definição FMEA (Failure Model and Effect Analysis) Conceitos Básicos A metodologia de Análise do Tipo e Efeito de Falha, conhecida como FMEA (do inglês Failure Mode and Effect Analysis), é uma ferramenta

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Q-Acadêmico. Módulo CIEE - Estágio. Revisão 01

Q-Acadêmico. Módulo CIEE - Estágio. Revisão 01 Q-Acadêmico Módulo CIEE - Estágio Revisão 01 SUMÁRIO 1. VISÃO GERAL DO MÓDULO... 2 1.1 PRÉ-REQUISITOS... 2 2. ORDEM DE CADASTROS PARA UTILIZAÇÃO DO MÓDULO CIEE... 3 2.1 CADASTRANDO EMPRESAS... 3 2.1.1

Leia mais

Gislaine Adams Sabrine Louise Souza

Gislaine Adams Sabrine Louise Souza Caso Clínico Clínica Integrada IV Necropulpectomia Gislaine Adams Sabrine Louise Souza Universidade Positivo 5º período Anamnese Paciente M.M. Sexo feminino 21 anos Fumante Procurou o serviço de emergência

Leia mais

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Instrumentação para Espectroscopia Óptica CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti INTRODUÇÃO Os componentes básicos dos instrumentos analíticos para a espectroscopia

Leia mais

Instruções de utilização

Instruções de utilização Instruções de utilização Prime&Bond NT Adesivo Dentário de Nano-Tecnologia Português O Prime&Bond NT é um adesivo dentário auto-activador estudado para cimentar materiais fotopolimerizáveis e materiais

Leia mais

PROCESSO DE FERMENTAÇÃO CONTÍNUA ENGENHO NOVO - FERCEN

PROCESSO DE FERMENTAÇÃO CONTÍNUA ENGENHO NOVO - FERCEN PROCESSO DE FERMENTAÇÃO CONTÍNUA ENGENHO NOVO - FERCEN A ENGENHO NOVO, sempre atenta ao desenvolvimento de novas tecnologias para produção de etanol, pesquisou e desenvolveu um processo simples e eficiente

Leia mais

Fundamentos essenciais na remoção de pinos pré-fabricados não metálicos: onde a magnificação faz a diferença?

Fundamentos essenciais na remoção de pinos pré-fabricados não metálicos: onde a magnificação faz a diferença? Capítulo15 Fundamentos essenciais na remoção de pinos pré-fabricados não metálicos: onde a magnificação faz a diferença? Patrick Baltieri patrick baltieri Graduado em Odontologia pela FOP- UNICAMP (2003);

Leia mais

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Estudo de caso Reúnam-se em grupos de máximo 5 alunos e proponha uma solução para o seguinte caso: A morte dos peixes ornamentais. Para isso

Leia mais

OFICINA: Limpeza: Foco em Carregamento de Termolavadora e Lavadora Ultrasônica Coordenador: Ligia Garrido Calicchio

OFICINA: Limpeza: Foco em Carregamento de Termolavadora e Lavadora Ultrasônica Coordenador: Ligia Garrido Calicchio OFICINA: Limpeza: Foco em Carregamento de Termolavadora e Lavadora Ultrasônica Coordenador: Ligia Garrido Calicchio São Paulo -2012 Introdução A esterilização bem sucedida dos instrumentais cirúrgicos

Leia mais

GrandTEC. Tiras de fibra de vidro impregnadas com resina para uso em técnicas adesivas odontológicas

GrandTEC. Tiras de fibra de vidro impregnadas com resina para uso em técnicas adesivas odontológicas GrandTEC Tiras de fibra de vidro impregnadas com resina para uso em técnicas adesivas odontológicas GrandTEC Técnica inovadora Somente aplicando os mais modernos materiais da técnica adesiva, o clínico

Leia mais

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin;Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin;Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin;Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst TÉCNICA DIRETA. 1. Radiografia inicial para determinação da possibilidade de confecção de pino/núcleo. 2. O dente

Leia mais

REPARO EM PORCELANA. 3M ESPE Adper Single Bond TM 2 Adesivo Fotopolimerizável

REPARO EM PORCELANA. 3M ESPE Adper Single Bond TM 2 Adesivo Fotopolimerizável REPARO EM PORCELANA Preparação: Isole e limpe a superfície. Deixe a superfície metálica rugosa com uma broca ou através da técnica de jateamento. Remova toda porcelana enfraquecida. Bisele as margens.

Leia mais

O TRATAMENTO PROFISSIONAL DA HIPERSENSIBILIDADE.

O TRATAMENTO PROFISSIONAL DA HIPERSENSIBILIDADE. O TRATAMENTO PROFISSIONAL DA HIPERSENSIBILIDADE. VOCÊ RESOLVENDO O PROBLEMA DO SEU PACIENTE. CONTÉM NANO- HIDROXIAPATITA Pasta Dessensibilizante e Remineralizante AF. folder 40x7 nano p.indd 6/6/0 :40:49

Leia mais

Tabela 1 - conteúdo de umidade em alguns alimentos:

Tabela 1 - conteúdo de umidade em alguns alimentos: UMIDADE EM ALIMENTOS Umidade, ou teor de água, de um alimento constitui-se em um dos mais importantes e mais avaliados índices em alimentos. É de grande importância econômica por refletir o teor de sólidos

Leia mais

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Mercado Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Por: WELLINGTON SILVA TEIXEIRA As mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global suscitam as discussões em torno da necessidade da adoção

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE MELHORES PRÁTICAS DA OCDE PARA A TRANSPARÊNCIA ORÇAMENTÁRIA INTRODUÇÃO A relação entre a boa governança e melhores resultados econômicos e sociais é cada vez mais reconhecida. A transparência abertura

Leia mais

Usinagem com Altíssima Velocidade de Corte

Usinagem com Altíssima Velocidade de Corte Capítulo 2 Revisão da Literatura Usinagem com Altíssima Velocidade de Corte 2.1. Aspecto Histórico A primeira sugestão de um trabalho com HSM foi feita por Salomon, em 1931, que propôs que existiria uma

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA MINA DE URÂNIO EM CAETITÉ, LAGOA REAL E LIVRAMENTO DE NOSSA SENHORA NO ESTADO DA BAHIA

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA MINA DE URÂNIO EM CAETITÉ, LAGOA REAL E LIVRAMENTO DE NOSSA SENHORA NO ESTADO DA BAHIA ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA MINA DE URÂNIO EM CAETITÉ, LAGOA REAL E LIVRAMENTO DE NOSSA SENHORA NO ESTADO DA BAHIA ESTUDO CONDUZIDO PELO CENTRO DE SAÚDE DO TRABALHADOR E ECOLOGIA HUMANA

Leia mais

O uso de materiais resinosos e estéticos em dentes posteriores é. crescente na prática odontológica, apesar desses apresentarem custo mais

O uso de materiais resinosos e estéticos em dentes posteriores é. crescente na prática odontológica, apesar desses apresentarem custo mais 1- INTRODUÇÃO: O uso de materiais resinosos e estéticos em dentes posteriores é crescente na prática odontológica, apesar desses apresentarem custo mais elevado e longevidade inferior quando comparados

Leia mais

2. Resultados. 2.1 A Deposição dos Filmes de Diamante

2. Resultados. 2.1 A Deposição dos Filmes de Diamante 1. Introdução O presente relatório apresenta os resultados referentes ao trabalho experiemental desenvolvido no periodo de março a Junho de 29. O trabalho foi desenvolvido nos laboratórios do grupo DIMARE

Leia mais

CURSOS ICMDS PROSTODONTIA

CURSOS ICMDS PROSTODONTIA CURSOS ICMDS PROSTODONTIA OBJECTIVOS Aprimorar a pratica clinica dos profissionais que praticam Prostodontia no seu dia dia e buscam a exelência no planeamento Estético, Mock up, Metal Free, nos Preparos

Leia mais

Aula 17 Projetos de Melhorias

Aula 17 Projetos de Melhorias Projetos de Melhorias de Equipamentos e Instalações: A competitividade crescente dos últimos anos do desenvolvimento industrial foi marcada pela grande evolução dos processos produtivos das indústrias.

Leia mais

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU 1 Capítulo 6 - SANGRIA DE AR 6.1 - Finalidade e características gerais A finalidade da APU é fornecer ar comprimido para os sistemas pneumáticos da aeronave e potência de eixo para acionar o gerador de

Leia mais

Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul PESQUISA ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS DE QUALIDADE DE MISTURAS ASFÁLTICAS PRODUZIDAS NA ATUALIDADE NO SUL DO BRASIL E IMPACTOS NO DESEMPENHO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS. MANUAL DE OPERAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

Aditivos para argamassas e concretos

Aditivos para argamassas e concretos Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Aditivos para argamassas e concretos Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Introdução Mehta: Quarto componente do concreto ; Estados

Leia mais

4 A UM PASSO DO TRAÇO

4 A UM PASSO DO TRAÇO 4 A UM PASSO DO TRAÇO Coleção Fascículo 4 A um passo do traço Índice A um passo do traço...05 Capriche na dosagem...09 Rodando o traço... 14 Depois das matérias-primas, os ajustes finais...16 Corrigindo

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip Elementos de Produção de Ar Comprimido Compressores Definição Universidade Paulista Unip Compressores são máquinas destinadas a elevar a pressão de um certo volume de ar, admitido nas condições atmosféricas,

Leia mais

A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE

A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE ULRICH, Helen Departamento de Engenharia de Produção - Escola de Engenharia

Leia mais

Tipos de Poços. escavação..

Tipos de Poços. escavação.. O que é um poço Tubular Chamamos de poço toda perfuração através da qual obtemos água de um aqüífero e há muitas formas de classificá-los. Usaremos aqui uma classificação baseada em sua profundidade e

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Bioquímica, aula prática, efeito do ph, hidroxiapatita.

PALAVRAS-CHAVE Bioquímica, aula prática, efeito do ph, hidroxiapatita. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO ANO LECTIVO 2015 2016 CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL MÉTODOS OPTICOS ESPECTROFOTOMETRIA MOLECULAR (UV

Leia mais

SÉRIE 46 DA GETINGE TERMODESINFECTORAS. Always with you

SÉRIE 46 DA GETINGE TERMODESINFECTORAS. Always with you SÉRIE 46 DA GETINGE TERMODESINFECTORAS Always with you Quantos materiais reutilizáveis você necessita processar? Quais tipos? A Termodesinfectora série 46 da Getinge inclui acessórios que se adaptam de

Leia mais

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Energia cinética das precipitações Na Figura 9 estão apresentadas as curvas de caracterização da energia cinética aplicada pelo simulador de chuvas e calculada para a chuva

Leia mais

Adesivos e Fitas Adesivas Industriais 3M 3M VHB. fitas de montagem. permanente. Alternativa comprovada a parafusos, rebites e soldaduras

Adesivos e Fitas Adesivas Industriais 3M 3M VHB. fitas de montagem. permanente. Alternativa comprovada a parafusos, rebites e soldaduras Adesivos e Fitas Adesivas Industriais 3M 3M VHB fitas de montagem permanente Alternativa comprovada a parafusos, rebites e soldaduras Pode uma fita substituir realmente sistemas de fixação mecânica? Sim.

Leia mais

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas : Avaliação do perfil de inovação de empresas Prof. Paulo Henrique S. Bermejo, Dr. Prof. André Luiz Zambalde, Dr. Adriano Olímpio Tonelli, MSc. Pamela A. Santos Priscila Rosa LabGTI Laboratório de Governança

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) LAT 54

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) LAT 54 LAT 54 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto: LAT 54 - DETERGENTE SEMIPASTOSO ESPUMANTE Identificação da Empresa: Química Foz do Iguaçu Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda.

Leia mais

TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA

TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA Unidade de Assistência, Unidade de Laboratório e Rede de Direitos Humanos

Leia mais

- Propriedades do aço da barra, chumbador ou elemento a ser ancorado

- Propriedades do aço da barra, chumbador ou elemento a ser ancorado Tecfix One Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi-acrilato Descrição Tecfix One é um produto bicomponente disposto numa bisnaga com câmaras independentes, projetada para realizar a mistura adequada

Leia mais

lubrificantes e combustíveis

lubrificantes e combustíveis lubrificantes e combustíveis Lubrificantes A lubrificação é um dos principais itens de manutenção de máquinas agrícolas e deve ser entendida e praticada para aumento da vida útil das mesmas,devido se tornarem

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP LAJE As lajes são estruturas destinadas a servirem de cobertura, forro ou piso para uma edificação.

Leia mais

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2. ÍNDICE 1 SUPERFICIES CERÂMICAS 2 PROTEÇÃO ÀS TELHAS E TIJOLOS 3 PRINCIPAIS FATORES QUA ALTERAM AS CARACTERISTICAS DAS SUPERFICIES CERAMICAS: HIDROFUGANTES E IMPERMEABILIZANTES 4.1 HIDROFUGANTES 4.1.1 TIPOS

Leia mais

Somos uma empresa especializada em importar e distribuir materiais de última

Somos uma empresa especializada em importar e distribuir materiais de última 1 »» A Oraltech Somos uma empresa especializada em importar e distribuir materiais de última geração destinados as diversas áreas da Odontologia. A nossa filosofia é oferecer excelência de qualidade através

Leia mais

Membranas Biológicas e Transporte

Membranas Biológicas e Transporte Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Disciplina de Introdução a Bioquímica Membranas Biológicas e Transporte 1. Introdução 2. Os Constituintes

Leia mais

Densímetro de posto de gasolina

Densímetro de posto de gasolina Densímetro de posto de gasolina Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia Tema Materiais: propriedades Conteúdos Densidade, misturas homogêneas e empuxo Usos / objetivos Introdução ou aprofundamento do

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA TERMÔMETROS DE RESISTÊNCIA

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA TERMÔMETROS DE RESISTÊNCIA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA TERMÔMETROS DE RESISTÊNCIA Introdução O uso de termômetros de resistência esta se difundindo rapidamente devido a sua precisão e simplicidade

Leia mais

Linha Suva de Fluidos Refrigerantes

Linha Suva de Fluidos Refrigerantes Fluidos Refrigerantes Linha Suva de Fluidos Refrigerantes Caso necessite de informações sobre os distribuidores autorizados mais próximos de sua região, ligue para o Tele DuPont, 0800-17-17-15. Para aplicações

Leia mais

Energia kj/mol kcal/mol

Energia kj/mol kcal/mol Cap. 1 A estrutura dos materiais 27 1.4 Estrutura dos Polímeros Já foi visto anteriormente, conforme ilustrado pela figura 1.15, que não existe uma ligação pura encontrada nos sólidos reais, inclusive

Leia mais

Material para Produção Industrial. Ensaio de Compressão. Prof.: Sidney Melo 8 Período

Material para Produção Industrial. Ensaio de Compressão. Prof.: Sidney Melo 8 Período Material para Produção Industrial Ensaio de Compressão Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 Embora em alguns textos se trate o comportamento na compressão pelos parâmetros do ensaio de tração (e.g. na aplicação

Leia mais

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Weider Silva Especialista em Dentística. Especialista em Prótese. Especialista em Implantodontia. Professor do Curso de Especialização de Dentística

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

Workshop de Conhecimentos sobre Pele

Workshop de Conhecimentos sobre Pele Workshop de Conhecimentos sobre Pele Objetivos Após concluir o treinamento você será capaz de compartilhar com suas clientes: Como funciona a pele. Características de cada tipo de pele. Como classificar

Leia mais

O PROCESSO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

O PROCESSO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA O PROCESSO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 1 Nossos últimos assuntos foram: Fases do processo de criação do conhecimento. A transferência do conhecimento e a busca pela Inovação. Nesta aula veremos: O processo

Leia mais

Motivação. Robert B. Dilts

Motivação. Robert B. Dilts Motivação Robert B. Dilts A motivação é geralmente definida como a "força, estímulo ou influência" que move uma pessoa ou organismo para agir ou reagir. De acordo com o dicionário Webster, motivação é

Leia mais

Formas farmacêuticas líquidas - Soluções

Formas farmacêuticas líquidas - Soluções Formas farmacêuticas líquidas - Soluções Preparações líquidas: Podem conter uma ou mais substâncias químicas dissolvidas em solvente adequado ou em mistura de solventes mutuamente miscíveis ou dispersíveis.

Leia mais

Resolução da lista de exercícios de casos de uso

Resolução da lista de exercícios de casos de uso Resolução da lista de exercícios de casos de uso 1. Explique quando são criados e utilizados os diagramas de casos de uso no processo de desenvolvimento incremental e iterativo. Na fase de concepção se

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Argamassa Biomassa Código: AB001

Ficha Técnica de Produto Argamassa Biomassa Código: AB001 1. Descrição: A é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento de blocos em sistemas de vedação vertical. O principal

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais A dissertação traz, como foco central, as relações que destacam os diferentes efeitos de estratégias de marca no valor dos ativos intangíveis de empresa, examinando criticamente

Leia mais

6 Constituição dos compósitos em estágio avançado da hidratação

6 Constituição dos compósitos em estágio avançado da hidratação 6 Constituição dos compósitos em estágio avançado da hidratação Este capítulo analisa a constituição dos compósitos com CCA com base nos resultados de análise termogravimétrica e microscopia. As amostras

Leia mais

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

EMPRESAS CONTRATADAS Como manter com elas um relacionamento efetivo

EMPRESAS CONTRATADAS Como manter com elas um relacionamento efetivo EMPRESAS CONTRATADAS Como manter com elas um relacionamento efetivo O treinamento de trabalhadores, voltado para a conscientização sobre os perigos existentes em suas áreas de trabalho, reduz ao mínimo

Leia mais

COLEÇÃO 100% 18% 51% Reciclável Conteúdo Reciclado. Natural

COLEÇÃO 100% 18% 51% Reciclável Conteúdo Reciclado. Natural COLEÇÃO 51% Natural 100% 18% Reciclável Conteúdo Reciclado 3683032 3683033 3675040 3675044 COLEÇÃO SET 24025672 24025673 24025674 24024001 24024002 Base antiderrapante presente em todas as cores da coleção

Leia mais